revista literária e informação, luso-brasileira

 

Embed or link this publication

Description

eisFluências - Revista Literária e Informação eisFluências - Literary Magazine and Information Revista de Agosto de 2011 Magazine 2011 August Revista literária e informação em lingua portuguesa e eventualmente com artigos em espanhol Literary ma

Popular Pages


p. 1

issn 2177-5761 issn 2177-5761 9 772177 576008 revista bimestral agosto/2011 ano ii núm xii entrevista com antonio miranda por oleg almeida maranhense por nascimento homem do mundo por vocação com trânsito principalmente pela américa latina como o caracteriza anderson braga horta antonio miranda é poeta escritor teatrólogo ensaísta pesquisador e professor universitário diretor da biblioteca nacional de brasília e idealizador da bienal internacional de poesia organizada na capital brasileira nosso correspondente oleg almeida acaba de entrevistá-lo sobre o atual estado da poesia no brasil e as principais tendências de seu desenvolvimento oleg almeida fala-se muito em nossos tempos pós-modernos no gradual declínio da cultura tradicional e sobretudo na presumível morte da poesia qual seria o seu diagnóstico a poesia realmente está morta internada na uti ou apesar dos pesares bem de saúde antonio miranda estamos na era da hipermodernidade a poesia expande-se por novos suportes e formas de expressão sem abandonar as vias tradicionais como o livro o recital as revistas continuam os cordelistas e repentistas ao lado de performers e grafiteiros os sonetistas ao lado de jovens que mandam poemas pelo celular livros impressos competindo com blogs no fundo acabam somandose relacionando-se ou dando a volta por cima no caso dos blogueiros que se unem em antologia impressa nunca se escreveu e divulgou tanta poesia talvez não se venda tanto quanto em tempos passados mas isso acontece com o cd como na ausência de público nas salas de cinema o cinema virou vídeo a música tornou-se mp3 e a poesia em 140 toques o soneto deu lugar ao poema cibernético mas todas as formas convivem e sobrevivem vivemos na era da diversidade oa a poesia é uma das mais genuínas manifestações artísticas mas as artes em si são inúteis tese lançada por oscar wilde e sustentada até agora por editores que dizem a poesia não vende pessoalmente eu acho que a poesia não vende porque não tem preço enquanto nossa amiga thereza christina rocque da motta poeta e editora do rio alega que a poesia não vende pouco mas sim aos poucos ou seja possui certo valor pecuniário o que é que o amigo pensa disso am poeta escreve para ser lido ouvido ou visto não escreve para vender mas é bom vender ou ganhar algum sustento pelo exercício de sua função social alguns conseguem isso ainda que raramente manuel de barros e thiago de mello vendem bem os cordelistas vão de feira em feira e conseguem alguns deles viver de seu trabalho não sei se os poetas no auge do romantismo e do modernismo ganharam muito dinheiro imagino que os herdeiros de drummond ganhem mais do que o poeta de itabira os editores póstumos de fernando pessoa ganham muito mais que o autor de mensagem alguns herdeiros são sanguessugas e até prestam um desserviço à memória dos poetas a crise do livro não é exclusividade da poesia os livros didáticos vão para o tablet os romances estão virando ebooks mas as editoras continuam vendendo até mesmo poesia e temos muitas editoras especializadas em poesia aqui e em muitos países seja cobrando dos autores para a publicação para uma coedição e até como empreendimento de risco creio que a melhora do nível de escolaridade e a difusão cultural entre neoleitores vão revitalizar melhor o avanço da leitura de poesia seja em que suporte for do que a choradeira dos preteridos à entrada do salão ou terreiro da festa oa qual é a seu ver o atual estado da poesia no brasil há novas vertentes novas ideias há grandes nomes ou não seria exagero afirmar que os gênios ficaram no século xx am como disse cora coralina do alto de seus mais de 80 anos os tempos atuais são infinitamente melhores eu não vivo olhando pelo retrovisor só quando preciso avançar edgar morin nos lembra que a poesia se sustenta no passado mas se projeta no futuro hoje temos grandes nomes e muitos serão as glórias futuras pois é difícil um distanciamento para garantir quais os nomes que vão ficar manuel de barros augusto de campos thiago de mello lêdo ivo adélia prado décio pignatari armando freitas filho ruy espinheira filho frederico barbosa armindo trevisan ferreira gullar affonso romano de sant´anna josé santiago naud antonio riserio affonso Ávila alberto da costa e silva hugo mund jr glauco mattoso virgilio maia antonio fernando de franceschi ariano suassuna vou ficando por aqui pois a lista é extensa e certamente outros grandes poetas de todos os sexos vão ficar irritados por não tê-los nomeado sem contar com os poetas-compositores musicais os videopoetas os que trabalham tanto no campo da integração da poesia com outros meios de expressão como os que se apoiam na convergência tecnológica em campos experimentais temos mais poetas vivos hoje do que em tempos passados mas eles ainda não tiveram a seu favor o reconhecimento de sua obra oa É relativamente fácil produzir um livro impresso ou virtual no brasil entretanto o advento da impressão digital e das mídias eletrônicas tem feito um papel ambíguo por um lado tornou o acesso ao mercado livreiro menos elitizado por outro lado propiciou o aparecimento de muitos livros medíocres dando início a uma espécie de polifagia literária minha opinião lhe parece por demais radical ou este problema existe mesmo como separar o joio do trigo na poesia?

[close]

p. 2

02 eisfluências agosto 2011 am livros medíocres sempre existiram e vão continuar sendo escritos É assim também na música na arquitetura nas artes gráficas acho que faltam críticos e espaços para a crítica em vez de elogios cruzados só o tempo decanta sedimenta mas devemos reconhecer que existem grandes nomes do passado que foram enterrados com os autores apesar de que as páginas web oferecem muitos destes nomes pois seria impossível seguir republicando-os em formato de papel É como um iceberg que depende da base submersa para manter-se na superfície poesia é uma criação coletiva mesmo quando o poeta escreve na solidão ou na sua torre de marfim o poeta se alimenta de paideuma do que leu ouviu tanto como fôrma quanto conteúdo por mais original que pretenda ser importante é que alguns abram novos caminhos agora longe dos ismos a frente é mais ampla e difusa mas extremamente vigorosa no futuro vai ser possível definir as tendências que vigoram atualmente embora alguns poucos críticos possam antecipar-nos algumas dessas tendências neobarroco haikais reformulados aforismos sonetistas renovados letristas geniais tecnólogos dos versos tem de tudo para todos e quando não há uma livraria na esquina tem uma loja virtual à disposição oa resumindo a internet seria nesse contexto a força motriz da nova literatura ou para assim dizer um amigo da onça am certamente que a internet é uma força motriz e centrifugadora mas os bares estão cheios de sessões de poesia as boas livrarias também a internet além de oferecer conteúdos também tem o poder de convocatória para promover encontros antes eu buscava estas oportunidades na imprensa ou esperava a chegada do convite pelo correio hoje recebo por e-mail vantagem na rapidez mas resulta no mesmo fenômeno de atrair e reunir autores e público seja presencialmente seja digitalmente mas cabe lembrar que a internet vem impondo novas formas de criação literária além de promover a convergência tecnológica por amalgamar os gêneros literários e não me venham com a história da massificação a internet transformou o poeta no seu próprio editor e há de tudo para todos ou quase todos não havia livrarias em toda parte como não existem ainda computadores em todos os lares mas levamos uma grande vantagem no acesso às obras em comparação com as possibilidades que existiam se me lembro de minha juventude oa em 2008 a atenção de todo o brasil se voltou a brasília onde acontecia um evento de porte internacional ­ a 1ª bienal de poesia como o amigo avaliaria os resultados desse evento foram satisfatórios am a i bip foi um fenômeno que ainda falta avaliar em toda a sua extensão foi um ponto de partida É difícil deslocar o eixo das coisas sair da hegemonia do centro-sul e da costa atlântica para o interior como queria jk ao prever brasília como um ponto de irradiação central não há mais centralidade a territorialização perdeu parte de sua vigência até o tempo mudou vivemos agora no não-lugar no tempo relativizado pois é possível estar em linha e interativo como também virar becape a ideia da i bip foi reunir poetas mas garantir que eles continuassem na rede a ii bip de 14 a 17 de setembro próximo vai tentar consolidar esta proposta na medida em que faremos sessões por videoconferência ou tv digital como manteremos os vídeos e os textos na página da bip em caráter permanente oa a 2ª bienal de poesia de brasília se passará em setembro deste ano conte-nos um pouco sobre a programação dela am queremos oferecer um panorama da poesia que é praticada no brasil em iberoamerica e em alguns países mais vamos ter participantes também de cabo verde moçambique assim como da suécia da indonésia e de outros países mais remotos vamos promover leituras de poemas na biblioteca nacional de brasília em bibliotecas e escolas da periferia na rodoviária e na praça nos bares e em universidades poesia visual cordel poesia pintada e vídeo o melhor é ir ao nosso sítio que está sendo montado com novidades à medida que chegam as confirmações para a montagem final da programação http bipbrasilia.com oa a bienal de poesia reunirá não apenas vários poetas brasileiros como também os representantes da lusofonia poética em geral que eu saiba o português luís serguilha e a moçambicana tânia tomé já confirmaram sua vinda a brasília será que os poetas de outros países e idiomas participarão da bienal am sim já temos grandes nomes como humberto ak´abal da guatemala juan calzadilla da venezuela clemente padin do uruguai corsino fortes de cabo verde melhor é ir ao sitio alguns nomes vêm pelas embaixadas méxico panamá espanha etc cujos nomes estão sendo confirmados os poemas traduzidos ao português para uma apresentação pública bilíngue como aconteceu antes vamos lançar o poemário oficial do evento e uma antologia de poesia goiana oficial da bip organizada por salomão sousa na bienal anterior lançamos uma antologia de brasília e uma infanto-juvenil produzida pelos jovens na ii bip vamos escolher outra região entre as menos favorecidas em termos de divulgação de sua produção poética mas também estamos organizando um encontro de tradutores outro com os editores um seminário sobre poesia infantil etc etc ficha tÉcnica director victor jerónimo portugal/brasil directora cultural carmo vasconcelos portugal responsável pela redacção mercêdes pordeus brasil conselho de redacção abilio pacheco brasil humberto rodrigues neto brasil luiz gilberto de barros brasil marco bastos brasil petrônio de souza gonçalves brasil rosa pena brasil revista de eventos actualidades notícias culturais político/sociais e outras mas sempre virada à directriz cultural nas suas várias facetas propriedade de mercêdes batista pordeus barroqueiro recife/pe/brasil tiragem 100 ex distribuição gratuíta correspondentes design gráfico e composição victor jerónimo nosso sítio http www.eisfluencias.ecosdapoesia.org divulgação via internet depósito legal lei do depÓsito legal lei n° 10.994 de 14 de dezembro de 2004 contacto eisfluencias@gmail.com alemanha antónio da cunha duarte justo argentina maría cristina garay andrade bielorussia oleg almeida brasil elizabeth misciasci espanha maría sánchez fernández biblioteca nacional brasil isnn 2177-5761

