O Farmacêutico em Revista - Ed. 114

 

Embed or link this publication

Description

O Farmacêutico em Revista - Ed. 114

Popular Pages


p. 1

O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 1

[close]

p. 2



[close]

p. 3

NESTA EDIÇÃO 5 16 29 5 7 8 11 15 16 20 22 24 27 29 31 EXPERIÊNCIAS EXITOSAS: FARMACÊUTICOS PARANAENSES SÃO HOMENAGEADOS NOTA DE PESAR: ADEUS AO DR. ALUÍSIO PIMENTA E AO DR. WILLY C. JUNG CIANORTE É REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA CRF-PR EM AÇÃO NOVOS HORÁRIOS DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA FARMACÊUTICO: A GARANTIA DO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS I SIMPÓSIO DO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS BAIXA DE RESPONSABILIDADE FORA DO PRAZO ARTIGO: AUTOCUIDADO E AUTOTRATAMENTO FARMACOLÓGICO LEITURA: MANUAL DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA HIPERTENSÃO ARTERIAL PARANÁ NORMALIZA FRACIONAMENTO DE CÁPSULAS OLEAGINOSAS EMPREENDEDORISMO: MANIPULAÇÃO VETERINÁRIA ::: EXPEDIENTE::: O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição nº 114 - 2016 Conselho Regional de Farmácia do Estado do Paraná Rua Presidente Rodrigo Otávio, 1.296, Hugo Lange Curitiba/PR | 80.040-452 DIRETORIA CRF-PR PRESIDENTE Dr. Arnaldo Zubioli VICE-PREDIDENTE Dr. Emyr Franceschi DIRETORA TESOUREIRA Dra. Mirian Ramos Fiorentin DIRETORA SECRETÁRIA GERAL Dra. Marina Gimenes CONSELHEIROS REGIONAIS Dra. Cynthia França Wolanski Bordin Dr. Edmar Miyoshi Dr. José dos Passos Neto Dra. Karen Janaina Galina Dr. Márcio Augusto Antoniassi Dra. Maria do Carmo M. Baraldo Dra. Marina Sayuri Mizutani Hashimoto Dra. Mônica Holtz Cavichiolo Grochocki Dra. Sandra Iara Sterza CONSELHEIROS REGIONAIS SUPLENTES Dr. José Antônio Zarate Elias Dra. Mauren Isfer Anghebem Dr. Maurício Portella CONSELHEIRO FEDERAL Dr. Valmir de Santi Dr. Dennis Armando Bertolini (Suplente) ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Ana C. Bruno | MTB 2973 DRT/PR Dayane Carvalho | MTB 6990 DRT/PR Gustavo Lavorato | MTB 10797 DRT/PR Michelly M. T. Lemes Trevisan - Designer IMPRESSÃO 2.000 exemplares Corgraf Gráfica e Editora LTDA www.corgraf.com.br Artigos não manifestam necessariamente a opinião de “O Farmacêutico em revista”, e são de inteira responsabilidade dos seus autores. CAPA Gustavo Lavorato e Michelly Trevisan FOTOS Assessoria de Comunicação - CRF-PR Prefeitura Municipal de Cianorte Secretaria Estadual de Saúde Assembleia Legislativa do Paraná www.crf-pr.org.br facebook.com/crfpr twitter.com/crf_parana youtube.com/crfparana instagram.com/crfpr

[close]

