Jornal Conecta Baixada - 14ª Edição

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Conecta Baixada - 14ª Edição

Popular Pages


p. 1

Recicle informação. Passe este jornal para outro leitor 995-75-4545 www.conectabaixada.com.br 2016 BAIXADA FLUMINENSE 16 a 31 de Maio ANO 2 - N° 14 Distribuição gratuita CONTRATO DE R$ 200 MILHÕES SOME DA PREFEITURA Página 3 Página 3 Documento de transação com a Coopsege não foi encontrado durante busca determinada pela Justiça A INFORMAÇÃO VAI ATÉ VOCÊ JAPERI PERIGO ESPORTE ENEM VIDAS SECAS AO LADO DO RIO GUANDÚ Vizinhos do principal abastecedor do estado sofrem com falta d'água. Página 2 OBRA PÕE CRIANÇAS EM RISCO Canteiro da prefeitura de Mesquita vira diversão da Página 10 criançada. IGUAÇUANO QUER VAGA PARALÍMPICA Terceiro no ranking nacional, Adriel Souza sonha Página 12 com o pódio. INSCRIÇÕES VÃO ATÉ O DIA 20 Mais de meio milhão estão inscritos. Provas acontecem em novembro. Página 4 Mantenha sua cidade limpa. Não jogue papel no chão UMA GUERRA NADA SANTA Fotos: Lélio Neto/Conecta Baixada Casos de intolerância se multiplicam na Baixada e atingem seguidores de diversas religiões. Páginas 6 e 7

[close]

p. 2

OPINIÃO/GERAL 2 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR JORGE MIRANDA jorge.miranda@conectabaixada.com.br Empresário Mesquitense PROPAGANDAS FAJUTAS EM SITES O Procon Estadual autuou os sites Beleza na Web, Ponto Frio, Lojas Americanas, Extra e Casas Bahia por propagandas enganosas em ofertas para o Dia das Mães, comemorado no último dia 8. Os produtos foram anunciados com preços supostamente promocionais mas na verdade tinham o mesmo preço ou até custavam maior que valores cobrados um mês antes. A maior quantidade de irregularidades foi do site Beleza na Web: 31. Em seguida vem o Ponto Frio, com 17; Lojas Americanas e Extra (10 cada) e Casas Bahia (2). A pesquisa encontrou 70 ofertas irregulares nos sites autuados, que poderão pagar até R$ 9 milhões de multa. POLÍTICA SE FAZ COM PARTICIPAÇÃO Vendo os acontecimentos políticos recentes e a resposta da população com as manifestações populares ou por meio das redes sociais, percebo o quanto o brasileiro, de uma maneira geral, está cansado de ser apenas um meio para garantir a chegada de alguns políticos ao poder. O cidadão acaba se sentindo como um mero degrau na escalada, muitas vezes desmedida por influência e dinheiro. E para ser bem sincero, as pessoas deveriam estar mais inteiradas sobre política e como ela é praticada em nosso país, estados e municípios, não deixar para fa- fiscalizam e depois reclalar apenas em tempos de mam”. Apesar de essas crise. Política de verdade frases terem algum funse faz para e com o povo. damento, eu não concorCada vez mais é neces- do plenamente com elas. sária a partiEstá certo cipação das que quem Nós todos cidadãs e dos escolhe o cidadãos na governante estamos vida pública. é a popucansados (e Não há outro lação, mas caminho para com razão) das isso não mudança a não promessas não dá ao políser a participatico direicumpridas ção popular, a to de fazer construção coo que bem letiva através da contri- entender ou trair e enbuição das pessoas para ganar as pessoas. Quem o poder público. se predispõe a entrar na Muita gente costuma vida pública, a fazer prodizer que “cada povo tem messas e firmar comproo governo que merece” missos com o povo tem ou que “as pessoas não que ter hombridade, caráter e competência para cumprir com o que lhe foi atribuído. Ao mesmo tempo, a população tem que ter acesso à informação e ser estimulada a fiscalizar e saber o que há de errado ou quais as dificuldades enfrentadas pelo governante. Nós todos estamos cansados (e com razão) das promessas que nunca são cumpridas, do improviso e da incompetência que faz sofrer aqueles que mais precisam. Queremos resultados, queremos mudança de verdade, queremos um futuro melhor para nós, nossas famílias e nossos amigos. “ ” POPULAÇÃO DE JAPERI SÓ VÊ A ÁGUA PASSAR Cerca de 40% das casas do município, cortado pelo Rio Guandú, têm as torneiras secas tempo. Para beber ou fazer comida precisamos comprar galões. Consumo uns seis por mês", desabafou Gilberto, segurando um copo transparente, que evidência a má qualidade da água que abastece sua casa. O mesmo drama se repete na vida de pelo menos 40 mil habitantes da cidade, que devem ter o problema solucionado em pouco tempo. Uma comissão formada por moradores visitou no início do mês as obras da nova estação de tratamento de água (ETA), que está sendo construída no município. A expectativa da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) é de que com a inauguração, que deve acontecer até o início do ano que vem, o volume tratado pela estação (150 litros/segundo) seja suficiente para abastecer todas as casas do município. Até o término, R$ 21 milhões deverão ter sido investidos no projeto. O vereador Jonas Cruz (PSC) foi o responsável pela articulação política que viabilizou o projeto. Para ele, o avanço nas obras deixa cada vez mais próximo a esperança do fim da falta d’água na cidade. "São 12 anos lutando para que isso aconteça. Me sinto honrado e realizado por ver e fazer parte da história dessa estação de tratamento, tão necessária para nossa população”, comentou. Davi Boechat Davi Boechat/Conecta Baixada davi.boechat@conectabaixada.com.br O comerciante Gilberto Almeida, de 45 anos, conta com água salobra de um poço artesiano para abastecer a casa em que mora com a família. O morador do bairro Lagoa Sapo, em Japeri, que fica às margens do Rio Guandu, não dispõe de água tratada em sua rua, mesmo estando há menos de um quilometro do principal abastecedor da região metropolitana. "Essa água não presta para consumo. Até mesmo nas atividades domésticas ela causa prejuízo. As roupas, pisos e até panelas ficam amarelados com o passar do Gilberto mostra a água retirada de um poço artesiano para abastacer sua casa Em nota, a Cedae informa que a "ETA que está sendo construída atenderá plenamente o município de Japeri". O texto afirma também que metade dos 60 mil clientes da empresa estão inadimplentes. Já os moradores dizem que não pagam porque não têm água encanada. É o caso da rua de Gilberto, onde apenas as contas chegam há quatro anos. Em contrapartida, não há um pingo de água nas torneiras. Se somados os números, 70% da população de Japeri (100 mil habitantes) não dispõe de água tratada em casa.

