Alagoas Memorável - Fascículo2

 

Embed or link this publication

Description

Alagoas Memorável - Fascículo 2

Popular Pages


p. 1

02 segundo fascículo 21x23.indd 2 18/07/2011 11:33:18

[close]

p. 2

presidente de honra jornalista ana luísa collor de mello presidente do conselho estratégico carlos alberto mendonça diretor executivo luis amorim coordenador editorial Ênio lins presidente de honra jornalista ana luísa collor de mello alagoas memorável pat r i m Ô n i o arquitetÔnico núcleo de projetos especiais coordenação geral leonardo simões coordenação editorial farol editora e marketing ltda textos cármen lúcia dantas douglas apratto tenório josé luiz da mota menezes revisão ivone dos santos fotografia ricardo lêdo desenhos wellington charles direção de arte e diagramação wellington charles tratamento de fotos victor josé santana paiva impressão gráfica moura ramos tiragem 15.000 exemplares instituto arnon de mello 82 3326-1604 capa engenho frans post Óleo sobre madeira 48.2 x 83.6 cm 02 segundo fascículo 21x23.indd 3 18/07/2011 11:33:19

[close]

p. 3

02 segundo fascículo 21x23.indd 4 18/07/2011 11:33:20

[close]

p. 4

engenho com casa-grande em pernambuco durante a ocupação holandesa frans post 36 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 02 segundo fascículo 21x23.indd 5 18/07/2011 11:33:31

[close]

p. 5

dos primeiros núcleos à emancipação douglas apratto tenório historiador conquista do território alagoano iniciou-se a partir da administração do segundo donatário da capitania de pernambuco quando terminou a interinidade de d brites de albuquerque com a ajuda de jerônimo de albuquerque exatamente quando foram vencidas as últimas grandes resistências dos povos indígenas o que deixava apenas bolsões de rebeldia que sem se importar com a superioridade tecnológica dos invasores insistiam em lutar contras os portugueses mas sem a magnitude dos levantes originais contidos após a guerra santa e o extermínio dos guerreiros caetés em nosso território duas bandeiras organizadas pessoalmente pelo novo donatário duarte coelho de albuquerque consolidaram a posição da autoridade dos novos donos da terra uma rumou para o sul onde hoje é alagoas explorando o litoral penetrou em alguns rios a e subiu até o são francisco chegando à penedia saliente da margem sul que se ergue à beira das águas a sete quilômetros da foz onde se encontra hoje piaçabuçu na posição de 10º e 13º da latitude sul e 6º e 31º de longitude do rio de janeiro ali construíram uma feitoria para vigilância da área É a origem mais remota da atual cidade de penedo a outra seguiu para o norte também pela costa chegou à foz do camaragibe e foi até o cabo de santo agostinho travando embates com os nativos e derrotando os potiguaras encerrando grosso modo a guerra contra os bárbaros negociou com as tribos menos aguerridas uma détente que interessava basicamente aos portugueses em seu projeto de ocupação do território que assim teriam mão de obra ao alcance para os trabalhos agrícolas alagoas nascia assim sob o signo da luta que se teve a derrota arrasa dora dos indígenas surgiu também sob a marca do inconformismo que se transformou em resistência de variadas formas ante o peso de adversários que tentaram levar sua dominação também para os campos das ideias e da cultura ultrapassada a fase de extração do pau-brasil madeira abundante em suas matas que atraiu a cobiça de outros povos europeus principalmente os franceses surgiram as feitorias estrangeiras virando a página das expedições exploradoras e guarda-costas em meio aos conflitos entre as nações do velho continente de além-mar na disputa pelos bens naturais do novo mundo viu passar as bandeiras de apresamento e extermínio das valorosas tribos indígenas como a dos caetés e passou a viver uma segunda fase do processo colonizador baseada na experiência da exploração da cana de açúcar e na criação de gado ambas exigindo grandes extensões de terra os latifúndios alagoas memorável patrimônio arquitetônico 37 18/07/2011 11:33:31 02 segundo fascículo 21x23.indd 6

