Revista Fácil - Edição 168

 

Embed or link this publication

Description

Turismo do Nordeste

Popular Pages


p. 1

ANO XXI - 2016 - Edição 168 - R$ 8,00 - www. revistafacil.net Japaratinga - Alagoas ENTREVISTA Luis Eduardo Antunes Administrador de Fernando de Noronha Moda Gravatas Elegância masculina Litoral Norte de Pernambuco Falésias - Ceará Fernando de Noronha Porto de Galinhas FÁCIL | Lazer e Negócios NE 1

[close]

p. 2



[close]

p. 3

Expediente ENTREVISTA 06Luis Eduardo Antunes 30 ROTEIRO NO CEARÁ Um roteiro com uma paisagem deslumbrante, ao longo de 215 km de um litoral formado por 35 praias com águas calmas, falésias de areias coloridas, coqueiros, lagoas, fontes de águas naturais e toda a infraestrutura necessária e gente acolhedora para receber você e sua família. São cerca de 203 hotéis com categorias variadas, desde pequenas pousadas aconchegantes, até grandes resorts e hotéis de luxo. A rede de restaurantes, barracas de praias e demais serviços de alimentação também é bem diversificada, contando com aproximadamente 300 estabelecimentos capazes de oferecer uma culinária variada, da regional até a internacional. 36GASTROMONIA Sumário Gestão 04 Entrevista 06 Fernando de Noronha 08 Litoral Norte/PE 14 Porto de Galinhas 22 Japaratinga/AL 24 Rota das Falésias/CE 30 Coluna PB 35 Gastronomia 36 Moda 40 Coluna Abrajet 42 40 MODA Edição 168| Ano XXI | 2016 www.revistafacil.net | FÁCILTV - www.faciltv.tv Presidente Fernando La Greca Diretora de Negócios Nilza Guerra Diretora de Produção Ana La Greca Projetos Especiais Eurico Amorim Editor de Turismo Luiz Felipe Moura Colaboradores de Fotos Evaldo Parreira Ivaldo Régis Roberto Souza Colaboradores André Dantas Bento R. P. de Albuquerque Carlota Aymar Gilson B. Feitosa Horácio Abiahy Yluska Regina Quesado de Almeida Jaques Cerqueira José Cláudio Pires de Souza Leandro Ricardo Leopoldo Albuquerque Loy Longman Marcos Alencar Marco Polo Mariana Trajano Ney Anderson Roberta Monteiro Silvio Romero Rogério Almeida Colaborador São Paulo Renato Cury Fone: 11 2864.1636 Administração Rua D. Maria Vieira, 88-E - Ilha do Retiro Recife-PE - CEP 50830-020 Tel. 55 81 3039.0594 | 0596 Redação Tel. 55 81 3039.0595 redacao@revistafacil.net Comercial Tel. 55 81 3039.0594 comercial@revistafacil.net Projeto Gráfico e Capa Contorno Ideias e Soluções Tel. 55 81 3031.6987 www.contornoideias.com.br Assinaturas Tel. 55 81 3039.0594 Auditada por Baker Tilly Brasil Ceará Sucursal Fortaleza Diretor Mario Pinho Rua Coronel Manuel Albano, 900, torre V, Sl. 405 Maraponga - Fortaleza - CE Tel. 85 32 98 1506 | 85 98856 5149 OI 85 99764 4290 TIM | 11 96031 2011 OI/SP Brasília | Rio de Janeiro | São Paulo Linkey Representações e Publicidades Ltda. (61) 3202-4710/ 9984-9975/ 8423-0318 linda@linkey.com.br Contato São Paulo: Maria Marquezini (11) 99701-5278 | 97284-1919 98288-1919 mmarquezini@linkey.com.br A Fácil Lazer e Negócios é uma publicação da EBI - Editora Brasileira de Imprensa Ltda Opinião dos colunistas não reflete necessariamente a opinião da Revista. Proibida a reprodução total ou parcial de matérias ou fotos sem a autorização da Revista. FÁCIL | Lazer e Negócios NE 3

