O Novo Grito

 

Embed or link this publication

Description

Catálogo O Novo Grito

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

ficha técnica proponente: agav - associação goiana de artes visuais Coodernador: nonatto coelho fotógrafo e desing: mauro Lima APOIO INSTITUCIONAL: REALIZAÇÃO

[close]

p. 3

Alberto Tolentino Antônia Paula Antônio Vieira Antonisio Siqueira Bento Cassiano Brenda Lee Cacilda Vitória Claudia Geanne Dalmo Antônio Demirane Rodrigues Deni Vilela Dôia Donie Doralice Lariucci Eliane Quintais Relação dos artistas da AGAV Elifas Modesto Eloá Moraes Fábio Prado Helenilce Gusmão Hudson Curvo Isabel Cristina Ivanor Florencio Ivone Vaccaro Lionizia Goyá Lúcio Mauro Maria Alves Maria do Carmo Maria Francisca SB Miro Pires Neilam Nelze Bernardes Nonatto Coelho Papas Stefanos Pedro Galvão Raphael Caldeira Regina Serafim Ricardo Reis Rose Rocha Rosy Cardoso Sanatan Thomáz Potenciano Valdir Ferreira Vânia Ferro Wolter Relação dos artistas Neófitos Carlos Monaretta D’Almeida Deuzimar de Jesus Edmeiry Elias César Fátima Assis Fernanda Dias Giovana Dias Glória Mariano Guadalupe Iara Mol Isabela Leal Ione Marlen Ítalo Cesar Joaquim Domingos Luna Reis Marcelo Ramalho Mauro Lima Meiry Plácido Nara Onça Núbio Nilson Gorosthides Rubens Bruno Tito Lopes Val Cunha Yara Mol

[close]

p. 4

O NOVO GRITO APRESENTAÇÃO Em 1893, quando o Norueguês Edvard Munch pintou O GRITO, talvez não imaginasse que sua herança de angústia reverberasse tão ampla e intensamente na arte moderna e contemporânea a nível internacional. Sua pintura, que sempre recusou ser consumida com facilidade, devido à sua forte carga de sofrimento e dor, representa uma iconografia mórbida e plena de significado, em compatibilidade com sua vida repleta de dissabores pessoais. Munch, como poucos artistas, soube transmitir em sua obra sua visão de um mundo flagelado, no qual o medo e a solidão existencialista plasmassem uma das obras mais instigantes da história da arte, antecipando, em alguns anos, o expressionismo. O NOVO GRITO, proposto pela Associação Goiana de Artes Visuais - AGAV, reuniu os artistas associados em torno da temática social do internacional Edvard Munch, partindo de sua obra mais famosa O GRITO. Os membros da AGAV desenvolveram um trabalho coletivo de aprendizagem e expressão, denominado O NOVO GRITO: uma manifestação tautológica, uma reflexão da arte por ela mesma em happenings públicos, envolvendo pintura, desenho, fotografia e escultura. OBJETIVO A Associação Goiana de Artes Visuais - AGAV, entidade civil sem fins lucrativos – realiza a proposta O NOVO GRITO com o objetivo de colaborar com o desenvolvimento cultural do Estado de Goiás pelo desenvolvimento da arte, a partir de seus Associados, com extensão ampla à sociedade, na realização de happenings artísticos em espaço público, com participação da comunidade. O projeto objetivou, também, proporcionar uma maior interação entre os membros da AGAV e fortalecimento da união entre o grupo – reunido em happenings num atelier comum a todos - falando sobre história da Arte, fotografando, pintando, desenhando e esculpindo, inspirado pelo O GRITO do Artista Norueguês Edvard Munch. O contingente da AGAV, reunido em alguns finais de semanas, durante três meses, no Palácio da Cultura da Praça Universitária, em Goiânia, transformou o espaço em um grande atelier coletivo, com o objetivo de manter e fortalecer nossa sociedade de demiurgos. Tonificando os laços e objetivos culturais, os artistas promoveram estudos coletivos sobre a história da arte, a pintura, o desenho e a escultura. Com liberdade e alegria, cada um expressou seu grito, sua indignação, sua preocupação com os problemas que afligem a humanidade ou seu próprio íntimo. A curadoria da AGAV selecionou vários alunos de instituições Educacionais, que mostraram aptidões ou vocações artísticas, que vieram desenvolver suas habilidades junto ao grupo, em uma espécie de “bolsa artística” destinada aos Neófitos.

