eisFluências - Revista Literária e Informação

 

Embed or link this publication

Description

eisFluências - Revista Literária e Informação eisFluências - Literary Magazine and Information Revista de Dezembro de 2010 - Suplemento de Natal Magazine December 2010 - Christmas Supplement Revista literária e informação em lingua portuguesa e ev

Popular Pages


p. 1

issn 2177-5761 issn 2177-5761 9 772177 576008 revista bimestral dezembro suplemento natal/2010 ano ii núm xix e mais um natal mercêdes pordeus recife-brasil mais uma vez é natal data em que se convencionou o nascimento de cristo momento de reflexão sim como deveriam ser todos os dias do ano a humanidade se mobiliza vamos comprar presente preparar a ceia de natal que pena que pena que não seja sempre natal na vida de todas as criaturas de deus de todos os irmãos de cristo que não nos lembremos dos que sofrem num leito de hospital daqueles que não têm um pão para comer enquanto muitas vezes de tão fartas nossas mesas damo-nos ao luxo de jogar comida fora É lamentável que tanto nessa época como durante todo o ano vejamos guerras eclodirem a sede do poder aguçada destruindo e mutilando vidas que possamos fazer de nossas vidas o natal constante no verdadeiro sentido da palavra que possamos nos dar as mãos e cirandar cantando a canção do amor da paz da fraternidade da piedade comecemos então hoje e vamos continuar entoando esse lindo canto durante anos consecutivos.

[close]

p. 2

02 eisfluências dezembro suplemento natal 2010 imitaÇÃo de cristo carmo vasconcelos aos amados irmãos de letras neste natal 2010 meu grande amor elevo ao altar angelical por entre círios complacentes ao pecado onde o sentir ajoelha humilde e despojado em oração plo desapego do carnal quão transitório se afigura o amor terreno amiúde eivado de fantasmas e castigos onde pla posse nascem ciúmes inimigos em negação do vero amor divino e pleno À fé me curvo quando rezo irmão amado por tua gloriosa senda e digna evolução sem que na mente albergue díspar ambição senão saber-te em paz e luz harmonizado no puro amor que tudo cede e nada exige À semelhança do deus-pai que nada pede pla natureza que gerou e nos concede para que nela cada ser se regozije essa a missão que o redentor preconizou regozijar-me tão-somente porque existes irmão no puro ideal cristão em que persistes amar ao próximo tal qual jesus amou carmo vasconcelos directora cultural ficha tÉcnica director victor jerónimo portugal/brasil directora cultural carmo vasconcelos portugal responsável pela redacção mercêdes pordeus brasil design gráfico e composição victor jerónimo nosso sítio http www.eisfluencias.verbostrepitus.com conselho de redacção abilio pacheco brasil humberto rodrigues neto brasil luiz gilberto de barros brasil marco bastos brasil petrônio de souza gonçalves brasil rosa pena brasil correspondentes alemanha antónio da cunha duarte justo argentina maría cristina garay andrade bielorussia oleg almeida brasil elizabeth misciasci revista de eventos actualidades notícias culturais político/sociais e outras mas sempre virada à directriz cultural nas suas várias facetas propriedade de mercêdes batista pordeus barroqueiro recife/pe/brasil tiragem 100 ex distribuição gratuíta divulgação via internet depósito legal lei do depÓsito legal lei n° 10.994 de 14 de dezembro de 2004 biblioteca nacional brasil isnn 2177-5761 contacto eisfluencias@gmail.com

[close]

p. 3

eisfluências dezembro suplemento natal 2010 03 o natal é vermelho rosa pena a mãe já estava entrando na terceira idade e começava a sentir aquela pontinha de desânimo aquele tanto faz como tanto fez entre eles armar a árvore de natal fazer ceia e pensar que ela sempre fez uma questão danada de muitos enfeites do presépio da guirlanda na porta de um peru maravilhoso foram festas lindas fantásticas e pensar e pensar e pensar pronto agora nada de pensar muito menos navegar na nostalgia saudade vá procurar outro coração pois esse não lhe pertence replay de natal fica por conta do rei rc que só varia a roupa de branco para azul ou de azul para branco inovar é a palavra de ordem o marido sempre acompanhou suas resoluções dos sete filhos agora só dois moravam com eles naquela casa linda e imensa empregados nessa época folgam o trabalho e o silêncio dobram o temporão insistiu tanto na confecção da árvore que ela acabou por enfeitar displicentemente a antiga num cantinho qualquer da casa como cada um dos outros filhos passaria num lugar diferente sugeriu impondo aos quatro que fossem cear num quiosque em frente à tão badalada árvore da lagoa dois toparam mas levou um susto quando o caçulinha disse cear fora de casa logo na data em que as árvores armadas em casa ficam mais bonitas o menino não nasce mais foi ao supermercado comprou um tender cheia de love e muitas cerejas o natal é pintado de vermelho é vida não é luto mas o rei vai estar de azul e cheio de flores são tantas emoções que a gente vive por mais que tenhamos quase certeza que elas se esgotaram com o tempo www.rosapena.com noite de natal humberto rodrigues neto o natal como todos sabem é a mais importante efeméride do mundo cristão pois nela se comemora o nascimento do cristo ­ o cordeiro de deus ­ que se fez homem para através de seu auto-sacrifício possibilitar à humanidade a remissão dos pecados desde que obedecidas as sábias recomendações por ele preconizadas trata-se portanto de uma data ímpar em que desce sobre a terra aquela aura de amor fraterno de cordialidade de harmonia e de entendimento recíproco entre todo os homens sejam ou não adeptos do cristianismo com efeito não é sem motivo que a simples aproximação da data coloca na fisionomia de cada um de nós aquela predisposição natural para o sorriso numa tendência quase inata de procurarmos servir ao próximo da maneira mais cortês e delicada possível parece mesmo que cada criatura pressente aflorarem em si sentimentos de delicadeza e amabilidade que fogem ao trivial nos demais dias do ano a predispor-nos para receber e prodigalizar gentilezas ao menor pretexto como se algo sobrenatural nos incentivasse a tais atitudes de sadia fraternidade até a cidade parece esconder os seus aspectos desgastantes para apresentar aos nossos olhos aquela roupagem de alegria expressa nos enfeites de cada vitrine e nos belos arabescos dos anúncios luminosos o vendedor de cada loja se transforma de mero interessado em comissões num gentil servidor não só de sorrisos mas de desejos sinceros em nos exibir e oferecer o melhor produto o condutor do veículo que trafega ao lado ou à retaguarda do nosso não titubeia em nos ceder a passagem e até o motorista do ônibus ignora as regras da empresa e estaciona fora do ponto regulamentar para facilitar o desembarque de um idoso de um enfermo ou de uma senhora em cujo colo dormita uma criança ora se tais demonstrações de carinho repetem-se a cada passo no árduo e estressante burburinho das ruas e das praças fácil se torna imaginar o quanto elas se multiplicam quando transportadas para o aconchego de nossos lares nos minutos que antecedem aquele momento de rara beleza do advento do natal são os parentes e amigos chegando a sobraçar pacotes multicoloridos são mulheres a a envergar as mais requintadas vestimentas portando nas mãos a alegria e o aroma das flores mais diversas é cada um trazendo ao ambiente não o melhor prato de um domingo comum mas a iguaria condimentada pelo esmero da alma e temperada pelo carinho do coração é enfim o chilreio do sorriso tagarela estampado no rostinho das crianças a aguardarem prenhes de ansiosa expectativa a chegada do papai noel felizes daqueles que podem como nós congregar a família e os amigos para uma reunião como esta numa demonstração insofismável da indelével amizade que nos une e do desejo que nutrimos por conservar vivas as tradições natalinas herdadas de nossos pais esta é portanto a noite da reafirmação entre nós de todos os sentimentos de fraternidade cristã da comunhão de todos com o meigo cristo ­ único caminho de nossa redenção moral da exteriorização recíproca de tudo aquilo de bom que temos de mais precioso dento de nossos corações como sejam a estima mútua a solidariedade descompromissada o carinho e a certeza inabalável de que nunca haverá adversidade capaz de desatar os laços de família que nos unem ao ensejo da passagem da data magna da cristandade desejamos estender a todos os leitores desta folha independentemente dos credos ou doutrinas que professem nossos mais sinceros e efusivos augúrios de um natal pleno de alegrias e pródigo de felicidade.