[close]

p. 3

BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR 3 GERAL Conecta Baixada CONTRATO SOB SUSPEITA prefeitura de Mesquita está proibida de contratar pessoal da Cooperativa de Trabalho Coopsege, principal fornecedora de mão de obra para a administração municipal. A decisão é da juíza Alessandra Tufvesson Peixoto, que determinou ainda a busca e apreensão do contrato firmado entre a municipalidade e a cooperativa, que recebeu esse ano R$ 31 milhões. A juíza também determinou que a prefeitura entregue a relação com os nomes e CPFs de todos os funcionários terceirizados cedidos pela Coopse- A JUSTIÇA PROÍBE PREFEITURA DE USAR COOPSEGE ge. As medidas judiciais foram tomadas no último dia 9 com base numa ação popular, que questiona a legalidade da contratação da cooperativa pela administração municipal. Desde o início do governo, o município já repassou quase R$ 200 milhões à Coopsege. Só nos cinco primeiros meses deste ano a cooperativa já embolsou R$ 31 milhões. A quantia seria suficiente para contratar mais de oito mil funcionários terceirizados, pagando salário mínimo (R$ 880) a cada um. No último dia 10, um oficial de justiça foi à prefeitura de Mesquita com o objetivo de apreender o contrato, que não foi encontrado. Por mais de três horas o oficial, acompanhado por advogados que representam a ação popular, percorreram a controladoria, a procuradoria e o protocolo em busca do documento, que não foi localizado. A desobediência da prefeitura em não fornecer à Justiça o contrato pode resultar no bloqueio judicial dos repasses à Coopsege. Procurada pela reportagem, a prefeitura e a cooperativa não se pronunciaram sobre a ação judicial. EMPRESA COBRA NA JUSTIÇA DÍVIDA DE GG Mazé Mixo/Agência O Globo Prefeito é alvo de ação judicial por não pagar dívida à empresa contratada A administração de Mesquita vem colecionando processos na Justiça. Além da recente ação popular, que questiona a legalidade do contrato com a Coopsege, a prefeitura também é citada como ré, junta- mente com o prefeito Rogelson Sanches Fontoura, em ação da empresa Nova Local Rio, que recorreu à Justiça para receber R$ 3 milhões pela prestação de serviço de varrição de rua, capina e limpeza de feira.

