Revista Novos Tempos nº8

 
no ad

Embed or link this publication

Description

Revista institucional do Colégio Novos Tempos

Popular Pages


p. 1

REVISTA edição 8 EDUCAÇÃO INFANTIL No mundo dos animais! ENSINO FUNDAMENTAL Todos juntos contra o mosquito! ENSINO MÉDIO De olho no ENEM! O QUE ROLA NO IENT Acontecimentos, Notícias e muito mais ENSINO FUNDAMENTAL 2 Todos contra o Bullying! CADERNO ESPECIAL A história Os desafios da dasOlimpíadas

[close]

p. 2

rnt 8 ÍNDICE FALA EDUCADOR 03 EDUCAÇÃO INFANTIL 04 FUND. I 06 REVISTA FUND. II 08 edição 8 ENSINO MÉDIO 10 MATÉRIA ACONTECIMENTOS ESPECIAL DE CAPA OLIMPÍADAS NT ESPORTE CLUBE TALENTOS IENT 12 15 16 18 19 Quando falamos em alfabetização o primeiro pensamento sobre esse procedimento é que ele garanta às crianças, ao entrarem para a escola, o aprendizado da escrita e leitura. De modo geral, esse raciocínio não está errado, mas requer cautela, pelo fato de ser uma das etapas importantes da educação formal. Alfabetizar implica basicamente no ensinamento de escrever e ler, porém, possui uma série de fundamentais atividades cognitivas, metodológicas e de socialização. Assim, essa fase se tornou engrenagem motora ao longo da evolução humana, pela necessidade dos homens em se comunicar e decifrar códigos. De acordo com os registros históricos, o processo de alfabetização vem se desenvolvendo conforme a sociedade se modifica e se adapta ao avanço das eras. O artigo “Percurso Histórico dos Métodos de Alfabetização”, da professora Onaide Schwartz Mendonça, da Universidade Estadual Paulista (UNIVESP), apresenta a história da alfabetização dividida em quatro períodos. O primeiro na Antiguidade se estende até a Idade Média. Nesse tempo, o único método existente era o da soletração. Já nos séculos XVI a XVIII, iniciou-se o segundo período, que foi até a década de 1960, marcado pela rejeição ao método da soletração e criação de novos modelos sintéticos e analíticos de ensino. Neste período as cartilhas foram criadas, amplamente utilizadas, e analisadas à luz da linguística. O terceiro período iniciou-se em meados da década de 1980 com a divulgação da teoria da Psicogênese da língua escrita, que ficou marcado pelo questionamento da necessidade de se associar os sinais gráficos da escrita aos sons da fala para se aprender a escrever. E o quarto período, que é o atual, denominado de “reinvenção da alfabetização”. Este último período discute a necessidade da organização do trabalho docente e a sistematização do ensino para alfabetizar letrando. No entanto, você deve estar se perguntando, afinal,o que é a alfabetização? É um processo que envolve o domínio amplo de compreensão e uso da linguagem, fatores que formam a base para a socialização. Em suma, alfabetização é a chave para uma boa formação, pela qual se adquire o domínio de um código e das habilidades de utilizá-lo para ler e escrever, ou seja: o domínio da tecnologia -do conjunto de técnicas- para exerceraarteeciência daescrita. Portanto, todas as metodologias de alfabetização tem o interesse de encontrar a melhor forma para aplicar o ensinamento às crianças. Então, o que é preciso entender, é que independente do procedimento de alfabetização utilizado, exige respeito ao seu tempoecicloparaser assimilado. Segundo a psicopedagoga, Lourdes Eustáquio Pinto Ribeiro,em seu livro didático 'Para Casa ou Para Sala?', uma colocação interessante para a alfabetização, no sentido de não apenas objetivar a ensinar, a ler, escrever e calcular, mas “promover o desenvolvimento das competências e potencialidades do aluno visando a formação integral sujeito-aluno; isto é, um cidadão que pensa, vê, sente, observa o mundo[…] constituído de vários saberes e experiências...”. Por fim, o ato de alfabetizar é um processo para a vida toda, que precisa da compreensão e apoio para o estudante evoluir no aprendizado. EDITORIAL InACstvoi.tnPutrtaeogfEeedmituo/cGMaiclGiDo-ninCaiElzNP, 3:o73v32o0-sC1T3ee-n6mt5rp0oos www.ient.com.br decom@ient.com.br facebook.com/colegionovostempos twitter.com/novos_tempos gooIngslyetoa+ug/Ctruaobmleeg:.c@ioonmcoo/lvneoogsvitooensmtoevpmoossptcoeomsnttvpaogsem Diretora Geral: AGMlaubanrroiiesalcadoaAnsnvGitduraançdeaosss/M(Hm.eAaittroéarrúiHjaoed-neGrcilqaícupiaea)/: Maria Carolina 02 Revista Novos Tempos / Expediente DECOM (Departamento de Comunicação, Marketing e Esportes) GJEOSRTNOARL: IISnTáAci:oVdicetoFrreMitaacshMadaioa(AMrTaBúj-o 13237/MG) CODLERASEBIVOGIRNSAÃGÇORÃ:ÁPOFr:oICCfo.OVo:riJndeíecnfieuarsçsãJooonsPéPeiAdmlavegenóstgaica e Professores IENT IMPRESSÃO: Gráfica CGP TIRAGEM: 2 mil Exemplares Aluno: Lucas Henrique