[close]

p. 3

eisfluências agosto 2011 03 oa discutindo os destinos da poesia no mundo contemporâneo deixamos de lado a personalidade do poeta antonio miranda os leitores da nossa revista estariam interessados em saber como é seu presente criativo e seus planos para o futuro am wally salomão me fez uma dedicatória em um de seus livros dizendo que eu sou um oximoro concreto pois é eu cultivo a poesia textual a visual a satírica a social e apesar da idade ainda faço incursões pela lírica amorosa e pratico a poesofia o poema-ensaio além do poema-objeto tenho alguns heterônimos para dividir esta variedade até mesmo um pseudônimo que eu não revelo pelo menos por enquanto e tenho no prelo em vários países brasil venezuela méxico livros inéditos e antologias e publico o tempo todo na minha página pessoal http www.antoniomiranda.com.br/poesia_ilustrada/poesia_ilustrada.html onde estão textos em português mas também versões em russo por oleg almeida em basco em guarani em alemão italiano francês inglês holandês e até em latim e tukano oa muito obrigado pela entrevista foi um prazer conversarmos desejo-lhe novos sucessos em seu nobre ofício de escritor e promotor cultural e viva a poesia terminada a entrevista não quero deixar de acrescentar aqui que os poemas de antonio miranda desde o início dos anos 70 do século passado vêm dando oportunidade para diversas parcerias com compositores musicais a partir do espetáculo tu paÍs estÁ feliz teatro ateneo de caracas venezuela em 1971 com xulio formoso a empatia criativa miranda formoso foi decisiva para a montagem do referido espetáculo pelo diretor carlos giménez e para o extraordinário sucesso internacional do musical venezuelano depois veio a experiência outra vez com xulio formoso na composição de quatro temas musicais para o espetáculo jesucristo astronauta autosacramental sobre lo profano y lo divino que gerou um e-play de 45 rpm com 4 faixas seguiram-se outras parcerias musicais e outros espetáculos que nossos leitores poderão ver na página do autor:http www.antoniomiranda.com.br/musicas/musicas_index.html inclusivamente uma parceria musical com a nossa directora cultural carmo vasconcelos cujo tema poderão ouvir em carmo vasconcelos poetisa e declamadora portuguesa apresenta cantiga para um poeta acompanhada da canção além de ti de a miranda e x formoso interpretada por elga pérez-laborde oleg almeida brasília/df brasil www.olegalmeida.com nr-veja a entrevista do autor oleg almeida sobre o seu trabalho literário e a poesia russa ainda pouco conhecida no brasil concedida a paulo mohylovski para a revista germina www.olegalmeida.com/entrevista_v_37.html homenagem aos 104 anos de miguel torga por carmo vasconcelos miguel torga pseudónimo de adolfo correia da rocha nasceu em são martinho de anta a 12 de agosto de 1907 e foi um dos mais importantes escritores portugueses do século xx destacou-se como poeta contista e memorialista mas escreveu também romances peças de teatro e ensaiosoriundo de uma família humilde de sabrosa trás-os-montes era filho de francisco correia rocha e maria da conceição barros em 1917 aos dez anos foi para uma casa apalaçada do porto habitada por parentes fardado de branco servia de porteiro moço de recados regava o jardim limpava o pó polia os metais da escadaria nobre e atendia campainhas foi despedido um ano depois devido à constante insubmissão em 1918 foi mandado para o seminário de lamego onde viveu um dos anos cruciais da sua vida estudou português geografia e história aprendeu latim e ganhou familiaridade com os textos sagrados pouco depois comunicou ao pai que não seria padre.emigrou para o brasil em 1920 ainda com doze anos para trabalhar na fazenda do tio proprietário de uma fazenda de café ao fim de quatro anos o tio apercebe-se da sua inteligência e patrocina-lhe os estudos liceais em leopoldina distingue-se como um aluno dotado em 1925 convicto de que ele viria a ser doutor em coimbra o tio propôs-se pagar-lhe os estudos como recompensa dos cinco anos de serviço o que o levou a regressar a portugal e concluir os estudos liceais.em 1928 entra para a faculdade de medicina da universidade de coimbra e publica o seu primeiro livro de poemas ansiedade em 1929 com vinte e dois anos deu início à colaboração na revista presença folha de arte e crítica com o poema altitudes a revista fundada em 1927 pelo grupo literário avançado de josé régio gaspar simões e branquinho da fonseca era bandeira literária do grupo modernista e bandeira libertária da revolução modernista em 1930 rompe definitivamente com a revista presença por «razões de discordância estética e razões de liberdade humana» assumindo uma posição independente.a obra de torga traduz a sua rebeldia contra as injustiças e o seu inconformismo diante dos abusos de poder reflecte a sua origem aldeã a experiência médica em contacto com a gente pobre e ainda os cinco anos que passou no brasil dos 13 aos 18 anos de idade período que deixou impresso em traço de união impressões de viagem 1955 e em um personagem que lhe servia de alter-ego em a criação do mundo obra de ficção em vários volumes publicada entre 1937 e 1939.as críticas que fez aí ao franquismo resultaram em sua prisão 1940 após a revolução dos cravos 1974 torga surge na política para apoiar a candidatura de ramalho eanes à presidência da república 1979 era porém avesso à agitação e à publicidade e manteve-se distante de movimentos políticos e literários crítico da praxe e das restantes tradições académicas chama depreciativamente «farda» à capa e batina ama a cidade de coimbra onde exerceu a sua profissão de médico a partir de 1939 e onde escreveu a maioria dos seus livros em 1933 concluiu a licenciatura em medicina pela universidade de coimbra começou a exercer a profissão nas terras agrestes transmontanas pano de fundo de grande parte da sua obra.

[close]

