Sinpol Ed. 235

 

Embed or link this publication

Description

Sinpol Ed. 235

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XXII - Agosto de 2.016 - nº 235 O FUNDO DO POÇO Sinpol denuncia caos na Instituição por conta da falta de recursos humanos. E MAIS: 4 DISE Ribeirão prende traficante versátil; 4 Policiais civis de Colina apreendem 22 kg de drogas; 4 Traficante é preso em Descalvado; 4 3º DP de Franca esclarece roubos; 4 Em Bebedouro, traficante armado é preso; 4 DISE de Franca localiza 25 mil pés de maconha; 4 Jurídico conquista importantes vitórias. DIG JÁ PRENDEU QUATRO SUSPEITOS DE ASSALTO A EMPRESA Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br DE TRANSPORTE DE VALORES Agosto/2016

[close]

p. 2

BEBEDOURO JOVEM É PRESO COM DROGAS E ARMAS DISE chegou até o suspeito que integrava uma quadrilha de Ribeirão Preto tentando se estabelecer naquela região Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Bebedouro, região do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e que atende 93 cidades da região, prenderam no dia 03 de julho um jovem de 19 anos que estava portando grande quantidade de drogas e armas. A ação ocorreu na periferia de Bebedouro, no Jardim São Carlos. Segundo o titular da especializada, dr. Maurício Vieira Silva, investigações policiais demonstraram que uma quadrilha teria migrado de Ribeirão Preto com o objetivo de se estabelecer em Bebedouro. Eles teriam alugado um imóvel, com fins exclusivos de tráfico de entorpecentes. Graças ao minucioso trabalho da DISE Bebedouro, os policiais civis conseguiram identificar o local exato deste imóvel. Chegando ao local, foram recebidos por J.H.B.S., de 19 anos, que disse estar sozinho. Os policiais civis suspeitaram que havia mais pessoas na casa e que teriam fugido do local logo que a especializada chegou. Ao realizarem buscas pela residência, os policiais civis encontraram uma porção bruta de cocaína, pesando 622,65 gramas, além de 41 cápsulas com cocaína, totalizando 35 gramas e 10 invólucros de crack, contendo pouco mais de três gramas. Os policiais civis também encontraram 26 invólucros maiores com crack, pesando mais de um quilo e trezentos gramas, quatro tijolos de maconha pesando mais de um quilo e meio, 231 porções de maconha com quase 400 gramas, um cigarro de maconha e R$ 1.528. Os policiais civis também encontraram duas balanças de precisão, um revólver calibre 38, sete munições intactas e uma espingarda de pressão, além de mil cápsulas vazias que seriam utilizadas para fracionamento da droga. J.H.B.S. foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e posse irregular de arma de fogo, além de associação criminosa. Foi recolhido à Cadeia Pública de Bebedouro e, posteriormen- te, para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de Pontal. O dr. Maurício não descarta a possibilidade de prisões de outras pessoas que teriam envolvimento direto com o jovem preso. As Foto: Arquivo O titular da DISE de Bebedouro, dr. Maurício investigações prosseguem. Com informações da Assessoria de Comuni- cação Social da Delegacia Seccional de Bebedouro DISE FRANCA APREENDE 25 MIL PÉS DE MACONHA Parte dos pés de maconha descobertos pela DISE Franca Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Franca, região do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), de Ribeirão Preto, prenderam um homem por tráfico de entorpecentes e localizaram uma grande plantação de maconha na zona rural daquela cidade. A ação ocorreu no dia 05 de julho. Após meses de investigações, os policiais civis conseguiram chegar até uma fazenda onde encontraram aproximadamente 25 mil pés de maconha plantados. Dois homens chegaram a atirar contra os policiais civis, mas ninguém se feriu. Um deles foi preso e o outro conseguiu fugir. Segundo os policiais civis, a plantação, depois de colhida, renderia aproximadamente duas toneladas de maconha. Um revólver e uma carabina, ambas calibre 38, foram apreendidos no local. O suspeito foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e posse irregular de arma de fogo. Em entrevista à imprensa, o delegado da especializada, dr. Eduardo Lopes Bonfim, revelou que havia uma organização e divisão de tarefas para que a plantação progredisse. “Havia um laboratório para secar a maconha, além de mangueiras e estrutura para cultivar a dro- ga. Estimamos que, na primeira colheita, eles poderiam extrair 100 gramas por pé. Dariam, no total, 350 quilos que, posteriormente, conforme colhessem, renderiam uma tonelada e meia, talvez duas toneladas de maconha”, explicou o delegado. O homem chegou a dizer que estava no local apenas procurando seu animal e que era viciado em crack, mas sua versão foi desmentida, já que os policiais civis têm imagens dele trabalhando na plantação. O trabalho da DISE contou com apoio do GOE (Grupo de Operações Especiais). Os pés foram queimados pelos policiais civis ainda na propriedade. As investigações prosseguem para identificar e prender outros responsáveis pela plantação. 02 Agosto/2016

[close]

p. 3

MEGA ASSALTO DIG RIBEIRÃO ESBANJA EFICIÊNCIA Até o dia 02 de agosto, quatro já haviam sido presos acusados de assalto em empresa de transportes de valores no começo de julho A tranquila madrugada de 05 de julho de 2016, de súbito, transformou-se em cena de filme de guerra. Tiros e destruição para todo lado. Por volta de 4h00, um grupo de assaltantes, estimados pela Polícia Militar entre 30 e 40 pessoas, chegava à sede da empresa Prosegur, no bairro dos Campos Elíseos, zona norte de Ribeirão Preto e iniciou a maior ação criminosa já registrada na história de Ribeirão Preto. Bombas, tiros, explosões, correria, gritos. Ao final, os bandidos explodiram duas paredes e conseguiram levar muito dinheiro da empresa de transporte de valores - números não oficiais estimam em pelo menos R$ 70 milhões, apesar da investigação ser mantida sob segredo de justiça. Na fuga, os criminosos mataram um policial militar com um disparo de fuzil e um andarilho que estava próximo ao local morreu pouco depois, vítima de queimaduras ocasionadas por um dos vários incêndios em carros provocados pelos bandidos. Este foi o quarto assalto do gênero no Estado, desde novembro de 2015. Campinas, Santos, Campinas novamente e agora Ribeirão Preto. Ao todo, cinco pessoas morreram, sendo três policiais militares e dois moradores de rua. Nos outros casos, ninguém foi preso e as críticas à Polícia Civil aumentaram, principalmente por conta da falta de efetivo. Outra história Em Ribeirão Preto a história foi diferente. A DIG (Delegacia de Investigações Gerais), comandada pelo dr. Ricardo Turra, iniciou as investigações imediatamente e o cerco começou a se fechar em torno dos criminosos. Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, o trabalho da DIG é um verdadeiro milagre. “Estamos com uma enorme e assustadora falta de recursos humanos. Mesmo assim, contrariando tudo e todos, eles fi- zeram um trabalho sobre-humano e conseguiram prender os primeiros envolvidos em assaltos desse tipo, desde novembro”, elogiou Eumauri. Apesar de não passar detalhes das investigações, a imprensa descobriu que quatro homens já foram presos pela especializada e as investigações seguem adiantadas. A equipe, inclusive, conta com apoio da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto e do DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais). Mas todas as investigações partem mesmo da DIG. No dia 15 de julho, um dos suspeitos ao mega assalto foi preso em Ribeirão Preto. Com ele foram apreendidas armas e R$ 34 mil. No mesmo dia, policiais civis da DISE Ribeirão prenderam dois homens em um resort na cidade de Rio Quente, estado de Goiás. Os dois homens teriam trabalhado na Protege, outra empresa de transporte de valores, com sede no bairro Santa Cruz, zona sul da cidade, numa área estritamente residencial e que tem em seu redor pelo menos 10 edifícios residenciais, com cerca de 800 famílias. Um deles saiu da empresa em 2012 e o outro em 2014. Na sequência das investigações, a DIG localizou dois veículos de propriedade dos presos nas investigações, em um estacionamento localizado no mesmo bairro onde o assalto foi praticado, os Campos Elíseos. Nos veículos os policiais civis encontraram explosivos, dinheiro e armas. A equipe da DIG também apreendeu, na última semana de julho, um fuzil AK 47 fabricado na Romênia. Ele foi encontrado junto a munição e detonadores de dinamite, que teriam sido utilizados no mega assalto. O endereço da localização da arma e detonadores, todavia, não foi divulgado para não atrapalhar as investigações. No fechamento desta edição do jornal do Sinpol, no dia 02/08, a DIG confirmou a prisão de outro suspeito de participação no assalto à Prosegur. O homem seria funcionário da própria empresa no dia do assalto. Sua identidade não foi revelada e ele foi preso em uma casa no Jardim Antonio Palocci, zona oeste da cidade. Com ele os policiais civis apreenderam uma pistola calibre 380. De acordo com informações divulgadas pela imprensa, a DIG já vinha investigando o homem, que é suspeito de passar informações privilegiadas sobre a rotina da empresa para facilitar a ação da quadrilha. “A informação que nós temos é que ele contribuiu passando essas informações cruciais da rotina da em- presa”, afirmou o dr. Turra. Ele foi demitido pouco antes de ser preso. “A princípio, a demissão não tem relação com o assalto. Ele foi desligado porque a empresa readequou seu quadro de funcionários, pagou os direitos e mandou embora”, acrescentou, finalizando que se ele teve ligação direta com o ataque, “isso vai ser chegado ao longo da investigação e do inquérito policial”, concluiu dr. Turra. As investigações prosseguem sob segredo de justiça, mas o caso do ataque em Ribeirão Preto foi o único em que a Polícia Civil conseguiu resultados efetivos poucos dias após a ação criminosa. A expectativa da DIG é que novas prisões ocorram. Foto: Paulo Souza/EPTV Sede da empresa de transportes de valores ficou destruída no quarto roubo semelhante no Estado; porém em Ribeirão Preto, a DIG já prendeu quatro e segue investigando Agosto/2016 03

