Jornal Vida Missionária - Edição 57

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Vida Missionária - Edição 57

Popular Pages


p. 1

ANO XV - No. 57 - Março - Abril - Maio / 2010 Uma Publicação Conjunta dos Missionários do Verbo Divino e das Missionárias Servas do Espírito Santo XXVVII CCoonnggrreessssoo EEuuccaarrííssttiiccoo NNaacciioonnaall Brasília sediará o XVI Congresso Eucarístico Nacional ('CEN', de 13 a 16/05/ 2010), que com certeza será uma grande bênção para o Brasil e o mundo. A Capital Federal estará em festa, também, pelos 50 anos de fundação da cidade e pelo Jubileu da Arquidiocese de Brasília. O XVI CEN traz como tema "Eucaristia, Pão da Unidade dos Discípulos Missionários" e por lema "Fica conosco, Senhor!" (Lc 24,29). Na programação consta, atividades de reflexão e estudo sobre temas atuais e importantes para a vivência do Sacramento da Eucaristia, celebrações eucarísticas, adoração ao Santíssimo Sacramento e atividades culturais, incluindo também o Simpósio Teológico, com conferências, oficinas e painel de debates, e o Simpósio de Bioética. - Serão 4 dias de intensa atividade, e todos são convidados. Os eventos acontecerão, simultaneamente, em três espaços: o Centro de Convenções Ulysses Guimarães, o Ginásio Nilson Nelson e a Esplanada dos Ministérios. Rezemos pela realização deste grande evento. Fica conosco, Senhor, hoje e sempre! Amém!

[close]

