Dialogue - 5ª Edição

 

Embed or link this publication

Description

Quinta Edição da Revista Dialogue, uma publicação da Uni-ANHANGUERA

Popular Pages


p. 1

2016 - 5ª Edição Educação, o alicerce da aprendizagem A doce tarefa dos planos de negócio LOGÍSTICA: Área estratégica na administração da empresa Rapidez e objetividade dos cursos tecnológicos

[close]

p. 2

Índice 3 Dialogue com o Reitor Quando a teoria se alia à prática Prof. Dr. Joveny Sebastião Cândido de Oliveira O prossional que o mercado espera 516 O lúdico, a literatura e a Educação Conheça os cursos que o Uni-Anhanguera oferece Bacharelado Administração Agronomia Arquitetura e Urbanismo Ciências Biológicas Ciências Contábeis Direito Enfermagem Engenharia Civil Engenharia da Computação Engenharia Elétrica Farmácia Publicidade e Propaganda Química 13 CAPA Otimizar tempo é ganhar qualidade de vida Licenciatura Ciências Biológicas Pedagogia Química 23 Conra o Calendário Acadêmico 2016/2 Expediente Estrutura Organizacional Prof. Dr. Joveny Sebastião C. de Oliveira Reitor Ficha Técnica Dialogue: Veículo de Comunicação Interna do Centro Universitário de Goiás – Uni-Anhanguera Cursos Tecnológicos Análise e Desenvolvimento de Sistemas Gestão Ambiental Gestão de Vendas; Gestão Comercial Gestão de Recursos Humanos Logística Processos Gerenciais Segurança Pública Prof.Ms Luiz Felipe Cândido de Oliveira Vice-reitor Prof. Ms. Danilo Nogueira Magalhães Pró-Reitor de Economia e Finanças Prof. Ms. Geraldo Luccas Pró-Reitor de Comunicação e Marketing Prof. Ms. Kleber Branquinho Adorno Pró-Reitor de Cultura Profª Ms. Mayra Caiado Paranhos Pró-Reitora de Ensino a Distância Profª Drª. Maria José Del Peloso Pró-Reitora de Pós-Graduação e Pesquisa Prof. Ms. Valdir Mendonça Alves Pró-Reitor de Graduação e Extensão Jornalista Responsável: Marley Costa Leite – DRT 217/JP Projeto Gráco e Diagramação: Carlos Sena Fotograa: Juliano Camargo Tiragem: 5000 exemplares – Distribuição gratuita 2016 – Ano 2 – Edição 5 Contato: marley.costa@anhanguera.edu.br 62 3246-1312 Av. João Cândido de Oliveira, Nº 115, Cidade Jardim - Goiânia-GO CEP: 74423-115 - Tel.: 62 3246-1404/ 1437 - Fax: 3246-1444 Errata: Na edição passada trocamos o nome do prof. Danilo Nogueira Magalhães pró-reitor de Economia e Finanças, por Danilo Cunha, aluno do curso de Direito. Apresentamos nossas desculpas. Cursos Sequenciais Gestão de Pequenas Empresas; Gestão de Departamento Pessoal; Gestão de Órgãos Públicos; Gestão de Segurança Pública; Cálculo Trabalhista e Previdenciário Pós-Graduação Direito Civil e Processual Civil Direito Penal e Processual Penal Direito Previdenciário Direito do Trabalho e Processual do Trabalho Direito Público: Constitucional e Administrativo Direito Tributário Conciliação, Mediação, Negociação e Arbitragem MBA em Direito Minerário MBA em Administração e Acreditação Hospitalar MBA em Finanças e Controladoria MBA em Gestão de Resíduos Sólidos e Líquidos MBA em Gestão de Pessoas, Liderança e Coaching MBA em Gestão Empresarial com Ênfase em Consultoria MBA em Logística Empresarial Auditoria Contábil e Normas Internacionais 2

