JS - Junho 2016

 
no ad

Embed or link this publication

Description

JS

Popular Pages


p. 1

Veja as imagens da manifestação dos taxistas realizada em frente ao Prédio 2 do Foro Central. Páginas 8 e 9 Participantes da Concorrência Pública realizam as provas práticas na sede da EPTC. Página 11 Fórum discute propostas para alterar a legislação penal no Brasil. Página 12 N a defesa dos interesses de todos os profissionais do volante a direção do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) ingressou com uma ação visando suspender o aplicativo da empresa norte-americana Uber, que opera de forma irregular na capital gaúcha desde 19 de novembro do ano passado. O bloqueio do sinal pode ser feito através das operadoras de telefonia celular móvel. A ação foi entregue na Vara Cível do Foro Central no dia 25 do mês passado. Enquanto os assessores jurídicos do Sintáxi, Alexandre Camargo e Guilherme Fanganito, juntamente com o diretor Administrativo, Adão Ferreira de Campos, protocolavam o documento, cerca de 60 taxistas realizavam um protesto do lado de fora do prédio. A titular da 14ª Vara Cível, juíza Maria Lúcia Boutros Buchain Zoch Rodrigues, negou o pedido de liminar feito pelo Sintáxi por entender que a concorrência com os táxis não é desleal. A magistrada sustentou ainda que o Uber agradou usuários e que a livre concorrência também é um direito adquirido pelo consumidor. Números estimados do prejuízo, apresentados pelo Sintáxi, foram insuficientes para acatar o pedido. Para a juíza, não há “dados concretos que permitam afirmar a alegada redução nas corridas de táxi”. O mérito da ação ainda será julgado, mas o Sintáxi vai recorrer da decisão da magistrada. Páginas 4 a 10 “Olha o JS!” Este é o grito que ecoa todos os meses há 15 anos. É o JORNAL DO SINTÁXI, que completa mais uma etapa de sua trajetória. Todos os meses o JS traz informação, opinião, lazer e prestação de serviço, entre outros tantos temas interessantes para a população de Porto Alegre. Neste momento de alegria e festa a diretoria da SP Comunicação saúda a família taxista e os demais leitores do JS. Numa parceria firmada em 2007 com a direção do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), a SP Comunicação é responsável pela comercialização e edição do JS. O resultado deste trabalho conjunto é que todos os meses os leitores recebem um jornal com informação e opinião, observando a qualidade no desenho gráfico e na impressão do periódico - atualmente é impresso nas oficinas gráficas do jornal Pioneiro, do Grupo RBS, em Caxias do Sul, na serra. O JS acompanha as transformações tecnológicas presentes no dia a dia da população sem fugir de seu compromisso de bem informar a família taxista. O porta-voz do Sintáxi inicia um novo tempo para mais 15 anos de informação, opinião e prestação de serviço. Um jornal de sindicato que também abrange toda a população da capital gaúcha. Página 3 Taxistas se concentraram em frente ao Prédio 2 do Foro Central onde protestaram contra a Uber Jonas Grillo/SP Comunicação

[close]

p. 2

JS - Junho de 2016 - Página 2 A missão do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) é representar todos os profissionais do volante, sejam permissionários, arrendatários ou condutores auxiliares e defender seus interesses. Ao longo dos anos a diretoria do Sintáxi tem desempenhado este papel com pleno êxito. A prova dessa afirmação são as inúmeras conquistas obtidas que beneficiaram a família taxista. O Sintáxi se encontra numa nova luta, desta vez contra uma gigante multinacional, sediada na cidade de São Francisco, nos Estados Unidos da América. A Uber invadiu o Brasil e busca espaço em diversas cidades brasileiras incluindo Porto Alegre, tudo à revelia da lei e da ordem. Por conta disto, o Sintáxi ingressou com uma ação cível contra a Uber, para que seja suspenso o sinal do aplicativo através das operadoras de telefonia celular móvel. O mérito da ação ainda vai ser julgado. Por enquanto a titular da 14ª Vara Cível, juíza Maria Lúcia Boutros Buchain Zoch Rodrigues, negou o pedido de liminar para que a suspensão do aplicativo ocorresse de forma imediata, enquanto tramita o processo. Vamos recorrer desta decisão para que a suspensão imediata do aplicativo acelere o andamento do processo na justiça gaúcha. Todos nós temos plena consciência de que o serviço de táxi de Porto Alegre precisa melhorar. Inúmeras ações foram desencadeadas ao longo dos últimos anos, visando buscar a excelência na qualidade do serviço prestado. Atualmente o modal é regido por uma legislação nova, elaborada a partir dos modernos recursos disponíveis tanto para os profissionais do volante, bem como usuários, passando pelo controle do poder público municipal. Está em curso uma licitação prevendo o retorno de 89 permissões à frota de táxis - carros adaptados ao transporte de cadeirantes. Todos os táxis que circulam na Capital são monitorados 24 horas pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). O órgão público está revisando o cadastro de todos os taxistas e suspendendo o “carteirão” daqueles que respondem à inquéritos por crimes contra a vida e o patrimônio. Estas e outras ações que estão em curso visam melhorar o sistema e corrigir os problemas e contam com o apoio do Sintáxi. Qualificar e melhorar o serviço prestado, sim! Quebrar e levar os taxistas à falência, por conta do capricho de alguns, não! Justiça social O presidente da República em exercício, Michel Temer precisa ouvir os anseios do povo brasileiro para não cometer os mesmos erros que prejudicam a Nação. A população clama por justiça social, isto significa condições iguais para todos, mas o governo Temer está disponibilizando reajustes para um determinado segmento da sociedade, que já goza de bons rendimentos e outros benefícios. Os integrantes do poder judiciário estão sendo beneficiados com novo reajuste em seus vencimentos, num claro desrespeito à situação vivida pela maioria dos brasileiros, especialmente os que precisam sobreviver com R$ 880,00 por mês. Não é possível que determinadas castas sociais possam ser beneficiadas, enquanto que a maioria da população passa por imensas dificuldades financeiras. Todos são trabalhadores, precisam sustentar seus familiares e pagam impostos de toda a ordem. Não pode haver diferenças entre as classes. Especialmente num país pobre que atravessa uma grande crise financeira. Se não é possível beneficiar a população, principalmente a mais pobre, então nenhuma outra categoria poderia receber qualquer melhoria salarial, especialmente quando são os contribuintes que arcam com a conta. O governo Temer precisa ter coragem para alterar esta lógica permissiva que produz consequências desastrosas para a economia do Brasil. A fórmula de divisão do bolo da riqueza precisa ser modificada imediatamente para que a justiça social seja alcançada na prática e não apenas no discurso. Os programas sociais mantidos pelo governo federal são importantes para ajudar a população, mas todos precisam ter em mente que só migalhas não reduzirão os índices de miséria. O Brasil precisa de emprego, renda e menos impostos para que a economia gire beneficiando todos.

