Relatório Anual de Investimentos 2016 — Jusprev

 

Embed or link this publication

Description

Relatório Anual de Investimentos 2016

Popular Pages


p. 1

Relatório Anual de Informações A JUSPREV É MUITO MAIS DO QUE VOCÊ IMAGINA 2016

[close]

p. 2



[close]

p. 3

RReellaattóórriioo AAnnuuaall ddee IInnffoorrmmaaççõõeess A JUSPREV É FORMADA POR 56 INSTITUIDORAS E JÁ SOMOS QUASE TRÊS MIL PARTICIPANTES. TEMOS 150 MILHÕES DE REAIS EM ATIVOS ADMINISTRADOS E UMA RENTABILIDADE QUE CORRESPONDE ÀS MELHORES EXPECTATIVAS DO MERCADO: 13,48% EM 2016. 2016

[close]

p. 4

EQUIPE Deborah Maggio Gerência Solange Stelle Institucional Glaucia Murça Relacionamento Adriano Gomes Comunicação Allan Nogueira Investimentos e Financeiro Fabiano Bonifacio Tecnologia da Informação Leandro Kormann Operacional Jessyca da Silva Institucional e Financeiro Alexandre dos Santos Carolina Dutra Consultores Patricia Traldi Administrativo Projeto Gráfico Cassiano Tabalipa ÍNDICE 4 Destaques 2016 5 Perspectivas 2017 6 JUSPREV em números 6 Participantes ativos 6 Evolução do patrimônio 7 Aportes 7 Portabilidades 8 Relatório sobre Investimentos 8 Alocação por segmento 8 Relatório Previdenciário 8 Cenário Macroeconômico 9 Enquadramento Resolução n° 3.792 10 Relatório BRAM 12 Relatório SulAmérica 13 Resumo da Política de Investimentos 13 Introdução 14 Plano de Benefícios 14 Alocação de Recursos e limites por segmento de aplicação 15 Índices de Referência 15 Metas de Rentabilidade 15 Restrições 15 Avaliação dos Investimentos 16 Novos Investimentos 16 Investimentos com Risco de Crédito 16 Investimentos no Exterior 17 Monitoramento dos Investimentos 17 Operações com Derivativos 17 Processos de Controle de Riscos 17 Contratação de Agentes Fiduciários 18 Desenquadramentos 18 Disposições Gerais 19 Demonstrações Contábeis 19 Balanço Patrimonial Consolidado 19 Demonstração da Mutação do Patrimônio Social 20 Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios 20 Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios 21 Demonstração do Plano de Gestão Administrativa (Consolidada) 21 Demonstração das Provisões Técnicas do Plano de Benefícios 22 Parecer Atuarial do Plano de Benefícios 22 Objetivo 22 Base Cadastral 22 Hipóteses atuariais 23 Resultados atuariais 24 Plano de Contas Contábil 25 Parecer dos Auditores Independentes 28 Parecer do Conselho Fiscal 28 Manifestação do Conselho Deliberativo 29 Órgãos Estatutários 30 Colégio de Instituidoras

[close]