[close]

p. 3

Dialogue com o Reitor Quando a teoria se alia à prática Prof. Dr. Joveny Sebastião Cândido de Oliveira O debate entre a teoria e a prática, em algum momento, chegou a todos nós, como se fossem estanques, como se um não completasse o outro, como se a teoria invalidasse a prática e viceversa. Se tomarmos Platão e Aristóteles para ilustrar o que queremos dizer. Platão foi o criador do método idealista que raciocina sobre o que seria ideal para o mundo, "a utopia é a forma de sociedade ideal para a qual a humanidade deve evoluir. Talvez seja impossível realizá-la na Terra, mas é nela que um sábio deve depositar todas as suas esperanças". Aristóteles, seu discípulo, queria superar o mestre, pensa que a essência das coisas está nas próprias coisas, diferente de Platão que pensa nas coisas como cópias de ideias perfeitas. São formas de pensar uma mais teórica, outra mais prática. Uma mais etérea, outra mais palpável, mas ninguém pode negar a importância dos dois nas escolas de pensamento. Quando nos debruçamos para concretizar o sonho de uma universidade em Goiás, não nos preocupamos com isso. Sabíamos que alguns cursos precisariam de mais teorias e outros de mais práticas e, no nal, o que realmente valeria seria o resultado alcançado. O mundo mudou muito, as necessidades seguiram o mesmo ritmo das mudanças, e se entendemos bem a teoria, o momento exige que coloquemos em prática aquilo que aprendemos. Hoje temos no Uni-Anhanguera cursos tecnológicos, mais rápidos, que alia a teoria à prática e prepara o aluno para o mercado de trabalho. Muitos dizem que é um curso prático apenas, o que não corresponde à realidade. Se assim fosse, o prossional sairia treinado apenas para aquilo que aprendeu fazer. A realidade é que os depoimentos revelam que, além da prática, o aluno sai com conteúdo que lhe permite adequar-se às novas situações e fazer o diferencial em sua área de trabalho. Por outro lado, quando o assunto é educação, o conteúdo teórico parece ser inndável. Como no curso de Pedagogia. Citei Aristóteles, como alguém que pensava de maneira mais prática, concebia um único mundo: este em que vivemos e no qual encontramos bases sólidas para empreender investigações losócas. O mundo da experiência. Platão concebia a existência de dois mundos, o concreto, apreendido pelos nossos sentidos e o mundo das ideias, acessível pelo intelecto. Mas o comportamento humano não cabe em gavetinhas e unir os pensamentos deveria ser a bússola do agir humano: manter as ideias do “ser” e agir de acordo com o “dever ser”. O ideal de Platão e das teorias educacionais que o sucederam, colocadas em prática seguindo os métodos de Aristóteles. A ciência é objetiva e o conhecimento deve corresponder à realidade que compreende tanto os conceitos universais, imutáveis e eternos, quanto nosso mundo individual, contingente e transitório. O meio acadêmico é o ambiente adequado para aliar a teoria à prática e tornarmos agentes transformadores do mundo também no campo prossional da educação e da tecnologia exigida pelo mercado. 3

[close]

p. 4

Homenagens Ordem do Mérito D. Pedro II A cerimônia comemorativa ao Dia do Bombeiro, realizada em junho, foi a oportunidade de homenagear militares da corporação, que se destacaram em ações operacionais, e outras autoridades civis e militares, pelos relevantes serviços prestados ao Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás. Entre os homenageados com a medalha da Ordem do Mérito D. Pedro II estava o professor Joveny Sebastião Cândido de Oliveira, Reitor do Uni-Anhanguera. O evento foi prestigiado pela esposa Dona Jô e pelo pró-reitor e sócio Danilo Nogueira Magalhães, bem ao estilo discreto do prof. Joveny. Com o porte de quem foi militar e consciente da honraria que recebia, o professor Joveny mostrou-se imbuído do lema que servir é dedicar-se ao outro sem egoísmo, capaz de assumir responsabilidades com a educação e formação de novos prossionais. Foi uma cerimônia bonita e emocionante. As fardas de gala da corporação, as marchas e dobrados tocados pela banda, o desle dos bombeiros aposentados, o vigor com que o hino nacional foi cantado, tudo fez parte do cenário da solenidade que culminou com a entrega das medalhas a homens e mulheres notáveis. Sessão Especial Em cerimônia intimista a diretoria do Uni-Anhanguera e, em especial, a pró-reitoria de Ensino à Distância foram homenageadas em uma sessão especial da Câmara dos Vereadores de Goiânia. A homenagem foi proposta pelo vereador Simeyzon Silveira, egresso do Uni-Anhanguera, que fez um discurso contando toda a história da Anhanguera e do sucesso das metodologias do Ensino à Distância. O professor Joveny, ao discursar, disse que lhe restava pouco a falar diante dos elogios tecidos pelo vereador Simeyzon, e contou outras histórias. Receberam os diplomas de honra ao mérito, além do reitor, o vice-reitor Luiz Felipe Cândido de Oliveira, a pró-reitora de Ensino à Distância, Mayra Caiado Paranhos e o pró-reitor de Economia e Finanças, Danilo Nogueira Magalhães, as coordenadoras do EaD, Laura Peixoto Mota Cândico de Oliveira e Karina Adorno De Lacruz 4