[close]

p. 4

EDITORIAL E AÍ, SENHOR GOVERNADOR? Há muita coisa a ser respondida, mas pare- nor potencial ofensivo. gam a ser uma gota d’água no oceano. Não aten- ce-nos que o senhor Geraldo Alckmin continua Até nutríamos alguma esperança de mudar dem a mínima necessidade. pouco se importando com o servidor público. os rumos da conversa que vem emperrada des- Sem diálogo, o governo segue seu rumo, Especificamente em nosso caso, parece que ele de que o atual ministro da Justiça e Cidadania, mostrando, de fato, estar sofrendo de estrabis- não se incomoda com os policiais civis. Agran- Alexandre de Moraes deixou a SSP (Secretaria mo. No caso da doença oftalmológica, ainda é de questão neste desprezo explícito é que tal- da Segurança Pública), mas parece que seu su- possível conseguir a cura. Já o estrabismo polí- vez o governador não tenha se dado conta de cessor, dr. Mágino Barbosa Filho utiliza a mes- tico fica mais comprometido, uma vez que a po- que ele está prejudicando não somente os poli- ma cartilha que o antecessor usava. Até agora, pulação vem sendo diretamente afetada por essa ciais civis de todas as carreiras, mas principal- pouco mais de dois meses desde que assumiu a questão. mente a população, que recorre às delegacias e SSP, ele não aceitou marcar uma reunião para O que acontece no estrabismo é que um não tem um atendimento à altura. conversarmos a respeito de nossa pauta de rei- dos olhos torna-se “preguiçoso”, deixando E vale lembrar, senhor governador: o poder vindicações, sobretudo as questões mais ime- todo o trabalho para apenas um dos olhos. Se o não é seu, lhe foi outorgado pelo povo, que é diatas, envolvendo reposição das perdas sala- estrabismo ataca uma criança, por exemplo, o nosso verdadeiro patrão. Numa sociedade onde riais e de recursos humanos. médico coloca um tampão no olho saudável, só o senhor e sua equipe veem redução da Há dois anos não temos um centavo se- forçando o olho “preguiçoso” a enxergar direi- criminalidade, a falta de policiais civis acaba quer de reajuste. A última vez que tivemos os to, tentando reverter o estrabismo sendo um grande problema para o povo, que se salários reajustados foi em 2014, com um índi- oftalmológico. Já o estrabismo político é mais vê diante de mau atendimento, espera prolon- ce de 2013, portanto, antes da inflação dispa- complicado. O olho do governo está muito “pre- gada para registrar uma ocorrência e também rar, como ocorreu nos dois últimos anos. Mas guiçoso” e não faz sua parte, deixando tudo acaba tendo pouca esperança de ver seu pro- o governo se nega categoricamente a conver- para o olho do funcionalismo público. E estamos blema resolvido. sar com os policiais civis e com os servidores cansados desta situação. Queremos ser trata- Esse governo estrábico, quase cego, insis- em geral. dos com dignidade. E o povo também merece te em dizer que a criminalidade vem diminuindo Igualmente horrível é a questão dos recur- ser atendido com dignidade nas unidades poli- tanto, que dentro de poucos meses teremos sos humanos. Em reportagem especial, nesta ciais, mas para que isso ocorra, é preciso que se criminalidade negativa. Um absurdo, quando edição, fizemos um completo raio-X da deca- invista, de verdade, em recursos humanos e em todos vemos justamente ao contrário. O que dência que leva a Polícia Civil cada vez mais ao salários dignos. talvez o senhor governador não tenha se dado fundo do poço. E o governo tem a cara de pau EUMAURILÚCIODAMATA conta é que muita gente desiste de registrar de divulgar que vem nomeando novos policiais Presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais ocorrência, principalmente nos crimes de me- civis. Vem sim, em números ridículos, que che- Civis da Região de Ribeirão Preto) Novos Associados Notas Associaram-se ao Sinpol em maio os seguintes policiais civis: - Lucas Pereira Leite, escrivão em Luiz Antonio; - Alessandro Maria da Silva, investigador em Ribeirão Preto. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. Falecimentos A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os seguintes falecimentos: + Rodrigo Torres Valério Trocca, filho dos investigadores aposentados Edna Torres e Luiz Carlos Valério Trocca, ocorrido em 08/07; + Célio Rodrigues Reche, escrivão aposentado em São Simão, ocorrido em 14/07. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. Aposentados Associados do Sinpol que ingressaram no quadro de aposentados em julho: - Nilton Antonio Gomes, carcereiro de 2ª Classe, com paridade e integralidade pelo Sinpol; - Paulo Sérgio Pin, delegado de 1ª Classe. A diretoria do Sinpol felicita os policiais civis por suas brilhantes carreiras, desejando-lhes poderem usufruir seus merecidos descansos com muita saúde e alegria. Plano de Saúde 1 Atenção associados. Verifiquem a data de validade no cartão magnético do convênio São Francisco Saúde, especialmente dos dependentes que cursam faculdade. Para que não ocorra carência, a declaração escolar deverá ser enviada, impreterivelmente, 20 dias antes da data limite de validade. Na dúvida, confira o verso da carteira do plano de saúde, onde consta a data do término da validade. Não deixe para a última hora. Maiores informações na Central de Atendimento Sinpol, telefones (16) 3625-3890 / 3612-9008 / 3979-2627. Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (016) 99398-8820 com Cristina. Atualização de dados Sinpol Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recém-aposentados, o Sinpol está promovendo um recadastramento de todos os associados. Participe da atualização e garanta o recebimento de toda correspondência que enviamos, procurando a Secretaria do Sinpol, ou enviando e-mail para secretaria@sinpolrp.com.br. Atenção policial civil A diretoria do Sinpol alerta a todos os policiais civis associados que, se receberem intimação para comparecer à Corregedoria ou a qualquer outro órgão, para depoimento, busquem antes orientação no Departamento Jurídico do sindicato. É direito constitucional que em todo e qualquer depoimento, o depoente esteja assistido por um advogado. Plano de Saúde 2 Devido a reclamações recebidas junto à Secretaria do Sinpol, a diretoria do Sindicato pede aos associados usuários do Plano de Saúde que confiram suas cobranças de coparticipação em consultas e exames relativos ao uso do convênio médico. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelos telefones (16) 3612-9008 / 3625-3890. Atenção policiais civis O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, comunica aos associados que, caso necessitem de amparo na área jurídica relacionado à aposentadoria, assim como para acompanhar o andamento de ação já ajuizada, primeiramente entrem em contado com os diretores do Sindicato, através de nossa Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 36253890 / 3977-3850 para oportuno agendamento com o dr. Ricardo Ibelli. EXPEDIENTE O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: secretaria@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório,Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR CHEFE: Júlio Castro O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Por boleto bancário emitido pelo Laboratório de Notícias DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Antonio Pereira Alvin Vanderlei Costa Aparecido Donizete Tremura MarcosAntonio Fernandes EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. 04 Agosto/2016