p. 5

MENSAGEM DA DIRETORIA Apesar do mantra entoado em 2016, em que a palavra crise aparecia em quase todas as frases formuladas sobre a economia brasileira, e em um cenário de inflação de 6,29% a.a., a Jusprev fechou o ano com resultados altamente positivos: crescimento patrimonial de 26% e rentabilidade de 13,48% — acima da meta atuarial estabelecida (Inpc + 5%, que daria 11,91%). Crescemos quase R$ 30 milhões em 2016, somando um patrimônio, hoje, de 150 milhões e pretendemos chegar ao fim de 2017, ano em que completamos nosso 10º aniversário, próximos aos 200 milhões. Isso graças a um trabalho firme para o aumento no número de participantes, executado por diversos meios, contando, sobretudo, com os esforços de nossa equipe própria de comercialização, constituída há poucos meses e já com resul-tados muito significativos. Para isso, também contamos com o apoio e o empenho da nossa forte rede de instituidoras, formada hoje por 56 associações de classe ligadas à Justiça, ao Ministério Público e à Receita Federal do Brasil. Mostrando cada qual em sua instituição os resultados de nossa Previdência Associativa e o que ela pode trazer para o futuro de cada associado, essas entidades contribuirão para fortalecer-nos ainda mais. Melhor para a Jusprev, melhor para o participante, melhor para um país que hoje apresenta o pior índice dos países das Américas e um dos piores do mundo em relação à poupança para a aposentadoria. Estudo feito pelo Banco Mundial em 143 países mostrou que apenas quatro em cada 100 brasileiros separa recursos para os anos finais da vida, mais precisamente 4,67%. Apenas 11 países têm resultados abaixo do Brasil, que perde para nações como Congo, Maláui ou Togo. Os índices são bem diferentes, por exemplo, em relação a Portugal, a África do Sul, a América Latina e Caribe, onde 53,98% dos entrevistados (maiores de 15 anos), 15,93% e 10,60%, respectivamente, declararam fazer economias para a velhice. A Jusprev quer ajudar a mudar esse quadro e ver o Brasil crescer e formar cidadãos mais previdentes. Maria Tereza Uille Gomes Diretora-Presidente Jair Eduardo Santana Diretor Administrativo-Financeiro Marcio Humberto Gheller Diretor Jurídico e de Benefícios

[close]

p. 6

DESTAQUES 2016 Icatu Seguradora Em 2016 a Jusprev firmou parceria com a Icatu Seguros para ser a nova administradora da cobertura dos riscos de morte e invalidez do Planjus. A mudança proporcionou aos participantes condições mais atrativas e um desconto de 15% nas contribuições mensais para morte e/ou invalidez. Além disso, o participante também passou a contar com a possibilidade de contratação de capital segurado de até R$ 3 milhões. 13,48% de rentabilidade No ano de 2016, apesar do debilitado cenário econômico nacional, a rentabilidade da Jusprev foi de 13,48%. O resultado alcançado demonstra o comprometimento de toda a nossa equipe, em especial do Comitê de Investimentos, que busca constantemente os melhores resultados para os investimentos de todos os participantes. Nova gestora SulAmérica Outra novidade de 2016 foi a entrada da SulAmérica na gestão dos recursos do Planjus. Com o ingresso, houve um aumento de 35% do patrimônio aplicado em fundo Alm (apenas Ntn-Bs). O incremento diminuiu a volatilidade (oscilação das rentabilidades) do Planjus. A SulAmérica entrou para substituir a Dlm Invista. Quase R$ 150 milhões de patrimônio Em 2015 a Jusprev comemorou a marca de R$ 100 milhões em patrimônio. Mas, os resultados obtidos em 2016 foram ainda melhores, o que elevou este número, hoje, para a casa dos R$ 150 milhões. Uma conquista histórica. Contratação de Consultores Próprios Buscando aprimorar o atendimento aos potenciais participantes, a Jusprev contratou no ano de 2016 dois novos profissionais para prestar consultoria personalizada. A formação da equipe própria de consultores é uma forma de coordenar todo o processo de adesões ao Planjus e assimilar, definitivamente, a identidade da Jusprev. Alexandre dos Santos atende agora a região Sul do país. A região Sudeste é atendida por Carolina Dutra. 4

[close]

