Jornal do Sinpol 239

 

Embed or link this publication

Description

Jornal do Sinpol 239

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XXII - Dezembro de 2.016 - nº 239 ISSO É POLÍCIA CIVIL? Falta d’água, falta de aparelho de ar condicionado, falta de lâmpadas de reposição, banheiros sujos, mato alto, viaturas apodrecendo e fila enorme de cidadãos à procura de atendimento justamente onde o que mais falta são os recursos humanos. O Jornal do Sinpol mostra nesta edição a situação preocupante do prédio que abriga quatro unidades da Polícia Civil em Ribeirão Preto (página 02). Mostra também que a Polícia Civil perdeu 3 mil policiais desde 2011, quando Geraldo Alckmin assumiu o governo do Estado além da falta geral de policiais civis (página 08). E mostra ainda que existem aprovados em concursos prontos para assumir, mas falta vontade política do governo em nomeá-los (página 05). DISE RIBEIRÃO FAZ GRANDES APREENSÕES Especializada apreendeu 115 porções e 35 tijolos de maconha com marceneiro. Em outra ação, policiais civis apreenderam 50 quilos de maconha. Veja como foram as ocorrências na página 13. E MAIS: 4 DIG de Araraquara soluciona caso de empresário carbonizado; 4 Jurídico do Sinpol obtém novas conquistas; 4 Saiba como foram as eleições no Sinpol; 4 DIG São Carlos elucida morte de jovem. CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA SINPOL PEDE PROVIDÊNCIAS A DGP O delegado Geral de Polícia, dr. Youssef Abou Chahin, visitou o Deinter-3 em Ribeirão Preto e recebeu o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, que levou uma série de reivindicações. Saiba como foi o encontro na página 14. Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS Foto: Divulgação SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br O Sinpol está participando ativamente das manifestações contrárias à PEC da Reforma da Previdência, que prejudica policiais civis da ativa e Daepzoseenmtabdorso. /O2p0r1ej6uízo será enorme para a categoria. Leia na Página 03.

[close]

p. 2

DENÚNCIA EM CONDIÇÕES PRECÁRIAS Vice-presidente do Sinpol denuncia condições de trabalho registradas no prédio que abriga 1º DP de Ribeirão Preto, CPJ, DISE e DIG Mesmo às vésperas de receber a visita do Delegado Geral de Polícia, dr. Youssef Abou Chahin, que ocorreu no dia 25 de novembro (leia matéria nesta edição), o prédio que abriga o 1º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto, a CPJ (Central de Polícia Judiciária, a DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) e a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) não conseguia esconder as condições precárias em que se encontra. O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, esteve pessoalmente no local para constatar as péssimas condições do imóvel, que é o de maior movimento na região do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e responsável pela Polícia Civil em 93 cidades da região. Segundo Célio, além do imóvel ser antigo e histórico, o que já contribuiria para não ser um local adequado para as atividades policiais, também não vem recebendo manutenção adequada e tem se tornado um local insalubre. Logo que adentrou ao imóvel, o vice-presidente do Sinpol se deparou com uma situação bastante comum nas delegacias, diante da falta de policiais civis: uma enorme fila de pessoas aguardava atendimento na unidade. Alguns estavam lá havia horas. Célio dirigiu-se a uma cozinha no andar térreo e constatou que não havia água nas torneiras. Também não tinha água sequer para os policiais e usuários da delegacia beberem. Havia apenas uma garrafa de água mineral que foi comprada pelos próprios policiais civis para consumo. Em seguida, foi até a sala dos flagrantes da CPJ, que estava sem iluminação. Não se soube precisar se foi problema elétrico ou lâmpada queimada. Passando por um banheiro, o vice-presidente do Sinpol constatou que o local estava imundo, inclusive pela falta de água. Na porta, havia uma poça de sangue já seca. Tudo isso por conta de que a CPJ está sem faxineiras em número suficiente para executar a limpeza do local. Para agravar a situação, este banheiro é arriscado para quem necessita utilizá-lo, uma vez que é preciso passar pela sala de flagrantes, onde normalmente há presos algemados aguardando a conclusão de seus casos, sem contar o mau cheiro por dois dias sem água na descarga. Prosseguindo, o diretor do sindicato passou por uma sala de radio telecomunicação, onde não havia sequer aparelho de ar condicionado. Apenas um velho ventilador para tentar minimizar a situação. Havia inclusive o aparelho Fênix, de alta tecnologia, sem refrigeração adequada para sua conservação. Subindo ao andar superior, onde estão instalados o 1º DP e a DISE, Célio fez novas constatações. Num dos corredores da ala da DISE, apenas uma luminária acendia. As demais estavam com lâmpadas queimadas. Na ala do 1º DP também havia um número grande de luminárias apagadas, por conta de lâmpadas queimadas. Populares que estavam no local e preferiram não se identificar, disseram que o local chega a ficar muito escuro ao entardecer. Descendo ao piso térreo, na ala da DIG, mais lâmpadas estavam queimadas e poucas luminárias faziam a iluminação do local. No pátio onde estavam as viaturas, o mato está alto. Várias viaturas danificadas e sem condições de uso estão praticamente abandonadas e estragando dia após dia. Sem manutenção, os veículos apodrecendo acabam se transformando criadouros do mosquito da dengue. “Trabalhei neste prédio na década de 1970. Já era um prédio velho, mas sua conservação era excelente. Nos fundos, onde hoje há o mato alto e os veículos abandonados e quebrados, apodrecendo, funcionava uma ofici- na mecânica e de funilaria. Hoje é um criadouro de mosquitos da dengue e de roedores e escorpião. Isso mostra o total descaso do governo, da Secretaria da Segurança Pública e da própria chefia, que não destina uma verba necessária para manter o prédio. Banheiros sujos e exalando mau cheiro. Condições precárias de trabalho. Falta de água. Tudo o que vimos foi um prédio totalmente deteriorado e policiais civis que podem ser considerados Falta de funcionários para manter os banheiros e o ambiente limpo (foto à direita); equipamentos de tecnologia em salas sem aparelho de ar condicionado, que comprometem sua vida útil(foto abaixo)... ... e veículos apodrecendo por falta de manutenção (foto ao lado) são alguns dos problemas encontrados por Célio durante visita ao prédio que abriga quatro unidades da Polícia Civil no centro de Ribeirão Preto heróis por exercerem suas funções diante da falta de condições mínimas para tanto. Vamos fazer uma representação e denunciar essa situação. É inaceitável. Nem mesmo a visita do delegado geral fez com que tentassem ao menos maquiar. É bom que ele veja isso e tome providências para mudar esse quadro lastimável”, disparou Célio. Até o fechamento desta edição, o problema da falta de água foi resolvido 02 Dezembro/2016

[close]

p. 3

SINPOL É CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, participou de reunião em São Paulo, no dia 25 de novembro, com sindicatos que integram a Feipol (Federação Interestadual dos Trabalhadores Policiais civis da Região Sudeste) e a constatação é desanimadora. Segundo Eumauri, o texto base tornará a realidade do profissional de Polícia totalmente inócua e nula. “Entre vários pontos prejudiciais, destacamse o fim da paridade, inclusive para quem já faz jus à aposentadoria; relativização do direito adquirido quanto à paridade, tempo de serviço e contribuição; idade mínima de 65 anos, inclusive para aqueles que já forem servidores ativos (até a idade de 50 anos, não haveria praticamente regra de transição, enquanto que para aqueles que já ultrapassaram tal limite de idade, deverá cumprir período adicional de tempo em relação ao regime atual); unificação dos limites remuneratórios dos regimes de previdência, que terão como teto aquele vigente, com o máximo definido pelo INSS; aumento da alíquota previdenciária, possivelmente para 14%; fim de todas as disposições próprias para o regime especial de aposentadoria”, enumera Eumauri. Segundo ele, á situação é de urgência e de calamidade para a existência das instituições de Polícia Judiciária no Brasil, havendo um tratamento díspar em relação aos militares de Forças Armadas, que terão, merecidamente, sua exclusão da proposta de Reforma da Previdência, sendo negociadas mudanças por lei complementar. O Sinpol vai se integrar a uma campanha de mobilização nacional. “Precisamos modificar a maldade do presidente Michel Temer, que é muito prejudicial a todos os policiais civis, tanto da ativa, quanto aposentados. A hora de lutar é agora. Depois de votada, pouco podemos fazer. O projeto tem apoio da grande mídia, dos grandes empresários e daqueles que são enganados pela imprensa ‘oficial’”, dispara Eumauri. No dia 07 de dezembro, o Sinpol participou de manifestação em São Paulo e participaria de reunião entre sindicalistas e técnicos do governo, que irá ocorrer após o fechamento desta edição, em 13 de dezembro, e que terá o resultado publicado no site. O sindicato pretende participar ativamente das lutas locais, regionais, estaduais e nacionais. “Temos absoluta certeza de que os prejuízos serão enormes e irreversíveis. Precisamos de grandes mobilizações. Contamos com todos os policiais civis. A luta é de todos. s prejuízos afetam a todos e não fiquem esperando que outros façam por você. Todos temos a obrigação de barrar essa absurda reforma previdenciária”, concluiu Eumauri. SINDICATO VAI MARCAR NOVO PLEITO SINPOL PEDE VERBA PARA DEJEC A presidente nacional do PTB Mulher, Marlene Campos Machado, esposa do deputado estadual Campos Machado, recebeu no dia 09 de dezembro, na Câmara Municipal de São Paulo, a MedalhaAnchieta por sua atuação política e social. O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata e o diretor-financeiro do sindicato, Júlio César Machado, estiveram presentes à solenidade e aproveitaram para pedir ao deputado apoio para os policiais civis em sua luta por mais recursos humanos e reajuste salarial. Além disso, Eumauri entrebou ofício (reprodução ao lado) pedindo ao deputado que inclua uma verba específica para ser aplicada no DEJEC, o “bico oficial da Polícia Civil” já para o ano de 2017. As eleições realizadas pelo Sinpol para a escolha da diretoria que vai gerir o sindicato no triênio 2017 a 2019 transcorreram em clima de normalidade. Apenas uma chapa concorreu ao pleito e obteve a maioria dos votos. Contudo, por conta do Estatuto que determina um quorum alto de votos, o processo não pode ser ratificado por apenas 15 votos. “Muitos associa- dos, por se tratar de chapa única, acharam que já estava definido o processo eleitoral e acabaram não votando. Para tanto, de acordo com nosso soberano Estatuto, nova eleição será realizada”, avaliou Eumauri. A data ainda não foi definida, mas assim que for, será amplamente divulgada através do site, do Jornal do Sinpol e de órgão de imprensa regional, de acordo com o Estatuto. Foto: Júlio César Machado A partir da esquerda, presidente da UPI, Jarim da Roseira; o delegado assistente da Corregedoria, dr. Rui Barachatti Guimarães Pereira, o delegado Corregedor, dr. Domingos de Paula Neto; o deputado Campos Machado e o presidente do Sinpol, Eumauri Dezembro/2016 03

