Boletim ILCATc Julho 2016 Edição 51

 

Embed or link this publication

Description

Chamada aberta para pesquisadores de vírus zika na Paraíba e mais quatro estados do Brasil

Popular Pages


p. 1

Edição Nº 51 - Julho de 2016 Boletim ILCATc MENU O Marco Legal Brasileiro da Ciência, Tecnologia e Inovação: as novidades Edital do CNPq reforça cooperação científica entre Brasil e Argentina Projeto do CNPq resgata a história de pioneiras da ciência no Brasil Demanda de R$ 2,3 bi surpreende e mostra que ICTs buscam infraestrutura Inscrições abertas para o Prêmio InBev-Baillet Latour de Saúde Sebrae abre inscrições para projetos inovadores InovAtiva Brasil Chamada aberta para pesquisadores de vírus zika na Paraíba e mais quatro estados do Brasil Vacina contra o vírus Zika é testada com sucesso em camundongos Pesquisa acha vírus de gado em bebês com microcefalia no Nordeste Finep divulga resultado preliminar do edital contra o zika Programas de pós-graduação recebem repasse de R$ 568 mi Investimento de 2% do PIB em ciência é o mínimo para competir com grandes players Programa Minha Cidade Inteligente recebe projetos de 172 municípios 80% dos campi de ensino e pesquisa usuários da RNP estão conectados em alta velocidade Instituto Mamirauá lança projeto que usa energia solar para inclusão digital de jovens Novo Instituto de oceanografia vai incentivar pesquisas Governo trabalha por mais recursos para a ciência e inovação, afirma ministro Paraná sediará o CONTECC’2016 Embrapa lança nova variedade de mandioca para a indústria Inscrições abertas para congresso internacional sobre a diversidade do Semiárido Cresce número de mestres e doutores nas Regiões Norte e Nordeste Pesquisa comprova viabilidade do cultivo da palma forrageira no semiárido LabX, o programa de formação de liderança da Fundação Estudar chega a Campina Grande Chamada aberta para pesquisadores de vírus zika na Paraíba e mais quatro estados do Brasil Estão abertas inscrições para o programa Institutional Links, que estabelece conexões e incentiva parcerias entre instituições brasileiras e britânicas e conta com recursos do Newton Fund, uma iniciativa do governo britânico que visa promover o desenvolvimento social e econômico dos 15 países parceiros, por meio de pesquisa, ciência e da tecnologia. O tema Vírus zika deverá ser abordado de forma interdisciplinar. Expediente Diretor Presidente: Vicente de Paulo Albuquerque Araújo Diretor Adjunto: Ivan Rocha Neto Diretor Financeiro: Rossino Ramos de Almeida Secretário-Executivo: Thiago Xavier de Ataíde Jornalista Responsável: Helda Suene Colaboradoras: Geneceuda Monteiro e Maria Elisabete Ferreira Diagramação: Estela Maris de Medeiros e Oliveira Contatos: (83) 21011591 / 2101-1590 / 2101-1589 E-mail: boletim@ilcatc.org.br Site: www.ilcatc.org.br Blog: www.ilcatc.org.br/blog Endereço: Avenida Aprigio Veloso, 802, Bodocongó, CEP: 58109-970. Campina Grande - PB. Parceiros: Leia o Blog Lynaldo Cavalcanti: www.ilcatc.org.br/blog

[close]

p. 2

Boletim ILCATc Página 2 VOLTAR PARA CAPA Artigo O Marco Legal Brasileiro da Ciência, Tecnologia e Inovação: as novidades Por Carlos Alberto da Silva* A lei 13.243, que estabelece o novo “Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação”, foi promulgada em 11 de janeiro de 2016 com o objetivo principal de prescrever o comportamento das Instituições de Pesquisa Científica e Tecnológica (ICTs) ao interagir e cooperar com as empresas e o mercado de modo a transformar inovação em competitividade, gerando desenvolvimento socioeconômico e cultural no Brasil. Ao assistir a palestra promovida pelo Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia (NITT/UFCG) em parceria com a Rede de Inovação da Paraíba (RIPB) sobre o marco legal, proferida por Gesil Sampaio Amarante, professor da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e diretor técnico da Associação do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (FORTEC), chamou-me atenção os aspectos que garantem mais liberdade e autonomia aos pesquisadores no processo de cooperação universidade-empresa, contidos na nova lei – substituta da lei de inovação 10.973, de dezembro de 2004. Na direção do mercado, o novo marco legal da CT&I facilita a utilização de laboratórios públicos por empresas privadas, para fins Anterior Próxima

