Revista Planeta Kids edição 25

 

Embed or link this publication

Description

Revista para pais e educadores.

Popular Pages


p. 1

Síndrome de Down: Ser diferente é normal. Pais inteligentes formam sucessores, não herdeiros. Adolescentes que costumam dormir tarde vão mal na escola. Veja também Julho/Agosto/Setembro | 2015 | Edição 25

[close]

p. 2



[close]

p. 3

índice 4 12 32 4 Adolescentes que costumam dormir tarde vão mal na escola. 6 O que levar em conta na hora de escolher a escola do seu filho. 8 Brechó “Educacional”. 10 A criança e a natureza. Os benefícios para a criança que põe a mão na terra. 12 Síndrome de Down: ser diferente é normal. 14 Para rir um pouco! 16 Conheça o esporte certo para cada idade do seu filho. 20 Revista Planeta Kids e Sinep. Uma nova parceria de sucesso! Mais força na educação! 22 Cuidado com a forma certa de carregar seu bebê. 24 Os benefícios do boliche no desempenho escolar. 26 Dicas para festa infantil em casa. 32 Pais inteligentes formam sucessores, não herdeiros. 34 O amor é infinito! E transcende os laços de sangue! Capa Nomes: Laura Nogueira Guerra e Paula Nogueira Guerra Contato: (31) 9477-1857 catarinamkt@yahoo.com.br Facebook: @catarinapaulinofotografia www.flickr.com/photos/catarinapaulino Expediente Julho, Agosto, Setembro 2014/2015 ANO 7 - Edição 25 Diretor: Leonardo de Paula Editora: Ana Paula Meireles Assessora Jurídica: Carolina Benetti Jornalismo: Luciana de Freitas e Flávia Penido Revisão de Texto: Cecilia Euterpe Design e Diagramação: Laura Silveira Colunistas: Guiomar de Grammont, Jane Haddad e Larissa Domingues Web Designer: Guilherme Augusto de Paula Tiragem: 15 mil exemplares Periodicidade: Trimestral Os anúncios e informações publicadas são de inteira responsabilidade de seus autores. É permitida a reprodução total ou parcial do conteúdo desta revista, com prévia autorização. revistaplanetakids.com.br contato@revistaplanetakids.com.br Para anunciar e assinar ligue: (31) 3054.5000 / 3568.5001 Retire sua revista nos nossos pontos de distribuição: Livraria Leitura: Shoppings Del Rey, Cidade, Boulevard, BH, Pátio Savassi, Loja Savassi, Paragem, Minas, Itaú Power, Estação, Big Shopping, Via Shopping, Betim Shopping. Drogaria Araujo (através a Vacsim): Praça da Bandeira, Hospital Vila da Serra, Gutierrez, Centenário e Pátio Savassi. Blitz em escolas, parques, praças, clubes e ventos. Acompanhe nosso Facebook e saiba onde acontecerão as blitz. CURTA nossa FAN PAGE no /revistaplanetakids @planetakiids Veja as edições on-line revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 4

Adolescentes que costumam dormir tarde vão mal na escola Afase da adolescência é um período de transformações físicas e hormonais e dormir mais tarde do que o habitual acaba fazendo parte da vida desses indivíduos. Uma pessoa adulta precisa de 8 horas de sono durante a noite para que o corpo descanse, mas quando se trata de um adolescente, esse tempo aumenta para 9 horas e meia pois existem hormônios que passam a funcionar de maneira diferente nessa fase. O cortisol e a melatonina são os hormônios responsáveis pela alteração pois na adolescência são liberados pelo organismo em horários diferentes do que numa criança ou num adulto, e é isso o que faz com que eles durmam mais tarde e tenham dificuldade para acordarem cedo. Devido as aulas, acordar cedo acaba se tornando um grande problema, principalmente porque uma noite mal dormida interfere nas funções cognitivas o que pode atrapalhar ou dificultar o aprendizado, causar problemas de concentração, dificultar a memorização do conteúdo passado em sala além de poder interferir na vida social do adolescente que por ter dormido pouco e mal, fica irritado e de mau humor. Para ajudar os filhos adolescentes nessa questão, o ideal é que eles tenham hábitos que envolvam atividades físicas durante o dia para evitar que hormônios como a adrenalina sejam liberados, pois estes deixam o indivíduo alerta e acabam atrapalhando o sono. Elimine o hábito da soneca da tarde, pois ao dormir a tarde o corpo irá descansar, e ao acordar o sono demorará a vir, fazendo com que ele durma ainda mais tarde da noite. Neste caso, 4 revistaplanetakids.com.br O cortisol e a melatonina são os hormônios responsáveis pela alteração pois na adolescência são liberados pelo organismo em horários diferentes do que numa criança ou num adulto, e é isso o que faz com que eles durmam mais tarde e tenham dificuldade para acordarem cedo. dê tarefas para mantê-lo acordado e ocupado, assim o corpo e a mente cansam e dormir mais cedo acaba se tornando inevitável. Na era da tecnologia, televisão, tablet, vídeo game, computador e internet são fatores que interferem e atrapalham, pois distraem e mantém adolescentes vidrados, então por mais dependentes que estejam, estipule horários para o uso moderado desses aparelhos e se possível, substitua esse vício pelo hábito da leitura, pelo menos durante a noite. Sendo assim, determinar horários para as atividades e para o sono , mesmo que, a princípio, pareça impossível, é o ideal. Ajude seu filho a construir uma rotina a fim de adequar os horários para que não perca a vontade de ir para a escola. Uma boa noite de sono acarreta em bom humor e ânimo para enfrentar o dia com disposição.