[close]

p. 4

TEDITORIAL IRO PARA TODO LADO Parece que estamos no meio de um tiro- dos homens e 45 no caso das mulheres. Mas do trabalho da Polícia Civil e que, em nenhum teio. Nós, policiais civis, estamos defenden- quem tem mais de 50 e 46 anos, respectiva- momento questionaram esse tratamento de- do a Lei. Que não fomos nós quem criou, mas mente, também será afetado, tendo de aumen- sigual. Mas deram o alento aos policiais mili- que deve ser cumprida. Estamos defendendo tar seu tempo de contribuição restante em tares. Não foi a toa. o que é de direito, diante de uma saraivada de 50%. Os comandantes das PMs do Brasil se tiros. Mas, pasmem, os tiros não estão sendo Temos a certeza de que os técnicos do uniram e pressionaram o governo para serem disparados por bandidos. Estão sendo dis- governo não entendem nada de Polícia e só retirados da reforma. E conseguiram. Eles têm parados pela classe política. fizeram as alterações baseadas em números, esse direito. Mas nós, policiais civis, também Parece que o ano de 2016 chega a seu fi- ou seja, quanto custa para o governo pagar temos o mesmo direito e não podemos aceitar nal de forma apocalíptica. Os tiros vêm de as aposentadorias. Um equívoco absurdo que passivamente essa proposta de reforma ab- todos os lados. Do lado do Palácio dos Ban- coloca os policiais civis na vala comum. Pre- surda. deirantes, de um governador que se esquiva cisaremos muito lutar contra esse aborto. É chegada a hora de nos posicionarmos em cumprir sua obrigação, qual seja, dar se- Servidores que trabalham em uma área ex- para não termos que chorar depois. O Sinpol gurança à população. Não contrata, não rea- tremamente estressante, fato reconhecido vai participar de todas as manifestações e justa os salários já defasados e há quase três pela OMS (Organização Mundial de Saúde), contamos com a participação de nossos as- anos sem qualquer reposição salarial. que está constantemente correndo risco de sociados, pois juntos somos fortes. Não nos Mas o bombardeio está vindo de Brasília. morte, trabalha mais de oito horas diárias, cansaremos de lembrar que os prejuízos são A famigerada PEC da Reforma da Previdên- sábados domingos e feriados e em condições enormes, portanto, sua participação é funda- cia, que está tramitando, vai prejudicar por insalubre merece, por dignidade, a aposenta- mental. Lembre-se: a reforma afeta a todos. demais os policiais civis. As manifestações doria especial. Ainda que as notícias sejam péssimas, não começaram. O Sinpol tem participado ativa- Se os tais técnicos que ajudaram a escre- custa renovarmos as esperanças. Agradece- mente de todas. Vamos defender os direitos ver essa famigerada PEC da Reforma da Pre- mos a todos pelo empenho no ano que tive- de nossa categoria, contra essa medida vidência conhecem mesmo a realidade do tra- mos. E esperamos que 2017 seja menos preju- famigerada, que prejudica os policiais civis, balho de um policial civil, agiram de má fé ao dicial. Desejamos um Feliz Natal e muita es- ativos e inativos. causar tamanho prejuízo. perança em tempos melhores para todos. Os aposentados perdem o direito à pari- Curiosamente temos envolvidos dois ex- EUMAURILÚCIODAMATA dade e integralidade. Os ativos, porque fica secretários da Segurança Pública: o ministro Presidente do Sinpol (Sindicato dos cada vez mais difícil se aposentar. Afeta ain- da Justiça, Alexandre de Moraes e o presi- Policiais Civis da Região de Ribeirão da mais quem tem menos de 50 anos no caso dente Michel Temer, portanto, conhecedores Preto) Novos Associados Notas Associou-se ao Sinpol em maio o seguinte polici- Plano de Saúde 1 al civil: Atenção associados. Verifiquem a data de validade no cartão magnético do convênio São - Carlos Estevão Donato Vernille, investigador. Francisco, especialmente dos dependentes que cursam faculdade. Para que não ocorra carên- A diretoria do Sinpol dá boas vindas ao novo as- cia, a declaração escolar deverá ser enviada, impreterivelmente, 20 dias antes da data limite de sociado e está à disposição de todos os policiais ci- validade. Na dúvida, confira o verso da carteira do plano de saúde, onde consta a data do vis que quiserem integrar o quadro associativo do término da validade. Não deixe para a última hora. Maiores informações na Central de Atendi- sindicato. mento Sinpol, telefones (16) 3625-3890 / 3612-9008 / 3979-2627. Cantina para o Associado Falecimentos A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os se- cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas guintes falecimentos: novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, + Gabriela Serafim Urbano, filha do agente policial com Paulo ou (016) 99398-8820 com Cristina. Marcos Eduardo Urbano, ocorrido no dia 01/11; Errata + Álvaro Fernandes da Costa, pai do investigador Em nossa última edição, à página oito, na legenda da fotografia, mencionamos a diretora Paulo Sérgio Fernandes da Costa, ocorrido em 11/11; secretária do Sinpol, Fátima Aparecida da Silva, como sendo diretora financeira. Pedimos desculpas pelo equívoco. Na página nove aparecem, nas duas fotos, os diretores corretamente + José Carlos de Oliveira, carcereiro aposentado de citados nas legendas: Júlio César Machado, diretor financeiro e Fátima, diretora secretária. Casa Branca, ocorrido no dia 22/11; Lamentamos o erro. + Eliete Helena Borges Barbosa, irmã do escrivão Atenção policial civil Sônio de Assis Borges, ocorrido em 23/11. A diretoria do Sinpol alerta a todos os policiais civis associados que, se receberem intimação O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. para comparecer à Corregedoria ou a qualquer outro órgão, para depoimento, busquem antes orientação no Departamento Jurídico do sindicato. É direito constitucional que em todo e Aposentados qualquer depoimento, o depoente esteja assistido por um advogado. Plano de Saúde 2 Associados do Sinpol que ingressaram no quadro Devido a reclamações recebidas junto à Secretaria do Sinpol, a diretoria do Sindicato pede de aposentados em julho: - Claudia Silva Vieira, carcereira de 1ª Classe; - Teresinha Pereira Lage Pimenta, carcereira de 2ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poderem usu- aos associados usuários do Plano de Saúde que confiram suas cobranças de coparticipação em consultas e exames relativos ao uso do convênio médico. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelos telefones (16) 3612-9008 / 3625-3890. Atenção policiais civis O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, comunica aos associados que, caso necessitem de amparo na área jurídica relacionado à aposentadoria, assim como para acompanhar o andamento de ação já ajuizada, primeiramente entrem em contado com os diretores do Sindicato, fruir seus merecidos descansos com muita saúde e através de nossa Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 3625-3890 / 3977- alegria. 3850 para oportuno agendamento com o dr. Ricardo Ibelli. EXPEDIENTE O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: secretaria@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório,Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR FOTOGRÁFICO: Júlio Castro REPORTAGENS: Mariana Luque O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Boleto bancário emitido pelo Laboratório de Notícias DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Antonio Pereira Alvin Vanderlei Costa Aparecido Donizete Tremura MarcosAntonio Fernandes EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. 04 Dezembro/2016

