Gazeta de Alagoas - Alagoas Memorável - Fascículo 6

 

Embed or link this publication

Description

Gazeta de Alagoas - Alagoas Memorável - Fascículo 6

Popular Pages


p. 1

06 sexto fascículo 21x23a.indd 2 11/08/2011 17:23:33

[close]

p. 2

presidente de honra jornalista ana luísa collor de mello presidente do conselho estratégico carlos alberto mendonça diretor executivo luis amorim coordenador editorial Ênio lins presidente de honra jornalista ana luísa collor de mello alagoas memorável pat r i m Ô n i o arquitetÔnico núcleo de projetos especiais coordenação geral leonardo simões coordenação editorial farol editora e marketing ltda textos cármen lúcia dantas douglas apratto tenório josé luiz mota menezes revisão ivone dos santos fotografia ricardo lêdo desenhos pierre chalita wellington charles direção de arte e diagramação wellington charles cavalcanti tratamento de fotos victor josé santana paiva impressão gráfica moura ramos tiragem 15.000 exemplares instituto arnon de mello 82 3326-1604 capa igreja nossa senhora mãe dos homens coqueiro seco 06 sexto fascículo 21x23a.indd 3 11/08/2011 17:23:35

[close]

p. 3

06 sexto fascículo 21x23a.indd 4 11/08/2011 17:23:35

[close]

p. 4

sítios arquitetônicos do circuito das lagoas cármen lúcia dantas museóloga p ercorrendo o litoral sul de alagoas é possível identificar diversos municípios que em maior ou menor grau mantêm traços importantes da história arquitetônica do estado próximo a marechal deodoro as localidades de coruripe santa luzia do norte coqueiro seco pilar e são miguel dos campos estão entre as que preservam pequenos sítios históricos que até os dias atuais representam motivo de orgulho para os moradores da região coruripe localizado a pouco mais de 80 km da capital acumula inúmeras histórias que remontam ao período em que o lugar era habitado pela antropofágica e por vezes estigmatizada tribo dos caetés reconhecidos como um povo de espírito guerreiro esses índios deixaram como herança a cultura da valentia e da habilidade para seus descendentes exímios artesãos em palha entre os fatos e as falácias está o trágico episódio do naufrágio da nau nossa senhora da ajuda ocorrido em seus mares no ano de 1556 a embarcação que saíra de salvador com destino a portugal naufragou e como se não bastasse o fatídico acidente marítimo quase todos os sobreviventes foram sumariamente devorados pelos caetés nas matas entre coruripe e são miguel dos campos dentre as vítimas estava ninguém menos que o primeiro bispo do brasil dom pero fernandes sardinha com a brutal perseguição e o extermínio dos caetés a área passou a ser habitada pelos colonizadores que iniciaram a exploração do pau-brasil e em seguida investiram na plantação de vastos canaviais dos núcleos iniciais permanece a vila real de são josé do poxim do sul considerado o mais antigo em 1718 ascendeu à sede de vila nesse período a capela primitiva foi reformada e ampliada com o propósito de atender ao crescente contingente populacional oriundo da instalação de engenhos na mesma proporção em que aumen tava a participação dos moradores na política da região o título de nobreza foi concedido pela coroa portuguesa patrocinadora da construção da casa municipal e do marco real conferindo materialidade à distinção as edificações não mais existem embora permaneçam na memória viva de seus moradores da época ficou a igreja de são josé principal atração da vila contudo em 1866 poxim perdeu o posto para coruripe cujo próspero comércio efervescia amparado nas facilidades propiciadas pela existência no local de um porto marítimo títulos à parte o fato é que devido à privilegiada localização geográfica a 90 km de maceió e entre os municípios de marechal deodoro e penedo passando por piaçabuçu onde o rio são francisco encontra o mar poxim tem imenso porém inexplorado potencial turístico vocação reforçada pelo representativo artesanato em palha de ouricurizeiro atividade que emprega a maioria das mulheres do município 148 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 06 sexto fascículo 21x23a.indd 5 11/08/2011 17:23:35

