Boletim Municipal n.º236

 

Embed or link this publication

Description

Atividade do Município de Aljustrel / Câmara Municipal de Aljustrel

Popular Pages


p. 1

ALJUSTREL BOLETIM MUNICIPAL JUNHO 2016 236 Município Endividamento 03 Desenvolvimento 05 Empreendedorismo 08 Sociedade 16 Desporto 23 Evolução do 12.000.000,00 10.000.000,00 8.000.000,00 6.000.000,00 4.000.000,00 2.000.000,00 0,00 2009 2015 Aljustrel reduziu dívida em cerca de 25% Dívidas a Terceiros No final de 2009, a dívida era de 10 milhões e 800 mil euros. No final de 2015, este valor era de 8 milhões e 303 mil euros. Trata-se de uma diminuição de 2 milhão e 497 mil euros. Comissário apadrinhou chegada de água de Alqueva ao Roxo Estão garantidos os níveis de abastecimento de água às populações dos concelhos de Aljustrel e Beja, bem como os índices de abastecimento para fins agrícolas. Empresa de Jungeiros com futuro promissor O Vila Cortes chega à zona de Lisboa e sul de Portugal, significando uma produção anual de 150 a 200 mil litros de vinho comercializado em garrafas ou “bag-inboxes”. Dia da Criança comemorado em Aljustrel No Parque da Vila houve insufláveis, jogos desportivos, pinturas faciais, música, dança, largada de balões, visitas ao novo Centro d’ Artes e muito mais. Mineiro ganhou tudo numa época de ouro A época desportiva de 2015/2016 do Mineiro Aljustrelense será para sempre recordada pelos títulos alcançados e pela conquista de um inédito “triplete“.

[close]

p. 2

2 Aljustrel | Boletim Municipal | junho 2016 ALJUSTREL, UM CONCELHO ATRATIVO Ambicionamos que cada localidade do nosso concelho fixe empresas em função do seu perfil socioeconómico, tirando proveito da nossa localização central, junto à autoestrada que liga o sul do país a Lisboa; do facto de sermos uma terra que se diferencia pela sua importante indústria mineira; mas, principalmente, aproveitando as novas oportunidades que a chegada da água de Alqueva está a criar. Presidente da Câmara Nelson Brito Nos últimos anos, temos trabalhado intensamente para que Aljustrel seja, cada vez mais, um território atrativo, para os que cá vivem, mas, também, para aqueles que possam considerar fixar residência ou materializar investimento no nosso concelho. Concluímos um complexo e moroso processo de revisão do PDM - Plano Diretor Municipal que permitiu criar uma ferramenta ampla e adequada às realidades atuais do ordenamento do território, seja do ponto de vista das necessidades das pessoas, seja dos novos desafios que se colocam às organizações. O novo PDM, entre outras inovações, prevê a criação de polos empresariais em todas as freguesias do concelho, característica que já deu origem, por exemplo, à fixação de uma importante empresa de produção de materiais em borracha, em Rio de Moinhos, junto ao nó da A2. Mas queremos mais. Ambicionamos que cada localidade do nosso concelho fixe empresas em função do seu perfil socioeconómico, tirando proveito da nossa localização central, junto à autoestrada que liga o sul do país a Lisboa; do facto de sermos uma terra que se diferencia pela sua importante indústria mineira; mas, Editorial principalmente, aproveitando as novas oportunidades que a chegada da água de Alqueva está a criar. Foi, por isso, com enorme satisfação, que no passado dia 9 de junho recebemos a visita do Comissário Europeu para a Agricultura, Phil Hogan, e do Ministro da Agricultura, Luís Capolas Santos, a propósito da entrada da primeira água de Alqueva na Albufeira do Roxo. São tempos históricos os que vivemos. Não fosse este investimento, estaríamos agora a lamentar mais um famigerado período de seca, que tantos problemas trouxe no passado na zona de influência da Barragem do Roxo. Temos agora garantido o abastecimento às populações, bem como quantidade de água suficiente para responder às necessidades atuais da agricultura de regadio, acontecimento que vale a pena assinalar e celebrar. No âmbito do Quadro Comunitário de Apoio anterior, o QREN - Quadro de Referência Estratégico Nacional, investimos quase 11 milhões de euros em projetos que melhoraram grandemente a nossa qualidade de vida em áreas como o urbanismo, a educação, ação social, entre outras. Especificamente, no Contrato de Delegação de Competências celebrado com o programa InAlentejo, fomos o município baixo-alentejano com o maior volume de investimento aprovado, com um total de 5 milhões 19 mil e 663 euros. Este é um desempenho que muito nos satisfaz, porque, neste caso, não somos só nós a afirmar que estamos a trabalhar bem, é também quem apoia o nosso investimento que o confirma, ao aprovar um volume de financiamentos tão substancial. Os dados do passado recente falam por si, mas nós “não dormimos à sobra da bananeira”, porque sabemos que ainda há muito por fazer. No dia 31 de maio de 2016, em Santa Maria da Feira, assinámos com o Estado o contrato do PEDU - Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Aljustrel, no âmbito do Portugal 2020, que irá representar um investimento global de 5 milhões e 170 mil euros, apoiados em 4 milhões 394 mil e 500 euros pelo FEDER. Estas verbas irão contribuir para que o município possa continuar a investir, tendo como fim último melhorar a atratividade da nossa terra. Era importante que os decisores nacionais e europeus tivessem a noção de que os municípios, nomeadamente os que estão na área de influência de Alqueva, precisam de se dotar de mais áreas empresariais. O desenvolvimento do sector agroindustrial deve ser um desígnio da região, criando condições para tratar os novos produtos que a água proporciona. Hoje os campos estão a produzir a uma velocidade aceitável e a gerar uma série de transformações. Temos esse exemplo em Aljustrel: amendoal, nectarinas, peras, ameixas, maçãs, laranjas, azeitonas, alhos, brócolos, papoilas…. O passo seguinte é capacitar o território para transformar e comercializar esses produtos. Ao mesmo tempo, porque temos a obrigação de dar o exemplo, estamos a “arrumar a nossa casa”, porque para sermos um território mais atrativo, temos que nos saber governar de forma sustentável. Nos últimos anos, diminuímos o endividamento da autarquia em cerca de 25%, ou seja, 2 milhão 497 mil euros. No final de 2009, a dívida orçamentada era de 10 milhões 800 mil euros e no final de 2015, este valor era de 8 milhões 303 mil euros. É esta a nossa forma de estar na governação autárquica. Estendemos que só dando o exemplo de rigor podemos exigir o mesmo a quem connosco se relaciona, sejam pessoas ou organizações. Para concluir, quero deixar uma palavra aos mi- lhares de visitantes que nos próximos dias passarão por Aljustrel em visita à Feira do Campo Alentejano 2016 – sejam bem-vindos! A Feira do Campo, para além de ser a maior festa do nosso concelho e ponto de encontro dos “filhos” e amigos da terra espalhados por Portugal e pelo mundo, é, também, a maior montra do potencial imenso da nossa terra. Para além da dimensão mineira que nos diferencia, temos um posicionamento estratégico junto ao nó da A2, fator que pode ser fundamental para o desenvolvimento da agricultura, da agroindústria, do turismo, da economia social e das indústrias criativas. Temos Espanha aqui ao lado, temos a maravilhosa costa alentejana e o seu turismo, o Porto de Sines que nos conecta ao mundo e uma infraestrutura aeroportuária instalada em Beja com potencial por explorar. Temos, pois, todas as condições para sermos um território desenvolvido na plenitude, sendo a Feira do Campo a maior expressão da vitalidade deste concelho. Aljustrel é, cada vez mais, um concelho atrativo! Nelson Brito FICHA TÉCNICA: Propriedade Câmara Municipal e Aljustrel Sede Avenida 1.º de Maio 7600-010 Aljustrel Telefone 284 600 070 Fax 284 602 055 e-mail geral@mun-aljustrel.pt Site www.mun-aljustrel.pt Diretor Nelson Brito (Presidente da Câmara) Coordenação Marcos Aguiar Redação Mercedes Guerreiro e Artur Martins Fotografia José Tomé Máximo e Mercedes Guerreiro, Projeto Gráfico e Paginação Adriana Vieira da Silva Impressão Gráfica Funchalense Periodicidade Trimestral Tiragem 5000 exemplares ISSN 0874-0275 Depósito Legal 120655

