Eco da Tradição_Janeiro 2017

 

Embed or link this publication

Description

Informativo mensal do MTG

Popular Pages


p. 1

TRADIÇÃO GAÚCHA PELO BRASIL ‘ CBTG 30 anos, MTG-PC 25 anos e eventos no Paraná Página 06 Foto: Rogério Bastos ECO DA TRADIÇÃO - ANO XV - Nº 185 - JANEIRO DE 2017 50 anos 1966 - 2016 LITERATURA GAÚCHA ENTREVISTA COM OS CAMPEÕES Conselheiro Jorge Moreira conta a história do Anita Modalidade interprete vocal feminina e ‘trova do martelo’ Página 19 Foto: Arquivo Pessoal Páginas 14 e 15 Foto: Rogério Bastos João Ermelino de Mello preside a CBTG, que completa 30 anos Jorge Moreira (E), poeta e advogado, conta a história do Anita Aldori Tito (E), ao lado de Teixerinha, foi o campeão de trova Martelo Em um ano de crise no país, a criatividade foi o jeito de superar as dificuldades Foto: Rogério Bastos/Bastos Produções O Movimento Tradicionalista Gaúcho, no ano em que completou seu cinquentenário, apostou todas as fichas nas novas gerações. Jovens de todas as partes do Rio Grande do Sul que, com criatividade, ajudaram a superar a crise, que se alastrou por todo país, em 2016. Sorrisos largos, bem preparados, são soldados voluntários que fazem com que o Movimento cresça a cada ano com solidez e consistencia EDITORIAL DO PRESIDENTE Esperança e vontade que se renovam FEGADAN E FEGACHULA DICAS PARA OS DEPARTAMENTOS Acompanhe todos os resultados destes dois grandes eventos Monte o cerimonial e o protocolo do evento Página 02 Página 12 Página 20

[close]

p. 2

2 Ano XV - Edição 185 Janeiro de 2017 Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email para sugestão de pautas: conselhoeditorialeco@mtg.org.br www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com Contato: 51. 3223-5194 EXPEDIENTE: SUPERVISÃO E DIREÇÃO: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen CONSELHO EDITORIAL: Elenir Winck, Sandra Veroneze e Nilton Otton JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) COLABORAÇÃO: Manoela Carvalho Andressa Motter IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares Atendimento 09 às 12 horas e das 13 às 18 horas De segunda a sexta-feira Valores da Anuidade Janeiro Valor Plena Parcial Especial Estudantis R$ 1.021,12 R$ 876,95 R$ 540,56 R$ 156,11 40% do valor retorna às RTs. MTG: PRESIDENTE: Nairioli Antunes Callegaro VICE PRESIDENTE DE ADMINIS- TRAÇÃO E FINANÇAS: Nilton Otton VICE PRESIDENTE DE CULTURA: Elenir Winck VICE PRESIDENTE ARTÍSTICO: José Roberto Fischborn VICE PRESIDENTE CAMPEIRO: José A. Araújo VICE PRESIDENTE ESPORTES: Martim Guterres Damasco Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal EDITORIAL Nairioli Callegaro - Presidente Esperança e vontade que se renovam Ao chegarmos em janeiro o horizonte desponta em nossa frente anunciando um novo tempo, um reiniciar de uma nova uma caminhada, com novos desafios, projetos e objetivos que despertam em cada um o desejo de construir uma sociedade mais justa e igualitária. É chegada a hora de desenvolvermos novas oportunidades, criarmos uma consciência em novas ações que possam ir ao encontro das vontades e necessidades de uma sociedade cada vez mais perturbada pela perda de valores que estruturam e deveriam contribuir para o nosso crescimento. A cada ano iniciamos nossas atividades no meio tradicionalista convictos de que nosso trabalho contribui para a preservação destes valores. Não vamos voltar ao passado, não retornaremos mais aos primórdios do movimento, as mudanças sociais nos indicam um novo comportamento, mas não a volta àqueles tempos. Devemos estabelecer um modelo capaz de ser agregador, um grande entendimento coletivo que estamos no momento de compreendermos o verdadeiro sentido do voluntariado. Ser voluntário, nestes tempos, não significa fazermos favores, mas prestarmos um serviço à sociedade de uma forma consciente, responsável pela consequência de nosso esforço e nossa abnegação em ajudar as pessoas e as instituições. Este, acredito seja nosso grande desafio que enfrentaremos diante de nossa Federação e todas as entidades, sejam filiadas ou não ao MTG. Os próximos anos nos apontam para buscarmos um equilíbrio entre nossos valores fundamentais, dos quais jamais poderemos abrir mão, valores que são nossa identificação cultural e regional, e as mudanças avassaladoras que a cada dia invadem nosso meio, com a tentativa de corromper seja de forma consciente ou meramente impulsionada por interesses comerciais. Somos movidos por uma sentimento capaz de transpor e vencer todas estas dificuldades. Buscamos de uma forma democrática encontrar alternativas contemplativas, inteligentes, que enfrentem estas questões e nos fortaleçam indicando o caminho a ser seguido. Entender estes movimentos sociais pertence a este desafio. Fazer os ajustes cabe a cada um. Desenvolver atitudes e entendimento coletivo deve ser o nosso norte, a nossa luta, o caminho a ser seguido. Por isto a cada ano iniciamos esta caminhada que já dura setenta anos, quando aqueles jovem resolveram enfrentar o momento social de sua época. Eles construíram um modelo e deram um “Basta”. Acredito que é chegado o momento de renovarmos aquele ato, renovarmos atitudes, comportamentos, realizarmos a transição de um período para um novo tempo. Talvez tudo isto seja só um sentimento, vontades, desejos, ou efetivamente a necessidade de pararmos para pensar e refletir. E de uma forma calculada, medida, sensata e harmoniosa iniciarmos esta transição. Mas tudo passa pelo momento que chamo de “mágico”, um momento de um grande entendimento, quando tivermos a humildade e grandeza de colocarmos de lado os desejos pessoais. Que venha 2017 com força e determinação e que cada um faça seu melhor, dentro do melhor que tem, buscando uma condição melhor para fazer ainda melhor. Um abraço a todos; força e luz. OPINIÃO Por: José Roberto Fischborn Vice-presidente de Eventos do MTG ENART 2016 Diversas inovações foram propostas por esta vice-presidência. Algumas ainda necessitam de ajustes, mas estamos no caminho. Este ano veio rápido e com locamos um cronômetro digi- a mesma velocidade passou. tal direcionado para o tablado Já estamos todos com sau- (somente na força A este ano) dade, mas 2016 foi um ano de para ajudar os grupos a con- mais implementações, inova- trolarem sua apresentação. ções, muito trabalho e dedica- E ao final, com uma con- ção. Os voluntários continuam ferência paralela realizada de engrandecendo e mostrando maneira manual, cada nota o quanto o ENART tem espa- lançada, cada descarte e cada ço para ser ainda maior, mas soma bateram sem qualquer as atenções deste ano se di- tipo de discrepância. Isso nos recionam para as mudanças mostra o amadurecimento do na parte de secretaria, que novo sistema digital. passou a ser gerida integral- Aos olhos da vice-presi- mente pelo MTG. No processo de Aos olhos dência, entendemos que é o iní- apuração das da vice-pre- cio de um novo notas de danças, implementamos um novo proces- sidência, entendemos que é o ciclo, e seus processos deverão sofrer constantes so eletrônico de início de um novo ajustes. Por isso, avaliação realizado no computador, o qual foi ciclo, e seus processos deverão sofrer queremos continuar contando com o apoio das concebido em constantes ajustes. coordenadorias, parceria entre a equipe técnica e amigos como Avalio como positiva as experiências e conselheiros do MTG, diretores artísticos regio- o Sr. Wilson Por- as novas implemen- nais e de entida- to, que nos trouxe a ideia para aprimorarmos tações, considero um marco para des, instrutores e participantes. É uma nova cons- e ajustarmos. A o ano dos ciência que se experiência de quem usou a ferramenta é de que 50 anos do MTG cria, podemos acertar, podemos errar, mas sem- o processo melhorou, facilitou pre de forma muito participa- e agilizou as finalizações das tiva, ouvindo quem realmente planilhas. faz o festival. Foram mais de nove me- Como desfecho, avalio ses de trabalho, treinamentos como positivas as experiên- e ajustes para que chegás- cias e as novas implementa- semos em novembro e con- ções. As considero um marco seguíssemos realizar sorteio, para o ano dos 50 anos do projetar notas em telão, con- MTG, mas quero lembrar que tabilizar eletronicamente e teremos o momento de ouvir revisar todas elas, e imprimir dos finalistas sobre o que po- todos as avaliações. derá ser melhorado e o que Como combinado com os será mantido, seguindo as participantes, as notas finais premissas de melhorarmos passaram a ser concebidas os processos desta nova rea- através de soma e não mais lidade, construindo juntos as das médias dos quesitos. Co- melhorias! EPloMormalitra REREFFLLEEXXÃÃO O “Jamais se desespere em meio às mais som- brias aflições de sua vida, pois das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda.” (Provérbio Chinês)

[close]