p. 4

04 eisfluências agosto 2011 dividiu o seu tempo entre a clínica de otorrinolaringologia e a literatura autor prolífico publicou mais de cinquenta livros e foi indicado para o prémio nobel por várias vezes em 1934 aos 27 anos adolfo correia rocha cria o pseudónimo miguel e torga miguel em homenagem a dois grandes vultos da cultura ibérica miguel de cervantes e miguel de unamuno já torga é uma planta brava da montanha que deita raízes fortes sob a aridez da rocha de flor branca arroxeada ou cor de vinho com um caule incrivelmente rectilíneo.a obra de torga tem um carácter humanista criado nas serras trasmontanas entre os trabalhadores rurais assistindo aos ciclos de perpetuação da natureza torga aprendeu o valor de cada homem como criador e propagador da vida e da natureza sem o homem não haveria searas não haveria vinhas não haveria toda a paisagem duriense feita de socalcos nas rochas obra magnífica de muitas gerações de trabalho humano ora estes homens e as suas obras levam torga a revoltar-se contra a divindade transcendente a favor da imanência para ele só a humanidade seria digna de louvores de cânticos de admiração hinos aos deuses não/os homens é que merecem/que se lhes cante a virtude/bichos que cavam no chão/actuam como parecem/sem um disfarce que os mude para miguel torga nenhum deus é digno de louvor na sua condição omnisciente é-lhe muito fácil ser virtuoso e enquanto ser sobrenatural não se lhe opõe qualquer dificuldade para fazer a natureza mas o homem limitado finito condicionado exposto à doença à miséria à desgraça e à morte é também capaz de criar e é sobretudo capaz de se impor à natureza como os trabalhadores rurais trasmontanos impuseram a sua vontade de semear a terra aos penedos bravios das serras e é essa capacidade de moldar o meio de verdadeiramente fazer a natureza malgrado todas as limitações de bicho de ser humano mortal que ao ver de torga fazem do homem único ser digno de adoração.considerado por muitos como um avarento de trato difícil e carácter duro foge dos meios das elites pedantes mas dá consultas médicas gratuitas a gente pobre e é referido pelo povo como um homem de bom coração e de boa conversa.casou-se com andrée crabbé em 1940 uma estudante belga que enquanto aluna de estudos portugueses com vitorino nemésio em bruxelas viera a portugal fazer um curso de verão na universidade de coimbra o casal teve uma filha clara rocha nascida a 3 de outubro de 1955 da sua vasta obra citarei apenas alguns títulos poesia rampa o outro livro de job libertação orfeu rebelde câmara ardente poemas ibéricos prosa pão Ázimo criação do mundo a terceira voz bichos contos da montanha rua novos contos da montanha vindima portugal fogo preso fábula de fábulas diário em 16 volumes peças de teatro terra firme e mar sinfonia o paraíso portugal traço de união prémios prémio do diário de notícias 1969 prémio de poesia da xii bienal de internacional de poesia de knokke-heist bélgica 1977 prémio morgado de mateus ex-aecquo com carlos drummond de andrade 1980 prémio montaigne da fundação alemã f.v.s 1981 prémio luso-brasileiro luís de camões1989 prémio personalidade do ano 1991 prémio vida literária da associação portuguesa de escritores 1992 prémio da crítica consagrando a sua obra 1993 os seus livros foram traduzidos em diversos idiomas algumas vezes publicados com um prefácio seu espanhol francês inglês alemão chinês japonês croata romeno norueguês sueco holandês búlgaro.torga sofria de câncer e não escrevia mais desde o ano de 1994 vindo a falecer em coimbra a 17 de janeiro de 1995 a sua campa rasa em são martinho de anta tem uma torga plantada a seu lado em honra ao poeta.o seu diário 1941 1994 em 16 volumes mistura poesia contos memórias crítica social e reflexões no último volume diz miguel torga chego ao fim perplexo diante de meu próprio enigma despeço-me do mundo a contemplar atónito e triste o espectáculo de um pobre adão paradoxal expulso da inocência sem culpa sem explicação portugal miguel torga avivo no teu rosto o rosto que me deste e torno mais real o rosto que te dou mostro aos olhos que não te desfigura quem te desfigurou criatura da tua criatura serás sempre o que sou e eu sou a liberdade dum perfil desenhado no mar ondulo e permaneço cavo remo imagino e descubro na bruma o meu destino que de antemão conheço teimoso aventureiro da ilusão surdo às razões do tempo e da fortuna achar sem nunca achar o que procuro exilado na gávea do futuro mais alta ainda do que no passado diário x coimbra 16 de dezembro de 1963 brasil miguel torga pátria de emigração É num poema que te posso ter a terra possessiva inspiração e os rios como versos a correr achada na longínqua meninice perdida na perdida juventude guardei-te como pude onde podia na doce quietude da forçada represada poesia e assim consigo ver-te como te sinto na dourada moldura da lembrança o retrato da pura imensidade o que dei a possível semelhança com palavras e rimas e saudade diário x coimbra 16 de dezembro de 1963 pesquisa e composição de carmo vasconcelos subsídios wikipédia e biblioteca da autora lisboa/portugal http carmovasconcelosf.spaces.live.com

[close]

p. 5

eisfluências agosto 2011 05 entre o eu integral e o eu superficial ­ uma nova pedagogia problemas nas relações são momentos de desenvolvimento antónio justo uma pessoa tal como o seu carácter é mais que a soma dos seus detalhes psicológicos ao dizermos ou sentirmos o nosso eu referimo-nos a algo definido como se fosse um produto algo já acabado e não um processo na realização do ser o meu eu inclui-me a mim e às minhas circunstâncias estas são eu tu o outro o universo e o mistério a nossa personalidade é formada por um eu profundo integral e por um eu superficial parcial ou seja um eu luz e um eu treva o ego é a sombra do eu integral é como que a sua crusta a parte opaca da transparência a sombra duma realidade mais ou menos oculta a tudo conectada no ego predominam as forças centrípetas enquanto no eu integral reina a harmonia dum universo de forças ordenadas a relação acontece na tensão entre um eu e um tu para se realizar no nós no nosso trajecto vivemos a fugir da anonimidade duma massa despersonalizada para através do eu personalizado voltarmos à comunidade dum nós pessoal É a luta das cores por se diferenciarem do verde da natura para poderem brotar na flor somos com e no universo todo o mundo a caminho na procura do sol num mesmo sistema interligado pelas mesmas leis ao sermos projectados do útero da mãe inicia-se o processo da individuação no grito original iniciamos uma nova relação com órbita própria a firmar-se numa nova constelação ao ser-nos cortado o cordão umbilical abandonamos o paraíso na procura de identidade começa a marcha a caminho do eu no sentido de realizarmos a ipseidade no todo primeiro de gatas depois amparado e por fim só quanto ao desenvolvimento psicológico esse torna-se mais demorado e complicado como na natureza nem toda a planta chega a dar flor o que não torna o seu verde menos esplendoroso vale a pena o esforço de ver para lá dele o desenvolvimento pressupõe um processo dialéctico exterior numa realidade que ultrapassa a dialéctica afirmação-contradição teseantítese ou a mera síntese a afirmação da parte contra a parte e deste modo o reagir e a distanciação contra o todo provoca a dor insatisfeita doutro modo a fricção do eu no tu seria integrada no desenvolvimento não se cristalizando na dor culpa medo o movimento de separação e aproximação tal como as ondas e as marés não são mais que o pulsar do coração com os seus impulsos e pausas como a alegria e a tristeza o entusiasmo e a frustração são momentos duma mesma realidade que nos envolve define e determina a separação que se dá no desenvolvimento cumula na razão onde o mundo deixa de ser uno como antes Árvore da sabedoria no paraíso aqui surge o perigo de o intelecto se autonomizar e criar um mundo ideal à margem da realidade com forças que não se deixam reduzir a meras leis com a caminhada da razão que agora se acentua dá-se um processo de diferenciação de distinção entre um eu e um tu em função da individuação afirma-se um sujeito contra um objecto que na realidade é sujeito numa dinâmica de complementaridade a dialéctica leva o outro a ser tornado provisoriamente casulo para assim o eu se tornar sujeito o sujeito ao atingir o seu verdadeiro desenvolvimento deveria passar a ver o resto da realidade como sujeito e relacionar-se de maneira a reconhecer-lhe tal dignidade como parte dela/e o espírito incarna na matéria e a matéria ganha asas próprias para voar tal como procura demonstrar o mistério da incarnação e ressurreição e a trindade realiza ao encontrarmo-nos todos num processo de transformação já não tentaremos destruir ou modificar o outro a minha mudança já provoca a mudança do outro porque a transformação pressupõe relação relação pessoal mesmo com o mundo inadequadamente considerado coisa trata-se de superar um pensar unidimensional só com lugar para a parte geométrica da vida de superar o jogo das escondidas no nicho do intelecto os distúrbios de que todos sofremos como adultos provêm dum mundo do pensamento paralelo criado à margem da realidade orgânica e aos traumas que acompanharam o nosso desenvolvimento desde a criança infantil até ao estado de infantil adulto a princípio agarrados às saias da mãe esperamos dela o amor simbiótico que nos mantinha a ela unidos no seu ventre o paraíso terreal muitas vezes a luta posterior não passa duma tentativa por restabelecer o estado simbiótico original é a luta errada por se satisfazer a culpa do pecado original tal união porém não permitiria o desenvolvimento da própria identidade passando naturalmente a acentuar-se as forças centrífugas para depois culminarem na ressaca das forças centrípetas egocêntricas segue-se então um caminho de experiências mais ou menos agradáveis mais ou menos traumáticas que nos levam a andar pelo próprio pé ou a andar agarrados às eternas muletas de situações irreflectidas a experiência individual cria frustrações e gratificações que mais tarde se podem revelar em sentimento de culpa em sentimento de inferioridade/superioridade que depois será reafirmado pela vida fora num rescrito comportamental de arrogância ou de timidez nesta fase dominam os monólogos interiores e arrazoamentos que não permitem uma descrição adequada da realidade própria nem dos outros como não nos encontramos a nós mesmos continuamos a reduzir o outro à qualidade de objecto a ser assimilado ou a ser repelido muitos agarram-se desesperadamente ao pescoço da vida na fuga contra o vazio contra a solidão procuram fora o que já se encontra dentro as muletas das ideias revelam-se depois como poluidoras de paisagens emocionais interiores É a fase da vida em canteiros de jardim infantil ou no jogo do gato e do rato na infância a harmonia é procurada na mãe enquanto na fase adulta se procura na fusão de dois polos sujeitos na união conjugal aqui encontram-se a nível psicológico e comportamental forças contraditórias em ebulição à semelhança do que se dá no desenvolvimento do universo com a sua formação de galáxias e de sistemas como o sistema solar num jogo de forças que procuram o equilíbrio para depois seguiram o chamamento que pressupõe um novo desequilíbrio este mantem a ordem viva num sistema de universos a caminho egocentrismo movimento de rotação em torno de si mesmo e altrocentrismo movimento de translação em torno do outro tornam-se condicionantes duma realidade maior o amor que envolve os dois provoca o movimento aparentemente contraditório a fixação extrema no ego ou no outro fecha os olhos para a felicidade equilíbrio para o amor fixando-a no amor-próprio na própria necessidade sem contemplar o sistema o ego procura então não o outro mas a própria felicidade no outro contradizendo assim a felicidade que é relação o momento de equilíbrio de esquecimento que já traz em si o momento de desequilíbrio que provoca o desenvolvimento a vida e não a estagnação a vida que engloba o outro e a mim a caminho duma maior grandeza a força centrípeta o egoísmo exige uma relação de subalternos quer ter não quer ser ou confunde o ter com o ser faz de todos seus satélites desprezando a realidade de que também os astros pertencem a estrelas e estas a galáxias ao serviço duma realização maior cada um tal como o universo está chamado a seguir um chamamento encontramo-nos todos a caminho do mistério na realização do amor que é a energia que mantem todo o ser e todo o universo unindo o que parece contraditório.a necessidade do amor infantil amor necessidade domina as relações que se tornam por isso insatisfatórias cada um criança traída acusa no outro sem saber a sua mãe que o não acariciou suficientemente ou o considerou apenas seu satélite em vez de cada um se assumir aceitando as dores do parto de si mesmo em processo deixa-se dominar pelos fantasmas do passado sem reconhecer a realidade das forças próprias e ambientais na sua interdependência e complementaridade pior ainda projecta no outro as próprias deficiências querendo torna-lo a mãe que não teve nesta dinâmica mendigos do amor tornam outros mendigos também cada um gira em torno de si mesmo querendo criar os outros à sua imagem e semelhança num processo de desenvolvimento para a maturidade a nível dos dois deverá criar-se um espaço para se fazerem as pazes com os traidores da infância para que estes não nos atraiçoem no outro isto deve ser naturalmente integrado em movimentos consecutivos de ensombramento de si mesmo e de luminosidade do outro e vice-versa o mesmo se dá de forma inconsciente no ciclo do dia e da noite que

