Revista-Comercio-Industria-Julho-2016

 

Embed or link this publication

Description

Revista-Comercio-Industria-Julho-2016

Popular Pages


p. 1

1

[close]

p. 2

2

[close]

p. 3

3

[close]

p. 4

4

[close]

p. 5

5

[close]

p. 6

ÍNDICE EDIÇÃO N°131 - JULHO / 2016 CAPA Akabamentos TENDÊNCIA A indústria da moda LANÇAMENTO Lembranças com Pé no Chão ESPECIAL Dia do Produtor Rural 10 A Akabamentos em seu showroom apresenta pedras e revestimentos da Palimanan, Castelatto e Mentha utilizados em projetos sofisticados como complementação de uma obra de arte. 24 Foto: Michel Sans 26 Após três anos de pesquisas sobre os clubes amadores da cidade, os jornalistas Ivan Roberto Peroni e Rafael Zocco, lançam em exposição no Sesc o livro “Lembranças com Pé no Chão”. 33 Nicolau de Souza Freitas, do Sindicato Rural, preside a cerimônia em comemoração ao Dia do Produtor Rural, dia 29, no Salão de Festas do Lar Nosso Ninho. Sincomercio mostra através de artigo da sua pesquisadora Délis Magalhães, que a moda evoluiu junto à sociedade e sempre foi aliada nas relações pessoais. Editorial 09  | Jornalista Ivan Roberto Peroni diz no editorial que a pergunta “se a cidade fosse sua, o que você faria? deve ter a participação de toda comunidade. Na hora do adeus 14  | Fernanda Musto, gerente do Senac em Araraquara, faleceu em junho, após lutar contra um câncer por mais de dois anos. Perda irreparável. Tributo 20 | O governo paulista a partir de janeiro de 2017 irá descontinuar o emissor gratuito de Nota Fiscal eletrônica e o DANFE. Corretora campeã 51 | A Solssia recebe da Allianz, singela homenagem que evidencia sua trajetória nos 30 anos de sua existência na área de seguros. Em discussão a reforma da previdência A Delegacia Sindical de Araraquara, do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil, organizou em junho seminário sobre a reforma da previdência, ajuste fiscal, sistema tributário, dívida pública e combate à corrupção com a presença de palestrantes de altíssimo nível para discutir temas de tão grande relevância”, disse Walter Miranda, um dos coordenadores do evento. Segundo ele, o evento contribuiu para mostrar a importância do setor na sociedade. O auditor fiscal da Receita, Walter Miranda Obra entregue Rotatória feita pela Prefeitura na confluência das avenidas Alberto Santos Dumont e Eng. Camilo Dinucci, no Jardim Dumont e acesso ao Aeroporto Bartholomeu de Gusmão. 6

[close]

