Informativo Ceriluz 34

 

Embed or link this publication

Description

Informativo Ceriluz

Popular Pages


p. 1

Além da Energia - 1

[close]

p. 2

Cooperativa Regional de Energia e Desenvolvimento Ijuí Ltda. CNPJ/MF 87.656.989/0001-74 Inscrição Estadual RS 065/0021908 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 2015/2018 Presidente: Iloir de Pauli Vice-presidente: Valmir Elton Seifert 1º vogal: Luiz Auri Visioli 2º vogal: Roque Costa Beber CONSELHO FISCAL EFETIVO (2016/2017) Rosemara Beck Romeu Ângelo de Jesus Evandro Lanzarin CONSELHO FISCAL SUPLENTE Luciano Lorenzoni Cláudio Roberto Drews 3HGUR,WDPDU6HUDÀQL Rua do Comércio, nº 921, Centro – Ijuí / RS CEP 98700-000 Telefone: 3331 9100 www.ceriluz.com.br EXPEDIENTE Informativo Ceriluz Além da Energia - Especial 50 anos Produção: Assessoria de Comunicação Social Jornalista: Vilson Wagner (wagner@ceriluz.com.br) Capa/Contracapa: Z Agência Diagramação/Impressão: ,76*UiÀFDH(GLWRUD-RUQDOtVWLFD/7'$ Tiragem: 13.000 unidades Distribuição gratuita 2 - Além da Energia

[close]

p. 3

Cooperativa de Geração de Energia e Desenvolvimento Social Ltda. CNPJ/MF 08.290.060/0001-06 Inscrição Estadual RS 065/0123611 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 2014/2018 Presidente: Iloir de Pauli Vice-presidente: Valmir Elton Seifert Secretário: Romeu Ângelo de Jesus 1º vogal: Luiz Vieira 2º vogal: Roberto Heuser 3º vogal: Senio Reinoldo Kirst 4º vogal: Leonildo Fernandes de Ávila 5º vogal: Luiz Fernando Baroni CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SUPLENTE 1º vogal: Maira Bottega 2º vogal: Jandir Tabille 3º vogal: Valmir Varini 4º vogal: Antenor Tedeschi 5º vogal: Edenor Carlos Brigo CONSELHO FISCAL EFETIVO (2016/2017) Olacir Amaral Clóvis Taborda Padilha Sidnei João Montagner CONSELHO FISCAL SUPLENTE Adir Milton Kunz Ângelo Paulo Prybytowicz Edemar Soschinske Além da Energia - 3

[close]

p. 4

MENSAGEM DO PRESIDENTE Iloir de Pauli 4 - Além da Energia Dia 20 de agosto de 2016! Mais é a essência do desenvolvimento da reuma data memorável da his- JLmR JUDoDV DR WUDEDOKR GH WRGRV TXH WyULD GD &HULOX] (QÀP QRVVD de alguma maneira ajudaram a cons- Cooperativa completa 50 anos. É dia de truir a Ceriluz. comemorar não a construção de uma Para medir o tamanho da Ceriluz UHGHGHHQHUJLDGHXPDVXEHVWDomRRX SRGHUtDPRVFRPHoDUDFLWDUDTXLFDGD de uma usina. É dia de comemorar mui- XPDGDVREUDVTXHMiUHDOL]DPRVTXH to mais do que isso: uma história que QmR IRUDP SRXFDV QR HQWDQWR FRP comprova que quando queremos algo certeza isso não representaria a rea- pSRVVtYHOFRQTXLVWDUeGLDGHH[DOWDUD OLGDGHMiTXHQRVVDHQHUJLDYDLPXLWR força do trabalho em cooperação. Ao além do que podemos visualizar. Para olhar para os cinquenta anos da Ceriluz FKHJDU PDLV SUy[LPR SRVVtYHO GR WD QmR TXHUHPRV HQ[HUJDU DSHQDV QRV PDQKRGD&HULOX]WHUtDPRVTXHFROR VDV REUDV ItVLFDV TXHUHPRV TXH FDGD car junto nessa conta cada casa que XPYHMDRTXDQWRpJUDQGHHFRPSOH[D D &RRSHUDWLYD DWHQGH FDGD LQG~VWULD HVVDUHODomRGHSHVVRDVDWXDOPHQWH FDGDFRPpUFLRFDGDDUPD]pPDJUtFR PLO IDPtOLDV TXHHVWmRFRQHFWDGDVSRU OD FDGD HVFROD SRVWR GH VD~GH XQL FDERVGHHQHUJLDHOpWULFDPDVWDPEpP YHUVLGDGH DÀQDO GH FRQWDV p Oi TXH pelo intuito de fazer da Ceriluz uma D &HULOX] HVWi QD YLGD GH FDGD XP ( FRRSHUDWLYD JLJDQWH 6LP XPD RUJDQL foi por isso que adotamos como lema ]DomR HQRUPH TXH KRMH PRYLPHQWD H nesse ano do Cinquentário a frase

[close]

