Jornal do Sinpol 236 Site

 

Embed or link this publication

Description

Jornal do Sinpol 236 Site

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XXII - Setembro de 2.016 - nº 236 JUIZ PODE MULTAR ALCKMIN POR FALTA DE POLICIAIS CIVIS Magistrado da cidade de Leme considerou “maliciosa” a revogação de portaria que determinava o número mínimo de policiais civis em cada delegacia do Estado. Em sentença, juiz quer que Estado disponibilize a quantidade especificada em documento de 2013, revogado neste ano. Sinpol elogia atitude de juiz e critica inércia do governo em gerir recursos humanos na Polícia Civil. Veja na página 02. DIG RIBEIRÃO IDENTIFICA CHEFE DO MEGA ASSALTO Foto: Rodrigo Prióli - CBN Ribeirão Preto GOVERNO PERDE PRAZO E SINPOL CONSEGUE REVERSÃO O departamento jurídico do Sinpol obteve uma expressiva vitória em reversão de aposentadoria para associado de Jaboticabal, garantindo-lhe paridade e integralidade. Leia na página 08. Empresário do setor de transportes em Viradouro é apontado pela especializada como um dos líderes. Investigações continuam e novas prisões são esperadas para qualquer momento. Confira na página 09. E MAIS: 4 Equipe do 3º DP de Franca identifica e indicia grupo de pichadores que causaram prejuízos de meio milhão na cidade; 4 Policiais Civis de Taquaral, Bebedouro e Jaboticabal prendem pastor do crime; 4 Jarim Lopes da Roseira destaca atuação do Sinpol e do Jornal do Sinpol; 4 Dr. Luiz Carlos Pires conta a triste história de um alcoólatra; Se4temDISbErode/2R0ib1ei6rão Preto realiza importantes prisões de traficantes. Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br

[close]

p. 2

ESPECIAL JUIZ OBRIGA ALCKMIN A CONTRATAR POLICIAIS CIVIS Magistrado de Leme considerou revogação de Resolução determinando número mínimo de policiais civis um gesto malicioso por parte do governador O governador Geraldo Alckmin evitou o contato com a imprensa quando esteve presente a Sertãozinho no final de agosto, para a inauguração da Fenasucro. A razão foi justamente uma das maiores lutas do Sinpol: a falta de recursos humanos nas unidades da Polícia Civil em todo o Estado, de forma mais latente no interior. “Estimamos que o déficit só na região do Deinter-3 [Departamento de Polícia Judiciária do Interior], de Ribeirão Preto, que responde por 93 cidades, seja superior a 7 mil policiais civis de todas as carreiras, mas principalmente escrivães, investigadores e delegados”, observa Eumauri. O juiz Márcio Mendes Pícolo, de Leme, considerou a atitude de Geraldo Alckmin “maliciosa”, ao revogar a Resolução SSP 105, de 12 de julho de 2013, que dispunha sobre a distribuição dos cargos das carreiras policiais civis pertencentes á lotação da DGP (Delegacia Geral de Polícia). Ao publicar a Resolução, Alckmin tentava, segundo Eumauri, definir o número de policiais civis minimamente necessários para o serviço de Polícia Judiciária nivelando por baixo. “Em nosso entender, a necessidade de policiais civis era muito maior do que os números estabelecidos pelo governador. Mas aquela Resolução 105/2013 acabou sendo um tiro no pé, disparado pela equipe de governo, porque acabou estabelecendo um número mínimo necessário já inexistente naquela ocasião e, por consequência, contradizendo os então titulares da DGP, da SSP [Secretaria da Segurança Pública] e o próprio Geraldo Alckmin, que diziam não haver falta de recursos humanos na Polícia Civil”, alfineta Eumauri. Diante da situação, pela falta de perspectiva de enfrentar o problema de frente na opinião do presidente do Sinpol, Alckmin optou Foto: avozdocerrado.com Se não cumprir determinação do Juiz de Leme, Alckmin será multado por ter revogado portaria que definia número mínimo de policiais civis por unidade por simplesmente revogar a resolução, agra- citou o juiz num trecho de seu despacho da 3ª vando ainda mais a crise de Segurança Públi- Vara Cível de Leme. ca. A essa altura, o Estado enfrentava uma Além de criticar a atitude de Alckmin, o crescente onda de ações judiciais exigindo que juiz de Leme determinou que a SSP coloque o governador cumprisse com o número esta- na cidade 49 policiais civis, como previa a belecendo na resolução. Isso ocorreu em abril norma. Atualmente Leme tem 31 policiais ci- de 2016. vis, de acordo com o juiz. O governo deve, “O governador resolveu varrer o lixo para portanto, nomear outros 18 policiais civis. debaixo do tapete, achando que ninguém iria E para garantir o cumprimento da determi- tropeçar. Ele mesmo acabou tropeçando e está nação, o magistrado impõe um prazo de 30 caindo de cara no chão”, ironizou Eumauri. dias para cumprimento da ordem, sob pena Durante a realização da Fenasucro, pecuniária de R$ 10 mil por dia, limitada a R$ 1 Alckmin foi bombardeado pelos jornalistas milhão. que indagavam a decisão do Magistrado de De acordo com a resolução, os números Leme. O juiz foi contundente. “Revoga esta para a cidade são os seguintes: mesma norma justamente para que não possa DELEGACIAS DE POLÍCIA DOS MUNI- continuar a ser cobrado pela indevida omis- CÍPIOS DE ARARAS, LEME E são e desídia no trato da Segurança Pública”, PIRASSUNUNGA - 1ª CLASSE - 01 Delegado de Polícia de 1ª Classe; - 01 Delegado de Polícia de 2ª Classe; - 05 Delegados de Polícia de 3ª Classe; de Polícia; - 08 Investigadores de Polícia; - 02 Agentes de Telecomunicações Policiais; - 02 Auxiliares de Papiloscopista Policiais; - 04 Carcereiros; - 02 Agentes Policiais. DISTRITOS POLICIAIS DE 3ª CLASSE 1º e 2º de Araras, 1º e 2º de Leme e lº, 2º e 3º de Pirassununga - 01 Delegado de Polícia de 3ª Classe; - 01 Escrivão de Polícia; - 01 Investigador de Polícia; - 01 Carcereiro; - 01 Agente Policial. DELEGACIAS DE POLÍCIA DE DEFESA DA MULHER DE ARARAS, LEME E PIRASSUNUNGA - 3ª CLASSE - 01 Delegado de Policia de 3ª Classe; - 02 Escrivães de Polícia; - 03 Investigadores de Polícia; - 01 Carcereiro; - 01 Agente Policial. Leme era uma das cidades em que a justiça havia concedido liminar para o cumprimento imediato da norma. Após reportagem da Folha de São Paulo revelando as ações judiciais contra o governo, a norma foi revogada. Segundo o juiz, a revogação “não trouxe qualquer outro motivo fático ou jurídico que pudesse justificar a revogação”, concluiu. E prosseguiu em seu despacho: “na verdade, após existir grande repercussão na mídia a situação caótica e a omissão do requerido, tal conduta evidencia seu intuito em se furtar ao cumprimento de seu dever constitucional”, concluiu o magistrado em despacho publicado no início de agosto. 02 Setembro/2016