[close]

p. 5

capelas como nos açores e na madeira construção modesta semelhante às antigas capelas dos açores e da madeira com típica portada e janelas emolduradas por ornatos de pedra a igreja de são josé tem frontão invadido pela cimalha em arco pleno no tímpano existe um óculo aberto e pináculos nas laterais enquanto a cruz latina coroa toda a fachada no largo à frente está plantado um cruzeiro de madeira fincado em peanha de corte oitavado como não existe torre o sino datado de 1848 e que traz gravado o nome do artífice nicolau de oliveira silva fica à altura do coro sabe-se que nesse período coruripe abrigava oficinas de fundição que atendiam as encomendas vindas de vários estados do país até hoje inúmeras igrejas de alagoas mantêm sinos fundidos nas tendas improvisadas de coruripe relatos dão conta do grau de improviso presente nessa atividade em que os mestres instalavam as ferramentas no próprio quintal de casa a continuidade desse ofício trazido pelos portugueses exímios artífices dos metais era transmitida de pai para filho o processo artesanal incluía a fundição da liga de cobre com estanho e bronze que preenchiam a forma de barro de variados modelos e tamanhos atualmente o acervo do instituto histórico e geográfico de alagoas abriga exemplares de sinos que pertenceram às antigas igrejas de vilas e de engenhos fachada da igreja de são josé do poxim alagoas memorável patrimônio arquitetônico 149 11/08/2011 17:23:41 06 sexto fascículo 21x23a.indd 6

[close]

p. 6

o interior assim como a fachada conserva uma composição de gosto popular situado no final do século xviii e início do xix os elementos inspirados em motivos barrocos e neoclássicos se diferenciam pela fatura ingênua e simplificação ornamental que garantem ao templo a graça de um barroquismo popular o retábulo data provavelmente da primeira grande reforma por que passou a capela-mor no século xviii com alguns acréscimos do século seguinte conserva também o camarim escalonado e ladeado por uma série de três colunas de cada lado que sustentam o frontispício o nicho central guarda a imagem da sagrada família detalhes de inspiração neoclássica se misturam à concepção original alcançando resultado equilibrado sacrário da capela lateral da igreja de são josé do poxim 150 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 06 sexto fascículo 21x23a.indd 7 11/08/2011 17:23:43

[close]

p. 7

os altares colaterais obedecem à mesma proposta decorativa bem como o retábulo da capela do santíssimo com destacado sacrário em branco e dourado de modo geral a ambientação da igreja altares púlpitos sanefas e grades têm feição romântica reforçada pela delicadeza da representação de arranjos florais de cores suaves o coro é protegido por colunetas de madeira torneada em balcão semelhante ao que existe no transepto e serve como limite entre o celebrante e os fiéis guarnecendo a capela lateral uma grande porta vazada patenteia a importância do recinto onde o santíssimo sacramento permanece em adoração várias imagens do século xix integram-se aos altares em torno da sagrada família dentre os exemplares de pequeno porte proporcionais à igreja destacam-se nossa senhora da pena santana mestra santo antônio nossa senhora dos anjos são josé são benedito senhor morto e senhor glorioso a festa em homenagem a são josé no dia 19 de março é o grande acontecimento sacroprofano da vila detalhe da decoração do retábulo sagrada família no altar-mor alagoas memorável patrimônio arquitetônico 151 11/08/2011 17:23:46 06 sexto fascículo 21x23a.indd 8

[close]

p. 8

152 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 06 sexto fascículo 21x23a.indd 9 11/08/2011 17:23:51