[close]

p. 6

06 eisfluências agosto 2011 pressupõe o reconhecimento da existência dos outros astros na realidade do nós indivíduos e comunidade nesta realidade sentiremos e integraremos em nós não só a desejada acalmia primaveril e veraneia mas também as ventanias outonais que purificarão o nosso ser da folhagem impeditiva da próxima fase de desenvolvimento no sentido do todo na constelação relacional do desenvolvimento também se encontram meteoritos isolados que vivem apenas o sexo à margem do acto criador de interacção esta pressupõe amor e este pressupõe a dor resultada da tensão entre o eu e o outro a dor é o momento de desequilíbrio que possibilita a evolução fugir à dor é negar-se é negar o outro em si e negar-se a si no outro não basta procurar porque o sentido é encontrar-se encontrar-se como universo a dar à luz a vida inconsciente além de viver na fuga e da fuga luta continuamente com o destino falta-lhe a coragem para a felicidade e abdica permanecendo na contradição esta pode no máximo produzir o gozo da fricção mas não a felicidade para o egoísta a culpa está nos outros ele prefere ver a vida passar-lhe ao lado como os vinhateiros atrasados da parábola mas também o altruísmo pode ser um egoísmo escondido ou indício dum eu fraco debilitado manter o equilíbrio da balança é a tarefa da vida da pessoa e do universo sempre em movimento eu e tu os dois somos três a caminho do nós eu e tu com o universo numa relação amorosa não dialéctica encontramo-nos num processo de interdependência e afirmação mútua encontramo-nos todos ao serviço uns dos outros no seguimento duma força maior o amor o momento dialéctico contradição é apenas o instante do desequilíbrio num processo maior pendular de desequilíbrio para o equilíbrio do equilíbrio para o desequilíbrio na realização dum equilíbrio maior aqui já não há um com razão e o outro sem ela agora já não há um perfeito e outro imperfeito um culpado e o outro inocente aqui o intelecto e o coração unemse para possibilitarem uma visão global integral a vida toda na própria vida e não uma vida em segunda mão deixa então de haver a autonomia do astro rei e a dependência do satélite para na complementaridade se desenvolver uma nova identidade a identidade do nós no eu criativo e criador a felicidade realiza-se em comunidade filho pródigo somos filhos do amor fomos feitos de graça para vivermos na graça do amor como filhos da terra tornamo-nos no sol da natureza agradecida a abençoar resta-nos o agradecimento e a paciência somos novos mundos a criar um novo mundo não podemos parar nem abdicar de nós mesmos nem dos outros para criarmos uma nova maneira de estar no mundo uma nova maneira de nos relacionarmos nele e com ele teremos de criar uma nova relação amorosa com o outro na realidade do nós numa dinâmica identitária processual do eu-tu-nós uma relação já não só de diálogo mas de triálogo à maneira da incarnação e ressurreição numa relação pessoal trinitária na unidade do eu-tu-nós antónio da cunha duarte justo teólogo e pedagogo www.antonio-justo.eu histÓrico do grupo de poetas livres fundado em 13 de abril de 1998 em florianÓpolis s.c por maura soares o grupo de poetas livres foi fundado em 13 de abril de 1998 no auditório da biblioteca pública municipal professor barreiros filho bairro canto florianópolis por maria vilma nascimento campos e poetas amigos na ocasião da fundação visitava florianópolis o orfeão edmundo machado de oliveira de ponta delgada ilha de são miguel açores-portugal alguns de seus membros trazidos à fundação do gpl pela escritora vilca merizio assinaram a ata respectiva o grupo coral universalmente reconhecido pela unicef apresentou-se dias 14 e 15 de abril com recitais realizados na igreja santo antonio de lisboa no campus da ufsc e na catedral metropolitana de florianópolis a presença do orfeão marcou a abertura da programação das comemorações do cinqüentenário do i congresso de história catarinense e dos 250 anos da chegada dos primeiros açorianos ao litoral catarinense o objetivo principal da fundadora era simplesmente fundar um grupo sem atrelamentos juntando jovens poetas alunos de escolas do município o grupo em 1998 aliou-se aos membros da associação de amigos da biblioteca e conseguiu montar espetáculos de música teatro e poesia com seus jovens poetas tendo grande repercussão foi com essa junção e com o colégio nossa senhora de fátima e a escola básica municipal almirante carvalhal que foi editado em forma artesanal a obra eu e o mar com poesias e desenhos dos alunos desses dois educandários o estatuto do gpl prevê ampla liberdade de pensamento sem seguir o estilo francês acadêmico que limita o número de 40 membros ao longo desses 13 anos de existência já passaram pelo grupo mais de 300 pessoas seu objetivo principal é divulgar o escritor catarinense aquele que aqui nasceu e os que escolheram santa catarina para viver e formar suas famílias reconhecido de utilidade pública municipal pela lei 5671 de 26 de maio de 2000 e de utilidade pública estadual pela lei nº 14.560 de 1º de dezembro de 2008 seus projetos viajando com poesia -cartazes-adesivos afixados nos ônibus da capital levando palavras de otimismo àqueles que utilizam o transporte coletivo revista ventos do sul congrega poesias dos associados efetivos correspondentes e amigos de santa catarina de cidades brasileiras e do exterior a revista é distribuída gratuitamente viajando em cidades catarinenses brasileiras madri espanha buenos aires e outras províncias da argentina açores portugal e sacramento califórnia eua doce poema poemas dos membros do grupo publicados nos sacos para pães poesia na praÇa colocação de poesias nos encostos dos bancos das praias de itaguaçu bom abrigo palmeiras e ponta do leal balneário estreito retirados com as obras da beiramar continental pc 3 os primeiros trabalhos nos encostos dos bancos foram feitos pela artista plástica leuzi soares usando um pirógrafo.

[close]

p. 7

eisfluências agosto 2011 07 encontros com a poesia idéia do grupo armação com participação do gpl em que aconteceram alguns recitais de poesia com membros do grupo e convidados antologias o grupo possui 6 antologias de poesias uma miniantologia encartada em agenda de uma construtora um livreto com poesias de auto-ajuda e a obra folhetim cada caso um causo desta feita com contos e crônicas dos associados efetivos e correspondentes um projeto interno tem dado ótimos resultados o escritor e sua obra consiste em pesquisa dos membros do grupo sobre autores catarinenses e apresentados em suas reuniões e também a presença de escritores convidados além desses projetos o grupo também apresenta sessões especiais pelo centenário de nascimento de poetas catarinenses aniversário da fundadora maria vilma nascimento campos e sessões de saudade concursos de poesia também fazem parte da história do grupo com temas tais como amor eterno guerra e paz amor adolescente amor à mãe pão alimento da vida a natureza é onde mora a vida três concursos que reúnem poesia teatro e desenho intitulado palavras com forma eu e o mar que resultou em um livro já citado com alunos do ceja curso de educação carcerária do presídio regional de tijucas sc estamos já na 7a edição do concurso liberte-se nas asas da poesia o gpl faz atualmente e desde 2007 com a primeira edição concursos on-line de poesia com internautas do brasil e exterior de fala portuguesa ou espanhola bastando acessar o site do grupo e postar seus poemas as poesias dos classificados são publicadas na revista ventos do sul temas dos concursos on-line Água fonte de vida a paz na minha aldeia uma história de amor em tempo de paz onde eu estava no verão passado de trovas e quadras com tema livre com o nome concurso de trovas e quadras maria da anunciação pereira e em 2011 com o tema a casa caiu o grupo participa de feiras de livro a arte teatral também está presente o grupo apresentou em forma teatralizada o poema balada dos jácom-terra do escritor júlio de queiroz espetáculos como poesia luz e som a utilidade da utopia foram produzidos pelos poetas do grupo em duas versões importantes portarias fazem parte da história do grupo a n.1/2009 de 8 de maio de 2009 designa a sala e a biblioteca do grupo sala manoel jover teles e biblioteca maria vilma nascimento campos a n.2/2009 de 7 de agosto de 2009 institui a oração do poeta de autoria de zeula soares como oração dos poetas oficial do grupo para abrir todas as reuniões a n.3/2009 de 4 de setembro de 2009 institui o hino dos poetas livres autoria letra e música de josé cacildo silva como hino oficial do grupo em 2010 a portaria 01/2010 instituiu a medalha do poeta maria vilma campos em 2011 a portaria 01/2011 instituiu a bandeira do grupo de poetas livres em síntese o trabalho do gpl ao longo desses treze anos de atividades profa maura soares presidente do gpl www.lachascona.blogspot.com alguns poemas de membros do gpl sueli rodrigues bittencourt nasceu em 1920 completou em 2010 90 anos professora tem 2 livros publicados e de um deles fez um áudio-livro criou e desenvolve o projeto paz e poesia pela internet paz sueli rodrigues bittencourt É tempo de luz e esperança de compreensão e bonança É tempo de amor e perdão buscando paz e união união de povos de raças diversas de pessoas de ideias inversas tranquilidade evolução e paz o terceiro milênio nos traz se banirmos vis sentimentos ódios ganância tormentos unindo-nos em esforço tenaz para que reine na terra a paz maria da anunciaÇÃo pereira nasceu em 1925 alfabetizada aos 67 anos diz de cor seus poemas imaginava gravava na memória e pedia para os filhos escreverem trabalhou na roça tem uma filha delegada de polícia outra dentista outros formados em faculdade particularmente tenho um carinho especial por ela e por doralice também por maurilia que formam o trio as cazajeiras festa de sÃo joÃo maria da anunciação pereira chegou o mês de junho tem festa de são joão o salão está enfeitado tem fogueira e tem quentão as moças todas arrumadas com seus vestidos de chita com seus cabelos de trança com lindos laços de fita chegou o dono da casa e manda o acordeom tocar dançam jovens senhoras todas no mesmo lugar quando chega a meia-noite todos na mesma alegria grita o dono da casa venham senhoras e senhores vamos dançar a quadrilha todos dançam e todos pulam a comida é de montão batata doce e melado aipim pipoca e pinhão e assim termina a festa da noite de são joão todos em roda da fogueira soltando foguete e balão.