[close]

p. 5

PROPOSTA A proposta do projeto O NOVO GRITO, de unir ainda mais o grupo de artistas da Associação Goiana de Artes Visuais - AGAV e, também, atrair a adesão de mais artistas para a Associação que, nos seus seis anos de existência, desde sua fundação, em 2009, tem se fortalecido sempre com a realização de exposições, palestras e workshops no Estado e, até, no exterior. Essa iniciativa de trabalho coletivo contribuiu na manutenção positiva, de ordem comportamental, na relação grupal, fortalecendo, ainda, os propósitos do grupo no que tange à nossa sociedade, dando, restaurando e tonificando um dos objetivos, o de continuar contribuindo de maneira decisiva no amálgama Cultural de nosso Estado. No momento em que há uma marcha a despertar no país para uma civilidade e uma busca social de deslindamento sócio\político\cultural, o NOVO GRITO pode ser traduzido como uma metáfora visual na busca do indivíduo no contexto artístico, no espaço sócio-cultural desta rica nação Brasileira.

[close]

p. 6

RELATÓTIO DE O NOVO GRITO O primeiro encontro aconteceu às 09 horas, do dia 24 de setembro de 2016, em uma ensolarada manhã: a estreia do Happening O NOVO GRITO, que iniciava suas peripécias iconográficas nas dependências do mítico e histórico prédio do Palácio da Cultura, situado na Praça Universitária de Goiânia. Presentes as pessoas ilustres: o Secretário de Cultura de Goiânia, o Sr. Ivanor Florêncio de Mendonça, a Presidente do Conselho de Cultura do Município Goiânia, a Sra. Laila Santoro, muitos artistas da AGAV, bem como, um grande público amante da Arte. O Presidente da AGAV, Nonatto Coelho fez a abertura, falando da importância do evento para a manutenção conceitual do grupo, agradecendo o Fundo Estadual de Arte e Cultura pelo substancial apoio pecuniário; em seguida, falou o Secretário de Cultura Ivanor Florêncio, enfatizando a história da Arte de Goiânia, que tem íntima ligação com o local que foi escolhido para realizar coletivamente os trabalhos temáticos; expressou sua alegria em ver as atuações da AGAV- Associação Goiana de Artes Visuais, nas entranhas da jovem capital do Estado de Goiás; ao finalizar sua dialética, elogiou a iniciativa dos artistas de transformar em um atelier coletivo o belo edifício do Palácio da Cultura, para uma interpretação ou uma releitura, do trabalho emblemático do artista Norueguês Edvard Munch e sua famosa tela O Grito, pintada em 1893: um trabalho seminal para o surgimento do Expressionismo do século XX, que ressoa e influencia a arte de nossos dias. Nessa glamorosa e festiva manhã, o artista Sanatan, munido de seu alto conhecimento da história da arte, falou sobre o semântico e visceral trabalho do artista Norueguês Edvard Munch, criador da tela inspiração, o motivo inicial para este happening da AGAV. O atento Sanatan relatou a vida monástica do artista, que surgiu na Escandinávia e tem uma embrionária importância para o surgimento do movimento expressionista da arte, em sincronia com a vida na atualidade. A Artista Vânia Ferro relatou a importância e a influência do expressionismo na arte goiana; a artista goiana, radicada na Espanha, Miriam Pires, doutoranda em arte naquele país, participou em vídeo-conferência, relatando a importância da obra o Grito de Edvard Munch, capaz de traduzir em imagem a mórbida angústia do habitante da vida moderna. A manhã finalizou com um café regado a um show de música MPB com a cantora Wayne Gonçalves.