[close]

p. 3

fala educador LAIRA LAGES A nossa convidada da vez é casada há 16 anos com o educador Maurício de Oliveira Mascarenhas e mãe de dois filhos: Marcello,de 12 anos,e Karla,de 7. Nesta edição conversamos com a gestora administrativa, Keyla Glícia de Freitas Maia Mascarenhas, de 41 anos. Keyla tem pós-graduação/MBA em Gestão de Instituições de Ensino, pela Fundação Pedro Leopoldo, é bacharel em Administração de Empresa (FGG/UNA) e possui licenciatura plena em Ciência Matemática pelo UNI-BH. Além de já ter recebido diversos prêmios e homenagens ao longo dos anos. Keyla conta que gosta de trabalhar com educação porque, apesar de ser uma missão muito difícil, é fundamental na vida das pessoas. “É gratificante a oportunidade de participar e fazer diferença no desenvolvimento da sociedade, na formação das pessoas. Nenhum dia é igual ao outro. Estar na escola é estar REVISTA edição 8 REFLETINDOSOBRE O passa por diferentes fases. Assim, como antes de DESENVOLVIMENTO HUMANO andar a criança rola, engatinha, tropeça para depois Tudo na natureza tem seu tempo. A árvore para caminhar; para ler e escrever, nossos alunos precisam crescer e lorescer, precisa de uma boa semente observar, identificar, experimentar, questionar, plantada em terra fofa, água, luz e, claro, muito PENSAR, para depois, construir. Esta construção carinho. A lagarta para transformar-se em borboleta requer tempo, incentivo, “tropeços” e muita passa por um lento processo no qual cresce a pele, paciência. descansa por um certo período, para depois, Se quisermos que nossas crianças, que hoje são finalmente, criar asas e voar… frutos, cresçam fortes e resistentes, devemos investir Assim também acontece com a vida humana. No desde a educação infantil, na formação de cidadãos entanto,somos seres especiais e durante toda a nossa atuantes e profissionais dinâmicos, criativos e e x i s t ê n c i a , p a s s a m o s p o r e t a p a s d e competentes.Esta deve ser a meta de uma instituição desenvolvimento,seja ele físico,social ou cognitivo.O educacional comprometida e capaz de superar os bebê para ser gerado, precisa de nove meses d e s a fi o s d e s t a s o c i e d a d e, g l o b a l i z a d a e acalentado no útero da mãe, para a formação de seus paradoxalmentedesigual,emquevivemos. órgãos e sentidos.Neste período,é preciso paciência, Assim, espero que nós, educadores e Pais, saibamos dedicação e muito amor, para que nada aconteça respeitar com paciência, o tempo de cada criança, antes da hora, prejudicando o desenvolvimento da incentivando-as e permitindo que cresçam longe da criança. alienação e da memorização supér luas de conceitos Depois de seu nascimento, inicia-se o processo de descontextualizados. aprendizagem cognitiva, que é constante, ou seja, Que sejamos capazes de extinguir as barreiras que dura pela vida toda.A criança aprende a falar,a andar, “atropelam” o fantástico desenvolvimento humano, a alimentar-se e a viver em grupo. Chega, enfim, a afinal, é exatamente a capacidade de PENSAR e idade escolar e, com esta idade, a cobrança imediata: construir que nos tornam diferentes dos demais seres “É hora de aprender a ler e escrever”. Eis aí a nossa vivos! preocupação. A alfabetização é um processo que PINGKEYLA GLÍCIA em uma 'roda viva'. Por isso, gosto bonitaparavocê? sempre de citar a frase do filósofo e Keyla:Amor. PONG pedagogo, John Dewey: 'A educação é RNT:Umapalavraquenãoteagrada? u m p r o c e s s o s o c i a l , é Keyla:Injustiça. desenvolvimento.Não é a preparação RNT: Qual estilo literário você mais para a vida, é a própria vida. ” gosta? RNT: Qual sua fruta preferida? Keyla: Romance. RNT: Umfilmeinesquecível? Keyla: Pêra. RNT: Qual esporte olímpico que você mais gosta de ver? Keyla: Ginástica Rítmica. RNT: Pratica esporte ou atividade física? Qual? Keyla: Sim, Atualmente prático o Keyla: Top Gun: Ases Indomáveis. RNT: Umasériefavorita. Keyla: A Super Máquina. RNT: Na sua bolsa não pode faltar, o que? Keyla: Meus óculos e um protetor solar. RNT: Do que você mais tem medo? Hiit, mas gosto muito de dançar. RNT: Um esportista que você tem como referência de dedicação, superação e sucesso? Keyla: Violência. RNT: Nasuaopinião,oqueodinheironão pode comprar? Keyla: Tudo relacionado à essência Keyla: Ayrton Senna. RNT: Qual música você mais gosta de ouvir (nome e artista)? humana (paz, saúde, amor, amizade felicidade, etc.) RNT: Definaeducaçãoemumapalavra? Keyla: I will always love you, da Keyla:Desenvolvimento. Whitney Houston. RNT: Qual a palavra mais 03

[close]

p. 4

EDUCAÇÃO INFANTIL REVISTA edição 8 Aluna: Isabela Sartori Aluno: Guilherme Bertoni Lient na minha casa O projeto “Lient na Minhas Casa” chegou a mais uma edição, em 2016. O mascote do colégio foi entregue a cada turma do segmento e os alunos o levaram para passar um final de semana em casa, onde eles deviam cuidar dele com a ajuda dos familiares. Essa experiência depois é apresentada para a classe na forma de um diário. INFORMAÇÃO O aluno João Pedro Honorato, do 2º período A, com a ajuda dos pais, elaborou e apresentou uma mini-palestra sobre “Intolerância a Lactose”. Ele falou sobre como é ter essa complicação e apresentou para os coleguinhas quais são os alimentos mais indicados que pode comer. DIA DO ÍNDIO Neste ano, o Dia do Índio foi comemorado de uma maneira muito especial pelos alunos. Além dos trabalhos feitos em sala de aula com orientação das professoras, os pequenos puderam ter contato com uma série de objetos da cultura indígena como arcos e cocares, entre outros. 04 PROJETO HORTA Neste semestre foi lançado o projeto “Horta do Infantil”. Os alunos, orientados pelas professoras, tiveram a oportunidade de plantar algumas sementes. A diretora Glícia fez questão de participar do primeiro plantio da horta. De acordo com a coordenadora Mirela Brito, o objetivo do projeto é trabalhar a conscientização dos alunos sobre a alimentação saudável sem agrotóxicos, a produção sustentável e orgânica. A primeira colheira já foi feita pelos próprios alunos. MANHÃ DE PIJAMA A turminha do Maternal Manhã, veio de pijama, pantufas, coberta e travesseiro curtir o projeto “Manhã de Pijama”. Com música relaxante, histórias contadas pela professora, eles ainda tiveram direito a uma sonequinha depois das atividades.

