RLB 45 - Dezembro de 2016

 

Embed or link this publication

Description

RLB 44

Popular Pages


p. 1

Ano 7 – nº 44 – Novembro de 2016 – R$ 6,50 Brasília Cidade pomar

[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

Índice Destinos & Viagens Brasília - Cidade pomar Now-boarding Etihad deixará o Brasil em março Evento FIT Pantanal 2017 está confirmada Fique de olho Museu de Arte Indígena Roteiro testado Praia do Rosa - roteiro de charme Música Luana Ruff: talento e garra Espaço Jurídico Execução provisória Refletir Fim do sinal analógico Wanderlust O fascínio de se reinventar Saúde Um capacete salvador para bebês 05 Somos reféns do calendário e por ele vamos pautando rela- 10 ções, projetos, sonhos e desejos. Pensamos o tempo por um có- 11 digo, não pela intensidade e a importância do momento atual. 12 Até mesmo dizemos “carpe diem”, mas, no mais das vezes, 15 estamos ocupados, preocupados e comprometidos com o amanhã que nos impede de vi- 19 vermos o agora na plenitude. Não deixe para o futuro o que 20 precisa ser feito agora: abraçar um amigo, pedir desculpas e 23 agradecer a Deus. E o amanhã virá... 25 Boa leitura! 27 Alfredo Bessow Editor Revista Leitura de Bordo – Ano 7 - nº 44 – Novembro de 2016 Publicação da Wosseb C&M, tiragem de 12 mil exemplares – circula nas Salas Vip e Aeroportos, trade turístico, enviada para prefeituras e gestores públicos e distribuição institucional. Edição 44 - novembro e dezembro de 2016. A Revista Leitura de Bordo não se responsabiliza pelas opiniões, pontos de vista e argumentos dos artigos assinados e veiculados na Revista. Editora de conteúdo: Sandra Fernandes Editor: Alfredo Bessow Colaboradores: Carlos Vieira, Paulo Antenor, Marcos Alexandre, Débora Costa e Silva, João Fagundes, Tiago Kalkmann, Roberto Kundzendorf Júnior, Angelita Castro, Moniky Bittencourt e Isadora Nicastro Produtor: Pedro Ricardo Teichmann Logística: Bruno Henrique Bessow Comercial: Wosseb C&M (+55 61 98150 0256) Proj. Gráfico/Diagramação: Wellington Pessoa | MadMídia Capa: Pé de Jaca - Guará II - Brasília (DF) Fotos: Wosseb C&M E-mail: geral@leituradebordo.com.br Site: www.leituradebordo.com.br Escritório: CLSW 303 Bl. A | Ent. 16 | Sl. 109 Setor Sudoeste | 70673-621 | Brasília (DF) Impressão: Flex Gráfica +55 62 98141 9149 Correspondência: Caixa Postal, 72 | 70351-970 - Brasília-DF 4 Leitura de Bordo | Novembro 2016 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 5

Brasília, cidade pomar | Destinos e viagens | www.leituradebordo.com.br | Novembro 2016 | Leitura de Bordo 5

[close]

p. 6

| Destinos e viagens | Entre o verde que dá vida aos imensos espaços vazios em Brasília e suas cidades satélites há uma diversidade de árvores frutíferas que fazem da capital do país um verdadeiro pomar. São pés de manga (muitos pés), além de abacate, jaca, goiaba, amora, acerola, pequi, buriti, jambo, mamão e uma infinidade de frutas que estão ao dispor de todos para saciar a fome – ainda que alguns prefiram vandalizar as frutas. Muitos adeptos de caminhadas costumam carregar alguma sacola ou saco plástico para ir coletando frutas que se ofertam aos olhos num ritual cotidiano – aproveitando a diversidade de sabores que a natureza disponibiliza. 6 Leitura de Bordo | Novembro 2016 | www.leituradebordo.com.br Um destino... Se Paris é a cidade luz; Roma a cidade eterna; Rio de Janeiro a cidade maravilhosa... Brasília é a cidade pomar – ainda que entre seus moradores não esteja disseminado o hábito de piqueniques, algo que harmonizaria bem com o ambiente bucólico do Parque da Cidade.