[close]

p. 3

Boletim ILCATc Página 3 VOLTAR PARA CAPA de pesquisa; permite que professores das universidades públicas em regime de dedicação exclusiva exerçam atividades de pesquisa no setor privado, com remuneração; aumentou o número de horas que esses docentes podem dedicar às atividades fora da academia, de 120 horas para 416 horas anuais (8 horas semanal); e garante a participação minoritária da União e dos demais entes federativos e suas entidades autorizadas, no capital social de empresas, com o propósito de desenvolver produtos ou processos inovadores. Conceitos novos e alterados permeiam o novo marco legal, comparado com a lei de inovação de 2004. De um lado, foram incluídos novos conceitos; tais como, incubadora de empresa, fundação de apoio, parque tecnológico, polo tecnológico, extensão tecnológica, bônus tecnológico e capital intelectual. De outro, foram alterados os conceitos de inovação, ICT e NIT. No bojo das alterações da lei de inovação (10.973/2004), boa parte foi modificada, além da emenda constitucional Nº 85/2015 que incorporou os termos tecnologia, pesquisa e inovação na Carta Magna do Brasil. Entre os principais pontos de modificação, que me chamaram atenção na nova lei de inovação, destaco: Vistos podem ser concedidos a estrangeiros, benificiário de bolsa vinculada a projeto de PD&I concedida por órgão ou agência de fomento; Dispensa da obrigatoriedade de licitação para compra ou contratação de produtos para fins de P&D; Regras simplificadas e reduções de impostos para importação de material de pesquisa; Estende os benefícios do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC) às licitações e contratos necessários à realização das ações em órgãos ou entidades dedicados à ciência, à tecnologia e à inovação; Admissão de pesquisadores e técnicos para projeto de pesquisa com prazo determinado, em instituição destinada à pesquisa, ao desenvolvimento e à inovação. O marco legal da CT&I provavelmente impactará o ambiente empresarial e acadêmico. Estamos vivendo um momento histórico propício à mudança cultural no que diz respeito à interação e cooperação universidade- empresa. Nesse contexto, o que se coloca para a nossa Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) é ajustar a sua política institucional ao novo marco legal, pois fará a diferença na atração e manutenção de professores talentosos. * Carlos Alberto da Silva é coordenador de Pesquisa da UFCG As afirmações e conceitos emitidos em artigos assinados são de absoluta responsabilidade dos seus autores, não expressando necessariamente a opinião da instituição. Anterior Próxima

[close]

p. 4

Boletim ILCATc Página 4 Nacionais Edital do CNPq reforça cooperação científica entre Brasil e Argentina VOLTAR PARA CAPA O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) abriu chamada pública para selecionar propostas de cooperação internacional no âmbito do Centro Brasileiro-Argentino de Biotecnologia (CBAB). Criado em 1986, o CBAB lança simultaneamente nos dois países, a cada dois anos, editais para projetos em temas binacionais definidos em conjunto pelas duas comunidades científicas. A chamada pública nº 10 do CBAB está aberta até 10 de agosto. O texto estabelece como áreas prioritárias bioprospecção aplicada a enzimas industriais e biofármacos; agrobiotecnologia para produtividade, sustentabilidade e qualidade da produção agropecuária; bioenergia, com ênfase na produção de biomassa e bioprocessos; sanidade e produção animal; saúde humana, especialmente biofármacos; e biotecnologia ambiental. O edital dispõe de R$ 700 mil do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Cada projeto de cooperação pode receber financiamento de até R$ 150 mil. Todas as propostas avaliadas pelo comitê julgador, bem com as submetidas na Argentina e no Uruguai, ainda devem passar pela apreciação de um comitê assessor binacional. Os resultados e a contratação estão previstos para 21 de novembro. Integração Conhecido em espanhol pela sigla Cabbio, o CBAB é um programa de integração regional instituído para consolidar a cooperação entre Brasil e Argentina, de acordo com necessidades e prioridades mútuas. O Conselho Binacional do CBAB tem reunião marcada para 28 a 29 de junho, em Montevidéu. A instância envolve diretores nacionais e representantes de ministérios da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Relações Exteriores, Agricultura, Fazenda e Saúde dos dois países. Desde 2012, as chamadas indicam como “opcional e desejável” a participação de núcleos de pesquisa uruguaios. O CBAB também costuma apoiar, por editais específicos, cursos de curta duração, abertos a outros países sul-americanos. Fonte: MCTIC Anterior Próxima