[close]

p. 7

No dia 08 de outubro, sábado, recomeça a fase das performances do happening de O NOVO GRITO; Às 09 da manhã, com um substancial café no Palácio da Cultura, tendo como visitantes espectadores amantes da arte, inclusive o Vereador por Goiânia Anselmo Pereira e o Secretário de Cultura de Goiânia e, também artista atuante na performance, o Sr. Ivanor Florêncio de Mendonça, assim como vários proeminentes nomes da arte em Goiás. A produção Iconográfica teve um começo vibrante, um início de ambientação no qual percebe- se a gestação de uma atmosfera de harmonia, com a habitual amizade da família AGAVENSE. No domingo, 09 de outubro, continuam as performances com os artistas que escolheram a participação neste dia, a descontração, o bom humor e o estado lúdico dos artistas prevaleceram, a criação fluiu com naturalidade. Tanto no sábado como no domingo tivemos as presenças dos neófitos, estudantes de arte e ofícios, a maioria escolhida em escolas de arte para trabalhar com o grupo de artistas da AGAV. Assim, no sábado, 15 de outubro e no domingo dia 16, sempre no lendário e inspirador Palácio da Cultura da Praça Universitária de Goiânia, continuam os trabalhos pictóricos e escultóricos de O NOVO GRITO, com a já harmônica participação do grupo de artistas da Associação Goiana de Artes Visuais, que transformou o inativo local, denominado também de Chafariz, em um movimentado atelier coletivo matinal nesses fins de semanas, fortemente marcados pela emoção e criatividade artística. Juntam-se, aos artistas profissionais os novos talentos, os transeuntes, os passageiros do tempo presente, que arrebatam os pincéis e telas para dar seu grito pictórico, em uma “orgia” visual que faz do ambiente público o habitual laboratório coletivo de fim de semana, no seu frêmito transbordante de energia, realizando versões em esculturas, pinturas e fotografias, sob influência do bem-aventurado gênio Munch, inspirador do fecundo e decantado movimento expressionista, que eclodiria com intensidade na primeira metade do século passado. Nesse iluminado dia, um jovem morador de rua pediu para pintar com o grupo e surpreendeu a todos com um trabalho de composição equilibrada e cores complementares, demonstrando possuir habilidade com o mundo dos pincéis. Num estilo claramente expressionista, pintou com emoção e assinou seu nome (ou pseudônimo?) Núbio, no canto direito da tela pintada com tinta acrílica. O jovem reapareceu no dia seguinte, 22 de outubro, pintou mais uma bela tela e desapareceu na megalópole, deixando a melhor impressão de sua efêmera personagem em um mundo de incertezas sentimentais.

[close]

p. 8

Ainda no sábado, 15 de outubro, surgiu como um raio de luz, o renomado escultor Gilvan Cabral, que ministrou uma rápida explanação de como utilizar o barro na modelagem temática que o estudante Rubens Bruno ensaiava realizar, isso, antes de optar por pintar 02 vigorosas e emotivas telas na técnica do acrílico. O simpático o vereador por Goiânia Anselmo Pereira passou pelo Palácio da Cultura para dar uma espiada, vestido de modo descontraído, em seu habitual bom humor, deu sugestões e fez promessas de contribuir para melhorar as condições físicas do histórico Palácio da Cultura que, nesse momento, necessita de restauração para se tornar “habitável”, depois de um longo período de ociosidade. O Secretário de Cultura, Sr. Ivanor Florêncio, responsável por propiciar o uso do Palácio da Cultura pela AGAV, apareceu para prestigiar o evento, que continuou a aglutinar mais e mais artistas no intuito de expressar suas visões de mundo na contemporaneidade artística, sob a inspiração do quadro supracitado de Munch. No Domingo, dia 16 de outubro, estrearam mais novos artistas participantes, como, por exemplo, o renomado artista de origem Grega, radicado na cidade de Goianira, Papas Stefanos. O surpreendente Núbio retornou a pintar e a agradar aos artistas e transeuntes que começam a aparecer timidamente para conferir o Happening daquele atelier coletivo. Assim, de repente é sábado, 22 de outubro. Às 09 horas da manhã, pontualmente, inicia-se O NOVO GRITO, como sempre, nas dependências do Palácio da Cultura da Praça Universitária, com o costumeiro café da manhã para artistas e público presentes. O dia, como de hábito, foi muito produtivo, com pintura, modelagem e escultura, sendo realizadas ao vivo, na presença dos curiosos que se maravilham ao ver as imagens surgindo como mágica nas suas retinas de espectadores. Algumas crianças pintaram também. A surpresa do dia foi a presença de um grupo muito sincronizado de dança de rua, enviado especialmente pelo Presidente da Câmara Municipal de Goiânia Anselmo Pereira, para complementar o ambiente de intensa criatividade artística do local.

