Boletim Municipal n.º238

 

Embed or link this publication

Description

Atividade do Município de Aljustrel / Câmara Municipal de Aljustrel

Popular Pages


p. 1

ALJUSTREL 238BOLETIM MUNICIPAL DEZEMBRO 2016 Terra Viva no Natal Município 04 Município 06 Obras 09 Arquivo 12 Desporto 23 Energia solar fotovoltaica O Município tem em curso um projeto de instalação de painéis fotovoltaicos em vários edifícios municipais que visa a produção sustentável de energia elétrica. Franceses de Hem participam na Vin&Cultura Ao longo de 15 anos, os encontros têm permitido aos habitantes destas comunidades realizar partilhas de âmbito cultural, social, desportivo, turístico e até económico. Requalificação da envolvente ao Malacate Vipasca A intervenção pretende ter um carácter minimalista de forma a preservar o ambiente e paisagem próprios das zonas mineiras e integrar um troço do Corredor Ciclável. Primeiras eleições autárquicas foram há 40 anos A 12 de dezembro de 1976 tiveram lugar as primeiras eleições democráticas para eleger os órgãos autárquicos: Câmara Municipal, Assembleia Municipal e Assembleia de Freguesia. Grande Prémio de Santa Bárbara foi um sucesso Cerca de 320 atletas participaram nesta prova que, à semelhança das edições anteriores, decorreu com sucesso entre os bairros mineiros de Aljustrel .

[close]

p. 2

2 Aljustrel | Boletim Municipal | dezembro 2016 Saúde Em matéria de saúde, o Município de Aljustrel tem feito a sua parte. E porque fazemos a nossa parte, temos legitimidade absoluta para exigir que outros, nomeadamente o Estado Central e os seus serviços descentralizados, façam a sua. Editorial Nelson Brito Presidente da Câmara Éusual, durante o período de Natal e Ano Novo, desejarmos, antes de tudo o resto, saúde aos nossos familiares e amigos. Ter saúde é, pois, o principal desígnio de todos nós. Sem ela, tudo mais de pouco vale. E é principalmente sobre este tema que quero falar aos cidadãos e cidadãs do nosso concelho. No passado dia 12 de dezembro celebraram-se 40 anos das primeiras eleições autárquicas. O voto popular para as câmaras municipais, assembleias municipais e assembleias de freguesia foi um marco fundamental na consolidação da democracia em Portugal. No entanto, em larga medida, o sonho de construção de um país melhor e mais justo que motivou os homens e mulheres desse tempo está ainda por cumprir, em particular nos territórios de baixa densidade, usualmente designados de “interior”. O modelo de organização do país evoluiu e, neste processo, as câmaras municipais começaram progressivamente a assumir mais e mais competências que tradicionalmente pertenciam ao Estado Central. Este é um paradigma de descentralização com o qual genericamente concordo, ainda que seja também obrigado a constatar as suas falhas. Demasiadas vezes os “pacotes” de competências assumidos pelas autarquias não vêm acompanhados dos respetivos “envelopes” financeiros. No presente, decorridos os últimos anos de austeridade absurda, que muito castigaram as autarquias, afirmo: nunca se fez tanto com tão pouco! Ao mesmo tempo que os municípios continuam a absorver competências que tradicionalmente pertenciam ao Estado, vivem com cortes brutais nas receitas e com uma perda de capacidade de gerir dinheiros próprios com a autonomia consagrada na lei. Posto isto, chegamos ao tema da saúde. E nesta matéria, o Município de Aljustrel tem feito a sua parte: criámos uma Uni- dade Móvel de Saúde, que promove uma maior acessibilidade da população, principalmente os mais idosos, aos cuidados de saúde e aos apoios sociais; criámos um Gabinete de Nutrição que apoia a comunidade, em particular as escolas, procurando melhorar os hábitos alimentares; acordámos com o Ministério da Saúde cofinanciar as obras na Extensão de Saúde de Messejana, intervenção que, segundo o Governo, será concretizada em 2017 e afirmámos também a disponibilidade da autarquia para apoiar a construção da Extensão de Saúde de Rio de Moinhos. Mas não nos ficámos por aqui: dinamizámos uma parceria entre a Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo e a empresa Almina, para a oferta de um aparelho de raio X por parte da empresa mineira, equipamento que, em breve, será colocado ao serviço da população; analisámos com o Ministério da Saúde a possibilidade de instalação em Aljustrel de uma Unidade de Longa Duração e Manutenção, em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Aljustrel, para prestar cuidados de saúde a doentes crónicos que não reúnam condições para serem cuidados no domicílio; criámos condições para que dois médicos cubanos se fixassem em Aljustrel, suprindo uma necessidade urgente criada pela saída, em 2014, de dois outros clínicos e, por diversas vezes, reunimos e reivindicámos junto do Governo melhores serviços de saúde no Centro de Saúde de Aljustrel, bem como nas extensões das freguesias. Repito: em matéria de saúde, o Município de Aljustrel tem feito a sua parte e não pretende ficar por aqui. E porque fazemos a nossa parte, temos legitimidade absoluta para exigir que outros, nomeadamente, o Estado Central e os seus serviços descentralizados, façam a sua. Por isso fiquei bastante preocupado quando ouvi falar na criação de um Hospital Central do Alentejo, em Évora, e mais inquieto fiquei quando o próprio Bastonário da Ordem dos Médicos e outras autoridades no campo da saúde duvidaram publicamente desta opção. Porquê em Évora? Porque não em Beja? Onde estão os estudos que comprovam que isto faz sentido? Perderá Beja especialidades para Évora? Como se deslocarão as populações para Évora? Estas são perguntas muito pertinentes e que temos o direito e o dever de colocar. O Natal e Ano Novo é tempo de comunhão e de pensamentos positivos, mas também deve ser um momento de reflexão. Por isso chamo a atenção para esta temática central ao bem-estar de todos nós. Para que o direito à saúde não se resuma a um mero desejo de Natal, fiquemos atentos e disponíveis para reivindicar aquilo a que temos direito. Votos de um Feliz Natal e de uma excelente entrada em 2017. Nelson Brito FICHA TÉCNICA: Propriedade Câmara Municipal e Aljustrel Sede Avenida 1.º de Maio 7600-010 Aljustrel Telefone 284 600 070 Fax 284 602 055 e-mail geral@mun-aljustrel.pt Site www.mun-aljustrel.pt Diretor Nelson Brito (Presidente da Câmara) Coordenação Marcos Aguiar Redação Mercedes Guerreiro e Artur Martins Fotografia José Tomé Máximo e Mercedes Guerreiro Projeto Gráfico e Paginação Adriana Vieira da Silva Impressão Gráfica Funchalense Periodicidade Trimestral Tiragem 5000 exemplares ISSN 0874-0275 Depósito Legal 120655