[close]

p. 5

REVISTA edição 8 CULMINÂNCIA DO INFANTIL “O Segredo dos Animais”: Onde e como vivem? Do que se alimentam? Qual a importância de cada um para nosso ecossistema? Foram essas as principais perguntas respondidas pelos alunos, na Culminância da Educação Infantil que aconteceu em março. Os visitantes puderam descobrir uma infinidade de curiosidades sobre os bichos da fazenda,de jardim e do fundo do mar na exposição dos trabalhos. O evento, repleto de criatividade nos projetos expostos e apresentações de dança, trouxeram para o palco montado no Ginásio, os alunos fantasiados conforme os mais variados animais, que arrancaram aplausos entusiasmados dos pais e familiares presentes nas arquibancadas. Parabéns a toda equipe que proporcionou um show nos trabalhos,decoração, apresentações e às famílias que participaram de mais este evento do IENT. PÁSCOA DIVERTIDA Os alunos do Infantil se divertiram bastante na surpresa de Páscoa que tiveram: o Coelhinho veio fazer a alegria das crianças e trouxe consigo uma lembrança muito especial para as turminhas! DIA DO LIVRO Em comemoração ao “Dia Nacional do Livro Infantil’ em 18 de abril, as crianças tiveram uma aula especial sobre os cuidados que devemos ter com nossos livros para mantê-los sempre em bom estado. Além disso ganharam algumas lembranças preparadas pelas professoras! MEIO AMBIENTE Os alunos do Infantil trabalharam, e muito, a importância da preservação do Meio Ambiente. Foram apresentações na ‘Sacola Literária’, além de atividades e cartazes falando sobre como devemos cuidar do nosso ecossistema. NÚMEROS Os alunos do 1º período fizeram um trabalho divertido ‘Brincando com os números’. Nele aprenderam a contar e identificar quantidades. 05

[close]

p. 6

Aluno: Yuri Gabriel Aluna: Ana Catarina Amaral ENSINO FUNDAMENTAL I REVISTA edição 8 CULMINÂNCIA DE PROJETOS A culminância do Ensino Fundamental I foi um sucesso. A “Passeata Contra o mosquito Aedes” aconteceu em maio e percorreu uma parte da Av. Prefeito Gil Diniz. O evento mobilizou toda a comunidade escolar e a regional Centro/Sede. A passeata contou com a presença das famílias dos alunos, que desfilaram em blocos mostrando a importância da prevenção e do combate ao mosquito transmissor de tantas doenças. A criatividade tomou conta da passeata com os alunos motorizados vestidos de soldados e personagens como: doentes, médicos, enfermeiros, fumacês e o próprio mosquito, que ali não teve vez! Embalados pelo som da banda 12 de Março e com apoio de agentes da Transcon, mais de mil participantes percorreram o trajeto apoiando o trabalho dos alunos no combate ao mosquito! Parabéns a todos os envolvidos! REPÓRTERES MIRINS ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES As notícias de jornais foram utilizadas como forma de aprendizado, unindo todas as matérias aprendidas em sala de aula,ao serem analisadas de forma crítica pelos alunos do Fundamental I.Os alunos do 4º e 5º ano,dentro do projeto Maleta de Notícias,trazem toda semana uma reportagem para discussão com a turma. A iniciativa tem feito com que nossos alunos se tornem repórteres e o resultado são notícias cada vez mais interessantes. Nos primeiros meses do ano foi realizada a eleição para representante e vice-representante de turma. E a escolha no colégio teve apresentação dos candidatos e suas propostas, com direito a cartazes e debate. O processo de votação ocorreu como numa eleição e fez com que os alunos compreendessem a responsabilidade na escolha de seus líderes. 06

[close]

p. 7

MINHOCA LETRADA Os alunos dos 1º anos F/G, professoras Milena e Angélica, receberam a visita de uma personagem super divertida: ‘‘A minhoca letrada’’. Segundo a professora Angélica, o objeto contribuiu muito para o estímulo da leitura,afinal as crianças se divertiam puxando a língua do animal, que era composta por diferentes sílabas e eram desafiadas a formarem diversas palavrinhas. Foram momentos lúdicos que geraram grande aprendizado! PROJETO LITERÁRIO REVISTA FRUTAS! edição 8 Nos últimos anos temos ouvido falar muito sobre como termos uma alimentação saudávelpara uma melhor qualidade de vida.E as turmas do 3º ano das professoras Rita de Cássia, Franciane Diniz e Flávia Diniz aprenderam em sala, a importância das frutas para nosso corpo e no laboratório da escola puderam saboreá-las. A experiência foi muito gostosa e os alunos aproveitaram bastante! A leitura e a escrita são hoje um dos maiores desafios das escolas. Pensando nesse contexto, as professoras do 2º ano, Renata Christina, Carla Souza e Fabíola Nascimento criaram o Projeto “Quem conta um conto aumenta um ponto...” Segundo a professora Renata, a partir desse projeto, é possível fomentar o prazer pela leitura,estimular a capacidade de interpretação e a produção por meio da contação de histórias. As crianças vivem momentos de fantasia em horas do conto promovidas pelos próprios coleguinhas e depois,cada uma escreve um final diferente para a história que foi contada. Tudo isso está sendo registrado e formará um livrão da turma que no final do ano será encaminhado para a biblioteca do IENT. OLIENT DA MATEMÁTICA VIAGENS FANTÁSTICAS Visando estimular o estudo da matemática, as professoras do 4º ano, Ana Patrícia, Viviane Ambrósio e Renata Oliveira, realizaram uma atividade desafiadora. Criaram a ‘‘OLIENT da Matemática’’ e conseguiram despertar nos alunos o gosto pela disciplina. As crianças participaram demonstrando empenho e satisfação. Foi sensacional! Já pensou viajar o mundo inteiro sem gastar nenhum real? Basta usar a imaginação e criatividade e embarcar num mundo de aventuras, viagens inacreditáveis, mágicas e inesquecíveis. Os alunos do 5º ano prepararam um livro recheado de histórias para todos os gostos.Intitulado“Viagens fantásticas”,a edição proposta pela professora Rejane Teodoro, trouxe elementos inimagináveis criados pelos alunos e seus mais variados destinos. Parabéns turma! PREMIAÇÃO Os alunos que se destacaram no trimestre, receberam a premiação dos projetos Soletrando, Matemática Divertida, Geografando e Historiando. As medalhas e certificados foram entregues pelas professoras àqueles que se saíram melhornasdisciplinas. Valeuturmas! 07 Veja mais notícias acessando: www.ient.com.br