p. 7

PERSPECTIVAS 2017 10 anos JUSPREV Em 2017 a Jusprev comemora dez anos de atividades. Foi uma década de grandes conquistas e crescimento. Hoje, a entidade já conta com 56 instituidoras, quase 3000 participantes e R$ 150 milhões em patrimônio. Programa de Educação Financeira Em 2016 a Jusprev esteve presente em vários estados do Brasil ministrando palestras sobre a necessidade da Previdência Complementar na vida dos associados, potenciais participantes. Também no nosso site têm sido divulgadas matérias com conteúdo importante para todos os associados que desejam conhecer um pouco mais sobre a Jusprev e sobre o cenário da previdência complementar e oficial do Brasil. Treinamento & Capacitação Com o principal objetivo de intensificar o relacionamento com as Associações Instituidoras e assim criar um maior envolvimento e participação na distribuição e divulgação do Planjus, a Jusprev continuará a oferecer em 2017 o Treinamento para capacitação dos funcionários e diretores das Associações Instituidoras. O objetivo é oportunizar o conhecimento sobre o Estatuto da Jusprev e o Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários que administra, o Planjus. Novo site Na busca de sempre melhorar os canais de comunicação com nossos participantes e instituidoras, a Jusprev lançará em breve o novo layout do site institucional. O novo site trará várias novidades, entre elas uma página para interação com possíveis novos participantes. Além de facilitar a navegação, o novo site terá também um visual mais atraente, o que facilitará a leitura e a captura da atenção de quem acessar o portal. Nova composição Comitê de Investimentos Durante a reunião geral realizada em Curitiba no dia 17 de março, foram nomeados os novos nomes do Comitê de Investimentos da Jusprev. Os novos membros, Felipe Locke Cavalcanti (Apmpsp), Francisco Borges Ferreira Neto (Ameron), Gervásio Protásio dos Santos Junior (Amma), Maurício Trevisan (Amprs) e Miguel Arcanjo Simas Nôvo (Anfip), passam a atuar ao lado dos já nomeados Fabio Bertoli Esmanhotto (Presidente), Marco Aurelio Monteiro Tuoto e Willian Lira de Souza. O Comitê de Investimentos é composto por no máximo 8 (oito) membros, sob coordenação de um Presidente e todos são nomeados pelo Conselho Deliberativo da entidade para auxiliar a Diretoria Executiva. Equipe própria em todas as regiões A Jusprev não para. E para continuar a crescer a entidade precisa estar presente em todas as regiões do país. Já tínhamos, desde o ano passado, consultores nas regiões Sul e Sudeste. Com a contratação de dois novos consultores — para a região Norte, Fabio Roger de Souza e para a região Nordeste, Ibraim Filho — duas novas regiões passam a contar também com a excelência de nosso atendimento padronizado. A perspectiva é, ainda este ano, estarmos presentes em todas as regiões do Brasil. 5

[close]

p. 8

Participantes ativos 2016 2015 2014 2013 2012 2011 2010 2009 2008 JUSPREV EM NÚMEROS 2.560 2.491 2.352 2.336 2.222 2.049 1.748 1.338 760 Evolução do Patrimônio R$ 144.131.976,47 R$ 112.586.373,10 R$ 84.507.595,48 R$ 63.744.378,28 R$ 51.402.635,47 R$ 35.449.360,22 R$ 21.062.268,29 R$ 10.046.678,83 R$ 1.982.543,81 2008 2009 2010 2011 2012 2013 6 2014 2015 2016

[close]

p. 9

Aportes 2016 2015 2014 2013 2012 2011 2010 2009 R$ 1.492.583,69 2008 R$ 766.758,00 R$ 2.891.287,22 R$ 2.566.583,73 R$ 2.849.461,11 R$ 2.876.884,87 R$ 2.530.668,59 R$ 2.533.271,61 R$ 3.796.546,86 Portabilidades R$ 3.199.255,23 R$ 2.227.062,08 R$ 2.278.147,70 R$ 1.695.693,39 R$ 1.723.159,48 R$ 1.526.614,58 R$ 1.610.552,46 R$ 1.186.606,29 R$ 686.097,99 2008 2009 2010 2011 2012 7 2013 2014 2015 2016