[close]

p. 3

Município dezembro 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 3 Terra Viva no Natal Ateliers, espetáculos, encontros com o Pai Natal e muito mais para animar as ruas de Aljustrel Aljustrel é uma Terra Viva no Natal. O centro da vila junto à artéria comercial vai estar em festa até ao dia 24 de dezembro. Além da iluminação e das decorações com motivos alusivos ao Natal, a Câmara Municipal de Aljustrel está a oferecer um conjunto de iniciativas com vista a dinamizar o comércio tradicional, animar as ruas e criar um ambiente mais propício a esta época natalícia. As iniciativas tiveram início com a inauguração, no dia 13, às 18horas, do “Natal na Praça”, que contou com um espetáculo pelo Grupo de Metais da Sociedade Musical de Instrução e Recreio Aljustrelense (SMIRA), ao que se seguiu a chegada do Pai Natal, momento muito esperado pela criançada. No interior do Mercado Municipal estão a ser promovidos ateliers de contos de Natal, de cozinha, com confeção de biscoitos natalícios, de sonhos, de filhoses, de uma mini ceia de Natal, entre outros, mas também de coroas e outros adereços de Natal e, ainda, uma exposição e venda de livros. A música é uma constante, tanto no interior como no exterior, há muita animação de rua, que conta entre outras iniciativas com as atuações dos músicos e grupos: Orquestra Juvenil da SMIRA, Ritmos do Sul, Maravilhas do Alentejo, Sandra Elle, Orquestra de Harmónicas de Ponte Sor, Cavaquinhos do Mira e arruadas com a banda da SMIRA e da Bandinha da Alegria. Este ano, a zona do Mercado da vila de Aljustrel foi embelezada com diversas árvores de Natal, decoradas por algumas turmas do Agrupamento de Escolas do Concelho de Aljustrel, que aceitaram participar nesta iniciativa, com vista a dar um ar ainda mais festivo às ruas.

[close]

p. 4

4 Aljustrel | Boletim Municipal | dezembro 2016 Energia solar fotovoltaica Autarquia está a desenvolver projeto de produção sustentável de energia Município O projeto, enquadrado no modelo de produção distribuída, permitirá uma produção anual de 20 mil kw, o que equivale à eletricidade consumida anualmente por 200 habitações e a uma poupança global de 192 toneladas CO2/ano. OMunicípio de Aljustrel tem em curso um projeto de instalação de painéis fotovoltaicos em vários edifícios municipais que visa a produção sustentável de energia elétrica. O projeto, enquadrado no modelo de produção distribuída, permitirá uma produção anual de 20 mil kw, o que equivale à eletricidade consumida anualmente por 200 habitações e a uma poupança global de 192 toneladas CO2/ano. Fontes de energia renováveis são as fontes de energia provenientes de recursos naturais que se renovam constantemente, de um modo sustentável, mesmo depois de serem usadas para gerar eletricidade ou calor. São exemplos a água da chuva, o vento, a biomassa, o Sol, as ondas e o calor da Terra. Estas fontes evitam que se importem combustíveis fósseis, como o carvão e gás natural para gerar eletricidade, poupan- do dinheiro ao País e evitando a emissão de gases com efeito de estufa. A energia solar fotovoltaica é a energia obtida através da conversão direta da luz em eletricidade (efeito fotovoltaico) sendo a célula fotovoltaica, um dispositivo fabricado com material semicondutor, a unidade fundamental desse processo de conversão. Tecnologia led Município remodela a iluminação pública OMunicípio de Aljustrel está a implementar um plano de remodelação da iluminação pública do concelho, substituindo os sistemas convencionais de luminárias por tecnologia led. As soluções led garantem não só elevados níveis de eficiência, como também uma melhor qualidade de iluminação, tendo como objetivo otimizar os custos, reduzir o consumo de energia e minimizar o impacto ambiental. Vantagem da iluminação pública led: • Redução significativa do consumo energético; • Elevada durabilidade; • A significativa redução de consumo (reduz a carga da rede de distribuição, reduzindo as avarias e aumentando a disponibilidade para fornecimento de energia a terceiros); • Aumento do tempo de vida (quando comparado com a lâmpada tradicional) evitando os serviços de substituição e os custos associados; • Eliminação de lâmpadas fundidas e de candeeiros apagados; • Não produz energia reactiva, pe- lo que não necessita da sua correção de fator potência; • Eliminação da substituição periódica de lâmpadas e acessórios, reduzindo o custo das lâmpadas e do serviço de substituição associados a sua substituição; • Eliminação de resíduos (lâmpadas e acessórios) para reciclar; • Evita a contaminação ambiental (dado o Mercúrio ser altamente poluente); • Sem tempo de arranque inicial ou reacendimento; • Não produz calor no feixe de luz produzido; • Não irradiam raios UV. Modernização Polo Industrial de Aljustrel com fibra ótica ACâmara Municipal de Aljustrel em parceria com a empresa dstelecom S.A. infraestruturou o Polo Industrial de Aljustrel com fibra ótica, possibilitando que todos os empresários daquele parque empresarial possam contratualizar serviços de acesso à internet de alta velocidade a custos reduzidos. Este era um anseio antigo dos empresários daquele parque industrial, uma vez que a única solução de internet por cabo existente era tecnologia ADSL, cujos débitos e estabilidade do serviço não correspondiam às necessidades dos empresários. Deste modo, esta infraestrutura passa a permitir às empresas sediadas nesta zona industrial, a criação de uma dinâmica em- presarial, o aumento da competitividade e o facilitar da internacionalização dos seus produtos e serviços. Promoção do turismo acessível Câmara pretende instalar MUPI’s digitais interativos com rede Wi-Fi Ociclo de crescimento da atividade turística no país, cujos resultados afirmam o Turismo como o maior setor exportador nacional, exige um esforço continuado de investimento para que se alcancem superiores patamares de qualidade e de satisfação dos turistas. Assim, é importante que os agentes públicos do sector do turismo criem condições para potenciar e melhorar a experiência da visita turística. Neste sentido, através de uma candidatura já submetida ao Programa Valorizar, a Câmara de Aljustrel pretende instalar mupi’s digitais interativos de grandes dimensões com rede Wi-Fi incorporada nas zonas com maior poten- cial e atratividade turística do concelho. Desta forma, pretende-se não só disponibilizar acesso Wi-Fi nos centros históricos e nas zonas de maior afluência de turistas, mas também complementar esta mais-valia, com pontos de informação e sinalética digital disponibilizada por este mobiliário urbano para informação, que com a sua componente interativa, permitem novas formas de promoção turística. Este projeto insere-se na temática dos projetos de “smart cities”, através da disponibilização de internet gratuita à população e visitantes; de uma solução integrada com disponibilização de dados relativamente à mobilidade e caracterização dos perfis dos utilizado- res; de uma proposta de quiosques digitais (MUPI) que permitem aos turistas e aos locais o acesso a informação útil; do aumento do nível de conhecimento e informação dos cidadãos; do aproximar os cidadãos da autarquia; da diminuição dos custos dos serviços públicos e do aumento da atratividade e divulgação turística. A candidatura submetida ao Programa Valorizar prevê um investimento total de 60 mil e 393 euros, financiados em 50 mil euros pelo Incentivo Turismo Portugal.

