Jornal Eco da Tradição de Outubro 2016

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Eco da Tradição Outubro 2016 182 ano 14

Popular Pages


p. 1

ECO DA TRADIÇÃO - ANO XV - Nº 182 - OUTUBRO DE 2016 50 anos 1966 - 2016 GAÚCHOS EXTERNAM SEU AMOR E ORGULHO DURANTE OS FESTEJOS FARROUPILHAS Foto: Eridio Silveira/TV Tradição EDITORIAL DO PRESIDENTE Estamos todos de parabéns. Vida longa ao MTG! Página 02 CITG - TRADIÇÃO NO EXTERIOR Tradicionalistas espalhados pelo mundo confraternizam Página 16 CINQUENTENÁRIO DO MTG Programação completa envolve diversas atividades Página 05 DICAS PARA ORGANIZAR UM DESAFIO FARROUPILHA Com Paixão Côrtes na DEPARTAMENTO ARTÍSTICO NO CTG comissão, CTG Tiarayú vence o desafio da RBS TV Foto: Gabriel Schimidt/Tecnofoto Página 20 Página 15

[close]

p. 2

2 Ano XV - Edição 182 Outubro de 2016 EDITORIAL Nairioli Callegaro - Presidente OPINIÃO Por: Manoelito Carlos Savaris Conselheiro Vaqueano do MTG-RS e da CBTG Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email para sugestão de pautas: conselhoeditorialeco@mtg.org.br www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com Contato: 51. 3223-5194 EXPEDIENTE: SUPERVISÃO E DIREÇÃO: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen CONSELHO EDITORIAL: Elenir Winck, Sandra Veroneze e Nilton Otton JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) COLABORAÇÃO: Manoela Carvalho Andressa Motter IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares Atendimento 09 às 12 horas e das 13 às 18 horas De segunda a sexta-feira Valores da Anuidade Outubro Valor Plena Parcial Especial Estudantis R$ 1.107,62 R$ 950,48 R$ 583,81 R$ 164,76 40% do valor retorna às RTs. MTG: PRESIDENTE: Nairioli Antunes Callegaro VICE PRESIDENTE DE ADMINIS- TRAÇÃO E FINANÇAS: Nilton Otton VICE PRESIDENTE DE CULTURA: Elenir Winck VICE PRESIDENTE ARTÍSTICO: José Roberto Fischborn VICE PRESIDENTE CAMPEIRO: José A. Araújo VICE PRESIDENTE ESPORTES: Martim Guterres Damasco Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal Estamos todos de parabéns. Vida longa ao MTG Chegamos a outubro, o Estamos todos de pa- mês onde há 50 anos iniciou rabéns. A comunidade tra- a caminhada, dando seus dicionalista construiu um primeiros passos, a institui- belo e grandioso trabalho. ção chamada MTG. Talvez Hoje vemos gerações parti- nunca aqueles homens que cipando e convivendo, cada discutiram exaustivamente uma ao seu tempo de sua a criação desta federação, forma, e dando a contribui- imaginavam a dimensão ção necessária para o forta- que ela alcançaria. Meio sé- lecimento de nossa cultura culo ainda é pouco, nem his- regional. Este trabalho com- tória é, mas a força de sua prometido, voluntário, reali- inserção social, a intensida- zado em todas as entidades de e abrangência com que filiadas e não filiadas, mas suas ações atingem nossa que seguem de forma linear sociedade estabelecem as principais orientações uma relação de resgate da do MTG, nos revela de uma tradição e conservação de forma contundente e forta- valores éticos, morais e cul- lece os objetivos dos jovens turais. Apontam a um futuro de 47 que são reafirmados promissor onde poderemos com a criação de nossa fe- construir um campo amplo deração. para uma grande discussão O MTG está em uma ou- e a formação do que po- tra grandeza. Temos que ter demos dizer de uma Cons- esta consciência e desta for- ciência Coletiva. Este ima- ma trabalharmos nossa ins- ginário social torna-se uma tituição, fazer valer estes va- realidade que vai além das lores maiores, valores muito fronteiras de nosso pais. O caros para todos, e conti- que cada gaú- nuarmos lutando cha carrega é o por uma cons- sentimento de ciência coletiva pertencimento à sua identidade regional, ao O que cada gaúcho carrega é o capaz de agregar, unir e fortalecer ainda mais orgulho de ser Gaúcho. É saber que tem origens, sentimento de pertencimento nossas posições perante a sociedade e os órgãos tem suas refe- à sua identidade administrativos rências. O Movimen- regional e legisladores. Mas jamais es- to Tradicionalista Gaúcho quecermos que chegamos (MTG) é uma consequência até aqui pelo nosso traba- deste processo social, deste lho, união, desbravando sentimento que permane- nosso caminho pelas nos- ceu durante anos adormeci- sas próprias pernas. Assim do, que algumas iniciativas somos, e sempre seremos, não foram capazes de dar fortes, altivos, firmes e con- esta continuidade, este mo- victos de nossas posições. vimento que tem hoje. Nes- Ser gaúcho é um grande te momento devemos resta- privilégio. Todos temos este belecer algumas posições e sentimento independente convicções, devemos ir ao de sermos tradicionalistas encontro de vontades e pro- ou não, mas pertencer ao jetos coletivos. O impositivo, Movimento Tradicionalista vontades pessoais, devem Gaúcho é uma oportunida- dar lugar a projetos con- de única de reafirmarmos templativos, amplamente valores de nossa formação abrangentes do todo. Assim e identidade local, um orgu- nasceu o movimento, esta lho a todos que ajudaram a força que nos move, nos pensar, construir e defender faz pensar, refletir e tomar esta instituição. posições referenciais que Um grande abraço a to- conduzem ao bem-estar da dos e vida longa ao MTG. população. O Gaúcho como Patrimônio Intangível da Humanidade Desde o 12º Congresso Internacional de Tradições Gaúchas, realizado na sede da Sociedade Crioula Dr. Elias Regules, Montevidéu – Uruguai, no dia 17 de julho de 2015, as federações que compõe a Confederação Internacional da Tradição Gaúcha – CITG, trabalham para que haja o reconhecimento do gaúcho e suas tradições como patrimônio cultural intangível, pela UNESCO. O texto original foi apresentado em Montevidéu por Carlos Arezo Posada. O documento posiciona a figura do gaúcho, como habitante da pampa que inclui o sul do Brasil, o Uruguai, a Argentina e partes do Paraguai e do Chile. Esse personagem que por sua origem, sua atividade vinculada umbilicalmente ao cavalo e ao gado vacum, sua vivência na “pampa”, suas peculiaridades sociais e permanente disputa de espaços geográficos, o tornam único no mundo. Além do documento apresentado por Carlos Arezo, acrescentamos uma série de informações e de reflexões sobre o gaúcho brasileiro. Este documento foi avaliado e aprovado pelos tradicionalistas no congresso Sapezal-MT, em outubro de 2015. Resultou daí o “projeto de lei” que deverá ser assinado pelos deputados federais da “bancada do gauchismo”, no Congresso Nacional. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), através da “A Recomendação sobre a “Salvaguardia de la Cultura Tradicional y Popular” (1989), exortou os Estados a preservar a cultura autóctone em seus respectivos países. Isso significa que há espaço político para que se alcance o reconhecimento mundial. É claro que o reconhecimento do gaúcho se suas tra- dições como um patrimônio imaterial não significa dizer que todo o Brasil seja gaúcho. Sequer significa afirmar que todos os habitantes do sul do país ou mesmo do Rio Grande do Sul sejam ou tenham sido gaúchos. O que se busca é o reconhecimento de que aquele tipo humano que habitou a pampa, entre meados do século XVII e meados do século XIX, vivendo inicialmente em total liberdade, passando depois a se tornar miliciano, peão de estância ou proprietário de gleba dedicado à pecuária, é único e constitui a raiz da identidade social da pampa. Alcançado o reconhecimento no Brasil, por certo já teremos uma situação de vantagem no campo cultural e educacional. Todas as entidades tradicionalistas serão beneficiadas. O reconhecimento mundial daria uma dimensão espetacular ao gauchismo e nos colocaria num patamar sequer imaginado por aqueles que no passado construíram esse ambiente de preservação cultural que no Brasil chamamos de Centro de Tradições Gaúchas, no Uruguai chamam de “Sociedad Criolla” e na Argentina chamam “Asociación Tradicionalista”. Quem está capitaneando esse trabalho, no Brasil, é a Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha – CBTG, mas cada MTG, cada CTG e cada tradicionalista devem contribuir para que a meta seja alcançada. Cada um no que estiver ao seu alcance. No dia 16 de setembro passado, os membros da CITG, reunidos em Bento Gonçalves – RS, discutiram novamente o tema e assinaram uma carta de compromisso para que o mais brevemente possível se obtenha o reconhecimento em cada um dos países membros. EPloMormalitra REREFFLLEEXXÃÃO O “Elogie em público e corrija em particular. Um líder corrige sem ofen- der e orienta sem humilhar” (Mário Sergio Cortella)

[close]

