Doroteias, nº128

 

Embed or link this publication

Description

Boletim Informativo da Provincia Portuguesa das Irmãs Doroteias

Popular Pages


p. 1

Al. Linhas de Torres, 2 1750-146 LISBOA doroteiasnoticias@gmail.com Natal em Pinhel Votos Perpétuos da Irmã Maria Francisca Jovens da Missão Brasil Campanha no Paulo VI para o Cuamato Fados no Colégio do Parque pelo Cuamato Festa de Natal na Covilhã ???????Rastreio à diabetes na Figueira Praxe solidária na ESE Festa de Natal no Colégio de Viseu

[close]

p. 2

Mensagem da nossa Provincial Queridas Irmãs e Companheiras/os de Missão Ao terminar um ano e ao iniciar um novo, senti necessidade de agradecer a todos os que fazem parte da Missão da Província, com responsabilidade de lhe Dar Vida: Comunidades e Equipas que se entregam todos os dias para DAR VIDA NOS ENCONTROS E DAR VIDA ESCUTANDO… Assim, com a entrega e dedicação de todos vamos tecendo a missão que o Senhor nos confiou na certeza de que Ele está presente a cuidar de tudo e de todos. Ao agradecer ao Senhor o ano que passou, todos estiveram muito presentes e senti-me grata a Deus, por todas as pessoas que fazem parte da minha/nossa missão, entregue por Jesus Cristo. Neste primeiro dia do ano, dia em que celebramos a Paz, Maria a Senhora da Paz, quero pedir por sua intercessão a paz para todos e para cada um/a e como diz o Papa na sua mensagem para este dia: “O próprio Jesus viveu em tempos de violência. Ensinou que o verdadeiro campo de batalha, onde se defrontam a violência e a paz, é o coração humano: «Porque é do interior do coração dos homens que saem os maus pensamentos» (Marcos 7, 21). Mas, perante esta realidade, a resposta que oferece a mensagem de Cristo é radicalmente positiva: Ele pregou incansavelmente o amor incondicional de Deus, que acolhe e perdoa, e ensinou os seus discípulos a amar os inimigos (cf. Mateus 5, 44) e a oferecer a outra face (cf. Mateus 5, 39)”. Que o Senhor cuide do nosso coração, para colaborarmos na construção da Paz, no nosso quotidiano de vida e missão. Um abraço amigo e agradecido. Maria da Conceição Oliveira Reunião de Coordenadoras Foi a 3 de novembro de 2016. As coordenadoras reuniram em Fátima para poderem DAR VIDA ESCUTANDO para que a ternura do rosto de Deus se torne presente e visível à humanidade (todas sabemos do que se está a falar…) Fomos interpeladas à ESCUTA… escutar-me, escutar os outros, escutar… através de símbolos, imagens, textos para reflexão, oração, diálogo, partilha. A metodologia foi variada, interpelativa, rica, questionadora, provocadora e desafiante… Em clima de silêncio e de oração, fomos mergulhando, aprendendo/recordando a melhor forma de ser “líder serva” nos tempos que correm, para um melhor serviço de acompanhamento às Irmãs na Comunidade, tendo sempre como confronto a “líder serva ao jeito de Paula”. Além deste “jeito de Paula na liderança” fomos “desafiadas” a refletir sobre o “serviço da autoridade e da obediência em Santa Paula”. Perante tais propostas e desafios que nos apresentaram concluí (isto é meu…) que isto de DAR VIDA ESCUTANDO… não é fácil, mas também tem a sua beleza!... Tem muito que se lhe diga… Grande é a diversidade de “cores” que pintam as nossas vidas! É com elas que vamos colorindo as nossas Comunidades e a nossa Missão. Cada uma com a sua cor, definida, linda, útil e única. É com este colorido diversificado que vamos “tecendo” o lindo que é VIVER EM COMUNIDADE e DAR VIDA ATÉ AO FIM. Irmã Fernanda Manso 2

[close]

p. 3

VOTOS PERPÉTUOS DA IRMÃ FRANCISCA - Nesta hora e com a minha vida O meu coração Te agradece Tudo quanto de Ti recebi… – Te agradece o dom da Fé Que semeaste em mim… Recebe-o, Senhor… é Teu… E fá-lo crescer mais em obras que em Palavras – Te agradece o dom da Alegria Com que me criaste… Recebe-o, Senhor… é Teu… Fá-lo sinal de uma Alegria ainda maior que és Tu em mim… – Te agradece o dom da Fraternidade Que me faz sentir todos como Família em Ti… Recebe-o, Senhor, é Teu… E faz-me cada vez mais livre para ser toda para todos por Ti e em Ti… – Te agradece o dom de Olhar para além do visível Que me faz descobrir a beleza escondida por detrás das aparências… Recebe-o, Senhor, é Teu… E transforma-o num olhar que procura mais olhar como Tu olhas cada pessoa Com compaixão, com respeito, com amor, com Esperança… – Te agradece o dom da Simplicidade, da pequenez Que Tu mesmo me ofereceste e que me faz valorizar o essencial, o quase invisível, o comum e quotidiano… Recebe-o, Senhor, é Teu… E torna-o cada vez mais ‘afinado’ para que Te possa encontrar na brisa suave, no gesto simples, no silêncio que fala, na música que soa… – Te agradece o dom do Serviço Com que me fazes perceber o valor incondicional de ser e estar disponível para tudo e todos, em especial os jovens e os mais frágeis… Recebe-o, Senhor, é Teu… E fá-lo crescer cada vez mais na prontidão para ir e estar onde Tu me queres a servir… – Te agradece o dom da Família Em que me fizeste crescer e me faz ser quem sou… Recebe-o, Senhor… E Ti a confio de novo… – Te agradece o dom da Escuta atenta de Ti Que pela oração é o nosso tempo, tempo em que me fazes crescer em Ti e para Ti… Tempo em que no silêncio ou na Palavra me mostras o Teu caminho… a Tua Verdade… a Tua Vida… e me revelas o Teu Amor que me faz Amar-Te e querer levar-Te aos outros… Recebe-o, Senhor, é Teu… faz-me sempre fiel a ele… a Ti… – Te agradece o dom da Vida… Recebe-o, meu Jesus… é Tua Fá-la consumir-se por Ti… … porque de Ti escuto: ”Recebeste de graça… dá de graça!” Maria Francisca Dias 3

