Revista Philadelfia

 

Embed or link this publication

Description

2ª Edição - Agosto 2016

Popular Pages


p. 1

Ed. 02 Agosto 2016 Hospital Philadelfia Acolhendo com mais amor

[close]

p. 2

ÍNDICE Editorial Nefrologia...................................... 04 Festa Junina................................... 05 Encontro com familiares............. 06 Nossos serviços............................. 07 Entrevista....................................... 08 Equipe Multiprofissional............. 12 Previna-se...................................... 13 Intervenção de enfermagem..... 14 Se proteja no inverno.................. 15 Medidas preventivas................... 15 A Revista Philadelfia apresenta nesta edição a perspectiva positivista da Saúde no Brasil, enquanto falamos em crise econômica e dificuldades é preciso resgatar a esperança e acreditar que a sustentabilidade do setor e as alternativas de crescimento e desenvolvimento dependem de criatividade e busca de soluções que atendam de forma ampla e humanizada os clientes. O Hospital Philadelfia por acreditar que as dificuldades existem e podem ser superadas, continua investindo em novas soluções e apresenta um projeto de expansão e ampliação de seus serviços, que nos próximos anos lança um desafio para seus parceiros e colaboradores que é o de se tornar um dos melhores e mais completos hospitais da região, digno do que nossa população merece. Nesta publicação você ainda confere o diferencial de qualidade e o trabalho realizado com os pacientes renais, que mesmo com os problemas enfrentados pelo seguimento, a unidade se descobre com novidades e um atendimento inovador. Além disso, começaremos apresentar membros de nossa equipe que se destacaram e que apresentam sua vida como forma de incentivar as demais pessoas a sonhar com um futuro melhor e acima de tudo acreditar! Então vamos lá, espero que gostem de nossa 2º edição e tenham uma excelente leitura. www.hospitalphiladelfia.com.br (33) 3529-5500 Av. Dr. Júlio Rodrigues, 475 Marajoara - Teófilo Otoni - MG Dr. Eduardo Abrantes Penchel Diretor Técnico Médico CRM. MG 44483

[close]

p. 3



[close]

p. 4

Em foco: Nefrologia Dra. Marcia Ramalho Santos Clínica Médica/Nefrologista Responsável Técnica da TRS do Hospital Philadelfia Dra. Renata Vitoriano Corradi Gomes Clinica Médica/ Nefrologista Professora da Faculdade de Medicina do Mucuri UFVJM Mestranda em Ciências Fisiológicas pela UFVJM Falar da nefrologia é falar da minha vida, da minha história, mexe muito comigo, pois desde o inicio do exercício profissional jamais consegui trabalhar sozinha. Nosso propósito sempre foi agregar, somar esforços e habilidades para fazermos melhor, utilizando nossos conhecimentos e experiências. Atualmente a equipe do Hospital Philadelfia, atua em todos os segmentos da nefrologia, já somos reconhecidos na comunidade médica e sociedade. A nefrologia é uma especialidade diferenciada, é muito expressiva. Os profissionais que trabalham conosco passam a ser conhecidos pelo trabalho de qualidade que realizam. Atendemos uma macro região muito carente, e mesmo assim nosso desempenho é notável, consequência de esforço mútuo e contínuo. A última boa notícia, é que depois de 10 anos de insistência, foi liberado o ambulatório de nefrologia, o que irá garantir o atendimento preventivo da doença renal crônica em nossa cidade e região. Estamos muito motivados a iniciar este novo desafio. 04 A doença renal crônica representa um grave problema de saúde pública na região do vale do Mucuri. A Macrorregião Nordeste é composta por 57 municípios, com uma população total estimada de 813.103 habitantes (IBGE 2012), sendo Teófilo Otoni, o município pólo da região. Em nossa região enfrentamos verdadeiras “lacunas” assistenciais, traduzidas por deficiência de assistência hospitalar e ambulatorial. Os pacientes não têm acesso precoce ao nefrologista, não tendo a chance de retardar a progressão da doença, prevenir as complicações, modificar as comorbidades presentes e quando necessário, serem preparados adequadamente para o início da terapia renal substitutiva. A situação econômica atual vivenciada nacionalmente, como é do conhecimento de todos nós, atingiu gravemente as clínicas de hemodiálise de todo país, culminando, inclusive, com fechamento de grandes serviços. Como vivemos num dos maiores “bolsões de pobreza do estado”, o enfrentamento da crise, em nossa região, é particularmente difícil, tornando o exercício da nefrologia, um grande desafio.