p. 3

Ano XV - Edição 182 EVENTOS Outubro de 2016 3 Última Inter-regional do ENART será em Marau CONVITE PROGRAMAÇÃOPROGRAMAÇÃO Regiões participantes 22 DE OUTUBRO - SÁBADO desta etapa 22 DE OUTUBRO - SÁBADOO Movimento Tradicionalista Gaúcho, a Pre-8h30 - Palco 1 - Danças Tradicionais Força B 8h30 - Palco 2 - Declamação Masculina 2ª RT, 3ª RT, 6ª RT, 7ª RT, 10ª RT, 14ª RT, 17ª d-necfeRuaoi2etlludi3gPsratiaadoadgen,eMooao,duluCcandtoTuioAcnGbsiEpvrsFoiNadoelcaAnldiimRapaesTeçpãMdqPoaeuaorpBearraterinsauanehs,drioaêlerieenae7anclªilzsioiazaeRsaCçedrãTdgáeoGaiãnEodFSodaAseuTBncr3daEtaªiidanç-I178888888sieãnchhh5hhhhhFh34333lot---i2a00050oae-PPP.-----P2aaasrP--PSPPalllcccaaaao2lcooollllr3ccccot123oeoooD4i888888---3o675E-DFF-hd-hhhhh--CiiOaInnIanDDnhnaa333333UsttaeuéçllédT000000cnrlIDaranpaUlpçsaetrnarée-Bmc-----TeçsrtlrRtpeaaaPaePPPPPGrmOsçSdeSaaãioaaaaadtacoú-eoloçiilclDosllllliScãsFhccccctpnOatooeaaraoooooolimMVsimMisVsodtioIaena3FcN17256ecsiiaornVaGcoSlra-oulçM-----OagFcalliIarãaenDIDDDnuBsnmolapctaaeeoiutnééliiccnnnnrroopllççpaaraarmmeesstteaaTGeççFSraSaaããocúdoooeAlcb*iclisPoicFMohsrotoRmieeatkagoTaa:rpme,as3nVs2ammnªV5naúcadoiIªmnnçhwoiuRãcetesePeiowTcRrnlaroa,sOi-SwFan2urdtMaleju6ee.oaOlagMmªiaitnÇaiFrRllosÃtiãçaTgzcanOera,a.aoiaots3lmoçtle0rscõ2grª.Ba0ei.uçRb1nsãT6rlopi.i-nnceMfeloooarau Festeggiare! Mangiare! Vivere! 15h - Palco 4 - ChulaMasculino - Final Gaita Tecla 8h - Palco 5 - Final Declamação Feminina 8h - Palco 6 - Final Intérprete Solista Vocal 50 anos Marau te espera nos dias 22 e para a 3ª Inter-Regional do ENART tos preservamos e festejarmos a Grande do Sul. 23 DE OUTUBRO - DOMINGO23 de outubroFeminino - Final Violão 8h - Palco 7 - Final Danças Gaúchas de Salão 1966 - 2016 2016, para cultura do juRAniBoo-,Fininicaial87dmTahhrsaim4dd-iea5cdPnioiça-naataasSlimscTorFeoaonrdrttçie1ceaiaoAis-noDaDiasdnfaoçaarnçssaçdaasnTçraasdidcoiopnraimis eFRiEorAoLrIçZgAaÇrÃuOBpo 8h -PPALaClcOoS 2 - Final Declamação Masculina HISTÓRICO DO MUNICÍPIO DaPnAPçLCM8AaOLsCh1OTa-r2a-Gs-diPcAnicáuiuasodiniotllóaicInrriismoooFãPoor3ré-çVdaiicF-oseAAiFnnteeianB laGl IanittéarpTreectleaSolista VAPoOIcOal an57os cp-girdreaaeLndnodedceeadndlieszoearM,edscao,or,annpuaheeslraceeigdgdiarãeaoscntoaddmceoaofPoplrPaeçonlaaratalfdtoolarçsdMaaiéndSddoeiúosrsrtaeRri,miaoas--TPoAdLPPCoD888FAOADsLLe4CeChhhoecOOcs-lmla5S3aI---mnam--tgAPPPaéSiaunCurçaçpãaaadãhlãaroiiouetnollló3GltcccMar0eFoai7oseoooabmsPMPr-icrrei765aééunlFdsdliTincini---aooiauanbAlBFFFionaroiiiinnnnsl aaaVlllioIDDnlãaetéocnrlçpaarmestaGeçaSãúoocliFhsetaPamAsTRVdiOnoCeÍiNcnISOaaal lãCÂoMADREAMMAURNAUICIPAL e dos cidadãos que fazem deste município uma das mais promissoras do estado do Rio Grande do Sul. Com forte influência na cultura italiana, onde TDoPdaAAPLoniCAmsoçOLaCIn6OsFte-G7éSriad-pnaúGrlaiceianaht3eáa0lstss2iadFodPeAemraméPSdAisnaieEoilnãBdnoosatençaassDTarnaçdaicsioTnraa5Md4i3sa6ir3c2ifa7io2To5e0cridonoçusoa9a122is2B27a8F, ionriçcaiaAm os primeiros imigrantes começaram a chegar por Regiões participantes desta etapavolta de 1904, no cenário cultural ganha expressi-FolderENARTMarau.indd 1 vidade através dos corais italianos e dos grupos folclóricos. Marau emancipou-se no ano de 1954 e sua instalação deu-se no dia 28 de fevereiro. O mu- 2ª RT, 3ª RT, 6ª RT, 7ª RT, 10ª RT, 14ª RT, 17ª RT, 25ª RT, 26ª RT, 30ª RT. nicípio também é fortemente vinculado à história gaúcha, conta com um grande número de entida- HOTÉIS des tradicionalistas que buscam a valorização e a preservação desta cultura, formada pelas diversas etnias que constituem o pago Sul-rio-grandense. HOTEL BELL STAR PERIMETRAL Rodovia RS 324 Km 6 - Fone: 54 3342 5728 ENCONTRO DE ARTES E TRADIÇÃO GAÚCHA 2016 22 e 23 Outubro 3ªInter-regional Marau/RS 19/09/2016 10:23:27 Sejam Bem-vindos! Marau e a 7ª RT te esperam de braços abertos! COMISSÃO EXECUTIVA HOTEL CONFIANÇA Av. Julio Borella, 2129 - Fone: 54 3342 1716 HOTEL CONFORTO Av. Julio Borella, 3465 - Fone: 54 3342 4779 HOTEL DE CONTO Av. Julio Borella, 1010 - Fone: 54 3342 1896 COORDENADORA DA 7ª RT Gilda Galeazi - 54 9916 6480 PRESIDENTE Ana Amélia Falabrette Rigo 54 9191 4746 HOTEL MARIN Av. Barão do Rio Branco, 1742 - F: 54 3342 1113 HOTEL BELL STAR CENTRO Av. Barão do Rio Branco, 208 - F: 54 3342 1936 VICE-PRESIDENTE Dilceu Rizzotto - 54 9981 6178 SECRETÁRIO Eder Andre Ballardin Rigo 54 91729 117 TESOUREIRO Jovino Segala - 54 9971 7024 HOTEL SAN GEMINIANO Rua Gilda Fialho, 512 - Fone: 54 3342 9600 POUSADA DA COLINA Rua Irineu Ferlin - Fone: 54 3342 1615 ALOJAMENTO, HOSPEDAGEM Alcindo Buffon E RECEPÇÃO 54 9115 7925 INFRAESTRUTURA Valmor Bassani - 54 9968 7860 Faculdade da Associação Brasiliense de Educação (FABE) Rua José Posser, 275 - Jardim do Sol - Marau ALIMENTAÇÃO Ruth Catanio e Leda Panarotto 54 9173 8156 COPAS Enio Isele - 54 9951 4306 DIRETOR ARTÍSTICO 7ª RT Juraci Zancanaro 54 9154 1659 e Luiz Moraes - 54 9998 1981 CONSELHEIRO BENEMÉRITO Carlos Medeiros de Mello CONSELHEIROS DO MTG Airto Timm NA 7ª RT Alessandro Gradaschi CONSELHEIRO DA 7ª RT Eleno Ramos ASSESSORIA DE IMPRENSA Sandra Veronezze 51 9370 0619 PROMOÇÃO 50 anos 1966 - 2016 REALIZAÇÃO APOIO an57os CÂMARA MUNICIPAL DE MARAU PATROCÍNIO Maria oa Tecidos 54 3632 7250 ou 9122 2278

[close]

p. 4

4 Ano XV - Edição 182 Outubro de 2016 PROSEANDO COM TENÊNCIA Por Rogério Bastos Patrão e Patroa Mais uma vez trazemos a tona esta dúvida. Patrão e Patroa. Uma das proposições defendidas, e aprovada, na 73ª Convenção Tradicionalista do MTG do Rio Grande do Sul, no ano de 2002, em Erechim, foi a respeito da correta utilização das palavras Patrão e Patroa. Foi oficializado o que a gramática já defendia. A palavra Patrão é um vocábulo simbólico que designa o presidente eleito para conduzir os destinos de uma entidade tradicionalista por um período determinado pelo estatuto social. Assim, quando uma mulher está no comando de um CTG deve ser chamada de Patroa e não de “a Patrão”, como alguns poucos tradicionalistas ainda insistiam em fazer. E a esposa do Patrão, ou do Presidente, convencionalmente, é sua esposa. Caso contrário, o esposo “da patrão” seria “o patrão”. Tradicionalismo no Paraná O MTG do Paraná investiu forte em cultura. Dia 10 de setembro levaram Manoelito Savaris e Rogério Bastos para palestrar no CFor em Maringá. Dia 21, foi a vez do CTG Vinte de Setembro, de Curitiba, completamente lotado. E nos dias 8 e 9, o prendado do MTG/PR promove um encontro cultural em Pitangas, com palestras de Rogério Bastos e Roberta Jacinto, 1ª Prenda do RS. Jatir Delazeri na assembleia da CITG Representando a Confederação Norte Americana da Tradição Gaúcha, Jatir Delazeri esteve presente no Encontro da Confederação Internacional da Tradição Gaúcha, em Bento Gonçalves, dia 16 de setembro. O evento debateu a transformação da imagem do Gaúcho em patrimônio intangível da humanidade, através da UNESCO. Jatir é um dos fundadores do CCG Bento Gonçalves, de Los Angeles, Califórnia, e deve reassumir a Confederação. 13º Retiro Cultural da 18ªRT Um evento que nasceu para dar certo. O retiro cultural da 18ªRT aproximou as pessoas, aproximou as entidades, promoveu a cultura e a arte, deixando e lado um pouco a competição. Amigos que se reúnem para discutir assuntos importantes e que, de certa forma, influenciou no crescimento cultural da Região. Dias 15 e 16, em Candiota, estará acontecendo a 13ª edição. A comunicação como força ativa do CTG Melhor que conceituar é dar exemplo da boa comunicação. Jeandro Garcia, Conselheiro da FCG, membro do CTG Rancho da Saudade, de Cachoeirinha, incentivou, em sua entidade, a contratação do show de Paulinho Mixaria. A principio, distante do tradicional evento, bailável, ainda relutantes, as pessoas foram oferecendo os convites. Mas a campanha e a insistência do trabalho do Jeandro, levou a casa a ficar lotada. Mais de mil pessoas, dando retorno garantido ao CTG. Utilizando técnicas modernas de publicidade transformadas para o âmbito do gauchismo e com muita determinação sempre deu brilho aos trabalhos que realizou. Agora, Jeandro promove outra vez Paulinho Mixaria, dia 17 de novembro, em Gravataí. Um belo espetáculo. Mas sem duvida nenhuma, com uma ótima comunicação. Como diz o Guri de Uruguaiana: “Só se fala noutra coza!” Palestras em Dongguan, na China Para coroar um trabalho que viemos construindo ao longo de quase trinta anos, fomos convidados para ir até o PTG China Véia, em Dongguan, dia 07 de novembro, juntamente com Ita Cunha e Edson Dutra, para levar um pouco da cultura e das tradições do Rio Grande para o continente asiático. O trabalho voluntário desenvolvido preenche uma agenda com palestras de diversos temas que conseguem suprir as necessidades das entidades. MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO Calendário do MTG - 2016 DATA EVENTO CIDADE 1 22 e 23 28 e 29 28 e 29 OUTUBRO DE 2016 5ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CULTURAIS 3º INTER-REGIONAL DO ENART 50º ANIVERSÁRIO DO MTG ACAMPAMENTO DA JUVENTUDE GAÚCHA MARAU PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE 01 05 e 06 12 18 a 20 19 NOVEMBRO DE 2016 SORTEIO DA ORDEM DE APRESENTAÇÃO DA FINAL DO ENART 2016 ABERTO DE ESPORTES - 1º ENECAMP 6ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR FINAL ENART 2016 - ENCONTRO DE ARTE E TRADIÇÃO GAÚCHA 17ª MOSTRA DE ARTE E TRADIÇÃO GAÚCHA PORTO ALEGRE STA CRUZ DO SUL STA CRUZ DO SUL DEZEMBRO DE 2016 9 PRAZO FINAL - ELEIÇÕES COORDENADORIAS REGIONAIS 10 REUNIÃO DE ENCERRAMENTO - CONFRATERNIZAÇÃO NATALINA 13 PRAZO FINAL - APRESENTAÇÃO PROPOSIÇÕES P/ 65º CONGRESSO TRAD. GAÚCHO RTs RTs Informações sobre os cursos em www.mtg.org.br ou pelo fone 51 3223 5194 ou pelo e-mail: cursos@mtg.org.br. 22 E 23/10 22/11/2016 CFOR AVANÇADO CFOR BÁSICO CURSOS PORTO ALEGRE SÃO VICENTE DO SUL - 10ª RT OBS: Calendários sujeitos a alterações de acordo com a necessidade MTG realiza mais uma edição do CFor avançado Como estava previsto no calendário, o primeiro módulo do CFor Avançado, foi realizado na sede do Movimento Tradicionalista Gaúcho entre os dias 10 e 11 de setembro. Estiveram representadas nessa formação 7 Regiões Tradicionalistas, através de nove entidades e vinte pessoas inscritas. Os palestrantes, sempre de forma voluntária, através de seus conhecimentos e vivências tradicionalistas conseguiram prender a atenção dos participantes que interagiam com dúvidas, sugestões e exemplos. Os palestrantes do primeiro módulo foram: Odila Paese Savaris, Josemar Basso; Narioli Callegaro e Hélio Ferreira. Os conteúdos trabalhados foram: Organização de Eventos do MTG, da RT e das entidades, Cerimonial, Protocolo e Indumentária para os eventos; Marketing e Comunicação Social, Postura Social; Objetivos e Estrutura Administrativa do MTG, Regiões Tradicionalistas, Entidades e os Departamentos, Fundação Cultural Gaúcha e História do Movimento Tradicionalista Gaúcho. “Estimular o estudo para aprimorar a consciência e o conhecimento do tradicionalista visando torná-lo sujeito ativo do processo de aprendizagem e ensinamento é um dos grandes objetivos do Departamento de Formação Tradicionalista que espera poder estar contribuindo, para melhorarmos como um todo, o Movimento Tradicionalista Gaúcho. A busca pelo conhecimento denota a nossa incompletude mas ao mesmo tempo o quanto temos a potencialidade para aprender” – disse Lucia Andrade, Diretora do Departamento. Foto: Divulgação/Depto. Cursos O CFor Avançado que visa preparar multiplicadores da cultura gaúcha, tem seu ápice na formatura, durante o Congresso