[close]

p. 9

Um jovem transeunte repentinamente se interessou em pintar com o grupo. Pintou um belo quadro em acrílico sobre tela. A TV da Câmara Municipal de Goiânia compareceu e reportou o NOVO GRITO, incluindo um depoimento emocionado do Presidente Anselmo Pereira sobre a arte e seu conceito político na atualidade. Domingo, 23 de outubro, por motivo de problemas sanitários no prédio do Palácio da Cultura não foi possível realizar as performances artísticas de O NOVO GRITO. No sábado, 29 de outubro, o problema de ordem sanitária do Palácio da Cultura continua. Os artistas resolveram espalhar o atelier coletivo nos arredores deste mesmo prédio da Praça Universitária; o resultado foi melhor do que nas dependências do próprio Palácio da Cultura. A Liberdade e o ambiente de largas sombras que as árvores do local nos proporcionaram, aliada à uma habitual harmonia e familiaridade dos artistas da AGAV, as inspirações fluíram e o público viu surgir imagens oníricas e poéticas, mas também de protestos e denúncias dos desmandos de um país em convulsões de ordem moral, política e econômica, deste momento delicado de nossa contemporaneidade Brasileira. Os espectadores privilegiados - diga-se de passagem - que cada vez mais comparecem aos Happenings artísticos da AGAV na Praça Universitária, vez por outra arrebatam pincéis, tintas e telas e nos maravilham com alguns trabalhos inusitados e surpreendentes; neste sábado, 03 jovens aspirantes a artistas, (duas garotas e um garoto), dois deles da cidade de Inhumas (Ítalo Cezar e Isabela Leal), chamaram atenções pela vitalidade e versatilidade de suas pinturas de improvisos. O maior crítico de arte em atividade no momento em nosso país, o Enock Sacramento, que também é um curador de renome internacional, de passagem por Goiânia, brindou a AGAV com sua presença. Sempre muito simpático e comunicativo, agradou a todos os participantes do reality show artístico O NOVO GRITO. Anselmo Pereira, como sempre faz nos eventos da Associação, também apareceu, com sua habitual simpatia e bom humor, cumprimentou os participantes e transeuntes. A TV Câmara esteve mais uma vez registrando as performances artísticas. A Cantora Waine Gonçalves brindou a todos novamente com sua presença, soltou sua bela e potente voz cantando músicas da MPB; também, o cantor Demur Moreira deu uma palinha de improviso, contribuindo para o engrandecimento daquele momento de intensa criatividade na Praça Universitária. No domingo, dia 30, não houve performances de O NOVO GRITO, por causa das eleições. Todavia, o sábado, desta vez 05 de novembro de 2016, numa manhã tranquila da Praça Universitária, seria mais um dia normal e corriqueiro, não fossem os pincéis, cinzéis e as máquinas fotográficas dos artistas que, nos seus happenings inusitados, transformaram a Praça Universitária, insistentemente e religiosamente, naqueles fins de semana em um grande atelier a céu aberto, pelo quarto final de semana consecutivo, depois de sua estreia conceitual, no dia 24 de setembro, citado neste relatório.

