Cemara Informa - Ano 10 nº 21 - Dezembro 2016

 

Embed or link this publication

Description

Informativo semanal da cemara loteamentos

Popular Pages


p. 1

Informativo Semestral da Cemara Loteamentos Ano 10 • Edição nº 21 • Dezembro 2016 Valorização de terrenos Ceemm alortaeacmheengtoasada 800%CONFIRAAMATÉRIANASPÁGINAS8E9 nesta edição Fique por Dentro CEI Nove de Julho incentiva compartilhamento Fechamento autorizado Pode ser aberto pela ECT Toque de Especialista Dicas preciosas para as festas de fim de ano Gestão & Desenvolvimento Cemara é eleita a 2ª melhor empresa para trabalhar

[close]

p. 2

2 EDITORIAL Feliz 2017, com novas oportunidades e muitas realizações! Estamos terminando 2016. Com certeza, um ano difícil para todos, mas de muito trabalho e também realizações. Apesar de todas as dificuldades na economia brasileira e alguns desacertos na política, o Brasil parece estar tomando seu rumo de volta ao crescimento. A perspectiva para o mercado em 2017 é de crescimento de 1% cessando quedas consecutivas no PIB (Produto Interno Bruto) registradas nos últimos três anos. Pelo menos, essa é a opinião do professor de economia e finanças da PUCCamp, Paulo Cesar Adani, nosso entrevistado na editoria Bom Papo, que prevê a saída da recessão em 2018 e ainda o bom momento para investir no segmento imobiliário. E investir em terrenos é o assunto da Matéria de Capa, que mostra que comprar lotes em empreendimentos da Cemara, mesmo em tempos de crise, pode ser um bom negócio. Em alguns casos, essa valorização chega a 800% e é resultado da qualidade do trabalho de urbanização realizado pela empresa nos loteamentos. Na editoria É Bom Saber, falamos mais sobre o assunto e mostramos que a busca por loteamentos está crescendo no interior do estado de São Paulo. Na editoria Fique por Dentro, destacamos o sucesso do 10º Cemara Open de Raquetinha, que movimentou mais de 2 mil pessoas nos dias de competição em Americana/SP. Ainda falamos sobre o projeto Arte Marginal, realizado em São José do Rio Preto e sobre a Reunião de Empreendedores que realizamos com os proprietários do CEI Nove de Julho. A Lei das Piscininhas, que está sendo aplicada no CEI Nove de Julho que reduz custos e garante benefícios ao meio ambiente, é o destaque na editoria De Bem com o Planeta. Nessa última edição do ano, no Toque de Especialista, apresentamos dicas especiais da consultora Ana Vaz, para as festas de fim de ano e de aplicativos funcionais que ajudam a economizar nos presentes de Natal no Planejar é Crescer. Na editoria Empreendimento em Foco, falamos sobre a entrega do Residencial Pau-Brasil e o lançamento de um futuro empreendimento em Hortolândia/SP, cidade que também é destaque no Giro Regional. E, para fechar com chave de ouro nosso ano e nos prepararmos para 2017 com mais garra e determinação, divulgamos na editoria Gestão e Desenvolvimento que, pelo segundo ano consecutivo, a Cemara foi eleita como a 2ª melhor empresa para trabalhar em Piracicaba e região. O prêmio foi promovido pelo GPTW (Great Place to Work), empresa global de pesquisa, consultoria e treinamento, que reconhece os melhores ambientes de trabalho em todo o mundo. Obrigado pelo reconhecimento, mais uma vez, de nossos colaboradores. Boas festas e boa leitura! Marcos Dei Santi Diretor da Cemara Loteamentos GESTÃO E DESENVOLVIMENTO Cemara é a segunda melhor empresa para trabalhar em Piracicaba e região Loteadora concorreu na categoria “Pequenas Empresas”, com até 99 funcionários A Cemara Loteamentos conquistou o segundo lugar do prêmio “Melhores Empresas para Trabalhar GPTW – Piracicaba e Região”, promovido pelo Great Place to Work, empresa global de pesquisa, consultoria e treinamento, que reconhece os melhores ambientes de trabalho em todo o mundo. O evento para divulgação da lista das empresas vencedoras foi realizado em novembro, em Piracicaba, no interior de São Paulo. Ao todo, 53 países e 6.200 empresas participaram dos estudos coordenados pelo GPTW. Dentre os diversos itens analisados pela pesquisa, está o Trust Index, índice criado para medir a percepção do funcionário em relação à empresa em cinco principais dimensões. Os colaboradores responderam a questões sobre credibilidade, respeito, imparcialidade, orgulho e camaradagem. Na Cemara, 91 dos 95 colaboradores responderam ao Trust Index, e a empresa atingiu nota 76, superando a nota 75 obtida na edição de 2015. “O papel das empresas é dar oportunidades para a evolução profissional e pessoal de cada funcionário. Neste ano evoluímos ainda mais, com novos indicadores e mais ferramentas de gestão. Queremos agradecer em nome de cada colaborador, porque esse prêmio é de todos”, diz Marcos Dei Santi, vice-presidente e diretor de novos negócios da Cemara. Para a edição deste ano, o Great Place to Work dividiu as companhias de Piracicaba e região em duas categorias: “Pequenas Empresas”, para negócios com até 99 funcionários, e “Grandes e Médias Empresas”, para empresas com mais de 100 colaboradores diretos. Em 2015, a lista da região era única e a Cemara conquistou o terceiro lugar ao lado de multinacionais. Diretores da Cemara