p. 3

Ano XV - Edição 185 EVENTOS Janeiro de 2017 3 PROGRAMAÇÃO DO 65º CONGRESSO TRADICIONALISTA 13/01/2017 – Sexta-Feira 08h - Abertura da 83ª Convenção Tradicionalista Extraordinária 09h - Início credenciamento do 65º Congresso - Temário: O Voluntariado no MTG 16h30 - Sessão preparatória do 65º Congresso - escolha da mesa diretora. 17h30 - Chegada da Chama Crioula 18h - 1ª Sessão Plenária 20h - Sessão Solene de Abertura 21h - Jantar 14/01/2017 – Sábado 09h - 2ª Sessão Plenária 10h - 3ª Sessão Plenária 11h - Sarau Literário em homenagem aos 50 Anos do MTG 12h - Almoço e Encerramento do Credenciamento 14h - 4ª Sessão Plenária – Prestação de Contas da Gestão Atual 14h30 - Lançamento do livro: Desfile e Cavalgadas com Bandeiras Tradicionalismo Gaúcho, de Alberto Rosa Rodrigues 14h30 - Instalação da Assembleia Geral Eletiva para Conselho Diretor – Início Votação 14h45 - Formatura do CFOR Avançado 16h - 5ª Sessão Plenária 17h - Encerramento das Votações para o Conselho Diretor e para sediar o 66º Congresso 19h - Resultado das eleições e local do 66º Congresso 19h30 – Sessão Especial do Conselho Diretor para Eleição do Presidente e Vice-presidentes 21h - Jantar 15/01/2017 – Domingo 08h30 – 1ª Reunião Ordinária do Conselho Diretor e 1ª Reunião dos Coordenadores Regionais 11h – Sessão Solene de Encerramento e Posse do novo Conselho Diretor, Junta Fiscal, Departamento Jovem e dos Coordenadores Regionais 12h30 – Almoço de Encerramento COMISSÃO EXECUTIVA Presidente: Gilmar Machado Contatos: 54 99227 3434 gilmarmach2014@gmail.com Presidente de Honra da Comissão: Álvaro Machado de Mesquita Contatos: 54 99984 1355 Vice-Presidente: Elisabete Canton Moreira Soares - Contatos: 54 99913 1810 - elisabete1310@yahoo.com.br 1º Tesoureiro: Sidney Luiz Zilio Contatos: 54 991135214 2º Tesoureiro: Anne Freitas Contatos: 54 984023703 aneapabg@gmail.com 1ª Secretária: Iraci Dalla Valle Contatos: 54 99991 1436 iracidallavalle@yahoo.com.br ANDROID IPHONE Bastos Produções - 51 99765 8633 2ª Secretária: Manuela Soares Rodrigues - PCRonOtaGtoRs: A54M98A43Ç6Ã2O753 - manu84_9@ho13tm/01a/2i0l.1c7o–mSexta-Feira RCDioigro.oPrndroe- vnCia0t01emors869adchhhnoo3erl--otdh0IAaiannrn-bdíátcetSardoireoiotmasuasscreãrea:soead1d5pedaMrn1i48ercep3ªitakaª9omrCrRat9aetoónnT9rtFvioae4CndLd5çoouãG6o605iT5º:z5rºCaVCdo4Cnioac1gnaiorngenrrseaeslslooisssotsa-pEaxra- s- aevWenetlotesr@211708-hhhm3C--01S-ªteosgCSsenãh.soeostgãSaaorodglPtaeolne.debnasádCrr:eiha5Aabm1eart9Curr8aio4ul0a 0 7943 Assessor2ia1h Veroneze09-h 10h C--d2JaªoenStneaIsrsmtãao14tPpo/le0rns1eá/:r2ina50s117a–9: S9Sá3ba7and0od0r6a19 - 3ª Sessão Plenária 12h - Almoço e Encerramento do Credenciamento SUBCOMISSÕES14h - 4ª Sessão Plenária – Prestação de Contas da Gestão Atual CredenciC1a4ohmn3s0eleh- oInnDsttiaroelat/oçãrIo–ndIfnaoíAcirsosmeVmotbaalçeãçiaoõGeerasl E:letiva para Adriana B1146ohh4r-5i5l-ªlFSeeosrsm-ãoa5tPu4lreand9áori9aC9FO4R5AV6A2N4ÇA4DO M-R5ea4cce9hp9a9çd9ão1o11D1E997lie:-hhhr1ieç3I-t54-ã0ovRorE43–eedens6ocuSpt9eleaPetrsra9errsadeaãs1moMsoieDdde0dEenaiansai1stpotraeeerolcd7eenii6iaaaVç06slaõiºceVd5DCesoo-D5oetpanaClrçogeaoõcslrneiealdsssalReesdplonhooatVoer6sas6DaºoaiClrCeloteononrgsrpeelsahsrooa Hospeda2g1he-mJan:taPr atrão do CTG Laço VJoeslheomAanrt01Feª8hRrn3ei0uzon–zirã1ooªRRd1oei-5uszn/C5z0ioã14ioo/r-2Od30er5dn414ia7n5dá–o2r9riDea9s3doR9o5me7Cg8iio4onn6ngsae1oilsh8o8D1ireteor e Alimentan1ç1oãhvo–oCS:oensMssãeolhaSoorDlelniereetndoere,EJunRncetarirzFaimzsceianl,-toD5eepP4aorstsaemdeonto 3- 455429395183661Jo2veh0e3m00Je3–odA4oslsméCooçooFrddreeanEanndcoecrrerosamReedgniteoonaCis ástria Recepção da Chama: Lino Sgarbi 54 99972 4597 ApadrinhamConesunltetooGudiaaTusrístEicondetBidenato dGoençsalves Visitantes: - João Tondo - 54 99129 9853 - Nelson Bassani - 54 99936 3727 - Paulo Jair da Silva - 54 99913 2255 Comercial: Leandro Magnaguagno Contatos: 54 99997 5910 65º CONGRESSO TRADICIONALISTA GAUCHO 13,14 e 15 Janeiro/17 CTG Laço Velho - Rua Quinze de Novembro, nº 125 Bento Gonçalves/RS Promoção Realização Apoio 50 anos 1966 - 2016 Informações Hospedagem consulte: www.turismobento.com.br SECRETARIA DE TURISMO DE BENTO GONÇALVES: Fone: 54 3055 7130 Nairo está preparado para seu segundo mandato frente ao MTG Até o fechamento desta edição somente uma chapa estava inscrita para concorrer na Assembleia Geral Eletiva, durante o Congresso Tradicionalista, em Bento Gonçalves. Ela é liderada pelo atual Presidente, Nairo Callegaro, que conversou com o Eco da Tradição sobre sua proposta para 2017. O missioneiro Nairioli Antunes Callegaro, 50 anos, atual Presidente do MTG é Engenheiro Civil e aos 18 anos foi fundador e, primeiro patrão do CTG Chimangos, na capital, fez deste, sua entidade, uma convicção familiar. Aos 20 anos foi convidado para ser secretário geral do MTG, na gestão do Presidente Domingos Albea. Foi Vice- Coordenador da 1ªRT por quatro gestões, Coordenador em 2011 e 2012, período da aquisição da sede da Região, tesoureiro da AATF, em 2007 e 2008 e Presidente, em 2009 e 2010. Nairo foi Vice-Presidente de Administração do MTG, na gestão de Manoelito Savaris (2014/2015) e presidiu a federação no ano de 2016. É candidato à presidencia, em 2017. Eco. – Qual o planejamento para 2017? Quais mudanças mais significativas a serem implantada? Para 2017 aprofundaremos algumas mudanças administrativas que já estamos implementando no MTG. Aperfeiçoarmos procedimentos e formação de uma equipe capacitada e preparada para os novos tempos que estamos enfrentando. Todos os setores, principalmente na realização de seus eventos deverão sofrer alterações. Devemos continuar a busca de uma facilitação e moderni- zação nos aspectos operacionais de nossa estrutura. O entendimento e a contratação de colaboradores com experiência de mercado agregando qualidade e soluções aos nossos problemas. Uma estrutura enxuta, segura e coesa focada na busca desta modernização de nossos processos. Eco - Fundação Cultural Gaúcha – MTG Reorganizar e aprofundar as mudanças em procedimentos administrativos, financeiros e de arquivamento de documentos. Buscar da mesma forma que no MTG um melhor aproveitamento de todas as funções com seus colaboradores implementando uma rotina organizacional capaz de facilitar e otimizar todo o trabalho a ser executado pela Fundação Cultural Gaúcha. Eco – Faça um balanço deste primeiro ano frente ao MTG O ano de 2016 foi um grande ano para o MTG, foi o ano do cinquentenário de nossa instituição. Apesar de um ano em que, uma profunda crise econômica que assola nosso país, em todas as suas esferas, nossa instituição viveu momentos de crescimento em todos os seus eventos. A participação dos tradicionalistas cresceu em torno de 30% motivando ainda mais nosso trabalho reforçando que estamos no caminho de fortalecimento de nossa identidade Regional. Superamos com criatividade e muito trabalho todas as dificuldades encontradas. A harmonia, o entendimento e a serenidade foram ingredientes fundamentais no sucesso desta caminhada. Financeiramente mantivemos o equilíbrio e a austeridade necessária. Nossos eventos transcorreram de forma tranquila e há firmeza em suas realizações. Um ano que jamais será esquecido pelos tradicionalistas. Muito obrigado a todos.

[close]

p. 4

4 Ano XV - Edição 185 Janeiro de 2017 PROSEANDO COM TENÊNCIA Por Rogério Bastos CASOS & ACASOS Um balanço de 2016 Fechamos 2016 com a máxima socrática: “Conhece-te a ti mesmo”. Sim, precisamos olhar pra dentro e entender quem somos e o que estamos fazendo aqui. Qual o nosso objetivo, para saber qual será o nosso legado. Inicia 2017 e com ele começa, também, a lida. Para nos adaptarmos a tanta mudança, a tanta velocidade, precisamos estar nos reinventando, permanentemente. Ensinar é preciso. Aprender, muito mais. Se quisermos entidades fortes não podemos ir pelos mesmos caminhos que nos levaram a cair de produção. Temos que rever a lida, mesmo que voluntária, em 2017, mas com muita responsabilidade, e pensar que ao CTG crescer, o tradicionalismo crescerá cada vez mais. Sentinelas do Pago - um grande exemplo Como a maioria das entidades do estado, o CTG Sentinelas do Pago, da cidade de Marau, nasceu em um lugar deserto e, depois, nasceu uma cidade ao redor. Resultado: Problemas com acústica. Relatava-nos o patrão, Alcindo Bufon, que foram anos de muito trabalho, remobilização dos associados, para tirar o CTG de dentro da cidade para um lugar onde o som não causaria problemas. Hoje, estão com uma grande entidade, um belo espaço, jantares para mais de mil pessoas, e mais fortes do que nunca. Um baita exemplo. Eco da Tradição homenageado Ao completar 15 anos de existência o Jornal Eco da Tradição recebeu duas grandes homenagens, em 2016, por parte da Estância da Poesia Crioula e da Comissão Gaúcha de Folclore, duas importantes instituições, parceiras do MTG. Criatividade para se adaptar às mudanças Não podemos perder a motivação criativa. Os CTGs, que são escolas informais, nos ensinam muitas coisas e nos dão a oportunidade de fazermos experimentos criativos. Quem cria nasce todos os dias, motivado. Criar é correr riscos, provocar mudanças. Damos ouvidos a nossos associados? Buscamos, permanentemente, saber os pontos positivos e negativos de nossa gestão? Tem que dar espaço para a opinião, para podermos fazer ajustes. Planejamento é um processo. Lixo nos eventos A juventude vive querendo mudar o mundo. Nas redes sociais vemos muitas críticas a isso ou àquilo. Quando terminamos um evento como o Enart, que todos já foram embora, o pessoal da limpeza retira quase uma tonelada de lixo das arquibancadas. Os lugares que dividimos com outros, como rodeios, palestras ou o próprio CTG dependem de conscientização e ações coletivas para melhorar. Se quisermos mudar o mundo podemos começar mudando a nós mesmos. Cidades, como Curitiba, fizeram campanhas nas escolas, na década de 80, onde os filhos ensinavam os pais a separar o lixo. Em 1991, uma campanha entrou nas favelas trocando lixo reciclável por cestas básicas. Quantas latinhas colocamos fora nos eventos? Garrafas plásticas, tampas de garrafas, anéis de latas, são jogadas fora, mas podem reverter em benefícios. Para refletir em 2017. Desafio para nova Coordenadoria da 1ª RT O CTG Sentinela da Querência, de Erechim, 19ªRT, chegou pela décima vez à maior pontuação da Lista Destaques do MTG. Dez vezes no topo. Desde que foi criada a Lista, em 2002, a 1ª Região JAMAIS teve uma entidade com 200 pontos. Fica o desafio para a nova coordenadoria motivar suas entidades para quebrar esse tabu. MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO Calendário do MTG - 2017 DATA EVENTO PROMOÇÃO LOCAL FEVEREIRO DE 2017 2ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES 18 CAMPEIROS, CULTURAIS, ESPORTIVOS, ARTÍSTICOS, CONSELHO DE ÉTICA E JURÍDICO MTG PORTO ALEGRE MARÇO DE 2017 4 SEMINÁRIO DE PRENDAS MTG + 29ª RT SÃO JOSÉ DO OURO 4 2ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR MTG SÃO JOSÉ DO OURO 6 PRAZO FINAL INSCRIÇÕES FECARS MTG PORTO ALEGRE 7 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 29º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES FASE ESTADUAL MTG PORTO ALEGRE 16 a 19 28ª FESTA CAMPEIRA DO RIO GRANDE DO SUL MTG + 22 ª RT ROLANTE 18 SEMINÁRIO DA CULTURA CAMPEIRA MTG + 22ª RT ROLANTE ABRIL DE 2017 06 a 09 29º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES - FASE ESTADUAL MTG + 15ª RT S. SEBASTIÃO DO CAI 14 a 16 FERIADO DE PÁSCOA 25 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 46ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS FASE ESTADUAL MTG PORTO ALEGRE MAIO DE 2017 6 3ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS MTG PORTO ALEGRE 6 3ª REUNIÃO DE DIRETORES CULTURAIS MTG PORTO ALEGRE 13 3ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR MTG PORTO ALEGRE 25 a 27 47ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS - FASE ESTADUAL MTG + 18ª RT BAGÉ 24 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 48ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS FASE REGIONAL MTG PORTO ALEGRE 24 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 30º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES FASE REGIONAL MTG PORTO ALEGRE JUNHO DE 2017 10 4ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DIRETOR (Provas Ciranda e Entrevero Regional) - SEDE MTG MTG PORTO ALEGRE 24 48ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS - FASE REGIONAL MTG RTs 24 30º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES - FASE REGIONAL MTG RTs JULHO DE 2017 1 4ª REUNIÃO DE COORDENADORES E DIRETORES REGIONAIS MTG PORTO ALEGRE 25 PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES ENART 2017 MTG PORTO ALEGRE 29 83ª CONVENÇÃO TRADICIONALISTA MTG + 8ª RT LAGOA VERMELHA AGOSTO DE 2017 8 SORTEIO DA ORDEM DE APRESENTAÇÃO DAS INTER-REGIONAIS DO ENART 2016 MTG PORTO ALEGRE 11 e 12 ACENDIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DA CHAMA CRIOULA MTG + 23ª RT MOSTARDAS 26 e 27 1ª INTER-REGIONAL DO ENART MTG SETEMBRO DE 2017 2 5ª REUNIÃO CONSELHO DIRETOR MTG PORTO ALEGRE 14 a 20 SEMANA FARROUPILHA MTG + RTs RS 30 2ª INTER-REGIONAL DO ENART MTG OUTUBRO DE 2017 1 2ª INTER-REGIONAL DO ENART MTG 7 5ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CULTURAIS MTG PORTO ALEGRE 7E8 ACAMPAMENTO DA JUVENTUDE E TCHENCONTRO 14 e 15 FEGADAN 21 e 22 3ª INTER-REGIONAL ENART 27 e 28 51º ANIVERSÁRIO DO MTG / ORCAV MTG PORTO ALEGRE NOVEMBRO DE 2017 1 SORTEIO DA ORDEM DE APRESENTAÇÃO DA FINAL DO ENART 2017 MTG PORTO ALEGRE 04 e 05 ABERTO DE ESPORTES - 2º ENECAMP MTG + ª RT 11 6ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR MTG PORTO ALEGRE 17 a 19 FINAL ENART 2017 MTG + 5ª RT STA CRUZ DO SUL DEZEMBRO DE 2017 7 PRAZO FINAL - ELEIÇÕES COORDENADORIAS REGIONAIS MTG RTs 9 REUNIÃO DE ENCERRAMENTO - CONFRATERNIZAÇÃO NATALINA 13 PRAZO FINAL - APRESENTAÇÃO PROPOSIÇÕES PARA O 66º CONGRESSO TRADICIONALISTA GAÚCHO MTG RTs Data 25/02 25/02 11/03 26/03 CURSOS CFOR Básico Curso para avaliadores de Prendas e Peões Curso para avaliadores de Prendas e Peões CFOR Básico Promoção MTG MTG MTG MTG/10ª RT Cidade Porto Alegre Porto Alegre Porto Alegre S. Vicente do Sul OBS: Calendários sujeitos a alterações de acordo com a necessidade

