Boletim Cristo Rei - Ano II - 10

 

Embed or link this publication

Description

Boletim mensal Paróquia Cristo Rei

Popular Pages


p. 1

BOLETIM Ano II – Edição 10 Abril/2017 Nesta Edição: 2 Campanha da Fraternidade - Cultivar e guardar a nossa criação a partir do nosso entorno 3 Nossa Paróquia - Pastoral da Partilha - Equipe de Eventos Calendário Paroquial 4 Vida Cristã - Testemunho cristão Mensagem do Papa Palavra do Pároco Em tempo de Quaresma temos que pensar o que estamos fazendo para que esse tempo seja bem aproveitado para celebrar com alegria o Domingo de Páscoa. Se estamos sempre com o pensamento voltado para a pastoral, temos que reservar também um tempo para nós mesmos. A Quaresma não é apenas para ser celebrada no templo, em ações litúrgicas: é tempo forte de reflexão, oração, jejum, solidariedade. A Liturgia nos ajuda a caminhar para a Páscoa. Na primeira semana vamos ao deserto com Jesus para descobrir que, no dia a dia, também fomos tentados pelo demônio a desviarmo-nos do projeto do Pai. A Palavra de Deus garante que, na perspectiva cristã, uma vida que ignora os projetos do Pai e aposta em esquemas de realização pessoal é uma vida perdida e sem sentido. Na segunda semana subimos o Monte Tabor com Jesus para conhecer nosso verdadeiro Deus. Aos discípulos, desanimados e assustados, Jesus diz: o caminho do dom da vida não conduz ao fracasso, mas à vida plena e definitiva. O convite para subir é também um convite para descer à realidade para realizar o plano de Deus. Na terceira semana, encontramos Jesus sentado no Poço de Jacó, esperando pela nossa aproximação, com aquela ansiedade de encontrar água para satisfazer a nossa sede. Deus oferece ao homem a felicidade: não a felicidade ilusória, parcial e falível, mas a vida eterna. Quem acolhe o dom de Deus e aceita Jesus como “o salvador do mundo” torna-se um Homem Novo, que vive do Espírito. Precisamos “nos deixar apaixonar por Jesus”, como diz o Papa, e nos transformar em verdadeiros missionários, como a Samaritana. Na quarta semana, percebemos que ainda somos cegos diante da realidade que nos empurra para caminhos de incerteza e superficialidade. Aderir à proposta de Jesus é enveredar por um caminho de liberdade e de realização que conduz à vida plena. “Senhor, fazei eu veja”. Na quinta semana, Jesus nos convida a confiar na sua Palavra e acreditar que não nascemos para morrer, mas para ressuscitar. Ser “amigo” de Jesus e aderir à sua proposta, fazendo da vida uma entrega obediente ao Pai e um dom aos irmãos, é entrar na vida definitiva. Cônego Luiz Carlos F. Magalhães

[close]

p. 2

PG 2 Boletim - Paróquia C r i s t o R e i Campanha da Fraternidade CULTIVAR E GUARDAR A CRIAÇÃO A PARTIR DO NOSSO ENTORNO Neste tempo favorável à conversão e a uma mudança de vida que é a Quaresma, os quarenta dias que nos preparam para a Páscoa do Senhor, para a ressurreição, o tema e o lema da Campanha da Fraternidade nos convidam a refletir sobre os biomas brasileiros. Mas começando sempre por nosso quintal, nossa casa, com pequenas ações, como quer o Papa Francisco, que podem no conjunto, significar muito para a reconquista da saúde de nossa casa que é o planeta, tão maltratado. Amazônia Cerrado Tendo uma visão de conjunto do Brasil, deste ponto de vista, e especialmente sabendo que um dos nossos biomas - a Floresta Amazônica é um dos maiores reservatórios de seres vivos da Terra, sem contar os outros que são também de suma importância no equilíbrio planetário, enfim, olhando agora com olhos mais conscientes da urgência de ações marcantes, pensemos em como mudar esta situação. Compreender o impacto da civilização moderna sobre os Biomas. Começando do nosso entorno, a proposta é resgatar nossas origens e as do lugar em que habitamos: aqui em Campinas e cidades da Arquidiocese, por exemplo, vivemos nos biomas Mata Atlântica e Cerrado - desde quando a cidade se chamava Nossa Senhora da Conceição do Mato Grosso, e quando a Mata Atlântica cobria 97% do seu território. As propostas da Campanha da Fraternidade são bem audaciosas: buscar conhecer cada canto do nosso bairro e buscar, na história e na Mata Atlântica Caatinga tecnologia, os caminhos para preservar e reinventar os lugares de acordo com nossas origens, quer dizer , de acordo com os biomas que habitamos. E então criar, por exemplo, jardins verticais, praças arborizadas, replantar plantas nativas. Conhecer a realidade das famílias das nossas paróquias: histórica, econômica, social e religiosa e cultural, identificar os problemas enfrentados pelas pessoas e “curar as feridas pelo remédio do Evangelho”. Mudar nosso estilo de vida incorporando ações que tenham impacto positivo no ambiente em que vivemos como: com uma alimentação saudável, moradias sustentáveis, transporte racional, cuidar das nascentes, dos córregos, dos rios, economizar água, reciclar lixo, recuperar matas ciliares, cultivar hortas, cuidar das praças, ruas e jardins. Contribuir para a construção de um novo padrão de pensamento econômico, ecológico, que atenda as necessidades de todas as pessoas e Pampa Pantanal famílias do lugar, respeitando a natureza como nos propõe a Laudato Si do Papa Francisco. E ainda: manter contato com outras igrejas que estejam igualmente interessadas na preservação das riquezas naturais e o bem estar das populações para poder articular novas práticas efetivas na defesa dos ambientes essenciais à vida. E mais, e aqui é bem complicado: comprometer as autoridades públicas para assumirem a responsabilidade sobre o meio ambiente e a defesa da população, como o COMDEMA e SECRETARIA DO VERDE, entre outros. Enfim, propor e levantar metas para uma conversão ecológica do lugar e sua relação com o tempo da Quaresma, tempo de penitência, tempo de oração e jejum, tempo de mudança. E, finalmente, celebrar com Maria Santíssima a graça da conversão para olhar a natureza, nossa família, nossa comunidade com seus olhos, nesses 300 anos da aparição da imagem da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. Texto: Ana Lúcia de Vasconcellos