[close]

p. 4

GESTÃO Por Jaques Cerqueira jaquescerqueira@gmail.com Fotos: Divulgação Verão com menos cruzeiros Quem está planejando passar as férias em um cruzeiro marítimo pela costa brasileira é bom correr porque há menos opções disponíveis neste verão. Na temporada que começa em novembro e vai até abril de 2017, apenas sete embarcações navegarão em águas brasileiras, três a menos do que no ano passado e bem abaixo das 20 que vieram para cá em 2010, recorde do segmento. Os navios que estavam aqui no ano passado foram alocados para destinos que ganharam relevância no mercado global, como China e Cuba. Ao todo, as embarcações que partem do Brasil farão 108 roteiros, metade do que foi feito no ano passado, segundo estimativas da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos. Serão oferecidos 382 mil leitos nos navios na próxima temporada, 30% abaixo de 2015 e 60% inferior aos tempos áureos do setor. Reflexos da crise. Destaque para Belém Com mais de 800 empresas e atrativos cadastrados no Guia Turismo Acessível do Ministério do Turismo, Belém (PA), representou a Região Norte no revezamento da Tocha Paralímpica. O evento deu maior visibilidade à região amazônica, um destino marcado pela magia da floresta e por uma cultura de forte tradição indígena e religiosa. Turismo acessível O Ministério do Turismo já investiu mais de R$ 75 milhões em obras de acessibilidade, além de apoiar a qualificação e capacitação de profissionais para atender turistas com deficiência. Agora a pasta disponibiliza o Guia do Turismo Acessível, site colaborativo onde internautas podem avaliar a acessibilidade de hotéis e serviços. Turismo responsável De olho no grande fluxo de turistas que circulam pelo país em virtude Das Olimpíadas e dos Jogos Paralímpicos, abertos no início setembro, o Ministério do Turismo e a Infraero iniciaram uma campanha de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes. Os anúncios nos painéis de embarque e desembarque alertam que a exploração sexual de crianças e adolescentes é crime e orienta que as denúncias sejam feitas no Disque 100. Rio mais caro Ao contrário do que muitos turistas imaginavam, o valor das passagens aéreas para o Rio de Janeiro, com o encerramento das Olimpíadas, cresceu em torno de 9%. Uma das possíveis causas para esse aumento é a maior procura pelo destino. Voos pontuais As Olimpíadas do Rio 2016 deram ao Brasil novos recordes do lado de fora das arenas. O índice de pontualidade de voos, com a marca de 94,8%, foi o melhor já registrado em uma operação especial do setor de Aviação Civil no País. Isenção de vistos 1 Os quatro países beneficiados com a isenção unilateral de vistos – Estados Unidos, Japão, Austrália e Canadá –enviaram mais de 53 mil turistas ao Brasil entre durante as Olimpíadas. Desses, 75% se beneficiaram da facilitação para entrada no país. Foram 40 mil visitantes estrangeiros que injetaram US$ 48,5 milhões na nossa economia. Isenção de vistos 2 A isenção de vistos para turistas é uma das bandeiras da Organização Mundial do Turismo (OMT) e a decisão do Brasil foi elogiada por representantes do setor. A World Travel & Tourism Concil (WTTC) e a Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav) defenderam publicamente a manutenção da iniciativa após o fim das Olimpíadas. 4 FÁC IL | Lazer e Negócios NE

[close]

p. 5

Ambiente descolado, drinks exclusivos e cardápio contemporâneo assinado pelo Chef Auricélio Romão. TUDO ISSO NO MELHOR ENDEREÇO DE NORONHA. Praça Presidente Eurico Dutra, nº 9 Vila dos Remédios - Fernando de Noronha (81) 3619-1200

[close]