[close]

p. 6

o início dos tempos dessa fase histórica que vai do século xvi ao xix quando se emancipou da capitania de pernambuco a 16 de setembro de 1817 o que ficou a trança da história expandiu sua herança traçando novos rumos deixando apenas hábitos lembranças e um novo padrão cultural os nativos assim como os negros que vêm trazidos à força de seu habitat na África para trabalhar nas propriedades são impelidos a se ocidentalizar com prejuízo para suas identidades étnica e cultural o ingresso deles nessa nova sociedade que se está construindo na história pois a pré-história já foi vai ocorrer sob a batuta branca europeia lusitana o coletivismo do modo de vida as relações sociais e a cultura dos povos da terra brasilis serão combatidos marginalizados esquecidos a ferro e a fogo antes o território físico e existencial dos povos indígenas assim como o dos negros na África era onde eles viviam livres dentro de uma perspectiva material e espiritual própria o seu nomadismo se prendia à procura de novas terras para o cultivo da mandioca e principalmente à busca de animais para a caça peixes e frutas os primeiros núcleos de colonização as primeiras vilas substituem o antigo mundo dos nativos e o dos africanos pelo mundo do além mar lusitano oferecendo um novo espaço sedentário e com as cores ofuscantes do colonizador as habitações que antes eram precárias ocas e tabas constantemente abandonadas para ser erguidas em lugares de maior abundância evoluem para construções diferentes mas igualmente frágeis em sua maioria em terreno elevado próximas de rios e florestas de onde tirariam o sustento são feitas à semelhança das antigas choças de adobe e cobertas com palha até que mudam para casas em que utilizam pedras revestidas com barro no mundo eminentemente rural patriarcal açucareiro pecuário o que sobressai é o domínio do tripé a casagrande a residência do dono das terras dos escravos domésticos e dos índios mansos geralmente situada em meia encosta com a capela atestando a fidelidade a deus ou ao santo preferido também no alto do morro o engenho ou a casa do gado geralmente próximo ao curso d água que fornece a matériaprima para a sobrevivência dos moradores bem como para a fabricação dos produtos da propriedade e o escoamento dos produtos de exportação como uma verdadeira estrada líquida pois as condições de transporte em terra são dificílimas finalmente o último vértice do triângulo é a senzala onde moram os outros escravos um aglomerado de casas contíguas feitas de taipa simples e sem maiores cuidados com uma só entrada para melhor vigilância dos feitores sobre eles ­ sempre uma ameaça para os senhores ­ e racionalização dos custos manoel correia de andrade sublinha o contraste entre a primeira e última não só no estilo de construção as casasgrandes diz ele tinham paredes muito espessas para defendê-las tanto dos ataques dos inimigos como da inclemência do clima tropical muito quente e úmido os alpendres ou varandas ora mais ora menos amplos forneciam a sombra tão necessária à região eram o lugar ideal para se colocar as redes e as preguiçosas como era chamado certo tipo de cadeira para a sesta da tarde e de onde se davam as ordens aos escravos e aos agregados empregados mais próximos da casa-grande segundo correia de andrade casos havia em que o senhor falava aos escravos de uma janela ou de um terraço do primeiro andar para evitar maior aproximação com eles geraldo gomes especialista no estudo dos engenhos de açúcar do nordeste mostra em suas obras como evoluí 38 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 02 segundo fascículo 21x23.indd 7 18/07/2011 11:33:31

[close]

p. 7

ram as unidades principais as casasgrandes inicialmente edificadas de taipa e adobe com o passar dos tempos tornaram-se construções mais sólidas de alvenaria usando tijolos gigantes e pesados como se encontram ainda nos poucos exemplares preservados como o jenipapo em maragogi em pilar no engenho salgado e nas unidades do norte em passo de camaragibe e maragogi ainda é possível encontrar ruínas das moradas dos negros É interessante como as casas dos fazendeiros proprietários de terra hoje e as de seus empregados reproduzem quase que fielmente as condições das antigas casas senhoriais e as dos seus escravos quanto às capelas são mais fáceis de encontrar as do século xix poucos exemplares é verdade como as dos engenhos lamarão furado terra nova riachão marrecas no entanto cada vez mais o processo de expansão das usinas o aumento da população expandindo a área urbana e a progressão acelerada vão destruindo as marcas do nosso passado tanto quanto os seus substitutos nas cidades sobrados como os de são miguel dos campos pilar marechal deodoro penedo e maceió vão pouco a pouco sendo degradados abandonados e se tornando peças raras por outro lado nas grotas e nas zonas mais pobres proliferam as favelas com moradias precárias onde as pessoas não têm a menor privacidade são indignas de abrigar seres humanos substituem os vários tipos de mocambo de outrora uns cobertos com palha de cana ou com capim-açu outros com palha de coqueiro e ainda outros com madeira e palha casa-grande do engenho bananal fernandes viçosa alagoas memorável patrimônio arquitetônico 39 18/07/2011 11:33:35 02 segundo fascículo 21x23.indd 8

