Revista Dataprev Resultados - N.º 12

 

Embed or link this publication

Description

Revista Dataprev Resultados - N.º 12

Popular Pages


p. 1

revista dataprev noVA folhA dA preVidÊnciA nA retA finAl um novo sistema vai assegurar independência tecnológica ao processamento do pagamento de 33 milhões de benefícios no país ano 7 • Nº 12 AnAlYtics Ferramentas ajudam a dar respostas a demandas sociais selo internAcionAl Certificação Tier iii vai atestar alta disponibilidade dos data centers Arte e educAção Doações apoiam projetos de inclusão digital

[close]

p. 2



[close]

p. 3



[close]

p. 4

sumário CAPA 8 Modernização da folha de benefícios previdenciários entra na reta final Sistema que processa o pagamento de aposentadorias e pensões do INSS será substituído por solução desenvolvida para plataforma baixa e com novos recursos de controle Tecnologia TIER III: um selo internacional para os data centers 18 28 Desenvolvimento Desenvolvimento ágil: parceria com o cliente dá agilidade aos trabalhos

[close]

p. 5

22 Desenvolvimento Analytics: inteligência para ler os dados Desenvolvimento 29 32 34 35 40 44 46 49 Gerid: segurança e flexibilidade no controle de acesso 30 36 37 38 42 dataprev inaugura novo modelo de atendimento gestão Prioridades estratégicas para os próximos cinco anos Plano de ação 2016 marca novo ciclo de investimentos lucro da dataprev cresce 22,75% em 2015 it Score destaca gestão de processos e segurança Portal na internet traz aplicativos para pesquisa dataprev recebe certificado de empresa Cidadã 2015 Cidadania responsabilidade socioambiental Clientes notas Base de registros civis permitirá automação do acesso a benefícios a ética na modernidade Programa de inclusão digital apoia de cinema a robótica os serviços prestados pela dataprev a seus clientes

[close]

p. 6

editorial 6 Revista Dataprev Resultados Ano 7 • Nº 12

[close]

p. 7

A Dataprev ingressa este ano na reta final de um dos seus projetos mais relevantes para o país: a implantação da nova folha de pagamento de benefícios da Previdência Social. Responsável pelo processamento dos créditos de aposentadorias, pensões, auxílios, em um total de 33 milhões de benefícios, o sistema que processa a folha atual, em mainframe, será substituído por uma versão aperfeiçoada, com novos recursos gerenciais, rodando em plataformas baixas. Trata-se de uma operação complexa e de grande impacto, tema da reportagem de capa desta edição (pág. 8). Diferentemente de outras experiências de “migração”, os sistemas que compõem a Folha de Pagamento de Benefícios não foram reescritos para um novo ambiente computacional. uma solução totalmente nova foi desenvolvida para incorporar melhorias e controles à gestão do sistema, de acordo com necessidades e requisitos indicados pelo INSS e identificados pelas equipes da Dataprev. Além de um avanço para a Previdência social brasileira, a nova folha de pagamentos é uma prioridade tecnológica. A plataforma, que desde a fundação da Dataprev, em 1974, processa a folha atual utiliza arquitetura e software proprietários, ou seja, exclusivos de um único fornecedor, e será descontinuada pelo fabricante. Preparada para este momento, a nova folha de pagamento de benefícios está desenvolvida e assegura total independência tecnológica ao sistema. a migração está sendo feita em etapas e integra o programa de desativação de mainframes iniciado na Dataprev há cerca de dez anos. Dentro desse planejamento, já foram concluídas as migrações para plataforma baixa dos dados e sistemas do cNIS (cadastro Nacional de Informações Sociais) e da parte previdenciária da Receita federal do Brasil (RfB) e da Procuradoria-geral da fazenda Nacional (PgfN). Agora, com a nova folha de pagamento de benefícios da Previdência Social, a Dataprev vai desmobilizar o último mainframe ativo na sua produção. Dadas as grandes dimensões das bases de dados envol- vidas no projeto e o número de cidadãos impactados pelo sistema, é um desafio sem comparação na história da tecnologia pública. o sucesso de um empreendimento de tal porte está associado a um trabalho de muitas frentes, planejado cuidadosamente ao longo dos últimos anos e que marcaram um ciclo virtuoso de investimentos no fortalecimento da empresa. a Dataprev chega a 2016 com uma nova infraestrutura de tIc, com rede elétrica e sistema de refrigeração redundantes para assegurar alta disponibilidade e capacidade de expansão futura aos data centers, processos organizados e integrados, um parque de hardware e software atualizado, com servidores (Risc e x86), sistemas de storage, dispositivos de rede, e outros equipamentos renovados. Em condições de buscar a certificação Tier iii (pág. 18), concedida mundialmente a data centers de alta disponibilidade e confiabilidade. modernizada, a empresa se posiciona de forma crescente no segmento de Analytics – inteligência de negócios aplicada às bases de dados mantidas nos data centers, para subsidiar políticas públicas com novos conhecimentos sobre o país e as demandas de seus cidadãos. Projetos-piloto de mineração de Dados, Data Discovery e Big Data já foram desenvolvidos em parceria com as áreas governamentais de trabalho e Emprego, da Previdência social, e de registros Civis, identificando gargalos, indícios de não conformidade e oportunidades de aperfeiçoamento em diferentes serviços oferecidos pelos clientes (pág. 22). Para os resultados obtidos até aqui, destaque-se uma gestão econômica e financeira de alta performance, com medidas de otimização de fluxo de caixa, contenção de gastos e alinhamento intensivo entre projeção de demandas e execução de investimentos. A Dataprev é uma empresa economicamente saudável, lucrativa e equilibrada. está estruturada para dar continuidade a uma trajetória de crescimento sustentável, voltado a apoiar de forma inovadora, em prazos tempestivos e com consistência as muitas necessidades das políticas sociais brasileiras. Boa leitura. rodrigo Assumpção Presidente Ano 7 • Nº 12 Revista Dataprev Resultados 7