p. 6

ENTREVISTA Luís Eduardo Antunes Administrador geral de Fernando de Noronha Luís Eduardo Antunes é auditor concursado do Tribunal de Contas de Pernambuco. Economista e Advogado por formação, também exerceu o cargo de Secretário de Turismo e Lazer do Recife.  Desde outubro de 2015 está à frente da Administração de Fernando de Noronha. Nesta entrevista, ele falou sobre turismo, infraestrutura da ilha, saúde e educação, entre outros temas. Por Ney Anderson Revista Fácil - O senhor acabou de completar 300 dias à frente da administração do arquipélago. Qual o maior desafio em administrar Fernando de Noronha? Luis Eduardo Antunes – Os desafios são muitos. Primeiro precisamos olhar os dois grupos envolvidos nesse processo. O grupo composto pelos moradores da ilha, onde as principais demandas são na área social. Estamos fortalecendo o sistema educacional da ilha, melhorando a prestação de serviço na saúde, assistência social. Dando melhor qualidade de vida ao morador de Fernando de Noronha. Uma demanda forte dos noronhenses é a política habitacional. Para isso estamos preparando 28 terrenos para serem doados e 26 casas que vamos construir até o final do ano. O outro grupo envolvido são os turistas, as pessoas que nos visitam e que tem uma demanda de uso do nosso sistema de internet. Por isso estamos distribuindo dez pontos de rede wifi na ilha, com cobertura integral. Fora isso, temos feito ótimos trabalhos de infraestrutura, melhorando as estradas e acessos às praias, que é outra demanda grande dos turistas.  Entre os compromissos que fez ao assumir a gestão da ilha, o senhor falou de preservação das áreas não comprometidas do ecossistema do arquipélago, bem como recuperar aquelas que, por ventura, sofreram algum impacto ambiental. Quais áreas são essas? Precisamos estar sempre com atenção redobrada na preservação do meio ambiente, numa política forte de sustentabilidade. Para isso temos uma coordenadoria específica trabalhando nesse setor. Nós estamos tentando fazer um trabalho diferenciado na coleta e tratamento dos resíduos sólidos, buscando alternativas modernas para minimizar o impacto do visitante e dos moradores na produção de lixo. Estamos fazendo um trabalho constante. Quando o senhor assumiu a gestão da ilha, falou que o modelo de gestão que implantaria seria moderno, com planejamento de curto, médio e longo prazo. Pode explicar melhor esse planejamento? Planejamento faz parte do nosso modelo de gestão. Sem um planejamento adequado não conseguimos tirar do papel os projetos com eficiência, eficácia e efetividade. Desde o início priorizamos a curto prazo quais ações iriam ser desenvolvidas em 2016 e já demos início ao planejamento de longo prazo, para pensar estrategicamente as ações a serem implantadas na ilha em 2017, 2018 e 2019. Estamos adotando o modelo do balanced scorecard (metodologia de medição e gestão de desempenho), para construir nosso mapa da estratégia, com a nossa missão, visão de futuro e objetivos estratégicos. Sobretudo, um conjunto de indicadores para medir o avanço da administração da ilha ao longo do tempo. Porque aquilo que não pode ser medido, não pode ser aferido se melhoramos ou não. Para isso estamos envolvendo todos os nossos gestores nesse processo contínuo de planejamento, monitoramento e controle das nossas ações. Existe uma preocupação mundial com a preservação do meio ambiente, principalmente com o uso de energia renovável e a reciclagem. Como está o incentivo para o uso dessas tecnologias alternativas? Estamos trabalhando fortemente na microgeração de energia solar. Tentando conscientizar e estimular os médios e pequenos empresários de Noronha na utilização dessa fonte de energia renovável. A intenção é estar sempre estimulando soluções alternativas para novas fontes de energia. Quais as parcerias que o senhor tem buscado para o desenvolvimento do arquipélago neste momento de grave crise econômica? Tentamos sempre buscar parcerias com a iniciativa privada. Ela tem se tornado uma grande alternativa para conseguirmos atravessar esse momento de crise econômica. Fizemos uma concorrência pública para fazer a troca de todos os abrigos de ônibus, instalação de relógios e termômetros digitais, troca de sinalização das ruas, onde a administração não entra com nenhum recurso público. A iniciativa privada vai bancar todo esse investimento em troca da publicidade. É usando alternativas criativas, buscando esse diferencial que é Fernando de Noronha para atrair investimentos privados e melhorar a qualidade e a prestação de serviço público no arquipélago.  O senhor está conseguindo enxugar o gasto público em Noronha? Existe uma superintendência nossa que trabalha diariamente com essa intenção, verificando onde é possível fazer economia. Tivemos uma redução no primeiro semestre de 2016 de 15% da despesa de custeio, em relação ao primeiro semestre de 2015. Reduzindo 433 mil reais em passagens aéreas, 135 mil reais na economia de energia elétrica, entre outros. Enfim, é um trabalho constante, onde conseguimos economizar 2 milhões e 200 mil reais em relação ao mesmo período do ano passado. 6 FÁC IL | Lazer e Negócios NE