[close]

p. 5

Ano XV - Edição 185 LISTA DESTAQUE 2016 Janeiro de 2017 CEVANDO O MATE 5 Por Sandra Veroneze CTG Sentinela da Assessoria de Imprensa para Querência é Decacampeão O CTG Sentinela da Querência, da cidade de Erechim, 19ª RT, é Deca campeão, pois pontuou o máximo na lista destaque tradicionalista do MTG por seis anos consecutivos, de 2002 a 2007, sendo o CTG com maior participação desde a criação da lista em 2002, e agora, mais quatro pontuações máximas (200 pontos) consecutivas de 2013 a 2016. O ‘gigante’ de Erechim No ano de 1986, por iniciativa de 30 tradicionalistas, na cidade de Erechim, foi fundada mais uma entidade tradicionalista, que recebeu o nome de “SENTINELA DA QUERÊNCIA”. Lavrada a ata com o nome dos fundadores, começaram aquelas pessoas a estudar a criação de um estatuto para normatizar a administração da entidade. Foram criadas comissões de vendas de títulos, aquisição do terreno para a construção do galpão e organizada uma patronagem provisória, que foi de 20/04 a 15/12/1986, tendo como primeiro Patrão Claudino Menegatti. No ano de 1988, já com patronagem efetiva, foram iniciadas as obras e, no dia 20 de abril de 1990, foi inaugurado o galpão, com uma área de aproximadamente 1800 m². Hoje possui em torno de 2700 m² área construída. Possui estacionamento para 1000 veículos de passeio e uma estrutura de material necessário para servir até 1.500 pessoas ao mesmo tempo. Está situado no Bairro Frinape, ao lado do Polo de Cultura, onde, anualmente, são promovidos eventos culturais voltados, principalmente, para a agricultura, comércio e indústria. Destaques em 2016 Foram sete regiões que conseguiram a pontuação máxima, através de 18 entidades. A 7ªRT, da Coordenadora Gilda Galeazzi, teve o maior número de entidades que conseguiram atingir o ápice da pontuação (200), foram nove. Veja tabela ao lado. LISTA DESTAQUES – 200 PONTOS 4ª GN IBIRAPUITA 200 4ª CTG SINUELO DO PAGO 200 4ª CTG TRIPLICE ALIANÇA 200 5ª CTG CARRETEIROS DA SAUDADE 200 6ª CCN SENTINELA DO RIO GRANDE 200 7ª CTG FELIPE PORTINHO 200 7ª CTG LALAU MIRANDA 200 7ª CTG MANOEL TEIXEIRA 200 7ª CTG MOACIR DA MOTTA FORTES 200 7ª CTG OSÓRIO PORTO 200 7ª PL PAI JOÃO 200 7ª CTG PRESILHA SERRANA 200 7ª CTG SENTINELAS DO PAGO 200 7ª DT SIMPASSO 200 19ª CTG GALPÃO CAMPEIRO 200 19ª CTG SENTINELA DA QUERÊNCIA 200 24ª CTG TROPILHA FARRAPA 200 30ª SOC. GAÚCHA LOMBA GRANDE 200 Considerando a necessidade de estimular a participação das entidades tradicionalistas filiadas nas atividades regionais e estaduais para fortalecer a unidade do Movimento e, que o destaque positivo às entidades mais participativas tende a estimular aquelas com menor participação nas atividades que envolvem o MTG como associação, foi criada a lista Destaques Tradicionalistas no ano de 2002. (máximo: 200 pontos). Foto: Rogério Bastos Gilda Galeazzi, coordenadora da 7ªRT Foto: Arquivo do CTG Sentinela da Querencia Sentinela da Querencia, de Erechim, brinda mais um ano de sucesso e a 10ª vez no topo da lista entidades tradicionalistas Introdução O relacionamento com a imprensa é um grande desafio para quem trabalha com tradicionalismo. É bem verdade que em alguns setores as entidades tradicionalistas encontram enorme receptividade e podemos citar especialmente os blogs especializados, feitos por pessoas apaixonadas pelo tema, atuantes e capazes de compreender todas as nuances que envolvem nossa pauta. Esses blogs estão espalhados pelo Rio Grande inteiro, muitas vezes até mesmo com suas webrádios ativas, prestando um enorme serviço ao tradicionalismo – mesmo quando não concordam e até mesmo fazem críticas, gerando um debate saudável se bem intencionado. Por outro lado, existe um número expressivo de veículos de comunicação completamente alheios à pauta tradicionalista. Porque são contra? Estes até podem existir, mas não são a maioria. De fato, muitos acontecimentos tradicionalistas deixam de ser noticiados simplesmente porque não chegam às redações. Uma rádio, tv, jornal, revista ou site por óbvio não poderá divulgar aquilo cuja existência desconhece. Evidentemente, ser notícia não é tão simples como um e um são dois. Existem particularidades quanto ao próprio funcionamento dos veículos de comunicação que precisam ser observados. Foi-se o tempo em que bastava fazer uma ligação telefônica para o repórter di- zendo que aconteceria determinado evento e sem delongas uma equipe era deslocada para fazer entrevistas e ampla cobertura. Atualmente as redações estão enxutas, a concorrência de pautas é enorme e é preciso mostrar para esse profissional, que na grande maioria das vezes não é tradicionalista e talvez até tenha algum preconceito, a importância do seu acontecimento. Pensando nisso, ao longo deste ano esta coluna se dedicará a compartilhar conhecimento e técnicas de relacionamento com a imprensa que poderão ser utilizadas pelas entidades tradicionalistas, de forma a buscar aquilo que chamamos de ‘mídia espontânea’, ou seja, divulgação nos veículos de comunicação no espaço editorial, sem que seja necessário pagamento. Alguns aspectos que vamos abordar: importância de se relacionar com a imprensa, como estruturar uma assessoria de imprensa, princípios básicos do bom jornalismo institucional, como escrever um release, os perfis de repórteres e métricas. Devido à limitação do espaço, não se tem aqui a pretensão de esgotar o assunto, mas sim de fazer uma breve introdução que, acreditamos, será de grande valor. Desde já meus emails (Sandra. veroneze@pragmatha.com.br ou imprensa@mtg.org.br) estão à disposição para o caso de dúvidas. Bom trabalho para todos! Festa do Churrasco em Lagoa O CTG Alexandre Pato, de Lagoa Vermelha, realizará de 25 a 29 de janeiro, a Festa Nacional do Churrasco, o Rodeio Internacional e Mostra de Fotogra�ias. O 1º Rodeio Crioulo de Lagoa Vermelha aconteceu nos dias 2, 3 e 4 de fevereiro de 1973, quando Celso Lima era o Patrão do CTG Alexandre Pato. A cada dois anos é realizada a Festa Nacional do Churrasco e o Rodeio Crioulo Internacional, tendo por local o Parque Ítalo Nunes Mondadori. Neste ano, na festa, os shows serão atração, iniciando no dia 25 e terminando no domingo, 28 de janeiro. No segmento cultural do rodeio, dia 25, na sede do CTG, haverá o 3º Seminário Serrano sobre Pecuária de Corte dos Campos de Cima da Serra e 3º Simpósio da Carne Devon, pela manhã e, na parte da tarde, oficina de Usos e Costumes, lançamento do projeto “Parque que te quero verde” e a 3ª Charla de Prendas, com o tema: “A arte do chimarrão”, com Liliane Pappen, presidente do Instituto Escola do Chimarrão, de Venâncio Aires. À noite, concurso de comida campeira. Na quinta-feira, dia 26 de Janeiro, o Encontro de Prendas e Peões com a “Mostra de Fotografias”. Mais tarde, ainda na sede do CTG, lançamento do livro: “A arte e o segredo no preparo do tradicional churrasco de Lagoa Vermelha”. Acontece, paralelo ao Rodeio, o III Encontro Internacional de Tradições Gaúchas, que terá este ano como palestrante, Rogério Bastos. A noite termina com o concurso de comida. E no dia 27, lançamento do livro: “Parque que quero verde”, e a abertura oficial do IV Rodeio Crioulo Internacional (Na cancha de laço) e Show de Folclore Internacional Os Gaúchos (Lona central). TEMA ANUAL: “MTG 50 ANOS DE PRESERVAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA CULTURA GAÚCHA”

[close]

p. 6

6 Ano XV - Edição 185 CBTG - TRADIÇÃO PELO BRASIL ESPAÇO DA CBTG Janeiro de 2017 Movimento Tradicionalista do Planalto Central comemora seus 25 anos A integração do Movimento Tradicionalista Gaúcho no Planalto Central teve como marco inicial o 1º ENCONTRO DE PATRÕES E INVERNADAS ARTÍSTICAS, realizado no dia 30 de novembro de 1991, no CTG Nova Querência, na cidade de Buritis/ MG, quando foi efetivada a criação da Coordenadoria da Integração Gaúcha do Planalto, tendo como primeiro dirigente o Sr. Getúlio Jari Taborda. Em 26 de novembro de 1994, por ocasião do Encontro Extraordinário de Patrões, realizado na Estância Gaúcha do Planalto, em Brasília, passou a chamar-se Federação Tradicionalista Gaúcha do Planalto Central - FTG-PC, quando foi aprovado o seu Estatuto. “Em novembro de 1993, a Coordenadoria da Integração Gaúcha do Planalto participou do 4º Congresso Tradicionalista da CBTG, Foz do Iguaçu/ PR, quando é solicitada a sua filiação à CBTG, tendo sido esta aprovada em caráter provisório, desde então, podendo a Coordenadoria participar de todos os eventos da CBTG, mas sem o direito a voto”. Em 10 de novembro de 1995, já como FTG-PC, no CTG Querência do Sul, em Dourados/MS, durante o 5º Congresso Brasileiro da Tradição Gaúcha, a FTG-PC recebe a sua filiação definitiva. No 13º Congresso Tradicionalista da FTG-PC, realizado em março de 2015, por proposição de seu ex-Presidente, Dorvilio José Calderan, foi aprovada a alteração do nome e passou a chamar-se MTG-PC – Movimento Tradicionalista Gaúcho do Planalto Central. O MTG-PC tem como área de abrangência o Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Tocantins e Oeste da Bahia. Atendendo recomendação do Congresso da CBTG, passou a acolher todos os CTG da Região Nordeste do Brasil. Tendo atualmente, o CTG Querência do Gurgueia de Bom Jesus-PI, já filiado. O MTG-PC conta com os seguintes CTG: 1ª. RT – Brasília: CTG Estância Gaúcha do Planalto; CTG Jayme Caetano Braun e CTG Sinuelo da Saudade; Formosa-GO – CTG Querência Formosa; Cristalina-GO CTG Nova Querência. 2ª. RT – Buritis-MG – CTG Nova Querência; Chapada Gaúcha-MG CTG Chama Crioula – Luis Eduardo Magalhaes/BA – CTG Sinuelo dos Gerais; Barreiras/BA – CTG Estancia do Rio Grande; CTG Querencia do Oeste Baiano; Mambai-GO – CTG Saudade do Rio Grande; Posse/Go CTG 100 Fronteira – Palmas/TO – CTG Nova Querência; 3ª. RT – Goiânia/GO – CTG Saudade dos Pampas; Rio Verde/GO – CTG Querência do Rio Verde – Jatai/ GO – CTG Querência Goiana de Jatai; Mineiros/GO CTG Porteira da Saudade e Perolândia/GO – CTG Porteira das Perobas. O MTG-PC realiza anualmente Festivais Artísticos (no ano de 2016 realizou o 24º. FEGARP e o 4º. ENATCHE); Atividades Culturais (Encontro Jovem, Concurso de Prendas e Peões, Palestras e Cursos); Encontro Esportivo e Rodeio Crioulo com as provas campeiras. Participa ativamente das atividades da CBTG e do Acampamento Farroupilha, em Porto Alegre, com seu Piquete “Toca do Graxaim”. Atualmente, tem como Presidente Loiva Lopes Calderan, residente na cidade de Brasilia - DF. Foto: Rogério Bastos Loiva Calderan, sempre incentivando os jovens Eventos integram tradicionalistas no Paraná Com o intuito de preservar e cultivar a tradição gaúcha paranaense, mais de 10 mil tradicionalistas se reuniram de 01 a 04 de dezembro em Pato Branco para o 28º Encontro Estadual de Seleções Campeiras, 27º FEPART, Encontro Esportivo e Mostra Cultural do MTG-PR. Estiveram representadas nos eventos as 17 Regiões Tradicionalistas do MTG-PR e cerca de 70 CTGs. O evento, sediado pelo CTG Carreteando a Saudade, teve como diferencial dos anos anteriores a simultaneidade das competições artísticas, campeiras e esportivas, bem como a mostra cultural, agregando assim todas as invernadas do MTG-PR e gerando trocas de conhecimentos e integração. O Encontro de Seleções, em sua 28ª edição, teve 46 modalidades de Laço, Vaquinha Parada, Rédeas, Prova do Cepo e Prova do Chasque. A Região Tradicionalista que se sagrou Campeã Geral foi a 1ª RT, com 134 pontos, seguida da 2ª RT (64 pontos) e 3ª RT (62 pontos). No Encontro Esportivo, disputou-se Bolão, Bocha, Bocha Campeira, Bocha 48, Tava, Truco e Canastra. No 27º FEPART, foram disputadas as modalidades de Danças Tradicionais, Chula, Gaita, Intérprete Solista, Violão, Declamação, Causo e Dança de Salão. O Campeão Geral do FEPART foi o CTG Querência Santa Mô- nica, com 79 pontos, e em segundo e terceiro lugar ficaram, respectivamente, o CTG Carreteando a Saudade, com 46 pontos, e o CTG Charrua, com 38 pontos. A Mostra Cultural, em sua primeira edição nesse formato, trouxe temas regionais para a troca de conhecimentos entre prendados de todo o Paraná. Os temas trabalhados pelas prendas e peões foram “A Estrada de Ferro Curitiba-Paranaguá”, “A Capela de Santa Bárbara”, “A Festa das Cavalhadas”, “Contestado”, “O Ciclo da Madeira”, “Estrada do Colono”, “Os Indígenas no Paraná”, “Tríplice Fronteira” e “Cafeicultura no Norte do Paraná”. Foto: Divulgação Aline Jasper (C) incentivando novas prendas Calendário 2017 CBTG 30 Anos Encontro da Juventude Tradicionalista da CBTG Data: 21 e 22 de Abril de 2017 Local: CTG Querência da Saudade, Ponta Porã-MS Sessão Solene Câmara Federal - CBTG 30 Anos e Reunião Conselho Diretor Data: 24 de Maio de 2017 Local: Câmara Federal e CTG em Brasília-DF Nacional 2017: 14° Fenart, 8° Jogos Tradicionalistas e 18° Rodeio Crioulo Nacional de Campeões Data: 19 a 23 de Julho 2017 Local: CTG Pousada do Sul, Querência-MT Semana Farroupilha 2017 - Entrega Títulos de Embaixadores Data: Setembro de 2017 Local: Parque Harmonia, Porto Alegre-RS Encontro Jovem do MTG do Planalto Central, em Formosa/GO, mobilizou a juventude do centro do País Congresso Brasileiro - Eleição Nova Diretoria e Concurso de Primeiras Prendas e Peões Tradicionalistas da CBTG Data: 24 a 26 de Novembro de 2017 Local: CTG Charrua, Foz do Iguaçu-PR

