Jornal Vida Missionária - Edição 76

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Vida Missionária - Edição 76

Popular Pages


p. 1

Vida Missionária Edição 76 – dezembro de 2014, janeiro e fevereiro de 2015 Publicação Conjunta dos Missionários do Verbo Divino e das Missionárias Servas do Espírito Santo Sagrada Família, rogai por nós! Ao final deste ano em que a família esteve em foco, grandes desafios continuam pairando sobre o horizonte da vida familiar. Defender a família é afirmar que o carinho, a atenção e o cuida- do vêm em primeiro lugar. É educar para os verdadeiros valores que norteiam os seres humanos. Para que nossas crianças possam crescer com amor e segurança, necessitamos trabalhar para superar a miséria, a injustiça social, a violência, as drogas e a destruição da natureza. Afinal, como dizia Dom Hélder Câmara,“cuidar da família é cuidar da humanidade”. Ao celebrar o Natal e o Ano Novo, invocamos a proteção da Sagrada Família de Nazaré para nos ajudar a viver relações de amor, diálogo, acolhimento e respeito e, assim, construirmos “um novo céu e uma nova terra”. LEIA MAIS MIX MISSIONÁRIO Como iniciar bem o novo ano BBFauÍmBscílLaiImaAAorsEnnaVlodvIioDnaAc éu e nova terra Pág. 2 PASTORAL DA FAMÍLIA Casais cultivam espiritualidade conjugal SEMANA Celebração MdeISvoSMtIAoORsÇNmOÁ, oARBbRiIlIALizEaMPAoIOrtDoER20e1a4l -RJ Pág. 3 TESTEMUNHO Uma missionária na vida contemplativa PELO MUNDO Mutirão da boa notícia em O­ViaidpaoqMuiess-iAonPáriPaá–g.14

[close]