[close]

p. 5

A CASA DO SONO TRANQUILO As Lojas Dormire existem há 24 anos na região da Savassi e são especializadas na venda de colchões, camas box, travesseiros e protetores de colchões, entre outros acessórios. Trabalha com profissionais credenciados pela empresa Orthocrin para lhe oferecer as mais detalhadas informações, auxiliando-o na compra ou troca do seu colchão e outros itens. Uma empresa séria, que tem como objetivo a completa satisfação e bem estar de seus clientes, oferece ainda a venda de colchões sob medida, que também é um dos seus diferencias. Venha nos dar o prazer da sua visita! Rua Levindo Lopes, 368 - Savassi Tel: (31) 3225 7660 / 3225 8547 www.colchoesdormire.com.br Loja credenciada ORTHOCRIN 5revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 6

6 revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 7

7revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 8

BRECHÓ “EDUCACIONAL” Oque mais se escuta atualmente é que a educação encontra-se mergulhada em um mundo de constantes e rápidas transformações e por isso não consegue acompanhar a rapidez de tanta mudança, permanecendo muitas vezes no” passado” . Tenho minhas dúvidas a respeito de tal afirmação! Mudança é sempre bem vinda, sinaliza movimento e oportunidades. O grande entrave é o “ velho discurso” vestido em “novos” discursos, muitas vezes bonitos porém vazio de sentido. Um discurso, muitas vezes, sustentado em queixas e culpabilização por parte dos educadores e pais. No ano passado, comentei em uma entrevista que dei a Revista do Siesssp, que a educação deveria se arriscar a pensar como a moda... Trabalhar com tendências, no sentido de prever o que está por vir, antecipar... Um ano depois retomo esta discussão trazendo minha percepção de uma educação tateando entre o novo e semi novo, descartando o “ velho” uma Educação-Brechó que convoca seus clientes ; alunos e famílias a trocar, vender ou comprar produtos educacionais, ora baseados em rankings, ora prometendo uma educação mais democrática e dependendo da cidade do estado, troca-se algo” velho” por algo “ novo” sem contar as barganhas pedagógicas e demagógicas tendo como principio o ganhar-perder ou mesmo; eu te dou o que você quer e você me da o que preciso. Uma educação Brechó que não esvazia, não despolui e sim “ completa” e enche o suposto vazio. Talvez, seja mais fácil entender tal analogia, se pensarmos no nosso cenário político atual e que por sinal vem se repetindo. Voltando ao Brechó educacional, imaginemos....as diversas teorias educacionais algumas antigas com novas roupas , outras novas porém sem fundamentação teórica , algumas já acompanhadas de prescrições infalíveis ( esta roupa emagrece, use e você será o primeiro...) algumas reproduzindo os tempos áureos da moda aristocrata. Um Brechó educacional, não é má ideia, desde que saibamos o que se pretende com tal “ produto”, muitas vezes de segunda mão. Como usá-los de forma criativa? O problema que vejo, é “ mistureba” envolver todas as tendências sem incorporar alguma. Qual o estilo da educação atual? Um bom e criativo “ Brechó” oferece diversos estilos de acordo com o “ Bio tipo” de cada um; alguns se sentem 8 revistaplanetakids.com.br melhores com cores mais escuras; outros preferem algo colorido, enfim a educação - moda já está vazia de sentido. Discursos vazios já não convencem seus consumidores vorazes por uma educação que faça a diferença e ofereça um bom preço. Educar é uma arte de combinações de estilos, tendências e competência. Nem sempre o mais caro é o melhor, venho deparando com diversas educações; umas mais retro, outras mais modernas e algumas que estão no entre ,eu diria seminovas, possíveis de uso e adaptações . Talvez se trabalharmos com um olhar mais cuidadoso aos detalhes, possamos aproveitar varias tendências , mesmo que elas não façam parte na MODA EDUCAÇÃO . Talvez o nosso diferencial possa ser esse, ultrapassar modismos externos e permitirmos ousarmos uma educação mais autêntica! Que contemple o ser em detrimento do ter, uma educação que diz a que veio: Humanizar. Jane Haddad Mestre em educação, Psicanalista e escritora