[close]

p. 4

04 eisfluências dezembro suplemento natal 2010 tecido com amor pela sabedoria e com divino poder acolhe esse esplendor apossa-te dele e tocarás a mão do anjo que te vem oferecê-lo em cada evento que chamamos de prova aflição ou dever está presente crê a mão do anjo aí está a dádiva além da maravilha de uma presença envolvente e assim com nossas alegrias não te contentes com elas exclusivamente como alegrias também elas ocultam as mais divinas dádivas a vida é tão plena de sentido e propósito tão plena de belezas por trás de seu véu que te podes aperceber de que a terra apenas recobre o teu céu tem coragem pois de o reclamar isto é tudo tens essa coragem e sabes que somos todos peregrinos que através de regiões desconhecidas à sua pátria se dirigem assim neste natal saúdo-te não exactamente como o mundo envia suas saudações mas com a prece de que para ti agora e para todo o sempre glorioso dia se faça e as sombras se desvaneçam fuga para o egipto fra angelico 1387-1455 mensagem de natal fra angelico 1413 pesquisa e tradução livre de vitor de vasconcellos figueiredo in memorian sou teu amigo e te estimo sinceramente nada há que eu te possa oferecer que já não possuas mas há muitas coisas que te posso dar e que tu podes aceitar o céu não pode descer a nós a menos que o nosso coração nele encontre hoje mesmo seu repouso aceita pois o céu não existe paz no futuro que não esteja oculta neste fugaz momento presente aceita pois a paz a obscuridade do mundo não passa de uma sombra por trás da sombra do mundo e conforme a tua atitude há grande alegria há nesta obscuridade um esplendor e uma glória inefáveis que podemos ver e para a vermos basta olharmos rogo-te pois que olhes a vida é dádiva generosa mas nós que julgamos suas doações pela aparência rejeitamo-las considerando-as feias pesadas ou duras ergue esse véu e por trás dele encontrarás um vivo esplendor fra angelico guido de pietro pintor italiano conhecido como fra angelico nasceu em 1387 em vicchio aldeia de mugello que as palavras deste poema os inspirem à comunhão interior com as sublimes vibrações do cristo para que ele vos abençoe no dia de natal e vos desejamos de coração luz vida e amor vitor de vasconcellos figueiredo enviado por sua irmã carmo vasconcelos

[close]

p. 5

eisfluências dezembro suplemento natal 2010 05 natal à brasileira Áurea charpinel que esta saudade me leve de volta à antiga ladeira um galho de goiabeira não pinheirinho com neve na sala como se deve enfeitado com luzinhas ai folia quando vinhas cantavas junto ao portão do meu vizinho brandão folias de reis tão minhas ai ô de dentro ai ô de fora ai ô de dentro ai quem será são os divinos santos reis que aqui vêm lhe visitar ao entrar a cantoria na ceia o canto se cala sentada no chão da sala com os foliões eu sorria nesse chão brotou poesia na minha casa não tinha esse natal de luzinhas tão quentes como o verão do meu vizinho brandão folias de reis tão minhas Áurea charpinel È pianista compositora professora e poeta rio de janeiro brasil luzes de natal priscila de loureiro coelho quando as horas se esgotam e a meia noite se faz o mundo pára silente carente em busca de paz o galo anuncia a missa lembrando o menino jesus as velas o fogo atiça inundando a igreja de luz dentro do peito me bate uma enorme alegria luzes de cor escarlate misturam-se sem simetria luzes bem coloridas reluzindo um brilho tal como se a própria vida fosse árvore de natal pisca-pisca luz neon tudo bem iluminado importa que o coração se sinta abençoado tanta beleza me encanta tanto quanto me seduz o coro de vozes que canta homenageia jesus priscila de loureiro coelho cronista e autora de artigos publicados em jornais e internet é membro da academia de letras jacaryense ocupando a cadeira 31 tendo como patrono seu pai stélio machado loureiro jornalista e escritor uma estrela nascente um cometa fulgente todo mundo alegria era assim que eu queria o natal diferente marco bastos 2010 a todos um feliz natal paz saÚde e alegria no ano novo que chega divulgação de marco bastos a noite da consoada parte xxxviii silvino potêncio em caravelas toda a gente já dormia quando a janeira acabava cada um p ra sua casa corria e nos cobertores se enfiava desde a neite da consoada ainda sobrava o borralho da fogueira quase apagada derretia a neve e ó orvalho na semana do natal anterior ao verão da morte do ti zé piqueno um pastor de cabras e ovelhas que deve ainda ser lembrado por muitos dos nascidos em caravelas daquele tempo estava eu junto do meu pai no alto dos tojais a guardar umas ovelhas nossas quando ele o ti zé piqueno que também andava ali a guardar as cabras se aproximou e os dois começaram ali a conversar o frio soprava dos lados do quadraçal e os dois ficavam ali em pé e encostados contra o vento que vinha do meio do sobreiral um encostado numa foice e outro no cajado que ficava seguro com a palma da mão por debaixo do capote no sovaco e foi quando eu escutei ele dizer para mim olha rapaz p ra semana o teu pai vai comprar uma ´peixota de bacalhau que a tua mãe vai cozer com batatas rabanetes couve troncha e depois comes umas rabanadas bem docinhas e aí já enches a pança ele me fez este vaticinio com tanta convicção que eu memorizei isso pois eu estava em volta do ti zé artur a pular num pé e noutro a dizer que estava com fome e queria ir para casa porque já estava frio embora fosse ainda a meio da tarde guardei o diálogo na lembrança e realmente uns dias depois aconteceu a tal consoada que além do delicioso bacalhau tinha também umas postas de congro e para presente de natal no dia seguinte de manhã encontrei duas laranjas ­ uma em cada bota que maravilha e um soldadinho de chumbo que a minha mãe tinha encontrado dentro de um pacote de café de cevada ­ café que ela comprava em caixas de papelão coloridas de amarelo preto e vermelho de cada vez que ela ia à feira de mirandela desse dia em diante passei a ser o maior consumidor de café da casa pois que quanto mais depressa se acabasse o café mais depressa a ti julheta teria que ir a mirandela comprar outra caixa e quem sabe lá dentro da caixinha de café não vinha outro presente de natal natal que eventualmente só acontecia uma vez no ano assim era o natal da minha infância há quanto tempo eu nem sei mas avalio o quanto de diferente tem dos dias de hoje excepto pelo amor e carinho de familia que todos os natais nos trazem à lembrança texto extraído do livro homônimo in curriças de caravelas trovas comentadas www.silvinopotencio.net

