Gazeta Valeparaibana

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Revista Gazeta Valeparaibana Julho 2016

Popular Pages


p. 1

Ano IX - Edição 104 - Julho 2016 Distribuição Gratuita Nove anos a serviço da educação, culturas e tradições brasileiras e da cidadania RECICLE INFORMAÇÃO: Passe este jornal para outro leitor ou indique o site - Boa música Brasileira Cultura Educação Cidadania Sustentabilidade Social Agora também no seu www.culturaonlinebr.org Baixe o aplicativo IOS Recomendados EDITORIAL É fácil escrever? Há escritores que desprezam o rigor da linguagem acreditando que apenas passar sua ideia ao papel automaticamente como se fossem psicografar, o tornará um best-seller, dessa forma, apenas está revelando seu despreparo. GenhaAuga – Jornalista MTB: 15.320 A educação na era digital Mariene Hildebrando Um dos maiores crimes já cometidos contra a juventude brasileira é a aprovação automática. Essa política perversa, instituída em São Paulo pelas mãos do PSDB em 1995, condena toda uma geração à ignorância, e o ensino público à destruição. O grande pretexto da aplicação da política chamada de “progressão continuada”, que na verdade significa aprovar o aluno independente do seu desempenho, é gastar menos. Desta forma, centenas de governantes de cidades e estados brasileiros passaram a adotar a prática, tornando a luta contra a aprovação automática uma bandeira de estudantes de todo o país. A política consiste em aprovar o aluno de ano sem nenhum tipo de avaliação. Desta forma, não importa se um aluno aprendeu o conteúdo dado e o outro não. Os dois serão aprovados no final do ano e irão para a série seguinte. O que vemos são estudantes que ao completar os ciclos, não conseguem realizar operações simples de matemática ou interpretar um texto. Isso quando temos, em pleno ensino médio, colegas de classe que mal foram alfabetizados. A escola pública não ensina porque foram retiradas a autonomia e a autoridade do professor em cobrar, desmotivando-o de todas as formas a realizar o fundamental para o aprendizado: exercitar. Sabemos que não é suficiente o professor ficar os 50 minutos da aula ensinando a teoria se ao final não tentarmos aplicar no concreto aquilo que está sendo ensinado. É nessa hora que surgem as dúvidas, que vemos onde estão as nossas dificuldades e que buscamos a superação, com a ajuda do professor. Assim como é de fundamental importância que o aluno tente sozinho resolver as questões apresentadas, com as listas de exercícios para a lição de casa. E que o professor se preocupe em cobrar e corrigi-los conjuntamente. Nossas dificuldades e frustração só aumentam na hora de pleitear uma vaga na universidade. Além da concorrência desleal com os estudantes de escolas particulares, que tornam nosso acesso às melhores universidades do país ainda mais dificultoso, quando conseguimos chegar às salas de aula do ensino superior, a cobrança é ainda maior. Um exemplo disso é que pelo menos 50% dos alunos de Engenharia do país desistem por não conseguirem acompanhar o curso. Em São Paulo, a luta dos estudantes secundaristas fez com que, o prefeito da cidade acabasse que a aprovação automática no ensino municipal. Outras cidades, como Rio de Janeiro e Florianópolis também botaram fim ao crime, e reestabeleceram a prática dos exercícios e das avaliações. Fonte: umes.org.br Página 3 A natureza e a música - parte II Maestro Luís Gustavo Petri Página 4 Exemplos do passado. João Paulo E. Barros Página 5 Gênero nas Escolas: Ideologia ou identidade? Ivan Claudio Guedes Página 9 Crônicas e Poesias Genha Auga Página 7 E tem muito mais matéria... Confira! www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 2

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana dia do escritor Página 2 Editorial - 25 de Julho É FÁCIL ESCREVER? sua ideia central devido à variação da imaginação de quem o lê e para isso,certamente, adequar um vocabulário Parece fácil escrever, que será entendido e não esquecer para quem está escreprincipalmente nos dias vendo e com o compromisso firmado com sua consciênde hoje que, a cada dia, cia. surgem literaturas de nível tão baixo que real- Há escritores que desprezam o rigor da linguagem acredimente, tem-se a impres- tando que apenas passar sua ideia ao papel automaticasão que é um ofício qua- mente como se fossem psicografar, o tornará um bestse que milagroso, como seller, dessa forma, apenas está revelando seu desprepase bastasse apertar o ro. Não se trata de passar o dia em cima do papel, mas, de produzir e escrever dialogando consigo mesmo sem se botão de uma máquina para sair um livro. preocupar com a quantidade e sim com a qualidade. Um bom escritor, salvo alguns consagrados na história, é um compositor de palavras que cria poesias, contos, ro- Muitos escritores relatam sua preguiça em escrever, mas, mances, crônicas através de métodos que incorpore sua lutam a vida toda para criar uma rotina de trabalho que personalidade num jogo de convencimento próprio e mui- não lhe impeçam de realizar suas intenções, adotam meios para isso e descobrem pouco a pouco a melhor forma tas vezes tortuoso. de fazê-lo aumentando gradativamente sua predisposição. Para não se interromper, o escritor não pensa nas suas É preciso coragem para seguir esse caminho,principalmente o autor novato que mesmo talentoso, dúvidas gramaticais, no sistema em que vive e que não o mas sem apoio dos mais influentes, tem que se dispor defende culturalmente, ou, no quanto irá ter que dispor acerta disciplina e cobranças de si próprio, lutando contra financeiramente para publicação de seu livro. Primeiro as interferências alheias e empenhar-se no exercício diá- conta com sua própria coragem e disposição, coloca nas rio contra a procrastinação e não ceder às tentações a seu mãos o que observou durante o dia e a noite, seus sonhos, suas lembranças, suas incertezas, não deixando redor. nada de lado e alimentando sua imaginação. Não pensa Muitas vezes o escritor fica debruçado por horas em cima em ser perfeito, mas sim o melhor que puder e, atento à de um tema e depois que a mão“alegremente”,está desen- vida, escreve cada vez mais superando aqueles que apevolvendo uma história, uma pequena intercorrência duran- nas escrevem. te o processo, pode tirá-lo totalmente da concentração como se o acordasse do meio de um sonho que gostaria Se você está engajado nessa quase missão, aja dessa de retomar em seguida, mas perde “o fio da meada”, pre- forma, você pode não ser ainda um grande escritor, mas cisando recomeçar. Diferente de quando se tem um ambi- pense e dedique-se como um e isso o tornará um deles. ente próprio, horário estabelecido e desconectado da tec- Essa conquista é para os que não desistem e se aprimoram sem buscar a aprovação geral, mas fazendo o melhor nologia poderá escrever até a hora que quiser parar. que puder. Não se trata de apenas inspiração, mas, também de disposição, privacidade, imersão completa na história para Se você quer ser escritor lute com as palavras e não esainda aprimorá-la tecnicamente no formato tecnológico e, queça que milhares de escritores estão, ao mesmo tempo, literário, cortando ou acrescentando detalhes, se preciso escrevendo como você... reescrevê-la e sempre disposto a reaprender se quiser um Portanto, seja um dos melhores para que sua obra o eterdia fazer a diferença, pois talento exige também persistên- nize. A Justiça Social é responsabilidade de TODOS NÓS, a luta por cia, senso crítico e sensibilidade. essa conquista deve ser INCANSÁVEL... Responsabilidade Social O que tem importância no cenário empresarial, não é mais ter a visão de um grande produto a ser lançado, mas dispor de uma grande potencialidade humana no sentido de construí-lo e demonstrá-lo nos mínimos detalhes em relação as suas qualificações e diferenças adicionais. Um bom treinamento deve quebrar barreiras, extraindo do potencial individual, a forma coletiva para que seja convertida em ações criativas, inovadoras, de consenso pelo próprio envolvimento, preparando pessoas para que vençam seus desafios, melhorando e acreditando na sua capacidade, necessidade, visão e integração. Não importa o que façamos ou com quantos façamos, o que vale é a relação do nosso próprio nome com a qualidade da recepção que obtemos por onde atuamos. Tudo que somos vem de uma combinação do que conseguimos traduzir em instrumentos facilitadores e os resultados dessa construção. Cada um de nós tem um estilo próprio, mas num caminho aonde estratégias, planos, metas e legislação sempre estabelecerão as regras do como seguir os passos para os resultados. Profissionais responsáveis não se deixam influenciar por mensagens postadas em redes sociais sem a devida confirmação. Quem faz isso é FOFOQUEIRO. Responsabilidade e Respeito serão as novas ordens sociais do futuro. A Justiça Social é responsabilidade de TODOS NÓS, a luta por essa conquista deve ser INCANSÁVEL... O escritor alinhava suas palavras a pessoas, a fatos reais Não será fácil! ou imaginários, acrescenta elementos que os unem e a partir disso inicia uma obra e, nem sempre, consegue expressar aquilo que exatamente pretendeu contar, mas precisa ter a consistência necessária para fixar no leitor Genha Auga jornalista MTB: 15.320 Rádio web CULTURAonline Brasil NOVOS HORÁRIOS e NOVOS PROGRAMAS Prestigie, divulgue, acesse, junte-se a nós ! A Rádio web CULTURAonline Brasil, prioriza a Educação, a boa Música Nacional e programas de interesse geral sobre sustentabilidade social, cidadania nas temáticas: Educação, Escola, Professor , Família e Sociedade. Uma rádio onde o professor é valorizado e tem voz e, onde a Educação se discute num debate aberto, crítico e livre. Mas com responsabilidade! Acessível no link: www.culturaonlinebrasil.net Os artigos publicados são responsabilidade de seus autores, não refletindo necessariamente a opinião da Gazeta Valeparaibana IMPORTANTE Todas as matérias, reportagens, fotos e demais conteúdos são de inteira responsabilidade dos colaboradores que assinam as matérias, podendo seus conteúdos não corresponderem à opinião deste projeto nem deste Jornal. A Gazeta Valeparaibana é um jornal mensal gratuito distribuído mensalmente para download na web Gazeta Valeparaibana e CULTURAonline BRASIL Editor e Jornalista responsável: Filipe de Sousa - FENAI 1142/09-J Ajude-nos a manter este projeto por apenas R$ 2,00 mensal Email: assinaturas@gazetavaleparaibana.com Juntas, a serviço da Educação e da divulgação da CULTURA Nacional