[close]

p. 8

ENSINO FUNDAMENTAL II REVISTA edição 8 Aluno: Estevão Amaral Aluna: Isabelle Heringer maquetes sobre arquitetura As construções, para muitos, podem parecer simplesmente espaços erguidos com tijolo e concreto, porém, quando se tem um olhar mais artístico para elas você pode se surpreender. Isso tudo foi debatido e ensinado aos estudantes dos 7º anos, na disciplina de Artes,do professor Wanderson Lima.Como trabalho,os alunos tiveram que montar maquetes de construções arquitetônicas, como a Igrejinha da Pampulha, o conjunto Arquitetônico do Planalto Central (Brasília), a Torre de Piza, o Coliseu de Roma, entre outras, para apresentar a 'Arte Edificada'. Os resultados foram maquetes muito legais e criativas, dignas de aplausos. ATIVIDADES DE MATEMÁTICA Nas aulas de matemática não tem como fugir das operações básicas. Mas com criatividade, ela pode ser super divertida e fácil de aprender! Os professores da disciplina têm realizado uma série de atividades que estão ligadas à matemática, como por exemplo o trabalho de 'Formas Geométricas'; brincadeiras com jogos antigos, como banco imobiliário, varetas e outros; a comemoração do Dia da Matemática, com jogos em grupo. Tudo para tornar ainda mais atraente a disciplina e o aprendizado dos alunos. Parabéns aos professores pela iniciativa. LINHA DO TEMPO Um dos trabalhos mais interessantes do primeiro trimestre teve a junção das disciplinas de História e Matemática nos 6º ano A e B. No projeto “Linha do Tempo”, os alunos apresentaram momentos de suas vidas numa linha temporal de acontecimentos mais importantes até os dias atuais. A contagem dos anos e a divisão cronológica de como a apresentação foi elaborada, expôs várias fases da vida dos estudantes representadas com fotos, objetos, roupas, cartas e etc. Parabéns aos professores Márnio e Luciana, juntamente dos alunos, pelos trabalhos. 08

[close]

p. 9

teatro das estações Os alunos dos 6º anos tiveram que usar a criatividade para apresentar as quatro estações do ano por meio de teatro, para seus colegas de sala. O projeto, trabalhado pela professora Patrícia Diniz nas aulas de geografia usou como tema a primavera, o verão, outono e inverno. Os alunos abusaram da criatividade nas apresentações. Parabéns aos alunos. REVISTA edição 8 COMBATE AO MOSQUITO Os estudantes do 8º ano trabalharam em sala de aula o mosquito Aedes e com uma abordagem mais clara para que todos compreendessem, eles ficaram incumbidos de criar uma pequena peça teatral para falar do tema. Os alunos capricharam na apresentação,com direito a cenário,figurino e no palco, os principais personagens: a fêmea do mosquito da dengue e os agentes de controle que se misturaram a outros, como dona baratinha e o mosquito. Os estudantes se apresentaram para os alunos do Fundamental I e Educação Infantil, além das demais turmas do 8º ano. O projeto foi supervisionado pela profª Meire Cardoso. CONTRA O BULLYING No início de junho, os alunos do Fund. II receberam em sala de aula a visita de alunos do Ensino Médio que pesquisaram e preparam vários materiais para realizarem uma série de palestras sobre Bullying. Várias informações e discussões foram abordadas no encontro entre os segmentos. A proposta da atividade segue a linha da escola de promoção da campanha de conscientização contra esta prática. As palestras foram um sucesso e a interação entre as turmas foi de grande valia. Parabéns a todos os envolvidos! CINEMA NAS AULAS DE ARTE Luz, câmera e ação! Foi assim a apresentação dos alunos do 9º ano sobre o cinema. O tema, abordado na disciplina de Artes, com orientação do professor Wanderson Lima, consistiu na apresentação pelos estudantes, de um filme do qual gostavam e apresentassem para os demais. Eles trouxeram os personagens com sua caracterização original e maquiagem, além de cartaz e trabalho escrito. Um verdadeiro espetáculo. Parabéns aos alunos! TEATRO COM FANTOCHES Com muita criatividade, os alunos do 7º ano montaram em casa fantoches para recontar contos infantis nas aulas de artes. O sucesso foi tamanho que eles irão se apresentar para as crianças da Educação Infantil. 09

[close]