p. 5

GLD PHOKRUDU RV VHUYLoRV e R WLSR dos. Esse é o diferencial de uma em- de cobrança que se faz apenas para presa cooperativista: compreender o TXHP VH FRQÀD e R WLSR GH UHODomR TXH VHX FRQVXPLGRU SUHFLVD 3RGHUtD que se tem apenas com os mais pró- mos pensar apenas em fazer grandes [LPRV 9RFr QmR OLJD D TXDOTXHU PR REUDV H HP FREUDU SRU LVVR FRQWXGR PHQWR GH PDGUXJDGD SDUD DOJXpP essa situação não faz sentido. Porque TXH YRFr PDO FRQKHFH PDV YDL OLJDU FRQVWUXLUVHQmRpSDUDEHQHÀFLDUDWR SDUDVXDHVSRVDRXHVSRVRSDUDVHXV GRVGHLJXDOIRUPDGDQGRFRQGLo}HV ÀOKRVjTXHOHVTXHVHSUHRFXSDPFRP GHXVXIUXtUHPGRVHUYLoR3RULVVRQRV você ou com quem você se preocu- HVIRUoDPRVPXLWRGHVGHVHPSUHSDUD SD e LVVR D &HULOX] SRVVXL XPD UHOD garantir também uma tarifa justa aos omRGHFRQÀDQoDFRPFDGDDVVRFLDGR QRVVRV DVVRFLDGRV GH IRUPD TXH HOHV está todos os dias em sua casa e não possam usar da energia sem onerar se importa se o consumidor ligar de VXDV IDPtOLDV ( HVWDPRV FRQVHJXLQGR PDGUXJDGDRXQRPHLRGRWHPSRUDO LVVR DSHVDU GH WRGDV DV GLÀFXOGDGHV Prontamente nossas equipes farão o que o mercado oferece. Hoje temos maior esforço para minimizar seu so- tarifas 30% mais baratas que outras frimento. É uma relação quase fami- GLVWULEXLGRUDV GD UHJLmR H VH FRPSD liar. Essa é a grandiosidade da Ceriluz. UDUPRV DV WDULIDV DWXDLV YHUHPRV TXH 6XDV UHGHV VXEHVWDo}HV VXDV XVLQDV os associados estão pagando tarifas fazem parte dessa convivência como LJXDLVRXPHQRUHVjVTXHSDJDYDPKi XPD JHODGHLUD FRPR XP FKXYHLUR WUH]H DQRV TXDQGR RIHUHFtDPRV GHV FRPR XPD WHOHYLVmR R FRPSXWDGRU contos para quem pagasse a fatura de HQÀP FRPR RV HOHWURGRPpVWLFRV ID energia em dia. Não podemos negar ]HPSDUWHGHXPDIDPtOLD6mRIXQGD TXHWDOYH]HVVDQRVVDDPELomRGHJD PHQWDLV PDV VmR HOHWURGRPpVWLFRV rantir uma tarifa reduzida pode ter nos As estruturas de redes que percorrem FXVWDGRDUHDOL]DomRGHDOJXPDVREUDV PDLVGHPLOTXLO{PHWURVGHH[WHQ mas que não comprometeram a quali- são e nossas quatro usinas – Nilo Bon- dade do fornecimento. O que tem de IDQWL -RVp %DUDVXRO 56 H $JXGR ser feito está sendo feito. Voltando aos – são fundamentais para levar ener- H[HPSORV GRV HOHWURGRPpVWLFRV XPD JLD PDV VmR DSHQDV REUDV TXH QmR IDPtOLDTXHWHPXPDWHOHYLVmRQmRVHUi interferem diretamente na relação de menos feliz porque não comprou uma FRRSHUDomRTXHH[LVWHHQWUHD&HULOX] segunda. É preciso se ter o essencial e HVHXVDVVRFLDGRVUHODomRHVVDTXHp RUHVWRVHEXVFDTXDQGRDVFRQGLo}HV nossa essência. forem mais favoráveis. “Energia para a Vida”. Nossa presen- )DORSRUPLPPDVDFUHGLWRHVWDU E quem sabe esses dias mais fa- oDDtQDVXDFDVDpFRQVWDQWHHTXDVH falando em nome de qualquer um dos voráveis não estejam por chegar. Essa ininterrupta. Quase porque é impos- SUHVLGHQWHVTXHHVWLYHUDPjIUHQWHGD esperança nos é dada a partir da mu- VtYHO QmR KDYHU PRPHQWRV HP TXH Ceriluz ao longo dos cinquenta anos. dança da metodologia tarifária para as RFRUUD D TXHGD GH HQHUJLD VHMD SRU Nós não assumimos com o objetivo cooperativas por parte da Agência Na- WHPSRUDLVGHVOLJDPHQWRVSDUDPDQX GH FRQVWUXLU JUDQGHV REUDV PDV FRP cional de Energia Elétrica (Aneel). Por WHQomRHQÀPHHVVDpDPDLRUSURYD o objetivo de construir uma grande FRLQFLGrQFLDRXREUDGRGHVWLQRMXVWD GDSDUFHULDH[LVWHQWHHQWUHD&HULOX]H FRRSHUDWLYDIRUPDGDSRUXPDUHODomR mente no ano do cinquentenário. Nos seu associado. Pois quando falta ener- GHFRQÀDQoDYLVDQGRSURPRYHURGH ~OWLPRVDQRVD$QHHOHUDTXHPGHÀQLD gia ninguém pensa “o que é que vou senvolvimento da nossa região e da- DVWDULIDVGD&HULOX]DVVLPFRPRRID] fazer agora?”. O pensamento que vem queles que vivem nela. As obras foram para todas as cooperativas e distribui- é “vou ligar para a Ceriluz”. Se você necessárias para garantir isso até por- doras de energia. Isso era feito sem construir uma casa e ocorrer uma ra- TXHVHPHODVQmRSRGHUtDPRVJDUDQWLU participação dos principais interessa- chadura na parede você não vai ligar a qualidade de energia que queremos GRV QR WHPD RX VHMD DV FRRSHUDWLYDV SDUDDIiEULFDGHWLMRORVSDUDUHFODPDU e estamos ofertando. Sabemos que ela e seus associados. A nova metodologia nem mesmo para o pedreiro. Se você ainda não é o ideal em todas as re- UHFRQKHFH DV FDUDFWHUtVWLFDV FROHWLYDV usar um adubo e o resultado não for JL}HV H PDLV REUDV VHUmR QHFHVViULDV GDVFRRSHUDWLYDVRQGHDVSHVVRDVSR satisfatório na sua lavoura você não mas sabemos que estamos indo no ca- dem e devem opinar sobre sua gestão. telefonará para a fabricante. Mas para PLQKR FHUWR 3ULQFLSDOPHQWH HVWDPRV Por isso a nova metodologia dá mais a Ceriluz todos ligam. O que é ótimo. garantindo essa energia de qualidade DXWRQRPLDjVFRRSHUDWLYDVTXHDJRUD ,VVRDMXGDDUHIRUoDURVODoRVHDFDGD com tarifas justas aos nossos associa- após discutirem com seus associados Além da Energia - 5

[close]