[close]

p. 4

EDUCAÇÃO MULTA PARA QUEM JOGAR GUIMBA DE CIGARRO NA RUA Projeto de lei do deputado Thiago Mohamed (PMDB) aprovado em primeira discussão na Alerj prevê multa para quem for flagrado jogando guimbas de cigarro na rua. Estabelecimentos que produzam, distribuam e vendam cigarros terão que instalar equipamentos para a coleta das guimbas. A multa de 50 UFIRs-RJ (R$ 150) pode dobrar em caso de reincidência. 4 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR Poderão ser feitos acordos entre o poder público, cooperativas e empresas privadas para a realização da coleta e da reciclagem. O texto ainda será votado em segunda discussão pela Casa. s inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) vão até o dia 20 de maio. Com as inscrições abertas desde o dia 9, o Enem já tinha mais de meio milhão de inscritos até o dia 15. As provas serão aplicadas nos dias 5 e 6 de novembro. As inscrições devem ser feitas pela internet, no portal do Enem. O estudante deve ter em mãos, no ato da inscrição, o CPF e o número do documento de identidade. Deve também informar um endereço de email. Só é possível fazer a inscrição por e-mail, assim, cada estudante deverá ter email próprio. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame, vai usar o endereço e o telefone celular informado para se comunicar com os inscritos. É na hora da inscrição que o participante informa se necessita de algum atendimento específico ou especializado e se é sabatista – aqueles que, por convicção religiosa, guardam o sábado, reservando o dia para descanso e oração (leia ma- A ENEM: INSCRIÇÕES VÃO ATÉ O DIA 20 Agência Brasil Até o dia 15, mais de meio milhão de estudantes já haviam feito a inscrição téria sobre intolerância religiosa nas páginas 6 e 7). Eles podem fazer o exame após o pôr do sol. O atendimento especializado é oferecido a pessoas com deficiência física ounecessidades especiais. Já o atendimento específico é feito a gestantes, lactantes, idosos, estudantes em classe hospitalar e sabatistas. Na inscrição o estudante informa se quer utilizar o resultado do Enem para certificação do ensino médio.

[close]

p. 5

BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR 5 GERAL CONEXÃO GERAL Davi de Castro davi.castro@conectabaixada.com.br O AEROPORTO EM NOVA IGUAÇU PARA ATENDER A BAIXADA sonho de Nova Iguaçu ter seu próprio aeroporto não acabou. Aliás, ganhou fôlego com a ascensão do vice, Michel Temer, à presidência. A ideia começou com o ex-deputado federal Jorge Gama, chegou a Temer e Moreira Franco, amigos pessoais de Jorge, e contou com o apoio do prefeito Nelson Bornier. O aeroporto, nesta ideia embrionária, seria construído em uma gigantesca área de Cabuçu. A ideia é atender empresários que trafegam entre a Baixada e outras regiões do País, teriam locomoção mais rápida. Pois estacionariam a aeronave em Cabuçu e seguiriam de carro até o local desejado. Reprodução/Internet LEI DE INCLUSÃO Pessoas portadoras de deficiências e representantes de instituições ligados a causa, lotaram o teatro da (Unig), dia 12, para assistir a palestra do dr. Geraldo Nogueira, sobre os direitos da categoria previstos na Lei Brasileira de Inclusão. CALOTE ÀVISTA TRÂNSITO MELHOR O reflexo do aeroporto e do aeroclube incidiria direto sobre o trânsito da cidade, desafogando os congestionamentos na Estrada de Madureira e nas ruas centrais da cidade. Pois, nesse mesmo tempo, a Via Light chegaria até Cabuçu. Os malabarismos do governo do prefeito Gelsinho Guerreiro, em Mesquita, não estão sendo suficientes para saldar as dívidas com prestadores de serviços. Os “caixas socorrentes” do prefeito já estão combalidos. EXPANSÃO Jorge acredita que o empreendimento impulsionaria a economia de Nova Iguaçu, que já é um grande polo de consumo (seria o 9º do país).Uma cidade rica, com per-capta acima de R$ 350, e grandes áreas para expandir as vocações comerciais, industriais e de serviços. TAXI AÉREO A ideia do aeroporto coincide com o projeto do governo de Nova Iguaçu de restaurar, modernizar e ampliar a estrutura do aeroclube da cidade, próximo ao Corpo de Bombeiros, para pouso e decolagens de pequenas aeronaves e serviços de táxi aéreo. MAIS VÍTIMAS Os setores mais prejudicados com o calote são os de prestação de serviços na área da saúde, onde alguns não recebem há dois anos. O Jornal de Hoje, onde o governo publicava atos oficiais, está há mais de um ano sem ver a cor do dinheiro. ROBERTO JEFFERSON QUER VOLTAR Primeiro delator do mensalão, estopim que desencadeou o maior escândalo politico do país, o ex-deputado federal do PTB, Roberto Jefferson está livre, leve e solto desde o dia 22 de abril, quando foi anistiado. Ele foi cassado e condenado a 7 anos e 14 dias de cadeia. Agora anuncia que vai assumir a presidência nacional do partido e poderá ser candidato a deputado federal por São Paulo ou Curitiba.