[close]

p. 7

Ano XV - Edição 185 ESPAÇO DO IGTF Por Ivo Ladislau - FIGTF - Diretor Técnico Janeiro de 2017 ESPAÇO CGF/FSH 7 Por: Paula Simon Ribeiro CALIFÓRNIA DA CANÇÃO NATIVA CRENDICES DE O episódio que deflagra o surgimento da Califórnia da Canção Nativa é largamente conhecido, pelo menos entre aqueles que estiveram ou ainda estão imersos no ambiente dos festivais. No livro Califórnia da Canção Nativa – Marco de mudanças na cultura gaúcha, organizado por Colmar Duarte e José Édil de Lima Alves, há um artigo assinado por Cícero Galeno Lopes que, em sua introdução, situa: “Na cidade de Uruguaiana, uma emissora de rádio AM resolveu promover festival de música popular. Vários grupos participaram dele, entre os quais o Grupo de Arte Nativa Marupiaras. Por não ter se classificado, o grupo quis saber o motivo da desclassificação. Soube, então, que a peça que defendera era regionalista, gauchesca, como se costuma dizer inadvertidamente, como se também se falasse em arte brasileiresca. Esse foi o ovo.” Desta forma sucinta, pode ser descrito o nascimento do original festival que acabou por gerar um movimento que está incrustado na cultura sul-rio-grandense nas últimas quase cinco décadas. A Califórnia surge da inconformidade de alguns jovens artistas diante de uma desclassificação gerada não por apreciações estéticas e sim por uma postura de não reconhecimento de uma pretensa identidade. O que provocou a indignação dos alijados daquele 1º Festival da Música Popular da Fronteira promovido pela rádio São Miguel não foi algo ligado à qualidade da canção apresentada – a milonga Abichornado de autoria de Colmar Duarte e de Júlio Machado da Silva - mas sim a justificativa de que a desclassificação fora motivada por se tratar de uma canção regional gaúcha. Os organizadores do evento por certo jamais poderiam suspeitar o tamanho do vespeiro que estavam cutucando. A madrugada que sucedeu ao festival foi embalada por serenatas, dedicadas pelos descontentes, a cada um dos integrantes da comissão julgadora que havia perpetrado o “tendencioso” veredicto. A Califórnia e suas origens. Nos próximos textos voltarei ao tema, relembrando as canções vencedoras. 1ª Prenda do RS palestra em Tapera, 14ª RT No dia 17 de dezembro, realizou-se um evento cultural na 14ª RT, contando com a presença de Roberta Jacinto, 1ª Prenda do Rio Grande do Sul, natural de Bagé, que palestrou em Tapera, sobre o tema: “Eventos oficiais do MTG”. “De extrema importância sua participação no presente evento para desenvolver o Projeto – CTG Núcleo de Fortalecimento da Cultura Gaúcha”, disse Mônica Pinheiro, 1ª Prenda da Região. O evento foi organizado em conjunto com sua gestão regional de prendas e peões 2016/17. Com o objetivo de resgatar fatos históricos da 14ª RT, no decorrer dos cinquenta anos do Movimento Tradicionalista Gaúcho, tratou-se das contribuições de tradicionalistas engajados pelo Movimento, para buscar no passado o quanto cada indivíduo foi importante na construção do tradicionalismo na região, refletindo sobre o que foi feito e o que ainda podem fazer para valorizar e preservar as tradições em cada cidade que compõe a 14ªRT. “Devido a estes e muitos outros feitos é que devemos preservar e transmitir às novas gerações nossos costumes e conhecimentos para torná-los perene através dos tempos, e assim, completar mais meio século de mobilização em prol da preservação da nossa tradição gaúcha” – concluiu Mônica. Foto: Divulgação Monica preocupa-se com as atividades culturais em sua Região e levou Roberta Jacinto para palestrar ANO NOVO As comemorações de Ano Novo estão inseridas dentro do ciclo natalino, que vai de 25 de dezembro a 6 de janeiro, representando a festa profana deste período essencialmente religioso. Desde a antiguidade se acredita que cada ano é um ciclo ao qual as pessoas estão ligadas, bem como a fertilidade da terra e dos animais e até mesmo a nossa sorte e prosperidade. Assim sendo, cada ano que finda e outro que se inicia representam o fim e o início de um ciclo, semelhantes a um ritual de magia. Por este motivo procuramos ter uma boa despedida e uma boa entrada. Nesta época em que universalmente predomina o clima de festa, o espirito de renovação é o mesmo em qualquer parte do mundo. Cada povo tem seu modo peculiar de festejar esta data tão importante. No Brasil, herdeiro de traços culturais de inúmeros povos que aqui chegaram durante nossa formação histórica, formou-se ao longo dos tempos, uma variedade de usos e costumes, que fazem desta época um emaranhado de crendices e superstições, que abrangem desde as iguarias servidas na ceia e a decoração da casa, até a roupa que deve ser usada. O povo acredita que tudo que ocorre na noite e no primeiro dia do ano, se repetirá durante o ano todo, portanto, muito cuidado! Nada de brigas ou desavenças! Devemos esquecer raivas e ressentimentos e começar o ano com alegria e boa vontade. Como todos nós somos um pouquinho (ou muito) supersticiosos, eis algumas sugestões que, seguidas à risca, nos trarão saúde, riqueza e paz. Para iniciar o ano com fartura na ceia da meia-noite não deve faltar um prato de lentilhas e outros cereais. Os grãos representam dinheiro. É costume fazer pacotinhos com 12 grãos (um para cada mês do ano) e distribuí-los a todos os presentes na ceia. Estes pacotinhos devem ser guardados até o ano seguinte, quando serão substituídos. As antigas devem ser plantadas ou colocadas na panela quando se prepara a ceia. Espalhar ramos e grãos de trigo nos quatro cantos da casa. Devemos também comer frutas com grãos e uvas naturais, que se come um bago para cada mês do ano; passas, nozes e romãs nos dão a ideia da multiplicidade. Comê-las significa atrair para si progresso e fartura. Deve ser servida à mesa, carne de porco, que “fuça” para frente e é para frente que se quer andar, ou peixe que nada para frente e faz borbulhas dentro d’água. Carne de aves (galinha ou peru) que ciscam para trás devem ser evitadas. O brinde deve ser com champanhe cujas borbulhas são associadas à ideia de quantidade e prosperidade financeira, significam garantias de dinheiro em quantidades para o próximo ano. Para ter dinheiro o ano todo, coloca-se uma nota com o valor maior que se tiver dentro do sapato e passa-se a meia noite. Pelo mesmo motivo, subir num banquinho com o pé direito, com uma taça de champanhe na mão, formular um pedido, tomar a bebida e pular. Uma variante desta crendice ensina a subir numa cadeira e benzer-se com a rolha da garrafa de champanhe. Jogar todo o lixo da casa pela porta de frente, simbolizando a expulsão das cosas ruins. Deixar as tesouras abertas e talheres descruzados evita desentendimentos o ano todo. Se chover no primeiro dia do ano é bom sinal, a chuva lava os males e traz sorte. Deve-se também jogar fora o objeto mais velho que se tiver (pessoas não...) Quanto a roupa a ser usada são inúmeras sugestões. As religiões de matriz africana preferem o branco ou a cor do Orixá que vai reger o ano que está entrando. Popularmente acredita-se que se deve usar uma roupa nova e uma velha. Uma peça íntima amarela atrai fortuna, rosa atrai amor e branco (cor de Oxalá) traz paz. Usar a calcinha pelo avesso traz sorte principalmente se for ganha de presente (comprada não vale). Simpatia para atrair dinheiro: deve-se reunir durante o ano moedas de pouco valor e distribuir para todas as pessoas que estão participando da ceia, até as crianças. Estas moedas devem ficar guardadas como talismãs para atrair outras de maior valor. Muito poderia ser dito sobre usos e costumes populares para as festas de final de ano. Este texto não encerra o assunto, pois cada pessoa possui seu folclore próprio, resultado das influências familiares e do meio em que vive. Desejamos aos leitores um 2017 próspero e feliz!

[close]