[close]

p. 9

no ponto mais alto da colina Às margens da lagoa mundaú dois municípios irmanados pelas características geográficas e culturais exemplificam a tradição originada nos primeiros séculos da colonização a formação de vilas e povoados muito próximos uns dos outros favorecia a política da coroa na eficácia da defesa da fiscalização e da troca de víveres entre os vizinhos além disso eram levados em consideração dois fatores fundamentais à escolha da instalação dos núcleos um bom porto para facilitar a comunicação e a irregularidade do terreno acidentado e com elevações que favorecessem a visão do entorno nos casos de possíveis invasões as margens da lagoa atendiam às duas exigências santa luzia do norte e coqueiro seco desenvolveram-se de acordo com traçado natural comum à beira da lagoa e das elevações onde eram construídas suas igrejas que permanecem como testemunho do perfil arquitetônico impresso à colônia cujas cruzes de cristo e dos reis deveriam permanecer no ponto mais alto da colina dados históricos comprovam a existência do povoado de santa luzia de siracusa em 1663 quando aconteceu a invasão na antiga vila de madalena e os holandeses se expandiram para as áreas circunvizinhas nessa contenda mataram antônio figueiras líder da defesa mas não conseguiram dominar o arruado até hoje a façanha é narrada com orgulho pelos mais velhos também há indícios de que existiu nas proximidades um mosteiro beneditino mas não se tem vestígios de sua localização o que existe é uma presença forte de santos frades nas igrejas da redondeza principalmente em coqueiro seco tanto em santa luzia do norte quanto em coqueiro seco o casario perdeu a integridade do conjunto mas mantém a harmonia da época nas ruelas nos becos e em pequenos aglomerados de casas e na conformação dos largos e praças esse resíduo arquitetônico apoiado na imponência das igrejas agrega à paisagem uma atmosfera secular que impõe respeito histórico a quem visita o lugar igreja nossa senhora mãe dos homens coqueiro seco alagoas memorável patrimônio arquitetônico 153 11/08/2011 17:23:51 06 sexto fascículo 21x23a.indd 10

[close]

p. 10

a gramática setecentista de santa luzia a igreja de santa luzia do norte mantém intacta a caixa arquitetônica de gramática setecentista com forte sotaque popular que lhe alivia os contornos sobre a porta da fachada a data 1786 registra o final da construção das três janelas avarandadas do coro a do meio é elevada e encimada por um óculo sobre o qual se encurva a cimalha o frontão é sublinhado por volutas e flores de delicado feitio rococó arrematando uma fachada que no conjunto dos componentes denota a mestria de quem a concebeu acostada à parede da nave uma pequena torre guarnece o sino original procedente das oficinas de coruripe o interior da igreja foi desfigurado devido à perda de seu altar-mor mas conserva outros elementos básicos definidores de épocas como arco cruzeiro sanefas altares colaterais e capela do santíssimo sacramento com grade de madeira recortada mantém a imagem da padroeira santa luzia protetora da visão cuja data é celebrada no dia 13 de dezembro a proximidade da festa ao natal faz com que o largo do templo durante todo o mês de dezembro se transforme em palco para os brincantes que reafirmam a herança portuguesa do folguedo ainda hoje devotos ávidos por proteção e pagamento de promessas chegam em romaria mantendo viva a tradição católica da cidade igreja santa luzia santa luzia do norte 154 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 06 sexto fascículo 21x23a.indd 11 11/08/2011 17:23:56

[close]

p. 11

nossa senhora mãe dos homens ao lado coqueiro seco se destaca com sua igreja estrategicamente erguida no alto da colina dominando a paisagem que se estende pelas águas da lagoa mundaú embora atingida pela ação do tempo a igreja de nossa senhora mãe dos homens permanece com as linhas originais tanto na arquitetura como nos bens integrados do interior sua construção foi impulsionada pelo aumento da freguesia de santa luzia do norte que já se tornara pequena para atender ao número de fiéis que crescia às margens da lagoa a fachada imponente com escadaria de acesso em amplo adro enfatiza a perspectiva ascensional do monumento a porta principal em folhas almofadadas tem discreta cercadura em cantaria cinco janelas arejam e iluminam o coro a particularidade do frontispício fica por conta do revestimento do frontão e das torres com cacos de louça conforme padrão português embora sua cons trução tenha sido iniciada no século xviii apenas no xix foi totalmente concluída imagem de santa luzia em dia de procissão alagoas memorável patrimônio arquitetônico 155 11/08/2011 17:23:57 06 sexto fascículo 21x23a.indd 12