[close]

p. 3

Boletim - Paróquia C r i s t o R e i PG 3 Nossa Paróquia PASTORAL DA PARTILHA Calendário Paroquial A Pastoral promove a partilha dos bens e a construção da fraternidade, conscientizando e fidelizando os fiéis dizimistas para o sustento da comunidade cristã e fazendo com que cada cristão católico sinta-se parte integrante da Igreja, tendo interesse na solução de suas necessidades e o faça espontaneamente, com alegria. A pastoral realiza plantões antes e após as missas, atendendo ao dizimista, recebendo suas contribuições e o valorizando, dizendo que bom que ele ajuda a evangelizar. Realiza também um sorteio mensal, em todas as missas, onde sorteia aos dizimistas (incluindo também os dizimistas mirins) uma lembrança. Comemora o mês do dizimista com missa em ação de graças, pelas contribuições vindas do coração. Mantém as fichas com os dados dos dizimistas corretos e atualizados para contato e envia todo final de ano, um calendário para sua residência. Atua em conjunto com outras pastorais na comemoração de datas importantes como Dia das Mães, Dia dos Pais e Natal, oferecendo uma lembrança em nome da paróquia, lembrando que generosidade gera generosidade. "Cada um dê conforme decidir em seu coração, sem pena ou constrangimento, porque Deus ama quem dá com alegria. " (2Cor 9,7) Texto: Neide Rocatto EQUIPE DE EVENTOS - Paróquia, do grego “casa perto de casa”. Na visão do documento de aparecida a “paróquia, comunidade de comunidades”, é o lugar por excelência para formação dos leigos, discípulos missionários. - No código de direito canônico, “a paróquia é uma determinada comunidade de fiéis, constituída estavelmente na igreja particular, e seu cuidado pastoral é confiado ao pároco como seu pastor, sob a autoridade do bispo diocesano”. Para nós, equipe de eventos, é tudo isso e muito mais... é lugar de comungar ideias e ideais, buscar e multiplicar amigos, buscar e partilhar o colo, o ombro e o mais importante, o encontro com Deus, através de todas essas coisas somadas. Apostamos na cultura do encontro, pois no mundo atual é mais que urgente a necessidade de as pessoas se entenderem, se conhecerem, se confraternizarem. Nossa equipe participa de diversos momentos na vida da comunidade, dando suporte as atividades das pastorais quando envolve encontros e confraternização. O ponto alto desse trabalho é a festa junina, que consegue agregar todas as pastorais e pessoas voluntárias para preparar e receber nossa comunidade num grande momento de confraternização das famílias. Tudo começa na paróquia e como em todas as famílias, vão chegando os agregados, os filhos, assim é a missão dessa equipe agregar cada vez mais um número maior de pessoas com um mesmo objetivo, “a união entre os povos”. Texto: Rosimeire do Carmo Degasperi Geraldi 01 Tirinhas alimentos - Solidariedade Encontro Jovens - 17h 02 Encontro Crisma - 17h Tirinhas alimentos – Solidariedade Missa dos Enfermos - c/ confrat. - 17h 05 4º Encontro - Vocacional - 19h30 06 Hora Santa - Adoração Sacramento - 19h45 ao Santíssimo 07 Missa do Sagrado Coração de Jesus - 17h 08 Preparação Batismo - 16h Batismo - 9h 09 Domingo de Ramos – Procissão - 9h30 Reunião Mensal CONSEG - 19h 11 Rito Penitencial - 19h45 Via Sacra - 19h45 12 Encontro de Pais da Vocacional - 20h 13 Missa do Lava Pés - 19h45 Celebração da Paixão - 15h 14 Via Sacra Pública - 18h30 Não haverá Catequese - 9h 15 Vigília Pascal - 19h Não haverá Catequese - 9h Domingo da Ressurreição – Páscoa 16 Missa - 11h Domingo da Ressurreição – Páscoa Missa - 19h 19 5º Encontro - Vocacional - 19h30 20 Reunião Pascom - 19h 21 TIRADENTES – FERIADO 22 Ofertas da Partilha na Missa 23 Ofertas da Partilha em todas as Missas Confraternização futebol - 18h 26 6º Encontro - Vocacional - 19h30 Entrega pizzas campanha Cepromm - 17h 29 Missa aos casais aniversariantes - 19h Vendas Pão de Mel e Salgados Encontro Jovens - 17h 30 Vendas Pão de Mel e Salgados Eventos, notícias, fotos Acesse nosso site www.paroquiacristorei.com.br