[close]

p. 7

“A minha maior missão é poder fazer de Noronha um local ainda melhor para turistas e ilhéus” Como é o seu diálogo com o trade turístico noronhense? É um diálogo importante, onde a gente procura escutar quais são as demandas do trade em relação a promoção, participação nos eventos e divulgação do destino turístico. A gente não acredita em construção de políticas públicas sem estar constantemente conversando com o trade turístico para construirmos ações em conjunto. Qual o planejamento para divulgação do destino nacional e internacionalmente? O turismo representa cerca de 90% da economia local de Fernando de Noronha. Fazemos ações de fomento articuladas e executadas em conjunto com a Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer de Pernambuco e também com a Empetur e o trade turístico. Fazemos campanhas promocionais, ações de marketing e divulgação do destino em feiras nacionais e internacionais,  famtour etc. A ilha, portanto, vem apresentando uma evolução positiva do turismo nos últimos anos. O fluxo turístico de Noronha em 2015 foi um dos maiores dos últimos anos, superando os 90 mil visitantes. Porque esse crescimento foi tão significativo? A Coordenação de Turismo tem realizado suas ações focadas na sustentabilidade ambiental e social local, com base na tríade: planejamento, promoção e divulgação do destino; ações na infraestrutura turística e qualificação profissional da cadeia produtiva local. Não por acaso, Fernando de Noronha recebeu recentemente o título de melhor ilha da América do Sul pelo site de viagens TripAdvisor. O projeto Bike Noronha doou bicicletas para moradores da ilha e também para pousadeiros, através da parceria com o Banco Itaú. É uma das prioridades a utilização desse novo modal de transporte na ilha? Estamos muito satisfeitos com essa parceria do Governo do Estado e o Banco Itaú. A gente percebe a felicidade no rosto dos moradores em serem contemplados com esse projeto. É um sucesso que torna Noronha a maior relação percentual entre habitantes que possuem esse modal no país. Pretendemos tornar a vida do ciclista em Noronha cada vez melhor. Esse modal de transporte é importante para a ilha como um todo.   O Arquipélago de Fernando de Noronha contará com conectividade banda larga para acesso gratuito de moradores e turistas à Internet, através do Noronha Connect, por meio de contrato firmado com o consórcio PEConectado. O senhor acredita que a internet de qualidade vai ser um marco para a história da ilha? O acesso à Rede sempre foi um dos principais questionamentos dos visitantes do arquipélago, por isso a Administração da Ilha não mediu esforços para conseguir implantar o Noronha Connect. Vai ser uma contribuição significativa para moradores turistas do mundo todo. A Ilha a partir de agora terá um grande suporte de Internet. Será um marco para Fernando de Noronha como destino turístico. O que Fernando de Noronha representa para o Nordeste e também para o país? Fernando de Noronha é um destino turístico diferenciado no Brasil e no mundo. Representa o sonho de muita gente. É algo indiscutível: todos têm vontade de conhecer esse paraíso. É muito importante como receptor turístico nacional. Para Pernambuco, então, nem se fala. É a nossa maior riqueza.  Qual a sua maior missão como administrador de Fernando de Noronha e o legado que pretende deixar para o povo noronhense? A minha maior missão é poder fazer de Noronha um local ainda melhor para turistas e ilhéus. O legado que pretendo deixar é justamente esse. De pessoas que se sintam verdadeiramente satisfeitas em ter visitado o arquipélago e também em ter o privilégio de morar nele. Uma experiência rica em todos os sentidos.  FÁCIL | Lazer e Negócios NE 7

[close]

p. 8

Morro do Pico Foto Bruno Lins O arquipélago de Fernando de Noronha Por Ney Anderson e Luciana Marinho Do fogo surgiu um paraíso: o arquipélago de Fernando de Noronha, um vulcão extinto há milhões de anos, topo de uma cadeia de montanhas submersas nas águas do Oceano Atlântico, é um dos lugares mais bonitos e encantadores do mundo. Formado por 21 ilhas, ilhotas e rochedos, ocupa uma área de 26km². Distante 545 km da cidade do Recife (PE), possui 3 voos diários diretos para o destino, com média de uma hora de duração através das Cias Aéreas Gol e Azul. O arquipélago principal é o único habitado, com cerca de 5 mil habitantes, entre permanentes e temporários. Nos 17km² de extensão se concentra todas as atividades socioeconômicas da ilha. Em função de sua geografia, habitualmente divide-se pelo Mar de Dentro, que tem a face voltada para o Brasil e abrange onze praias (Porto, Cachorro, Meio, Conceição, Boldró, Americano, Bode, Quixabinha, Cacimba do Padre, Baía dos Porcos, Sancho) e onde se encontra também a Baía dos Golfinhos; e o Mar de Fora, que é voltado para o continente africano, com quatro praias (Sueste, Atalaia, Caieira e Leão). História O arquipélago foi descoberto em 1503 pelo navegador Américo Vespúcio durante a Segunda Expedição Exploradora da costa brasileira comandada por Gonçalo Coelho, e posteriormente foi doado ao financiador da viagem, o fidalgo português Fernão de Noronha, daí a origem do nome. Com a doação tornou-se a primeira Capitania Hereditária do Brasil. Abandonada pelo donatário, a ilha sofreu vários ataques de piratas. Os holandeses também viveram nesse paraíso ecológico de 1629 a 1654, e os franceses, de 1736 a 1737, chamando-a “Isle Delphine”. Temendo novas investidas, o Reino de Portugal, pela Capitania de Pernambuco, ocupa Fernando de Noronha em 1737 implantando um sistema defensivo composto de 10 fortes, localizados acima de todas as praias onde fosse possível o desembarque. Implanta, também, uma Colônia Correcional para presos comuns de Pernambuco que, eventualmente, recebia presos políticos dos grandes conflitos ocorridos no Brasil. Mirante Dois Irmãos Foto Bruno Lins Em 1938 o arquipélago passa a ser administrado pelo Governo Federal que instala, oficialmente, um presídio político na ilha. Em 1942 transforma-se em Território Federal administrado pelo Exército até 1981, pela Aeronáutica até 1986 e pelo Estado Maior das Forças Armadas (EMFA), até 1987, quando teve início o primeiro governo civil, subordinado ao Ministério do Interior. Com a Constituição de l988, o arquipélago é reintegrado ao Território de Pernambuco e 8 FÁC IL | Lazer e Negócios NE