[close]

p. 10

RELATÓRIO SOBRE INVESTIMENTOS Resumo das Informações sobre investimentos em 31/12/2016 Em atendimento à Política de Investimentos aprovada pelo Conselho Deliberativo em 15 de dezembro de 2015, os investimentos da Jusprev em 2016 obedeceram aos limites já definidos pela Resolução n° 3.792, do Cmn, de 24 de setembro de 2009, abaixo discriminados: A%ldoeceaxçpãoosiçpãoor Segmento SEGMENTOS DE APLICAÇÃO Renda Fixa (inclui disponíveis nos fundos) Renda Variável Investimentos Estruturados Investimentos no Exterior Imóveis Operações com participantes Disponível / Caixa Passivo Operacional (Balancete) Disponível Contingencial (Balancete) TOTAL VALOR APLICADO (milhões) 143.741 3,78 0 393,57 0 0 50,89 0 0 144,189 % 99,69 - 0,27 - 0,04 - 100 Relatório Previdenciário DESCRIÇÃO Portabilidade Recebidas Adesões Assistidos Ativos em 21/12/2015 2014 24 95 6 2.352 2015 26 100 9 2.452 2016 49 224 13 2.560 Cenário Macroeconômico MÊS (ano 2016) Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Acumulado Indicadores JUSPREV 1,04 1,12 1,11 1,18 0,97 1,21 1,06 1,18 1,02 0,87 0,91 1,02 13,48 CDI 1,05 1 1,16 1,05 1,11 1,16 1,11 1,21 1,11 1,05 1,04 1,12 14 INPC 1,51 0,95 0,44 0,64 0,98 0,47 0,64 0,31 0,08 0,17 0,07 0,14 6,58 IPCA %CDI 1,27 98,95 0,9 112,13 0,43 95,85 0,61 111,87 0,78 87,26 0,35 104,55 0,52 96,11 0,44 97,59 0,08 91,73 0,26 83,51 0,18 88,12 0,3 91,22 6,29 96,30 8

[close]

p. 11

Enquadramento Resolução n° 3.792/2009 Subcategorias de Alocação Renda Fixa Títulos da Dívida Pública Mobiliária Federal Conjunto dos ativos de renda fixa, excluídos os títulos públicos federais Títulos das dívidas públicas mobiliárias estaduais e municipais CBDs, RDBs e Letras Financeiras DPGEs Debënlures Letras Hipotecárias (LH) e Letras de Crédito Imobiliário (LCI) Certificado de Operações Estruturadas —COE FIDCs e FICs de FIDCs Notas Promissórias, CCBs e CCCBs Notas de Crédito à Exportação (NCE) e Cédulas de Crédito à Exportação (CCE) Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRIs) Cédulas de Crédito Imobiliário (CCIs) Títulos do agronegócio (CPR, CRA, CDCA e WA) Demais títulos de companhias abertas e securitizadas (exclui debêntures) Caixa, provisões e despesas (valores a pagar e receber) Cotas de Fundos de Renda Fixa Operações a termo, opções de renda fixa e swaps Renda Variável Ações do Segmento Novo Mercado Ações do Segmento Nível 2 Ações do Segmento Bovespa Mais Ações do Segmento Nível 1 ETFs e ações não classificadas nos segmentos de governança corporativa Títulos de emissão de SPEs Debênlures com part. nos lucros, Ouro, Crédito de Carbono e CPAC Cotas de fundos de Renda Variável Opções Investimentos estruturados Fundos de Participação (Private Equity) e FMIEE Fundos de Investimentos Imobiliário (FII) Fundos Multimercados Estruturados Investimento no Exterior Ativos emitidos no exterior em fundos sediados no Brasil Fundos e FICs de Dívida Externa Cotas de fundos de índice do exterior admitidas a negociação no Brasil Brazilian Deposits Receipts (BDRs) Ações de companhias sediadas no Mercosul Imóveis Operações com participantes Empréstimos a participantes Financiamentos Imobiliários Posição Limite Alocação Limite Limite Atual (%) Legal (%) Objetivo (%) Inferior (%) Superior (%) 99,69 100 90 75 100 78,28 100 - 0 100 21,41 80 - 0 80 0 80 - 0 80 18,79 80 - 0 80 0 80 - 0 80 2,23 80 - 0 80 0 80 - 0 80 0 80 - 0 80 0,24 20 - 0 20 0,01 20 - 0 20 0 20 - 0 20 0 20 - 0 20 0 20 - 0 20 0 20 - 0 20 0 20 - 0 20 0 - -0 - 0 - -0 - 0,14 - - 0 - 0 70 5 0 35 0 70 - 0 35 0 60 - 0 35 0 50 - 0 35 0 45 - 0 35 0 35 - 0 35 0 20 - 0 20 03 -03 0 - -0 0 - -0 - 0 20 2,5 0 20 - 0 10 - 0 10 - 0 10 00 00 0 10 0,27 10 2,5 0 5 0,1 10 - 0 5 0 10 - 0 5 0 10 - 0 5 0,17 10 - 0 5 0 10 05 08000 0 15 0 0 0 0 15 - 0 0 0 15 - 0 0 Status OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK OK Comentários: No encerramentos do 4º trimestre de 2016, os investimentos do plano de benefícios da Efpc apresentavam-se em conformidade em relação aos artigos 35 e 40 da Resolução Cmn nº 3792 e com os limites inferiores e superiores definidos segundo a política de investimentos. 9

