Anfamoto em Revista - edição 132

 

Embed or link this publication

Description

Veículo oficial da Associação Nacional dos Fabricantes e Atacadistas de Motopeças • Ano 21 • nº 132

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

Editorial A opinião dos empresários do setor Esta é a primeira edição de 2016 da ANFAMOTO em Revista e, como fechamos 2015 falando das expectativas dos líderes empresariais a respeito da economia, resolvemos dar o mesmo espaço para que os empresários do setor de motopeças associados à ANFAMOTO, também pudessem expor suas opiniões sobre 2016. E é interessante observar que, apesar de todas as dificuldades, o otimismo ainda impera entre os empreendedores do setor. Apesar de alguns empresários terem demitido funcionários em função da queda no faturamento, a maioria tem planos por acreditar que este momento ruim não vai durar por muito tempo. É na dificuldade que se prepara a estrutura para os momentos de bonança. A revista também traz uma interessante matéria sobre a insistência de alguns políticos paulistas em desenvolverem projetos sem utilidade alguma. O texto fala especialmente de três: projeto de lei do deputado estadual Jooji Hato, que quer proibir garupa em motocicletas em determinados dias e horários, outro do deputado Coronel Telhada, que exige a impressão da placa da moto no capacete e, no âmbito municipal, os estudos da Prefeitura de São Paulo para cobrar zona azul de motos. Nos casos dos deputados, os projetos são inócuos no que diz respeito à melhoria da segurança pública e só servirão para atrapalhar o dia a dia das pessoas que usam a moto para se locomover. Quanto à Prefeitura de São Paulo, o que ela está fazendo é aumentar os custos dos motociclistas, principalmente dos motofretes. Aproveite também para ler e conhecer mais sobre nossos associados, sobre o Salão da Motopeças e outras informações do setor de duas rodas ou de interesse geral do empresariado. Tudo nesta edição, feita exclusivamente para você. Boa leitura.. Associação Nacional dos Fabricantes e Atacadistas de Motopeças Presidente: Orlando Cesar Leone 1º Vice Presidente: 2º Vice Presidente: Tesoureiros: Valdenir dos Santos Galvão Valério Valente Divino Jorge da Silva Amarildo Severino Fernandes Conselho Deliberativo - Presidente : Gianfranco Menna Zezze Membros do Conselho Deliberativo: Mônica Orlando de Oliveira Carlos Alberto Fiorotti Renan Chiabi Feghali Suplentes do Conselho Deliberativo: Nelson Pedro Scherer - In Memorian David Teixeira do Amaral Carlos Roberto Pontes Membros do Conselho Fiscal: Sandra Brandani Picinato José Jacob Fernandes José Mauricio Felipe Suplentes do Conselho Fiscal: Giancarlo Vancini Breno de Britto Teixeira Delvino Coser Coordenadores de Setoriais: Fabricante: Freios: Escapamentos: Capacetes: Valério Valente Valério Valente Frank Lemos Anfamoto Editor responsável: Marcelo de Paula (MTb 27470) Serviços Gráficos: Gráfica Nywgraf Editor de Arte: Luis Fernando L. Corrêa Secretaria: Patricia Sartori Coordenação de Eventos: Equipe Anfamoto ANFAMOTO em Revista: Equipe Anfamoto Assessora da Presidência: Fabia Helena Allegrini Pereira PUBLICIDADE & COMERCIAL EDIÇÃO 132 - JAN/FEV 2016 A responsabilidade sobre opiniões e fatos presentes nos artigos assinados na “ANFAMOTO em Revista” é exclusiva de seus autores, não exprimindo necessariamente o pensamento desta publicação nem a posição da ANFAMOTO. Número de Registro: 823713350 Av. Nove de Julho, 3229 Cjtos 208/209/210 Jardim Paulista CEP 01407-000 - São Paulo-SP PABX: (11) 3052-2002 - Fax: (11) 3885-7637 E-mail: anfamoto@anfamoto.com.br - Site: www.anfamoto.org