p. 8

8 Ano XV - Edição 185 Janeiro de 2017 SOLIDARIEDADE Fotos da página: Arquivos do facebook Ações de quem faz o bem sem olhar a quem Durante o ano eles fazem o bem, sem olhar a quem. No encerramento das atividades, no �inal do ano, saem anônimos, despejando solidariedade para quem precisa. Abaixo, apenas alguns exemplos dessa lição de solidariedade, mas muitos mais seguem fazendo seu trabalho de formiga, doando a esperança de um mundo melhor. Moradora de Canoas, região metropolitana de Porto Alegre, e cursando fisioterapia na Unisinos, Pâmela Maria Ianescoscki, 1ª Prenda da 12ªRT, encheu o carro de alimentos, roupas e até mesmo um bolo, e rumou para um asilo, próximo de sua casa. Pâmela apareceu na RBS TV fazendo essa ação do bem e teve repercussão pelo estado. “Isso vem desde a minha infância e, quando entrei no movimento, vi que podia praticar isso. A gente busca evidenciar isso cada vez mais” – disse Pâmela, ao repórter. Não muito longe dali, em Alvorada, está a campeoníssima prenda do CTG Tiarayu (campeão do Enart 2016) e instrutora de grupos de base como o GAN Anita Garibaldi, de Encantado, CTG M’Bororé, de Campo Bom e PL Timbaúva, de Portão, Thaiane Dutra, que também fez boa ação. “Eu estava procurando uma instituição para fazer donativos, tanto que alguns brinquedos eu levei em uma casa de crianças excepcionais. Mas acabou que lembrei o quanto existem crianças carentes em Alvorada. Pedi ajuda para uma amiga, se conhecia alguma instituição que ajudasse crianças carentes. Foi coisa do destino... Ela não ia conseguir fazer o natal das crianças, que ela faz todo ano, pois havia arrecadado pouco brinquedo e, eu, graças a Deus, pude ajudar” – conta Thaiane. Os dias foram passando e, contando com a solidariedade de outros amigos, de diversos lugares como Santa Maria, Estância Velha e Campo Bom, Thaiane arrecadou mais de oitenta brinquedos, cuja maioria foi buscar pessoalmente, de ônibus ou de trem. “Contei com a ajuda até das pessoas na rua para carregar tudo até em casa, era muita coisa. Ainda bem que tem gente que ainda ajuda os outros né?” – concluiu. Em Arroio do Tigre, o médico e músico Mauro Giménez Olazar, que já foi diretor de música do MTG, incentivou a mobilização da comunidade da região centro serra para que fossem arrecadados materiais escolares para crianças carentes. “Tenho amigos de todas as cidades da região. Então, meus amigos do Tigre poderiam doar para o pessoal daqui, os de Sobradinho para as crianças de lá e assim, sucessivamente”, comentou. A campanha deu certo e a arrecadação superou as expectativas. “Vamos trabalhar em conjunto com as secretarias de educação dos municípios porque, graças a Deus o número de kits ultrapassou todas as nossas expectativas” – comemora Mauro. Bola na trave pode alterar o placar “Tchê, tu sabe que passa o Enart a vida volta ao normal, né? Não se faz mais regime, pode se voltar a jogar bola, sem medo de se machucar, ai como o pessoal de CTG marca bastantes encontros com futebol e comilança, me veio a ideia de convidar os amigos e arrecadar brinquedos pro natal”- conta Renato Cavalheiro, do CTG Ronda Charrua. Ao grupo de amigos juntou-se: Alexandre Brunetto, Rafa Martins, percussionista do grupo “Mas Bah” e o Bruno Mello (La Omerta, Buenas, Talagaço). Convidando o pessoal via redes sociais, em quatro dias conseguiram mobilizar quase 50 atletas, algo em torno de 100 pessoas ao redor dando força e levando presentes (gente do Alegrete, Caxias, Passo Fundo, Porto Alegre, Campo Bom...) totalizando quase 200 brinquedos, que foram entregues na Fundação de Assistência Social de Caxias do Sul. A força do tradicionalismo independente de ser Enart ou Vacaria, estancieiro ou primitivo. Após a arrecadação dos brinquedos fizeram Futebol solidário reuniu jovens em Caxias do Sul “chutes na trave” para descontrair. Tropilha solidária Todo final de ano o CTG Tropilha Farrapa, de Lajeado, realiza alguma ação solidária. Este ano, depois de uma reportagem do jornal da cidade, “O Informativo”, sobre a Associação Simon Bolívar, de um bairro carente de Lajeado, o prendado da entidade escolheu a instituição para auxiliar. “No sábado do dia 10 de dezembro, ficamos um dia inteiro no Supermercado Imec, abordando as pessoas e estimulando-as a realizarem o bem. Arrecadamos cerca de 411 kg e visitamos a associação para entregar os donativos” – conta Jessica Herrera, 1ª Prenda do CTG. Esta instituição cuida dos filhos dos papeleiros, enquanto os pais trabalham. “Fomos recebidos pelas famílias e pela responsável de cuidar deles, Dona Sandra. Foi uma experiência única que nos deixou muitos legados, como valorizar o que temos e sempre pensar no próximo” – concluiu Jéssica. Nada nesse mundo é por acaso Tudo tem uma razão de ser. Paulo Gomes, músico, conhecido no Rio Grande por “Gago”, reside em uma zona rural de Águas Claras, Viamão. “Quando meu marido foi aos Correios, ver se tinha algo para nós viu uma caixa de cartinhas das crianças da comunidade, então ele pegou uma destas cartinhas, esperou eu chegar do serviço para abrirmos juntos” – conta Francielle Barth. A cartinha era de um menino com problemas de saúde, tinha epilepsia. Escreveu ao Papai Noel contando sua triste história e pedindo um videogame. O casal, no entanto, não tinha condições de dar tal presente, mas acontece que durante uma conversa, uma pessoa conhecida comprou um game novo e moderno para seu filho e queria doar o antigo (play II). Fran e Gago rezaram e agradeceram a Deus a oportunidade de fazer aquele menino sorrir. ENCRUZILHADA DO SUL: “Grupo de Cavaleiras de Trança e Espora promoveu a segunda cavalgada da lua cheia, no dia 13 de dezembro, quando arrecadamos brinquedos e alimentos não perecíveis para as crianças da casa de passagem de Encruzilhada do Sul. Entregamos no dia 18 de dezembro” – Maria Luiza Dammé Teixeira INDEPENDÊNCIA: “O CTG Sentinela do Rio Grande fez doações de alimentos não perecíveis e materiais de higiene para famílias necessitadas, com a ajuda das invernadas artísticas” - Luisa Tormöhlen. BENTO GONÇALVES: “O CTG Gaudério Serrano fez campanha solidária com os departamentos cultural e artístico levando o papai Noel na carroceria. Junto com as prendas da entidade fomos com uma caravana nos bairros entregar doces pras crianças de comunidades carentes. Além da campanha do alimento, que foi doado a paróquia São Roque para que distribuísse às famílias da comunidade, levamos as crianças fazerem a entrega. Eles se mobilizaram e aprenderam desde cedo a serem solidários com o próximo” – Natália Rosa SÃO GABRIEL: “A CTM, juntamente com seus peões e prendas e Dep. Cultural, em São Gabriel, fez o ‘Natal Solidário’ recolhendo alimentos não perecíveis nos mercados da cidade, no primeiro sábado do mês, e entregou no ‘Abrigo Espirita Manuel Viana de Carvalho’, e na festa de encerramento do ano da CTM, ao invés de trocar presentes, foi dado fraldas geriátricas e leite para doarmos também para o abrigo” – Cátia Cavalheiro. Em São Gabriel, a CTM não deixou por menos SAPUCAIA DO SUL: “Minha família e alguns amigos, há um ano, alimentamos semanalmente em média 40 moradores de rua. Mas, nesta época, reforçamos o cardápio deles com galeto e salsichão assado, maionese, refrigerante e sobremesa. Também levamos o Papai Noel, cachorro quente, refrigerante e guloseimas em três lares de idosos. Nos sentimos abençoados por termos este sentimento de solidariedade nos 365 dias” - Simone Machado. Estes jovens, há mais tempo, precisam de atenção. FLORES DA CUNHA: “No dia 26 de novembro o DTG Herança da Tradição juntamente com alguns parceiros realizou uma Ação Solidária em prol ao Lar da Velhice São Francisco de Assis. Foram arrecadados 70 Kg de alimentos não perecíveis e mais de 400 itens de higiene e limpeza, além de presentes da lista de pedidos dos idosos, publicada em rede social. Foram entregues dia 15/12 pelas prendas e peões” – Stela Paim Lemos. OUTRAS AÇÕES: Diego Deleon Vieira, em Porto Alegre. Eliete Miranda, em Viamão. Priscila Dias Ribeiro, Balneário Pinhal. PL Delfino Carvalho, em Cachoeira do Sul. TEMA SEMANA FARROUPILHA 2016: REPÚBLICA DAS CARRETAS - 180 ANOS DA REPÚBLICA RIO-GRANDENSE

[close]

p. 9

Ano XV - Edição 185 NOTÍCIAS Janeiro de 2017 9 30ª RT organiza Natal GAN Anita Garibaldi Fes’tchê realiza projeto cultural Contando com a presença da 1ªPrenda do RS, Roberta Jacinto, e da 3ª O Grupo de Artes Nativas Anita Garibaldi, da cidade de Encantado, 24ªRT, Prenda Mirim do RS, Isabella Nunes, as prendas mirins organizaram o natal promoveu nos dias 14 e 16 de dezembro duas atividades culturais para Fes’Tchê, no CTG M’Bororé. prendas e peões No dia 8 de dezembro, no CTG M’Bororé, na cidade de Campo Bom, as prendas mirins regionais coordenaram uma dinâmica com balões sobre os temas anuais do MTG, falando sobre a criação do objetivo anual, quando é definido e como é trabalhado nas regiões. Entre os temas citados estava o de 1994, quando o objetivo anual foi implantado definitivamente pelo MTG. Prestigiaram o evento, como representantes do prendado estadual, a 1ª Prenda do RS, Roberta Jacinto e a 3ª Prenda Mirim do RS, Isabella. Roberta fez uma breve explanação sobre a importância de incentivar as novas gerações a serem atuantes no departamento cultural, e qual o papel das crianças no Movimento Tradicionalista Gaúcho. A grande surpresa da noite do evento foi a visita do Papai Noel que distribuiu presentes para as 140 crianças presentes. Além da apresentação de músicas natalinas pela invernada pré-mirim da entidade. Solidariedade: Segundo a 1ª Prenda da 30ªRT, Renata Silva, os participantes do evento fizeram a doação de 166kg de alimentos, não perecíveis, repassados ao Banco de Alimentos do RS, através do Lions Clube de Campo Bom. Foto: Divulgação Fundado em 14 de fevereiro de 1994 dentro de um apartamento, na cidade de Encantado, e formado por muitas mulheres (o segundo grande motivo para levar o nome de “Anita”), o GAN Anita Garibaldi tem sua sede provisória no Parque João Batista Marchese. Sua primeira Patroa foi Juliana Fontoura. Ainda em 1994 a entidade conquistava seu primeiro título estadual, com Francieli Marchioretto, 1ª Prenda Mirim do Rio Grande do Sul, 1994/1995 (Ela foi prenda regional pelo CTG Giuseppe Garibaldi, que encerrou suas atividades artísticas, obrigando-a a migrar para o GAN Anita Garibaldi, que lhe deu suporte técnico para a conquista estadual). Atualmente o ‘Anita’ tem como patroa a arquiteta Lisa Lucca, esposa do avaliador do Enart, Daniel Dal Molin, que com sua experiência tem mantido a entidade em plena atividade, mesmo sem uma sede própria. O ‘Anita’ já dançou em 2004 em São Paulo, em 2007 na Alemanha, em 2009 na Itália e em 2013 na Polônia. Com tanta história e tantas prendas estaduais, o Grupo de Artes Nativas não para. Levou Odila Paese Savaris que palestrou sobre: “Resgatando o valor e o trabalho do departamento cultural”, no dia 7 de dezembro. No dia 14, o prendado recebeu o poeta Luciano Salerno para ministrar o “Seminário Verso e Campo” sobre arte declamatória e também oficina campeira. E no dia 16, recebeu Rogério Bastos para falar de “Como se constrói uma entidade sólida”. Foto: Divulgação Foto acima: Prendas Regionais, com Roberta Jacinto. Abaixo: As atividades desenvolvidas no Encontro GAN Anita Garibaldi, de Encantado, tem como característica a preocupação com as atividades culturais Simões Lopes Neto ganha estátua em Pelotas Texto: Caroline Patatt/Sedac O escritor Simões Lopes Neto foi homenageado, nesta sexta-feira (16), com uma estátua de bronze para marcar os 100 anos de sua morte. Um dos mais importantes personagens da cultura gaúcha, Lopes Neto ganhou uma réplica em tamanho real na praça Coronel Pedro, em Pelotas. A entrega do monumento integra as comemorações do Biênio Simoneano (2015/2016), instituído pelo governo do Estado por meio do decreto 52.278/2015. Segundo o prefeito Eduardo Leite, “a obra cria um novo ponto de atração cultural, identificando a cidade e orgulhando os pelotenses”. Para a vice-prefeita e prefeita eleita Paula Mascarenhas, primeira presidente do Instituto João Simões Lopes Neto (IJSLN), de 1999 a 2008, o Poder Público e os admiradores do autor chegaram à conclusão de que era preciso algo especial para homenageá-lo. “A inauguração da escultura encerra o biênio com chave de ouro. Simões não está aqui estático. Ele está sentado, à espera de companhia, de leitores, de admiradores de sua obra”, acrescentou. ESCULTURA A estátua foi confeccionada pelo artista plástico mineiro Léo Santana, autor de outras obras importantes como o busto de Juscelino Kubitschek de Oliveira, as estátuas de Tiradentes, Graciliano Ramos, Tancredo Neves e Carlos Drummond de Foto: Reprodução Site Prefeitura de Pelotas Secretário da Cultura do RS, Victor Hugo (D) Andrade, que fica no calçadão de Copacabana, no Rio de Janeiro. A escultura de João Simões Lopes Neto exigiu quatro meses de trabalho e pesa 230 quilos. O banco de praça em que está sentado também faz parte do monumento. O patrocínio da obra foi do Banrisul. INAUGURAÇÃO O secretário da Cultura, Victor Hugo, lembrou Simões Lopes Neto como o maior escritor regionalista gaúcho. “Tivemos dois anos intensos de muitas atividades em homenagem a este grande homem. Foram exposições, debates, e produções artísticas que muito me orgulham”, destacou. A sobrinha-neta de João, Lucinha Simões Lopes, foi a primeira a sentar-se no banco para ser fotografada ao lado da estátua do escritor. O evento também teve a participação de estudantes de escolas públicas. Após a cerimônia, as autoridades foram à sede do Instituto João Simões Lopes Neto para descerrar uma placa que marca o nascimento do escritor.