p. 10

ENSINO MÉDIO REVISTA edição 8 Aluna: Paola Mariano Aluno: Gabriel Viana TRABALHO CONTRA O BULLYING Os estudantes do colégio participaram de uma atividade educativa, onde produziram materiais para a campanha de conscientização sobre intimidação sistemática (bullying), que a escola está promovendo. No laboratório de informática, os estudantes da 1ª série, do Ensino Médio,pesquisaram e criaram pan letos,áudios e vídeos para apresentar para as turmas do Ensino Fundamental II. Os alunos foram coordenados pela professora de produção de texto, Udicéia Crisóstomo. De acordo com a professora, a iniciativa promove mais conhecimento sobre o assunto tanto para os alunos que estão apresentando quanto para os que estão assistindo.“Esse tipo de trabalho permite discutir a diversidade, respeito, preconceito e o mais importante, entender as características do bullying, o que é bem diferente de uma simples brincadeira, além, disso os alunos estudam o tema para explicá-lo para outros alunos e isso é muito agregador”, disse Udicéia. DIA D DO TERCEIRÃO Os alunos da 3ª série do Ensino Médio tem dado um show de criatividade no já tradicional ‘‘DIA D’’. A atividade, que consiste em vir para o colégio caracterizado com a temática do dia, tem feito muito sucesso e este ano ganhou a participação de toda a sala no espírito da brincadeira.Até o final do ano, a turma promete surpreender! PALESTRA TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO O colégio Novo Tempos foi convidado a participar do encontro na Universidade PUCMINAS/Contagem realizado em maio com palestra para tratar o tema “Integração do Rio São Francisco”, incluído no programa “Águas para Todos”, que teve como palestrante o professor Márcio Keles que, em fevereiro deste ano, realizou uma expedição pelo São Francisco, tendo a oportunidade de visitar todas as obras da transposição, fotografar, filmar e entrevistar moradores. Quatro alunos do Ensino Médio, Helton e Indyanna (3ºL), Isabela Nayara (1ºM) e Raquel (2ºM) foram os selecionados, juntamente, com o coordenador pedagógico, Maurício Mascarenhas, para participar do evento. 10 SIMULADOS DO ENEM A parceria do Colégio Novos Tempos com o Sistema de Ensino Bernoulli fez uma atividade virar rotina na vida dos alunos do Ensino Médio: Os simulados para o Exame Nacional do Ensino Médio – o ENEM, que são realizados aos sábados. Os estudantes testam seus conhecimentos na prova, além de fazerem todos os procedimentos exigidos no dia do exame (horários, documentos necessários, entre outros). Os resultados são entregue pelo mesmo método adotado pelo Enem, pela Teoria de Respostas ao Item (TRI).

[close]

p. 11

CONHECIMENTO ALÉM DA SALA DE AULA No dia 4 de junho, os alunos do Ensino Médio assistiram a peça teatral “Galileu Galilei”, no teatro Sesiminas, em Belo Horizonte. No elenco a atriz Denise Fraga interpreta o cientista perseguido pela Inquisição por afirmar que o sol é o centro do universo. Os professores Davidson HCL (Química) e Udicéia (Produção de Texto) acompanharam os estudantes, que curtiram a montagem da peça em cima do texto do dramaturgo Bertold Brecht. A produção do espetáculo foi da Rubim Produções, que fez o convite à escola para participar do evento. REVISTA edição 8 DESAFIO NACIONAL ACADÊMICO As equipes Wolfpack e 2M, formadas por estudantes do Ensino Médio do colégio, se classificaram para a próxima etapa do Desafio Nacional Acadêmico (DNA), entre os dez melhores colocados. O DNA chega a décima edição com o objetivo de levar os participantes a adquirirem novos conhecimentos enquanto buscam respostas às tarefas propostas. É também mostrar que se pode contribuir para a educação em nosso país, com novas formas de avaliação. Os professores Oya e André Silva orientaram os alunos: Ana Luisa Firmino, Andre Gonçalves , Arthur Vaz , Júlia Moreira , Maria Eduarda Fontes, Aline De Oliveira , Jamille Sanches, João Victor Vidal, João Vitor De Carvalho e Mariana Branco . Parabéns a todos os envolvidos! ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Foi realizada uma palestra sobre o Mercado de trabalho e conexões (relacionamento) para os estudantes da 3ª série do Ensino Médio. Afinal, é neste momento da vida que eles se vêem diante da indagação: Qual profissão você vai seguir? O que você vai querer ser como profissional? A palestra foi ministrada pelo professor Adalberto Carneiro, graduado em Administração de Empresas, com especialização em Gestão estratégica de Logística e Mestrado em ADM. MONITORIA CERTIFICADOS Nossos alunos tem demonstrado cada vez mais o interesse e comprometimento com as atividades de casa. Percebem a importância dessas atividades no processo de aprendizagem. Como incentivo e valorização dessa prática, ao final de cada trimestre os alunos que realizam todas as atividades propostas recebem um certificado. É um momento significativo para cada um deles. Parabéns aos alunos que receberam o certificado dessa primeira etapa do ano letivo de 2016. Acreditamos que a educação é uma prática social baseada na socialização de saberes entre os educandos. Nessa perspectiva, desenvolvemos o projeto de Monitoria Pedagógica que consiste na cooperação dos alunos em compartilhar saberes de acordo com o conteúdo trabalhado, ou seja, alunos auxiliam alunos no processo ensino aprendizagem. Essa prática, tem apresentado um resultado muito positivo. A monitoria é uma forma de incentivar o hábito de estudo contribuindo na aprendizagem individual e coletiva. 11

[close]