[close]

p. 5



[close]

p. 6

Sumário Capa Palavra do Presidente 2016: Um ano de desafios 8 Mercado Produção de motocicletas recua quase 17% em 2015 10 Associado em Destaque Enerbrax se prepara para ampliar sua linha de baterias Atacadista Pellegrino oferece 25 mil itens em 22 unidades de negócios 14 16 24 2016 é ano para se trabalhar com bastante cautela Sua Moto em Detalhe Espaço Anfamoto IX Salão Nacional e Internacional das Motopeças já é sucesso Legislação Regras podem prejudicar motociclistas 18 20 Duas Rodas Quadriciclos agora devem ser emplacados 33 30 Sempre faça a revisão de sua moto Duas Rodas Representante A.V.Lopes: uma empresa de muita credibilidade Artigo Preferência do pedestre não é absoluta Dengue Combater o Aedes aegypti é dever de todos 34 36 39 Notícias 40 e 41 - Dicas & Lançamentos 42 e 44 - Lista de associados 45 32 Honda lança nova CG 125i Fan com sistema de injeção eletrônica

[close]

p. 7



[close]

p. 8

Orlando Leone Presidente 2016: Um ano de desafios Essa é a nossa primeira edição de 2016 e como o ano só começa após o Carnaval, feliz ano novo a todos! Não podemos negar o momento que estamos atravessando e temos que nos preparar para superar as possíveis dificuldades que enfrentaremos. O principal fator que alimenta essa crise é a falta de credibilidade do governo e de sua equipe econômica. A dificuldade em aprovar as medidas de ajuste fiscal tem um claro motivo: ninguém quer “colocar” dinheiro na mão de um governo que não sabe aplicá-lo em beneficio do desenvolvimento da Nação. O momento também é de expectativa quanto ao cenário econômico mundial. A China vem atravessando sua pior fase econômica e teve uma desaceleração significativa do PIB e também uma diminuição em seu ritmo de crescimento, o que preocupa mercados de todo mundo, em particular dos que exportam para o gigante asiático. O Brasil faz parte desse grupo, exportamos 18% para a China em 2015. Logo no começo de 2016 a saúde financeira chinesa derrubou mercados por conta da divulgação de dados mais fracos que o esperado sobre a indústria, derrubou a bolsa de Shangai, arrastando a Europa e os EUA, afetando também no Brasil a Bovespa. Além da nossa preocupação com a economia interna ainda sofremos pelos temores externos. Agenda Janeiro 07/01 – Reunião Administrativa 12/01 – Reunião da comissão de coroa, corrente e pinhão 18/01 – Reunião ABRACICLO 21/01 – Reunião Administrativa Como se não bastassem todas essas preocupações, medidas inócuas tomadas pelos nossos legisladores tornam a vida do motociclista mais difícil. Foram anunciadas três medidas em São Paulo que segundo seus autores têm como objetivo aumentar a segurança. Um projeto de Lei que propõe a proibição da circulação da moto com o garupa em determinados horários que foi vetada pelo Governador Geraldo Alckmin. Outro Projeto de Lei que determina que os motociclistas e garupas fixem na parte de trás do capacete o número da placa do veículo em todo o estado de São Paulo. E por fim a proposta da Prefeitura do Município de São Paulo, que estuda cobrar Zona Azul das motocicletas que estacionam nas mais de 20 mil vagas disponíveis na cidade. Ao invés do poder público olhar o motociclista como se fosse um estorvo seria melhor se lhe desse a atenção devida. São medidas que claramente são “soluções” paliativas para um problema endêmico e sistêmico de segurança pública. Ou seja, ao invés de aumentar o policiamento e resolver o problema crônico de segurança que temos em São Paulo o Estado pune o trabalhador. O marginal vai continuar assaltando, matando e utilizando a moto sem todos esses artifícios legislativos. O motociclista não é bandido de capacete. A questão é muito mais profunda do que a burocrática. O poder legislativo deveria chamar os principais interessados e discutir propostas que inibam o roubo de motos para fim de criminalidade e não estudar leis que punam o trabalhador e o cidadão que utiliza a motocicleta como meio de transporte mais barato e eficiente que também não é oferecido pelo governo. Sei que o cenário não é muito animador, mas não podemos nos tomar pelo pessimismo e a descrença. Acredito na força do Brasil e no trabalho contínuo para promovermos a transformação desse cenário. Os desafios são grandes, mas vamos continuar cobrando medidas e vamos com a esperança renovada de que ainda podemos salvar 2016 e retomar o crescimento tão esperado por nossas empresas. Que 2016 seja de grandes resultados para todos tanto profissionalmente quanto pessoalmente. Um grande abraço, Orlando Cesar Leone 27/01 – Reunião INMETRO – RJ / Reunião FGV 28/01 – Reunião Administrativa Fevereiro 25/02 – Reunião Setorial de Escapamentos |||| 08 | ANFAMOTO em Revista | Edição 132