[close]

p. 5

ARTIGO O prossional que o mercado espera Por Ana Cândida Franco de Oliveira Cada tempo tem seu desao, seus ajustes, sucessos e pontos a melhorar. Para Aristóteles (o grande lósofo grego) “Nós nos transformamos naquilo que praticamos com frequência, a perfeição, portanto, não é um ato isolado, é um hábito”. Com ousadia e humildade, sugiro substituir a palavra perfeição por excelência. Porque bem sabemos que perfeição cabe apenas ao Criador e a nós, buscar a excelência. Justamente por isso, diante de um mercado incerto e repleto de oportunidades, cabe a nós sermos excelentes a cada dia. Não é possível escolhermos um dia da semana, do mês, do semestre ou do ano, para sermos excelentes, é preciso que em cada trabalho, ação, projeto, comunicação, “fazer mais que o combinado”, para que se torne hábito. Vivemos hoje, um mundo novo, onde a revolução do conhecimento, a mega concorrência entre alianças rivais de grandes indústrias e organizações virtuais ocupam espaço acompanhando a velocidade dos acontecimentos, o que ocasiona novas exigências pessoais e prossionais. Diante desse cenário, quais são as características que o mercado espera? Referendada pela Unesco no início desse novo século essas são algumas: Relacionamento Interpessoal: a habilidade de lidar ecazmente com as necessidades de cada um e a exigência da situação; Comunicação Assertiva: quanto menor for o tempo que temos para falar, maior deverá ser nossa preparação, habilidade imprescindível na qualidade do relacionamento interpessoal e comunicação com o mercado; Flexibilidade/Resiliência: a primeira, é a capacidade de adaptação, a segunda, a capacidade de enfrentar situações adversas aprendendo com as diculdades. As duas, quando 5 compreendidas e praticadas, tornam-se uma das principais diferenças competitivas e as melhores estratégias de sobrevivência. Um pensamento taoista traduz na íntegra o que estamos comentando - “Em noites de tempestade, as árvores rígidas são as primeiras a quebrar, enquanto as nas e exíveis se curvam e deixam o vento passar”. Criatividade/Inovação: o que se espera, é a capacidade de processar e utilizar as informações de forma original e inovadora; Informação: a importância da aprendizagem organizacional, das unidades estratégias de negócios, precisamos conhecer não só o que acontece na nossa área de atuação, como também em outras áreas. Responsabilidade: com as pessoas, com o ambiente, em responder por nossos atos e frequentemente pelo das pessoas que lideramos; Empreendedorismo: em qualquer atividade, é possível empreender, se estamos trabalhando em uma empresa nossa ou não, é nossa vida que está ali e é nosso dever criar um mundo melhor. Desenvolver ou manter essas características depende de preparação contínua, se queremos conquistar sucesso, reconhecimento e sermos o prossional que o mercado espera, devemos lembrar que “O aprendizado não termina. Se estamos vivos, há lições para aprender”.