[close]

p. 10

O NOVO GRITO, sempre inspirado na famosa tela O Grito (no original Skrik), quadro de pintura do artista norueguês Edvard Munch, datado de 1893, obra de cunho expressionista, representa uma figura andrógina num momento de profunda angústia e desespero existencial que motiva este momento, de investigação artística, no qual, por meio de nossas sensibilidades, transformamos em cores, formas, símbolos e atrocidades nossa visão cosmogônica do mundo na atualidade. A partir daqui, faltavam mais 02 finais de semana para que pudéssemos dar um formato definitivo nesse inusitado Happening. No sábado, 12 de novembro, aconteceu o penúltimo encontro de artistas da AGAV e neófitos no nosso intento iconográfico de catarse coletiva. Um movimento que, acreditamos, tem o potencial de contribuir para sedimentação artística, em nosso Estado, de maneira singular, marcando história e envolvendo algumas dezenas de nomes consagrados na nossa arte atual e alguns nomes em emergência, bem como, alguns novos que tiveram a oportunidade de um contato intenso e satisfatório com o Metier Artistique. 19 de novembro, em sua última performance de criação em público, esta feliz manifestação de sociologia da arte, que resultou na produção de mais de uma centena de trabalhos artísticos, em saudável clima de harmonia, de confraternização e alegria dos artistas profissionais, bem como dos novatos, chegava ao fim, deixando uma sensação de dever cumprido, e dando a certeza de que se deve continuar fomentando esses encontros saudáveis, capazes de restaurar e fortalecer o demiurgo que carregamos nas nossas entranhas, retirando o artista de seu isolamento de estúdio e aproximando-o do público. Desmistificando o próprio ato da criação de um ser habituado ao aconchego de seu atelier e, quem sabe, incentivando outras pessoas a entrar para o universo da arte; acreditamos ser este um legado importante que emerge de eventos desta natureza, no qual o público amante da arte tem a chance do contato direto com o artista e, eventualmente, pode despertar em muitas pessoas (que ali transitam) o artista latente no seu ser, faltando o contato direto com o mundo das artes visuais. A AGAV, como uma instituição organizada em Goiás, aberta à participação do artista visual que se enquadra no seu Estatuto Social, em performances como essa, realiza seu desejo de aglutinar, fomentar, disseminar e apoiar - tanto o artista iniciante, como aquele artista que tem longa e sólida trajetória na - ainda - jovem História da Arte em nosso Estado e, até, de outras localidades geográficas.

[close]

p. 11

A experiência lúdica e intensa de uma manifestação como esta de O NOVO GRITO, nos faz crer na força e importância do trabalho coletivo, neste caso, de caráter artístico, resguardando a individualidade, o subjetivismo de cada partícipe do evento ou, por ventura, orientando neófitos que, eventualmente, queiram trilhar o árduo e prazeroso ofício da arte. Esta primeira etapa de O NOVO GRITO, antes mesmo da organização de uma exposição para o público em geral, prevista para o dia 10 de fevereiro de 2017, fornece credencial para continuarmos investindo nas dinâmicas criadoras em espaços abertos, na Praça Universitária, ou outros logradouros públicos da capital, proporcionando outros encontros voltados para uma mesma finalidade: a de aglutinar arte e público no interesse comum, diminuindo essa – suposta - distância conceitual entre artistas e amantes da arte. Nonatto Coelho (Presidente da AGAV)

[close]

p. 12



[close]

p. 13



[close]

p. 14



[close]

p. 15

Artistas da AGAV Pedro Galvão / AST/ 90x80cm Pedro Galvão / AST/ 90x80cm Donie / AST/ 90x80cm Donie / AST/ 90x80cm

[close]

Comments

no comments yet