[close]

p. 9



[close]

p. 10

Mercado Produção de motocicletas recua quase 17% em 2015 No acumulado de 2015, montadoras fabricaram 1,2 milhão de unidades. Projeção para este ano é manter produção no mesmo patamar Pelos dados divulgados pela Abraciclo – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, em dezembro foram fabricadas 50.633 motocicletas, ante 84.820 unidades em mês similar de 2014, correspondendo a uma retração de 40,3%. Em novembro de 2015, a produção havia chegado a 74.972, o que deixa o volume de dezembro 32,5% inferior. Porém devem ser consideradas as habituais férias coletivas das fábricas do setor no último mês do ano. No acumulado do ano, foram produzidas 1.262.708 motocicletas, 16,8% a menos do que o registrado em 2014 (1.517.662). As vendas no atacado – para as concessionárias – atingiram 69.253 unidades em dezembro, recuo de 39,3% em relação ao mesmo mês de 2014, com 114.104, e leve queda de 1,6%, em comparação com novembro de 2015 (70.398). De janeiro a dezembro foram comercializadas 1.189.933 motocicletas, 16,8% inferior ao mesmo período de 2014, com 1.430.393. As exportações somaram 5.944 unidades em dezembro, ante 6.298 do mês anterior, o que corresponde a uma baixa de 5,6%. Em comparação ao mesmo mês de 2014, houve uma retração de 1,8%. Nos 12 meses do ano passado foram exportadas 69.123 motocicletas, frente a 88.056 unidades em 2014, correspondendo a uma queda de 21,5%. Ainda em dezembro, com base nos licenciamentos registrados pelo Renavam, foram emplacadas 131.253 motocicletas, volume 24,6% superior ao apresentado no mês anterior (105.371 unidades), porém estes números continuam a ser impactados pela nova regulamentação dos ciclomotores. Em relação ao mesmo mês de 2014 (127.711 unidades), houve alta de 2,8%. No acumulado do ano, a queda foi de 11%, passando de 1.429.692, em 2014, para 1.273.047, em 2015. Efeito ciclomotor Através da lei 13.154/2015, sancionada em 30 de julho passado, o emplacamento dos ciclomotores passou a ser de reponsabilidade dos Detrans de cada estado, o que impulsionou um crescimento substancial nos números de licenciamento do veículo, que passaram de 17.011 unidades, em 2014, para 64.692, em 2015, significando um avanço de 280,3%. É importante observar também que, em função da nova legislação, muitos ciclomotores que estão sendo licenciados agora chegam a ter dois ou três anos de uso. Na comparação regional, destaque para o Nordeste, que registrou 36.188 ciclomotores licenciados, em 2015, contra 1.884, em 2014. A região Sudeste, em segundo lugar, apresentou 22.239 unidades frente a 9.960. Na sequência estão as regiões Centro-oeste, com 4.327 emplacamentos, Norte (1.503) e Sul (435). Diante dos números efetivamente registrados em 2015, o Setor de Duas Rodas ajustou suas projeções para 2016, que passam a ser: produção de 1.295.000 motocicletas (+2,5%); venda no atacado de 1.220.000 unidades (+2,5%) e no varejo de 1.280.000 unidades (+0,5%); e exportação de 75.000 motos (+8,5%). Fonte: Abraciclo |||| 10 | ANFAMOTO em Revista | Edição 132