p. 2

Bíblia e Vida Espiritualidade Arnaldina “Dando as mãos” A CF 2010 nos lembra que “toda a vida de Jesus foi um testemunho de simplicidade no uso dos bens materiais, de solidariedade com os pobres, de distribuição gratuita dos dons de Deus!” (Texto Base – Apres. – pg 9). Se faz necessário, pois, construir um modelo econômico justo, solidário e possível, que coloque em primeiro lugar a vida, e não o lucro a qualquer custo. Precisamos de uma economia dirigida à satisfação das necessidades humanas básicas, à promoção do bem comum e à salvaguarda do meio ambiente, e não somente aos interesses de mercado. Temos que buscar a superação do consumismo, que faz o “TER” mais importante que o “SER”. A economia consumista tem compromisso somente com o lucro; valoriza quem consome e descarta, desprezando quem “sobra”, ou não consome. Utiliza-se sempre do “EU” em primeiro lugar, exalta-se o egoísmo e o individualismo. Acumula riquezas para poucos; exclui e gera fome, miséria e morte para muitos. Vê a natureza como mercadoria a ser explorada. Quer sempre mais! “Aí daqueles que juntam casa com casa e emendam campo a campo, até que não sobre mais espaço e sejam os únicos a habitarem no meio do país!”(Is 5,8). “A sanguessuga tem duas filhas: ’Quero mais’ e ‘Quero mais’... Nunca diz: ‘Chega’! (Pr 30, 15). “Atenção! Tenham cuidado com todo tipo de ganância. Porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a sua vida não depende de seus bens!” (Lc 12, 15) Mas, enquanto o sistema capitalista está a serviço do lucro, a economia solidária está a serviço da vida em primeiro lugar; vida que é preciosa demais para ser desperdiçada! Uma economia justa estende mãos fraternas a todos os que buscam o necessário para viver dignamente. Se fundamenta na partilha dos bens e inclusão - utiliza sempre o “NÓS” - que é símbolo de solidariedade e fraternidade. Felizmente há experiências práticas de economia solidária se espelhando por todo o nosso país e pelo mundo inteiro, que viabilizam empregos, partilha e a troca saudável de produtos e bens necessários à vida digna para todos e todas! Ser humano algum pode viver sozinho sem se empobrecer. Sozinhos somos seres inacabados. Isolados somos ninguém. O viver de mãos dadas com o próximo, solidariamente, nos faz andar de cabeça erguida: a vida se torna bela e maravilhosa, vivida em solidariedade! “Somos pobres como as criancinhas que morreriam de fome e de sede, se o mundo não fosse para elas um jardim cheio de mãos!” (Gustavo Corção). “Se alguém possui bens deste mundo e, vendo o seu irmão em necessidade, fecha-lhe o coração, como pode o amor de Deus permanecer nele? Filhinhos, não amemos com palavras nem com a língua, mas com obras e de verdade!” (1 Jo 3, 17 – 18). “A Mãe Terra pode satisfazer as necessidades de todas as pessoas, mas é incapaz de saciar a ganância de um único ser humano!” (Dom Helder Câmara). Importante é estimular a prática de uma economia justa e solidária da vida, e igualmente importante é incentivar o consumo ético, consciente, responsável, solidário e ecológico! Um outro consumo é possível! Pratiquemos os “3 R”: 1.REDUZIR o consumo: consumir somente aquilo que precisa, sem desperdícios; 2.REUTILIZAR: evitar adquirir novos produtos, reutilizando o que já possui; 3.RECICLAR: quando não for mais possível reutilizar, então reciclar! Economia e Vida e a Geração Fundante da Família Arnaldina A Campanha da Fraternidade Ecumênica, este ano promovida pela CNBB e CONIC (Conselho Nacional das Igrejas Cristãs) nos apresenta o Tema: “Economia e Vida” e lembra a advertência de Jesus que encontramos no Evangelho de S. Mateus: “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro!” – Mt, 6,24. Como Sto. Arnaldo Janssen e a primeira geração das três congregações por ele fundadas entendiam as questões econômicas e procuravam viver a espiritualidade na gestão dos bens? Eles viveram, como nós, numa época de transformações e grande crescimento tecnológico/econômico, mas com muitas contradições. Por um lado, o crescimento do império colonial, a expansão dos meios de transporte e a energia elétrica, e por outro a exploração operária e os grandes fluxos de migração européia. Arnaldo começou a enxergar nesse contexto um apelo missionário para a Igreja alemã, e iniciou sua obra, com um seminário missionário e uma gráfica. A espiritualidade deste grande empreendimento missionário, que apenas começava a nascer na localidade ribeirinha de Steyl, era impregnada pelo uso econômico dos bens, pela ordem e limpeza, na aceitação da falta de conforto em instalações iniciais muito precárias, bem como pela coragem de investir sempre mais em novas tecnologias e construções em vista da Missão. Princípios que guiaram a espiritualidade da geração fundante nos seus discernimentos e decisões administrativas: · A atividade é útil, ou mesmo necessária para o Reino de Deus? Há um pedido ou oferta por parte da Igreja? · Não há ninguém que esteja realizando-a ou que possa