[close]

p. 4

“Recebestes de graça, dai de graça…” – Missão de Natal da Juventude Doroteia “Recebestes de graça, dai de graça…” foi com esta frase que nos juntámos à Irmã Francisca num momento muito especial. Na Missão de Natal da Juventude Doroteia deste ano abordámos temas como o discernimento, as escolhas e o compromisso, pelo que para vivermos isto da melhor forma fomos convidados nesta missão a participar e a festejar com a Irmã Francisca a celebração dos seus Votos Perpétuos, no dia 17 de Dezembro, para a qual a Irmã escolheu este tema. Começámos por participar numa vigília de oração na noite da véspera da celebração dos votos. Foi um momento de reflexão, de preparação e de verdadeira espera, que tão bem chegou no momento de Advento que vivíamos, e que por vezes era injustamente esquecido no meio das nossas “vidas atarefadas”. Com este momento de silêncio, oração e adoração, iniciámos a nossa missão. O dia seguinte foi longo e emocionante. Começou na capela do Colégio de Santa Doroteia, em Lisboa, onde se iriam celebrar os Votos Perpétuos. Juntámo-nos ao coro para animar a missa, e às 11h30 começou uma celebração a que nenhum de nós antes tinha assistido, de verdadeiro Amor, entrega e compromisso. A capela estava cheia, com mais de 300 pessoas… Uma celebração destas merecia festa, e que festa! Não se parou de cantar e dançar ao som da guitarra. No fim houve direito a bolo e champanhe, e claro, a uma longa sessão fotográfica com a festejada, da qual todos quiseram fazer parte para guardar memórias de um dia tão especial! O dia terminou no mesmo local da vigília do dia anterior. Sentados em almofadas e embrulhados em mantas, nós, com a Irmã Francisca, a Irmã Goreti, a Irmã Ida e a Guida, que guiam a Missão ad Gentes na qual alguns de nós irão partir no Brasil em Agosto, tivemos tempo após a grande festa para ter uma longa conversa com a Irmã Francisca, e para fazer todas as perguntas que nos surgiram ao longo do dia relativamente aos Votos Perpétuos. Foi com imensa emoção que acompanhámos toda a história e percurso da Irmã, e surgiu-nos a última dúvida: “como sabemos se estamos a fazer as escolhas certas? Como é que sabemos aquilo a que nos queremos comprometer? O que é que Deus me diz para fazer?” As Irmãs riram e disseram “Isso é o tema de amanhã!”… pelo que ficou para o dia seguinte. Grupo da Juventude Missionária Doroteia Testemunhos Como Pais não podemos estar mais Felizes por a Nossa Filha estar no dia-a-dia a fazer a sua entrega de forma tão Consciente. Vivemos intensamente este percurso, pois durante 12 anos a Maria Francisca sempre nos integrou na sua preparação para esta Caminhada, que viveu e vive intensamente e sempre irradiando Felicidade e nunca perdendo a sua maneira de ser Alegre, Bem Disposta e não descurando o Cuidado ao Próximo. Foi com muita Emoção que vivemos o Dia em que a Maria Francisca com toda a simplicidade pôde conviver com todos aqueles que fazem parte do seu percurso. Pai Manuel António e Mãe Helena Maria Num tempo de assombramentos e desumanidade, de violência e sofrimento indizível, a escolha da nossa Francisquinha ergue-se como um farol de esperança. A força e determinação, a alegria e generosidade que nela encontramos serão a certeza de que o seu caminho se fará sereno mas firme. Bem hajas, Francisca! Tia Celeste 4