p. 12

REVISTA Os desafios da - edição 8 Aluno: Heitor Henrique - Aluna: Maria Carolina de Paula “Na verdade, o domínio sobre os signos linguísticos escritos, mesmo pela criança que se alfabetiza, pressupõe uma experiência social que o precede – a da 'leitura' do mundo.” Paulo Freire (educador, pedagogista e filósofo brasileiro) “Os desafios… são vários. Essa questão é muito ampla, pensando em nível de Brasil, considero que infelizmente não conseguimos desenvolver o processo de alfabetização da melhor forma. Acredito que muitas crianças não têm a oportunidade de desenvolver a habilidade (da leitura/escrita), pois são pouco estimuladas… os recursos nem sempre são disponibilizados da maneira correta e às vezes a escola prepara o aluno para simplesmente decodificar letras e sílabas, isso não basta… afinal, junto à capacidade de ler é preciso desenvolver outras habilidades como interpretar, inferir e argumentar”. Esses pontos são alguns dos inúmeros desafios, da alfabetização, colocados pela pedagoga Laira Lages, coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental I do Colégio Novos Tempos, graduada em pedagogia pela UFMG, e com duas pós-graduações, uma em Metodologia do Ensino Fundamental e a outra em Pedagogia Empresarial, pelo Centro de Estudos e Pesquisa Educacionais de Minas Gerais (CEPEMG). Paulo Freire, em toda sua obra defendeu sempre o grande desafio para o sistema alfabetizador do país, a construção de uma escola democrática que oportunize aos alunos obter uma consciência crítica, capaz de despertar em cada um as tomadas de decisões. Os apontamentos de Freire, ainda estão presentes, mas não estão mais sozinhos. Mesmo com alguns avanços no setor educacional, como apresentou o Education at a Glance 2015, da Organização para Cooperação e Desenvolvimento (OCDE), que mostra o país entre os que mais investiram em Educação, nos últimos anos, o Brasil tem um longo caminho para melhorar o sistema educacional no país e consequentemente seu processo alfabetizador. Os dados estão no 11º Relatório dos Objetivos da Educação para Todos/2000-2015, divulgado em abril, onde seis metas de educação foram determinadas para serem alcançadas. De acordo com o relatório, o Brasil completou, apenas, duas das metas: universalizar o acesso à educação primária (1ª ao 5 ano do ensino fundamental) e a meta da igualdade de gênero na escola. Mais desafios A professora da educação infantil, Renata Salles, 35 anos, com graduação em Serviço Social (PUCMinas) e pós-graduação, em Alfabetização e Educação Infantil, pelo (CEPEMG) reforça que as dificuldades, como a “desigualdade social e o analfabetismo funcional são uns dos aspectos que mais desafiam e prejudicam a nossa educação.Afinal,ainda encontramos, crianças que avançam no ciclo, mas não conseguem ler nem escrever, então, pensar como vencer essas estatísticas, talvez seja, hoje, o principal desafio de modo geral”, disse Renata. Para a coordenadora Laira Lages, infelizmente, outro desafio da lista, é a formação dos alfabetizadores, que de forma geral é precária, no país. Ela explica que hoje, é comum encontrar professores formados que desconhecem, simplesmente, como funciona o processo de alfabetização, quais os principais métodos, etc. “Muitas vezes, o professor só aprende a trabalhar quando já está em sala de aula”, e aponta outro desafio relevante: “a falta de estímulo e acompanhamento familiar, se tornou outro problema. Hoje em dia, a maioria dos pais e mães trabalham fora e, assim, muitos terceirizam o acompanhamento escolar de seus filhos”, alertaapedagoga. O con lito de metodologias sempre esteve na pauta dos desafios de apresentar um planejamento para a alfabetização. Para entender isso, precisamos recorrer a história. O artigo “Percurso Histórico dos Métodos de Alfabetização” da professora Onaide Schwartz Mendonça, da Universidade Estadual Paulista (UNIVESP), apresenta a história da alfabetização em quatro períodos. O primeiro na Antiguidade, até a Idade Média com a metodologia da soletração. Já nos séculos XVI e XVIII, iniciou-se o período dos modelos sintéticos e analíticos, por meio das cartilhas, utilizadas exaustivamente, até a década de 1960. O terceiro período começa em meados da década de 1980 com a divulgação da teoria da Psicogênese da Língua Escrita (Construtivismo), onde os alunos possuem o papel ativo de aprendizado ao construírem o próprio caminho para o conhecimento. E temos o período atual, denominado “reinvenção da alfabetização”, que discute a necessidade da organização do trabalho docente e a sistematização 12

[close]