[close]

p. 3

pios. E nas cidades menores, onde há escrivão, não tem investigador. E onde há investigador, não tem escrivão. Tam- bém encontramos pessoas que sequer são policiais civis, possivelmente cedi- das por prefeituras, cuidando de delega- cias, enquanto o po- licial civil se ausen- tava, por exemplo, para entregar uma Eumauri: falta de efetivo prejudica investigação intimação”, lamenta Eumauri. Região Se fosse cumprida a resolução revogada Segundo Eumauri, seria risível, não fosse porAlckmin, o vice-presidente do Sinpol acre- trágica, a situação vivenciada na região do dita que só na área da Seccional de Ribeirão Deinter-3. Há algum tempo Eumauri, o vice- Preto seriam necessários, de imediato, cerca presidente do Sinpol Célio Antonio Santiago de 200 novos policiais civis. “A Resolução e outros diretores têm percorrido diversas ci- aponta que Distritos Policiais de 1ª Classe em dades da área de atuação do Deinter-3. E eles Ribeirão Preto, caso do 1º, 2º, 3º, 4º e 8º DPs da têm encontrado situações bastante cidade, é preciso ter pelo menos seis escrivães preocupantes. “Falta delegado em praticamen- e oito investigadores, entre as demais carrei- te todas as cidades com menos de 70 mil habi- ras. No 1º DP de Ribeirão Preto temos, no to- tantes. A titularidade, geralmente, é exercida tal, contando todas as carreiras, apenas nove por delegados de outras cidades. Há casos de policiais civis. Um policial civil a mais que o delegados respondendo por até três municí- número mínimo necessário apenas de investi- gadores, segundo a resolução que o se- nhor governador re- vogou”, acrescenta Célio Antonio Santi- ago. DISTRITOS PO- LICIAIS DE 1ª CLAS- SE 1º, 2º, 3º, 4º e 8º de Ribeirão Preto - 01 Delegado de Polícia de 1ª Classe; - 06 Escrivães de Polícia; - 08 Investigado- Segundo Célio, população é afetada pela falta de policiais civis res de Polícia; - 02 Agentes de Telecomunicações Polici- pal afetada pela falta de policiais civis”, apon- ais; ta Célio. - 02 Carcereiros; Eumauri explica que a falta de policiais - 02 Agentes Policiais. civis tem prejudicado a investigação. “Atu- Célio lembra que cidades como Cajuru, almente os policiais civis não dão conta de Cravinhos, Jardinópolis e Serrana, considera- tantos inquéritos. Acabamos tendo muitos das Delegacias de Polícia de Municípios de 2ª crimes sem investigação mínima necessária Classe de acordo com a DGP, em cada uma para esclarecer. Os policiais civis vivem so- destas unidades seria necessário, no mínimo, brecarregados, trabalham em condições 22 policiais civis de diversas carreiras em cada subumanas. E isso atinge também os princi- uma delas. “Se somarmos o número de polici- pais interessados: os cidadãos, nossos ver- ais civis nas quatro delegacias citadas, possi- dadeiros patrões, aqueles que pagam impos- velmente não teremos o número mínimo de tos e garantem o funcionamento da máquina apenas necessário apenas para uma dessas pública. A população sofre com a falta de delegacias”, avalia Célio. segurança. Uma vez vitimizada, sofre com o DELEGACIAS DE POLÍCIA DOS MUNI- mau atendimento nas unidades policiais, su- CÍPIOS DE CAJURU, CRAVINHOS, jeitando-se a longas esperas e a um serviço JARDINÓPOLIS E SERRANA - 2ª CLASSE longe de ser o ideal. O policial civil se cons- - 01 Delegado de Polícia de 2ª Classe; trange, se esforça para oferecer o melhor à - 01 Delegado de Polícia de 3ª Classe; população. Mas com a falta de recursos hu- - 05 Escrivães de Polícia; manos, é totalmente impossível prestar um - 07 Investigadores de Polícia; bom atendimento. O único que poderia mu- - 02 Agentes de Telecomunicações Polici- dar essa situação é o governador Geraldo ais; Alckmin. Mas parece que ele e sua equipe - 01 Auxiliar de Papiloscopista Policial; estão preocupados com outros assuntos. - 03 Carcereiros; Segurança Pública, em sua míope visão é - 02 Agentes Policiais. gasto, não investimento. Uma pena. Enquan- Cidades ainda menores, classificadas to isso não mudar, o povo continuará como de 3ª Classe pela DGP, como Cássia dos desprotegido e os policiais civis cada vez Coqueiros, Guatapará, Santa Cruz da Esperan- mais explorados e mal remunerados. Apenas ça e Santo Antonio da Alegria, a Resolução para lembrar: há mais de dois anos não te- prevê que cada unidade conte com um dele- mos um centavo sequer de reajuste salarial”, gado de 3ª Classe, um escrivão, um investiga- conclui Eumauri. dor e um agente policial. Célio é objetivo e garante: “nenhuma destas cidades conta com esse quadro. A maioria não tem dele- gado. Cidades que têm investi- gador, não têm escrivão. E vice- versa. Portanto, se o governa- dor Geraldo Alckmin subdimensionou a real necessi- dade em 2013, para criar tal re- solução, em 2016 se deparou com uma situação insustentável ao perceber que está muito aquém de ter esse mínimo à dis- Delegacias estão vazias, à espera de mais policiais posição da população, a princi- Setembro/2016 03

[close]