[close]

p. 5

A Alegria, a Convicção e o Entusiasmo são a maior prova que encontraste o teu verdadeiro caminho de Felicidade. Parabéns, Francisca! Tia Mafalda Foi uma cerimónia com momentos muito intensos contigo, Francisca, a irradiar Alegria, Paz e Amor. Tenho vindo a acompanhar o teu percurso com uma grande alegria. Tia Dulce Poder participar neste momento tão importante da vida da Ir. Francisca foi, sem dúvida, uma Graça de Deus. Neste dia saboreei a beleza do percurso de muitos anos da sua vida, que tocaram o meu coração de um modo muito especial! Gratidão e doação, foram as palavras que mais escutei e ecoaram dentro de mim, e que, com certeza, continuarão a fazer-se sentir no decorrer da vida. Assente numa das mais belas formas de amar, rezo pela sua vocação, na esperança de que todos digamos o nosso “sim”, na hora a que formos chamados a fazê-lo. Joana Santo – Juventude Doroteia - Moura Do dia em que se celebraram (de uma forma lindíssima) os votos perpétuos da Irmã Francisca guardaremos nos nossos corações o assumir com muita paixão de uma vocação de entrega total pelo bem e pelo serviço ao próximo. A sua energia, clarividência e generosidade andarão sempre de mãos dadas num compromisso por um mundo melhor, mais unido e menos pobre! Bem haja, Irmã, por este grande passo de amor pelos outros! Pais da Leonor Morais Sarmento e Madalena Valério Quando temos um objetivo, devemos agarrá-lo com força! Os votos perpétuos da Irmã Francisca foram um exemplo para todos nós, alunos. A vida traz-nos muitos momentos felizes e este foi um deles! Leonor Morais Sarmento - 9ºD Notícias da Casa Paula - Lisboa Na Comunidade da Casa Paula procurou-se que todas as Irmãs pudessem sentir-se úteis e em missão até ao fim. Assim foram criados grupos em que nenhuma faltou. Surgiu a necessidade de responsabilizar alguém pela comunicação e foram escolhidas as Irmãs Brites e Ferreira Fontes para esse serviço. A primeira ficou ligada a notícias do mundo, da política, etc. e a segunda à Igreja, à Congregação e à Comunidade. Não poderão ficar admiradas nas comunidades, se esta Irmã pedir ou enviar algo. A liturgia é outro sector onde estão todas incluídas, às binas ou trinas. O mesmo acontece noutros sectores onde cada uma pode prestar ainda algum serviço. Temos tido também momentos de lazer, entre eles a ida a Cristo Rei, em Almada. Todas as que quiseram e puderam se candidataram. Acompanhou-nos a nossa provincial, Irmã Maria da Conceição Oliveira, e a nossa coordenadora, irmã Fernanda Manso. Já no monumento, encontrámonos com as irmãs Oblatas que lá dão assistência. Uma lembrou um pouco da história da construção. Em seguida tivemos um tempo de oração em que tomaram parte alguns turistas que ali se encontravam. Foi orientado pela nossa coordenadora. Visitámos o monumento; quem pôde foi até ao cimo e outras ficaram só na base a observar o lindo panorama que o rio e a cidade de Lisboa nos oferecem. Um dos grupos que foi até ao cimo teve a “graça” de descer os cento e tal degraus a pé porque enquanto se deliciava com a vista maravilhosa, no elevador surgiu uma avaria. Seguiu-se um saboroso lanche ao ar livre para o qual foram convidadas as Irmãs Oblatas. Regressámos a casa muito felizes. Também as Irmãs que puderam foram tomar parte num encontro na casa das Irmãs Filhas da Caridade onde se realizou um painel das Congregações que celebraram jubileu em 2016 ou vão celebrá-lo em 2017. Nele entrou a nossa provincial, o provincial da Congregação da Missão (vicentinos) e o provincial dos Missionários do Espírito Santo. Houve depois um momento de oração e seguiu-se um lanche em que todos participaram. Na semana dos seminários juntámo-nos com as Irmãs da Casa Provincial e tivemos, na nossa capela, um terço enriquecido com projecções, a lembrar 5

[close]

p. 6

os seminaristas e seus formadores. Inscrevemo-nos na cadeia de oração pelos membros da Congregação Geral dos Jesuítas e foi-nos entregue, para rezarmos, o padre Juan Paul Hernandez, espanhol residente em Itália. Três vezes por semana temos um encontro em que são dadas notícias a informar assuntos ligados ao mundo, à Igreja e à Congregação. Estes encontros são orientados pela nossa colaboradora Gina Pau Preto que pensa em tudo. A Missa diária tem sido enriquecida com a presença das Irmãs que têm ainda alguma possibilidade de tomarem parte nela. Há dias em que os carrinhos de rodas na capela são seis ou sete. Mas, há lugar para todas. Tivemos já a presença da Irmã Diana Barbosa que nos veio comunicar o que apresentou no colóquio de encerramento dos 150 anos da Província, em Fátima. Como foi saboroso receber e recordar tudo o que foram os passos da nossa Província… Ainda nesta semana virá a Manuela Mendonça também apresentar-nos o seu trabalho e o terceiro livro que ela escreveu sobre a história da Província. Já o adquirimos. A Irmã Fernanda sai muitas vezes em acções de carácter social e põe a comunidade a par de tudo o que se vai realizando em favor dos irmãos mais desprotegidos e mais pobres. Estando dentro, vivemos no mundo e com o mundo sobretudo o mundo mais sofredor e isso dá-nos asas para voar... Em cada dia vamos procurando dar graças ao Senhor pelo que nos vai dando e como dizia Santa Paula repetimos: “Estamos nas mãos de Deus e estamos muito bem”. Tivemos ainda outros momentos de muita alegria. Um deles foi quando vimos entrar à hora do jantar as Irmãs da Casa Provincial a cantar-nos uns versos no dia em que se celebravam os 18 anos da fundação da nossa casa. A acompanhá-las veio um docinho muito bom. Não faltou também a presença das Irmãs do Colégio das Calvanas, no dia 1 de Novembro, dia de Todos os Santos, com o “Pão por Deus”. Gestos de ternura e carinho que ficam no nosso coração, e nos remetem para momentos de acção de graças por tudo o que o Senhor nos dá. DAR VIDA… nos nossos CENTROS EDUCATIVOS Praxe solidária na ESE de Paula Frassinetti – Porto No ano letivo 2016/2017 a comissão de praxe em vigor teve uma iniciativa solidária que foi concebida e realizada por todos os elementos da praxe da ESEPF. Esta iniciativa começou pela recolha de bens alimentares e roupas quentes para os sem-abrigo da cidade do Porto. Ao longo de quase dois meses a comissão de praxe foi recolhendo e também comprando bens essenciais para os mesmos. Numa primeira abordagem, juntámos todas as pessoas que participam na praxe e fizemos cabazes para distribuir umas semanas mais tarde. Cada cabaz continha uma manta, leite, bolachas, enlatados, meias, e juntamente anexámos uma mensagem de Natal escrita pelos caloiros. No dia 13 de Dezembro, depois de muito trabalho, fomos para as ruas. A primeira parte da praxe passou por colocarmos os casacos quentes em vários postes de iluminação, com uma mensagem "Não estou perdido, se tiver frio leve-me consigo. Comissão de praxe ESEPF, boas festas". Após a distribuição de todas as roupas alguns de nós estiveram com vários pais de caloiras, doutores e algumas Irmãs da nossa faculdade a fazer kits. Quando nos apercebemos já não tínhamos nada, pois a afluência foi tão grande que rapidamente distribuímos os kits, os cabazes e o chá quente. Foi possível perceber que todas as pessoas que lá estiveram foram embora com o coração cheio e acima de tudo com a sensação de dever cumprido. 6