p. 2

MIX MISSIONÁRIO Como iniciar bem o novo ano Todo fim de ano e início de um novo é tempo favorável para rever o caminho percorrido, avaliar o que não foi bom e fazer um novo projeto de vida, com metas claras e realizáveis, para termos um novo ano mais feliz, pleno das bênçãos de Deus e cheio de novas realizações e aprendizados. É isso o que nos propõe o Pe. Arilson Lima, verbita da Região Amazônica. Oque nos mantém vivos? O que nos faz viver? O que faz nossa vida pulsar? Viver é ser, é existir, é fazer acontecer, é vibrar, é tomar consciência, é um sopro do Espírito, é tudo que nos anima e dá firmeza à nossa existência. É o que nos comove, nos remove e nos torna mais sensíveis. É a parte do viver e das buscas de todo ser humano. Porque a vida é aprendizado. Aprender a pensar, a agir, a amar, a dar-se e esvaziar-se. Superar antipatias, rancores, dores, pensamentos hostis e sem reflexão, fé sem compromisso e alegria. Tudo isso e muito mais é viver. Estamos iniciando mais um ano, mais um tempo, mais uma oportunidade de rever nossas relações, nossa existência. De reencontrar com tudo aquilo que somos, com o Sopro Criador, com a vida que pulsa dentro de nós e fora de nós. É hora de escutar os clamores da terra e das criaturas por mais vida. É momento de reconciliação, de articular forças, vontades e sonhos. Que nossos ânimos, espírito e energias possam vitalizar coisas boas para cada pessoa. Que arranquemos todo ranço do coração e depositemos neste uma fé alegre e comprometida, uma esperança entusiasta e teimosa, um amor paciente e vibrante de um novo tempo, o tempo de Deus. Que as sábias palavras atribuídas à poetisa Cora Coralina nos inspirem a construir um caminho diferente e mais feliz. “Não sei...  se a vida é curta ou longa demais pra nós,  mas sei que nada do que vivemos tem sentido,  se não tocamos o coração das pessoas. Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silêncio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove. E isso não é coisa de outro mundo,  é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não  seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira,  pura... enquanto durar....“  Ana Elídia Neves, SSPS Ana Elídia Neves, SSPS Eis queBÍBLIA E VfIaDAço novas todas as coisas Vivemos tempos conturbados que nos desafiam a nos superar e a buscar motivações que alimentem nossa fé e iluminem nossos sonhos. Urge ousadia, testemunho e profetismo. Como cristãos, buscamos luzes na Palavra de Deus. O livro do Apocalipse, escrito em tempos de perseguição, apresenta-nos a célebre profecia: “Vi, um novo céu e uma nova terra... Eis que faço novas todas as coisas” (Ap 21,1.5). Esse texto ilumina nossas buscas e utopias. Somos convocados(as) “a tirar o véu”, a desvendar a realidade que nos circunda, para resplandecer os sinais do reino que estão presentes, mas, de certa forma, ofuscados pela violência, corrupção e tantos males que assolam a sociedade. “Aquele que está sentado no trono declarou: eis que faço novas...” O livro do Apocalipse apresenta o próprio Jesus, vencedor de todo tipo de morte. Apocalipse vem do grego e significa “revelação”. Tem por objetivo reavivar e fortalecer a esperança dos cristãos. Revela a boanova de que, em Jesus ressuscitado, somos vencedores(as). Com Ele, tomamos parte no protagonismo da nova criação. A mensagem do “novo céu e nova terra” nos impulsiona a investir em estratégias que visibilizem os sinais do reino existentes e revitalizem as iniciativas