assumi-la? · Contamos com o pessoal requerido e com suficiente respaldo material? · Para se chegar a esta decisão, foi investigado, refletido e sobretudo rezado suficiente? Havendo respostas satisfatórias a estas questões, e tendo-se certificado que era a Vontade de Deus, nada mais o detinha. Confiava em Deus e que Ele iria enviar os recursos necessários. Contava também com a disposição, o espírito de pobreza, entrega e sacrifício de cada um dos missionários(as) que tinha preparado e enviado. Que possamos, como família arnaldina, padres, religiosos e religiosas, leigos e leigas, reavivar este espírito de busca da vontade de Deus e de disposição de se colocar a Seu serviço, encarando o dinheiro como um meio a ser bem gerido, e não com um fim em si mesmo. Que possamos conceber uma economia a serviço da Vida e promovendo o Bem Comum e o meio-ambiente. Mix Missionária - Economia Solidária O que é Economia Solidária? É um jeito de fazer atividade econômica de produção, oferta de serviços, comercialização, finanças e/ou consumo baseado na plena democracia e na cooperação, o que chamamos de autogestão: na Economia Solidária não existe patrão nem empregados, pois todos (associação, cooperativa ou grupo) são ao mesmo tempo trabalhadores e proprietários. A Economia Solidária é também um jeito de estar no mundo e de consumir (em casa, em eventos ou no trabalho) produtos locais, saudáveis, que não afetem o meioambiente, que não usem transgênicos e nem procedam de grandes empresas. Por fim, a Economia Solidária é um movimento social, que luta pela mudança da sociedade para um modelo mais justo, por uma forma diferente de desenvolvimento, que não seja baseado na concentração do lucro para grandes empresas nem nos latifúndios, mas sim um desenvolvimento para pessoas, construída pela população a partir dos valores da solidariedade, da democracia, da cooperação, da preservação ambiental e dos direitos humanos. (www.fbes.org.br) FRATERNIDADE E ECONOMIA O Brasil tem gerado e, de alguma forma, distribuído riqueza, por meio de programas sociais, mas precisa fazer mais e diferente. São necessárias políticas públicas, novas regras tributárias e principalmente desenvolvimento sustentável (ensinar a pescar é sempre melhor do que apenas dar o peixe), além de regras ambientais para a proteção da natureza. A grande questão é que tudo isso exige trabalho não só do governo, mas o nosso envolvimento por meio da participação política. É justamente aí que aparece a importância da Campanha da Fraternidade Ecu- mênica (CFE) 2010. Denunciando essa economia que coloca o lucro antes do próprio ser humano, a campanha chama atenção para um de nossos piores problemas: a má distribuição da renda e os altos índices de injustiça social. Estimula o cidadão a refletir e a participar na construção e realização de um novo modelo, inclusivo e sustentável, que promova o bem de todos.. FAZENDO A DIFERENÇA Cooperativa de Reciclagem Orival Antonio Faijão Criada como solução alternativa ao desemprego na Região Leste de São Paulo (no Bairro de São Mateus), a Cooperativa de Reciclagem Chico Mendes trabalha para a melhoria do meio ambiente e na geração de renda, já há dez anos. Suas atividades foram iniciadas durante a Campanha da Fraternidade de 1999: "Sem Trabalho, Por Quê?". Hoje ela conta com dezenas de cooperados internos e catadores externos, além de diversos parceiros voluntários, como o Sesc Itaquera e a Eco Urbi Ambiental, além de escolas, creches, igrejas, comerciantes, empresas e residências que encaminham seus materiais para a reciclagem, numa verdadeira ação de responsabilidade social. Essas ações beneficiam, ao mesmo tempo, os catadores(as) da comunidade e o nosso meio ambiente como um todo.Você também pode ajudar iniciativas como essa, separando e destinando o material reciclável para as cooperativas que desenvolvem trabalhos como a do Chico Mendes. Podemos assim garantir importantes melhorias em nossa comunidade. Para contribuir, basta doar seus materiais recicláveis. MICC (Associação de Integração Campo-Cidade) MICC é uma instituição sem fins lucrativos, formada por um grupo que busca a conscientização e a união de forças pela valorização da terra e de quem nela trabalha. O objetivo é promover a interação entre a zona rural e a urbana: as pessoas da cidade precisam dos produtos agrícolas, e os agricultores conseguem seu sustento com a venda do que produzem. Para evitar a especulação e a ação dos atravessadores, o MICC recebe verduras e legumes mais saudáveis, direto dos produtores a preços menores, e os vende às comunidades. Assim contribui para que os pequenos agricultores não precisem vender as suas propriedades. No mundo globalizado o que vale é a mercadoria e o lucro, com a valorização dos transgênicos e a monocultura latifundiária, que favorece grandes empresas químicas e de inseticidas. O MICC defende que todos tenham acesso a uma vida com mais saúde, respeitando a natureza. Vida Missionária - 2