[close]

p. 5

FRANCA TRAFICANTE É PRESO COM DROGA QUE RENDERIA R$ 150 MIL APROVADOS PEDEM APOIO DO SINPOL Investigadores que prestaram concurso em 2013 criaram comissão para tentar nomeação, diante da falta de vagas e da validade do concurso A mata da Rua Daladier Corrêa Neves, no quarto, havia 13 porções de cocaína prontas para Residencial Meirelles, funcionava como um es- a venda, uma vasilha que continha outro pó conderijo para o “acervo” de drogas que um esbranquiçado, além de R$ 100. traficante mantinha nas imediações de sua casa, Com o encontro da droga, o traficante teve localizada no mesmo bairro. Na noite de 09 de um prejuízo de R$ 150 mil. Essa quantia, de acor- dezembro, agentes da Dise (Delegacia de Inves- do com informações do delegado Djalma Batis- tigações Sobre Entorpecentes) encontraram os ta, responsável pela condução das investiga- entorpecentes e prenderam o acusado, um de- ções, poderia ser ainda maior. “Sem ‘batizar’ o sempregado de 20 anos. entorpecente, esses quilos renderiam mais de A apreensão dos quatro quilos de pasta- 15.470 porções de cocaína. Quando misturas- base de cocaína aconteceu em decorrência de sem a outros elementos, o dinheiro poderia ser uma denúncia anônima. Os investigadores fize- triplicado”, disse. ram campanas por um mês no local e constata- Levado à sede da delegacia especializada, o ram a traficância. Perto de sua residência, o ho- desempregado prestou depoimento e confes- mem foi abordado e confessou a venda de coca sou, novamente, ser traficante e assumiu a res- e maconha, indicando onde os entorpecentes ponsabilidade pelos entorpecentes. Ele foi au- estavam escondidos. tuado em flagrante por tráfico e recolhido ao Os policiais civis foram à mata e cavaram a CDP (Centro de Detenção Provisória) de Fran- terra que estava mexida e localizaram um saco de ca, onde permanece à disposição da Justiça. O lixo com drogas e uma balança de precisão. Na material e as drogas ficaram apreendidos na Dise. casa do traficante, no colchão da cama de seu Por: Marcella Murari - www.gcn.net.br Foto: Polícia Civil Policiais civis da DISE de Franca apreenderam droga que poderia render R$ 150 mil ao traficante preso durante a ação O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, recebeu na sede social do sindicato, no dia 25 de novembro, dois representantes dos candidatos aprovados no concurso para investigador realizado em 2013. Caio César Caetano Nascimento e Luiz Carlos Ferreira da Costa Júnior estiveram no sindicato para pedir apoio no movimento que estão organizando para pedir ao governo agilidade nas nomeações, diante da falta de recursos humanos na Polícia Civil. Durante a reunião, Caio e Luiz Carlos apresentaram dados sobre o concurso. Ele foi realizado para prover 129 vagas de delegado, 788 de escrivão e 1.384 de investigador. Em duas chamadas realizadas, foram nomeados 130 delegados, portanto um a mais do que o previsto no edital. Escrivães foram nomeados 781. Já os investigadores, que apresentavam na ocasião maior número de vagas, tiveram apenas 466 candidatos nomeados. “Temos mais de 1.000 candidatos esperando nomeação. Já para escrivães e delegados, o governo está inclusive nomeando remanescentes”, explicaram os representantes dos aprovados. Entre as alegações do grupo que aguarda a nomeação, estão a de que quando abre um concurso, já existe verba disponível. Além dis- O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, Luiz Carlos Ferreira da Costa Júnior, Caio Caetano Nascimento e a diretora-secretária Fátima Aparecida Silva, durante reunião so, não são novos cargos, mas reposições por morte, aposentadoria ou exoneração. Caio e Luiz Carlos calculam um déficit de pelo menos 3 mil investigadores para reposição. Eles também apresentaram um comparativo de investigadores que entraram e saíram da Polícia Civil, desde 2014. Entraram 669 e saíram 1.683. Segundo Célio, o Sinpol há muito vem cobrando essas nomeações, não somente dos investigadores, mas dos remanescentes deste concurso de 2013. “O governo justifica o injustificável. Como eles disseram, existe verba. Além disso, não estarão ferindo a Lei de Responsabilidade Fiscal, uma vez que são vagas de reposição”, explicou Célio. Horas após reunir-se com os investigadores aprovados, Célio encontrou-se com o dr. Youssef Abou Chahin, da DGP (Delegacia Geral de Polícia) e cobrou-lhe pessoalmente a questão - leia matéria nesta edição. O Sinpol estuda, inclusive, ingressar com ação judicial, caso outra entidade não o faça. E dá total apoio aos aprovados. “Existe necessidade urgente. O governo tem que parar com essa história de só ter olhos para a Polícia Militar. A Polícia Civil merece todo o respeito também”, disparou Célio. Dezembro/2016 05

[close]

p. 6

SÃO CARLOS DIG ELUCIDA MORTE DE JOVEM Suspeito confessou o crime e explicou em detalhes como teria executado a tiros desafeto após discutirem por conta de uma cerveja No dia 11 de novembro a Polícia Civil de São Carlos desvendou o homicídio de Douglas Aparecido dos Santos, de 24 anos, conhecido como Japão. O jovem foi atingido por três tiros entre o tórax e a cabeça após uma briga, no dia 22 de outubro. Seu corpo havia sido encontrado na Rua Aurora Godoy Carreira, no bairro São Carlos VIII, na região leste da cidade de São Carlos. Contudo, até então a história ainda apresentava alguns hiatos. Mas o suspeito confessou o crime e explicou os detalhes do ocorrido à DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de São Carlos, encarregada da investigação desse assassinato. Em posse dessas informações, a Polícia Civil pode analisá-las e permitindo solucionar o caso. O delegado responsável pelo caso, dr. Geraldo de Souza Filho, explicou aos jornalistas as afirmações do suspeito. Segundo o mesmo, os disparos contra Douglas ocorreram em resposta a ameaças da vítima de assassiná-lo utilizando um revólver calibre 38. Entenda o caso No dia 22 de outubro de 2016, as desavenças entre Japão e o acusado por sua morte iniciaram bem antes do homicídio consumado. Ambos estiveram em uma lanchonete, onde a vítima insistiu que o suspeito pagasse uma cerveja para ele. Uma discussão se iniciou no local, mas foi controlada e se encerrou. Mais tarde, na mesma noite, os dois se encontraram em uma lanchonete e Japão retomou a discussão. Nessa ocasião, foi iniciada uma briga física. A vítima, então, sacou um revólver, mas o acusado conseguiu alcançá-lo e cometeu o homicídio, disparando três tiros na região do tórax e da cabeça da vítima. Douglas morreu no local. Ocorrido isso, segundo o suspeito, moradores da região agrediram-no com pedras e golpes corporais, a socos e chutes. Dessa forma, ele tentou fugir de carro, porém seu veículo apresentou problemas. Ele abandonou-o e fugiu correndo. Japão foi encontrado por volta das 22 horas, próxima ao veículo. A Polícia Civil apreendeu o veículo para investigações. Contudo, até então, não havia sido possível identificar o acusado, o que reforça a importância de sua confissão. Sua história auxilia nas investigações, eliminando algumas hipóteses. A disposição do corpo, próximo ao carro, reforçava a possibilidade de que o homicídio houvesse sido cometido com base em um atropelamento. Acreditava-se que o suspeito havia fugido nessas circunstâncias. No entanto, o depoimento do acusado e a averiguação da Polícia Civil permitiram descartar essa teoria e desvendar os detalhes do assassinato de Douglas. Como o depoimento não representou homicídio e seu caso será representado junto flagrante, o autor dos disparos aguarda o ao Ministério Público. Ele deverá responder julgamento em liberdade, sem que sua prisão perante a justiça, possivelmente sendo fosse efetuada. Contudo, após seu julgado em júri popular. interrogatório, o acusado foi indiciado por Por: Mariana Luque Foto: www.saocarlosagora.com.br Dr. Geraldo: delegado conduziu investigações que levaram a esclarecimento do crime 06 Dezembro/2016

[close]