[close]

p. 8

penedo porto calvo e alagoas encerrado o ciclo da guerra contra os nativos e decidido o povoamento da região com culturas valorizadas no mercado europeu d joão iii dividiu a capitania em sesmarias enormes extensões de terra agraciando súditos importantes os chamados homens de qualidade a cristóvão lins foram doadas as terras por ele conquistadas aos índios potiguaras que iam da foz do rio manguaba até o cabo de santo agostinho mais presente na parte austral de sua imensa sesmaria o fidalgo estabeleceu-se com sua mulher d adriana de holanda na localidade onde hoje está situado porto calvo empregou seus recursos e energia e em breve a região prosperou repleta de canaviais sete engenhos foram estabelecidos em suas terras dos quais o escurial e o buenos aires se sobressaíram quando os holandeses invadiram o brasil porto calvo desfrutava de progresso incomum e os flamengos a incluíram entre os núcleos mais desenvolvidos do território português a primitiva sesmaria já estava bastante subdividida antonio de barros pimentel por exemplo havia recebido as fertilíssimas terras que iam da foz do rio manguaba à do rio santo antonio do meirim nelas vicejavam pequenos povoados promissores em função de seus engenhos de açúcar gravitando em torno da grande unidade denominada santo antonio dos quatro rios por ser banhada pelos rios tatua assédio e conquista do forte de porto calvo alagoas pelas tropas holandesas sob o comando do conde de nassau 1637 frans post 1645 40 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 02 segundo fascículo 21x23.indd 9 18/07/2011 11:33:37

[close]

p. 9

munha manguaba camaragibe e santo antônio porto calvo onde se estabelecera o patriarca lins embora fosse a segunda povoação mais antiga perdendo a primazia para penedo não obstante foi segundo dirceu lindoso a primeira comunidade política estabelecida aqui passando de uma base fortificada para uma cidade defendida e depois para centro políti co da região se duarte coelho antes já havia percebido o papel estratégico do lugar e a ocupação daquela colina corrobora esta assertiva é inegável que a povoação tinha forte apelo para o projeto colonizador português tanto na guerra do açúcar como nas investidas contra o baluarte quilombola palmarino mais tarde seu papel de fortaleza militar é percebido claramente pois de lá partiam os exércitos para defender os interesses da coroa os relatórios dos funcionários holandeses na época referem-se ainda à existência da ermida de nossa senhora do bom despacho na foz do rio camaragibe e às povoações do espírito santo bom jesus são joão e nossa senhora do guadalupe entre os rios camaragibe e santo antônio estavam as propriedades tapera de angola são sebastião nossa senhora da penha de frança e Água fria além das de cristóvão delgado rodrigo de barros pimentel e cristóvão botelho o sistema sesmeiro é dinâmico subdivide-se e gera outras novas terras que é necessário ocupar uma dessas começava no rio santo antonio do meirim terminava na enseada da pajuçara e se alongava até a lagoa do norte ou mundaú o polo de ocupação madalena atual marechal deodoro outro dos sítios históricos mais importantes no final do século xvi havia estabelecido seu núcleo urbano inicial a origem remonta à sesmaria obtida por diogo soares da cunha que distava cinco léguas da pajuçara ao porto do francês o proprietário veio de lisboa em 1596 e em taperaguá começou a ocupação de suas terras dando o nome de madalena à nova povoação fundada retornou a portugal deixando um procurador o capitão-mor henrique de carvalho que após sua morte transmitiu-a a gabriel soares filho de diogo gabriel recebeu o titulo de alcaide-mor de madalena e se casou com a filha do capitão henrique d maria de abreu bezerra desse casamento nasceram três filhos antonio de andrade carvalho mathias de carvalho e maria de abreu que deram origem a várias famílias de alagoas a povoação cresceu e propriedades agrícolas surgiram em torno da bacia lacustre que a baliza o progresso da pequena vila foi interrompido pela invasão dos holandeses em 1633 queimaram igrejas casas e prédios públicos e hostilizaram seus moradores exigindo tributos de guerra madalena já se tornara santa maria madalena da lagoa do sul e depois passaria a ser simplesmente alagoas cabeça de comarca e capital da provín alagoas memorável patrimônio arquitetônico 41 18/07/2011 11:33:39 02 segundo fascículo 21x23.indd 10