que estão adormecidas nas pessoas e comunidades. O Espírito Divino quer servir-se de nossa mediação para realizar o projeto de “vida plena para todos”. Esse sonho que se expressa na profecia de que o Senhor “faz novas todas as coisas” é um processo que avança conforme nos dispomos ao novo. Assim, somos instrumentos para fazer resplandecer o novo céu e a nova terra, onde todos usufruem dos bens da criação e tomam parte no banquete da vida. Ir. Maria de Fátima Kapp, SSpS, é teóloga e trabalha na assessoria de grupos e na formação. EXPEDIENTE Vida Missionária vidamissionaria@ssps.org.br Missionários do Verbo Divino e Missionárias Servas do Espírito Santo Conselho Editorial Província SSpS Brasil Norte: Ir. Ana Elídia Caffer Neves Região Amazônica SVD: Pe. Arilson Lima Província SVD Brasil Centro: Pe. Arnaldo Alves de Souza Pe. Omir C. A. Oliveira Província SVD Brasil Norte: Pe. Anselmo Ribeiro Província SVD Brasil Sul: Pe. Leon Grzyska Jornalista Responsável Ir. Ana Elídia Caffer Neves, MTB 20.383 Redação e Edição Ir. Ana Elídia Caffer Neves Revisão Alessandro Faleiro Marques Diagramação e Impressão Gráfica Unisind (11) 3271-1137 Tiragem: 25 mil exemplares Calendário dos 125 anos Para marcar as comemorações dos 125 anos de fundação, as missionárias servas do Espírito Santo das duas províncias brasileiras produziram um calendário permanente com fotos da missão e um pensamento, para cada dia, dos santos Arnaldo Janssen e José Freinademetz, das bem-aventuradas madres Maria Helena Stollenwerk e Josefa Stenmanns, madre Theresia Messner e Maria Michaela Tönies. Formação intercultural De 10 a 12 de novembro, os quatro conselhos provinciais e regional SVD (BRS, BRC, BRN e BRA) realizaram o encontro “Formação para liderança intercultural”. Padre Joachim Andrade foi o assessor e tratou do tema da interculturalidade e liderança. Além dos 20 membros conselheiros, participou também o Pe. Marcelo Cattáneo, coordenador da Zona Panam, trazendo a motivação do governo-geral da SVD para que “coloquemos os últimos em primeiro lugar”. Congresso verbita Os missionários do Verbo Divino realizarão o Congresso Verbita de 3 a 5 de fevereiro de 2015, em Santarém-PA, para celebrar os 35 anos de presença da SVD na Amazônia e 125 de presença no Brasil. Será ocasião de agradecer pela missão entre os indígenas, ribeirinhos, quilombolas, migrantes, crianças e jovens, numa contínua luta solidária e libertadora pelo resgate da cultura, dignidade humana, bem comum e defesa da integridade da criação. Ordenações presbiterais No início de 2015, dois novos padres verbitas serão ordenados na Região Amazônica. A ordenação de Denes Fernando será na Paróquia de Santo Antônio, em Oriximiná-PA, no dia 31 de janeiro, às 18 horas. A de Antônio Rodrigues será em Santarenzinho, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, Município de Santarém-PA, no dia 7 de fevereiro, às 19 horas. Encontro de leigos e leigas A Animação Missionária BRC realizou, no dia 25 de outubro, seu quinto encontro anual dos leigos e leigas colaboradores da missão verbita. O evento foi na Paróquia Divino Espírito Santo, em São Paulo-SP, com a participação de 82 pessoas. “Juventude e família na realidade brasileira: sonhos e desafios” foi o tema da manhã, desenvolvido pelo casal Nelson e Irani Tyski, e “A realidade juvenil no Brasil: sonhos e desafios”foi aprofundado por Marcelo Naves, no período da tarde. 2 – V­ ida Missionária MARÇO, ABRIL E MAIO DE 2014 Família Arnaldina