[close]

p. 5

JURÍDICO SINPOL CONQUISTA CINCO NOVAS VITÓRIAS Mais cinco associados conseguiram sentenças favoráveis em ações promovidas pelo sindicato: quatro relativas à aposentadoria especial e uma de sindicância administrativa O departamento jurídico do Sinpol vem mantendo, como sempre, sua rotina de conquistas em favor dos associados em diversas frentes de atuação. A pedido do presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, o jurídico vem promovendo diversas ações com o objetivo de corrigir eventuais injustiças praticadas contra o associado. “Estamos sempre atentos à essa questão. Com a gritante falta de recursos humanos, em todas as carreiras, os policiais civis acabam sujeitos diversas questões em função desta enorme lacuna. Todos estão sobrecarregados. Nossa missão é evitar que o policial civil seja punido injustamente por ser obrigado a trabalhar extremamente sobrecarregado”, destaca o presidente do Sinpol. Os advogados do jurídico, dr. Ricardo Ibelli e dra. Viviane Cristina Ibelli Pinheiro lembram também que o Sinpol se especializou em outra frente de atuação em favor dos associados. Eles têm ingressado com diversas ações pleiteando mandados de segurança em favor dos policiais civis filiados ao sindicato, garantindo-lhes o direito à paridade e integralidade, nos moldes das LCFs (Leis Complementares Federais) 51/1985 e 144/2014. Vitórias Durante o mês de julho, cinco importantes vitórias foram registradas. Uma delas diz respeito à absolvição em sindicância administrativa disciplinar. As outras quatro tratam de mandados de segurança e em todas elas ainda cabe recurso de apelação. O carcereiro de Franca, Sebastião Domingos Pereira, foi um dos beneficiados. Ele foi absolvido na sindicância administrativa disciplinar que corria junto à 3ª CorregedoriaAuxiliar de Ribeirão Preto. Graças à atuação do jurídico do sindicato, seu processo foi arquivado. Em agosto de 2015, Sebastião atuava como carcereiro junto à Cadeia Pública de Franca, quando foi responsabilizado, através de sindicância, pela morte de um dos presos, que havia sido recolhido através de mandado de prisão. “Apesar de ter sido constatado que o preso cometeu suicídio, o carcereiro respondia injustamente”, salientou Eumauri. “Foi comprovado pela defesa do associado do Sinpol que o policial não praticou nenhuma negligência, não foi imprudente, bem como cumpriu com suas atribuições no interior da cadeia”, destacaram seus advogados Ricardo Ibelli eViviane Cristina Ibelli Pinheiro, que ainda acrescentaram: “devido à desídia do Estado, à falta de funcionários junto à Delegacia de Polícia e Cadeia Pública, as péssimas condições de estrutura e segurança da Cadeia, o associado Sinpol foi absolvido”. Em relação às questões envolvendo aposentadorias, as vitórias também se sucederam. O investigador de Serrana, Lázaro Natalino Gregório, obteve sentença favorável em primeira instância, garantindo-lhe mandado de segurança, visando a aposentadoria especial. Ainda cabe recurso de apelação. Quem também contabilizou sentença favorável foi o investigador de Barretos, Mário Marques de Oliveira Neto. Ele conquistou o direito à paridade e integralidade quando de sua aposentadoria. Contudo, ainda cabe recurso de apelação. Mas, segundo Eumauri, em menos de sete meses foi determinada sua aposentadoria, entre primeira instância, segunda e TJ, sendo publicada em 02 de agosto. A investigadora de Ribeirão Preto, Marta Regina Scarpellini, foi outra que conquistou Mandado de Segurança garantindo-lhe o direito à paridade e integralidade. Ela obteve sentença vitoriosa em primeira instância, mas ainda cabe recurso de apelação. Já o escrivão de Batatais, Renato Tomasella Monteiro, através do departamento jurídico do Sinpol, ingressou com Mandado de Segurança para garantir-lhe o direito à aposentadoria especial. Ele perdeu em primeira instância. O jurídico do sindicato recorreu junto ao TJESP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo), que deu provimento ao recurso, garantindo-lhe a vitória. Contudo, ainda cabe recurso. Uma importante vitória registrada foi do in- vestigador aposentado de Jaboticabal, Ailton de Aguiar. Ele obteve reversão de aposentadoria. Na próxima edição do Jornal do Sinpol sua conquista será detalhada. “Independente do tipo de ação, estamos sempre prontos para atender os policiais civis. Qualquer dúvida basta entrar em contato com o Sinpol, expor o problema, que teremos imenso prazer em orientar qual o melhor caminho a seguir”, concluiu Eumauri. Os advogados do departamento jurídico do Sinpol, Viviane e Ricardo Ibelli, comemoram as conquistas obtidas pelos associados Agosto/2016 05

[close]

p. 6

RADAR Araraquara... Policiais civis do 2º DP (Distrito Policial) de Araraquara, região do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior - Ribeirão Preto), prenderam, no dia 15 de julho, uma mulher de 47 anos, que tentava sacar dinheiro em uma agência bancária daquela cidade utilizando documento falso. A ação delituosa da mulher chamou a atenção de um funcionário da agência, localizada na região central da cidade. Ele acionou os policiais civis que, rapidamente, se dirigiram ao local e localizaram a suspeita.Amulher se identificou aos policiais civis como correntista daquele banco, exibindo inclusive uma cédula de identidade com uma foto sua. ...e as suspeitas fundamentadas Os policiais, entretanto, suspeitaram da mulher e a conduziram até a Delegacia, onde foi esclarecido que o documento exibido era falso. Diante disso, a mulher acabou confessando seu verdadeiro nome. Os dados constantes do documento falsificados eram de uma correntista que não sofreu prejuízo graças à rápida ação do funcionário do banco e dos policiais civis. A mulher foi presa e responderá pelo crime de falsificação de documento público e uso de documento falso. Coletes Policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto (Deinter-3) prenderam em flagrante, no dia 15 de julho, um mecânico de 40 anos, na Rua Dr. Antonio Sílvio Cunha Bueno, bairro Geraldo de Carvalho, periferia da cidade, por posse irregular de arma de fogo, munições e por receptação. Os policiais civis, ao cumprirem mandado de busca e apreensão, encontraram ainda, além de uma arma e munições de diversos calibres, vários coletes à prova de balas, produtos de um roubo ocorrido em uma agência bancária na cidade de Matão. Quatro presos Policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Araraquara (Deinter3 - Ribeirão Preto) prenderam quatro pessoas na Rodovia SP 333, na cidade de Taquaritinga. As prisões ocorreram no dia 10 de julho, quan- do o grupo tentava dar fuga a um procurado da Justiça por envolvimento no tráfico de drogas. O homem, conhecido como “Naninho”, estava sendo levado pelos comparsas para outro estado. O serviço de inteligência da Delegacia Seccional de Araraquara apurou que “Naninho” continuava a integrar uma facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios. A articulação de “Naninho” era realizada com a ajuda de sua amásia e outros dois homens, que também foram presos no momento em que davam fuga ao foragido. Por conta da prisão, foram localizados diversos telefones celulares, dinheiro e documentos falsos. Os presos, incluindo o procurado, foram autuados em flagrante por crimes de associação ao tráfico, falsificação de documento público e organização criminosa. Guaíra Policiais civis da Delegacia de Polícia Civil de Guaíra, região do Deinter-3 (Ribeirão Preto), no dia 13 de julho, prenderam na zona rural da cidade um homem de 24 anos, acusado de envolvimento com o tráfico de drogas. Os policiais civis realizaram diligências no local onde o homem foi flagrado, com o objetivo de verificarem a procedência de uma denúncia sobre a prática de tráfico no local. Na hora em que os policiais civis chegaram, o homem foi surpreendido com nove tijolos de maconha e vários pinos de cocaína. Ele era foragido da Penitenciária de Balbino e foi autuado em flagrante por tráfico de entorpecentes. Menor no crime Policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de São Carlos, região do Deinter-3 de Ribeirão Preto, apreenderam no dia 14 de julho quatro adolescentes, com idades entre 16 e 17 anos. Todos estavam envolvidos em roubos a residência praticados na cidade. Os quatro adolescentes foram reconhecidos pelas vítimas, que tiveram suas casas roubadas. Eles entravam nas residências mediante arrombamento e rendiam as vítimas utilizando arma de fogo, mediante grave ameaça. Os objetos roubados foram recuperados e devolvidos às respectivas vítimas. Os jovens apreendidos foram encaminhados ao NAI (Núcleo de Atendimento Integrado) de São Carlos, onde deverão ser submetidos a penas sócio educativas. Porto Ferreira Policiais civis da Delegacia do Município de Porto Ferreira, que integra a Seccional de São Carlos e pertence à área de atuação do Deinter-3 de Ribeirão Preto, prenderam no dia 14 de julho um agricultor, que era procurado pela Justiça. O homem foi localizado em uma residência do bairro Santa Rosa II, periferia de Porto Ferreira. Ele teria descumprido as medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha, ao ameaçar sua companheira. O agricultor foi preso e encaminhado ao sistema penitenciário. Araraquara Na tarde de 06 de julho, policiais civis do 1º DP (Delegacia de Polícia) de Araraquara, que integra o Deinter-3 de Ribeirão Preto, esclareceram um homicídio e prenderam seu autor. O crime foi praticado no Jardim Euro- pa, periferia de Araraquara, na noite de 26 de junho. O suspeito é um entregador, de 19 anos, que após ter sua prisão decretada pela Justiça à pedido da Polícia Civil, acabou detido no Jardim Roberto Selmi Dei, também em Araraquara. Na ocasião do crime, o suspeito desferiu dois golpes de faca na vítima e fugiu do local. Graças ao trabalho de investigação, foi identificado e preso. Itápolis Logo no início do mês de julho, policiais civis da Delegacia de Polícia de Itápolis, região do Deinter-3 de Ribeirão Preto, prenderam um homem de 39 anos e apreenderam um menor, de 14 anos. A dupla é suspeita de ter furtado um televisor da UBS (Unidade Básica de Saúde) do distrito de Tapinas, na mesma cidade. As investigações foram iniciadas e os policiais civis chegaram até o menor, que estava com o aparelho televisor em sua casa. Ele afirmou que praticou o crime na companhia do maior, já identificado e preso. O adolescente apreendido foi encaminhado para a Vara da Infância e Juventude. Foto: Polícia Civil Coletes roubados de agência bancária em Matão foram recuperados por equipe da DIG de Ribeirão Preto 06 Agosto/2016