p. 7

DA REDAÇÃO por: Sônia Maria Marques DIA DE CIRCO Rudá chega na cidade MOTOCICLISMO Neto, eterno campeão O feirão de julho só vai ajudar Em tempos de crise e superação, o Feirão do Sincomercio nesta primeira quinzena de julho pode contribuir com a salvação da lavoura varejista que promete se arrastar com desencontros e desacertos até o final do ano. Os desafios nestes dois últimos anos num contexto de inflação alta e incertezas foram além da conta e até poderiam servir de aprendizado e proporcionar exemplos de negócios bem sucedidos se a dor do bolso não fosse tão prolongada. É nisso que o Sincomercio, através do seu presidente Toninho Deliza tem se apegado: encontrar caminhos que ofereçam alternativas de renda para o comerciante, que em determinadas situações, já tem feito quase tudo para não baixar as portas da sua empresa: redução de despesas, renegociação de aluguéis e com fornecedores. O feirão vem neste momento para salvar este comerciante mergulhado na crise? Absolutamente. Vem como um fator que pode contribuir para amenizar o sofrimento do varejista que já teve a oportunidade de passar por situação semelhante num passado não muito distante. Estou falando dos anos que antecederam o plano real e a estabilidade econômica, que podem nos servir de aprendizado e trazer nesta hora exemplos de negócios bem sucedidos. Naquele tempo, como agora, fatores contaram para que alguns negócios do varejo pudessem ter sobrevida e seguissem em frente. Cabe ressaltar que estes fatores não são uma fórmula, mas sim pontos que acredito serem imprescindíveis ao sucesso de qualquer negócio, inclusive em tempos de bonança. Entendo que atualmente os mercados estão se ajustando à realidade, e o feirão combina com a esperança de um novo tempo plantada pelo governo. Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni Supervisora Editorial: Sônia Marques Redação: Rafael Zocco Diretor Comercial: Humberto Perez Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi, Marcos Assumpção, Heloísa Nascimento Design: Carolina Bacardi, Bete Campos, Mário Francisco Pedrolongo Tiragem: 5 mil exemplares Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131 A Revista Comércio & Indústria é distribuida gratuitamente em Araraquara e região * INFORMAÇÕES ACIA: (16) 3322 3633 * COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE 46 Com um ginasta araraquarense em seu elenco, o Circo Rudá em turnê pelo Brasil, vai se apresentar no Teatro Municipal, mudando o conceito sobre a arte circense. 54 Benedito Salvador Carlos conta a história de Olympio Bernardes Ferreira Neto, piloto de técnica refinada, arrojado, de puro talento, abnegado do esporte nos anos 70. Seu nome está na rua 52 | Samuel Brasil Bueno narra a vida de Darcy Moralles, político dos anos 60. Para ele, um homem inovador, que pensava diferente e original. Supermercados 14 62  | Família Lapena inaugura sua terceira loja, agora no Shopping Lupo, buscando o público da região central da cidade. Vem aí o Exporta São Paulo A Secretaria de Ciência, Tecnologia, Turismo e Desenvolvimento Sustentável elabora com os parceiros Sebrae, Ciesp/Fiesp, Correios, Banco do Brasil, Núcleo de Desenvolvimento Empresarial de Araraquara, Acia e sindicatos patronais, as diretrizes do programa Exporta Araraquara. No primeiro encontro foram definidos os caminhos que os empresários irão trilhar para exportarem. Segundo Marimar Guidorzi, secretária do Desenvolvimento Econômico, antes do lançamento do Exporta Araraquara ocorrerão reuniões técnicas semanais com parceiros do programa, sendo as empresas capacitadas individualmente por técnicos do Peiex, mantidos pela ApeixBrasil. O diagnóstico e a capacitação acontecerão na empresa com até 40 horas de aprendizagem com mais de 250 itens abordados para avaliar o produto, as condições de trabalho, organização, logística, layout interno, administração, recursos humanos, gestão de qualidade, finanças e custos, entre outros. O lançamento do Exporta Araraquara está agendado para este mês. Na categoria Desempenho, a empresa araraquarense GeoClean foi uma das exportadoras que mais se destacou em 2015 sendo homenageada em São Paulo pela Facesp, no final de dezembro do ano passado. 7 Fone/Fax: (16) 3336 4433 Rua Tupi, 245 - Centro Araraquara/SP - CEP: 14801-307 marzo@marzo.com.br GeoClean em Araraquara

[close]

p. 8

8

[close]

p. 9

EDITORIAL por: Ivan Roberto Peroni Se a cidade fosse sua, o que você faria? Estamos às vésperas de 2017, praticamente na antessala dos 200 anos de fundação de Araraquara, e, ainda em julho, através de suas convenções, os partidos começam a anunciar seus candidatos a prefeito e a vereador, no âmbito local. Nas redes sociais temos acompanhado uma pergunta feita pela pré-candidata Edna Martins à população: “Se a cidade fosse sua, o que você faria?” E cada qual responde a seu jeito o que efetivamente realizaria, para a construção de uma cidade capaz de oferecer perspectivas de segurança e qualidade de vida aos que virão depois de nós. Talvez seja este, de fato, o melhor caminho a ser percorrido neste momento, dando-se a oportunidade para que as pessoas apresentem sugestões, forneçam ideias e ajudem na formatação de programas que tornem o cotidiano de uma cidade mais criativa. Ora, dirão alguns, isso poderia ter ocorrido antes, não necessariamente agora que estamos adentrando ao período eleitoral; outros haverão de alegar falta de garantias para que se cumpra o pedido, ainda mais quando o País está mergulhado em crise, arrastando para o fundo do poço os estados e os municípios. Araraquara não está excluída da lista de cidades que sofrem as consequências ocasionadas por um governo que nos últimos anos, tem sido insistente num discurso de exaltação à democracia teórica, querendo se valer das classes desfavorecidas, mais sofridas e menos esclarecidas, que ainda não aprenderam a prática do completo exercício da cidadania. Neste momento de crise política e econômica é fácil ficar pessimista. A confiança dos consumidores é a mais baixa em 10 anos e a dos empresários, ainda menor. É aí que mora a oportunidade de cada um mostrar no espaço onde vive, os problemas que afligem a sua comunidade. A prática nos ensina que, em situações assim, o melhor é encontrar na criatividade rumos que nos livrem das preocupações; reclamar do buraco na rua, da árvore mal podada, do mato que cresce, refletem o dia a dia da cidade, mas não espelham a necessidade de um comércio forte, uma indústria produtiva, gerando empregos e qualidade de vida para as pessoas. A pergunta “se a cidade fosse sua o que você faria” tem uma amplitude fantástica que praticamente foge ao contexto político e envereda pelos campos comerciais, industriais, universitários, pois não vivemos mais o romantismo dos anos 60 e forçosamente temos que ser participativos, compartilhando ideias e criando alternativas para a consolidação de uma cidade saudável, gostosa, admirada e respeitada. Segundo o filósofo chinês Wu Hsin, “a expectativa é o avô da decepção”. Quanto mais extremas as expectativas, positivas ou negativas, mais facilmente elas não se concretizarão. Não podemos viver então de expectativas, temos que nos assegurar na realidade que está a nossa frente, pois quem tem medo do futuro não vai às compras, nem investe em seu negócio. Temos que investir na inovação, temos que nos tornar mais criativos e produtivos. Povo que sabe o que a cidade precisa tem fugido de governos centralizadores; a estes cabe apenas o uso da política para o exercício do poder. 9