[close]

p. 5

Ano XV - Edição 182 CINQUENTENÁRIO DO MTG Outubro de 2016 5 Programação da festa do Cinquentenário do Movimento Tradicionalista Gaúcho No mês em que completa 50 anos, o Movimento Tradicionalista Gaúcho prepara uma grande festa na capital do estado. Cavalgadas, churrascada, acampamentos, espetáculos e homenagens fazem parte do pacote de atrações do evento. A Comissão responsável pela organização das festividades do cinquentenário é formada por Oscar e Marica Gress, Manoelito e Odila Savaris e o casal Ciro e Elenir Winck. Desde o inicio do ano, eles vêm trabalhando incansavelmente para oferecer uma festividade inesquecível. Para isso, foi lançada uma edição limitada de facas comemorativas e de moedas alusivas aos 50 anos, todas numeradas. Na Convenção Tradicionalista, no mês de julho, foi lançado o livro MTG 50 anos de preservação e valorização da cultura gaúcha. Além disso, estão programadas cavalgadas organizadas pela Ordem dos Cavaleiros do Rio Grande do Sul com pontos de encontro marcados para concentração dia 28: Pela Br. 448, a Rodovia do Parque, Km 15 rodo anel saída praia de Paquetá passando Bianchini fazenda Muradás, com distancia prevista de Porto Alegre de 17 Km; Pela Br.116, lado norte, quem vem da região da serra pela Av. Guilherme Shell estação Fátima bairro Rio Branco Rua Bartolomeu Gusmão no final da mesma no Parque Eduardo Gomes, em Canoas. A distancia de Porto Alegre é de 16 Km; Pela Br 290, para quem vem da fronteira ou do extremo sul, na cidade de Eldorado do Sul estrada do Conde bairro Itaí Parque de laço Cleber Ferreira. A distância de Porto Alegre é de 16 Km; Ainda pode ter cavalgadas vindas da zona sul de Porto Alegre ou de Viamão, e as informações para apoio, ou qualquer outra dúvida que surgir, fica a disposição o Solon Silva, vice-presidente da OrCav ( o contato pode ser com a secretaria do MTG, que repassará o celular). A responsabilidade de informar a Secretaria do MTG, para que esta repasse à OrCav, a quantidade de cavaleiros que entrarão em Porto Alegre montados e por qual itinerário, é dos coordenadores regionais. Acampamento campeiro na Estância da Harmonia O responsável pela organização do acampamento é o vice-presidente da Fundação Cultural Gaúcha-MTG, Gustavo Bierhals. Convém que cada coordenador informe ao responsável a quantidade de barracas e veículos, bem como as necessidades de espaço. O acampamento campeiro deverá ser encerrado até as 12h do dia 30 de outubro, domingo, inclusive com a desmontagem das barracas e entrega das áreas ocupadas, limpas. XV Acampamento da Juventude Será no mesmo lugar do acampamento campeiro e o responsável pela organização é Paulo Matukait. As inscrições devem ser feitas junto ao Departamento Jovem do MTG que trata- rá com o responsável sobre organização dos es- paços. Haverá locais cobertos para montagem de até barracas. a manhã dQeudeommPrinnomegcooeç(sãdosiaieta3Rr0e)afilcdizaearvçeãaorcá: aamvipsaadr oo Departamento jovem, até o dia do encerramento das inscrições. A programação do acampamen- to da juventude será de responsabilidade do De- partamento Jovem. O encerrado no sábado, aactéama519s6p06 -aa22n0om106s he,nintoclduesviveerácosmer a deAsinmdoanntaogdeima 2d8adseboaurrtaucAbaproso.isoe: rão feitas as en- trega de comendas da OrCav. Sob responsabili- dade do Diretor Airto Glademir Toniazzo Timm. Depois haverá uma tertúlia livre com artistas pre- viamente inscritos até o dia 15 de outubro pelo e-mail: eventos@mtg.org.br. As apresentações serão forme garsaitnusitcarsiç. õAepslaendilehPvaaetrsroãecoríánoiooc:rograrenrizeandtarec2o0nh- e 24h.. Programação do dia 29: As atividades começarão às 7h30min com a bênção aos cavaleiros, dando início à cavalgada em Porto Alegre, às Itinerário: Saída 8dhoF.iPnaanrqciuame ednatoH: armonia, se- gue pela primeira perimetral até a João Pessoa. Pela João Pessoa até o Colégio Estadual Júlio de Castilhos (Julinho) onde haverá uma solenidade. Do Julinho segue pela João Pessoa até a Av. Ipi- ranga. Pela Ipiranga até o 35 CTG onde haverá outra solenidade. Do 35 CTG retorna pela Ipiran- ga até a Av. Edivaldo Pereira Paiva (Beira Rio). Na Av. Beira Rio retorna ao Parque da Harmonia. Chegada prevista para as 12h. 13h - Almoço - será servido um churrasco (feito na vala), a todos os participantes do Acampa- mento Campeiro, AcamIpnafomrmenatçoõedsa: Juventude e àncousnmevceidrreoatdadoreisap. deCosasdMoaaTscGSFoqio,touenar:eetdéw:eir(wonã5oaw1d)d.aim3aol2mrtg22do.03oeçr5dvag1eer.9.br4áoCruointmufobbrrmoa,saoer nesses números serão fornecidas as fichas para retirar os espetos de carne. Saladas e outros acompanhamentos serão de responsabilidade de cada coordenadoria regional bem como pratos, talheres e copos. 16h - Solenidade de aniversário e homenagens A cerimônia de aniversário irá acontecer no Centro de Eventos Almir Azeredo Ramos (Casa do Gaúcho), no Parque da Harmonia, com previsão de quatro horas de duração. Serão entregues as Medalhas Barbosa Lessa, Honeide Bertussi e João Carlos de Moura, os diplomas (comenda) João de Barro para os indicados das RTs, as placas para os novos conselheiros beneméritos e honorários, e divulgados os nomes das pessoas que adquiriram a “moeda do cinquentenário”, podendo, para quem desejar, ser entregue no ato pelo Presidente do MTG. M T GCinquentenário do 50 anos 1966 - 2016 EXPOSIÇÃO 50 ANOS DO MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO - TRADIÇÃO E LEGADO MEMORIAL DO RIO GRANDE DO SUL Rua 7 de Setembro, 1020 - Praça da Alfândega/Porto Alegre Horários: 10h às 18h – de terça a domingo. O Movimento Tradicionalista Gaúcho - MTG em seu cinquentenário realizará uma exposição de 18 a 30 de outubro, no Memorial do Rio Grande do Sul, com o tema “50 anos do Movimento Tradicionalista Gaúcho - Tradição e Legado”, que terá ainda programação com painéis onde serão tratados assuntos como: “ 50 ANOS DO MTG” - História, Legado e Futuro do Movimento Tradicionalista Gaúcho e sobre a “Importância da Cultura Regional para a Identidade do Gaúcho”, além de sarau literário, mateada cultural e oficinas de Chimarrão, Indumentária e Brinquedos/ Brincadeiras. O Memorial do Rio Grande do Sul esta localizado na Rua 7 de Setembro, 1020 - Praça da Alfândega/Porto Alegre, a exposição funcionará de terça a domingo, nos horários de 10:00 as 18:00. Para maiores informações entrar em contato pelo telefone (051) 32235194 ou email: eventos@mtg. org.br. TEMA ANUAL: “MTG 50 ANOS DE PRESERVAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA CULTURA GAÚCHA”

[close]

p. 6

6 NOTÍCIAS Ano XV - Edição 182 Outubro de 2016 ESPAÇO DA CBTG Por Aline Jasper Jornalista, Mestre em Jornalismo e 2ª Prenda da CBTG Câmara Federal homenageará o MTG em outubro Prendas e Peões da CBTG desenvolvem projetos Foto: Divulgação O Movimento Tradicionalista Gaúcho, criado no ano de 1966, completa neste ano de 2016, 50 anos de fundação. Para assinalar esta data, o deputado federal Afonso Hamm, é o proponente de Sessão Solene em homenagem a entidade. O evento está marcado para o dia 11 de outubro, às 10h, no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília. O evento será transmitido ao vivo pelo canal da TV Câmara. O deputado Afonso Hamm, que tem forte ligação com o tradicionalismo e na Câmara dos Deputados tem defendido a manutenção dos Rodeios, ressalta a importância desse evento para demonstrar a valorização do movimento. O MTG/RS, presidido por Nairioli Antunes Callegaro, une diferentes gerações e congrega mais de 1700 entidades tradicionalistas legalmente constituídas, conhecidas por Centro de Tradições Gaúchas e outras denominações como piquetes e departamentos tradicionalistas. Esta entidade, criada no Rio Grande do Sul e espalhada em todo Brasil, inclusive em outros países, tem como propósito resgatar o desenvolvimento da cultura tradicional gaúcha, por entender que o tradicionalismo é um meio de formação de cidadania. Evento: Sessão Solene em homenagem aos 50 anos do MTG Data: 11 de outubro (quarta-feira) Horário: 10h Local: Plenário da Câmara dos Deputados CTG Laço da Amizade de Caxias do Sul na Bolívia Embarcou no dia 29 de setembro, rumo a La Paz, na Bolívia, o tradicional grupo de danças “Os Paysanos”, do CTG Laço da Amizade, de Caxias do Sul, onde participa do Festival La Paz Maravillosa. Na programação do festival estão grupos da Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, México e Togo. O evento é uma realização da Companhia Integral de Danças Especializadas da Bolívia - Cidebol e Fidaf Bolívia. Festivais Internacionais de Folclore 2017 Está aberto o processo de candidatura de grupos brasileiros e ou latino-americanos interessados na participação em festivais internacionais Fidaf ao longo de 2017 conforme relação abaixo: 1 - Itália - 6 a 12 de março. 2 - Lituânia e Estônia - 30 de junho a 10 de julho. 3 - Bulgária - 19 a 24 de julho. 4 - Turquia - 28 de julho a 6 de agosto. 5 - Romênia - 10 a 15 de agosto. 6 - Coreia do Sul - 25 de setembro a 1º de outubro. Todos festivais oferecem hospedagem em hotel e despesas locais de transporte e alimentação. Música ao vivo é obrigatória na Itália, Lituânia e Turquia. Alguns festivais podem ser combinados para prolongamento de viagens/ turnês. Grupos de dança e música folclórica interessados poderão se candidatar através do e-mail: febrarp@gmail.com até o dia 10 de outubro de 2016. FEBRARP - Federação Brasileira de Artes Populares foi criada no ano de 1998, com o objetivo de promover e difundir a cultura popular brasileira, através de formas de expressão tais como a dança, música, canto, artesanato Caroline Piatzchaki (E), 1ª Prenda da CBTG, desenvolve projetos em conjunto com Aline Jasper, 2ª Prenda Espalhados pelas federações tradicionalistas, Prendas e Peões que integram a CBTG desenvolvem diversos projetos de divulgação, incentivo social e fortalecimento da tradição gaúcha. No Estado do Paraná a 1ª Prenda da CBTG, Carolina Piatzchaki, e a 2ª Prenda da CBTG, Aline Jasper, desenvolvem juntas o projeto de incentivo ao uso da indumentária gaúcha nos eventos tradicionalistas. O intuito do Projeto “Use, Honre e Respeite a Pilcha Gaúcha” é conscientizar as prendas e peões sobre o uso correto da pilcha em rodeios, festivais e outros eventos. Além disso, ambas as prendas têm Projetos “Concursos de Prendas e Peões Birivas” nos CTG’s paranaenses, com o objetivo de incentivar a realização, resgatar e fomentar a Invernada Cultural. Carolina e Aline realizam, em várias entidades, oficinas e reuniões preparatórias para os concursos no decorrer do ano. No estado do Mato Grosso do Sul o 1º Peão Tradicionalista da CBTG, Farid Molas, a 3ª Prenda Adulta da CBTG, Daiane Pereira, e a 2ª Prenda Veterana da CBTG, Andreia Fachi, desenvolvem projetos em parceria com o MTG-MS e os CTG’s a que pertencem. No primeiro semestre, o Projeto “Campanha do Agasalho” ar- Foto: Divulgação recada nos 12 CTG’s do MS roupas e acessórios de frio que são doados às instituições carentes do Estado. Os Projetos “Gincana Cultural e Mateada” são realizados durante a Semana Farroupilha com a proposta de resgatar a história e cultura do Rio Grande do Sul, além de ensinar e reviver momentos dos antepassados como brincadeiras e histórias. A “Campanha Doação de Sangue” acontece no segundo semestre no CTG Querência da Saudade para reunir tradicionalistas e incentivar a doação de sangue. Em Santa Catarina, a 1ª Prenda Veterana da CBTG, Thais Dutra, e sua filha Andressa da Rosa Schein, visitam escolas municipais, estaduais e particulares de Chapecó-SC, para explanar temas importantes da história: República Juliana, Anita Garibaldi e Guerra do Contestado, que fazem parte dos Projetos “Guerra do Contestado Sob o Olhar de uma Criança” e “A Vida de Anita Garibaldi”. Já o Projeto “CTG Vai à Apae” é desenvolvido por Thais em parceria com o CTG Coxilha do Quero-Quero, integrando tradicionalistas, funcionários e alunos da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Chapecó-SC. Na oportunidade são realizadas apresentações de músicas e danças do folclore gaúcho. Thaís Dutra desenvolve diversos projetos em Santa Catarina e ainda apresenta um programa de TV