[close]

p. 8

CAPA MoDe 8 Revista Dataprev Resultados Ano 7 • Nº 12 na R DA FOlhA De Be

[close]

p. 9

DeRniZaÇão Ano 7 • Nº 12 Revista Dataprev Resultados Reta Final 9 BeNeFÍCIOS PReVIDeNCIáRIOS eNTRA

[close]

p. 10

capa 10 Revista Dataprev Resultados Ano 7 • Nº 12

[close]

p. 11

Após 42 anos rodando em mainframe, o sistema que processa o pagamento de aposentadorias e pensões do INSS será substituído por uma nova solução, desenvolvida para plataforma baixa e com novos recursos de controle gerencial A Dataprev ingressou em 2016 na reta final para a implantação de uma nova folha de pagamento dos segurados da Previdência Social, considerada a maior da América Latina, que processa 33 milhões de benefícios por mês. É o último capítulo, e o de maior impacto, do programa de desmobilização de mainframes na empresa, que já migrou bilhões de códigos, somados os sistemas do Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) e da parte previdenciária da Receita Federal do Brasil e da ProcuradoriaGeral da Fazenda Nacional, desde o início deste ciclo de modernização corporativa, há dez anos. “A desmobilização dos mainframes, substituídos por plataformas baixas e abertas, significa a independência tecnológica da empresa e das soluções que apoiam programas sociais relevantes para a população”, explica Rogério Mascarenhas (foto), diretor de Relacionamento, Desenvolvimento e Informações da Dataprev e líder do projeto. “A folha de pagamento dos aposentados e pensionistas – o sistema que será atualizado – é o cerne da existência da empresa”. Além do aspecto estratégico, de reduzir a dependência de tecnologias que são propriedades de um único fabricante, como acontece no mainframe, ele destaca que a plataforma atual já não atende às expectativas do negócio. “O que estamos começando agora é a etapa mais importante deste ciclo”. A adoção de plataformas baixas com linguagens abertas, nesse sentido, é uma medida obrigatória, imprescindível para assegurar o processamento adequado das informações e da aplicação nos próximos anos, ressalta o diretor de Tecnologia e Operações, Daniel Darlen. “A própria Unisys, fabricante do mainframe, já informou que encerra a linha de produção desse modelo de computador, e não haverá mais atualização de software e de máquinas. É fazer ou fazer”, alerta. O novo sistema para processar a folha de pagamento de benefícios já está desenvolvido, rodando experimentalmente dentro da empresa. Mas, para colocá-lo em ambiente de produção, é preciso migrar para a nova plataforma (máquinas x86 e Risc) a base de dados dos segurados e das aplicações necessárias ao processo de geração e emissão dos créditos de benefícios, ainda operando no mainframe. O programa de desmobilização do mainframe na Dataprev, devido às grandes dimensões de suas bases de dados, é uma das maiores migrações desse tipo do mundo e envolve enorme complexidade. A trajetória do seu desenvolvimento repercutiu na modernização de toda a empresa, avançando paralelamente à atualização de plataformas, da infraestrutura dos data centers, do parque de hardware, software e armazenamento de dados, e de procedimentos e processos. “O mainframe impunha uma forma de trabalho que não condiz mais com a TI atual, em que predomina a visão de processos”, compara Mascarenhas. “Antes, todo o processamento estava encapsulado no mainframe. Agora, as plataformas baixas integram diferentes elementos e precisam de equipes que dominem vários aspectos da solução, como ambiente operacional, arquitetura e regras de negócios. Estamos aprendendo e evoluindo, e montamos uma estratégia muito bem documentada de mudança.” Ano 7 • Nº 12 Revista Dataprev Resultados 11