[close]

p. 10

REPORTAGEM DE CAPA A beleza da casa com revestimento em pedra Akabamentos sempre com produtos exclusivos e atendimento personalizado Construir uma casa é um projeto de vida, um sonho que todos nós temos e ao pensar na idealização desta casa, a etapa final é a mais importante: o acabamento. Araraquara conta com o profissionalismo da loja Akabamentos que oferece atendimento personalizado e produtos exclusivos, encontrados apenas em grandes centros. Texto: Maribel Santos O empresário Alexandre Dias em entrevista para a RCI, disse que a empresa que oferece variedade de produtos sempre está à frente, e a qualidade e a exclusividade, são o diferencial em um mercado cada vez mais competitivo. A palavra “crise” é abolida no dia a dia. Determinado, competente e ousado, Alexandre possui um estoque significativo de produtos em sua loja e diz que essa é a forma de atender prontamente o cliente, que não precisa esperar dias para que o pedido seja entregue. Com uma equipe de vendedores qualificados, a família Dias investe em treinamentos para que o cliente seja bem atendido e que receba todas as 10 informações de cada produto. Os treinamentos ocorrem de uma forma descontraída, sempre com um cafezinho. Alexandre complementa: sentamos e conversamos, não é um treinamento convencional, com palestras cansativas, mas sim, um bate papo para alinharmos a equipe e passarmos as informações necessárias, pois ter um vendedor bem informado é uma forma de deixar o cliente seguro ao fazer sua escolha para embelezar a sua casa. A Akabamentos entre tantas variedades e marcas, destaca três empresas com produtos de altíssimo nível: Palimanan, Castelatto e Mentha.

[close]

p. 11

PALIMANAN A Palimanan Pedras Naturais é uma empresa especializada na prospecção, importação e comercialização de revestimentos para pisos, paredes, piscinas, espelhos d’água, áreas secas e molhadas e projetos paisagísticos, procedentes de diversas regiões do planeta, conhecidas em converter matérias-primas naturais em revestimentos originais e diferenciados. Referência no mercado, sempre buscando novidades em diferentes regiões do mundo, tem em seu portfólio pedras naturais, pedras vulcânicas, seixos rolados, soltos e telados, tijolos de estilo inglês, francês, italiano, provençal, pedra ônix e mármores travertinos que fazem parte do grande mix de produtos da Palimanan. Pedra Hijau Lisa de casas antigas e instalações rurais, alguns modelos são revestidos de garrafa pet. As peças são feitas de acordo com o projeto, podendo alcançar qualquer área, interna ou externa e podem ser usadas tanto em ambiente comercial ou residencial. O efeito é belíssimo! Painel de madeira reciclada e garrafa pet CASTELATTO PISOS E REVESTIMENTOS A Castelatto Pisos e Revestimentos desenvolve uma linha completa de pisos e revestimentos premium, com grande variedade de formatos, cores e texturas. Líder no segmento de pisos e revestimentos de concreto arquitetônico, a Castelatto oferece as mais versáteis e inovadoras soluções para todos os ambientes e estilos. Sempre atenta às tendências de design, seus produtos promovem um visual exclusivo aos espaços e permite a personalização dos ambientes com diferentes usos de paginações, inclusive com elementos interativos. Os revestimentos saíram da área externa, ganhando espaço na área interna, embelezando com sofisticação e bom gosto. 11 Ecobrick Capuccino Pedra ornamental, com variações de verde em sua coloração, ideal para piscinas, espelho d’água e áreas molhadas em geral. O revestimento molhado realça os tons de verde deixando-o ainda mais bonito e sofisticado. MENTHA PISOS A Mentha Pisos é uma empresa que fornece, além de pisos, painéis decorativos, biombos, rodapés, portas e projetos especiais, que são personalizados de acordo com o gosto do cliente. Os pisos produzidos pela Mentha Pisos são diferenciados, feitos de madeira reciclada, reaproveitada Eclypse ATENDIMENTO AKABAMENTOS Avenida Luiz Alberto, 838 / Vila Velosa Telefone: (16) 3324.9999 www.akabamentos.com.br