[close]

p. 12

RELATÓRIO BRAM — JUSPREV 2016 Cenário Macroeconômico No ambiente global, 2016 ficou marcado pelo avanço de movimentos antiglobalização. Nos Eua, a eleição do republicano Donald Trump para presidente marcou o fortalecimento de uma plataforma econômica baseada no protecionismo (em termos comerciais e de f luxos de imigração) e na expansão fiscal (por redução de impostos e expansão de investimentoseminfraestrutura).NaEuropa,oReino Unido votou por sair da União Europeia, levantando uma série de dúvidas acerca das implicações não apenas econômicas, mas também políticas em todo o continente. Diante do aumento da incerteza global e da ausência de pressão inflacionária, as autoridades monetárias da Zona do Euro, Reino Unido e Japão decidiram ampliar suas políticas acomodatícias. Na contra-mão desse movimento, o Fed elevou a taxa de juros em 25p.b tendo em vista o aperto no mercado de trabalho e a expectativa de aceleração inflacionária. Na China, observamos a presença acentuada do governo na economia concedendo estímulo fiscal e monetário, afastando temores de uma desaceleração brusca da atividade econômica. De modo geral, presenciamos em 2016 a continuidade da divergência da política monetária entre os Eua e os demais países desenvolvidos. Ademais, ainda que no curto prazo os impactos negativos dos discursos politicamente disruptivos sobre a economia real sejam menores, no médio prazo os eventos (eleição de Trump e Brexit) de 2016 podem ser prejudiciais ao crescimento da economia mundial. No Brasil, a continuidade da recessão e o pro- gresso na agenda fiscal permitiram o início do ciclo de corte de juros. Em 2016, o Pib brasileiro deve recuar 3,6%, após contração de 3,8% em 2015. Instabilidade política, ausência de confiança para investir e consumir, taxa de juros elevada e deterioração do mercado de trabalho formaram o pano de fundo para a manutenção do quadro recessivo. Como consequência direta desse cenário de fraqueza da demanda doméstica, a inflação recuou de 10,7% em 2015 para 6,3% em 2016. Outra consequência desse quadro de contração da economia por um período prolongado foi a visibilidade dada ao problema fiscal e à trajetória ascendente da dívida pública, exigindo a revisão da estrutura de gastos do setor público. Nesse sentido, a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (Pec 241) que estipula um teto ao crescimento dos gastos públicos foi uma sinalização de comprometimento do Congresso com a busca do equilíbrio fiscal. Além disso, o governo também enviou ao Congresso uma proposta consistente de Reforma da Previdência. Esse arranjo de inflação cadente (corrente e expectativa) e melhora da perspectiva fiscal no médio prazo foi fundamental para que o Copom reduzisse a Selic em 50p.b ao final de 2016 (levando-a para 13,75%) e sinalizasse a execução de novos cortes em 2017. Em resumo, a despeito de toda a repercussão negativa da contração econômica, podemos afirmar que 2016 também ficará marcado pelo endereçamento de soluções para problemas estruturais, especialmente no caso do gasto público. Estratégia adotada no período Em função do cenário pessimista no inicio do ano, iniciamos alocados em fundos de Renda Fixa com perfil conservador, sem exposição em Renda Variável local e alocação em Investimentos no Exterior (cerca de 2% do patrimônio). A partir de março, em função das drásticas alterações no contexto local, aumentamos o risco da parcela de Renda Fixa, com o objetivo de capturar resultados com a perspectiva de corte dos juros básicos (Selic), reduzimos significativamente a alocação em Investimentos no Exterior e voltamos a alocar em ações de empresas brasileiras, com alocação tática e exposição média de 1% do portfólio. 10

