Nisto Nós Cremos

 

Embed or link this publication

Description

Ensinamentos da Igreja de Deus (Sétimo dia) Ver.Portugues

Popular Pages


p. 1

CNrisetmooNs ós Ensinamentos da Igreja de Deus (Sétimo dia)

[close]

p. 2



[close]

p. 3

CNrisetmooNs ós

[close]

p. 4



[close]

p. 5

CNrisetmooNs ós Ensinamentos da Igreja de Deus (Sétimo dia) Bible Advocate Press Post Office Box 33677 Denver, Colorado 80233-0677 cog7.org/publications

[close]

p. 6

ii Nisto Nós Cremos Copia reservada © 2015 Conferência Geral da Igreja de Deus (Sétimo Dia) Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida, armazenada em sistema de recuperação de dados ou transmitida de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrónico, de fotocópia, gravação ou de outra forma, sem o consentimento prévio da Bible Advocate Press, exceto quando aprovado pela lei de direitos autorais dos Estados Unidos. O texto bíblico é retirado da versão Almeida, revista e corrigida. Foto da capa: designpics.com Primeira versão: 2012 (Inglês); 2015 (português) Tradução para português: Katya Arzet Frez; Maria Helena Marques; Paulo Jorge Coelho; Ricardo Marques Conferência Geral da Igreja de Deus (Sétimo Dia) Post Office Box 33677 Denver, Colorado 80233-0677 cog7.org

[close]

p. 7

Conteúdo Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . v 1 A Bíblia Sagrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 2 A Divindade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Deus, o Pai . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Jesus, o Filho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 Quanto tempo ficou na sepultura . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 O Espírito Santo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 3 O Homem, Satanás, o Pecado e a Morte . . . . . . . . . . . . 21 4 O Homem, a Salvação e a Vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 5 A Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 6 As Ordenanças Cristãs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Batismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Ceia. do Senhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 7 Os Dez Mandamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 8 O Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 9 O Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 10 Vida Cristã . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 Apoio financeiro para o Evangelho . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Carnes limpas para alimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Combate Militar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Dias extra-bíblicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 11 Profecia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 12 O Reino de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 O Reino de Deus no presente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 O Reino Milenar de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 O Reino Eterno de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 Artigo suplementar: Declaração de Fé . . . . . . . . . . . . . . . . 110 iii

[close]

p. 8



[close]

p. 9

Prefácio D   esde a sua criação, a Conferência Geral da Igreja de Deus (Sétimo Dia) tem mantido um credo aberto — que pode ser (e tem sido) reformado ao longo do tempo. A nossa Declaração de Fé atual representa a forma como entendemos melhor as doze doutrinas fundamentais hoje em dia. Como um corpo de crentes, nós nos esforçamos para continuar a crescer em entendimento e sabedoria. Assim, a nossa fé vai continuar a evoluir da mesma maneira que se expande nosso horizonte. Ao mesmo tempo, a nossa fé está construída no que a Bíblia proclama sobre Deus e sobre o evangelho de Jesus Cristo. A nossa actual declaração de Fé foi aceite como posição doutrinária e oficial da Igreja numa reunião realizada em 2006, levada a cabo pelo Conselho Ministerial da América do Norte (com a sigla em Inglês NAMC) em Overland Park, Kansas. Durante a reunião o NAMC designou o objectivo de escrever em forma de livro uma ampla explicação sobre a nossa recentemente aprovada Declaração de Fé. Tal representou pela primeira vez na história da nossa denominação, que o nosso corpo ministerial se comprometia com tal projeto. Antecedentes De acordo com a reunião acima mencionada de 2006, cinco homens aceitaram a nomeação para integrar o conselho editorial deste projeto: ancião Calvin Burrell, ancião Roy Marrs, ancião Max Morrow, ancião Antonio Vega, e o ancião Richard Wiedenheft. Quando o ancião Wiedenheft faleceu em 2007, outros dois ministros — ancião John Lemley e ancião Israel Steinmetz — aceitaram o convite para integrar-se no conselho editorial. (o ancião Robert Coulter, presidente do conselho de 2006, foi um forte proponente para a elaboração deste livro, desde o início e fez uma grande contribuição literária para este projecto). Ao longo de três anos e meio, estes homens diligen- temente trabalharam juntos para produzir o manuscrito onde são apresentados os fundamentos bíblicos da nossa Declaração de Fé. Geralmente um ou dois desses homens assumiram a responsabilidade de escrever o primeiro rascunho de um capítulo, então o resto do comité dava algum retorno e recomendações. Até à altura em que a segunda ou terceira revisão estivessem realizadas, era impossível dar um capítulo a um único escritor. Cada um dos capítulos foi, em grande parte, o produto e esforço de toda a comissão. Uma vez terminados todos os capítulos o comité de redação recebeu de volta os comentários do Comité Ministerial da América do Norte (NAMC). Ao longo de quase um ano, foram feitas reformas adicionais com base nas recomendações de vários ministros. O livro foi aprovado para a sua correção final na reunião do NAMC que teve lugar em Glen Eyrie, Colorado, em 2010. Assim, cinco anos de trabalho foram necessários para a elaboração deste livro. Esses cinco anos representam uma pequena fração do estudo e da sabedoria que estão documentados no seu conteúdo, assim como a piedosa colaboração dada por numerosos ministros para as palavras deste livro. Panorama e propósito Vale a pena esclarecer o panorama e o propósito deste livro no início. Para isso, devemos dizer algo sobre o seu público-alvo, a sua relação com os diferentes pontos de vista, e o uso pretendido. Ao compartilhar isso explicitamente, esperamos que este livro possa ser aproveitado com o melhor uso por todos aqueles que o lêem. Em um projeto como este, é um desafio identificar claramente o público-alvo. Queremos alcançar, por escrito, um público o mais amplo possível, mas percebemos que estávamos fazendo inúmeras suposições sobre o nosso público. Assumimos que eles compartilham a v