[close]

p. 6

GERAL INTOLERÂNCIA RELIGIOSA 6 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR 7 GERAL Reprodução/Internet UMA GUERRA NADA SANTA Marcelle Bappersi marcelle.bappersi@conectabaixada.com.br H á seis meses, padres e párocos se surpreenderam ao encontrar imagens quebradas pelo chão da Catedral de Santo Antônio, em Duque de Caxias. O culpado pela destruição dos objetos sagrados foi um adolescente, de 13 anos, membro da Igreja Universal do Reino de Deus. Poucos meses depois, o jovem candomblecista Patric Douglas Anjos, de 25, foi demitido após chegar ao trabalho, em Mesquita, usando vestes brancas e guias de contas. As duas histórias revelam a face da intolerância religiosa que, na Baixada Fluminense, atinge seguidores de diferentes religiões. Segundo o padre Renato Gentile, da Catedral de Santo Antônio, a atitude do garoto foi um ato isolado. Ele explica que o adolescente beirava o fanatismo e a igreja impediu que fosse apreendido."Se ele fosse levado a um abrigo estaria em contato com outros infratores. E isso é resolvido com muito diálogo. Se uma pessoa de fé comete este tipo de crime, pode-se dizer que ela não entendeu a essência de sua religião", acredita o padre. Um levantamento feito pela Secretaria Especial de Direitos Humanos do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos (SDH) mostra que 18 pessoas sofreram discriminação religiosa no estado no ano passado. Sendo que três casos aconteceram em Duque de Caxias, dois em Belford Roxo, dois em Nova Iguaçu e um em São João de Meriti e um em Paracambi. "A Baixada Fluminense concentra maior número de religiões de matrizes africanas. Logo, onde há registro de grande parte de casos de intolerância. Existem aqueles casos que não são denunciados por que a vítima não vai à delegacia ou a tipificação do fato não condiz com o ocorrido", segundo representantes Comissão de Combate à Intolerância Religiosa do Rio de Janeiro. Dados divulgados pela CCIR mostram que 66 denúncias foram feitas entre setembro e dezembro de 2015. E pela primeira vez, muçulmanos aparecem no topo da lista, com 32% de vítimas. Candomblecistas aparecem em 30% dos registros. Em seguida aparecem indígenas (6%), agnósticos (5%) e kardecistas (3%). A Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro (SBMRJ) registrou 133 casos nos últimos quatro anos. A assessoria da SBMRJ explica que as ocorrências, na grande maioria, são virtuais. "As mulheres também são alvos de agressão por causa do véu, mas são situações pontuais. A internet ainda lidera o maior número de casos", afirma. Segundo o pastor da Igreja Adventista do 7º Dia, Roberto Pareia, a igreja condena qualquer tipo de discriminação religiosa. Ele afirma que religiões cujos sábados são dedicado à atividades religiosas sofrem muito mais com a intolerância. "A bíblia nos ensina que todos devemos amar uns aos outros e aqueles que professam sua fé devem ter liberdade. Mas a decisão de fazer o certo ou errado é particular", diz. Antônio Lacerda, pesquisador da MITRA de Nova Iguaçu, associa os casos às condições sociais e financeiras. "Eu dava aula de filosofia, e naquela época os alunos já se mostravam intolerantes em relação aos mitos africanos. Este tipo de crime acontece em lugares onde há miséria e falta de cultura", afirma. Já Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) do Governo Federal delineou o perfil das vítimas de intolerância religiosa no país. De 2011 a 2015, 89 vítimas eram crianças e adolescentes, 34,6% deles, pardos e negros, do sexo masculino. O perfil de agressores também foi traçado. De 891 casos atendidos pelo SEPPIR, 26,9% dos agressores eram vizinhos das vítimas e 29,4% desconhecidos. Para o sociólogo e pesquisador da UERJ Roberto Vilela a questão da intolerância é muito mais cultural do que socioeconômica. Ele explica que a atitude extremista de muitos evangélicos são parecidas com a de católicos no começo do século XX. " Há um mito que versa sobre essa facilidade do brasileiro em lidar com as diferenças, mas na realidade não é bem assim. É sempre contra as religiões identificadas com traços culturais africanos. Ou seja, isso não é exatamente uma questão de classe", conclui. FÉ NA TOLERÂNCIA Em novembro do ano passado, um grupo de candomblecistas cobriu com frases positivas as variações preconceituosas de frases, como "Só Jesus expulsa orixás, Yemanjá, Ogum das pessoas", que se referiam às entidades candomblecistas e umbandistas. "Estava cansada de ler frases que demonizavam religiões de matrizes africanas. Minha religião ", conta Ignez Teixeira Yalorixa do Ilê Axe D'Ogum-Ja e idealizadora do projeto Onde se pinta respeito, se apaga intolerância. Na época, o grupo pintou cerca de 10 frases, de Bento Ribeiro à Ancheita. Segundo Ignez, até julho ação terá outra edição."A primeira edição foi um sucesso. Nas redes sociais, recebemos muitos elogios de pessoas de diversas religiões, assim como também fomos criticados". Ignez afirma que o grande problema do combate ao preconceito está na tipificação dos casos nas delegacias e na mentalidade de muitos religiosos. Iniciativas positivas também foram tomadas por outros segmentos religiosos a fim de promover a harmonia e combater a intolerância. Depois do ataque à Catedral de Santo Antônio, em Duque de Caxias, o padre Renato Gentile decidiu convocar representantes de várias religiões para rodadas de encontros onde são debatidas ações de esclarecimentos da população para a importância da aceitação da fé do outro. AGOSTO DE 2014 O barracão de Candomblé de Mãe Conceição de Lissa, no bairro Jardim Vale Sol, em Duque de Caxias, é destruido após ser incendiado . JANEIRO DE 2016 Um adolescente, de 13 anos, invade a Catedral de Santo Antônio, em Duque de Caxias, e destroi várias imagens de santos católicos. ABRIL DE 2016 O candomblecista Patric Soares recorre à polícia após ser demitido do serviço na prefeitura de Mesquita por, segundo ele, ter ido trabalhar com guias e roupas brancas.