[close]

p. 6

06 eisfluências dezembro suplemento natal 2010 o que É natal adailton guimarães natal é paz alegria reflexão o envio de uma criança trazendo uma lição ensinar aos poderosos que todos somos iguais perante nosso senhor pobre ou rico tanto faz natal é tempo de paz É festa alegria e satisfação liberdade para o hebreu vida nova para o cristão jesus cristo veio ao mundo pra cumprir uma missão dá ao homem a liberdade vida eterna e salvação por isto pagou com a vida recebendo ingratidão foi na cruz crucificado com muita humilhação cristo foi crucificado com um ladrão de cada lado hoje querem mudar seu rosto com um tal de retrato falado amai-vos uns aos outros jesus tentou ensinar mas o homem não foi capaz nem mesmo de se amar o amor está sumindo está mesmo em decadência a família desunida caminha para falência o jovem adolescente já não atende ao pai acha que sabe de tudo sabe até muito mais a droga virou mania É necessário provar pois só ela pinta o clima que estão a esperar mas o homem não mudou continua em pecado É filho matando o pai por dinheiro e drogado entristecido meus irmãos eu não posso comemorar um natal tão injusto que nem posso explicar a minha terra é tão bonita mas pra mim não há lugar o corrupto é cidadão o honrado não pode falar quando o dinheiro fala alto a verdade tem que calar adailton guimarães o engenheiro poeta escrito especialmente pra a revista eisfluências aguimaraes@viacabo.com.br natal maria da fonseca virgem santa imaculada os desígnios do senhor aceitaste humilde e pura ser a mãe do redentor e em lindo dia sagrado deste à luz o deus menino numa choupana em belém marcado fora o destino nasceu sem ter o seu tecto nem o berço preparado porque os pais se deslocaram pra cumprir o editado do facto maravilhoso souberam logo os pastores que acorreram ao presépio pra prestarem seus louvores noite única divina jamais se irá repetir em que deus feito menino veio à terra prà remir no céu os anjos cantaram e as estrelas cintilantes mais e mais iluminaram com suas luzes brilhantes É neste dia natal que sempre nós celebramos a chegada do messias e a seus pés o adoramos lisboa/portugal presÉpio maria joão brito de sousa É por dentro de mim que chego a deus É por dentro de mim eu sei-o bem que todos os natais vou pelos céus visitar o menino de belém não o digo a ninguém pois há segredos que devemos guardar dentro de nós e até há quem duvide ou tenha medo de uma mulher com asas de albatroz mas desta viagem que só faço se a estrela de belém me der boleia fica registo do divino traço nascem raios de luz no meu regaço e há anjos a cantar a noite inteira ao menino que dorme nos meus braços oeiras/portugal

[close]

p. 7

eisfluências dezembro suplemento natal 2010 07 um conto de natal jorge cortás sader filho não estou fazendo nada mais do que transcrevendo história que ouço há muitos muitos anos dizem que faz muito tempo um menino brincava com o barro fazia aves pássaros diversos eram toscos estava aprendendo mas gostava do que fazia melhorava seu artesanato visivelmente enquanto o barro húmido era moldado com carinho e trabalho cuidadoso gostava das suas aves a técnica estava sendo apurada e os pássaros a cada dia que passava mais ficavam assemelhados com os verdadeiros determinada manhã foi brincar e trabalhar outra vez retirou os que mais gostava estavam muito bem feitos e secos fez mais alguns e gostou do resultado feliz e contente gostou muito do seu trabalho na sua doce inocência infantil bateu palmas estava alegre os pássaros saíram voando esta foi a história que eu ouvia era pequeno também hoje ouço tiros gritos correrias e palavrões principalmente durante os jogos de futebol sinto a fumaça que os ônibus e carros soltam o barulho que fazem o calor e o abafado que não existiam há trinta anos vejo os drogados É certo que o progresso foi muito felizmente em todas as áreas do conhecimento e do viver mas verifico com segurança que o bem foi acompanhado pelo mal lastimável isso mas com o natal renascem nossas esperanças jorge cortás sader filho http aduraregradojogo24x7.blogspot.com um desejo que se repete rogério martins simões no próximo dia 25 de dezembro comemora-se o nascimento de um menino que permaneceu menino através dos tempos recordo-me nos meus tempos de menino das esperas que fazia ao tal menino dos presentes que recebia e com que não tinha sonhado colocados no sapatinho carcomido mas mesmo assim ficava feliz a partir de então nunca esqueci que o natal é das crianças que no natal se comemora precisamente a festa de anos de um menino que permaneceu sempre menino como os meninos gostam de brincar e esse menino sempre os amou a festa é toda para elas mas o natal é um tempo de paz e de harmonia em que os adultos se recordam que já foram meninos mas também querem entrar na festa esforçando-se por realizar os sonhos dos meninos ou porque o tal menino tudo fizesse para haver paz entre os homens todos nós crentes ou não crentes aproveitamos este tempo para expressarmos uns aos outros o nosso amor pelo próximo e quiçá tentando apagar das memórias momentos menos felizes nas nossas relações interpessoais que o verdadeiro espírito de natal prevaleça na nossa amizade nas nossas diferenças nas nossas casas no nosso trabalho com quem passamos a maior parte da nossa vida e unidos tudo faremos para construir um mundo melhor para todos rogério martins simões lisboa/portugal sonhos doces rogério martins simões mãe quando é natal meu filho hoje é dia de natal mãe o menino não veio onde está a minha trotineta meu filho ele deixou-te um presente no sapatinho dentro da chaminé mãe eu pedi uma trotineta igualzinha à dos outros meninos meu filho as meias fazem-te falta e a mãe tem sonhos doces para ti mãe para o ano o menino vai pôr a trotineta no sapatinho sim meu filho prova os sonhos avô quando é natal netinho hoje é dia de natal e a bisavó fez-te sonhos avô o pai natal não veio onde está o jogo que pedi netinho ele deixou-te muitos presentes e até uma trotineta mas avô não era aquele jogo que queria e para que serve a trotineta avô vais trocar o jogo não vais sim netinho saboreia agora os sonhos rogério martins simões lisboa/portugal diálogos da alma e do poeta http poemasdeamoredor.blogs.sapo.pt/

