Revista Planeta Kids edição 26

 

Embed or link this publication

Description

Revista para pais e educadores.

Popular Pages


p. 1

Conheça 5 benefícios de brincar Eles estão viciados em celular. O que fazer? Pais equilibrados, filhos mais felizes Quem educa as crianças: Os pais ou professores? Crianças na água! Os cuidados que devemos ter Dezembro/Janeiro/Fevereiro | 2015/2016 | Edição 26

[close]

p. 2



[close]

p. 3

índice 6 18 32 4 Por que seu filho precisa aprender inglês? 6 Quem educa as crianças: Os pais ou professores? 8 5 benefícios de brincar 10 Pais equilibrados, filhos mais felizes 12 Ouvir histórias pode ser a brincadeira mais divertida! 14 Como combater a inadimplência nas escolas particulares 16 Crianças na água! Os cuidados que devemos ter 18 1 o Concurso de Redação e Desenho “Colunista Mirim” 28 Para rir um pouco 32 Eles estão viciados em celular. O que fazer? 34 Receitas refrescantes Capa Criança: Bernardo Andrade Rocha Foto da capa: Catarina Paulino Contato: (31) 9477-1857 catarinamkt@yahoo.com.br Facebook: @catarinapaulinofotografia www.flickr.com/photos/catarinapaulino Expediente Dezembro, Janeiro, Fevereiro 2015/2016 ANO 7 - Edição 26 Diretor: Leonardo de Paula Editora: Ana Paula Meireles Assessora Jurídica: Carolina Benetti Jornalismo: Luciana de Freitas e Flávia Penido Revisão de Texto: Cecilia Euterpe Design e Diagramação: Laura Silveira Web Designer: Guilherme Augusto de Paula Colunistas: Guiomar de Grammont e Jane Haddad Tiragem: 15 mil exemplares Periodicidade: Trimestral Os anúncios e informações publicadas são de inteira responsabilidade de seus autores. É permitida a reprodução total ou parcial do conteúdo desta revista, com prévia autorização. revistaplanetakids.com.br contato@revistaplanetakids.com.br Para anunciar e assinar ligue: (31) 3054.5000 / 3568.5001 Retire sua revista nos nossos pontos de distribuição: Livraria Leitura: Shoppings Del Rey, Cidade, Boulevard, BH, Pátio Savassi, Loja Savassi, Paragem, Minas, Itaú Power, Estação, Big Shopping, Via Shopping, Betim Shopping. Drogaria Araujo (através a Vacsim): Praça da Bandeira, Hospital Vila da Serra, Gutierrez, Centenário e Pátio Savassi. Blitz em escolas, parques, praças, clubes e eventos. Acompanhe nosso Facebook e saiba onde acontecerão as blitz. Escolas particulares atraves do SINEP-MG (Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais) CURTA nossa FAN PAGE no /revistaplanetakids @planetakiids Veja as edições on-line revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 4

4 revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 5



[close]

p. 6

Quem educa as crianças: Os pais ou professores? N o sentido de proporcionar uma formação integral às crianças, pais e professores devem trabalhar em conjunto. Cada parte tem sua responsabilidade distinta sobre a criança e todos devem estar cientes de seus papéis. Cabe aos pais o dever de educar, passando valores morais, respeito, cortesia dentre outros comportamentos sociais e de convivência. O papel dos professores é receber a criança com tais noções adquiridas em casa e complementar esta educação ensinando os conteúdos escolares e preparando o aluno para a vida cultural e profissional. O problema é que a transformação sócio-política e econômica, de certa forma, foi responsável por uma desestruturação na base familiar e os pais, seja por qualquer motivo, não acompanham com a frequência esperada o de- 6 revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 7