p. 13

Aluna: Gabriela Antunes Professora Renata Salles do ensino para alfabetizar letrando. A coordenadora Laira Lages explica que no Novos Tempos é seguido a proposta pedagógica sociointeracionista, é um modelo que expande as possibilidades de aprendizado com o foco na interação. Segundo ela, a aprendizagem acontece em diversos contextos seja históricos, sociais e culturais. Assim, o conhecimento real da criança é o ponto de partida para o conhecimento potencial. Entretanto, Laira diz que pensar em trabalhar só com um único método, atualmente, é complicado. “Todos (métodos) têm vantagens e desvantagens. Buscamos o melhor que há em cada um e criamos o nosso método de alfabetização, lembrando FASES REVISTA que as crianças possuem comportamentos e perfis diferentes. Podemos fazer nosso próprio método, usando bom senso, criatividade, conhecendo bem os alunos, buscando novidades e abusando da experiência que cada professora tem em sala de aula”, destaca Laira. Pós-graduada em Alfabetização e Letramento pelo CEPEMG, a professora da Educação Fundamental, Fabíola Nascimento, 33 anos, formada em Pedagogia pela FUMEC, e cursa a segunda pós-graduação, em Psicopedagogia, pela Nova Faculdade, expõe que discutir o método como desafio, hoje, não se encaixa mais no contexto, o que se pode re letir é encontrar um método como um caminho e não desafio. “Hoje, cada aluno aprende de forma subjetiva, por isso, eu trabalho e adéquo as aulas da melhor forma e o desempenho individualde cada aluno.Seja no modo sintético, analítico, alfabético ou fônico, o que interessa é o aprendizado das crianças”, disse Nascimento. Por isso, Fabíola considera e reforça que os desafios da alfabetização, hoje, não estão atrelados só a definição do método adotado e sim a outros fragmentos. “Muitas vezes nos deparamos com a falta de motivação,o desinteresse da criança, a falta de acompanhamento da família, o alto índice de indisciplina, além de algumas limitações que são intrínsecasacadaaluno”, pontua. edição 8 Outro desafio da alfabetização, é um paradigma que não precisa ser quebrado, porém, entendido conforme a exigência do tempo/espaço que se encontra a sociedade. A psicolinguista argentina Emilia Ferreiro, explicou numa entrevista para o site da Revista Nova Escola, que o que se requer de uma pessoa alfabetizada hoje é bem diferente do que em meados do Século XX.Ela salienta que não é mais suficiente saber, apenas, assinar o nome e conseguir ler instruções, como nas cartilhas. Laira analisa que vivemos uma época globalizada. Assim, notabiliza que os alunos de hoje são bem diferentes, do que há 10 ou 15 anos atrás, assim, como as in luências e referências empacotadas em opções como DVDs, Internet, TV, games e outros meios estimulam a criança o tempo todo. Dessa maneira, a coordenadora sublinha que a criança chega na alfabetização munida de alguns recursos que já reconhecem, como uma letra do nome, fala algumas vogais, sabem nomes e formas geométricas, enfim, já possuem uma bagagem de experiência. Assim, como Emilia Ferreiro, Laira alerta: “se a escola não acompanhar essa evolução não atenderá à necessidade dessa geração, que vem, cada vez mais esperta e atualizadíssima. Então, se não tivermos essa perspicácia tornaríamos a escola uma instituição desinteressante e não conseguiríamos cumprir nosso papel como transmissor do saber e conhecimento”, disse Laira. Deste modo, acompanhar o universo externo a escola passa ser um desafio, assim, como fazer os pais entenderem que existem os estágios da alfabetização como linha de evolução em três estágios: 1- distinção entre o modo de representação icônico e não icônico; 2construção de formas de diferenciação e controle progressivo dos eixos qualitativo e quantitativo; 3- fonetização da escrita, que se inicia com nível silábico no alfabético. Por consequência, o primeiro passo no processo alfabetizador são os rabiscos, pois a criança ainda não tem o controle total dos movimentos motores.“A criança nesta etapa, está construindo suas hipóteses de escrita e leitura. Tanto, que não vejo problemas na intervenção e ajuda do professor, se a mesma for feita de forma respeitosa, significativa e construtiva”, coloca Renata. No estágio pré-silábico,quando a criança tem um pouco mais de movimentos autônomos,surgem as primeiras formas. Já o período silábico, o aluno elabora uma escrita fictícia, que associa a escrita a movimentos rápidos. O estágio garatuja, é uma das etapas, que mais deixa os pais preocupados, afinal, é o período que a criança faz uma letra disforme e inteligível. Enfim, o aluno chega ao nível final deste processo, o silábico, onde começa a grafar algumas sílabas, dar valor sonoro às letras e etc. Nessa ordem, Emília Ferreiro tem um conceito já difundido: “as primeiras tentativas, já não são vistas como rabiscos, mas uma espécie de escrita”. PAIS Nesta fase de descoberta, é uma das etapas que mais preocupa os pais, que muitas das vezes, não conseguem enxergar evolução, apenas em rabiscos e traços. Portanto, vamos a uma re lexão. Indiferente de qual nível escolar você tenha: formando, graduado, pós-graduado, mestrado, doutorado, pósdoutorado…todas as etapas da sua vida estudantil existe um ponto em comum, os rabiscos. Dúvida? Tente se lembrar dos seus primeiros registros na vida escolar. Lembrou? Não! Se você vasculhar bem, na memória, encontrará imagens de emaranhados rabiscos nas folhas dos seus cadernos. Pode parecer estranho, mas tudo começa assim, mesmo, esse é o primeiro vestígio do ensino escolar. Portanto, os pais precisam ter paciência nesta etapa, pois o seu comportamento pode ajudar ou atrapalhar o processo. Laira explica que o papel dos pais é imprescindível. Além de atuarem como permanentes incentivadores devem estimular a todo instante os alunos, comemorando com seus filhos cada passo vencido. Para isso o acompanhamento diário é essencial. Verificar como a criança está fazendo o dever de casa, auxiliá-la se for preciso, criar momentos que estimulem as habilidades alfabetizadoras. A professora Renata Salles reforça a opinião com a construção de um ambiente alfabetizador, indispensável no papel da família. “Esse envolvimento é o ideal, pois a criança se sente mais segura nesta etapa, se tiver um ambiente alfabetizador, melhor ainda para o processo”, e acrescenta: “esse ambiente, deve promover a aprendizagem da criança de diferentes formas de leitura e escrita como: jornais, revistas, livros, gibis, rótulos, alfabeto ilustrado, cartazes e os meios tecnológicos”, disse Renata. Outra parte válida, além da paciência, é a atenção da família, e dar atenção não significa 'pegar no pé' da criança, muito menos ser exigente demais. Muito cuidado ao falar sobre o desenvolvimento do aluno, é comum que ele tenha dificuldades de grafia, trocando ou "comendo" letras, invertendo sílabas, inventando novos traçados. Neste caso, o ideal é conversar com a professora, para não passarem por cima da metodologia de aprendizado da escola. É fundamental saber encarar a dificuldade do pequeno com tranquilidade. 13

[close]