[close]

p. 8

08 eisfluências agosto 2011 doralice rosa de souza silva nasceu em 1929,possui 2 livros publicados fez somente até o 3º ano primário após ingressar no gpl,fez o curso completo do neti-ufscnúcleo da terceira idade da universidade federal de santa catarina tendo que fazer estágio com alunos em sala de aula ganhou concurso de contos pela ufsc um de seus filhos ­ vidomar é professor de português e literatura-apenas corrige se algo sai errado jamais interfere na ideia da mãe com a calmaria do vento é gratificante olhar o mar fica mais sereno sei que posso navegar percepÇÃo adriana cruz mesmo sem percebermos resistimos às tendências reais de vidas irreais atingimos objetivos sem ao menos prevermos o que a vida nos reserva o susto das intransigências o medo das fatalidades o receio de viver a vida loucura de uma vivência intensa e desregrada marcas de um passado que teima em estar presente o papel e a caneta doralice rosa de souza silva peguei papel e caneta não sabia o que escrevia mas tive a inspiração pra fazer a poesia pois poeta sempre escreve o que está no coração às vezes faz o poema pra transformar em canção lá no lindo céu azul a lua se despedia o sol estava nascendo para mais um novo dia lembrei-me da minha infância do lugar onde eu vivia das noites de lua cheia fui feliz e não sabia [fundadora e presidente-perpétuo do gpl as cordas a joão meu pai maura soares nas cordas do teu violão dedilhavas modinhas valsas tangos e canções menina ficava a teu lado a te ouvir cantar e tocar os seresteiros chico alves dilermando silvio caldas conquistavas a menina que cedo aprendeu a cantar tango sem conhecer direito a língua portenha teu jeito quieto reservado expandias na música e se havia uma cerveja gelada as mãos grandes do duro trabalho soltavam com delicadeza as cordas que vibravam com emoção não conseguia entender ­ entendo agora ­ como é que daquelas mãos tão grandes podiam sair tão belos acordes agora sei o amor pela música o dom natural da genética punha pra fora o que estava reprimido a emoção agora no outono da vida ao ouvir acordes que outros seresteiros fazem lembro-me de ti meu pai joão como muitos mas joão como poucos que encantava meu coração de menina que comovida pelas lembranças dedica estes versos ao sentir vibrar as cordas do coração aos 21 e 22/11/2009 ­ madrugada presidente do gpl maurilia freitas nasceu em 1939 professora regionalista aposentada forma com doralice e maria o trio as cajazeiras cantam e dançam nas apresentações do gpl ondas do mar maurilia freitas olhando as ondas revoltas fico a me questionar quantos segredos esconde a profundeza do mar os segredos lá do fundo são difíceis de desvendar quanto mais o homem procura coisas novas vai achar escutando os barulhos das ondas sentada na praia a pensar na juventude distante gosto de recordar minha alma fica serena sinto uma paz imensa o vento batendo em meu rosto de jesus sinto a presença maura soares nasceu em florianópolis em 7 de janeiro de 1943 licenciada em letras ufsc e pedagogia habilitação supervisão escolar udesc exerceu a presidência da associação dos supervisores escolares de santa catarina em duas gestões 1989-1992 autora teatral com mais de 30 peças das quais 15 já encenadas pelo grupo independente membro emérito do instituto histórico e geográfico de santa catarina participando de sua directoria autora de a biblioteca e seus patronos biografias dos patronos da biblioteca pública municipal prof francisco barreiros filho obra editada pela fundação franklin cascaes da prefeitura municipal de florianópolis possui obras artesanais de poesia contos e crónicas presidente do grupo de poetas livres desde o ano 2000 participando de suas antologias e revistas com textos e poemas no grupo de poetas livres edita a revista ventos do sul e tem coordenado todas as suas antologias membro da academia desterrense de letras da qual participa na directoria.

[close]

p. 9

eisfluências agosto 2011 09 uma crÔnica À luz de begin the begine no pano de fundo de alguns dos prÊmios nobel de literatura ­ 1945/2010 por marco bastos recentemente na internet assisti a vídeos de musicais e danças e isso para mim não é coisa rotineira 1945 foi atribuído a gabriela mistral pela sua poesia lírica que inspirada por emoções poderosas fez seu nome um símbolo das aspirações idealistas do mundo latino-americano normalmente acesso os sites em que escrevo recebo e respondo mensagens de email busco notícias sobre as atualidades e sobre assuntos mais específicos relacionados com literatura política internacional meio ambiente e economia 1946 foi atribuído a hermann hesse por seus escritos inspirados que embora crescendo em ousadia e penetração exemplificam os ideais clássicos humanitários e alta qualidade de estilo atraem-me os novos fatos do desenvolvimento científico leio sobre cosmologia assunto de deleite para o agnóstico que pensa não como quem crê e se vê perplexo diante da imensidão que nunca virá a conhecer totalmente leio como quem questiona diante do universo que apenas parcialmente vê intui ou percebe e considera natural a impossibilidade de conhecer tudo ou o todo 1950 foi atribuído a bertrand russell em reconhecimento dos seus escritos variados e significativos nos quais preponderam ideais humanitários e liberdade de pensamento ao longo dos muitos anos na medida em que o tempo passava ao engenheiro mais se aguçava a curiosidade e a consciência da necessidade de melhor compreender o seu tempo 1953 foi atribuído a winston churchill por sua maestria na descrição histórica e biográfica bem como pela oratória brilhante na defesa exaltada de valores humanos na juventude na época da universidade década dos 60´s ainda trazendo a aura da alegria dos anos dourados do otimismo das primeiras duas décadas do pós-guerra e da própria idade vivenciava um mundo em profunda transformação e repleto de contradições 1957 foi atribuído a albert camus por sua importante produção literária que com lúcida sinceridade ilumina os problemas da consciência humana no nosso tempo guerra-fria entre ocidente e oriente a disputar a hegemonia no mundo que derrotou o totalitarismo nazifascista a guerra do vietnã pelos mesmos motivos a demonstrar que a estratégia das guerras localizadas inaugurada nos anos 50´s na coréia seria a forma de guerra possível por não mobilizar um poderio destruidor imensurável 1958 foi atribuído a boris pasternak pela sua realização importante na poesia lírica contemporânea e no campo da tradição russa grande épico boris pasternak inicialmente aceitou o prêmio mas mais tarde foi convencido pelas autoridades de seu país a recusar o prêmio o fantasma de nagasaki e hiroshima não desestimulou nem evitou mas ao contrário incentivou os testes atômicos no atol de bikini e nas paisagens desoladas do deserto de nevada no utah ­ a humanidade soube da existência da bomba h sem ser imolada em suas labaredas 1962 foi atribuído a john steinbeck por seus escritos realistas e imaginários combinados com humor simpático e percepção social afiada acirrou-se a corrida espacial o heroísmo das pegadas do homem na lua não prenunciaria nem deixou transparecer o projeto guerra nas estrelas estratégico domínio dos sistemas de comunicação e tudo prossegue nas décadas seguintes mais ou menos sob a égide desses mesmos fatores diferindo apenas quanto às regiões periféricas teatro dos acontecimentos choques nos preços do petróleo provocaram movimentos na geopolítica do oriente médio tornando mais acesa a disputa entre árabes e judeus ou nesse espaço confrontam-se religiões e mais que isso ideologias e dependências energéticas da moderna sociedade 1964 foi atribuído a jean-paul sartre por seu trabalho que rico em idéias e do espírito de liberdade na busca da verdade tem exercido uma influência de longo alcance nos tempos atuais jean-paul sartre recusou o prêmio nobel esgotou-se na África o modelo da ocupação e exploração colonialistas 1967 foi atribuído a miguel angel asturias por sua realização literária viva enraizada nos traços e tradições nacionais dos povos indígenas da américa latina