p. 4

EDITORIAL A HORA DA VERDADE O mês de agosto foi bastante atípico e, por demais, agitado. As turbulências trazidas por fenômenos climáticos também sacudiram os bastidores do mundo político. O mês terminou com a confirmação por parte do Senado do impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Não há como negar que o PSDB, partido do senhor governador Geraldo Alckmin, teve um papel fundamental durante todo este processo, seja através de deputados e senadores, seja através da relatoria em si do conteúdo que acabou sendo acatado pelos senhores deputados e senadores. Mas eles acataram, na verdade, porque sentiram-se ameaçados pelo clamor popular. O Brasil está estagnado, estraçalhado, enfrentando a maior crise econômica, política e, porque não dizer, moral de sua história. Pois bem. Cassaram definitivamente a presidenta. E a grande maioria da população aplaudiu. Isso não significa que o povo não quer mudanças em todos os níveis. E o senhor governador já começou a sentir isso quando esteve em Sertãozinho, durante a inauguração da Fenasucro e foi amplamente questionado pela posição do juiz da cidade de Leme, que classificou de “maliciosa” sua manobra que revogou a portaria editada em 2013 que previa números mínimos de policiais civis para as delegacias. Nós cansamos de cobrar e até de avisar, se- nhor governador. Sabe que quem avisa, amigo é. O senhor não deu ouvido. Agora foi desmoralizado publicamente por um juiz que agiu no mais legítimo cumprimento de seu dever, qual seja exigir que um governo que tem se mostrado covarde para investir em Segurança Pública, garanta ao menos o que publicou há alguns anos, quando na verdade deveria contratar muito mais do que aquele número subdimensionado. E se não tomar providências, será multado. A multa já começa a ser aplicada agora, no início de setembro. Isso é um prato cheio para que a população possa saborear e se preparar para responder nas urnas da mesma forma que Alckmin responde nos investimentos de Segurança Pública. Não somos somente nós policiais civis os penalizados nesta história. Aliás, a bem da verdade, o funcionário público é servidor na mais completa concepção da palavra. Ele é contratado para servir. Neste caso, servir a quem paga os impostos que garantem seu salário. E isso não é servir ao governador. Servimos, com muito orgulho e determinação, à população do Estado de São Paulo. Mas a população não vem sendo bem tratada em nossas unidades policiais. De norte a sul, de leste a oeste. Interior, capital ou litoral. O mau atendimento virou, infelizmente, marca registrada e uma mácula numa Instituição que sempre se pautou por uma história gloriosa. Agora não adianta mais fugir. O famigerado PLC 257 passou, mas a restrição para que os governos reajustassem o salário do funcionalismo durante dois anos não passou. Não há mais desculpa para protelar uma situação. Queremos aumento salarial já. Assim como não dá, também, para adiar a contratação corajosa e verdadeira de policiais civis em número minimamente necessário para que o trabalho de Polícia Judiciária seja realizado. É com o senhor, governador. Ou o Geraldo Alckmin encara com dignidade esta demanda e oferece condições mínimas para um atendimento respeitoso ao cidadão, ou o povo pode mudar o foco dos escândalos do Planalto Central para o Palácio dos Bandeirantes. E há muito que ser explicado, não é mesmo? Casos do Metrô, da merenda escolar e por aí vamos. Ainda dá tempo de mudar, senhor governador. Pense nisso. Chegou a hora da verdade. EUMAURI LÚCIO DA MATA Presidente do Sinpol (Sindicato dos Polici- ais Civis da Região de Ribeirão Preto) Novos Associados Associaram-se ao Sinpol em maio os seguintes policiais civis: - Douglas de Oliveira Lopes, investigador; - Aline de Freitas Vasquez, investigadora; - Márcio Henrique Xavier, atendente de necrotério; - Maurício Lara Giampedro, investigador; - Mário Edson Pereira, investigador. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. Falecimentos A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os seguintes falecimentos: + Humberto Tozzi, escrivão aposentado de Ribeirão Preto, ocorrido em 18 de agosto de 2016; + Gumercindo Rodrigues Carvalheiro, agente policial aposentado, ocorrido em 23 de agosto de 2016; + Dirceu Gonzales, irmão do investigador aposentado e diretor do Sinpol, Darci Gonzales, ocorrido em 08 de setembro de 2016. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em julho: - Mário Marques de Oliveira Neto, investigador de 2ª Classe; - Leonice Rodrigues dos Reis Pereira, escrivã de 2ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poderem usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. Notas Plano de Saúde 1 Atenção associados. Verifiquem a data de validade no cartão magnético do convênio São Francisco Saúde, especialmente dos dependentes que cursam faculdade. Para que não ocorra carência, a declaração escolar deverá ser enviada, impreterivelmente, 20 dias antes da data limite de validade. Na dúvida, confira o verso da carteira do plano de saúde, onde consta a data do término da validade. Não deixe para a última hora. Maiores informações na Central de Atendimento Sinpol, telefones (16) 3625-3890 / 3612-9008 / 39792627. Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (016) 99398-8820 com Cristina. Plano de Saúde 2 Devido a reclamações recebidas junto à Secretaria do Sinpol, a diretoria do Sindicato pede aos associados usuários do Plano de Saúde que confiram suas cobranças de coparticipação em consultas e exames relativos ao uso do convênio médico. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelos telefones (16) 3612-9008 / 3625-3890. Atenção policiais civis O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, comunica aos associados que, caso necessitem de amparo na área jurídica relacionado à aposentadoria, assim como para acompanhar o andamento de ação já ajuizada, primeiramente entrem em contado com os diretores do Sindicato, através de nossa Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 3625-3890 / 3977-3850 para oportuno agendamento com o dr. Ricardo Ibelli. IPAem novo endereço O presidente da IPA-SP (International Police Association Brasil), Jarim Lopes Roseira, comunica a todos os policiais civis e amigos da entidade que, após 18 anos, está atendendo em novo endereço. As seções brasileira e de São Paulo da IPA estão atendendo na Avenida Cásper Líbero, 538, térreo e sobreloja (Galeria Almira), com entrada também pela Rua Brigadeiro Tobias, 669. A nova sede está localizada apenas 300 metros do Palácio da Justiça. O telefone permanece o mesmo: (11) 3313-5077. O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, deseja ao colega e amigo Jarim sucesso em sua nova empreitada. PLC 37/2016 O deputado estadual Campos Machado (PTB) apresentou à Assembleia Legislativa o PLC 37/2016 (Projeto de Lei Complementar), que institui a Lei Orgânica da Polícia do Estado de São Paulo. O projeto, publicado em 27 de agosto, trata das atribuições, auxílio de local de exercício, cargos, diárias, direitos e deveres, efetivo exercício, escalas de vencimentos, gratificações, penalidades, posse, provimento e vencimentos. Ele também sugere uma reestruturação dos cargos da Instituição. No dia 03 de setembro, o deputado apresentou requerimento de urgência. No dia 06 de setembro, foi distribuído à CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação), CSPAP (Comissão de Segurança Pública e Assuntos Penitenciários) e CFOP (Comissão de Finanças, Orçamentos e Planejamento). Em sua tramitação, todavia, poderá sofrer diversas emendas. Adiretoria do Sinpol vai acompanhar de perto esta tramitação que interessa diretamente a todos os policiais civis. EXPEDIENTE O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: secretaria@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório,Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR FOTOGRÁFICO: Júlio Castro REPORTAGENS: Mariana Luque O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Boleto bancário emitido pelo Laboratório de Notícias DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Antonio Pereira Alvin Vanderlei Costa Aparecido Donizete Tremura MarcosAntonio Fernandes EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. 04 Setembro/2016

[close]

p. 5

AÇÃO MEIO MILHÃO DE REAIS EM PREJUÍZO Quantia foi estimada por policiais civis do 3º DP que investigaram a ação de 15 pichadores de imóveis em toda a cidade no último ano O investigador de polícia Kauzio Durante os interrogatórios, os acusados Andrade recepcionou, na sede do 3º confessaram a prática dos crimes, Distrito Policial de Franca-SP, uma vítima destacando que assim agiam por lazer, como que teve seu muro pichado por duas vezes, forma de protesto social, como liberdade de sendo que após a primeira, restaurou o expressão, para difusão da “marca”, bem imóvel gastando cerca de R$ 700,00 reais. como para terem a sensação de poder perante Depois de uma semana, o mesmo criminoso o grupo. realizou nova pichação, deixando um recado Frente a este absurdo, todos que “se pintasse ele iria voltar”. A vítima responderão por crime ambiental, sendo que ficou muito alterada disse que tinha as investigações continuam para indicações de quem era o criminoso e se o comprovarmos a união de vontades entre os flagrasse pichando o muro, novamente, iria integrantes e, assim, também poderão matá-lo, fazendo justiça com as próprias responder por associação criminosa. mãos, pedindo providências da Polícia Civil Dentre os acusados, alguns já possuem para que isso não acontecesse. passagens policiais e processos criminais, O Policial Kauzio, coordenado pelo ou seja, as ações Estatais pretéritas de Delegado de Polícia Leopoldo Gomes repressão ao crime não foram suficientes Novais, realizou um trabalho investigativo para os ressocializar ao meio em que vivem. de 1 ano, identificando 15 pichadores em Além da esfera criminal, todas as vítimas F r a n c a - S P, responsáveis por podem pleitear a reparação de seus prejuízos aproximadamente 1.500 pichações. junto ao Poder Judiciário, sendo que a Em trabalho de campo, o Policial mapeou estimativa é de que o grupo causou um a cidade de Franca-SP, descobrindo cada prejuízo avaliado em R$ 450.000,00 ao codinome ou inscrição gráfica pichada pelos cidadão francano. infratores, vindo à tona que parte do grupo Dentre as pichações as seguintes se reunia na praça do cemitério da saudade, inscrições: CTA; VAPOR; SUMY; VISH; no período noturno, onde realizam reuniões, DER; ZUK; BOY; NÓIA; SKNS; OFÍCIO; periódicas, antes da execução e consumação RASHA; VÍCIO; RISCO; MKA; MASK, das infrações penais. Nos encontros, metas dentre outras. eram traçadas para as ações delituosas. Eles Este trabalho investigativo do 3º DP de preferiam pichações em locais de grande Franca-SP foi para evitarmos e prevenirmos visualização por qualquer cidadão, além de que os criminosos ao serem flagrados não desafios de escaladas em edifícios urbanos atentassem contra a vida das vítimas, como para as pinturas nas alturas. Após, acontecimento publicado pelo Jornal fotografavam e filmavam, distribuindo os Nacional, recentemente, em que ao registros em rede social. defenderem seus patrimônios, pai e filho O grupo deixou a cidade de Franca, foram violentamente agredidos por um totalmente, conspurcada, atingindo grupo de pichadores, gerando o falecimento patrimônios particulares e públicos. Dentre do filho em decorrência dos atos de as edificações estão igrejas, museu, escolas, barbáries. viadutos, clínicas, fábricas e residências. Por: 3º DP de Franca/Divulgação À esquerda, equipe do 3º DP de Franca, com dr. Leopoldo ao centro (de terno); abaixo, algumas das dezenas de pichações registradas pelos policiais civis durante investigações Fotos: Divulgação 3º DP de Franca Setembro/2016 05