[close]

p. 7

Ano XV - Edição 182 ESPAÇO DO IGTF Por Vinicius Brum - Presidente da FIGTF Outubro de 2016 ESPAÇO CGF/FSH 7 Por: Paula Simon Ribeiro Setembrina O Sanguanel Encerra-se o mês de setembro e sua efervescência. Dias e dias dedicados à celebração de um pertencimento, de uma identificação. De uma, às vezes exagerada, certeza de que se encontrou cá no sul no mundo um quase éden terreno. E por outro lado, como reação, surgem também exasperadas críticas e tentativas de esmaecimento deste vigor, desse acender-se de chamas e de espíritos que se alicerça na formação histórico-cultural do povo gaúcho. Barbosa Lessa, adaptando os ingleses Eric Hobsbawn e Terence Ranger, autores de A Invenção das Tradições, nos diz em seu Nativismo, um fenômeno social gaúcho: [...] se um peão de estância de Soledade sente necessidade de desfilar bem pilchado no dia 20 de setembro, pouco adianta um teórico fazê-lo compreender que isto seja bom, bonito, feio, atrasado, cívico, lindo ou reacionário [...] Deixo de lado as rusgas (eternas?) entre apaixonados e detratores para me fixar em aspectos do cancioneiro gaúcho e na trajetória de seus cantores e músicos. Parece nítido que ano após ano este período que antecede a primavera vem se tornando cada vez mais importante para o calendário dos artistas que trabalham com o enfoque regional da canção popular. Basta um rápido olhar para as agendas para que se perceba a intensidade das apresentações destes artistas e a geométrica proliferação de palcos pelos mais diversos rincões do estado e também país à fora por onde os emigrantes su- linos têm deixado rastros. Quando aquele jovem Lessa compôs, aos dezessete anos, a valsa “Quero-quero” (1946) dando início à construção deste hoje vigoroso cancioneiro, talvez nem no mais otimista de seus sonhos juvenis pudesse imaginar tal cenário. Quando, em 1971, surge em Uruguaiana, a Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul, nem organizadores, nem participantes haviam de intuir a grandeza da contribuição que os festivais nativistas trariam para a música gaúcha. Hoje, os artistas consagrados nessas festas setembrinas apresentam-se quase que diariamente. E surgem também espaços para novatos e alternativos. Se o movimento dos festivais passa por um período de menor vigor, parece que as comemorações farroupilhas têm o condão de revivescer as brasas adormecidas. Esse simples aquecimento de um mercado de trabalho que, além dos artistas, contempla produtores, técnicos de espetáculos e movimentação turística com tudo o que se organiza em torno dela, já justificaria algum entusiasmo. Penso, contudo, que se pode ir além, e para isto é importante que entendimentos contrários coexistam. Devemos continuar discutindo, (até com arroubos de agressividade, vá que assim seja) pois parece que dessas dicotomias que apaixonam (azul/vermelho, chimango/maragato, etc.) extraímos a contradição que melhor nos representa. E se assim somos, assim cantamos! Os Monarcas gravam DVD em Nova Bassano Mais de 20 caravanas do Rio Grande do Sul e também de Santa Catarina e do Paraná já confirmaram presença na gravação do DVD “Os Monarcas e os Novos Talentos”. O evento será no dia 11 de outubro, às 20h, em Nova Bassano. Com capacidade para até seis mil pessoas, o Centro de Eventos será o local onde mestres e aprendizes se encontrarão para juntos subirem ao palco, pois crianças entre 7 e 16 anos foram escolhidas pelo público, através de uma votação popular, promovida nas redes sociais e participarão, os 23 talentos selecionados ao lado dos seus ídolos. O projeto “Os Monarcas e os Novos Talentos” nasceu com o propósito de fortalecer a música gaúcha criando uma nova geração de artistas, que terão pela frente a missão de tocar, cantar e emocionar. O Patrão do CTG Pousada do Imigrante, Agostinho Radin, está radian- te com o evento: “De tantos lugares lindos deste Rio Grande os Monarcas escolheram Nova Bassano, e vai mostrar o que temos de melhor: A nossa gente”. O CTG realizou recentemente a entrega de faixas e crachás para prendas e peões e organizou uma palestra e lançamento do livro dos 50 anos do MTG. Foto: Rogério Bastos Patrão Agostinho Radin, ao lado do Coordenador da 11ªRT, Luis Carlos Rigon (E), será o anfitrião Entre os muitos mitos existentes em nosso estado um de forma sin- gular nos chama a atenção, por ser regionalmente localizado. Nos referimos ao Sanguanel, mito vigente na região de coloniza- ção italiana. Trata-se de um homen- zinho vermelho que rouba crianças. É descrito por Antonio Augusto Fa- gundes em “Lendas e Mitos do RS” edição de Martins Livreiro de 1992. Foi relatado por inúmeros ex-alunos do então Curso de Pós-Graduação de Folclore da Faculdade Palestrina, sendo que algumas alunas fizeram suas monografias de final de curso sobre este pequeno duende. Estas monografias após a extinção do cur- so foram encaminhadas para o Insti- tuto de Tradição e Folclore onde es- tão à disposição do público. Conforme descrição este peque- no homenzinho rouba crianças, cui- da das mesmas, alimentava com mel e numa folha de árvore traz água. Não maltrata nem lhes faz mal ne- nhum apenas as esconde, cuida e alimenta, deixando-as depois em lu- gares bastante inacessíveis, em cima de uma árvore alta, ou em meio a touceira de espinhos, entretanto sem nenhum ferimento. Ouvi muitos relatos sobre o San- guanel, nos contavam que quando resgatadas as crianças vinham em estado de sonolência e melancolia sentindo saudades de seu captor. Na data de aniversário do ocorrido, mesmo que muitos anos mais tarde, as crianças que foram roubadas e resgatadas geralmente têm crises de melancolia. Entretanto em bibliografia e pes- quisa de campo na Argentina encon- tramos mito similar porém com ou- tro nome, outra descrição física mas atitudes semelhantes, Yasí Yateré “un gurisito rubio”,que rouba crianças, as esconde no oco de alguma árvo- re e as alimenta com mel silvestre. Elsa Leonor Pasternak em “El Mito en la Obra de Horacio Quiroga”, Editorial Plus Ultra, 1997. Buenos Aires, na pag.75 descreve o Yasi Yateré, acres- centando que “despues lo deja abandonado sobre algunos isi- pós (lianas). Por comun el niño se queda idiotizado y es retrasado men- tal durante toda su vida”... Esta des- crição tam- bém ou- vimos de nossos alu- nos quan do descreveram as ações do Sanguanel. Quando o Yasi-Yateré “roba donzelas, las enloquece, las deja embarazadas de hijos que nacerán defectuosos”... Recebemos de Stela Maris Paim Lemos Costa, ex-aluna e colega da Comissão Gaúcha de Folclore, texto que anexamos a este para enriquecer o que já foi escrito. Nossos imigrantes italianos quando vieram da Itália, além de suas ferramentas de trabalho e sonho de uma vida melhor na “Terra da Cucagna”, trouxeram em sua bagagem seus costumes, tradições e folclore, dentre eles aqueles que faziam parte do imaginário de sua infância. O Sanguanel é um mito do folclore italiano, trazido pelos colonizadores. É um pequeno ser, de cor vermelha que não faz mal para ninguém, mas é muito travesso. Acusado de promover estripulias, como trançar as crinas dos cavalos, levantar as saias das moças ou “roubar” o chapéu dos cavalheiros, vive pelos pinheirais da serra e seu prazer é roubar crianças, escondendo-as no alto das árvores ou no meio do mato, mas não faz mal a elas, pelo contrário as alimenta com mel e água e depois as devolve para os pais. Na época era usado como elemento educativo para as crianças, ou seja, a criança que não se comportasse, a mãe ameaçava com a figura mitológica do Sanguanel. Um pouco da história do Sanguanel pode ser vista nos grupos teatrais de origem italiana como o Miseri Coloni de Caxias do Sul e a peça “Balochi de Vita”. Foi também criado um desenho animado que conta essa história, chamado “A Noite do Sanguanel” de Janete Kriger e Viviane Pasqual. Em Flores da Cunha as Professoras Andréia Costa Tonello e Juliana Rohde escreveram e ilustraram o Livro “O Homem do Gorro Vermelho”, aproximando ainda mais o mito das nossas crianças. Na Festa do Vinho Novo em Forqueta - Caxias do Sul, o personagem do Sanguanel aparece também nos desfiles. Ainda hoje ouvimos depoimentos de pessoas que dizem já ter cruzado com o pequeno ser vermelho, nas noites frias, dentro da mata da Serra Gaúcha. FONTES: DA CUCAGNA AO SANGUANEL: CONSIDERAÇÕES SOBRE IMAGENS E IMAGINÁRIOS DA IMIGRAÇÃO ITALIANA NO RIO GRANDE DO SUL - Ms.Alexandra Marcella Zottis - Mestre em Turismo pela UCS. Professora da FEEVALE. MUSEU E ARQUIVO HISTÓRICO PEDRO ROSSI – Flores da Cunha