[close]

p. 10

vi nossa crença de que a Bíblia é a única autoridade que regula a prática da fé e do corpo de Cristo. Portanto, não tentamos proteger as Sagradas Escrituras em relação aos escritos sagrados de outras religiões, ou apelar para os credos, tradições eclesiais, ou qualquer outra fonte extra-bíblica como a base da nossa crença. Assumimos também que o nosso público tem um grande interesse pelo estudo das Escrituras e um desejo de aprender mais acerca do que a nossa denominação acredita. Assumimos um nível moderado de literacia bíblica e teológica, que lhe permitirá compreender as afirmações e argumentos presentes. O nosso público-alvo inclui não apenas aqueles que concordam com a nossa compreensão dessas doutrinas, mas inclui também aqueles que discordam. É claro que o nosso desejo é falar com aqueles que ainda não decidiram ou estão buscando uma maior compreensão. Tendo em conta as características do nosso público-alvo, discutimos brevemente as questões da nossa interação com outros pontos de vista dentro da fé cristã. Reconhecemos que o Cristianismo é marcado por várias interpretações e doutrinas. A nossa prioridade não foi defender nossas crenças ou falar contra as crenças dos outros; mas, em vez disso, de ser capaz de explicar claramente porque acreditamos no que acreditamos, à luz das Escrituras. Não existe nenhum esforço para apoiar ou refutar os nossos adversários, ou até mesmo para convencer os céticos. Em vez disso, o nosso desejo é o de explicar claramente o significado de nossa Declaração de Fé e deixar que o Espírito Santo seja quem trabalhe na crença, no ensino e na santificação. O nosso desejo é que este livro sirva para muitos propósitos. Para o pesquisador que se interessa pelos estudos históricos e religiosos, este livro é um retrato com sentido na interpretação da Escritura de tal denominação. Para outros irmãos cristãos, que pertençam a uma denominação diferente, este livro serve como um meio de diálogo e informação sobre as nossas crenças e práticas distintas. Para os irmãos que são da nossa denominação, este livro nos ajuda a esclarecer, informar e fortalecer as nossas convicções comuns sobre a Escritura. Entre outras coisas, este livro pode ser usado como um livro de texto nos nossos programas de formação, como um suporte para estudo individual ou em grupo de estudo bíblico, e como uma fonte confiável de informações sobre a posição doutrinal da nossa denominação. Sobre este último ponto, devemos fazer notar que enquanto o que está escrito aqui foi analisado e aprovado, para publicação, pelo ministério da Igreja (NAMC), somente a Declaração de Fé foi abraçada como a nossa posição oficial doutrinária. Reconhecemos que muito mais poderia ter sido dito sobre cada um dos pontos de doutrina. Um livro desta magnitude só toca superficialmente cada uma das questões, de modo que abre a porta para a continuação do estudo, discussão e aprendizagem. Um incontável número de textos das Escrituras e diversas linhas de explicação podiam ter sido mencionados para explicar e expor as nossas crenças. Assim, um dos principais objetivos deste livro é servir como um estímulo para o pensamento, a oração, a discussão, o estudo e crescimento na graça e no conhecimento de nosso Senhor. Uma palavra de agradecimento Escrever teologia não é fácil. Escrever teologia por um comité é ainda mais desafiador. O processo tornou-nos humildes, juntou os nossos corações para nos lembrar da necessidade diária de unidade no Espírito e a presença dos frutos e dons do Espírito Santo em nossas vidas. Agradecemos a Deus pelo trabalho do Espírito Santo em nós durante o tempo em que trabalhámos juntos, e também a todos os elementos do NAMC pelo seu apoio nesta importante tarefa histórica. Nesta medida, o sucesso deste projecto e qualquer esperança para o sucesso futuro dependem inteiramente da graça de Deus. Como uma comissão nós reconhecemos nossa total dependência Nele e agradecemos pela força, sabedoria e unidade que Ele nos deu na íntegra. Tudo o que é verdadeiro neste livro, atribuímos totalmente a Jesus Cristo, que é a verdade; e à direção do Espírito Santo. Atribuímos a nós mesmos qualquer erro encontrado neste livro, à fraqueza da nossa carne e da limitação do nosso conhecimento. Desta forma, esperamos que tudo de bom que sai deste livro seja para a glória de Deus nosso Pai e do nosso Senhor Jesus Cristo. Sobre todas as coisas, esperamos que este livro seja uma ferramenta nas mãos de Deus conforme avança o seu reino neste mundo. Desejamos a todos que lerem este livro que possam desfrutar das bênçãos que experimentámos quando o escrevíamos. Comité de Escritores Calvin Burrell, presidente John Lemley Roy Marrs Max Morrow Israel Steinmetz Richard Wiedenheft (falecido) Antonio Vega