[close]

p. 3

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 3 Educação A Educação na era Digital. Como lidar com a educação digital nas escolas e estabelecimentos de ensino, com os processos e práticas inovadores, com toda essa conectividade e tecnologia que apresentam mudanças rápidas a todo momento? Até que ponto essa tecnologia ajuda no aprendizado? Podemos achar que o uso da internet por exemplo, só traz benefícios? Por meio da internet, temos acesso a uma maior variedade de oportunidades de aprendizagem, independente de geografia ou circunstância socioeconômica. Professores e alunos tem informação e tecnologia disponível, saber usar isso tudo é importante na construção de novos conhecimentos, a internet funciona como um espaço social, ela é transformadora, junto com outras ferramentas digitais possibilita o conhecimento, o aprendizado. Todas as produções culturais e científicas que surgem a todo o momento estão ao nosso alcance. A Educação Digital ajuda a aproximar o professor dos alunos e torna a aula mais interessante. Não há dúvida de que a tecnologia digital veio transformar a maneira como se ensina. O professor precisa ter capacitação, educação, saber utilizar todas as ferramentas e saber conectar tudo isso. Entender o processo ajuda a motivar o aluno, e a aumentar o interesse dele pela aula. O professor precisa se preparar para utilizar essa tecnologia. As escolas tem que providenciar esse preparo. Temos que falar a mesma linguagem dos alunos. A tecnologia quando bem utilizada no ensino aprendizagem, e mesclada com a aula mais tradicional produz uma educação mais efetiva. Essa mescla tem que ser bem dosada.O aluno é sujeito ativo e tem grande participação na sua própria aprendizagem, mas ela não vai acontecer como um milagre apenas com o uso das TICs. O professor tem que inspirar o pensamento crítico, agir aliando as tecnologias aos métodos utilizados em aula para melhorar o ensino aprendizagem. Tanto professor quanto aluno através da internet tem acesso a milhares de informação, que geram saberes, aprendizagens, todo tipo de conhecimentos. O professor pode agir como mediador, sugerindo, estimulando, solucionando questões. Com o uso da tecnologia novas linguagens são incorporadas ao cotidiano dos nossos jovens, como o uso do polegar para escrever mensagens no telefone móvel, o uso de ícones, símbolos e imagens que possibilitam uma nova maneira de interagir e se comunicar. Uma nova linguagem visual, sites de relacionamento, chats, salas de bate-papo, tudo feito com uma rapidez espantosa. A juventude do século 21 é uma juventude que produz mais e melhor, devido a acessibilidade as novas tecnologias. O aluno tem se empoderado da aprendizagem dentro de redes conectadas. Ele se conecta as informações quando e como acha necessário. As tecnologias trazem uma nova forma de nos comunicarmos, diferentes linguagens , maior desenvolvimento da leitura e da escrita, novas maneiras de pensar. Por isso a importância do professor saber como utilizar a tecnologia de forma correta, se apropriar desse conhecimento, estar atualizados com as TICs, para poder criar novas possibilidades de ensinar, agir também como orientador, motivador, estimulador, incentivador do aluno, através de atividades que exigem planejamento. O professor se torna parceiro do aluno, trabalham juntos, descobrem juntos, constroem juntos o conhecimento e a aprendizagem. Os desafios não são pequenos, é necessário que os educadores tenham uma nova postura que envolva toda a escola, alunos, gestão escolar, adaptação da parte física da escola se for necessário. Transformar a produção do conhecimento através da tecnologia, dessa nova sociedade da informação, nos relacionarmos com esse novo horizonte de forma a nos apropriarmos dessa nova maneira de ensinar e de aprender também. A ideia geral é de cooperação, novas posturas e repensar a construção de uma nova escola. Mariene Hildebrando Professora e especialista em Direitos Humanos Email: marihfreitas@hotmail.com Calendário Principais datas comemorativas 06 - Dia criação do IBGE 09 - Dia Revolução e Soldado Constitucionalista 14 - Dia Liberdade de Pensamento 15 - Dia do Homem 17 - Proteção às Florestas 18 - Dia Internacional de Nelson Mandela 20 - Dia da 1ª Viagem à Lua 25 - Dia do Escritor 26 - Dia dos Avôs 28 - Dia do Agricultor 30 - Dia Internacional da Amizade www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 4

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 4 Fala maestro mo assim continuou a compor. No começo dessa era em meio a grande inquietação política que As águas sempre marcou a história de seu país ele compôs um ciclo de poemas sinfônicos chamado Má Vlast (Minha Pátria). O segundo deles se chama Vltava (Moldávia). O rio Moldávia é um rio que corta a Boêmia, região da qual a República Checa faz parte. O poema sinfônico é lindo e descreve o curso do rio desde as suas duas nascentes até sua foz no rio Elba. Começa descrevendo as duas nascentes, que se unem para atravessar florestas e nevoeiros, paisagens onde acontece uma festa Cumprindo minha promessa seguiremos falando de casamento de camponeses, uma dança de sereias ao luar, ao lado de castelos, palácios e ruíde Natureza e Música. nas sobre rochedos, segue até as corredeiras de Em nosso artigo de abril falávamos das estações S. João, depois ele se alarga e corre até a linda e de duas das mais famosas representações descidade de Praga onde passa pelo forte de se fenômeno natural. Vyšehrad (onde inclusive Smetana tem seu túmuHoje falaremos da força das águas. lo) e deságua majestoso no rio Elba. A Natureza e a Música, parte II Foram as lágrimas da lua que deram origem ao nosso rio Amazonas. Uma obra forte e imponente. https://youtu.be/ DkvaoXcITLs Outras obras inspiradas em rios que merecem uma procura na internet: O início da ópera Das Rheingold (O ouro do Reno) de R. Wagner, o prelúdio da ópera Khovanschina de Moussorgsky conhecida como “Crepúsculo do Rio Moscou”. e outras! Mares Água, elemento vital, é encontrada na natureza de várias formas. Em fontes, rios, mares, lagos, neve e gelo, chuvas e tempestades. E em cada um destes formatos a água é regida pelas forças da Natureza desde a forma mais calma àquela mais imponente e violenta. Da mesma maneira que as estações impressionaram compositores, as águas também deixaram suas marcas na história da música. Rios O mar também foi fonte de inspiração. A obra mais conhecida talvez seja La mer (O Mar) de C. Debussy. Um compositor francês que viveu na segunda metade do séc XIX e início do séc XX responsável por uma grande transformação na música. Representante máximo do impressionismo na música, ele compôs uma obra em três moÉ muito gostoso ouvir essa obra imaginando todos vimentos que descreve suas impressões sobre o esses trechos, a descrição de Smetana em sua mar. música é contagiante. Aqui um belo exemplo, e com imagens que ajudam a acompanhar a descri- As partes se chamam: De l’aube à midi sur la mer (Da aurora até o meio-dia sobre o mar), ção: https://youtu.be/gTKsHwqaIr4 No nosso país temos vários rios majestosos, mas Jeux de vagues (Jogo das ondas) e Dialogue du talvez o Rio Amazonas seja o mais impressionan- vent et de la mer (Diálogo entre o vento e o te. E claro, compositores brasileiros também o mar).Os títulos já falam por si próprios. A obra é homenagearam de várias formas. Nosso querido uma pintura, merece ser ouvida com atenção váHeitor Villa-Lobos fez várias obras com referência rias vezes. https://youtu.be/EtJ9FhwtthE Uma ópera de Wagner Der fliegende Holländer (O holandês voador) fala de um Navio Fantasma que aparece em meio a neblina e águas turbulentas. É uma história de amor e maldição fascinante. Em sua abertura há trechos que mostram a turbulência das águas. Vale a pena ouvir e conhecer a descrição dessa sensação nas mãos do mestre. https://youtu.be/0cBl1171sQo Seguiremos falando sobre águas e suas manifestações musicais nos próximos artigos! Mto. Luís Gustavo Petri é regente, compositor, arranjador e pianista. Fundador da Orquestra Sinfônica Municipal de Santos. Diretor musical da Cia. de Ópera Curta criada e dirigida por Cleber Papa e Rosana Caramaschi. É frequente convidado a reger as mais importantes orquestras brasileiras, e em sua carreira além de concertos importantes, participações em shows, peças de teatro e musicais. direta ou indireta a esse rio e à floresta a qual ele Há inúmeras obras inspiradas nos rios, que im- corta imponente nascido da confluência de dois pressionam seja bela sua beleza, ou por sua for- grandes rios, o Solimões e o Negro. Uma das oça. bras que se refere diretamente ao Rio Amazonas Uma das mais conhecidas de todos é uma valsa é o poema sinfônico Erosão - A origem do Rio Acomposta por J. Strauss Fº: An der schönen blau- mazonas. Villa descreve o rio como uma força en Donau (No belo Danúbio Azul). O Danúbio é misteriosa e poderosa, descrevendo sons da floum rio que nasce na floresta negra alemã e que resta e a força de suas águas. Há um trecho bem corta a Europa até o leste, e tem seu delta no Mar “violento" onde é descrita a famosa pororoca que Negro cortando vários países como a própria Ale- é o encontro das águas doces do rio com as salmanha, Áustria, Croácia, Romênia, Sérvia, Bulgá- gadas do mar (pororocas que estão em extinção ria e outros. Na Áustria ele corta Viena, sua bela por causa do homem, por sinal). Villa-Lobos se capital com uma história preponderante na música inspirou numa tradição indígena da criação do rio erudita européia. Strauss “O Rei das Valsas) nas- Amazonas descrita desta maneira por Barbosa ceu próximo a Viena e ficou conhecido por suas Rodrigues: Há muitos anos, a lua era noiva do sol, mais de 500 obras dançantes entre valsas, polcas que com ela queria se casar, mas, se isso acontee quadrilhas. Mas é sua homenagem ao rio que cesse (…), destruir-se-ia o mundo. O amor ardencorta sua cidade que o fez conhecido até hoje. É te do sol queimaria o mundo e a lua, com suas tradição em seu país executar essa obra na meia- lágrimas, inundaria toda a terra; por isso, não punoite do Ano Novo. Para quem não a conhece de deram se casar. A lua apagaria o fogo; o fogo evaporaria a água. Separaram-se, então, a lua panome segue um exemplo no YouTube. ra um lado e o sol para outro (…). https://youtu.be/tEDxGTLAUsQ A lua chorou todo o dia e toda a noite, e foi então Oa rios às vezes são estrelas de um país, e muique as lágrimas correram por cima da terra até o tas vezes são usados para que o compositor homar. O mar embraveceu e por isso não pôde a lua menageie sua terra através de um rio. B. Smetana misturar as lágrimas com as águas do mar, que foi um compositor checo. Assim como Beethoven meio ano corre para cima, meio ano, para baixo. passou a última década de sua vida surdo, e mes- O homem que não tem a música dentro de si e que não se emociona com um concerto de doces acordes é capaz de traições, de conjuras e de rapinas. William Shakespeare www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 5