[close]

p. 13

Na tabela abaixo demonstramos o histórico de exposição do fundo. % de exposição Classe de Fundo Títulos atrelados a inflação Renda Variável Investimentos no Exterior Estruturado Renda Fixa Dez/14 Dez/15 00 0,2 0 1,1 2,8 2,6 0 96,2 97,3 Mar/16 0 2,3 2,4 0 95,3 Jun/16 0 0 0 0 100 Set/16 Dez/16 00 3,1 0 01 00 96,9 99 Jan/17 0 1 1 0 99 Na tabela a seguir demonstramos os resultados mensais e acumulado em 2016 do Bradesco Jusprev e dos fundos que tiveram participação em sua carteira no final de 2016. Rentabilidade BRADESCO FIC FIM JUSPREV % CDI 2014 10,52 97,3 2015 13,88 104,9 2016 1º trim 2º trim 3º trim 4º trim 13,2 2,71 3,34 3,46 3,09 94,3 83,4 99,4 99,7 95,3 Outros Indicadores Poupança CDI Ibovespa 7,16 8,15 10,81 13,23 -2,78 -12,41 8,3 1,96 14 3,25 36,7 13,92 2 2,09 3,36 3,47 3,35 13,24 2 3,24 2,53 Rentabilidades Bradesco FI Mult Plus Bradesco FI Ref. DI Federal II BRAM Inst. FI RF IRF-M Bradesco Top Bancos Bradesco Global FIA IE Bradesco FIC FIA Inst. IBrX Alpha 2014 11,19 10,84 11,46 -2,43 2015 13,23 13,25 6,92 -12,09 2016 14,68 13,85 23,86 14,24 31,37 1º trim 3,36 3,19 7,97 3,3 3,3 11,70 2º trim 3º trim 3,69 3,61 3,34 3,44 6,13 4,47 3,41 3,52 3,41 3,52 1,43 12,53 4º trim % do PL 3,27 57 3,21 4,1 3,47 4,1 3,31 32,7 3,31 0,9 3,03 1 Com relação a 2017, acreditamos que os principais riscos para o mercado são o ritmo de aumento da taxa de juros nos Eua e o risco da não aprovação da reforma da previdência. No Brasil, nosso cenário é de recuperação gradual da economia brasileira, com Pib crescendo 0,2% e cortes na taxa de juros básica até o patamar de 9% a.a.. Desta forma, pretendemos manter o estilo defensivo de gestão, atentos a eventuais oportunidades de remuneração do portfolio que apresentem boas expectativas de retorno/risco ao longo do ano. 11

[close]