[close]

p. 3

JS - Junho de 2016 - Página 3 Jornal do Sintáxi completa 15 anos de existência oferecendo informação, opinião e prestação de serviço aos seus leitores O Capa da primeira edição do JORNAL DO SINTÁXI, de junho de 2001 Arquivo porta-voz da família taxista está completando 15 anos de plena existência. Todos os meses as páginas do JORNAL DO SINTÁXI trazem informação, opinião, prestação de serviço e humor, além de oferecer outros temas relevantes. A história do sistema de táxi da capital gaúcha contada desde junho de 2001. Nas páginas do JS os profissionais do volante encontram as informações necessárias sobre as ações promovidas pela diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi). A população porto-alegrense também é brindada com notícias sobre a cidade, o Estado e o País. Desde junho de 2008 é possível ler as edições mensais do JS acessando o site do Sintáxi, www.sintaxi.com.br, clicando no link Jornal do Sintáxi. Em novembro do ano passado o layout do site do Sintáxi foi alterado e o JS passou a ser lido na tela do computador, tablet ou smartphone pelo sistema page flip. “Querem saber o que acontece no sistema de táxi da capital, leiam o JORNAL DO SINTÁXI e ficarão bem informados. Este é o principal objetivo desta publicação que chega às mãos dos taxistas e população em geral, incluindo leitores de outros estados brasileiros que acessam o site do sindicato e interagem conosco através de e-mail e telefone.” O comentário é do presidente do Sintáxi, Luiz Nozari, acrescentando que a diretoria e a assessoria de imprensa da entidade continuarão trabalhando visando qualificar ainda mais o principal veículo de comunicação do sindicato. Por enquanto, os leitores podem apreciar mais uma edição repleta de informações e opinião, especialmente as providências que a diretoria do Sintáxi está tomando com relação ao projeto de lei que tramita na Câmara Muncipal visando a regulamentação do uso do aplicativo desenvolvido pela empresa norte-americana Uber.

[close]

