Investir em Conhecimento

 

Embed or link this publication

Description

Essa é a pegada para 2017

Popular Pages


p. 1

REVISTA EDIÇÃO 1 • ANO 1 • NOV – DEZ/2016 TECNOLOGIAS INOVADORAS As mais recentes metodologias em treinamento COFFEE BREAK Acerte na escolha dos alimentos para potencializar a aprendizagem CULTURA DA APRENDIZAGEM Sua organização está de olho nessa tendência? INFOGRÁFICOS A metodologia que torna a informação mais leve INVESTIR EM CONHECIMENTO ESSA É A PEGADA PARA 2017

[close]

p. 2

vamos PLANEJAR juntos a sua proxima convencao? A Nexialistas tem ideias INCRíVEIS para dinamizar a sua próxima convenção. Descubra mais em www. nexialistas.com Ou ligue: (11) 3068-0054 (11) 3061-2545 2

[close]

p. 3

EDITORIAL COMPARTILHAR CONHECIMENTO É A NOSSA MISSÃO Fomos criados em uma época em que ouvimos a história que o Imperador do Japão se curvava somente para um professor. Nossos pais diziam isso. Ouvir uma história como essa fazia com que imaginássemos a importância que a profissão de educador transmitia aos demais. E por que não, virar um professor? Com o passar do tempo, vimos que existiam outras formas de educar, e assim nasceram diversas profissões voltadas à disseminação do conhecimento. Essa expansão trouxe consigo uma nobreza e um problema. A nobreza reside no fato de não ser necessário possuir diploma ou formais autorizações para ensinar. Logo, qualquer um, com o conhecimento adequado, poderia se tornar um educador. O problema, (ah! sim, esse dos grandes), é o contrassenso daqueles que resolvem ensinar, mas que guardam para si o conhecimento em vez de disseminá-lo por completo. Foi com essa ambição que nasceu a Nexialistas. Uma consultoria voltada a disseminar conhecimento sem limites! Se existe um determinado saber, iremos atrás dele, e o compartilharemos com todos! Se existe uma metodologia nova, iremos atrás dela, e a compartilharemos com todos! Não existem limites para isso. E o que nos motiva a fazer isso é a mesma vontade que faz o Imperador do Japão se curvar ao educador: Formar grandes homens e mulheres para a construção de uma sociedade mais justa e próspera. Esperamos que vocês gostem desta primeira edição da Revista Nexialistas. Aqui, você encontrará, de uma maneira muito sincera e objetiva, informações relevantes sobre o mundo do Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. Além disso, ao ler a Revista Nexialistas, você terá a certeza de que estará antenado com as tendências do mercado e as principais novidades da Educação Corporativa. Seja também um Nexialista e bem vindo ao nosso mundo! Vamo que Vamo! Alberto Roitman Amanda Costa Anderson Bars EXPEDIENTE Revista Nexialistas Publicação trimestral da Nexialistas Consultoria em Treinamento e Desenvolvimento Jornalista Responsável Amanda Costa – MTB 26554 Textos Luciana Alves – MTB 26276 Projeto gráfico Rodrigo Terra Capa Pand P Studio Tiragem 2000 exemplares Distribuição Gratuita NEXIALISTAS CONSULTORIA EM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Fones: +55(11) 3068-0054/ 3061-2545 Avenida Doutor Gastão Vidigal, 1132 – 70 andar – Bloco B – Vila Leopoldina • São Paulo/ SP • www.nexialistas.com 1

[close]