[close]

p. 3

junho 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 3 Contas Municipais Município de Aljustrel reduziu endividamento em cerca de 25% Município 2015 O endividamento da autarquia tem vindo a diminuir de forma sólida e sustentada. No final de 2009, a dívida orçamentada era de 10 milhões e 800 mil euros. No final de 2015, este valor era de 8 milhões e 303 mil euros. Trata-se de uma diminuição de 2 milhões e 497 mil euros. A situação financeira dos municípios portugueses é complexa e Aljustrel não diverge da realidade global. Apesar deste cenário, o Município de Aljustrel diminuiu o seu endividamento em cerca de 25%. É este o balanço feito pelo executivo municipal, expresso na última reunião de câmara, realizada a 11 de maio de 2016. Em finais de 2009, a autarquia encontrava-se condicionada pelo endividamento, situação que se agravou com a chegada da crise, que limitou muitíssimo a atividade da edilidade. Ainda assim, foi possível fazer um trabalho eficaz ao nível da sustentabilidade financeira, que se refletiu na diminuição dos valores globais do Orçamento Municipal, que em 2010 era de 17 milhões e 177 mil de euros e em 2016 é de 11 milhões e 747 mil euros. Também o endividamento da autarquia tem vindo a diminuir de forma sólida e sustentada. No final de 2009, a dívida orçamentada era de 10 milhões e 800 mil euros. No final de 2015, este valor era de 8 milhões e 303 mil euros. Trata-se de uma diminuição de 2 milhões e 497 mil euros na dívida, cerca de 25%. Se a este valor de redução da dívida, já de si muito relevante, forem subtraídos os 397 mil euros correspondentes ao FAM – Fundo de Apoio Municipal, compromisso que o Estado obrigou as autarquias a contrair no âmbito de um programa de resgate a outros municípios em má situação financeira, a dívida seria de 7 milhões 906 mil euros. Considerando o contexto muito desfavorável em que as autarquias operaram nos últimos anos, este desempenho ao nível da redução da dívida é muito positivo. Também ao nível dos pagamentos em atraso a performance do Município de Aljustrel melhorou. A 31 de março de 2012 a autarquia registava 2 milhões 485 mil euros de dívidas vencidas há mais de 90 dias. A 31 de dezembro de 2015, esse valor era de 165 mil euros de pagamentos em atraso. Este é um resultado muito positivo, porque espelha no dia-a-dia a sustentabilidade alcançada, que se reflete na capacidade de pagar os compromissos em tempo útil, o que é benéfico para a autarquia e para todas as pessoas e entidades que com ela se relacionam. Em relação à execução das verbas do Quadro de Referencia Estratégico Nacional, a autarquia está satisfeita, visto que executou mais de 10 milhões de euros em projetos referentes a este programa, que encerrou em 2013. Já em relação ao atual quadro comunitário, o Portugal 2020, que principiou formalmente em janeiro de 2013, ou seja, há mais de dois anos, a autarquia está muito expectante. No entanto, até ao início de 2016, o Município de Aljustrel, à semelhança da maioria das autarquias, não recebeu verbas referente a estes fundos comunitários. Esta siAno 2009 2015 Dívida tuação é, na perspetiva do Mu- educação, na nicípio de Aljustrel, completa- saúde, na culmente incompreensível porque tura e outras. os governos, particularmente o anterior, sabia que os municípios estão dependentes destas verbas para desenvolver as suas inEvolução do tervenções, sejam elas Endividamento mater ia is , na forma 12.000.000,00 de arruamentos, 10.000.000,00 estradas e outras in8.000.000,00 fraestruturas; sejam iniciativas 6.000.000,00 de natureza i m at e r i a l , 4.000.000,00 no apoio aos mais 2.000.000,00 desfavorecidos, na 0,00 2009 Dívidas a Terceiros 10.861.358,53 € 8.306.973,90 € Fundos Comunitários Aljustrel é o município da CIMBAL com melhor desempenho Investimentos realizados no âmbito do QREN. Projetos Regeneração Urbana de Aljustrel II Regeneração urbana da Corte Vicente Anes Regeneração urbana de Rio de Moinhos Parque da Vila de Aljustrel Recuperação do Moinho de Vento do Malpique Centro Cultural Freguesia de Unidade de Ervidel Aljustrel, concelho Solidário Refeitório Comunitário Casa Social SAMAIII Plano Tecnologico Educação Planos de Emergência Municipal PROMABA TOTAL Valor (Euros) 282.031,62 76.769,88 125.939,29 925.214,08 57.404,13 175.525,96 42.622,84 43.232,54 47.487,75 167.597,93 3.456,00 € 53162,6295 66.017,52 € 10.826.563,08 N o âmbito do Contrato de Delegação de Competências com Subvenção Global celebrado com a Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo – Inalentejo, foi aprovado um montante total de investimento elegível no valor de 36 milhões 913 mil e 650 euros destinado aos municípios que integram a CIM- BAL – Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo. No cômputo geral, Aljustrel foi o município com o maior volume de investimento aprovado entre todos os municípios, com um total de 5 milhões 19 mil e 663 euros. Estes indicadores vêm confirmar o bom trabalho desenvolvido pela autarquia, que apostou num ambicioso plano de investi- mentos que ascendeu a quase 11 milhões de euros de investimento realizado no âmbito do QREN – Quadro de Referência Estratégica Nacional, sendo estes dados a expressão das prioridades definidas pelo executivo, materializadas em projetos diversos. Investimento elegível aprovado do Programa Comunitário INALENTEJO no âmbito do Contrato de Delegação de Competências, no cômputo dos municípios do Baixo Alentejo Investimento Elegível Aprovado (euros) 5.019.653,88 3.776.078,61 610.186,38 1.112.714,05 3.010.209,41 3,462.317,53 2.159.774,42 2.371.884,12 3.131.845,87 1.666.282,05 1.173.103,92 4.934.466,32 4.485.124,30 36.913.650,86 Município Aljustrel Almodôvar Alvito Barrancos Beja Castro Verde Cuba Ferreira do Alentejo Mértola Moura Ourique Serpa Vidigueira TOTAL 6.000.000,00 5.000.000,00 4.000.000,00 3.000.000,00 2.000.000,00 1.000.000,00 0,00 Fonte: CIMBAL - Gabinete da Contratualização; Maio 2015 Al ju st m rel od ôv ar Al vi to Ba rr an co s Ca Be st ro ja Ve Fe rd rr e ei ra Cu do ba Al en te jo Mé rt ol a M ou O u ra r iq ue Se rp Vi a di gu ei ra Al Investimento Elegível Aprovado (euros)