p. 6

RXUHSUHVHQWDQWHVVXJHUHPRYDORUGD em 1966 optaram por criar a Ceriluz: PHOKRUpDÀEUDySWLFD tarifa a ser aplicado. Isso nos dá mais RIHUHFHU XP VHUYLoR TXH p VLQ{QLPR Aqui é preciso falar também dos WUDQTXLOLGDGH SRLV VDEHPRV TXH SR- GH GHVHQYROYLPHQWR PDV TXH PXL- colaboradores. Quando usamos a pa- deremos ajustar nossas tarifas confor- WRV DLQGD QmR WrP DFHVVR D LQWHUQHW lavra Ceriluz pode se ler aqui também me nossas necessidades. A nova meto- A Ceriluz iniciou uma nova caminha- D SDODYUD ´FRODERUDGRUHVµ DÀQDO VmR GRORJLDQmRYDLSHQDOL]DURDVVRFLDGR GDTXHVHUiGHPRUDGDVDEHPRVPDV HOHVTXHSUHVWDPRVHUYLoRTXHDWHQ- SHORFRQWUiULRLUiOKHWUD]HUEHQHItFLRV TXH YDL VXSULU XPD ODFXQD H[LVWHQWH dem aquela ligação feita de madruga- Se acharmos necessário reajustar as principalmente no meio rural. Inter- GDTXHVREHPQRVVHXVYHtFXORVSDUD WDULIDVRTXHDOJXPDVYH]HVVHUiLQH- QHWKRMHVLJQLÀFDPXLWRPDLVTXHGL- devolver o fornecimento de energia o YLWiYHOLVVRVHUiIHLWRFRPRSURSyVLWR YHUVmR H LQIRUPDomR p SHOD LQWHUQHW PDLVUiSLGRSRVVtYHOSDUDRVDVVRFLD- de investir visando uma distribuição que se estuda o mercado e se fecham dos. Hoje temos a convicção de que de energia cada vez melhor. QHJyFLRV GH IRUPD LQVWDQWkQHD 3RU estamos com o melhor quadro de co- Outro fato a se destacar é que isso que achamos importante entrar- ODERUDGRUHVGHWRGRVRVWHPSRVSUH- ao longo dos seus 50 anos a Ceriluz mos nesse mercado. Queremos que SDUDGRV IRUPDGRV SDUD GDU VXSRUWH VHPSUH PDQWHYH VHX IRFR TXH IRL D nossos associados tenham as mesmas ao que o associado espera de nós. HQHUJLD HOpWULFD &ODUR TXH H[SDQGL- oportunidades que aqueles que vivem Falar de cinquenta anos não é PRV QRVVRV QHJyFLRV SDVVDQGR D QRVJUDQGHVFHQWURV$OLiVTXHUHPRV VLPSOHV 'LItFLO HVFROKHU R TXH GH PDLV atuar também na geração de ener- TXHHOHVWHQKDPFRQGLo}HVDLQGDPH- importante aconteceu. Eu espero aqui JLD HOpWULFD RQGH FRQVWUXtPRV QRV- lhores e para isso vamos levar sinal de ter trazido um resumo não dessa lon- VDV XVLQDV QRV WRUQDQGR DWXDOPHQWH GDGRV YLD ÀEUD ySWLFD SDUD WRGRV RV JDKLVWyULDPDVXPUHVXPRGHQRVVRV uma das maiores cooperativas gera- DVVRFLDGRVFOLHQWHVGD&HULOX]1HWGR sentimentos para com as pessoas en- GRUDV GR SDtV 3RUpP HVVD JHUDomR SURYHGRU DWp VXDV FDVDV 3RGHUtDPRV volvidas. Sentimentos de respeito e WDPEpP WHP UHÁH[RV QD TXDOLGDGH WHU LQLFLDGR DQWHV HVVH WUDEDOKR FRQ- ]HOR 3RU ÀP YDOH OHPEUDU TXH QRVVDV da energia levada ao associado. E WXGRFRPIRUPDVDOWHUQDWLYDVGHHQ- portas estarão sempre abertas para re- DJRUD HP  TXDQGR FRPSOHWD- YLDURVLQDOFRPRYLDUiGLRQRHQWDQ- FHEHUQRVVRVDVVRFLDGRVSDUDTXHHOHV mos o cinquentenário nos permitimos WRQmRRÀ]HPRVSRLVGHVGHRLQtFLR possam seguir nos ajudando a construir seguir um caminho um pouco dife- WtQKDPRVDFRQYLFomRGHTXHTXDQGR essa relação vitoriosa chamada Ceriluz. UHQWH SRUpP FRP R SURSyVLWR PXL- OHYiVVHPRV D LQWHUQHW IDUtDPRV FRP Feliz aniversário de 50 anos a todos to parecido com o dos pioneiros que RTXHGHPHOKRUH[LVWLVVHHKRMHHVVH nossos associados e colaboradores. ´$&HULOX]SRVVXLXPDUHODomRGHFRQÀDQoDFRPFDGDDVVRFLDGRHVWiWRGRV RVGLDVHPVXDFDVDHQmRVHLPSRUWDVHRFRQVXPLGRUOLJDUGHPDGUXJDGD RXQRPHLRGRWHPSRUDO3URQWDPHQWHQRVVDVHTXLSHVIDUmRRPDLRUHVIRUoR SDUDPLQLPL]DUVHXVRIULPHQWReXPDUHODomRTXDVHIDPLOLDUµ 6 - Além da Energia

[close]

p. 7

LIVRO RESGATA HISTÓRIA DOS 50 ANOS DA CERILUZ IQWHJUDQGRDVFRPHPRUDo}HVGRVDQRVGHIXQGDomR WUDGRUHVHTXDGURVRFLDODFRRSHUDWLYDIRLVHJXLQGRXPD da Ceriluz foi lançado no dia 19 de agosto o livro “Ener- trajetória ascendente até ingressar na área de geração de gia para a Vida”. Essa obra é fruto de um trabalho de HQHUJLDTXHDOHYRXDDOFDQoDUXPGHVWDFDGRSDWDPDUTXH SHVTXLVDGHSRXFRPDLVGHGRLVDQRVGRDXWRUMRUQDOLVWD VRPDGR j FRQWtQXD TXDOLÀFDomR GH VHX TXDGUR IXQFLRQDO e escritor Ademar Campos Bindé. Nas suas 218 páginas e ao acompanhamento da evolução tecnológica coloca a o livro busca retratar os fatos mais relevantes que mar- Ceriluz nos dias atuais entre as principais cooperativas de FDUDPHVVDWUDMHWyULDQDVFLGDGRLGHDOLVPRHGHDo}HVGH HOHWULÀFDomRGR3DtV XP JUXSR GH SURGXWRUHV UXUDLV GR PXQLFtSLR GH ,MXt TXH A obra contém ainda diversos depoimentos de anti- DOLPHQWDYDPRVRQKRGHXVXIUXLURVEHQHItFLRVGDHQHUJLD gos e atuais administradores e funcionários da cooperati- elétrica em suas propriedades. YDFRQVWUXWRUHVGHVVDKLVWyULDGHDQRVDOpPGHGDGRVH 2V SULPHLURV WHPSRV IRUDP YROWDGRV j IRUPDomR H LQIRUPDo}HVFROHWDGDVSHORDXWRUHPLQ~PHURVGRFXPHQ- HVWUXWXUDomR DGPLQLVWUDWLYD PDUFDGRV LJXDOPHQWH SHOD WRVSXEOLFDo}HVHUHJLVWURVGHYDORUKLVWyULFR GHVFUHQoDGHPXLWRVHSHODVGLÀFXOGDGHVEXURFUiWLFDVTXH Igualmente é enriquecida com uma mensagem do obstaculizavam a implantação dos projetos iniciais. Ven- DWXDOSUHVLGHQWHGD&HULOX],ORLUGH3DXOLQDTXDOHOHHQID- cidos esses fatores adversos que marcaram os primeiros WL]DTXH´RJUDQGHGHVDÀRDRORQJRGHVWHVDQRVVHPSUH DQRV D FRQFUHWL]DomR GH XP SURMHWR SLRQHLUR YLDELOL]DGR foi garantir a energia necessária ao nosso associado” e por IRUDGDiUHDGHDomRGRPXQLFtSLRPmHVHUYLXFRPRLPSXO- FRPHQWiULRVGRSURIHVVRU:DOWHU)UDQW]GD8QLMXtYHUVDQ- so necessário para abrir caminho a outros empreendimen- do sobre “A força e o sentido da organização cooperativa” tos projetados a partir do ano de 1970. Assim a Ceriluz co- HGRMRUQDOLVWD9LOVRQ:DJQHUGD$VVHVVRULDGH&RPXQLFD- PHoRXDWULOKDUQRYRVSDVVRVQDiUHDGDHOHWULÀFDomRUXUDO omR6RFLDOGD&HULOX]VRERWtWXOR´&RRSHUDWLYLVPRHVHXV *UDoDV jV Do}HV GHVHQYROYLGDV SHORV VHXV DGPLQLV- SULQFtSLRVµ Além da Energia - 7