[close]

p. 6

AÇÃO PASTOR DO CRIME É PRESO Policiais civis de Bebedouro, Jaboticabal e Taquaral realizaram uma grande operação que resultou em quatro prisões Uma grande investigação realizada por po- lhadas, que tinham por objetivo descobrir o liciais civis da cidade de Taquaral resultou na maior número de integrantes da quadrilha. prisão de quatro pessoas. A Delegacia do mu- Como as informações obtidas pelos poli- nicípio de Taquaral integra a Seccional de Po- ciais civis levavam à conclusão de que o gru- lícia Civil de Bebedouro, que por sua vez faz po de fato participaria de ações criminosas, parte da área de atuação do Deinter-3 (Depar- policiais civis de Bebedouro e Jaboticabal tam- tamento de Polícia Judiciária do Interior), com bém passaram a integrar as investigações e a sede em Ribeirão Preto e que responde por 93 coordenar uma ação para a prisão dos envol- cidades da região. vidos. Os policiais civis da cidade começaram a O delegado titular da DISE (Delegacia de investigar um grupo sob o qual recaia a sus- Investigações Sobre Entorpecentes) de Be- peita de integrarem o crime organizado. Na bedouro, dr. Maurício Vieira da Silva, foi um medida em que as investigações foram evolu- dos policiais civis que participou da ação. indo, os policiais civis passaram a contar com Deflagrada no dia 02 de agosto, os policiais o apoio dos colegas das cidades de Bebedou- civis chegaram a quatro homens suspeitos de ro e Jaboticabal. planejarem assalto a carro-forte. Diante das grandes evidências obtidas ao As investigações tiveram início após a longo dos seis meses de investigações, os prisão de um homem que estava de posse de policiais civis de Taquaral concluíram que a diversas armas de grosso calibre.Aprisão ocor- quadrilha estaria envolvida em roubo de trans- reu no início de 2016, em Taquaral. Com o gru- portes de valores. Foram investigações deta- po todo identificado, os policiais civis tive- Fotos: Divulgação ram autorização da Justiça, que emitiu cinco mandados de prisão. Dr. Maurício Vieira da Silva, titular da DISE de Bebedouro, também atuou na operação deflagrada no dia 02 de agosto Segundo o perito descoberta. de carro-forte e que teriam praticado diversos da Polícia Civil, Entre os presos, estava o pastor de uma crimes. O pastor era considerado pessoa aci- Licanor Campos, os igreja evangélica, F.J.P. de 36 anos. Além do ma de qualquer suspeita e bastante querido e policiais civis de pastor, os policiais civis prenderam o ajudan- respeitado na cidade de Taquaral. Taquaral informaram te de pintor W.L.S. de 28 anos; o comerciante Em entrevista ao portal G1, o dr. Maurício que os suspeitos fu- S.R.S. de 43 anos e o vendedor A.A.V. de 33 informou que o grupo planejava assaltar um giram de uma aborda- anos. Todos foram presos temporariamente, carro-forte e a Polícia Civil investiga a atuação gem policial naquela recolhidos às cadeias públicas de Pradópolis em outros assaltos a carros de empresas que cidade, abandonando e Bebedouro. Durante a ação, um dos suspei- transportam valores. “Com as investigações, armas e munições de tos acabou não sendo localizado e foi consi- identificou-se que eles iriam fazer um [assalto uso restrito, além de derado foragido. a] carro-forte. Nós vamos continuar investigan- um veículo. Todo este Apesar de não conformar a participação do para ver se existe outro envolvimento em material foi apreendi- do grupo no assalto da Prosegur, ocorrido no relação a carro-forte”, explicou o delegado aos do e um dos integran- dia 05 de julho, em Ribeirão Preto (leia matéria jornalistas. “O delegado de Taquaral vai inves- tes do grupo foi pre- nesta edição), a Secretaria da Segurança Pú- tigar para ver se encontra ligação com a Policiais civis de Jaboticabal, que participaram de ação que so. Foi o que bastou blica divulgou nota onde afirmou que a qua- Prosegur, mas ainda é muito cedo para falar resultou em prisão de pastor para a quadrilha ser drilha é considerada especializada me roubo alguma coisa”, concluiu dr. Maurício. 06 Setembro/2016

[close]

p. 7

DROGAS DISE RIBEIRÃO APREENDE QUASE 30 QUILOS DE DROGA Durante operações, integrante de facção criminosa, fornecedor de drogas e traficante de Serrana que vinha “abastecer” seu negócio foram presos A DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto continua mantendo em alta sua produtividade e obtendo excelentes resultados no combate ao tráfico de drogas na cidade. Num dos casos de maior repercussão, os policiais civis investigavam um local que seria utilizado para guardar drogas, possivelmente pertencente a um integrante de uma facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios paulistas e de outros estados brasileiros. Diante dos dados coletados durante as investigações, os policiais civis realizaram uma busca no bairro Jardim Salgado Filho, no Complexo Aeroporto, zona norte da cidade, com o objetivo de identificar o local. Ao chegaram à residência suspeita, no dia 09 de agosto, os policiais foram atendidos por M.H.C.M., que autorizou a entrada da equipe. Logo na cozinha do imóvel, os policiais civis encontraram um tijolo de maconha e uma faca, com resquícios da droga em sua lâmina. Ao lado da droga, havia uma sacola plástica contendo R$ 1.760 em cédulas de valores menores, possivelmente proveniente do tráfico de entorpecentes. Prosseguindo nas buscas, a equipe da especializada encontrou num cômodo ao lado da cozinha três rolos de plástico filme e uma balança de precisão. Ao entrarem no único quarto da casa, localizaram em cima da cama 26 tijolos de maconha, além de outras 18 porções menores da mesma droga. Os policiais civis também localizaram duas CNHs falsas. Durante a abordagem, o homem disse que estaria guardando a droga e que receberia R$ 1.500 por isso. Sobre os documentos falsos, ele confessou que seria procurado pela Justiça de Brasília, o que posteriormente foi confirmado, durante a lavratura do flagrante, na sede da DISE, para onde o suspeito foi encaminhado. Durante o depoimento, os policiais civis conseguiram identificar o dono da droga. Ele seria integrante da facção criminosa e seu mandado de prisão já foi expedido. Contudo, ele segue foragido. Socorro amargo Em outra ação, a especializada já vinha investigando um traficante de Serrana, que vinha frequentemente a Ribeirão Preto para “abastecer seu negócio”. Através de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, os policiais civis descobriram que, no dia 22 de agosto I.C.N. viria a Ribeirão Preto para fazer mais uma compra de drogas. Uma operação foi montada para tentar descobrir quem fornecia a droga para o traficante de Serrana. Quando estava quase saindo de Ribeirão Preto, I. percebeu que o pneu de seu veículo havia furado e ligou novamente para o traficante, pedindo ajuda. Do outro lado da linha, o homem alertou I., lembrando que ele estava “com o bagulho em cima”. I. disse, porém, que havia escondido a droga. Em viaturas descaracterizadas, a equipe da DISE acompanhou o “socorro amargo”. Um Honda City parou ao lado do carro de I., que entrou levando o pneu junto. Pouco depois, os dois voltaram e o Honda seguiu rumo à City Ribeirão, zona sul da cidade. Uma das viaturas seguiu o carro até lá. A outra abortou I. e, durante revista, encontraram a droga no bolso. Ele havia acabado de apanhá-la no terreno baldio onde tinha escondido antes. Já o motorista do Honda parou em frente a uma residência na City Ribeirão, onde foi abordado pelos policiais civis. Com ele, a equipe da especializada encontrou dois aparelhos celulares, um dos quais utilizado para manter contato com I. durante a negociação e no “pós venda”. E.D.C.B.já tinha antecedentes por tráfico, assim como seu “cliente” I. ambos foram levados à sede da especializada e autuados em flagrante. A droga e outros objetos utilizados foram apreendidos. Segun- Foto: DISE Ribeirão Preto do o titular da DISE, dr. Gustavo André Alves, as investigações sobre este caso prosseguem, com o objetivo de descobrir de quem E. comprava a droga e quais outros traficantes da região eram seus clientes. À esquerda, o delegado titular da especializada, dr. Gustavo; abaixo, parte da droga apreendida durante ação no Jardim Aeroporto Setembro/2016 07