[close]

p. 11

Traduzido e Editado Oscar Mata Daniel Flores Santiago Chavez Martha Molina Muffley Allo Sanchez Raul Romo vii

[close]

p. 12



[close]

p. 13

Declaração de Fé 1 A Bíblia Sagrada A Bíblia, composta pelo Antigo e Novo Testamentos, é a Palavra inspirada por Deus. Sem erro, na sua redação original, a Bíblia é a única regra de fé infalível e com autoridade para a conduta da humanidade. 1

[close]

p. 14

2 Declaração de Fé 1 A    Bíblia é uma coleção de sessenta e seis livros escritos por mais de trinta homens inspirados pelo Espírito de Deus, por um período de cerca de 1.500 anos. Esta extraordinária biblioteca de história, lei, poesia, sabedoria, evangelho, cartas, ensaios e profecias, são as Escrituras da Fé Cristã. A Bíblia é o fundamento da fé cristã e da Igreja. A palavra Bíblia deriva do grego “biblos” que significa “livros.” No seu interior, as seguintes palavras fazem-lhe referência”os livros” (Daniel 9: 2). “as Sagrada Escritura” (Romanos 1: 2, 2 Timóteo 3:15) “Escritura” (2 Timóteo 3:16, 2 Pedro 1:20) “Oráculos(palavras) de Deus” (Romanos 3: 2); e a “palavra da justiça” (Hebreus 5:13). O objetivo da fé bíblica não é a própria Bíblia; um bom livro não pode salvar-nos, não importa o quão inspirado e inspirador seja. Na Bíblia podemos adquirir os fundamentos da fé para aceitar, crer, confessar e demonstrar por obediência que Cristo Jesus é o verdadeiro Salvador e Senhor. Assim, o objeto da fé bíblica é o santo e amoroso Deus que se revela em toda a Escritura, perfeitamente em Cristo Jesus. Só Nele encontramos a salvação que precisamos e desejamos (João 5:39, 40). Assim como o Senhor Jesus Cristo é a Palavra viva de Deus (João 1:1-3, 14), assim, a Bíblia é a Palavra de Deus escrita. Sendo inspirada e corretamente interpretada pelo Espírito Santo, a Bíblia é a única autoridade confiável de fé e prática do povo de Deus. Antigo e Novo Este livro, sagrado entre os livros, é dividido em duas secções principais. A primeira secção regista a fé e os escritos sagrados do povo da aliança de Deus antes da vinda dos tempos do Messias. Estas Escrituras, primeiramente escritas em língua hebraica, são reconhecidas pela igreja cristã como o Antigo Testamento. Os seus trinta e nove livros estão em três categorias: os cinco livros de Moisés ou Torá (Génesis-Deuteronómio); Profetas (profetas anteriores: de Josué a Reis — comumente chamados livros históricos, e profetas posteriores: de Isaías a Malaquias); e Escritos (Rute, Crónicas, Esdras, Neemias, Ester, Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Cântico dos Cânticos, Lamentações e Daniel). Esta divisão foi amplamente aceite entre os judeus antes da época de Jesus e