[close]

p. 5

Boletim ILCATc Página 5 VOLTAR PARA CAPA Projeto do CNPq resgata a história de pioneiras da ciência no Brasil A história de mulheres pioneiras em diversas áreas do conhecimento no Brasil ganha um novo registro. A 6ª edição do projeto Pioneiras da Ciência foi lançada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) com a trajetória de nove pesquisadoras que contribuíram para a ciência brasileira e a formação de recursos humanos no país. O Pioneiras da Ciência é uma das ações do programa Mulher e Ciência, criado há mais de dez anos para promover a participação feminina nas ciências e nas carreiras acadêmicas, além de estimular a reflexão acerca das relações de gênero no país. O programa é executado em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Ministério da Educação (MEC) e Secretaria de Políticas para as Mulheres. Nesta 6ª edição, o Pioneiras da Ciência conta a história de nove pesquisadoras que atuaram nas áreas da psicologia, química, história e matemática. Os textos entrelaçam as trajetórias pessoais e acadêmicas, mostrando os resultados do trabalho de cada uma e obstáculos enfrentados. Para revelar essas histórias, o projeto foi atrás de pesquisadores que foram influenciados pelas obras dessas mulheres. Desafios Uma das responsáveispeloprogramaMulhere Ciência, a socióloga Maria Lúcia de Santana Braga afirma que ações como o Pioneiras da Ciência estimulam a participação das mulheres em carreiras científicas. Segundo ela, a presença feminina em algumas áreas, como nas ciências exatas, ainda é tímida. Nas engenharias, por exemplo, a participação das mulheres não chega a 30% dos profissionais em atuação. Outro desafio, ressalta Maria Lúcia, é ampliar o acesso das mulheres cientistas a cargos de comando. “Atualmente, temos uma igualdade de gênero nas condições de acesso às carreiras, mas precisamos aumentar a presença das mulheres em postos de gestão, que ainda é desigual”. Com essa nova edição, o PioneirasdaCiênciajá homenageou 79 pesquisadoras que tiveram vida acadêmica ativa a partir dos anos 1920. E o reconhecimento pelo trabalho das cientistas brasileiras terá continuidade. Sugestões de nomes para as próximas ediçõesdoPioneiras da Ciência, com a justificativa pela indicação, podem ser enviados para o e-mail programamulhereciencia@cnpq.br Fonte: CNPq Anterior Próxima

[close]

p. 6

Boletim ILCATc Página 6 VOLTAR PARA CAPA Demanda de R$ 2,3 bi surpreende e mostra que ICTs buscam infraestrutura A Chamada Pública MCTI/FINEP/FNDCT 02/2016 – Centros Nacionais Multiusuários, voltada para centros nacionais de infraestrutura científica de caráter multiusuário, teve demanda global de cerca de R$ 2,3 bi, cerca de 12 vezes o disponibilizado pelo edital, no valor de R$ 195 milhões. Isto denota que os Institutos de Ciência e Tecnologia estão buscando se equipar e que há um vasto campo para melhoria dos centros de pesquisa nacionais. Cada instituição tinha a possibilidade de participar com apenas uma proposta, com valor mínimo de R$ 1 milhão. Ao todo, foram classificadas 495 propostas. A chamada foi dividida em duas linhas. A primeira tinha como objetivo fomentar e fortalecer os centros já estabelecidos, reforçando a capacidade de atendimento a demandas externas e ampliando os serviços disponíveis. Já a segunda pretendia induzir a instalação de novos centros nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil. Esse processo vai se dar por meio da melhoria de infraestrutura necessária para realização de ensaios e pesquisas. Do valor total da chamada (R$ 195 milhões), 20% (R$ 40 milhões) serão destinados exclusivamente aos centros emergentes. Entre os objetivos do edital estão apoiar a utilização dos centros por empresas de base tecnológica, estimulando o processo de inovação; viabilizar o avanço do desenvolvimento científico e tecnológico nacional; estimular a geração de novas linhas de pesquisa; apoiar soluções tecnológicas para as empresas; proporcionar condições para o crescimento e para a consolidação da pesquisa científica e tecnológica nas regiões onde se localizem; otimizar equipamentos e pessoal qualificado, possibilitando o uso compartilhado do potencial do centro a outras instituições e empresas; e propiciar aquisição, manutenção e operação de equipamentos multiusuários de média e grande complexidade. Esses aparelhos são considerados de alta especialização e necessitam de um coordenador científico que determine o seu uso por clientes internos e externos. Fonte: Finep Anterior Próxima