sempenho dos filhos na escola empurrando ao professor o papel que lhes cabem. O que importa é que pais e professores devem visar o objetivo de formar um cidadão preparado para a vida, respeitando suas possibilidades e limites. É preciso dotá-los de competência e ajudar no desenvolvimento de habilidades preparando-os para a convivência em sociedade. Como vivemos num mundo onde existem regras para tal convivência, muitas Embora dentro de uma família existam regras de comportamento das quais a escola não interfere, é válido ressaltar que a função dos professores é formar o cidadão com conhecimento suficiente para torná-lo uma pessoa solidária, crítica, ética e participativa, com exigência, conscientização, observação e envolvimento. Combinando tais ensinamentos com os valores certos ensinados pelos pais, é possível supor que esta criança se tornará um adulto preparado, responsável e de bom caráter. das quais as crianças precisam cumprir, a função da escola é mostrá-las para as famílias. Embora dentro de uma família existam regras de comportamento das quais a escola não interfere, é válido ressaltar que a função dos professores é formar o cidadão com conhecimento suficiente para torná-lo uma pessoa solidária, crítica, ética e participativa, com exigência, conscientização, observação e envolvimento. Combinando tais ensinamentos com os valores certos ensinados pelos pais, é possível supor que esta criança se tornará um adulto preparado, responsável e de bom caráter. Os pais anseiam pelo melhor quando o assunto é o bem estar dos filhos e costumam pensar em seus desejos de imediato, diferente dos professores que educam de forma gradual, conforme a idade e capacidade do aluno, pensando no futuro, e não no agora. O ditado que diz que a educação vem de berço não poderia ser mais verdadeiro, afinal, os pais colocam filhos no mundo para que sigam seus próprios exemplos. Se existem pais que acreditam que a educação de seus filhos é de responsabilidade apenas da escola, deveriam repensar a própria condição... É necessário que pais e professores trabalhem juntos, mantenham diálogos e façam seus papéis para que assim possam caminhar para frente visando a boa formação da criança. 7revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 8

5 benefícios de brincar Otempo que as crianças gastam brincando pode parecer “bobeira”, mas faz com que elas desenvolvam habilidades indispensáveis, que vão preparando o cérebro para os desafios da vida. Brincadeiras livres e sem compromisso, além de serem prazerosas, são responsáveis por desenvolver a lógica, a criatividade e até os relacionamentos com outras pessoas. Quando a brincadeira é realizada entre pais e filhos, tais atividades possibilitam uma interação que fortalece o vínculo afetivo. As brincadeiras são muito importantes nesta fase da infância para que a criança se torne um adulto criativo e bem-sucedido. Estimulam o desenvolvimento Por meio das brincadeiras, as crianças desenvolvem habilidades que as acompanharão para o resto de suas vidas. Aspectos sociais, culturais, afetivos, físicos e cognitivos são importantes para formar a personalidade da criança. Estimulam a criatividade Colorir, representar papéis de personagens de histórias, criar objetos com massinha, pintar... Essas atividades colaboram para que a criatividade seja despertada trazendo grandes benefícios para o desenvolvimento das crianças. Incentivam a socialização Através das brincadeiras as crianças terão convívio com outras crianças, ou até mesmo com adultos. A socialização é importante para que os pequenos tenham noção de convivência além de aprenderem a dividir ou compartilhar, seja ideias ou brinquedos. Permitem que as crianças se expressem As crianças se expressam através de jogos e brincadeiras sejam no vocabulário usado, nos gestos e é até possível termos um vislumbre da forma como as crianças encaram o mundo e as situações que vivem. Fazem bem para a saúde Crianças que fazem atividades em espaços verdes apresentam um melhor funcionamento cerebral, menos sintomas de hiperatividade e déficit de atenção além de não correrem o risco de se tornarem obesas devido às atividades físicas de correr e pular. O lazer num espaço com muitas plantas também causa um efeito relaxante, o que torna as crianças mais tranquilas. 8 revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 9



[close]