[close]

p. 8

08 eisfluências dezembro suplemento natal 2010 poema de natal manuel maria barbosa du bocage se considero o triste abatimento em que me faz jazer minha desgraça a desesperação me despedaça no mesmo instante o frágil sofrimento mas súbito me diz o pensamento para aplacar-me a dor que me trespassa que este que trouxe ao mundo a lei da graça teve num vil presépio o nascimento vejo na palha o redentor chorando ao lado a mãe prostrados os pastores a milagrosa estrela os reis guiando vejo-o morrer depois ó pecadores por nós e fecho os olhos adorando os castigos do céu como favores voto de natal david mourão-ferreira acenda-se de novo o presépio do mundo acenda-se jesus nos olhos dos meninos como quem na corrida entrega o testemunho passo agora o natal para as mãos dos meus filhos e a corrida que siga o facho não se apague eu aperto no peito uma rosa de cinza dai-me o brando calor da vossa ingenuidade para sentir no peito a rosa florida filhos as vossas mãos e a solidão estremece como a casca do ovo ao latejar-lhe vida mas a noite infinita enfrenta a vida breve dentro de mim não sei qual é que se eterniza extinga-se o rumor dissipem-se os fantasmas Ó calor destas mãos nos meus dedos tão frios acende-se de novo o presépio nas almas acende-se jesus nos olhos dos meus filhos falavam-me de amor natália correia quando um ramo de doze badaladas se espalhava nos móveis e tu vinhas solstício de mel pelas escadas de um sentimento com nozes e com pinhas menino eras de lenha e crepitavas porque do fogo o nome antigo tinhas e em sua eternidade colocavas o que a infância pedia às andorinhas depois nas folhas secas te envolvias de trezentos e muitos lerdos dias e eras um sol na sombra flagelado o fel que por nós bebes te liberta e no manso natal que te conserta só tu ficaste a ti acostumado a noite de natal mário de sá carneiro em a noite de natal alegram-se os pequenitos pois sabem que o bom jesus costuma dar-lhes bonitos vão se deitar os lindinhos mas nem dormem de contentes e somente às dez horas adormecem inocentes perguntam logo à criada quando acorde de manhã se jesus lhes não deu nada ­ deu-lhes sim muitos bonitos ­ queremo-nos já levantar respondem os pequenitos.

[close]

p. 9

eisfluências dezembro suplemento natal 2010 09 memórias de um natal no alentejo maria margarida pereira mãe mãe acorda mãe É véspera de natal e temos que ir para o alentejo ainda mal refeita do som dos gritos levanto-me da cama eles têm razão é véspera de natal e a viagem até junto da família ainda é longa são horas de despachar os miúdos e graúdos embrulhar as últimas lembranças e iniciar a viagem de três horas até à pequena aldeia perdida na vastidão da planície alentejana deixamos a capital e entramos no alentejo é sempre agradável recordar a paisagem para uns monótona mas para os alentejanos uma alegria para a alma a planura do relevo os sobreiros com mais de um século de vida os pequenos montes brancos dispersos parece que o tempo não passou por aqui tudo se mantém na mesma e é esta sensação de conhecido e familiar que nos transmite a segurança de retorno ao lar todos os anos o natal é passado no alentejo é aqui que mais sentimos as nossas raízes familiares É nesta casa onde nasceram os avós e viveram os pais que mais nos sentimos como família aconchegados e reunidos à volta de um lume que alimenta o corpo mas também o espírito talvez as recordações os aromas as cores que se libertam das paredes desta casa contribuam para esta sensação de segurança paz e calor humano na aldeia e à porta de casa um típico monte alentejano de linhas simples e direitas caiado de branco e com barras azuis a família aguarda ansiosa a nossa chegada a alegria é enorme não apenas pelas saudades mas sobretudo pelas emoções desta época natalícia os miúdos não reprimem a alegria e correm para dentro de casa querem ver o enorme presépio feito pelos avós num canto da sala junto à lareira já acesa avô olha este ano temos musgo no presépio que lindo diz o mais pequeno as chuvas que caíram há quinze dias permitiram mais esta alegria e os miúdos não resistem a brincar com as pequenas figuras já bem conhecidas de anos anteriores ninguém se preocupa porque no fim todas ficam exactamente nas mesmas posições quando a brincadeira termina cabe-lhes a eles colocarem as searinhas de natal à volta da cabana do menino jesus esta tradição das zonas mais rurais representa uma oferenda ao menino com o pedido de boas colheitas foram semeadas três semanas antes do natal com grãos de trigo em pequenos recipientes de barro e carinhosamente regadas pela avó agora estão germinados e no lugar dos grãos estão pequenas plantas de trigo que depois do natal serão espalhadas pelos campos já semeados o almoço é rápido porque a azáfama espera-nos a todos os homens preparam a lenha pois a noite vai ser longa e o frio aperta e alimentam o lume na enorme lareira que serve também para o fumeiro dos enchidos as mulheres na cozinha têm a seu cargo a preparação das refeições mais importantes do ano o jantar de natal a consoada e o almoço do dia de natal só os mais pequenos estão para já libertos de qualquer tarefa podem aproveitar os últimos raios de sol do dia para brincar com os primos na rua e rever os animais da quinta toda a azáfama segue o mesmo ritual desde há anos sempre foi assim desde que me lembro aliás nem os avós e os pais permitiriam qualquer alteração e inovação e ainda bem talvez por isso esta época seja um reencontro com as origens e todos precisamos de renovar os nossos elos de infância recordar momentos passados e com eles alimentar o futuro o jantar de natal é o primeiro momento de reunião de toda a família ao fundo da sala a lenha crepita criando um som e ambiente acolhedores dizem os mais antigos que o lume da chaminé é para o menino se aquecer quando vier durante a noite recompensar as crianças pelo seu bom comportamento a importância do lume e da lenha que o alimenta está presente na poesia popular alentejana que fixou estas tradições nas quadras o menino vai à lenha espetô-le um pico no pé chamou nossa senhora respondê-le sã josé Ó mê menino jesus encostado ó madêro Ê vos dô a minha alma fazei dela o travesseiro a ementa do jantar de natal às primeiras horas da noite segue a tradição sopa de cação bacalhau cozido com batatas grelos e couve-flor criados na horta e apanhados poucas horas antes da refeição e regados com o azeite feito no lagar da família a carne e os doces estão ausentes desta refeição mas guardados para a consoada reunidos na comprida mesa da sala grande sentimos o cheiro que vem da cozinha os enchidos feitos com a carne de porco da última matança para assegurar o abastecimento da consoada os doces conventuais feitos com ovos recolhidos no galinheiro o aroma da canela e do arroz-doce acabado de fazer mas ninguém se sente tentado assim manda a tradição após o jantar e a um ritmo que parece combinado entre todos começam a chegar os vizinhos para a troca de mimos umas filhoses de forma por uns pastéis de grão um pudim de ovos por umas rabanadas uns frutos secos por um prato de aletria doce e a grande mesa vai se enchendo de cores e sabores perto da meia-noite é hora de vestir os agasalhos e reunir a família a missa do galo momento simbólico da fé cristã significa também um momento de reunião e de partilha para toda a pequena comunidade da aldeia apesar do adiantado da hora mesmo os mais pequenos participam a temperatura quase negativa da noite estrelada não desanima ninguém e no caminho para a igreja reencontramos familiares mais afastados e amigos de infância no adro frente à porta da igreja já arde o grande madeiro trazido por um grupo de homens da aldeia logo de manhã a missa acompanhada com cânticos próprios da época interpretados com o natural sotaque alentejano termina com o ritual cristão do beijo ao menino já na rua é hora de reencontros à volta do grande madeiro cujo lume dissipa qualquer frio amigos de longa data reencontram-se com uma emoção própria actualizam-se as novidades relembram-se momentos passados não fosse a natural ansiedade e fadiga dos mais pequenos esta reunião prolongar-se-ia por mais algumas horas até o lume do madeiro se desvanecer no calor da casa espera-nos a consoada a mesa do jantar está agora preenchida com carnes assadas enchidos e doces típicos da época arroz-doce rabanadas fritos de forma filhoses de abóbora filhós enroladas sopa dourada azevias pastéis de batata-doce nesta refeição participa toda a família avós pais tios primos bem como vizinhos cujas famílias estão longe parece estranho como a grande sala se enche rapidamente de amigos há sempre lugar para todos quando a boa vontade e o amor estão presentes É um momento de grande alegria e partilha no fim da refeição é servido o chocolate quente e o licor de bolota feito em casa.

