Livro InovaSUS 2015- Gestão da Educação na Saúde

 

Embed or link this publication

Description

Este livro mostra cada um dos 38 projetos selecionados pelo InovaSUS 2015 -Gestão da Educação na Saúde nas cinco regiões do país que estarão sendo realizados ao longo dos anos de 2017 e 2018.

Popular Pages


p. 1

ministério da saúde inovasus 2015 gestão da educação na saúde brasília - df 2017

[close]

p. 2



[close]

p. 3

Ministério da Saúde Secretaria dE Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde inovasus 2015 gestão da educação na saúde brasília - df 2017

[close]

p. 4



[close]

p. 5

apresentação O que existe de inovador na Gestão da Educação no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)? Como se dão essas experiências nos territórios e como elas contribuem para promover melhorias no cotidiano do trabalho na gestão e atenção em saúde? Para responder a essas perguntas, o Ministério da Saúde, por meio do Departamento de Gestão da Educação na Saúde da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (DEGES/SGTES), e em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), divulgou, em 2015, uma chamada pública com o objetivo de identificar, reconhecer, valorizar e incentivar projetos inovadores em Gestão da Educação na Saúde. Nessa perspectiva, o InovaSUS 2015 – Gestão da Educação na Saúde selecionou 38 iniciativas, nas cinco regiões do país, que procuram trabalhar com desafios locais no campo da educação na saúde. Iniciativas que envolvem criatividade e construção de processos de aprendizagem colaborativa e significativa no campo do trabalho vivo em ato. Esta publicação é fruto de todo esse movimento e procura registrar, em palavras e imagens, as potencialidades do trabalho de profissionais que, muitas vezes com poucos recursos, desenvolvem estratégias que se caracterizam pela produção do conhecimento e inovações nos processos de trabalho, melhorando práticas de atenção e gestão em saúde. Convidamos todos a compartilhar essas experiências na área da educação na saúde que produzem redes vivas de informação e conhecimento em conexões que podem transformar realidades de saúde locorregionais. MINISTÉRIO DA SAÚDE

[close]

p. 6

Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons – Atribuição – Não Comercial – Compartilha igual 4.0 Internacional. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde: saude.gov.br/bvs Elaboração, distribuição e informações MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde Coordenação Geral de Ações Estratégicas em Educação na Saúde Esplanada dos Ministérios, bloco G, sala 731. CEP: 70058-900 - Brasília - DF Telefone: (+55 61) 3315-3090 Homepage: portalsaude.saude.gov.br/sgtes Tiragem: 1ª edição - 2017 - 2 mil exemplares Impresso no Brasil / Printed in Brazil Coordenação Rogério Luiz Zeraik Abdalla Cláudia Brandão Gonçalves Silva Teresa Maria Passarella Elaboração Textual Clarissa Pont Organização e Apoio Técnico Caroline Zamboni de Souza Mariana Carvalho Carminati Marina Weizenmann Talitha Raffo da Silva Fotografias Leandro Anton Revisão Ortográfica Bruno Silva D’Abruzzo Projeto Gráfico Silvia Pont Diagramação Silvia Pont Tratamento de Imagens Eduardo Seidl Colaboração de Editoração Léa Simone de Carvalho Normalização Centro de Estudos, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Saúde Coletiva (CEPESC), Rua São Francisco Xavier, 524, 7º andar - Maracanã - Rio de Janeiro - RJ Coordenação Editorial Centro de Estudos, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Saúde Coletiva (CEPESC), Rua São Francisco Xavier, 524, 7º andar - Maracanã - Rio de Janeiro - RJ. Guayí - Democracia, Participação e Solidariedade, Rua José do Patrocínio 611 Cidade Baixa - Porto Alegre - RS. Clarissa Pont Leandro Anton B823 Brasil, Ministério da Saúde. INOVASUS 2015: Gestão da Educação na Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Rio de Janeiro : CEPESC, 2017. 148p ISBN 978-85-9536-001-3 1. Educação em Saúde. 2. Gestão em Saúde. 3 Sistema Único de Saúde. I. Secretaria de Gestão da Educação na Saúde II. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. III. Centro de Estudos e Pesquisa em Desenvolvimento Tecnológico em Saúde. CDU 37:614