[close]

p. 9

passa a ser o único Distrito Estadual do País. A natureza no estado mais puro é o que chama a atenção de quem desembarca em Fernando de Noronha. O turismo é a principal atividade econômica da região. Desenvolvido de forma sustentável, para que seja preservado um dos mais importantes santuários ecológicos do mundo. Para controlar a preservação do arquipélago e suas espécies endêmicas de plantas e animais, Fernando de Noronha atualmente é composta em sua totalidade, tanto na parte terrestre quanto na parte marinha, por duas Unidades de Conservação Ambiental, que dividem a ilha em Parque Nacional Marinho (Parnamar) e Área de Proteção Ambiental (APA). O Parnamar, criado pelo Decreto-Lei 96.693, de 14/09/88, correspondentes a cerca de 70% da área total do arquipélago e a APA, 30%, local onde reside os moradores. Gerenciado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o Parque tem como principais objetivos proteger espécies representativas dos ecossistemas terrestre e marinho e proporcionar oportunidades controladas para visitação, lazer, educação ambiental e pesquisa científica. É administrada também pela concessionária EcoNoronha desde 2011, vencedora do processo licitatório para o contrato de prestação de serviços de apoio à visitação pública e cobrança de ingressos no Parque Nacional Marinho. A concessão busca a sustentabilidade e o manejo correto do ecoturismo, tendo como órgão fiscalizador o ICMBio. Pertence ao grupo Cataratas do Iguaçu S.A, uma empresa 100% brasileira, com tecnologia única na gestão de serviços turísticos em parques nacionais. Os visitantes que desejam usufruir do local devem pagar uma taxa que permite o acesso por dez dias. O valor do ingresso é de R$ 162,00 para os turistas estrangeiros e R$ 81,00 para os brasileiros. Fernando de Noronha foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco e já teve praias eleitas como as mais bonitas do Brasil e do mundo, como a Praia do Leão e a Baía do Sancho, eleita duas vezes consecutivas como a praia mais bonita do mundo pelo TripAdvisor, além do prêmio de melhor Ilha da América Latina, concedido pelo mesmo site. É um dos raros locais do mundo com concentração de golfinhos rotadores (Stenella longirostris). Na Baía dos Golfinhos toda a área está reservada para descanso e reprodução dos animais, que encantam os visitantes pelos saltos acompanhados de verdadeiras acrobacias aéreas. A fauna associada ao sistema costeiro e marinho do arquipélago é, sem dúvida, o que torna o lugar mais encantador, o grande atrativo para os visitantes. Em suas águas podem ser apreciadas mais de duas centenas de espécies de peixes das mais diversas cores e formas, com maior destaque para as moreias, raias e os tubarões. As tartarugas marinhas também despertam a atenção dos visitantes. As praias do Leão e do Sancho são os principais locais de desova das tartarugas marinhas aruanãs (Chelonia mydas), também conhecidas como tartarugas verdes. Monitoradas pelo Ibama, por meio do Projeto Tamar, elas podem ser observadas, principalmente, a partir de novembro, agrupadas na superfície da água, época em que se inicia o processo de reprodução. Mergulhando pode-se observar a tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata) que utiliza o arquipélago apenas como local de crescimento e alimentação. Ao todo 16 praias que fazem de Fernando de Noronha o lugar perfeito para o banho de mar e o mergulho. No mês de setembro, as chamadas praias do mar-de-dentro (área da ilha voltada para a costa brasileira) ficam extremamente calmas e a visibilidade chega a 50 metros de profundidade, o que lhe dá status de um dos melhores lugares de mergulho do mundo. Existem cerca de Tartaruga Foto Antônio Melcop Trilha Foto Antônio Melcop Ilhas Secundárias Foto Antônio Melcop Golfinho Rotador Foto Antônio Melcop FÁCIL | Lazer e Negócios NE 9