[close]

p. 10

10 eisfluências dezembro suplemento natal 2010 junto da lareira os miúdos brincam na esperança que o menino jesus chegue este ano mais cedo com as prendas mas terão de esperar pela manhã depois de momentos de brincadeira são vencidos pelo cansaço e deixam-se dormir nos sofás espalhados pela sala enquanto os amigos recolhem a casa É altura do momento mais intimista a família mais chegada conversa e põe em dia as novidades mais pessoais nem sempre boas mas sempre com esperança no futuro tal como manda a tradição a loiça suja fica para amanhã e a mesa não é levantada fica posta para o menino jesus recolhemos à cama com o corpo cansado mas o espírito mais animado e fortalecido de paz e amor não sem antes colocar as prendas dos miúdos nos respectivos sapatinhos dispostos em frente da lareira a manhã começa com o usual alvoroço das crianças a alegria e as risadas que libertam ao abrir as pequenas lembranças invadem a sala a que se junta o aroma forte do café feito nas brasas da lareira cujo lume nunca se apaga tal como o carinho e amizade que nos une mas o descanso dura pouco o peru embebedado morto e preparado na véspera é posto no forno de lenha depois de devidamente recheado será o prato principal do nosso almoço de natal juntamente com uma canja de lebre caçada no último domingo as horas passam depressa e toda a família ajuda a preparar a mesa para o almoço a canja o peru assado e recheado acompanhado com migas de grelos a carne do porco criado no monte à base de bolota os enchidos fumados na nossa lareira as rabanadas com vinho do porto de novo o arroz-doce e a aletria a tigelada característica do alentejo mais interior emanam aromas tão próprios desta casa ficarão aqui presentes até ao próximo natal e sempre que voltarmos eles avivarão as nossas memórias destes momentos tão familiares mas sobretudo da nossa necessidade em dar e receber amor e amizade depois do almoço partimos É sempre com alguma tristeza mas a certeza que no próximo natal estaremos de novo todos juntos pelo menos em espírito anima-nos e prepara-nos para as dificuldades que existem fora deste nosso abrigo será sem dúvida o mesmo ritual mas para nós será de certeza sempre diferente e renovador feliz natal a todos com muito amor e amizade maria margarida pereira é natural de lisboa reside em odemira/alentejo litoral docente do ensino superior no instituto politécnico de beja directora do departamento de biociências do instituto politécnico de beja doutora em engenharia agronómica pelo instituto superior de agronomia tem vários artigos publicados em revistas científicas da área das ciências agrárias é membro da sociedade de ciências agrárias de portugal participação e coordenação de projectos internacionais de investigação palestras na universidade de campobasso itália e universidade politécnica de valência espanha preferências pessoais leitura de romances políticos e históricos autores preferidos gabriel garcia marquez mário vargas llosa pepetela paulo coelho isabel allende ernest hemingway entre outros o filme da minha vida cinema paraíso de giuseppe tornatore outros filmes importantes clube dos poetas mortos casablanca um violino no telhado forrest gump pulp fiction o carteiro toca sempre duas vezes laranja mecânica o grande ditador livros especiais a rainha do cine roma de alejandro reys cem anos de solidão de gabriel garcia marquez tia júlia e o escrevedor de mário vargas llosa o alquimista de paulo coelho nr É com imenso prazer que a eisfluências traz pela primeira vez à luz literária a escritora maria margarida pereira à escritora desejamos imenso sucesso na sua vida literária mensagem de boas-festas oleg almeida meus caros amigos amigos do peito amigos de fato reais virtuais e por longe que morem deveras queridos vocês que concordam comigo vocês que contestam as minhas ideias vocês que são meus confidentes vocês que sequer conheceram meu nome vocês que estão dentro do meu pensamento ainda que estejam por fora desejo-lhes hoje mas prestes a dar boas-vindas à década nova primeiro ­ saúde que nada de mais importante foi dado por deus aos humanos segundo ­ paz d alma em todos os trechos do longo caminho que tem tantas curvas e tantos desvios quantos são nossos dias terceiro ­ fartura em plena acepção da palavra que seja faustoso não só seu manjar mas também seu afeto seu sonho seu raio de sol seu respingo de chuva e quarto dos tópicos meus o melhor ­ muita luz que provinda dos astros ignotos extinga a tristeza de nós nos sabermos mortais uns a chamam de bênção e outros de felicidade fazei ó senhor com que haja no próximo ano mais sorte mais pão mais ternura e venham as lágrimas só de cortar a cebola e rir à vontade e que me perdoem os céticos esta mensagem repleta de fórmulas pré-aprovadas ­ a vida que prega as mesmíssimas peças por vários milênios não fica banal de vivida oleg almeida brasília/df brasil www.olegalmeida.com

[close]