p. 14

RELATÓRIO SULAMÉRICA — JUSPREV 2016 O ano de 2016 foi marcado por surpresas internas no front político/econômico e eventos externos, como o Brexit (a saída da Inglaterra da União Europeia), a eleição de Donald Trump, que contribuíram para maior incerteza global, em um munmundo preocupado com a evolução da economia chinesa e com infindáveis crises geopolíticas. O Brasil passou pelo afastamento da presidente Dilma e o início de um novo governo, com mudanças drásticas na orientação da política econômica, mas pressionado por baixo apoio popular em meio às incertezas decorrentes da operação Lava Jato e uma economia mergulhada em profunda recessão. Nas expectativas que cercam o ano de 2017 temos alguns pontos que permitem certo otimismo. Crescimento maior da economia americana, podendo resultar em desvalorização cambial, mantendo impulso positivo ao setor externo, e, por conseguinte, ao setor industrial. Avanços da agenda fiscal, ao lado de juros domésticos em queda, contribuindo para o aumento da confiança dos agentes, devem pavimentar o caminho para um maior dinamismo econômico em 2017. No entanto, há riscos que não devem ser ignorados. Incertezas no campo político, decorrentes das delações no âmbito da Lava Jato, limitando a capacidade do governo de executar reformas em um quadro de crise fiscal dos estados, podendo gerar obstáculos e retardar a retomada da economia. JUSPREV FIM Nossa estratégia em 2016 foi manter a alocação da carteira com o objetivo de buscar os melhores investimentos que conciliem liquidez, rentabilidade, custo, baixa volatilidade e segurança. Acompanhamos o movimento das taxas das Ntn-B´s para continuar a compor a carteira do fundo e terminamos o ano com alocação de 99,6% em Ntn-B´s marcadas na curva, buscando superar o objetivo de Inpc + 6% a.a. do fundo. JUSPREV ATIVO Encerramos o ano de 2016 com um aumento significativo de ofertas de debêntures no mercado primário em relação ao início do ano, porém se considerarmos as ofertas sem incentivo fiscal, o número de emissões ficou aquém do ano de 2015. No mercado secundário o nível de prêmio de alguns papéis corporativos voltou a trabalhar em patamares mais baixos em função da alta liquidez do mercado, porém os desafios da economia brasileira, principalmente na parte fiscal são grandes. Neste contexto, nossa alocação foi gradual e com boa relação risco x retorno. A estratégia definida na montagem da carteira de crédito privado foi alocar 1/3 das posições em operações de curto/médio prazo de bancos médios, menor exposição ao crédito corporativo em função das condições e dos desafios econômicos. Destinamos também recursos para letras financeiras de bancos de primeira linha de médio e longo prazo. Nossa ideia foi aproveitar a forte demanda por títulos financeiros no mercado secundário em função da escassez desses ativos no mercado primário, tanto no segmento corporativo como financeiro. Dessa forma encerramos o ano alocado cerca de 27,5% em crédito. Continuamos com perspectiva positiva para o desempenho do fundo, principalmente em função dos ativos financeiros que o fundo possui e estão demandados no mercado. Adicionalmente alocamos gradualmente nos fundos SulAmérica Excellence e SulAmérica Renda Fixa Ativo por possuírem estratégia de crédito privado e risco de mercado através de estratégia de juros nominais e reais respectivamente, buscando incrementar o retorno em um  cenário de queda de juros no Brasil. 12

[close]

p. 15

RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Exercício 2016 Introdução O presente documento estabelece as diretrizes que serão adotadas na aplicação dos recursos garantidores para o horizonte dos próximos cinco anos. Os parâmetros e estratégias aqui estabelecidos estão calcados nas regras definidas pela legislação aplicável às Entidades Fechadas de Previdência Complementar e nos objetivos previdenciários dos recursos garantidores. Logo, é preciso que o horizonte de investimentos esteja alinhado com o horizonte de desembolso desses recursos e com as premissas de rentabilidade definidas na concepção do plano. O descasamento entre o horizonte dos investimentos e o prazo estimado de formação das reservas pode gerar (i) o risco de reinvestimento, que se caracteriza pela indisponibilidade, na data de vencimento de um ativo, de outro ativo que apresente rentabilidade semelhante, e (ii) risco de liquidez, que se carac-teriza pela ausência de liquidez para pagamento do benefícios. Pode-se concluir, assim, que uma das principais atribuições dessa política de investimento é estabelecer diretrizes que proporcionem o alinhamento entre o horizonte das aplicações e o horizonte de benefícios, ou, em outras palavras, entre o fluxo de caixa do ativo e o fluxo de caixa do passivo do plano. As diretrizes estabelecidas para a aplicação dos recursos garantidores da Jusprev, ainda que não mencionadas de maneira explícita nesse documento, devem ser necessariamente seguidas. Essa política de investimento será vigente entre 01/01/2016 e 31/12/2020, ou até sua alteração pelo Conselho Deliberativo da Jusprev. 13

[close]

Comments

no comments yet