[close]

p. 3

Ano 10 • Edição nº 21 • Dezembro 2016 3 Colaboradores da Cemara O resultado serviu de motivação para o desenvolvimento de novas práticas. “A edição de 2015 nos mostrou como este tipo de avaliação é importante para desenvolver outras atividades que proporcionem melhorias no ambiente de trabalho”, conta o executivo. Duas novas práticas foram incorporadas em 2016, dentre elas o “Bate-papo com a diretoria”, que é uma reunião com a participação dos diretores da empresa e dos colaboradores para abordar os detalhes do Planejamento Estratégico e de Clima Organizacional. “A nossa principal intenção é buscar o alinhamento da empresa, para que todos os profissionais conheçam os objetivos estratégicos, a identidade, o plano de ação, os cronogramas e as responsabilidades da companhia. Também é um momento para esclarecer todas as dúvidas da equipe sobre o progresso da Cemara em relação ao restante do mercado”, diz Dei Santi. A outra ação desenvolvida foi o “Roda-Viva Cemara”, criado para aproximar os funcionários da Cemara do vice-presidente, Marcos Dei Santi. Uma vez por mês, os colaboradores interessados fazem perguntas diretamente ao executivo. “É bem descontraído. Os colaboradores têm abertura para perguntarem sobre qualquer assunto, seja de âmbito profissional e pessoal. Essas e outras iniciativas mostram como a Cemara tem investido para que as equipes se sintam mais próximas do negócio e saibam as diretrizes no trabalho.” Além das novas ações, a empresa manteve ferramentas organizacionais, como o manual que congrega todas as ações de comunicação interna, a elaboração de informativos e a realização de comitês e programas de incentivo à inovação. A companhia, que registrou um Valor Geral de Vendas de R$ 140 milhões, em 2015, e atualmente emprega 95 funcionários, concorreu com grandes empresas da região. “Mais uma vez, estamos orgulhosos com o reconhecimento das ações de uma empresa familiar como a nossa, que vem disputando esse prêmio ao lado de grandes organizações. O objetivo da Cemara não é ser o primeiro, segundo ou o terceiro, mas, sim, melhorar mais a cada dia”, conclui Marcos Dei Santi. Entrega da premiação Aplicativos ajudam a economizar na hora das compras de Natal O Natal está chegando e, como todos estão procurando economizar nas festas e nos presentes, é preciso comparar preços em diferentes lojas, já que os valores podem variar bastante de local para local. Nesse caso, a tecnologia pode contribuir e muito para se conseguir as melhores ofertas e condições de compra. Hoje, existem vários aplicativos e sites que ajudam nessa tarefa de economizar e que deixam a vida bem mais fácil. Um dos mais conhecidos é o Buscapé, site que faz o comparativo de preços entre grandes lojas do Brasil, e que conta com uma versão para smartphones. Dá para navegar entre as mais de dez categorias à procura de presentes e, principalmente, do desconto ideal. Disponível para iOS e Android. Se a ideia é buscar os melhores preços dos produtos para a ceia, alguns aplicativos ajudam bastante nessa tarefa. O Boa Lista é um exemplo. Disponível para iOS e Android, o aplicativo usa a câmera do celular para comparar o preço dos produtos que são encontrados nos supermercados. Outras opções são o QQFalta que oferece uma lista simples, prática e com visualização clara dos itens que você está procurando. No Facilista, é possível unir as compras para a ceia com a procura pelo melhor preço do presente. Disponível para Android, o aplicativo pode ser acessado em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O Meu Carrinho também é um comparador de preços. Disponível para Android, o aplicativo tem lista de compras e, através dela, mostra ao usuário as diferenças de preços entre os supermercados. A integração entre a versão web e o aplicativo facilita na hora de consultar as listas. E o app ainda permite que o usuário utilize a câmera do seu smartphone para escanear o código de barras dos produtos, facilitando a busca. Boas compras! Cesar Dei Santi Diretor da Cemara Loteamentos

[close]

p. 4

4 FIQUE POR DENTRO Ricardo Mello é tricampeão do Cemara Open de Raquetinha Para comemorar a décima edição, o torneio realizado em Americana teve pela primeira vez na história a participação de duplas femininas Estiveram presentes na 10ª edição do torneio Cemara Open de Raquetinha, realizada no ATC (Americana Tennis Center), em Americana/SP, aproximadamente 2.000 pessoas durante os dias de competição. Foi a terceira vez seguida que a dupla Ricardo Mello e Gabriel Pitta levou o troféu da categoria A. Pela primeira vez, esta edição do torneio contou com uma categoria só para mulheres. O torneio, organizado pela Cemara Loteamentos, já se tornou tradição na Região Metropolitana de Campinas, reunindo competidores de todas as idades e perfis. Ao todo, 230 atletas vindos de diversas cidades como Campinas, Sumaré, Cerquilho, Capivari, Santos, Araras, Indaiatuba, São Paulo, Ribeirão Preto e Limeira disputaram a edição de 2016, em 150 partidas. Além dos jogos de raquetinha, os visitantes puderam conferir estandes dos patrocinadores, DJ com boa música e animação, espaço para crianças, além da Choperia do Beppo. Nesta edição cheia de emoções, Ricardo Mello, que já esteve entre os 50 melhores tenistas do mundo, quase viu o título escapar, diante da disputada partida contra a dupla Henrique Defavari e Marcelo Campos. “Passamos sufoco, mas conseguimos a vitória. Estamos muito satisfeitos com o título de tricampeões”, contou. Além do troféu, um prêmio em dinheiro foi pago aos melhores colocados nas categorias A e B. Nas finais das Duplas Femininas, Adriana Silderberg e Carol Zoppi venceram a dupla Débora Costa e Beatriz Castro, consagrando-se como as primeiras vencedoras desta nova categoria. Genuinamente brasileiro, o esporte foi inventado na década de 1940 em São Vicente, na região de Santos. Assim como o tênis, a modalidade utiliza raquetes, bolas e é praticado em quadras. A diferença, no entanto, é que a raquete da modalidade é toda confeccionada com fibra de carbono e não leva cordas, proporcionando maior impacto para o arremesso das bolas. Além disso, a “Raquetinha” é disputada sempre entre duplas, enquanto no tênis também há partidas individuais. Para Cesar Dei Santi, idealizador do torneio, a 10ª edição do Cemara Open de Raquetinha foi um sucesso. “Apesar dos contratempos que tivemos com as chuvas, o torneio contou com grandes partidas e ótima participação do público. Mal terminamos esta edição e já estamos ansiosos para a próxima”, finalizou. Confira abaixo os primeiros colocados de todas as categorias: CATEGORIA A Vencedores: Ricardo Mello e Gabriel Pitta 2º lugar: Henrique Mello e Henrique P. e Silva Duplas Semifinalistas: Henrique Defavari e Marcelo Campos, Michael Douglas e Lucas Tavini CATEGORIA B Vencedores: Eduardo Bertola e Felipe Navarro 2º lugar: Caio Carrion e Matheus Telles CATEGORIA C Vencedores: Fred Sturion e Rodrigo Marques 2º lugar: Fábio Torina e Rafael Lopes CATEGORIA D Vencedores: New Gregório e Clayton Dias 2º lugar: Raphael Souza e Danilo Glasser INICIANTE Vencedores: Ítalo Arcaro e Diego Valero 2º lugar: Eduardo Giraldeli e Leonardo Leal INICIANTE REPESCAGEM Vencedores: Carlos Zaramelo e Wado Pelizzoni 2º lugar: José Roberto e Fábio Vecina FEMININA Vencedores: Adriana Silberberg e Carol Zoppi 2º lugar: Débora Costa e Beatriz Castro MISTA Vencedores: Guilherme Gontier e Carol Zoppi 2º lugar: Adriana Silberberg e Rui A’Ascola