[close]

p. 7

EMPREENDEDORISMO VIDA DE UM EMPREENDEDOR Jorge Eduardo jorge.eduardo@conectabaixada.com.br 8 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR “BOTECO DE MULHER” CERVEJA, CAFÉ E UNHAS Davi Boechat/Conecta Baixada NÃO ESTORVE SEU CLIENTE COM E-MAILS Hoje vamos entender como aplicar o marketing direto sem que você estorve seu cliente com e-mails desnecessários e acabe perdendo-o. 1- Foco no público-alvo Saiba exatamente para quem é o produto que você está criando e como gerará valor para esse cliente. Uma ferramenta que te ajudará muito nisso é o Canvas. Depois de entender seu público e ter um produto ideal para ele, foque em saber quanto de publicidade e propaganda é necessário para que esses clientes vejam e comprem seu produto. Leve em conta quão alimentada ou engajada é sua lista, o tamanho dela e a taxa de retorno, não atingido na internet; e os custos para atingir esse público. Esses dados são importantes para entendermos quais os clientes que não estão interessados em nossos produtos. 2- Aumento de lista Escreva para blog, publique vídeos, slides, e-books. Todo esse conteúdo, desde que seja de qualidade e focado em seu público-alvo, podem ser maneiras de aumentar sua lista. Você pode também aliar estratégias físicas de marketing às suas estratégias online de crescimento de lista, desde que isso não saia do seu orçamento. Também procuramos analisar se esse público, através de um contato fora da internet, pode ficar mais engajado do que no que fazemos atualmente no mundo virtual. 3- Alimentação da lista criada Alimentar sua lista é o momento em que você separa o joio do trigo e prepara-a para comprar seu produto. Para cada segmento de cliente desenvolve-se uma estratégia diferente e testam-se todas para saber qual funciona melhor e qual converte mais. A maior regra nesse momento é “teste sempre!” Se você não testar nunca saberá o que serve de verdade para seu público e como você pode gerar mais lucro. Leve em consideração quantos contatos são necessários para que o lead se torne um cliente. O conteúdo que será entregue nesses contatos e a redação aplicada e focada na venda. Você deve criar um passo a passo que faça o cliente perceber por ele mesmo que o seu produto é fundamental para atender suas necessidades, assim como a venda comum. Lembre-se que sua lista aquecida não pode ser enganada e você deve entregar aquilo que realmente prometeu. A empresária Renata Dias decidiu inovar no atendimento e no ambiente do espaço de embelezamento de pés e mãos Leilane Oliveira leilane.oliveira@conectabaixada.com.br “M uito além de uma mistura de bar, café e unhas perfeitamente coloridas”. Esse é o conceito da Retrô Smalteria, inaugurada há um mês, no Centro de Nova Iguaçu. No mesmo espaço em que fazem as unhas, os clientes também podem pedir uma cerveja ou um café para relaxar entre um serviço e outro. A marca é especializada em embelezamento e tratamento de pés e mãos, com serviços de manicure e pedicure; spa de pés e mãos; venda e aplicação de unhas em acrigel, fibra e porcela- na. São mais de 300 opções de esmaltes nacionais e importados. Todos os serviços são oferecidos para homens e mulheres. Sócia da esmalteria, Renata Dias, de 26 anos, conta como nasceu a ideia do local, que oferece serviços de beleza e bistrô em um mesmo ambiente. "Eu quis reformular, inventar uma coisa nova no mercado: Esmalteria, Bar e Café”, conta. A Smalteria Retrô surgiu no mesmo local onde já funcionou um salão de beleza, que era frequentado pela empresária. Além do atendimento diferenciado, Renata também revela a aposta em produtos que são referência no mercado e marcas pioneiras. O projeto arquitetônico privilegiou a simplicidade sem abrir mão da tecnologia e do bom gosto. A área de espera é projetada para proporcionar conforto e praticidade, com acesso livre a rede wifi, tablet conectado à internet durante todo o horário de atendimento e fones de ouvido bluetooth para que o cliente possa escutar as músicas do seu próprio celular. “O Retrô Smalteria Bar & Coffee oferece serviço de excelência para entender e atender às necessidades dos seus clientes”, garante Renata. Retrô Smalteria Rua Ivan Vigne, Centro Nova Iguaçu Tels: 3540-0389 WhatsApp 995-75-4545