[close]

p. 4

4 Aljustrel | Boletim Municipal | junho 2016 Feitos pessoais ou cívicos distinguidos Município atribui Medalhas de Mérito Municipal As medalhas municipais destinam-se a distinguir pessoas singulares ou coletivas, nacionais ou estrangeiras, que se notabilizarem pelos seus méritos pessoais ou feitos cívicos e ainda funcionários do município, pelo desempenho das suas funções. Município N o próximo dia 13 de junho, feriado municipal, em reunião extraordinária a realizar pelas 15h00 no Cine Oriental, a Câmara Municipal irá atribuir Medalhas de Mérito Municipal - grau doura- da ao Grupo de Musica Popular Nova Aurora, ao NAVA – Núcleo de Artes Visuais de Aljustrel, ao Maestro Ricardo Lemos e ao Cante Alentejano. Foi igualmente deliberado conceder a Medalha de Bons Serviços Municipais aos funcionários que hajam desempenhado as suas funções com manifesta assiduidade, dedicação e zelo, 30 anos ou mais, ao serviço do município e dos munícipes. No dia 12 de junho, pelas 12h45, no decorrer da Feira do Campo Alentejano, será agraciado o Dr. Fernando José de Freitas Jorge da Silva. As medalhas municipais destinam-se a distinguir pessoas singulares ou coletivas, nacionais ou estrangeiras, que se notabilizarem pelos seus méritos pessoais ou feitos cívicos e ainda funcionários do município, pelo desempenho das suas funções. Dr. Fernando José de Freitas Jorge da Silva O Dr. Fernando José de Freitas Jorge da Silva, desenvolve a sua atividade de médico veterinário no concelho de Aljustrel, tendo estado ligado profissionalmente ao Ministério da Agricultura, à Associação de Agricultores do Campo Branco e ao Município de Aljustrel. É-lhe amplamente reconhecida a disponibilidade e rança dos vários elementos ao longo dos seus 34 anos de existência, pelo intenso trabalho de recolha musical, nomeadamente no que concerne à valorização do cancio- a franqueza das sua ações que superaram em grande parte as suas obrigações profissionais, sendo no mundo rural encarado como alguém sempre presente e muito disponível. O Dr. Jorge, como é conhecido no nosso meio, merece o apreço pela sua ação profissional e humana junto da população, a quem sempre serviu com profunda dedicação. Grupo de Musica Popular Nova Aurora O Grupo Nova Aurora é um dos grupos musicais mais antigos de todo o Alentejo, cantando pelo país as tradições musicais da região. O Grupo Nova Aurora estreou-se durante as comemorações do 25 de Abril de 1982 e tem sido um dos principais embaixadores do concelho de Aljustrel, com atuações de norte a sul do país e no estrangeiro. Pela perseve- neiro alentejano, pela forma como têm honrado o bom nome do concelho de Aljustrel, a Câmara Municipal entendeu homenagear esta importante formação musical. Cante Alentejano O cante alentejano é um património vivo do Alentejo e uma expressão genuína da tradição vocal profundamente enraizada na alma do povo alentejano, determinante para a conservação da sua identidade cultural e simultaneamente uma referência fundamental da região. O modo de cantar e o amor ao cante estão intrinsecamente ligados à memória do tempo em que os cantadores tinham uma ligação profunda ao trabalho das minas e ao mundo rural. Mesmo com essa memória e esse tempo a desaparecer, o cante mantém intactas as características da sua expressão vocal, a solenidade e a paixão na sua interpretação. O concelho de Aljustrel é rico em tradições musicais. Aqui nasceu o grupo organizado de cante mais antigo do país, aqui existem atualmente oito grupos de cante em atividade, aos quais se juntam mais dois projetos de cante infantis. Os homens e mulheres que hoje perpetuam esta forma de ser e estar através do cante são merecedores de reconhecimento público, pelo seu empenho, pela sua perseverança e pelo seu amor à terra. NAVA – Núcleo de Artes Visuais de Aljustrel O Núcleo de Artes Visuais de Aljustrel foi fundado, em 1989, por vontade de um grupo de artistas e professores residentes no concelho. O NAVA é uma secção cultural do CRIRA - Centro Republicano de Instrução e Recreio Aljustrelense, que tem como objetivo promover o gosto e a sensibilidade estética dos seus membros e da população em geral. É também um espaço de aprendizagem na área da pintura, frequentado por pessoas das mais variadas idades e com diversas motivações. O NAVA organiza anualmente várias exposições, concursos de pintura e participa em diversos eventos. Este núcleo de artes constitui-se como o principal polo de dinamização da vertente artística no concelho, sendo-lhe reconhecido no meio artístico e no seio da população, não só o mérito da obra dos seus dinamizadores e participantes, mas também o talento na promoção da educação pela arte. Maestro Ricardo Lemos O Maestro Ricardo Lemos é natural de Pevidém, Guimarães. Desenvolveu a sua carreira musical nas Forças Armadas, nomeadamente na Banda de Música da Força Aérea Portuguesa. Encontra-se há 10 anos ligado à Banda Filarmónica da Sociedade Musical de Instrução e Recreio Aljustrelense - SMIRA, desenvolvendo um trabalho intenso na direção da banda filarmónica e, em particular, junto dos mais jovens, incutindo-lhes o gosto pela música. Foi através do seu significativo contributo que foram criados vários projetos importantes, tais como o grupo de metais e a orquestra juvenil da SMIRA, dois grupos de cante alentejano infantis, colaborando ainda com projetos musicais que envolvem os seniores do concelho. Medalha de Bons Serviços Municipais De acordo com artigo 19.º do regulamento de insígnias e medalhas do município, a câmara municipal deliberou atribuir a medalha de bons serviços municipais, grau dourada, aos funcionários que ainda no exercício de funções, hajam desempenhado com manifesta assiduidade, de- dicação e zelo ao serviço do município e dos munícipes, 30 anos ou mais ao serviço do município. São distinguidos os seguintes funcionários: António Amaral Lopes Acção, António José Ramos Chaveiro, António Madeira da Cruz, Carlos José do Rosário Valério, Eduardo Nunes Guerreiro, Francisco, Inácio Serra Emídio, Idália Soares Jorge Amândio Soares, Joaquim Lourenço Guerreiro, Joaquim Manuel Lourenço Guerreiro, Jorge Raposo Barradas, Ludgero Vilhena Capeta, Maria Elisabete Pascoal Teixeira Curtinha, Maria da Luz Cecília Silvério, Maria da Luz Feio de Jesus Rosa, Vitor Manuel Lopes Angelino, Elisiária Guerreiro Frederico Banza e Maria Alice Gil da Silva Martins.

[close]