[close]

p. 7

Boletim ILCATc Página 7 VOLTAR PARA CAPA Inscrições abertas para o Prêmio InBevBaillet Latour de Saúde Seguem abertas, até o dia 30 de setembro de recebido nenhum prêmio equivalente para 2016, as inscrições para o Prêmio InBev-Baillet uso pessoal. A premiação é voltada para Latour de Saúde. O prêmio, conferido pela pesquisadores e não instituições e é concedido Fundação belga Baillet Latour, foi criado para todo o ano para realizações de destaque na reconhecer o mérito científico e para incentivar área de pesquisa biomédica. a continuidade da pesquisa. O tema desta edição será “Doenças Infecciosas”. O valor do prêmio é 250.000 euros. Para mais informações, regulamento e formulário de Podem se inscrever cientistas de todas as inscrição, acesse o site da Fundação. nacionalidades, desde que não tenham Fonte: Coordenação de Comunicação do CNPq Sebrae abre inscrições para projetos inovadores Pará e São Paulo). Os projetos podem ser submetidos até 23 de setembro de 2016, de acordo com as regras presentes no edital. Inscrições e mais informações no site do Sebrae. O Sebrae contribuirá para aumentar a competitividade e a produtividade dos pequenos negócios com potencial de alto impacto. O subsídio será de até R$ 120 mil por projeto, com prazo de execução de 24 meses. A plataforma InovAtiva Brasil está com inscrições abertas para projetos em tecnologias inovadoras ou capital intelectual, contemplando as cinco regiões brasileiras. Serão R$ 20 milhões destinados a projetos de 24 unidades da federação (não aderiram a este edital: Amapá, Finalistas do Programa InovAtiva, empresas incubadas, graduadas, aceleradas ou instaladas em parques tecnológicos receberão uma pontuação extra de 10% no processo de classificação. Os projetos serão divididos em duas modalidades: Desenvolvimento Tecnológico e Encadeamento Tecnológico. Fonte: Coordenação de Comunicação do CNPq Anterior Próxima

[close]

p. 8

Boletim ILCATc InovAtiva Brasil Página 8 VOLTAR PARA CAPA Conheça o InovAtiva Brasil – Um programa de aceleração com capacitação de qualidade, mentorias nacionais e internacionais e muitas conexões com parceiros e investidores (www. inovativabrasil.com.br) O que é? Um programa gratuito de aceleração em larga escala para negócios inovadores de qualquer setor e lugar do Brasil, realizado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, executado pela Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI) e com os parceiros estratégicos SEBRAE e SENAI. O que oferece? • Capacitação de nível mundial em empreendedorismo inovador, por meio de cursos gratuitos e outras atividades; • Acesso a mentores nacionais e internacionais; • Conexão com possíveis parceiros, investidores e grandes empresas; • Suporte para internacionalização; • Vantagens adicionais para startups em outros programas públicos e privados parceiros. Quem pode participar? A Comunidade InovAtiva, com acesso a todo o conteúdo de capacitação do programa, é gratuita e aberta a qualquer interessado. Já a participação nos ciclos de aceleração é restrita a projetos inscritos e aprovados pelos avaliadores do Programa. São até 300 vagas disponíveis para a primeira etapa de cada Ciclo, e até 125 para etapa final. Podem submeter propostas para o Ciclo de aceleração: • Negócios inovadores de qualquer setor da indústria, comércio, serviços e agronegócio; • Negócios pré-operacionais com um produto/ serviço em estágio final de desenvolvimento, protótipo, versão beta ou produto pronto mas ainda não comercializado; • Startups já estabelecidas, com dois limites: - Faturamento anual máximo de R$ 3,6 milhões; - Que não tenha recebido investimento em participação de terceiros (investidor anjo, fundo de investimento) acima de R$ 500 mil. Mais informações no Regulamento. Confira a Lista das 125 empresas aprovadas para a segunda etapa do Ciclo 2016.1. Anterior Próxima