[close]

p. 12

ECONOMIA DOMÉSTICA Feijão nosso de cada dia Há exatamente dois anos o quilo do feijão carioca era encontrado nos supermercados da cidade por até R$ 2,49; o que mudou para chegar a R$ 15,00? No dia 11 de julho de 2014 o jornal Tribuna estampava em suas páginas que “A mais brasileira das ‘misturas’ está mais barata para o consumidor. O preço do feijão tipo carioca caiu até 37%, nas prateleiras de supermercados de Araraquara. Com isso, o tradicional arroz com feijão também pesa menos no bolso. A baixa deve permanecer pelos próximos dois meses. A porcentagem foi calculada com base nos registros deste ano por um supermercado da cidade. Entre os valores, o mês de julho marca o preço mais baixo do produto, que pode ser encontrado por R$ 2,49.” Dois anos depois o panorama é outro: os preços do prato típico do araraquarense, o feijão com arroz, dispararam. Isso dificulta a vida do consumidor, especialmente o de baixa renda, que, acuado pela recessão e pelo desemprego, cortou a compra de itens supérfluos no supermercado. De acordo com o IBGE, que mede a variação nas capitais, o preço do fei- Feijão carioca, chegando aos R$ 15,00 o quilo 12

[close]

p. 13

jão subiu 33,49% no ano até maio e 41,62% em 12 meses. Mas já existe uma alta de preço do arroz no varejo encomendada. É que a cotação do saco de 50 kg do arroz tipo 1, em casca, atingiu R$ 44,52 em junho, o maior valor registrado no Rio Grande do Sul em quase 20 anos, segundo o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga). E parte do repasse acaba sendo inevitável, principalmente, porque ser um alimento básico. Os varejistas de mercados em Araraquara ponderam que os problemas climáticos, por causa do fenômeno El Niño, que afetaram a safra do Rio Grande do Sul, o maior produtor do País, também prejudicaram as lavouras do Uruguai e da Argentina. A consumidora Maria de Almeida reclama do preço que tem que pagar pelo alimento. “Fora do normal. A gente não consegue ter dinheiro para comprar feijão”, declarou. Em julho de 2014, Luís Marcelo da Silva, que comprava em torno de três Maria de Almeida nas visitas rotineiras aos supermercados, procura achar preços mais em conta, só que o feijão assusta pacotes de dois quilos por mês, dizia à Tribuna que a queda era interessante. “Faço levantamento em dois supermercados diferentes para pagar mais barato, mas não tinha prestado atenção à queda. Agora que sei, vou aproveitar, porque o preço baixo é compatível com o meu bolso”, diz Luís. Passados dois anos ele sabe que a realidade é outra. Foto: Deivide Leme/Tribuna Luís Marcelo da Silva, dois anos atrás, comprando feijão num mercado da cidade 13

[close]