[close]

p. 6

Sempre é tempo de estudar As rápidas transformações na sociedade estão tirando muitas mulheres da vida recatada e do lar e mostrando a elas o potencial de realização prossional que desconheciam. A história de Débora Cinthia da Costa é como de tantas outras meninas de sua geração, deixou o curso de engenharia da computação pela metade e casou-se cedo. Teve lhos e dedicou-se à tarefa de mãeeducadora, mas logo vieram diculdades e teve que enfrentar o mercado de trabalho, com pouco estudo e nenhuma especialidade. Foi assim que, incentivada pelo marido, decidiu voltar a estudar, depois de 12 anos. Em seguida, ela animou o marido também a voltar a estudar e assim os dois seguiram, animando um ao outro. “Aqui vi um mundo que não conhecia, aliás, não conhecia nem a mim mesma. Descobri o potencial que tinha adormecido e renasceu em mim a vontade de crescer. Hoje não conseguiria mais parar. Faço pósgraduação em gestão de pessoas e meu próximo objetivo é aprender inglês e partir rme para um mestrado”, comenta Débora. Ela é analista de RH na Escola Internacional de Goiânia e assim que entrou no curso, uma colega a convidou para trabalhar na escola como auxiliar de almoxarifado, com a formatura, veio o convite para assumir a gerência. E tudo que aprendeu no curso está sendo colocado em prática, organização, planejamento e execução. “Em termos de qualidade de vida não tenho o que discutir, o Uni-Anhanguera foi o divisor de águas, tudo que aprendi e que hoje aplico, foi no curso”. 6

[close]

p. 7

Um prossional sem crise Crisley Henrique Rezende é egresso do Uni-Anhanguera no curso de Processos Gerenciais e na pósgraduação em Gestão Empresarial e, praticamente, é um modelo para todos que entram. Está há 20 anos na mesma empresa, onde começou como auxiliar de estoquista. Chegou no caminhão junto com a mudança da concessionária que havia fechado em Goiatuba, com apenas 16 anos. Pediu o emprego e ganhou. Com o tempo passou para vendedor, consultor técnico, encarregado de estoque, supervisor e agora é gerente do setor de peças na Cevel. Tem 41 empregados sob sua responsabilidade, distribuídos em três lojas. “Comecei a estudar visando mesmo capacitação prossional, tinha muita diculdade em gestão nanceira e saí do Uni-Anhanguera como um expert, e foi esse aprendizado que abriu as portas para meu crescimento na empresa”. Na realidade, explica Crisley, “o curso todo ensina muito, em todas as áreas da administração, mas aqui uso muito conhecimento também 7 de gestão de pessoas”. E completa: “Sinto que estou preparado para assumir qualquer tarefa dentro da empresa” Crisley não perde a oportunidade de conversar com seus subordinados e encaminhá-los para os cursos do UniAnhanguera, e, na equipe que treina capoeira – começou como aluno de atividades complementares e continuou após terminar o curso – é conhecido como Cevel do UniAnhanguera. Para ele, estudar é sempre muito importante. Depois de 10 anos afastado e já com 30 anos percebeu que precisava se adequar ao mercado cada vez mais exigente, e cinco anos depois que voltou a estudar, viu sua vida se transformar. “O curso é rápido e perfeito para toda área administrativa. A teoria é dada com foco na utilização de técnicas que serão utilizadas na vida prática e abre um leque de possibilidades, amplia sua visão de mercado e prepara adequadamente até mesmo aqueles que chegam sem nenhuma experiência”, comenta.

[close]

p. 8

Opinião O desao de se recriar Prof. Ms. Vânia Dourado É nos momentos de diculdades, crises e desaos que as empresas necessitam se recriar. Criando estratégias para enfrentar a queda nas vendas, aumento das taxas de juros, alta competitividade, sendo necessário se adequar rapidamente as mudanças causadas pelo avanço acelerado das tecnologias, as profundas alterações nos hábitos dos consumidores, o aumento das cobranças por resultados, a disputa por talentos, a diversidade e as gerações. Dentro desse contexto, a busca pela capacitação é uma estratégia inteligente para enfrentar os altos e baixos no mercado de trabalho, que cada vez mais exige das pessoas comportamentos empreendedores, pessoas capazes de Correr Riscos Calculados, Exigência de Qualidade e Eciência, Busca de Oportunidades e Iniciativa, Comprometimento, Busca de Informações, Estabelecimento de Metas, Planejamento e Monitoramento Sistemáticos, Persuasão e Rede de Contatos, Independência e Autoconança. Os Cursos de Tecnologia do Centro Universitário de Goiás - UniAnhanguera, vem trabalhando o Comportamento Empreendedor nos acadêmicos desenvolvendo atividades de extensão e pesquisa inovadores. Os acadêmicos desenvolvem desde 2002 a Feira de Empreendedorismo, Fórum e Mostra de Segurança Pública, Feira de Qualidade de Vida, Expo negócios – Projetos de Iniciação Cientíca, Visitas Técnicas, Projetos de Responsabilidade Social, Projetos de Incubação de Empresas e Semana de Cursos dentre outros.