[close]

p. 9

Boletim ILCATc Página 9 VOLTAR PARA CAPA Chamada aberta para pesquisadores de vírus zika na Paraíba e mais quatro estados do Brasil Entre 11 de julho e 12 de setembro de 2016 estão abertas inscrições para o programa Institutional Links, que estabelece conexões e incentiva parcerias entre instituições brasileiras e britânicas e conta com recursos do Newton Fund, uma iniciativa do governo britânico que visa promover o desenvolvimento social e econômico dos 15 países parceiros, por meio de pesquisa, ciência e da tecnologia. Esta chamada é uma parceria entre o British Council, a Fundação Oswaldo Cruz, a FAPESQ, a FAPDF, a FACEPE, FAPEAL e a FUNCAP e tem o objetivo de contribuir para a geração de conhecimento, metodologias, protocolos e programas de treinamento para os diversos profissionais em saúde, pesquisadores de diversas disciplinas e para diferentes setores da comunidade, todos envolvidos ou impactados pelo zika, buscando diminuir os impactos na saúde e sociais deste vírus. Cada proposta deve ter um proponente Brasileiro e outro do Reino Unido e ser submetida conjuntamente no site global do British Council. Ambas as instituições, Anterior Próxima

[close]

p. 10

Boletim ILCATc Página 10 VOLTAR PARA CAPA brasileira e britânica, devem ter capacidade de administrar a concessão e as propostas cofinanciadas pelas FAPs parceiras listadas a cima, e que tenham participação de pesquisadores sêniores da Fiocruz fazendo parte da equipe do projeto, poderão utilizar recursos em espécie e plataformas disponibilizadas pela Fiocruz. O tema Vírus zika deverá ser abordado de forma interdisciplinar, envolvendo pesquisa aplicada, tendo como foco central o desenvolvimento de capacidades e para responder ou prevenir os impactos sociais da síndrome congênita do zika no Brasil. Esta chamada irá financiar até 15 propostas, que devem ter duração entre 18 e 24 meses e orçamento máximo de £ 100,000 (cem mil libras esterlinas). Estes recursos serão desembolsados em dinheiro ou em espécies, dependendo do Estado e critérios de elegibilidade. de Libras Esterlinas (mais de 5 milhões e seiscentos mil Reais) para gerar conhecimento, soluções e metodologias que atendam vulnerabilidades geradas pelo zika Vírus no Brasil. Além dos impactos na saúde, há implicações sociais, portanto o estímulo à pesquisa interdisciplinar e o desenvolvimento de conhecimento é essencial.” Nesta chamada, podem se inscrever pesquisadores de instituições de pesquisa e instituições de ensino superior do Distrito Federal, Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Ceará. Para os estados do Amazonas, Bahia, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro e Rondônia somente os proponentes (coordenadores principais do projeto), servidores da Fiocruz em atividade de pesquisa na instituição são elegíveis e poderão se candidatar. A avaliação das propostas será realizada através de comitês científicos independentes, no Reino Unido e no Brasil. O resultado será divulgado no site do British Council no dia 30 de Novembro de 2016. Para Diana Daste, Gerente do Newton Fund no British Council no Brasil, “esta parceria pretende dar resposta a uma emergência nacional e de prioridade estratégia no país. A chamada dispõe de mais de 1 milhão Como encontrar instituições parceiras no Reino Unido A International Unit ajuda organizações brasileiras a encontrar instituições com interesses similares no Reino Unido para projetos do British Council financiados pelo Fundo Newton. Para saber mais, escreva para newton@international.ac.uk, indicando o Anterior Próxima