[close]

p. 5

dezembro 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 5 Presidente da Câmara reuniu com o Ministério da Saúde Extensão de Saúde de Messejana vai ser remodelada Buinho Hub Criativo Primeiro Fablab do Baixo Alentejo nasceu em Messejana Este projeto, que agora se tornou realidade, após a sua apresentação nas conferências de Aljustrel de 2015, tem como particularidade ser o primeiro Fablab para o Baixo Alentejo (laboratório de prototipagem rápida). OBuinho Hub Criativo é uma Associação sem fins lucrativos fundada em 2015 na vila de Messejana e tem a finalidade de desenvolver atividades culturais e de investigação que estimulem a capacitação das comunidades locais em contexto rural. No passado dia 10 de dezembro de 2016, o Município de Aljustrel fez-se representar num encontro na sede do Buinho, onde estiveram presentes também as principais coletividades de Messejana, com o objetivo de conhecer algumas ações a desenvolver por esta entidade no biénio 2017-2018 e de tomar conhecimento da proposta de criação de um conselho consultivo que auxilie o Buinho na concretização das mesmas. O Buinho tem feito a articulação e continuação de projetos desenvolvidos nas áreas criativas, inovação e empreendedorismo, desta vez centrando a sua atividade no território de Aljustrel e na vila de Messejana em particular. Impressora 3D Este projeto, que agora se tornou realidade, após a sua apresentação nas conferências de Aljustrel de 2015, tem como particularidade ser o primeiro Fablab para o Baixo Alentejo (laboratório de prototipagem rápida), complementando a integração recente na rede internacional do MIT e Hubs Criativos Europeus com o primeiro programa nacional de residências especialmente dirigido a “fazedores”. Para mais informações consultar a página www.buinho.pt O que é um Fab Lab? Um FabLab (“Laboratório de Fabricação” do inglês “Fabrication Laboratory”) é uma pequena oficina oferecendo fabricação digital (pessoal). Estes espaços são em geral equipados com um conjunto de ferramentas flexíveis controladas por computador que cobrem diversas escalas de tamanho e materiais diversos, com o objetivo de fazer quase tudo (a imaginação é o limite!), permitindo usar produtos tecnológicos geralmente só acessíveis para produção em massa. Embora os FabLabs ainda não en- trem em competição com a produção em massa e na economia de escala associada à fabricação de produtos amplamente distribuídos, já demonstraram potencial para criar dispositivos inteligentes para sua própria utilização. Estes dispositivos podem ser adaptados às necessidades locais ou pessoais, em utilizações/aplicações que não seriam práticas ou económicas usando a produção em massa. Um aspeto importante é o modus operandi e a aprendizagem, além do espírito de partilha de conhecimento e know-how envolvidos no desenvolvimento dos projetos, alar- Fablab em Amesterdão gado a toda a comunidade de utilizadores, e mesmo projetos de teses ou protótipos para uma pequena empresa. In http://www.biblioteca.fct.unl. pt/ Através de comunicado, o Ministério da Saúde tornou público que tem prevista para 2017 a remodelação da Extensão de Saúde de Messejana. Estas obras serão suportadas a 85% por fundos comunitários, sendo que o Município de Aljustrel está disponível para realizar o restante investimento de 15%, correspondentes à comparticipação nacional. Ainda no capítulo da saúde, recorde-se que o presidente da Câmara Municipal de Aljustrel, Nelson Brito, se deslocou a Lisboa, no dia de 2 de novembro, para uma reunião com o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo. Em análise, para além da situação geral da saúde no Concelho de Aljustrel e na região, estiveram os processos de cedência do edifício do antigo Centro de Saúde de Aljustrel, para a edificação por parte da autar- quia do Centro de Documentação Local de Aljustrel; a aceitação, por parte da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, de um equipamento de Raio X doado pela empresa Almina e a instalação das Extensões de Saúde de Rio de Moinhos e Messejana, no Concelho de Aljustrel. Finalmente foi analisada a possibilidade de instalação em Aljustrel de uma Unidade de Longa Duração e Manutenção, unidade de internamento, de carácter temporário ou permanente, com espaço físico próprio, para prestar apoio social e cuidados de saúde de manutenção a pessoas com doenças ou processos crónicos, com diferentes níveis de dependência e que não reúnam condições para serem cuidadas no domicílio. A reunião decorreu de forma satisfatória, tendo o secretário de estado deixado garantias do bom desenvolvimento dos dossiers em análise. Município Aljustrel Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil e Plano de Emergência Externo da ORICA, Mining Services aprovados OPlano Municipal de Emergência de Proteção Civil e o Plano de Emergência Externo da ORICA, Mining Services foram recentemente aprovados pela Comissão Nacional de Proteção Civil, e publicados em Diário da República. Estes dois documentos de extrema importância para responder a situações de emergência no concelho foram elaborados pelo Serviço Municipal de Proteção Civil de Aljustrel, com a colaboração das entidades pertencentes à Comissão Municipal de Prote- ção Civil do Concelho. Para além do planeamento de emergência, também, se encontram definidos os meios e recursos utilizados para prevenir ou minimizar os riscos de acidente ou catástrofe passiveis de afetar o concelho. Assim sendo, estes dois documentos irão permitir à Câmara Municipal, através do seu Serviço Municipal de Proteção Civil, aumentar os níveis de proteção dos cidadãos e do património, garantindo uma resposta oportuna e coordenada no âmbito da proteção e do socorro.

[close]