p. 4

CULTURA DAEMPRESAS DEVEM INVESTIR NA APRENDIZAGEM Em um mundo totalmente conectado, com informação em real time, o conhecimento se torna o grande diferencial competitivo das empresas Para se manterem competitivas, as empresas devem se aprimorar constantemente. Se essa afirmação já fazia sentido há décadas, na era da informação ela é primordial e ponto de partida para as corporações que desejam ter futuro. Mas investir em conhecimento não é algo simples, fácil e nem barato e as lideranças sabem disso. “Atualmente no mundo todo discute-se muito sobre a cultura de aprendizagem. Temos um cenário em que a velocidade dos acontecimentos é muito grande e os modelos de negócios se modificam rapidamente. Do dia para noite novos aplicativos mudam o mercado - como por exemplo do Uber - e o modo de vida das pessoas”, explica Anderson Bars, Chief Revolution Officer na Nexialistas Consultores. Ele ressalta que esse ritmo alucinante de mudança atinge fortemente o mundo corporativo, que cada dia tem menos tempo para aprender e se readaptar às novas exigências. “Para que as empresas se mantenham competitivas elas precisam garantir que seus colaboradores aprendam rápido para que estejam aptos a lidar com esse novo momento do mundo. Neste contexto a aprendizagem se torna estratégica”, explica Anderson, que é especialista em Educação Corporativa e Estratégia de Aprendizagem. Por muitas décadas acreditou-se que o conhecimento estava no ensino formal, nas salas de aula, mas novos estudos mostram que a aprendizagem formal precisa ser combinada com outras estratégias de aprendizagem, para uma transformação significativa. Prova disso é o resultado das pesquisas conduzidas pelos professores Morgan McCall, Robert Eichinger e Michael Lombardo, do Centre for Creative Leadership, sediado na Carolina do Norte (EUA), que sistematizou o modelo de aprendizagem 70/20/10, um dos mais reconhecidos mundialmente nos dias atuais. Os estudos mostraram que 70% do aprendizado de um funcionário vêm dos desafios profissionais que a pessoa enfrenta em sua própria rotina de trabalho. Os 20% dizem respeito ao aprendizado que se constrói interagindo com outras pessoas no ambiente corporativo, principalmente líderes e profissionais mais experientes. E os últimos 10% dizem respeito à educação formal, incluindo os treinamentos em sala de aula. 2

[close]

p. 5

CONHECIMENTO APRENDIZAGEM PRÁTICA APRENDIZAGEM SOCIAL MODELO 70:20:10 70% FAZER 20% COMPARTILHAR EXPERIÊNCIA PRÁTICA EX: ON THE JOB TROCA COM OUTRAS PESSOAS EX: FEEDBACK, COACHING APRENDIZAGEM FORMAL 10% SABER TREINAMENTOS, PALESTRAS, LIVROS Anderson explica que a sistematização deste modelo ajuda a organizar o aprendizado dentro das empresas e, dessa forma, potencializar os resultados. “Se tenho um modelo de aprendizagem de forma organizada eu ganho em competitividade. O colaborador deve conhecer cada uma das partes e saber o que significam os 70%, os 20% e os 10% para que ele tenha oportunidade de desenvolver todo seu potencial”, explica. Mesmo a educação formal fazendo parte dos 10%, em alguns projetos, quando bem implementados, ela consegue potencializar o aprendizado dos 70% e dos 20%. Isso porque a aquisição de conhecimento acontece de fato no dia a dia profissional e por isso quando os líderes realmente se comprometem com o processo de aprendizado proposto pela empresa e acreditam na estratégia, eles disseminarão este conhecimento aos seus liderados para que estes consigam empreender profissionalmente dentro da estratégia da organização. Um problema muito comum nas empresas, de acordo com Anderson, é que elas investem em treinamento para resolver algum problema atual e não para garantir que a estratégia da empresa seja alcançada ao longo do tempo. O aprendizado deve ser um propulsor para que a estratégia seja colocada em prática. Os empresários têm que olhar para o futuro e saber para onde o negócio está indo e preparar os colaboradores para os desafios do percurso. “Tradicionalmente os RHs fazem o Levantamento de Necessidade de Treinamento (LNT), onde são identificados os pontos de desenvolvimento de cada área da Organização. Muitas vezes treinamos a equipe para fazer aquilo que já deveria estar sendo feito, quando na verdade as pessoas devem ser treinadas para a executar a estratégia determinada pela empresa e é aqui que entra o modelo 70/20/10. É assim que a Nexialistas pensa seus projetos. Muitos clientes que nos contratam para auxiliá-los a estruturar o modelo de aprendizagem dentro deste conceito. Esse é um processo que necessita de um diagnóstico profundo que inclui estruturar a estratégia de aprendizado da organização, formar grupos de estudos, realizar workshops e treinamentos. É um projeto de consultoria, que tem impacto nos processos do cliente porque fará a organização repensar o jeito de aprender”, explica. 3