p. 4

JS - Junho de 2016 - Página 4 A Sintáxi ingressa com ação visando suspender a Uber e buscar reparação pelos danos financeiros causados assessoria jurídica do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) já recorreu da decisão da titular da 14ª Vara Cível, juíza Maria Lúcia Boutros Buchain Zoch Rodrigues, que negou o pedido de liminar feito pela entidade de suspender imediatamente o sinal do aplicativo desenvolvido pela empresa norte-americana Uber, através das operadoras de telefonia celular móvel. O mérito da ação ainda será julgado. A revisão do pedido visa restabelecer a ordem e interromper os prejuízos financeiros que os taxistas estão sofrendo desde que a Uber passou a operar em Porto Alegre, em 19 de novembro do ano passado. A ação cível contra a multinacional foi protocolada no dia 25 do mês passado, no Foro Central da Capital. Enquanto os assessores jurídicos do Sintáxi, Alexandre Camargo e Guilherme Fanganito, juntamente com o diretor Administrativo, Adão Ferreira de Campos, protocolavam o documento, cerca de 60 taxistas realizavam um protesto do lado de fora do prédio. Com faixas e palavras de ordem, os taxistas protestaram de forma pacífica contra a presença da Uber em Porto Alegre, que causa prejuízos para toda a categoria. Não houve nenhum incidente durante a manifestação que durou pouco mais de 1 hora. Os taxistas não trancaram ruas, muito menos impediram o direito de ir e vir das pessoas. Para Adão Campos esta foi a resposta do Sintáxi ao descaso da empresa norte-americana que invadiu uma cidade organizada e disciplinada através de leis. “Nós acreditamos que o poder judiciário restabelecerá a ordem novamente, pois não acreditamos que uma multinacional tenha mais poder e regalia do que as empresas brasileiras, geradoras de empregos e riquezas para o País”, justifica. A Uber tem sede em São Francisco, estado da Califórnia, nos Estados Unidos da América. Por conta disto, todo o lucro gerado no Brasil é direcionado para a matriz no exterior que não recolhe nenhum tributo seja de ordem municipal, estadual ou federal. Na ação movida contra a Uber, o assessor jurídico do Sintáxi, Alexandre Luís Camargo, explica que a multinacional opera de forma irregular na capital gaúcha, já que o transporte de passageiros deve ser regulamentado pelo poder público municipal. Camargo ressalta que a ação movida contra a multinacional norte-americana também prevê o ressarcimento dos prejuízos causados desde novembro do ano passado, quando a Uber iniciou as atividades em Porto Alegre. Segundo relatos dos profissionais do volante a queda no número de corridas de táxis chegou a 40%, percentual que impacta no custo diário (combustíveis e manutenção do veículo). “A sociedade precisa entender que não adianta quebrar o sistema de táxi. Os problemas de mobilidade urbana não serão resolvidos desta forma e a Uber cobra o preço que bem entender pelo serviço prestado. Num determinado momento o usuário poderá pagar bem barato, mas em outra situação pagará muito mais caro, do que uma corrida de táxi. Não é possível que todos fiquem passivos olhando uma multinacional tomar conta do mercado brasileiro, como se o Brasil fosse o quintal dos Estados Unidos”, conclui Adão Campos. Taxistas protestaram em frente ao Prédio 2 do Foro Central de forma pacífica e ordeira Jonas Grillo/SP Comunicação Sintáxi alerta: taxistas estão sendo iludidos a pagar por suposta ação contra a Uber A diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) alerta todos os profissionais do volante, sejam permissionários, arrendatários e condutores auxiliares que não precisam pagar honorários advocatícios para supostas ações contra a multinacional norte-americana Uber. O Sintáxi ingressou com a ação na justiça gaúcha em nome dos mais de 10,5 mil taxistas licenciados para o exercício da atividade em Porto Alegre sem nenhum custo. “Tomamos conhecimento de que dirigentes de supostas entidades representativas da categoria estão cobrando cerca de R$ 300,00 de cada taxista para ingressar na justiça contra a Uber. Os profissionais do volante, sócios ou não do Sintáxi, não precisam pagar para ter seus direitos garantidos, pois a entidade representa a todos e a ação na justiça vai beneficiar a categoria em sua integralidade.” O alerta é do presidente do Sintáxi, Luiz Nozari, acrescentando que não é a primeira vez que os taxistas são iludidos com “falsas promessas” e pagam por algo sem necessidade, já que o sindicato sempre defende o interesse de todos, sejam sócios ou não da entidade.

[close]

p. 5

JS - Junho de 2016 - Página 5

[close]