[close]

p. 5

O Hospital Philadelfia realizou no dia 25 de junho a sua tradicional festa junina , o espaço do Fronteiras Bar se transformou em um verdadeiro “ arraia “ com comidas e bebidas típicas , muita alegria e animação . Pacientes e equipe da hemodiálise em ritmo de Festa Julina Nos dias 27 e 28/07/2016 (1º, 2º e 3º turno), o serviço de terapia renal substitutiva do HOSPITAL PHILADELFIA realizou FESTA JULINA para os PACIENTES E ACOMPANHANTES. Teve decoração especial, muitos foram com seus trajes a caráter, animação da Banda de Música da 15º RPM, dança e comidas típicas (com adequação nutricional). A iniciativa é uma ação da direção do hospital Philadelfia e equipe composta por assistente social, psicóloga, nutricionista, enfermeiros, técnicos de enfermagem, médico e secretaria. Tudo para mudar um pouco a rotina desses pacientes que fazem esse tratamento contínuo. “Eles adoraram a festa e nós também, porque vimos no rosto dos pacientes e acompanhantes um momento para esquecer as difi- culdades enfrentadas por quem faz a hemodiálise, e eles sempre ficam aguardando ansiosos pela comemoração. É um tratamento cansativo, doloroso e que exige muitos cuidados para que não haja problemas. Para contrastar com essa situação, procuramos levar aos pacientes momentos como esse, especiais”. Equipe de Terapia Renal Substitutiva 05

[close]

p. 6

famEnilciaoCrnreôtsrnodicocoossmReonsais A equipe multidisciplinar da TRS do Hospital Philadelfia tem promovido encontros com os familiares e acompanhantes dos pacientes renais crônicos da hemodiálise. Esses encontros têm como objetivo oportunizar aos participantes um espaço para informação, orientação, reflexão, expressão de sentimentos além de incentivar a interação entre eles e com a equipe. Este trabalho faz-se necessário uma vez que os familiares também necessitam de apoio e devido o papel fundamental que desempenham no tratamento dos pacientes renais. Quando a família está acolhida e informada, prepara-se melhor para enfrentar o momento vivenciado e para auxiliar o paciente, tornando-se parceira no tratamento e aliada da equipe de saúde. Katlen Romana Schaper Prates Psicóloga da TRS 06

[close]

p. 7

07

[close]

p. 8

Funcionário destaque Fábio Lemes de Souza 35 anos , é solteiro e natural de Teófilo Otoni . Filho de família humilde, sempre foi dedicado aos estudos e a profissão. Tornou-se administrador de empresas e especialista em Gestão de Pessoas, Administração Hospitalar e Auditória em Sistemas de Saúde, é Mestre em Educação pela UFVJM e hoje defende seu Doutorando em Economia na Argentina. Fábio trabalha desde os 14 anos e começou sua vida profissional como guarda mirim. Já foi professor da FENORD - Curso de Administração e Administração Pública e FATEGÍDIO - Curso de Administração Hospitalar. Atualmente é professor na UNIPAC - Cursos de Administração; Biomedicina; Farmácia; Sistemas de Informação. Pós Graduação: MBA em Marketing; MBA Gestão Financeira e Negócios; MBA Gestão de Projetos Sociais, e professor voluntário no curso de administração publica da UFVJM . Atua nas áreas de Teoria Geral da Administração; Administração da Produção; Marketing; Marketing na Gestão Pública; Marketing Hospitalar, Logística Hospitalar; Organização, Sistemas e Métodos; Gestão de Equipes em Saúde; Gestão da Informação em Saúde; Sistemas de Informação em Saúde; Gestão de Processos e Serviços; Administração de Projetos; Empreendedorismo e Novos Negócios; Organização de Empresas; Economia Brasileira; Economia Geral; Teoria das Finanças Públicas; Planejamento Estratégico. É também o Diretor Administrativo do Hospital Philadelfia desde sua fundação. Sempre envolvido em ações sociais, por incentivo da própria família, ainda jovem junto com seu pai, participou da construção de casas populares para pessoas menos favorecidas e, em sua iniciação na igreja católica, atuou na construção de banheiros para as residências nos bairros São Benedito e Taquara, já foi coordenador do eixo Saúde no Projovem Trabalhador, marcando o seu compromisso com o resgate e a valorização das pessoas . Ligados as questões culturais chegou a ser modelo quando criança e ator participando de teatros em sua comunidade durante seis anos. Escreveu e dirigiu peças com algumas apresentações memoráveis junto ao Coral Paulo VI. Foi catequista, coordenador de grupos de jovens e pastorais por vários anos na Paróquia de São Benedito. Também se arrisca como atleta , sempre disputando campeonatos de futebol pela comunidade e pelo hospital . Apesar da pouca idade, Fábio iniciou sua militância aos 16 anos participando de movimentos sociais e reuniões de debates sobre juventude e cidadania. Desde então, não mais se afastou das questões políticas relacionadas ao progresso e ao desenvolvimento de sua cidade. Ministrou vários cursos na área de atendimento, finanças, qualidade e marketing. Prestou consultoria em várias empresas da cidade e região. É o responsável técnico de uma empresa de concursos públicos em 3 estados (MG, BA e ES), além de ter artigos e livros publicados . 08