[close]

p. 8

UM RESUMO DA HISTÓRIA DA CERILUZ Nesta primeira edição foram produzidas duas mil unidades do livro “Energia para a Vida”, que está sendo distribuído entre colaboradores, associados e entidades parceiras da Ceriluz. Como é impossível compartilhar todo o livro nesta revista, convidamos o escritor Ademar Campos Bindé, com base no conhecimento levantado ao longo do período de pesquisa, para fazer um resumo das principais fases da história da Ceriluz. Destacamos nas próximas páginas um pouco dos GHVDÀ RVTXHIRUDPHQIUHQWDGRVSHORVLGHDOL]DGRUHVGD Cooperativa e das principais conquistas alcançadas. 7UDEDOKRGHPDQXWHQomRGHUHGHV Sonhos, adesões e burocracia O cooperativismo se constitui na história GH,MXtQXPGRVIDWRUHVIXQGDPHQWDLVGR GHVHQYROYLPHQWR GR PXQLFtSLR &HUWD PHQWH LQVSLUDGRV HP H[HPSORV DQWHULR UHV TXH DTXL IUXWLÀFDUDP XP JUXSR GH produtores rurais das localidades de Alto GD 8QLmR /LQKD  /HVWH 0DXi 0RQWH $OYmR /LQKD  1RUWH H /LQKD  1RUWH reuniram-se com o propósito de fundar XPD FRRSHUDWLYD GH HOHWULÀFDomR UXUDO Assim nasceu no dia 20 de agosto de D&RRSHUDWLYDGH(OHWULÀFDomR5XUDO GH ,MXt /WGD TXH DGRWRX D VLJOD &HULOX] &RQWDQGR FRP D DGHVmR GH XP H[SUHV VLYRQ~PHURGHSDUWLFLSDQWHVRSURGXWRU rural Reinholdo Luiz Kommers foi eleito seu primeiro presidente. O objetivo inicial dessa cooperativa era JHULUHH[HFXWDUXPSURMHWRGHHOHWULÀFD omR UXUDO TXH SUHYLD EHQHÀFLDU  SUR priedades rurais. Esse projeto estava orça- GRHPPLOK}HVGHFUX]HLURVGRVTXDLV PLOK}HVVHULDPÀQDQFLDGRVSHOR,QV WLWXWR*D~FKRGH5HIRUPD$JUiULD²,*5$ com prazo de 180 meses e juros de 8% DRDQR3DUDVXDH[HFXomRHUDQHFHVViULD D FRPSOHPHQWDomR GH PDLV  PLOK}HV GHFUX]HLURVTXHGHYHULDPVHUOHYDQWDGRV MXQWR DRV SURGXWRUHV TXH VH WRUQDULDP sócios-fundadores da Cooperativa. A DGHVmRIRLH[SUHVVLYDPDVLQ~PHURVIDWR UHVEXURFUiWLFRVVHFRQVWLWXtUDPHPREV táculos que impediram que esse primeiro projeto se tornasse realidade. 8 - Além da Energia Estruturação, expansão e resultados $SDUWLUGRDQRGHFRPDHOHLomRGRHFRQRPLVWD1LOR$QW{QLR)UDQFLVFR %RQIDQWLSDUDDSUHVLGrQFLDD&HULOX]FRPHoRXDWRPDUQRYRVUXPRV0HVPR FRPXPDHVWUXWXUDomRDGPLQLVWUDWLYDSUHFiULDQRVSULPHLURVWHPSRVDVGLÀFXO dades foram gradativamente sendo superadas e a cooperativa foi crescendo. $SHVDUGHWHUGHHQIUHQWDUDGHVFUHQoDGHPXLWRVRSULPHLURSURMHWRGHHOH WULÀFDomRUXUDOYHLRDVHWRUQDUUHDOLGDGHFRPDLPSODQWDomRGDSULPHLUDUHGH HOpWULFDQRLQWHULRUGRPXQLFtSLRGH&DWXtSH(VVDFRQTXLVWDJHURXHQWXVLDVPR H OHYRX JUDGDWLYDPHQWH D H[HFXomR GRV SULPHLURV SURMHWRV GH UHGH HOpWULFD QR LQWHULRU GR PXQLFtSLR GH ,MXt $ LPSODQWDomR GH XPD IiEULFD GH SRVWHV GH FRQFUHWRQmRDSHQDVWRUQRXD&HULOX]SLRQHLUDQHVVDiUHDQR(VWDGRFRPRUH SUHVHQWRXXPDVLJQLÀFDWLYDPHOKRULDQDTXDOLGDGHGRIRUQHFLPHQWRGHHQHUJLD elétrica na sua área de ação. $ FRQVWUXomR GH QRYDV UHGHV HOpWULFDV HVSHFLDOPHQWH QR LQWHULRU GH ,MXt QmR apenas impulsionou o desenvolvimento das áreas rurais como também teve UHÁH[RVSRVLWLYRVQRLQFUHPHQWRGRFRPpUFLRHPJHUDOHVSHFLDOPHQWHFRPR H[SUHVVLYRFUHVFLPHQWRQDFRPHUFLDOL]DomRGHHOHWURGRPpVWLFRV(VVDQRYDUHD OLGDGHOHYRXWDPEpPD&HULOX]DLQJUHVVDUQRUDPRFRPDDEHUWXUDGHXPDORMD GHPDWHULDLVHOpWULFRVTXHIXQFLRQRXSRUDOJXQVDQRVDMXGDQGRDFRRSHUDWLYD DWRPDUQRYRVUXPRVQRVDQRVTXHVHVHJXLUDP2JUDQGHGHVDÀRGDDGPLQLV WUDomR1LOR%RQIDQWLIRLRDFRUGRFHOHEUDGRFRPD3UHIHLWXUDGH,MXtDWUDYpVGR TXDOD&HULOX]YHLRDHQFDPSDUDVUHGHVDQWLJDVTXHFREULDPRLQWHULRUGH,MXtH RVPXQLFtSLRVGH$XJXVWR3HVWDQDH$MXULFDED )iEULFDGHSRVWHV