[close]

p. 7

ESPECIAL SINPOL DIZ QUE POLÍCIA CIVIL CHEGOU AO FUNDO DO POÇO Falta de policiais civis tem prejudicado andamento de delegacias em toda a região e Sinpol denuncia em reportagem da EPTV: são 23,46% menos policiais nas unidades de atendimento O apresentador do Jornal da EPTV Ribeirão Preto Segunda Edição é enfático ao anunciar a próxima reportagem. “Nós sempre mostramos aqui crimes que acontecem em nossa região. E que cidade pequena já não representa mais tanta tranquilidade assim. Hoje nós começamos essa edição mostrando o que está dan- do coragem para o ladrão: falta de policiais nas delegacias. Está no Diário Oficial do Estado, pelo menos 5.500 vagas estão abertas para delegados, escrivães e investigadores. É o governo reconhecendo a falta desses policiais. Uma situação que o sindicato da categoria [Sinpol] classifica como ‘o fundo do poço’”. Nada mais desalentador do que uma “cabeça” de matéria - termo telejornalístico para tratar da introdução à reportagem a ser exibida - nesses moldes para retratar a dura realidade enfrentada pela Polícia Civil: o sucateamento ocasionado pela falta de recursos humanos. A questão, vale a pena destacar, não é nenhuma novidade. O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, vem há vários anos denunciando sistematicamente o problema, que já rendeu diversas reportagens especiais nas páginas do Jornal do Sinpol e em outros veículos de imprensa. Mas o governo do Estado parece não se preocupar com isso e vem contratando em números considerados irrisórios pelo Sinpol. Desde 2014, o Sinpol vem realizando um levantamento junto aos DPs (Distritos Policiais) e delegacias especializadas da cidade de Ribeirão Preto. Esta pesquisa leva em consideração apenas os policiais civis que atuam na chamada “linha de frente”, ou seja, que fazem atendimento direto à população, aqueles que seriam a “porta de entrada”. Não leva em consideração o número de policiais civis em queda em todas as carreiras e unidades, como os da Superintendência da Polícia Técnico Científica, Poupatempo, Cemel, Seccional e Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e que responde pela Polícia Civil em 93 cidades da região. Apenas nos DPs e especializadas, o Sinpol contabilizou em 2014 o número de 267 policiais civis, considerando 16 afastados e 32 em férias na ocasião em que foi feito o levantamento. Em 2015, o número de policiais civis caiu para 260, contanto também os 16 afastados e os 31 em férias. Já em 2016, a situação se agravou ainda mais. Em todas as unidades de atendimento direto à população (veja gráfico), o número de policiais civis caiu para 199. Isso significa uma queda de 25,47% em relação ao número de 2014. Em apenas um ano, a cidade de Ribeirão Preto passou a contar com 23,46% menos policiais civis. Ou seja, quase um quarto do número de delegados, investigadores e escrivães que atuam nos DPs e especializadas da cidade. A constatação levou o Sinpol a denunciar para a imprensa e, na matéria veiculada pela EPTV Ribeirão, Eumauri sintetizou a situação. “Os bandidos estão nadando de braçada, em função do número irrisório de policiais. Chegou-se ao fundo do poço. Não tem mais onde descer”, lamentou Eumauri. O Sinpol também forneceu uma série de números para a realização da reportagem, exibida em dois capítulos, tamanha a gravidade da situação. Na primeira parte, a EPTV mostrou o caos vivido pelos policiais civis de Pitangueiras. De acordo com a emissora, a cidade não tem um delegado titular. Quem responde pela unidade é o dr. Targino Donizete Osório, da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Sertãozinho, distante 30 quilômetros de Pitangueiras. A matéria mostrou que um único escrivão cuida de 300 inquéritos, numa condição desumana, segundo Eumauri. Além disso, dois carcereiros se dividem nas tarefas. Um cuida do atendimento ao público e outro da emissão de documentos de identidade. De acordo com a EPTV Ribeirão, o único investigador da delegacia está de licença médica há sete meses. Em um comparativo realizado junto às estatísticas divulgadas pela SSP (Secretaria de Segurança Pública), entre janeiro e maio de 2015 a cidade registrou 152 inquéritos. No mesmo período deste ano, foram apenas 107 inquéritos. Mas isto não quer dizer que a criminalidade foi reduzida. Pelo contrário. De acordo com os índices da SSP, entre janeiro e maio de 2015 foram registrados 12 roubos na cidade. Já no mesmo período deste ano, o número foi de 22, o que Agosto/2016 07

[close]