reconhecida por Ele em Lucas 24:44. A segunda secção contém vinte e sete livros dos escritos sagrados que são indispensáveis p​​ ara a fé em nosso Senhor Jesus Cristo. Eles são conhecidos como o Novo Testamento, escrito em grego. O Novo Testamento é cerca de uma terça parte do Antigo. Estas duas secções juntas formam uma unidade que fornece uma base escrita para a nossa fé. Cada uma foi revelada como a Palavra de Deus, e nenhuma pode ser descartada sem ferir o conjunto da revelação de Deus ao homem. Ambos os Testamentos mostram a escolha de Deus para Israel para levar a sua Palavra por intermédio dos profetas e trazer através da sua linhagem o Verbo encarnado para salvar as nossas almas e completar a administração da Sua Palavra através dos apóstolos (Hebreus 1: 1 2). O tema central da Bíblia é a mensagem de salvação pela graça de Deus mediante a fé em Seu Filho Jesus. No Antigo Testamento, este tópico foi anunciado por tipos e profecias. No Novo Testamento, Jesus Cristo, o Filho de Deus (Mateus 16: 13-16) torna-se uma realidade histórica como verdadeiro homem (Marcos 6: 1-4). Através das Escrituras, Deus exige fé e obediência por parte do leitor, que Ele próprio dá (Romanos 10:17; Filipenses 2:13). O Antigo Testamento é verdadeiramente a Palavra de Deus, mas não é a Palavra final. Aqueles que lêem a primeira parte, as Escrituras Hebraicas, devem prosseguir nas palavras de nosso Senhor Jesus e dos seus apóstolos (Novo Testamento), porque é no final que a graça e a verdade de Deus surgem na sua completa iluminação e melhor expressão (João 1:17). No Antigo Testamento, o Novo está oculto; no Novo Testamento, o Antigo é revelado. Devemos ter cuidado para não separar o que Deus uniu, sabendo que as Antigas e as Novas Escrituras, juntas, formam a Bíblia Sagrada. Porque acreditamos que. . . Vivemos numa época em que a Bíblia tem muitos críticos. Em todas as áreas da vida — mesmo na igreja – há pessoas que chegam à conclusão de que as nossas Bíblias não são aquilo que dizemos e não são confiáveis. Ataques à Bíblia, é claro, não são novos. Desde o primeiro momento em que foi falada ou escrita, a Palavra de Deus tem sido exposta ao ridículo público e à dúvida. Voltaire, o célebre incrédulo francês do século XVIII, previu que a fé cristã baseada nas Escrituras desapareceria em breve. Vinte anos após a sua morte, a Sociedade Bíblica de Genebra usou a sua casa e as suas prensas de impressão para publicar mais exemplares da Bíblia. Apesar de muitos esforços dos adversários, a Bíblia ainda é o livro mais impresso, o livro mais distribuído em todo o mundo e continua a ser o mais vendido! Há razões para ler e acreditar que a Bíblia está sem-

[close]