[close]

p. 7



[close]

p. 8

sumário InovaSUS 2015 | Gestão da Educação na Saúde Oficinas para Produção do Livro InovaSUS 2015 | Gestão da Educação na Saúde eixo 1 | integração ensino-serviço-comunidade e formação de preceptores QUALIFICAÇÃO E EXPANSÃO DAS AÇÕES DO LABORATÓRIO DE SENSIBILIDADES, HABILIDADES E EXPRESSÃO (LABSHEX) POR UMA POLÍTICA MUNICIPAL DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO-COMUNIDADE NO MUNICÍPIO DE BLUMENAU-SC ‘‘NUNCA DANTES’’ - MAIS MÉDICOS E MAIS SUS NA FORMAÇÃO: GRADUAÇÃO INOVADORA EM MEDICINA DESENVOLVIMENTO DAS DCN/2014 NA IMPLANTAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA DA UFPI IMPLEMENTAÇÃO DAS DCN/2014: DESAFIO DA INTEGRAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO COM OS PRECEPTORES Ensino médico baseado em narrativas DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO-SERVIÇO: (TRANS)FORMANDO PARADIGMAS UM PLANO DE AÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DA INTEGRAÇÃO DO ENSINO E SERVIÇO EM SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO COAPES NO ESTADO DO ACRE: DESAFIO E PERsPECTIVAS DA INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO-COMUNIDADE ESTRATÉGIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA FITOTERAPIA NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ-MG TERRITORIALIZASUS: USANDO A TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA O AVANÇO DA ATENÇÃO BÁSICA InteraSUS: interação Universidade-Serviço-Comunidade no Município de Botucatu-SP VIVÊNCIA INTEGRADA NA COMUNIDADE: MODELO DE INSERÇÃO LONGITUDINAL DO ESTUDANTE DE MEDICINA NO SUS O USO DE METODOLOGIAS ATIVAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE TRANSFORMAÇÃO NA PRÁTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE Tecendo a Rede de Integração Permanente Ensino-Serviço na Formação de Preceptores RESIDÊNCIA EM SAÚDE DO CAMPO: RESSIGNIFICANDO SABERES E PRÁTICAS ENTRE TRABALHADORES da saúde E MOVIMENTOS SOCIAIS PRECEPTOR, TUTOR E MENTOR: CONSTRUINDO AS NOVAS FACES DA DOCÊNCIA NO CURSO DE MEDICINA DA UFAC 9 13 16 18 26 28 30 32 34 36 42 44 46 48 50 52 58 60 62 64

[close]

p. 9

eixo 2 | produção de conhecimento pelo cotidiano do trabalho TRATAMENTO DE MALáRIA COM MICROSCOPISTAS: UMA ESTRATÉGIA DIFERENTE OBSERVATÓRIO SAÚDE EM MOVIMENTO Ciclo de Aprendizagem Multiprofissional e Interdisciplinar em Reabilitação Fórum Intersetorial do Projeto Redes em Aracaju: o tecer coletivo no cuidado em álcool e outras drogas INTERCâMBIO INTERNO NA REDE DE SAÚDE MENTAL DA CIDADE DE IMPERATRIZ-ma CURSO DE AGROECOLOGIA COM FORMAÇÃO DE HORTA COMUNITÁRIA NA Unidade de Saúde da Família GISERLANDO BIONDI PROFISSIONAIS CAPACITADOS PARA UMA ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL MAIS RESOLUTIVA Busca ativa domiciliar na avaliação de intoxicação exógena por produto químico em hortas domésticas Sentidos do Nascer: uma exposição interativa itinerante para mobilização social e promoção da saúde ciranda cidadã FARMÁCIA NATURAL: TENDA DA SAÚDE LIGA ACADÊMICA DE DIABETES: EQUIPE MULTIDISCIPLINAR ENVOLVIDA NO CUIDADO DO PACIENTE COM DIABETES eixo 3 | gestão de políticas e redes de cuidado no território REDE CEGONHA DA SERRA CATARINENSE: UMA EXPERIÊNCIA EXITOSA NA EDUCAÇÃO PERMANENTE ORGANIZAÇÃO REGIONAL PARA ACOLHIMENTO, ACESSO E RESPONSABILIZAÇãO NA ATENÇÃO BÁSICA ePensando Resende: um espaço intercessor de afeto, saberes e encontros ESTRATÉGIAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA REDE DE APOIO AOS APOIADORES INSTITUCIONAIS em MATO GROSSO DO SUL PRÁTICAS INOVADORAS NA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE em MATO GROSSO PRODUZINDO AÇÕES DE EPS E APOIO INSTITUCIONAL NOS MUNICÍPIOS DO DRS III POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO EM PERNAMBUCO A EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO EIXO NORTEADOR NO AGIR DOS TRABALHADORES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE TEFÉ-AM Distribuição dos projetos no país instituições participantes índice de autoria das fotografias 66 68 76 78 80 82 88 90 92 94 100 102 104 106 108 116 118 120 126 128 130 136 138 140 141 142

[close]

p. 10

reconhecer colaborar aprender sensibilizar fazer compartilhar olhar cuidar mobilizar transformar humanizar envolver participar inovar