[close]

p. 8

8 NOTÍCIAS Ano XV - Edição 182 Outubro de 2016 Lançado o livro “Passos e compassos das danças gaúchas” São Chico realiza evento pelo dia do jovem tradicionalista “Não se deve confundir o folclorista com o tradicionalista; aquele é o estudioso de uma ciência, este é o soldado de um movimento. Os tradicionalistas não precisam tratar cientificamente o folclore; estará agindo suficientemente se servirem-se dos estudos dos folcloristas como base de ação, e assim reafirmarem as vivências folclóricas no próprio seio do povo”. “Palavras de Barbosa Lessa, em sua tese, “Sentido e o valor do Tradicionalismo”, para dizer que é isso que procuramos ser nestes longos anos no movimento, soldados do tradicionalismo” conta Rinaldo Souto, um dos autores. No dia 24 de setembro, no CTG Porteira do Rio Grande, em Vacaria, foi lançada a obra “PASSOS & COMPASSOS DAS DANÇAS GAÚCHAS” com o objetivo maior de divulgar temas ainda não editados, por Rinaldo Souto e Moacir Gomes. “Tivemos o privilégio de receber com os ensinamentos da saudosa Folclorista LILIAN ARGENTINA, e outros que foram remontados com o Conjunto Folclórico Tropeiros da Tradição, na década de 1990, assim como ainda é feito nos dias atuais, dançados por nós exatamente como foram ensinados, sem quaisquer alterações” – conta Souto. São 22 temas coreográficos, com suas letras e/ou partituras. Algumas inéditas, outras que não haviam sido descritas em nenhuma obra e outras reescritas; dentre os quais, O Tatu “de castanholas” e a Roseira conforme a coreografia constante na obra Danças Tradicionais Gaúchas do MTG - 4ª Edição. Também dezenove outras danças, apenas com suas letras e/ou partituras na forma que são apresentadas em eventos, tais como, o Rodeio Internacional da Vacaria. O trabalho está fundamentado, além do conhecimento dos autores, em obras como: “Danças Tradicionais Rio-grandense - Achegas” e “Danças e Dançares” - Paixão Côrtes; Manual de Danças Gaúchas - Paixão Côrtes e Babosa Lessa; Danças Tradicionais Gaúchas - MTG; Assuntos do Rio Grande do Sul - João Cezimbra Jacques; “Danças Folclóricas Brasileiras” e “Considerações Históricas Sobre as danças no Brasil” - Maria Amália Corrêa Giffoni; Educação pela Dança - Paulina Ossona; Princípios Básicos da Música - Maria Luiza de Mattos; Cancioneiro Guasca - João Simões Lopes Neto; Cancioneiro Gaúcho - Augusto Meyer e Folclore Nacional - Danças, Recreação e Música. - Alceu Maynard Araújo. “Entre outros pesquisaFoto: Divulgação dores e renomados auto- res, que por conta de seus valorosos relatos, não apenas sobre nossas danças, instrumentação e músicas, mas sobre tudo, por suas fundamentais contribuições para que todos nós, que nos importamos com a manutenção da nossa tradição e nossa cultura, pudéssemos embasar nossos estudos” – concluiu Rinaldo. Moacir Gomes(E), Rodrigo Risson, Karine Curvello e Rinaldo Souto Foi realizada com sucesso a “1ª Caminhada do Jovem Tradicionalista”, de São Francisco de Assis, 10ª RT. O evento que foi idealizado pelo departamento de cultura da cidade e coordenado pelos peões e prendas do município e da 10ª Região. Contou com a participação de 105 jovens que representaram o CTG Negrinho do Pastoreio, CTG Pedro Telles Tourem, Piquete Tradicionalista Sanga da Benta e o Piquete Fazenda Branca. O “Dia do Jovem Tradicionalista” é comemorado no dia 5 de setembro, porém foi festejado no dia 14, por ser o primeiro dia da Semana Farroupilha, servindo de atrativo e incentivo na programação do evento maior da tradição gaúcha. “A 1ª Prenda do Município, Janaí- na Silva, a 1ª Prenda da 10ª RT, Vanessa Fontana Maciel, e o 1º Peão do Município, Eduardo Prates Bordinhão, lideraram o trabalho de planejamento e organização do evento, com o apoio dos demais peões e prendas, bem como a realização da programação artístico-cultural que foi levada a efeito no CTG Negrinho do Pastoreio, onde os jovens declamaram, cantaram, contaram lendas, dançaram, executaram suas gaitas e violões, numa confraternização de amizades e verdadeira demonstração de amor as nossas tradições” – disse Valdevi Maciel, diretor de Cultura de São Chico. Foto: Divulgação Caminhada do Dia do Jovem tradicionalista em São Francisco de Assis Estância de São Pedro convida para encontro A Patronagem do CTG Estância de São Pedro, de São Pedro do Butiá, realizará um Encontro de Invernadas no �inal do mês de outubro O Patrão do CTG Estância de São Pedro, Protásio José Hilgert, enviou chasques para as entidades da 3ªRT, e RTs vizinhas convidando para o Encontro de Invernadas que será realizado na entidade dia 29 de outubro, as 20h. O ingresso para o evento será de R$ 5,00 para dançarinos e R$ 8,00 para o público. A organização ficou por conta da coordenadora Elisabeta Thomas, juntamente com as Invernadas artísticas dente de leite, mirim e juvenil do CTG. A confirmação de presença será até o dia 25 de outubro, com a coordenadora pelos contatos:(55)9663-9710, ou (55)3369-1137, ou Neusa (55) 3369-1371. Foto: Divulgação Protásio José Hilgert TEMA SEMANA FARROUPILHA 2016: REPÚBLICA DAS CARRETAS - 180 ANOS DA REPÚBLICA RIO-GRANDENSE

[close]

p. 9

Ano XV - Edição 182 NOTÍCIAS Outubro de 2016 CEVANDO O MATE 9 Por Sandra Veroneze CTG Pedro Telles Tourem é campeão em Santiago Entidade conseguiu atingir os objetivos em diversos quesitos avaliados e pontuou para se destacar entre as entidades do município. Neste ano, o departamento de cultura conseguiu tornar realidade toda a programação planejada para a Semana Farroupilha, em Santiago. O projeto cultural deste ano “Festejos Farroupilhas 2016 - República das Carretas”, que iniciou, no dia 26 de agosto durante o concurso de peões e prendas. Desde a escolha dos peões e prendas do município, passando pelo torneio de truco, gaúcho mais bem a cavalo, missa crioula, cavalgada de homenagem póstuma no cemitério, programa de auditório, chegando até o grande desfile farroupilha de 20 de setembro, as entidades participaram ativamente, segundo o diretor de cultura, Valdevi Maciel de Lima. “E este ano tivemos duas inovações nos eventos culturais da Semana Farroupilha, que foram a caminhada do jovem tradicionalista e a cavalgada feminina em homenagem aos 50 anos do MTG”, conta Valdeví. Entidade mais organizada e mais autêntica - CTG Pedro Telles Tourem Entidade com melhor tropilha Piquete Fazenda Branca Melhor Mostra Cultural e representação do tema - CTG Pedro Telles Tourem Entidade com maior número de cavaleiros - CTG Negrinho do Pastoreio Entidade vice-campeã do desfile - Piquete Fazenda Branca Entidade campeã do desfile CTG Pedro Telles Tourem Foto: Divulgação Motivação. CTG conquista destaque nos Festejos Farroupilhas da cidade CTG Velha Cambona promove evento cultural A 1ª Prenda, Aléxia Jordana Eismann, e a 1ª Prenda Juvenil, Amanda Carolina Costa, promovem, no final do mês de outubro, o evento CTG Núcleo de Fortalecimento da Cultura Gaúcha. No dia 30 de outubro as prendas estão organizando uma palestra sobre os 50 anos do Movimento Tradicionalista Gaúcho. O CTG Velha Cambona foi fundado em 8 de julho de 1989, na cidade de Portão, 15ª RT. Atualmente, Alice Bernardi é a Patroa, a primeira mulher a atuar no CTG nesta função. “Temos em nossa entidade quatro invernadas artísticas atuantes, Veterana, Adulta, Juvenil e Mirim, começando um projeto com uma pré-mirim”, conta Maria Fernanda Motta. “A nossa prenda juvenil já representou a entidade e a 15ª RT na 45ª Ciranda Cultural de Prendas em sua fase Estadual juntamente com nossa Pren- da Adulta Narriman Caroline de Ramos que ficou em quarto lugar nesta ciran- da. Na 46ª Ciranda tivemos também um representante da entidade, Maria Luiza Oliveira de Paula” - concluiu Ma- ria Fernanda. O CTG fica na Av. Gari- baldi, 226, Bairro Estação Portão, em Portão. Foto: Divulgação Alice Bernardi, Patroa do Velha Cambona Os jornalistas e a recíproca de inversão no Acampamento Farroupilha Talvez, de todas as surpresas agradáveis que o Acampamento Farroupilha de Porto Alegre deste ano reservou para a assessoria de imprensa (sob meus cuidados), a maior tenha sido a prática de recíproca de inversão por parte dos jornalistas escalados para fazer a cobertura do evento. Por recíproca de inversão entende-se a capacidade de se colocar no lugar do outro e se dispor a uma tentativa de leitura de mundo a partir da visão, da perspectiva, do outro, não raras vezes abdicando de pré-juízos e preconceitos. Alguns chamam de ‘empatia’. Durante os 18 dias de programação, e antes mesmo por conta dos cadernos especiais publicados pelos veículos de comunicação em setembro, mas colocados em produção já em agosto, todos se demonstraram interessados no evento, na programação, atrações, procurando entrevistar os organizadores, patrões e patroas, oficineiros, enfim, pauta positiva. Isso é motivo para grande comemoração? Sem dúvida... Quando um jornalista contata a assessoria de imprensa de um evento como este, é sempre uma incógnita. Estará ele mais interessado na oficina de bolinho de chuva ou na poça de água do parque? Estará mais interessado no show gratuito que acontecerá à noite no palco central ou no número de piquetes que ainda precisam se adaptar, segundo o Corpo de Bombeiros, para receber o alvará? Sobre o conteúdo que será publicado pelo veículo de comunicação, seja ele rádio, jornal, site ou TV, não há qualquer tipo de controle por parte da organização do evento ou equi- pe de comunicação. Se há algum ele existe sobre a maneira como a assessoria de imprensa responde a uma demanda e isso significa gentileza, capacidade de disponibilizar as fontes necessárias para o profissional coletar as informações de que necessita, sugestões qualificadas de pauta... A boa notícia é que, a cada ano, as redações estão mais sensíveis à beleza do tradicionalismo, expressa na dança, no campeirismo, e isso se deve, sobretudo à postura dos próprios tradicionalistas no atendimento aos jornalistas. Essa ‘magia’ é possível no Acampamento Farroupilha, no Enart e também em cada região tradicionalista, em cada CTG e talvez a fórmula seja sempre manter a elegância, respondendo às críticas, quando elas acontecem, com harmonia interna e respeito à diferença de opinião como algo natural em uma sociedade tão ampla como a nossa. Acompanhando de perto centenas de pautas sendo desenvolvidas no acampamento pude observar a disponibilidade, a objetividade e a autenticidade com que eram apresentadas as atividades dos piquetes, encantando os jornalistas... Do alto dos meus 20 anos de experiência em comunicação afirmo que não há assessor de imprensa, por mais competente que seja, que consiga bons resultados se o entrevistado não se dispõe a estar no local combinado à hora certa, se responde com má vontade, se não flexibiliza um pouco suas atividades para poder receber bem o profissional de imprensa... E nesse aspecto os tradicionalistas estão de parabéns. Da minha parte, só tenho a dizer ‘muito obrigado’ CTG Sentinela da Tradição completa 37 anos Foto: Divulgação CTG de Igrejinha completa 37 anos Fundado em 26 de setembro de 1979, o CTG Sentinela da Tradição, da cidade de Igrejinha, 22ª RT, completa 37 anos. A entidade está sob a administração da patronagem do Patrão Jair Tavares Galdino. “Em nome da Coordenadoria, cumprimento o patrão Jair Galdino e toda sua equipe que tem trabalhado muito pelo crescimento do tradicionalismo em Igrejinha” – Disse o Coordenador da 22ª RT, Leandro Pacheco.