p. 8

representa um aumento absurdo de 83,4% nes- sozinho o trabalho de dois, três ou mais polici- ta modalidade de crime. ais civis. Isso é um convite para a bandidagem”, Para Eumauri, essa situação não é vivida rebateu Eumauri. somente em Pitangueiras. “A emissora, no in- Cidades sem delegados tuito de realizar uma grande reportagem, expos De acordo com a matéria, exibida em dois os policiais civis que trabalham na cidade. Mas episódios, essa questão é agravada, inclusive, eles não são culpados pela situação. Toda a pela falta de delegados titulares. O Jornal da população está vendo que faltam muitos poli- EPTV Ribeirão Segunda Edição citou, além de ciais civis. E que nas delegacias esse número é Pitangueiras, as cidades de Barrinha, Pontal, cada vez menor. Diante disso, fica impossível LuizAntonio, Guatapará, SerraAzul, Cássia dos realizar um trabalho a contento. Seja em Coqueiros e Altinópolis que sofrem por não Pitangueiras ou em qualquer uma das 93 cida- terem delegados titulares. Segundo o Sinpol, des de nossa região. Ou ainda em qualquer ci- em toda a região são 36 cidades que não pos- dade do interior do Estado. A situação é a mes- suem delegado titular. ma. Falta assustadora de recursos humanos. O Sinpol constatou esta situação quando, Gente trabalhando sobrecarregada, fazendo durante o mês de junho, fez visitas a várias O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, acusa o governo de maquiar estatísticas de criminalidade: “daqui a pouco não vai ter mais bandido” cidades pequenas da região. “Numa delegacia não tinha escrivão. Na outra não tinha investigador. Em diversas não tinha delegado. E em duas delas, havia umas meninas, provavelmente cedidas pela prefeitura da cidade, que estavam tomando conta da delegacia. Numa delas o policial civil tinha ido almoçar. Na outra, havia saído para entregar uma intimação. Quer dizer, nessa situação o policial civil não tem direito sequer de ir ao banheiro. Se quiser fazer isso, tem que fechar a delegacia”, ironiza Eumauri. O representante da OAB de Pitangueiras, Osmar Rissi, também considerou inadmissível essa situação ocasionada pela falta de recursos humanos. Em entrevista à EPTV, ele criticou a falta de investigação. “A investigação é fundamental. É inadmissível que uma cidade do porte de Pitangueiras não tenha um investigador trabalhando nessa área, para fazer as investigações necessárias”, criticou. Condições inapropriadas Além da falta de recursos humanos, durante as várias visitas feitas por diretores do sindicato em cidades da região, outro problema foi constatado. Muitos prédios utilizados como delegacia têm condições inapropriadas para o trabalho policial civil.ADelegacia de Polícia de Santa Cruz da Conceição, por exemplo, funciona em um prédio minúsculo e o delegado, quando dá expediente lá, acaba atendendo na cozinha do imóvel. Até bem pouco tempo atrás, a Delegacia de Polícia de Guatapará funcionava em um imóvel em situação de quase ruína. “Você entrava no local e as paredes estavam escoradas em todo canto. Havia uma rachadura tão grande que era possível passar um braço inteiro sem tocar no tijolo. Isso representa um risco muito grande, tanto para o policial civil que trabalha no local, quanto para a população, que é o verdadeiro patrão do policial civil. Quem entrasse naquele antigo prédio corria o risco de se ferir com um desabamento do imóvel. Felizmente isso foi resolvido por lá, mas ainda há muitas outras histórias na região”, acrescenta Eumauri. Ele considera que este fator torna iminente a perda de força da instituição Polícia Civil, o que é rapidamente detectado pelos criminosos. “O sujeito mal intencionado percebe rapidamente que alguma coisa não anda bem. Delegacia sucateada, falta de policial civil. Logo percebe que a oportunidade é ideal para praticar crimes. Sem policial civil suficiente, não tem investigação. E com isso a criminalidade só vai crescendo. E olhe lá se não cresceu muito mais do que o governo divulga. Muita gente que sofre com crimes de pequeno dano financeiro, muitas vezes, deixa de prestar queixa na delegacia. Se não elabora o boletim de ocorrência, o crime não entra para as famigeradas estatísticas. E assim o governo aproveita para dizer que está diminuindo a criminalidade. E o governo adora vir com essa prosa. Eles dizem que já diminuíram tanto a criminalidade, que daqui a pouco tempo não vai ter mais bandido”, cutuca Eumauri. Grandes cidades Se a questão da falta de recursos humanos e do crescimento vertiginoso da criminalidade preocupa os pequenos centros, o mesmo ocorre nas grandes cidades, porém há mais tempo. Ribeirão Preto, por exemplo, há muito vem sofrendo com a questão. O 1º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto é um dos que mais encolheram. Em 2014, havia 13 policiais civis trabalhando na unidade. Em 2016 são apenas nove. E a área do 1º DP é uma das de maior incidência de ocorrências, desde acidentes de trânsito com vítima, até furtos e assaltos. “São dezenas de inquéritos todos os dias. E apenas dois investigadores para realizar o serviço de investigação. Isso é um absurdo”. No 2º DP, que atende a uma das maiores áreas populacionais de Ribeirão Preto, a situação não é diferente. Em 2014, havia 14 policiais civis. Já em 2016, o DP conta com 13 policiais civis. Aparentemente uma queda insignificante. Contudo, o vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, lembra-se de como era o DP que por muitos anos funcionou na Praça Santo Antonio, nos Campos Elíseos, zona norte da cidade. “Tínhamos diversas equipes de investigadores. Éramos mais de 20 na década de 1970. E ainda não havia a densidade populacional que temos nos dias de hoje. Naqueles tempos, 08 Agosto/2016

[close]

p. 9

por exemplo, o Quintino ainda estava tendo suas unidades entregues. Hoje pode-se considerar os Campos Elíseos uma cidade”, disse Célio em entrevista há alguns anos, lembrando os tempos áureos. Atualmente o 2º DP conta com apenas cinco investigadores. No total, oito unidades policiais das 16 pesquisadas encolheram em número de policiais civis. Até mesmo a CPJ (Central de Polícia Judiciária), criada há alguns anos para centralizar as ocorrências, sobretudo em flagrante, encolheu. Em 2014 e 2015 eram 54 policiais civis à disposição na unidade. Atualmente são 48 policiais civis, segundo levantamento feito pelo Sinpol. Pior é a situação de duas das mais movimentadas especializadas: DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes). De acordo com o levantamento do Sinpol, em 2014 e 2015 a DIG de Ribeirão Preto contava com 30 policiais civis. Em 2016 este número caiu mais de 20%. São somente 23 policiais civis.ADISE de Ribeirão enfrenta situação ainda mais preocupante. Responsável pelo combate ao tráfico de entorpecentes na cidade, a DISE tem hoje 34,5% menos policiais civis do que há dois anos. Em 2014 eram 26, contra 23 em 2015 e somente 17 em 2016. “Esse quadro mostra bem o que está sendo trabalhar na Polícia Civil. Em todos os setores, em todas as cidades do interior, a situação se repete. O governo mesmo admite, através de editais de concursos, que tem uma lacuna grande. Segundo os cálculos dele, mais de 5.500 vagas a serem preenchidas. Mas a realidade é ainda pior. Estimamos em mais de 20 mil o número de policiais civis necessários para colocar a Instituição novamente nos trilhos. Os concursos são morosos. A necessidade é urgente. Muita burocracia. Muita gente também desmotivada a ingressar, até por conta dos salários indignos pagos pelo governador Geraldo Alckmin, que há dois anos, não destina um centavo sequer de reajuste”, lamenta Eumauri. O Sinpol, inclusive, tem feito constantes cobranças para nomear os remanescentes dos concursos de alguns anos, que ainda não fo- ram chamados, agilizando o processo. Mas pouco ou nada adianta essa pressão, pois o governador segue com nomeações esporádicas e em número insuficiente, na avaliação do Sinpol. Produtividade Retomando a reportagem da EPTV, citada no início desta matéria, através de levantamento feito junto à SSP, a emissora retransmissora da TV Globo apurou que, nas cidades onde não havia delegado titular, a produtividade caiu, entre janeiro e maio de 2015, em relação ao mesmo período de 2016. A emissora mostrou um gráfico onde Pitangueiras registrou queda de 29% na produtividade. JáAltinópolis teve queda de 30,9%, enquanto Guariba chegou a 33,5% de queda. A cidade de Guará alcançou uma queda de 35,5% e a que maior queda apresentou, de acordo com as estatísticas da SSP foi a cidade de Cássia dos Coqueiros, com 47,6% a menos na produtividade. O telejornal se baseou no número de inquéritos abertos no período, entre 2015 e 2016. E constatou, também segundo as estatísticas, que em todas as cidades houve aumento no registro de roubos. Segundo Eumauri, todavia, essa questão não indica que os policiais civis estão trabalhando de forma equivocada. “Num primeiro momento, pode-se ter a impressão de que o serviço não vem sendo bem feito. Não é isso. A grande questão é que faltam recursos humanos. Não tem investigador para investigar, escrivão para tocar o inquérito, delegado para dar andamento no processo. Não há como manter o trabalho de Polícia Judiciária sem pessoal. Claro que a produtividade acaba caindo. Eu canso de dizer que os policiais civis que estão na ativa são verdadeiros heróis. Continuam se desdobrando e elucidando casos, quando seria impossível numa situação justa, que isso ocorresse”, atesta Eumauri, que foi investigador e conhece bem a rotina nas delegacias. Na opinião do presidente do Sinpol, é necessária uma mudança profunda, além de muita vontade política. Eumauri explica que, com os salários baixos e sem reajuste há mais de dois anos, as carreiras não atraem muita gente qua- lificada. O governo exige nível superior, por exemplo, para investigador e escrivão. Mas paga, de acordo com o Sinpol, um dos mais baixos salários destas carreiras em todo o Brasil. “Policiais civis de estados com menos força política que São Paulo acabam tendo salários melhores. Vimos muita gente abandonando a Polícia Civil de São Paulo ao ser aprovada na Polícia Civil de outro estado, como o Paraná. Muitos colegas fizeram este caminho sem volta. Fica cada vez mais difícil contratar, porque o salário não é atraente. Para piorar, o processo de seleção não é prático. Leva anos. Até lá, muitos dos aprovados já ficaram pelo caminho, sendo aprovados em outros concursos e, cansados de esperar, seguem a vida fora da Polícia Civil”, relata o sindicalista. Em nota, a SSP informou à EPTV que 704 novos policiais civis estão sendo formados em Ribeirão Preto e serão distribuídos na região. Mas mesmo sem eles não há prejuízo no atendimento. De acordo com o Sinpol, a nota não relata a verdadeira situação enfrentada. Várias pessoas foram ouvidas na reportagem e afirmaram exatamente o contrário. O atendimento é precário. E quando há acúmulos de flagrantes na CPJ, por exemplo, algumas pessoas acabam esperando horas para registrar uma ocorrência. As reclamações surgem não só em Ribeirão Preto, mas em todas as cidades da região. Por mais que o policial civil se desdobre, a enorme lacuna afeta diretamente o andamento de todo o serviço de uma delegacia. Eumauri defende que esses 704 seriam insuficientes mesmo que fossem distribuídos somente em Ribeirão Preto. “Eles não falam quais são as carreiras. Mas este número apenas minimizaria o problema na cidade. Estimamos que em toda a área do Deinter-3, pelo menos 2 mil novos policiais civis seriam necessários. Sobretudo investigadores, escrivães e delegados. Mas de forma geral, policiais civis de todas as carreiras são necessários. Qualquer número abaixo disso é chover no molhado”, lamenta Eumauri. Recentemente a DGP (Delegacia Geral de Polícia) revogou uma portaria que estabelecia os números mínimos de policiais civis numa delegacia. “Como não conseguem contratar, acabam revogando um critério que eles mesmos estabeleceram e que, quando divulgaram, já era insuficiente. Chegamos ao fundo do poço”, finaliza Eumauri. A falta de policiais civis é facilmente notada pelas mesas vazias e pelo acúmulo de inquéritos: para o presidente do Sinpol, é impossível desempenhar o trabalho de polícia judiciária nestas condições Agosto/2016 09