[close]

p. 3

Arquivo Pesso Ana Elídia Neves, SSPS PASTORAL FAMILIAR Crescendo na espiritualidade conjugal APastoral Familiar é o conjunto de ações que une as diversas atividades da brasileiros. Só no Brasil, são 3.404 equipes, 20.412 casais e 1.748 padres conselheiros espirituais. Igreja em torno da família, sua As Equipes de Nossa Senho- formação, vivência, preparação ra são comunidades cristãs de para o matrimônio, planejamento casais que se reúnem para viver familiar, entre outros. Há muitos a espiritualidade conjugal e se movimentos que, com sua espi- esforçam para progredir, como ritualidade, ajudam na vivência casal e como família, no amor de cristã e na encarnação dos valores Deus e ao próximo. do Evangelho na vida do casal e Os casais se reúnem mensal- no relacionamento com os filhos. Ricardo e Rosângela (ao centro) celebram com seus filhos e mente nas casas de seus mem- Entre esses movimentos estão as noras a alegria de se encontrar como família. bros. Rezam juntos, comparti- Equipes de Nossa Senhora. por altos e baixos, mas que tentam lham a refeição, partilham suas vivências Na Congregação do Verbo Divino, levar, da melhor maneira possível, as e aprofundam um tema de estudo. O há diversos padres, que acompanham situações e crescer na espiritualidade movimento oferece vários instrumentos como conselheiros espirituais, e leigos conjugal. Outra consequência, segun- de crescimento na vida matrimonial, en- ligados à SVD que participam do mo- do Rosângela e Ricardo, é a atuação tre eles os “pontos concretos de esforço” vimento. Esse é o caso de Rosângela e mais ativa como leigos missionários e (PCE): 1)“escutar”assiduamente a Palavra Ricardo Oyamada, que, há cinco anos, nas atividades pastorais da paróquia. de Deus; 2) reservar, todos os dias, o tem- participam com mais cinco casais. po necessário para a meditação; 3) en- “Essa participação trouxe mais har- Equipes de Nossa Senhora contrar-se, a cada dia, marido e mulher, monia na nossa vida. Estamos apren- Graças à iniciativa de alguns casais e numa oração conjugal (e, se possível, dendo a oração conjugal, a manter a ao incentivo do padre Henri Caffarel, as familiar); 4) realizar, a cada mês, um ver- Regra de Vida e o retiro anual”, diz Ri- Equipes de Nossa Senhora (ENS) nasce- dadeiro diálogo conjugal, sob o olhar do cardo. Além disso, o casal percebe que ram na França, em 1938. O movimento Senhor; 5) fixar uma“regra de vida”e revê começou a ter um olhar mais carinhoso se expandiu para outros países e chegou -la todos os meses; 6) a cada ano, durante para a própria família e os dois filhos. ao Brasil em 1950. Atualmente estão um retiro de pelo menos 48 horas, rever Contam que, como todo casal, passam presentes em 50 países e em 25 Estados e planificar a vida. SEMANA MISSIONÁRIA Visitas a famílias marcaram a missão Para preparar a celebração dos votos perpétuos de Ir. Odete Mendonça, que aconteceu no dia 15 particularmente marcante a visita à cadeia pública, que está sendo construída na área da paróquia, e os teste- realizará em Angola nos próximos seis anos, foi criado o Grupo de Missionários Leigos do Deus Uno e Tri- de novembro, uma equipe de irmãs, munhos das irmãs servas do Espírito no, com representantes de várias seminaristas e membros das comuni- Santo provenientes de diversos países. comunidades. dades da Paróquia Nossa Senhora das A celebração dos votos perpé- O grupo já marcou a próxima reu- Dores, em Porto Real-RJ, realizaram a tuos e a Semana Missionária mobi- nião, na qual escolherá sua equipe de Semana Missionária, com visitas às fa- lizaram tanto a paróquia que, para coordenação e organizará o início da mílias, celebrações e tríduo. dar continuidade à experiência rea- formação básica, sob a orientação das Para os participantes da missão, foi lizada e apoio à missão que Ir Odete missionárias servas do Espírito Santo. Arquivo SSpS Parte da equipe missionária em frente à Igreja Nossa Senhora das Dores Membros do novo Grupo de Missionários Leigos de Deus Uno e Trino Arquivo SSpS Ir. Odete mobilizou as comunidades com sua profissão perpétua A equipe refletiu e rezou sobre a situação carcerária na cadeia em construção Arquivo SSpS Arquivo SSpS SÍNODO DA FAMÍLIA pdEmeasrtbeousrpsacoiasstas OSínodo Extraordinário dos Bispos sobre a família foi realizado em Roma, de 5 a 19 de outubro, com 253 participantes, entre bispos, assessores e 14 casais. “O Sínodo foi uma escuta humilde, sincera e transparente, que retomou o espírito do Concílio Vaticano II, numa atitude de diálogo, sem pretensão de ensinar, mas considerando a situação concreta das famílias no mundo de hoje”, afirmou o Pe. Fernando Doren, SVD. Foram tratados assuntos polêmicos, como os casais em segunda união, os casamentos fora da Igreja e as uniões homoafetivas. O Papa Francisco insistiu que “os bispos ouvissem atenta e humildemente as opiniões de outros irmãos e irmãs participantes, com coração aberto”, buscando orientações que conduzissem a Igreja “a práticas pastorais marcadas pela responsabilidade autêntica às questões que as épocas de mudanças nos apresentam”. Embora não se tenha chegado a uma conclusão definitiva durante o Sínodo, foi elaborado um documento de trabalho a ser refletido nas comunidades e que será retomado na próxima reunião sinodal, em outubro de 2015. Para o verbita Pe. Edson Castro, superior da Província Brasil Centro, o Sínodo foi “um percurso solidário” que teve momentos de consolação e outros de cansaço e desânimo: “Houve momentos de entusiasmo, de ardor e profunda consolação, ouvindo os testemunhos dos pastores verdadeiros que levam no coração sabiamente as alegrias e as lágrimas dos seus fiéis, escutando os testemunhos das famílias que participaram do Sínodo e partilharam a beleza e a alegria de sua vida matrimonial”, afirmou o provincial. Padre Fernando destacou que, “para o Papa, a família continua sendo a primeira e a melhor escola da humanidade, e sua contribuição é indispensável para a formação de uma sociedade justa e solidária”. Arquivo SSpS Visita às casas permitiu maior contato com as famílias e partilha da fé Família Arnaldina Jovens fazem coreografia para a entrada da bíblia na missa dos votos MARÇO, ABRIL E MAIO DE 2014 Arquivo SSpS “A família continua sendo a primeira e a melhor escola da humanidade” ­Vida Missionária – 3