[close]

p. 11

Boletim ILCATc Página 11 VOLTAR PARA CAPA assunto “Institutional Links – Brazil July call”. Sobre o British Council O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades educacionais. Promovemos cooperação entre o Reino Unido e o Brasil nas áreas de língua inglesa, artes, esportes e educação e sociedade. O British Council é um dos operadores do Fundo Newton. O Newton Fund integra o sistema de assistência oficial para desenvolvimento do governo britânico e visa desenvolver parcerias em ciência, tecnologia e inovação em países parceiros. Sobre a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) - é uma instituição de ciência e tecnologia em saúde vinculada ao Ministério da Saúde do Brasil. Tem como objetivos produzir, disseminar e compartilhar conhecimentos e tecnologias voltados para o fortalecimento e consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS), que contribuam para a melhoria da saúde e da qualidade de vida da população brasileira, para a redução das desigualdades sociais e para a dinâmica nacional de inovação, tendo a defesa do direito à saúde e da cidadania ampla como valores centrais. As atividades realizadas pela Fiocruz compreendem pesquisa biomédica e a formação em ciência e tecnologia em saúde; a pesquisa clínica e atenção de referência em doenças infecciosas e na área da saúde da mulher, criança e adolescente; a pesquisa epidemiológica e social; a pós-graduação em saúde pública e a formação de nível técnico em saúde; o desenvolvimento tecnológico em saúde; a produção de imunobiológicos, reagentes e medicamentos; a preservação do patrimônio histórico cultural da saúde; a produção e disseminação de informação em C&T e saúde; e o desenvolvimento de ações de vigilância em saúde. Sobre as Fundações de Amparo à Pesquisa As Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) são instituições públicas de fomento à pesquisa, desenvolvimento científico e tecnológico, formação e capacitação de recursos humanos em nível estadual ou no Distrito Federal. Nesta chamada, fazem parte as FAPs dos estados: Paraíba (FAPESQ), Distrito Federal (FAPDF), Pernambuco (FACEPE), Alagoas (FAPEAL) e Ceará (FUNCAP). Sobre o Fundo Newton O Newton Fund (Fundo Newton) é uma iniciativa governo britânico que visa promover o desenvolvimento social e econômico dos 15 países parceiros, por meio de pesquisa, ciência e da tecnologia. O fundo de 735 milhões de libras esterlinas atua em três grandes áreas: capacitação de pessoas em ciência e inovação nos países parceiros, colaboração em pesquisas acadêmicas sobre temas de desenvolvimento e a transferência de conhecimento para criação de soluções colaborativas para os desafios de desenvolvimento e fortalecimento dos sistemas de inovação. Serviço Inscrições entre 11 de julho e 12 de setembro de 2016 Inscrições, edital e pré-requisitos em www. britishcouncil.org.br Resultado dia 30 de novembro de 2016 em www. britishcouncil.org.br Fonte: Asscom British Council Anterior Próxima

[close]

p. 12

Boletim ILCATc Página 12 VOLTAR PARA CAPA Vacina contra o vírus Zika é testada com sucesso em camundongos sendo um dos primeiros autores Rafael Larocca, ex-aluno no Departamento de Imunologia e exbolsista FAPESP. Imunizante desenvolvido por pesquisadores brasileiros e norte-americanos impediu totalmente a replicação viral nos animais. Resultados foram divulgados na revista Nature (ilustração: corte transversal do vírus Zika - núcleo em amarelo / Wikimedia Commons). Uma vacina experimental contra o vírus Zika desenvolvida por pesquisadores brasileiros e norteamericanos foi testada com sucesso em experimentos com camundongos. Os resultados foram publicados na terça-feira (28/06) na revistaNature e, segundo os autores, sugerem que a produção de uma vacina para humanos será “prontamente realizável”. No Brasil, a pesquisa foi realizada no âmbito da Rede de Pesquisa sobre Zika Vírus em São Paulo (Rede Zika), com apoio da FAPESP e sob a coordenação de Jean Pierre Peron e Paolo Zanotto - ambos do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP). Nos Estados Unidos, a coordenação foi de Dan Barouch, da Harvard University, especialista no design de vacinas, “A vacina conferiu aos camundongos uma proteção de 100%, ou seja, depois de vacinados, eles foram infectados e não apresentaram viremia [a carga viral medida no plasma foi igual a zero, mostrando que a infecção não progrediu]”, contou Peron. Os animais vacinados foram desafiados tanto com uma linhagem do vírus originária de Porto Rico quanto com uma linhagem brasileira ¿ isolada de um bebê da Paraíba e usada no estudo anterior da Rede Zika, também publicado na Nature, que confirmou a relação causal entre a infecção e a microcefalia (leia mais aqui). Nos dois casos, a vacina foi capaz de induzir uma resposta imunológica protetora. Já o grupo de roedores que recebeu placebo no lugar da vacina apresentou viremia durante cinco ou seis dias após ser infectado. “Nós isolamos os anticorpos produzidos no organismo dos animais vacinados e os transferimos para outros camundongos. Esse grupo que recebeu os anticorpos prontos, em seguida, foi infectado e também se mostrou resistente. Esse dado comprova que a vacina induz uma proteção mediada por anticorpos”, avaliou Peron. Construindo a vacina Anterior Próxima