p. 10

Pais equilibrados, filhos mais felizes Pais equilibrados e que sabem impor limites aos filhos na hora e na medida certa conseguem educar as crianças para serem felizes e emocionalmente sadias. Da mesma forma que existe um preparo para a realização de provas, entrevistas de empregos, viagens e tantas outras atividades importantes na vida, também é necessário um preparo para ser mãe e pai. O conhecimento sobre a situação vai gerar a segurança necessária para agir de modo coerente, pois tal conduta irá assegurar equilíbrio interno em relação a qualquer coisa na vida, incluindo a relação com os filhos. Uma criança não pode, e nem deve, ser criada solta, fazendo o que bem entende, quando e como quer. Os limites devem ser impostos desde cedo para que a criança aprenda e se torne um adulto de caráter e respeito. Um dos fatores mais importante é a segurança, física e emocional. As crianças precisam sentir-se seguras com seus responsáveis. Esta segurança está diretamente ligada ao grau de equilíbrio dos pais. Assim, cria-se uma relação de confiança e afeto na qual é possível se construir valores morais para que a criança tenha uma base a seguir. Desenvolver a autonomia dos filhos, dando-lhes tarefas e orientando-os como realizá-las também é importante. Crianças que cumprem com tarefas domésticas de acordo com a idade, assim como tarefas escolares, aprendem que responsabilidade é algo que todos precisam ter. É necessário haver uma rotina, pois assim as crianças absorvem o que devem fazer e levam aquilo como hábito. É importante estabelecer horários e regras a serem cumpridas, e, embora seja cansativo e exija muita paciência, principalmente, quando houver necessidade de aplicar castigos, vai poupar muito trabalho mais tarde. Pais equilibrados atendem as solicitações dos filhos usando de bom senso. Não se deve fazer todas as vontades deles a tempo e a hora, pois tal atitude transforma as crianças em indivíduos mimados ou entediados, que não se satisfazem com nada e sempre estão pedindo e exigindo mais. Se eles só aprenderam a ouvir o “sim”, o que será quando a vida real lhes der um belo e sonoro “não”? É necessário o bom senso para ceder da mesma forma que para negar. O diálogo deve existir para que os motivos das decisões tomadas sejam explicados, com autoridade e respeito, elogiando quando houver acertos e repreendendo quando erros forem cometidos. Fazer com que a criança reconheça 10 revistaplanetakids.com.br que é amada, ainda que esteja sendo repreendida, faz toda a diferença, pois embora tenha tido um mau comportamento, ela saberá reconhecer que a desaprovação não está sobre sua pessoa, mas em sua atitude. Dessa forma não se destrói a autoestima da criança já que ela irá se deparar com seus pais agindo de forma positiva em momentos de repreensão, fazendo com que reflitam e não voltem a cometer os mesmos erros. A partir daí essas crianças terão uma melhor noção de comportamento e convivência, tornando-as jovens equilibradas, autônomas, independentes e felizes. Um dos fatores mais importante é a segurança, física e emocional. As crianças precisam sentir-se seguras com seus responsáveis. Esta segurança está diretamente ligada ao grau de equilíbrio dos pais. Assim, cria-se uma relação de confiança e afeto na qual é possível se construir valores morais para que a criança tenha uma base a seguir.

[close]

p. 11



[close]

p. 12

Ouvir histórias pode ser a brincadeira mais divertida! Como o ser humano aprende a compreender uma narrativa, a ponto de se tornar um dia um contador de histórias? Essa pergunta sempre rondou os meus botões. Pois tive a resposta quando li o primeiro livro de histórias para meus netinhos gêmeos, Rufo e Flora. Com pouco mais de um aninho, eles não páram quietos um segundo. O mundo, para eles, é um parque de brinquedos, eles experimentam tudo. Sobem em móveis, derramam coisas, apertam botões, metem o dedo onde não devem. Cúmplices nas brincadeiras, um morre de rir quando o outro faz alguma travessura. Sem esperança de colocá-los quietos, sentei-me com eles no sofá e comecei a passar as páginas do livro. Eu não tinha como ler a história, pois eles não compreenderiam. Mal balbuciavam as primeiras palavrinhas. Comecei, então a criar uma outra narrativa, diferente da que estava no livro. Eu mostrava as imagens retratadas e inventava sons, caretas, risos e gestos, para contar eventos muito mais simples: o macaco corre atrás da onça, o passarinho aparece e canta, o sapo pula... De repente, meus netinhos endiabrados pararam toda a algazarra, acompanhando a narrativa maluca com olhinhos ávidos, em silêncio. Quando acabou toda a minha invenção, fiquei satisfeita. Enfim! Tinha descoberto uma forma de mantê-los interessados - e quietos - por alguns momentos. Cansada, fechei o livro, já pensando qual outra brincadeira eu iria bolar para mantê-los felizes. Eles não deixaram. Abriram o livrinho no meu colo, voltando à primeira página. “Mais, vovó, mais!” Só então entendi: eu tinha descoberto um brinquedo que eles tinham amado mais do que todos e o que fazer agora? Tinha que recontar, ao infinito, a mesma história, em fragmentos, da qual eu mesma já não me lembrava. Toca a inventar outra, vovó, e outra, e outra, e outra. Guiomar de Grammont Diretora do Instituto de Filosofia, Artes e Cultura da Universidade de Ouro Preto (UFOP), Escritora, Dramaturga, Historiadora e Filósofa. 12 revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 13

13revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 14

Como combater a Inadimplência nas Escolas Particulares Com o alto índice de inadimplência, muitas escolas fecharão as portas ainda neste ano. A previsão para 2016 é que até 12% dos alunos migrem para as escolas públicas. Em setembro deste ano, o Brasil contava com cerca de 57 milhões de consumidores inadimplentes. Dos atuais inadimplentes, quase 40% se concentram na Região Sudeste do país. E essa alta inadimplência, também chega às escolas particulares da região. O SINEP/MG estima que o índice de inadimplência nas escolas privadas possa chegar à 12% neste ano e que em algumas escolas de Belo Horizonte, a inadimplência já chega à 50%. Diz também que há um grande risco de muitas fecharem as portas ainda neste ano. Em outubro, a Serasa Experian divulgou que a inadimplência dos alunos de instituições particulares de ensino fundamental e médio aumentou 27,2% nos primeiros seis meses de 2015 em relação ao mesmo período de 2014. Uma pesquisa do Ibope, realizada em junho, mostrou que a crise econômica levou cerca de 13% dos entrevistados a trocar os filhos da escola privada para a escola pública de junho de 2014 a junho deste ano. Para 2016, o cenário não é muito diferente. Segundo a Federação Nacional das Escolas Particulares (FENEP) a estimativa é que até 12% dos alunos migrem para as escolas públicas. O cenário econômico brasileiro é perceptível em vários setores. A crise deixa um enorme rastro de desemprego e com isso, leva à tona a insegurança dos pais em relação aos estudos de seus filhos. Como o aluno tem o direito de terminar o período letivo, muitos ainda mantém seus filhos nas escolas particulares, mas tornam-se inadimplentes. Já outros, estão migrando das escolas particulares para a rede de ensino pública. Com isso, a única solução encontrada pelas escolas particulares para manter os alunos é dar descontos agressivos para a quitação da mensalidade até a data de vencimento, o que, além de diminuir o ticket médio, não necessariamente garante o recebimento pelos inadimplentes. Mas, como as escolas privadas podem diminuir o número de inadimplentes e a evasão dos estudantes? De acordo com pesquisa realizada pelo Serasa Experian, ao tentar encontrar soluções para dirimir as dí- vidas, cerca de 21% dos endividados utilizam o cartão de crédito. Ou os consumidores deixam de pagar o total das despesas no cartão de crédito, ou usam o crédito disponível no próprio cartão para sanar dívidas e continuar comprando. A partir daí, criamos uma estratégia de combate à inadimplência e redução de cancelamentos. A aliada dessa estratégia é a ferramenta Galax Pay de Pagamentos Recorrentes. Como funciona? Primeiro, a escola cadastra o cliente, o valor da transação, o seu respectivo cartão de crédito e a periodicidade da cobrança - mensal, trimestral, semestral, etc. Depois, as cobranças são realizadas em débito automático no cartão de crédito, na data do vencimento. Quais as vantagens? O Pagamento Recorrente diminui a inadimplência uma vez que a cobrança é feita mensalmente e através do cartão de crédito. Ou seja, além de ter a certeza do recebimento mensal, a dívida do seu cliente será com o cartão de crédito e não diretamente com você. Você ganha a fidelidade dos clientes e reduz o cancelamento de matrícula. Como o cartão de crédito é visto como um facilitador para compras, o cliente não precisa se preocupar com a data de vencimento da sua mensalidade. A cobrança é automática e impede o esquecimento e o possível endividamento com a escola. Outra vantagem do Galax Pay é que não é necessário pagar o aluguel da maquininha, o que implica um custo menor para o recebimento no cartão de crédito. A transação é feita online, de forma segura, tudo integrado diretamente com a Cielo. Está interessado?! Converse com um de nossos especialistas e marque uma visita em sua escola para uma demonstração. Entre em contato pelo telefone (31) 3332-0875 ou pelo e-mail comercial@construsitebrasil.com.br 14 revistaplanetakids.com.br

[close]

p. 15

A escola cadastra o cliente e o cartão de crédito, escolhendo o valor da transação e a periodicidade da cobrança. Depois, os pagamentos são realizadas em débito. Vantagens: Garantia de recebimento Reduz a inadimplência Aumenta a fidelidade dos clientes Reduz o cancelamento Sem aluguel de maquininha Reduz o custo de cobrança Otimiza o tempo Comodidade pra você e seu cliente Converse com um de nossos especialistas ou marque uma visita para demonstração. (31) 3332-0875 www.galaxpay.com.br 15revistaplanetakids.com.br

[close]

Comments

no comments yet