p. 7

JURÍDICO MAIS CINCO VITÓRIAS EM APOSENTADORIAS Departamento do Sinpol obteve duas vitórias garantindo aposentadoria especial e três em casos de reversão da LCE 1062 para a LCF 144 DR. PICINATTO RECEBE TÍTULO DE CIDADANIA Delegado Seccional de São Joaquim da Barra foi agraciado com o título de cidadão joaquinense por propositura do vereador Eder Agnelo Tavares O departamento jurídico do Sinpol obteve em novembro mais cinco importantes vitórias para os associados. Segundo os advogados que integram o departamento, Ricardo Ibelli e Viviane C. Ibelli Pinheiro, os cinco casos envolvem a aposentadoria especial. “São dois para policiais civis que estão pleiteando aposentarem-se com direito à paridade e integralidade e outros três casos de reversão de aposentadoria, isto é, são policiais civis que se aposentaram pela LCE (Lei Complementar Estadual) 1062/2008 sem direito à paridade e integralidade, mas que, graças a nossa ação de reversão de aposentadoria, conseguiram vitórias garantindo-lhes a aposentadoria especial”, explicam os delegados. De acordo com o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, o sindicato continua aguardando muitas outras vitórias. “O Sinpol tem obtido muitas conquistas em relação às aposentadorias. O governo simplesmente dá de ombros ao que determina a Lei Federal que norteia essa questão. Mas não vamos deixar os policiais civis que integram o Sinpol desamparados e vamos sempre lutar para que seus direitos sejam mantidos”, garante Célio. O agente de telecomunicações de Miguelópolis, Luiz Carlos Barbosa Lima, entrou através do Sinpol, com mandado de segurança. A sentença foi concedida, garantindo-lhe paridade e integralidade. Já a escrivã de Batatais, Ester Marina dos Santos, também ingressou com mandado de segurança e obteve liminar, que é antes da sentença, garantindo-lhe a aposentadoria especial. Nos dois casos, ainda cabe recurso. O escrivão de Araraquara, José Aparecido Zanelato; o investigador de Colina, Francisco Carlos Cadurim Lima e o delegado de São Carlos, Fernando Cezar Gurtler Izeppi, todos aposentados, ingressaram através do Sinpol com Ação de Reversão de Aposentadoria em suas respectivas cidades. Nos três casos, a ação foi procedente e foi determinada a reversão desde a data de suas aposentadorias. Porém, em todos os casos, ainda cabe recurso. “Estamos no caminho certo. Se o governo insiste em nos ceifar um direito legítimo e constitucional, vamos à luta. O departamento jurídico do Sinpol está sempre pronto para ajuizar novas ações e pleitear novos mandados de segurança”, conclui Célio. Diretores do Sinpol e integrantes do departamento jurídico comemoram vitórias O delegado Seccional de São Joaquim da Barra, dr. SebastiãoVicente Picinato, foi condecorado com o título de cidadão joaquinense, durante sessão solene realizada no dia 23 de novembro de 2016 no prédio da Câmara Municipal da Cidade. Ainiciativa da comenda foi do vereador Eder Agnelo Tavares. O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago e o diretor de Patrimônio, Arnaldo Vaz Ferreira, estiveram presentes à solenidade representando o sindicato. Para Célio, é sempre gratificante ver um policial civil recebendo este tipo de homenagem. “Sabemos da qualidade do trabalho do dr. Picinato. Mas é sempre bom saber que existe esse reconhecimento para com o trabalho de todos os policiais civis. Iniciativas como esta são sempre muito bem vindas para motivar o trabalho dos policiais civis, já que o governo do Estado não faz sua parte”, avaliou Célio. Visivelmente emocionado, o dr. Picinato agradeceu a iniciativa da edilidade de São Joaquim da Barra. “Sinto-me muito honrado ao notar que meu trabalho foi valorizado através desta bela homenagem”, destacou o delegado que recebeu a comenda. “É com esse gesto que posso ver o fruto de tudo aquilo que plantei durante minha carreira”, acrescentou. Histórico Dr. Piscinato é natural de Batatais, filho do sr. Sebastião Picinato e dona Rosa Gonçalves Picinato. É casado com Renata Nori e tem dois filhos. Formado em direito pela Faculdade de Direito de Franca, tem curso Dr. Picinatto entre os diretores do Sinpol, Célio e Arnaldo, durante solenidade de entrega do título de cidadania pela Câmara Municipal de São Joaquim da Barra de pós graduação em nível de especialização em Direito Penal e Processo Penal. Ingressou na Polícia Civil em 1987, como escrivão de Polícia, atuando nas cidades de Nuporanga, Sales Oliveira e São Joaquim da Barra. Em 1991, prestou novo concurso, desta feita para delegado e foi aprovado. Atuou no 57º DP (Distrito Policial), no Parque da Mooca, Capital. Passou por diversas delegacias e especializadas da região até assumir, em 12 de janeiro de 2010, a titularidade na Delegacia Seccional de Polícia de São Joaquim da Barra. Atualmente a Seccional, que integra o Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), responde pelas cidades de São Joaquim da Barra, Ipuã, MorroAgudo, Nuporanga, Orlândia e Sales Oliveira. Entre tantas atribuições, inclusive a de suprir as necessidades das unidades da Polícia Civil, o delegado tem por objetivo cumprir as diretrizes traçadas pela administração superior e as políticas da SSP (Secretaria da Segurança Pública), traçadas pelo Governo do Estado. E, sob este aspecto, outra importante tarefa do Seccional é propiciar condições para que a Polícia Civil realize trabalho com qualidade. “Destaco a atividade exercida pelo delegado de Polícia como integrante das carreiras jurídicas, haja vista que suas funções são revestidas de relevante importância, na medida em que com o dever de buscar da verdade através de técnicas e meios de prova previstos em lei, assume o papel de garantir dos direitos da pessoa investigada”, concluiu dr. Picinato. Dezembro/2016 07

[close]

p. 8

ESPECIAL POLÍCIA CIVIL PERDEU 3 MIL POLICIAIS COM ALCKMIN Desde que governador assumiu em 2011, os quadros da Instituição estão encolhendo, atingindo níveis alarmantes onde, segundo Sinpol, fica impossível trabalhar Célio mostra outdoor do Sinpol para conscientizar a população A reportagem veiculada no site dos anos. Já protestamos, já denunciamos, já G1.globo.com, no dia 04 de novembro, sob o pedimos ação do Ministério Público, mas o go- título “PM fica estável e Polícia Civil de SP perde verno continua ignorando a situação. Sem ne- 3 mil policiais na gestãoAlckmin”, vem reforçar nhum exagero, mas para colocar a Polícia Civil as constantes denúncias feitas pelo Sinpol, de com as mínimas condições de trabalho, seria que em toda a sua história a Instituição jamais necessário que o governador nomeasse pelo teve um índice tão baixo de policiais civis para menos 20 mil policiais civis no Estado. Só na atender a crescente população e combater a mais região de Ribeirão Preto, no mínimo 6 mil polici- que crescente criminalidade, que vem tomando ais são necessários”, avalia Eumauri. conta do Estado. De acordo com a reportagem do G1, a Polícia Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Civil perdeu 3 mil policiais desde que Geraldo Lúcio da Mata, o sindicato vem denunciando a Alckmin assumiu o governo do Estado em 2011. questão há vários anos, ainda nos tempos em Os dados foram obtidos através de levantamen- que Mário Covas era governador do Estado. to realizado pelo G1 com dados do Diário Oficial “Desde que o PSDB assumiu o governo, nos- e do Portal da Transparência. Em contrapartida, sos salários foram achatados, nosso prestígio o efetivo da Polícia Militar pouco se alterou no desapareceu, nosso padrão de vida caiu e os período. De acordo com o G1, a taxa de ocupa- recursos humanos são cada vez mais escassos. ção dos cargos da Corporação sempre se man- É um problema que vem se agravando ao longo teve na casa dos 95%. Segundo o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, a diferença de investimento é clara. Aponta a priorização de uma Polícia de confronto e acirra uma competição já existente entre as duas forças policiais. “É sempre a mesma história. O governo diz que não há diferença entre as duas Polícias, mas qualquer um pode ver que há, sim, uma grande distinção. E a falta de recursos humanos só tem aumentado com o governador Alckmin. Ou ele enfrenta o problema de frente e nomeia um número que atenda realmente as necessidades da Instituição, ou vai continuar impossível prestar um serviço de Polícia Judiciária à população. O serviço não está sendo feito a contento, a população está doente e, com a sobrecarga, o policial civil está adoecendo, envelhecendo e, em muitos casos, até mesmo desistindo da carreira. Renovação é a palavra mágica para salvar a Polícia Civil”, acrescenta Célio. Defasagem Na reportagem, o G1 revela que Alckmin encontrou a Polícia Civil com uma defasagem de 13% no número de funcionários. A Instituição deveria contar com 35.337 policiais, mas apenas 30.714 estavam em atividade. Pressionado pelo Sinpol e demais entidades representativas, Alckmin publicou em julho de 2013 a LCE (Lei Complementar Estadual) 1206 determinando que o contingente da Polícia Civil fosse ampliado e composto por 36.506 profissionais - já excluindo o cargo de carcereiro, que acabou extinto pelo próprio governador em mandato anterior. De acordo com o G1, a LCE 1206 adicionou 1.169 cargos aos quadros da Instituição, especificamente na SPTC (Superintendência da Polícia Técnico-Científica).As vagas foram anunciadas, mas segundo o texto, não foram ocupadas integralmente e o próprio governo não dá previsão para que sejam. Na sequência, o dado mais contundente. Após quase seis anos da gestão Alckmin, o déficit de policiais civis, na verdade, quase dobrou segundo dados obtidos no Portal da Transparência. Subiu para 24%. Ou seja, já são 8,7 mil policiais a menos que o previsto em Lei. Em outubro de 2016, o efetivo era de apenas 27.714, distribuídos em 13 cargos: delegado, investigador, escrivão, perito, fotógrafo técnicopericial, desenhista técnico-pericial, papiloscopista, auxiliar de papiloscopista, médico legista, auxiliar de necropsia, atendente de necrotério, agente de telecomunicações e agente policial. Segundo o G1, dos 13 cargos, nove tiveram queda na quantidade de funcionários desde 2011. As únicas que tiveram aumento foram as carreiras de perito e auxiliar de necropsia, com crescimento em torno de 1%. “Na verdade, esses números são obtidos de acordo com os dados que o próprio governo divulgou anos atrás. Estão subdimensionados. A Polícia Civil, para funcionar adequadamente hoje em dia, deveria contar com pelo menos 50 mil policiais civis na ativa, em todo o Estado. Se analisarmos que entre os 27.714 policiais verificados pelo G1 no mês de outubro de 2016 estão vários afastados por férias, problemas de saúde ou outras situações, não estamos errados em afirmar que a Polícia Civil, hoje, funciona com menos da metade de funcionários de sua real necessidade. Basta pesquisar no portal do IBGE [Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística]. Em 2011, de acordo com censo de 2010, a população do Estado estava em 41,2 milhões de habitantes. Em 2016, a estimativa do IBGE é de 44,7 milhões. Isso representa um crescimento de 8,5% da população. Enquanto isso, a Polícia Civil encolheu 11% no mesmo período. É para chorar de desespero. E o governo continua dando de ombros, 08 Dezembro/2016