[close]

p. 9



[close]

p. 10

A criança e a natureza. Os benefícios para a criança que põe a mão na terra Ensinar jardinagem é um ótimo começo para aproximar seu filho da natureza. Por as mãos na terra, observar as plantas crescendo e acompanhar o nascimento das flores são formas de ajudar a criança a entender os ciclos naturais além de respeitá-lo. O melhor disso tudo é que não é necessário um enorme jardim. Um vaso pode dar conta do recado. Há várias tarefas em que as crianças podem participar desde a montagem à manutenção. Regar e cuidar das plantas é uma forma de fazer com que aprendam que para que se mantenha a vida, é preciso caprichar nos cuidados. Com a jardinagem, a criança desenvolve a paciência já que terá que esperar a plantinha crescer para ver o resultado e ainda terá o benefício de fortalecer o sistema imunológico ao entrar em contato com microorganismos da terra e das plantas, criando anticorpos e melhorando a resistência do corpo. 10 revistaplanetakids.com.br Para incentivar seu filho nesse hábito quase que terapêutico, confira algumas dicas que irá ajudá-lo a começar: Não utilize produtos químicos e nem permita que seu filho coloque as plantas na boca. Vista roupas adequadas à atividade: botas e calças, e, se necessário, chapéu e luvas. Não dê instrumentos pontudos ou cortantes à criança e sempre que utilizados, ensine a lavar e a guardar tudo no lugar próprio. Escolha plantas que crescem rápido, pois a primeira experiência se for muito demorada, pode desestimular a criança fazendo com que perca o interesse pela jardinagem. Plantas que dão flores que liberam aromas são interessantes para trabalhar estímulos e descobertas. No caso de horta, invista em manjericão, cebolinha e hortelã. Crianças que ajudam a plantar hortas aprendem sobre alimentos saudáveis e estão aptas a desenvolver uma alimentação mais saudável. A higienização também faz parte do processo, pois lavar as mãos depois da brincadeira ensina bons hábitos à criança. Na era da urbanização e da tecnologia, o contato com a natureza é cada vez mais difícil e raro, mas apostar nesse tipo de atividade é importante para desenvolver a socialização e fazer com que os pequenos aprendam a respeitar o meio ambiente.

[close]

p. 11

11revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 12

Fotos: Catarina Paulino Fotografia Síndrome de Down: ser diferente é normal Oamor não conta cromossomo e nem nada deveria contar (excluem-se geneticistas e pesquisadores). Faça um exercício: olhe para as pessoas nas ruas. Note o quão diferente elas são: loiras, negras, altas, baixas, gordas, magras. Continue. Achará diferenças no modo de andar, de olhar, de se portar: não importa onde você esteja. Funcionam assim, as características apresentadas, por um indivíduo, que o torna único, são o que a ciência chama de fenótipo. Esse é causado pela somatória do genótipo (constituição cromossômica de cada individuo) a alterações de cunho temporal e ambiental. Acontece com todos os seres vivos. Em alguns indivíduos, a condição cromossômica resulta em síndromes, como é o caso da Síndrome de Down. Por alguma razão, ainda não totalmente esclarecida, as pessoas, com a também chamada trissomia 21, nascem com um cromossomo a mais. Suas características fenotípicas visíveis são, entre tantas outras, olhos amendoados, uma única prega palmar e protrusão da língua. 12 revistaplanetakids.com.br Eles são comumente reconhecidos como extremamente carinhosos, mas também podem ser agressivos, agitados e pirracentos, como qualquer um. Eles podem ter dificuldade na linguagem, mas muita gente também tem. Podem apresentar problemas clínicos peculiares e, provavelmente, terão algum grau de deficiência intelectual. Há mais de um século foram escritos os primeiros textos sobre o tema. O médico inglês John Langdon Down, que dá nome à síndrome, descreveu, em 1866, as características de uma síndrome, a qual chamara, na época, de mongolismo (termo considerado atualmente como pejorativo). Pouco tempo depois, o médico francês Jerome Lejéune identificou a alteração em um dos cromossomos. Os estudos deram inicio a um processo de desmistificação da síndrome, muito embora ainda exista a desinformação transformada em discriminação, preconceito e isolamento social. Entretanto, atentando-se à época anterior ao entendimento da condição genética ou até mesmo a informação mais aces-