[close]

p. 6

CSER?I O QUE ESPERAR DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA 2017 No segundo trimestre de 2016, a economia brasileira continuou em queda. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 0,6% em relação ao trimestre anterior. É o sexto trimestre seguido de queda. Em valores correntes, o PIB chegou a R$ 1,5 trilhão. A expectativa para 2017 já é um pouco melhor, mas está longe de ser otimista. Com isso, é natural que as empresas estejam se organizan- do constantemente para preservar sua existência - já que muitas abriram mão do lucro - neste período difícil. Mas o que esperar de um 2017 que ainda desenha cenários críticos na produção, no consumo e na prestação de serviços? Como ficam as práticas de desenvolvimento de pessoas em um momento tão crucial? Alessandra Neves, gerente sênior de recrutamento e seleção, comunicação interna e cultura da Universidade Corporativa da Kroton Educacional é um bom exemplo da Executiva “Se vira nos 30” e sabe da importância de investir em treinamento e desenvolvimento profissional em qualquer época. Para ela, o grande desafio é continuar reforçando que eles são uma, mas não a única, das fontes para que a empresa continue progredindo, tornando-se sustentável no longo prazo. “Ainda não é muito consolidado na liderança das empresas, a importância do treinamento e do desenvolvimento. Isso ainda continua mais presente na área de RH. O desa- 4

[close]

p. 7

VMAEZIOIO CAPA MEIO CHEIO fio é fazer a liderança das organizações entenderem que, além da capacitação que fornecemos ao colaborador, tornando-o mais eficiente, as ferramentas de treinamento e desenvolvimento também têm como objetivo o engajamento e alinhamento dos colaboradores na estratégia e na missão da empresa”, explica. Alessandra ressalta que em momentos de crise estas ferramentas da educação corporativa tornam-se ainda mais necessárias, isso porque na crise os profissionais passam a focar “Reforçar o treinamento e desenvolvimento funciona não só como disseminação do conhecimento, mas também como atração e retenção de talentos” ALESSANDRA NEVES Gerente sênior de recrutamento e seleção, comunicação interna e cultura da Universidade Corporativa da Kroton Educacional 5

[close]

p. 8

“Cada vez mais o ambiente se torna complexo, imprevisível e ambíguo. Para conseguir engajar as pessoas no mesmo propósito e alcançar os resultados desejados, é necessária a capacidade de ser líder” ALESSANDRA NEVES em ações imediatistas e perdem o foco. “Por isso, o treinamento e desenvolvimento vem como uma ferramenta para manter as pessoas alinhadas ao que a empresa precisa e, ao mesmo tempo, engajadas, sentindo-se desafiadas, cuidadas e com propósitos claros. Ou seja, reforçar o treinamento e desenvolvimento funciona não só como disseminação do conhecimento, mas também como atração e retenção de talentos”, ressalta. Aliás, a retenção de talentos é uma das principais preocupações dos gestores. Dados coletados em abril deste ano pela empresa de recrutamento Robert Half, publicada na Revista Você RH, mostram quais são, segundo o RH, as tendências que irão impactar em cheio o ambiente de trabalho no futuro. Realizada com 100 diretores de RH de todo o Brasil, concluiu que existem três grandes questões que darão muito trabalho ao setor dentro de alguns anos: a “guerra” por talentos foi citada por 49% dos entrevistados, enquanto 35% optaram pela gestão de talentos e 32% pela demanda por flexibilidade no mercado de trabalho. Reter talentos e engajar a equipe na estratégia da empresa são alguns dos fatores trabalhados constantemente nos treinamentos através do desenvolvimento da capacidade de motivar pessoas, ajudar na busca de soluções criativas, favorecer o autoconhecimento e melhorar a empatia entre a equipe. Alessandra destaca que essas competências são fundamentais para o futuro das organizações. “Cada vez mais o ambiente se torna complexo, imprevisível e ambíguo. Para conseguir engajar as pessoas no mesmo propósito e alcan- 6

[close]

p. 9

CAPA ILUSTRAÇÕES: KMLMTZ66 / SHUTTERSTOCK 2017 çar os resultados desejados, é necessária a capacidade de ser líder, mesmo quando não o é funcionalmente”, garante. As empresas brasileiras já perceberam que não é preciso esperar a crise chegar para se mexerem. Diferentemente do que aconteceu na crise de 2008 nos Estados Unidos e Europa, no Brasil as empresas já demonstram maturidade ao prever os problemas e buscar alternativas para rever o planejamento estratégico e se adaptar às exigências das novas realidades. Que venha 2017! 7