[close]

p. 9

Entrevista • Qual a mensagem você pode deixar para as outras pessoas? “Meu pai dizia que para eu ser alguém na vida deveria zelar pelo meu nome, e se eu quisesse algo mais, deveria estudar muito e trabalhar mais ainda. Foi o que sempre fiz! Diria as pessoas: Sejam honestas, tenham orgulho do que fazem, estudem bastante, pois a educação e o conhecimento são as maiores riquezas de um homem; E trabalhe pensando que está fazendo sempre o melhor para você!” Fábio Lemes de Souza Teófilo Otoni - MG 35 anos Formação: Administrador, Especialista em Gestão de Pessoas; Administração Hospitalar; Auditoria em Serviços de Saúde; Mestre em Educação pela UFVJM; Doutorando em Economia - Argentina. • Qual o momento mais desafiante de sua vida até hoje? “Quando entrei na faculdade de Administração e só tinha dinheiro para pagar o curso durante 6 meses, tive que abrir mão de sair, comprar roupa, sapato, então fui fazer várias outras coisas que visavam cuidar do próximo, participando de atividades comunitárias e na igreja, foi a forma que encontrei para entender que tudo isso era uma fase e que existiam pessoas em situação mais difícil, que eu não poderia desistir! Minha fé em Deus e a família foram essenciais para manter o foco e superar as dificuldades.” 09

[close]

p. 10

• O que você pensa sobre o futuro ? “Minha cidade já me ajudou muito, realizei vários sonhos! Vim de família muito humilde, e sei que hoje as pessoas estão sofrendo por falta de acesso a saúde, a educação não está preocupada com o que seremos no futuro e os nossos jovens estão sem opção de vida, sem sonhos e sem motivação. Penso que podemos ter uma vida mais justa, mais digna e com mais oportunidades. Que nosso País pode ser uma potência. Que nosso Estado é o melhor para se viver e que minha cidade tem potencial demais para continuar adormecida, e que não posso cruzar os braços e esperar tudo acontecer, porque na minha vida eu sempre fiz acontecer! Eu acredito que as pessoas ainda serão respeitadas e atendidas em suas necessidades, que a simplicidade e a boa vontade ainda podem mover o mundo.” PAINEL GERAL Saúde É necessário defender uma política de saúde descentralizada e resolutiva! As pessoas vão aos postos de saúde e saem de lá para agendar seus exames, consultas especializadas e cirurgias eletivas em outro lugar, a população carente não tem às vezes condições de deslocar até a secretária de saúde, o resultado – ficam sem resolver um problema simples e depois vão ser atendidos na UPA e nos hospitais em estado grave, essa realidade precisa mudar. A atenção básica pode ser melhorada e o cidadão precisa ser atendido de forma integral e rápida. Outra situação difícil passa pela aplicação e gestão dos recursos, que já são escassos, mas como não sabemos com CLAREZA como estão sendo aplicados e os resultados que eles produzem, fica-se a dúvida, e nós questionamos, para onde vai o dinheiro da saúde? É preciso acompanhar e contribuir com a gestão dos recursos públicos na área de saúde. Nesse sentido, para melhorar os serviços prestados à população, é preciso investir em treinamento constante das equipes e no controle de qualidade dos prestadores de serviço, exigindo que o cidadão seja respeitado e atendido de forma digna! 10