[close]

p. 10

cia após a separação da capitania de pernambuco pela forma de transmissão de propriedades da época diversas outras sesmarias foram doadas surgindo novas povoações tiradas da costela do florescente burgo povoações de população esparsa dedicada às atividades agrícola e pastoril e com engenhos que impulsionavam a economia como a com que foi agraciado antonio de moura castro que ia do porto do francês ao picão em coruripe origem da vila do poxim e da cidade de coruripe ou a que foi doada a antonio barbalho feio que recebeu cinco léguas do engenho são miguel dos campos de inhauns que deu origem à atual cidade de são miguel ou o engenho velho antiga propriedade de gabriel soares passo inicial da cidade do pilar o outro ponto de colonização penedo a quarenta e quatro quilômetros da foz do rio são francisco foi edificado por razões estratégicas numa pequena rocha que lhe empresta o nome duarte coelho pereira lá chegara em 10 de outubro de 1555 dando início a uma bela história da aventura humana na região com povos de diferentes formações e culturas após o atestado de batismo dos irmãos albuquerque e os conflitos com os franceses que tinham feitorias de pau-brasil no lugar passou a ser a grande porta de entrada para o sertão os holandeses quando chegaram à capitania procuraram ocupar imediatamente posição privilegiada na localidade revigorando a ocupação anterior que não avançara fundando o forte maurício no mesmo local escolhido por duarte coelho a trajetória da cidade é um amálgama de histórias onde entram índios portugueses negros franceses holandeses mestiços do qual se pode obter uma amostra significativa da vida alagoana de todos os tempos entre os sesmeiros que receberam doação de terras na região no início de sua formação estão leonardo pereira da cunha com uma légua e meia e fernão vaz freire que obteve duas ilhas perecoba e jenipapo na margem do rio são francisco a povoação recebeu desde cedo forte influência religiosa com o curato de santo antônio o primeiro orago a matriz de nossa senhora do rosário a igreja de nossa senhora das correntes ordens e confrarias religiosas e o convento franciscano polo de difusão não só religiosa mas também cultural através dos primeiros literatos que surgiram nos claustros daquele edifício colonial agraciada com o título de muito nobre e leal por seu heroísmo na luta contra os flamengos seduziu os próprios invasores como o príncipe nassau de orange que se encantou com sua paisagem foi teatro de ferozes combates lutas que redundaram na expulsão dos holandeses onde sobressaiu a figura de valentim da rocha pita conheceu ainda a rebeldia dos quilombolas negros e participou ativamente do período de afirmação política da capitania impulsionada por seu movimentado porto e pelos currais de gado ao longo do rio e também ligada ao sertão participou igualmente do ciclo do açúcar com engenhos casas-grandes e senzalas em sua zona rural o núcleo habitado por artesãos e comerciantes cresceu gradativamente e era considerado uma autêntica capital da parte sul a única rival de respeito do porto marítimo de maceió tornou-se também com seu movimentado comércio verdadeiro polo de atração das cidades são-franciscanas com ligações com os vizinhos estados de sergipe e bahia sua estrela brilha no percurso através dos elogios dos cronistas pela beleza de seu conjunto arquitetônico comércio dinâmico casas elegantes e confortáveis sobrados suntuosos hospital de caridade câmara cadeia escolas mesa de inspeção de algodão etc 42 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 02 segundo fascículo 21x23.indd 11 18/07/2011 11:33:39

[close]

p. 11

a guerra do açúcar um episódio marcante na história de alagoas foi a guerra do açúcar como é chamado o período da dominação holandesa a causa principal da invasão flamenga foi o rentável comércio do açúcar na europa após a tentativa frustrada contra a capitania da bahia eles voltaram as vistas para pernambuco e ocuparam seu território por vários anos alagoas foi palco de memoráveis batalhas e testemunha de lances decisivos de um período que passou para a história com tintas lendárias a começar da porta de entrada norte porto calvo onde contaram com a colaboração de domingos fernandes calabar um mestiço valente figura controversa que mudou o rumo da guerra sendo aprisionado pelas tropas lusas e condenado à morte de forma sumária em porto de pedras ocorreu aquela que é considerada uma das mais importantes batalhas das américas a de mata redonda em 18 de janeiro de 1636 alagoas do sul e santa luzia do norte registraram sua participação com o incêndio da primeira e a retirada das forças de matias de albuquerque na segunda outros momentos interessantes são a viagem de nassau pelo território alagoano a construção do forte maurício em penedo as incursões ao campo dos arrozais do inhauns a resistência e a tortura de sebastião ferreira em são miguel dos campos o cerco e a queda de porto calvo o saque de camaragibe a edificação da sinagoga a expulsão dos invasores da região do rio são francisco liderados pelo penedense valentim da rocha pita e a reconquista de porto calvo dentre outros vista de penedo e do forte maurício em que aparecem tropas luso-brasileiras em fuga para a capitania de sergipe del rei frans post alagoas memorável patrimônio arquitetônico 43 18/07/2011 11:33:43 02 segundo fascículo 21x23.indd 12