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 5 Cidadania entre os homens sem recorrer à violência. Mas Roma recorreu e muito à violência. Roma tentou reprimir a nova doutrina e o novo movimento proibindo por lei e jogando os adeptos nas arenas para serem devorados por leões, outros adeptos foram crucificados, a perseguição política contra o movimento foi forte. Porém, a nova doutrina sobreviveu as perseguições e prevaleceu sobre o antigo sistema. A Roma e Grécia pós-Constantino não eram sociedades perfeitas, maravilhosas e sem sofrimento ou opressão. Mas, já não se viu mais adoração aos antigos deuses olímpicos greco-romanos, já não se viu gladiadores lutando até a morte nas arenas, depois que o Cristianismo foi oficializado no Império Romano. Mudanças de mentalidade, de cultura, de valores, o Cristianismo causou sim. E o movimento cristão pré-Constantino não recorreu a cargos no Sinédrio judaico e nem no Senado de Roma. Não recorreu a política. Saulo de Tarso, depois Paulo, era cidadão romano e só recorreu a cidadania quando quis apelar para César, conforme o livro bíblico de Atos. O movimento cristão primitivo atuou diretamente com o povo comum nas ruas, nas praças públicas, nas casas, através de ativismo comunitário. Levou alguns séculos, mas Roma foi assimilada (apesar da assimilação ser controversa, pois o Cristianismo pós-Constantino é consideravelmente diferente do Cristianismo pré-Constantino). Os missionários evangélicos neopentecostais fazem isso nos dias atuais e as igrejas evangélicas neopentecostais cresceram muito no Brasil, nas últimas décadas, embora os recursos da nossa época serem outros, como tecnologia. O advogado indiano Gandhi é o responsável pelo processo de independência da Índia, o mais bonito e comovente da história da humanidade. Gandhi se empenhou em defender os direitos do povo indiano, principalmente pelos camponeses e operários mais pobres. Ele venceu o Império Britânico sem disparar um só tiro em qualquer soldado britânico. Ele não recorreu à violência, apenas convenceu os indianos a não colaborar com o governo britânico, a desobediência civil e pacífica. Ele mesmo fez greve de fome diversas vezes. O governo britânico ficou desmoralizado diante do mundo e concedeu a independência à Índia. Tanto o Cristianismo primitivo sofreu repressão por parte de Roma quanto Gandhi sofreu repressão por parte dos britânicos. Mas ambos conseguiram fazer os seus opressores a cederem. A Esquerda política podia muito bem observar as estratégias dos cristãos primitivos, principalmente dos apóstolos de Jesus, em especial de Paulo, e também a estratégia de Gandhi, para persuadir as multidões. Os Esquerdistas não vão pregar uma fé religiosa ou espiritual, vão esclarecer ao público os seus ideais políticos em favor da classe baixa, em favor dos menos favorecidos. É válido à Esquerda se empenhar na representação política? É claro que sim! O período de governo da Dilma Rousseff me proporcionou uma grande lição de vida quanto à política. É preferível ter a maioria das cadeiras na Câmara e no Senado do que ter a Presidência da República (no Presidencialismo). É preferível ter a maioria das cadeiras na Assembleia Legislativa estadual do que ser governador do estado. É preferível ter a maioria das cadeiras na Câmara dos vereadores do que ser prefeito. Isto não significa que ter o governo não seja importante, porque é importante poder governar. Mas o Legislativo prevalece sobre o Executivo, mesmo no Presidencialismo. É algo que a Esquerda política tem que passar a se atentar, daqui para frente. Além disso, é preferível à Esquerda renunciar ao discurso com fúria, com raiva, e usar o discurso de não-violência, de paz, e fazer o mesma atuação comunitária que os missionários do Cristianismo têm feito, e que Gandhi fez pelos indianos oprimidos por britânicos. Um ativismo que conquiste corações e mentes, que mexa com os sentimentos, que comova as pessoas e as faça compreender a causa em favor da classe trabalhadora e conseguir a colaboração da maioria da população, de forma a deixar a classe dominante constrangida e desmoralizada diante do mundo. É um caminho mais demorado e espinhoso, doloroso. Só que funcionou mais de uma vez, no passado. É a minha sugestão para a Esquerda política. Exemplos do passado. Nesta segunda década do século XXI, estamos testemunhando no Brasil uma necessidade de mudanças culturais e de sistema. Eliminar da sociedade civil e da política a mania do patrimonialismo, a mania da impunidade (o problema da corrupção é na verdade um problema de impunidade), a mania do desinteresse por política, a mania do nepotismo e do “q i” (quem indica). Também a mania de desconsiderar regras cívicas. E como fazêlo? Eu não acredito em soluções imediatas. Vai levar muito tempo, porém, quanto antes começar, antes os resultados vão aparecer. Quanto mais tempo demorar, mais tempo vai levar para os resultados aparecerem. No passado, há exemplos de sucesso. Um deles, é o Cristianismo primitivo, no período entre Jesus Cristo e o Imperador Constantino. O Cristianismo na sua fase inicial era uma forma de comunismo, onde todos repartiam os seus bens entre os membros da recémnascida Igreja cristã, e a nova doutrina foi atrativa no pluricultural Império Romano, teve crescimento constante até se tornar a religião oficial do Império de Roma. O Cristianismo era, no começo, um movimento dos oprimidos pelo Estado e pela elite. Um movimento que promoveu ou tentou promover igualdade João Paulo E. Barros Porque precisamos fazer a Reforma para administrar o país, toda a sociedade precisa colaborar para que eles possam nascer e terem sucesso. Política no Brasil? Seus impostos merecem boa administração. Bons políticos não vem do nada. Para que existam bons políticos É preciso um sistema eleitoral moderno para melhorar a qualidade da política. Os políticos "tradicionais" tem horror à reforma política, porque ela pode mudar a situação atual onde eles usam e manipulam o eleitor e são pouco cobrados ! DESIGUALDADES Os contrastes sociais são responsáveis por todas as desigualdades raciais, étnicas e interculturais. Mesmo em tempos pós emancipação quem tem muita melanina, na maioria das vezes, é olhado de canto, é temido. Julgado e culpado. Prostrado à marginalização e banalidade. Jogado à sorte do destino. É triste ver que muitos são obrigados a sobreviver com pouca coisa, enquanto poucos riem e fazem de tudo um circo, vivendo bem e muito bem, "com muitas coisas" O problema da desigualdade social não é a falta de dinheiro para muitos, e sim o excesso na mão de poucos. www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 6

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 6 9 de Julho Revolução Constitucionalista de 1932 velmente, por três meses. No dia 2 de outubro daquele ano, sem armas, sem munição e sem o apoio de outros Estados, São Paulo foi obrigado a se render às forças de Vargas. Os principais chefes da revolução foram detidos e obrigados a se exilar na Europa, assim, não poderiam concorrer as eleições nem votar. Getúlio vence a Revolução, mas, mesmo assim, o governo percebe que era difícil governar sem as oligarquias paulistas. Para não perder Em 9 de julho de 1932, rebentou a Revolução o poder, Vargas decide nomear a comissão de Paulista. São Paulo já possuía um governante constitucionalização. Em 25 de julho, ordenou civil e paulista, de modo que a grande reivindi- o alistamento eleitoral e, depois, convocou a cação era a constitucionalização do país. assembléia constituinte. O Estado do café se levantou contra a Revolu- Em 1997, o governador de São Paulo, decreção de 30 e os políticos paulistas, sobretudo tou o dia 9 de julho, feriado estadual para hoos dirigentes do PRP (Partido Republicano menagear o "Dia do Soldado ConstitucionalisPaulista), não se conformaram com a vitória da ta". Revolução. O obelisco do Ibirapuera é uma homenagem a A nomeação de um interventor em São Paulo, Martins, Miragaia, Drauzio e Camargo, mortos propiciou-lhes motivos para o desencadea- no dia 23 de maio. O obelisco simboliza uma mento de uma grande propaganda contra o espada fincada, ferindo o coração governo federal, na qual se destacavam lemas (simbolizado pela praça) do Estado de São bem elucidativos: "São Paulo conquistado!", Paulo. "São Paulo dominado por gente estranha!", "Convocação imediata da Constituinte!", "Tudo Por isso, 23 de Maio é o "Dia da Juventude Constitucionalista", para lembrar a memória pela Constituição!" desses estudantes vítimas da repressão, simEmbora o interventor, sentindo dificuldades bolizados pela sigla: MMDC (iniciais dos quapara administrar o Estado, tivesse pedido de- tro nomes). missão, a onda de descontentamento e agitaO dia 23 de maio é uma data muito importante ção prosseguiu. para a democracia brasileira. Nesta data, no Na noite de 23 de maio de 1932, um grupo de ano de 1932, quatro estudantes paulistas fopopulares tentou invadir a sede do partido fa- ram mortos num confronto com a polícia. Marvorável a Getúlio Vargas, na Praça da Repúbli- tins, Miragaia, Dráusio e Camargo se manifesca. Houve resistência e o resultado foi desas- tavam contra a ditadura de Getúlio Vargas. troso, com cinco vítimas fatais: Martins, Miragaia, Drauzio, Camargo e Alvarenga, que veio A morte dos quatro estudantes foi o estopim de uma revolta paulista contra o governo e a a falecer meses depois. favor de uma constituição. As iniciais dos noFoi assim que, em 9 de julho de 1932, reben- mes dos quatro estudantes, MMDC, passaram tou a Revolução Paulista. São Paulo já possuí- a ser o símbolo da revolta de São Paulo que a um governante civil e paulista, de modo que eclode no dia 9 de julho e passa para a históa grande reivindicação era a constitucionaliza- ria com o nome de Revolução Constitucionalisção do país. Mas o Estado paulista ficou só, ta de 32. não houve adesão das outras oligarquias dos A revolução de 32 foi uma espécie de "revide" demais Estados. dos grupos que foram derrotados pela RevoluEm 1932, dos 7 milhões de habitantes de São ção de 30. Paulo, mais da metade era de origem italiana. Para eles, a luta era em defesa da unidade na- Estes grupos, ligados ao Partido Republicano cional. Com argumento desse tipo, os inter- Paulista (PRP), defendiam a instalação imediaventores conseguiram grande número de vo- ta da Assembléia Constituinte e acusavam Getúlio Vargas de retardar a elaboração da nova luntários para lutar contra os paulistas. Constituição do país. Porém, almejavam recuIsso, contudo, não bastou. De todos os lados, perar o poder que perderam com a vitória polías forças paulistas eram assediadas pelas tro- tica de Vargas. pas do governo federal. Para completar o cerco, a esquadra bloqueou o litoral. E para não O movimento MMDC mobilizou cerca de 100 reconhecer a derrota antes do tempo, a ordem mil homens, sendo a maioria representante da do comando revolucionário era "durar", isto é, classe média. Organizaram-se em frentes de combate e se posicionaram nas divisas de São resistir a qualquer preço. Paulo com Minas Gerais, com o Paraná e no A esperança de adesão dos outros Estados se Vale do Paraíba. Os paulistas aguardaram o dissipou, totalmente, com a prisão dos líderes apoio de outros estados, o que não aconteceu. gaúcho e mineiro, ambos partidários do levan- No dia 3 de outubro as tropas paulistas se rente paulista. deram diante da superioridade das forças feA capitulação se deu a 1º de outubro 1932. derais. Cerca de 135 mil paulistas lutaram, incansaFonte: miniweb.com.br Filipe de Sousa Na política sempre prestamos mais atenção na porta, esquecemos as janelas. Mas, poderá ser precisamente delas que pode sair a verdade. ******* Uns nascem para fazer uma história linda e outros para a emporcalharem. ******* Nesta democracia o "Povo é o que menos ordena". ******* Acho que não nasci para porta bandeira. Me sinto mais bandeira. ******* Como em sã consciência, sem comprometimentos ou corresponsabilidade, alguém pode aceitar um GOLPE "conduzido por um dos maiores bandidos da política brasileira" ******* O que temos é fruto de uma pseudo democracia sustentada por leigos em política. ******* Sou de poucas palavras porque os grandes discursos me cansam. ******* É angustiante a sensação de que os amigos do alheio também usam gravata. ******* O pior burro que tem é o descerebrado. Tem uma ótima visão e audição, mas não pensa! ******* Exercer cargo político deveria ser um exercício de muita honestidade, ao invés de muita habilidade. ******* Já que nos condenam por falar das rosas para elucidar os esquecidos e os algozes, que tal falarmos dos espinhos de nossa história? ******* www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 7