p. 5

junho 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 5 Dexcarga Barragem do Roxo Momento histórico para o Concelho de Aljustrel Comissário Europeu para a Agricultura apadrinhou entrada da água de Alqueva no Roxo A presença deste alto dignitário marcou a entrada da primeira água de Alqueva na Albufeira do Roxo, garantindo-se, num momento em que a seca é uma realidade, os níveis de abastecimento de água às populações dos concelhos de Aljustrel e Beja, bem como os índices de abastecimento de água para fins agrícolas. N o dia 9 de junho, a convite do Município e da Associação de Beneficiários do Roxo, o Concelho de Aljustrel recebeu a visita do Comissário Europeu para a Agricultura, Phil Hogan, e do Ministro da Agricultura, Luis Capolas Santos. A presença destes altos dignitários marcou a entrada da primeira água de Alqueva na albufeira do Roxo, garantindo-se, num momento em que a seca é uma realidade, os níveis de abastecimento de água às populações dos concelhos de Aljustrel e Beja, bem como os índices de abastecimento de água para fins agrícolas. O momento histórico foi assinalado com a inauguração de um monumento, situado junto à entrada no paredão da barragem, que procura relatar o desenvolvimento do projeto do Roxo. Recorde-se que a infraestrutura de ligação de Alqueva ao Roxo havia sido formalmente concluída a 7 de junho de 2010. Aprender sobre astrofotografia, astronomia e património Sob o Céu de Messejana A primeira edição do evento Sob o Céu de Messejana realiza-se nos dias 1, 2 e 3 de julho e procura promover a fotografia e a astronomia, bem como o património e a cultura impares desta histórica vila alentejana, numa coorganização do Município de Aljustrel e da Junta de Freguesia de Messejana. O programa inicia-se no dia 1 de julho, sexta-feira, pelas 10H00, com as sessões do Planetário Portátil do Centro de Ciência Viva de Sintra, que se prolongarão durante todo o dia, numa inicia- tiva aberta à população, realizada em articulação com o programa Viva Aljustrel. No dia 2 de julho, sábado, pelas 15h00, decorrerá no Posto de Turismo de Messejana a receção aos participantes, sucedendo-se a inauguração da exposição Sob o Céu de Messejana, de Rui Correia, seguida do Seminário Astrofotografia: Arte, Ciência e Oportunidade de Desenvolvimento, dinamizado pelo Observatório do Lago Alqueva. Após o jantar-convívio, a partir das 22h00, decorrerá, na Igreja de Nossa Senhora da Assunção e na Praça 1º de Julho, o Workshop de Observação de Astros e Fotografia Noturna, a cargo do Observatório do Lago Alqueva, onde os participantes poderão adquirir novas competências ao nível das técnicas da fotografia noturna, bem como melhorar os seus conhecimentos sobre astronomia, através da observação de estrelas, planetas, etc. No dia 2 de julho, domingo, os trabalhos são retomados às 11h00, com o Workshop Relógios de Sol e Observação Diurna de Astros, seguido de almoço-convívio. A tarde está reservada para o Roteiro de Fotografia Livre pela Vila de Messejana. Durante o evento, que é gratuito e aberto a todas as pessoas, os participantes terão a oportunidade de aprender com os experientes monitores do Observatório do Lago Alqueva. Não importa o nível de competência em fotografia, se o participante está começar ou se já é um profissional, nos dias 1, 2 e 3 de julho, o objetivo é visitar a bela vila de Messejana e aprender um pouco mais acerca do Universo, de astronomia e de astrofotografia, numa das regiões da Europa mais protegidas da poluição luminosa. Contactos: Ercília Diogo 932 950 004 ercilia. diogo@gmail.com Marcos Aguiar 284 600 070 marcos.aguiar@mun-aljustrel.pt Aljustrel Empreendedor O Portal do Emprego é uma ferramenta para combater desemprego O Aljustrel Empreendedor é uma plataforma tecnológica que tem como objetivo constituir-se como uma ferramenta de resposta local no combate ao desemprego no concelho de Aljustrel. Trata-se de uma plataforma web integrada no Portal do Munícipe que permitirá promover o aumento da empregabilidade no concelho, acreditando na capacidade empreendedora de cada indivíduo em particular, e das empresas e das instituições locais em geral. O projeto Aljustrel Empreendedor permitirá, por um lado, que as empresas e as instituições locais possam dar a conhecer-se, disponibilizando ofertas de emprego. Por outro lado, facilitará aos munícipes a apresentação de can- didaturas espontâneas e a possibilidade de responderem às respetivas ofertas de emprego, constituindo-se como uma ferramenta facilitadora da comunicação, nomeadamente entre empreendedores/desempregados e empresas/instituições. Todos os interessados, quer na condição de empregadores, quer na condição de desempregados à procura de emprego, devem realizar o registo no Portal do Munícipe em http:// portalmunicipe.mun-aljustrel. pt/SOL/registo.aspx, e aderir ao Aljustrel Empreendedor – O Portal do Emprego, de modo a poderem a usufruir de todas as potencialidades desta plataforma gratuita de promoção da empregabilidade no concelho de Aljustrel. Desenvolvimento

[close]

p. 6

6 Aljustrel | Boletim Municipal | junho 2016 Município Comemorações em todo o concelho Aljustrel celebrou Abril Ponto alto das comemorações foi a inauguração do Parque da Vila, que integra o Jardim Público 25 de Abril, o Parque Desportivo e o Centro d´ Artes. C omo é habitual no concelho de Aljustrel, as comemorações do 25 de abril foram vividas com intensidade e sentimento. Atividades e iniciativas culturais e desportivas, sessões so- lenes e evocativas da data foram promovidas um pouco por todo o concelho para relembrar a passagem de um dos períodos mais marcantes da história de Portugal. Um dos momentos impor- tantes dos festejos aconteceu na noite de 24 para 25 de abril, com o espetáculo de homenagem à liberdade que, para além da atuação dos Nova Aurora, ofereceu às centenas de pessoas que se deslocaram à Praça da Resistên- cia o habitual espetáculo pirotécnico, seguido de uma atuação da banda ATOA. Ponto alto das comemorações foi a inauguração do Parque da Vila, que integra o Jardim Público 25 de Abril, o Parque Desportivo e o Centro d´ Artes. A cerimónia integrou-se na Assembleia Municipal Evocativa do 25 de Abril, que contemplou também, como já é habitual, a homenagem aos ex-combatentes. Caminhada 25 de Abril Inauguração de monumento Assembleai Municipal Evocativa do 25 de Abril Atuação da banda Atoa Distribuição de cravos em Messejana Homenagem aos Ex-combatentes Hastear da bandeira Discurso do presidente Passeio de cicloturismo Inauguração nova sede do NAVA

[close]

p. 7

junho 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 7 PEDU Este plano engloba três conjuntos territoriais de intervenção não sobrepostos que, embora pertençam à Vila de Aljustrel, possuem características físicas, funcionais e sociais muito distintas: Centro Histórico de Aljustrel, zona industrial abandonada do designado Parque Mineiro e áreas urbanas carenciadas dos Bairros Mineiros. O Presidente da Câmara Municipal de Aljustrel, Nelson Brito, assinou no passado dia 31 de maio, em Santa Maria da Feira, o contrato do PEDU - Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Aljustrel, no âmbito do Portugal 2020, que irá representar um investimento global de 5 milhões e 170 mil euros no concelho, comparticipados em 4 mi- lhões 394 mil e 500 euros pelo FEDER. Este plano engloba três conjuntos territoriais de intervenção não sobrepostos que, embora pertençam à Vila de Aljustrel, possuem características físicas, funcionais e sociais muito distintas: Centro Histórico de Aljustrel, zona industrial abandonada do designado Parque Mineiro e áreas urbanas carencia- Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano Sustentável de Aljustrel Prioridades de Investimento Promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de território,nomeadamente as zonas irbanas, incluindo a promoção da mobilidade urbanas multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação. Adoção de medidas destinadas a melhorar o ambiente urbano, a revitalizar as cidades, recuperar e descontaminar zonas industriais abandonadas, incluindo zonas de reconversão, a reduzir a poluição do ar e a promover medidas de redução do ruído. A concessão de apoio à regeneração física, económica e social das comunidades desfavorecidas e zonas urbanas rurais Total Investimento Público (€) 1.000.000 FEDER (€) 850.000 3.370.000 800.000 5.170.000 2.864.500 680.000 4.394.500 das dos Bairros Mineiros. O PEDU é, portanto, um instrumento que vem dar sequência à visão do Município e procura corresponder aos desafios e oportunidades com que o território se encontra atualmente confrontado. Na cerimónia, em representação do Governo, estiveram presentes os ministros do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, e do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, o secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, e o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza. Dia Internacional da Criança 10, 11 e 12 de junho de 2016 Alunos de Aljustrel visitam PomarFresh Visita de estudo à Pomarfresh Feira do Campo está de volta A I ntegrada nas comemorações do Dia Internacional da Criança, que se comemora amanhã, dia 1 de junho, o Município de Aljustrel, em parceria com a empresa PomarFresh, vai promover uma visita de estudo a uma exploração agrícola da responsabilidade desta empresa. Os alunos do Agrupamento de Escolas de Aljustrel terão a oportunidade de aprofundar conhecimentos sobre o mundo agrícola e de compreender a sua importância, num momento particular em que a influência do projeto de Fins Múltiplos de Alqueva se faz cada vez mais sentir em Aljustrel, com repercussões muito positivas nas atividades económicas e, consequentemente, no desenvolvimento local deste concelho. De forma a marcar a sua passagem pelos campos da PomarFresh, os alunos terão a oportunidade de plantar árvores etiquetadas com alusão ao Dia Internacional da Criança. Feira do Campo Alentejano está de volta a Aljustrel, desta feita nos dias 10, 11 e 12 de junho. O certame procura demonstrar a qualidade dos produtos locais, captar a atenção de potenciais investidores, mostrando as mais-valias deste concelho alentejano, bem como publicitar a dinâmica empresarial local e as condições únicas que Aljustrel dispõe para acolher novas empresas. Por fim, mas não menos importante, a Feira do Campo Alentejano procura engrandecer a nossa identidade cultural, com forte ligação à tradição mineira, nesta montra espantosa que é a Feira do Campo Alentejano. A Feira do Campo Alentejano, procura ainda prestar homenagem ao campo e ao seu produto mais admirável - o pão! Durante os dias que dura o evento realizam-se diferentes atividades que vão de encontro às expectativas de cada visitante - espetáculos musicais, atividades equestres, gastronomia, colóquios, concursos cinófilos, mostra agropecuária e oportunidades de negócio. Merece ainda destaque o as- peto fulcral que sustenta a realização desta feira – a afirmação da importância do mundo rural e da agricultura no concelho de Aljustrel, ainda mais quando se inicia uma Nova Era Agrícola, com a chegada da água de Alqueva ao Roxo e consequente alargamento do potencial de rega no concelho de 5000 ha para 23000 ha, o que gera uma excelente conjuntura para negócios nesta área. Desenvolvimento Aljustrel assinou contrato de mais de 5 milhões de euros