[close]

p. 10

NEXIALISTASTABELA DE COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS PESSOAIS Forte apelo atitudinal, contendo atributos necessários para a aceitação coletiva e o bom convívio. Se faltantes, inviabilizam a vivencia corporativa. COMPETÊNCIAS SOCIAIS Contribuem para o melhor clima de trabalho, potencializam as características da equipe e harmonizam as relações corporativas em todos os níveis. COMPETÊNCIAS COMERCIAIS Necessárias para a eficiencia comercial, alinhando o respeito à necessidade do cliente e as metas de crescimento da empresa. Trabalham todas as Fases da Venda. COMPETÊN TÉCNICAS São aquelas através de ed formal, que p profissional a determinada ou potenciali sua execução X Nexialismo 1 2 Pr Proatividade Sp Solução de problemas P Persuasão 3 4 H Humildade 5 6 C Comunicação 7 Cr Criatividade Ic Integridade corajosa 8 It Iniciativa 9 Ac Acabativa 10 11 Et Ética 12 Ri Relacionamento interpessoal 13 Ep Empreendedorismo Ow Ownership 14 15 O Organização Q Qualidade 16 Mp Marketing Pessoal 17 Código Gt Gestão de tempo 18 19 Ag Auto gerenciamento 20 Re Redação empresarial M Motivação 21 In Influência 22 23 Co Colaboração 24 A Accountability 25 Fn Formação de networking 1 X Nexialismo Fx 26 Te 30 Ci Flexibilidade Trabalho em equipe Customer impact 34 Bc Business Culture 27 Ie 31 Pc Inteligência emocional Plano de contas 35 Sc Solução de conflitos 28 32 As Assertividade 36 Ng Negociação 29 If Integração funcionários 33 Or Orientação ao resultado 37 Nv Negociação avançada Núme Nome comp Pp 38 Prospecção de clientes Ea Escuta ativa 39 40 Pv Performance improvement Tv Técnicas de vendas 41 Segmentos de atuação e especialização Bc Bancos Fi Financeiras Se Seguros Te Telecom En Energia 8 Cn Consumo Au Automotivo In Indústria Fr Farma

[close]

p. 11

COMPETÊNCIAS As competências abaixo estão divididas por afinidade e podem ser desenvolvidas isoladamente ou em conjunto. Em todas elas as ações formativas serão estruturadas sob medida diante da realidade do cliente. As dinâmicas e metodologias que as compõem serão criadas levando em conta a necessidade de desenvolvimento e alinhadas entre o contratante e a Nexialistas NCIAS obtidas ducação preparam o a executar tarefa izam a o. COMPETÊNCIAS GERENCIAIS Estão focadas na gestão e no controle. Permitem o alcance dos objetivos por meio do gerenciamento eficiente dos mais diversos aspectos do trabalho. COMPETÊNCIAS LIDERANÇA Direcionadas para a gestão de pessoas e construção de equipes de alta performance. Podem ser voltadas para aspectos técnicos ou comportamentais. COMPETÊNCIA X É a Nexialista, também chamada de 7ª. Competência. Trabalha com a sobreposição de duas ou mais competências potencializando diversos aspectos humanos. 82 E ero Empatia e da petência π 42 Pi Bd Bigdata 43 Ga Gestão de carteiras 44 45 Vc Vendas consultivas Cv 46 Ciclo de vida cliente/produto 47 Ta Técnicas de Apresentação Gj Gestão de projetos 48 Gq Gestão da qualidade 49 Eo 50 Excelência operacional Gr Gestão de recursos 51 Dt Design Thinking 52 I Inovação 53 Oc Orientação ao cliente 54 On Orientação ao negócio 55 W Web 2.0 56 57 Id Inteligência digital 58 Gh Gestão de contas chave 59 Gi Gestão da informação Gc 60 Gestão do Conhecimento 61 4p Preço/Produto Promo/PV Rl Raciocínio lógico 62 Ix Execução impecável 63 64 Gs Gestão de stakeholders Gk Gestão do caos 65 Ca 66 Capacidade analítica Mi Market insight 67 Ls Leadership strategy 68 Bp Business Plan 69 Mu Manage Up 70 71 Pl Planejamento Sf 72 Sustainable focus Gn Gestão do negócio 73 74 Pe Pensamento estratégico Gl Global mindset 75 Gp Gestão de pessoas 76 77 F Fascinação Td Tomada de decisões 78 79 Gd Gestão de equipes à distância 80 Ge Gestão de incompetentes Gm Gestão da mudança 81 83 Fs Formação de sucessores 84 Li Liderança inspiradora Rs 85 Resiliência 86 Dt Desenvolvimento de talentos Tb Team Building 87 En Entropia 88 Ad Advocacia Ht Hotelaria Cn Construtoras Pq PMEs Pu Setor público 9