[close]

p. 7

| Destinos e viagens | O Parque da Cidade, por sinal, sofre com o descaso governamental – mas é um verdadeiro oásis no coração de Brasília. Faltam opções de lazer, há pouca diversidade (e nem se fala de qualidade) gastronômica e a segurança é falha. Em seus 4,2 km2, o Parque – criado pelo ex-governador Elmo Serejo e inaugurado em 1978 com a presença do então presidente Ernesto Geisel – o parque tem hoje, infelizmente, equipamentos velhos, com absoluta falta de conservação, e até colocando em risco os usuários. O Parque também concentra uma diversidade de árvores frutíferas – algo que nem sempre atrai a atenção dos frequentadores, mas que deveria ser alvo de ação do próprio GDF e de seus órgãos (meio ambiente, secretaria de agricultura, Emater, etc), inclusive com o plantio de variedades adequadas à região. Descaso A percepção de que se anda em um pomar sem cercas, nem divisas é um sentimento presente em todas as cidades do DF. No Guará II, cidade planejada e que foi esculhambada urbanisticamente na gestão do ex-governador Arruda, o núcleo central das quadras residenciais é cercado por uma área ocupada prioritariamente por árvores frutíferas. Este espaço público está sendo invadido por conta da omissão e da irresponsabilidade da administração regional. Mas andar os 8km da via de contorno do Guará II – mas, cuidado com os ciclistas, porque não há faixa específica e educação é algo que falta a maioria dos ciclistas que disputam espaço com pedestres – é deparar-se com uma variedade de sabores. Sempre com as frutas da estação. E muitas surpresas, como deparar-se com uma parreira de uvas, muitos pés de romã, abacate, limão, pitangas, bananeiras, ameixas, mexericas, laranjas, tamarindo, amora, jabuticaba, jaca, goiaba, mamão, jambo e até mesmo coco da Bahia – entre tantos exemplares. Vandalismo Como nem tudo são flores e também frutos, as árvores sofrem com vários males, mas dois acabam sendo preponderantes. Como a cidade não tema fiação elétrica subterrânea, muitas das árvores frutíferas precisam ser podadas para proteção dos fios. O segundo inimigo é o vandalismo de pessoas que, em lugar de apenas colherem as frutas, acabam quebrando galhos e danificando as plantas. Trata-se de uma questão cultural, como se o que fosse de todos tivesse que ser destruído. Por esta razão, alguns moradores acabam “cercando” algumas plantas – principalmente aquelas mais frágeis, como pitangueiras e jabuticabeiras. www.leituradebordo.com.br | Novembro 2016 | Leitura de Bordo 7

[close]

p. 8

| Destinos e viagens | Um plantador Aos 72 anos, o paraibano Almir Dutra Rocha perdeu a conta das muitas centenas de árvores que plantou e continua plantando desde que aportou no DF lá pelos idos de 1954 – bem antes de começar a odisseia da construção de Brasília. Veio de Cajazeiras com 10 anos, pelas mãos de um tio, e se considera candango “porque esta terra tudo me deu”. Sua casa no Guará II é um verdadeiro viveiro de novas plantas que vão sendo cultivadas. Funcionário de Furnas, Almir queixa-se mesmo do vandalismo – não apenas na hora de colher as frutas, mas também daqueles que simplesmente arrancam as mudas. Aplicativo A oferta de frutas é tanta que as pessoas começaram a compartilhar os locais onde elas estão com mais abundância. Um guia da cidade circula com um mapa das frutas, mas é difícil encontrá-lo e sua versão digital é desconhecida. Moradores e turistas podem baixar gratuitamente o “Fruit Map”, aplicativo desenvolvido pelos universitários Adarley Grando, Vinícius Magalhães e Fábio Rezende, 25. O aplicativo Fruit Map é um mapa diferente que mostra todos os pés de fruta disponíveis nas ruas dos bairros/cidades satélites do DF. Disponível para IOS e Android, o app foi lançado em junho de 2015 e os próprios usuários podem ajudar indicando as frutas que estão nas proximidades de sua casa ou de seu trabalho. A ideia dos idealizadores do Fruit Map é ir expandindo o aplicativo para todo o DF e mesmo outras cidades do País – inclusive com versão em outras línguas. 8 Leitura de Bordo | Novembro 2016 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 9