[close]

p. 9

fazendo nomeações pífias, apenas para figurar na mídia”, dispara Eumauri. Reforço No dia 21 de novembro, em cerimônia realizada no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, 722 aprovados em concursos públicos tomaram posse de seus cargos. Para a Polícia Civil, o governo anunciou 587 novos nomeados, sendo 80 delegados, 120 investigadores e 387 escrivães. Já para a SPTC foram nomeados 35 médicos legistas, 25 peritos, 50 auxiliares de necropsia e 25 fotógrafos, totalizando 135 novos integrantes. Durante a cerimônia, tantoAlckmin, quanto o secretário da Segurança Pública, dr. Magino Alves Barbosa Filho; o delegado Geral, dr. Youssef Abou Chahin e o superintendente da SPTC, Ivan Miziara, deram boas vindas aos recém nomeados. Contudo, apesar de toda pompa da cerimônia, os 722 novos policiais civis ainda terão que cursar a Academia, passando pelo processo de formação. O Jornal do Sinpol entrou em contato com a Assessoria de Imprensa e Comunicação da SSP, através do telefone (11) 3291-6685, fazendo os questionamentos. O repórter foi orientado a enviar um e-mail para imprensassp@cdn.com.br e aguardar as respostas, o que foi feito no dia 23 de novembro às 15h26. Até o fechamento desta edição, a Assessoria de Imprensa da SSP não Alckmin tem evitado diálogo com lideranças dos policiais civis para enfrentar o problema de frente respondeu aos questionamentos sobre quanto tempo leva o curso de formação dos novos policiais civis; quantos deles virão para o Deinter3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e que atende 93 cidades da região; e quantos novos policiais civis foram oficialmente designados para o Deinter-3 desde 2011. Na reportagem sobre a nomeação dos novos policiais civis do site da SSP, a Assessoria de Imprensa e Comunicação cita que, desde 2011, o governo investiu na contratação de 3.638 policiais civis e 692 técnico-científicos. Além disso, há mais 37 policiais civis e técnico-científicos em formação na Acadepol, mas não especificou de que carreiras. O governo anunciou também a posse de 20 técnicos de laboratório e 93 oficiais administrativos para a SPTC, porém não disse como serão distribuídos. “Esses números são tímidos demais. O governo faz o seu já tradicional jogo de mídia. Diz ter contratado mais de 3 mil policiais civis desde 2011. Então como a Polícia Civil continuou encolhendo? Além disso, se analisarmos os 387 escrivães recém-empossados, a carreira com maior número, isso seria insuficiente para destinar ao menos um escrivão para cada cidade do Estado. Não estamos falando de delegacias. Se destinar um escrivão para cada cidade, pouco mais da metade dos 645 municípios seria atendida. Delegados e investigadores, então, o núme- Foto: jornalggn.com.br Com a falta de policiais civis, população é obrigada a enfrentar uma longa jornada nas delegacias ro acaba sendo uma piada. De muito mal gosto, entenda-se. Essa manipulação dos números nada resolve a real necessidade da Polícia Civil. Se o governo quiser, de fato, encarar esse problema de frente, deve ser mais ágil e transparente. Ágil no sentido de acelerar o processo para abertura e realização de novos concursos e chamar aprovados remanescentes dos concursos em aberto imediatamente. E transparente mostrando onde cada um dos nomeados irá trabalhar. Sabemos que em alguns locais da Capital e Grande São Paulo, a carência de policiais civis é sentida. Mas em muito menor grau que no interior. E na grande maioria das unidades da Capital, dificilmente se vê falta de policiais civis como enfrentamos nas demais unidades do interior”, questiona Célio. Justificativas A reportagem do G-1 publicou a versão oficial. A Secretaria da Segurança Pública afirma que o quadro na Civil foi agravado por conta da Lei Complementar 144/2014, que estabeleceu em 65 anos o limite de idade com a qual os policiais podem atuar. Com ela, 862 policiais foram aposentados compulsoriamente entre 2014 e 2015. A lei foi revogada depois, mas os cargos não foram restituídos automaticamente. A pasta também aponta a "pior crise econômica da história do país" como um empecilho para a reposição do efetivo da Polícia Civil. Segundo a secretaria, a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) limita os gastos do governo com o funcionalismo público a no máximo 46,55% do que ele arrecada. Como as receitas caíram, os gastos, então, não poderiam aumentar. O governo se diz "obrigado" a seguir a lei. "São Paulo tem reconhecido histórico de cautela fiscal, continuará respeitando os limites da LRF e, em respeito ao contribuinte, efetuará as contratações conforme a disponibilidade orçamentária", afirmou a administração estadual. A própria LRF, no entanto, ressalta que a proibição de contratações não se estende à reposição decorrente de aposentadoria ou morte de servidores das áreas de saúde, educação e segurança. De acordo com o Portal da Globo, a situação mais crítica dentro da Polícia Civil é a de médico legista. Quase uma centena deles, segundo o site, teria deixado a Instituição nos últimos dois Dezembro/2016 09

[close]

p. 10

mandados de Alckmin que, curiosamente, também é formado em medicina. Servidores ouvidos pelo G1 afirmam que, em cidades do interior, não são raros os casos em que o auxiliar de necropsia faz as vezes do legista. “Mas não é só nesses casos. São muitas as exceções, que viram regra. Na falta de delegado, é o escrivão que toca o inquérito, em muita cidade que não tem delegado titular pelo interior afora. Na falta de papiloscopista, quem faz o trabalho é justamente o auxiliar de papi. Se falta investigador, quem atua é o carcereiro ou o agente policial. E assim caminha a Polícia Civil. Infelizmente nessa questão, não há nenhuma novidade. Tanto que o Sinpol, constantemente, orienta seus associados a entrar com ação jurídica para garantir o acúmulo de função. Já temos diversos casos onde obtivemos vitória”, relata Célio, o vice-presidente do Sinpol. Aposentadorias e exonerações De acordo com o G1, os casos de aposentadorias e exonerações representam uma diminuição de 18% na quantidade de médicos quando comparados os registros de 31 de dezembro de 2010. Com a queda, a defasagem na carreira, que já era considerável antes deAlckmin, atingiu índices alarmantes: quase metade das vagas estão desocupadas. Já em números absolutos, segundo o G1, as carreiras de investigador e escrivão apresentam a maior redução de pessoal no período. Milhares de policiais deixaram seus postos e a reposição do governo não acompanhou o ritmo das saídas. Segundo a última atualização do Portal da Transparência, as duas carreiras têm, juntas, 2.195 policiais a menos do que há seis anos. De acordo com o vice-presidente do Sinpol, essa situação é facilmente verificada. “Muitos profissionais estão deixando a Instituição por vários motivos. O principal deles é a falta de condições de trabalho. Com a falta de recursos humanos, todos ficam sobrecarregados e, por consequência, desmotivados. Junte-se a isso o fato de não termos reajuste salarial há mais de dois anos e não haver qualquer perspectiva de que isso ocorra, a situação só se agrava. Muita gente está abandonando a Polícia Civil. E quem pode se aposentar, não perde tempo. Vai embora mesmo. O resultado é que a Polícia Civil envelheceu e encolheu demais”, lamenta Célio. PM manteve De acordo com o Portal G1, a Polícia Militar não tem sofrido o mesmo problema que a Polícia Civil. A reportagem mostra números que comprovam essa constatação. Desde que Alckmin assumiu, vem sendo mantido o índice de ocupação dos cargos da PM na casa dos 95% e, em outubro de 2016, 89.057 policiais militares estavam na ativa, de acordo com dados levantados. Isso representa mais que o triplo de policiais civis na ativa. O criminalista Daniel Bialski, ouvido pelo G1, acredita que a diferença na contratação de policiais civis e militares acirra uma espécie de competição que já existe entre as duas forças. “Isto vai do campo de atribuição funcional até a salarial. Uma não aceita ser preterida em privilégio da outra. E ambas têm razões. O nivelamento deveria ser em prol da valorização das carreiras, o que não tem sido observado pelo governo”, afirma. Já para Rafael Alcadipani, também ouvido pelo G1 pelo Fórum de Segurança Pública, a diferença entre as duas Polícias é evidente. “Governar é fazer opções.Ainda mais em uma época de crise econômica. E a opção que o governo tem feito é clara e transparente: fortalecer a PM e enfraquecer a Civil”. Em uma coisa, todos concordam: os salários não estão favorecendo nem aos policiais civis, nem aos militares. Todos estão sem receber reajuste há mais de dois anos. O descontentamento já começa a ganhar espaço na mídia e os policiais civis estão se organizando para realizar protestos. O Sinpol tem mantido contato com outras entidades representativas e com a Feipol Sudeste (Federação Interestadual dos Trabalhadores Policiais Civis da Região Sudeste) para programar, logo no início de 2017, paralisações, protestos e até mesmo passeatas, denunciando a situação caótica da Polícia Civil. “O governo dá desculpas infundadas. Fala em seguir a Lei de Responsabilidade Fiscal para não contratar como deveria e não praticar reajustes. Mas a própria Lei é específica, não se estendendo à reposição decorrente de aposen- Eumauri: “já protestamos, já denunciamos, já pedimos ação do Ministério Público, mas o governo continua ignorando a situação” tadoria ou de morte de servidores nas áreas de saúde, educação e segurança. Ou seja, não faz porque não quer. Ele vive alimentando a competição sem proporção entre as duas Polícias e isso só enfraquece os próprios servidores. Esse joguete do governador é prejudicial a todos. Se temos problemas de efetivo, eles enfrentam problemas de aumento de criminalidade e de outras ordens, como revólveres que constantemente picotam e colocam a vida do PM em risco. E, nos dois casos, estamos sem receber um centavo sequer de reajuste. Nossos salários, tanto dos militares, quanto dos policiais civis, vem sofrendo a corrosão da inflação do período. Só o governo é quem se beneficia com isso. Ou pensa em se beneficiar. Já vimos que a população cansou da classe política. Se está ocorrendo uma lava-jato envolvendo gente graúda de Brasília, é bom abrirem os olhos nas terras Bandeirantes e colocarem ‘as barbas de molho’”, finaliza Célio. 10 Dezembro/2016