[close]

p. 9

Dicas Práticas de Segurança Não há, nos dias atuais, um lugar sequer que se pode garantir estar 100% seguros. Pensada primeiramente para a orientação dos agentes de segurança que trabalham no Uni-Anhanguera, o professor Désio Carneiro Campos Filho, preparou uma cartilha com dicas, mas o trabalho se entendeu a todas as pessoas para tornar mais efetiva a segurança pessoal. O objetivo é conscientizar alunos, professores e funcionários para comportamentos dentro e fora da instituição. O professor Désio é Mestre em Ciências Militares e tem vasta experiência na área, com curso de Segurança Vip em Israel. Recentemente foi chefe do Departamento Logístico em Missão de Paz no Haiti. Militar reformado, sentese na obrigação de partilhar tudo que aprendeu e vai falar a respeito de sua experiência em palestra agendada para o início deste semestre. “Embora estejamos sujeitos aos imprevistos, é importante tomar cuidados preventivos e evitar que sejamos surpreendidos por alguma ação criminosa”, explica o professor, que também alerta para a necessidade de informar a polícia e órgãos responsáveis quando presenciar ou ouvir alguma coisa suspeita. 'No Uni-Anhanguera, comunique a Coordenação de Segurança e Defesa Patrimonial. Todo e qualquer plano é suscetível ao fracasso, mas quando há comprometimento da maioria, o sucesso se torna inevitável”. 9

[close]

p. 10

A segurança de conhecer o próprio perl Primeiro foi servir o Exército e acabou cando, pertenceu à Brigada de Operações Especiais e, em 2007, foi para missão de Paz no Haiti. Quando voltou percebeu que sabia muito mais a respeito de si mesmo. Foi então que procurou agregar valores que se encaixassem ao seu perl e não demorou a se encontrar no curso de Tecnologia em Segurança Pública. Fez outros como Planejamento Estratégico em Segurança – área que trabalha atualmente – e Segurança em presídios. Estou falando de Renato César Rodrigues, egresso do Uni-Anhanguera, que exibe em seu currículo, cargos importantes, que lhe renderam bons salários, e que hoje está em torno de 12 mil reais. Renato considera o curso a porta de entrada e a escada para galgar cargos melhores, “é uma ferramenta que pode ser usada na segurança pública e perfeitamente adaptável para uso na iniciativa privada, com poucas adaptações, facilmente incorporada com o conteúdo teórico adquirido em sala de aula”. Para ele é tudo uma questão de analisar de forma competente o cenário que se vai trabalhar e ter coragem de enfrentar o trabalho, que cada vez mais se torna necessário, procurado por empresas e indústrias de toda natureza. Não se trata apenas de trabalhar nas empresas que terceirizam serviços de segurança e vigilância, ou de fazer um curso de vigilante – esse continua existindo para quem quer trabalhar na área –, mas “o curso tecnológico, lhe dá conhecimento mais amplo, qualica você a elaborar planos estratégicos, que nortearão o trabalho do vigilante”. Renato já foi supervisor de segurança da Votorantim Metais, onde participou da implantação do serviço de segurança, desde a seleção ao treinamento dos 50 participantes. Atualmente é coordenador regional da Química Amparo (produtos da marca Ypê) e divide sua atuação entre as duas unidades , a que ca nas instalações da antiga Arisco e a outra no Distrito Agro Industrial de Anápolis. 10