[close]

p. 7

A nós enquanto comissão e como responsáveis pela praxe neste ano só nos resta continuar com acções como esta, pois queremos demonstrar e ensinar aos mais novos que praxe não é feita de coisas más, mas sim de união e respeito pelo outro. Além da sensação de dever cumprido conseguimos que os estudantes se apercebessem da realidade em que estão envolvidos e consciencializa-los para este tipo de experiências que só nos vão levar a ser mais e melhor! A comissão de praxe de 2016/2017 orgulha-se de honrar o nome da escola e de "Dar vida" aos outros. Marcela Aguiar e Sofia Moreira Covilhã – Fundação Imaculada Conceição Visita à Livraria Paulus A Livraria Paulus, situada em frente à nossa instituição convidou os nossos finalistas e A.T.L. a visitarem as suas instalações. As crianças puderam ouvir uma história sobre o Advento e sobre o Natal. No final, foram presenteados com uma pequena lembrança. “Um urso com poucos miolos” No dia 7 de novembro, as crianças da valência de Pré-Escolar foram ao começo da Programação para a Infância e Juventude no Festival de Teatro da Covilhã, que todos os anos se realiza nestes dias e que este ano celebra 40 anos de existência do Trigo Limpo/Teatro ACERT com a possibilidade de visualização de várias peças, tanto para adultos como crianças. Nesta manhã puderam assistir à peça “Um urso com poucos miolos” adaptada do livro de Álvaro Magalhães “O Senhor Pina”, escrito em homenagem ao poeta Manuel António Pina. Este espetáculo vive da relação criada entre o Urso e o Senhor Pina que encerram entre si o mundo dos adultos, cheio de responsabilidades, e o mundo das crianças, simples e desprovido de preconceitos. Desta diferença resultam diálogos e situações bem humoradas que nos mostram uma nova forma de olhar o habitual, o quotidiano e, até, a poesia. Magusto Para o dia 11 de novembro Para o nosso magusto realizar A caruma fomos apanhar. As crianças dançaram e brincaram Num belo dia de sol As castanhas assaram Mas sempre com o seu cachecol. Mensagens de amizade distribuíram Por toda a gente que passava Foi um dia divertido E uma tarde bem passada. 7

[close]

p. 8

Visita ao espetáculo “Cinderela no Gelo” No dia 25 de novembro as crianças foram até Alfragide assistir ao espetáculo “Cinderela no Gelo”. Três salas de Pré-Escolar assistiram a este espetáculo fantástico baseado na história original dos Irmãos Grimm, representada por atores conhecidos das nossas crianças e também dos adultos. Envolto em magia e contos de fada, toda esta história foi apresentada no gelo onde os atores patinavam e representavam as várias personagens. Foi um dia muito divertido e cheio de magia. Advento Ao longo das semanas do Advento estamos a explorar, com as crianças das salas, a passagem da Visitação (Lc 1, 39-56): Maria depois da Anunciação do Anjo Gabriel parte em serviço disponível até junto de sua prima Isabel, que também está grávida e aí permanece três meses. No corredor da nossa instituição é construído, semana a semana, o cenário desta passagem onde no final está em destaque o presépio. A primeira semana foi o “pôr-se a caminho”, a segunda semana o encontro entre Maria e Isabel. É também nesta segunda semana que, com a colaboração das famílias e em parceria com a Imobiliária Era, fizemos a “Campanha do Agasalho”, onde convidámos todos a participar trazendo um agasalho (camisola, casacos, mantas, cobertores) para as famílias carenciadas que serão sinalizadas através da Conferência de S. Vicente de Paulo. A adesão foi muito grande e temos muitas peças para oferecer. A terceira semana foi o “Dar Vida” e esta última semana é a Alegria do Presépio. No espaço exterior fizemos uma árvore de natal e pedimos aos pais para elaborem laços juntamente com os seus filhos para enfeitar a árvore. Este laço é um símbolo do elo, laço de amizade, do fazer Encontro. Festa de Natal Este ano letivo resolvemos dividir a Festa de Natal em três partes. Nos três dias de festa, diferentes salas e respetivas crianças representaram uma adaptação nossa da história do Principezinho, tão conhecida por todos. Através da participação de crianças e pais apresentámos três dias de festa cheios de cor e alegria relacionando a descoberta do Natal e do seu significado pelo Principezinho. A festa realizou-se dentro da nossa instituição onde os pais e vários familiares acorreram para ver e aplaudir as suas crianças que tão bem representaram. Desejamos a todos um feliz e santo Natal. Covilhã 2016/2017 8