[close]

p. 11

SÃO SIMÃO DR. JORGE KOURY RECEBE TÍTULO DE CIDADANIA Em apenas seis meses na cidade, delegado realiza um trabalho eficiente e recebe o reconhecimento da comunidade Havia alguns meses que a cidade de São Simão estava sem delegado titular. E a população estava preocupada com os índices de criminalidade. Em maio de 2016, o delegado Jorge Miguel Koury Neto, que estava em Luiz Antonio, foi destacado para responder pela cidade de São Simão e imprimiu sua forma de trabalho. Na cidade vizinha, dr. Jorge realizou nada menos que 32 operações policiais, colocando na cadeia os traficantes que perturbavam Luiz Antonio. Também efetuou ações específicas em relação ao crime contra o patrimônio, mais especificamente furtos e roubos em residências, estabelecimentos comerciais e veículos. “O tráfico e o crime contra o patrimônio andam juntos”, avalia o delegado. Depois de realizar o trabalho em Luiz Antonio, o delegado resolveu aceitar o desafio em São Simão. Pois apenas seis meses após assumir a titularidade na cidade, os resultados foram sentidos. Dr. Jorge e sua equipe realizaram oito operações policiais desde então e conseguiram colocar atrás das grades os maiores traficantes que atuavam no município. Também reduziram vertiginosamente os casos de crimes contra o patrimônio. “A equipe da Delegacia de Polícia de São Simão é extremamente eficiente e dedicada. Assim, ficou fácil realizarmos um trabalho que logo deu resultados”, avalia o delegado. Segundo ele, além do tráfico e dos crimes contra o patrimônio, a cidade também enfrenta problemas em relação à Lei Maria da Penha, mas tem agido com rigor para evitar que os homens “valentões” sintam-se impunes e ameacem ou agridam as mulheres em São Simão. Reconhecimento O resultado do trabalho realizado pelos policiais civis comandados pelo dr. Jorge teve reconhecimento imediato. Em apenas seis meses à frente da Polícia Civil no município, o delegado foi agraciado com o título de Cidadão Simonense, através de propositura do vereador Joaquim Graciano Madruga Júnior, aprovada pelos demais membros da Câmara Municipal de São Simão. Dr. Jorge, bastante orgulhoso pela conquista, fez questão de dividir o reconhecimento e a comenda com cada integrante de sua equipe. “Trabalhamos todos em conjunto, para apresentar os excelentes resultados. Todos estão de parabéns e este título de cidadania faço questão de dividir com minha equipe”, disse orgulhoso o delegado. A sessão solene para a entrega da comenda ocorreu no dia 30 de novembro, no Teatro Municipal de São Simão. O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, que é filho de São Simão, fez questão de comparecer pessoalmente ao evento, para parabenizar o delegado. “Dr. Jorge é nosso associado há vários anos. É um policial civil participativo, que faz questão de trabalhar sempre em equipe. Além disso, temos ouvido as pessoas falando muito bem dos policiais civis que atuam em São Simão. São abnegados, pois todos sabemos que falta muita gente em todas as delegacias. E aqui não é diferente. Eles estão se desdobrando e têm feito o melhor para a população”, destacou Eumauri. Natural de Casa Branca, mas radicado há muitos anos em Santa Rita do Passa Quatro, o delegado ingressou na Instituição na chamada “Turma do Centenário”, prestou concurso em 2003, sendo chamado para a Acadepol em 2004. Após a conclusão da academia, foi nomeado para atuar no 5º DP (Distrito Policial) da Capital, no bairro da Aclimação. Ficou por lá cinco anos, sendo depois transferido para o Metrô Barra Funda. Em seguida, veio para próximo da cidade onde mora. Foi nomeado titular da Delegacia do Município de Luiz Antonio. Lá ficou por cinco anos, tendo realizado um trabalho de destaque, tirando de circulação os principais criminosos da cidade. Desde maio de 2016 está à frente da Delegacia do Município de São Simão e acumula o cargo de delegado na cidade de Guatapará. O delegado fez questão de agradecer todos os cidadãos de São Simão, por apoiarem o seu trabalho. Conclamou todos a participarem, inclusive com denúncias anônimas, para que a Polícia Civil continue seu trabalho no combate ao crime na cidade. Agradeceu também sua equipe, lembrando que o título de Cidadão Simonense é de todos os que atuam no DP da cidade. E concluiu manifes- tando seu orgulho em poder estar atuando na cidade, prometendo manter a eficiência e o empenho no combate aos criminosos. Megaoperação Menos de 48 horas após receber o título, o delegado participou de uma megaoperação de com- Dr. Jorge em dois momentos durante solenidade de entrega de título de cidadão sãojoanense: acima, com o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata e ao lado, com o autor da propositura, vereador Joaquim Graciano Madruga Júnior: delegado emocionou-se com o reconhecimento do trabalho da Polícia Civil bate ao tráfico, anteriormente programada e planejada, que contou com a participação de 23 policiais civis de Ribeirão Preto, além de todo o efetivo da Polícia Civil em São Simão. O objetivo foi cumprir mandados de prisão e busca e apreensão. Dois traficantes foram presos e drogas foram apreendidas. Dezembro/2016 11

[close]