[close]

p. 11

Um sonho coletivo O universo humano é fantástico, regras e equações matemáticas não servem para enquadrar o comportamento humano e este é um aspecto que a pessoa descobre bem cedo, quando nasce com talento para a política. O verdadeiro político é entusiasmado e possui um carisma irretocável. Difícil entender isso em tempos que o exercício da democracia sofre com a falta de ideologia e os políticos extrapolam para um campo estritamente de benefício pessoal, sem o sentimento universal de benignidade. Ainda assim, é possível encontrar, no meio acadêmico, pessoas que se dedicam a uma política coletiva. Caroline Fernandes Silva foi eleita, por unanimidade, pelos colegas de curso para ser a representante de sala, o que evidencia seu carisma. Seu talento político se revelou nas eleições para o DCE, no ano passado. Modesta ela diz que não é bem assim: “Na verdade vim do interior para morar com meu pai e me sentia muito só, então, pela minha necessidade de relacionamento com pessoas de minha idade, busquei sempre me aproximar deles, e a ajuda foi automática. Uma via de mão dupla em que dou muito de mim, mas também recebo muito em troca”. Carol, como é chamada pelos colegas, está em movimentação para registrar e abrir o Centro Acadêmico de Tecnologia e em campanha para ser a primeira presidenta em mandato de apenas seis meses, quando conclui o curso. O desao também é identicar pessoas que continuem seu trabalho no próximo semestre, e está de olho nos calouros. “Somos 22 turmas e com mais de 800 alunos, o que justica a criação do Centro Acadêmico. A plataforma que defendo inclui a quebra de preconceito contra os cursos tecnológicos e maior valorização deles no ambiente acadêmico, ou seja, visibilidade e integração”. O pensamento de Carol revela a disposição de quem não faz algo para si, mas para deixar para os novos que estão chegando. Carol, certamente, vai enveredar pelo campo da política partidária, mas antes não quer perder o foco de sua formação pessoal e prossional. Estar à frente de uma equipe, em qualquer área da atividade humana, signica, em geral, uma posição de prestígio adquirida pelo valor técnico e moral do líder. Carol tem a qualidade de perscrutar os mais íntimos recônditos da própria alma, a m de conhecer o homens e ter-lhes amor fraterno; outra qualidade é pertencer a uma categoria espiritual que tem por lema o servir. 11

[close]

p. 12

Opinião A importância da Logística nas Organizações Prof. Ms. Luiz Antônio S. Tichs Em mundo cada vez mais globalizado e sem fronteiras, encontrar diferencial competitivo se torna cada vez mais necessário para a sobrevivência das empresas. Uma das opções usada por muitos são os conceitos de logística. A integração dos diversos setores da empresa, o pensamento comum na redução de custos, qualidade de produção e uxo rápido de informações, levou grandes empresas para esse novo mundo chamado logística. Para muitas empresas essa palavra já deixou de ser diferencial competitivo, embora seja estudada e aprimorada continuamente, pois já se tornou área estratégica dentro da organização. A logística é um sistema da administração que promove o gerenciamento e desenvolvimento da produção desde a aquisição de insumos até a entrega ao consumidor nal. Sua fundamentação possui grande importância para as organizações por proporcionar um sistema de gestão que promove a competitividade no mercado e qualidade ao consumidor nal. Essencialmente, a logística possibilita que a empresa realize sua missão organizacional por meio de planejamento estratégico de posicionamento e adequação mercadológica. Tais procedimentos sugerem a apresentação de um produto diferenciado e de interesse social, sendo eles promovidos, transmitidos e valorizados de modo a torná-lo um produto competitivo no mercado. O sistema de aquisição e controle de estoque é processo fundamental na gestão de uma organização por agregar valores e laços entre fornecedores, empresa e clientes. A empresa administra sua produção e controle de estoque juntamente com um fornecimento eciente capaz de suprir sua demanda, analisando custos, qualidade e condições de fornecimento. Esse sistema de compras possibilita que a organização execute ecientemente suas atividades de forma rígida e planejada, baseando-se na demanda e satisfação do cliente. O armazenamento proporciona à empresa um controle produtivo para a empresa, proporcionando a alocação de insumos e produtos de acordo com a necessidade no momento. Assim, considera-se muito importante que as empresas aprimorem seus sistemas de compras de acordo com a demanda e tenham uma relação estável com seus fornecedores e clientes, para que haja insumos a serem produzidos, fornecedores para suprir necessidades e clientes para adquirirem esses produtos. Da mesma forma que é necessária a estabilização das relações entre fornecedores e clientes, é importante também a forma como essa relação será efetuada. Conseguir demanda é resultado dos esforços promocionais, dirigindo-se a colocar o produto certo, no lugar certo e no instante correto para atender aos requisitos da demanda. 12