p. 4

Palavra do Presidente Diretoria do CRF-PR: Dr. Arnaldo Zubioli, Presidentew; Dr. Emyr Franceschi, Vice-Presidente; Dra. Mirian Ramos Fiorentin, Diretora Tesoureira; e Dra. Marina Gimenes, Diretora Secretária Geral A Lei nº 13.021/14 que “Dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas”, revogou parcialmente alguns preceitos da Lei nº 5991/73, destacando-se entre estes, o conceito de assistência farmacêutica: conjunto de ações e de serviços que visem a assegurar a assistência terapêutica integral e a promoção, a proteção e a recuperação da saúde nos estabelecimentos públicos e privados que desempenhem atividades farmacêuticas, tendo o medicamento como insumo essencial e visando ao seu acesso e ao seu uso racional. A promoção do uso racional de fármacos é parte integrante da política nacional de medicamentos e passa por programas educativos sobre o uso correto de remédios para o público em geral. O enfoque político desta questão deve incluir os problemas de prescrição excessiva ou inadequada, o auto tratamento excessivo, o emprego de remédio para afecções passageiras que não exigem tratamento farmacológico, e o uso de novos produtos, sob proteção de patente, de altos custos, quando existem fármacos mais baratos que são eficazes, seguros e de boa qualidade. A OMS em 1985 (Nairobi, Quênia), estabeleceu que o uso racional de medicamentos requer que “ pacientes recebam os medicamentos apropriados para sua condição clínica, nas doses que satisfaçam as necessidades individuais, por um período adequado, e ao menor custo possível para eles e sua comunidade”. Assim, quando existe referência ao uso racional de medicamentos os critérios levados em conta são os seguintes: - Indicação correta, vale dizer, que as razões para prescrever tenham por base provas científicas; - Dose, administração e duração apropriadas ao tratamento; - Paciente em condições de receber o tratamento medicamentoso; - Ausência de contraindicações e menor possibilidade de efeitos adversos; - Dispensa correta, incluindo informação adequada para os pacientes; - Seguimento do paciente, isto é, observância do tratamento pelos pacientes. Estes critérios necessariamente envolvem a prescrição, a dispensa e o consumo. A atuação técnica e a gerência de profissionais habilitados, como o farmacêutico, para lidar com a promoção do uso racional de medicamentos é imprescindível e requer a sensibilidade dos administradores para a inserção dos mesmos neste contexto, como estratégia para promover a farmacoeconomia, o uso racional de medicamentos e uma maior resolução da atenção básica de saúde. Dr. Arnaldo Zubioli, Presidente - CRF-PR 4 O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114

[close]

p. 5

ExperiênciasExitosas SOLENIDADE DE ENTREGA DAS EXPERIÊNCIAS EXITOSAS DO CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA Farmacêuticos do Serviço Público são homenageados na Assembleia Legislativa do Estado do Paraná O Conselho Federal de Farmácia (CFF) por meio de seu Grupo de Trabalho sobre Saúde Pública homenageou os trabalhos selecionados que compuseram a publicação “Experiências Exitosas”, edições 2013, 2014 e 2015. No Paraná, os 13 profissionais contemplados foram convidados a receber a honraria em solenidade realizada durante a Sessão Plenária da Assembleia Legislativa do Estado, do último dia 20 de junho. Na ocasião, os Deputados Péricles de Mello e Dr. Batista foram os proponentes da referida homenagem aos farmacêuticos. O Presidente do Conselho Regional de Farmácia do Estado do Paraná (CRF-PR), Dr. Arnaldo Zubioli, fez o seu pronunciamento ressaltando a impor- tância do trabalho do farmacêutico no serviço público de saúde. Os trabalhos selecionados também contribuíram para o acesso e o uso racional de medicamentos e para redução de gastos públicos. Segue a relação dos profissionais prestigiados e suas respectivas cidades: Dra. Marina Yoshie Miyamoto (Curitiba), Dra. Thais Regina Ranucci e Equipe (Bandeirantes), Dra. Cinthia Romano e Equipe (Cornélio Procópio), Dra. Patrícia Minatovicz Ferreira Doblinski (Toledo), Dra. Mônica Holtz Cavichiolo Grochocki e Equipe (Curitiba), Dra. Susan Mirian do Patrocínio Alves e Equipe (Curitiba), Dra. Regiane Simioni Viana Ferrarini (Quatro Barras), Dra. Letícia de Cás- O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 5

[close]

p. 6

ExperiênciasExitosas sia Tavares Thiesen (Dois Vizinhos), Dra. Scheila Maria Graczyk Takayasu (São José dos Pinhais), Dra. Susi Mara Soecki (Fernandes Pinheiros), Dra. Thaís Oliveira Claudio Machado (Andirá), Dr. Felipe Assan Remondi e Equipe (Apucarana) e Dra. Larissa Comarella e Equipe (Campo Largo). Também estavam presentes prestigiando os colegas, a Presidente do Sindifar-PR, Dra. Lia Mello de Almeida, Dr. Jackson Rapkiewicz - Gerente do Centro de Informação sobre Medicamentos do CRF-PR, Dra. Sônia Maria Dorneles - Assessora Parlamentar do CRF-PR, Dr. Luiz Armando Erthal, representando a Secretaria Municipal de Saúde e demais profissionais e convidados. Autoridades presentes na foto fizeram menção honrosa ao CRF-PR. Da esq. para dir.: Dep.Tercílio Turini - PPS, Dep. Palozi - PSC, Dep. Doutor Batista - PMN, Dr. Arnaldo Zubioli - Presidente CRF-PR e Dep. Pericles de Mello - PT. ‘‘ Em muitos casos, a população não tem outro profissional da saúde que não seja o Farmacêutico. É preciso mais profissionais que façam a avaliação e acompanhamento das pessoas para identificar necessidades. Dr. Arnaldo Zubioli - Presidente CRF-PR ‘‘ 6 O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114