[close]

p. 5

Ano 10 • Edição nº 21 • Dezembro 2016 FIQUE POR DENTRO 5 Cemara realiza encontro de empreendedores no CEI Nove de Julho Objetivo da ação é estimular o diálogo entre os proprietários para gerar novos negócios e redução de custos A Cemara Loteamentos vem promovendo encontros com os Empreendedores do CEI Nove de Julho (Centro Empresarial e Industrial), loteamento fechado, sediado na cidade de Americana/SP, com o propósito de impulsionar integração, customização e novos negócios, por meio do compartilhamento de informações e conhecimento. Até agora foram realizados três encontros. No primeiro, que aconteceu em agosto, 54% dos empreendedores estiveram presentes e ouviram um relato completo sobre o andamento das obras e incentivo do compartilhamento de gestão entre as empresas. O segundo foi em setembro e teve como convidado o consultor Ubiraí Beber, que falou sobre gestão e administração com foco em compartilhamento. A última reunião desse ano foi realizada em novembro com o tema “Perspectivas para o mercado em 2017”. Na visão de Marcos Dei Santi, diretor da Cemara Loteamentos, a ação representou mais que uma reunião somente focada na prestação de contas e atualização sobre as obras, mas também um incentivo para o networking entre empresas vizinhas e discussão de temas de importância para cada negócio. “Promover relacionamento neste momento do empreendimento é inédito. Acredito que os empresários se sentiram prestigiados pela Cemara, pois foi participativo e interativo. Vai render ótimos frutos para os empreendedores”, explicou o executivo. Para Dei Santi, proporcionar o diálogo entre os empreendedores é uma oportunidade de reduzir custos e prospectar novos negócios. “Encontros como esse podem render uma série de vantagens para as empresas envolvidas. É um estímulo para buscar novos parceiros e gerar relações produtivas para o negócio de cada um”. Resultados - Segundo Giuliane Strapasson Trevizam, gerente de marketing e comunicação da Cemara, o resultado foi muito construtivo. “Colocamos em pauta os benefícios de um ambiente de relacionamento compartilhado e a resposta foi ótima. Afinal, o conceito de compartilhamento incentiva inovação, otimização de recursos e produtividade”, disse. Entre os empresários que participaram dos encontros, as expectativas em relação a ações que reúnam diversos empresários em um mesmo ambiente são enormes. “Possibilita a tomada de decisões mais assertivas para os nossos negócios”, disse Carlos Silva, da empresa Atmosfera Energia Solar. Alessandro Mantovani, da empresa Awaltech, acredita que a troca é proveitosa para os empreendedores, independente do ramo de atuação. “Participar das reuniões, conhecer os demais empresários e ouvir depoimentos diferentes me aproxima dos meus ‘vizinhos’ e de seus negócios”, destacou. Assim como Mantovani, João Santos, da empresa Ralf Plastic, está animado. “Um encontro como este representa relacionamento e amizade”, disse. “Por meio das reuniões, podemos estruturar o nosso planejamento, pois temos ciência do andamento das obras, possibilidades de construção, além do tema de compartilhamento que está sendo muito proveitoso”, comentou Daniele, da empresa Destra. O empreendimento CEI Nove de Julho será destinado a pequenos e médios empresários que desejam ter sede própria, aumentar ou melhorar a estrutura física, logística e segurança da sua empresa. O novo loteamento funcionará como um “condomínio” corporativo, oferecendo segurança, compartilhamento de estrutura de serviço e facilidade logística. São 439 lotes, a partir de 750 metros quadrados.