[close]

p. 10

10 eisfluências agosto 2011 das cinzas da segunda grande guerra ressurgem a alemanha e o japão e inventou-se através da transferência de capitais e de tecnologia um novo sudeste asiático enquanto a china acorda e se faz superpotência ao apagar das luzes da união das republicas socialistas e o mundo se reparte em blocos no palco do neoliberalismo ­ não tão neo menos ainda liberalista no mesmo período de tempo arma-se e desaba a moeda padrão sucedânea em paridade ao padrão-ouro de bretton woods e recrudesce a violência 1969 foi atribuído a samuel beckett por sua escrita em novas formas para o romance e o drama na miséria o homem moderno adquire sua elevação em algumas oportunidades o mundo se esquece da cláusula trinta da declaração universal dos direitos humanos que na grandeza dos seus propósitos de sedimentação de princípios reconhece direitos e deveres e não se declara mera regulamentação que atenda a circunstâncias ou conjunturas ­ a moralidade legal não conferiu poderes para a usurpação dos direitos reconhecidos mesmo diante do terrorismo que se torna operante e das drogas que solapam a humanidade se foram esses os cenários que nos trouxeram até ao presente de consciência ecológica e de vontade da harmonia planetária houve nesse caminho fatos outros que registraram ou induziram a posturas que passaram a vigorar 1971 foi atribuído a pablo neruda por uma poesia que com a ação de uma força elemental mantém vivo o destino de um continente e os sonhos na moda a revolucionária bem-comportada coco chanel abriu o espaço para o advento de mary-quant em um mundo de biquínis hot pants e mini-saias a demonstrarem a rebeldia do novo multirracial multilateral multifacetado mundo onde acontece a women´s lib desloca-se de paris para londres o eixo da moda ajustando-se agora à contracultura beat de inspiração existencialista 1980 foi atribuído a czeslaw milosz que com a condição de intransigente clarividência expõe as vozes dos homens em um mundo de conflitos graves o fox as valsas e os boleros cedem espaço e na música o rock´n roll do elvis e as canções dos beatles têm a mesma correspondência que há entre coco e mary quant ­ a de fato revolucionária suplanta a que inova sem romper com os padrões estéticos do passado ­ o mundo tem sede de caminhos nunca trilhados elvis tinha um certo quê de cowboy continuista 1982 foi atribuído a gabriel garcía márquez por seus romances e contos nos quais o fantástico e o real são combinados em um mundo ricamente composto de imaginação refletindo a vida de um continente e conflitos não surge um novo freud nem outro jung mas eros e thanatos interagem e se aproximam à luz do pensamento de marcuse fenômenos de massa voltam a balançar os cânones da história que por seu lado impassível mantém a posição de desrespeito às fronteiras geográficas 1985 foi atribuído a claude simon que em seu romance combina a criatividade do poeta e do pintor com uma consciência mais profunda do tempo na representação da condição humana o mundo volta a se lembrar de nietzsche kafka metonimicamente metamorfoseia a psique dos mais jovens Éxupéry reacende a pureza do idealismo dos pequenos príncipes e mostra o que pensa o rei em cidadela 1989 foi atribuído a camilo josé cela por uma prosa rica e intensa que com compaixão contém uma visão desafiadora da vulnerabilidade do homem salinger nos dá as malas para sairmos mundo a fora como apanhadores em campos de centeio cristo e buda são relembrados enquanto voam fernãos capelos gaivotas para ensinarem a voar na contra-mão 1992 foi atribuído a derek walcott por uma obra poética de grande luminosidade sustentado por uma visão histórica resultado de um compromisso multicultural e chegam-nos do oriente as doses de nirvana e as mandalas do misticismo necessárias à aceitação dos sarongs coloridos nos devaneios do lsd 1994 foi atribuído a kenzaburo oe que com força poética cria um mundo imaginário onde se condensam a vida e o mito para formar um quadro desconcertante da condição humana de hoje nouvelle vague e se misturam candelabros italianos e blow-ups em gritos e sussurros desbancando art nouveau bauhauss e cadeiras thonet as austríacas de balanço 1998 foi atribuído a josé saramago que com parábolas sustentadas pela compaixão imaginação e ironia continua nos permite mais uma vez apreender uma realidade indefinível e maquiavel maquiavel prá quê?

[close]

p. 11

eisfluências agosto 2011 11 2004 foi atribuído a elfriede jelinek para seu fluxo musical de vozes e contra-vozes em novelas e peças que com zelo lingüístico extraordinário revelam o absurdo dos clichés da sociedade e seu poder de subjugar o esclerosado marx morre só ­ seus seguidores quiseram o capitalismo do estado e levaram um século a perseguirem somente o trânsito das riquezas esquecendo-se que no reverso da mais valia prevalecia mesmo do estado ainda o capitalismo 2005 foi atribuído a harold pinter que em suas peças revela o precipício sob a conversa fiada cotidiana e as forças de entrada em salas fechadas da opressão e surge morin centrado no homem em busca do sistêmico social nas asas das borboletas do oriente 2009 foi atribuído a herta müller que com a síntese da poesia e a franqueza da prosa retrata a paisagem dos despossuídos e volto ao início àqueles filmes musicais e àquelas danças perfeitas de puro entrosamento lúdico de ritmo harmonia e movimento quando até os cabelos dançam e os braços parecem labaredas o que é lindo sem dar tesão passa a parecer uma brincadeira 2010 foi atribuído a mario vargas llosa por sua cartografia das estruturas de poder e suas imagens vigorosas de resistência do indivíduo revolta e derrota e vamos então ao hip hop individual e coletivo aeróbico sensual ou pegajoso que também exige preparo e habilidade que insinua luta e sexualidade e é como se a explicitação criasse a novidade begin the begine http www.youtube.com/watch?v=onimyeqk-fk&feature=youtu.be laureados com o prÊmio nobel ­ lista completa fonte http nobelprize.org/nobel_prizes/literature/laureates nota embora a idéia na elaboração desse texto tenha sido a de inter-contextualizar no curto espaço de tempo em que foi redigido ficou impossível buscar correspondências mais fidedignas entre o meu texto e a obra do premiado a citação associada aos autores premiados não é interpretação minha e sim a tradução livre da justificativa para a premiação que consta do arquivo nobelprizes acima citado a cronologia é apenas indicativa desde que os aspectos citados se interpenetram no tempo e não se submetem à anualidade marco bastos salvador/bahia/br notÍcia por clevane pessoa na qualidade de uma das acadêmicas de entidades congregadas à falasp federação das academias de letras de s.paulo contristada venho registrar a passagem da acadêmica clarinha martins santiago leite de moraes ver no link abaixo as comunicações do conde thiago de menezes presidente egrégio da falasp sempre afetivo e zeloso de seus acadêmicos também presidente da comtur de itapira onde reside e também residia a falecida imortal todavia perene na lembrança dos que a conheceram a querida confreira foi colunista da folha de itapira sob o pseudônimo de soraya e recebeu entre outras a medalha pero vaz de caminha da falasp a todos os confrades e confreiras meu abraço de solidariedade nesse momento de despedida mas conforme sempre digo não morrem jamais aqueles que são lidos e lembrados com pesar compartilho desse momento também em nome das entidades às quais pertenço clevane pessoa de araújo lopes http hana-haruko.blogspot.com/2011/06/falasp-de-luto-porclarinha-martins.html na foto o presidente da falasp conde thiago de menezes e a estimada sra.clarinha martins santiago leite de moraes in memoriam poema a clarinha clevane pessoa clareará a outra dimensão essa luz que nos deixa claríssima fonte de afeto e tecerá flores de luz com sorriso estrelado na espera de cada primavera a aguardar os outros que um dia chegarão a reencontrar os que se foram as moiras ao cortar com a tesoura de ouro o fio de sua vida ficaram com as pontas dos dedos douradas tal sua beleza ouviram anjos entoarem a música celeste do acolhimento e então encerraram a passagem por este planeta de quem agora pisca no firmamento mais uma estrelinha a nos acenar poesia seus amigos confrades e confreiras comentarão suas estórias de vida ela que faz parte da história de sua cidade itapira -e por isso não morrerá jamais nas lembranças e na memória

[close]