[close]

p. 12

a troia negra dos palmares outro fato dos mais destacados de alagoas no período colonial foi a existência do quilombo dos palmares antes durante e depois da ocupação holandesa ele se firmou como uma verdadeira cidadela da liberdade o crescimento desse santuário de resistência negra contra a escravidão incomodava muito aos senhores de engenho e ao sistema vigente tendo em vista que os escravos fugiam de suas propriedades e se dirigiam para o refúgio palmarino retornando depois para libertar seus companheiros das senzalas incendiando canaviais e saqueando vilas e fazendas foi a maior demonstração de rebeldia contra a escravidão e o maior grito de resistência das américas em todos os pontos do brasil do oiapoque ao chuí surgiram agrupamentos quilombolas com os mesmos propósitos mas nenhum teve a dimensão do quilombo estabelecido na serra da barriga em união dos palmares as tropas regulares travaram nas seis décadas de sua existência dezenas de expedições a maioria derrotada pelos negros que lutavam com heroísmo incomum pois pelejavam pela liberdade mesmo quando derrotados ressurgiam depois reconstruindo tudo e mantendo a tradição do seu povo em volta da serra histórica finalmente uma expedição com supremacia de soldados e armas derrotou os palmarinos caindo o seu núcleo principal que segundo oliveira martins merecia o nome troia negra o mais belo e heróico de todos os protestos de escravos e cuja história tem lances de uma ilíada ruínas do engenho escurial porto calvo 44 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 02 segundo fascículo 21x23.indd 13 18/07/2011 11:33:43

[close]

p. 13

alagoas memorável patrimônio arquitetônico 45 18/07/2011 11:33:44 02 segundo fascículo 21x23.indd 14

[close]

p. 14

a boca de maceió o núcleo inicial da cidade século xix 46 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 02 segundo fascículo 21x23.indd 15 18/07/2011 11:33:44

[close]

p. 15

a evolução de maçayó maçayó era o nome do engenho de açúcar do qual se originou a cidade no período colonial antes disso porém no período anterior à invasão holandesa lá pelos idos de 1609 havia em pajuçara perto da enseada das canoas dos caetés uma casa de telhas pertencente a manoel antonio duro a quem diogo soares alcaidemor de santa maria madalena doara uma sesmaria escritura pública de 1611 comprova já existir dois anos antes essa casa falando o documento num outro homem que se estabelecera ali legalmente e que o sesmeiro era obrigado a respeitar caso a demarcação que ia se realizar lhe alcançasse os limites do sítio provavelmente por inconformismo com o seu substituto na sesmaria manoel antonio duro transferiu para o capitão apolinário fernandes padilha a concessão de suas terras foi exatamente após o fim do domínio holandês que teve início o primeiro povoado de maceió através da construção do engenho de açúcar que tomou emprestado o nome indígena dado ao território de restinga no local onde hoje está situada a praça d pedro ii pretende-se que algum sesmeiro de santa luzia do norte procurando novas terras para cultivo em suas incursões resolveu fundar um engenho de açúcar na margem do riacho maçayó construiu o pequeno conjunto industrial até meados do século xvii o que havia era um modesto povoado em torno daquele engenho célula-mãe da nossa atual capital com uma pequena capela dedicada a nossa senhora dos prazeres anteriormente sob a proteção de são gonçalo do amarante santo de devoção de padilha o primeiro proprietário o modesto povoado evoluiu no início do século xix para uma pequena vila constituída agora de um conjunto de ruelas e habitações rústicas com grande cobertura vegetal mata atlântica mesmo rodeando as casas dos moradores com um terreno extremamente pantanoso denominado boca de maceió e os mangues das lagoas o movimento comercial foi aumentando servindo de confluência da produção agrícola dos vales do mundaú paraíba camaragibe e são miguel e demais rios de açúcar cortados por dois grandes caminhos abertos ao acesso de penetração pelo sertão com diversos núcleos açucareiros marginais a lhes procurar para escoar a produção daí o mérito de jaraguá que definiria a sua importância como polo hegemônico da economia e da administração no futuro como era necessário passar por aquele povoado para descarregar os produtos no porto guardando-os para embarque nos armazéns maceió foi progredindo e ameaçando ultrapassar em importância a vila de alagoas o que finalmente ocorreu em 1839 alagoas memorável patrimônio arquitetônico 47 18/07/2011 11:33:44 02 segundo fascículo 21x23.indd 16

[close]

Comments

no comments yet