[close]

p. 10

TÚNEL DO TEMPO 1997 FOI ANO DE REIVINDICAÇÕES Na primeira edição de 1998 do Jornal do Sinpol, o balanço do ano anterior e a retomada das obras do novo necrotério, hoje o Cemel O ano de 1998 começou com a promessa de muita luta para os policiais civis associados ao Sinpol. Na edição 28, que circulou em janeiro daquele ano, logo no editorial o então presidente do sindicato, Eumauri Lúcio da Mata, falava sobre a necessidade de retomada das lutas iniciadas no ano anterior. Apesar das dificuldades e da falta de disposição do governo Mário Covas em negociar, o presidente do sindicato considerou favorável o resultado obtido, sobretudo pela união em da categoria em torno da luta. O jornal também mostrou um curso sobre procedência de veículos, promovido pelo Sinpol, na cidade de São Carlos. Com boa frequência, o curso foi bastante elogiado pelos policiais civis. A edição também mostrou a pujança da cidade de Muzambinho, no sul de Minas Gerais e de Pontal, próxima a Sertãozinho. Num balanço sobre o que foi 1997, o jornal publicou as frases que marcaram, mês a mês, o andamento das atividades na Polícia Civil. Também em forma de retrospectiva, publicou as fotos que marcaram o ano que havia se findado poucos dias antes. O grande problema enfrentado pelos policiais civis da então Delegacia Regional de Ribeirão Preto voltava à tona. Naquela época a administração da Cadeia Pública de Vila Branca estava sob responsabilidade da Polícia Civil. Um verdadeiro barril de pólvora, a cadeia, que na ocasião era dirigida pelo dr. Luiz Geraldo Dias - recentemente aposentado, enfrentava problemas crônicos de superlotação. Juntando-se a isso, rebeliões e mortes impulsionaram um processo de interdição da unidade. Na editoria Causus, o jornal mostrava um golpe aplicado na ocasião. Quadrilhas especializadas amealhavam pessoas envolvidas em acidentes de trânsito para fraudar o DPVAT. Os golpistas se apresentavam como advogados às famílias de pessoas mortas em acidentes de trânsito e imediatamente se dispunham a representá-las para conseguir a indenização. Mas não repassavam o valor recebido a quem tinha direito. Em outra reportagem, o Jornal do Sinpol mostrou a filiação do dr. Alcides Hipólito, que atuou como delegado em várias cidades da região, mas já encontrava-se aposentado. Cemel Na edição de janeiro de 1998, uma das principais reportagens era sobre a retomada das obras de construção no novo necrotério de Ribeirão Preto, que ficaram paralisadas por um período. O prédio, onde hoje funciona o CEMEL (Centro de Medicina Legal), próximo ao Campus da USP, estava tendo suas obras retomadas. Até então, a necropsia era feita de forma precária, em um pequeno prédio no Cemitério da Saudade, com péssimas condições de higiene e trabalho. O dr. Nélio Rezende Cardoso, responsável pelo órgão, estava feliz com a possibilidade de conclusão da obra. Teotônio, então corregedor dos estabeleci- Em relação à Segurança do Trabalho, o mentos penitenciários em Ribeirão Preto. Ele Sinpol reportou a ação de um delegado com contou sobre todos os passos da interdição o objetivo de implantar CIPA (Comissão In- da Cadeia Pública de Vila Branca e disparou: terna de Prevenção de Acidentes) nas unida- “o problema é falta de vontade política”. As- des da Polícia Civil. O projeto, infelizmente, sim foi a primeira edição de 1998, a de núme- não saiu do papel. Outro assunto abordado ro 28 do Jornal do Sinpol. foi a polêmica em torno de recla- mações de policiais civis de Jaboticabal. O Sinpol reuniu-se com o delegado titular da cidade na ocasião e cobrou explicações sobre falta de critério para trans- ferências, além de outros assun- tos. Em Ituverava, os delegados dr. Carlos Amir Pessoa e dr. José Francisco de Rezende incentiva- vam os policiais civis a intensifi- carem o combate ao tráfico de drogas no município. Ha oca- sião, segundo o dr. Rezende, 40 traficantes foram presos e con- denados em apenas um ano. Um número expressivo para a épo- ca. A edição trouxe também um perfil da vida e da carreira do in- vestigador aposentado Alcides Elias. A edição encerrou-se com uma longa e esclarecedora en- trevista feita com exclusividade junto ao dr. Luiz Augusto Freire Reprodução da capa da edição 28 10 Agosto/2016

[close]

p. 11

AÇÃO DISE RIBEIRÃO APREENDE DROGAS VARIADAS E MUNIÇÕES Homem foi preso no bairro dos Campos Elíseos com mais de sete quilos de maconha, cocaína e crack, além de drogas sintéticas como ecstasy e LSD A equipe da DISE (Delegacia de Investi- cias, uma equipe foi até o local no dia 06 de velmente, serem utilizadas como embalagem dernos e folhas com anotações diversas re- gações Sobre Entorpecentes) de Ribeirão Pre- julho e, ao perceber nossa chegada, o sus- de pequenas porções de drogas e uma ba- lacionadas à contabilidade do tráfico. Como to realizou a prisão de um traficante que vi- peito fugiu, levando junto uma sacola. Du- lança de precisão. o suspeito não estava na casa, os policiais nha agindo no bairro dos Campos Elíseos, rante a fuga, ele dispensou a sacola e conse- Ao revistar o imóvel, a equipe da especi- civis levaram até a sede da DISE a mãe e a zona norte da cidade. Além da prisão, os po- guiu escapar da prisão. Ao apanhar a sacola, alizada encontrou mais material utilizado no irmã do suspeito. O homem, que havia fugi- liciais civis apreenderam uma grande quanti- a equipe encontrou em seu interior 16 cartu- fracionamento da droga. Foram apreendidas do, acreditando que ambas seriam detidas, dade de drogas, das mais variadas. chos calibre 12 intactos, 50 cartuchos calibre outras duas balanças de precisão, sacos con- acabou entregando-se minutos depois da Segundo o delegado titular da DISE, dr. 38 intactos e diversas drogas”, explicou dr. tendo dezenas de cápsulas vazias, peneiras chegada da equipe à sede da especializada. Gustavo André Alves, a especializada já vi- Gustavo. e rolos de plástico filme, tudo normalmente De acordo com o dr. Diógenes Santiago nha investigando o suspeito há vários dias. No momento da apreensão da sacola, ha- utilizada na manipulação da droga que será Netto, o homem assumiu ser o dono da dro- “Tínhamos a informação de que no local, es- via 133 cápsulas brancas contendo cocaína, vendida ao usuário final. ga e recebeu voz de prisão em flagrante por taria havendo armazenamento e uma porção a granel de cocaína, um saco plás- Na cozinha da casa, os policiais civis en- tráfico de entorpecentes. “O que nos deixou fracionamento de droga. Diante das evidên- tico contendo cápsulas vazias para, possi- contraram dentro da geladeira, no comparti- surpresos, nesta operação, foi a grande di- mento reservado aos legumes, mais sete tijo- versidade de drogas encontradas com o in- los de maconha. Também acondicionada em frator. Havia maconha, cocaína, crack, três potes de sorvete havia mais maconha ecstasy e diversos pontos de LSD. Foi uma escondida na geladeira. grande apreensão”, destacou o delegado, Num armário de aço da cozinha, a equipe que também integra a especializada. da DISE de Ribeirão Preto apreendeu dois Durante a fuga, o acusado torceu o pé e, vidros contendo um líquido semelhante a éter, por esta razão, foi levado para receber aten- ambos consumidos parcialmente. Dando dimento médico à uma unidade de saúde. sequência às buscas, os agentes localizaram Posteriormente, foi liberado e encaminhado num dos quartos materiais utilizados na pe- à Cadeia Pública de Santa Rosa de Viterbo, sagem e fracionamento da droga. Havia tam- onde ficou inicialmente preso à disposição bém um vidro com comprimidos de ecstasy, da Justiça, sendo posteriormente transferi- embalados individualmente. Atrás da porta, do para uma unidade de CDP (Centro de De- sobre um cesto, havia uma mochila com por- tenção Provisória) na região. No total, a DISE ções de erva ressequida com aparência de apreendeu pouco mais de 7,2 quilos de ma- maconha, micropontos com aparência de LSD, conha, 275 gramas de cocaína, 17 gramas de pedrinhas com aparência de maconha e 107 crack, 39 comprimidos de ecstasy e 16 pon- cápsulas plásticas contendo cocaína. tos de LSD. “De fato, a variedade surpreen- Os policiais civis apreenderam dois ca- deu”, concluiu o dr. Gustavo. Os delegados da DISE, dr. Diógenes e dr. Gustavo; no detalhe, droga apreendida durante ação da especializada de Ribeirão Preto Agosto/2016 11