[close]

p. 10

10 Ano XV - Edição 182 Outubro de 2016 Mais de um milhão de pessoas estiveram no A programação Artística e Cultural do Acampamento Farroupilha de Porto Alegre 2016, realizada no palco central de 10 a 20 de setembro, com acesso gratuito ao Estado do Rio Grande do Sul. Um Acampamento turístico que atraiu a atenção de 1,3 milhões de pessoas para o coração da capital gaúcha. Uma metrópole com es Fotos: Eridio Silveira/TV Tradição Roberta Jacinto(E), Neusa Marli Bonna Secchi e Paulo Matukait Com a extinção da Chama Crioula, feita pelo presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Nairoli Callegaro, e o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, foram encerrados, oficialmente, os Festejos Farroupilhas e o Acampamento da capital, em 2016. O ato aconteceu no fim da tarde do dia 20 de setembro, no palco central do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, a Estância da Harmonia. Durante os 18 dias do evento, 1,3 milhão de visitantes foram até o local conferir as atrações, o maior público registrado na história do evento, que cresce a cada ano. A qualificação do evento também foi referenciada pelo presidente do MTG, que destacou o esforço conjunto de entidades, empresa e poder público para montar uma verdadeira cidade farroupilha dentro da capital. “Nesses 50 anos do Movimento Tradicionalista, temos um compromisso, assinado em carta de princípios, de, mais do que resgatar nossa história, nossos costumes, nossa cultura, trabalhar junto com todos para o desenvolvimento e auxiliar o estado nos seus desafios”, afirmou. Gustavo Bierhals, Vice-presidente da FCG/MTG Prenda e Peão Farroupilha do Acampamento de Porto Alegre Apresentações artisticas no palco central Presidente Nairo Callegaro e os Patronos, do estado e da capital Desfile levou veículos tematizados para a avenida A Carreta, puxada por bois, representou o tema de 2016 Acampamento Farroupilha 2016 Texto de: Melina Fernandes Edição de: Manuel Petrik As atividades culturais começaram no dia 3 de setembro com as oficinas do projeto Turismo de Galpão. São 365 piquetes autorizados e 67 entidades envolvidas. O Acampamento Farroupilha é uma realização da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, coordenada pela Secretaria Municipal da Cultura, em parceria com o Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), através da Fundação Cultural Gaúcha. Patronos - As atividades do Acampamento Farroupilha deste ano tiveram, pela primeira vez, o comando de uma mulher, a patrona Neusa Secchi. Natural da cidade de Passo Fundo, é graduada em História e pós-graduada em Folclore pela Faculdade de Música Palestrina de Porto Alegre. Neusa foi presidente da Comissão Gaúcha de Folclore e Conselheira da Comissão Nacional de Folclore. No estado, o Patrono foi Zeno Dias Chaves, Conselheiro Vaqueano e Benemérito do MTG, pois presidiu a entidade nos anos de 1987 a 89. Escritor, pesquisador, palestrante, nasceu no mesmo dia, mês e ano que Paixão Cortes, foi patrono da feira do livro de Caçapava e participou de diversos documentários e séries para a televisão. Os cerimonialistas, Liliana Cardoso e Elomir Malta O patrono Zeno Dias Chaves e sua esposa Prendas e peões do Rio Grande do Sul

[close]

p. 11

Ano XV - Edição 182 Outubro de 2016 11 o Acampamento Farroupilha de Porto Alegre o público, contou com 23 apresentações musicais e artísticas, e, o patrocínio da OI. Com o �inanciamento do Pró-Cultura LIC RS, Secretaria da Cultura, Governo do spírito de província ainda. O projeto “Turismo de Galpão” está em sua 5ª edição e este ano bateu recorde de público. Turismo de Galpão foi sucesso Fotos: Eridio Silveira/TV Tradição no Acampamento Ciranda escolar no Centro de Eventos do Parque Vice-presidente campeiro, José Araújo entregando o prêmio Texto de: Eliana Zarpelon Edição de: Manuel Petrik Em sua quinta edição no Acampamento Farroupilha, o projeto Turismo de Galpão bateu recorde de público este ano, tanto no Espaço de Hospitalidade quanto nas oficinas e atividades de interação e aprendizagem com a cultura regional e as tradições gaúchas oferecidas durante os 18 dias do evento, encerrado oficialmente nesta terça-feira, 20. Galpão de 200 metros quadrados que é o centro de referência do Turismo de Galpão dentro do Parque Harmonia, o Espaço de Hospitalidade recepcionou 52 mil pessoas interessadas em informações sobre o projeto Turismo de Galpão e o próprio acampamento. Ou seja, um fluxo quase duas vezes maior que o registrado na edição anterior, em 2015, de 27 mil pessoas. Oficinas práticas - As oficinas e atividades de interação com a cultura e tradições gaúchas do projeto Turismo de Galpão reuniram 1.917 participantes, outro recorde. Deste público, foram 899 porto-alegrenses, 512 gaúchos de 48 cidades do interior do RS, 421 turistas de 17 estados brasileiros e 85 visitantes de 12 países entre os quais Estados Unidos, Portugal, Alemanha, Japão, Áustria, Uruguai, Argentina, China, México e Costa Rica. A presença de estrangeiros é registrada desde 2013, quando ocorreu a primeira edição do projeto no Parque Harmonia. “Podemos afirmar que 2016 foi o ano de consolidação do Turismo de Galpão como um produto turístico diferenciado, e que pode ser oferecido tanto no mercado nacional como internacional”, avalia o secretário municipal de Turismo, Luiz Fernando Moraes. Público prestigiou os espetáculos A dança gaúcha no palco central Presidente com a criançada. Apoio as novas gerações Desfile Temático na Capital O Desfile Temático, realizado na manhã do domingo, 18 de setembro, reuniu aproximadamente 1400 integrantes de Centro de Tradições Gaúchas, DTGs, Piquetes, Associações e convidados, divididos em 10 invernadas temáticas. Acompanhados de elementos cênicos, indumentária temática e performances de teatro e dança, apresentaram ao público o espetáculo sobre os fatos marcantes da Revolução Farroupilha, inspirados na obra homônima de Barbosa Lessa, de 1986, A República das Carretas. A ação é uma realização conjunta da Fundação Cultural Gaúcha, Ministério da Cultura - Governo Federal, via Lei Federal de Incentivo à Cultura. No dia 20, ocorreu o Desfile Tradicionalista que contou com aproximadamente 1.500 cavalarianos que representaram 67 entidades tradicionalistas e apresentaram os temas de seus projetos culturais. Os desfiles - temático e tradicional foram realizados na Avenida Edvaldo Pereira Paiva, com acesso gratuito às arquibancadas e contaram com cerca de 10 mil expectadores e a transmissão ao vivo pela TV Tradição via internet. Acampamento Farroupilha teve app A mistura de tradição e tecnologia é o mote do século XXI. Se engana quem acha que o gaúcho vive somente do passado A edição de 2016 do Acampamento Farroupilha contou com um aplicativo para smartphones, o App Farroupilha. A nova tecnologia tem como lema a frase “onde a tradição encontra a modernidade” e esteve disponível, para Android e iOS, até o dia 20 de setembro. O objetivo foi de auxiliar os visitantes a se localizarem na Estancia da Harmonia, em Porto Alegre. A tela inicial do aplicativo era dividida em nove tópicos que davam dicas de ônibus para chegar ao parque, um mapa, lista com a programação, serviços e notícias, entre outros. Os jovens estão sempre conectados, então o app além de dar a localização dentro do evento ajudou na integração da juventude. “O movimento começou com os jovens. Paixão Côrtes era um guri quando tudo começou. Hoje, em todos os nossos eventos, cerca de 70% do público é composto por jovens” — contou Nairo Callegaro, Presidente do MTG. Desfile na avenida. Estrutura montada para receber os visitantes Parceria com o SESC levou teatro para as Cirandas Maria Celene (E) entregando premio

[close]