[close]

p. 9

Lisboa – Externato do Parque Semana da Ciência Na Semana da Ciência, todos os anos realizaram diversas experiências. Em algumas salas houve a participação dos pais que com imenso entusiasmo vieram à escola partilhar saberes. Foi uma semana dedicada a observações, registos, partilha de ideias e diversas conclusões! No final da semana os trabalhos foram expostos à porta da sala de aula. Os alunos gostaram muito da Semana da Ciência!! Campanha do Advento Foi com grande empenhamento que quisemos dar vida ao apelo feito pela nossa Irmã São Ribeiro e iniciámos a Campanha a favor do Cuamato. Logo pensámos em várias iniciativas. Para sensibilizar as crianças fez-se um power-point com as fotos que recebemos e em cada sala deixou-se um mealheiro onde as crianças colocaram as suas ofertas. Num espaço foi montada uma quermesse com objetos doados pelos colaboradores e amigos onde as crianças ao final da tarde com os seus pais iam comprar as rifas sempre na expetativa de ter um número e descobrir o que seria. Dia 6, dia de Reis, vamos ter una noite de Fados, os fadistas vêm num gesto de solidariedade colaborar connosco para podermos dar resposta a este projeto de construir um forno onde muitas pessoas possam matar a sua fome. São estes valores de solidariedade que julgamos ser o mais importante no nosso jeito de educar para que a ternura do rosto de Deus se torne presente e visível à humanidade. É Natal... Chegámos ao final do primeiro período e, como tínhamos programado, fizemos, em todas as turmas, uma Celebração de Natal com os Pais. Foi um momento muito rico, depois da vivência do Advento, no colégio e em família. Os alunos tinham para oferecer aos pais uma prendinha que fizeram nas aulas de expressão plástica. Os nossos finalistas tiveram a celebração da Eucaristia e as outras turmas celebração da Palavra com cânticos natalícios. Também, chegou o dia da Comunidade Educativa ter a sua Celebração de Natal, com uma Eucaristia celebrada pelo P. Carlos e seguiu-se um lanche convívio oferecido pela empresa que serve as refeições no colégio. Foi um momento descontraído, de convívio e alegria. No final, junto ao Presépio estava uma caixa com bombons que o colégio oferecia a cada um dos seus colaboradores. É sempre um gesto que todos saboreamos com muito carinho. Partimos mais revigorados para uma nova etapa. Presépio Um pequenino grupo de alunas do quarto ano quiseram, nos tempos livres, presentear a turma com um presépio feito por elas. Foi um gesto muito bonito. 9

[close]

p. 10

Venha tomar um CaFÉ no Externato do Parque! Já desde Setembro de 2015 que mensalmente alguns pais de alunos do Externato do Parque se reúnem para, em conjunto tomarem um café, e para terem um CaFÉ (Conversa acerca da FÉ). Esta iniciativa de um grupo de pais, liderada por pais e articulada com a pastoral, reúne pais para falarem e ouvirem falar acerca de diversos temas relacionados com a FÉ e com a educação dos seus filhos. Contamos sempre com a simpática presença de alguns professores e membros da direcção do colégio, nestas oportunidades que temos para reflectir acerca da Fé, da educação e de como estas duas impactam a nossa vivência como pais de crianças no mundo de hoje. O próximo CaFÉ já está marcado para o final de Janeiro deste novo ano - estão todos convidados. Marco Frazão Lisboa – Natal na Obra Social Paulo VI Para a vivência do Advento construímos dois Presépios, um na sala da interioridade e outro na entrada da escola. O grande Presépio da entrada foi sendo construído pelas famílias ao longo do Advento. Podemos dizer que cada família tem um pedacinho do seu coração no empenho, na criatividade, no esforço, na alegria, no espírito de equipa que envolveu a sua construção - por isso está tão bonito e as crianças deliciam-se a comtemplá-lo. Em cada semana do Advento apareciam junto ao Presépio interrogações com o objetivo de interpelar as famílias, convidando-as à reflexão, fazendo assim ligação com a ordem pela qual os diferentes elementos iam sendo colocados no Presépio: Abrigo O que é abrigar? Sou abrigo de quem? Excluo alguém do meu abrigo? Quando é que dou abrigo? Quem me abriga? Como me abriga Jesus? Natureza Cuidar, Contemplar, Proteger, Descobrir, Colaborar Onde vejo Jesus na Natureza? Família Que famílias tenho? Como cuido da minha família? Que prioridades? Liberdade ou obrigação? Permissividade ou responsabilidade? Que lugar tem Jesus na minha família? Jesus Quem é para mim? Na minha casa há Presépio? O que é que Jesus muda em mim? Estou preparado para O receber? Convido Jesus para o meu Natal? Estas interpelações foram igualmente refletidas com as crianças no decorrer do Advento, na sala da interioridade, e esse trabalho foi sendo exposto e partilhado em diferentes espaços e na Festa de Natal. No início do Advento as crianças fizeram pequenos pães e as Irmãs da Casa Paula saquinhos de pano para que cada criança pudesse levar para casa com um pedido de recolha da partilha da família e amigos para as crianças de Cuamato, que não têm pão. Dia de Reis cada criança vai trazer o seu saquinho e colocá-lo junto do Presépio, para depois ser entregue às Irmãs Doroteias, em Angola. Entretanto, cada criança semeou a sua searinha e levou para casa para a colocar no seu presépio e ceia de Natal, pois para nós, este ano, as searinhas simbolizam que queremos ser alimento uns para os outros. A nossa Celebração de Natal com as crianças foi o culminar deste caminho de Advento. 10