p. 12

12 eisfluências agosto 2011 o sonho do jacarÉ por mário resende cadê ela sei não acho que chegou a fera como assim se ela não apareceu até agora é porque está naquele período ela só voltará quando ele for embora eu não acredito ela pode ficar assim tão indiferente afinal ela é a maior amiga da gente amiga é tá me cheirando a dor de cotovelo disfarça disfarça lá vem ela lá ri lá lá ­ limpando as unhas nas penas acho que vai chover não disse que ele tinha chegado eu tinha certeza eu sabia que alguma coisa tinha acontecido agora vamos ter que esperar a maré de calmaria passar É quando ele for embora volta ansiedade outra vez ataca a neurose e ela fica toda nervosinha então a gente faz a festa É só esperar tem certeza disso você confia em quê tem gente pra tudo meu filho eu não confio em ninguém ainda mais em felino ou felina que nada você não viu a piscadela que ela deu pra mim ih sai pra lá jacaré se enxerga pura inveja tua do jeito que as coisas andam se transformam ou evoluem na natureza tudo pode acontecer você nunca ouviu falar em darwin tá precisando se instruir hein ah pesquei jacaré apaixonado né onde já se viu isso se todos os seus sonhos se realizassem iria nascer um bicho meio esquisito onça com cara de jacaré ou seria um jacaré com cara de onça oncinha com rabo de jacarezinho jacarezinho com rabinho de oncinha e cheio de manchinhas É para um coração apaixonado quando a prática conflita com a teoria muda-se a teoria -e daí sonhar não faz mal a ninguém tudo pode acontecer quem viver verá a minha maior paixão são aqueles lábios carnudos que bocão meu deus É o que mais me atrai que lábios que nada jacaré aquilo é beiço mesmo tu és muito despeitada isso sim só porque tem esse bico fino tá mais é com inveja É melhor ouvir isso que ser surda bico que te presta e muito não é seu mal agradecido por que você não pede a ela pra vir pra cá te catar ela só não vem porque a natureza dela é outra o nosso destino não é esse senão então tá bom deixa o gatão dela ir embora lá pras outras paradas que eu quero ver se tu é macho mesmo pra resolver a tua encrenca ah deixe-me em paz continua limpando as minhas costas seu passarinho pernudo e despeitado isso é que eu não vou ter nunca mesmo du-vi-de-o-dó não sou mamífero eu vou é embora não estou aqui pra aguentar desaforo de mal agradecido tchau vai pode ir passarinho ignorante eu não falei de peito foi despeito quanta burrice É por isso que apesar de ser um pássaro bonito e elegante vai ficar sempre nessa vidinha nem aprendeu a cantar só sabe grasnar não vê que quando a gente quer a gente consegue temos que ser perseverantes a natureza sempre dá um jeitinho ­ pensou enquanto mergulhava fundo no rio pra refrescar as ideias bolhas de sabÃo mário resende muitas bolhas de sabão eu soprei na sua direção uma cheia de carinho atingiu os seus cabelos como se fosse a minha mão outra era um sorriso carregado de alegria para animar o seu dia uma bem sugestiva armada de sedução isca do meu desejo para chamar a sua atenção outra nos seus lábios um beijinho bem roubado desfilaram junto ao seu rosto meus olhos refletidos nos seus a esperança e suspiros galanteios muitos sorrisos beijos beijos beijos doces coloridos e de todos os tipos esperando acontecer mas aquela especial carregada de amor estourou em seu peito bem pertinho do coração imagine mário resende imagine se tudo acontecesse assim como é tão fácil imaginar imagine se fosse tão fácil esquecer um amor imaginar que não existiu que não aconteceu imagine se fosse tão fácil apagar como se faz com grafite as marcas que ficam na memória lembranças felizes imagine se fosse tão fácil como os efeitos da magia a palavra mágica transforma a realidade imagine que é tão fácil imaginar e imagine para o bem viver muitas outras formas de amar a quem imagine nem imagina viver sem te amar site onde publica seus textos http www.recantodasletras.com.br/autores/mrrezende blogs http mariorezendemeusescritos.blogspot.com http mariorezendecontandocasos.blogspot.com http sitedoescritor.ning.com/profile/mariorezende livros publicados causos da boleia ­ madio editorial ­ 2010 diversas antologias de contos crÔnicas e poesias mario rezende é psicólogo e administrador de empresas tem imenso prazer em escrever as suas emoções sentimentos e amores junto com a observação da sociedade e da vida vão estimulando sua imaginação fornecendo conteúdo com isso conseguiu diversos prêmios pelos seus textos em prosa e verso começou a escrever ainda jovem numa época em que aconteciam muitos festivais estudantis a princípio em forma de letras de músicas e delas para a poesia e a prosa foi um passo nos seus textos confundem-se a realidade a fantasia e os desejos em ficção membro efetivo da apolo ­ academia poÇoense de letras e artes acadÊmico correspondente da artpop ­ academia de artes de cabo frio escritor colaborador com a minirrevistinha literÁria contando e poetizando ­ organizada por marcos toledo

[close]

p. 13

eisfluências agosto 2011 13 cornÉlio pires humberto rodrigues neto quase todos os espíritas conhecem cornélio pires tanto por suas obras em prosa como em verso não havendo portanto necessidade de repetir seus dados biográficos interessa-nos sim conhecer a maneira pela qual se converteu de contumaz gozador do espiritismo em um de seus mais ardorosos defensores nascido em tietê-sp em 13-07-1884 veio para são paulo em 1901 instalando-se na casa de uma bondosa tia protestante que o instruiu no evangelho no qual viu contradições nas palavras de jesus quando este dizia que não viera mudar a lei e depois perdoara a mulher adúltera quando a lei mandava apedrejá-la notou que deus dava preferências a uns e sacrificava a outros um deus que sendo amor e bondade criava entes fracos para depois enviá-los ao fogo eterno a minar-lhe a crença na veracidade das escrituras certa vez viajando de carro saiu de caxambu e foi a lambari onde seu motorista o avisa de que usara sem perceber a chave-reserva do carro pois talvez tivesse esquecido a bolsinha das chaves do estepe portas e contato em caxambu caso um pneu furasse não teriam como usar o estepe voltam a caxambu e como não a encontram cornélio escreve para a cássio muniz um grande magazine de são paulo na época pedindo lhe remetam novas chaves para poços de caldas mas ali chegam e nada de chaves escreve sucessivamente novas cartas pedindo a remessa das chaves para as cidades seguintes como poços de caldas são joão da boa vista onde mandou lavar o carro e os tapetes são carlos novo horizonte e valparaíso e nada das chaves todavia em pirajuí ao retornarem do almoço para o auto deparam com a bolsinha das chaves sobre o tapete do motorista não obstante o carro e os tapetes terem sido lavados dias antes sem que os lavadores a tivessem visto aqui tem coisa pensou cornélio pires desconfiado quando seguiam para lindóia e serra negra ao entrarem numa farmácia na qual o escritor precisava tomar uma injeção de eparseno o farmacêutico entorta três agulhas sem conseguir introduzi-las no músculo o que faz cornélio desistir e dizer intrigado aqui tem coisa em são carlos visita o amigo lobo que o apresenta a alfredo seu cozinheiro afiançando-lhe tratar-se de um grande médium sonâmbulo cornélio então segreda-lhe em tom de troça cuidado que o juqueri está lotado de inopino o médium entra em transe dizendo meu amigo fez muito bem em não tomar a injeção aquilo era arsênico e o seu fígado está em péssimo estado o que o deixa de novo empertigado pois nem ao lobo contara o caso da injeção lembrou-se então que logo depois de ter conhecido o médium encontrara as chaves perdidas o que o deixara a matutar em novo horizonte ao pedir ao motorista que lhe tire uma foto esta expõe ao ser revelada uma barata enorme do tamanho do seu rosto sobre a cabeça aqui tem coisa seo zé ­ diz ao motorista ao contar o fato no hotel já em ponta grossa um senhor lhe pediu para ver a foto e concentrado nela diz É uma troça inocente ao perceber tratar-se de um médium pede-lhe para escrever a frase no verso da foto com o que ele concorda anotando É uma troça inocente ­ emílio aturdido pergunta ao homem se tratar-se-ia de emílio de menezes um dos maiores sátiros da poesia brasileira ­ sim sou quem estás pensando ­ respondeu o espírito pela voz do médium regressando a curitiba eis que recebe no hotel por outro médium um bilhete escrito de trás para diante no qual depois de colocado frente a um espelho lê amigo cornélio ­ abraços e não beijos eu não te beijaria nem por um conto de réis ­ emílio ao conferir as assinaturas eram perfeitamente iguais por essa altura recebe também mensagens de bezerra de menezes não mais alimenta dúvidas passa a comprar e a ler avidamente inúmeros livros espíritas inclusive de renomados autores estrangeiros como bozzano dennis flammarion lodge zolner de rochas crookes dellane e muitos outros rendendo-se definitivamente às verdades da doutrina e passando a divulgá-las até o momento da sua morte ocorrida em são paulo em 17-02-58 o que nos parece revoltante é que os biógrafos ao descreverem a vida de vultos famosos torcem o nariz diante de fatos verídicos relacionados a atividades espíritas por eles desenvolvidas omitindo-os deliberada e criminosamente no vesgo raciocínio de que tal tipo de divulgação pudesse empanar-lhes a fama como assevera jorge rizzini em seu belo livro escritores e fantasmas editado em 2a edição pela editora espírita correio fraterno do abc cuja leitura recomendamos a todos os espíritas sérios pais de verdade humberto rodrigues neto tem toda mãe aquela devoção de dar aos filhos alegria e gozo mas cumpre bem melhor a árdua missão se tem a ajuda de um ativo esposo e é tão gostoso aos seus rebentos quando notam do pai os gestos prestimosos nos trabalhos da mãe cooperando mormente nos que são mais trabalhosos se a mãe adoece e falta-lhe a energia tal pai não foge à colaboração pega a vassoura vai ao tanque e à pia e se preciso encara até o fogão e quanta vez numa fatalidade nossa mãezinha para o além se vai é quando deus num rasgo de bondade nos troca o amor da mãe pelo do pai são paulo/br quem sabe humberto rodrigues neto elias já veio eis o que disse o cristo ­ e se hoje o guardam as funéreas loisas há de voltar conforme está previsto pra restabelecer todas as coisas contudo dois milênios são passados depois que o mestre fez tal predição contesta-se o teor de tais recados supondo-os faltos de confirmação quem teria sido pois o elias novo que viria dar-nos outra ideologia legando às crenças magistral renovo imune aos erros da mitologia negar tal profecia a mim não cabe mas ante a sábia frase do messias tudo me inclina a cogitar quem sabe não foi kardec aquele antigo elias são paulo/br a vida só pode ser entendida olhando-se para trás mas só pode ser vivida olhando-se para frente s kierkegaard filósofo e teólogo dinamarquês