[close]

p. 6

6 FIQUE POR DENTRO Cemara e artista de Rio Preto promovem parceria para criação de arte em muro Com o objetivo de incentivar a produção cultural na região de São José do Rio Preto, a Cemara Loteamentos promoveu uma parceria com a artista Laura Barbeiro, dando sequência ao projeto “Olhar Marginal”, realizado em conjunto pela artista e o escritor Ubirathan Brasil, autor do livro de poemas “Haicai na Marginal Arthur Nonato”. Laura interpreta os micropoemas escritos pelo colega e os transforma em pinturas nos muros da cidade, mudando a paisagem urbana. Dentro da parceria, Laura propôs à Cemara pintar o muro onde está a filial da empresa, localizada na Av. Arthur Nonato, 4555, marginal da Rodovia Washington Luís. “E é claro que nós aceitamos. É muito importante ver artistas da região, que tanto valorizamos, trabalhando em conjunto por uma cidade melhor. É gratificante pensar que estamos apoiando a cultura local e que ainda somos responsáveis por deixar a vida de quem passa na Avenida Arthur Nonato mais alegre e colorida”, afirma Raquel Dei Santi, arquiteta e diretora da Cemara Loteamentos. Para desenvolver a pintura no muro ao lado da Cemara, Laura se inspirou no micropoema “Entre unhas e faro, o gato vigia um pequeno canário”. A ilustração tem a imagem de um gato observando um canário engaiolado e, ao lado da pintura, também estão registrados os versos escolhidos. Segundo a artista, a principal intenção do projeto é incentivar a leitura na cidade, criando com as suas pinturas um “livro a céu aberto”. Além disso, Laura também afirma que um dos seus grandes objetivos com os murais artísticos é deixar a cidade de Rio Preto mais atrativa para os seus moradores. “As pessoas que passam na marginal normalmente estão com muita pressa. A ideia é que as pinturas sejam um elemento diferenciado nessa rotina, deixando a cidade mais bonita para quem vive nela”, completa Laura Barbeiro. Fotos: Bruna Borges

[close]

p. 7

Ano 10 • Edição nº 21 • Dezembro 2016 7 TOQUE DE ESPECIALISTA Dicas para as festas de fim de ano Dúvidas sobre regras de etiqueta e comportamento podem atrapalhar quem está se preparando para as comemorações de fim de ano das empresas ou das famílias. Com que roupa eu vou? Devo levar presente para o anfitrião mesmo que não o conheça? Posso beber? Com certeza essas são algumas das perguntas mais recorrentes e que muita gente não sabe responder. Para tirar essas dúvidas e evitar possíveis gafes no Natal e Réveillon, o Cemara Informa ouviu a consultora de imagem, moda e etiqueta Ana Vaz, autora do Pequeno Livro de Etiqueta – Guia para toda hora (Record) e idealizadora da primeira Butique de Cursos do País nas áreas de moda, imagem pessoal, comportamento, artes, design, comunicação e negócios. Confira as principais dicas: Cemara Informa - Qual a roupa mais adequada para festas de confraternização de empresa? Ana Vaz - A roupa adequada é aquela que, mesmo num evento, representa o estilo da sua empresa, seu código de vestimenta e também quem a usa. As festas de fim de ano devem ser encaradas como eventos profissionais. Então, é imprescindível que você pense no seu visual como sua embalagem profissional também neste ambiente. Desleixo e sensualidade excessiva devem ficar completamente de fora – para homens e mulheres. CI - Qual é o limite para comer, beber e dançar em eventos de fim de ano do trabalho? Tem a hora certa de sair? AV - O limite é o da moderação. O álcool em excesso é um dos grandes vilões da boa conduta. A dica é nem de mais e nem de menos. Se você exagera, mostra que é ansioso. Se você faz tudo de menos, parece que não está gostando do que seu anfitrião preparou para você, e isso é bastante rude. Um bom momento para sair de uma festa é quando ela ainda não está vazia. Essa é a hora de ir até seu anfitrião (que pode ser sua chefia, mesmo numa festa grande para todos os funcionários da empresa), agradecer e se despedir. CI - Se a festa de confraternização acontecer na casa do chefe, é necessário levar presente para o anfitrião? AV - Quando vamos à casa de alguém, levar um mimo é sempre delicado. Não há necessidade de se presentear os filhos, basta levar algo para a casa, como um lindo arranjo de flores, uma caixa de chocolates ou doces. Aqui a ideia é mostrar apreço pelo convite e retribuir ofertando algo que todos desfrutem de alguma forma. CI - Quais as dicas para não errar no presente de amigo secreto? AV - A principal dica é seguir as regras do jogo. Mantenha-se no valor estipulado pelo grupo, presenteie de acordo com as indicações do presenteado (muitos grupos fazem uma lista do que cada membro quer ganhar), e caso você não saiba o que o outro deseja ou não o conhece bem, tente investigar com colegas mais próximos. Nada de comprar presente mais caro para o(a) chefe só porque ele(a) é chefe – pareceria bajulação! CI - Se o convidado não conhece os anfitriões, como proceder na hora de lembranças e presentes? AV - Neste caso, eu não fugiria dos presentes previsíveis, pois quando não se conhece o outro fica mais difícil surpreender positivamente. Vale mais algo “neutro” como um arranjo bem feito de flores ou um espumante de qualidade, do que algo inovador, mas que não tenha nada a ver com o estilo, gosto e/ou rotina do anfitrião. CI - Nas comemorações em família e amigos, é necessário levar presentes para todos ou só para os donos da casa? E as crianças? AV - Não há necessidade de levar presentes para todos. É possível levar um mimo apenas para os anfitriões, ou para anfitriões e crianças, por exemplo. Para presentear apenas alguns dos adultos, o melhor é fazê-lo discretamente, em outro momento, sem gerar a sensação de exclusão em quem não foi presenteado. CI - O convidado pode levar uma companhia sem convite? Se isso ocorrer, como o anfitrião deve agir? AV - De forma alguma um convidado deve levar um acompanhante sem convite. Isso é absolutamente deselegante e atrapalha a organização do anfitrião. Por outro lado, o anfitrião deverá receber com gentileza essa companhia, que pode ter sido convidada pelo outro sem saber que sua presença não havia sido comunicada; assim, os constrangimentos ficam menores. CI - Pode-se recusar o convite da confraternização de fim de ano da empresa sem causar constrangimentos? E nas reuniões de amigos e família, como recusar? AV - A recusa sempre causa uma certa frustração no anfitrião, então, deve ser feita de forma delicada, gentil (mil agradecimentos), e a partir de uma desculpa plausível – uma viagem, um outro evento cujo convite foi aceito anteriormente etc. Mas a festa da empresa deve ter uma certa prioridade na agenda profissional, pois é sempre melhor ir e aproveitar o momento para estreitar laços e criar novos. Ana Vaz - anavazconsultoria@gmail.com Consultora de imagem, moda e etiqueta