p. 14

HOMENAGEM Senac vê partir sua gerente Fernanda Musto Ela chegou em nossa cidade pouco antes do Senac completar 60 anos de fundação em 2009; aqui fincou raízes e dizia sempre que sentia-se em casa, enaltecendo a recepção que tivera. Partiu no dia 24 de junho fora do combinado com os amigos, que lhe amavam. A marca de um sorriso permanentemente em festa é o que ficou em cada pedaço do Senac com o falecimento da sua gerente Fernanda Maria Fornazieri Musto, na segunda quinzena de junho. Sua convivência com Araraquara tornou-se forte a partir de 2007 quando aqui ela chegou num momento que a escola buscava se revitalizar com novos projetos, que segundo ela seriam Fernanda em sua sala no Senac ousados até mesmo por questões de necessidade: moldar os hábitos de um novo tempo à cidade que entrava em acelerado processo de desenvolvimento econômico. E FerFernanda faleceu aos 44 anos de idade, dos quais 23 anos dedicados ao Senac nanda aceitou o desafio. Ela sabia que nos últimos 60 anos o Senac fora responsável pela PARA ALÉM DO INFINITO formação e qualificação de milhares Foi com este título em publicação de pessoas que, ao longo do tempo, passaram a ocupar postos no mundo no jornal O Imparcial que a jornalista do trabalho, contribuindo para o de- Maribel Santos se despediu de Fernansempenho das empresas. Só que na- da, que ela tinha na conta de grandes quele momento a profissionalização e amigas. “Nós nos conhecemos há nove a modernização do mercado local de comércio, serviços e turismo precisava anos. Lembro exatamente quando soube de sua chegada, e que estava apresentar um novo perfil. Fernanda era objetiva ao dizer que assumindo a gerência do Senac Araraa maoria dos estabelecimentos comer- quara. Quando nós nos encontramos ciais e das empresas de Araraquara a primeira vez, fui recebida com este sempre possuiu em seus quadros fun- sorriso doce, olhinhos brilhantes, com cionais, profissionais que passaram simpatia e alegria. E como falamos. pelo Senac, seja ensinando ou apren- Transferida de São Paulo, você estava dendo. “Isso se deve ao fato de a orga- feliz profissionalmente, mais ainda por nização estar sempre em consonância estar mais perto de Ribeirão Preto, por com o pulso da lodalidade em que está ter a família morando lá. Quando me despedi de ti a sensação que tive, que inserida.” E dentro dela havia sempre um de- naquele instante, eu estava ganhando sejo: “O nosso objetivo é o de dissemi- uma amiga, mas não daquelas que prenar conhecimentos e operar transfor- cisamos estar sempre juntas, ligar toda mações positivas, visando a evolução hora e cobrar algo. Ao contrário. Minha das organizações de porte menor”. De intuição não falhou, nascia ali uma amifato, os empresários passaram a rece- zade de almas. Filha dedicada, carinhober maior apoio mercadológico e opera- sa, irmã presente e tão prestativa, você cional para a promoção dos seus negó- deixou o seu exemplo de amor incondicional”, escreveu Maribel. cios, graças ao trabalho de Fernanda. 14

[close]

p. 15

Superendividados Foi lançado em junho no Paço Municipal o programa “Superendividado”, iniciativa do Procon Araraquara em parceria com o Sindicato do Comércio Varejista. De acordo com o prefeito Marcelo Barbieri, que comandou o encontro, o objetivo é recuperar o crédito da pessoa física superendividada com orientações sobre finanças, renegociação das dívidas amigavelmente, e estabilizar o controle de gastos em acordo com o orçamento familiar, de modo a garantir a subsistência da família. Podem participar do programa pessoas maiores de idade, capazes e com residência num dos 645 municípios do Mutirão dos Reunião na Prefeitura para resolver os problemas dos superendividados INICIATIVA Estado de São Paulo. É necessário ter renda familiar mínima e boa-fé (avaliada de acordo com a veracidade das informações prestadas). “Estamos passando por um momento grave da economia e a recuperação não será rápida. Esse é um projeto importante que resgatará pessoas em situação de desespero, realizando também educação financeira para aqueles que participarem do programa”, ressaltou o prefeito Marcelo Barbieri. O secretário Municipal de Negócios Jurídicos, Delorges Mano, lembrou que essa é uma forma de trazer novamente consumidores ao comércio local. O coordenador executivo do Procon Municipal, Rodrigo Martins, lembrou que o programa já existe em outros locais e possui índice de 90% de solução. “Essa iniciativa em somar os outros serviços prestados pelo Procon já existe em São Paulo e é considerada sucesso, com 90% de solução”, comentou Martins. Para o assessor jurídico do Sincomercio, Iran Carlos Ribeiro, esta ação trará auxílio para todo o comércio de Araraquara. COMO FUNCIONA O interessado em aderir ao PAS fará um cadastro no site da Fundação Procon SP (www.procon.sp.gov.br) ou no site da Prefeitura (www.araraquara. sp.gov.br) com seus dados pessoais, socioeconômicos, informações financeiras, breve relato da situação e mapa dos credores. 15

[close]

Comments

no comments yet