[close]

p. 14

14 eisfluências agosto 2011 acontecimientos culturales Úbeda y baeza en las fiestas del renacimiento 2011 maría sánchez fernández el día 3 de abril del año 2003 fueron declaradas por la unesco patrimonio de la humanidad .las ciudades renacentistas de Úbeda y baeza ­ espaÑa desde ese año y en conmemoración del importante evento se celebran en ambas ciudades hermanas en los primeros días del mes julio las fiestas del renacimiento me centraré en Úbeda ciudad en la que resido y en donde en esos días vivo plenamente en sus calles y plazas el ambiente festivo y colorista de otra época esta Úbeda callada dorada y monumental la ciudad del renacimiento que mira al sur ha retornado en la primera semana del mes de julio al siglo xvi Úbeda ha despertado de un letargo de quinientos años y se ha visto viva palpitante y ha vuelto a ser aquella hermosa dama noble y alegre que se engalanaba con el manto multicolor de juglares y danzantes de músicos y poetas de malabaristas y múltiples celestinas que con sus trajes negros lengua afilada y ademanes obscenos hacían los regocijos de viejos y jóvenes de cetreros con magníficos ejemplares de presa de vendedores que exponían en sus tenderetes entoldados y ofrecían las más variadas mercaderías de las tres culturas que en ella se asentaban la ciudad en estos días ha sido un mosaico multicolor donde en las calles ondeaban al aire como pájaros al vuelo banderolas rojas y gualda donde el asfalto se alfombraba de paja dorada y hierba fresca donde todas sus gentes han vivido un auténtico espíritu de fiesta y han colaborado sin complejos en vestir los ropajes engolados sin importarle el calor de julio las plazas de vázquez de molina primero de mayo y calles adyacentes se diría que esperaban por segunda vez al mismo emperador carlos v acompañado de su secretario de estado don francisco de los cobos el cual habitualmente residía en Úbeda por ser hijo de esta ciudad majestuosas danzas acompañadas de tamboriles dulzainas y laúdes adornaban la noche bajo la mirada complaciente de múltiples atlantes severos escoltas del palacio de las cadenas la polifonía brillaba con todo su esplendor en el gran patio del palacio juan vázquez de molina un grupo de voces maravillosas acompañadas por varios instrumentistas y danzarines cantaban a los grandes músicos y poetas de la época juan del encina orlando di lasso alfonso viii que conquistó la ciudad cancionero de upsala y otros muchos que mi memoria no abarca y al final al mismo pié de la sacra capilla de el salvador la gran cena medieval celebrada al aire libre y ambientada por músicos y cantores y también hay que decirlo por unas campanitas que dulcemente se unían a la fiesta eran las campanas de los padres carmelitas que llamaban a maitines allí muy cerca como llaman jubilosas en todas las albas de todos los días allí en ese mismo lugar maravilloso donde nuestro gran poeta juan de la cruz patrón universal de la poesía en lengua castellana tuvo a bien ir a cantarlos donde la poesía es eterna fue en aquella madrugada del 14 de diciembre de 1591 y Úbeda pasados estos tres días despierta de su sueño de siglos para vivir su vida sosegada en nuestros días presentes para en los atardeceres dejarse mirar coquetamente en sus piedras labradas y doradas de sol para abrir con generosidad su gran alma de eterna poeta que por siempre canta danza y declama tomaré prestados unos versos de san juan de la cruz extraídos de su cántico espiritual para decir a todo el mundo que Úbeda es la música callada la soledad sonora la cena que recrea y enamora maría sánchez fernández Úbeda ­ españa 8 de julio de 2011 nasceste no lar que precisavas vestiste o corpo físico que merecias moras onde melhor deus te proporcionou de acordo com teu adiantamento possuis os recursos financeiros coerentes com as tuas necessidades nem mais nem menos mas o justo para as tuas lutas terrenas teu ambiente de trabalho é o que elegeste espontaneamente para a tua realização teus parentes amigos são as almas que atraíste com tua própria afinidade portanto teu destino está constantemente sob teu controle tu escolhes recolhes eleges atrais buscas expulsas modificas tudo aquilo que te rodeia a existência teus pensamentos e vontade são a chave de teus atos e atitudes são as fontes de atração e repulsão na tua jornada vivencial não reclames nem te faças de vítima antes de tudo analisa e observa a mudança está em tuas mãos reprograma tua meta busca o bem e viverás melhor embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim francisco do espírito santo neto ditado por hammed in um modo de entender uma nova forma de viver editora boa nova http www.rosangelaliberti.recantodasletras.com.br/blog.php?idb=8977

[close]

p. 15

eisfluências agosto 2011 15 comunidade terapêutica são francisco de assis carlos lúcio gontijo no dia primeiro de julho deste ano de 2011 no município de santo antônio do monte no centro-oeste de minas gerais estivemos na comunidade terapêutica são francisco reverenciado santo da igreja católica que teve o filosófico verso de sua oração é dando que se recebe transgredido e desrespeitado pela classe política que o rebaixou a sinônimo de corrupção e troca de favores ilícitos na fonte e mais tarde criminosos pois retiram verbas de setores importantes entre eles a saúde pública onde o atendimento precário é responsável pela morte de muitos brasileiros contudo na comunidade em questão são francisco de assis se vê realmente homenageado e reabilitado uma vez que ali se presta valioso trabalho cristão de acolhimento aos que buscam tratamento para o vício do consumo de drogas e álcool que tanto mal têm levado às famílias brasileiras que assistem à corrosão de seus pilares toda vez que um de seus membros é seduzido pelos agentes do mundo do tráfico imbuída de sensibilidade e compromisso social maria ortélia de castro melo professora escritora e ativista cultural tomou a iniciativa de elaborar uma versão bem humorada da história infantil branca de neve e os sete anões que foi encenada com brilhantismo pelos internos em processo de erradicação do vício que os atormenta demonstrando claramente a importância do acesso democratizado às artes como mecanismo capaz de tanto auxiliar no tratamento dos dependentes químicos quanto servir de barreira à materialização de tal infortúnio que se transformou em problema da sociedade como um todo tivemos o prazer de rever o ex-prefeito da cidade de santo antônio do monte getúlio batista de oliveira que no ano de 1977 nos outorgou diploma de honra ao mérito sob proposição de então vereador josé magela couto naquele momento fizemos a absoluta questão de cumprimentá-lo por patrocinar tão auspiciosa obra de caráter social e cristão em época que a droga invade praticamente todos os setores e atividades da sociedade brasileira colocando-nos próximos à efetivação de um estado embebido no aniquilador domínio do narcotráfico jogando a república nos braços da narcocracia getúlio batista não tem mais qualquer ambição política mas se nos apresenta sob o pleno exercício do inalienável mandato de cidadão que se sente responsável pelo destino das pessoas ou seja ele nos passa a visão fraterna de que não é necessário mandato político para o incremento de ações no campo da prática do amor ao próximo do qual tanto carece a nossa malcuidada lavoura social ao me deparar com getúlio batista de oliveira espargindo contentamento pelo sucesso da obra comunitária fundada e presidida por ele remontei-me a políticos que jamais largam o osso da disputa por mandatos ainda que em idade avançada como se a única maneira de eles servirem à sociedade fosse postar debaixo do braço algum diploma político como aconteceu recentemente com o expresidente itamar franco que aos 80 anos concorreu e venceu a uma cadeira de senador por oito anos para alegria do suplente josé perrela que agora foi premiado com a sua morte ganhando de mão-beijada sete anos e meio de mandato getúlio batista com sua capacidade empreendedora e maria ortélia a telinha com seu talento artístico-literário nos passaram naquele primeiro de julho a suprema e cristã lição de responsabilidade social enquanto aos internos em tratamento são francisco de assis derramava a divina força do livre arbítrio concedendo-lhes a graça da indispensável consciência de que o recomeço acontece no horizonte do querer carlos lúcio gontijo poeta escritor e jornalista www.carlosluciogontijo.jor.br afago mÁgico carlos lúcio gontijo o orvalho é o pranto da noite que as flores afagam na escuridão e que se transforma em gotas coloridas aos primeiros raios de vida das manhãs venha então meu melaço de amor pedaço sem dor de minha alma eclipse meu coração com o seu sua mão deslize em meu corpo preciso do conforto de seu toque encontrar-me em paz e são feito nação no riso de sua gente correntes carlos lúcico gontijo feito samambaia na fresta dos rochedos sem medo cresce-nos a festa da paixão o horizonte do coração fronteiras não tem pingando mel abertos em açucarado cio não nos importa o pavio curto dos mercados pois divinamente os amantes e os rios serpenteantes no macio de seus leitos seguem alvadios e livres entre correntes privilÉgio carlos lúcio gontijo esperando pelo dom sensível do dividir os arrozais se doam ao brotar e reflorir mas por alguma anomalia congênita uma vez na bacia o grão de arroz o homem que pôs à frente sua ganância exibindo uma arrogância que a tudo consome escolhe os que comem e os que de fome morrem colhe na divina natureza a matéria-prima do privilégio e a gente faz oração clamando por deus como inocentes meninos em aula de religião em colégio sem entender que o criador não nos conduz pois deixou em nossas próprias mãos o livre-arbítrio de acender ou apagar a luz do romance o contador de formigas 1988/1999 1ª e 2ª edições www.carlosluciogontijo.jor.br leite e lua carlos lúcio gontijo sem os cantos que cantava sem os risos que sorria sem a mulher que amava aceito ficar sem o caminho que antes ia sem as esperas que esperava sem cama sem ama posso ficar sem gente na rua sem luta sem liberdade sem leite sem lua pra que sociedade poema publicado em 1977 no livro leite e lua

[close]

Comments

no comments yet