[close]

p. 13

CAPA Otimizar tempo é ganhar qualidade de vida Wesley Ferreira da Cruz Souza termina o curso de Tecnólogo em Logística neste semestre e embora já trabalhasse na área, sentiu a necessidade de qualicação para se posicionar melhor na empresa. E deu certo. Começou há 22 anos como ajudante de depósito, cou seis anos na área comercial e voltou com a tarefa de organizar o estoque da maior distribuidora de Goiânia. E foi então que sentiu a força do curso que fazia, “eu estava apto afazer tudo de forma mais fácil, otimizando o tempo e criando um ambiente de trabalho mais leve e isso, consequentemente, teve impacto na qualidade de vida”, comenta. O curso inteiro é, de acordo com Wesley, uma oportunidade de aprendizado teórico e prático, “aprendi a implementar e trabalhar com indicadores, ajustar softwares como o WMS à necessidade, além de adquirir conhecimentos importantes nas áreas de gestão na cadeia de suprimentos, custos e gestão da produção”. Wesley arma que mesmo o aluno que não tem qualquer noção de logística, sai do curso preparado para enfrentar o mercado de trabalho. Mercado de trabalho A implantação da Plataforma Logística Multimodal de Goiás no Distrito Agroindustrial de Anápolis (DAIA) abre o leque do mercado para contratação de mão de obra qualicada e cada vez mais pessoas procuram o UniAnhanguera, interessadas no curso de Tecnologia em Logística. E Wesley garante que não se arrependerão. Como gerente ele tem sob sua liderança cerca de 300 empregados, divididos em dois turnos de trabalho. Seus trabalho começou implantando uma nova cultura de trabalho no depósito, a m de evitar perdas com sujeira, quebras, desorganização, e conseguiu gerar grande economia, o que acaba reetindo em seu salário. Wesley ganha um salário co de R$ 7 mil e uma produtividade que varia entre R$ 7 mil e R$ 8 mil mensais, além da bonicação de nal de ano que ca em torno de R$ 20 mil. Uma cidade Conhecer o ambiente de trabalho de Wesley é impressionante, a começar pelo tamanho do depósito de 20 mil m² e da dinâmica exata do processo que recebe, armazena, abastece, separa e expede. É uma verdadeira cidade em que os produtos são organizados em imensos edifícios distribuídos por ruas, quadras, apartamentos. Os nomes são esses mesmos, não são apenas analogias, mas lógica para identicar rapidamente o produto que se quer. Os tempos modernos desenvolveram também várias máquinas e algumas exigem que o operador faça cursos especícos para manobrá-las, como transpaleteiras e empilhadeiras. Outras máquinas otimizam os empacotamentos e as esteiras evitam que pessoas percorram de 8 a 10 mil metros por dia dentro do armazém. As estanterias com rodas e declínio são outros facilitadores e fazem parte da estrutura de armazenamento (ow rack), assunto que, explica Wesley, é tratado em pelo menos quatro disciplinas dentro do curso. Enm, o trabalho é tão minucioso e dinâmico, que exige prática, conhecimento para trabalhar com os softwares e máquinas, mas também capacidade para entender a dimensão humanística e ambiental. Um conhecimento que se constrói a partir da interdisciplinaridade do curso e que permite ao aluno/prossional desenvolver a capacidade de análise sobre os problemas e soluções para sua área. Há no Uni-Anhanguera a preocupação em fazer a leitura da realidade com a prática social, de forma que o aluno se veja como sujeito histórico, participante e ativo na construção de seu conhecimento e, assim, formar prossionais empreendedores, capazes de atuar como gestores na elaboração, implantação e avaliação de projetos de investimentos. 13