p. 11

eisfluências dezembro suplemento natal 2010 11 natal ­ que futuro tito olívio dá que pensar sobre quais as alterações que a actual crise irá impor aos tradicionais festejos do natal e que consequências se farão sentir nas crianças durante tantos anos habituadas a um consumismo irracional e desenfreado a melhoria de vida da população ­ que veio a saber-se que era virtual ­ deslumbrou as famílias e o que é pior as crianças que se acostumaram a ver satisfeitas todas as suas vontades e todos os seus mais pequenos desejos a crise está aí e ainda não passou do início toda a gente vai ser atingida embora uns mais do que outros e as despesas de cada um terão necessariamente de ser reduzidas porque as receitas também serão menores não estamos a falar das famílias super-endividadas e das que sofrem e ainda virão a padecer os efeitos do desemprego essas já estão a passar as penas do inferno este texto pretende apenas englobar as famílias que têm vivido dentro da realidade dos seus orçamentos com mais ou menos desafogo financeiro os salários da administração pública vão sofrer uma redução os impostos directos e indirectos aumentar os benefícios fiscais encolher ou desaparecer no sector privado os impostos vão sofrer o mesmo aperto e em tudo o resto será igual com a agravante de que o desemprego aumentará os apoios sociais também diminuirão É indubitável que a vida das sociedades do ocidente vão mudar de uma forma radical a época das vacas gordas terminou e a realidade terá de ser encarada porque o tempo da falsa riqueza já lá vai e deixou um rasto de destruição financeira e moral não apenas nas famílias mas também nos estados os governos imitaram as pessoas e viveram à tripa forra demonstrando a profunda mediocridade e a incompetência dos governantes que assaltaram o mundo da política foi dito hoje na rádio na tsf que desde o 25 de abril temos tido todos os anos um défice nas contas do estado o futuro vai exigir uma viragem de 180 graus as famílias e os estados serão forçados então a viver de uma forma diferente com a necessária redução nas despesas de forma a atingir-se o equilíbrio orçamental isso vai reflectir-se necessariamente no modo como celebramos o natal quem mais vai sofrer são as crianças e os adolescentes que estão muito mal habituados a sofrer reveses e a compreender o verdadeiro significado da palavra «não» tito olívio cidade de faro portugal natal de araque marcelo sguassábia e então como foi na entrevista vou ter que engordar uns 22 quilos se quiser pegar a vaga de papai noel o recrutador disse que a barba está boa mas meu rosto está muito chupado só que pra você engordar vai ter que comer e se tivesse o suficiente pra comer não tinha que procurar esse bico não dá pra colocar uns enchimentos debaixo da roupa um almofadão um edredon fofo não adianta papai noel tem cara gorda tem braço gordo e nos gordos de verdade até a voz é diferente a minha é um fiapo maria parece aquelas de pato donald quando entrevistam bandido no jornal nacional bem analisamos todos os candidatos e apesar da magreza optamos por você o esquema é o seguinte você acomoda o peste nos joelhos e faz o interrogatório observando rigorosamente esta seqüência você é um bom menino se comportou durante o ano obedece papai e mamãe vai bem na escola come toda a chicória do prato depois de ouvi-lo mentir em todas as respostas você pega a cartinha da mão dele lê em voz alta coloca ela no saco dá um beijo na testa do ranheta e enfia dentro do envelope o folheto da loja que tem o brinquedo que ele pediu aí você diz pro melequento entregar o envelope pro pai dele falando que é a resposta do papai noel ok o que converter em venda você leva meio por centro feito meu velho o turno era de 14 horas ininterruptas o assento do trono tinha uma pequena tampa que dava direto para um outro trono da celite pra que papai noel não precisasse sair dali pra nada a fila tinha de andar fazer o quê e calculando a conversa de cada pentelho com o bom velhinho mais a pose pra foto tínhamos a média de 2 minutos e meio por peralvilho gui olha só o papai noel Ô mãe é natal ou primeiro de abril por que a pergunta gui papai noel chega de trenó não de helicóptero como esse aí não tem tatuagem da harley davidson e do che guevara perto do cofrinho não fede cachaça ah e na roupa desse velhinho aí tem uma etiqueta escrito casa das festas estranho não esse não é papai noel É um mentiroso sem vergonha É isso mesmo o senhor é um impostor a gente passa o ano todo dizendo para os filhos que mentir é feio que se disser mentira não ganha presente de natal aí chega aqui no shopping e encontra um papai noel fajuto mais suspeito que brinquedo chinês nem criancinha lactente cai nessa esparrela o senhor não passa de um artigo de 1,99 É vamos processá-lo por falsidade ideológica mãe esse papai noel cover não tem nada a ver o verdadeiro nicolau deve estar indignado com esse rascunho genérico chuta o saco dele gui chuta isso o escândalo do noel desmascarado espalhou-se mais rápido que as renas do noel de verdade tiveram de arrumar um substituto às pressas este afiançado pela administração do shopping como legítimo o risonho bonachão e desta vez suficientemente gordo santa claus distribuía ho-hoho s por onde passava no mais os piscas as bolas multicores as guirlandas e os sinos badalando anunciavam um natal a preceito como deve ser contudo um guri capcioso na hora de subir ao colo do obeso acetinado viu o que não devia ver uma fitinha do senhor do bonfim amarrada no punho do papai noel do verdadeiro papai noel Ô manhêêêêêêêêêêêêêê vem cá ver uma coisa http www.consoantesreticentes.blogspot.com/

[close]

p. 12

12 eisfluências suplemento natal dezembro 2010 esperanÇa antónio boavida pinheiro o mundo está de todo conturbado são cheias tempestades furacões catástrofes tsunamis e tornados o degelo os sismos e os vulcões desgraça e miséria por todo o lado ele são guerras doenças convulsões o próprio ambiente está alterado espécies estão em risco de extinções É pois neste cenário apocalíptico que ressurge a confiança quase mítica duma esperança de vida envolta em luz ao relembrar da chegada de alguém que nasceu há 2000 anos em belém e que todos conhecem é jesus lisboa ­ portugal esperando o menino alfredo mendes aos poucos o meu lar vou alindando eu quero que ele esteja especial pois breve será dia de natal e o menino jesus está chegando já estou um pinheiro enfeitando quero que tenha um ar angelical que nos transmita paz celestial com suas estrelinhas cintilando não tenho mirra ouro p ra lhe dar tão pouco tenho incenso no meu lar para lhe ofertar como presente apenas um cantinho acolhedor onde reina alegria muito amor para o receber condignamente 14/12/2010 lagos/portugal navidad sin miradas maría cristina garay andrade como hablarte hermano del olvido y de frente cuando veo a tanta gente caminando indiferente mirando vidrieras adornadas sin sentido verdadero cuando hay niños que tanto sufren en el mundo entero ¿donde van nuestras miradas que no quieren ver ¿atractivas vitrinas donde guirnaldas se exponen para vender ¿a morir en borlas doradas azules verdes o coloradas ¿en panes y dulces con nueces y avellanas sin mañanas ¿y cuando veremos al niño que llora acongojado y espera que en el planeta se termine la impunidad y la ceguera aterrado solo y con hambre marginal de mortajas silenciamos conciencias en iglesias donando migajas mientras esas lágrimas sigan en su rostro sucio y tosco y la indiferencia siga entre nosotros diciéndonos lo desconozco no habrá navidad que juntos un villancico podamos cantar o podamos en familia una noche conjugar el verbo amar navidad es mirar desde la tierra al cielo y en todas sus escalas elevar con fuerza plegarias con celo compartir el pan de cada mesa con quien necesite comerlo y de un cáliz honroso el vino en brindis de augurio beberlo el niño que nació con mansedumbre en su confinamiento a su madre mira con místico deslumbramiento maría con nanas divinas lo acuna a la luz de la luna el lucero encendido muestra el camino de nuestro destino maría cristina garay andrade derechos reservados de autora monte grande ­ buenos aires argentina fechem os olhos fechem antónio barroso tiago fechem os olhos crianças que jesus está chegando traz um monte de lembranças para quem o está chamando fechem os olhos meninos ponham vosso sapatinho já se ouvem cantar os sinos deve estar muito pertinho fechem os olhos garotos que jesus deu atenção aos presentes bem marotos da vossa imaginação fechem os olhos meus filhos pendurem as vossas meias nos pregos ou com atilhos que as malas estão bem cheias já podem abrir risonhos os olhos a tanta luz está na hora de ter sonhos com a vinda de jesus parede portugal 18-12-2010