[close]

p. 8

8 Aljustrel | Boletim Municipal | junho 2016 Vinho Vila Cortes Empresa vitivinícola de Jungeiros com um futuro promissor O Concelho de Aljustrel não é propriamente um concelho vinhateiro. No entanto, a cultura da vinha, que remonta aos tempos mais longínquos no Alentejo, tem vindo a ganhar alguma expressão. Restringida principalmente às freguesias de Ervidel e de S. João de Negrilhos, a exploração do vinho tem sido obra de pequenos produtores. Neste momento, existem dois produtores com vinho engarrafado. Neste Boletim Municipal vamos falar do vinho Vila Cortes, de Jungeiros. E Empreendedorismo Os irmãos, Luís e Luciana Freixo m 2002, a empresa familiar Francisco Freixo e Filhos, Lda decidiu dedicar parte da sua propriedade para a prática de outro tipo de agricultura. Procurando uma alternativa à agricultura tradicional de sequeiro, foi aos vinhos que Francisco Freixo, o mentor da empresa, foi “beber” a sua nova atividade agrícola. O grande apoio recebido por parte do enólogo, Luís Leão, bem como a formação que o filho, Luís Freixo, tirou na ATEVA (Associação Técnica dos Viticultores do Alentejo), foram determinantes para o bom arranque da empresa na produção de vinho. Depois da ATEVA analisar os solos a fim de determinar a variedade de uvas e o porta-enxerto mais adequado aos terrenos, optaram por plantar videiras, em dois hectares de terreno, das castas Antão Vaz, Arinto e Verdelho (uvas brancas), e Aragonez, Alicante Bouschet, Syrah (ou na forma inglesa Shiraz) e Touriga Nacional (uvas tintas). Estas castas são as mais comuns nas vinhas alentejanas. O engarrafamento do vinho começou logo a partir de 2004. Passados 14 anos, a área de vinha foi ampliada para 18 hectares. Na empresa trabalham o Luís, presentemente responsável pela produção, e a irmã, Luciana, que se ocupa da comercialização. Nos maiores picos de trabalho, recor- rem ao serviço de quatro a oito pessoas. Desde que há cerca de 5 anos, adquiriram uma máquina para fazer as vindimas, todo o processo passou a ser mecanizado. A empresa Francisco Freixo e Filhos, Lda sendo a única, neste momento, no concelho de Aljustrel, a fazer uma vindima meca- nizada, também presta os seus serviços a outros viticultores. Atualmente comercializam, na zona de Lisboa e sul de Portugal, sob a marca “Vila Cortes”, em garrafas ou “bag-in-boxes”, entre 150 a 200 mil litros de vinho, provenientes das suas próprias uvas mas também adquiridas a outros produtores. O vinho pode também ser adquirido diretamente na adega em Jungeiros. Com os olhos virados para um futuro promissor, a empresa espera poder alargar, em 2017, a área de vinha, para mais 15 hectares, e passar então de pequeno a médio produtor de vinho, conforme nos explicou Luís Freixo, que acredita que, em 2019, a produção deverá duplicar, atingindo os 400 mil litros de vinho. Só nessa altura, pensa que poderão estar em condições de exportar o vinho para outros países. Alguns contactos já foram efetuados, nomeadamente quando Luís Freixo esteve em França, em novembro de 2015, a convite da Câmara Municipal de Aljustrel, no âmbito do encontro de geminação entre Aljustrel e Hem, e durante o qual um dos maiores responsáveis de restauração e catering do Norte desse país se mostrou interessado em adquirir o seu vinho. Mas também já tiveram contactos com chineses e representantes de países africanos. O vinho “Vila Cortes” é considerado um vinho regional alentejano, ainda não rotulado como DOC ou DOP (Denominação de Origem Protegida). Quase a completar quinze anos de experiência como vitivinicultor, Luís Freixo está contente com o resultado atingido e admite que a empresa fez uma boa aposta. A crise provocou alguns altos e baixos, mas no geral, não afetou muito a produção. Os vinhos Vila Cortes vão estar representados num stand na Feira do Campo Alentejano. Vinho Vila Cortes - Provém das vinhas cultivadas na herdade de Vila Cortes, onde as condições de exposição, clima e solo são ideais. - Vinificado em adega própria, alia técnicas antigas aos mais modernos métodos de produção. Vinho branco - Castas “Antão Vaz”, “Arinto” e “Verdelho”. - Vinho de cor citrina e aroma suave, indicado para acompanhar peixes e mariscos. 12,5% vol. Vinho Tinto - Castas “Aragonez”, “Syrah” e “Alicante Bouschet” e Touriga Nacional - Vinho encorpado de tonalidade vermelho rubi, de taninos suaves equilibrado na acidez, com aroma a frutos silvestres, indicado para acompanhar carnes. 13,5%vol Contactos: vinhosvilacortes@sapo.pt Morada: Estrada de Montes Velhos – Jungeiros Adega : 37º56’15.48’’ N 8º12’27.36’’ O

[close]