[close]

p. 10

10 Ano XV - Edição 185 Janeiro de 2017 Retrospectiva 2016. O ano que comemoramos o Gaúcho. Congresso, em Bento, foi o prelúdio da O ano de 2016 �icará marcado na história como um ano em que o Brasil entrou em uma forte crise �inanceira e, também, cultural. Mas também será lembrado comemorações, a apresentação da programação o�icial no Congresso de Bento Gonçalves, o lançamento do livro na Convenção de Cruz Alta, até os dois dias de O evento que traça os rumos do tradicionalismo organizado foi realizado entre os dias 08 e 10 de janeiro, em Bento Gonçalves. Promovido pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho – MTG - o 64º Congresso Tradicionalista Gaúcho reuniu nas dependências do CTG Laço Velho 11ª RT, representantes das mais de 1700 entidades filiadas no estado para votar as proposições apresentadas e determinar os temas do ano. Iraci Dalla Valle foi eleita presidente do Congresso. Seu primeiro vice foi Carlos Eduardo Silva (coordenador da 9ªRT), e o segundo, indicado pela comissão executiva, foi Moacir Mario Nardes (ex-coordenador regional e ex-conselheiro do MTG). Na Relatoria Geral, Nilton Otton e na Secretaria Geral, Iara Vanice Rott. Entre as proposições foi votado o tema dos festejos farroupilhas de 2016: “A República das Carretas”, referendado pelo Congresso e apresentado por Vinicius Brum, Presidente do IGTF e dos Festejos do RS. O tema foi em homenagem aos 180 anos da proclamação da República Rio-grandense. 23ª RT venceu a 28ª Fecars Um dos momentos mais bonitos da 28ª Fecars – Festa Campeira do Rio Grande do Sul, realizada de 17 a 20 de março em Santiago, na 10ª RT, foi a realização da Vaca Parada. A prova é dirigida a crianças de até quatro anos de idade, meninos e meninas, e nada mais é do que, a um metro de distância, laçar com laço de couro uma vaquinha de madeira, com aproximadamente 80 centímetros de comprimento, 60 de altura e aspas de oito centímetros. O vice-presidente Campeiro do MTG, José Araújo Silva, fez uso da palavra, dizendo que existem grandes laçadores que começaram nas provas de vaquinha parada, mas que nem todos são grandes homens. “Quando damos ênfase à competição, muitas vezes uma armada pode ser motivo pra se perder a amizade”, falou, complementando que “pra sermos gente boa, precisamos ser bons participantes e respeitarmos os amigos, companheiros, e também os juízes”. Sempre que a gente compete, segundo Araújo, é preciso saber que tanto pode ganhar como perder e é necessário estar preparado pra ambos. Com maior somatório de pontos, a região litorânea, capitaneada pelo coordenador João Carlos Luz, foi a grande campeã da 28ª edição da Fecars. No Laço Seleção, modalidade mais disputada do evento, que dá ao vencedor o troféu Alfredo José dos Santos, venceu a 29ª RT, do coordenador Valdecir Rodrigues dos Santos. 29º Entrevero de Peões, em 2017, será em São Sebastião do Caí Em 2017, São Sebastião do Caí sediará o 29º Entrevero de Peões do RS. Diego Azevedo, do CTG Lauro Rodrigues sagrou-se o novo Peão Farroupilha do estado. Pela quarta vez na história, a 15ªRT será sede do concurso de peões do RS. Portão duas vezes e São Sebastião do Caí, pela segunda vez (a primeira foi com Rodrigo Moura, em 2001), conquistaram o troféu Farroupilha. A 15ª Região continua fazendo história. Primeiro, reeditou um título, de pai para filho, com Ernani e Lourenço Nunes, 25 anos depois do título do pai, e agora não deixou o concurso sair da região, pois, com Diego Azevedo conquistou o título máximo do Entrevero. Depois de 38 anos, Bagé, levou o título máximo da Ciranda A madrugada de 22 de maio de 2016, dificilmente Roberta Jacinto, do CTG Prenda Minha, de Bagé, esquecerá. Cerca de 1.300 pessoas participavam do Fandango no CTG Lalau Miranda, de Passo Fundo, quando o cerimonial da 46ª Ciranda Cultural Gaúcha anunciou a 1ª Prenda do RS. Pela quarta vez, Passo Fundo foi sede do concurso. Bagé sediará pela primeira vez a Ciranda de Prendas, em 2017, pois no ano de 1978, quando o CTG Prenda Minha conquistou o estado, através de Helenice da Luz Ghisolfi, o concurso era realizado no Congresso Tradicionalista. Tradição milenar marca a história gaúcha Segundo a milenar tradição grega, simbolizada pelo revezamento da tocha, são os mensageiros da Grécia Antiga que viajam pelas cidades anunciando a data dos Jogos, além de convidar os cidadãos a assistirem as olimpíadas. No Rio Grande do Sul, o fogo olímpico passou pelas mãos de centenas de condutores, em diversas cidades, sempre com a presença da pilcha gaúcha e dos tradicionalistas a cavalo, ou mesmo de à pé, dando suporte. Mas foi na capital gaúcha que o Diretor da Ordem dos Cavaleiros do Rio Grande do Sul, Airto Glademir Toniazzo Timm, representando a cinquentenária federação tradicionalista, conduziu a tocha, passando-a para o músico Renato Borghetti. O ato foi registrado pela mídia mostrando para o mundo as tradições do estado. Zeno Chaves escolhido Patrono dos Festejos Ele nasceu no mesmo dia, mês e ano que Paixão Côrtes, mas não param por ai as coincidências. Ambos seguiram a mesma trilha, da manutenção das tradições gaúchas. Zeno e Paixão Côrtes muito cedo formaram uma grande amizade, ocorrendo o mesmo em relação a Barbosa Lessa. Aos 89 anos, nascido na Fazenda Cerro Colorado, distrito de Seival, interior do município de Caçapava do Sul, Zeno Dias Chaves é casado com Isaura Ferreira Chaves, com quem teve três filhos, depois vieram os sete netos, e os três bisnetos. Tornou-se o 12º homenageado dos Festejos Farroupilhas do Rio Grande do Sul, desde Luiz Menezes, em 2005. Cruz Alta recebeu o RS na 82ª Convenção Cruz Alta, do Pouso dos Tropeiros, na 9ªRT, realizou com sucesso a 82ª Convenção Tradicionalista do MTG, a 4ª Convenção da história da cidade. Foi palco em 1973, da 8ª, em 1983, da 20ª, em 1998, da 46ª e, em 2016, da 82ª. Foram quase 800 credenciados para esta edição histórica das Convenções. Palestra sobre a “Carta de Princípios”, lançamento do livro dos 50 anos, debates sobre propostas artísticas, campeiras e esportivas movimentaram o conclave. Lagoa Vermelha, na 8ªRT, sediará a 83ª Convenção Tradicionalista, em 2017. Livro fala do tradicionalismo gaúcho Com o projeto gráfico e a diagramação com a assinatura de Liliane Pappen, pesquisa, textos e seleção fotográfica de Rogério Bastos, sob a supervisão de Manoelito Carlos Savaris e Nairo Callegaro foi criada a obra: “MTG 50 anos de preservação e valorização da cultura gaúcha”. Paulo Roberto de Fraga Cirne, Manoelito Savaris e Suzana Schuwchow assinaram a 1ª obra, que resgatou 40 anos de história. Neste livro foram atualizadas as informações dos últimos dez anos, mas muito mais do que isso, a construção da obra foi um

[close]

p. 11

Ano XV - Edição 185 Janeiro de 2017 11 o cinquentenário do Movimento Tradicionalista as atividades comemorativas aos 50 anos. por ter sido o ano em que o Movimento Tradicionalista Gaúcho do Rio Grande do Sul completou 50 anos. Desde o lançamento da logotipia o�icial das muita festa (28 e 29 de outubro), em Porto Alegre, o MTG mostrou-se uma instituição preparada para os próximos 50 anos. Con�ira os melhores momentos. pouco mais adiante, viajou no século XIX, visitou o Parthenon Literário e tentou entender um dos principais “ismos” que compõe a história as tradições no RS: o telurismo. Ter essa obra na biblioteca do CTG, ou pessoal, é um orgulho de pertencer a um movimento que se consolidou no amor que o gaúcho tem pelo seu chão, pela sua terra, seu pedaço de Rio Grande, expresso em uma devoção telúrica, que não abandona seus mais ricos valores. Chama Crioula acesa em Triunfo e 26º Tchêncontro Uma missa crioula, feira de artesanato, Tchêncontro da Juventude, cavalgada e apresentações artísticas foram algumas das atrações do acendimento e distribuição da Chama Crioula 2016 na cidade histórica de Triunfo. O evento aconteceu nos dias 12 e 13 de agosto e foi uma realização, promoção e organização do Movimento Tradicionalista Gaúcho, 15ª Região Tradicionalista e da Prefeitura de Triunfo. A chama completou 69 anos de existência em 2016. além de mateadas e churrascadas. Além da China, os Estados Unidos temais sete entidades ativas, entre outras espalhadas pelo mundo. Além disso, no dia 16 de setembro, ficou marcada pelo encontro de grandes líderes tradicionalistas dos países que compõe a Confederação Internacional da Tradição, no CTG Laço Velho, na cidade de Bento Gonçalves. O Encontro serviu para debater a ideia de transformar a figura do Gaúcho em patrimônio intangível da humanidade, pela UNESCO. Estiveram presentes pelo Brasil – Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha – CBTG - João Ermelino de Mello; pela Argentina – Federacion de Centros Tradicionalistas de La Província de Buenos Aires - Adolfo Caballero; pelo Uruguai – Movimiento Tradicionalista Oriental – MTO; e pelos EUA – Confederação de Tradicionalismo Gaúcho dos Estados Unidos, representado por seu tesoureiro e membro fundador, Jatir Delazeri. CTG Tiarayu e 13ªRT brilharam no Enart Pela primeira vez na história o CTG Tiarayu, de Porto Alegre, e a 13ªRT venceram o Enart. A Região que mais pontou e levou o titulo do troféu Marca Grande, foi a 13ªRT e nas danças tradicionais, força “A”, o CTG Tiarayu. Na força “B”, a 9ªRT manteve a hegemonia de três anos, e venceu com o GF Chão Batido de Ijuí. O melhor acampamento do Enart ficou, mais uma vez, com o CTG Adaga Velha, de Rosário do Sul. A 17ª Mostra Folclórica apresentou para os visitantes os 50 anos do MTG vistos dentro de cada Região Tradicionalista, sob a supervisão da Vice-presidência de Cultura do MTG. Mesmo com a crise, semana farroupilha foi sucesso Acampamento Farroupilha de Porto Alegre teve mais de um milhão de visitantes, o Turismo de Galpão, em sua 5ª edição, bateu recorde de público, com atividades nos galpões do acampamento do Parque da Harmonia. E a mistura de tecnologia e tradição com o lançamento de um App para localização dentro do Parque. O desfile temático da capital contou com a participação de mais de 1400 pessoas divididas em 10 invernadas temáticas. Tradicionalismo gaúcho cresce e se fortalece fora do Brasil Com mais de 1.500 entidades fora do Rio Grande do Sul e mais de 100 fora do Brasil, o tradicionalismo gaúcho se renova e se fortalece a cada ano. Fundado em 1º de janeiro de 2012, na cidade de Dongguan, na China, o PTG China Véia, que faz parte de uma comunidade brasileira, de mais ou menos 2500 pessoas, onde, mais da metade são gaúchos, realiza atividades tradicionalistas frequentemente, tem aulas de danças tradicionais, poesia, recitais poéticos e musicais, 3º FEGADAN e 2º FEGACHULA Em sua 3ª edição o Festival Gaúcho de Dança aconteceu nas dependências do CTG Pousada dos Tropeiros, em Criúva, Caxias do Sul, nos dias 9, 10 e 11 de dezembro. O grande campeão foi o CTG Os Carreteiros, de Caxias do Sul, que teve ainda a indumentária mais autêntica do seu agrupamento biriva. MTG comemorou 50 anos com muitas atividades e homenagens A grande festa do cinquentenário foi em Porto Alegre. “O tradicionalismo deixou de ser de galpão para ser universal”, disse Paixão. As comemorações do cinquentenário começaram com o lançamento da logotipia oficial, em 2015. Depois vieram as moedas, as facas e o livro dos 50 anos, este último, lançado na Convenção. De 18 a 30 de outubro, no memorial do RS uma exposição mostrou a história, comemorada com a chegada de cavalgadas no dia 28 e nas homenagens do dia 29. Dezenas de homenagens foram feitas pelos 50 anos do Movimento Tradicionalista Gaúcho por todo o Rio Grande do Sul. Uma, em especial, foi realizada no dia 11 de outubro, durante Sessão Solene no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, e teve como proponente o deputado federal Afonso Hamm (PP-RS). A mesa das autoridades foi composta pelo deputado proponente, a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS), o representante do governo do Rio Grande do Sul, Otaviano Fonseca, o representante da Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha (CBTG), Wilson Porto, o Presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho do RS, Nairo Callegaro, o Presidente da CBTG, João Ermelino de Mello, a primeira Prenda do Rio Grande do Sul, Roberta Jacinto e a terceira Prenda Mirim do RS, Isabela da Silva. Também esteve presente a presidente do MTG do Planalto Central, Loiva Lopes Calderan. O presidente do MTG disse que estar em Brasília, no Congresso Nacional, onde inúmeras decisões que são tomadas interferem diretamente na vida dos brasileiros, foi uma satisfação e uma honra para o Movimento Tradicionalista Gaúcho. Pelo Rio Grande Foram 43 homenagens pelo estado, comemorando a passagem dos 50 anos do MTG. A 23ªRT foi a que mais promoveu sessões de homenagens, em um total de cinco cidades (Pinhal, Cidreira, Imbé, Osório e Tramandaí). Além da 23ªRT mais vinte e duas regiões promoveram atividades alusivas ao cinquentenário. A Assembleia Legislativa do estado homenageou o MTG no dia 27 de outubro, véspera do aniversário da federação.