[close]

p. 13

eisfluências dezembro suplemento natal 2010 13 feliz natal frei betto feliz natal a todos que pulam corda com a linha do horizonte e riem à sobeja dos que apregoam o fim da história feliz natal aos infelizes cativos do desapreço ao próximo da irremediável preguiça de amar do zelo excessivo ao próprio ego e aos semeadores de alvíssaras aos glutões de premissas estéticas aos fervorosos discípulos da ética feliz natal ao brasil dos deserdados às mulheres naufragadas em lágrimas aos escravos do infortúnio condenados à morte precoce e aos premiados pela loteria biológica aos desmaquiadores de ilusões aos inconsoláveis peregrinos da vicissitude feliz natal aos órfãos do mercado financeiro pilotos de vôos sem asas e sem chão fiéis devotos da onipotência do mercado agora encerrados no impiedoso desabrigo de suas fortunas arruinadas e também aos lavradores da insensatez espelhada na linguagem transmutada em arte feliz natal às lagartas temerosas de abandonar casulos ao desborboletear de insignificâncias cultivadoras de ódios aos exilados na irracionalidade do despautério consensual e aos dessedentados na saciedade do infinito no silêncio inefável nas paixões condensadas em prestativa amorosidade feliz natal a quem escapa dos indomáveis pressupostos da lógica consumista dessufoca-se em celebrações imantadas de deidade livre do desconforto da troca compulsória de presentes prenhes de ausências e aos hospedeiros de prenúncios do leque infinito de possibilidades da vida feliz natal a quem não planta corvos nas janelas da alma nem embebe o coração de cicuta e coleciona no espírito aquarelas do arco-íris e a quem trafega pelas vias interiores e não teme as curvas abissais da oração feliz natal aos devotos do silêncio recostados em leitos de hortênsias a bordar com os delicados fios dos sentimentos alfombras de ternura e a quem arranca das cordas da dor melódicas esperanças feliz natal aos que trazem às costas aljavas repletas de relâmpagos aspiram o perfume da rosa-dos-ventos e carregam no peito a saudade do futuro também a quem mergulha todas as manhãs nas fontes da verdade e no labirinto da vida identifica a porta que os sentidos não vêem e a razão não alcança feliz natal aos dançarinos embalados pelos próprios sonhos ourives sapienciais das artimanhas do desejo e a quem ignora o alfabeto da vingança e não pisa na armadilha do desamor feliz natal a quem acorda todas as manhãs a criança adormecida em si e moleque sai pelas esquinas a quebrar convenções que só obrigam a quem carece de convicções e aos artífices da alegria que no calor da dúvida dão linha à manivela da fé feliz natal a quem recolhe cacos de mágoas pelas ruas para atirá-los no lixo do olvido e se guarda no recanto da sobriedade e a quem se resguarda em câmaras secretas para reaprender a gostar de si e diante do espelho descobre-se belo na face do próximo feliz natal a todos que pulam corda com a linha do horizonte e riem à sobeja dos que apregoam o fim da história e aos que suprimem a letra erre do verbo armar feliz natal aos poetas sem poemas aos músicos sem melodias aos pintores sem cores aos escritores sem palavras e a quem jamais encontrou a pessoa a quem declarar todo o amor que o fecunda em gravidez inefável feliz natal a quem no leito de núpcias promove despudorada liturgia eucarística transubstancia o corpo em copo inunda-se do vinho embriagador da perda de si no outro e a quem corrige o equívoco do poeta e sabe que o amor não é eterno enquanto dura mas dura enquanto é terno feliz natal aos que repartem deus em fatias de pão bordam toalhas de cumplicidades secam lágrimas no consolo da fé criam hipocampos em aquários de mistério feliz natal a quem se embebeda de chocolate na esbórnia pascal da lucidez crítica e não receia se pronunciar onde a mentira costura bocas e enjaula consciências e a quem voa inebriado pelo eco de profundas nostalgias e decifra enigmas sem revelar inconfidências nu abraça epifanias sob cachoeiras de magnólias feliz natal a todos que dão ouvidos à sinfonia cósmica e nos salões da via láctea bailam com os astros ao ritmo de siderais incertezas queira deus que renasçam com o menino que se aconchega em corações desenhados na forma de presépios carlos alberto libânio christo o frei betto é autor de 51 livros editados no brasil e no exterior frei betto nasceu em belo horizonte mg estudou jornalismo antropologia filosofia e teologia frade dominicano e escritor ganhou em 1982 o jabuti principal prêmio literário do brasil concedido pela câmara brasileira do livro por seu livro de memórias batismo de sangue veja mais em http www.freibetto.org deus te abenÇoe ricamente neste natal luiz gilberto de barros luiz poeta neste dia de natal eu quero tanto que a família que tu tens esteja unida e que deus coloque um riso no teu pranto e preencha com amor a tua vida neste dia de natal que deus esteja mais que nunca dentro do teu coração e que tudo que o teu sonho mais deseja seja o teu amor em forma de oração neste dia de natal que deus te doe o presente que mais queres e abençoe tua vida linda abundantemente e a deus humildemente eu agradeço porque tenho muito mais do que mereço tua vida abençoada de presente 22/12/2007 rio de janeiro/brasil feliz natal poeta meu irmão eugénio de sá sei que tu és amigo companheiro um projecto de deus feito de amor como um poema raro alvissareiro que a cada verso é mais amansador porque és de cristo a doce emanação e d ele recolheste o que é melhor a humanidade a terna mansidão com que tratas o mundo por penhor neste soneto aqui te trago irmão com a fraternidade que te dou a mão a evocação de um cristo redentor e nela a minha fé que este natal o lembres com amor como um igual um justo paladino um sonhador bogotá colômbia 16 de dezembro de 2010

[close]