[close]

p. 3

Missão Economia de Comunhão A Economia de Comunhão é uma proposta concreta do movimento dos focolares para a economia mundial. Para Pe. Germano van der Meer, verbita que acompanha e assessora o Movimento dos Focolares: “Certamente a Economia de Comunhão é uma resposta concreta neste momento de crise que a economia mundial está passando. Ao lado de tantas respostas teóricas, esta é uma realidade bem concreta que está se espalhando pelo mundo, em muitos países. Creio que esta experiencia da Economia de Comunhão oferece também sugestões para a administração das congregações religiosas e suas obras”. A Economia de Comunhão na Liberdade (EdC) no Brasil foi iniciada por Chiara Lubich em 1991. O objetivo central da EdC é colaborar com a erradicação da pobreza mediante a comunhão do lucro obtido pelas empresas que aderem ao projeto. Essa comunhão, além da partilha dos lucros, busca orientar as relações nas empresas e as relações das empresas com fornecedores, clientes, parceiros e consumidores e com o meio ambiente. A EdC se serve do mercado para produzir riqueza e redistribuí-la. Nesse trabalho estão envolvidos empresários, trabalhadores, gestores, consumidores, cidadãos, estudiosos e operadores econômicos. Busca construir uma sociedade na qual, à imitação da primeira comunidade de Jerusalém, “entre eles não havia necessitados”. As empresas são a espinha dorsal do projeto e livremente decidem colocar em comunhão os seus lucros, segundo três finalidades de igual importância: 1) Ajudar os que se encontram em dificuldade, criando novos postos de trabalho e atendendo suas necessidades básicas através de projetos de desenvolvimento, começando com aqueles que partilham o espírito do projeto; 2) Difundir a cultura da doação e da reciprocidade; 3) Desenvolver a empresa, que deve permanecer eficiente e competitiva, en- quanto se abre à gratuidade. Além disso a EdC dá origem a pólos produtivos nas cidadelas do Movimento dos Focolares, a fim de mostrar um local industrial muito próprio, laboratório vivo de uma economia de comunhão. “Ao contrário da economia consumista, baseada na cultura do ‘ter’, a Economia de Comunhão é a economia da partilha. Isso pode parecer difícil, árduo, heróico. Mas não é assim, pois o homem, criado à imagem de Deus, que é Amor, encontra a sua realização justamente no amor, na partilha. Esta exigência reside no mais íntimo do seu ser, quer ele tenha fé ou não. E é nesta constatação, comprovada pela nossa experiência, que está a esperança de uma difusão universal da ECONOMIA DE COMUNHÃO.” Chiara Lubich - Maio de 1991 Notícias Breves Campanha “Um Milhão de Bíblias” Denominado “Campanha Nacional de Doação de um milhão de Bíblias”, o projeto foi lançado em 4 dioceses do Piauí, A CNBB pretende distribuir, gratuitamente, um milhão de Bíblias para as famílias mais pobres das dioceses do país. Segundo o arcebispo de Teresina, Dom Sergio da Rocha: “Com a Campanha as nossas comunidades irão se envolver cada vez mais e será possível fazer com que a palavra de Deus chegue às pessoas mais simples e necessitadas”. Campanha Missionária 2010 Para 2010, além da divulgação da Campanha nos principais veículos de comunicação, uma das propostas aprovadas foi a produção de um DVD contendo uma Novena e testemunhos de missionários atuando em diversas partes do mundo. O diretor da Verbo Filmes, pe. Cireneu Kuhn, verbita, destacou que o objetivo da novena é popularizar o tema da Campanha e incentivar os cristãos para o compromisso concreto com a Missão. I° Congresso de Pastoral Paroquial SVD Com o tema “Evangelização Missionária Paroquial Verbita: desafios e altenativas” e com o lema “Para que todos tenham vida” (Jo 10,10). Acontecerá em Santa Isabel, ES, de 3 a 7 de maio de 2010, o I° Congresso de Pastoral Paroquial Verbita. Contamos com suas orações para a boa realização deste evento. MULHERES em movimento A ONG “Mulheres em Movimento” é uma entidade civil sem fins lucrativos, fundada (2004) com a finalidade de apoiar a Rede de Economia Solidária de Dourados, MS, através de acompanhamento técnico e suporte financeiro aos empreendimentos solidários. Os primeiros recursos da entidade vieram da doação dos bens de herança de uma jovem missionária e de doadores voluntários que acreditaram na solidariedade como forma de construir um “outro mundo”, possível e necessário, com a perspectiva de desenvolvimento sustentável, respeito à pessoa humana e a valorização dos ecossistemas. O Pe. Adrianinho, verbita, é um dos nossos incentivadores e colaboradores. Em 2006, as Mulheres em Movimento fundaram o Banco Comunitário de Desenvolvimento, denominado “Banco Pirê”, integrado à Rede de Bancos Comunitários do Brasil. O nome tem origem Tupi Guarani, povo indígena do Município de Dourados. - “Pirapirê” significa abundância. - O Banco Pirê criou vários produtos e serviços, que são oferecidos à Rede, financiando a produção de empreendedores da Rede de Economia Solidária, com linhas de crédito para equipamentos e matéria prima para o consumo solidário. Pirapirê é a moeda social, cujo objetivo é aumentar o poder de consumo da população sem acesso à moeda oficial, gerar o desenvolvimento local e valorizar a produção e o consumo no próprio bairro. A PirêVest comercializa produtos em sua sede, nos bairros, na Loja Solidária e em outras lojas de Dourados, no centro de comercialização da Economia Solidária de Campo Grande; possui um espaço próprio no website do Banco Pirê – www.bancopire.org - para divulgar seus produtos. O objetivo do site é também dar visibilidade ao trabalho da Rede de Economia Solidária de Dourados e ser um espaço para o aprofundamento sobre a economia solidária e seus princípios. “Muita gente pequena, em muitos lugares pequenos, fazendo coisas pequenas, mudará a face da terra” (Provérbio africano). Vida Missionária vidamissionaria@ssps.org.br Conselho Superior Ir. Monica Koff SSpS-BRN Ir. Maria de Fátima Kapp - SSpS - BRS Pe. Djalma Antônio da Silva SVD-BRN Pe. Joachim Andrade SVD – BRS Pe. José Boeing SVD – Região Amazônica Pe. Miguel McGuinness SVD - BRC Conselho Editorial Província Verbita Brasil Norte: Pe Hélcio Nunes Grespan Valda Nazareno Província Verbita Brasil Sul: Pe. Edward Fernandes Província Verbita Brasil Centro: Pe. Omir Cicero A. Oliveira Ir. Moacir José Rudnick Região Amazônica: Pe. Aparecido Luiz de Souza Editado pelos Missionários do Verbo Divino e pelas Missionárias Servas do Espírito Santo Pe. José Mapang Província SSpS Brasil Norte: Ir. Ana Elídia Caffer Neves Província SSpS Brasil Sul: Ir. Eva Bueno Jornalista Responsável Ir. Ana Elídia Neves, MTB 20.383 Diagramação e Arte Gráfica Unisind (11) 3271-1137 Redação e Revisão Luiz Henrique da silva Sebastião Edição Ir. Ana Elídia Neves, Ir. Moacyr José Rudnick Tiragem 25.000 exemplares Impressão Gráfica Unisind (11) 3271-1137 Vida Missionária - 3