MENTE#ROLLEMBERG Ano letivo pode não ter início em 2017 no DF Governo Rodrigo Rollemberg piora a situação e empurra, a cada dia, a Educação para a greve Há praticamente dois anos o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), vem se escudando no discurso da falta de verbas - quando não na Lei de Responsabilidade Fiscal - para dar o calote e não cumprir leis que dizem respeito ao magistério público distrital. Professores e orientadores educacionais exigem a implantação do Plano Distrital de Educação (PDE), sancionado pelo próprio governador, em julho de 2015, bem como o cumprimento da Meta 17 do Plano Nacional de Educação (PNE) e das tabelas salariais do Plano de Carreira do Magistério Público do DF – previstas na Lei nº 5.105/13. Rollemberg impõe também outras perdas à categoria, como, por exemplo, o não reajuste do auxílio-alimentação, o não pagamento, aos recém-aposentados, da pecúnia da licença-prêmio, a não convocação dos concursados, entre vários outros prejuízos aos pro ssionais e à Educação. De acordo com diretores do Sinpro-DF, a sociedade precisa entender que o prejuízo não é só salarial e apenas sob o ponto de vista dos servidores. O prejuízo recai também, e princi- palmente, sobre os serviços públicos oferecidos à população. Mais de meio milhão de estudantes estão sendo severamente apenados pela falta de investimentos na escola pública. O objetivo do Governo do Distrito Federal (GDF), ao que parece, é investir na precarização para depois privatizar. Paralelamente, os cofres públicos GDF recebem milhões de Reais todos os dias, advindos dos impostos e taxas pagos pela população para ter serviço público, gratuito, moderno, de qualidade, mas não se vê isso acontecer na capital do país. Reunida em assembleia geral, no dia 10 de novembro, a categoria decidiu - por unanimidade - dar início a uma contagem regressiva para a próxima assembleia, com indicativo de greve, no dia 13 de fevereiro. Até lá, a categoria se manterá mobilizada e poderá ser convocada a qualquer momento caso o GDF sinalize atrasos de pagamentos, por exemplo. O governador Rodrigo Rollemberg tem agora este prazo de nido para apresentar aos professores e orientadores educacionais - assim como à sociedade – ações concretas que evitem a greve e o consequente não início das aulas em 2017. Campanha - A Central Única dos Trabalhadores (CUT Brasília), o Sinpro-DF e os demais sindicatos liados à central lançaram, também em novembro, a Campanha #RollembergMente. A ideia é mostrar à população a importância dos serviços públicos para cada cidadão e cidadã e apontar as mentiras que o governo Rodrigo Rollemberg tem divulgado sobre a arrecadação tributária do Distrito Federal. A ação utiliza a imagem de cofre cor de rosa, em forma de porco com asas, para mostrar que o dinheiro advindo dos impostos pagos diariamente pela população para ter serviços públicos, gratuitos e de qualidade“bateu asas e voou”.

[close]

p. 10

| Now Boarding | Etihad “deixará” o Brasil em março Depois da Singapore Airlines e a Korean Air, chegou a vez da Etihad Airways suspender as operações entre Abu Dhabi e São Paulo a partir de 26 de março de 2017. A justificativa da empresa é que “o atual cenário econômico no Brasil, juntamente com a forte depreciação da moeda brasileira, afetaram gravemente as viagens de e para o país. O desempenho da rota ficou aquém das expectativas da empresa e a difícil decisão de suspender indefinidamente as operações locais foi tomada”. Segundo a empresa, “os passageiros que já fizerem reservas em voos após 25 de março receberão o reembolso total dos bilhetes ou opções alternativas de viagem em cooperação com a companhia aérea parceira Alitalia, via Roma”. Alas, outra que se vai... Sucessora da uruguaia Pluna – que deu calote em muita gente – a Alas Uruguay foi uma tentativa romântica de criar uma empresa administrada por auto-gestão de um grupo de ex-funcionários. Mas o projeto virou uma aventura e em 23 de outubro suspendeu suas atividades. A companhia uruguaia não chegou a voar um ano. Entre as justificativas, os responsáveis apontam a dificuldade na obtenção de licenças para novas rotas, nomeadamente para o Chile e para o Brasil (Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo). Sobrou até para os conterrâneos: os responsáveis pela Alas acusam as autoridades aeronáuticas do Uruguai de má-vontade e de demorar nos processos de autorização de funcionamento e voo. Gol fará mais 500 voos extras para PE O crescimento do turismo em Pernambuco desde o início de 2015 tem feito com que as companhias aéreas aumentem suas frequências para o Estado. Depois de a Azul confirmar 100 voos extras para a alta temporada, foi a vez da Gol divulgar que disponibilizará mais de 500 voos extras no estado a partir da primeira semana de dezembro até o fim do Carnaval. No total, serão oferecidos mais de 90 mil assentos adicionais, com novas opções de horários e rotas, facilitando o deslocamento dos passageiros em voos diretos. Agora, a expectativa é pelo anúncio do pacote de voos extras da Latam. Os novos voos já estão disponíveis para venda em todas as agências de viagens. 10 Leitura de Bordo | Novembro 2016 | www.leituradebordo.com.br Nova Classe Econômica Premium A Iberia apresenta a sua nova cabine Economy Premium, que estará disponível em 37 aviões de longo curso, começando durante a temporada de verão de 2017 – e o primeiro avião a ser equipado com a nova seção será usado em rotas entre Madrid e Buenos Aires, Bogotá, Lima e Chicago. Os clientes que voam em classe Econômica Premium também desfrutarão da cabeça ajustável e apoios para os pés, fones de ouvido e um kit exclusivo de amenidades. Além disso, os passageiros Premium Economy terão prioridade no embarque e saída da aeronave, um subsídio de mala extra, opções de refeições atualizadas e outros privilégios.