[close]

p. 9

'HVDÀRVPHOKRULDVHSURMHWRV Ao assumir a presidência da Ceriluz no ano de $SDUtFLR3LFFLQLQWHYHFRPRXPGRVJUDQGHV GHVDÀRVID]HUFRPTXHRVSURMHWRVGHVHQYROYLGRV até então tivessem continuidade. Com a fábrica GHSRVWHVGHFRQFUHWRDOFDQoDQGRtQGLFHVGHSUR GXomR EDVWDQWH VDWLVIDWyULRV IRL SRVVtYHO GHVHQ volver uma forte ação visando a substituição dos postes de madeira por postes de concreto. Iloir GH3DXOLQDpSRFDGHVHPSHQKDQGRDVIXQo}HVGH HOHWURWpFQLFR GD &RRSHUDWLYD GHVWDFD TXH QHVVH SHUtRGRIRLSRVVtYHODWURFDGHWRGRVRVSRVWHVGH madeira por postes de concreto. Essas melhorias propiciaram que a Ceriluz tivesse um crescimento PXLWRJUDQGHSUDWLFDPHQWHIHFKDQGRWRGDDVXD iUHD GH DomR TXH QD pSRFD DEUDQJLD  PXQLFt pios na região. )RLWDPEpPQHVVHSHUtRGRTXHWLYHUDPFRQWLQXL dade os estudos iniciais visando a produção própria de HQHUJLDHOpWULFDVRQKRDOLPHQWDGRFDGDYH]SRUPDLRU Q~PHURGHDVVRFLDGRV$QWHVGHÀQGDUVHXPDQGDWR $SDUtFLR3LFFLQLQFKHJRXDYLVLWDURORFDORQGHVHFR JLWDYD QD pSRFD D FRQVWUXomR GH XPD XVLQD QR ULR %XULFiQRPXQLFtSLRGH&KLDSHWWDDOpPGHLQFHQWLYDU o desenvolvimento de estudos aplicados na produção de energia elétrica. &RQVHUWRGHUHGHGDQLILFDGD 0DQXWHQomRDSyVWHPSRUDO Manutenção, debates e incertezas $QWLJDVHGHGD&HULOX] O desenvolvimento alcançado pela cooperativa de ele- WULÀFDomRUXUDOSHUPLWLXTXHDDGPLQLVWUDomRGH9DOGRUL -RmR'DOOD5RVDQRSHUtRGRGHDWLYHVVHVXD DWHQomRYROWDGDSULQFLSDOPHQWHSDUDDPDQXWHQomRGR estágio alcançado pela Ceriluz. Mesmo assim algumas UHGHVIRUDPFRQVWUXtGDVQHVVH SHUtRGRDWHQGHQGRDV UHLYLQGLFDo}HV GH DVVRFLDGRV 8PD GDV SUHRFXSDo}HV dos então administradores estava voltada para a regu- ODUL]DomRGDVFRQWDVGHHQHUJLDHOpWULFDXPDYH]TXHRQ~PHURGHDVVRFLDGRVLQDGLPSOHQWHVHUDEDVWDQWH HOHYDGR 9DOGRUL 'DOOD 5RVD FODVVLÀFD DTXHOH SHUtRGR GH LQVWDELOLGDGH HFRQ{PLFD YLYLGD SHOR 3DtV FRPR R tempo das vacas magras, XPDYH]TXHDFRQFHVVmRGHÀQDQFLDPHQWRVSRUSDUWHGRVHVWDEHOHFLPHQWRVEDQ cários eram escassos. 7DPEpPQHVVHSHUtRGRRVRQKRGHPXLWRVDVVRFLDGRVGDFRRSHUDWLYDGHDOFDQoDURHVWiJLRGDFRQVWUXomR de fontes próprias de geração de energia continuava sendo alimentado. Foram propiciadas várias oportu- QLGDGHVGHGHEDWHVVREUHRDVVXQWRPDVQmRVHDOFDQoRXXPFRQVHQVRVREUHDFDSDFLGDGHGDFRRSHUDWLYD DWUDYpVGHVHXTXDGURDVVRFLDWLYRGHDVVXPLURGHVDÀRGDFRQVWUXomRGHXVLQDSUySULDGDJHUDomRGHHQHU JLDHOpWULFD$VLQFHUWH]DVSHUVLVWLUDPGXUDQWHRSHUtRGRHFRPLVVRQmRDFRQWHFHUDPDYDQoRVQHVVDiUHD Além da Energia - 9

[close]

p. 10

&RQVWUXomRGDVHGHDGPLQLVWUDWLYD &RQVWUXomRGD&*+1LOR%RQIDQWL Prioridades, tecnologia e benefícios $SDUWLUGHTXDQGRRDWXDOSUHVLGHQWH,ORLU de Pauli assumiu a titularidade do seu Conselho GH$GPLQLVWUDomRD&HULOX]FRQWLQXRXVXDDVFHQ GHQWHWUDMHWyULDJHUDQGRSDOSiYHLVEHQHItFLRVDR seu quadro social. A concessão de descontos aos associados que pagavam em dia as suas contas GH HQHUJLD ORJR VH UHÁHWLUDP QmR DSHQDV QXPD VXEVWDQFLDOUHGXomRGRQ~PHURGHLQDGLPSOHQWHV FRPRWDPEpPQDUHGXomRGDVGtYLGDVDWpHQWmR H[LVWHQWHV $ DGHVmR D XP SODQR GH VD~GH MXQ to aos hospitais vem assegurando a assistência médica ambulatorial e hospitalar ao quadro de IXQFLRQiULRV EHP FRPR DRV DVVRFLDGRV H VHXV familiares. A assinatura de um contrato com a Aneel vem tra]HQGRWDPEpPHVSHFLDLVEHQHItFLRVDRVDVVRFLDGRV com a uma compensação nas tarifas de energia HOpWULFD TXH UHSUHVHQWD DWXDOPHQWH XP YDORU DEDL [R GR PHUFDGR 2 DFRPSDQKDPHQWR GRV DYDQoRV GDWHFQRORJLDLPSODQWDGRQRVGLIHUHQWHVVHWRUHVGD FRRSHUDWLYDWDPEpPWHPDSUHVHQWDGRUHÁH[RVGRV PDLVSRVLWLYRVRTXHUHVXOWDQmRDSHQDVGDDJLOL]D ção do atendimento aos associados como também numa substancial redução de custos. 2XWUD WUDQVIRUPDomR YHULÀFDGD QHVWHV ~OWLPRV anos e que vem apresentando resultados altamente satisfatórios diz respeito a transformação GD &HULOX] HP GXDV FRRSHUDWLYDV D &HULOX] *HUD omRHD&HULOX]'LVWULEXLomRREHGHFHQGRDVGLUH Geração, avanços e conquistas $V Do}HV YROWDGDV SDUD D iUHD GH JHUDomR SUySULD GH HQHUJLD elétrica por parte da Ceriluz começaram efetivamente a aconWHFHU D SDUWLU GH  TXDQGR -RVp )ORUHQWLQR %DUDVXRO DVVX PLX D SUHVLGrQFLD GR &RQVHOKR GH $GPLQLVWUDomR 8PD GDV VXDVSULPHLUDVGHWHUPLQDo}HVIRLDOLEHUDomRWRWDODRVHWRUWpF nico da Cooperativa para que fossem feitos estudos sobre a viabilidade ou não da Ceriluz entrar na área de geração própria de energia elétrica. A partir dessa determinação foram retomados e aprofundados os estudos visando a construção de uma XVLQDKLGUHOpWULFDFRPRDSURYHLWDPHQWRGRVUHFXUVRVKtGULFRV H[LVWHQWHV QD VXD iUHD GH DomR $VVLP QDVFHX H YHLR D VH WRU QDU UHDOLGDGH D XVLQD FRQVWUXtGD QR ULR %XULFi QR PXQLFtSLR GH &KLDSHWWD KRMH GHQRPLQDGD &HQWUDO *HUDGRUD +LGUHOpWULFD (CGH) Nilo Bonfanti. Vários estudos continuaram sendo feitos e o principal fruto foi D FRQVWUXomR GH RXWUD XVLQD FRP  0HJDZDWWV LQVWDODGRV QRULR,MXtQD/LQKD/HVWHFRQVLGHUDGDKRMHDPDLRUXVLQDGR FRRSHUDWLYLVPREUDVLOHLUR(VVDREUDÀFRXSURQWDHPHIRL inaugurada no dia 6 de fevereiro de  0DLV WDUGH essa usina recebeu a denominação de Pequena Central Hidrelétrica (PCH) José BaraVXRO HP KRPHQDJHP ao presidente falecido em 2005. &RQVWUXomRGD3&+-RVp%DUDVXRO &RQVWUXomR3&+56 trizes estabelecidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel. Foi na administração do atual presidente Iloir de Pauli que se consoOLGRXRWHUFHLURSURMHWRGHJHUDomRGHHQHUJLDGD&RRSHUDWLYDD3&+ 56 GH  0: XVLQD TXH HQWURX HP RSHUDomR HP DJRVWR GH 2012. Ainda na constante procura pela ampliação das suas fontes de JHUDomRGHHQHUJLDD&HULOX]YHLRDVHDVVRFLDUDXPTXDUWRSURMHWR TXHpD3&+$JXGRLPSODQWDGDQRPXQLFtSLRGH=RUWpDHP6DQWD &DWDULQDHTXHHQWURXHPRSHUDomRFRPHUFLDOHPPDUoRGH 10 - Além da Energia