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 7 Página da GenhaAuga QUALIDADE DE VIDA Por pouco a viagem não foi feita num pau de arara, pois os “modernos” ônibus substituíram os caminhões com tábuas que faziam às vezes de assento para os viajantes. Porém o desconforto e a falta de segurança entre os dois são praticamente iguais. Transportando mais passageiros do que o permitido, esse transporte irregular e sem asseio é utilizado para as pessoas sem condições financeiras para arcar com o custo de viagens em meios de transportes regularizados e confortáveis. Depois de anos e anos..... Manoel trabalhou, comprou casa, estudou, montou empresa e para isso, pagou o alto preço de não poder voltar a sua terra de origem por muito tempo de sua vida e quando pode, voltou para ver a mãe que encontrou já debilitada, o pai envelhecido já quase sem conseguir trabalhar na roça e cada filho tentando a vida. nos... Passaram-se muitos e muitos a- INQUIETUDE GenhaAuga Pedaços de mim foram ficando por aí Entre risos e lágrimas. Sonhos e desilusões Dilacerada pela vida me deixei ir Envolvida em ventos frios Que preencheu meu vazio. Perdi as cores, Mãos vazias de tudo, Lábios sem o ardor do amor, Nada me devolveu as mentiras que sonhei Como se verdades fossem Sonhei calada! Entrei num labirinto de lembranças, Num labirinto de mim mesma, Falta em mim O que busquei tanto em ti. Nessa quietude nostálgica, Como tulipas ao vento Que balançam em compasso, Sempre no mesmo espaço, lindas e livres. Só que eu, livre, mas em descompasso, Sempre ocupando o mesmo espaço Determinado, Manoel constituiu família e melhorou bem de vida e sempre enviava ajuda para os pais e irmãos que aos pouquinhos foram comprando terras, consMesmo com maior popularização truíram pequenos sítios próximos uns dos das viagens aéreas, as viagens rodoviárias outros que graças à dedicação de Manoel, ainda são uma necessidade para os menos passaram a viver felizes e juntos. favorecidos. Mas, e Manoel? Como está hoje? Manoel entra no ônibus e segue A cidade encantada sugou sua viagem para o lugar que ainda desconhecia pessoalmente, mas tão sonhado e de tantas saúde, todo dinheiro que ganhou, sua felicimaravilhas que ouvira falar desde a infância dade, seus sonhos e até sua mulher e filhos que era um sonho que sempre desejou reali- hoje é motivo de lágrimas e dissabores... zar. Assim como saiu de sua terra Com a cabeça longe, imaginando condenada pela miséria e seca e aventurouum novo horizonte que se abriria em sua vi- se para a cidade grande, toma a decisão de da, segurando a marmita e a sacolinha de voltar para lá e fugir da selva de pedra, rica, doces e frutas que “mainha” tão carinhosa- mas dura com os menos favorecidos e que mente lhe preparou, o coração apertou e já sugava a alma de quem se tornou bem sucebateu a saudade, lágrimas lhe escorreram dido. pelo rosto. Saudade já foi batendo no coraVoltou para sua terra, num avião ção e aumentando cada vez mais à medida confortável, só que sem saudade daquele que a vegetação foi começando a rarear. lugar que tanto sonhou e que lhe marcou Após horas de viagem, começou a exalar o fedor de suor dos passageiros, das crianças já sem trocas de roupas, era impossível deixar de sentir o mau odor do banheiro já sem condições de uso que misturado a isso, o cheiro da urina nos assentos dos mais velhos e das comidas e do vômito dos que passavam mal pelo enjoo e falta de costume dessa aventura desumana, mas que certamente valeria à pena para todos que buscavam viver melhor. Finalmente, Manoel ouviu alguém gritar: “estamos chegando!” E, depois daentrada na cidade encantada, demandou mais uma hora e meia de trânsito até o desembarque de todos na rodoviária. com desilusões. O aconchego daquele lugar seco, mas com pessoas afetuosas e para sua verdadeira família que apesar de tantas dificuldades enfrentadas, permanecem juntos, não como na cidade grande onde filhos largam os pais com desafetos e a mulher vai embora. Na sua terra os amigos sempre se encontram para uma prosa, diferente daquela cidade onde não há amigos e sim colegas de profissão, clientes e interesses. Manoel hoje está junto dos pais já velhos e perto dos irmãos que cuidam das terras e todos se ajudam e, como muita tristeza, mas com muito amor, tentam resgatar um pouco de qualidade para a vida de MaEncaminhado por um parente que noel que saiu dali para buscar melhor condifoi recebê-lo, tomaram outro ônibus para a ção e está de volta sem saúde e deprimido. nova morada. Descobriu que ali está a qualidade Manoel quase nem falava, admi- que não soube esperar por conta dos sorado com as proporções da cidade, pelas nhos que acabaram em desilusões. largas avenidas, prédios altos, muitos carros Sentado na varanda, magro, arree ônibus que circulavam na cidade. Era difícil pendido das desventuras, mas, agradecido acreditar naquilo tudo que via. pela oportunidade de ainda voltar para o seio Quanta gente bem vestida, cora- da família, mesmo sabendo que a doença das, branquinhas ou bronzeadas, tão dife- adquirida com o estresse e maus cuidados rentes daqueles mirradinhos e de pele tosta- que a cidade grande lhe fez, hoje, tem ainda tempo para uma boa conversa e para receda lá do nordeste. ber as bênçãos dos pais, que em São Paulo, Finalmente chegaram à casa do há tempos não existe mais... primo e da tia que o recebeu e lhe daria acolhida até que ele arrumasse um trabalho e se GenhaAuga ajeitasse em outro lugar. Mas, Manoel teve Jornalista MTB:15.320 que esperar muito até surgir uma oportunidade e foram anos de batalha, de sofrimento e de garra. www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 8

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 8 14 de Julho ção do pensamento. O pensamento é, na verdade, um juízo de valor, é uma reflexão interA liberdade de pensamento está contida na na de quem está pensando, e no momento Constituição Federal de 1988, em seu art. 5º, que é exteriorizado surge a opinião de seu inciso IV,[1] considerada como um direito fun- emitente. damental. Além disso, é corroborada com o A possibilidade de pensar está contida em todispositivo 220 também da Carta Magna que das as pessoas que gozam de saúde mental reza: “A manifestação do pensamento, a criae possuem o mínimo de discernimento.[6] ção, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão O pensamento de cada um está estritamente qualquer restrição, observado o disposto nes- ligado a sua intimidade, é um direito ainda mais restrito que a própria privacidade, pois sa Constituição.” diz respeito somente à pessoa que está penFaz parte da natureza do ser humano a cosando. Nos pensamentos de determinada municação com seus semelhantes, como forpessoa podem acontecer os atos mais absurma de sociabilidade de todos. É normal que dos possíveis, é praticamente a mesma coisa as pessoas exponham suas ideias em rodas que acontece quando estamos sonhando. Alde amigos, ou mesmo em assuntos profissioguém pode sonhar ou simplesmente pensar nais, etc. Quando a pessoa expressa os seus acordado que é um ladrão, ou um assassino, pensamentos está, na verdade, mencionando ou que ama certa pessoa e deseja algo de suas opiniões, convicções sobre qualquer asruim para outra. Tudo é livre[7]e permitido pesunto, seja este assunto de importância ou de la legislação, até mesmo, por questões óbvalor, ou sem nenhum valor relevante. Tratavias, é impossível punir o pensamento. Nesse se, pois, da liberdade de expressão do pensasentido é o magistério de Nelson Oscar de mento. Souza quando menciona que “o pensar, o raAntes, porém, de tratar da liberdade de pen- ciocinar, o refletir são absolutamente livres, samento, faz-se necessário observar algumas pois que a ninguém e a nenhum organismo é considerações no que tange ao termo liberda- lícito invadir essa esfera da interioridade hude. Ora, liberdade é a escolha que uma pes- mana.” soa possui de fazer algo ou de não fazer, deA liberdade de pensar é, portanto, totalmente pende da sua própria vontade. No entanto, tal livre, cabendo a cada pessoa controlar aquilo direito não é absoluto, afinal nenhum direito é que pretende exteriorizar, ou seja, no momenabsoluto, ou seja, a pessoa não pode fazer o to em que o pensamento deixa de ser um que bem entender, é livre apenas para fazer sentimento interno de cada um e passa a ser tudo aquilo que não é proibido por lei. Esse expresso na forma escrita ou falada,[9] ou conceito é baseado no princípio da legalidaqualquer outra maneira de expressão, o direide, que pode limitar as liberdades dos indivíto passa a impor limites. Em outras palavras, duos. a manifestação do pensamento é passível de Conforme lição de José Afonso da Silva: exame pela justiça “com a consequente resO conceito de liberdade humana deve ser ex- ponsabilidade civil e penal de seus autores.”. presso no sentido de um poder de atuação do No âmbito do direito civil, o ofendido tem o homem em busca de sua realização pessoal, direito de reclamar danos morais e materiais de sua felicidade. (...) Vamos um pouco além, em decorrência de eventual ofensa, com indee propomos o conceito seguinte: liberdade nização a ser arbitrada pelo Poder Judiciário. consiste na possibilidade de coordenação Já na esfera criminal, existem os chamados consciente dos meios necessários à realiza- crimes contra a honra, nos quais englobam a ção da felicidade pessoal. Nessa noção, en- injúria, calúnia e difamação, todos com suas contramos todos os elementos objetivos e respectivas penas que, é claro, poderão ser subjetivos necessários à ideia de liberdade; é aplicadas de acordo com a situação do caso poder de atuação sem deixar de ser resistên- concreto. cia à opressão; não se dirige contra, mas em Celso Ribeiro Bastos faz uma constatação busca, em perseguição de alguma coisa, que bastante interessante a respeito da liberdade é a felicidade pessoal, que é subjetiva e cirde pensamento e de expressão. Para o autor, cunstancial, pondo a liberdade, pelo seu fim, a pessoa não se conforma em ter uma opiniem harmonia com a consciência de cada um, ão sobre determinado assunto, pois é do inscom o interesse do agente. Tudo que impedir tinto do ser humano querer convencer às deaquela possibilidade de coordenação dos mais pessoas que suas teses são as corretas, meios é contrário à liberdade. que o mundo deve ser visto conforme sua viRetornando ao tema central da pesquisa, pas- são referente ao que pensa. sa-se a tratar da liberdade de pensamento Ainda de acordo com Bastos: especificamente. Como foi referida anteriormente, a liberdade de pensamento está inse- A liberdade de pensamento nesta seara já nerida na Constituição Federal, promovendo a cessita de proteção jurídica. todos os cidadãos o direito a livre manifesta- Da liberdade de pensamento Não se trata mais de possuir convicções íntimas, o que pode ser atingido independentemente do direito. Agora não. Para que possa exercitar a liberdade de expressão do seu pensamento, o homem, como visto, depende do direito. É preciso, pois, que a ordem jurídica lhe assegure esta prerrogativa e, mais ainda, que regule os meios para que se viabilize esta transmissão.[12] Nessa mesma linha de raciocínio Manoel Ferreira Filho assevera que a liberdade de consciência se manifesta quando alguém age de modo a expor seu pensamento e procura ganhar os outros com suas ideias, ou seja, tenta convencer outras pessoas sobre suas crenças. Essas manifestações devem ser protegidas, “ao mesmo tempo em que impedidas de destruir ou prejudicar a sociedade.” Já no que tange ao direito de resposta, que é o direito de retrucar uma ofensa veiculada por meio de comunicação, a Constituição Federal assegura de forma explícita. Nas palavras de Paulo Gustavo Branco: O direito de resposta é meio de proteção da imagem e da honra do indivíduo que se soma à pretensão de reparação de danos morais e patrimoniais decorrentes do exercício impróprio da liberdade de expressão. O direito de resposta, portanto, não pode ser visto como medida alternativa ao pedido de indenização por danos morais e materiais. Ademais, cabe fazer referência ao fato de que o art. 222 da Constituição Federal[16] proíbe que estrangeiro seja dono, ou responsável de empresa jornalística ou de radiodifusão. Considerações finais O tema, tratado neste ensaio, faz algumas reflexões acerca do direito fundamental das liberdades públicas, em especial à liberdade de pensamento. O pensamento é um direito totalmente livre, cada pessoa pode pensar e refletir sobre o assunto que quiser e ter a opinião que bem entender. Assim, ninguém pode proibir alguém de pensar, mesmo que suas ideias sejam as mais absurdas possíveis, visto que, estamos falando do foro íntimo da pessoa, o mais íntimo de todos, o pensamento, que reflete o que cada um sente e esconde, os mais variados desejos e segredos. No entanto, no momento que esse pensamento é expressado, da maneira que for, e atingir a honra de outra pessoa ou extrapolar os limites do aceitável, o direito surge para defender aqueles que se sentirem prejudicados, material ou moralmente, pelas opiniões ou reflexos do pensamento dos outros. Nestes termos, as consequências podem ser tanto relacionadas ao direito civil e, até mesmo, ao direito penal. Fonte: egov.ufsc.br www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 9