[close]

p. 4

TESTEMUNHO MISSIONÁRIO Tudo pela glória do Deus Uno e Trino Irmã Maria Letícia (na primeira fila ao centro), como superiora da comunidade, incentiva as irmãs a viverem sua consagração para a maior glória de Deus e o serviço à Igreja. Oque pode levar uma jovem profissional bem-sucedida a abandonar tudo, família, guia ignorar e que até a perseguia. Antes de entrar na Congregação, Ir. Maria Leticia, além de terminar os carreira, pátria, e entregar sua vida estudos, trabalhou como tecnóloga num convento de vida contempla- médica, assistente de pesquisa em mi- tiva? A única resposta possível é o crobiologia médica e como analista de chamado irresistível de Deus. gestão fiscal. Mesmo estando muito Isso foi o que aconteceu com a ocupada, o chamado de Deus lá esta- irmã Maria Leticia Acayan, nascida va, perpassando seus compromissos nas Filipinas, numa família de quatro diários e causando-lhe verdadeiro as- irmãs e três irmãos. Segundo a reli- sombro, até que não pôde mais resistir. giosa, seu chamado se deu aos pou- Perguntada sobre os motivos que cos, e o “germe vocacional” a tocou a levaram a tomar essa decisão e en- quando ela ainda era criança e viu ir- trar para a Adoração Perpétua, ela mãs vestidas com o hábito religioso. responde brevemente, dizendo que Muita coisa aconteceu entre a pri- “a glorificação do Deus Uno e Trino, a meira intuição até a decisão de dar Santíssima Eucaristia, o Espírito Santo seu sim total e incondicional. Irmã e a participação no papel missionário Maria Leticia conta que viu um folhe- da Igreja”são as razões que a levaram a to da Congregação das Irmãs Servas entrar na Congregação. do Espírito Santo da Adoração Perpé- Mas se ela imaginou que, num tua (SSpSAP), com seus hábitos rosa, convento de clausura, ficaria fechada, no mural da capela da universidade restrita a um único lugar, Ir. Maria Leti- onde estudava. Sem querer, essa cia certamente se enganou, pois Deus imagem se registrou em sua memó- tinha planos maiores para ela. Quando ria e a atraiu de maneira poderosa, prestava serviço em sua comunidade, enquanto outras congregações não nas Filipinas, como conselheira e mes- conseguiam chamar-lhe a atenção. tra de noviças, recebeu transferência Para ela, aquele folheto vocacional para os Estados Unidos, onde se na- foi como o toque inconfundível de turalizou como cidadã daquele país. uma campainha que ela não conse- Depois de alguns anos, foi nomeada Arquivo SSpSAP formadora no Convento Mount Grace, em St. Louis, Estado do Missouri, e depois como assistente da superiora. Sua jornada missionária não parou aí. Recebeu transferência para o Convento Corpus Christi, no Texas, onde foi nomeada conselheira e depois assistente da superiora. Foi lá que recebeu o convite para ser a superiora do Convento Nossa Senhora do Cenáculo, em Ponta Grossa-PR. Agora o seu desafio, além de aprender a língua portuguesa, é “inspirar as irmãs a um amor mais profundo ao Senhor, para o louvor da glória de Deus e da vida do mundo”, pois, para Ir. Maria Leticia, essa é a missão de uma superiora na Congregação das SSpSAP. História das SSpSAP Também conhecidas como “irmãs rosa”, a Congregação das Servas do Espírito Santo da Adoração Perpétua foi fundada por Santo Arnaldo Janssen, com a colaboração de Ir. Maria Michaela Tönies, em 8 de dezembro de 1896, em Steyl, na Holanda. Precedida de duas congregações missionárias, uma masculina e outra feminina, a congregação das irmãs de clausura foi criada para serem a força de sustentação, por intermédio da oração, para os missionários e as missionárias de vida ativa. A partir de 