[close]

p. 12

a igreja reserva surpresas a quem ultrapassa sua porta magnífica a aparência de austeridade solene contrapõe-se ao glamour do interior quem entra se depara com um conjunto de talha profusa e ordenada que integra a nave à capela-mor com a mesma gramática decorativa em ambiente que perpassa o encantamento material pela mística que provoca retábulo altares colaterais púlpitos e arco cruzeiro encenam a composição da talha floral de gosto rococó no século xix adotar os motivos rocailles passou a ser símbolo de refinamento e inovação o estilo importado da frança desde os fins do xviii aportou na américa portuguesa no período em que o barroco já havia chegado à exaustão o romantismo das conchas e guirlandas veio no momento exato de apaziguamento dos excessos de curvas e volutas interior da igreja nossa senhora mãe dos homens 156 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 06 sexto fascículo 21x23a.indd 13 11/08/2011 17:24:16

[close]

p. 13

além dos admiráveis altares as imagens que a compõem reúnem um dos melhores conjuntos sacros do estado só comparado ao da igreja da corrente em penedo pela qualidade plástica e expressão dramática na capela-mor em lugar de destaque a imagem de jesus cristo preso na cruz mostra o coração em chagas simbólica interpretação que enobrece a escultura ainda no centro do retábulo permanece a imagem de nossa senhora mãe dos homens cujo início da devoção no brasil é atribuído aos franciscanos a representação da padroeira reveste-se de igual importância acalentando o menino jesus no colo e abençoando a humanidade com gesticulação delicada e firme própria do apogeu barroco o manto que a envolve traz a estamparia em rosas com pintura de primorosa execução imagem de nossa senhora mãe dos homens século xviii coqueiro seco alagoas memorável patrimônio arquitetônico 157 11/08/2011 17:24:21 06 sexto fascículo 21x23a.indd 14

[close]

p. 14

as peanhas que ladeiam o altarmor trazem de um lado são bernardo considerado um santo guerreiro da evangelização e do outro santo antônio de pádua frade franciscano de popularidade na região havia uma determinação de se colocar santos frades nessas posições como guardiões das figuras centrais além do refinamento do traço escultórico o tratamento conferido à pintura e o douramento das duas imagens denotam a perícia portuguesa na execução desse tipo de peça as ramagens decorativas em filigranas envolvem os hábitos dos santos frades sugerindo com fios de ouro a estamparia do tecido os olhos de vidro incrustados dão mais expressividade às esculturas que depois de prontas receberam seus atributos e resplendores de prata cinzelada são bernardo imagem do século xviii coqueiro seco 158 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 06 sexto fascículo 21x23a.indd 15 11/08/2011 17:24:25

[close]

p. 15

outras imagens igualmente importantes fazem parte desse conjunto são francisco de paula santana mestra são joaquim nossa senhora do rosário são miguel e uma coleção de alfaias que somadas aos bens integrados fazem dessa igreja uma das mais importantes do nordeste tombada pelo pró-memória como acervo memorável do estado as festas religiosas realizadas no seu adro a exemplo do que acontece em vários pontos do interior são responsáveis por reunir a comunidade que revive tradições artísticas seculares como os folguedos locais típicos do período natalino e do mês da padroeira maio os arquitetos josé luiz mota menezes e fernando borba em levantamento histórico e artístico de 1970 encontraram semelhanças entre a matriz de coqueiro seco e a igreja de são pedro dos clérigos em recife documentos comprovam que a planta da igreja pernambucana foi concebida em 1728 por manuel ferreira jácome atendendo encomenda da irmandade dos clérigos quanto à matriz alagoana não se tem registro sobre quem a projetou tampouco foram revelados dados que permitam o estudo comparativo entre os dois monumentos sabe-se que as autorizações para as edificações religiosas partiam do recife pesquisas nos arquivos do estado de pernambuco poderão trazer à luz importantes documentos que elucidem a origem da igreja de coqueiro seco são francisco de paula século xviii coqueiro seco alagoas memorável patrimônio arquitetônico 159 11/08/2011 17:24:31 06 sexto fascículo 21x23a.indd 16

[close]

Comments

no comments yet