[close]

p. 11

&HULOX]FRPHPRURXDQRVFRPRVVHXVDVVRFLDGRVHP O ANO DO CINQUENTENÁRIO Um aniversário, normalmente, é comemorado num dia esSHFtÀFRQRFDVRGD&HULOX]QRGLDDJRVWRQHVWHDQR de 2016, especialmente, o Cinquentenário. No entanto, um aniversário marca a passagem de um ano. E foi assim que a Ceriluz optou por comemorar o seu aniversário. Além do evento de aniversário que contou com o lançamento do livro Ceriluz 50 Anos – Energia para a Vida, realizado no dia 19 de agosto, um conjunto de outras ações foram idealizadas para o período de agosto de 2015 até agosto de 2016. Para isso, foi lançado o Projeto Ceriluz 50 Anos – Energia para a Vida, que organizou várias atividades junto a colaboradores e associados. As ações realizadas caracterizam a forma de atuação da Cooperativa, que trabalha em prol dos associados. Neste período de doze meses IRUDPLQDXJXUDGDVREUDVTXHVHUHÁHWHPHPTXDOLGDGHQRIRU necimento de energia e foram promovidos eventos de cunho social, que visam fortalecer a qualidade de vida das famílias assistidas pela Ceriluz. A seguir destacamos os principais fatos que marcaram esse ano histórico para a Ceriluz: 20.08.2015 - Abertura dos encontros de comunidade 2015 No dia 20 de agosto de 2015 a Ceriluz realizou o primeiro encontro de comunidade do ano pelo Projeto de )RUPDomR H (GXFDomR &RRSHUDWLYLVWD QD /LQKD 3DUDGRU LQWHULRU GH ,MXt 1mR foi um encontro como os outros tantos realizados pela Cooperativa ao longo GRV ~OWLPRV DQRV TXDQGR GH]HQDV GH comunidades foram visitadas. Isso porque ele coincidiu com o aniversário de  DQRV GD &RRSHUDWLYD H DR ÀP GDV atividades previstas todos os associados presentes se reuniram em volta de um bolo e contaram parabéns pela passagem dessa data especial. Junto FRP R DQLYHUViULR GH  DQRV IRL ODQ oDGRRÀFLDOPHQWHRSURMHWR´&HULOX] $QRV ² (QHUJLD SDUD D 9LGDµ 1R WRWDO HP  IRUDP FLQFR HQFRQWURV UHD lizados em diferentes comunidades onde foi ministrada a palestra “CooSHUDWLYLVPR $JURQHJyFLR H 'HVHQYRO YLPHQWRµ SHOR SURIHVVRUGRXWRU 3HGUR /XtV%WWHQEHQGHU Além da Energia - 11

[close]

p. 12

(VSDoR*HUDomR&ULDQoD([SRLMXt)HQDGL ,QDXJXUDomR3&+56 ,QDXJXUDomR6XEHVWDomR5HQKROGR.RPPHUV 6XEHVWDomR5HQKROGR.RPPHUV 12 - Além da Energia 09/19.10.2015 – Expoijuí/Fenadi $&HULOX]SDUWLFLSRXGD([SRLMXt)HQDGLTXDQ do trabalhou o tema Ceriluz 50 Anos. A atenção se voltou principalmente para as crianças e seus pais e DYyV TXH LQWHUDJLUDP QD FDVD FRP RV FRODERUDGRUHV GD &RRSHUDWLYD HVSHFLDOPHQWH QR HVSDoR *HUDomR &ULDQoD TXH OHYRX DWLYLGDGHV GLIHUHQFLDGDV SDUD HVVH S~EOLFRTXHVHUiRIXWXURGD&RRSHUDWLYD´$RPHVPR WHPSRTXHIHFKDPRVXPFLFORRFLQTXHQWHQiULRDEUL PRV RXWUR H HVWDPRV SUHSDUDQGR DTXHOHV TXH VHUmR UHVSRQViYHLVSRUHVVHQRYRPRPHQWRGD&RRSHUDWLYD a geração que levará a Ceriluz aos 100 anos e que hoje DLQGDpFULDQoDµFRPHQWRXRSUHVLGHQWH,ORLUGH3DXOL 17.03.2016 – Inauguração da PCH RS-155 $&HULOX]UHDOL]RXDWRRÀFLDOGHLQDXJXUDomRGD3H TXHQD&HQWUDO+LGUHOpWULFD56QRGLDGHPDUoR FRPDSUHVHQoDGHGLUHWRUHVFRQVHOKHLURVDVVRFLDGRV FRODERUDGRUHV H DXWRULGDGHV QD &DVD GH 0iTXLQDV Principal da usina. O evento contou com o descerraPHQWRGDSODFDLQDXJXUDOHFRPRFRUWHGDÀWDQDHQ trada para a Sala de Comandos da PCH. O presidente Iloir de Pauli destacou que a inauguração foi um ato de entrega da usina aos associados e homenageou os funcionários da Cooperativa que participaram efetivaPHQWHGHWRGDVDVVXDVHWDSDVLQFOXVLYHHODERUDQGRR SURMHWRH[HFXWLYR´$3&+56pXPDXVLQDSURMHWD GDSRUHQJHQKHLURVGD&HULOX]TXHDSUHVHQWRXQHVWHV primeiros anos de funcionamento um resultado 18% superior ao esperado. Este resultado na geração é o FRURDPHQWR GD GHWHUPLQDomR H GD FRQÀDQoD TXH Wt QKDPRV HP QyV PHVPRV p XPD JUDQGH FRQTXLVWD H esta conquista nós queremos compartilhar com todos RVDVVRFLDGRVGD&RRSHUDWLYDµDÀUPRX$3&+56 SRVVXLXPDFDSDFLGDGHLQVWDODGDGH0: 15.04.2016 – Inauguração Subestação Reinholdo Luiz Kommers $&HULOX]LQDXJXURXQRGLDGHDEULOGHD6X EHVWDomR&HULOX]ORFDOL]DGDQDFRPXQLGDGHGH&KR UmRHP,MXt&RQVLGHUDQGRTXHHVVDVXEHVWDomRHQWURX HP RSHUDomR QR DQR GH  D DomR WHYH R REMHWLYR principal de homenagear um dos principais nomes entre as pessoas que fazem parte da história da Cooperativa e consistiu em nominar a estrutura elétrica como SuEHVWDomR5HLQKROGR/XL].RPPHUVTXHSUHVLGLXD&RR SHUDWLYD QR SHUtRGR GH  D  3DUD SHUSHWXDUD DomR IRL GHVFHUUDGD QR ORFDO XPD SODFD FRPHPRUDWLYD TXHGHVWDFDDOpPGDKRPHQDJHPDRH[SUHVLGHQWHR nome dos conselheiros e técnicos da Cooperativa que participaram da construção da Subestação.