p. 12

12 Ano XV - Edição 182 Outubro de 2016 DEPARTAMENTO JOVEM Luan Andrey Vieira – Diretor do Dpto Jovem do MTG NOTÍCIAS Dia do Jovem e o MTG segue recebendo Acampamento da homenagens pelo estado Juventude Há um mês de completar 50 anos, o MTG recebe homenagens de Câmaras Municipais por todo estado. O Rio Grande viu, novamente, a força do Jovem Tradicionalista nesse 5 de Setembro. Milhares de pessoas foram aos CTGs, praças e centros sociais, aonde celebraram por mais um ano esta data importante para o tradicionalismo gaúcho. Algumas dessas pessoas foram às ruas no dia 16 de Setembro na cidade do Alegrete, o maior município do nosso estado, através da Caminhada do Jovem Tradicionalista, que reuniu crianças, jovens e adultos de toda a região, saindo da Praça Getúlio Vargas e indo até o Centro Cultural, realizada pelo Departamento Jovem da 4ª Região Tradicionalista, que tem por diretor meu grande amigo Marco Saldanha Júnior. Ao fim da caminhada, tive a oportunidade de palestrar sobre o tema “O Jovem em Movimento pelo Movimento e a Exploração Midiática do Tradicionalismo” aonde, em interação com o público presente, oriundo de CTGs e escolas da região, conversamos sobre os temas e sobre a nossa atuação na sociedade. Agradeço à Bianca e ao Marco pela recepção e hospedagem e também à Diana, pela parceria de enfrentar 16 horas de viagem para prestigiar este evento e ajudar a passar um pouquinho do nosso conhecimento adiante. O Acampamento Estadual da Juventude Gaúcha deste ano será um pouco diferente do que foi nos outros anos. Desta vez, será em Porto Alegre, no Acampamento Farroupilha, onde também estará sendo comemorado o Aniversário de 50 anos do Movimento Tradicionalista Gaúcho. Nos estenderemos com atividades curtas das 8:00 da manhã até o meio-dia de sábado, dia 29, para que todos possam aproveitar ao máximo as atividades do Aniversário do MTG. Sendo assim, depois do Acampamento, o Departamento Jovem encerra seus eventos regimentais e se prepara para o encerramento de mais um ciclo, abrindo as candidaturas aos inter-regionais interessados em assumir o Núcleo Central para a gestão de 2017, em eleição que se dará no 65° Congresso Tradicionalista Gaúcho, entre os dias 13 de 15 de Janeiro de 2017. Na noite do dia 15 de setembro foi realizada a sessão Solene da Câmara de Vereadores de São Marcos, nas dependências do CTG Porteira da Serra. O presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Nairo Callegaro, e a Primeira Prenda do RS, Roberta Jacinto, estiveram na cerimônia. O mês de setembro ficou marcado por diversas homenagens: dia 6 foi a vez de São Sepé; depois São Francisco de Assis, 12; Lagoa Vermelha, no CTG Alexandre Pato, dia 13; Santo Ângelo, dia 14; São Marcos, dia 15; e Alegrete, dia 16. Em outubro já estão agendadas as homenagens em Cotiporã, 14, Tramandaí, Camaquã e Porto Alegre. Além disso, a Assembleia Gaúcha realizou sessão solene em homenagem à Revolução Farroupilha contando com a presença da Presidente, Silvana Covatti, pilchada. “Sempre participei com minha família da vida nos CTGs, na nossa querida Frederico Westphalen. Herança da cultura dos antepassados que defenderam com valentia os interesses do Rio Grande. Exemplos que atravessaram gerações e formaram o caráter do nosso povo, com valores, posturas e, principalmente, muita força de trabalho. Uma maneira de ver o mundo que me orgulho de ter transmitido para meus filhos” – disse a Presidente. Foto: Divulgação Charla jovem em Passo Fundo, na 7ª RT No dia 5 de setembro é comemorado o “Dia do Jovem Tradicionalista”, pois foi quando os jovens estudantes do colégio Júlio de Castilhos acompanharam a cavalo os restos mortais do General Farrapo David Canabarro, em 1947. Por esse motivo, o Departamento Jovem e a gestão de prendas e peões da 7ª RT realizaram, no dia 04 de setembro, a “1ª Charla da Juventude Tradicionalista”, cujo tema abordado foi “Comunicação e o Jovem em movimento”, onde através da juventude relembraram os fatos que marcaram o Cinquentenário do Movimento Tradicionalista Gaúcho. “O dia foi extenso, porém muito interessante e produtivo”, salientaram os membros do Departamento Cultural, prendas e peões do CTG Porteira da Querência, que foram de Sarandi para o evento em Passo Fundo. As atividades começaram às 9 horas com o credenciamento dos participantes, que ao final receberam um certificado de participação ao final. Logo depois, teve palestra com Dilerman Zanchett, Guilhermo Nervo, Kelvyn Krug e Igor Gava, que abordaram o tema “A Comunicação e a Juventude Tradicionalista”, para promover o reconhecimento dos feitos da juventude durante os cinquenta anos de existência do Movimento organizado, tendo em vista, a divulgação da importância dos jovens e sua função no tradicionalismo. Foto: Divulgação 1ª Charla da Juventude da 7ªRT Coordenadora da 4ªRT, Ilva Goulart(C), ao lado do Presidente Nairo, 1ª Prenda e peões do estado e da região Caxias concede Medalha Honeyde Bertussi A Câmara Municipal de Caxias do Sul ofertou a honraria Medalha Honeyde Bertussi à tradicionalista Odila Paese Savaris, ao músico Oscar dos Reis, a Juarez Antonio Menegussi e uma comenda especial para o cantor Luiz Marenco, na noite de 15 de setembro. Prestigiaram o evento o Conselheiro do MTG, Jó Arse e o Coordenador da 25ªRT, Raul Eloir Pereira Teles. Foto: Divulgação Odila Savaris (C) ao lado de Luiz Marenco TEMA SEMANA FARROUPILHA 2016: REPÚBLICA DAS CARRETAS - 180 ANOS DA REPÚBLICA RIO-GRANDENSE

[close]

p. 13

Ano XV - Edição 182 FÓRUM DA DANÇA Por: Luciano Fleck Vice-diretor de Danças Tradicionais do MTG/RS Outubro de 2016 SAÚDE EM FOCO 13 Por: Mauro Gimenez Médico Desafio Farroupilha Traumatismo craniano Neste último dia 17 de setembro, foi exibida para o mundo a final do Desafio Farroupilha. Neste ano, o foco foi à vida dos dançarinos dentro das entidades e tudo o que cerca este mundo. Foi mostrado para a sociedade um pouco do dia-a-dia destes abnegados artísticas que de forma totalmente voluntária, investem tempo e dinheiro, aliás, muito dinheiro nos projetos definidos por cada entidade ano a ano. É claro que muitos podem dizer que em todos os departamentos de uma entidade tradicionalista o trabalho é voluntário e todos investem recursos financeiros em suas atividades, mas não tenho medo de afirmar que, em nenhum outro departamento, se investe tanto tempo da vida, fazendo aquilo que se gosta. A maior parte destes artistas passa mais tempo com esta família que escolheram, do que com a sua família biológica. Vivem em um mundo de derrotas e vitórias, alegrias e frustações e de muita dedicação. É claro que, como em todo o concurso, uns saem com o troféu na mão, e outros com o próximo ensaio já marcado para corrigir aquele detalhe que não saiu como esperado. Mas no final, o que vale são as amizades, a parceria, o sentimento de fazer o melhor. Alguns, infelizmente, bradam aos quatro ventos que estes jovens não fazem cultura, pois só pensam em dançar, mas me desculpe à sinceridade, eles não estão no tablado somente para dançar. Há uma preparação enorme, que se acaba com aqueles 20 minutos de dança. São diversas pesquisas, sobre a dança, indumentária, contexto de coreografias, música, etc. Se isso não é fazer cultura, não sei mais nada. Parabéns a todas as entidades que participaram do programa, em especial as três entidades finalistas, CTG Tiarayú, CTG Ronda Charrua e GAN Ivi Maraé pelos belíssimos trabalhos. Parabéns a todos que puderam nesta mês farroupilha exaltar a sua paixão pelas coisas de nosso pago. Parabéns a emissora que apostou num segmento cultural tão abandonado pelos nossos governantes e também pela grande mídia. Que possamos ver tantos outros programas como este, mostrando a nossa sociedade o que os tradicionalistas fazem dentro das entidades. CTG Seiva Nativa celebra 28 anos de história Sediado no bairro São José, em Canoas, 12ª RT, o CTG Seiva Nativa, foi fundado em 18 de novembro de 1988, e completa, neste mês de novembro, 28 anos de atividades. Sempre atuando fortemente no segmento artístico, possui invernadas: adulta, veterana, mirim e juvenil. Desde 2008, o Seiva Nativa é administrado pelo patrão Edemar e sua esposa Cleidia, professores universitários apaixonados pelo tradicionalismo, contando com o apoio de uma grande equipe de patronagem e associados. Este trabalho coletivo tem gerado bons resultados. Nos últimos 6 anos a AETC (Associação das Entidades Tradicionalistas de Canoas) confere o título Destaque Farroupilha à entidade com participação relevante na Semana Farroupilha da Cidade, e o Seiva Nativa ganhou o prêmio em 5 oportunidades. Além de diversas premiações nas modalidades esportivas, culinária, artesanato e talentos individuais. A receita para o êxito deste trabalho é a presença forte dos valores tradicionalistas: acolhimento e valorização da família. Cadastre seu e-mail no site www.seivanativa.com.br e acompanhe as atividades e eventos do Seiva Nativa. Foto: Divulgação Traumas: O que fazer diante de uma situação de traumatismo craniano? O socorro é fundamental para a recuperação do paciente. Nesta edição iniciamos uma série de artigos sobre traumas e primeiros socorros. Entenda o que é o traumatismo craniano. Definição O trauma cranioencefálico (TCE) é causado por uma agressão ou por uma aceleração ou desacelaração de alta intensidade do cérebro dentro do crânio. Esse processo causa comprometimento estrutural e funcional do couro cabeludo, crânio, meninges, encéfalo ou de seus vasos. O TCE é um trauma que não apresenta origem degenerativa ou congênita, e pode causar diminuição ou alteração de consciência, resultando em alterações que afetam diretamente o funcionamento físico, cognitivo (memória, aprendizado e atenção), comportamental ou emocional. Causas O TCE tem como causa aciden- tes de trânsito (automobilísticos, ciclísticos, motociclísticos, atropelamentos), quedas, agressões, lesões por arma de fogo, catástrofes, esportes entre outros. Dentre esses, os acidentes de trânsito são os principais causadores de trauma cranioencefálico, tendo uma porcentagem em torno de 60% a 70%. Além disso, observou-se que os acidentes envolvendo o trânsito foram os principais responsáveis por causar invalidez após traumas mecânicos na última década no Brasil. Tipos de Trauma Cranioencefálico O TCE está dividido em três tipos: trauma craniano fechado, trauma com abaulamento no crânio e fratura exposta Classificação: Mecanismo, morfologia anatômica ou gravidade. O indivíduo vítima de TCE muitas vezes apresenta alteração de consciência, e dependendo da extensão e gravidade da lesão, pode evoluir para o coma, podendo permanecer nesse estado por horas, dias ou semanas. Tratamento O tratamento do TCE inicia na cena do trauma, que exige nesse momento organização e conduta de qualidade. É importante que ocorra transporte correto da vítima e uma admissão adequada no hospital. Esses passos contribuirão para realizar um diagnóstico correto, estabelecer um prognóstico e uma conduta terapêutica eficaz e de qualidade. Inicialmente o tratamento será clínico e/ou cirúrgico, em seguida, após o quadro clínico do paciente se estabilizar, começarão as terapias para reabilitação. Pacientes com TCE são acompanhados por uma equipe multidisciplinar, incluindo médicos, fisioterapeutas, enfermeiros, psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos. A abordagem do tratamento deve ser global, tendo como objetivo alcançar o maior grau de funcionalidade, proporcionando a esses indivíduos maior nível de independência e qualidade de vida. FEGADAN Painel Técnico e Festival em 2016 Painel Técnico FEGADAN 2016 Ocorrerá nos dias 15 e 16 de Outubro de 2016 na localidade de Criúva, na sede do CTG Pousada dos Tropeiros o Painel Técnico para a realização da 3ª edição do FEGADAN, - Festival Gaúcho de Danças. CTG Seiva Nativa é premiado como destaque há 5 anos O FEGADAN será realizado de 09 a 11 de dezembro em Criúva, juntamente com o Rodeio do CTG Pousada dos Tropeiros. TEMA ANUAL: “MTG 50 ANOS DE PRESERVAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA CULTURA GAÚCHA”

[close]