[close]

p. 4

PG 4 Boletim - Paróquia C r i s t o R e i Vida Cristã TESTEMUNHO CRISTÃO Viver com a pessoa que tu amas não é o que todos pensam que é. Não é levantar-se de manhã cedo para fazer café e comer juntos. Não é se aconchegar juntos na cama até que os dois durmam tranquilamente, todas as noites. Não é uma casa limpa e comida feita na hora todos os dias. Não é voltar do trabalho e saber que o outro te espera ou pensar um programa feliz para um fim de semana. Viver com a pessoa que tu amas é brigar para saber quem vai guardar a louça ou quem se esqueceu de tirar o lixo. É gritar e chorar porque o dia foi longo e estamos cansados, e a roupa não estava limpa, apesar de se pedir para fazer isso cinco vezes. É discutir por problemas financeiros ou, em algum momento, pensar se você tomou a decisão certa ao se casar. É chegar à casa todos os dias com a mesma pessoa que tu sabes que te ama e se preocupa contigo. É rir daquela vez que tu acidentalmente foste meio estúpido. É preparar a ceia mais barata e fácil que possas fazer, e sentar para almoçar às 10 horas da noite porque os dois tiveram um dia pesado. Viver com a pessoa que tu amas é ter a surpresa de um carinho espontâneo que se deita no chão contigo, e te abraça e te diz que tudo vai ficar bem, e acreditar nele. É amar a mesma pessoa, mesmo que ele te deixe louca. Viver com a pessoa que amas são brigas constantes por nada, mas também é ter um amor que muitas pessoas passam a vida toda procurando. Não é perfeito, e é difícil, mas é maravilhoso, e a melhor coisa que possas experimentar. Testemunho de F.L.A. Mensagem do Papa O Papa Francisco fala de um caso ocorrido logo após a II Guerra Mundial com o Padre jesuíta Padre Arrupe, quando era missionário no Japão. Um rico homem de negócios fez a ele uma doação para atividades de evangelização, mas o acompanhava um fotógrafo e um jornalista. O envelope continha somente 10 dólares: “Nós também fazemos o mesmo quando não pagamos o justo à nossa gente. Pegamos de nossas penitências, de nossos gestos, do jejum, da esmola, aceitamos uma propina: o suborno da vaidade, de se mostrar. Isso não é autenticidade, é hipocrisia. Por isso, quando Jesus diz ‘Quando vocês rezarem, entrem no seu quarto, fechem a porta, no escondido, quando derem esmola não faça soar a trombeta, quando jejuar não fiquem tristes. É o mesmo que dizer: Por favor, quando vocês fizerem uma boa obra não aceitem propina desta boa obra, é somente para o Pai.” O Papa citou o Profeta Isaías, quando o Senhor fala aos hipócritas sobre o jejum verdadeiro. Palavras significativas também “para os nossos dias”: “Não é este o jejum que escolhi: quebrar as cadeias injustas, desligar as amarras do jugo, tornar livres os que estão detidos, e romper todo tipo de sujeição? Não consiste talvez em dividir o pão com o faminto, deixar entrar em casa os pobres, os sem-teto, vestir o que está nu sem transcurar os próprios parentes? Pensemos nestas palavras, pensemos em nosso coração, como nós jejuamos, rezamos, damos esmolas. Nos ajudará também a pensar: o que sente um homem depois de um jantar, que custou 200 euros, por exemplo, e volta para casa, vê um faminto, não olha para ele e continua caminhando? Nos fará bem pensar nisso.” Boletim da Paróquia Cristo Rei Distribuição gratuita  Period.: mensal  Tiragem: 500 exemplares Respons.: Pe. Luiz Carlos F. Magalhães - fogodaterra@terra.com.br Projeto gráfico e diagramação: PASCOM (Pastoral da Comunicação) Paróquia Cristo Rei Rua Elisiário Pires de Camargo, 210 Jd. Chapadão  Campinas, SP  CEP 13070-099 Tel: (19) 3242-0500  secretariacristorei@terra.com.br

[close]

Comments

no comments yet