[close]

p. 8

BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR 9 RELIGIÃO E FÉ PROFESSOR CLÁUDIO DUARTE evangelho@conectabaixada.com.br NÃO SEJA CRENTE, SEJA CRISTÃO! "Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para ser lançado fora e pisado pelos homens." Mateus 5:13. Este versículo, como de resto toda a Bíblia, deveria nos impactar, nos incomodar, nos fazer refletir muito e provocar profundas mudanças em nós. O que Jesus está dizendo, com toda a força de Sua Palavra, que o seu seguidor genuíno tem dever e obrigação de exercer uma influência sadia neste mundo. Um mundo cada vez mais violento, conturbado e perturbado. E esta influência a que Jesus se refere e nos impõe é buscarmos reproduzir a Sua vida, em todas as esferas de nossas relações. A Igreja e os discípulos de Jesus estão no mundo, mas não são nem pertencem a este mundo. A Igreja e o mundo são comunidades distintas e inconciliáveis. Não basta ser um frequentador religioso de igrejas, seguindo ritos, normas e instruções de pastores e denominações. Muitas vezes isto pode descambar, e geralmente descamba, para a religiosidade e farisaísmo. Para ser sal é preciso reproduzir o caráter de Jesus, assim como Ele nos ensinou através do Sermão do Monte. Para isto, não basta ser crente, mas é necessário ser cristão. Se não for assim, como nos alerta a Palavra, para nada mais prestaremos senão para sermos lançados fora e pisados pelos homens. GIRO PELAS IGREJAS O Ministério Kadima se reúne todos os domingos, a partir de 18 horas, para louvar e cultuar a Deus, na sua sede, Rua Batista das Neves, 341, Chatuba. Todas as segundas feiras, sempre às 19 horas, estudo bíblico na Assembleia de Deus do Relógio, na Rua Batista das Neves, 979, Chatuba. Mande para nossa coluna a programação e eventos de sua igreja e divulgaremos GRATUITAMENTE. O endereço do e-mail é claudio.duarte@ conectabaixada.com.br. M “A MÚSICA ME LIBERTOU DO CÁRCERE DA DEPRESSÃO” úsica, música e mais música. Essa foi a chave para a liberdade usada pela pedagoga Jordana Degani, de 23 anos, para fugir do “cárcere da depressão”, como ela mesma chama a doença que a acometeu por vários anos, a partir de uma série de tragédias pessoais. “Não conseguia pegar trem ou ônibus e muitas vezes ia de casa para a faculdade a pé”, relata. O fantasma do suicídio também perseguiu a jovem por muito tempo. Ao longo da terapia ela foi experimentando novos métodos de autoconhecimento e então a música veio. A princípio somente como tema de seu trabalho de conclusão do curso de Pedagogia, no qual abordou o uso dos ritmos na Educação Infantil. Depois como hobby, após comprar um violão e se dedicar às aulas via internet. “Comprei o instrumento Lélio Neto/Conecta Baixada Para espantar os ''fantasmas'' da depressão, a pedagoga se dedicou à música em prestações, pois estava passado por um momento financeiro difícil. Quando comecei a cantar me disseram para desistir de usar a voz e me dedicar apenas ao violão, pois não tinha voz”, revela. Após um congresso em Belo Horizonte, Jordana decidiu se entregar de corpo e alma à música. “Tive uma experiência sobrenatural e com a orientação de Deus resolvi lançar o Ministério Jordana Degani (MJD)”, revela ao falar sobre seu projeto, com o qual tem percorre igrejas para dar seu testemunho e mostrar sua música. Contatos Jordani Degani jordanadegani_oficialASRJ 99224-2351 / 96928-3811 Conecta Baixada