[close]

p. 8

JURÍDICO ASSOCIADO OBTÉM REVERSÃO DE APOSENTADORIA Importante vitória do Sindicato garantiu a associado de Jaboticabal o direito à paridade e integralidade; outros associados também obtiveram importantes conquistas O departamento do jurídico continua amealhando ótimos resultados em favor dos aposentados. Durante o mês de agosto, sete importantes vitórias envolvendo questões de aposentadoria foram registradas. Numa delas, a SPPREV e a Fazenda Pública do Estado de São Paulo perderam o prazo legal para recorrer e a questão foi transitada em julgada. O investigador aposentado de Jaboticabal, Ailton de Aguiar, ingressou com ação de reversão de aposentadoria, buscando obter paridade e integralidade. Os advogados do departamento jurídico do Sinpol, Ricardo Ibelli e Viviane Cristina Ibelli Pinheiro, obtiveram resultado favorável na ação de reversão junto à 3ª Vara Cível de Jaboticabal. A sentença de primeira instância favorável foi publicada no dia 24 de maio de 2016. “A parte contrária, ou seja, SPPREV (São Paulo Previdência) e Fazenda Pública do Estado de São Paulo vacilaram e não recorreram dentro do prazo legal. Sendo assim, por sorte do associado do Sinpol e por ter muita fé em Deus o processo transitou em julgado no dia 01 de agosto de 2016 e atualmente encontrase na fase de cálculos”, disseram os advogados Ricardo Ibelli e Viviane Cristina Ibelli Pinheiro. Para o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, a vitória foi bastante significativa. “Nosso associado está prestes a receber o valor da diferença salarial de todo o período, desde que se aposentou, respeitando a prescrição de cinco anos, para usufruir de seu benefício”, comemorou. A vitória é definitiva, pois foi julgada procedente a ação ordinária movida contra os órgãos competentes, condenando-os a efetuarem o apostilamento da aposentadoria especial ao associado do Sinpol, garantindo-lhe proventos integrais. Mais vitórias Outros policiais civis também obtiveram importantes conquistas. Em dois casos, os policiais civis que ingressaram com mandado de segurança buscando se aposentarem pela LCF (Lei Complementar Federal) 51/85, posteriormente atualizada pela LCF 144/2014, obtiveram sentença favorável em primeira instância. O governo recorreu, entrando com agravo contra a liminar e novamente foi derrotado. Os beneficiados foram o investigador de Barretos, Mário Marques de Oliveira Neto e o escrivão de São Simão, Renato Frazão de Almeida. Segundo a dra. Viviane Ibelli, em ambos os casos cabe recurso. Em outro caso, o auxiliar de papiloscopista de Batatais, Antonio Cabral, ingressou com mandado de segurança também pleiteando poder se aposentar com proventos integrais, garantindo-lhe o direito à paridade e integralidade, nos moldes da LCF 51/85. Ele obteve vitória em primeira e segunda instâncias. O governo recorreu e o recurso extraordinário não foi admitido. Também neste caso, cabe recurso. Reversões O jurídico do Sinpol ainda obteve outras vitórias em casos de reversão de aposentadoria. A investigadora aposentada de Araraquara, Edna Torres, ingressou com ação ordinária visando reverter sua aposentadoria da LCE (Lei Complementar Estadual) 1062/2008 para a LCF 51/85. Ela saiu vitoriosa em primeira instância, porém ainda cabe recurso por parte do governo. Segundo Edna, é inadmissível receber um salário tão defasado. “Não temos aumento há algum tempo. Além disso, aposentei como investigadora de Classe Especial, mas como não havia completado cinco anos na classe, retrocederam para a classe anterior. Vou procurar novamente o Sinpol para ingressar com outra ação”, adiantou. Segundo Eumauri, a questão envolvendo o tempo de exercício na classe já era para ter sido resolvido. “O atual ministro da Justiça, quando era secretário da Segurança Pública, já havia prometido acabar com essa exigência de retroceder quem se aposentasse estando menos de cinco anos na classe que ocupava quando da aposentadoria. Isso é um absurdo. Vamos buscar o direito dos nossos policiais civis”, garantiu. Outra vitória de reversão de aposentadoria foi obtida pela investigadora aposentada Susiane Beatriz Filomena Alonso Zeraik, de São Carlos. Ela obteve sentença favorável para a reversão em primeira instância. Ainda cabe recurso. O auxiliar de papiloscopista de Viradouro, Renato dos Santos, também busca reverter sua aposentadoria da 1062/08 para a 51/85. Graças ao jurídico do Sinpol ele venceu em primeira e segunda instâncias. O recurso extraordinário do governo foi inadmitido. Porém, ainda cabe recurso. Apesar das sucessivas vitórias, o jurídico do Sinpol ainda espera muitos outros resultados favoráveis e está pronto para novas ações. “Quem tiver interesse, basta procurar um diretor do Sinpol que teremos imenso prazer em orientar o policial civil para que garanta judicialmente seus direitos”, concluiu Eumauri. A partir da esquerda: o presidente do Sinpol, Eumauri; a diretora-secretária Fátima; a advogada Viviane; o vice-presidente Célio e o advogado Ricardo Ibelli 08 Setembro/2016

[close]

p. 9

CASO PROSEGUR DIG IDENTIFICA LÍDER DE QUADRILHA Especializada de Ribeirão já identificou líder do assalto à empresa de transporte de valores e outros envolvidos; investigações cotinuam Na madrugada de 5 de julho, Ribeirão Preto foi abalada pela maior ação criminosa de que se tem notícias na cidade. O esquema que envolveu, segundo estimativas da Polícia, de 30 a 40 pessoas, subtraiu aproximadamente R$ 70 milhões da empresa de transporte de valores Prosegur. O desdobramento da ação envolveu armamento militar e duas mortes, assombrando os moradores da região do bairro Campos Elíseos, localização da empresa atacada. Apesar das proporções do esquema, as investigações conduzidas pelo delegado dr. Ricardo Tulli, da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto estão sendo bem sucedidas e já apontam o líder do roubo, o empresário Diego Moura Capistrano, 32 anos. Foi decretada sua prisão preventiva, mas ele se encontra foragido. O dr. Alexandre Daur, delegado que trabalha no caso, informa que Diego reside em São Paulo, mas possui uma transportadora na região, na cidade de Viradouro. Segundo o dr. Daur, um caminhão graneleiro da empresa foi disponibilizado para a ação criminosa, sendo utilizado para dar fuga a algumas pessoas e, possivelmente, para transportar valores. Desse modo, seria possível aos criminosos despistar a PM, que buscava por veículos de passeio durante a madrugada do crime. No dia seguinte ao ataque, foram encontrados sete veículos blindados utilizados no crime num canavial em Jardinópolis. Sobre o caminhão, a Polícia Civil sabe que fugiu pela rodovia Anhanguera, no sentido a Sales Oliveira (norte). Imagens das câmeras de segurança de um supermercado captaram o empresário e um parceiro fazendo compras. Os produtos seriam para o consumo em duas chácaras no Balneário Recreativa, na zona norte de Ribeirão Preto, alugadas para concentração dos membros da quadrilha. Foi encontrado em uma das chácaras um veículo semelhante ao que os dois foram vistos deixando o mercado. O parceiro visto nas imagens da câmara de segurança do mercado ainda não foi identificado. O dr. Daur pede a ajuda da população para identificá-lo, transmitindo informações através de denúncia anônima, ligando para o número 181. Outros integrantes Além da identificação de Capistrano como um dos homens-chave da quadrilha, a investigação aponta para outros sete suspeitos, seis dos quais já se encontram presos por integrar organização criminosa. As duas prisões mais recentes foram realizadas em São Paulo e Atibaia, no dia 16 de agosto. O dr. João Osinski Júnior, diretor do Deinter 3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior) aponta esses dois assaltantes como os responsáveis pelo apoio logístico, pela obtenção de carros blindados e algumas armas. Segundo o dr. Osinski, esses assaltantes também podem ter participado de atos semelhantes ocorridos em Santos e Campinas. Três dos presos são ex-funcionários de empresas de transporte de valores. Sérgio Zemantauskas Daniel, 24, foi funcionário da Prosegur até o dia 1º de agosto de 2016, um dia depois de ser demitido da empresa devido a reajustes no quadro de funcionários. Sérgio é acusado de transmitir informação privilegiada à quadrilha. Juliano Moisés Israel Lopes, 32, foi funcionário da Protege entre 2009 e 2012. Ângelo Aparecido Domingues dos Santos, 34, trabalhou na Protege até 2015. Apreensões de armas e valores Durante as prisões realizadas até o momento, foram recuperados mais de R$ 200 mil. Com o primeiro suspeito preso pelo mega assalto, foram apreendidos R$ 64 mil e armas. Através da segunda e da terceira prisão, foram recuperados R$ 160 mil. Na casa do suspeito foragido, foram encontradas munições para fuzil. A Polícia Civil também encontrou seis bananas de dinamite, um fuzil romeno AK-47 calibre 776 com cerca de cem projéteis e carregadores, além de coletes à prova de balas furtados de uma agência bancária em 2015. As investigações continuam. Os assaltantes são acusados pelos crimes de organização criminosa armada, latrocínio múltiplo, incêndios com morte, explosões, disparos em via pública e locais habitados, roubo, posse de armas e munições militares, posse de explosivos e receptação. As penas podem somar 100 anos de prisão. As investigações também são direcionadas ao envolvimento dos acusados com outros crimes no Estado. Por: Mariana Luque O delegado Ricardo Turra está à frente das investigações que resultaram em prisões e na identificação do chefe da quadrilha praticante do maior assalto na cidade Setembro/2016 09