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 9 E agora José? Debatendo a educação GÊNERO NAS ESCOLAS: IDEOLOGIA OU IDENTIDADE? Discutir sobre gênero nas escolas não é tarefa fácil. É preciso desconstruir vários tabus e mitos. Via de regra, neste texto não é objetivo apresentar nenhum conceito científico sobre o tema. Esta discussão tratará de proposições sociológicas voltadas a uma urgência social: A necessidade de se discutir gênero na escola. De um tempo para cá, a discussão sobre a necessidade (ou não) de se trabalhar com o tema “gênero nas escolas” tomaram grandes proporções. Essas discussões vieram acompanhadas de diferentes concepções e ideologias sobre este tema. De um lado temos conservadores, religiosos sobretudo e liberais que entendem a escola enquanto um espaço de reprodução social e que, portanto, deve preparar o sujeito para o mercado de trabalho, através da transmissão de conteúdos “neutros”. Do outro, uma vertente progressista, que afirma que a escola é um espaço de transformação social e que deve trazer às discussões em sala de aula as necessidades da sociedade, com o objetivo de compreendê-la e transformá-la. Pois bem, quem costuma ler o que escrevemos neste espaço sabe muito bem que minha tendência pedagógica e minha concepção de sociedade vão muito mais para esta apresentada do que sobre aquela. Se quiser compreender mais a nossa visão de educação, pode consultar o texto: “De escola reprodutora a escola transformadora”, publicado na Gazeta Valeparaibana de Agosto de 2014. Recentemente apresentamos uma discussão no Programa E Agora José (Programa do dia 19/06/2016) uma discussão um pouco mais aprofundada sobre essa questão. Você pode acompanhar o podcast do programa intitulado: “Diversidade e igualdade de gênero na escola” no Youtube. Mas afinal, qual é a necessidade de discutir gênero na escola? Entendemos que a escola, além de preparar o sujeito para o mercado de trabalho, também deve prepará-lo para a vida, sobretudo em sociedade. Se hoje temos uma sociedade no século XXI, que prima pela liberdade (não confundir com liberalismo, nem com libertinagem) e pela igualdade entre as pessoas, ora, nada mais importante do que trazer essas discussões para a escola, mas por quê? Ao mesmo tempo em que possuímos parte de uma sociedade que luta pelo seu espaço, temos também parte da sociedade que luta pelos valores morais impostos por algumas ideologias conservadoras. Tais ideologias pregam, inclusive, a exclusão total (ou até mesmo a eliminação) daqueles que são diferentes dos “valores da família tradicional”. E é exatamente ai que mora o perigo. Não raro, vimos nos noticiários (e nas “argumentações” nas mídias sociais) que é preciso combater a “ideologia de gênero”, essa “ideologia de gênero” está fundamentada nas ideias de que querem impor uma “ditadura gay” perante a sociedade, e que deve ser combatida (inclusive com o uso da força). A ideia de que um sujeito possa ser diferente dos padrões estabelecidos por essa parte da sociedade os fazem tremerem de medo (ou de desejo) que seus filhos ou até mesmo sua própria pessoa se torne gay. E é exatamente ai que a incitação ao ódio e à intolerância predomina. Ora, entendemos que se lutamos por uma sociedade mais justa, menos discrepante e pluralista, se lutamos por uma sociedade em que as pessoas tenham poder de viver da forma com que lhe parecem ser mais apropriadas, se lutamos pela igualdade entre as pessoas independentemente de convicção ideológica política, religiosa ou de gênero, e se ao mesmo tempo essas pessoas estão morrendo, estão sendo excluídas e assassinadas socialmente, porque não se discutir isso na escola? Não é uma das urgências sociais que temos? Discutir sobre gêneros nas escolas vai além da simples transmissão de conhecimentos científicos acumulados historicamente. Obviamente que é possível (e altamente recomendável) que as ciências biológicas e psicológicas participem dessa discussão. Apresentar a discussão sobre a identidade do sujeito é fazer com que ele olhe para si e se enxergue na sociedade. A nossa identidade vai muito além das nossas características físicas. A nossa identidade é construída em todos os espaços sociais a partir das suas múltiplas configurações (família, escola, religião, trabalho, convívio social, etc.). Discutir as diferentes identidades é um ato de promover o respeito pelo que é diferente de ti. É enxergar o outro como ser humano, tanto quanto você. Quando se colocam a imposição da “ideologia de gênero”, estão cometendo uma grande injustiça e um grande equívoco com o termo, uma vez que a ideologia pressupõe (via senso comum) a imposição de ideias, pensamentos, doutrinas de um indivíduo ou de um determinado grupo, orientado para suas ações sociais e políticas. Neste caso, ninguém está impondo que o mundo deve ser deste ou daquele jeito. A única imposição aqui (se é que é uma imposição) é a imposição do direito pela liberdade pela sua identidade, ou seja, a imposição para que você tenha a liberdade de ser livre (se é que me fiz entender). A discussão sobre identidade de gênero nas escolas tem como objetivo maior (neste momento da história do presente) desconstruir alguns mitos impostos por um outro tipo de ideologia de gênero, uma ideologia em que homens e mulheres possuem espaços diferentes na sociedade e que, o homem está acima da mulher. A cartilha “Debate sobre Gênero nas Escolas: e eu com isso?”, elaborada pelo grupo de pesquisa “Avaliação e intervenção psicossocial – Prevenção, Comunidade e Libertação” da PUC-Campinas, apresentam algumas situações, no mínimo, inumanas: Agredida pelo pai por andar de skate; Lésbica, foi estuprada por um homem que disse que iria fazê-la aprender a gostar de homens; Alvo de humilhações e ofensas verbais em sala de aula por outro jovem na presença do professor por ter trejeitos “afeminados”; O marido a proibia de sair com as amigas, após tentar mais uma vez o término da relação, foi assassinada pelo mesmo. Esfaqueada por um homem que a considerava não humana por ser travesti. Outra cartilha que me chamou a atenção é a “Você já ouviu falar sobre a ‘Ideologia de gênero’? Conheça esta ideologia e entenda o perigo que você e seus filhos estão correndo!”. De autoria não identificada, mas distribuída amplamente por diferentes movimentos religiosos e conservadores, esta cartilha afirma, dentre outras coisas (para não dizer bobagens) que: A ideologia de gênero afirma que ninguém nasce homem ou mulher, mas deve construir sua própria identidade, isto é, o seu gênero, ao longo da vida. Todas as crianças deverão aprender que não são meninos ou meninas, e que precisam inventar um gênero para si mesmas. Querem destruir nossas famílias. Bem, não cabe neste momento querer discutir cada um dos pontos elencados acima, quanto muito, entendo que já o fiz no decorrer do texto. Porém, o que é preciso reafirmar que ninguém quer destruir a família de ninguém, muito pelo contrário, o que se espera ao discutir sobre identidade de gênero nas escolas, é evitar que continuem doutrinando pessoas que não entendam as outras pessoas como seres humanos, que não continuem educando crianças para crescerem entendendo suas esposas como propriedade ou como sua serva. Que não entendam gays, travestis, transexuais, ou o que quer que seja, como uma forma de aberração extraterrestre. Muito pelo contrário, espera-se que entendam todos como seres humanos, dotados de suas individualidades, mas parte da sociedade. Talvez um dia, quem sabe, esse tipo de discussão só estará nos livros de história, em que contarão que, antigamente, homens, mulheres, gays, brancos, negros, eram excluídos da sociedade. Pode ser que isso ainda demore muito, mas, na nossa história, tudo é possível. PS. Ainda que eu tenha escrito este texto sozinho, sujeitei-me a escrever em segunda pessoal no plural, já que tenho a consciência de que não estou sozinho nesta luta. Ivan Claudio Guedes Geógrafo e Pedagogo. ivanclaudioguedes@gmail.com www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 10