[close]

p. 9

GERAL LAZER DE RISCO 10 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR CANTEIRO DE OBRAS DA PREFEITURA VIRA ARMADILHA EM MESQUITA Lélio Neto/Conecta Baixada Marcelle Bappersi marcelle.bappersi@conectabaixada.com.br cinco meses das eleições municipais, as obras da prefeitura de Mesquita no antigo campo do Potyguar Futebol Clube estão longe de serem concluídas. O canteiro de construção se tornou uma armadilha para crianças que brincam livremente em meio às máquinas. O espaço não foi isolado e oferece risco até mesmo aos operários, que trabalham sem equipamentos de proteção. "Quando o clube existia as crianças brincavam no espaço sem que os pais se preocupassem. Além disso, o campo também era murado e aqui funcionavam projetos sociais. Só que agora a história do bairro foi ao chão junto com a nossa história. Vivi parte da infância aqui. A Crianças brincam em meio às máquinas no canteiro de obras da prefeitura Eu e muitos outros moradores. Todos adultos hoje, mas nossos filhos não terão essa oportunidade", disse a massoterapeuta Jaqueline Guimarães, de 47 anos. O início das obras foi polêmico. A direção do Potyguar processou a prefeitura pela expropriação indevida do espaço no fim do ano passado. A ação foi movida logo após o início das obras do posto policial da Coréia. A destruição da sede do clube sem aviso prévio colocou abaixo cerca de 60 anos de história. "Os operários da prefeitura chegaram aqui numa segunda-feira, dia que o clube não funcionava, e derrubou tudo. As máquinas destruíram os oito vestiários, o campo além de destruir troféus e documentos da sede", disse o diretor do clube, Paulo Roberto Góes. Promessas não cumpridas A prefeitura anunciou que no terreno seria construído também uma Vila Olímpica e uma Unidade Básica de Saúde. Porém, as obras já começaram sem licitação. Além dos riscos oferecidos às crianças que utilizam o espaço como área de lazer, o diretor do Potyguar F.C. ainda afirma que a logística das construções não faz sentido. "Aqui é uma área de risco, logo, um posto policial próximo à única área de lazer da Coreia apresenta risco sim à população. Imagine se algum dia criminosos passem por aqui atirando?", acrescenta o diretor do clube. Ainda segundo o dire- tor do Potyguar, a autorização de funcionamento do espaço foi cedida pela prefeitura de Nova Iguaçu quando Mesquita ainda era um distrito do município. Ele ainda afirma que ninguém foi indenizado depois da expropriação. O processo já está em fase de conclusão e aguarda a sentença do juiz. "Há dois anos o terreno foi desapropriado e eles nunca nos pagaram a indenização. Foi um ato de extrema covardia e descaso com a população", conclui.