[close]

p. 11

Juventude É preciso que o jovem tenha espaço para participação social e debates políticos! Mais do que nunca é necessário oferecer a nossa juventude novas possibilidades, através da oferta de trabalho, educação, esporte e laser, oportunizando seu desenvolvimento integral, amplo e livre. O resgate e incentivo aos projetos sociais e culturais, que auxiliam no desenvolvimento de habilidades e na descoberta de talentos são essenciais. O jovem precisa ter sonhos, ter esperança! Participar de oficinas de musica, esporte, danças, artesanato, e articular sua convivência cidadã em comunidade, é uma forma de valorizar o futuro de nossa cidade e cuidar para que tenhamos pessoas éticas, responsáveis e honestas. Educação É essencial discutir sobre o futuro educacional na cidade. A aplicação de recursos de forma eficiente e o respeito às políticas públicas irá articular o processo de desenvolvimento de nossas crianças e adolescentes. A execução de projetos de formação complementar, voltados para cidadania e empreendedorismo pode assegurar novas possibilidades para as classes menos favorecidas. Trabalhar com a prevenção de doenças e ações de qualidade de vida no processo educacional pode garantir que tenhamos pessoas mais preparadas e preocupadas com a sua saúde e bem estar. Não podemos esquecer que a educação é ampla, e precisa reconhecer cada individuo em sua necessidade, sendo assim, a responsabilidade ambiental e social precisa ser debatida nos espaços escolares, além da integração das comunidades como forma de respeitar as diferentes opiniões e culturas. 11

[close]

p. 12

Equipe Multiprofissional é o Diferencial! nossa Unidade Renal, que por meio de seus talentos, habilidades e disposição, fazem toda a diferença na vida dos pacientes, realizando ações como: • Arrecadação de roupas, alimentos, kits de higiene pessoal, suplemento alimentar, entre outros; • Atividades especiais em datas festivas como Páscoa, Dia das Mães, Festa Julina ,Dia dos Pais e Natal; •Arrecadação de donativos em geral; • Acolhimento e oração; • Distribuição de cestas básicas. Tendo em vista a necessidade financeira enfrentada por muitos dos nossos pacientes, percebemos, que podíamos fazer mais por eles. Foi assim que, em 2005, nasceu o Programa Para Voluntários Renal do Coração, voltado para a melhoria da qualidade de vida daqueles que estão em tratamento renal. O Programa Renal do Coração surgiu da vontade de fazer algo mais pelos pacientes que apresentam doenças crônicas e necessitam de tratamento substitutivo ou transplante. A missão do projeto está intimamente ligada a cuidar, acolher e ajudar os pacientes. A filosofia é otimizar o tratamento dos renais, que merecem, carinho, amor, respeito e preservação da sua dignidade. Contamos com o apoio de toda equipe multidisciplinar e voluntários para que possamos trazer mais alegria e bem estar durante o tratamento . O projeto prima pela realização de atividades biopsicosociais, trabalhando o resgate da autoestima e a busca de sua recuperação funcional, com o intuito de despertar suas habilidades e capacidades adormecidas ou ocultas pela doença. Estabelecer parcerias com a sociedade civil, iniciativa privada (comércio, varejo e indústria), instituições religiosas e organizações não governamentais é indispensável para a realização dos trabalhos. Os projetos sociais realizados na clínica, também estimulam os pacientes a não abandonarem os seus tratamentos de saúde. Contamos com o apoio de alguns voluntários em 12