[close]

p. 12

12 FEGADAN 2016 Ano XV - Edição 185 Janeiro de 2017 CTG Os Carreteiros vence o 3º FEGADAN Em sua terceira edição e a segunda do FEGACHULA, o Festival Gaúcho de Danças foi realizado na cidade de Caxias do Sul, na região da Criúva, durante o rodeio do CTG Pousada dos Tropeiros, nos dias 9, 10 e 11 de dezembro. A Vila de Criúva surgiu em meados do século XIX, Fotos: TV Tradição impulsionada pelos comércios que se dedicavam ao abastecimento dos tropeiros que cruzavam o Rio das Antas com seus animais e cargas entre o leito do rio para levar seus mantimentos e mercadorias ao norte, seguindo o rumo de Vacaria. Daí a forte característica de um tipo de bailar campesino da região. O grande campeão foi o CTG Os Carreteiros, de Caxias do Sul, que teve ainda a indumentária mais autêntica do seu agrupamento biriva. Os Carreteiros venceram danças birivas, danças tradicionais mirim, 4º lugar juvenil, 3º lugar adulto e veterano e obteve 2º lugar em música mais autêntica. O jeito ‘campesino’ de bailar, segundo Paixão Evento aconteceu em Criúva, Distrito de Caxias do Sul CTG Os Carreteiros, da 25ªRT, foi o grande Campeão DANÇAS BIRIVAS 1º CTG OS CARRETEIROS 2º CTG LAÇO DA AMIZADE 3º ACTG PORTAL DA SERRA DANÇAS TRADICIONAIS - MIRIM 1º CTG OS CARRETEIROS 2º CTG PAIXÃO CÔRTES 3º CTG PAMPA DO RIO GRANDE DANÇAS TRADICIONAIS - JUVENIL 1º CTG IMIGRANTES E TRADIÇÃO 2º CTG MARCO DA TRADIÇÃO 3º CTG RINCÃO DA LEALDADE DANÇAS TRADICIONAIS - VETERANA 1º CTG BRAZÃO DO RIO GRANDE 2º CTG RINCÃO DA LEALDADE 3º CTG OS CARRETEIROS DANÇAS TRADICIONAIS - ADULTA 1º CTG BRAZÃO DO RIO GRANDE 2º CTG IMIGRANTES E TRADIÇÃO 3º CTG OS CARRETEIROS CHULA INFANTIL (PIAZITO) 1º VITOR AUGUSTO B. DOS SANTOS 2º MARCOS VINÍCIUS PICINIM 3º LUCAS RIBEIRO PEDROSO CHULA MIRIM 1º GABRIEL PAVANI 2º FELIPI DE LORENZO DE SOUZA 3º MIGUEL DOS SANTOS LAMPERT CHULA JUVENIL 1º ARTHUR SANTOS CALGARO 2º KELVIN MOISÉS DA SILVA 3º JEAN MARQUES DA ROCHA CHULA ADULTO 1º MATHEUS GUARESI DE ONAZAR 2º JOSÉ GUILHERME GUIMARÃES 3º BRUNO SCHENATTO RODRIGUES CHULA VETERANA 1º MARCELO CHAVEZ ORTIZ 2º ALEX SANDRO L. DOS SANTOS 3º VINICIUS SILVA CHULA TRIO 1º LEONARDO - JOÃO - MAURÍCIO 2º BRUNO - HENRIQUE - GUILHERME CHULA QUARTETO 1º LUCAS - EDUARDO - JOÃO - WILLIAN 2º MARCELO - PABLO - JOSÉ - JEAN INDUMENTÁRIA + AUTÊNTICA BIRIVA 1º CTG OS CARRETEIROS INDUMENTÁRIA + AUTÊNTICA MIRIM 1º CTG LAÇO DA AMIZADE 2º CTG IMIGRANTES E TRADIÇÃO 3º CTG MARCO DA TRADIÇÃO INDUMENTÁRIA + AUTÊNTICA JUVENIL 1º CTG LAÇO DA AMIZADE 2º CTG MARCO DA TRADIÇÃO 3º CTG RINCÃO DA LEALDADE INDUMENTÁRIA + AUTÊNTICA VETERANA 1º CTG PAIXÃO CÔRTES 2º CTG BRAZÃO DO RIO GRANDE 3º CTG RINCÃO DA LEALDADE INDUMENTÁRIA + AUTÊNTICA ADULTA 1º CF OS RIOGRANDENSES 2º CTG PAIXÃO CÔRTES 3º CTG BRAZÃO DO RIO GRANDE MUSICAIS + AUTÊNTICO BIRIVA 1º ACTG PORTAL DA SERRA MUSICAIS + AUTÊNTICO DANÇAS TRAD. 1º CTG BRAZÃO DO RIO GRANDE 2º CTG OS CARRETEIROS 3º CTG BRAZÃO DO RIO GRANDE TROFÉU FEGADAN 1º CTG OS CARRETEIROS CTG Taquaruçu homenageia jovens O CTG Taquaruçu, da cidade de Constantina, 7ª RT, realizou no dia 18 de dezembro o ‘1º Seminário de Motivação e Oratória’, promovido pelas prendas e peões da entidade. Evento também contou com lançamento do Livro dos 50 anos do Movimento Tradicionalista Gaúcho. Foto: Rogério Bastos Em um chuvoso domingo de verão, na cidade de Constantina, as prendas e peões do CTG Taquaruçu organizaram um evento para reunir ex-prendas e ex-peões da entidade. O palestrante foi o coordenador da 40ªRT, Rogério Bastos, que falou sobre tradição, folclore, tecnologia no século XXI, e sobre os 50 anos do Movimento Tradicionalista Gaúcho. O primeiro nome do povoado, onde hoje é Constantina, foi Taquaruçu. Era o 9º Distrito de Palmeira das Missões, local de pousada dos tropeiros que transportavam muares da região das mis- sões para a feira de Sorocaba, em São Paulo. Do primeiro nome da localidade saiu a denominação do CTG. Marinês Fátima Tenedini, diretora cultural da entidade preocupou-se com cada detalhe do evento, juntamente com as prendas e peões da casa. Desde cedo da manhã já preparava o ambiente para receber os convidados. O momento da homenagem foi de muita emoção, quando cada um se apresentou e relembrou sua gestão. Ao final, foi lançado o livro dos 50 anos do MTG em Constantina. CTG reuniu ex-prendas e ex-peões para homenagea-los e realizaram ação dos concursos TEMA SEMANA FARROUPILHA 2016: REPÚBLICA DAS CARRETAS - 180 ANOS DA REPÚBLICA RIO-GRANDENSE

[close]

p. 13

Ano XV - Edição 185 FÓRUM DA DANÇA Por: Marcelo Vasconcelos Diretor de Danças Tradicionais do MTG/RS Janeiro de 2017 SAÚDE EM FOCO 13 Por: Mauro Gimenez Médico Os próximos desafios A prática de atividades No momento em que se inicia o ano é a hora de rever conceitos e fazer novos planejamentos em todos os seguimentos. Na parte da equipe de danças não é muito diferente. Poder observar e refletir sobre os aspectos que deram certo e aprimorar os demais que por ventura não saíram como deveriam, é algo de grande importância para a continuidade do trabalho. Isso porque um dos grandes desafios de uma equipe é primeiramente poder identificar as pessoas que têm condições (talento) e ética para exercerem a função de avaliador e, posteriormente, mantê-las motivadas para conseguirem se comprometer com a dinâmica de trabalho e com os demais integrantes da equipe. Cria-se, assim, um espírito de grupo que torna o desempenho superior à mera soma de talentos individuais. Desta forma, pode-se trabalhar a sensibilidade do avaliador em captar o momento artístico que estará sendo apresentado, tarefa desafiadora e instigante, em que o contexto atual remete ao envolvimento da maioria das entidades se movimentando em razão da competição. Conseguir que o avaliador se desligue disto e consiga captar somente o “momento” talvez seja um dos grandes desafios da equipe de avaliação – não levar em consideração o histórico de rodeios, o nome do instrutor, ou quantas vezes aquela entidade já venceu determinado concurso. Talvez alguns se perguntem que tais afirmações já foram ditas várias vezes, mas que na prática nem sempre é assim. Pois bem, é do conhecimento de muitos que entre o discurso e a prática em determinadas circunstâncias existem lacunas, paradigmas a serem quebrados. Nesta seara das danças se faz necessário quebrá-los com muito discernimento e diálogo, pois só assim se chegará a uma evolução neste âmbito e a direção de danças se sente pronta e apta para iniciar este processo. Bom ano a todos... Marau realiza ação do núcleo de fortalecimento O CTG Sentinelas do Pago, da cidade de Marau, realizou o projeto “CTG Núcleo de Fortalecimento da Cultura Gaúcha” com suas prendas e peões O CTG Sentinelas do Pago passou por momentos difíceis, como muitas entidades tradicionalistas pelo Rio Grande do Sul: a questão da acústica. O Patrão, Alcindo Bufon, disse que a entidade teve que sair de sua sede original, no centro da cidade, para se estabelecer em uma nova localização, devido a denúncias. O CTG foi fundado em 27 de junho de 1965, por um grupo de marauenses liderados por Alberto Borella, que hoje é o patrono da entidade. O departamento cultural, liderado por Susete Rigo, organizou juntamente com as prendas e peões o projeto “CTG Núcleo de Fortalecimento da Cultura Gaúcha”. Após contarem a história da entidade e assistirem a uma palestra, sobre os 50 anos do MTG, a patronagem da entidade foi agraciada com uma cesta de natal, entregue pelo patrão Alcindo, junto com um agradecimento pela parceria e trabalho neste ano. Foto: Rogério Bastos Após ter enfrentado grandes dificuldades, o CTG Sentinelas do Pago, se reergueu com mais força ainda físicas no verão Quando se pensa no verão, logo vem a lembrança de momentos prazerosos e de muita diversão. Não só porque essa estação coincide com o período de férias escolares, mas principalmente porque a elevação da temperatura possibilita que se façam várias atividades que, muitas vezes, são impossíveis de realizar no decorrer do ano. E nada melhor que usar os exercícios físicos típicos do verão para se divertir e melhorar a saúde física. Além disso, essa pode ser uma boa forma de se preparar para as dificuldades do ano letivo que vai iniciar logo após as férias. Primeiramente, não se pode esquecer que muitas pessoas gostam de viajar nesse período. Mesmo assim, isso não impede que elas pratiquem atividades físicas. Muito pelo contrário! As caminhadas, por exemplo, tornam-se muito mais agradáveis quando são feitas em ambientes diferentes. Se a viagem for feita ao litoral, o número de opções é ainda maior: a caminhada logo ao amanhecer ou no fim do dia pode ter uma beleza sem igual, além de ser muito saudável. Atividades lúdicas, como gincanas e aulas de ginástica, muitas vezes são oferecidas à beira-mar por meio de vários projetos governamentais e de empresas privadas. Quem comanda tais atividades são pessoas capacitadas, existe a garantia de qualidade e a forte preocupação com a saúde dos veranistas. Mas o forte mesmo nessa época são os esportes de verão. O futebol e o voleibol ganham nova forma se praticados na areia. A resistência oferecida pela areia é ótima para se obter um bom preparo físico. Para se ter uma idéia, é bastante comum que equipes esportivas profissionais façam toda a sua preparação física em praias. Além disso, o contato com a areia é comprovadamente eficaz no combate ao estresse. Outros esportes que emergem no período do verão são os aquáticos, especialmente os praticados no mar. Surfe, esqui, bodyboard e até mesmo a pesca esportiva (em que os peixes são devolvidos ao mar, constituindo uma atividade ecológica) tornam-se mais prazerosos por causa da temperatura agradável da água. Até mesmo um simples banho de mar tem propriedades terapêuticas valiosíssimas para a saúde física. Mas cabe a ressalva: o mar é um ambiente imprevisível; portanto, “todo cuidado é pouco”, mesmo que se saiba nadar bem. Enfim, o importante é não deixar o verão passar em branco. E quem vai permanecer na cidade durante as férias pode, por exemplo, participar de colônias de férias (que geralmente são organizadas por clubes ou prefeituras). Caso não haja essa possibilidade, pode-se usar a criatividade, evitando o sedentarismo (como ficar assistindo à televisão ou jogando video game). Com todo esse tempo livre, o importante é viver ativamente! Escola do Chimarrão reelege sua diretoria Com gestão de dois anos, a Escola do Chimarrão reelegeu, na noite de sexta-feira, 12 de dezembro, sua diretoria. A assembleia eletiva foi realizada na residência do vice-presidente Oly Pedrinho Schwingel e contou com a presença dos demais membros da instituição. Na ocasião, os resultados do trabalho realizado ao longo da gestão foram apresentados. O tesoureiro Marcelo Muller realizou a prestação de contas, enquanto Pedro Schwengber, Diretor Executivo do Instituto, relatou o sucesso das atividades no decorrer de 2016 e ressaltou as parcerias firmadas no período. Outro ponto discutido, foi o valor agregado às ações da Escola, especialmente a valorização da cultura gaúcha e do tradicionalismo. Conforme o estatuto da Escola do Chimarrão, cada administração pode concorrer a uma reeleição. Liliane Pappen, atual presidente do Instituto, foi eleita em 2014 e, juntamento com sua diretoria, reeleita por unânimidade na assembleia de 2016. A administração ficou assim constiruída: Presidente: Liliane Pappen Vice: Oly Pedrinho Schwingel Diretor Executivo: Pedro Schwengber Tesoureiro: Marcelo Muller Secretária: Rejane Rüdiger Pastore Conselho Fiscal: Irineu Lenz, Nilce Rüdiger e Arceniro Ferreira. TEMA ANUAL: “MTG 50 ANOS DE PRESERVAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA CULTURA GAÚCHA”