[close]

p. 12

INFOGRAFIA UMA IMPORTANTE ALIADA DA INFORMAÇÃO O papel do infográfico é apresentar grande volume de dados de forma dinâmica e visualmente agradável por meio de gráficos e ilustrações Você sabia que 90% de informação transmitida ao cérebro é visual e que ele processa a imagem 60.000 vezes mais rápido do que o texto? Esses números deixam claro a importância do uso de imagens para potencializar os resultados em cursos e treinamentos. Neste cenário, o recurso da infografia é um importante aliado. O infográfico é a junção das palavras info (informação) e gráfico (desenho, imagem, representação visual), ou seja, um infográfico é um desenho ou imagem que, com o auxílio de um texto, explica ou informa sobre um assunto de forma criativa. O objetivo de um bom infográfico é apre- sentar grande volume de dados, ou o passo a passo de uma história, de forma dinâmica e visualmente agradável. Com as redes sociais, eles ganharam ainda mais importância e são utilizados para disseminar os mais diversos tipos de assuntos de maneira criativa e fácil de entender. Para a Engenheira de Produção Claudia Afonso do Valle, responsável pela capacitação de todas as equipes de Contact Center do Banco Itaú, a infografia é muito importante no processo de transmissão do conhecimento. “No mundo atual em que as pessoas têm muita informação e menos tempo, a infografia tem a importância de resumir os mais INFOGRÁFICOS NEXIALISTAS CURIOSIDADE A ORIGEM DA INFOGRAFIA data da pré-história. Na Turquia foram encontrados mapas pintados em uma parede em 6200 a.C. Em 1626 foi publicado“Rosa Ursina sive Sol”por Christoph Scheiner, onde ele utilizava diversas imagens que serviam de explicação para a rotação do sol. A evolução da infografia foi constante até chegar ao que pode ser visto atualmente. 10

[close]

p. 13

METODOLOGIAS Claudia Afonso do Valle, Banco Itaú: "Infografia é resumo que não perde a essência" variados assuntos, sem perder a essência da informação”, explica. Com pós-graduação em Marketing e especialização em Coaching, Claudia ressalta que em treinamentos, os infográficos têm alguns objetivos específicos, como por exemplo: “apresentar um overview do conteúdo que será ministrado, detalhar um assunto de forma gráfica complementando a explicação aos educandos que sejam visuais, principalmente; ou também ela pode apresentar o fechamento dos assuntos tratados, ao final de um processo de aprendizado.” A infografia é um recurso bastante utilizado pela Nexialistas Consultores em seus cursos e treinamentos realizados por todo o Brasil, inclusive em alguns realizados em parceria com Claudia no Banco Itaú. “A Nexialistas realizou uma infografia resumindo as atividades da nossa área para um evento interno que ficou muito boa. Além disso, todos os infográficos divulgados pela Nexialistas periodicamente sobre assuntos relacionados a treinamento e ao mundo corporativo são muito bons em todos os aspectos: criativos, objetivos e esclarecedores”, ressalta. A IMPORTÂNCIA DO CONTEÚDO VISUAL 90% de informação transmitida ao cérebro é visual 46%X das pessoas dizem que o design de um site é o critério número 1 para diferenciar uma empresa de credibilidade 60.000O cérebro processa informação visual vezes mais rápido do que texto Posts com infográfico aumentam o tráfego 12%na média em mais do que outros sem Consumidores que assistem um vídeo 85%de produto têm mais chances de comprar Posts que incluem 3vídeo atraem VEZES MAIS apontamento de links do que textos simples Fonte: Kwiktum Media 11