[close]

p. 13

PREVINA-SE Perguntas e respostas sobre Influenza 1. O que é gripe ou Influenza Sazonal? A Influenza, também conhecida como Gripe, é uma infecção do sistema respiratório cuja principal complicação são as pneumonias, responsáveis por um grande número de internações hospitalares no país. 2. Quais os sintomas? A Gripe, ou Influenza sazonal, inicia-se em geral com febre alta, seguida de dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça, coriza e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de três dias. Os sintomas respiratórios, como tosse, tornam-se mais evidentes com a progressão da doença e mantêm-se em geral de três a cinco dias após o desaparecimento da febre. Alguns casos apresentam complicações graves, como pneumonia, necessitando de internação hospitalar. Devido aos sintomas em comum, pode ser confundida com outras viroses respiratórias causadoras de resfriado. 3. Como se transmite? A Influenza pode ser transmitida de forma direta por meio das secreções das vias respiratórias de uma pessoa contaminada ao espirrar, ao tossir ou ao falar, ou por meio indireto pelas mãos, que após contato com superfícies recentemente contaminadas por secreções respiratórias de um indivíduo infectado, podem carrear o vírus diretamente para a boca, nariz e olhos. Não há diferença de transmissão entre os tipos de influenza sazonal. 4. Como tratar? O tratamento dos sintomas da influenza sem complicações deve ser realizado com medicação sintomática, hidratação, antitérmico, alimentação leve e repouso. Nos casos com complicações graves, são necessárias medidas de suporte intensivo. Atualmente, o medicamento antiviral fosfato de oseltamivir é indicado para o tratamento. Os medicamentos devem ser prescritos pelos profissionais médicos aos pacientes que apresentem condições e fatores de risco a complicações por influenza (gripe) e aos casos em que a doença já se agravou. Em caso de complicações, o tratamento será específico. É fundamental procurar atendimento nas unidades de saúde, para que haja identificação precoce de risco de agravamento da doença. 13

[close]

p. 14

Intervenções de Enfermagem O Hospital Philadelfia através da gestão de enfermagem da TRS vem realizando algumas intervenções importantes. São promovidas mensalmente reuniões científicas para a equipe de enfermagem e através de um programa de educação permanente trimestralmente os pacientes renais crônicos e familiares também são capacitados. Outras ações, como providenciar acesso permanente para o paciente logo após o diagnóstico da DRC; redução da taxa de hospitalizações; redução do número de pacientes com anemia; conferência mensal de medicamentos na unidade; acompanhamento glicêmico dos pacientes diabéticos; manutenção do acesso vascular permanente; seleção do perfil de aprendizagem dos pacientes e cuidadores através da andragogia; encontro anual com os pacientes e cuidadores da DP e programa de reciclagem trimestral com cuidadores e pacientes, são algumas ações que foram planejadas e aplicadas no serviço de enfermagem em parceria com toda a equipe multiprofissional, que fazem do serviço de TRS do Hospital Philadelfia o maior do Nordeste Mineiro, uma vez que buscamos a cada dia ampliar a qualidade do nosso serviço. 14

[close]

p. 15

Fique de olho e se proteja no inverno A estação mais fria do ano já chegou, e junto com ela a responsabilidade de cuidarmos um pouco mais da saúde. Por isso é importante darmos atenção às campanhas de vacinação promovidas pelo governo federal e claro, ficarmos de olho na nossa nutrição, que é parte fundamental para que o inverno seja tranquilo e delicioso. Uma dica é aumentar o consumo de verduras, legumes e alimentos que contenham vitamina C como: laranja, limão, tangerina, abacaxi e morangos, pois, estas frutas fortalecem o sistema imunológico protegendo o corpo de gripes e resfriados. Também é importante que o corpo esteja sempre hidratado e as mãos higienizadas com água, sabão e álcool, evitando que vírus e bactérias sejam transmitidos. Medidas preventivas de eficácia comprovada: • Higienizar as mãos com água e sabão, ou com álcool gel, principalmente depois de tossir ou espirrar; depois de usar o banheiro; antes de comer; antes e depois de tocar os olhos, a boca e o nariz; • Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies potencialmente contaminadas, como corrimãos, bancos e maçanetas; • Evitar proteger a tosse e o espirro com as mãos, utilizando, preferencialmente, lenço de papel descartável; • Evitar contato com pessoas que apresentem a síndrome gripal. 15

[close]

Comments

no comments yet