p. 15

A Bíblia Sagrada 3 pre entrelaçada com a fé. Os cristãos devem todavia estar familiarizados com algumas bases lógicas para aceitar as Escrituras e as suas mensagens. Aqui estão várias razões para acreditar na Bíblia. A sua natureza histórica. A Bíblia é diferente dos escritos sagrados de outras religiões na medida em que é baseada na história real, não na mitologia ou na história falsa. Tanto a fé hebraica (judaísmo) como o cristianismo estão entrelaçados na história — desde a antiga Mesopotâmia e Egito, até à Babilónia, Pérsia, Grécia e Roma. As ligações entre os relatos bíblicos e muitos outros eventos documentados levam-nos a afirmar que o Cristianismo é uma fé historicamente exata e que a Bíblia é um relato histórico preciso da nação de Israel e da sua interação com outras nações. A sua evidência arqueológica. As evidências antigas, recentemente escavadas na Palestina e no Médio Oriente, confirmam uma boa parte dos relatos bíblicos. Talvez a evidência mais flagrante sejam os milhares de manuscritos antigos e cópias antigas das Escrituras que têm sido descobertos ou recuperados de vários lugares. Em repetidas ocasiões, os alegados erros na lei sagrada foram silenciados pelas pás dos arqueólogos. A diversidade de manuscritos. Nenhum outro livro antigo tem tantos documentos que comprovem a sua autenticidade e integridade como a Bíblia. Com a nova evidência que continua a surgir passou no teste da crítica textual. As variações encontradas no texto dos manuscritos antigos, principalmente em questões menores não afetam a essência da mensagem. A consistência interna. Apesar de escritos em vários géneros por mais de mil anos, por cerca de quarenta autores, os livros da Bíblia formam uma unidade incrivelmente interessante. Embora alguns céticos façam os seus comentários enumerando o que eles consideram contradições na Bíblia, aqueles que acreditam encontram perfeita harmonia no propósito e conteúdo da Bíblia. O seu inteiro conteúdo mostra a verdade sobre Deus, sobre o homem, o pecado, a salvação e a vida eterna. O seu principal objetivo é revelar a vontade de Deus para a humanidade. Para este propósito, a Bíblia é um livro perfeitamente bom e confiável. Apesar de nunca ter sido sua intenção a de fornecer informações científicas ou detalhes históricos da forma esperada por alguns. A sua sobrevivência. A Bíblia tem resistido ao teste do tempo. Ela não só sobreviveu a cada tentativa de a enterrar, de proibi-la ou de queimá-la, e à mensagem do evangelho que ela contém, como superou esses esforços. A influência benevolente da igreja crente na Bíblia sobre as pessoas do mundo por cerca de 2.000 anos aponta para a indestrutibilidade das Escrituras. Jesus disse que as Suas palavras jamais passarão, mas os céus e a terra hão-de passar (Lucas 21:33) - uma profecia que continua até hoje sem contradição. A sua relevância e realismo. Os leitores da Bíblia são, muitas vezes, surpreendidos pela simplicidade da Bíblia ao lidar diretamente com os problemas reais da vida e da morte, guerra e paz, amor e sexo, casa e família, homens prudentes e enganadores. Até mesmo os pecados dos heróis bíblicos da fé não são encobertos ou suavizados pela claridade da verdade de Deus. Um livro com um tão diverso e terreno foco não traria qualquer benefício se não oferecesse alguma solução ou libertação para os enormes problemas da humanidade. A Bíblia o faz. As histórias vivas de milhões, vivos e mortos, são evidências dos benefícios poderosos e pragmáticos da Bíblia. Sim ela funciona. Considere todas essas vidas transformadas — incluindo a nossa! As suas previsões e promessas. Perpassa através da Bíblia, do começo ao fim, uma sequência de textos que falam do futuro da experiência humana. Alguns deles tomam a forma de profecias sobre o futuro, como os textos do Antigo Testamento anteciparam a primeira vinda do Messias, ou os textos do Novo Testamento que prevêem o Seu retorno. Talvez mais do que isso, no entanto, são expressos como sinais de Deus, do que se pode esperar se as pessoas confiarem Nele e lhe obedecerem agora, ou se não o fizerem. Rastreando estes textos e observando o resultado, estamos plenamente confiantes na fiabilidade da profética e proeminente Palavra de Deus. Em muitos exemplos, Ele fez o que disse que faria. Isso cria confiança e certeza de que se cumprirão, algum dia, todas as promessas e profecias da Bíblia. Inspiração A Bíblia e somente a Bíblia, permanece como a autoridade escrita da fé cristã. Na verdade, é a palavra inspirada de Deus. Veio diretamente de Deus e foi revelada à humanidade através dos seus servos (2 Timóteo 3:16, 17; 2 Pedro 1:20, 21). Em vez de um livro de sabedoria puramente humana ou dos melhores pontos de vista do homem sobre Deus, a Bíblia contém o que Deus nos quer dizer sobre si mesmo e como homens e mulheres podem andar sa- Nota

[close]

Comments

no comments yet