[close]

p. 8

8 MATÉRIA DE CAPA Terrenos em loteamentos da Cemara têm valorização de até 800% Valorização é consequência do trabalho de urbanização realizado pela empresa nos loteamentos, como rede de água, energia elétrica, esgoto, pavimentação, entre outros Em tempos de incertezas na economia, realizar o sonho da casa própria se torna uma missão ainda mais difícil. Mas, para não ter que adiar ou deixar os seus objetivos de lado, é importante que o consumidor busque alternativas que proporcionem economia e vantagens no médio e longo prazo. Uma opção que vem ganhando cada vez mais espaço no setor imobiliário é o mercado de loteamentos, que traz benefícios como a possibilidade de não precisar desembolsar um valor alto de entrada e pagar parcelas que cabem no bolso. Além da economia e das facilidades, um terreno na Cemara Loteamentos pode se tornar um investimento atrativo, já que alguns lotes chegam a valorizar até 800% em relação ao valor inicial de compra. Para Marcos Dei Santi, diretor da empresa, isso é consequência do trabalho de urbanização que a Cemara realiza nos bairros onde estão localizados os loteamentos. A empresa entrega itens de infraestrutura como rede de abastecimento de água tratada, rede de energia elétrica, rede de drenagem de águas pluviais, rede de esgoto, iluminação pública, pavimentação, além de arborização de vias e áreas verdes em todos os loteamentos. Há o desenvolvimento de praças urbanizadas e espaços de integração tanto em loteamentos fechados, que têm portaria com controle de acesso e funcionam como um condomínio, como nos abertos que funcionam como um bairro tradicional, com livre acesso para todas as pessoas. “A nossa empresa tem como diferencial não focar somente nos empreendimentos, mas também em todo o seu entorno. Quando construímos bairros, assumimos compromissos, responsabilidades sociais, ambientais e econômicas. Está no nosso DNA proporcionar melhores condições de moradia, qualidade de vida e bem-estar para os clientes, sempre visando contribuir de forma direta no desenvolvimento social e urbano de diferentes municípios”, afirmou Dei Santi. Resultado - Em consequência do trabalho que a Cemara vem realizando há mais de trinta anos, muitos loteamentos têm apresentado uma alta valorização atingindo picos de até 800% do metro quadrado. É o caso do Parque Residencial Jaguari, empreendimento localizado em Americana, que, quando desenvolvido em 1999, teve seus lotes vendidos a R$ 100 o metro quadrado. Agora, a empresa calcula que o mesmo metro quadrado seja de R$ 800. O mesmo aconteceu com o Residencial Pau-Brasil, também localizado em Americana, que foi lançado em 2013, com o metro quadrado por R$ 500. Neste ano, o valor chegou a R$ 680. “São apenas dois exemplos de vários que temos no nosso portfólio. É uma reação positiva do mercado, mostrando que investir em lote desse tipo vale a pena, tanto na acessibilidade do imóvel, quanto na sua valorização”, concluiu Dei Santi.

[close]

p. 9

Ano 10 • Edição nº 21 • Dezembro 2016 9 Confira abaixo a valorização dos imóveis com relação ao tempo: Nome do empreendimento JAGUARI NOVA CARIOBA VILLAGIO KLAVIN IPÊS AMARELOS ESPLANADA ESPERANÇA RECANTO DA FAZENDA PAU-BRASIL Valor do metro quadrado Ano 1999 2003 2008 2008 2008 2008 2008 2009 2013 Valor R$ 100 R$ 150 R$ 320 R$ 200 R$ 390 R$ 350 R$ 400 R$ 125 R$ 500 Valor estimado do metro quadrado em 2016 R$ 800 R$ 800 R$ 750 R$ 500 R$ 900 R$ 800 R$ 800 R$ 300 R$ 680 Valorização* 800% 530% 234% 250% 230% 228% 200% 240% 136% Base de dados de setembro/2016. *A inflação referente aos períodos não foi descontada nos valores citados no texto.