[close]

p. 12

SOCIAL A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz aniversário aos nascidos em setembro! 01 Jayme da Silva Ribeiro Filho Luiz Carlos Pires Ernesto Renan de Morais Ronaldo Alessandro Perussi Estevo Fernando Tavelin Antonio Cândido Naves 02 Sirlei Murari Élcio Marcos Bezerra Wandson de Sousa Roberto Leandro Del Sant Rodrigo Angelo da Costa Hebert Ignacio Carboni 03 Carlos Elias Thomé Speltz Sérgio Kreniski Augusto César Vaquero Marques 05 Salazar Furloni 06 José Ventura Perroni Marcus Vinícius Souza Pedrozo Wagner Issa Farah 07 Evandro de Oliveira Gilmar Roberto Gregório Joel Martins Luiz Francisco Tonetti Ailton Faion Luiz Alberto Galíssia 08 Wilson Graciano Ribeiro Luís Quirino do Nascimento Cléia Maria Jardim Avila Júlio César Cocito Sônia Aparecida Vieira Rodrigues 09 João Carlos Fuzzio Cadelca José Gaspar Ciachero Cirene Aparecida dos Santos Americano Antonio Juraci Crovador Luís Henrique da Silva 10 Ismael Ribeiro de Mendonça Cícero Jesus de Souza Alcindo Artur Grespi Rodrigo da Silva Gislene Martins de Souza Volpini 11 Márcio Luiz de Vicentes Virgílio Ferreira Fernandes Walter Martins Donizeti de Fátima Camilo Ieda Luciane Barcellos Leite Pádua 12 Alcides Batista de Oliveira Cláudia Adriana M. Nicoleti da Silva Gianete Martins Garcia Anderson Rodrigo Dionizio Edson Aparecido da Silva Eduardo Rodrigues Martinez Edson Francisco Flausino Sene 13 Humberto Tozi Mateus da Silva Gumiero Daniel Bassi Cláudia Cristina Carmello dos Santos 14 Maria Therezinha Lourenço de Biaggi Isildo Pereira Valdimir Azarias da Silva Marcelo Luís Megda Dario de Souza Sidney Rodrigues Martinez 15 Luiz Fernando Junqueira Azevedo Luzia de Selles José Eduardo Velludo Elaine Bombonato Pereira Marcos Antonio de Oliveira 16 Fabiana Leal Ribeiro Rogério Batista da Silva Antonio Amaro Crispim 17 Maria Imaculada Silva Ricoldi Daniel de Oliveira Pires Fábio Alcione Tavares José Roberto Gibim Fernando Donizette Antonialli Evania Borges Dias de Menezes 18 Eduardo Baratella Alexandre Roberto Machado Edna Torres 19 Dorlei Morales José Álvaro Ament Júnior Ocimara Aparecida Paiola 20 Francisco de Assis Furtado Wilson Abdalla Mansur Zaquia Júlio Cesar Lourenço Guilherme da Mata Sousa Maria Elaine Zaneti Ravagnani 21 Joval Pereira Borges Everson Leandro Deloi 22 Carlos Alberto Lino Elaine Aparecida de Oliveira 23 Marcelo José Greghi Haroldo Chaud Mauro Ferreira dos Santos 24 Reinaldo Barboza Iguatemy Brasil Machado de Camargo 25 Gerson Antonio de Oliveira Conceição Aparecida da Silva Celso Gerolim Marcos Antonio Rodrigues Adriano Romanini de Andrade Sérgio Luiz Corrêa 26 Targino Donizeti Osório Ruth Iracema Valentin Reina Riberto Cassiani Aparecida Imaculada Cristino Guizziline 27 Paulo Sérgio Pin Divaldo Rodrigues dos Santos Vanderly Tomé Soraia Pinhone Ravagnani Gustavo André Alves José Roberto Hussar Eduardo Borges dos Santos Filho Sonia Cardoso de Sá Ferreira 28 Dorival de Paula e Silva Paulo César de Sousa Benedito Aparecido Vezzoni Sebastião Domingos Pereira 29 Luís Henrique Maringoli de Lima Kyoshi Airton Ogassavara Rosângela Maria de Toledo Carlos Henrique da F. Ferreira 30 Israel Francisco Pereira Ricardo Souza Silveira Emerson Pereira José Roberto Cavallini Elis Regina Zero de Araújo O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. MEMÓRIA APOSENTADORIA SEM DESCANSO Em outubro de 1999, então chefe dos investigadores do 8º DP (Distrito Policial) de Ribeirão Preto, o atual vicepresidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, preparavase para se aposentar, após 25 anos dedicados à Polícia Civil. Com uma carreira bastante respeitável, Célio dizia à época que, mesmo se aposentando, continuaria atuando profissionalmente e na área sindical. Um dos fundadores do Sinpol, sempre esteve presente em diretorias do sindicato, desde sua fundação. E também manteve a promessa de continuar atuando. Desde 2.000, quando se aposentou, Célio vem atuando como advogado. O investigador, hoje aposentado, cursou direito justamente enquanto atuava como investigador e é muito grato à Polícia Civil por tudo o que construiu na vida. DO FUNDO DO BAÚ O Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto está mantendo um acervo de imagens relacionadas à Polícia Civil. Para tanto, a Diretoria está incentivando a participação de associados que tenham em seus arquivos fotografias que possam ilustrar diferentes aspectos da história da Instituição. “Temos certeza que muitos colegas guardam várias fotos com lembranças de reuniões, eventos e de situações cotidianas dentro da Instituição, com um valor inestimável pelas lembranças que representam”, ressalta o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata. Os interessados em colaborar com esse resgate da memória da Polícia Civil da região podem entrar em contato com a Secretaria do Sinpol, através dos telefones (16) 36129008, 3625-3890 e 3979-2627, ou do e-mail sinpolrp@sinpolrp.com.br. “As fotografias serão digitalizadas e prontamente devolvidas aos seus proprietários”, garante Eumauri. O material reunido pelo Sinpol será publicado no Jornal do Sinpol e no site da entidade (www.sinpolrp.com.br). 12 Agosto/2016