p. 14

Professora Fabíola Nascimento Coordenadora Laira Lages TECNOLOGIA REVISTA edição 8 Já foi destacado que a alfabetização se transforma conforme a sociedade evolui, afinal,podemos concluir que o processo de alfabetizar não é engessado, inerte, ele se modifica e tem a facilidade de se associar ao momento. Desse modo, o avanço tecnológico com suas plataformas, mecanismo e dispositivos, por alguns anos, foi visto como um desafio para a educação. Porém, ultimamente, a tecnologia tem sido uma ferramenta aliada do meio educacional. A professora Renata Salles considera que a informática, pelos diversos meios,pode sim ajudar a alfabetização. “Não tem como negar que as pessoas, ainda, precisam saber lidar com os gêneros textuais que circulam na internet e redes sociais. No entanto, ele é um recurso facilitador que desperta o interesse e a curiosidade de todos, inclusive das nossas crianças”, destaca. Para a professora Fabíola Nascimento a exposição que as crianças têm a essas tecnologias, já as possibilita trazerem uma bagagem e experimentações que não se pode abrir mão de incluí-las. “Penso que nós, educadores temos que nos adequar e usar essas ferramentas a nosso favor e trabalhar de uma forma que produza realmente o significado da alfabetização”, disse a professora. Alfabetização/letramento Alfabetização ou letramento? Essa é mais uma desafiadora pergunta constante no caminho educacional.No livro Letramento e Alfabetização, a professora Leda Verdianne Tfouni, afirma que “enquanto a alfabetização se ocupa da aquisição da escrita por um indivíduo, ou grupo de indivíduos, o letramento focaliza os aspectos sócio-históricos da aquisição de sociedade”. Nota-se na re lexão da professora que a alfabetização é um processo onde a criança aprende a ler e escrever, e que essas habilidades são trabalhadas e lapidadas. No letramento a criança desenvolve suas habilidades em diferentes contextos, experiências e circunstâncias. A coordenadora Laira Lages destaca os dois processos como importantes,mas cada um com sua estrutura.“A alfabetização,decodifica o código linguístico. Aprender a ler e escrever, assimilando o alfabeto, dominando o código escrito e aprendendo a utilizá-lo como forma de comunicação”,e completa:“já o letramento vai além da decodificação de letras e símbolos.É ler nas entrelinhas e ir além da capacidade de ler e escrever. Quando a criança passa a reconhecer a função social da leitura e da escrita, será capaz de compreender, interpretar, confrontar e criticar. Enfim, serumsujeitoletrado,politizadoeconscienteparaavida”,finaliza. DESAFIO NATURAL Não se pode negar que a alfabetização já é um desafio por natureza. Afinal, ensinar crianças no início da vida social as habilidades que precisarão para seu desenvolvimento na sociedade é uma responsabilidade e não é tarefa fácil, como vimos. Sendo que cada indivíduo traz consigo suas qualidades, deficiências, cultura e sensibilidade diante do mundo. Assim, os educadores da alfabetização precisam estar preparados para despertar o interesse e estimular a aprendizagem na criança. Desta maneira, atuar na área e enfrentar todos os desafios apresentados é mais do que ter a técnica para ministrar o processo alfabetizador, precisa de amor. “Amo o que faço, por que estou contribuindo no processo de vida das crianças e fazer parte disso é muito gratificante, para mim, é um momento mágico”, revela Renata Salles. Já a professora Fabíola Nascimento considera a alfabetização importante, pois é através dela que a criança aprende a decodificar o mundo e a sociedade e por isso lecionar nesta etapa é algo especial. “O professor deve saber o que a criança pensa em cada etapa de seu aprendizado para poder ajudá-la a progredir. E se ajudar na alfabetização é indicar o início do saber e conhecimento, então, estou feliz por estar nesta função”, afirma Fabíola. A coordenadora Laira Lages ressalta que a alfabetização é a porta de entrada para o mundo letrado e considera que a partir da leitura e escrita a pessoa pode desenvolver sua capacidade de argumentação e o senso crítico. Essas características são essenciais para sua formação como cidadão pensante. Por meio de análise, Laira explica que escolheu trabalhar na etapa fundamental por ter a oportunidade ajudar as crianças a descobrirem uma vida toda pela frente a ser desvendada e decifrada. “Considero fantástico acompanhar a evolução e o crescimento do ser humano durante o processo de alfabetização. É gratificante ver as crianças decifrando o mundo letrado, fazendo inferências, enfim, é a certeza que você realmente fez diferença na vida desse educando e venceu todos os desafios apresentados”, finaliza. 14

[close]

p. 15

APP NOVOS TEMPOS Uma das principais novidades deste primeiro semestre é o lançamento do APP do Colégio Novos Tempos. Com ele, a escola abre mais um canal de interatividade e exclusividade para alunos, pais e comunidade escolar. O APP possibilita acessar todo o conteúdo de informações da escola, como boletim, financeiro e muito mais. Acontecimentos novos livros Atendendo uma demanda antiga dos estudantes, a escola neste ano adquiriu uma série de novos livros para a biblioteca. Os alunos já podem conferir os novos exemplares. REVISTA edição 8 CARNAVAL NO IENT Os tradicionais bloquinhos de Carnaval da Educação Infantil e Fundamental 1 aconteceram com grande sucesso! O colorido das fantasias e adereços enfeitou a cobertura da escola com bastante alegria! SHOW DE INTERVALO Em maio, o intervalo dos estudantes ganhou um toque especial. A escola recebeu a equipe de promoção da Rádio Jovem Pan que fez o “Show de Intervalo”. Eles trouxeram brindes, alémdeumDJ queagitouaturma. NOVOS INVESTIMENTOS O Colégio Novos Tempos entregou à comunidade escolar uma série de melhorias: o piso novo do parquinho do Centro Infantil, novas carteiras para os alunos e a cobertura das quadras do Centro Esportivo. Um investimento que trará benefício para todos! dia das mães Como tradição da escola, a comemoração do Dia das Mães no colégio foi mais uma vez recheada de muita emoção com os trabalhos apresentados pelos alunos da Educação Infantil. As mamães compareceram e não seguraram as lágrimas nesta data tão especial! COROAÇÃO As crianças da Educação Infantil e Fundamental I participaram em maio de uma bonita homenagem à Nossa Senhora. A tradicional “Coroação” feita por elas aconteceu no Ginásio J. Maia e trouxe pais e familiares para um momento de oração e devoção à mãe de Jesus. REUNIÃO DOS FUNCIONÁRIOS Os funcionários do setor administrativo da escola participaram de uma reunião do setor no dia 16 de abril. No encontro foram abordados três importantes temas como orientações de Primeiros Socorros, a Nova Lei do Bullying, Combate ao Aedes Aegypti e assuntos administrativos. cuidado com a saúde Uma das formas de reduzir o risco de contagio do vírus da gripe H1N1 é mantendo as mãos higienizadas constantemente.Pensando nisso a escola instalou vários higienizadores de mãos com álcool em alguns pontos do colégio. PAPO INTELIGENTE 1 O projeto “Procon na Escola” esteve mais uma vez no colégio no mês de março. A iniciativa é da Assembleia Legislativa de Minas Gerais,com o objetivo de informar e conscientizar os jovens sobre o papel do cidadão enquanto consumidor. PAPO INTELIGENTE 2 O professor de História e Filosofia, Rafael Medeiros, ministrou a interessante palestra sobre“Redes Sociais” para os alunos do Fundamental II e Médio sobre os cuidados com o uso da internet. A palestra foi bem detalhada e com orientações muito válidas para os jovens na hora de navegar pela rede. 15

[close]

Comments

no comments yet