[close]

p. 10

10 É BOM SABER Busca por loteamentos cresce no interior Apesar da dificuldade da população em obter liberações de crédito por meio dos bancos, o interior do estado de São Paulo tem encontrado uma alternativa interessante para que o setor imobiliário regional não deixe de crescer. Nos loteamentos, cidades como Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Leme se depararam com uma forma de manter vivo o sonho da casa própria, mesmo em tempos de crise. Segundo dados do Graprohab, órgão ligado ao governo do estado, São José do Rio Preto lidera esse movimento como a cidade com o maior número de loteamentos aprovados de São Paulo – só em 2015 o montante de lotes foi de 5.472. Em segundo lugar está Franca, com 4.208 lotes e, na sequência, Leme, com 3.841. A instituição também divulgou quais são as cidades com o maior número de lotes protocolados no estado, ou seja, empreendimentos que seguiram para aprovação, mas ainda estão em avaliação. As dez primeiras colocadas do ranking são na maioria cidades do interior, que sozinhas somam 41.108 lotes, representando 22% do total no ano. As cidades do ranking são Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Leme, Itápolis, Tupã, Franca, Mogi Mirim, Bady Bassitt, Votuporanga e Cotia. O crescimento se deve ao fato do consumidor enfrentar barreiras para conseguir financiamentos junto às instituições financeiras, além das altas taxas de juros. “Portanto, a compra de um terreno é a saída encontrada por muitos consumidores que podem adquirir, muitas vezes, o parcelamento diretamente com a empresa loteadora, sem intermédio de bancos”, comenta Cesar Dei Santi, diretor da Cemara Loteamentos, com sede em Americana/SP. O que também atrai brasileiros para a compra de terrenos é a possibilidade de diluir os gastos envolvendo a compra do imóvel. “Detectamos que a possibilidade de construir de acordo com as preferências; não ter a preocupação de desembolsar uma quantia em dinheiro de uma só vez e barganhar preços na compra dos materiais são grandes motivadores para quem busca um lote”, explica o executivo. Segundo a FGV (Fundação Getúlio Vargas), existe um grande mercado em potencial no País, com espaço para expansão de aproximadamente 1,4 milhão de novos domicílios por ano até 2025. Além disso, de acordo com o Secovi (Sindicato da Habitação), há uma percepção de retomada gradativa da confiança dos consumidores, que devem voltar a consumir diante das melhoras no cenário econômico, como o maior controle da inflação. Na visão de especialistas do segmento, a desaceleração do mercado imobiliário faz parte de um comportamento conjuntural do setor, e não estrutural, gerado em consequência da crise econômica. “Os números mostram como o segmento de imóveis está apto à expansão, indicando como ainda há uma fatia significante da população em busca da casa própria”, concluiu Dei Santi. Seis motivos para comprar um lote empresarial Já é consenso entre os empresários que, em tempos de retração econômica, minimizar custos deve ser um desafio diário. Diante deste cenário, novas alternativas têm surgido com o objetivo de manter vivo o sonho de expansão dos empresários. Foi pensando nisso que a Cemara Loteamentos desenvolveu o CEI Nove de Julho. Elaborado para atender empreendedores que querem ter sua primeira sede – ou, até mesmo, expandir fisicamente o negócio –, o espaço funciona como um “condomínio” corporativo, onde pequenos e médios empresários poderão compartilhar os custos com segurança, logística e estruturas de serviço. Conheça os seis motivos para adquirir um lote empresarial: 1 - SEGURANÇA: Com o loteamento fechado, o empresário tem a oportunidade de dividir a despesa com segurança com osdemaiscondôminos. OCEINovedeJulhocontarácomduas portarias com vidraçaria blindada, possibilitando à associação de empreendedores estruturar o controle de acesso de uma sala de segurança monitorada. 2 - INVESTIMENTO FACILITADO: Como os lotes podem ser parcelados diretamente com a loteadora, sem a intermediação de uma instituição financeira, muitos empresários se sentem atraídos pela ideia de ter uma sede própria. A Cemara, por exemplo, comercializa os seus lotes, com parcelas a partir de R$ 4.215*. 3 - COMPARTILHAR É AGREGAR: Com um projeto de loteamento fechado, o empresário tem a chance de compartilhar suas áreas comuns com outras empresas. O CEI Nove de Julho também tem a proposta de construir espaços para uso compartilhado dos colaboradores, como sala de descanso, campo de futebol society e churrasqueira. 4 - BOA LOCALIZAÇÃO: Com a proposta de se desenvolver em um local estratégico, o loteamento empresarial Nove de Julho foi estruturado para suprir adequadamente o trânsito de veículos de grande porte. Também está em uma região estratégica para o escoamento de cargas e proximidade com importantes rodovias, o que facilita o processo de logística das empresas. 5 - PÚBLICO DIVERSIFICADO: O relacionamento com diferentes públicos para captação de novos clientes e negócios é essencial e facilmente aplicado em um condomínio empresarial. No CEI Nove de Julho estarão presentes empresas de segmentos bem diversificados. É uma oportunidade e tanto para fazer negócios com os próprios vizinhos. 6 - MAIOR CAPACITAÇÃO EM UM MENOR PERÍODO DE TEMPO: A concentração física de  empresas de diferentes setores no mesmo local é capaz de proporcionar vantagens que outros tipos de locações não oferecem. A principal delas é o desenvolvimento do capital humano, podendo atrair atividades focadas em programas de treinamento. Em lotes empresariais, escolas técnicas e  escolas de negócios podem aumentar a capacitação técnica da equipe e gerar ganhos de tempo para as empresas envolvidas. *Parcela referente ao lote 04 da quadra 07, com área total de 752,50 m2, entrada em 06 parcelas de R$ 6.521,67, 10 parcelas intermediárias anuais de R$ 10.000,00 e 114 parcelas de R$ 4.215,00 (Todas as parcelas serão corrigidas mensalmente pelo IGPM). Condições gerais para aquisição, consulte um corretor. Valor válido até 31/12/2016 ou até que referido lote seja vendido.