[close]

p. 11

Colégio da Imaculada Conceição – Viseu Magusto No dia 10 de Novembro, uma Quinta-Feira, fez-se o magusto, no Colégio da Imaculada Conceição. As turmas do 3º ciclo prepararam jogos para os outros alunos. Cada turma preparou uma toalha de papel que representasse uma qualidade que a caracterizava, correspondente ao tema do ano “Dar vida nos encontros”. A nossa turma do 8ªA preparou três jogos: Futebol Humano, Bowling e Jogo da Colher. Como recompensa para os melhores concorrentes, oferecemos biscoitos e rebuçados. Tentámos cativar ao máximo os concorrentes que participaram nas nossas atividades, fazendo rir, explicando como funcionavam os jogos. Ninguém era diferente para nós, todos iguais, todos com as mesmas capacidades. E para finalizar em grande, houve um lanche com castanhas e sumos em que pudemos observar todas as toalhas das outras turmas. Do que mais gostamos foi da fogueira e de nos enfarruscarmos uns aos outros. E foi assim que passámos o nosso Magusto nesta casa muito bonita e acolhedora. Rui Martins, Rúben Madeira, Rodrigo Carvalheira, 8ºA Dar vida nos encontros Dar vida nos encontros com as pessoas é conseguirmos ouvir o que os outros têm para nos dizer e dizermos o que pensamos. Dar vida nos encontros com a família é sentirmo-nos sempre amados e acarinhados. Dar vida nos encontro com os professores é conseguirmos ouvir o que eles nos dizem. Devemos ouvir com atenção e respeito e partilharmos as nossas dúvidas. Dar vida nos encontros com os nossos colegas e amigos é conseguirmos ouvir e participar sem receio no que eles têm para nos dizer. Dar vida nos encontros connosco é conseguir em silêncio refletir sobre os nossos defeitos e tentar melhorar. Dar vida no encontro com Deus é quando conseguimos falar com Ele dizendo o que mais nos preocupa, dar graças e pedir ajuda para continuar a crescer no “bom caminho”. Ana Rita, Beatriz Albuquerque, Beatriz Almeida, Dalila Pinto, Diogo Varanda, 6ºA A festa da Palavra A festa da Palavra foi no dia 20 de novembro de 2016. A festa da Palavra foi muito linda, bonita e mais do que isso!!! Nesse dia, era domingo e estava a chover à hora da missa do Colégio. A Mariana levou a Cruz de Jesus, o Rodrigo levou a Bíblia Sagrada, a Leonor e a Raquel levaram umas velas e eu, o “senhor Vitor”, levei o cartaz que dizia: “Palavra de Deus na Vida”. O senhor padre Sílvio, que já tem muita idade, celebra todos os domingos a missa. Nós cantámos os cânticos, preparados com a ajuda do professor Bruno. Quem veio à minha festa da Palavra, foram: o meu tio, a minha mãe, o meu avô, a minha avó, o meu pai e o Daniel, que é o meu irmão. Nós todos recebemos a Bíblia Sagrada que foi entregue pelo senhor padre Sílvio e também recebemos um sininho de recordação, oferecido pela Irmã Lisete, nossa catequista. A seguir, em família, fomos comer cabrito ao senhor António, porque era domingo, pois só neste dia da semana é que o senhor António prepara esse prato, típico da região de Viseu. Eu senti-me muito feliz, muito alegre e muito contente. Gostei muito da minha festa da Palavra, de a poder partilhar com todos aqueles que estiveram presentes, de receber o meu certificado, o meu sininho e a minha Bíblia Sagrada. Vítor Campos, 4ºA 11