[close]

p. 14

COFFEE BREAK PARADA ESTRATÉGICA Além de ser um excelente momento para reforçar o networking, a pausa para o café é fundamental e oferece um descanso produtivo à mente Eles não podem faltar em cursos, workshops, palestras e treinamentos. Para muitos o coffee break é o momento mais aguardado. Para outros não passa de um simples intervalo para se alimentar. Mas na verdade ele tem uma importância que vai além da pausa e do simples ato de comer. A nutricionista funcional e esportiva Karelin Cavallari explica que a interrupção após algumas horas de atenção é fundamental para oferecer uma pausa à mente. Mas os alimentos que serão servidos e a quantidade devem ser escolhidos cuidadosamente e variam de acordo com o objetivo, horário, local do evento e perfil dos participantes. Karelin explica que de manhã as pessoas consomem mais do que no período da tarde, por exemplo. Um bom coffee break apresenta variedades entre doces e salgados, não oferece frituras e tem opções de frutas, água, café e leite. A nutricionista funcional explica que não podem faltar bebidas estimulantes como café, chá preto e chá mate, pois eles estimulam o foco e a atenção, essenciais em cursos e palestras. “Opte sempre por alimentos de fácil digestão, como frutas. A dica é adicionar granola para diminuir a absorção do açúcar pelo organismo. A fritura deve ser evitada porque exige muito esforço do organismo para digerir o alimento, isso demanda energia e prejudica a atenção”, explica. Pães, torradas com patê e bolos simples devem fazer parte do cardápio. “Tome cuidado com os doces escolhidos, pois eles sobem a glicemia rapidamente e esse processo gera sono nas pessoas. Os integrais ou que levem aveia na composição, sempre são boas opções.” Além da questão nutricional, o coffee break também influencia na imagem que os participantes levarão do evento. Ele nunca passa despercebido, e quando algo se sobressai positiva ou negativamente, isso aparece até nos questionários aplicados ao final do encontro. Especialistas em eventos corporativos explicam que o cuidado na preparação também demonstra que a empresa valoriza seus funcionários e convidados. Um dos maiores erros é servir o coffee perto das refeições principais, por isso 10 horas e 16 horas são os horários aconselháveis. A duração depende do número de convidados. Para até 20 pessoas, um intervalo de 15 minutos é o suficiente. Já um evento grande, para mais de 500 participantes, necessita de um intervalo maior para que todos consigam se servir. Para um público deste tamanho, uma boa duração seria de 45 minutos. Dica Nexialistas: capriche também na apresentação, no visual do Coffee Break, as pessoas vão se sentir valorizadas e o bem estar faz com que fiquem mais propícias para absorver informações! 12

[close]

p. 15

DICAS PARA ORGANIZAR UM COFFEE BREAK FUNCIONAL SEU EVENTO AROMATIZE o ambiente com fragrância de alecrim, pois esta erva ajuda na concentração. Conheça de onde são os convidados, pois dependendo da região e do perfil do profissional, você pode incluir algumas OPÇÕES REGIONAIS. Para facilitar a CIRCULAÇÃO, cada mesa deve atender a no máximo 50 pessoas. Elas devem estar dispostas de maneira que possibilite fácil acesso. As ÁGUAS AROMATIZADAS com canela e gengibre são boas opções pois ajudam a despertar os participantes. Pode ser com frutas e hortelã que são frescas. Nos dias mais frios a água pode ser aromatizada com gengibre e canela. Os SUCOS NATURAIS não podem faltar, mas cuidado com os de uva e de maçã que oxidam rapidamente. O suco verde com abacaxi e gengibre é uma boa opção. Já o de laranja pode ser servido até duas horas após o preparo, mas sobe rápido a glicemia. CALCULE A QUANTIDADE considerando seis unidades de salgados, três de doces e uma de fruta por participante. Ofereça pelo menos três opções de SALGADOS E DOCES. Invista mais nos salgados porque seu consumo é maior. ALIMENTOS MAIS LEVES encaixam-se melhor neste tipo de lanche. Não se esqueça da água, chá, café e leite. O ideal é que o Coffee seja realizado em uma SALA ANEXA ao local onde está acontecendo o encontro, para que não haja dispersão e não se perca o foco. 13

[close]

Comments

no comments yet