[close]

p. 11

Ano 10 • Edição nº 21 • Dezembro 2016 BOM PAPO 11 Economia brasileira está em recuperação e deve crescer 1% em 2017 No setor imobiliário é o momento do empresário investir para expansão de seu negócio e se preparar para a saída da crise e retomada do crescimento A economia brasileira já começa a dar sinais de recuperação e deve crescer 1% no Produto Interno Bruto (PIB), em 2017, e mais 2% em 2018, resultado da confiança que o mercado, investidores internacionais e população estão tendo nas medidas anunciadas pelo governo até agora. A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241 que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos é considerada um dos principais mecanismos para reequilibrar as contas. Essa é a opinião de Paulo Cesar Adani, professor de Economia e Finanças da PUCCamp (Campinas/ SP), diretor da Consultoria Quantum e do Corecon (Conselho Regional de Economia), e ouvido pelo Cemara Informa. Ele destacou que o setor imobiliário deve voltar a crescer e que esse é um bom momento para investir em imóveis. Além disso, o segmento é um dos maiores demandadores de mão de obra do mercado. Veja a seguir os principais trechos da entrevista: Cemara Informa - Depois da turbulência do impeachment, quais são os desafios da economia do País para voltar a crescer? Paulo Cesar Adani - Os desafios são muitos. Nós estamos vivendo uma época atípica na história do País. Faz três anos consecutivos que estamos tendo queda no PIB (Produto Interno Bruto), perdas significativas que chegam hoje a 9%. Essa queda não tem precedente, pelo menos na história recente do Brasil. Os resultados dessa situação, que se confirma gravíssima, são os mais de 12 milhões de desempregados e a recessão que afetou todas as atividades produtivas de alguma forma. Essa crise, que se agravou a partir de 2014, começou a ser gerada na crise de 2008, dos Estados Unidos. Diziam que não ia nos atingir, mas atingiu. Ela é tão severa quanto a crise de 1929, com desemprego e queda no PIB. Além disso, o problema do déficit público bastante agudo é um ingrediente poderoso para chegar aonde chegamos. CI - A PEC que limita o teto dos gastos públicos, controle da inflação e queda na taxa de juros faz parte de algumas das ações que o governo propõe para sairmos da crise. Elas são suficientes, mesmo sem as reformas previdenciária, tributária e política? PCA - Sim, o começo dessa retomada depende dessas ações que o governo está implantando. Elas são necessárias. O teto nos gastos públicos, por exemplo, é sim bem desconfortável, mas é necessário e com certeza, vai repercutir positivamente no futuro. A dívida brasileira hoje é de mais de R$ 3 trilhões, só de juros são mais de R$ 400 bilhões por ano. Então, não tem outro caminho: tem que fazer os ajustes e reduzir a dívida pública para voltar ao crescimento. Claro que as reformas previdenciária, tributária e política são fundamentais e também fazem parte desse conjunto de ações que pode ser desconfortável agora, mas será positivo no futuro. CI - Faltam ainda confiança e segurança dos empresários para investir no País? PCA - Muitas empresas estrangeiras estão vindo investir no Brasil, mas ainda de forma tímida. Com certeza, com a aprovação dessas ações que citamos antes elas terão segurança em investir mais e consequentemente melhorar nosso desempenho econômico. A palavra de ordem nesse momento é confiança. As medidas do governo já aumentaram a confiança não só nos empresários estrangeiros, mas no empresário brasileiro e na população brasileira que quer voltar a consumir, mas sem sustos. CI - Qual a expectativa para 2017 e para 2018? PCA - A expectativa de crescimento em 2017 é de 1% no PIB e 2% em 2018. A previsão de crescimento é pequena, mas importante, porque reverte o quadro de queda consecutiva dos últimos três anos e, principalmente, pelo aumento da confiança. Os investimentos começam a retornar, mesmo que de forma tímida, e vão ajudar na diminuição da taxa de desemprego. Já se espera uma realocação de pessoas a partir do ano que vem. Se forem confirmadas as expectativas para 2017, em 2018 sairemos desse marasmo econômico. CI - O setor imobiliário também está sofrendo com a crise. Qual a perspectiva para o segmento nos próximos anos? PCA - O setor imobiliário sofreu bastante com a crise. Mas acho que o setor vai ter condições de retomar seu crescimento a partir de 2017. O setor também contribuirá muito para diminuir a taxa de desemprego, já que ele é um grande demandador de mão de obra. CI - Então, vale a pena investir em imóveis hoje? É um bom momento para comprar? PCA - Sim, é um bom momento, talvez o mais propício dos últimos anos. Com a confiança voltando, vale a pena comprar, porque o mercado está preparado para negociar e oferecendo boas oportunidades. Acho que é um bom momento para as empresas expandirem suas áreas fabris e crescerem ou buscarem novos investimentos e se anteciparem à retomada de crescimento que vem por aí. Quem sai na frente sempre tem recuperação mais rápida. Vale investir sim. Paulo Cesar Adani Professor de Economia e Diretor da Consultoria Quantum e do Corecon (Conselho Regional de Economia)

[close]

p. 12

12 Situação das obras em outubro de 2016 De olho nas obras de infraestrutura Jardim Piazza Itália Terraplanagem Drenagem Água Esgoto Guia / Sarjeta Pavimentação Rede Elétrica Arborização 8% 0% 0% 0% 30% 23% 100% 95% Residencial Vila-Lobos Terraplanagem Drenagem Água Esgoto Guia / Sarjeta Pavimentação Rede Elétrica Arborização 15% 9% 0% 0% 0% 96% 96% 88% Residencial Pau-Brasil Terraplanagem Drenagem Água Esgoto Guia / Sarjeta Pavimentação Rede Elétrica Arborização 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 93%

[close]

p. 13

Ano 10 • Edição nº 21 • Dezembro 2016 Jardim Girassol Terraplanagem Drenagem Água Esgoto Guia / Sarjeta Pavimentação Rede Elétrica Arborização 20% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 13 Centro Empresarial e Industrial Nove de Julho Módulos I e II Terraplanagem Drenagem Água Esgoto Guia / Sarjeta Pavimentação Rede Elétrica Arborização 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 80% Módulos III e IV Terraplanagem Drenagem Água Esgoto Guia / Sarjeta Pavimentação Rede Elétrica Arborização 0% 0% 0% 100% 93% 97% 91% 80%