[close]

p. 10

OPINIÃO UM BOM JORNAL DÁ VISIBILIDADE AO TRABALHO SINDICAL Por: Jarim Lopes Roseira (*) Caro Amigo Eumauri, boa noite: respaldada pela opinião imparcial do dispõe de apenas 5 ou 6 abnegados, que por êxito das novas ações judiciais; da Somente hoje tive tempo de dar uma lida Sindicato da categoria diretamente envolvida, mais que se esforcem não dão conta de tanto construção da majestosa sede e dos feitos mais detalhada no Jornal do SINPOL que tem no seio da população local. O cidadão de trabalho. É um quadro dramático e desolador. dos abnegados colegas da DIG; das prisões recebi nesta semana. Se os números bem deve ficar meio incrédulo e desorientado, Temos que firmar posição a respeito! de traficantes e outros êxitos policiais em anteriores estavam bons, o deste mês de sem saber a quem apelar. É aí que entra o jornal, com o seu poder de unidades da área. Mas, fico por aqui, para agosto está excelente. Principalmente pelo seu Confesso que não dá para entender o documentar, conscientizar e, sobretudo, de não me alongar muito. corajoso e oportuno editorial “E aí Senhor porquê de tanta insensibilidade do governo denunciar os fatos. Exatamente como foi feito Desejo a você, amigo, aos demais Governador?”. Receba meus parabéns! ao deixar o efetivo da Polícia Civil (e da Militar na edição em análise. diretores e associados, o sucesso que fazem Sempre defendi que um Sindicato, para também) atingir o nível que atingiu. E o pior é É isso meu caro Eumauri. Não poderia por merecer. Orgulho-me de pertencer ao poder dizer a que veio, tem que ter um que os Srs. representantes do povo, nas deixar passar esta oportunidade de me quadro associativo desse grande Sindicato. informativo mensal. Caso contrário, como esferas municipal e estadual, parece que não manifestar sobre o excelente desempenho do São Paulo, 28 de agosto de 2016 podem os filiados saber o que vem sendo feito estão nem aí. Podiam ter feito alguma coisa e Sinpol de Ribeirão Preto, que você preside (*) Jarim Lopes Roseira é presidente da em sua defesa? Sem falar que é também a forma não fizeram. Ou, se tentaram, não foram com rara dedicação e competência. Gostaria IPA-SP (International Police Association da diretoria se antecipar e dizer a todos o que suficientemente convincentes. Daí, o caos se de ter falado também de outras notícias; do Brasil) e associado do Sinpol RP está fazendo, consultar sobre o que pretende aproxima. fazer e convocar para o que tem que ser feito. Qualquer pessoa sabe que o que mais Jornal dá trabalho, toma muito tempo, nem incentiva o aumento da criminalidade, como sempre tem quem ajude a escrever as matérias, o que estamos vendo a cada mês, é a certeza trazem problemas quanto ao agenciamento de da impunidade. Se as quadrilhas percebem anúncios, atrasos involuntários. Tudo isso que não serão investigadas, o crime se supera e cada número que sai é como se compensa. O risco de prisão é quase zero. fosse (e muitas vezes é) muito melhor que o Então passam a agir rotineiramente. E isso é anterior e, assim, dá mais ânimo de fazer o fato aí em Ribeirão, aqui na Capital e, de resto, próximo. E assim vai! em todo Estado. Na edição de nº 235 (agosto), a Não sei aonde vamos parar, meu caro criatividade imperou, a partir do desenho da Eumauri! É a população que não tem capa e a manchete “O fundo do poço”, segurança e os nossos colegas que “estão denunciando esse revoltante descaso com a se matando”, adoecendo e se estressando de reposição dos claros no efetivo, objeto de tanto trabalhar, sem ver resultado. Não reportagem da EPTV Ribeirão Preto. Uma adianta: sem investigar não se prende; sem denúncia e tanto, ocupando três páginas, prender, as quadrilhas aumentam e o crime só muito bem fundamentada e, sobretudo, cresce. Simples assim. retratando somente a verdade. Você sempre repete que há cerca de quinze A questão é tão candente que não dá para anos, quando na ativa, chefiava um Distrito deixar de ler e refletir bastante. Imagino a onde trabalhavam entre 16 e 18 repercussão que uma matéria desse tipo, Investigadores. A mesma unidade, hoje, 10 Setembro/2016

[close]