[close]

p. 11



[close]

p. 12

Mercado |||| 12 | ANFAMOTO em Revista | Edição 123

[close]

p. 13



[close]

p. 14

Associado em destaque Enerbrax se prepara para ampliar sua linha de baterias Fabricante da marca Route pretende atender a praticamente toda a necessidade do mercado de duas rodas brasileiro Presente em todos os Estados brasileiros e com uma grande participação no mercado a Enerbrax, fabricante de baterias para motocicletas, pretende lançar neste ano quatro novos modelos de acumuladores. Com isto, a empresa disponibilizará aos consumidores uma linha com quase 40 produtos, o que possibilitará o atendimento de praticamente toda a frota circulante de motos do País. Dentro deste pensamento, a Enerbrax já havia lançado, no ano passado, três novos modelos de baterias. “O mercado de duas rodas é muito dinâmico. Por esta razão, estamos sempre atentos às necessidades que se apresentarem. Temos bastante agilidade para lançar novos produtos e isto também traz um diferencial para a empresa”, afirma o diretor José Luiz Miranda Simonelli, que comanda a Enerbrax em sociedade com Adalberto Mansano. Fundada em 2001, e sediada em Bauru (SP), a primeira dificuldade enfrentada pela Enerbrax foi com relação às exigências para licenciamento ambiental. Um longo percurso até vencer este obstáculo, seguido de um outro bastante conhecido de todos: a concorrência de produtos chineses, que sempre tiveram preços muito baixos. Os diretores não se intimidaram. Decidiram que o investimento em qualidade era a melhor forma de combater os preços baixos dos asiáticos. “A filosofia de qualidade do produto e excelência no atendimento é até hoje a principal característica de trabalho da empresa”, diz Simonelli. Esse modo de pensar tinha tudo para dar certo, e deu. A empresa contava com 30 funcionários e hoje emprega 155. Começou as atividades com a fabricação de baterias estacionárias (para uso em nobreaks e centrais de alarmes) e agora fabrica acumuladores para veículos de duas rodas, e o mercado nacional se tornou pequeno, tanto que a Enerbrax exporta para Argentina, Paraguai, Uruguai, Equador e Guatemala. “A exportação representa 10% de nosso faturamento”. A empresa está instalada em área de aproximadamente 6 mil m², em prédios próprios, e possui as certificações ISO 9001 (qualidade) e ISO 14001 (ambiental) outorgadas pela DNV (Det Norske Veritas), bem como a certificação do Inmetro. Todas as baterias Route têm tecnologia de eletrólito absorvido em manta de micro fibra de vidro (AGM) e são reguladas por válvulas e ativadas e testadas na fábrica. “Essa tecnologia é a mais indicada para a fabricação de baterias para motocicletas. Devido à compressão exercida na massa ativa das placas da bateria, proporciona muito mais resistência a impactos e vibrações, prolongando sua vida útil”, explica Simonelli. Outra vantagem é que as baterias Route são ativadas na fábrica e não no estabelecimento comercial, no momento da venda ao consumidor. Dessa forma, é possível realizar alguns procedimentos de verificação de qualidade só possíveis de serem aplicados em baterias ativadas como, por exemplo, ensaios de “high rate”. “Este e outros ensaios são aplicados em 100% das baterias”, garante o diretor. Enerbrax: (14) 2107-4000 - www.bateriasroute.com.br |||| 14 | ANFAMOTO em Revista | Edição 132

[close]

p. 15



[close]

Comments

no comments yet