p. 14

14 eisfluências dezembro suplemento natal 2010 o suave milagre eça de queirós ora entre enganin e cesareia num casebre desgarrado sumido na prega de um cerro vivia a esse tempo uma viúva mais desgraçada mulher que todas as mulheres de israel o seu filhinho único todo aleijado passara do magro peito a que ele o criara para os farrapos da enxerga apodrecida onde jazera sete anos passados mirrando e gemendo também a ela a doença a engelhara dentro dos trapos nunca mudados mais escura e torcida que uma cepa arrancada e sobre ambos espessamente a miséria cresceu como bolor sobre cacos perdidos num ermo até na lâmpada de barro vermelho secara há muito o azeite dentro da arca pintada não restava um grão ou côdea no estio sem pasto a cabra morrera depois no quinteiro secara a figueira tão longe do povoado nunca esmola de pão ou mel entrava o portal e só ervas apanhadas nas fendas das rochas cozidas sem sal nutriam aquelas criaturas de deus na terra escolhida onde até às aves maléficas sobrava o sustento um dia um mendigo entrou no casebre repartiu do seu farnel com a mãe amargurada e um momento sentado na pedra da lareira coçando as feridas das pernas contou dessa grande esperança dos tristes esse rabi que aparecera na galileia e de um pão no mesmo cesto fazia sete e amava todas as criancinhas e enxugava todos os prantos e prometia aos pobres um grande e luminoso reino de abundância maior que a corte de salomão a mulher escutava com os olhos famintos e esse doce rabi esperança dos tristes onde se encontrava o mendigo suspirou ah esse doce rabi quantos o desejavam que de desesperançavam a sua fama andava por sobre toda a judeia como o sol que até por qualquer velho muro se estende e se goza mas para enxergar a claridade do seu rosto só aqueles ditosos que o seu desejo escolhia obed tão rico mandara os servos por toda a galileia para que procurassem jesus o chamassem com promessas a enganim sétimo tão soberano destacara os seus soldados até à costa do mar para que buscassem jesus o conduzissem por seu mando a cesareia errando esmolando por tantas estradas ele topara os servos de obed depois os legionários de sétimo e todos voltavam como derrotados com as sandálias rotas sem ter descoberto em que mata ou cidade em que toca ou palácio se escondia jesus a tarde caía o mendigo apanhou o seu bordão desceu pelo duro trilho entre a urze e a rocha a mãe retomou o seu canto a mãe mais vergada mais abandonada e então o filhinho num murmúrio mais débil que o roçar duma asa pediu à mãe que lhe trouxesse esse rabi que amava as criancinhas ainda as mais pobres sarava os males ainda os mais antigos a mãe apertou a cabeça engelhada oh filho e como queres que te deixe e me meta aos caminhos à procura do rabi da galileia obed é rico e tem servos e debalde buscaram jesus por areais e colinas desde chorazim até ao país de moab sétimo é forte e tem soldados e debalde correram por jesus desde hébron até ao mar como queres que te deixe jesus anda por muito longe e nossa dor mora connosco dentro destas paredes e dentro delas nos prende e mesmo que o encontrasse como convenceria eu o rabi tão desejado por quem ricos e fortes suspiram a que descesse através das cidades até este ermo para sarar um entrevadinho tão pobre sobre enxerga tão rota a criança com duas longas lágrimas na face magrinha murmurou oh mãe jesus ama todos os pequeninos e eu ainda tão pequeno e com um mal tão pesado e que tanto queria sarar e a mãe em soluços oh meu filho como te posso deixar longas são as estradas da galileia e curta a piedade dos homens tão rota tão trôpega tão triste até os cães me ladrariam da porta dos casais ninguém atenderia o meu recado e me apontaria a morada do doce rabi oh filho talvez jesus morresse nem mesmo os ricos e os fortes o encontram o céu o trouxe o céu o levou e com ele para sempre morreu a esperança dos tristes de entre os negros trapos erguendo as suas pobres mãozinhas que tremiam a criança murmurou mãe eu queria ver jesus e logo abrindo devagar a porta e sorrindo jesus disse à criança aqui estou josé maria de eça de queirós nasceu na póvoa de varzim em 25 de novembro de 1845 e morreu em paris a 16 de agosto de 1900 É um dos mais importantes escritores lusos foi autor entre outros romances de importância reconhecida de os maias e o crime do padre amaro este último é considerado por muitos o melhor romance realista português do século xix.

[close]

p. 15

eisfluências dezembro suplemento natal 2010 15 como era a pessoa de jesus cristo conforme documento que se encontra em roma do governador da judéia públios lentulus ao césar romano soube ó césar que desejavas informações acerca desse homem virtuoso que se chama jesus que o povo considera um profeta e seus discípulos o filho de deus criador do céu e da terra com efeito césar todos os dias se ouvem contar dele coisas maravilhosas numa palavra ele ressuscita os mortos e cura os enfermos É um homem de estatura regular em cuja fisionomia se reflete tal doçura e tal dignidade que a gente sente obrigado a amá-lo e temê-lo ao mesmo tempo a sua cabeleira tem até as orelhas a cor das nozes maduras e daí aos ombros tingem-se de um louro claro e brilhante divide-se numa risca ao meio á moda nazarena a sua barba da mesma cor da cabeleira e encaracolada não longa e também repartida ao meio os seus olhos severos têm o brilho de um raio de sol ninguém o pode olhar em face quando ele acusa ou verbera inspira o temor mas logo se põe a chorar até nos rigores é afável e benévolo diz-se que nunca ninguém o viu rir mas muitas vezes foi visto chorando as suas mãos são belas como seus braços toda gente acha sua conversação agradável e sedutora não é visto amiúde em público e quando aparece apresenta-se modestissimamente vestido o seu porte é muito distinto É belo sua mãe aliás é a mais bela das mulheres que já se viu neste país se o queres conhecer ó césar como uma vez me escreveste repete a tua ordem e eu te o mandarei se bem que nunca houvesse estudado esse homem conhece todas as ciências anda descalço e de cabeça descoberta muitos riem quando ao longe o enxergam desde que porém se encontram face a face com ele tremem e admiram-no dizem os hebreus que nunca viram um homem semelhante nem doutrinas iguais às suas muitos crêem que ele seja deus outros afirmam que é teu inimigo ó césar diz-se ainda que ele nunca desgostou ninguém antes se esforça para fazer toda gente venturosa obs 1 a descrição acima foi traduzida de uma carta de públius lentulus a césar augusto imperador de roma públius lentulus foi predecessor de pôncio pilatos como governador da judéia na época em que jesus cristo iniciou seu ministério o texto original encontra-se na biblioteca do vaticano comprovada sua autenticidade tornou-se fora da bíblia o documento mais importante sobre a pessoa do senhor jesus obs 2 sabemos também que após a crucificação de cristo públius lentulus tornou-se seu seguidor e juntamente com sua filha lívia levava a palavra de deus aos povos da época estudo e divulgação de carmo vasconcelos directora cultural qual o verdadeiro significado do natal mercêdes pordeus enquanto passeávamos conversávamos sobre o que oferecer aos nossos amigos neste natal imaginámos presentes materiais poderia até ser um perfume um cd ou quem sabe algo bem maior e mais valioso do ponto de vista do comércio do mercado consumista hum pensando bem até que lhes agradaria se assim o fizéssemos mas melhor não tudo isso é efêmero tem uma durabilidade limitada e depois depois nada ficaria para que se lembrassem de nós durante o transcurso dos anos seguintes chegámos então a uma conclusão por que lhes oferecer o que eles já possuem com a nossa amizade sim ela ficará fortalecida no dia-adia que essa amizade e carinho sejam como tijolo numa construção alicerçada em bases sólidas e que a substância cimentante a unir-nos seja o carinho e a disponibilidade de ouvir atentamente a outros quando estes estão à nossa espera para apenas uma palavra amiga que possamos sempre lembrar que o natal não é uma festa nossa mas sim o aniversário mor marco da cristandade aniversário este sim de jesus cristo voltemos nosso olhar na sua direção contemplemos e em uníssono proclamemos glória a deus nas alturas e paz na terra entre os homens vamos refletir nessa frase não como meros espectadores mas que possamos nos colocar no contexto do nascimento de cristo direcionando nossos olhos e nosso coração a ele que é o merecedor de toda honra e glória o que queremos oferecer aos nossos amigos é nossa amizade nossos corações abertos recetivos a todos nosso carinho e agradecer-lhes por este ano que estiveram ao nosso lado torcendo por nós e aos que foram chegando depois a todos sem exceção nosso afeto e que deus faça em cada um renascer o natal de paz saúde amor e prosperidade em suas vidas não temais aqui vos trago as boas novas de grande alegria que será para todo o povo é que hoje vos nasceu na cidade de davi o salvador que é cristo jesus o senhor e isto vos servirá de sinal encontrareis uma criança envolta em faixas e deitado sobre uma manjedoura

[close]

Comments

no comments yet