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 10 Cultura simbólica A LINGUAGEM FALSA DA HISTÓRIA DO BRASIL A Linguagem Falsa da História do Brasil é o título de uma obra do historiador paulista Tito Lívio Ferreira que faz uma chamada de atenção dupla: 1 - Alerta que, em começos do século XIX, a História documentada passa a ser explicada pelos autores, o que equivale a dizer que os documentos/fontes primárias são interpretados segundo a ótica da “autoridade intelectual”, inaugurando uma metodologia que, ao invés de interrogar, ignora e interpreta segundo a visão dominante da época que analisa, construindo distorções oficializadas à margem de qualquer verdade escrita no próprio documento. 2 - Denuncia que, “por ignorância histórica e sociológica, os escritores do século passado, a partir de Robert Southey, fingiram ignorar que a vida do Brasil esteve fundida com a de Portugal, num só bloco, na mais perfeita unidade, por mais de tresentos anos. Deformaram esses tresentos anos de história comum, de hsitória da comunidade portuguesa no Brasil, de história luso-brasileira, para arquitetarem com os capítulos da História de Portugal uma história do Brasil falseada, para criarem o nacionalismo brasileiro, sem raízes no passado, como planta indígena e não como flor maravilhosa da tradição lusíada em nossa terra. E fizeram do ESTADO DO BRASIL, província do Império de Portugal, uma “colónia”, um simples “território” “econômico”, apagada expressão geográfica, sem o mais leve exame de critica histórica.” Além destes e em estreita consonância, concerne igualmente considerar que o Visconde Porto Seguro, sob o patrocínio do Imperador D. Pedro II, é um dos arautos dessa “nova visão. O Império do Brasil, inaugurado por D. Pedro I, instigado por José Bonifácio de Andrada, rompe com a tradição portuguesa e inicia um movimento de “reescrever” a história do Brasil e de Portugal, aprofundado no reinado de D. Pedro II, onde o Visconde de Porto Seguro “resgata” documentos históricos preciosos e os reedita, com notáveis “correções” com o claro fim de “inventar” uma história do Brasil sob a ótica do Império dos Braganças no Brasil. Dois exemplos paradigmáticos elucidam parte dessa questão: 1 - Qual a origem do título de Imperador atribuído aos Bragança do Brasil se a tradição portuguesa teve somente Reis? Desde o início da nacionalidade, todos os monarcas de Portugal tiveram o título de Rei. D. Sebastião, acolhe a tradição de Ourique e encarna para si o título de Imperador do Quinto Império 2 - Para fazer cumprir a “idade futura” vaticinada por toda uma tradição mítico-profético que perpassa a história de Portugal, incluso a célebre Batalha de Ourique, cujas repercussões incidem diretamente na história do Brasil, entronizando a dinastia dos Bragança. Após a Batalha de Ourique, onde D. Sebastião é pretensamente dado como morto sem deixar descendentes, a coroa Imperial fechada será mantida nas armas nacionais. No entanto, os Bragança usam o antigo título de Rei e não de Imperadores. Essa tradição será rompida com D. Pedro I e D. Pedro II do Brasil que outorgam para si o título de Imperador passando a usar a coroa Imperial fechada, mas, sem nenhuma ligação desta com a tradição de Ourique e o mito do Quinto Império. 3 - D. João IV, primeiro Rei de Bragança, determinou, em 6 de Dezembro de 1644, que Nossa Senhora da Conceição fosse entronizada Padroeira do Reino de Portugal, inaugurando desse modo uma dinastia de Reis sem Coroa, uma vez que entrega a coroa Imperial portuguesa à Nossa Senhora da Conceição. Assume- se, doravante, que nenhum Rei da dinastia dos Bragança poderá ser coroado, pois, a Coroa pertence à Nossa Senhora da Conceição, fiel depositária de uma das armas nacionais até o retorno de D. Sebastião, conforme previsto nas profecias do Quinto Império. Diante do acima exposto, evidencia-se que desde D. João IV até D. Manuel II, todos os Reis da Casa de Bragança não usam Coroa, excetuando-se D. Pedro I (D. Pedro IV em Portugal) e D. Pedro II (do Brasil) que, além de usarem a coroa Imperial arrogam para si o título de Imperador, cujo sentido à luz da história de Portugal revela-se somente dentro do contexto da tradição do Quinto Império. Destes breves apontamentos, vislumbra-se que a denúncia feita por Tito Lívio Ferreira acerca das ideias que informam o programa encarnado pelo Iluminismo e aprofundado na República de se fazer História explicada recolhem um consenso generalizado de privilegiar a visão do intérprete em detrimento da verdade que os documentos oficiais dão testemunho. Assim, a historiografia luso-brasileira do século XIX introduziu palavras e conceitos à revelia do que constam nos documentos oficiais, contemplando a falsidade das coisas e dos homens, não passando, portanto, de uma literatura de compromisso que prefere ignorar a interrogar, limitando-se a exaltar fidalgas ou plebeias virtudes, sem penetrar a alma autêntica da terra e dos homens em busca da sua vera essência. Nesta conformidade, a obra de Tito Lívio Ferreiraapresenta-se como um espaço- tempo de reflexão transdisciplinar dos arquétipos lusobrasileiros, à margem de chauvinismos, constituindo um contraponto indispensável à cultura do efémero tão em voga. Loryel Rocha Email: culturaseidentidades@gmail.com Site: http://www.imub.org/o-instituto/ "A história humana não se desenrola apenas nos campos de batalhas e nos gabinetes presidenciais. Ela se desenrola também nos quintais, entre plantas e galinhas, nas ruas de subúrbios, nas casas de jogos, nos prostíbulos, nos colégios, nas usinas, nos namoros de esquinas. Disso eu quis fazer a minha poesia. Dessa matéria humilde e humilhada, dessa vida obscura e injustiçada, porque o canto não pode ser uma traição à vida, e só é justo cantar se o nosso canto arrasta consigo as pessoas e as coisas que não tem voz". Ferreira Gullar www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 11

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 11 17 de Julho Proteção das Florestas teção dos animais e vegetais, que as circundam respeitando e garantindo a biodiversidade local. Atitudes que qualquer um pode tomar. Seja você também um protetor das florestas e siga as 7 dicas da Flora Tietê! 1 Organize atividades de restauração de áreas degradadas em sua cidade. Mutirões de limpeza de matas, córregos e afins fazem muita diferença. 2 Busque informações de como você mesmo pode plantar árvores e com algumas No dia 17 de Julho, no Brasil, quem é feste- dicas de um profissional você pode ser ajado é o protetor das florestas. Como diz o gente de uma grande mudança para o planosso folclore o Curupira é responsável pe- neta. la proteção das florestas brasileiras. Segun- 3 Saiba quais empresas trabalham de uma do a lenda, o menino, com cabelos averme- forma menos impactante ao ambiente e dê lhados e pés virados para trás, protege flo- preferência aos seus produtos. restas e animais dos caçadores e destrui4 Cuidado com o fogo! Não jogue pontas dores da natureza. Quem tenta seguir seu de cigarro acesas na mata além de causar rastro acaba errando o caminho, indo para incêndios, você está poluindo. Também evio lado contrário. te fazer fogueiras, principalmente em dias Como sabemos, o folclore é baseado em de muito vento. Não solte balões ou fogos fatos imaginários, que passam de geração de artifício na mata, mesmo após o estouro, a geração. Mas estes protetores da nature- ainda permanecem com fogo e brasas, o za são reais. Profissionais como engenhei- que pode iniciar um foco de incêndio. ros florestais, agrônomos, biólogos, educa5 Evite comprar objetos de madeira extraídores ambientais, entre outros, são responda de árvores ameaçadas de extinção. sáveis por cuidar e fazer a preservação do Compre apenas madeira extraída de áreas planeta todos os dias. Porém todos nós poem reflorestamento. Certifique-se que o fordemos ser protetores da natureza. necedor é amigo do ambiente. O reflorestamento está ganhando, cada vez 6 Controle o seu consumo de papel! Use mais, importância e força. E nesta luta sempre os dois lados da folha. Dê preferêna Flora Tietê não pode deixar de lembrar cia à compra de material reciclado e semcomo é importante que todos tenham conspre que possível destine o seu papel usado ciência da importância desta atividade para à reciclagem. a preservação das florestas brasileiras. 7 Repasse conhecimento. Transmita a imEstá é uma prática positiva, seja por objetiportância do meio ambiente e como todos vo comercial ou ambiental, consistindo na ao seu redor podem ajudar a salvar as florestauração da mata original de um deterrestas. Encoraje as pessoas a viverem de minado lugar. É um conjunto de ações que uma forma que não machuque o ambiente. ajudam e protegem o nosso ecossistema. Trata-se da limpeza dos terrenos, do plantio de novas árvores no lugar das cortadas, Por: Bianca Barbis do cuidado com as novas plantas e da pro- Assessoria de Imprensa Interageai FRASES SOBRE MENTIRAS E MENTIROSOS “Há uma inocência na mentira que é o sinal da boa fé numa causa”. Nietzsche *** “O fantasioso nega a verdade para si mesmo; o mentiroso apenas para os outros”. Nietzsche *** “Não há nada tão despótico como uma verdade evidente”. Padre Sena de Freitas Cuide bem da natureza Hoje acordei cedo, contemplei mais uma vez a natureza. A chuva fina chegava de mansinho. O encanto e aroma matinal traziam um ar de reflexão. Enquanto isso, o meio ambiente pedia socorro. Era o homem construindo e destruindo a sua casa. Poluição, fome e desperdício deixam o mundo frágil e degradado. Dias mais quentes aquecem o “planeta água”. Tenha um instante com a paz e a harmonia. Reflita e preserve para uma consciência coletiva. Ainda há tempo, cuide bem da natureza. Gleidson Melo *** “Quem não conhece a verdade não passa de um tolo; mas quem a conhece e a chama de mentira é um criminoso!”. Bertolt Brecht *** : “Todo o pecado é um tipo de mentira”. Martinho Lutero *** “O dom da fala foi concedido aos homens não para que eles enganassem uns aos outros, mas sim para que expressassem seus pensamentos uns aos outros”. Santo Agostinho *** “A mentira é o único privilégio do homem sobre todos os outros animais”. Dostoiéviski *** “A consciência tranquila ri-se das mentiras da fama”. Ovídio *** “Não é bom dizer mentiras; / mas quando a verdade puder trazer uma terrível ruína, / então dizer o que não é bom também é perdoável”. Sófocles *** “Mentiras sinceras me interessam”. Cazuza *** “Alguém dentro de mim mente para me proteger Fabrício Carpinejar www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 12