[close]

p. 7

NOTADEPESAR O ADEUS AOS ÍCONES FARMACÊUTICOS Dr. Aluísio Pimenta e Dr. Willy Carlos Jung: Farmacêuticos e educadores deixaram enorme legado na luta pela educação no país . Dr. Aluísio Pimenta 1923 - 2016 Formado pela Faculdade de Odontologia e Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (1945). Participou ativamente da criação da Ordem dos Farmacêuticos (1956), que viria a ser o Conselho Federal de Farmácia. Foi presidente da Associação Mineira de Farmacêuticos – AMF (entidade fundada em 29 de outubro de 1922, que deu origem ao Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais e Sindicato dos Farmacêuticos desse Estado). Foi fundador e vice-presidente do Conselho Federal de Farmácia (1960 - 1963), presidente do CFF (1964 – completou o mandato de Jayme Torres), fundador e presidente do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (1962). Foi o mais jovem Reitor (41 anos) desta Universidade (1964-1967). Entre 1967 e 1968 esteve como professor visitante no Instituto de Educação da Universidade de Londres (Inglaterra). Como Farmacêutico, participou ativamente no Istituto Superiore di Sanitá, em Roma, das pesquisas sobre a fitoquímica e a farmacologia do curare, o veneno usado pelos indígenas sul-americanos nas flechas para caça e que contribuíram para a conquista do Prêmio Nobel de Fisiologia/Medicina, em 1957, pelo professor Daniel Bovet (1907-1992). Em 1985, foi nomeado Ministro de Estado da Cultura, pelo então presidente da república, José Sarney. Escreveu vários livros, e recebeu a mais alta Comenda do Mérito Farmacêutico, outorgado pelo CFF, entre outras. Dr. Willy Carlos Jung 1934 - 2016 Nasceu no dia 18 de maio de 1934, em Porto União, Santa Catarina. Formado em Farmácia pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná em 1956. Proprietário e responsável pelo Laboratório de Análises Clínicas Dr. Willy Carlos Jung desde 1957. Foi docente no primeiro curso de Aperfeiçoamento do Ensino Médio – Secretaria de Educação do Estado do Paraná, União da Vitória e docente de Citologia Normal e Anormal no curso de Atualização em Hematologia – ASPAFAR (Associação Paranaense de Farmacêuticos), Curitiba, Paraná. Recebeu a Comenda do Mérito Farmacêutico, Diplomado em 20 de janeiro de 2005, do Conselho Federal de Farmácia. É Cidadão Honorário de União da Vitória e Cidadão Benemérito de Porto União. Foi membro de 12 entidades profissionais, duas internacionais. Dr. Willy Carlos Jung, presidiu ainda a Sociedade Brasileira de Análises Clínicas - SBAC, no período de 2000 a 2004. Em nome de Toda a Classe FArmacêutica, a eles o nosso muito obrigado! O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 7

[close]

p. 8

ReferênciaCianorte CIANORTE É REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Número de farmacêuticos que atendem pelo sistema público municipal é superior à média no Estado A exigência de profissional farmacêutico como responsável técnico pelas farmácias municipais está prevista na Lei Federal nº 5.991/73, bem como consta nos protocolos assinados pelos municípios ao assumirem a responsabilidade sobre o gerenciamento da Assistência Farmacêutica Básica e nos vários programas de saúde implan- tados pelo Sistema Único de Saúde, o SUS. Além de sua atuação específica como responsável técnico nos serviços relacionados aos medicamentos e demais atividades do âmbito da assistência farmacêutica do município, o farmacêutico também atua na vigilância em saúde, laboratórios de análises clínicas, entre outras áreas do SUS. 8 O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114