[close]

p. 10

Praia da Conceição Foto Antônio Melcop 17 pontos diferentes de mergulho, com diversas modalidades. Entre elas, o plana sub, snorkel e cilindro. Em setembro, também, se realiza a Regata Internacional Recife/Fernando de Noronha (Refeno), uma aventura marítima de 300 milhas náuticas, reunindo velejadores do Brasil e do exterior. De dezembro a março o vento e as correntes transformam as praias do mar-de-dentro no palco para o “show do surf”. Fernando de Noronha também é conhecida como o “Havaí brasileiro” por conta das ondas que chegam a quatro metros de altura. Surfistas de todo o País e do exterior frequentam a ilha. Boas opções não faltam para quem deseja desvendar a ilha a pé. As belezas da Área de Preservação Ambiental oferecem três trilhas. A Trilha Costa Azul, que tem ponto de partida na Vila dos Remédios, tem percurso com cerca de 2,3 km e duração de, aproximadamente, duas horas, até a praia do Boldró. No trajeto podem ser visitados, além do conjunto histórico da Vila dos Remédios, o forte de Nossa Senhora da Conceição, a Pedra do Pião, a Vila da Conceição, as praias do Cachorro, do Meio, da Conceição, e do Boldró, e o trecho formado pelos seixos de rocha vulcânica que formam a base do morro do Pico. Partindo da praia do Boldró, a trilha Costa Esmeralda, com pouco mais de 2 km de extensão, leva a atrativos como as ruínas do Forte de São Pedro do Boldró, o mirante natural que limita as praias do Americano e do Bode, de onde se tem a vista privilegiada para o morro dos Dois Irmãos, as praias do Americano, do Bode e da Cacimba do Padre, além da Baía dos Porcos. Já a trilha Jardim Elizabeth, com aproximadamente 1,6 km, parte da Vila dos Remédios e possibilita conhecer de perto a fortaleza de Nossa Senhora dos Remédios, de onde se avista o Porto de Santo Antônio e as ilhas secundárias à direita, e o morro do Pico e as praias do Meio e da Conceição à esquerda. Em 2015 Fernando Noronha recebeu mais de 90 mil visitantes, sendo a maior parte do fluxo turístico oriundo do território nacional. Seguido pelos Estados Unidos, Argentina, Itália e Alemanha. O arquipélago possui uma infraestrutura moderna para atender a atual demanda turística, com aeroporto, estradas, porto, usina termelétrica e hospital, supermercado, linha de transporte coletivo, agência bancária, escolas e universidades à distância. A ilha tem uma estrutura gastronômica e hoteleira para atender desde mochileiros aos mais refinados hóspedes. São cerca de 140 pousadas, com 1900 leitos, e 60 estabelecimentos como restaurantes, bares e lanchonetes. 10 FÁC IL | Lazer e Negócios NE

[close]

p. 11

O melhh da gastronomia de Fernando de NNonha Comandado pelo Chef Auricélio Romão, o Restaurante Varanda possui cardápio contemporâneo, especializado em frutos do mar. A casa faz parte da exclusiva Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança. Chef Auricélio Romão Gratinado de Frutos do Mar Prato da Boa Lembrança Restaurante Varanda - Fernando de Noronha (81) 3619-1546 www.restaurantevarandanoronha.com.br FÁCIL | Lazer e Negócios NE 11