p. 6

6 Aljustrel | Boletim Municipal | dezembro 2016 Município Hem e o Concelho de Aljustrel juntos na Vin&Cultura 2016 Geminação Franceses de Hem participam na Vin&Cultura Ao longo destes 15 anos, os encontros que têm decorrido, alternada e anualmente nestas duas vilas, têm permitido aos habitantes destas comunidades trocarem experiências de âmbito cultural, social, desportivo, turístico e até económico. Aljustrel recebeu uma comitiva de 35 franceses de Hem, no fim de semana 25, 26 e 27 de novembro. A visita dos franceses ao nosso concelho surgiu no âmbito do acordo de geminação estabelecido entre estas duas vilas, desde 2000. Em 2015, representantes aljustrelenses deslocaram-se a Hem para comemorar os 15 anos da geminação. Dando seguimento ao princípio de reciprocidade, Aljustrel recebeu, este ano, a representação francesa, constituída por eleitos, membros do comité de geminação, representantes da Associação Sport Clube União Aljustrelense, membros do Conselho da Juventude dos 14 aos 17 anos, do diretor da escola de música e de uma empresária da área da restauração. Ao longo destes 15 anos, os encontros que têm decorrido, alternada e anualmente nestas duas vilas, têm permitido aos habitantes destas comunidades trocarem experiências de âmbito cultural, social, desportivo, turístico e até económico. Razão pela qual, este ano, a comitiva francesa foi convidada a participar na Vin&Cultura. Do programa constou uma re- ceção nos Paços do Concelho, uma visita aos principais pontos e infraestruturas de interesse do concelho, e, à noite, um grande jantar convívio que contou com representantes da comunidade aljustrelense que esteve ou ainda está radicada em Hem. Na ocasião, foi ratificado pelo presidente da Câmara Municipal de Aljustrel e pelo “maire” de Hem, o acordo de geminação, que reafirma a vontade de prosseguir e de intensificar os intercâmbios entre as duas vilas. O presidente da Câmara Municipal de Aljustrel homenageou, ainda, todos os ex e atual presidentes da Associação Sport Clube União Aljustrelense. O sábado de manhã foi consagrado à visita à Strucflex (Pronal), uma empresa francesa instalada desde há um ano em Aljustrel, e à adega Vila Cortes, em Montes Velhos. A tarde foi dedicada à Vin&Cultura, tendo a comitiva hemense assistido às atividades que decorreram durante esta feira do vinho e da cultura, durante a qual fez uma demonstração de cozinha francesa e dado a conhecer alguns dos seus produtos regionais. Os membros do Conselho da Juventude franceses juntaram-se aos jovens de Aljus- trel com os quais partilharam as suas experiências e participaram nas atividades especialmente programadas para eles. No domingo, todos visitaram a galeria mineira de Algares e a zona envolvente. Depois, de um pequeno “buffet” de despedida, os franceses partiram com rumo a Hem. Este fim de semana foi rico e intenso em atividades, que permitiram trocar experiências e aprofundar as relações de amizade criadas ao longo destes anos de contactos entre as duas comunidades. Semana Cultural da Casa do Alentejo de Toronto Aljustrel leva EmCante ao Canadá Aconvite da Casa do Alentejo de Toronto (Canadá), uma comitiva do Concelho de Aljustrel composta por eleitos da câmara municipal, da assembleia municipal e das juntas de freguesia, pelo Grupo Coral do Sindicato Mineiro, pelo Grupo de Cantares Feminino de Aljustrel, pelo poeta popular, António Bernardino e pelo fadista, Luís Saturnino, deslocou-se a este país norte-americano, de 23 a 29 de outubro, para participar na Semana Cultural da Casa do Alentejo de Toronto. O Município de Aljustrel faz-se representar neste evento desde a década de 80. Na presente edição, a participação foi enquadrada e financiada no âmbito do projeto EmCante (despesas suportadas a 85% por fundos comunitários), que a autarquia candidatou ao Alentejo 2020, tendo como objetivo central a valorização e promoção de di- versas expressões do património cultural do concelho de Aljustrel e da região Alentejo, a partir do elemento estruturador que é o Cante Alentejano. Para além das atuações dos grupos e artistas convidados, da mostra de produtos do concelho e da representação das várias juntas de freguesia, o presidente da Câmara, Nelson Brito, aproveitou a ocasião para reunir com o secretário de Estado da Administração Interna e com o secretário de Estado das Comunidades, também convidados pela Casa do Alentejo de Toronto, tendo-se discutido as soluções de legalização de emigrantes no sistema canadiano e a possibilidade de instalação em Aljustrel de um Balcão do Emigrante. Na ocasião, o presidente da Câmara endereçou, ainda, ao secretário de estado das comunidades um convite para participação nas atividades no âmbito da geminação com a vila de Hem (França), a decorrer em novembro, em Aljustrel. Os eleitos locais foram igualmente recebidos pelo cônsul de Portugal em Toronto, pelo Sindicato da Construção Civil de Toronto e participaram em programas de televisão e rádio, onde aproveitaram para promover o Concelho de Aljustrel, o Alentejo e Portugal. Secretário de Estado das Comunidades

[close]

p. 7

Natal rima com local Câmara promove concursos para promover comércio local Está a decorrer, até ao dia 31 de dezembro, a campanha “Compras de Natal, são no Comércio Local – “Natal rima com local”, destinada aos estabelecimentos comerciais do concelho e a todas as pessoas com idade igual ou superior a 18 anos. N dezembro 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel esta quadra natalícia, a Câmara Municipal de Aljustrel está a levar, no- comerciais. Os concor- rentes serão 7 vamente, a cabo uma Campanha avaliados pelo de Dinamização do Comércio júri nomeado Tradicional, durante a qual vai que terá em promover diversas iniciativas. conta a origi- Assim, e devido ao sucesso nalidade e cria- dos anos anteriores, está a decor- tividade, a har- rer, até ao dia 31 de dezembro, a monia e estéti- campanha “Compras de Natal, ca do conjunto, são no Comércio Local – “Natal a iluminação, Município rima com local”, destinada aos as cores, for- estabelecimentos comerciais do mas e materiais concelho e a todas as pessoas com da decoração. idade igual ou superior a 18 anos. As normas Além disso, o “Concurso de de participação Montras de Natal”, promovido no concurso, e pela Câmara Municipal de Aljus- prémios atribu- trel, está a decorrer pelo 7.º ano ídos, podem ser consecutivo, desde 13 de dezem- consultadas no bro até 6 de janeiro de 2017. sítio da Câma- Os comerciantes do concelho ra Municipal aderiram uma vez mais a esta de Aljustrel em iniciativa, que tem como intuito www.mun-aljustrel.pt. promover, incentivar e dinami- Para mais informações, con- zar as comemorações natalícias tatar: gip@mun-aljustrel.pt ou e as decorações a ela associadas. oficinas2@mun-aljustrel.pt. Como habitualmente, este Tanto o sorteio do Concurso concurso destina-se a todos os “Compras de Natal...são no Co- comerciantes que possuem esta- mércio Local” bem como a en- belecimentos comerciais, em ati- trega dos prémios do “Concurso vidade no concelho de Aljustrel. Montras de Natal 2016” serão Este ano, a Câmara Municipal realizados no dia 7 de janeiro de estabeleceu uma parceria com o 2017, no Mercado Municipal de Agrupamento de Escolas de Al- Aljustrel a partir das 10h, e os justrel, no sentido dos estudantes resultados dos concursos divul- da turma de 11.º do curso de Téc- gados no mesmo dia, no sítio da nico Profissional de Comércio Câmara Municipal. colaborarem na decoração das montras dos estabelecimentos 10 dezembro Museu Municipal realizou Mercado MUMA OMuseu Municipal de Aljustrel realizou, no dia 10 de dezembro, o Mercado MUMA (Museu Municipal Aljustrel). Este mercado, que decorreu pela primeira vez no museu, permitiu aos visitantes vender, comprar e trocar artigos novos ou antigos e usados, como livros, jogos, roupa, sapatos, artigos de bebé, CD, bijuteria e artigos escolares bem como peças de artesanato a preços acessíveis. A animar o espaço esteve o Grupo Coral Infantil do C.A.I.M. (Centro de Animação Infantil Municipal). Neste dia, a entrada foi gratuita para todos os visitantes do Museu Municipal. É Natal Oficinas inauguram exposição de Heitor Figueiredo e dinamizam atelier de construção de brinquedos As Oficinas de Formação e Animação Cultural inauguraram, no dia 7 de dezembro, a exposição de brinquedos de Heitor Figueiredo. Nascido em Braga, em 1952, mas a viver em Cabeça Gorda, (Beja), Heitor Figueiredo tem o curso de cerâmica da Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis e da Cooperativa Árvore, no Porto, e foi aluno da Escola de Belas Artes na mesma cidade. Frequentou estágios e workshops tanto em Portugal, como junto dos mais afamados ceramistas de Espanha e Itália, e tem participado em vários simpósios de escultura em terra e em feiras internacionais de cerâmica, em Portugal e além-fronteiras. Em 2005, recebeu o Prémio Bienal Internacional de Cerâmica Artística de Aveiro. Além do seu talento como artista plástico, Heitor Figueiredo vem, agora, mostrar a sua paixão pelos brinquedos, nesta exposição que estará patente ao público até ao dia 7 de janeiro de 2017. Como habitualmente, visi- tas guiadas à exposição podem ser realizadas, mediante marcação prévia, às quartas-feiras das 9h30 às 12h30 horas, destinadas ao público escolar, e das 14h30 às 16h30 horas, para o público em geral. Ainda, durante as manhãs dos sábados, 10, 17 e 21 de dezembro, irá decorrer, entre as 10h00 e as 13h00, neste mesmo espaço, a Oficina de Construção de Brinquedos, “Vamos a Isto”, dinamizada pelo próprio Heitor Figueiredo, e com colaboração de José Pedro Silva e Catarina Reininho. Assim, no dia 10, teve lugar a oficina subordinada ao tema “O pescador” e orientada por Heitor Figueiredo, que se propôs utilizar rolhas, arames, paus de espetadas e outros objetos para construir brinquedos. No dia 17, José Pedro Silva ministrou a oficina “Toureiro e gaivota” e usou madeiras e fios. E no dia 21, será a vez de Catarina Reininho ensinar técnicas em papel para construir brinquedos.