p. 9

junho 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 9 Ervidel Roxo Summer Fest a 15 e 16 julho Este é um festival inovador que pretende afirmar-se no panorama nacional como o único que, simultaneamente, integra diversas faixas etárias e assenta no conceito do “custo justo “, onde a condição económica mais desfavorecida não é motivo para “ficar de fora”. Portugal é a nova meca de festivais Atraídos pelo preço acessível dos bilhetes, bom tempo e gastronomia apetecível, dezenas de milhares de turistas estrangeiros estão a acorrer aos festivais de verão portugueses. O protagonismo português neste segmento não tem passado à margem da imprensa internacional de referência, que frequentemente coloca os festivais lusos entre os melhores. A agência espanhola EFE elegia Portugal como “o novo paraíso dos apreciadores de música ao vivo”. In Jornal de Notícias Roxo Summer Fest 2015 J á são conhecidas as datas do Roxo Summer Fest 2016, que este ano foi antecipado para o mês de julho, opção que certamente irá contribuir para tornar o evento ainda mais atrativo. Em pleno verão, os festivaleiros poderão “ligar-se” a esta grande festa nos dias 15 e 16 de julho, nas margens da Barragem do Roxo. Para além da música haverá ainda canoagem, paintball, passeios pedestres, tiro ao arco, ponte de cordas, atividades radicais, aquáticas, entre outras animações. Este é um festival inovador que pretende afirmar-se no panorama nacional como o único que, simultaneamente, integra diversas faixas etárias e assenta no conceito do “custo justo “, onde a condição económica mais desfavorecida não é motivo para “ficar de fora”. O cartaz do Roxo Summer Fest será divulgado muito em breve, em www.facebook.com/ roxosummerfest Messejana S. João de Negrilhos Festas de Santa Maria Montes Velhos volta a receber a maior açorda do mundo A M essejana vai estar em festa de 12 a 15 de agosto, com mais uma edição das Festas de Santa Maria, que prometem dias e noites de muita animação. Os festejos são organizados pela Junta de Freguesia, Grupo de Jovens de Messejana Município de Aljustrel, em colaboração com a Paróquia e Santa Casa da Misericórdia de Messejana, Bombeiros, GNR e comércio local. Mais informações e programa www.facebook.com/festasdesantamariamessejana maior açorda alentejana do mundo vai ser confecionada em Montes Velhos no dia 2 de julho de 2016. Trata-se de uma iniciativa que pretende valorizar a gastronomia com particular destaque para os três elementos essenciais da culinária alentejana: o pão, o azeite e os alhos, mas também para a utilização das ervas aromáticas, como o coentro e o poejo. Parte da população da aldeia mais idosa e vários voluntários vão participar na confeção desta açorda, “ex-líbris” da gastronomia desta região do sul de Portugal, que conforme diz a canção “É fácil fazer. Dá pouco trabalho, é água a ferver, coentros e alho”. A iniciativa integra-se no Fes- tival Nacional de Folclore, que já vai na 15º edição. União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos XII Encontro Nacional dos Rio de Moinhos de Portugal O XII Encontro Nacional dos Rio de Moinhos realiza-se este ano, em Rio de Moinhos, no Concelho de Aljustrel, a 2 e 3 de Julho. Neste encontro irão participar seis freguesias dos Rio de Moinhos de Portugal, pertencentes aos concelhos de Aljustrel, Satão, Borba, Arcos de Valdevez, Penafiel e Abrantes. Durante este fim de semana será apresentado um programa rico em atividades culturais e desportivas que com toda a certeza será do agrado de todos para além de proporcionar um convívio salutar entre todos. Recorde-se que este evento acontece de forma rotativa nos seis concelhos. Rotunda com moinho de vento A União das Freguesia de Aljustrel e Rio de Moinhos instalou uma peça artística na rotunda do Largo Augusto Guerreiro Patrício, em Rio de Moinhos. A instalação deste monumento invoca o nome da aldeia, consistindo numa réplica de um moinho de vento, cujo movimento das velas confere maior dinâmica e beleza a este largo, onde habitualmente a população se junta para conviver. Freguesias

[close]

p. 10

10 Aljustrel | Boletim Municipal | junho 2016 Administração direta Uma Câmara com rostos A Obras s intervenções da Câmara Municipal no modelo de administração direta são da responsabilidade da divisão técnica do município. As obras são realizadas aplicando meios próprios, ou adquiridos para o efeito, e que se destinam ao seu imobilizado. São exemplos destes trabalhos as pequenas intervenções urbanísticas, os ramais de águas e esgotos, trabalhos de jardinagem, construção civil, eletricidade, serralharia e carpintaria, entre outros, bem como algumas intervenções de maiores dimensões. Substituição Lâmpadas no Pavilhão do Parque de Feiras Reparação Pavê junto Parque de Feiras Reparação de Conduta nas Piscinas Municipais Reparação de telhado Recuperação de Parque Infantil Reconstrução de Caleiras no Parque de Feiras Reabilitação de Taludes na Avenida de Algares Pintura Salas r.c na Escola Avenida Pintura do Mercado Municipal Pintura de Muretes da Zona Agrária Pintura das Piscinas Municipais Pavimentação ramal na Rua de Montes Velhos Pavimentação Ramal na Rua 5 de Outubro Montagem Parque Infantil no Capi em Messejana Manutenção Relva no Parque da Vila Manutenção do Quintal Desportivo Manutenção do Parque de Feiras Manutenção das Piscinas Municipais Manutenção da Praça da Resistência Manutenção da Cascata no Largo do Combatente Manutenção Canteiros no Parque da Vila Limpeza Bermas na EN383 Execução de Drenagens no Parque Feiras Execução de Drenagem na Encosta N.ªSrª Castelo Construção Ramal no Rua Luis de Camões Construção Parque Desportivo dos Eucaliptos Construção de Rampa e Corrimão na Escola dos Eucaliptos Construção de Parque Infantil no Quintal Desportivo Construção de Logradouro na GNR Colocação de Iluminação LED junto Estádio Municipal Assentamento Pavê na Rua Lavradores da Minhota Apoio Feira Livro e Velharias Apoio Feira Abril 2016 Apoio ao Torneio do Municipio de Aljustrel Apoio ao Associativismo em Ervidel Apoio a evento

[close]

p. 11

junho 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 11 Participação no Dia da Criança Projeto É Agora! 3G – CLDS Atendimentos já estão a decorrer no Concelho de Aljustrel O contributo prestado pelo projeto, em estreita parceria com o IEFP e GIP do concelho, traduz-se na prestação de apoio a vários níveis: elaboração de carta de apresentação; elaboração de curriculum vitae. O Eixo 1 - Emprego, formação e qualificação do Projeto É Agora! 3G – CLDS do Concelho de Aljustrel tem como objetivo promover a inclusão social dos cidadãos, de forma multissetorial e integrada, através de ações, a executar em parceria, que permitam contribuir para o aumento da empregabilidade, para o combate a situações críticas de pobreza, particularmente da infantil, da exclusão social de territórios vulneráveis e envelhecidos. O contributo prestado pelo projeto, em estreita parceria com o IEFP e GIP do concelho, traduz-se na prestação de apoio a vários níveis: elaboração de carta de apresentação; elaboração de curricu- lum vitae; aconselhamento sobre entrevista de emprego; informação sobre medidas de apoio ao emprego; apoio à procura de emprego, formação e qualificação; informação sobre projetos de emprego e empreendedorismo, outras sessões de informação, dirigindo-se a desempregados, empresários, e outras pessoas da comunidade. Contactos para atendimento: Sede na antiga Escola dos Eucaliptos, Aljustrel Telm: 932950018, Email: projetoeagora3g@esdime.pt, Facebook: https://www.facebook.com/projetoeagora3g). Locais de atendimento descentralizados Rio de Moinhos (Junta de Freguesia), Carregueiro (local a designar), Corte Vicente Anes (Centro de Recursos), Messejana (sede da Esdime), S. João de Negrilhos (Junta de Freguesia) e Ervidel (Junta de Freguesia). Envelhecimento ativo XVI Encontro Nacional de Universidades Seniores será em Aljustrel A XV Encontro Nacional de Universidades Séniores em Mafra USA - Universidade Sénior de Aljustrel, esteve presente no XV Encontro Nacional de Universidades Seniores em Mafra, que decorreu no passado dia 28 de maio. De acordo com informação do Município de Mafra, mais de 2000 idosos participaram neste evento, reunindo alunos de 55 universidades sénior do país. O ponto alto desta festa decorreu no Terreiro D. João V, em Mafra, onde se assistiu ao desfile das bandeiras das instituições. Este encontro constituiu, para os seniores, uma oportunidade para visitar o Palácio Nacional de Mafra, o Jardim do Cerco, o Museu Militar da Escola das Armas, o Centro Interpretativo das Linhas e Torres e ainda para assistir a um concerto a seis órgãos na Basílica do Palácio e a uma exibição de falcoaria no Claustro Norte. A participação de Aljustrel revelou-se de extrema importância, visto que será precisamente a USA a receber o testemunho, cabendo-lhe, no próximo ano letivo, organizar e acolher este mega encontro, que trará milhares de seniores à vila mineira. Sociedade