p. 14

14 Ano XV - Edição 182 TROPEANDO VERSOS Por: Carlinhos Lima Diretor Departamento de Manifestações Poéticas Outubro de 2016 AMPLIANDO HORIZONTES Por: Manoelito Carlos Savaris Conselheiro Vaqueano do MTG e da CBTG Alguns conceitos 50 anos de preservação Nossos declamadores “aprendem na lida” como diz o ditado, ou buscando informações com outros que já declamam há mais tempo e que se dedicam a contribuir através dos conhecimentos adquiridos nesta “lida”. Há uma escassez de obras que nos tragam informações concretas referentes à arte declamatória. Porém, a pouca literatura existente é fruto do esforço daqueles que pesquisam e estudam, buscando aperfeiçoar e aprofundar os conhecimentos. São poucos os abnegados que o fazem apenas por amor à arte e devem ser mais bem aproveitados por aqueles que pretendem trilhar este caminho dos versos terrunhos que, embora crioulos desta terra, são universais. Vejamos alguns conceitos: Poesia e Prosa são duas formas de linguagem. A Poesia se distingue da Prosa pela rima e pela métrica, que representa o ritmo; Pelas estrofes que são formadas por versos; Pela sensibilidade (pensamento); Pela linguagem figurada (metáforas); Pelas imagens e figuras poéticas contidas nas entrelinhas; Pela inspiração, que desperta o sentimento do belo, do que é elevado. Poesia é versificação, quadra poética ou estrofe. É símbolo intelectual e de cultura. É a maneira de enfeitar a vida, embe- lezando-a, elevando a intelectualidade. A poesia encerra métrica, rima, versos e estrofes. A poesia atual não exige rima, mas tem versos e estrofes. Poesia é a arte de escrever em versos. É a ferramenta que se usa para escrever poemas. Poema é uma composição poética com enredo. Etimologicamente, declamar provém da forma latina declamare. Seu valor denotativo é: recitar em voz alta, com gestos e entonações apropriados. A arte de declamar, no entanto vai além da significação que o valor semântico apresenta. Não basta falar em voz alta e gesticular. Implica uma manifestação artística em que um caminho mais criterioso é percorrido. Exige requisitos específicos que possibilitem chegar-se ao conceito de que declamar é interpretar o verso. Interpretar é dar expressão à articulação conjugada com emoções que a palavra, inserida no texto, exige. Resumindo, declamar abre a mente, o coração e a alma, aproximando cada vez mais o ser humano da plenitude buscada pelo divino criador. Uma viagem às origens da semana farroupilha de Caxias do Sul A 25ª RT promoveu uma mesa redonda para resgatar a história das festividades na terra da Festa da Uva Durante os festejos farroupilhas, em Caxias do Sul, a Coordenadoria da 25ªRT, organizou um debate para relembrar os seus primórdios do evento, onde sequer havia os acampamentos, pois era realizada dentro das entidades individualmente. A história da Semana Farroupilha de Caxias não está registrada em livros, mas na memória dos tradicionalistas mais antigos. As comemorações tinham à frente o CTG Paixão Côrtes, que acampou na Praça Dante Alighieri, no ano 1968. Após, as festividades passaram a ser de forma itinerante. Cada entidade tradicionalista fazia uma janta e convidava os demais centros para uma noite de “Penha Crioula” (diversas apresentações artísticas). “Formava-se uma tertúlia e sem custo para ninguém. Na outra noite, íamos para outros centros. Ali rolava um trago de canha, uma palestra, poesia, um gaitaço. Era uma integração” — conta Xiru Pereira, 62 anos, em matéria de Cristiano Daros, para o Jornal “O Pioneiro”. A movimentação de acampamentos só começou em meados dos anos 1980. O primeiro foi na Praça da Bandeira, em São Pelegrino. Nos anos seguintes, seguiu para o Parque da Imprensa e para o Parque Cinquentenário e, por fim, nos pavilhões da Festa da Uva. O CTG Campo dos Bugres foi quem deu o primeiro impulso colocando caixas de som para reunir o povo segundo Pereira. As comemorações evoluíram e agora têm estrutura para receber acampamentos, seja em meio às árvores ou sob os pavilhões. e valorização da cultura regional 28 de outubro de 1966. 12º Congresso Tradicionalista Gaúcho. Tramandaí. O dia amanhece com pouco sol. Muitas nuvens no céu que, pelas quatro da tarde, brindou com água a terra sedenta. Um grupo de tradicionalistas, em torno de trezentos, estava reunido na cidade desde o dia 25, discutindo assuntos de interesse geral das entidades tradicionalistas instaladas no Brasil. O anfitrião daquele Congresso era o CTG Potreiro Grande. Na presidência o tradicionalista Jaime Medeiros Pinto e na plateia a representação de 68 entidades tradicionalistas. Naquela época as proposições eram apresentadas no inicio do Congresso. A “comissão de teses” era formada por gente que gozava do respeito dos demais mercê do conhecimento e dedicação à causa tradicionalista. Entre as proposições, uma ganhava destaque, não pelo ineditismo, posto que propostas semelhantes já tinham sido debatidas em anos anteriores, mas porque vinha assinada por ilustres e combativos tradicionalistas, contava com boa estrutura de argumentos e apresentava, até, um “emblema” para identificar uma instituição que pretendiam criar com o nome de “Movimento Tradicionalista Gaúcho”. Feita a abertura dos trabalhos, tendo como secretário de atas Luiz Almeida de Oliveira, pelas nove horas da manhã, se apresentou o grupo encarregado de dar parecer sobre a mais importante proposição daquele encontro, entre eles: Getúlio Marcantônio e Antônio Augusto Fagundes. O parecer foi favorável, tanto para a criação de uma federação de CTGs, quanto para a aprovação do seu “emblema”, que mais adiante foi denominado brasão. O presidente do congresso convidou os autores das proposições para as suas manifestações: Othon Cezar Filho fez veemente defesa da proposta de criação da federação usando argumentos para garantir a sua aprovação. Hugo da Cunha Alves apresentou, além de mais argumentos, o projeto de estatuto para aprovação. Finalmente falou Hermes Ferreira que apresentou o “emblema” a ser adotado pela federação denominada MTG. Seguiram-se os debates a respeito do tema. Na grande maioria dos manifestantes houve posição de aprovação da proposta, alguns inclusive dizendo que a aprovação seria uma questão de sobrevivência do tradicionalismo gaúcho. Em votação! Anunciou o presidente do Congresso. Aprovação por unanimidade, registrou o secretário. O resultado mostrou que se tratava de matéria madura, já debatida anteriormente e, mais de tudo, se tratava de uma necessidade. As zonas tradicionalistas passaram a ser denominadas regiões. O Conselho Coordenador em atividade desde 1959 se transformou em Conselho Diretor, órgão responsável pela administração da federação. A Junta Fiscal foi criada com autonomia. Quanto ao brasão, algumas coisas chamam a atenção: as cores são as mesmas das cores da bandeira farroupilha, acrescidas do azul e do branco encontradas na bandeira nacional. No entanto, ao apresentar o brasão, o relator da proposta, Nico Fagundes, fez outra interpretação dizendo que no verde a medicina, no amarelo a química, no vermelho o direito, no azul a engenharia e no branco a cultura. Os três símbolos inclusos no brasão indicam: o tronco com o broto retratando a essência do tradicionalismo, ou seja, um passado que dá sustentação a uma nova brotação de cunho social, nativista, cívico, cultural, literário, artístico e folclórico. O cavalo e o chimarrão são os dois melhores símbolos do gaúcho por carregarem as ideias de liberdade e hospitalidade. Os dois primeiros artigos do estatuto definiram que MTG seria uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com jurisdição nacional, duração indeterminada, por objetivos congregar os filiados, preservar o núcleo da formação gaúcha e a filosofia do movimento tradicionalista decorrente da Carta de Princípios e das decisões dos congressos. Assim se criou o MTG. Assim ele é constituído. Esses são os seus fins. PARABÉNS MTG PELO SEU CINQUENTENÁRIO! OBRIGADO A TODOS QUE CONSTRUÍRAM ESSA NOTÁVEL ENTIDADE! TEMA SEMANA FARROUPILHA 2016: REPÚBLICA DAS CARRETAS - 180 ANOS DA REPÚBLICA RIO-GRANDENSE

[close]

p. 15

Ano XV - Edição 182 NOTICIAS Outubro de 2016 15 Lanceiros da Zona Sul completa 37 anos CTG Tiarayu vence o Desafio Farroupilha No dia 14 de setembro, por iniciativa do Vereador Paulinho Motorista, o CTG Lanceiros da Zona Sul, recebeu a “COMENDA PORTO DO SOL”, em homenagem aos 37 anos de fundação e pelo compromisso com a comunidade em divulgar artística e culturalmente a historia do Rio Grande do Sul. O CTG Lanceiros da Zona Sul foi fundado em 1º de setembro de 1979, faz parte da 1º Região Tradicionalista do MTG. A solenidade foi realizada no Plenário Ana Terra. A Comenda Porto do Sol é um reconhecimento da Câmara de Vereadores e de Porto Alegre às pessoas ou entidades que contribuem para a melhoria da qualidade de vida dos moradores da cidade, seja através de ações sociais, comunitárias, esportivas, educação, saúde, segurança ou culturais. Ex-Patrões Fulvio Lopes e Celso Farias, Patrão Ederaldo Pereira e Vereador Paulinho Motorista Um “reality show” dos pampas. O “Desafio Farroupilha”, que começou desafiando o cantor Cristiano Quevedo a laçar, continuou em 2015, com o desafio dos cantadores do Rio Grande, destacando jovens talentos. Neste ano passou para a grande paixão dos jovens tradicionalistas, a dança. Muito mais que o ato de dançar, o desafio mostrou para a sociedade gaúcha e para os leigos em relação a esta paixão, o que move estes jovens que trabalham de dia, estudam à noite, ensaiam de madrugada e nos finais de semana. Jovens que enfrentam a falta de recursos financeiros, as vezes o desgaste físico, o descaso de autoridades, o afastamento do “lazer”, e acabam transformando aquela lida em seu lazer. A sociedade conheceu parte desses jovens, que são milhares. Foram finalistas, o CTG Tiarayu, de Porto Alegre, e o CTG Ronda Charrua, de Farroupilha. Eram duas tribos se enfrentando. De um lado os Charruas e, de outro, os Guaranis. Outro grupo finalista, também de origem indígena, o GAN Ivi Maraé, ou Ivi Maraei (terra sem males, dos Guaranis), recebeu o titulo de campeão do voto popular, pela internet. Na comissão, para avaliar os trabalhos, nada mais nada menos que João Carlos D’Avila Paixão Cortes, ao lado de Cadica, o ator Simar Antunes, Gaúcho da Fronteira, Rosana Orlandi, entre outros. Por unanimidade da comissão julgadora, o CTG de Porto Alegre sagrou-se campeão do “Desafio Farroupilha”. O programa “BAH”, da RBS, já é um sucesso. Com uma ótima direção, à frente dele a Rosana Orlandi, o Fernando Alencastro, na apresentação o Neto Fagundes, o Giovani Grizotti (mentor da ideia), Cesar Oliveira e o Rogério Mello, que se originaram dentro dos grupos, em São Gabriel. Só podia ser sucesso. Não podemos deixar de falar na prenda da RBS, a apresentadora Carla Fachin, já que, a outra prenda, Shana Muller, estava aguardando o momento de dar a luz a seu primogênito. Foto: Deivis Bueno/Estampa da Tradição Potreiro Grande realiza evento cultural Comprometimento: Mesmo com um galpão provisório, CTG litorâneo usa sua sede campestre para realizar seus eventos. Na tarde do dia 25 de setembro, na sede campestre do CTG Potreiro Grande, entidade onde nasceu o MTG, em 1966, as prendas Brenda Luiza Moreira Magni e Ingrid Silveira Streit promoveram mais uma etapa do projeto: MTG - Núcleo de fortalecimento da cultura gaúcha. Contando com a presença de conselheiros do MTG, membros da coordenadoria regional, prendas e peões de outras entidades vindos de praias como Capão da Canoa, Imbé, Magistério e Pinhal, a tarde cultural teve, ainda, lançamento do Livro dos 50 anos do MTG. O CTG Potreiro Grande, que teve seu galpão demolido no centro da cidade, passou a usar sua sede campestre, ao lado do Parque General Osório. Foto: Liliane Pappen/Bastos Produções CTG Tiarayu venceu o Reality Show da RBS Chama Nativa premia o 3º Concurso Literário Usando uma sede provisória ainda, o Potreiro realizou projeto para os concursos de prendas e peões O Piquete Chama Nativa, dos Funcionários e Amigos do Grupo Hospitalar Conceição, divulgou o resultado oficial do 3º Concurso Cultural Literário, na categoria “Poesia”, e premiou no dia 29 de outubro, durante o tradicional Sarau da Estância da Poesia Crioula: - 1º Lugar: Jurema Chaves – Alma de Cantor - 2º Lugar: Dilmar Paixão – A chama que não se apaga - 3º Lugar: Paulo Lima – Eu sou do Sul “Agradecemos a participação de todos os poetas que enviaram trabalhos e também a compreensão dos agraciados e os responsáveis pela avaliação das obras, os poetas: Léo Ribeiro de Souza e Sidnei Da Rosa Azambuja” disse Cândido Brasil, que também fez parte da comissão

[close]

Comments

no comments yet