[close]

p. 13

25.05.2016 – Inauguração Subestação Aparício Piccinin A Ceriluz inaugurou no dia 25 de maio sua segunda VXEHVWDomRORFDOL]DGDQDFRPXQLGDGHGH6mR-DFyLQ WHULRUGH6DQWR$XJXVWR2REMHWLYRIRLHQWUHJDUjFR munidade regional a nova subestação que estava em operação desde julho de 2015. O ato de inauguração FRQFUHWL]RXWDPEpPXPDKRPHQDJHPDXPH[SUHVL GHQWHGD&HULOX]XPDYH]TXHDVXEHVWDomRSDVVRXD VHU GHQRPLQDGD GH 6XEHVWDomR $SDUtFLR 3LFFLQLQ TXH IRL SUHVLGHQWH GD &HULOX] QR SHUtRGR GH  D  DOpPGHFRQVHOKHLURQDVJHVW}HVGRVSUHVLGHQWHV1LOR Bonfanti (entre 1970 e 1980) e de José Barasuol (de 1995 a 2005). Com uma potência de 10 Megavolt-ampére (MVA) a subestação traz mais segurança para os DVVRFLDGRVTXHDSDUWLUGHDJRUDSRGHUmRDPSOLDUVHXV investimentos considerando a capacidade instalada da nova estrutura. Maio e junho de 2016 – Encontros de Comunidade 2016 (QWUH RV GLDV  H  GH PDLR H  H  GH MXQKR a Ceriluz promoveu mais uma série de dez enconWURV GH FRPXQLGDGH MXQWR DRV VHXV DVVRFLDGRV SHOR Programa Além da Energia - Ano do Cinquentenário. 1HVWH DQR IRL PLQLVWUDGD D SDOHVWUD ´&DVDPHQWR XPD UHODomR GH JUDWLGmRµ SHOR SDOHVWUDQWH 0DUFHO 6FDOFR especialista em desenvolvimento humano. A palestra YROWRXVXDDWHQomRSDUDRUHODFLRQDPHQWRHQWUHFDVDLV abordando alguns pontos fundamentais para a melhoULD GD FRQYLYrQFLD (QWUH HVWHV SRQWRV D QHFHVVLGDGH GH DSUHQGHU D FRQYLYHU FRP RV VHQWLPHQWRV LQFOXVLYH DTXHOHVTXHGHQRPLQDPRVFRPRUXLQVFRPRDWULVWH ]DRPHGRHDUDLYD Inauguração PCH Agudo O Projeto Ceriluz 50 Anos prevê mais uma ação para 2016. Será a inauguração da Pequena Central +LGUHOpWULFD $JXGR FRQVWUXtGD QR PXQLFtSLR GH =RU WpD HP 6DQWD &DWDULQD $ GDWD GD LQDXJXUDomR DLQGD QmRHVWiGHÀQLGDPDVRREMHWLYRpOHYDUXPJUXSRGH DVVRFLDGRVDWpRQRYRHPSUHHQGLPHQWR$XVLQDTXH WHP XPD SRWrQFLD LQVWDODGD GH  0HJDZDWWV 0:  REWHYHD/LFHQoDGH2SHUDomR&RPHUFLDOMXQWRj$JrQ cia Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no dia 03 de PDUoR ,VVR VLJQLÀFD TXH GHVGH HQWmR HOD SRGH YHQ der energia no mercado elétrico nacional. A usina foi FRQVWUXtGDHPSDUFHULDFRPDHPSUHVD6395*HUDomRH &RPHUFLDOL]DomRGH(QHUJLD(OpWULFD/WGDGHXPJUXSR GHLQYHVWLGRUHVFDWDULQHQVHVVHQGRTXHD&RRSHUDWLYD detém 40% dos direitos sobre a mesma. ,QDXJXUDomR6XEHVWDomR$SDUtFLR3LFFLQLQ 6XEHVWDomR$SDUtFLR3LFFLQLQ (QFRQWURVGHFRPXQLGDGHV 3&+$JXGR Além da Energia - 13

[close]