[close]

p. 11

InovaSUS 2015 | Gestão da Educação na Saúde Reconhecimento de 38 projetos inovadores de Educação Permanente em Saúde desenvolvidos a partir dos territórios ‘‘São momentos de idas e vindas que tecem redes, teias e esse corpo de conhecimento é que gera o entendimento de que todos são atores no processo de transformação e mudança. O surgimento do Prêmio InovaSUS remonta a 2011, com o reconhecimento de experiências exitosas de Gestão do Trabalho no SUS. Em 2015, além dessa modalidade de premiação, o InovaSUS passou a contar com uma seleção de projetos que se destacam tanto no âmbito da Gestão do Trabalho quanto da Gestão da Educação na Saúde. No livro que você agora tem em mãos são narradas as vivências dos 38 projetos selecionados neste último tema. ‘‘ Regina Diniz A Seleção InovaSUS 2015 – Gestão da Educação na Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). O InovaSUS 2015 teve como objetivos identificar, reconhecer, valorizar e incentivar projetos inovadores em Gestão da Educação na Saúde desenvolvidos no Sistema Único de Saúde (SUS) e originários de todas as regiões do país. A experiência InovaSUS – Gestão da Educação na Saúde também incorpora concepções de vivências como a IV Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/Saúde da Família. Inovadora em sua proposta de comunicação com os participantes, na proposição da curadoria, na Avaliação entre Pares e no uso da Comunidade de Práticas para sua execução, a Mostra teve papel importante na criação da Seleção. Além disso, com a pretensão de criar um processo de financiamento que partisse do reconhecimento de experiências valorosas para os territórios onde estas se desenvolvem, a Seleção buscou ainda 9

[close]

p. 12

‘‘ ‘‘A metodologia de avaliação foi incrível, nós nos sentíamos inseridas e motivadas a participar. Foi um processo de muito aprendizado, é impressionante como uma avaliação mais justa independe do resultado final porque te inclui. E é este o grande desafio, dar conta de priorizar estados e localidades que estejam mais 10 distantes da informação. Marlene Lima referências nos Pontos de Cultura e nos editais do Cultura Viva, iniciativas desenvolvidas pelo Ministério da Cultura. A Seleção InovaSUS – Gestão da Educação na Saúde buscou reconhecer experiências de inovação ao mesmo tempo que ofereceu aos participantes estratégias de Educação Permanente em Saúde (EPS) e Educomunicação inovadoras ao longo do processo seletivo. Partindo do princípio de que a EPS é uma prática que pode ser vivenciada em todo ato relacionado aos processos de trabalho em saúde, a Seleção usou dispositivos para potencializá-los. O uso da Comunidade de Práticas, por exemplo, possibilitou que fossem estabelecidos canais de comunicação, educação, avaliação e inscrição dos projetos. Apoio à Participação Os canais de comunicação estabelecidos para o processo de inscrição e apoio à participação dos autores contou com diferentes ferramentas. Entre elas, a página interativa de inscrição para o InovaSUS, os Bate-Papos realizados semanalmente em tempo real, possibilitando a comunicação direta com a equipe do Ministério da Saúde e da OPAS, e a Comunidade Virtual do InovaSUS – Gestão da Educação na Saúde, ferramentas que possibilitaram a troca de informação e saberes entre os interessados. Curadoria A curadoria dos projetos se constituiu uma interessante oportunidade para os autores aprofundarem suas propostas. A construção dos projetos contou com a curadoria de residentes, trabalhadores, pesquisadores, docentes e gestores que trabalham no SUS. De maneira acolhedora, provocativa e curiosa, o curador se comunicou com os autores após a leitura das narrativas dos Relatos de Experiência da Comunidade de Práticas. A ideia era potencializar os Relatos contribuindo para que os autores pudessem explicitar seu processo de reflexão, valorizando saberes e instigando métodos de aprendizagem com base em suas próprias experiências.

[close]