p. 6

JS - Junho de 2016 - Página 6 O Audiência pública no Ginásio Gigantinho vai debater a Uber e suas “promessas” Vereadores: www.camarapoa. rs.gov.br, clicando nos links Sala do Cidadão, Consulta a Projetos, inserindo o número do processo 01221/16 no item Filtro. O presidente do Sintáxi ressalta que é importante discutir o projeto de autoria do prefeito José Fortunati, que desde o dia 16 do mês passado tramita na Câmara Municipal. O Sintáxi entende que o serviço prestado por motoristas parceiros da Uber é ilegal e irregular, pois a legislação em vigor já define o sistema de transporte de passageiros na Capital. Regulamentar o uso de aplicativos para que uma empresa multinacional possa explorar comercialmente o mercado brasileiro é a forma mais fácil encontrada pelo poder público que se contenta em receber taxas e impostos. “Realmente, o prefeito Fortunati está se vendendo por migalhas para o Tio Sam”, desabafa Nozari, acrescentando que da forma com que o governo trata do assunto, dá a entender que não adianta leis e decretos regulamentando os direitos e deveres dos cidadãos brasileiros, pois o Brasil mais parece o quintal dos Estados Unidos, já que qualquer empresa oriunda daquele país ingressa no território nacional e faz o que bem entender, desde que pague um imposto. Mentira Grupos de whatsapp dos parceiros da multinacional norte-americana Uber divulgam informações sobre o dia a dia do sistema e um motorista alega que ganhou cerca de R$ 300,00 líquido em um mês de trabalho. Para o presidente do Sintáxi, Luiz Nozari, esta é a verdade dos fatos, assim como os taxistas arcam com os custos decorrentes de combustível e manutenção dos carros, não é diferente para os motoristas parceiros da Uber, que são obrigados a cobrarem mais barato pelas corridas. O dirigente sindical acrescenta que se trata de uma relação escravagista, já que o parceiro da Uber é obrigado a arcar com todos os custos e responsabilidades, ganhando pouco, enquanto que a multinacional fatura em cima do trabalho de outros. A diretoria do Sintáxi já sugeriu a criação do táxi executivo, na cor preta, com o valor da tarifa 50% mais cara do que os táxis comuns (vermelho ibérico) e os especiais (brancos) que atendem o Ponto do Aeroporto Internacional Salgado Filho. Poderiam ser destinados 500 veículos da atual frota e os condutores destes táxis receberiam treinamento especial e passariam a usar terno e gravata, oferecendo um atendimento diferenciado. Os táxis podem ser chamados por aplicativos ou nas ruas e pontos localizados na cidade. dito popular “a mentira contata mil vezes sem contestação se torna a verdade absoluta” está presente novamente, desta vez com a situação envolvendo o aplicativo desenvolvido pela empresa norte-americana Uber. Neste caso, a mentira plantada diz que um motorista parceiro da multinacional pode faturar cerca de R$ 6 mil por mês. Outras fábulas e lendas urbanas sobre o modismo que tomou conta dos smartphones da população das classes média e alta será objeto de discussão durante Audiência Pública, convocada pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Cássio Trogildo, que acontecerá no dia 5 de julho, às 19 horas, no Ginásio Esportivo Gigantinho. A diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) está mobilizando a categoria para que participe do evento, a fim de discustir o Projeto de Lei do Executivo (PLE) nº 14/2016, que prevê a regulamentação do aplicativo desenvolvido pela Uber e outros que venham a ser criados. O PLE está tramitando no legislativo municipal e, até o fechamento desta edição do JORNAL DO SINTÁXI, aguardava o parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Municipal, para que possa seguir às outras comissões. É possível acompanhar o andamento do projeto acessando o site da Câmara dos Encontro com vereadores A diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) promoveu um encontro entre taxistas e vereadores de Porto Alegre. O evento aconteceu no dia 17 deste mês, no Partenon Tênis Clube. Cerca de 30 taxistas, a maioria supervisores de pontos de táxis, estiveram presentes e puderam conversar com o vereador João Carlos Nedel (PP) e representantes das bancadas do PSD, do vereador Tarciso Flecha Negra e do SDD, do vereador Clàudio Janta. Foram convidados os líderes e vice-líderes de todas as bancadas na Câmara Municipal. Na oportunidade os profissionais do volante repudiaram com veemência o Projeto de Lei do Executivo (PLE) nº 14/2016, que prevê a regulamentação do aplicativo desenvolvido pela Uber e outros que venham a ser criados. Os taxistas entendem que os vereadores não são obrigados a votar um projeto que beneficia uma empresa multinacional. Muitos países da Europa estão proibindo o ingresso da Uber, mas o Brasil não faz valer sua própria soberania permitindo que uma empresa norte-americana explore um setor da economia que é regulamentado por lei. Até o momento a Uber já foi banida da Bélgica, Holanda, França, Alemanha e Espanha. Os taxistas lembraram que pagam taxas, tarifas e são fiscalizados constantemente pelos agentes da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), enquanto que os motoristas parceiros da Uber atuam livremente, principalmente nas noites de sextas e sábados nas principais casas noturnas de Porto Alegre. O grupo de taxistas, denominado Resistência, vai encaminhar à Câmara Municipal um relatório demonstrando a ilegalidade do PLE nº 14/2016, que fere o próprio Código de Trânsito Brasileiro (CTB), entre outras leis, inclusive a que regulamenta o sistema de táxi na Capital.

[close]

p. 7

JS - Junho de 2016 - Página 7

[close]

p. 8

JS - Junho de 2016 - Página 8 Taxistas promoveram manifestação pacífica e ordeira O diretor Administrativo do Sintáxi, Adão Ferreira de Campos, conversa com os taxistas Fotos Jonas Grillo/SP Comunicação O assessor jurídico do Sintáxi, Alexandre Camargo, explica aos jornalistas o objetivo da ação movida pela entidade Participação, ao vivo, no Balanço Geral, da TV Record Atendendo a equipe de reportagem do SBT-RS Aguardando a chegada dos assessores jurídicos do Sintáxi Concentração em frente ao Prédio 2 do Foro Central Sintáxi sempre na defesa dos interesses de todos os taxistas No detalhe a ação movida pelo Sintáxi contra a Uber protocolada

[close]

p. 9

JS - Junho de 2016 - Página 9 Eles pediram respeito por parte das autoridades públicas Guilherme Fanganito, Adão Campos e Alexandre Camargo protocolam a ação na Vara Cível Adão Campos combina com os taxistas os próximos passos do Sintáxi Taxistas argumentam suas posições contrárias à Uber O presidente do Sintáxi, Luiz Nozari, acompanhou a manifestação Alexandre Camargo atende as jornalistas do Correio do Povo e RBS TV Na saída do Foro Central com a ação protocolada Explicando ao taxistas os trâmites da justiça Atendendo as equipes da TV Pampa e TVE