[close]

p. 11

| Evento | FIT Pantanal 2017 está confirmada Depois do sucesso da edição de 2016, quando mais de 100 mil pessoas participaram, o governador Pedro Taques (PSDB-MT) garantiu ao trade turístico do Mato Grosso o apoio do governo do Estado para a realização da FIT Pantanal 2017 (Feira Internacional do Turismo). O evento está agendado para acontecer entre 20 e 24 de abril, nos mesmos moldes da edição deste ano. Segundo o presidente da ABAV-MT, Joari Proença, é “importante que tenhamos este espaço para mostrar as nossas imensas potencialidades, precisamos con- solidar a consciência de que o Mato Grosso é um dos melhores destinos turísticos do País, como uma diversidade de atrativos e uma capacidade de acolher os turistas do Brasil e do mundo”. Joari destaca que “todo o trade está envolvido com a FIT” e ressaltou a sensibilidade do governador Pedro Taques que, “mesmo em um momento de retração da economia, entendeu que o turismo é o setor que pode dar uma resposta rápida em termos de recursos (impostos), geração de emprego e renda e ocupação de toda a cadeia que envolve o turismo”. www.leituradebordo.com.br | Novembro 2016 | Leitura de Bordo 11

[close]

p. 12

| Fique de olho | Arte Indígena do BrasilCuritibatem1ºMuseuParticularde Espaço funciona com visitas guiadas e foi aberto em novembro UPor Isadora Nicastro ma imersão no universo indígena brasileiro é a proposta do novo museu que será inaugurado dia 18 de novembro em Curitiba, Paraná. Explorando os sentidos do olfato, visão e audição dos visitantes, o Museu de Arte Indígena (MAI) conta com mais de 700m² de exposição e com um acervo de obras relevantes da cultura indígena como cerâmica, cestarias, máscaras ritualísticas, objetos e adornos, com destaque para a arte plumária. 12 Leitura de Bordo | Novembro 2016 | www.leituradebordo.com.br

[close]

p. 13

| Fique de olho | O MAI é o primeiro museu particular do Brasil dedicado a resgatar e preservar esta arte e foi desenvolvido a partir da coleção da administradora Julianna Podolan Martins, que começou a adquirir objetos indígenas após uma visita a uma aldeia no Mato Grosso do Sul em 1997. Desde então, Julianna passou a realizar expedições a aldeias, comprar peças que simbolizam suas culturas e a pesquisar, intensamente, as etnias indígenas brasileiras. O museu foi projetado para retratar as riquezas culturais e a diversidade indígena no Brasil. As paredes seguem linhas orgânicas, inspiradas no formato de uma sucuri. Dividido em dois ambientes, que representam o ar e a terra - elementos que fazem parte da cultura destas etnias-, o primeiro andar é dedicado principalmente à arte plumária e o segundo, às cerâmi- cas, objetos ritualísticos, musicais e cotidianos. O Brasil que o Brasil desconhece Proporcionando uma nova abordagem a cultura indígena, o MAI pretende instigar o visitante a formar uma nova mentalidade crítica sobre o índio brasileiro. “Nossa ideia é desconstruir a ima- gem do indígena genérico, que normalmente é ensinado nos livros de história nas escolas. Queremos ressaltar a diversidade geográfica, linguística, cultural e física das diversas etnias brasileiras”, afirma a presidente do museu Julianna. Com este objetivo, os visitantes terão opção de visitas guiadas e feitas em pequenos grupos, para que consigam absorver mais informações sobre as diferentes culturas. Serviço O Museu de Arte Indígena (MAI) foi aberto à visitação do público em novembro de 2016. O horário de funcionamento do museu é de terça a domingo, das 10h às 17h30. As visitas de grupo devem ser agendadas através do email: maimuseudearteindigena@gmail.com ou pelo telefone (41) 3121-2395. Os ingressos custam R$12 (inteira) e R$6 (meia). Museu de Arte Indígena – MAI Endereço: Av. Água Verde, 1413 Água Verde, Curitiba – PR Telefone: (41) 3121-2395 Site: www.maimuseu.com.br www.leituradebordo.com.br | Novembro 2016 | Leitura de Bordo 13