[close]

p. 9

Cianorte, localizada no noroeste do Paraná, se destaca quando o assunto é saúde pública, principalmente no que diz respeito ao atendimento farmacêutico. O município, de aproximadamente 70 mil habitantes, conta com um profissional para cada cinco mil pessoas na assistência farmacêutica básica oferecida pela Prefeitura. O número, como assinala a Comissão de Assistência Farmacêutica no Serviço Público do CRF-PR (CAFSUS), está acima dos dados constatados no Paraná, especialmente entre os municípios da mesma faixa populacional, que aponta a média de um farmacêutico para cada sete mil pessoas. No total, o município disponibiliza 14 profissionais da área para o atendimento à população. Eles atuam nas Farmácias de Dispensação das Dra. Silvana Brandt, responsável técnica da farmácia da Unidade Básica de Saúde Atacília Silva Martins, Distrito de Vidigal. Dra. Heloise Henriques Pereira, responsável técnica da farmácia da Unidade Básica de Saúde Dr. Alcides Pernomian, Jardim Universidade. Unidades Básicas de Saúde (UBS), na farmácia hospitalar do Pronto Atendimento (PA), na vigilância sanitária, na Central de Abastecimento Farmacêutico (CAF) e no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), que atua junto ao laboratório. A população ainda conta com mais três profissionais da área que atendem pelo Estado, que somados aos do município, chegam a 17, o que diminui a quantidade de habitantes por farmacêutico. ‘‘ Em Cianorte, fazemos o possível para que nossos pacientes sejam cada vez melhor assistidos. a presença do farmacêutico nos possibilita regularizar e melhorar os serviços. Dr. Rogério Sossai, Secretário Municipal de Saúde de Cianorte O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 9 ‘‘

[close]

p. 10

ReferênciaCianorte Com isso, Cianorte está à frente no número de farmácias públicas regularizadas (incluindo estabelecimentos da Prefeitura e do Estado) e de farmacêuticos profissionais atuando na área com responsabilidades técnicas. “Em Cianorte, nós fazemos o possível para que nossos pacientes sejam cada vez melhor assistidos. Enxergamos que a presença do farmacêutico em diferentes espaços, como está configurado o serviço de assistência farmacêutica atualmente, nos possibilita regularizar e melhorar os serviços. Este profissional é imprescindível na entrega de medicamentos para que após as consultas, exames e demais procedimentos médicos, a cura do paciente de fato se efetive”, conta o Secretário Municipal de Saúde, farmacêutico Dr. Rogério Sossai. No caso das Unidades Básicas, as vantagens de possuir um farmacêutico em seu quadro de servidores são inúmeras. “Das 13 UBSs, nove contam com farmácias. Entre os benefícios da presença de farmacêuticos nestes espaços pode-se destacar a promoção do uso racional de medicamentos”, informa a chefe da Divisão de Assistência Farmacêutica, Dra. Luana Dornellas Morelli. Capacitação profissional O CRF-PR busca orientar os municípios em relação à necessidade de regularização dos seus estabelecimentos farmacêuticos, colaborando na elaboração e apresentação de projetos de capacitação dos farmacêuticos e gestores de saúde para a assistência farmacêutica, além de fornecer treinamentos gratuitos aos farmacêuticos nas várias regiões do Paraná. Para conferir os cursos e eventos oferecidos pelo CRF-PR, acesse: www.crf-pr. org.br Fotos: Prefeitura de Cianorte 10 O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 Farmacêuticos da Prefeitura em frente à Farmácia Central NIS II. Da esq. para dir.: Dr. Xisto Aldemir Alves, Dra. Cleide Mére Padovezzi, Dra. Raquel Fernanda Regailo Biazon, Dra. Tatiana Cristina Colombo Albertin, Dra. Luana Dornellas Morelli, Dr. Rogério Sossai, Dra. Heloise Henriques Pereira, Dra. Cristieli Fabricio Oliveira, Dra. Samyra Rodrigues Soares Sampaio de Souza, Dra. Silvana Brandt e Dra. Thais Guimarães de Almeida. Dra. Heloise Henriques Pereira, responsável técnica da Farmácia da Unidade Básica de Saúde “Dr. Alcides Pernomian”, Jardim Universidade. Dra. Cleide Mére Padovezzi, responsável técnica da Farmácia da Unidade Básica de Saúde “Sr. Antonio Silveira”, da Zona 7.