p. 11

RADAR Drogas Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), da Seccional de Ribeirão Preto, região do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior) prenderam dois homens em flagrante, na noive de 22 de agosto. Os dois estavam comercializando cocaína quando foram flagrados pelos policiais civis. Através de um trabalho de inteligência policial, a equipe de investigadores descobriu que um homem viria até Ribeirão Preto para comprar drogas e distribuí-la na vizinha cidade de Serrana. Após identificarem o fornecedor, os policiais civis se deslocaram até o local da transação e surpreenderam os dois indivíduos comercializando o lote de droga. Foram apreendidos três telefones celulares, Dois homens que comercializavam cocaína foram presos por equipe da DISE Ribeirão Preto e a droga foi apreendida produtos de ilícito, segundo os policiais civis. Além disso, a equipe da DISE apreender uma quantia em dinheiro e uma porção de cocaína pura. Os dois homens, que já tinham passagens anteriores por tráfico de drogas, foram autuados em flagrante pelo mesmo delito. Foram encaminhados ao sistema prisional, onde permanecerão à disposição da Justiça. Santa Rita do Passa Quatro Policiais civis da Delegacia de Polícia do município de Santa Rita do Passa Quatro, região do Deinter-3, prenderam na manhã do dia 18 de agosto dois homens e uma mulher, todos acusados de envolvimento em um homicídio. Após realizarem intenso trabalho de investigação, os policiais civis da cidade identificaram o trio como suspeito de participar do homicídio de um homem de 35 anos, que ocorreu no dia 15 de dezembro de 2013, no bairro recanto da Colina, em Santa Rita do Passa Quatro. A vítima foi morta com vários disparos de arma de fogo, efetuados por indivíduos que ocupavam uma motocicleta. Ele foi atingido no momento em que chegava em sua residência. Graças ao trabalho realizado pelos policiais civis, o crime foi esclarecido e os suspeitos tiveram a prisão temporária decretada pela Justiça. Bebedouro Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) da Delegacia Seccional de Bebedouro, área do Deinter-3, prenderam no dia 18 de agosto um homem de 44 anos portando uma pistola calibre 45. A equipe de investigadores obteve a informação de que o homem iria para a cidade de Bebedouro com o objetivo de comercializar armas de fogo. Durante o trabalho de campo, os policiais civis abordaram um indivíduo que estava conduzindo um veículo com placas da cidade de Pitangueiras. Ao realizarem buscas no interior do veículo, encontraram a arma de fogo, que tinha numeração suprimida e dois car- Fotos: Polícia Civil Equipe da DISE de Sertãozinho apreendeu cerca de um quilo de maconha e outros 250 gramas de cocaína durante ação regadores. O rapaz confessou que seu objetivo era vender a arma e ele foi preso em flagrante. Em seguida, os policiais civis continuaram as diligências na cidade de Pitangueiras, onde o homem mora. No local, eles prenderam um comerciante de 56 anos, com 18 munições de calibres 32 e 21 munições de calibre 38. A dupla foi autuada em flagrante. Sertãozinho Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) da Delegacia Seccional de Sertãozinho, área do Deinter-3, prenderam na manhã de 10 de agosto um rapaz, acusado de ser traficante de entorpecentes no Jardim Alvorada, periferia da cidade. Segundo a Assessoria de Comunicação Social da Polícia Civil, os policiais civis receberam informações privilegiadas indicando que um morador da Rua José de Melo Lima estaria armazenando grande quantidade de drogas. Após breve trabalho investigativo, os policiais civis conseguiram identificar o suspeito e o local de sua residência. Diante dos dados coletados, iniciaram as atuações de campo e encontraram na residência do investigado cerca de um quilo de maconha, além de 250 gramas de cocaína, já devidamente embaladas e prontas para a venda. No local também foi apreendida uma balança de precisão e materiais para embalar o entorpecente. O rapaz foi conduzido à sede da especializada de Sertãozinho, onde foi autuado em flagrante por tráfico de drogas. Setembro/2016 11

[close]

p. 12

SOCIAL A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz aniversário aos nascidos em outubro! 1 Sebastião Signei de Moraes Ana Maria Correa dos Santos Luiz Antonio Rozelli Fernando José Sartore Newton Tolentino de Sousa 2 Luiz Roberto Stringhetta Edson de Toledo Balsabino Roseli Souza Bastos José Magalini Filho João Henrique Santello José Francisco Inácio 3 Paulo Sérgio de Souza Simões Valter Almagro Paulo Roberto Castanheiro da Silva José Eduardo Vasconcelos Luiz Fernando Miskulin Ferracin Aldrovando Brandão de Souza 4 Idaberto das Neves Fernando Cezar Gurtler Izeppi Francisco Carlos Mango Marcos Vinícius Remiro Fernando Antonio Correa Marques de Souza Lenita Ramos Fabrício de Ávila 5 Paulo de Castro Cervantes Sumie Kanemaru Palombo Udelson Canova Simionato 6 Sônio de Assis Borges Cristina Moroti Félix José Roberto de Moraes Sandra Piraí de Oliveira Dal Farra Rogério José Mello Tiago Risoleo José Roberto Mendonça Márcia Helena Silva de Amaral Gandini 7 José Roberto Pereira Edmilce Kátia Ferreira Cátia Marina Ferreira Carlos Henrique Ferreira da Silva Waldir Gonzaga 8 Deodalto Alves de Melo Edimar Alberto Félix José Geraldo Triques Argeu Alamino Sérgio Ferreira do Carmo José Donizeti de Lima 9 José Carlos Rosa Mário Marques de Oliveira Neto 10 Luiz Henrique Batista José Carlos de Farias 11 Marcos Felipe Fantini 12 Élvio Gomes Antonio Carvalho Neto Roseli Aparecida Ananias Moreira Santos Inaiê Brasil de Camargo Lujan 13 José Rubens Vieira Carlos Alberto Campi Cláudio Expedito Martins Marco Antonio da Silva Mário Celso Rugiero 14 Leonice Rodrigues dos Reis Pereira 15 Marister Teresa Miziara Nogueira Rubens Antonio da Silva Filho Antonio Paulo Bacan Rogério Ferreira de Morais Oswaldo Daguano Josabeth Mendonça Pereira 16 Cláudio Lotufo Antonio José Carlos Santini Maria Cristina de Moura Coribelli José Manoel de Oliveira Carlos Alberto C. Pereira José Cassiano da Fonseca Rinaldo André da Silva Hélio Rodrigo de Almeida Costa Wilson dos Santos Pio 17 Orlando da Silva Rogério Romani Erivaldo Kleber Giora 18 Antonio Pereira Alvim Ronaldo Narciso do Val José Jorge de Souza Karina dos Santos Moraes de Oliveira Maurício César Montechi Vitor José Padulli 19 Adailton José Pereira da Silva Marco Aurélio Machado Ruy Leme Sílvia Elisa Ruivo Valério Mendonça Benedito Antônio Noronha Júnior José Roberto de Azevedo 20 Luís Rafael Paloni Luís Carlos Ribeiro Ari Aparecido Gomes Pedro Lessi 21 Ismael Dias Pereira Saulo Azael David 23 Geraldo Donizete Teodorio Cristiano Miguelassi Squarize Edson Tadeu Rodrigues de Souza 24 Heber Lunardelo de Souza Paulo Tosta João Roberto Saloio 25 Antonio Bruno da Silva Mariza Noronha Magdalena 26 Hernani Pardini Neto Teresinha Pereira Lage Pimenta 27 Gilmar Padilha Izilda Cleuza Mansin Tânia Ratsuko Nakao Marcos Antonio Ortêncio Gerson Greany Eduardo Henrique Palmeira Campos 28 Doracy Alves da Silva 29 Benedito Gabriel Fernandes Pereira Andrea Palmeira Beordo João Baptistussi Neto Anderson Fonseca da Costa Manoel Sanches Filho 30 Aristides Fernandes Wanderson Clayton de A. Perseguin Daniella Ribeiro de Andrade Rosas 31 Amarildo Luís Rocha Donizeti Batista de Oliveira Eumauri Lúcio da Mata O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. MEMÓRIA DDM DE BATATAIS RECOLHEU 104 ARMAS Em agosto de 1999, a DDM (Delegacia de Defesa do Município) de Batatais, realizou uma campanha pelo desarmamento, estimulando moradores da cidade de Batatais a entregarem suas armas. Pois os resultados surpreenderam até mesmo a equipe da DDM, que era formada pela delegada Sílvia Elisa Ruivo Valério Mendonça, as escrivãs Ester Marina dos Santos e Eliana Aparecida de Carvalho e o investigador Júlio César Cocito. Em apenas 18 dias de campanha, a DDM de Batatais tirou 104 armas de circulação. Na foto acima, a equipe da especializada comemorava o resultado alcançado. DO FUNDO DO BAÚ O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 36129008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do e-mail sinpolrp@sinpolrp.com.br. “As fotografias serão digitalizadas e prontamente devolvidas aos seus proprietários”, garante Eumauri. O material reunido pelo Sinpol será publicado no Jornal do Sinpol e no site da entidade (www.sinpolrp.com.br). 12 Setembro/2016