[close]

p. 12

Confira informações sobre as praias do parque: Praia do Sancho A praia mais bonita do Brasil. O Azul-turquesa impressiona a vista do cenário mais marcante de Noronha. Praia de ondas tranquilas, um ótimo local para banho de mar. Protagonista do espetáculo natural da ilha, passeio indispensável e inesquecível. Baia dos Porcos O cartão postal de Fernando de Noronha. O local perfeito para contemplar um cenário deslumbrante. Cartão Postal da ilha, a baía dos porcos oferece uma aventura presenteada pela vista do morro dois irmãos. Praia da Atalaia Magnífica piscina natural. Um dos melhores lugares para mergulho livre na ilha, oportunidade única de vislumbrar a beleza da vida marinha de Fernando de Noronha, necessário acompanhamento de um guia. O morro do Frade ao fundo, um monumento à parte. Baia dos Golfinhos Um lindo aquário natural. O espetáculo dos golfinhos rotadores é marca de Fernando de Noronha. Aqui se encontra um dos maiores aquários naturais dessa espécie, podendo ser apreciado do mirante dos golfinhos, preferencialmente pela manhã. O mergulho nessa área é proibido. Baia do Sueste O lugar perfeito para passar uma tarde. Um dos melhores acessos para as famílias. De mar calmo e uma vista estonteante, um maravilhoso local para descansar e aproveitar o mar. Lar de um dos únicos e raríssimos mangues insulares. Praia do Leão Berço das tartarugas. Santuário das tartarugas marinhas, local de desova da espécie. Um refúgio para os visitantes que gostam de paz e natureza. O azul profundo do mar de fora é um cenário que emociona, por sua beleza infindável. Saiba mais: Para aproveitar os encantos da ilha, é necessário pagar a Taxa de Preservação Ambiental (TPA), que pode ser paga antecipadamente pela internet, no site da Administração de Fernando de Noronha – www.noronha.pe.gov.br Características gerais Autarquia Territorial do Distrito Estadual de Fernando de Noronha (PE) Área: cerca de 17km² (ilha principal) | cerca de 26km² (arquipélago, contando com as 20 ilhas secundárias) Sede administrativa no arquipélago: Palácio São Miguel, s/nº, Fernando de Noronha Escritório de apoio no Recife: Av Rio Capibaribe, nº 140, São José – Fone: (081) 3182-9608/9632 Praia do Leão Foto Bruno Lins Baía do Sancho Foto Antônio Melcop Baía dos Golfinhos Foto Antônio Melcop Praia da Atalaia - Apneia Foto Antônio Melcop 12 FÁC IL | Lazer e Negócios NE Praia do Sancho Foto Bruno Lins

[close]

p. 13

Baía dos Porcos Foto Antônio Melcop Baía do Sueste Foto Antônio Melcop Praia da Conceição Foto Antônio Melcop FÁCIL | Lazer e Negócios NE 13

[close]

p. 14

Litoral Norte de Pernambuco além de praia, sol e mar Região apresenta os mais importantes sítios históricos de Pernambuco sendo um forte celeiro cultural e de artistas. Por Jaimar Chedid Com o verão batendo na porta o Nordeste se prepara para receber os turistas. Oficialmente a estação começa em dezembro, mas já em setembro a Região abre os braços para os visitantes que buscam sol, mar e muita diversão. Conhecido por suas praias o Nordeste tem muito o que mostrar. Os dois extremos do litoral possuem geografia diferenciada. O Sul com a badalada Porto de Galinhas e o Norte com praias diversificadas, as que têm um perfil mais calmo e as mais movimentadas. É sobre esse litoral que vamos mostrar nessa matéria. O Litoral Norte de Pernambuco tem um dos sítios históricos mais importantes da região, moldurado por 35Km de belezas naturais, gastronomia litorânea regional, com praias de areias douradas, mar calmo e um forte celeiro cultural e de artistas. Cinco municípios da Região Metropolitana do Recife formam esse complexo turístico, desde Olinda, passando por Paulista, Igarassu, Itapissuma e Itamaracá, além de Goiana que já faz parte da Zona da Mata e está na divisa com a Paraíba. Visitar o litoral é fazer uma viagem sensorial, com sabores, visual deslumbrante e história por todos os lugares. A rota turística começa por Olinda, Cidade Patrimônio Cultural da Humanidade, vizinha da capital Recife. Distante há 6km do Recife, a Marim dos Caetés recebe cerca dois milhões de visitantes ao ano. Fora as capitais é a cidade que mais recebe turistas no Brasil. Construída entre sete colinas, rodeada de coqueirais, palmeiras, vegetação de mata atlântica, tendo o mar como plano de fundo, a vista da cidade observada do Alto da Sé abre-se numa paisagem de tirar o fôlego. Um belo cenário para guardar na memória e tirar muitas fotos. Ponto turístico mais visitado de Pernambuco, o Alto da Sé concentra o Observatório Astronômico, o Museu de Arte Sacra de Pernambuco, a Igreja de São Salvador do Mundo e o Palácio de Iemanjá. Vale muito subir no elevador panorâmico para ter um olhar de 360 graus dos sítios histórico, os quintais dos casarios, igrejas, conventos, museus e a vista espetacular do Recife ao longe. Cercado dessa beleza natural o turista sente o prazer de degustar as famosas tapiocas feitas na hora, o queijo de coalho assado, os biscoitos e licores artesanais, produzidos nos conventos e mosteiros seculares e conhecer, lojas e o Mercado de Artesanato. Não pode deixar de fazer uma parada pelos bares e restaurantes para apreciar a culinária local. Subindo e descendo as ladeiras de paralelepípedos os olhos despertam para as belezas das fachadas multicoloridas dos casarios seculares fazendo o visitante ter certeza de que cidade está sempre em festa, mesmo fora de época. “É uma cidade para se fazer o turismo de experiência, sem pressa. Em três ou quatro dias é possível desfrutar de igrejas, museus e restaurantes de comida regional, botecos e praia. E o melhor, da pra fazer tudo isso a pé”, exalta o secretário de turismo da Olinda, Maurício Galvão. Olinda e seus sabores O polo gastronômico é um roteiro à parte, com restaurantes e bares oferecendo um misto da culinária tradicional e nouvelle cuisine. Destaque para o restaurante Oficina do Sabor, que apresenta cardápio da cozinha regional com ingredientes clás- 14 FÁC IL | Lazer e Negócios NE