[close]

p. 4

Testemunho Missionário Não ter medo "Assumir um compromisso para a vida toda, na sociedade de hoje, é desafiante, mas com a graça de Deus é possivel." - Ir. Trindade Maria A Irmã Trindade Maria (Priscila de Cassia Magdaleno), natural de Sta. Cruz do Rio Pardo(SP), emitiu seus votos perpétuos em 15 de novembro de 2009, após 8 anos de preparação. As irmãs de clausura, ao entrar no convento, assumem nome novo: é um rito que simboliza a mudança radical de vida. Elas se desligam do mundo para se dedicar inteiramente ao Deus Uno e Trino, exclusivamente no serviço interno no convento, na oração e na adoração eucarística. Sua vocação nasceu no seio de uma família comprometida com trabalhos pastorais da Igreja. Desde muito jovem, Ir. Trindade Maria ajudava na catequese e se sentia atraída para a adoração. Em sua paróquia, a Pastoral de Adoração ao Santíssimo era dinâmica, e ela participava: "Fui uma jovem normal, tinha minha galera, mas sentia um desejo intenso de viver uma vida diferente, dedicada exclusivamente a Deus". Sua primeira experiência religiosa, num convento de vida ativa, a fez sentir que faltava algo. Ao conhecer as Irmãs Missionárias Servas do Espírito Santo da Adoração Perpétua, não perdeu muito tempo. Entrou em contato, foi conhecer e acabou ficando. Nesses 8 anos de convento ela percebeu a dimensão missionária de sua vocação, pois para ela foi como para Maria: "No silêncio e na oração Deus vê nossa pequenês e nossa pobreza. Através do oferecimento das pequenas coisinhas de cada dia, Ele vai distribuindo suas graças mundo afora. Nossa oração é de solidariedade. Estamos conecta- das com o mundo todo através da adoração." Quanto à família arnaldina, ela diz: "Pe. Arnaldo soube construir esta grande família procurando criar sempre a harmonia, a unidade e a complementariedade. Acho muito bonito essa unidade que o Pe. Arnaldo começou entre as 3 congregações, de uma acolher e apoiar a outra". Questionada sobre os desafios da vida de clausura, responde: "No começo é o desprendimento da família. A coragem de entrar sabendo que nunca mais vai voltar. Ter muita fé para se entregar e abandonar-se em Deus." A vida comunitária também tem seus desafios: "Procuramos viver como família, em fraternidade, buscando sempre a reconciliação e viver bem com todas. Viver o algo mais de nossa consagração, que lá fora não encontramos." Aos jovens, Trindade Maria deixa sua mensagem: "Não ter medo.Ter abertura e disponibilidade para Deus. Os desafios do mundo de hoje são muitos. Mas ha espaço para todos. O importante é descobrir o que Deus está querendo de mim. Muitos pensam que Deus é tão complicado, mas Deus é tão simples. Deus nos convida para estarmos a seu serviço. Não precisa ter medo. Ele chama a todos. É preciso estar atento e aberto. Ter confiança." GGiirrooppeellooMMuunnddoo VIVAT INTERNACIONAL É uma ONG da família Arnaldina que trabalha junto a ONU no desenvolvimento de ações para a erradicação da pobreza e no cumprimento das Metas do Milênio. Projetos para 2010. 1. Reforçar a capacidade dos membros de VIVAT, em cada país, a fim de que possam realizar um trabalho independente de comunicação e advocacia nos seus próprios países e em rede com VIVAT Internacional, Nova York. 2. Organizar oficinas e seminários Regionais: para a África Oriental, Oriente Médio, EUA e América Latina. 3. Acompanhar o desenvolvimento das ações propostas nos países que já tiveram oficinas. 