[close]

p. 12

12 Aljustrel | Boletim Municipal | junho 2016 A Barragem do Roxo em 1972 (Foto LNEC) 1963 - 2016 A História da Barragem do Roxo A Barragem do Roxo, foi construída entre 1963 e 1968, pela Direcção Geral dos Serviços Hidráulicos, tendo sido batizada como Barragem Arantes e Oliveira, nome do então Ministro das Obras Públicas, tendo mudado de nome após o 25 de Abril. Em 1970 a sua gestão foi entregue à responsabilidade da Associação de Regantes e Beneficiários do Roxo. Arquivo E m 1957, o governo da altura planeou suprir as necessidades de água do Alentejo, através do Plano de Rega do Alentejo, transformando a tradicional agricultura de sequeiro por culturas de regadio. Este projeto tinha por base a criação de um grande lago artificial na zona de Alqueva e de mais um conjunto de barragens mais pequenas, ligando-as entre si, de forma a poder efetuar transvases. Nesse conjunto de barragens encontra-se a Barragem do Roxo, localizada entre Beja e Aljustrel. Agora que está concretizado esse objetivo antigo de 60 anos, será o momento de recordarmos um pouco da história desta infraestrutura que, desde 1985, para além de apoiar a agricultura, abastece também os municípios de Beja e Aljustrel. A Barragem do Roxo foi construída entre 1963 e 1968, pela Direcção Geral dos Serviços Hidráulicos, tendo sido batizada como Barragem Arantes e Oliveira, nome do então Ministro das Obras Públicas, tendo mudado de nome após o 25 de Abril. Em 1970 a sua gestão foi entregue à responsabilidade da Associação de Regantes e Beneficiários do Roxo. O paredão com 35 metros de altura e uma extensão total de 864 metros, construído em terra e betão, origina uma albufeira que ocupa uma área de 1.378 ha, armazenando um volume de água de 96 hm3. Após a sua conclusão, abriu uma grande fenda, que não pôde ser reparada sem que fosse parcialmente demolido o paredão. As obras começaram em 1970 tendo terminado em setembro de 1982, com alguns interregnos de permeio. No interior do dique existe uma galeria, com 35 metros de comprimento, com dois poços nas extremidades, ambos com cerca de 40 metros de profundidade, isto é, mais fundos que a altura do próprio dique. Num deles estão montadas duas bombas automáticas, cuja finalidade é de esgotarem toda a água da nascente que existe no subsolo da barragem. Estas bombas funcionam alternadamente, com intervalos idênticos, cada uma delas com um débito de 20 litros por segundo para evitar que esta nascente danifique o dique com novas roturas. O plano de água correspondente à Albufeira do Roxo, constitui o elemento de maior valor em termos de património natural e paisagístico desta zona e ainda da sua envolvente mais próxima. Para além de se integrar na Reserva Ecológica Nacional, representa o biótopo de maior valor e com maior expressão na zona, pela grande extensão abrangida. A sua localização fez com que o Roxo se tornasse, progressivamente, no espelho de água privilegiado das Um abatimento verificado no interior do paredão da Barragem do Roxo obrigou à retificação do descarregador de emergência em Janeiro de 1977 (Foto LNEC) Obras no paredão e descarregador de emergência da Barragem em Maio de 1978 (Foto LNEC)

[close]

p. 13

junho 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 13 Obras no descarregador de emergência da Barragem em Janeiro 1977 (Foto LNEC) populações próximas. Para além do elevado valor patrimonial que representa, é ainda factor de grande destaque pela qualidade cénica e de grande contraste que introduz na paisagem a nível local e regional. A sua utilização é, no entanto, fortemente condicionada pela legislação da Rede Ecológica Nacional (REN). Todavia, ao contrário de outras albufeiras do Alentejo, os investimentos turísticos não se fizeram sentir, nem na hotelaria nem na restauração, nem tão pouco em equipamentos de apoio a actividades náuticas. É provável que a sua classificação como albufeira “protegida” pelo Decreto Regulamentar de 2/88, de 20 de Janeiro, que impôs diversas restrições de uso, quer no que respeita à pesca, quer aos banhos ou à natação, como à navegação recreativa, a remos e à vela, ou às competições desportivas, mais a interdição total da navegação a motor, tenha sido a causa do seu abandono. A exemplo de outras áreas do Baixo Alentejo, aquela onde se insere a Albufeira do Roxo é dominada por uma paisagem pouco acidentada, de pastagens e/ou culturas arvenses de sequeiro, com pequenas manchas de montado de azinho e alguns montes antigos. É uma área de grande interesse cinegético e faunístico, onde a conjunção da albufeira com diversos corpos de água existentes, juntamente com todos os pequenos açudes para rega, charcos e outros pontos de água aí existentes, funcionam como habitats diferenciadores da região em relação ao seu estado original, permitindo a ocorrência de comunidades faunísticas diferentes das que seriam esperadas. Caso do Zarro-comum, espécie cada vez mais rara em Portugal. Para além das espécies directamente associadas à presença de água, a área da barragem suporta ainda diversos outros grupos, destacando-se o grupo das ra- pinas nomeadamente o tartaranhão caçador e o peneireiro cinzento, espécies com estatuto de ameaçadas. A nível dos mamíferos, destaca-se a lontra que encontra habitat especialmente nas ribeiras afluentes à albufeira. Arquivo Máquinas em movimento na reconstrução do paredão Maio de 1978 (Foto LNEC) Atualidade A ligação da Albufeira do Roxo ao Alqueva, oficialmente consumada no dia 9 de Junho de 2016, com a entrada da primeira água proveniente da Albufeira de Alqueva, é feita através de um circuito que compreende, para além das barragens de Alqueva e do Roxo, as barragens de Alvito e Penedrão que passarão a estar ligadas entre si permanentemente. A área de regadio associada á Albufeira do Roxo está dividida em oito Blocos de Rega: − o Bloco de Ermidas que abrange 1000 ha, − o Bloco de Rio de Moinhos (4632 ha), − o Bloco de Ervidel (8228 ha), o Bloco de Aljustrel (1318 ha), − o Bloco de Vale de Zebro (2165 ha), − o Bloco de Monte Novo (1636 ha), o Bloco de Gasparões (1840 ha) − e o Bloco de Montes Velhos (2222 ha). Estes blocos no seu conjunto perfazem uma área total de regadio de 23 041 hectares, o dobro da área prevista no projeto inicial que era de12 000 hectares em 1970. Barragem do Roxo na atualidade (http://portugalfotografiaaerea.blogspot.pt)

[close]