[close]

p. 14

14 Ano XV - Edição 185 TROPEANDO VERSOS Por: Carlinhos Lima Diretor Departamento de Manifestações Poéticas Janeiro de 2017 AMPLIANDO HORIZONTES Por: Manoelito Carlos Savaris Conselheiro Vaqueano do MTG e da CBTG Uma boa prosa A arte de declamar é apaixonante! Todos aqueles que enveredam pelos caminhos da poesia são verdadeiramente apaixonados pela arte em suas diversas nuances. Não conheço nenhum declamador que assim não seja. O palco sublima o espírito, enobrece a alma, rejuvenesce o corpo, perpetua o saber, esclarece o mundo... No entanto, quando alguém se propõe a participar de um concurso, de colocar a sua sensibilidade a julgamento, de levar a sua forma de ver em contraponto à ótica de outra pessoa que, com a sua individualidade, tem a sua particularidade de percepção e a natural interferência da subjetividade que compõe a arte, é necessário bem mais que paixão. É preciso empatia, compreensão, entendimento, amizade, interação, autocrítica e muita... muita humildade! Afinal, estamos nos submetendo à avaliação. Frequentemente nos vemos de um lado ou do outro, trocando de posição a cada final de semana. Todos queremos fazer o nosso melhor, no palco ou na mesa. E o mínimo que esperamos é o respeito mútuo, pela nossa arte ou pela nossa opinião. E assim tem sido no nosso meio, com raríssimas exceções. A equipe de manifestações poéticas tem primado pelo simples e tradicional. A poesia gaúcha na sua essência. Mais galpão e menos aca- demia; mais emoção e menos teatro; mais sensibilidade e menos protocolos. A poesia à flor da pele; sentimentos expostos; o “arrepiar do pelo”; cascata no rio dos olhos, mesmo que disfarçadamente; a alma realmente aberta ao diálogo com o mundo fantástico da arte campesina e suas múltiplas manifestações. Esta é a cara desta equipe, sem máscaras, com total transparência de pensamentos e atos. Nunca pretendemos ser os donos da verdade, por isso temos procurado ouvir, aceitar opiniões, sugestões, pois temos a consciência de sermos passageiros desta lida e não podemos e nem queremos nos apropriar do que é de todos os amantes desta arte. Mas, enquanto equipe, temos as nossas convicções e enquanto a responsabilidade deste trabalho recair sobre os nossos ombros, estaremos a postos para dar a nossa contribuição, do nosso modo, e somar aos irmãos de arte que, como nós, também pensam no plural, no coletivo, sem vaidades pessoais. Reafirmamos a nossa disposição, amplamente difundida nos Encontros (painéis), de “abrir o coração”, dizer e fazer de forma transparente o que pensamos e acreditamos, estando sempre à disposição para uma boa prosa. E sempre que possível estarmos irmanados pelo ideal da poesia em qualquer canto deste Rio Grande farrapo. Construtores do Rio Grande “A História de um povo só poderá ser bem interpretada, conhecendo-se a vida e a obra de seus filhos maiores”. (Walter Spalding) AFONSO JOSÉ DE ALMEIDA CORTE REAL Republicano convicto, Corte Real nasceu em 15 de novembro de 1805, na cidade de Rio Pardo. Filho do Capitão dos Dragões de Rio Pardo Francisco de Borja de Almeida Corte Real e de Maria Angelica da Fontoura. Era irmão de Maria Joaquina, esposa do general republicano João Manuel de Lima e Silva, tio do Duque de Caxias. O pai de Afonso Corte Real foi morto em combate na primeira guerra contra Artigas, em 1817. Seguiu a mesma carreira militar de seu pai e, como cadete com 22 anos de idade, participou da Guerra da Cisplatina, entre 1826 e 1827, que resultou na Independência do Uruguai. Quando eclodiu a Revolução Farroupilha em setembro de 1835, Corte Real a ela aderiu por acreditar nos seus ideais republicanos. Destacou-se como combatente e como líder militar. Como coronel da Guarda Nacional fez intensa perseguição a Bento Manuel Ribeiro quando este, na primeira vez, aderiu às tropas imperiais. Participou de vários momentos importantes do período inicial do “Decênio Heroico”. No combate do Passo do Rosário, de 17 de março de 1836, foi preso por então tenente Manoel Luiz Osório – o Patrono da Cavalaria do Exercito Nacional – a quem é atribuída a seguinte observação: “Corte Real, homem elegante e de porte, apresentou-se em combate montado em garboso cavalo, ricamente ajaezado e ostentando nos arreios custosos lavores de prata. Sendo rodeado por um grupo de legalistas ao mando do tenente Manoel Luiz Osório, dispunha-se a morrer pelejando” Outra observação sobre Corte Real indica a respeito da sua personalidade e da sua postura: “Corte Real, moço e rico não vacilou em sacrificar pela República a sua mocidade e riqueza. Era de porte elegante, aprimorado no vestuário, trazendo sempre seu cavalo de montaria ricamente ajaezado Corte Real foi a seu tempo um galhardo cavalheiro, de renome social, gentil galanteador nos salões”. (Dr Fernando Luiz Osório, filho e biógrafo do General Manoel Luiz Osório) Corte Real também participou, com Bento Gonçalves do combate da Ilha do Fanfa, travado entre os dias 3 e 4 de outubro de 1836, quando foi preso e recolhido, inicialmente para um navio prisão, “presiganga”, atracado na foz do rio Jacuí, no estuário Guaíba e depois enviado para o presídio do Forte de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, de onde fugiu um ano depois de ser preso. Na fuga foi acompanhado pelo farroupilha Onofre Pires. Ambos retornaram ao Rio Grande e voltaram ao exército farrapo. Afonso Corte Real foi morto no dia 11 de junho de 1840, no auge da Revolução Farroupilha, aos 34 anos de idade, numa ataque realizado por soldados de “Chico Pedro”, na casa da fazenda de Marcos Alves Pereira Salgado, nas margens do Guaíba, na região da Barra do Ribeiro. A Fazenda Barba Negra é hoje propriedade da empresa Celulose Riograndense sendo uma área preservada. Corte Real encontra-se sepultado na catedral da cidade de Viamão. UM ALAMBRADOR BOM DE VERSO Foto: Rogério Bastos O alegretense, Aldori Moreira Tito, 40 anos, alambrador de profissão, é o novo campeão de trova do “Martelo”, no Enart. “Faço cercas. Comecei participar em festivais sem ter o apoio de nenhum CTG. Aprendi a trovar apreciando os amigos fazerem versos de improviso e fui cantando” – conta Aldori. O trovador alegretense conta que participa muito pouco de festivais de trovas, onde poderia estar treinando. No máximo dois festivais por ano. “Em 2012, fui convidado pelo CTG Oswaldo Aranha, para cantar por eles na ‘Campereada do Alegrete’. Isso foi em fevereiro, em novembro, fui no Enart pelo CTG ganhei sem esperar, foi uma grande surpresa pra mim imagina pra a patroa do CTG. Naquele ano ela entregava a patronagem eu queria muito ficar entre os dez melhores quando ganhei” - conta, realizado. “Nas vezes que ganhei as trovas fui feliz em sortear um tema bom de desenvolver. No segundo ano também, no terceiro já fui sem sorte com o tema, fiquei em terceiro. Mas imagina, terceiro no maior festival do estado. É uma baita vitória” – concluiu. Aldori, com suas mãos calejadas da lida, segue alambrando os campos do Rio Grande e, ao mesmo tempo, encantando o estado com seus versos de improviso. Aldori Moreira Tito venceu a modalidade de trova do ‘Martelo’ TEMA SEMANA FARROUPILHA 2016: REPÚBLICA DAS CARRETAS - 180 ANOS DA REPÚBLICA RIO-GRANDENSE

[close]

p. 15

Ano XV - Edição 185 ECO ENTREVISTA Janeiro de 2017 CAVALGADAS NO VERÃO 15 COM A MÚSICA NA ALMA 18ª Cavalgada Cultural Priscila Olave, 25 anos, cursa o último semestre de licenciatura em música na Universidade Federal de Pelotas. Natural de Candiota foi morar em Pelotas em 2013 para completar os estudos. Participou do ENART em 2014 e em 2016 representando o CTG Carreteiros do Sul, do IFSul. Eco – Como foi o começo desta caminhada musical? Comecei a cantar em um concurso de prenda no C.C.T.G. Lanceiros da Liberdade de Candiota. Meus pais procuraram um músico da cidade que na época tinha um trabalho com crianças e adolescentes em festivais. Cantei para ele e ele disse que eu tinha condições sim de cantar no concurso, e me fez a proposta de mandar uma música para um festival. Eu aceitei e não parei desde então. Meu primeiro festival foi a Coxilha Piá de Cruz Alta. Eco – Que músicas defendeu em Santa Cruz? Em 2014 - no sábado, Chorou bem mais meu coração, e no domingo, Milongueando a solidão. E em 2016 - no sábado, Campo Santo, e no domingo, Ressurreição. Eco – Participas de festivais? Tens alguma premiação em algum? Durante todos esses anos participei de diversos festivais em todo o esta- do, conquistei mais de 90 premiações, tais como: -Primeiro Lugar e Melhor Intérprete da 27º Coxilha Piá - Cruz Alta -Melhor Intérprete, por dois anos consecutivos, na Bateada da Canção e Poesia Nativista - Lavras do Sul -Tri Campeã do Rodeio Artístico Herdeiros do Chirivino - Candiota. -Tetra Campeã do Pixurum Cultural – Rosário do Sul -Troféu : Quem faz pela cultura - destaque regional – Candiota por dois anos consecutivos -Destaque Talento Jovem – Candiota -Campeã 2º Chama da Canção Gaúcha Santa Rosa -Tetra Campeã na Semana Crioula – Bagé -Canto Moleque de Candiota: Campeã Categoria Mirim; Campeã Categoria Juvenil; Tri campeã Categoria Especial -Melhor intérprete no Levante da Canção – Capão do Leão -BICAMPEÃ do ENART 2014 e 2016. Comida preferida: Lasanha Filme: Beleza Oculta. Livro: Armadilhas da mente Augusto Cury da Costa Doce ocorre em janeiro Por Jeandro Garcia No dia 19 de janeiro (quinta-feira), terá início a 18ª Cavalgada Cultural da Costa Doce. Com saída na Barra do Ribeiro/RS, a atividade terminará no município de Pelotas/RS, no dia 29 de janeiro (domingo) - serão percorridos cerca de 270 km da costa da Lagoa dos Patos. Nesses 10 dias de diversas atividades a Associação dos Cavaleiros da Cavalgada Cultural da Costa Doce, promotora do evento, pretende resgatar a história e a tradição do estado do Rio Grande do Sul. Além disso, é uma grande oportunidade para confraternização e intercâmbio cultural entre os cavaleiros. A cavalgada completará 18 anos nessa próxima edição; a cada ano mais amigos se reencontram e novas amizades são seladas. A saída será no CTG Pealo da Tradição - Sede dos Piquetes - Barra do Ribeiro – RS, às 14h30min. Outra opção é o cavaleiro participar a partir de São Lourenço do Sul/RS, de onde a cavalgada saíra no dia 28 de janeiro (sábado), em direção a Pelotas/ RS, município que receberá a confraternização de encerramento, Praia do Laranjal, em 29 de janeiro. Na edição anterior, cerca de 100 cavaleiros participaram da atividade. Número integrado por participantes de diversos estados brasileiros. O valor do convite de Guaíba/ RS até Pelotas/RS é R$ 290,00; já de São Lourenço do Sul/RS até Pelotas/ RS é R$ 170,00. CCTG Lila Alves promove Campereada Tradicional entidade de Pinheiro Machado, 21ªRT, que completa 64 anos de história, realizará a 29ª edição da Campereada das Cacimbinhas e a 1ª Campereada Mirim em março. A 29ª Campereada das Cacimbinhas acontecerá nos dias 3, 4 e 5 de março com provas de laço em equipe, dupla e trio. A Campereada Mirim que terá sua primeira edição será promovido pelo Piá da Região, Saullo Guilherme dos Santos Dutra. O Patrão Jeferson Farias acredita no sucesso do evento pois é um calendário consolidado na região e, agora, com a edição para as crianças o sucesso tende a ser maior ainda. As atividades Mirins serão: ‘Laço vaca parada’, ‘gineteada em ovelha’ e ‘pega do garnizé’ Foto: Rogério Bastos Saullo promove a campereada mirim Litoral recebe a 33ª edição da Cavalgada do Mar A tradicional Cavalgada do Litoral Norte, ou Cavalgada do Mar, como é conhecida, acontecerá, em 2017, dos dias 17 a 24 de fevereiro, partindo de Dunas Altas e terminando em Torres. Os acampamentos itinerantes que acontecem nas diversas cidades ao longo do litoral norte, do Rio Grande do Sul, são verdadeiras cidades que acolhem os participantes da cavalgada – cavalarianos e equipes de apoio, visitantes da região, veranistas, moradores locais e desenvolvem diversas atividades. Esse ambiente campeiro e litorâneo propicia uma mescla de atividades no decorrer do evento, seja em si, a cavalgada a beira mar, o trato com os animais, a gastronomia, onde a culinária sulina é destaque, a boa música gaúcha reunindo o pessoal para tertúlias e bailes a moda gaúcha. PROGRAMAÇÃO 17/02 - Concentração para saída no sábado dia 18. 18/02 - Dunas Altas - Pinhal 19/02 - Pinhal - Cidreira 20/02 - Cidreira - Tramandaí 21/02 - Tramandaí - Imbé 22/02 - Descanso e Rodeio em Imbé 23/02 - Imbé - Capão da Canoa 24/02 - Capão da Canoa - Arroio do Sal 25/02 - Arroio do Sal - Torres (encerramento da cavalgada)

[close]

Comments

no comments yet