4. Facilitar a participação dos membros de VIVAT nas Conferências e Comissões das Nações Unidas. 5. Identificar, promover e divulgar os exemplos de boas práticas provenientes de nossos membros que trabalham a nível comunitário. 6. Advocacia: continuar o lobby e advogar pelos atingidos por barragens no Vale do Ribeira (Brasil) e Mineradoras (Indonésia). 7. Distribuiçao a todos os membros do material organizado por VIVAT sobre “Direitos Humanos”. www. vivatinternational.org/ 8. Fortalecer a parceria da campanha a nivel internacional e junto a ONU do Projeto Justiça nos Trilhos www.justicanos trilhos.org/ Estamos confiantes que, com o compromisso de nossos membros que trabalham junto as comunidades e dos coordenadores Gerais de JUPIC das 8 Congregaçoes que fazem parte de VIVAT e com o estabelecimento de nosso escritório regional, em Genebra, poderemos implementar melhor a Missão e Visão de VIVAT. Juntos podemos fazer a diferença. Como colaborar com Vivat Internacional? “Enviando exemplos das melhores práticas para a erradicação da pobreza. o Fazendo parceria com as agências da ONU em projetos para a redução da pobreza. o Reivindicar em âmbito nacional e regional programas para a erradicação da pobreza. o Celebrar o Dia Internacional para a erradicação da pobreza. o Juntar-se à Campanha do Milênio e informar-se sobre o assunto. o Localizar uma congregação em um país menos desenvolvido e apoiar um microprojeto, como um poço, um animal doméstico, etc. o Convidar conferencistas para seu grupo de oração, sala de aula, igreja, centro comunitário, etc . o Colaborar com um projeto de desenvolvimento em sua região, bairro ou municipio: centros de aprendizado e de saúde, movimento de moradia, etc. o Fornecer apoio técnico aos governos. o Escrever para os jornais locais sobre as Metas de Desenvolvimento do Milênio e os projetos que sua comunidade assumiu para alcançá-las. Que resultados desejamos alcancar? Esperamos criar uma rede de comunicacao onde todos os membros de VIVAT possam ser informados e capacitados para implementar a visao e a missao de VIVAT a nivel local Vocacional Servas do Espírito Santo da Adoração Perpétua O mundo é nossa casa comum, ajudemos a preservá-lo. Participe conosco. Convento N. Sra. Do Cenáculo Rua Nunes Machado, 150 Cx. Postal 405 - CEP 84001-970 Ponta Grossa, PRTel.(0xx42) 3229-1629 Missionárias Servas do Espírito Santo. O Mundo necessita de discipulas e missionárias.Venha fazer diferença conosco. Província Norte: Rua:São Benedito, 2146, CEP 04735-004 Santo Amaro, São Paulo, SP Tel.(0xx11) 5687722 Site: www.ssps.org.br E.mail: vocacional@ssps.org.br Província Sul: Rua: Arnaldo Janssen, 320 Caixa Postal 411 CEP 84001-970 Ponta Grossa, PR Tel.(0xx42) 3226-4091 Site: www.mssps.org.br E.mail: savsspssul@yahoo.com.br Missionários do Verbo Divino Eis-me aqui, Senhor. Envia-me! Venha ser um discipulo e missionário verbita. Província Norte: Rua Halfeld, 1179 Caixa Postal, 668 - Cep: 36001-970 Juiz de Fora – MG. Tel.32 – 32299820 (Trabalho) 32 - 32213656 (Residência). E.mail: provocasvd@bol.com.br Blog: http://pastoralvocacionalsvd. blogspot.com Província Centro: Rua:Verbo Divino, 993 CEP 04719-001 São Paulo, SP;Tel. (0xx11) 5181-6444 E.mail: pvsvdbrc@yahoo.com.br Província Sul: Rua Prof.Brandão, 155 CEP 80040-010 Curitiba, PR;Tel.(0xx41) 3023-2893 E.mail: pasvoc@yahoo.com.br Região Amazônica: Caixa Postal 299 - CEP 68100-970 Santarém, PA;Tel.(0xx93) 3523-2059 E.mail: verdiama@yahoo.com.br Vida Missionária - 4

[close]

Comments

no comments yet