[close]

p. 12

Há muito tempo, em Belém, numa manjedoura, envolto em panos, um menino chamado Jesus sorria sob os olhares ternos de José e Maria e não só… de um burro também… e não um burro qualquer! O nosso Asinus… É verdade… há cinco anos, na Festa de Natal do Colégio, deixámo-nos conquistar pelo presente de Asinus, sim, o corajoso, mas também rezingão Asinus, que se deixara encantar pela honestidade de José e pela ternura de Maria, salvando-os de temíveis salteadores. A sua valentia guiou-os até um estábulo onde, na ternura da noite de Natal, o nosso burro descobriu o amor nos olhos e nos sorrisos do ReiMenino. Assim, nasce, num estábulo, em Belém, a esperança para o mundo. Nasce um menino. Nasce uma luz, a Luz que só entrará nos nossos corações, se abrirmos bem as portas dos nossos olhos, dos nossos ouvidos… da nossa alma. A Luz que nunca se apaga. A Luz que ilumina uma vida inteira. A Luz que tem um nome: Jesus Cristo, Luz do Mundo! Ao presépio acorrem pastores da região, avisados por um anjo, e os três reis magos, guiados pela Estrela de Natal, que viajaram do Oriente até Belém para adorar a Jesus Menino e lhe oferecer presentes: ouro, incenso e mirra. No entanto o perigo espreitava, o rei Herodes, com medo da vinda do Messias, ordenou o massacre dos inocentes… no silêncio da noite, avisados por um Anjo, José e Maria, levando no seu regaço o Menino Jesus, fogem… desolados por deixarem Asinus em Belém… seguindo as indicações do Anjo, fogem para o Egito sós… Ao acordar na manhã fria, Asinus desespera quando descobre que a sua querida família desaparecera, mas percebe, de imediato, pela movimentação dos soldados de Herodes, que a fuga era inevitável, mas o perigo continua e jura não descansar enquanto não os encontrar… e assim recomeçam as aventuras de Asinus. Mas não será uma busca solitária, terá como companheiros de aventuras, Ofélia, uma burra apaixonada, e um ingénuo e desastrado burro, o Burrito. Os seus destinos cruzam-se com o quarto rei mago, que também vira a Estrela de Belém e decidira segui-la, sendo o seu grande desejo o de adorar o Rei Menino e lhe oferecer as suas prendas: uma safira, um rubi e uma pérola. Todavia, no caminho, a sua generosidade e abnegação pelo outro atrasaram-no, falhando o encontro com os outros reis magos. Durante as vicissitudes da viagem, nos diferentes encontros que vão tendo, os quatro tornam-se amigos e descobrem que no Natal, há mais, muito mais do que luz e alegria. É o espírito, sempre fiel e doce, da Amizade e do Amor, que brilha todo o ano. É a Solidariedade e a Bondade, é a Esperança renascida para a Paz e para a Transformação do Homem. É Dar Vida nos Encontros! Argumento de Professora Paula Martins Figueira da Foz - Casa de Nossa Senhora do Rosário De "Olhos na Diabetes" No âmbito do Dia Mundial da Diabetes a Equipa do Protocolo de Rendimento Social de Inserção da Casa de Nossa Senhora do Rosário, com a colaboração do Enfermeiro Guardado, realizou no dia 16 de Novembro uma sessão de informação sobre a Diabetes seguida de rastreio aberto à comunidade. "Muitas pessoas vivem com diabetes tipo 2 sem se aperceberem e, quando finalmente são diagnosticadas, podem já apresentar algumas complicações associadas à diabetes. Rastrear atempadamente as complicações da diabetes é fundamental para garantir uma gestão mais efetiva da doença, e assegurar melhor qualidade de vida a todos que convivem com a diabetes. O tema do Dia Mundial da Diabetes 2016 “Olhos na Diabetes” alerta para a necessidade de rastrear as complicações da diabetes. Ao contrário da diabetes tipo 1 que não pode ser prevenida, a diabetes tipo 2 é em larga medida evitável. Esteja atento. Olhe por si!" (in SNS) 12

[close]