[close]

p. 8

8 Aljustrel | Boletim Municipal | dezembro 2016 Administração direta Uma Câmara com rostos As intervenções da Câmara Municipal no modelo de administração direta são da responsabilidade da divisão técnica do município. As obras são realizadas aplicando meios próprios, ou adquiridos para o efeito, e que se destinam ao seu imobilizado. São exemplos destes trabalhos as pequenas intervenções urbanísticas, os ramais de águas e esgotos, trabalhos de jardinagem, construção civil, eletricidade, serralharia e carpintaria, entre outros, bem como algumas intervenções de maiores dimensões. Plantação de eelva no talude de Algares Obras Construção de ramal de água na Rua da Olivença Manutenção do Jardim 25 de Abril Construção de ramal na Rua 6 de Novembro Manutenção da envolvente ao Estádio Municipal Reabilitação de esgoto em Algares de Baixo Reparação de rotura na Avenida 1º Maio Reparação de rotura no Campo Desportivo do Messejanense Substituição da tubagem da rede de rega Montagem de placar eletrónico no Estádio Municipal Reparação dos projetores do Estádio Municipal Construção de queimador de velas Abertura de vão na CPCJ Apoio na montagem da Festa Branca Apoio na montagem das Quartas à Noite Apoio na montagem do Festival do Folclore em Jungeiros Apoio na montagem da Festa em Honra da N.ª Sr.ª do Castelo Construção de arruamento na Rua do Poder Democrático Local Construção de drenagem na Rua 5 de Outubro Construção de drenagem no Largo da Feira Construção de murete técnico no Bairro do Plano Construção de passeio junto aos gavetões Criação de anexo na Sociedade Recreativa da Corte V. Eanes Limpeza de bermas na EM530 Manutenção da relva do Estádio Municipal Montagem de guarda de proteção no CAPI em Messejana Pintura da Escola do Campo Esperança Pintura de ilhas no Bairro Azul Pintura de passadeiras na Avenida 1º Maio Pintura do pavilhão do Parque de Feiras Reabilitação da rotunda da Rua da Olivença Reabilitação de passeio na Rua D. Paio Peres Correia Reabilitação dos bancos de suplentes do Estádio Municipal Reabilitação do talude de Algares Rebaixamento de passeio na Rua 28 de Setembro Reparação de Passeio

[close]

p. 9

dezembro 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 9 Obras Parque Mineiro Projeto de requalificação da envolvente ao Malacate Vipasca A intervenção pretende ter um carácter minimalista de forma a preservar o ambiente e paisagem próprios das zonas mineiras. A área de intervenção proposta integra ainda um troço do Corredor Ciclável Aljustrel – Bairro de Vale d’Oca/Algares. Azona envolvente ao Malacate Vipasca é um importante ponto de visitação do futuro Parque Mineiro de Aljustrel, uma vez que será nesse local que se fará o acesso, através de elevador, ao interior da Galeria Mineira. Assim sendo torna-se necessário proceder ao melhoramento das condições de acessibilidade deste espaço e sua envolvente. Os acessos pedonais são insuficientes e em alguns casos inexistentes, pelo que a intervenção assentará fundamentalmente na criação de novos passeios em blocos de betão nas zonas circundantes, recolocação de calçada nos passeios existen- tes e colocação de uma camada de desgaste no betuminoso. Está igualmente prevista a definição de um percurso em betão poroso, que estabeleça a ligação entre os diferentes pontos de interesse e visitação, possibilitando e facilitando assim o acesso a todos os tipos de visitantes, incluindo os que tenham mobilidade condicionada. Na restante área, que corresponderá à zona de estacionamento automóvel será colocado saibro, devidamente compactado. Os canteiros e zonas verdes serão alvo de limpeza e replantação de forma a permitir o sombreamento de algumas zonas de estadia também pre- vistas. Será criado um pórtico de entrada constituído por gabiões de ferro e pedra que integrarão dois portões de acesso. A intervenção pretende ter um carácter minimalista de forma a preservar o ambiente e paisagem próprios das zonas mineiras. A área de intervenção proposta integra ainda um troço do Corredor Ciclável Aljustrel – Bairro de Vale d’Oca/ Algares. O projeto, que terá início em 2017, pressupõe um investimento de 231 mil e 459 euros, financiados a 85% pelo FEDER. Malacate Vipasca O primeiro nome deste poço foi Eyben, derivado do nome do primeiro administrador belga das Mi- nas de Aljustrel, em finais do séc. XIX. Na década de 60 do séc. XX, a mina de Algares foi remodelada e estabelecida ligação à Mina do Moinho, tendo então o seu nome sido alterado para Vipasca, como sinónimo de uma nova mina.