[close]

p. 13

TÚNEL DO TEMPO OBRAS DA REGIONAL FORAM RETOMADAS EM 1998 Edição 29 do Jornal do Sinpol mostrou o reinício da sede do órgão, hoje Deinter-3, após quatro anos de paralisação O ano de 1998 começou com algumas boas notícias publicadas no Jornal do Sinpol, depois de um 1997 marcado por muitas lutas contra pelos policiais civis contra o governo do Estado, porém com pouca coisa concreta para se comemorar. Na capa, da edição 29, de fevereiro de 1998, a principal reportagem era resumida na manchete: “Construção da Regional deverá ser retomada”. O prédio, onde hoje funciona o Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior) - órgão que substituiu a Delegacia Regional de Polícia -, estava com as obras paralisadas por falta de verba por quatro longos anos. O então delegado Regional, dr. Ivan Roberto Mendes da Costa anunciava que o prédio poderia ser inaugurado ainda naquele ano. Em editorial, o então presidente Eumauri Lúcio da mata criticava a banalização da vida, o crescimento assustador da violência e a falta de investimento nos órgãos de segurança. Em tom desafiador, ele culpava o então governador Mário Covas pela crise na segurança pública. O jornal mostrou a produtividade no combate à violência por parte da equipe do GARRA (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos), então sob nova titularidade, com o dr. Marcos Cesar Borges substituindo o dr. Sérgio Salvador Siqueira. O Sinpol travava, na ocasião, uma luta que se arrastava por 10 meses, pelo pagamento do adicional de insalubridade para carcereiros, agentes de telecomunicação, escrivães e carcereiros. Pouco tempo depois, o governo cedeu aos apelos do Sinpol e acertou os atrasados. Em outra matéria, o Jornal do Sinpol mostrou como os policiais civis de Igarapava vinham baixando a criminalidade: graças a pro- gramas de educação e prevenção. O personagem da editoria Herói Anônimo foi o perito aposentado Gil Vicente da Silva Parisi, que relembrou sua vida como policial civil, sua trajetória trilhada após a aposentadoria como perito particular e o merecido prazer desfrutado semanalmente: uma reunião de confrades das Polícias Civil e Militar na mesa 9 do Pinguim II, hoje a única loja da famosa choperia no calçadão do centro de Ribeirão Preto. Uma reportagem sobre a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto mostrava a elucidação ao assalto no Clube de Campo da Sociedade Recreativa e de Esportes, que causou grande preocupação aos associados e funcionários. O recém-implantado Código Nacional de trânsito, em vigor desde 22 de janeiro de 1998, ainda suscitava muitas dúvidas nos motoristas, que se acostumavam com a necessidade de cumprir o que já era Lei, mas não necessariamente gerava multas que poderiam e podem levar á suspensão do direito de dirigir. Em clima de alegria, os associados do Sinpol acompanhavam as notícias do início das obras da Chácara do Sinpol, hoje uma feliz realidade patrimonial para os policiais civis e familiares que lá frequentam. Os estelionatários também eram reportados na página da edição 29 do Jornal do Sinpol. Policiais civis de Bebedouro, que tinham na titularidade da Delegacia o dr. Carlos Roberto Maggio, elucidaram a ação de golpistas que vinham aplicando o “Golpe da Recompensa”, uma variação do famoso “golpe do bilhete premiado”. Encerrando a edição 29 do Jornal do Sinpol, em fevereiro de 1998, uma grande entrevista com o então delegado titular da Ciretran (Cir- cunscrição Regional de Trânsito) abordava as mudanças e a severidade do novo Código Nacional de Trânsito. O entrevistado foi o dr. Jayme da Silva Ribeiro Filho. Na ocasião, segundo o delegado, Ribeirão Preto tinha uma frota aproximada de 230 mil veículos, dos quais mais de 40 mil motocicletas. Em apenas 18 anos, a frota ultrapassa 400 mil veículos, das quais cerca de 100 mil motocicletas. “A educação de trânsito é muito abrangente. Deve estar na escola, na família, na fábrica, enfim em todos os meios de comunicação”, concluiu o delegado sobre o momento vivido naquele início de 1998. Reprodução de capa da edição 29 do Jornal do Sinpol, que destacou a retomada das obras da então Delegacia Regional, hoje sede do Deinter-3, após longa paralisação Setembro/2016 13

[close]

p. 14

NOVA SEDE FASE DE ACABAMENTO AVANÇA Graças ao planejamento traçado pela diretoria do Sinpol, a etapa das obras de acabamento da futura sede social do sindicato está sendo mantida em dia e os trabalhos prosseguem, aproximando-se do tão sonhado momento da inauguração. O prédio está sendo edificado na Avenida Francisco Massaro Farinha, esquina com a Rua Pedro Pegoraro, que é uma travessa daAv. Leão XIII, na Ribeirânia, atrás do Campus da Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto) e terá área total construída de 1.600 m², está sendo erguido em um terreno com área total de 2.247,95 m². O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, convida todos os associados que tenham interesse em visitar as obras e conhecer como será a nova sede social do sindicato. Os custos da obra também estão à disposição de todos os interessados, com total transparência. Uma comissão de associados foi formada para acompanhar passo a passo o que é investido no local. As obras foram iniciadas no dia 06 de março de 2012. Acompanhe nas fotos a evolução do empreendimento. 14 Setembro/2016

[close]

p. 15

ARTIGO O HOMEM QUE GOSTAVA DE BEBER Por: Dr. Luiz Carlos Pires (*) Gostava de beber. As inconsequentes ingestões alcoólicas começaram muito cedo, aí pelos quinze, dezesseis anos. Quando já na Universidade, tudo era motivo para “festejar”. Se passava de ano, ótimo, “vamos tomar um porre”, dizia, para comemorar. Por outro lado, se apenas e tão somente obtinha em determinada matéria nota que não o satisfizesse (verdade seja dita, não era lá de estudar) “enchia a cara” para afogar as mágoas. E quando, então, levava “um bolo” da menina que, julgava erroneamente, era por si “apaixonadíssima” como se vangloriava junto aos colegas, aí era motivo para dias e dias de bebedeiras para se esquecer “daquela ingrata que não sabia o que estava perdendo...” Já homem maduro, casado, dois filhos e funcionário público da Secretaria da Saúde, por paradoxal que pareça, descuidava-se de sua própria saúde, continuando a beber a mais não poder, fator gerador de incontáveis situações vexatórias a que se expunha quando bêbado, assim como à sua família. Mulher e filhos, por mais que tentassem, não conseguiam dissuadilo de afastar-se, em definitivo, do álcool. As internações em clínicas especializadas, pouco ou nenhum efeito produziam uma vez que tão logo voltava ao seu habitat, tornava a beber de forma incontrolável. Como se apresentasse ao trabalho quase sempre embriagado acabou sendo alvo de processo administrativo, culminando com a perda do cargo que, diga-se, era relativamente bem remunerado para os padrões que vicejam no seio do funcionalismo. Para os que não o conheciam, diziase aposentado e aproveitando o tempo para “tomar umas cervejas...” Sem nenhuma surpresa para os que com esse infeliz mantinham relacionamento social, assim como a seus familiares, um belo dia (não belo conquanto esperado triste dia) viu-se Teodomiro (este seu nome) presa de devastadora cirrose hepática. Novo, ainda, por volta de quarenta anos, e com a morte avizinhando-se, foi pego por sua esposa a beber perfume – o perfume de que mais gostava –, pois que naquela casa não mais se via bebida alcoólica de qualquer natureza. Nos dias que precederam sua dolorosa morte, chegava a brincar dizendo-se feliz, pois que havia “bebido todas”. Morreu num dia chuvoso, triste, como tristonhos estavam sua mulher e filhos pela perda do inconsequente cônjuge que, ainda por cima, os deixou atolados em dívidas. Dos poucos amigos que ao sepultamente compareceram, cheguei a ouvir “... morreu cedo, mas aproveitou, hein?” Sei não... Agosto/2016 (*) Dr. Luiz Carlos Pires é membro da Academia de Letras, Ciências e Artes da AFPESP e da dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo; ex-Delegado Regional de Polícia de Ribeirão Preto; exProfessor da Academia de Polícia “Doutor Coriolano Nogueira Cobra” Setembro/2016 15

[close]

Comments

no comments yet