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 12 + Datas comemorativas Dia da criação do IBGE - 6 de Julho O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ou IBGE é uma fundação pública da administração federal brasileira criada em 1934 e instalada em 1936 com o nome de Instituto Nacional de Estatística; seu fundador e grande incentivador foi o estatístico Mário Augusto Teixeira de Freitas. O nome atual data de 1938. A sede do IBGE está localizada na cidade do Rio de Janeiro. O IBGE tem atribuições ligadas às geociências e estatísticas sociais,demográficas e econômicas, o que inclui realizar censos e organizar as informações obtidas nesses censos, para suprir órgãos das esferas governamentais federal, estadual e municipal, e para outras instituições e o público em geral. O IBGE é uma entidade da administração pública federal, constituído na forma de fundação pública pelo Decreto-lei nº 161, de 13 de fevereiro de 1967, vinculado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Possui a presidência, quatro diretorias e dois outros órgãos centrais. valorização profissional e social da mulher e do papel fundamental que o homem desempenha nesse processo. Além disso, há ainda a discussão sobre o paradigma do homem contemporâneo, que já não segue o mesmo padrão comportamental do século passado, nem em seu seio familiar nem em seu trabalho ou na convivência com círculos de amigos, etc. Sendo assim, tanto o dia 15 de julho quanto o dia 19 de novembro são situações oportunas para esse tipo de reflexão. Por: Me. Cláudio Fernandes Dia Nelson Mandela - 18 de Julho Dia do homem - 15 de Julho Em 15 de julho é celebrado, no Brasil, o Dia do Homem. Entretanto, essa mesma data é comemorada por muitas nações do exterior aos 19 dias do mês de novembro. Ambas as datas têm o propósito de chamar a atenção da sociedade para problemas e circunstâncias que possam atingir, em especial, o sexo masculino. Além disso, ambas foram instituídas na década de 1990. Em reconhecimento da contribuição de Mandela para a cultura da paz e da liberdade, a Assembleia Geral da ONU declarou, em dezembro de 2009, o dia 18 de julho como “Dia Internacional Nelson Mandela”. O Dia Mandela é uma chamada para a ação para que as pessoas em toda a parte assumam a sua parte de responsabilidade de tornar o mundo um lugar melhor, com um pequeno passo de cada vez, seguindo o exemplo inspirador de Mandela. Na sua mensagem oficial para o Dia Internacional Nelson Mandela, o Secretário-Geral Ban Ki-moon afirmou que “a essência do Dia Internacional Nelson Mandela são as boas obras para as pessoas e para o planeta. O seu tema – "agir, inspirar a mudança" – destina-se a mobilizar a família humana para fazer mais para construir um mundo pacífico, sustentável e equitativo. Esta é a melhor homenagem que podemos prestar a um homem extraordinário que encarnou os mais altos valores da humanidade”. No Brasil, a data foi proposta pela Ordem Nacional dos Escritores em 1992. Desde esse ano, as atenções para tal data vêm se tornando crescentes, sobretudo por parte de autoridades políticas e por núcleos de especialistas na saúde do homem. Em se tratando do tema da saúde do homem, o médico Jerome Teelucksingh, de Trinidad e Tobago, tendo em vista exatamente pôr em destaque a saúde do gênero masculino à comunidade internacional, propôs à Organização das Nações Unidas (ONU), em 1999, que fosse criado um dia para tal Dia Internacional da Amizade - 30 Julho objetivo. O dia escolhido foi 19 de novembro. Desde o início do século XXI, muitas campanhas vêm sendo feitas em vários países com o objetivo de conscientizar os homens da importância de cuidarem de seu corpo e de sua saúde. Um exemplo desse tipo de conscientização diz respeito ao câncer de próstata, que atinge grande parcela da população masculina de todo o mundo. Outras doenças relacionadas com o uso do tabaco e de bebidas alcoólicas também são colocadas em questão na oportunidade desse dia. Outro dos objetivos da reflexão que propõe o Dia do Homem é a igualdade entre os gêneros masculino e feminino. O alvo principal dessa proposta é a mudança de comportamento com relação a muitas posturas colocadas, tanto por condutas machistas quanto por condutas do radicalismo feminista, que tendem a restringir o debate da A Canção da América, composta por Milton Nascimento e Fernando Brant, é considerada um hino à amizade. Difícil quem não conheça a canção, que traduz em versos aquele que é um dos mais belos sentimentos. É certo que a amizade deve ser celebrada todos os dias, mas existe no calendário uma data especial, conhecida mundialmente como o Dia Internacional da Amizade. No Brasil, Uruguai e Argentina, a data é comemorada no dia 20 de julho, apesar da sugestão da Assembleia Geral das Nações Unidas de que todos os países-membros celebrassem o Dia Internacional da Amizade, ou Dia do Amigo, no dia 30 de julho (vale ressaltar que não existe distinção entre o Dia do Amigo e o Dia Internacional da Amizade). A escolha da data foi impulsionada pelo médico paraguaio Ramón Artemio Bracho, fundador da Cruzada Mundial da Amizade. www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 13

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 13 Docentes tes, com bom salário inicial, condições para crescer na carreira e condições de trabalho e infraestrutura”, diz Alejandra. De acordo com ela, a carreira do professor tem que ser discutida na ponta, ao mesmo tempo em que deve envolver um esforço conjunto do Ministério da Educação (MEC), dos estados e municípios. Deve-se ser capaz de simular diferentes carreiras e o impacto financeiro disso para cada ente. A discussão, no entanto, fica comprometida pela situação econômica do país. Falta de verbas “Temos visto que para melhorar a educação são necessários três elementos: bom salário, boa carreira e boas condições de trabalho, que envolvem não só a hora-atividade, mas escolas bem equipadas e democracia na escola. Não adianta ter um só, tem que ter os três elementos”, diz a secretária-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Marta Vanelli. Os professores de nível superior no Brasil ganham menos do que outros profissionais com o mesmo nível de formação. De acordo com análise feita pelo movimento Todos pela Educação, os docentes recebem o equivalente a 54,5% do que ganham outros profissionais também com curso superior. A valorização dos professores é uma Marta acredita que o contexto econômico tem impacto direto na qualidas metas do Plano Nacional de Educação (PNE), Lei 13.005, de 25 dade da educação e critica a Proposta de Emenda à Constituição de junho de 2014, que completou dois anos. (PEC), apresentada pelo governo interino, que limita o aumento do “Como é pouco atraente a carreira de professor, isso leva à desvalori- gasto público à variação da inflação. “Isso nos preocupa muito. A imzação social. A carreira nao é tida como uma boa opção profissional, posição do governo federal será de mais arrocho para servidores púdiferentemente do que acontece nos países que estão no topo dos blicos”, diz. rankings internacionais. Além de serem carreiras atraentes, têm valoPara os estados e municípios, falta verba para pagar os professores rização social da função. Parte disso é decorrente da compreensão e até mesmo para cumprir a Lei do Piso. De acordo da sociedade de que educação importa”, diz a superintendente do com levantamento da CNTE, mais da metade dos estados não paTodos Pela Educação, Alejandra Meraz Velasco. gam opiso salarial dos professores. Atualmente, o valor está em R$ O PNE estabelece metas e estratégias para serem cumpridas até R$ 2.135,64. Os entes defendem maior participação da União nos 2024. A lei trata desde o ensino infantil até a pós-graduação. Uma gastos, uma vez que é a que mais arrecada. das metas do PNE prevê a elevação do investimento em educação Discussão dos atuais 6,6% para 10% do Produto Interno Bruto (PIB) por ano, até A questão começou a ser discutida no âmbito do Ministério da Educao final da vigência. ção, no Fórum Permanente para Acompanhamento da Atualização Pelo PNE, em até dois anos de vigência, o país deveria ter asseguraProgressiva do Valor do Piso Salarial Nacional, composto por repredo a existência de planos de carreira para os profissionais da educasentantes do MEC, dos estados, dos municípios e dos trabalhadores. ção básica e superior públicas. De acordo com dados da Pesquisa de O fórum foi convocado ainda na gestão da presidenta afastada Dilma Informações Básicas Municipais (Munic/IBGE), em 2014, 89,6% dos Rousseff. Ainda não houve reuniões depois de o atual ministro Menmunicípios brasileiros declararam ter plano de carreira para o magisdonça Filho assumir a pasta. Marta integra o fórum e diz que o CNTE tério; metade deles diz ter ações de regulamentação e valorização do decidiu que só participará das discussões após o fim do processo de magistério e 65,9% afirmam ter adotado concurso público para a conimpeachment e que não negociará com o governo de Michel Temer tratação de professores. Dados do Censo Escolar mostram que, em enquanto for interino. 2015, 28,9% dos contratos docentes da educação básica pública eEm nota, o MEC assegura que está realizando “análise cuidadosa do ram temporários, o equivalente a quase 630 mil contratos. orçamento para a implantação do CAQi [Custo Aluno-Qualidade iniciSegundo o Todos pela Educação, não há medições qualitativas desal]”. Previsto para ser implantado ainda este ano pelo Plano Nacional sas políticas e nem uma ferramenta de monitoramento sobre a aplicade Educação, o CAQi poderia ajudar os estados e municípios a remução do piso salarial dos professores. “Não é uma mudança do salário nerar melhor os professores. “Importante destacar que a atual gestão que muda a qualidade na educação, mas a atratividade na carreira. É recebeu o orçamento com um corte de R$ 6,4 bilhões. No entanto, já preciso pensar em todos os componentes, desde a atratividade das foi possível recompor R$ 4,7 bilhões para minimizar qualquer prejuízo licenciaturas e pedagogia, a programas com identidade própria, que a políticas do MEC”, diz a nota. levem ao exercício do magistério e perspectivas de carreira atraenFonte: Agência Brasil – Mariana Tokarnia DESIGUALDADES Os contrastes sociais são responsáveis por todas as desigualdades raciais, étnicas e interculturais. Mesmo em tempos pós emancipação quem tem muita melanina, na maioria das vezes, é olhado de canto, é temido. Julgado e culpado. Prostrado à marginalização e banalidade. Jogado à sorte do destino. É triste ver que muitos são obrigados a sobreviver com pouca coisa, enquanto poucos riem e fazem de tudo um circo, vivendo bem e muito bem, "com muitas coisas" O problema da desigualdade social não é a falta de dinheiro para muitos, e sim o excesso na mão de poucos. www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 14