[close]

p. 10

JS - Junho de 2016 - Página 10 O Clàudio Janta defende os taxistas suas regras e formas, desrespeitando nossas leis e regulamentos. Lamentamos que a população não tenha este pensamento e ache lindo que uma multinacional leve o sistema de táxi à falência”, comenta Nozari. O dirigente sindical já sugeriu a criação do táxi executivo, para a prestação de um serviço diferenciado, conforme o desejo dos usuários, porém a negativa leva a crer que o objetivo de tudo é quebrar o sistema de táxi vigente. “Se o aplicativo da Uber fosse a oitava maravilha do mundo, por que os países da Europa estão expulsando a multinacional de seus territórios?” Questiona Nozari. vereador Clàudio Janta (SD) está em luta aberta e sem medo na defesa de todos os taxistas de Porto Alegre. Vicepresidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Municipal, ele teve a coragem de pedir vista ao processo depois que o vereador Mauro Zacher (PDT) apresentou seu relatório com parecer favorável à tramitação do Projeto de Lei do Executivo (PLE) n° 14/2016, que propõe a regulamentação do sistema de transporte individual de passageiros, como o praticado pela empresa Uber, na Capital. Para o vereador Clàudio Janta é preciso maior discussão sobre o projeto, pois há a necessidade de fazer a análise do impacto que a liberação da atividade, com base na livre concorrência, terá no mercado de trabalho do transporte coletivo ou individual. A votação do relatório do vereador Mauro Zacher deverá ocorrer na próxima reunião da CCJ, no dia 28 deste mês, caso não haja novo adiamento. O presidente do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), Luiz Nozari, parabeniza a coragem e determinação do vereador Clàudio Janta, que acima do “modismo Uber” sabe o verdadeiro significado da palavra soberania. “Nós somos o Brasil, um país que tem a sua soberania e não pode ser subjulgado pelos Estados Unidos da América, com suas empresas comerciais, que invadem nosso País, impondo Vereador Clàudio Janta Imprensa Solidariedade/Divulgação

[close]

p. 11

JS - Junho de 2016 - Página 11 Participantes da Concorrência Pública realizam as provas práticas Primeiro colocado na Concorrência, Paulo César Soares da Frota, realizou a prova em 9min24seg Tomás Sá Pereira/SP Comunicação O s participantes da Concorrência Pública n° 3/2015, que prevê o ingresso de 89 permissões na frota de táxis de Porto Alegre, carros adaptados ao transporte de cadeirantes, realizaram as provas práticas, previstas no edital, entre os dias 23 de maio e 6 de junho. Os 150 licitantes melhores colocados na primeira etapa do processo, foram convocados. Os integrantes da Comissão Especial de Licitação estão analisando os resultados e recursos, para que seja publicada a relação final dos aprovados. A reportagem do JORNAL DO SINTÁXI acompanhou o primeiro dia de provas, realizadas no pátio da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), e conversou com os candidatos que acharam o teste fácil. Cada um tinha até 15 minutos para embarcar e desembarcar um cadeirante observando os inúmeros itens previstos no edital. A média ficou em torno de 8 minutos, um tempo razoável, segundo os instrutores da EPTC, responsáveis pela aplicação das provas. Os dois primeiros colocados no processo não compareceram e foram eliminados da concorrência. Susiane Aparecida Schuetz Ramos havia apresentado uma proposta de R$ 756.001,90 e Milton Serafim Gomes Reges, R$ 700 mil. Desta forma, o primeiro colocado passou a ser Paulo César Soares da Frota, com uma oferta de R$ 611.900,00. Ele realizou a prova em 9min24seg. Já o segundo colocado no cer- tame passou a ser Fernando Custódio da Silva, com uma proposta de R$ 607.201,00. O tempo de prova foi 6min 11seg. Para o presidente do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), Luiz Nozari, a desistência dos dois primeiros colocados no processo, não causou nenhuma surpresa, pois caso eles obtivessem a permissão e assinassem o contrato com a prefeitura, teriam imensas dificuldades de pagar as parcelas do contrato. “Os valores que os dois concorrentes apresentaram estavam totalmente fora da realidade de mercado. Ainda que ambos trabalhassem no Ponto Fixo do Aeroporto, eles não conseguiriam honrar com o compromisso firmado com a prefeitura”, comenta Nozari. Os 89 aprovados na prova prática serão chamados para escolher o ponto fixo onde ficarão lotados e assinar os contratos. A partir desta etapa cada um terá até 180 dias para adquirir o veículo, adaptá-lo ao transporte de cadeirantes, pintar ou envelopar o carro, instalar o taxímetro e o luminoso com o prefixo e levá-lo para a vistoria na EPTC, a fim de obter o Alvará de Tráfego. A previsão é de que no decorrer deste ano os primeiros táxis adaptados ao transporte de cadeirantes comecem a circular pela cidade. A tarifa cobrada será a mesma dos demais táxis, hoje em R$ 2,59, o quilômetro rodado na Bandeira “1” e R$ 3,36, na Bandeira “2”. A Bandeirada (largada do taxímetro) é R$ 5,18.