[close]

p. 13

Boletim ILCATc Página 13 VOLTAR PARA CAPA Diversas combinações de proteínas do vírus Zika durante a gestação. capazes de induzir uma resposta imunológica - os chamados antígenos virais – foram testadas. A que mostrou melhor resultado foi a união da prM (proteína pré-membrana) com a Env (proteína do envelope externo do vírus). “Meus alunos estão indo para o laboratório de Barouch, nos Estados Unidos, para realizar esses experimentos com fêmeas prenhes. Se conseguirmos proteger os fetos contra a microcefalia, os resultados serão muito promissores. E a gente aposta que isso vai Os antígenos foram inseridos dentro de um plasmídeo acontecer”, disse Peron. - uma pequena molécula circular de DNA. Segundo Peron, o mesmo tipo de formulação pode ser usado em testes com humanos. Uma segunda formulação do grupo feita com vírus inativado também apresentou resultados promissores nos experimentos com camundongos e seguirá para “Ainda será necessária mais uma etapa de testes os testes em macacos. pré-clínicos em macacos. Se os resultados forem positivos, poderemos iniciar os ensaios clínicos de fase 1″, afirmou. O artigo Vaccine protection against Zika virus from Brazil (doi: 10.1038/nature18952), pode ser lido aqui. Antes, porém, o grupo pretende testar, em camundongos, se a vacina é capaz de proteger contra o desenvolvimento de microcefalia Saiba mais sobre a Rede Zika. Fonte: Agência Fapesp Pesquisa acha vírus de gado em bebês com microcefalia no Nordeste O surto de microcefalia registrado no Nordeste pode ter outras causas além da contaminação do feto pela zika durante a gestação. Pesquisadores brasileiros encontraram em amostras de fetos com microcefalia provocada pela zika traços de um outro vírus, o BVDV, um agente que até hoje se imaginava afetar rebanhos animais, como bovinos. Os indícios, embora ainda tenham de ser comprovados com testes mais específicos, foram considerados relevantes pelos cientistas. Por precaução, eles comunicaram o Ministério da Saúde antes mesmo da publicação do trabalho em revista científica, em reunião de emergência feita na semana passada. A pesquisa foi feita por integrantes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pelo IPESQ, Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto. Diante das suspeitas, uma série de medidas Anterior Próxima

[close]

p. 14

Boletim ILCATc Página 14 VOLTAR PARA CAPA O surto de microcefalia registrado no Nordeste pode ter outras causas além da contaminação do feto pela zika durante a gestação. Pesquisadores brasileiros encontraram em amostras de fetos com microcefalia provocada pela zika traços de um outro vírus, o BVDV, um agente que até hoje se imaginava afetar rebanhos animais, como bovinos. Os indícios, embora ainda tenham de ser comprovados com testes mais específicos, foram considerados relevantes pelos cientistas. Por precaução, eles comunicaram o Ministério da Saúde antes mesmo da publicação do trabalho em revista científica, em reunião de emergência feita na semana passada. A pesquisa foi feita por integrantes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pelo IPESQ, Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto. Diante das suspeitas, uma série de medidas foi adotada. A Organização Mundial da Saúde (OMS) foi comunicada e ontem foi realizada uma reunião com o Ministério da Agricultura para avaliar medidas de proteção do gado, caso a hipótese seja mais tarde confirmada. Um grupo do Ministério da Saúde foi destacado nesta semana para ajudar a estudar o caso. Equipes foram enviadas a campo, na Paraíba, para tentar buscar ligações entre as mulheres que tiveram seus embriões com suspeita de contaminação por BVDV. Embora intrigados com resultados, pesquisadores que participam do estudo ouvidos pela reportagem mostram-se cuidadosos. Eles dizem ser precipitada qualquer conclusão. Os trechos do BVDV foram encontrados em três amostras, um número ainda considerado pequeno para fazer alguma afirmação categórica. O grupo agora concentra esforços para fazer o sequenciamento do vírus. Uma tarefa que é cara. Justamente por isso, buscaram auxílio do Ministério da Saúde. “Essa é uma peça importante dentro desse quebra-cabeças. Nunca foi descartada a possibilidade de que, além do zika, outro vírus estivesse relacionado ao aumento de casos de bebês com problemas neurológicos”, disse um integrante da força-tarefa destacada para avaliar o caso, que atua em Pernambuco. Vírus da família da zika O BVDV é um vírus presente no rebanho de vários países, incluindo o Brasil. Da mesma família da zika (Flaviviridae), ele causa no gado uma série de doenças, como diarreias e problemas respiratórios. O que chama mais a atenção, no entanto, é a grande quantidade de casos de abortos e de más-formações provocadas por esses vírus no gado. Entre os problemas encontrados, está a artrogripose, uma síndrome que provoca má-formação em articulações, já identificada em alguns bebês com microcefalia. Foi justamente essa semelhança na forma do ataque do vírus na formação do feto de gado e Anterior Próxima