p. 14

CERILUZ: VÁRIAS EMPRESAS E UMA RESPONSABILIDADE A&HULOX]YHPVHH[SDQGLQGRVLJQLÀFDWLYDPHQWHQRV~OWLPRVDQRVHPWHUPRVGHUHVXOWDGRVHFRQ{PLFRVHWDPEpPGH LQIUDHVWUXWXUD8PGRVPpULWRVSDUDHVVHFUHVFLPHQWRGHYHVHUGDGRjUHJXODPHQWDomRGD&HULOX]'LVWULEXLomR &RRSHUDWLYD5HJLRQDOGH(QHUJLDH'HVHQYROYLPHQWR,MXt/WGD SHOD$JrQFLD1DFLRQDOGH(QHUJLD(OpWULFD $QHHO TXHH[LJLX uma reorganização estratégica para aproveitar as oportunidades do mercado. Para dar mais liberdade ao setor de geração MiTXHDGLVWULEXLomRVHJXHQRUPDVUtJLGDV²FULRXVHD&HULOX]*HUDomR &RRSHUDWLYDGH*HUDomRGH(QHUJLDH'HVHQYROYLPHQWR6RFLDO/WGD TXHDPSOLRXVHXVKRUL]RQWHVFRQVWUXLQGRGLYHUVDVXVLQDV6HSRUXPODGRDUHJXODPHQWDomRSHOD$QHHO WURX[HQRUPDVPDLVUtJLGDVRTXHpSRVLWLYRSDUDRDVVRFLDGRTXHJDQKDHPTXDOLGDGHSRURXWURWURX[HRSRUWXQLGDGHVGH LQYHVWLUHPQRYDViUHDVSURGXWLYDV$OpPGDJHUDomRD&RRSHUDWLYDWDPEpPVHLQVHUHDJRUDQRUDPRGDLQWHUQHWSRUPHLR GDVXDWHUFHLUDHPSUHVDD&HULOX]1HW &HULOX]3URYHGRUHVGH,QWHUQHW/WGD 0DVDRÀPDSHVDUGHVHUHPWUrVRUJDQL]Do}HV MXULGLFDPHQWHGLVWLQWDVDWXDPHPFRPXQKmRGHIRUPDLQWHUFRRSHUDWLYDHQDHVVrQFLDWrPXP~QLFRREMHWLYRDUHVSRQVDELOLGDGHGHOHYDUVHUYLoRVGHTXDOLGDGHDRVVHXVDVVRFLDGRVTXHOKHVGHHPFRQGLo}HVGHWUDEDOKRHEHPHVWDUVRFLDO CERILUZ DISTRIBUIÇÃO: COMPROMISSO COM ENERGIA DE QUALIDADE $&RRSHUDWLYD5HJLRQDOGH(QHUJLDH'HVHQYROYLPHQWR,MXt/WGD²&(5,/8=',675,%8,d®2²pUHVSRQViYHODWXDOPHQWHSRUOHYDUHQHUJLDHOpWULFD DPDLVGHPLODVVRFLDGRVPRUDGRUHVHPPXQLFtSLRVGDUHJLmRGDV iUHDVUXUDLVHXUEDQDVDWHQGHQGRHPSUHVDVUXUDLVLQG~VWULDVFRPpUFLRVH yUJmRV S~EOLFRV 0DLV GR TXH R Q~PHUR GH FRRSHUDGRV D GHPDQGD SRU energia se amplia estimulada pelo aumento do consumo individual de cada DVVRFLDGR TXH LQYHVWHP HP VXDV SURSULHGDGHV 7DPEpP VH DJUHJDP DR Q~FOHRFRQVXPLGRUGDFRRSHUDWLYDDQXDOPHQWHQRYDVLQG~VWULDVFRPpUFLRV H HPSUHHQGLPHQWRV QD iUHD GH VHUYLoRV $SHQDV QRV ~OWLPRV GH] DQRV D &HULOX] 'LVWULEXLomR FUHVFHX PDLV GH  QD VXD GLVWULEXLomR GH HQHUJLD WRWDOL]DQGRPLOK}HVN:KGLVWULEXtGRVQRDQRGH $VHTXLSHVGHWUDEDOKRSUH]DPSHODH[FHOrQFLDHVmRFRPSRVWDVSRU WpFQLFRVHVSHFLDOL]DGRVHHQJHQKHLURVTXDOLÀFDGRVSDUDDWXDUHPPRPHQWRV GH DGYHUVLGDGHV HVSHFLDOPHQWH HP SHUtRGRV GH GLÀFXOGDGHV FRPR D ocorrência de temporais. A Ceriluz possui o Centro de Operação da DistriEXLomRTXHIXQFLRQDFRPRXPDFHQWUDOGHFRPDQGRGHWRGRRVLVWHPDGH GLVWULEXLomR GH HQHUJLD GD &RRSHUDWLYD TXH KRMH WRWDOL]D PDLV GH  PLO TXLO{PHWURVGHUHGHV$FRRSHUDWLYDGLVSRQLELOL]DJUDWXLWDPHQWHRWHOHIRQH GXUDQWHKRUDVGLDSRUPHLRGRTXDORFRQVXPLGRUSRGH OLJDU SDUD LQIRUPDU DOJXPD TXHGD GH HQHUJLD RX VROLFLWDU LQIRUPDo}HV UHlevantes. Para atender bem seus consumidores e melhorar a comunicação com seus associados a Ceriluz possui ainda quatro escritórios que atendem por 40 horas semanais. 14 - Além da Energia

[close]

p. 15

CERILUZ GERAÇÃO: ENERGIA PRÓPRIA PARA O DESENVOLVIMENTO A Cooperativa de Geração de Energia e Desenvolvimento Social /WGDIRLFULDGDHPGHMXQKRGHSHORVDVVRFLDGRVGD&RRSHUD WLYD5HJLRQDOGH(QHUJLDH'HVHQYROYLPHQWR,MXt/WGD²&HULOX]'LVWULEXL ção. Ela é detentora dos ativos da Central Geradora Hidrelétrica (CGH) Nilo Bonfanti (Chiapetta) e das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) -RVp %DUDVXRO H 8VLQD 56 ,MXt  3RU PHLR GH XPD SDUFHULD FRP D HPSUHVD 6395 FRQVWUXLX WDPEpP D 3&+ $JXGR HP =RUWpD 6&  FXMD REUDIRLÀQDOL]DGDHPGDTXDOHODGHWpP-XQWDVHVWDVXVLQDV possuem mais de 24 Megawatts (MW) em potência instalada. Outros HVWXGRVQDiUHDGHJHUDomRVHJXHPHPDQGDPHQWRLQFOXLQGRHQHUJLDV DOWHUQDWLYDVFRPRDHyOLFDHDVRODU&RPSDUDGRVRV~OWLPRVGH]DQRV GDJHUDomRGHHQHUJLDGD&HULOX]*HUDomRDHPSUHVDDSUHVHQWRXXP FUHVFLPHQWRGHPDLVGHWRWDOL]DQGRPLOK}HVGHTXLORZDWWV KRUD N:K GLVWULEXtGRVHP A separação da Ceriluz Geração da Ceriluz Distribuição dá mais liberdade para atuar na construção de usinas e também na comer- FLDOL]DomR GD HQHUJLD JHUDGD +RMH D &HULOX] DWXD QR PHUFDGR OLYUH RTXHOKHSHUPLWHRSWDUSRUPHOKRUHVSUHoRVGHYHQGDQHJRFLDQGR diretamente com o comprador. $OpPGRVUHVXOWDGRVHFRQ{PLFRVFRQVHJXLGRVSHOD&HULOX]*H UDomRRWUDEDOKRVHUHYHUWHHPEHQHItFLRVVRFLDLVDRVDVVRFLDGRVFRPR HQFRQWURVGHIRUPDomRHHGXFDomRSODQRGHVD~GHVHJXURUHVLGHQ cial entre outros. Esta cooperativa também desenvolve importante SDSHOQDHGXFDomRDPELHQWDODEULQGRVXDVXVLQDVSDUDYLVLWDomR &*+1LOR%RQIDQWL 3&+-RVp%DUDVXRO 3&+56 3&+$JXGR Além da Energia - 15

[close]

Comments

no comments yet