[close]

p. 10

Freguesias 10 Aljustrel | Boletim Municipal | dezembro 2016 Messejana 3ª Edição do “Messejana Natal” Os dias 10 e 11 de Dezembro, em Messejana, foram dedicados à realização da 3ª edição da Feira de Natal. Mais uma vez a Junta de Freguesia, em colaboração com a Câmara Municipal de Aljustrel, proporcionou à sua população um fim-de-semana dedicado em exclusivo a quadra natalícia. A feira contou com a participação de vários comerciantes e artesãos locais, havendo igualmente momentos dedicados à cozinha regional, nacional e internacional, ficando a animação a cargo da Orquestra Juvenil da SMIRA, do jovem acordeonista Tiago, grupo Cantares Feminino de Aljustrel, Maravilhas do Alentejo, Nelson Nunes e Grupo Coral os Camponeses de Val de Vargo. Para as crianças não faltou o Pai Natal e os seus ajudantes, tendo a neve contribuído para alegrar a festa, que encerrou com um belo fogo de artifício. A feira contou com a participação de vários comerciantes e artesãos locais, havendo igualmente momentos dedicados à cozinha regional, nacional e internacional, ficando a animação a cargo da Orquestra Juvenil da SMIRA, jovem acordeonista Tiago, Grupo de Cantares Feminino de Aljustrel, Maravilhas do Alentejo, Nelson Nunes e Grupo Coral os Camponeses de Val de Vargo. União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos Festas em Honra de St. Bárbara S. João de Negrilhos Mapeamento dos pontos de interesse na freguesia AJunta de Freguesia de S. João de Negrilhos está a efetuar o mapeamento de alguns pontos de interesse na freguesia, tendo por objetivo a sua classificação como património local. Este mapeamento pretende disponibilizar aos vários agentes locais, uma ferramenta no sentido da promoção da freguesia enquanto meio rural, com fortes tradições na área agrícola, nomeadamente no regadio, associando à paisagem natural, o casario tradicional, a observação da fauna e da flora, e as tradições imateriais, como o cante, as danças e a gastronomia. Com o intuito de assinalar mais uma data marcante para a comunidade aljustrelense, como é o caso do dia de Santa Bárbara, padroeira dos mineiros, que se comemora a 4 de dezembro, foi criada uma comissão constituída pela Paróquia de Aljustrel, a União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos, a Câmara Municipal de Aljustrel e a colaboração de várias instituições, que levaram a efeito um conjunto de iniciativas culturais e desportivas, entre os dias 26 de Novembro a 8 de Dezembro. Estas festas tiveram um significado extremamente importante na comunidade, pois visaram reconhecer, homenagear e digni- ficar todos aqueles que, de uma forma ou de outra, encontraram no subsolo, a muitos metros de profundidade e em condições por vezes desumanas, a sua forma de subsistência e das suas famílias, mantendo assim viva uma tradição secular. Destaque para a Grande Noite de Fados, de dia 2 de dezembro, no Sindicato Mineiro, e para o 6º Grande Prémio de Santa Bárbara - entre Bairros Mineiros, na modalidade de atletismo, que no dia 8 de dezembro encerrou com chave de ouro estas comemorações. Mais informações em www. jf-aljustrel.pt Ervidel Plano de asfaltamento prossegue OMunicípio de Aljustrel tem em curso um plano de asfaltamentos que se estende a todo o concelho. Algumas destas intervenções já foram concluídas, outras estão em execução ou em projeto. No caso concreto da freguesia de Ervidel, foram recentemente concluídas as intervenções nas ruas do Sertão, Aljustrel e Lisboa, melhorando as condições de circulação nesta artérias. O município entende que todas as intervenções de reabilitação urbana devem ser desenvolvidas de forma integrada, racionalizando recursos e evitando intervenções dispersas que possam revelar-se contraditórias.

[close]

p. 11

Património musical Banda filarmónica festejou 40 anos da sua reorganização A 16 de Julho de 1975, surge um novo fôlego, sendo a SMIRA reorganizada e instalada no Edifício das Escolas Reis. No dia 1 de dezembro de 1976, os músicos dão o primeiro concerto da reorganização da banda. A dezembro 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel Sociedade Musical de Instrução e Recreio Aljustrelense festejou o Associação de Bombeiros de Aljustrel, nu- 11 40.º aniversário da sua reorga- ma tentativa de nização. superar as di- As comemorações tiveram ficuldades em início no dia 12 de novembro manter o re- com um concerto de gala da gente de então. banda filarmónica com o Orfeão A música Coelima na Igreja matriz. suspende-se No dia 3 de dezembro, houve numa pausa Património uma arruada até ao edifício dos i nt er m i n áve l Paços do Concelho, e à tarde, de mais de vin- os músicos da banda atuaram, te anos. no Cine Oriental, com a banda Contudo, a dos Bombeiros Voluntários da 16 de Julho de Póvoa de Santa Iria. Durante 1975, surge um este concerto de aniversário da novo fôlego, SMIRA foram homenageados sendo a SMI- todos os músicos, ainda em vida, RA reorgani- que fizeram parte da primeira zada e instala- formação da banda que saiu ao da no Edifício público no dia 1 de dezembro de das Escolas 1976. Reis, por ce- As festividades terminaram dência do presidente da Câmara no dia 10 de dezembro, com a Municipal de Aljustrel de então. audição da Escola de Música, no Os estatutos aprovados em 1943 Cine Oriental. são readotados. A história da Sociedade Mu- No dia 1 de dezembro de sical de Instrução e Recreio Al- 1976, os músicos dão o primei- justrelense remonta a quase me- ro concerto da reorganização da tade do século passado. Fundada banda. Desde então não para- a 28 de Maio de 1942, por antigos ram mais e continuam a semear músicos de anteriores filarmóni- no concelho de Aljustrel renova- cas, entra em novo interregno das gerações de músicos. em 1952, após a sua fusão com a Rede de Museus do Baixo Alentejo Técnicos de museus lançam alerta sobre acessibilidade e inclusão No dia 21 de novembro teve lugar, no Auditório da Biblioteca Municipal de Aljustrel, o 3º Encontro da Rede de Museus do Baixo Alentejo (RMBA), subordinado ao tema: “Sem Acessibilidade não há Inclusão”. A promoção da acessibilidade constitui uma condição essencial para o pleno exercício de direitos de cidadania consagrados na Constituição Portuguesa, como o direito à qualidade de vida, à liberdade de expressão e associação, à informação, à dignidade social e à capacidade civil, bem como à igualdade de oportunidades no acesso à educação, à saúde, à habitação, ao lazer e tempo livre e ao trabalho. (INR, Guia Acessibilidade e Mobilidade para Todos, 2007) Ainda que Portugal possua um vasto e bom conjunto de legislação, promotor de medidas que permitam a utilização de instalações e espaços públicos por pessoas com qualquer tipo de condicionamento físico, verifica-se que apesar das boas intenções do legislador, na prática, muito há ainda por fazer. Conscientes deste facto, os técnicos que integram a Rede de Museus do Baixo Alentejo, consideraram prioritário privilegiar, no seu encontro anual de 2016, o tema das “acessibilidades”, como forma de alertar as tutelas e a sociedade em geral, para a necessidade de avançar mais rapidamente na adaptação dos espaços públicos da região, especificamente os museus. Para além deste importante alerta, foi estabelecido o diálogo com os especialistas convidados, no sentido de se obter consensos sobre um conjunto de medidas consideradas prioritárias e indispensáveis para melhorar as acessibilidades nos museus integrantes da rede. O encontro contou, na sessão de abertura, com a participação de Nelson Brito, presidente da Câmara Municipal de Aljustrel, de Ana Paula Amendoeira, Diretora Regional de Cultura do Alentejo, de Orlando Pereira, Secretário do Executivo Intermunicipal da Cimbal e de Artur Martins, coordenador da RMBA. Ana Rita Vilhena (Instituto Nacional para a Reabilitação) iniciou as palestras com o tema: “Acessibilidade é incluir a diferença, é acrescentar valor”. Depois de um momento para debate e de um intervalo para almoço, decorreu a mesa redonda: “Acessibilidades. O estado da arte e o direito à Cultura”, moderada, por Miguel Rego (Câmara Municipal de Castro Verde/RMBA) que contou com a participação de Lia Ferreira (Câmara Municipal do Porto), Carlos Pereira (Associação dos Deficientes das Forças Armadas), Isabel Benedito (ESDIME) e Dália Paulo (Associação Acesso Cultura), ao que se seguiu um debate de encerramento. Do Grão ao Pão Museu Municipal desenvolve projeto educativo para preservar memórias Oserviço educativo do Museu Municipal está a dinamizar junto dos alunos do 1.º e 2.º ciclos o projeto “Do Grão ao Pão”. Este projeto educativo para 2016/2017 pretende mostrar, através de atividades lúdicas e educativas, todo o processo tradicional do ciclo do trigo e do pão, desde a sementeira, até à moagem do cereal e transformação em farinha, ingrediente essencial no fabrico do pão e base da alimentação alentejana. Todas as atividades enqua- dradas nesta temática serão realizadas no núcleo museológico do Moinho do Maralhas e no espaço envolvente, local onde, em novembro, os alunos participaram na sementeira. Em março irão à monda e, em maio e junho, à ceifa e moagem do cereal. Ao longo do ano, o serviço educativo do museu irá ainda diversificar as suas ações e solidificar a sua presença junto do público, no sentido de preservar o património, divulgar memórias, objetos e sítios.