1915, as irmãs adoradoras começaram a se expandir pelo mundo, iniciando novos conventos. Atualmente são cerca de 400 irmãs distribuídas em 22 conventos, nos cinco continentes. Chegaram ao Brasil em 1983 e se estabeleceram em Ponta Grossa-PR, onde foi construído o Convento Nossa Senhora do Cenáculo. Atualmente, a comunidade conta com 18 irmãs. PELO MUNDO Mutirão da boa notícia O “mahiuibõnuvel” é um encontro de forma- ção para as lideranças indígenas e que acon- tece nas suas próprias línguas, patoá ou kheol, cada ano com um tema diferente. Em 2014, de 29 de setembro a 3 de outubro, foi a sexta eta- pa de formação. Desta vez, com uma novidade: em vez da Paróquia Nos- sa Senhora das Graças, na cidade de Oiapoque NPadre Augustinho com um grupo de crianças da região do Oiapoque, onde trabalha com os povos indígenas. -AP, como nos encontros anteriores, todos se reu- o extremo Norte do Brasil está niram na aldeia Kumarumã, a cerca de a região do Oiapoque, onde há 400 km da sede do Município. diversos povos e aldeias indíge- Padre Augustinho Keraf, que atua nas e também a presença dos missio- com outros missionários verbitas na nários do Verbo Divino. Na área, todos região, conta que foram dias mui- os anos, é realizado o “mahiuibõnuvel” to intensos de atividades e estudos, que, na língua dos povos indígenas lo- com base no tema dos sacramentos cais, significa“mutirão da boa notícia”. e festas dos padroeiros. Os 172 par- ticipantes de todas as aldeias fazem parte de um processo de formação continuada, com o objetivo de assumir o serviço de liderança religiosa na sua aldeia. Por isso só participam pessoas engajadas, dedicadas e seriamente comprometidas com a Palavra de Deus e com sua fé católica. Na opinião de Pe. Augustinho, o “mahiuibõnuvel” oferece, além da formação, a oportunidade “de partilhar a riqueza da fé e de conhecer a realidade dos irmãos nas outras aldeias”. As noites são dedicadas às manifestações culturais em que todos, especialmente os jovens, podem mostrar o talento, com cantos em suas próprias línguas, danças e brincadeiras criativas. O encontro terminou com uma missa. Para Pe. Augustinho, a celebração não foi simplesmente de despedida, mas “de partida para missão”. Todos foram enviados, e cada um voltou com novo ânimo e espiritualmente renovados para sua aldeia, conta o missionário. Animação Vocacional Missionárias Servas do Espírito Santo Consagramos nossa vida a serviço da missão aonde Deus nos enviar Província Brasil Norte Rua São Benedito, 2146 CEP: 04735-004 - São Paulo-SP Tel.: (11) 5687-7229 E-mail: vocacional@ssps.org.br www.ssps.org.br Missionários do Verbo Divino O diálogo intercultural faz parte do jeito verbita de anunciar o Evangelho Região Amazônica Caixa Postal, 229 CEP: 68100-970 - Santarém-PA Tel.: (93) 3523-2059 E-mail: verdiama@yahoo.com.br Província Brasil Centro Rua Paraopeba, 551 CEP: 09932-080 - Diadema-SP Tel.: (11) 4091-5297 E-mail: pvsvd@hotmail.com www.verbodivino.org.br Província Brasil Norte Rua Halfeld, 1179 CEP: 36016-015 – Juiz de Fora-MG Tel.: (32) 3229-9820 e 3221-3656 E-mail: provocasvd@bol.com.br pastoralvocacionalsvd.blogspot.com Província Brasil Sul Rua Professor Brandão, 155 CEP: 80040-010 - Curitiba-PR Tel.: (41) 3023-2893 E-mail: pasvoc@yahoo.com.br dSearAvdasordaoçãEospPíerirtpoéStaunato Pela nossa vida de oração e entrega a Deus, sustentamos a missão da Igreja Convento N. Sr.ª do Cenáculo Rua Nunes Machado, 150 CEP: 840045-410 - Ponta Grossa-PR Tel.: (42) 3229-1629 Arquivo SVD BRA 4 – V­ ida Missionária MARÇO, ABRIL E MAIO DE 2014 Família Arnaldina

[close]

Comments

no comments yet