p. 13

DAR VIDA… nas nossas COMUNIDADES INSERIDAS Comunidade de Pinhel Vivência de Advento em Pinhel: A Flor dos Sonhos - “O sonho comanda a vida “ Esta dinâmica teve como objetivo levar a uma reflexão semanal cada família, como vaso de flores, para percorrer o caminho que lhe é dado como missão universal. Caminhar com o outro e sonhar juntos a segunda vinda do Senhor. A ideia da flor dos sonhos surgiu do facto de as flores, com o seu cheiro inebriante, nos fazerem despertar para a beleza da vida, para a beleza da criação, para a vida. Surge ainda pelo facto de nos serenar e libertar os nossos sentidos que ficam com a energia necessária para percorrer o caminho real que substitui o do sonho… Objetivos: - Reunir o máximo de flores feitas pelas pessoas, de modo que estas construam um jardim para acolher o Menino Jesus - Valorizar a família, o sonho bom, e fazer por torná-lo real, sobretudo no seio das famílias - Sonhar em Família e em comunidade; ser mensageiro do sonho de Deus - Ser capaz de irradiar a esperança no meio de todas as dificuldades; fazer do Natal uma festa de alegria. Dinâmica A seguinte dinâmica concretizou-se no momento da Oferta dos Dons (ofertório). Junto ao altar estava um recipiente apropriado onde se colocaram as flores. Acendeu-se simultaneamente a coroa tradicional do Advento. Os Leitores acercaram-se do ambão e fizeram respetivamente as leituras, a proposta da semana e acenderam a vela da coroa. Depois toda a comunidade colocou as flores nos respetivos vasos. ESQUEMA SEMANAL 1ª Semana - Proposta para toda a comunidade: Esta semana, vamos sonhar: - Sonhar como o marginal do conto que, numa noite, acorda do sono e corre, deixando tudo para trás, ao encontro da mudança da sua vida. Sonhemos nós também com a mudança da nossa vida. Seremos nós capazes de mudar? - Construir uma Tulipa azul; a tulipa, flor que nos transmite tranquilidade, a cor azul é a cor dos sonhos, da imaginação, fidelidade e ternura. A cor que nos faz sonhar. 2ª Semana - Proposta para toda a comunidade: Esta semana, vamos sonhar: - Sonhar como o pequeno João, que independentemente de toda a família, não desiste de atingir um sonho, o sonho de andar: o mesmo que deu à sua família a capacidade de se tornar também capaz de receber essa esperança de alcançarem o andar. Sonhemos andar pelos caminhos que nos levam a Jesus, ao encontro do Senhor. Vai e anuncia, leva a boa nova, sê mensageiro de sonhos e ajuda os outros a realizá-lo. - Construir uma rosa vermelha que nos transmite desejo, confiança e entusiasmo, que nos leva a pensar nos outros… 3ª Semana - Proposta para toda a comunidade: Esta semana, vamos sonhar: - Sonhar como se fôssemos nós o profeta do conto, e perguntar-nos qual seria a nossa atitude… Aceitai tendo fé e esperança, e partilhai. É essa a missão de todos. - Construir um Girassol; significa “flor do sol”, pois gira na direção do sol-Luz A flor de girassol significa felicidade, alegria de viver a chegada do Salvador. A cor amarela ou os tons cor de laranja das pétalas simbolizam calor, lealdade, entusiasmo e vitalidade. 4ª - Proposta para toda a comunidade: Esta semana, vamos sonhar: - Sonhar com a atitude do filho que sem ver o pai se atirou pela janela, e questionar se nós faríamos o mesmo? É difícil acreditar sem ver!! 13

[close]

p. 14

- Construir um Lírio Branco, símbolo do que é novo, transmite nos Paz, Calma, a pureza, e a esperança, cor acolhedora… Texto retirado do esquema da vivência Paroquial. Pinhel – 2016 Memória agradecida Musgueira Era o início da década de 70. O Vaticano II interpelava e imprimia novas dinâmicas na Vida Consagrada. As Irmãs Doroteias envidavam esforços para rever as Constituições. Um grupo de Irmãs rumaria ao Brasil com o objetivo de trabalhar um novo texto. A partir dos escritos de Paula Frassinetti, a Irmã Maria Manuela de Brito procurava as marcas do Carisma para o trabalho que lhe cabia fazer. Como a sua visão não lhe permitia, então, ler com facilidade, pedia a algumas Irmãs que lhe lessem o texto e procurava dialogar e tomar as suas notas. Num determinado dia, a leitura insidia sobre relatos da vida de Paula que descrevem o assumir de obras dedicadas 14

[close]

p. 15

aos menos considerados pela sociedade. Nesse dia, o livro ficou de parte e o diálogo prolongou-se entre a Irmã Brito e a leitora, a Irmã Pilar Moreira. Acabava de ser construído o Centro Social do Bairro da Musgueira Sul. Ia começar a funcionar sob a dependência da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Era assunto do diálogo uma hipotética presença das Irmãs Doroteias naquele Bairro como incarnação do Carisma de Paula, no último quartel do Século XX, em Portugal. A Irmã Brito levantou as mais diversificadas questões sobre o assunto. Questionava tudo: Para quê? Como? Quando? De que modo? Quem? A deliciosa conversa foi muito longa, completamente informal, sem nenhuma outra intenção para além da partilha de inquietações e anseios que permaneciam. Passaram semanas. A conversa caiu no esquecimento, mas não da Irmã Brito, que partia para o Capítulo Provincial, no Linhó. Antes da sua ida ou numa passagem por Lisboa, a meio do Capítulo, chamou a Irmã Pilar e disse-lhe muito baixinho: - “Reze pela nossa conversa”. Ah!!! Então as perguntas, todas as questões? … Na cabeça e no coração da Irmã Maria Manuela de Brito havia algum eco. O Capítulo chegou ao seu termo. Algum tempo depois, a Irmã Maria de Lourdes Magalhães, então Provincial, comunicava às Irmãs Celisa Vidal, Maria Amélia Santos e Pilar Moreira que a Província abria uma Comunidade no Bairro da Musgueira Sul, e eram chamadas a essa Fundação. Depois de muitas peripécias, esperas e dificuldades, no dia 18 de Fevereiro de 1973 as Coordenadoras das Comunidades de Lisboa reuniam-se para uma oração, seguida de lanche, no nº 44 da Rua Z do Bairro da Musgueira Sul, casinha alugada à Câmara Municipal de Lisboa, com sete por quatro metros e meio, celebrando a abertura da nova Comunidade. Após a despedida do grupo de Irmãs, quarenta e tal crianças se apinhavam na pequenina sala, cantando canções que a Irmã Maria Amélia Santos, com a sua linda voz, ensaiava. Era FESTA para a Congregação e para o Bairro, e, tenho a certeza, no Coração de Deus. Irmã Pilar Moreira APONTAMENTO HUMORÍSTICO 15

[close]

Comments

no comments yet