[close]

p. 12

JS - Junho de 2016 - Página 12 A Fórum discute alterações na legislação penal vigente no Brasil São 15 pontos que podem ser alterados, a fim de que possam produzir um efeito adequado na punição dos crimes cometidos contra os cidadãos. Acabar com os embargos infrigentes que é um recurso utilizado pelo advogado do réu, com o único objetivo de retardar o julgamento até que o processo prescreva por decurso de prazo. Neste caso poderia entrar em vigor o “travamento” da prescrição, uma medida a ser adotada pelo juiz quando for notado que a defesa está se valendo de meios escusos para protelar o processo. O conceito da produção de provas contra si deve ser revisto, pois não é admissível que uma pessoa se recuse a fazer o exame do “bafômetro”, se notadamente está sob efeito de bebida alcoólica. A figura do crime continuado deveria ser abolida e o réu passaria a ter um somatório no tempo da pena para cada crime cometido e não apenas um terço a mais. Combate ao crime organizado, fim do regime semiaberto e do aberto, restrições ao indulto e bloqueio do patrimônio de réus são propostas que fazem parte do projeto. Com relação ao tráfico, é necessário acabar com a posse de entorpecentes e proibir a importação de drogas, além de determinar a internação compulsória de dependentes químicos. Deve ser permitida a prisão temporária de menor, bem como aumentar para seis anos a medida socioeducativa do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Por fim a proposta apresentada pela ong prevê que o Ministério Público possa continuar investigando crimes, pois tramita no Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado Federal) um projeto que limita este poder concedido pela Constituição de 1988. O presidente da ONG Brasil Sem Grades, Luiz Fernando Oderich, lembra que a revisão do Código de Processo Penal Brasileiro está parada no Congresso Nacional. “Diariamente, milhões de brasileiros sofrem com a falta de argumentos para o combate à criminalidade. Imersos em uma imensa nuvem de incertezas, as pessoas aceitam, caladas, às facilitações inimagináveis concedidas aos criminosos deste país”, comenta. O presidente do Sintáxi, Luiz Nozari, concorda com as propostas apresentadas pela ONG Brasil Sem Grades. “Há muito tempo que defendemos mudanças na legislação, a fim de que os criminosos sejam detidos e cumpram suas penas, pois a sociedade não aguenta mais a impunidade estabelecida como regra geral. Os criminosos cometem inúmeros crimes e ficam livres e impunes”, comenta Nozari. crise na área da segurança pública do Rio Grande do Sul precisa ter fim. Pensando nisso, a ONG Brasil Sem Grades e a Associação do Ministério Público do RS criaram o Fórum Mais Segurança - Impunidade gera criminalidade, evento que aconteceu no dia 16 do mês passado, no Palácio do Ministério Público. O encontro contou com a presença de especialistas de diversas áreas, autoridades, vítimas da violência e representantes do cenário político brasileiro. Na oportunidade foram apresentadas propostas visando alterar a legislação penal, como forma de reduzir a impunidade. O presidente do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), Luiz Nozari, participou do fórum. A ONG Brasil Sem Grades elaborou uma cartilha sugerindo alterações na legislação penal que está em vigor no País. O auditório do Ministério Público ficou lotado durante o evento Divulgação

[close]

p. 13

JS - Junho de 2016 - Página 13

[close]