[close]

p. 13

sível, os ganhos sociais foram significativos. Sabe-se que pessoas SD chegaram, inclusive, a serem internadas em manicômios. Atualmente, a luta é pela inclusão social. A ideia é de que os espaços em escolas regulares, empresas, convívios sociais estejam abertos a incluí-los. E que possam ser analisados pelos seus potenciais e pelo que podem desenvolver. Os estímulos começam cada vez mais cedo. Hoje, a síndrome pode ser descoberta ainda na gestação, entre a 11ª e 14ª semanas, através de um exame de rastreio, o One Stop Clinic for Assessment of Risk ( O.S.C.A.R). E o acompanhamento médico inicia para diagnostico de possíveis doenças associadas: ortopedistas, cardiologistas, neuropediatras, oftalmologistas, endocrinologistas, entre outros. Após o nascimento, os estímulos através da intervenção multidisciplinar ganha mais força com tratamentos com terapia ocupacional, fonoaudiologia, psicologia, psicopedagogia e fisioterapia. Obviamente, os profissionais e tipos de intervenções são escolhidos em dependência a cada caso. As práticas, o ambiente, a acolhida e a postura vão determinar o futuro das pessoas com Síndrome de Down. Porém, volte ao exercício, com você também não foi assim? Na verdade, aos poucos, percebe-se que ser diferente é normal e que “deficiências” são realidade de todos, só que algumas se apresentam mais visíveis que outras. Sonha-se que o futuro bem próximo seja significado de inclusão, de amor, de quebra de discriminações e de valorização de potenciais. Que as informações iluminem ignorantes e abram corações de preconceituosos. Que os espaços destinados a todos não existam mais só para alguns. Que a normalidade possa, finalmente, apresentar-se, paradoxalmente, diferente. Que o amor prevaleça. Afinal, ele não conta cromossomo. Larissa Domingues Terapeuta Ocupacional Sonha-se que o futuro bem próximo seja significado de inclusão, de amor, de quebra de discriminações e de valorização de potenciais. Que as informações iluminem ignorantes e abram corações de preconceituosos. 13revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 14

Para rir um pouco! SSorrir faz muito bem, além de trazer aquela deliciosa sensação de bem estar,pode ser um grande aliado da saúde,ajudando prevenir doenças e auxiliando o organismo a cumprir as suas funções diárias. E vamos sorrir mais! O 3º benefício é: Pressão arterial Um estudo realizado na escola de medicina da Univer- sidade de Baltimore, nos Estados Unidos, descobriu que rir diminui a pressão arterial, enquanto o estresse a aumenta. A equipe estudou 20 voluntários saudáveis, não fumantes, com idade média de 33 anos. Eles assistiam primeiro a um trecho de um filme que causasse estresse e, 48 horas depois, viam um filme de comédia. Antes de assistir a cada filme, os voluntários ficavam em jejum e submetiam-se a testes para saber como vasos sanguíneos respondiam a súbitos aumentos no fluxo de sangue. Ao final do estudo, foi revelado que o estresse reduz o fluxo de sangue em 35%. Já as risadas provocadas pela comédia fizeram com que o fluxo aumentasse 22%, reduzindo a pressão arterial. Paralelo a isso, ocorria uma limpeza dos vasos sanguíneos. Bora rir um pouco! E no supermercado — Olha, filho! Uma latinha com o seu nome! — Eu te odeio, pai! — Não diga isso, Mucilon. Quero um iPhone — Mãe, eu quero um iPhone! — Por quê? — Porque todo mundo comprou um. — E se todo mundo pular da ponte você também vai querer pular? — Claro que não. Eu vou ficar com o iPhone deles. 14 revistaplanetakids.com.br Pai Violento — Uma certa vez, Seu Lunga dando uma surra em um dos seus filhos, quando ainda pequeno o menino gritava: — Tá bom pai, tá bom pai, por favor, tá bom! Lunga responde: — Tá bom? Pois quando tiver ruim diga que eu paro. Ladrão na Casa — O filho conta calmamente para a mãe: — Mãe, hoje veio um ladrão aqui na nossa casa. A mãe desesperada pergunta: — Meu Deus! E o que ele levou? O filho responde: — Nada. Ele só veio pedir seu voto. Não Faça Isso — A esposa está na cozinha e escuta o marido na sala gritando com a TV: — Não! Não faça isso, seu idiota! A esposa pergunta: — O que você está assistindo? E o marido responde: — Nossa filmagem do casamento. Interesse do Joãozinho — Joãozinho liga tarde da noite para a professora: — Professora, você pode repetir o que falou hoje na aula? — Nossa, você achou tão interessante a aula? — Não é isso, é que eu não consigo dormir!

[close]

p. 15

15revistaplanetakids.com.br

[close]

Comments

no comments yet