[close]

p. 11

CRF-PRAÇÃO CRF-PR EM AÇÃO Curitiba - UFPR Curitiba - Fapar CONHECENDO A PROFISSÃO FARMACÊUTICA Esclarecer e motivar os futuros profissionais: esses são os dois principais pilares da palestra “Conhecendo a Profissão Farmacêutica”, que continua rodando as turmas de acadêmicos das universidades do Paraná. Dr. Arnaldo Zubioli - Presidente do CRF-PR, ministra aula sobre diversos aspectos da profissão, divulga as ações realizadas pelo Conselho e esclarece dúvidas dos estudantes. O projeto já está em seu segundo ano. Francisco Beltrão - Unisep Dois Vizinhos - Unisep O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 11

[close]

p. 12

CRF-PRAÇÃO I CICLO DE FORMAÇÃO PARA FARMACÊUTICOS EM TODO O PARANÁ O I Ciclo de Formação para Farmacêuticos está passando por todo o Paraná. Os dois primeiros módulos do curso, ministrados pela Dra. Gladys Marques Santana e Dra. Emanuelle de Almeida Santos, tratam sobre o acompanhamento farmacoterapêutico, explicando como realizar acompanhamento sistemático de pacientes (preenchimento e elaboração das fichas farmacoterapêuticas) e orientações farmacêuticas para uma dispensação efetiva e segura. LONDRINA NA LUTA PELA CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE LÚPUS O 2º Encontro Regional para Conscientização sobre o Lúpus aconteceu no dia 11 de maio, em Londrina. O evento - realizado pelo CRF-PR, Prefeitura de Londrina, Associação É Hora de Viver e pela Universidade Estadual de Londrina - teve o objetivo de conscientizar a população quanto a dificuldade de identificação do lúpus e diminuir a discriminação, além de conhecer as fases da doença e sua gravidade. Estavam presentes o Presidente do CRF-PR Dr. Arnaldo Zubioli, a Supervisora da Seccional de Londrina, Dra Maria Madalena e a Conselheira Dra. Sandra Iara Sterza. 12 O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 Palestras em Bandeirantes e Londrina

[close]

p. 13

O FARMACÊUTICO NO USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS Com o objetivo de contribuir para que os farmacêuticos se tornem capazes de elaborar, desenvolver e aplicar as atividades necessárias para o estabelecimento de um programa de uso racional de antimicrobianos em serviços de farmácia comunitária e hospitalar, o evento O Farmacêutico no Uso Racional de Antimicrobianos foi um sucesso nas cidades de Curitiba, Londrina e Cascavel. Curitiba CRF-PRAÇÃO CONSULTA FARMACÊUTICA EM CASCAVEL Com o objetivo de contribuir para que os farmacêuticos se tornem capazes de realizar atividades clínicas necessárias em farmácias de qualquer natureza, Dr. Arnaldo Zubioli - Presidente do CRF-PR, ministrou o curso de Semiologia Farmacêutica para acadêmicos integrantes das atividades da Farmácia Universitária da Unioeste - Cascavel. O evento contou com a presença da Dra. Mirian Ramos Fiorentin - Diretora Tesoureira CRF-PR e da Conselheira Dra. Maria do Carmo M. Baraldo. O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 13

[close]

p. 14

CRF-PRAÇÃO 14 O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 ENCONTRO DE FISCALIZAÇÃO CRF-PR O CRF-PR promoveu, nos dias 02 e 03 de junho, o tradicional Encontro Estadual de Fiscalização. O evento ocorreu em Curitiba e contou com a presença dos 17 fiscais, dos Diretores, dos Gerentes dos setores: Fiscalização, Jurídico, Cadastro, além da Gerência Geral. O tema central do evento foi a discussão de novas estratégias da fiscalização orientativa. Para tratar do tópico o Gerente da Fiscalização do CRF-PR, Dr. Eduardo Pazim, apresentou dados e relatórios do setor. O chefe da Fiscalização do CRF-PR e Vice-Presidente do Conselho, Dr. Emyr Roberto Carobene Fransceschi, destacou que “as discussões realizadas atingiram plenamente seu êxito, pois o nosso objetivo é construir juntos uma fiscalização de excelência, todos com a mesma responsabilidade, respeitando suas atribuições e competências”. No segundo dia do Encontro a Supervisora do setor de Fiscalização, Vanessa Panek, realizou um treinamento final da FEM – Ferramenta Eletrônica Móvel, antes de sua implantação no dia 06 de junho. “Primeiramente utilizaremos a ferramenta em Curitiba, após este período de adaptação e ajustes, estenderemos para todo Estado”, explicou. Para finalizar o evento o Presidente do CRF-PR, Dr. Arnaldo Zubioli, afirmou que o trabalho da fiscalização do CRF-PR sempre foi referência em todo Brasil e destacou o bom desempenho dos fiscais.