p. 14

JS - Junho de 2016 - Página 14 www.coquetel.com.br É violado no plágio de uma obra PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS Consoante Audacioso; de "dia" ousado Marca Ouvir, em do plural espanhol Máquina usada na pavimentação de estradas Sílaba de As primei- Doado; "erguer" ras vogais ofertado © Revistas COQUETEL www.coquetel.com.br Dois produtos recicláveis Ponto (abrev.) Genuínas; verdadeiras PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS O monitor do computador Desejo de todos no Deixar de início de um novo ano funcionar 3, em A do atle(bras.) romanos ta é vencer © Revistas COQUETEL 2013 Tio (?), figurasímbolo dos EUA Esmagado com os pés (bras.) Imaginário Seu símbolo é "B" (Quím.) Passado "A Bela (?)", conto infantil Insensibilidade Colaborar; ajudar É combatido pelo Bem Artigo de contrato Repouso Ordinal (abrev.) Consoantes de “ótimo” Érico Verissimo, escritor brasileiro História lendária Chico Buarque, pelas músicas que criou Ir e (?): direito básico do cidadão Amapá (sigla) Gravata, em inglês Lavar com palha de aço Espécie de coelho Seduzido; fascinado Siga adiante Saudação jovial Otaviano Costa: atuou em "Salve Jorge" Do estado cuja capital é Maceió (?)-rolhas: abre garrafas de vinho Scooby-(?), cão da TV País de Fidel Castro Amansam (a fera) Regina (?), atriz A da paz é branca Tolo (bras.) Soltar a voz (o gato) Como era chamado o disco de vinil “Rico (?) à toa” (dito) Período difícil nas finanças Interjeição de susto Som do latido Efeito do engasgo O "vc", no e-mail (?) house: local para uso de computador Pele endurecida (pl.) Matemática (abrev.) Tipo de queijo com baixo teor de gordura Linha (?), caminho do trem Herbert (?), vocalista dos Paralamas do Sucesso (Mús.) Consoantes de “doce” Meio de locomoção de Tarzã (HQ) Lado da moeda A ti (Gram.) (?) já: imediatamente Substância eliminada pelos poros Apelido de “Beatriz” Terminação da 2ª conjugação (?) das Rocas, reserva natural B Diego Tardelli, atacante brasileiro I A A favor de; em prol de Lavrador; semeador Louco, em inglês Primeiro verbete Laço apertado A batata que acompanha o bife Classe ligada ao sindicato Solitário 7 Que procura agradar 19 Solução nas bancas e livrarias O bêbado chegou no boteco, pediu uma dose de cachaça e deu a desculpa de que o dente doía muito. Ele tomou a pinga, disse que o dente continuava doendo e pediu mais outra dose. Novamente ele tomou a cachaça, reclamou que o dente ainda doía e pediu mais uma dose caprichada. O dono do boteco, já curioso, perguntou: - Mas qual é o dente que está doendo tanto assim? O bêbado tira uma dentadura da boca, aponta e diz: - Não sei se é esse ou esse outro! Joãozinho pergunta ao pai: - Pai, como um bêbado se sente? O pai responde: - Filho, veja aquelas duas cadeiras ali na frente. Um bêbado veria quatro cadeiras. E Joãozinho diz: - Mas pai, ali só tem uma cadeira.. ♫ ♫ ♫ ♫ ♫ Para celebrar o Dia Dos Namorados o casal foi jantar fora. Enquanto escolhiam os pratos, o rapaz tenta lembrar de alguma coisa bonita para dizer à namorada. Olha para o lado e ouve a conversa de outro casal de namorados: “Quer mel, minha abelhinha? Quer morangos, meu moranguinho?” Inspirado, o rapaz olha para a namorada e pergunta, cheio de amor: - Quer presuntinho, minha porquinha? ♫ ♫ ♫ ♫ ♫ Na entrevista de emprego o contratante e o rapaz acertam os detalhes sobre o salário: - O inicial é 900 reais. - Ah, não sei não. Esse salário está muito baixo. - Mas em três meses o salário passará para 4 mil reais. - Aí sim, esse salário me agrada. Então daqui a três meses eu volto para assinar o contrato. ♫ ♫ ♫ ♫ ♫ Durante a consulta médica a loira pergunta: - Doutor, vai doer? - Vai sim, mas até amanhã passa! - Então amanhã eu volto! ♫ ♫ ♫ ♫ ♫ Joãozinho chega em casa e diz: - Mãe, eu descobri que sou mais inteligente do que a professora. - Por que tu achas isso? - Porque eu passei de ano e ela continua no mesmo. P L M A S T M I CO para você se lembrar de tudo S A M A R E A R jogos e exercícios S F E V I D F R O S T P E G I T L F R A C A O R D T O E M P O S E C R R E A I A N N R S C C O I T A P E R A O A M P I M A I E Z I T E A P R V I T O R I S E P A E U O R B I D P R I AD A V E A T O L 3/tie. 4/mito. 5/pifar. 6/férrea. 9/legítimas. D P I R L E I A T D O A C U T V O P R A P L S O I B R O R A O C B A O S C E O M A N A T E A R R E E I V A I D O D O M O R M I S E C AL M I N A D T A D A L A G O A N O D A D O R O L O C O M P R E S S O R 3/lan — mad — oír. 4/bocó — boro. 9/plantador. BANCO BANCO Solução

[close]