[close]

p. 12

12 Aljustrel | Boletim Municipal | dezembro 2016 O Presidente eleito da Comissão Administrativa, António A. Raposo, no uso da palavra História Um marco da democracia em Portugal Primeiras eleições autárquicas foram há 40 anos A 12 de dezembro de 1976 tiveram lugar as primeiras eleições democráticas para eleger os órgãos autárquicos, de acordo com a novíssima Constituição: Câmara Municipal, Assembleia Municipal e Assembleia de Freguesia. Propaganda partidária relativa à eleição autárquica de 1976 O25 de Abril vem encontrar Câmaras Municipais completamente inoperantes, paralisadas, onde estava praticamente tudo por fazer ao nível das infraestrutu- ras básicas, estradas, energia e educação, daí a importância de criar um poder de proximidade junto das populações, no sentido de mais rapidamente resolver os seus problemas básicos, justa- mente porque também deles tem conhecimento. Mas não foram tempos fáceis. As autarquias tiveram que começar praticamente do zero. Tinham pouca autonomia finan- ceira, faltavam máquinas e técnicos, pouco pessoal e tudo era feito ainda muito na base do voluntarismo. Contudo, beneficiaram do facto das populações concentrarem as suas queixas na resolução das necessidades mais básicas mas, ao mesmo tempo, participando solidariamente na sua resolução. Assim, no dia 12 de Maio de 1974, a CDE (Comissão Democrática Eleitoral), associação que congregava a maioria dos opositores ao regime em Abril de 1974, convocou um plenário popular de todos os habitantes do concelho com mais de 21 anos para o Campo de Futebol das Minas. Esta reunião magna, considerada exemplar na altura e apontada como modelo para os outros concelhos, serviu para a eleição da Comissão Admi- nistrativa do Município. Foram propostos doze nomes, embora qualquer pessoa pudesse inscrever no boletim de voto outros nomes. Desta eleição saíram seis eleitos que vieram a integrar a referida Comissão, sendo o nome mais votado o de António Alexandre Raposo, que ficou como Presidente. A Comissão eleita toma posse no Governo Civil de Beja, a 13 de Maio, com a presença de centenas de pessoas que acompanharam os eleitos a Beja. Celso Pinto de Almeida, como representante do Movimento Democrático, referiu então no seu discurso: “A realização desta cerimónia constitui um passo muito importante, a nível regional, com vista à desfascização do País”, mostrando desde cedo a força que o Poder Local viria a representar para a democracia e o desenvolvimento de Portugal. Esta Comissão Administrativa tem a sua primeira reunião a

[close]

p. 13

1976 - Os resultados em Aljustrel foram: Câmara Municipal Inscritos 9402 Votantes Total % 7276 77,39% Abstenções Total % 2126 22,61% Brancos Total % 198 2,72% Nulos Total % 235 3,23% SIGLA Nº Candidatos Eleitos FEPU 1 António Alexandre Raposo PS 2 António José Larguinho Ramires FEPU 3 Luís Maria Bartolomeu Afonso da Palma FEPU 4 Sérgio Hilário do Ó PS 5 Manuel Mateus Lourenço Pereira Votação por Partido Total Percent. Mandatos FEPU 4276 58,77% 3 PS 2567 35,28% 2 Assembleia Municipal Inscritos 9402 Votantes Total % 7272 77,35% Abstenções Total % 2130 22,65% Brancos Total % 217 2,98% Votação por Partido Total Percent. Mandatos FEPU 4254 58,50% 5 PS 2596 35,70% 3 Nulos Total % 205 2,82% Os resultados por distrito: dezembro 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 13 14 de Maio de 1974, tendo sido apenas tratados assuntos de gestão corrente. Passados cerca de dois anos e meio, têm lugar as primeiras eleições democráticas para eleger os órgãos autárquicos, de acordo com a novíssima Constituição: Câmara Municipal, Assembleia Municipal e Assembleia de Freguesia. Esta eleição foi marcada para 12 de dezembro de 1976. O facto de serem eleições diferentes das legislativas, em que se votava para três órgãos independentes ao mesmo tempo e também porque a generalidade dos cidadãos desconhecia as competências atribuídas a cada órgão, levou a que a Comissão Nacional de Eleições difundisse um folheto explicativo para esse efeito No concelho de Aljustrel apenas concorrem duas listas, uma do Partido Socialista e uma da Frente Eleitoral Povo Unido (FEPU) coligação composta pelo Partido Comunista Português, pelo MDP-CDE (Movimento Democrático Português) e FSP (Frente Socialista Popular). É eleito Presidente da Câmara o António Alexandre Raposo, cabeça de lista da FEPU, que obtém no conjunto 3 mandatos, tendo o Partido Socialista obtido 2. História Antes do 25 de Abril Na Idade média os Municípios eram um sinónimo de liberdade. O rei e a nobreza tinham muito pouca ou nenhuma influência dentro dos muros de uma povoação e foi a força do poder municipal que forçou o rei a conceder a participação do Povo (através do seus representantes municipais) nas Cortes (Assembleias Magnas da nação). Em teoria, os vereadores municipais teriam competências no que respeita a caminhos, fontes, chafarizes, pontes, calçadas, poços, cabia-lhes mandar semear e criar florestas nos montes baldios. Tinham ainda competência para aprovar posturas, para lançar taxas, realizar despesas, lançar fintas e acorrer a despesas que não possam ser satisfeitas com as receitas ordinárias, mas na realidade as Câmaras, de um modo geral, não tinham dinheiro para efetuar grandes obras e a corrupção entre os seus membros era muito significativa. Com o advento do liberalismo no séc. XIX alteraram-se algumas coisas no governo municipal, desde logo a eleição da vereação que deixou de ser em função da posição social do candidato e passou a ser em função da sua posição económica. Contudo, o que se pretendia era tornar as autarquias uma extensão do Estado. Por isso, o Decreto n.º 23, de 16 de Maio de 1832, definia que “as autarquias passavam a instrumentos do poder central”. Tratava-se, pois, de construir um aparelho administrativo “disciplinado, obediente e eficaz” para vencer as resistências à Razão e assegurar a necessária centralização do Estado. A Vereação eleita pela população, de facto, tinha poucos poderes uma vez que a Câmara era gerida pelo Administrador do concelho, nomeado pelo Governo. A primeira Constituição republicana vem consagrar algumas medidas que apontam para uma descentralização municipal consagrando-se a autonomia financeira dos “corpos administrativos” municipais e, consequentemente, dos municípios. No entanto, mantém a figura do Administrador do concelho com os mesmos poderes. O regime fascista voltou a centralizar o poder municipal, criando três órgãos de gestão, o Senado Municipal, órgão corporativo por excelência e que se assemelhava à assembleia dos homens-bons do Antigo Regime; a Câmara Municipal, composta pelos Vereadores eleitos e o Presidente da Câmara nomeado pelo Governo, desaparecendo o cargo de Administrador. Estamos nitidamente perante uma fase autoritária em que os órgãos autárquicos perderam toda a autonomia face a uma política de governamentalização de toda a política municipal.