[close]

p. 15

MUDANÇAS ENTRAM EM VIGOR NOVOS HORÁRIOS DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PARA AS FARMÁCIAS HOSPITALARES Os hospitais públicos e privados deverão dispor dos serviços de assistência farmacêutica durante todo o seu horário de funcionamento. Esta exigência foi imposta pela Lei 13.021/14, que entrou em vigor em sua totalidade no dia 9 de dezembro de 2014. O artigo 8º da Lei determina que as farmácias hospitalares estão condicionadas às mesmas exigências legais previstas para as farmácias não privativas em relação à instalação, equipamento, direção e desempenho técnico dos farmacêuticos, além do registro no Conselho Regional de Farmácia. Além da Lei 13.021/14, a presença de RT nas farmácias hospitalares também já era uma determinação da Lei 5.991/73, Resolução 556/11, do CFF, e uma recomendação da Portaria 4.283/2010, do Ministério da Saúde. Para melhor atender às exigências da Lei, o CRF-PR, através de sua Comissão de Farmácia Hospitalar, alterou a Deliberação 717/2008 para a 880/2016 para que gradativamente todos os hospitais possam se adequar, sobretudo os estabelecimentos de pequeno porte. “A carga horária da assistência Farmacêutica dependerá do porte/tipo do estabelecimento e dos procedimentos realizados. Conforme a tabela do anexo I da Deliberação 880”, explica a coordenadora da Comissão de Farmácia Hospitalar do CRF-PR, Dra. Gracielle Arriola Teixeira Gomes. A nova Deliberação prevê ainda prazos para a adequação (veja a tabela abaixo), “mas é importante ressaltar que qualquer anotação ou alteração no quadro dos responsáveis técnicos dos estabelecimentos já registrados, a assistência farmacêutica será exigida conforme prevê a nova Deliberação, já a partir da sua publicação, dia 30/05/2016”, esclareceu Dra. Gracielle. A gerente do Cadastro do CRF-PR, Dra. Flavia Abreu, informou que os hospitais estão sendo oficiados para ciência da publicação da Deliberação 880/2016 e notificados para a regularização da assistência. “Em caso de não adequação por parte dos estabelecimentos, nos prazos determinados, os mesmos estarão sujeitos às sanções legais cabíveis, inclusive autuações e multas”, disse. O presidente do CRF-PR, Dr Arnaldo Zubioli, reafirmou que a presença do farmacêutico vai muito além do cumprimento de uma exigência legal. “O farmacêutico promove a racionalização do uso de medicamentos, otimizando a eficiência terapêutica na avaliação multidisciplinar, e instituindo as ações de farmacovigilância e acompanhamento clínico. Em todos os pontos, o benefício primordial da presença do farmacêutico no ambiente hospitalar é no aumento da segurança, recuperação e promoção da saúde do paciente”, concluiu. Nº de leitos ativos/ tipo estabelecimento 1 a 19 20 a 50 Até 50 De 51 a 100 De 51 a 100 Acima de 100 Independente UPA Clinicas ambulatoriais Homecare e atendimento móvel de uregência PRAZO 31/03/2017 Prazo 30/09/2017 Procedimentos de alta complexidade e/ou criticidade Carga Horária Mínima Diária de Assistência Farmacêutica Período em que deve ser cumprida a carga horária de Assistência Farmacêuica Carga Horária Mínima diária de Assistência Farmacêutica Sem Sem Com complexidade e sem pronto socorro Sem Com Independente da complexidade Com pronto socorro --- --- --- 8h Entre 7 e 20h 12h Entre 6 e 20h 14h Entre 6 e 22h 18h Integral Entre 6 e 24h 24h Integral 24h Integral Integral Horário de funcionamento da farmácia Horário de funcionamento da farmácia 24h 24h Horário mínimo de funcionamento 6h diárias Horário mínimo de funcionamento 6h diárias 16h 18h Integral Integral --------- --- --- Prazo 30/03/2018 Carga Horária Mínima diária de Assistência Farmacêutica Integral Integral ------------- --- --- O FARMACÊUTICO EM REVISTA Edição 114 15

[close]

Comments

no comments yet