p. 15

JS - Junho de 2016 - Página 15 Sem tempo e localização em Porto Alegre A prefeitura de Porto Alegre, por meio da Central de Licitações da secretaria municipal da Fazenda, decidiu pela suspensão preventiva da Concorrência nº 7/2016 para relógios e placas de rua. Segundo informações daquele órgão público, os quesitos de pontuação da proposta técnica estão sendo reavaliados para torná-los mais objetivos. A informação foi publicada no Diário Oficial de Porto Alegre (Dopa), edição do dia 17 deste mês, e o novo edital deverá ser divulgado em breve. Por enquanto a população precisa adivinhar os nomes dos logradouros públicos. Bibliotáxi atinge sucesso em pouco tempo O Bibliotáxi Poa, projeto que incentiva a leitura e a troca de conhecimento entre os passageiros de táxi em Porto Alegre, completou nove meses com mais de 20 mil livros distribuídos. Com os resultados positivos, está sendo intensificada a distribuição de novos livros e reforçada a necessidade de os usuários devolverem colocando em circulação novos exemplares. A coordenação é da secretaria municipal da Cultura, em parceria com o Shopping Total, Easy Taxi, Livraria Cameron, Centro Municipal de Cultura, Banco de Livros da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais e Biblioteca do Instituto Goethe. Balcão de NEGÓCIOS Venda somente veículos e aluguel de placas (somente contratos homologados pela EPTC) * Vendo Spin 2012/2013 e arrendo a permissão, ponto no Barra Shopping Sul. Vilmar: 3250.2099 - 8459.8357. * Vendo Grand Siena e arrendo a permissão. Fernando: 9211.9712. Procura-se táxi para trabalhar * Volmir - Qualquer turno, 1º carteirão, não fumante, moro em Viamão. Fones: 9512.0608 - 8591.4465. * Kessler - Turno dia, 1º carteirão, não fumante, moro no Rubem Berta. Fone: 8120.5008. * Douglas - Qualquer turno, 1º carteirão, não fumante, moro no Jardim Itu Sabará. Fones: 9877.3737 - 3028.5230. * Felipe - Qualquer turno, tenho referência, moro na Lomba do Pinheiro. Fones: 9517.5083 - 3319.3390. * Thiago - Turno a combinar, moro na Lomba do Pinheiro. Fones: 9575.9239 - 8148.3906. * José - Qualquer turno, não fumante, moro no Rubem Berta. Fones: 8553.7334 - 9161.3860. * Esteder - Turno dia, moro em Viamão. Fone: 9283.3266. * Edison - Turno dia, 1º carteirão, tenho experiência de 9 anos e moro no Passo D’Areia. Fone: 8643.0520. * Gustavo - Turno dia, como folguista também, moro no Centro Histórico. Fone: 8195.1805. * Natalino (Índio) - Turno dia, moro em Alvorada. Fones: 9170.7926 - 9147.2134. * Fabricio - Turno dia, não fumante, moro no bairro Coronel Aparício Borges. Fone: 9606.2113. * Rosiléia - Turno dia, 1º carteirão, tenho 3 cursos, não fumante, moro no Rubem Berta. Fone: 9191.3269. * Alexandre - Qualquer turno, não fumante, moro no Partenon. Fones: 9212.1691 - 3354.5056. * Airton - Qualquer turno, tenho experiência, moro no Partenon. Fone: 9241.8425. * Rogério - Turno dia, tenho 3 cursos, moro no Jardim Botânico. Fone: 8443.0080. * Jeferson - Qualquer turno, moro no Jardim Botânico. Fone: 8458.9847. * Robertson - Turno dia, 26 anos de experiência, moro no bairro Hípica. Fone: 8410.9952. * Carlos - Turno dia, tenho boas referências e moro em Viamão. Fones: 9835.6710 - 9703.9155. * Ricardo - Turno dia, moro no Partenon. Fones: 8556.9147 - 3209.4776. * André - Qualquer turno, experiência em radiotáxi, moro no bairro Coronel Aparício Borges. Fones: 9652.4620 - 9117.4660. * Carlos Alberto - Turno dia, moro no Nonoai. Fones: 8267.4653 - 3279.1855. * Rodrigo - Turno dia, folguista para finais de semana, moro no Partenon. Fone: 9304.0219. * Robson - Possuo os 3 cursos, 1º carteirão, não fumante, moro Sumaré, em Alvorada. Fones: 9739.3912 - 9188.9669. * Carlos Eduardo - Turno dia, moro no Bom Jesus. Fones: 8444.1211 - 9270.1274. * Altair - Turno dia, tenho experiência com radiotáxi. Fones: 9585.3584 - 8558.5197. * Erlon - Turno dia, 1º carteirão, moro no São João. Fones: 9900.3453 - 9403.1091. * Zaqueu - Turno dia, moro no Jardim Carvalho. Fones: 8516.6339 - 9881.3582. * Cléber - Qualquer turno, possuo 3 cursos, não fumante, moro na Tristeza. Fones: 9915.2328 - 8505.8835. * Zauro - Turno dia ou finais de semana, cursos turismo e ponto fixo, 1º carteirão. Fones: 8510.8629 - 9624.0369. * Leandro - Qualquer turno, não fumante, 20 anos de táxi, moro no bairro Camaquã. Fones: 9104.6161 - 9737.8744. * Alberto - Para trabalhar ou alugar, moro na Auxiliadora. Fone: 8400.5833. Permissionário/Arrendatário procura motorista para trabalhar * Carlos - Motorista para turno da noite, não fumante. Fone: 8546.0290 c/Cristiano. * Glauber - Motorista para noite e folguista final de semana. Fone: 9835.1313. * Geison - Motorista para noite e folguista, preferência que more na Zona Sul. Fone: 8017.1263. * Cristian - Motorista para noite, Fiat Uno da Rodoviária, não fumante e assíduo. Fone: 9118.6176. Outros * Rogério - Vendo Fiat Uno 2006/2006 inteiro, ex-táxi. R$ 9 mil. Fone: 9922.4658. * João - Vendo Rádio PX Motorola M-130 c/PTT e antena sintonizada na Coop Táxi. R$ 400,00. Fone: 9604.9696. As informações contidas neste espaço são de inteira responsabilidade dos anunciantes. Este espaço é cedido, gratuitamente, para os taxistas associados ao Sintáxi, em dia com suas mensalidades. Para anunciar é necessário se dirigir à secretaria do Sintáxi e preencher o formulário específico.

[close]

Comments

no comments yet