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 14 ODS - ONU - 2015/2030 Os esforços conjuntos para o alcance dos ODM até o fim de 2015 não se encerrarão nessa data. As ações do PNUD a partir de então estarão alinhadas com os ODS, tendo em mente a necessidade da finalização do trabalho no âmbito dos ODM, visando “não deixar ninguém para trás” no processo de desenvolvimento sustentável. Estamos determinados, no espírito da Agenda 2030, a tomar medidas ousadas e transformadoras que se necessitam urgentemente para pôr o mundo em um caminho sustentável e resiliente. Os cinco P´s da Agenda 2030 O documento final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - Rio+20 dispõe que o desenvolvimento de objetivos e metas, tal qual aplicado em relação aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, seria útil na busca do desenvolvimento sustentável, por meio de ações focadas e coerentes. Decidiu-se estabelecer um processo intergovernamental inclusivo e transparente que fosse aberto a todos, com vistas a elaborar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Após mais de três anos de discussão, os líderes de governo e de estado aprovaram, por consenso, o documento “Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. A Agenda é um plano de ação para as pessoas, o planeta e a prosperidade. Ela busca fortalecer a paz universal com mais liberdade, e reconhece que a erradicação da pobreza em todas as suas formas e dimensões, incluindo a pobreza extrema, é o maior desafio global ao desenvolvimento sustentável. A Agenda consiste em uma Declaração, 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e as 169 metas, uma seção sobre meios de implementação e de parcerias globais, e um arcabouço para acompanhamento e revisão. O conjunto de objetivos e metas demonstram a escala e a ambição desta nova Agenda universal. Os ODS aprovados foram construídos sobre as bases estabelecidas pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), de maneira a completar o trabalho deles e responder a novos desafios. São integrados e indivisíveis, e mesclam, de forma equilibrada, as três dimensões do desenvolvimento sustentável: a econômica, a social e a ambiental. Aprovados na Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (25-27 de setembro 2015), a implementação dos ODS será um desafio, o que requererá uma parceria global com a participação ativa de todos, incluindo governos, sociedade civil, setor privado, academia, mídia, e Nações Unidas. Os ODS, embora de natureza global e universalmente aplicáveis, dialogam com as políticas e ações nos âmbitos regional e local. Na disseminação e no alcance das metas estabelecidas pelos ODS, é preciso promover a atuação dos governantes e gestores locais como protagonistas da conscientização e mobilização em torno dessa agenda. O PNUD Brasil continuará contribuindo para o desenvolvimento de capacidades em âmbito local - como tem feito com os ODM (ver portalodm.com.br e atlasbrasil.org.br) - visando à implementação e ao monitoramento dos ODS. Numa sociedade movida à dinheiro e hipocrisia, encontramos pessoas propensas aos mais diversos rumos incluindo-se a devassidão. Cuidado com quem andas, pois tua companhia sumariza quem és. Não tenha medo de lutar pelo que acredita, apenas seja você mesmo nos mais divergentes momentos que possam surgir. Fazendo isto, certamente afetará os que estão à tua volta que não gostam do que veem. Saberão fazer a triagem do joio e do trigo. Só tome cuidado com o lado com que ficará, pois uma escolha errada pode te afetar drasticamente. Pense no seu futuro. Sua escolha hoje, será o seu futuro amanhã. Seja feliz, haja com honestidade sempre. Mas acima de tudo, cuidado com o que te tornarás! Filipe de Sousa www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

p. 15

Julho 2016 Gazeta Valeparaibana Página 15 EUROPA hoje e ontem (artigo continuado) Por: Michael Löwy Sociólogo, é nascido no Brasil, formado em Ciências Sociais na Universidade de São Paulo, e vive em Paris desde 1969. Diretor emérito de pesquisas do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS). Homenageado, em 1994, com a medalha de prata do CNRS em Ciências Sociais, é autor de Walter Benjamin: aviso de incêndio (2005), Lucien Goldmann ou a dialética da totalidade (2009), A teoria da revolução no jovem Marx (2012) e organizador de Revoluções (2009) e Capitalismo como religião (2013), de Walter Benjamin quase 400 milhões de dólares, 3% do total da militares derrubaram, em meio à indiferença “ajuda” concedida à Europa. popular, a podre “democracia grega”: “Violentos e sempre repressores, Papadopoulos e seus colegas demitiram mil funcionários públicos, de esquerda e de centro, e isolaram a Grécia durante sete anos de opressão. Com atitudes antimodernas que mais pareciam uma paródia, os coronéis censuraram a imprensa, declararam a ilegalidade de qualquer greve e proibiram a música moderna e as minissaias. Também proibiram o estudo da sociologia, do russo e do búlgaro, e até de Sófocles, Eurípides e Aristófanes… Era proibido ter cabelo comprido. As fardas da guarda palaciana e dos funcionários do cerimonial foram substituídas por vistosos trajes tradicionais gregos”. A ditadura obscurantista e reacionária dos coronéis gregos garantiu a estabilidade política na Grécia no período revolucionário europeu iniciado em 1968 pelo maio francês e pela “primavera de Praga”. O poder era exercido por uma junta de oficiais, chefiada por Georgios Papadopoulos. O rei Constantino II, que ascendera ao trono em 1964, foi obrigado a fugir do país em 13 de dezembro de 1967, após uma fracassada tentativa de contragolpe, embora tivesse permanecido como chefe de estado de jure (substituído por um regente) até 1º de junho de 1973, quando a Junta Militar aboliu a monarquia e proclamou a República. Em 1969, o Conselho de Europa expulsou a Grécia; no ano seguinte, a própria CEE desvinculou-se da Grécia governada pela Junta Militar. O regime dos coronéis terminou em julho de 1974, afetado pelos efeitos políticos internos da crise econômica mundial (manifestada pelo choque petroleiro de 1973) e pela resistência popular. Um episódio central nessa queda foi a ocupação pelos estudantes da Faculdade de Direito e da Escola Politécnica de Atenas, ação em que tiveram um papel central os militantes trotskistas hoje organizados no EEK (Partido Revolucionário dos Trabalhadores). A tentativa de sair da crise interna ativando o nacionalismo grego em relação a Chipre, favorecendo um golpe de estado que derrubou o governo da ilha (o arcebispo cristão ortodoxo Makarios) e a “reuniu” à Grécia, terminou num desastre (invasão bem sucedida da ilha pela Turquia, que ocupou 20% do seu território em defesa dos cidadãos turcos) que acelerou, em estilo “Guerra das Malvinas”, a queda da Junta Militar grega. As novas eleições criaram uma espécie de sistema bipartidário, com um partido de direita, a “Nova Democracia” (Karamanlis) e outro “de esquerda”, o Movimento Socialista PanHelênico, PASOK, liderado por Andreas, filho de Georges Papandreou. Em 8 de dezembro de 1974 se instituiu a “Terceira República Helênica”; o arcebispo Makarios voltou ao mesmo tempo ao governo de Chipre. . CONTINUA NA PRÓXIMA EDIÇÃO O desenvolvimento capitalista de pós-guerra, favorecido pelo boom econômico mundial, aliou na Grécia a miséria social, a repressão política e a acumulação insolente de riqueza pelos capitalistas helênicos, em especial os armadores de navios, cujo homem-símbolo, Aristóteles Onassis, deu-se ao luxo de comprar (literalmente) a mulher mais cara do planeta, a viúva do presidente dos EUA, Jacqueline Kennedy, através de um contrato nupcial que previa, além dos obrigados e centrais aspectos financeiros, a frequência e características dos acessos do marido à cama da Sra. Kennedy-Onassis. E se acusa de exagero quando afirmou, no Capitalismo e democracia Marx Manifesto Comunista, que o matrimônio burguês não passava de prostituição na Europa legalizada. Enquanto isso, os salários gregos PARTE VII eram os piores da Europa, excluído o ... Na Grécia, por sua vez, o DSE sofreu uma Portugal. derrota militar catastrófica no verão de 1948, com quase 20.000 baixas. E, em julho de A “democracia” pós-guerra civil baseou-se na 1949, Tito fechou a fronteira iugoslava com a repressão e na proscrição da esquerda, na Grécia, negando proteção ao DSE. Um fraude eleitoral que beneficiou o partido de cessar-fogo na Grécia foi finalmente assinado Konstantinos Karamanlis, a União Helênica a 16 de outubro de 1949. Era o fim da guerra (depois União Nacional Radical), vitoriosa nas civil grega, e também a derrota da revolução. urnas em 1956, 1958 e 1961, e na aliança do exército grego com a OTAN comandada Pós-Guerra, OTAN, CEE e União Europeia pelos EUA, um exército que, nas palavras de Durante o conflito mundial, vários países Tony Judt, “à semelhança do tradicional corpo vizinhos aproveitaram a ocasião para de oficiais espanhol, via-se a si mesmo, e não defender reivindicações territoriais sobre a aos efêmeros documentos constitucionais Grécia. Muitos membros da ELAS eram que juravam defender, como guardião da macedônios étnicos, que haviam estabelecido nação e da integridade desta”. Um exército o SNOF (Frente de Libertação da Macedônia) “latino-americano”. A aliança com a Grécia em 1944, com a ajuda do líder iugoslavo Tito, era geopoliticamente estratégica para s EUA que pretendia anexar a Macedônia grega. O nas condições da “guerra fria”. A partir de KKE se afirmava em favor da criação de uma 1962, Grécia foi considerada “associada” da República Socialista da Macedônia, CEE (Comunidade Econômica Europeia), unificando toda a Macedônia, tanto a parte nascida da antiga Comunidade Europeia do grega como a eslava: a ELAS e o SNOF Carvão e do Aço, e antecessora da União finalmente romperam sua aliança político- Europeia (UE). Em 1963, um dos escassos militar. A guerra civil deixou o país em pior parlamentares de esquerda tolerados, estado do que se encontrava no final da opositor a Karamanlis, Grigoris Lambrakis, foi ocupação nazista, em 1944. Milhares de assassinado por grupos paramilitares gregos foram obrigados a emigrar, dirigindo- paraestatais em um ato público em se a países como os EUA, Austrália, Tessalônica, um fato celebrizado no filme de Argentina e Alemanha. A derrota popular na Costa-Gavras Z (de 1969), com Yves guerra civil originou um governo direitista e Montand interpretando o papel de Lambrakis, repressivo, com os comunistas (reais ou filme que foi um sucesso mundial. supostos) sendo sistematicamente torturados As fraudes eleitorais escandalosas e a no presídio da ilha de Makronisos, e os sujeira, tornada escândalo internacional, do antigos membros (ou suspeitos membros) da assassinato de Lambrakis, contribuíram para ELAS proibidos de exercer funções públicas, a vitória eleitoral da União de Centro de até do mais baixo nível, durante mais de três George Papandreou. Em que pese o êxito décadas. Esse regime repressivo foi sucedido econômico do país, 6% de crescimento médio (e continuado) em 1967 pela “ditadura dos anual do PIB, favorecido pela situação coronéis”. A vitória monárquico-imperialista econômica mundial, a instabilidade política se na guerra civil levou à adesão da Grécia à tornou crônica, com um rei envolvido nas OTAN, em 1952, e ajudou a definir o falcatruas do Estado e um exército que equilíbrio de poder no Mar Egeu ao longo da pressionava e condicionava os políticos “guerra fria”. burgueses. Em março de 1967, 21 oficiais O capitalismo grego, desse modo, foi salvo considerados “liberais” (ou seja, não pela aliança da burguesia do país com o suficientemente anticomunistas e pró-EUA) imperialismo anglo-americano, com a foram levados à corte marcial, com apoio de omissão cúmplice da burocracia da URSS. O todo o regime. Um mês depois, encabeçados “Plano Marshall” beneficiou à Grécia com pelo coronel Georgios Papadopoulos, os www.culturaonlinebrasil.net /// CULTURAonline BRASIL /// www.culturaonlinebr.org

[close]

Comments

no comments yet