[close]

p. 14

14 Aljustrel | Boletim Municipal | dezembro 2016 Empreendedorismo Herdade da Granja Azeite de nível mundial produzido no nosso concelho Surpresa para alguns, para outros nem tanto. Bem perto de Jungeiros, na Freguesia de S. João de Negrilhos, Concelho de Aljustrel, produz-se azeite da melhor qualidade. Falamos da Herdade da Granja, onde Felipe Feliciano e a sua esposa, Maria de Fátima Feliciano, estão a desenvolver um projeto agrícola e agroindustrial de excelência que o Boletim Municipal de Aljustrel dá agora conhecer. pelo toque de quem tem como objetivo “produzir um azeite de excelência e competir com os melhores do Mundo”. De regresso ao monte, ficámos a conhecer o processo de produção do azeite, no novíssimo lagar Herdade da Granja, que será inaugurado oficialmente no início de 2017. Tudo começa quando a azeitona, vinda diretamente dos campos, entra nas toldas e passa por um processo de limpeza e separação da folhagem, seguindo para os tegões, onde se separam algumas das variedades, de acordo com as indicações técnicas. Posteriormente entra-se no processo de extração, que é realizado através de tecnologia de ponta, extraindo-se o azeite a uma temperatura mais baixa do que é habitual na produção Felipe Feliciano, que nos recebeu amavelmente, viveu 25 anos em Angola, país pelo qual nutre um intenso afeto e onde geriu os seus negócios. Em 2011, ainda com residência fixa neste país africano, começou a desenvolver o projeto Herdade da Granja, com a recuperação e plantação de olivais, preparando o seu regresso a Portugal e um novo projeto de vida empresarial e pessoal. Regressado em definitivo a terras lusas, expandiu o projeto agrícola e iniciou a construção de um lagar de azeite de última geração, que desse sequência à transformação da azeitona de ótima qualidade produzida nos olivais da herdade. Acerca do projeto afirma que “toda a parte urbana, à exceção da casa, já existia, tendo sido reestruturada para receber as infraestruturas de apoio à atividade agrícola e o lagar de azeite”. Segundo o empresário “estamos já com 275 hectares de olival de várias qualidades, prevendo-se, durante o ano de 2017, o alargamento das áreas a mais 130 hectares, num total de mais de 400 hectares de olival”. No Alentejo, Filipe descobriu uma nova paixão. “Em Aljustrel encontrei o que de mais semelhante existe com África sol, cor, tranquilidade, ausência de obstáculos visuais…”. E foi precisamente este “amor à terra” que pudemos testemunhar numa visita guiada à Herdade da Granja, acompanhados pelo empresário ao volante de um veículo todo-o-terreno. Hectares e hectares de olivais de várias qualidades, acarinhados

[close]

p. 15

Visita do presidente da Câmara dezembro 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 15 Empreendedorismo corrente. O produto final é de excelência. Finalmente passa-se à fase do armazenamento, que antecede a entrada do produto no mercado. Segundo Felipe Feliciano, “O objetivo é que seja o mercado a procurar o nosso produto e não nós a procurar o mercado. Planeamos produzir 170 toneladas de azeite extra virgem de altíssima qualidade, que será maioritariamente exportado para os mercados mais exclusivos e exigentes do Mundo”. Em simultâneo, o empresário traça objetivos de vida pessoais: “queremos viver felizes nesta terra maravilhosa que é Aljustrel e que tão bem nos acolheu”. O Azeite A história A palavra “azeite” encontra a sua origem na junção das palavras árabes “az + zait” e significa “sumo da azeitona”. A oliveira faz parte da nossa cultura desde os primórdios da civilização, aquando da sua introdução na zona do mediterrâneo por fenícios. Do seu fruto, a azeitona, surge o azeite. Parte integrante da nossa cultura e dieta, o azeite tem vindo a ser comummente utilizado pelos povos dos países da bacia do mediterrâneo. Vantagens na saúde Estudos em todo o mundo atribuem ao azeite vantagens incontestáveis. É uma gordura com elevada digestibilidade e rico em ácidos gordos monoinsaturados. É também fonte de vitaminas (A, D, E e K), tem um elevado poder antioxidante, retarda o envelhecimento celular, favorece a absorção de cálcio, a mineralização óssea e o crescimento, acelera os processos metabólicos, reduz a prisão de ventre, favorece a absorção de outras vitaminas e sais minerais e tem efeito protetor comprovado contra alguns cancros (mama e intestino). Alentejo produz 76% de todo o azeite em Portugal A produção de azeite em Portugal atingiu, em 2015, o terceiro maior volume dos últimos 100 anos e a Casa do Azeite, associação que representa produtores e embaladores de azeite, já reviu em alta as previsões de produção para os próximos quatro anos. No ano passado foi possível produzir 106 mil toneladas, mais 75% em comparação com 2014. O Alentejo já produz 76% de todo o azeite em Portugal. Apesar do aumento da produção de azeite, Portugal mantém a quarta posição entre os maiores produtores europeus, depois de Espanha (que lidera), Itália e Grécia. (Informação Casa do Azeite. Tendo em conta que uma tonelada de azeite virgem extra indiferenciado pode valer cerca de três mil euros, a produção do Alentejo na campanha de 2015/2016 poderá representar “um volume de negócios estimado em 228 milhões de euros, considerando apenas a venda de azeite a granel. Fontes: Ministério da Saúde e Casa do Azeite

[close]

Comments

no comments yet