[close]

p. 14

14 EMPREENDIMENTO EM FOCO Obras de infraestrutura Loteamento fechado Setembro/2016 Cemara apresenta Parque Bella Ville em Hortolândia Empresa amplia seu atendimento na região de Campinas com futuro lançamento de um novo empreendimento na cidade Após comemorar 37 anos de investimentos no desenvolvimento sustentável de diversas cidades do estado de São Paulo, a Cemara Loteamentos dá um grande passo em sua trajetória e expande suas atividades na região com a chegada em Hortolândia/ SP, cidade com enorme potencial econômico e desenvolvimento crescente, alavancados pelo setor industrial e tecnológico. Ao longo dos últimos anos, Hortolândia está se destacando como polo tecnológico do interior do estado e abriga empresas como a Dell, uma das principais fabricantes de computadores do mundo e as multinacionais IBM, desenvolvedora de tecnologias, e Dow Corning, fabricante de silicone. A cidade também é sede do Tech Town, condomínio industrial voltado para abrigar empresas de tecnologia. Para Marcos Dei Santi, diretor da Cemara, a empresa está empenhada em crescer junto à cidade de Hortolândia. “Acompanhamos o desenvolvimento do município nos últimos anos e vimos uma oportunidade de iniciar nosso trabalho lá. Queremos contribuir com a cidade, entregando loteamentos com infraestrutura completa e bairros que possam trazer bem-estar aos moradores”, afirma o executivo. A Cemara entrega itens de infraestrutura como rede de abastecimento de água tratada, rede de energia elétrica, rede de drenagem de águas pluviais, rede de esgoto, iluminação pública, pavimentação, além de arborização de vias e áreas verdes em todos os loteamentos. Assim como em todos os seus empreendimentos, a Cemara terá no Parque Bella Ville um projeto de urbanização, desenvolvendo espaços de lazer e de convívio social, como praças. “Nosso propósito é ir além do planejamento e das propostas de sustentabilidade, é fazer com que os moradores tenham espaços para interação, inspiração e integração, como conceito de bem-estar e diferenciais para a melhor qualidade de vida das pessoas”, conclui Dei Santi.

[close]

p. 15

Ano 10 • Edição nº 21 • Dezembro 2016 15 GIRO REGIONAL Hortolândia é destaque como polo de desenvolvimento, turismo e cultura Cidade investe em parques socioambientais e está entre as 100 melhores cidades do País, com potencial para atrair novos negócios e gerar oportunidades de emprego UmadascidadesmaisjovensdoestadodeSãoPaulo, com apenas 25 anos de fundação, Hortolândia/SP se destaca na Região Metropolitana de Campinas (RMC) pelo grande potencial de desenvolvimento econômico e investimento na qualidade de vida, turismo e cultura. Hoje, o município está em 56º lugar no Brasil entre as cidades mais promissoras para se fazer negócios, segundo estudo da Urban Systems, publicado no final de outubro. O ranking indica quais cidades têm maior potencial para atrair novas empresas e, assim, gerar oportunidades de empregos e renda para sua população e “reforçar” a arrecadação municipal. Hoje, Hortolândia tem mais de 500 indústrias instaladas, mais de 2 mil pontos comerciais e dois shopping centers. Além disso, a cidade, que tem mais de 210 mil habitantes, investe em cultura e turismo, com parques socioambientais, escolas, universidades, bibliotecas, bares, hotéis e restaurantes, garantindo qualidade de vida a seus habitantes e visitantes. Localizada a cerca de 120 km de São Paulo, a cidade faz parte do chamado “Complexo Metropolitano Expandido”, com várias rodovias que ligam Hortolândia a diversas cidades paulistas e fica próxima do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas/SP, que atraíram e atraem importantes indústrias multinacionais, como Dell Computadores, EMS Medicamentos e Magneti Marelli. Parques - Hortolândia - cujo nome é homenagem ao principal ponto turístico da cidade, o horto florestal se destaca na região pelo cuidado com o turismo e a cultura. Um dos principais atrativos da cidade é o Parque Socioambiental Irmã Dorothy Stang, que possui o Ginásio Poliesportivo ‘Victor Savala’, o Centro de Treinamento de Ginástica Artística ‘Yasmin Geovana Santos Bonfim’, o Centro de Arte e Cultura (CAC) e o Espaço Criança Ecológica com a maternidade da árvore e sala verde para a realização de atividades socioambientais e oficinas. O Parque Santa Clara (Centro de Referência Ambiental Parque Escola) possui o Museu de História Natural Iberaba com mais de 200 espécies de animais empalhados, e o projeto Reciclasa-IBM. O Parque Linear Chico Mendes é um dos espaços mais bonitos da cidade e também disponibiliza áreas de lazer para a prática de esportes. A antiga Estação Ferroviária de Hortolândia, construção tombada pelo Patrimônio Histórico e Cultural em 2003, deu lugar ao Centro de Memória Prof. Leovigildo Duarte Júnior, que fica no centro da cidade. O local se transformou em importante ponto turístico com museus da linha férrea e da história de Hortolândia. Além disso, Hortolândia conta com vários espaços dedicados à realização de eventos culturais das áreas teatral e musical, três pontos de cultura, que desenvolvem projetos de música instrumental, violão popular, teatro, vídeo e musicalização infantil. Destaque para a banda municipal que se apresenta nos eventos públicos realizados pela Prefeitura e oferecidos gratuitamente para a população.

[close]

Comments

no comments yet