[close]

p. 10

BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR 11 PASSATEMPO EXPEDIENTE: Presidente: Ricardo Lucena Consultor Editorial: Sérgio Ramalho Coordenador Editorial: Marco Antonio Canosa Projeto Gráfico : Daniel Souza e Renato Ferreira Diagramação: Renato Ferreira Tecnologia: Ronald Henrique Tiragem: 20 mil exemplares Distribuição Gratuita Edição Quinzenal Impressão: NewsTech - (21) 3552-0580 O Jornal Conecta Baixada não se responsabiliza pelas opiniões emitidas por colunistas e colaboradores. Redação: Rua Dr. Mário Guimarães . Nº 428, SL. 308 . Centro, CEP: 26255-230, Nova Iguaçu, RJ. Tel: (21) 3765-3423 Comercial: (21) 3765 3423 WhatsApp: 995-75-4545 Email: contato@conectabaixada.com.br

[close]

p. 11

ESPORTES BAIXADA PARALÍMPICA 12 BAIXADA FLUMINENSE, 16 a 31 de Maio WWW.CONECTABAIXADA.COM.BR O SONHO OLÍMPICO DE ADRIEL Rodrigo Melo rodrigo.melo@conectabaixada.com.br Fotos: Daniel Zappe P ouco menos de três meses para o início das Olimpíadas no Rio de Janeiro, os fãs de esportes ao redor do mundo já estão ansiosos pelas disputas de medalhas. Porém, em Nova Iguaçu, um jovem de 18 anos ainda sonha com a chance de participar da edição deste ano. Adriel Souza é uma das promessas da natação para os Jogos Paralímpicos de 2020, que acontecerão no Japão. Diagnosticado com nanismo quando tinha apenas um ano, o jovem iguaçuano iniciou no esporte como forma de reabilitação por causa de sua altura e acabou aprendendo a enxergar a vida com outros olhos. Com 1,27 metro de altura e 48 quilos, Adriel já conquistou títulos de gente grande. Terceiro colocado no ranking nacional, ganhou a primeira medalha paralímpica nos jogos escolares, em 2011. Depois disso, começou a conquistar seu espaço no mundo da natação. Em 2013, Adriel foi convocado para integrar a seleção brasileira de natação e foi disputar o Parapan-Americano em Buenos Aires. Na Argentina, Adriel surpreendeu e conseguiu quatro medalhas na competição. “Fui conquistando meu espaço na natação aos poucos. Quando comecei no Esporte Clube Iguaçu, competia com pessoas normais. Depois disso, fiz um teste no Clube de Regatas Vasco da Gama e passei. Estou há seis anos no clube e isso tem me ajudado a amadurecer bastante. Comecei a ver a vida de outra forma. Hoje eu sou um atleta”, afirmou Adriel. Há três anos Adriel teve um dos momentos mais marcantes na carreira. Quebrou o recorde estudantil nos 50 m livre que até o momento não foi quebrado. Motivo de orgulho na família, o atleta pensa em fazer faculdade de administração no futuro, mas, por enquanto, vive do esporte e sonha em participar das olimpíadas em casa. “Tenho sorte do esporte me ajudar financeiramente. Recebo ajuda do Vasco, Supermercado Maringá, estúdio de Pilates Eduardo Ferraz e da Secretaria de Esportes de Nova Iguaçu. O patrocínio me ajuda bastante. Minha família também sempre me apoiou e pude me dedicar a natação, o que foi ótimo para a minha evolução. O recorde nos jogos estudantis foi um grande passo na minha carreira, mas meu foco nesse momento é alcançar o índice de tempo que a seleção pede. Seria uma honra representar o Brasil”, finalizou. Para participar das Paralimpíadas deste ano, Adriel precisa alcançar o tempo de 33 segundos até junho. Atualmente, o índice do iguaçuano é de 36 segundos. O jovem atleta será um dos condutores da Tocha Olímpica em Nova Iguaçu. FLUMINENSE FECHA COM AMÉRICA E JOGARÁ EM EDSON PASSOS A parceria entre América e Fluminense renderá frutos aos clubes e ao Estádio Giulite Coutinho. Com um valor estimado de R$ 700 mil em obras, os jogadores do Tricolor haviam reclamado do gramado no início deste ano. Esse acordo, além de permitir que o Fluminense utilize o Estádio do América em 2016, possibilitará ao Rubro contar com atletas tricolores, por empréstimo, na Copa Rio deste ano. Em entrevista ao “Portal Terra”, Pedro Antônio, vice-presidente de Projetos Especiais, afirmou que o objetivo é colocar o local em condições o mais rápido possível. “Edson Passos será a casa do Fluminense no restante do ano. Nós vamos assinar agora o contrato de cooperação nesta segunda. Vamos trabalhar com o objetivo de colocar o local em condições o mais rapidamente possível”, disse.

[close]

Comments

no comments yet