[close]

p. 14

Opinião A educação na base da sociedade Prof. Ms. Diane Marcy de Brito Marinho A ampliação de novos saberes acontece quando há um compromisso entre o educando, o educador e a sociedade. É justamente o que o curso de Pedagogia, do Centro Universitário de Goiás tem se comprometido, buscando, sempre, adequar-se aos novos contextos e possibilidades da educação. Por isso, as ações educativas e sociais permeiam o curso a todo momento, do ingresso à formação. Desde 2004, com o ingresso da primeira turma, o intuito do curso é redenir o papel do pedagogo na sociedade que passa por diversas mudanças. É importante que o professor esteja preparado para lidar com novos contextos, e esse objetivo está sendo cumprido com eciência, observando as boas avaliações pelos órgãos competentes, assim como os bons resultados dos egressos em instituições de ensino renomadas e pelas inúmeras aprovações em concursos públicos. Essas conquistas só acontecem por ter a Pedagogia do UniAnhanguera uma proposta diferencial dos demais cursos de licenciaturas: pensar na formação de maneira equilibrada, contextualizada e transgressora. A qualicação da equipe de professores contribui para que esse objetivo seja alcançado. São especialistas e mestres em constante formação, que estão inseridos também no Ensino Básico, realizando a ponte entre teoria e prática. Para potencializar essa qualicação, o curso conta com reexões em uma perspectiva multidisciplinar e crítica do ser humano. Assim, em todo o curso há uma inserção da educação em seus diversos contextos e em suas diversas formas de apresentação. O Curso de Pedagogia procura inserir, em sua matriz curricular, disciplinas teóricas e práticas que farão com que os discentes possam vivenciar todas as reexões construídas e dialogadas durante o curso. Por isso, além da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino de Jovens e Adultos, a Pedagogia, no Uni-Anhanguera, ainda tem, em sua formação, a Pedagogia Hospitalar, a m de inserir as acadêmicas com mais esta realidade e, consequentemente, ampliar a formação, oportunizar as práticas de docência e vivenciar metodologias diferenciadas com educandos que estejam hospitalizados, em tratamento e em convalescência. Abrindo, assim, novo campo de atuação, consolidando e construindo saberes que os ajudarão na construção de um de um prossional de sucesso.

[close]

p. 15

O lúdico, a literatura e a Educação Prof. Ms. Renato de Oliveira Dering A objetividade é necessária, mas não pode ser tomada como única forma de obter conhecimento. Não apenas isso, há conhecimentos que só podem ser transmitidos quando há uma preparação do aprendiz. A criança, em seus primeiros anos de vida, aprende através da ludicidade. O “faz de conta” é uma das maneiras que a criança aprende o mundo que a cerca. Ele descobre, compreende e aprende. É interessante perceber como o lúdico está presente na vida das pessoas e elas mal percebem. As guras de linguagem, na hora de explicar algo, podem ser consideradas meios de utilizar o lúdico para ensinar e facilitar o aprendizado. Em 2008, por exemplo, o lme “Um faz de conta que acontece”, mostra como Skeeter (personagem vivido por Adam Sandler) aprende através dos jogos de ilusão e realidade. Os sobrinhos do protagonista desenham fantasias e que, possivelmente, vão se transformando em realidade. A relação entre o lúdico e a literatura é inseparável, principalmente na fase infantil. Elas desenvolvem a criatividade e promovem um maior controle das emoções. Não somente isso, mas a literatura, ainda, como 15 manifestação artística da linguagem e percepção da sociedade e cultura, é uma escola por si só, pois promove nos leitores um vínculo único e forte de aprendizagem. A literatura desperta o interesse pela arte em si, além do conhecimento de mundo e vocabular adquirido pelas leituras. A criança, adolescente, jovem ou adulto, quando em contato com a arte literária, vive mundos e aprende com eles, uma vez que a arte não se explica, alimenta. Nesse novo contexto educacional, é importante instigar, fomentar, diluir e promover a arte e suas formas de apresentação e representação.

[close]

Comments

no comments yet