[close]

p. 15

Vista do Centro Histórico de Olinda Pernambuco Fotos Secretaria Turismo de Olinda sicos e releituras. Outro que vale conhecer é o Maison Bomfim, especializado na culinária francesa. Para quem prefere um ambiente mais descontraído as ruas do Sítio Histórico estão repletas de bares e bodegas charmosos sendo a Bodega do Veio a mais famosa delas, é o típico botecão das antigas, bastante frequentado por conta da cerveja gelada e dos petiscos. Na orla os restaurantes Bode do Nó, Estrela do Mar, Capitania, Samburá e tantos outros oferecem desde o clássico peixe frito à macaxeira com carne de sol e menu caprichado. Em Olinda a arte é pulsante. Nas ruas estreitas encontram-se atelier de artistas consagrados como Samico, João Câmara, Tereza Costa Rego, Guita Charifker, entre outros, além de centenas de artesãos anônimos espalhados pela cidade. A cultura popular se manifesta pelos bairros através de maracatus, caboclinhos, afoxés, ciranda, capoeira e pastoris. Os museus e monumentos compõem a paisagem arquitetônica que atraem atenção do turista. O Museu de Arte sacra de Pernambuco (Maspe), guarda pinturas de arte sacra populares e objetos do culto religioso. Em contrapartida o Museu de Arte Contemporânea abriga coleções de artes plásticas de grandes artistas. No Espaço Tiridá, Museu do Mamulengo dedicado a bonecos populares, crianças e adultos se encantam com o teatro de bonecos mamulengo. Bonecos de madeira manipulados pelas mãos de atores cantam, dançam, brigam e fazem brincadeiras divertidas, incorporando personagens típicos do Nordeste em cenas da vida cotidiana. As expressões religiosas estão muito presentes na formação cultural da antiga capital pernambucana. São mais de vinte igrejas, Igreja Alto da Sé - Olinda Foto Secretaria Turismo de Olinda entre mosteiros, conventos, seminários e capelas, além de templos de várias religiões, como o Palácio de Iemanjá, um dos mais importantes terreiros do candomblé da cidade, a casa que pertenceu a judia Branca Dias, que realizava rituais judeus secretos, considerados heresia pela igreja católica e o templo Zu Lai, que tem natureza budista. Na região costeira da cidade está a orla de Olinda que foi totalmente duplicada recentemente e conta com calçadão, ciclovias, equipamentos esportivo e de lazer além de pista de cooper. A via litorânea é uma boa pedida para curtir as praias olindenses e degustar a culinária local nos bares e restaurante à beira mar. Ficar hospedado em Olinda também é momento para apreciar a arte e cultura, as charmosas pousadas são instaladas nos antigos FÁCIL | Lazer e Negócios NE 15

[close]

Comments

no comments yet