[close]

p. 15

Boletim ILCATc Página 15 VOLTAR PARA CAPA dos bebês com microcefalia associada ao zika que despertou o interesse dos pesquisadores. Assim como acontece com bebês, a literatura mostra que o impacto do BVDV na formação do feto bovino muda de acordo com o período de infecção. “Abortos e más-formações são mais comuns no primeiro trimestre da gestação dos bovinos”, afirmou o professor do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva da Universidade Federal de Santa Maria, Eduardo Flores. Assim como de humanos, o período de gestação no gado é de 9 meses. O professor afirma que, embora muito presente no rebanho brasileiro, até hoje não houve relato sobre a transmissão do BVDV para seres humanos. Também não há registros sobre contaminação do vírus no meio ambiente. Uma das hipóteses de pesquisadores é de que o fato da zika e o BVDV serem da mesma família possa aumentar a possibilidade de interação. “Talvez isso ajude a explicar a forma como o zika rompe a barreira placentária e ataca o feto”, diz um representante do governo de Pernambuco. Essa interação poderia também ajudar a explicar um fato que intriga autoridades sanitárias e a comunidade científica em geral: por que algumas regiões do Nordeste brasileiro foram muito mais afetadas pela síndrome provocada nos bebês pelo zika do que outros Estados ou outros países? A resposta ouvida até agora era de que a epidemia de zika em outras regiões do país é muito recente e que, por isso, seria preciso esperar alguns meses até que bebês com a síndrome congênita começassem a nascer. “O tempo está passando e a epidemia de grandes proporções esperada no Sudeste não está acontecendo”, afirmou o representante. O último boletim do Ministério da Saúde sobre a microcefalia mostra que há 1.417 casos confirmados no Nordeste e 106 no Sudeste. Governo diz que medidas são precaução O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Alexandre Santos, afirmou que as medidas adotadas até o momento sobre o vírus BVDV são feitas por precaução. “Existem indícios. Técnicos foram enviados para ajudar na investigação. A notificação da OMS faz parte do regulamento sanitário.” Um dos pesquisadores envolvidos no estudo disse que a tarefa, neste momento, é identificar o vírus inteiro do BVDV. “Encontramos trechos de fragmento de genoma. É preciso mais. Seria uma leviandade afirmar de forma categórica que o BVDV está associado à síndrome das crianças.” Casos de infecção do gado provocada pela Diarreia Viral Bovina (BVDV) são identificados no Brasil desde a década de 60. Estudos mostram que o vírus é encontrado em várias partes do país e afeta, principalmente, o gado leiteiro. “Não é uma doença de notificação compulsória. A vacinação também não é feita de forma regular. O fato é que há muitos rebanhos contaminados”, afirma o professor do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva da Universidade Federal de Santa Maria Eduardo Flores. A contaminação pelo vírus pode acontecer por meio das secreções (como durante a alimentação no cocho) e pelo sêmen. O ponto-chave para o controle da doença está na identificação e no Anterior Próxima

[close]

Comments

no comments yet