p. 12

ANIVERSARIANTES A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz aniversário aos nascidos em janeiro e fevereiro JANEIRO 1 André Luís Ribeiro Chagas Patrícia Berlanda Custódio da Silva 2 Mário Augusto Pontolio de Andrade Marco Aurélio Valentim Carlos Alberto Innocente 3 Adhemar Pereira da Costa Oswaldo Bigotto Francelso Ricardo Siqueira Marta Lúcia Ribeiro Tavares 4 Tadeu Marques de Oliveira Antonio Benedito Canato Joana D´Arc Araújo Silva 5 Aparecida de Fátima Fabrega Orteiro Luiz Carlos Rossi Borzani Alexandre Dias de Carvalho 6 Josué Sampaio de Araújo Erotildes Juraci de Oliveira Moreno Wilson Carlos Milani Sílvio de Souza Lima Filho Vânia França Machado Maria Bernadete Schieber Cury 7 Antonio Renato Lopes da Cunha Paulo César Mendes Jaqueline Galdiano Pereira Costa 8 Adeilton Ribeiro Tavares dos Santos 9 Mário Marcos Guimarães Abeid Simei de Moraes Brião Sandro Henrique Pedrozo de Godoy José Saul Martins 10 Júlio Cesar Machado José Gonçalo Teixeira José Augusto de Sant´Anna Kikuo Luís Osvaldo Morino Carlos José Soares José do Prado Ricarte Ivan Wohlers 11 José Eduardo Leonardo Eliane Ferreira Pereira Sérgio Mendonça Carlos dos Reis Francisco Alexandre Antonio Belonci Liciane Carla da Silva Altino Pereira 12 Milma Sandra Cocito Martins Denize de Paula Costa Passaglia José Roberto da Silva José Roberto Chagas 13 Claudete Polo Gomes Orlando de Paula Souza Clóvis Samuel Barbosa 14 Jeni Boldrin Giorgetti Sebastião Ademir Fiorelli Neuza Maria Sartori 15 Raphael Abbate Coriolano Antonio de Souza Naves 16 Antonio Chaves Martins Fontes Antonio Valdecir Silva Odair Pedro de Souza 17 Sérgio Ribeiro dos Santos Júlio Cesar Cazu Lenice Aparecida Bendassoli Ferreira Sandro Rampim Viola 18 Sebastião Luiz Ribeiro Chagas Carlos Eduardo Benito Jorge Sílvio Renato Modena Tahan César Oliveira Pini Luís Valério Castelline Otávio Augusto de Carvalho Franco Olésio Benedito de Souza 19 Ricardo de Souza Luiz Carlos da Silva João Batista Palin Paulo Sebastião de Araújo Sérgio Luiz Porfírio Lílian Cristina Pereira Gonzaga Elaine Aparecida Aprile Pires Marilda Poppi Raiz de Barcellos Luciane Dezajacomo Hélio Aparecido Gomes 20 Carlos Cesar Soares Sebastião Carlos Franceschet Dalva Elisa Fasanelli Gerson Sebastião Pelayo Sebastião do Carmo Mendes Márcio Rodrigues de Oliveira 21 Deise Rodrigues Aiello Ivan Marcos Pimenta Vanilda Manoel Correia Maria Inês Santesso Pires Hélio Augusto da Silva Pedro Thimoteo da Silva Andréa Francelin Cristino Barbosa Costa 22 Alcides Machado Júnior 23 Ana Lúcia Macedo Sanches Mateus Paulo Sérgio Ribeiro Chagas Fabiana Farina Marinilce Acrani Bonagamba Cassucci Paulo Cézar Villa 24 Luiz Antonio Bernardo Lídia Mara Franco da Silva Sebastião Paulo Pureza Edson Ricco Filho 25 Lourival Custódio Filho Paulo Wilson Falconi Octavio Pereira da Cruz Leila Liao Marino Sandra Regina Pereira 26 Fernando Luís Giaretta Artibano José Cruz Alberto Conrado Garcia Milena Cristina Menegheli de Souza 27 Antonio Marcos Boscolo João Carlos de Arimathea Morais Jeremias Eugênio Rodrigues 28 Catarina Aparecida Pane Carlos Mamede Martins Luiz Augusto Carille Netto Jorge Silva Sílvia Maria Ferreira Novato 29 Fátima da Silva Pereira Lima Milton Wagner Boito Ana Lúcia Vilas Boas Cleto Fernando Bedo 30 Marta Regina Scarpellini Idélcio Vanderlei Viccari Carlos Aparecido da Silva Júnior Roni Edson Fidélis Mônica Nascimento Lobato Garrijo Edgard de Oliveira Dib Oswaldo José da Silva 31 Edna Lopes Pereira Paulo Dal Farra Júnior Rhasmen Jorge Magosso Tereza Cristina Gonçalves de Oliveira FEVEREIRO 1 Francisco Antonio de Oliveira Glauber Christian Ribeiro Urbano de Souza Ivo Lamorea 2 Maria Lúcia Falconi Sueli Aparecida Vitorino Suzana Cristina Gianini José Luiz Torres Sônia Aparecida de Oliveira Martins Carmo Silvana Aparecida Guedes Pereira 3 Rogéria de França do Nascimento Leite Ricardo Marques Luzia Braz Ferreira Ricardo Damas Cecílio Neusa Helena Vicari Marcelo de Paula Mendes Mundin 4 Donizeti Amâncio de Castro Manoel Marcelino Paulo de Tarso Elias 5 Carlos José Santana Hélio Pereira 6 Valdir Stevan Roberto Bernardo João Antonio Dionízio 7 Luiza de Oliveira Rodrigues Paulo Henrique Limiro Helton Testi Renz Kelly Cristina Ferro Rodrigues 8 Luís Carlos Silveira José Carvalho de Araújo Valter Lopes da Silva Donizeti Aparecido dos Santos Cláudio Edílio Pinheiro da Silva Cecília Scarpellini Talarico Eliezer Pedretti da Silva 9 Roberto Luís Limeira Volpe Luís Bucioli Sílvio Luiz da Silva André Valério Alves Raquel Aparecida Bento Francisco Lima Gelson Luiz Coelho 11 Claudionice Belesso Glória Esteves Vieira 12 Eurípedes Angelo Paixão Walquíria Vendemiatti Masiero 13 Antonio Pires das Neves Sobrinho Josiane Kátia Pacagnella do Nascimento Roque Leonel Filho 14 Valentim Ferreira dos Santos Andrea Cristiane F. de Souza Nogueira 15 Célio Valdelino Baldacine Emerson Caetano do Nascimento Maria de Lourdes Bernardes de Oliveira Nelson Hugo Bernini Júnior Caio César Juliani de Campos 16 Adolfo Domingos da Silva Júnior Dagmar Venâncio da Costa Maria Cristina Brunini Silva Clóvis Luiz Ferreira Marcos Paulo Gomes de Paula Sebastião dos Reis de Souza Walter Paschoale José Antonio dos Santos 17 Paulo Cesar Machado Cairbar Eurípedes de Moraes Joaquim Orlik Montanheri 18 Ubaldo Sbicca Neto Élio Ferreira da Silva Edenir de Araújo Hamilton Geraldo Gonçalves Antonio Marcos Fernandes Robson Marchetto 19 Gumercindo Bueno Filho Hélio Luiz da Costa Antonio Cláudio Gimenes Caroline Gabaldo Pessoa 20 Carlos Alberto Diogo Agnaldo Costa dos Santos José Roberto de Oliveira 21 José Carlos Moreno Mansano Paulo Costa de Paula Valmir Ogrízio Silva José Antonio Passalia Josinaldo Victorino de Sousa Jaira Luciana Guioto Alves 22 Licanor de Souza Campos José Niles Gonçalves Nucci Mauro Bacci Elba Cristina Santiago de Oliveira 23 Idelfonso Pereira da Silva Décio Agostinho Gonzalez Maria Bernardete de Souza Aguiar Ricardo José Borelli Roseli Serra Ferrari 24 Carlos Jivago Campos da Silva Cézar Augusto de França Célio Roberto Dezzotti 25 Osmar Paciência Edvaldo Rodrigues dos Santos Marcos Roberto Rau Evilson Rodrigues Vigarani Hélvio Roberto Bolzani Benedito Donizetti Villas Boas 26 Célia Regina Guedes Name Idelberto Matias Júnior Luiz Carlos Colucci 27 Marcos Leandro Vendrúsculo Maurício Antonio Dotta e Silva José Paulo de Macedo Gino Murari Neto 28 Wilson Marcos Tofani Adenilson Rangel de Paula Cléber Luiz dos Santos Aguinaldo da Silva Franklin Leandro Martins Edison Dorati Lauro José Teixeira Marcelo da Silva 29 Andrea de Moraes Teixeira O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. 12 Dezembro/2016

[close]

p. 13

RIBEIRÃO PRETO DISE APREENDE 50 KG DE MACONHA Droga foi encontrada em sítio na zona rural da cidade; em outro caso, drogas variadas foram apreendidas com homem no Jardim Paiva No dia 25 de novembro, um proprietário rural foi surpreendido. O homem foi até seu sítio, localizado na região norte da cidade de Ribeirão Preto, próximo ao Rio Pardo, para falar com o caseiro que trabalhava para ele estabelecendo-se no imóvel. Sua função era a de garantir a manutenção do local, vivendo em uma residência situada na propriedade. Encontrando a casa de seu funcionário aberta, decidiu entrar para procurá-lo, mas não o encontrou. Em vez disso o proprietário se deparou com alguns tijolos de uma substância que suspeitou ser entorpecente. Desconfiado, acionou a Polícia Civil para relatar o ocorrido e a equipe da DISE (Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes) o acompanhou ao local para averiguar os fatos. Sobre a cama do caseiro, no sítio, foram encontrados 47 tijolos de maconha. A droga foi apreendida e aferida na delegacia, onde foram contabilizados 47,383 quilos do entorpecente. No mesmo local, foram encontradas munições de armas e anotações que indicavam intensa atividade de tráfico de entorpecentes. Esses objetos pertinentes à investigação foram apreendidos. Junto a eles, a Polícia Civil também levou uma carteira de estudante e uma chave de carro. Ambos poderão auxiliar na averiguação do caso. Na sequência, os policiais civis da especializada realizaram busca pelo suspeito. A testemunha acompanhou os policiais para auxiliá-los na tentativa de encontra-lo pela propriedade. Contudo, após busca nos imóveis e nas imediações, o caseiro não foi localizado pela DISE. Dessa forma, não foi possível realizar flagrante. Ainda assim, a equipe policial segue procurando pelo acusado. A ação vem sendo conduzida pelo dr. Gustavo André Alves, que tem realizando grandes ações em nome do combate ao tráfico de entorpecentes na cidade de Ribeirão Preto. Jardim Paiva No dia 10 de novembro, os policiais da DISE de Ribeirão Preto realizaram outra ação bem sucedida. Após cerca de 15 dias de investigações, fizeram uma busca em uma casa no Jardim Paiva, região oeste da cidade. Diversas drogas foram apreendidas no local. Durante a busca no local, o suspeito colaborou com os policiais. Ao identificaremse, o mesmo permitiu que adentrassem em sua casa e indicou onde guardava drogas e material para embalá-las. Estavam em um cesto de lixo de plástico que ficava disposto no quintal da residência. Dentro do cesto foram encontrados balança de precisão, várias cápsulas vazias, plásticos e duas porções de pó branco. No mesmo imóvel, também foram localizadas 14 cápsulas que já continham cocaína e uma poção a granel da mesma droga. O local ainda continha maconha. Os policiais civis apreenderam sete tijolos, 28 tabletes e 101 trouxinhas da droga, prontas para a venda. Ao todo, cerca de seis quilos de maconha e um quilo de cocaína foram apreendidos. Diante das evidências, os policiais constataram que o local servia para armazenagem de drogas para posterior distribuição a pontos de venda da região. Isso porque os objetos encontrados indicam que os entorpecentes eram embalados no local. A forma como as drogas eram manuseadas, sendo picadas no local, também sustenta essa possibilidade. Nesse caso, os policiais civis explicam que provavelmente o homem não lucrava diretamente com os entorpecentes, mas recebia um valor mensal fixo estimado em 1500 a 2000 reais pela guarda dos mesmos. O proprietário do imóvel assumiu que as drogas pertenciam a ele. Por esse motivo, foi Gustavo Andre Alves. A equipe da realizada sua prisão preventiva devido ao especializada vem realizando grandes flagrante. O homem apresentava antecedentes avanços no combate ao tráfico de criminais, mas alegou que atualmente entorpecentes através de seu trabalho nessa trabalhava como marceneiro. delegacia, atingindo reconhecimento A ação foi conduzida pelos delegados da profissional devido a sua eficiência. DISE, dr. Diógenes Santiago Neto e dr. Por: Mariana Luque O delegado titular da DISE, dr. Gustavo, conduziu a ação resultante na apreensão de 50 quilos de maconha Dezembro/2016 13