p. 13

‘‘ ‘‘O processo do InovaSUS foi muito rico, entramos na Comunidade de Práticas, vimos o edital, nos fortalecemos como grupo e escrevemos o projeto. A partir daí, a curadoria veio fortalecer pontos. Nós paramos para nos observar. A avaliação entre pares também nos trouxe isso, nos olhávamos muito. E o ápice de todo esse processo foi o encontro de todos os projetos selecionados em Brasília, de onde saímos nos sentindo mais fortalecidos como grupo, como pessoas que lutam por um SUS de qualidade e que querem deixar para este país ideias fortes e potenciais a serem executadas. Suzanne Krug Avaliação entre Pares A primeira etapa de avaliação dos projetos se deu na Avaliação entre Pares, dentro da Comunidade de Práticas. Esse modo de avaliação buscou oferecer uma oportunidade para aprender com a troca de experiências entre os projetos participantes. A metodologia proposta foi que cada equipe autora avaliasse pelo menos outras cinco propostas de distintas regiões do país. Essa atividade oportunizou conhecer iniciativas de Gestão da Educação na Saúde exercitando o reconhecimento de experiências inovadoras e processos de aprendizagem. Os 20 projetos mais bem avaliados de cada região do país passaram para a segunda etapa de avaliação. Comissão Avaliadora Uma Comissão Avaliadora foi formada para classificar os projetos mais bem avaliados pelos participantes da Seleção. A Comissão foi composta por membros do Ministério da Educação, diferentes áreas do Ministério da Saúde, OPAS, Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM), Direção Executiva Nacional de Estudantes de Medicina (DENEM), Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS) e Conselho Nacional de Saúde (CNS). Em três dias de oficina, com base nos mesmos critérios de avaliação utilizados na Avaliação entre Pares, foram definidos os 38 projetos para o financiamento. Após o resultado, as instituições entregaram os documentos para formalização das Cartas Acordos. Esse processo também precisou contar com uma diversidade de ações colaborativas entre as equipes da OPAS e do Ministério da Saúde e as equipes 11

[close]

p. 14

condutoras dos projetos. Vivenciou-se, foram produzidos concomitantemente a fim assim, um período de estreitamento de laços de compartilhar essas experiências com o entre os envolvidos e identificação de coletivo de atores que compõem o SUS no país. necessidade de acompanhamento de cada Além disso, tanto o livro quanto o uma das ações. O ápice desse processo se minidocumentário se configuram como deu durante a realização de uma oficina dispositivos importantes no território em que nacional nos dias 5 e 6 de setembro de 2016, os projetos selecionados estão inseridos ao em Brasília, em um momento muito potencializar possibilidades, comunicar e significativo para todos os envolvidos, pois, mobilizar as redes locais para participarem de após quase um ano de contatos a distância, suas propostas. todos puderam encontrar-se presencialmente para construir diretrizes de Sejam todos e todas bem-vindos e bem-vindas. acompanhamento e avaliação da execução Este livro é um convite. Aqui começa um das propostas e realizar uma formação sobre passeio de inspiração nessas 38 iniciativas a prestação de contas dos recursos brasileiras de inovação da gestão da educação recebidos. na saúde organizadas em três eixos: Integração Ensino-Serviço-Comunidade e Formação de 12 Este livro e um minidocumentário, que apresenta o processo desenvolvido pelo Preceptores; Produção de Conhecimento pelo Cotidiano do Trabalho e Gestão de Políticas; e InovaSUS – Gestão da Educação na Saúde, Redes de Cuidado no Território.

[close]

p. 15

Oficinas para Produção do Livro InovaSUS 2015 | Gestão da Educação na Saúde Um exercício de sensibilização do olhar e fortalecimento de práticas de Educação Permanente em Saúde ‘‘ ‘‘O trabalho com as câmeras pinhole é como o nosso trabalho, é uma oportunidade única, assim, não há chance para errar, cada escolha de foto e cada atendimento são importantes. Taumaturgo da Silveira Sobrinho As oficinas de Sensibilização do Olhar surgiram como uma proposta para provocar a participação dos envolvidos nos projetos na construção deste livro, com base em uma perspectiva de Educação Permanente em Saúde. A ideia central era instigar alguns questionamentos: como podemos sensibilizar o olhar a fim de reconhecer práticas educativas que podem ajudar a transformar o cotidiano do trabalho em saúde? Como não perder a sensibilidade para as afetações que nos provocam a transformar nossas práticas? Propôs-se, então, uma oficina para cada eixo que norteia a apresentação deste livro e a construção do processo de acompanhamento e avaliação dos projetos selecionados no Edital InovaSUS 2015 – Gestão da Educação na Saúde, a saber: Integração Ensino-Serviço-Comunidade e Formação de Preceptores, Produção de Conhecimento pelo Cotidiano do Trabalho e Gestão de Políticas e Redes de Cuidado no Território. As oficinas foram realizadas junto com projetos que já estavam com atividades em andamento e que puderam abrir espaço em suas atividades cotidianas no período em que o livro estava sendo produzido. A preocupação em retratar a diversidade territorial do Brasil também se fez presente, assim, cada oficina aconteceu em uma região distinta do país. Entre os meses de outubro e novembro de 2016, foram desenvolvidas oficinas de Sensibilização do Olhar em três localidades onde projetos do Edital InovaSUS foram selecionados: Caruaru (PE), Lages (RS) e Eirunepé (AM). Nesses três territórios, cada coletivo responsável pelos projetos foi convidado a participar do livro com 13

[close]

Comments

no comments yet