[close]

p. 14

| Trade | Dreams® Delight Playa Bonita Panamá em novembro A AMResorts anunciou a abertura do Dreams® Delight Playa Bonita Panamá Resort & Spa neste mês. O hotel continuará a oferecer a assinatura Unlimited-Luxury® como originalmente anunciado até 30 de abril de 2017. No entanto, a partir 01 de maio de 2017, a propriedade já começa a oferecer o novo conceito de férias, definida como Delights™ (irá oferecer serviços para casais e casais com crianças, especificamente nos destinos onde os hóspedes passam muito do seu tempo de férias desfrutando das experiências como excursões, aproveitando a diversidade da gastronomia, as culturas locais e as tradições históricas). www.dreamsresorts.com/playa-bonita Hotel Palácio Tangará A Oetker Collection, que possui em seu portfólio hoteis como Le Bristol em Paris; Hotel-du-Cap-Eden-Roc no Cabo de Antibes; Eden Rock -St Barths, entre outros - irá inaugurar, no segundo trimestre de 2017, em São Paulo, o Palácio Tangará. A elegante construção terá 141 quartos, dos quais 59 suítes, todos com vista para o Parque Burle Marx, já pode ser avistada por quem transita pela Marginal Pinheiros, região do Panamby, na capital paulista. A grandiosa edificação com fachada de estética inspirada no estilo clássico surge em meio à vegetação exuberante do Parque Burle Marx. www.palaciotangara.com Monreale Resort para o Fim de Ano Reconhecido entre os melhores hotéis para a família no Brasil, o Monreale Resort - localizado em Poços de Caldas (Minas Gerais) está entre as opções de hospedagem para as festas do fim de ano e férias de verão. A programação, com início em dezembro, apresenta diversas atrações especiais para a garotada e para os pais. Além do Parque das Caminhadas (lançado recentemente), os hóspedes contam com quadras de tênis, lounge com vestiários e duchas, piscinas tropicais e aquecidas, campo de futebol, quadra poliesportiva, quadras de areia, teatro, cinema e salão de jogos. monrealehotels.com.br 14 Leitura de Bordo | Novembro 2016 | www.leituradebordo.com.br Novos hotéis do Four Seasons Four Seasons Hotels and Resorts, líder mundial em hotelaria de luxo, se destaca com ritmo intenso de inaugurações. A Flórida e o Caribe, destinos já consagrados para o mercado brasileiro, recebem dois novos hotéis da rede. A expansão inclui novas propriedades na Ásia e segundo hotel em Londres. Fundado em 1960, Four Seasons continua a definir o futuro da hotelaria de luxo com extraordinária imaginação, compromisso inabalável com os mais altos padrões de qualidade e um serviço genuíno e personalizado. Opera atualmente 101 hotéis, resorts e residências em 42 países. fourseasons.com/br.

[close]

p. 15

| Roteiro testado | Ft.: Lex Kozlik Como o vilarejo de pescadores se transformou em um dos destinos Por Moniky Bittencourt O s primeiros moradores, vindos da Argentina, do Rio Grande do Sul e de outras cidades em Santa Catarina, por volta de 1970, aos poucos foram com- prando os terrenos e construindo as casas de veraneio. As constru- ções, que até então haviam sido feitas para temporadas de férias, começaram a se transformar na moradia fixa de alguns “aventu- reiros”. Amigos e familiares se reu- niam no balneário e a demanda por restaurantes e comércio co- meçava a surgir. Ft.: Lex Kozlik www.leituradebordo.com.br | Novembro 2016 | Leitura de Bordo 15

[close]

Comments

no comments yet