[close]

p. 14

ENCONTRO DGP VISITA DEINTER-3 E SINPOL FAZ COBRANÇA Dr. Chain visitou a diretoria regional da Polícia Civil em Ribeirão Preto e reuniu-se com policiais civis de toda a região; sindicato cobrou melhorias, salários e contratações Dentro de sua política de percorrer as regiões do Estado para reunir-se com os policiais civis, o titular da DGP (Delegacia Geral de Polícia), dr. Youssef Abou Chahin visitou, no dia 25 de novembro, o Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e que responde pela Polícia Civil em 93 cidades da região.Aprincípio, o DGP iria visitar a sede do Deinter-3, o prédio onde estão instaladas a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e a DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) e a Seccional de Sertãozinho. Logo no início do dia ele esteve em Sertãozinho. Depois, seguiu para o Deinter-3, onde concordou em, antes de reunir-se com os delegados lá presentes, em receber o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago. “Apesar de nossa visita não ser propriamente cordial, na verdade ser uma visita de cobranças, o DGP nos recebeu com muito boa vontade”, atestou Célio. Durante o encontro, o vice-presidente do Sinpol fez vários questionamentos ao DGP, principalmente sobre a situação atual vivida pela Polícia Civil. Célio inciou cobrando as nomeações de policiais civis para a região, inclusive falando do encontro que teve horas antes com representantes dos aprovados no concurso para investigador de 2013 (leia matéria nesta edição). Dr. Youssef admitiu a defasagem e disse solicitou agilidade nas nomeações e a realização de um novo concurso para diversas carreiras já em 2017. Em seguida, o vice-presidente do Sinpol relatou a penúria vivida pelos policiais civis, que estão sem receber nenhum centavo de reajuste há quase três anos. O dr. Youssef lamentou a situação e culpou a crise nacional pelo que vem ocorrendo. Ele disse que o São Paulo é um es- tado até privilegiado, pois está em dia com os salários, ao contrário de outros estados da Federação que não estão conseguindo cumprir com suas obrigações trabalhistas. As condições de trabalho, como no caso da vivenciada pelos policiais civis que atuam no prédio onde estão instalados o 1º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto, CPJ (Central de Polícia Judiciária), DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) e DIG (Delegacia de Investigações Gerais), onde faltou água, faltam faxineiras em número adequado para cuidar do asseio do local, além de ter problemas com aparelhos de ar condicionado, falta de iluminação e longas filas de espera da população que aguarda atendimento policial (leia matérias nesta edição). O DGP disse estar ciente da situação e que as contas de água estavam em dia, que iria verificar o que ocorreu. A falta d’água, por exemplo, seria um problema mais com a prefeitura e o departamento competente, no caso o DAERP (Departamento de Água e Esgoto de Ribeirão Preto), do que com a SSP (Secretaria de Segurança Pública). Indagado sobre os vários motivos de sua visita, o DGP não se furtou em admitir que ele levaria um pedido aos policiais civis da região, durante a reunião que ocorreu logo depois. O DGP demonstrou grande preocupação em relação à tramitação da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da Reforma da Previdência, que vem correndo no Congresso Nacional. De acordo com o projeto inicial, caso a mudança seja aprovada, os policiais civis certamente serão prejudicados, pois terão que trabalhar muito mais tempo para obter a aposentadoria (leia matéria nesta edição). Dr. Youssef admitiu que vai tentar sensibilizar os policiais civis para que não se aposentem imediatamente caso a PEC seja aprovada. Ele alega que isso prejudicaria por demais a Polícia Civil. Ele lembrou que a mudança não será abrupta e que haverá condições de analisar o que pode ou não prejudicar os policiais civis. Segundo Célio, o encontro foi proveitoso, porém ainda falta a concretização do que é conversado com a equipe de governo e o Sinpol vai cobrar essa situação. “Estamos sempre cobrando o governo. Só ele é quem pode mudar essa situação. A nós, cabe nos organizar, protestar, denunciar e exigir mudanças, como temos feito incansavelmente”, avaliou Célio. Após a reunião, o DGP foi almoçar com vários delegados, que estiveram presentes ao Deinter-3. Na parte da tarde, estava prevista uma visita do dr. Youssef às sedes da DISE e DIG de Ribeirão Preto. O DGP admitiu que a região participou da elucidação de diversos crimes de repercussão nacional, como o assalto à Prosegur ou a ação na Favela do Simioni. “Contudo, por conta da situação deplorável do prédio, certamente não levaram o dr. Youssef lá. A meu ver, isso foi um erro muito grande do DGP, que parece ser bem intencionado. Ele preferiu não ver as condições e ficou reunido apenas com os delegados. Isso desmotiva toda a equipe que é quem coloca o peito na mira dos revólveres dos criminosos para levar bala. Ele deveria se reunir também com escrivães, investigadores, agentes, enfim, com todos os que participaram. Mas preferiu ouvir os apelos de quem pode ter tentado omitir a situação de penúria do prédio; Uma pena”, concluiu Célio. Apesar de não estar previamente agendada a reunião, o DGP, dr. Youssef, fez questão de receber Célio e ouvir as reivindicações do vice-presidente do Sinpol 14 Dezembro/2016

[close]

p. 15

ARARAQUARA DIG ESCLARECE MORTE DE EMPRESÁRIO Suspeitos de assassinato identificados pela DIG de Araraquara foram presos após confessarem ter matado e ateado fogo em homem A Polícia Civil concluiu as investigações do assassinato do empresário Aparecido Torcato, ocorrida no final do mês de outubro. O assassinato teria sido motivado por uma tentativa de assalto frustrada pela vítima. Seu corpo foi encontrado no porta malas de um carro em chamas. Após concluir as investigações, dois homens foram presos e encaminhados para a Cadeia de São Carlos, um de 34 anos e o outro de 37. O delegado titular da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Araraquara, dr. Fernando Bravo, alega que os dois vinham sendo investigados, culminando em sua prisão no dia 9 de novembro pelo chocante crime. Entenda o caso Torcato era um homem idoso que possuía muitas joias e, segundo sua família, tinha o hábito de ostentá-las, o que provavelmente atraiu a atenção de seus assassinos. Um dos suspeitos, dono de um lava rápido, foi identificado como conhecido da vítima nas investigações. Partindo desse elo, a dupla teria se encontrado com a vítima na noite do crime para beber e, durante a suposta confraternização, tentou assaltá-lo. O idoso reagiu e foi baleado com um revólver mantido em casa por um dos acusados. O corpo da vítima, de 60 anos, foi encontrado no porta malas de um Honda Civic com placas de Américo Brasiliense e que pertencia à filha da vítima. O carro estava em chamas na estrada José Barbieri Neto e foi avistado por motoristas que passavam pelo local durante a madrugada de 25 de outubro, que acionaram a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros. O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto Médico Legal e estava com as mãos amarradas com arame e tinha possíveis marcas de violência na cabeça. Para garantir a identificação, o delegado da DIG solicitou um exame de DNA para confirmação, já que o corpo estava totalmente queimado. A Polícia Civil chegou a investigar a possibilidade de tentativa de “queima de arquivo”, pois a atitude indica a intenção de evitar deixar vestígios do crime. Em depoimento, a filha da vítima confirmou que havia emprestado o carro a seu pai. Pesou para a hipótese de queima de arquivo o fato de que Torcato já tinha antecedentes criminais. Em fevereiro de 2016, ele teria sido indiciado por receptação, depois que um caminhão pipa, transportando combustível e que foi roubado em Bauru, acabou sendo localizado em um barracão de sua propriedade. Durante o flagrante que levou à descoberta do veículo roubado, o sócio da vítima chegou a ser preso por roubo de carga e havia a suspeita de que isso pudesse ter motivado o crime, o que foi afastado pelos investigadores posteriormente. A investigação A DIG de Araraquara foi a responsável pela investigação do caso, coordenado pelo dr. Fernando Bravo. Em entrevista à imprensa, o delegado disse que os suspeitos, que já vinham sendo investigados, foram atrelados ao crime a princípio devido ao depoimento de uma testemunha que os escutou conversar a respeito do crime cometido. Na ocasião da prisão, os policiais cumpriram mandados de busca e apreensão na casa dos acusados e encontraram cinco perfumes da vítima distribuídos nas residências dos dois homens. De forma conclusiva, dr. Bravo explicou aos jornalistas que um dos dois confessou o crime. A dupla foi encaminhada à Cadeia de São Carlos e responderá por roubo e homicídio qualificado, dando desfecho às investigações desse crime peculiar. Com: Mariana Luque Foto: Reprodução E equipe do dr. Bravo elucidou as investigações Dezembro/2016 15

[close]

Comments

no comments yet