p. 14

14 Aljustrel | Boletim Municipal | junho 2016 Sessão da Assembleia Municipal Jovem Juventude Assembleia Municipal Jovem 2016 Jovens deputados apresentam propostas A AMJ pretende ser um espaço onde os jovens do concelho possam apresentar e debater necessidades e aspirações da vida local e interiorizarem os valores democráticos da participação política ativa, proporcionando a todos os participantes a vivência de uma sessão da Assembleia Municipal com uma metodologia de debate semelhante à da sessão concelhia. E m junho, os jovens deputados da Assembleia Municipal Jovem 2016 apresentaram as suas recomendações à Assembleia Municipal. Realização de campanhas de sensibilização; Criação de programas de segurança/vigilância, nos espaços públicos; Criação e promoção de programas familiares; Disseminação de atividades por diversos espaços públicos; Construção de um regulamento para a proteção dos espaços públicos foram as medidas que receberam maior consenso, após apreciação e discussão das propostas defendidas pelos jovens “deputados”, durante a sessão pública da Assembleia Municipal Jovem 2016, que se realizou no dia 3 de maio, na sala de sessões dos Paços do Concelho. Alunos do secundário do 9.º ao 12.º anos, organizados em quatro equipas, participaram nesta sessão, com vista à eleição dos deputados da AMJ 2106 e apresentação das suas propostas na próxima Assembleia Municipal. No período antes da ordem do dia, decorreu uma cerimónia de abertura, que contou com a intervenção do presidente da Assembleia Municipal de Aljustrel, do diretor do Agrupamento de Escolas e do presidente da Câmara Municipal. Seguidamente, e de acordo com o regulamento da AMJ, os novos membros elegeram a mesa da Assembleia, tendo sido eleito vice-presidente, o aluno Carlos Lança e secretário, Duarte Banza. Como sucedeu pela primeira vez, em 2015, os jovens elaboraram propostas, que este ano, foram subordinadas ao tema : : “A preservação dos espaços públicos, para a melhoria da qualidade de vida”. Um tema bastante pertinente, visto terem-se verificado, ultimamente, alguns atos de vandalismo nomeadamente em espaços públicos e escolares. Convinha, portanto, colocar os jovens a refletir e a discutir sobre este assunto. Carolina Lopes, Francisco Silva, Carlos Lança, Henrique Guerreiro, Susana Mangorrinha, e Marta Moio e Margarida Mestre, enquanto suplentes foram os representantes da AMJ que apresentaram as medidas na Assembleia Municipal, que irá por sua vez, fazer uma recomendação á Câmara Municipal no sentido das mesmas serem tidas em conta. A AMJ pretende ser um espaço onde os jovens do concelho possam apresentar e debater ne- cessidades e aspirações da vida local e interiorizarem os valores democráticos da participação política ativa, proporcionando a todos os participantes a vivência numa sessão da Assembleia Municipal com uma metodologia de debate semelhante à da sessão concelhia. A Assembleia Municipal Jovem é da responsabilidade da Assembleia Municipal de Aljustrel, que em articulação com a Câmara Municipal e o Agrupamento de Escolas de Aljustrel, consideram que “para um crescimento saudável, os jovens devem experimentar e vivenciar diferentes papéis na sua vida ativa”. Educação VIVA ALJUSTREL Município desenvolveu Plano Escolar de Educação Ambiental e Proteção Civil Câmara proporciona atividades para ocupar férias dos mais jovens A Câmara Municipal de Aljustrel concluiu no passado dia 5 de julho, Dia Mundial do Ambiente, o Plano Escolar de Educação Ambiental/Proteção Civil 2016. No âmbito deste projeto, desenvolvido durante o ano letivo, foram dinamizadas varias atividades ligadas ao ambiente e à proteção civil, de forma a consciencializar e a sensibilizar a comunidade escolar do pré-escolar ao 1.º ciclo sobre a importância destas temáticas. No plano de educação, concebido tendo em conta os dias comemorativos da Proteção Civil, da Floresta, da Água, da Energia e do Ambiente, foram igualmente realizadas visitas de estudos, um con- À curso de conto ilustrado e ações de cariz social, (recolhas de tampas e caricas para reverter para equipamentos médicos ou ortopédicos), entre outras iniciativas. Estas atividades contaram com o apoio de diversas entidades, nomeadamente Agrupamento de Escolas de Aljustrel, Águas Públicas do Alentejo, Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e Ambilital. semelhança dos anos anteriores, a Câmara Municipal de Aljustrel vai iniciar a 14 de junho, o programa de Férias e Tempos Livres destinado a ocupar, durante o verão, as crianças e os jovens, com idades entre os 3 e os 15 anos, residentes no concelho. Denominado Viva Aljustrel, este programa organizado e orientado por técnicos municipais tem carácter educativo, cultural, desportivo, recreativo e de ocupação dos tempos livres. As atividades terão início às 9 horas e prolongam-se até às 18h30, nos diversos equipamentos municipais: museu, biblioteca, espaços desportivos, Oficinas de Formação e Animação Cultural e Escola n.º 1 de Aljustrel (Escola da Avenida). O programa, que termina a 16 de setembro, visa contribuir para o enriquecimento das atividades de verão oferecidas às crianças e jovens do concelho. O programa não tem vagas limitadas e destina-se a todas as crianças e jovens com idades entre os 3 e os 15 anos de idade, residentes no concelho de Aljustrel. A inscrição é efetuada no Balcão Único da Câmara Municipal de Aljustrel e tem um custo de 8 €/ semana. Todos os encarregados de educação que apresentem o cartão social têm direito a um desconto de 50% para o escalão A e 30% de desconto para o escalão B. Também está previsto um desconto de 15% para os portadores do cartão Jovem Munícipe.

[close]

p. 15

junho 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 15 Inauguração da Sede do Motoclube de Aljustrel - Descerramento de placa Sobre duas rodas Motoclube de Aljustrel celebrou primeiro aniversário e inaugurou sede social O Motoclube de Aljustrel, que atualmente tem cerca de 40 sócios, está aberto a todas as pessoas que partilhem dos princípios da coletividade, tenham ou não mota: “Qualquer pessoa que goste de animação, de divertimento e que goste também de ajudar o próximo, tem lugar no Motoclube de Aljustrel”. anos 90, uma das maiores concentrações motard do país. “Este foi um gesto de reconhecimento pelo trabalho realizado pelos sócios do antigo moto clube, que nós enaltecemos”, afirma Edgar Lourenço, “ainda que tenhamos que percorrer o nosso próprio caminho. Revemo-nos em muito do que foi feito no passado, mas somos um Moto Clube diferente, com pessoas diferentes e com objetivos próprios”. BI Nome – Edgar Lourenço Cargo – Presidente do Motoclube de Aljustrel Tomada de Posse - 6 de maio de 2015 A primeira direção do Motoclube de Aljustrel tomou posse a 6 de maio de 2015 e tem, nas palavras do seu Presidente, Edgar Lourenço, um objetivo maior do que apenas juntar pessoas que gostam de andar de mota. ”Queremos ser uma instituição que apoia outras entidades do concelho, nomeadamente associações de cariz social”. E este objetivo já teve expressão recentemente, com a oferta de um cheque aos Bombeiros de Aljustrel, verba proveniente da bilheteira da festa do primeiro aniversário e inauguração da sede social do clube, que se realizou no passado dia 7 de maio. O Motoclube de Aljustrel, que atualmente tem cerca de 40 sócios, está aberto a todas as pes- Foto de sócios do antigo Moto Clube de Aljustrel (anos 90) Associativismo soas que partilhem dos valores da coletividade, tenham ou não mota: “Qualquer pessoas que goste de animação, de divertimento e que goste também de ajudar o próximo, tem lugar no Motoclube de Aljustrel”. Parte dos lucros das festas e outras iniciativas promovidas pelo clube irão servir para “ir atribuindo ao longo do ano às associações do concelho”. A sede social do Motoclube de Aljustrel, cedida pela autarquia, situa-se no antigo Centro Comercial de Aljustrel, mais conhecido por “redondela”. Este é um espaço partilhado pelas associações Pais em Rede e Ex-Combatentes do Concelho de Aljustrel. “Nesta fase estaremos, em princípio abertos apenas ao fim de semana, mais tarde se verá.” Em termos de próximas iniciativas “esperamos vir a dinamizar uma ação com o objetivo de promover a gastronomia do nosso concelho denominada de Tasca sobre Rodas”. É também objetivo informar as pessoas sobre questões ligadas às motas, por exemplo, “sobre as dúvidas que estão a surgir relativamente à inspeção periódica obrigatória para as motas”. A realização de uma concentração motard em Aljustrel não é um objetivo imediato. “Se tiver que acontecer, acontecerá, mas é um tipo de evento que exige muitos recursos, nomeadamente humanos, pelo que não nos queremos precipitar.” Para a inauguração da sua sede social e primeiro aniversário foram convidados vários dos sócios do antigo Moto Clube de Aljustrel, fundado em 1993 e entretanto extinto, que chegou a organizar em Aljustrel, nos O Símbolo do Motoclube de Aljustrel As estrelas simbolizam a iluminação. O capacete mineiro personifica os homens que trabalham nas minas. As asas a liberdade. Os pistões e os escapes simbolizam as motas. No seu conjunto, o símbolo pretende honrar a memória dos mineiros que perderam a vida nas minas e que fazem parte da nossa história. Uma dedicatória aos Mineiros de Aljustrel.

[close]

Comments

no comments yet