[close]

p. 13

COLINA DESCALVADO POLICIAIS CIVIS APREENDEM POLICIAIS CIVIS PRENDEM TRAFICANTE 22 KG DE DROGAS Um homem de 22 anos foi preso em baram surpreendendo o suspeito. Ele estava Descalvado, por suspeita de tráfico de dro- com seis cápsulas contendo cocaína, 19 pegas. A prisão foi efetuada por policiais civis dras de crack e 13 trouxinhas de maconha. A Além da maconha e crack apreendidos durante a ação, a equipe também efetuou a prisão de três homens e a apreensão de um adolescente que integram a Delegacia de Polícia do muni- droga estava embalada para a venda final ao cípio, que pertence à Seccional de São Carlos usuário. Com o homem, os policiais civis tame, por sua vez, integra a área de abrangência bém encontraram R$ 200 em dinheiro, com do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judi- células pequenas, possivelmente oriundo da ciária do Interior), com sede em Ribeirão Pre- venda de drogas que ele já vinha praticando. to e que atua em 93 cidades da região. O homem foi autuado em flagrante e encami- A prisão, realizada em flagrante, ocorreu nhado à unidade prisional, onde permanece- no dia 15 de julho. O homem foi detino na rá à disposição da Justiça e vai responder Avenida Pio XII, bairro São Sebastião, peri- por tráfico de drogas. Os policiais civis des- feria de Descalvado, por tráfico de drogas. tacam a importância em se denunciar os trafi- Drogas apreendidas por policiais civis da cidade de Colina Os policiais civis receberam uma denún- cantes. A identidade do denunciante é precia anônima dando conta do tráfico nas ime- servada e um criminoso pode ser retirado do Os policiais civis da Delegacia de Polícia de volume. Diante da constatação de que no saco diações da Avenida Pio XII e foram verificar convívio com a sociedade, ajudando a salvar Colina realizaram uma grande apreensão na plástico poderia haver drogas, os policiais ci- a veracidade da informação. Na ocasião, aca- vidas. noite de 19 de julho, na cidade, que integra a vis fizeram então a abordagem e localizaram Delegacia Seccional de Barretos, pertencente, grande quantidade de entorpecentes no interi- por sua vez, à área de atuação do Deinter-3 or do saco. (Departamento de Polícia Judiciária do Interi- Imediatamente deram voz de prisão ao mo- or), com sede em Ribeirão Preto e que respon- tociclista e ao garupa. A equipe também conse- de por 93 municípios da região. guiu prender a pessoa que iria receber a droga. Durante a ação, os policiais civis encontra- No instante em que as prisões eram feitas, os ram e recolheram 20 quilos de maconha e dois policiais civis notaram que um veículo passava quilos de crack. A droga estava em uma resi- pelo local com dois indivíduos e, ao percebedência localizada na Rua Dois, Jardim Parque rem a presença deles, saíram em alta velocida- Policiais civis de Descalvado apreenderam drogas, dinheiro e celular Foto: Polícia Civil Débora, em Colina. Na ocasião, três pessoas e de do local. um adolescente infrator foram presos, suspei- Os policiais seguiram o veículo até o bairro tos de envolvimento com o tráfico. Jardim Primavera e perceberam que o condutor utilizados no tráfico de entorpecentes O local onde foi alvo da ação já vinha sen- havia estacionado. Eles fizeram a abordagem do investigado pelos policiais civis. O Setor de no motorista e no passageiro. Não encontra- Inteligência da delegacia estava monitorando ram nada de ilícito com a dupla. Entretanto, o o suspeito havia semanas, quando receberam motorista acabou confessando que traficava a informação de que um deles estava para rece- drogas e, em sua residência, os policiais civis ber uma grande quantidade de droga, que seria encontraram R$ 520 em dinheiro, além de dois distribuída em toda a região. Diante disso, a potes contendo R$ 450 em moedas. Tudo, se- equipe da Delegacia do Município intensificou gundo o próprio dono da residência, fruto do as atuações de campo, realizando campanas e tráfico. Ao final, a equipe autuou em flagrante monitorando o local. os três homens, por tráfico de entorpecentes, A equipe estava a postos quando associação para o tráfico e colaborar com gru- visualizaram dois homens chegando ao local po ou associação criminosa. O adolescente em uma motocicleta. O garupa carregava um também foi apreendido. saco enorme, aparentando conter um grande Com informações da Polícia Civil Agosto/2016 13

[close]

p. 14

NOVA SEDE APROXIMA-SE CONCLUSÃO DA OBRA O planejamento traçado pela diretoria do Sinpol está sendo mantido e as obras da construção da futura sede social do sindicato aproximam-se de seu final. Os trabalhos de acabamento externo e interno do prédio prosseguem dentro do previsto. O prédio está sendo edificado na Avenida Francisco Massaro Farinha, esquina com a Rua Pedro Pegoraro, que é uma travessa daAv. Leão XIII, na Ribeirânia, atrás do Campus da Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto) e terá área total construída de 1.600 m², está sendo erguido em um terreno com área total de 2.247,95 m². O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, convida todos os associados que tenham interesse em visitar as obras e conhecer como será a nova sede social do sindicato. Os custos da obra também estão à disposição de to- dos os interessados, com total transparência. Uma comissão de associados foi formada para acompanhar passo a passo o que é investido no local. As obras foram iniciadas no dia 06 de março de 2012. Acompanhe nas fotos a evolução do empreendimento. 14 Agosto/2016

[close]

p. 15

FRANCA 3º DP ELUCIDA QUATRO CRIMES Todos os roubos foram cometidos entre os dias 16 e 30 de junho por uma dupla de assaltantes, um dos quais já detido A equipe de policiais civis do 3º DP (Distrito Policial) de Franca realizou uma operação para elucidar, identificar e prender os autores de quatro roubos que foram praticados na área de atuação da delegacia, entre os dias 16 e 30 de junho de 2016. Segundo o titular da unidade, dr. Leopoldo Gomes Novais, o trabalho de investigação realizado por sua equipe possibilitou elucidar os quatro casos. O primeiro caso a ser elucidado foi o roubo de uma Paróquia da cidade. No dia 22 de junho, um dos membros da Paróquia foi surpreendido por um assaltante enquanto estava no escritório da igreja. Um homem com um instrumento nas mãos entrou e anunciou o assalto. Mediante grave ameaça, a vítima acabou não oferecendo resistência e entregou para o assaltante R$ 400 em dinheiro e as chaves de um veículo VW Fox. Enquanto prestava queixa, os policiais civis apresentaram um arquivo com criminosos já fichados e a vítima acabou reconhecendo H.A.M.P. de 32 anos. Os policiais civis agiram rápido e prenderam o homem, recuperando o veículo roubado e entregando-o ao seu legítimo dono. No dia 16 de junho, um comerciante, dono de um supermercado localizado na Vila Aparecido, foi surpreendido pela ação de dois assaltantes. Eles entraram no local empunhando armas de fogo e ameaçando a todos. Fizeram uma coleta nos caixas e levaram cerca de R$ 2,5 mil em dinheiro. Em seguida, os dois fugiram em uma motocicleta que estava estacionada em frente ao supermercado assaltado. Durante as investigações, os policiais civis identificaram R.P.A., de 26 anos, como um dos suspeitos do assalto. Eles localizaram a motocicleta utilizada na fuga e os capacetes utilizados pelos assaltantes. Feito a identificação, o delegado solicitou à vítima seu comparecimento ao DP para tentar identificar o autor no álbum fotográfico de criminosos. O reconhecimento foi automático. O delegado, então, pediu a prisão preventiva do envolvido. R.P.A. foi também o autor de um assalto praticado no dia 24 de junho em um estabelecimento comercial localizado no Jardim Paulista, periferia da cidade. Por volta das 18h00, um homem aproximou-se em uma bicicleta e, exibindo uma arma de fogo, rendeu a proprietária da loja de roupas e algumas clientes que estavam no local. Mediante graves ameaças, roubou joias, celulares e roupas femininas, fugindo em seguida na própria bicicleta. Diante da descrição do autor do assalto pelas vítimas, os policiais civis suspeitaram tratar-se novamente de R.P.A. e apresentaram uma fotografia do homem às vítimas, que fizeram seu reconhecimento. Na ocasião, policiais militares chegaram a apreender a bicicleta utilizada no assalto, mas não conseguiram deter o suspeito. Por conta de mais este crime, o dr. Leopoldo pediu novamente a prisão temporária junto ao Poder Judiciário. No dia 30 de junho, um novo crime foi registrado. Desta vez o assalto foi praticado em um supermercado localizado na zona leste de Franca. A ação foi semelhante ao do assalto anterior. O criminoso chegou ao local de bicicleta e, exibindo, segundo a vítima, uma garrucha cromada, fez graves ameaças. Diante do risco eminente, o empresário se viu obrigado a entregar cerca de R$ 200, que estavam em seu poder. O assalto foi gravado por câmeras de segurança do estabelecimento e, pela terceira vez em poucos dias, os policiais Foto: Divulgação civis reconheceram R.P.A. Ao comparecer ao 3º DP, a quarta vítima reconheceu a bicicleta e um moletom apreendidos, como sendo os utilizados pelo suspeito no momento do crime. Com a prisão de um dos assaltantes, os policiais civis acreditam que a onda de assaltos na região vá diminuir. As investigações prosseguem com o objetivo de localizar e prender R.P.A., uma vez que o mandado de prisão preventiva já foi expedido pela Justiça. Segundo o dr. Leopoldo, toda colaboração por parte da comunidade é sempre bem vinda. Ele pede que as denúncias sejam feitas pelo telefone (16) 3722-2520, garantindo a condição de anonimato do denunciante. Trabalho em equipe garantiu ao 3º DP de Franca elucidar quatro assaltos praticados na cidade Agosto/2016 15

[close]

Comments

no comments yet