[close]

p. 12

capa 10 bilhões de registros Já a modernização ou remodelagem prevê a aplicação O conhecimento adquirido nas desmobilizações anteriores de metodologia ágil e uso da ferramenta Blu Age, aderente auxiliou na definição de adotar uma abordagem híbrida como estratégia técnica para enfrentar o último desafio. Isso signi- a uma Arquitetura Orientada a Modelo (MDA), em que o código é gerado automaticamente, a partir de modelos fica que o projeto envolve o desenvolvimento da nova folha e a modernização dos demais sistemas processados no main- trabalhados. Nessa fase, a Dataprev conta com a parceframe, além da desativação de outros, de forma controlada. ria da consultoria Accenture, que trouxe ao programa as ferramentas especializadas. O programa teve início com a elaboração de um inventário “É uma nova forma de desenvolvimento”, observa Juliana. dos sistemas e dados atualmente residentes no mainframe (denominado internamente CV3). O escopo de desativação “Não é uma migração direta. Um analista faz uma interidentificado inclui 6.483 programas, agrupados em 79 sis- pretação do código para Java. Há todo um entendimento de negócio, com Dataprev e Accenture trabalhando lado temas ou módulos, totalizando 2,6 milhões de linhas de a lado. Eles com o domínio que têm da ferramenta, nós código. Há também 10 bilhões de registros distribuídos em com nosso conhecimento, ou de Cobol ou de Java, e de 16 bancos de dados. As análises apresentaram um ambiente grande e complexo, com desafios significativos para migra- arquitetura, para chegar do outro lado.” As ações programadas para a modernização da folha de ção por módulos, devido à alta integração e ao grau de interpagamento de benefícios contam com uma infraestrutura dependências entre os componentes existentes. “Hoje, a nova folha é um produto em aperfeiçoamento”, de TIC à altura do desafio tecnológico. Daniel Darlen, diretor explica a assessora da diretoria Juliana Ferris. “Roda men- de Tecnologia e Operações, lembra que houve um grande salmente na plataforma baixa, e os resultados obtidos, investimento direcionado aos data centers, da ordem de R$ 200 milhões, e ao aperfeiçoamento dos processos procomparados com aqueles gerados no mainframe, já dutivos, para atingir níveis de disponibilidade próximos a atingem 99,38% de conformidade. Alcançado tal estágio 100%. Agora, a empresa tem a oportunidade única não de maturidade na nova folha de pagamento, concentramos só de desativar seu último mainframe mas também de o foco na desativação plena do mainframe CV3.” A iniciativa está organizada em ondas de implantação, incorporar os conhecimentos e os resultados da parceria que seguem até meados de 2017, prazo para sua conclu- com a Accenture. “É um desafio de toda a empresa. Vamos aproveitar a oportunidade e aprender novos métodos e são. Cada onda compreende todo o processo de esteira técnicas com o CV3”, afirma. de desenvolvimento, iniciando com a identificação dos Justamente por envolver diferentes áreas de toda sistemas, passando pela modernização, por testes intea empresa — segurança, compras, pessoas, etc —, o grados, homologação e implantação. E finalizando com a projeto conta com um grupo responsável por ações de desativação desses sistemas no mainframe. gestão de mudança organizacional. Em um trabalho estruA migração dos produtos, por sua vez, é realizada com a turado com equipes da Dataprev e da Accenture, a estrautilização de formas distintas de desenvolvimento. Alguns tégia envolve ações de capacitação, de comunicação e dos novos sistemas contam com melhoria funcional, em que são revistas lacunas e incluídos novos requisitos impor- formação de agentes de mudança, que terão como função tantes para o serviço, com arquitetura técnica e código ela- levar a informação a todas as áreas envolvidos, em um efeito “cascata”. borados de acordo com os padrões atuais de qualidade. Ao fim do processo, para o diretor Rogério Mascare“Um exemplo é a própria folha de pagamento do INSS”, nhas, o ganho da Dataprev irá além da independência cita Juliana. “Após análise dos requisitos, uma solução foi tecnológica: “Uma conquista fundamental da Dataprev definida e desenvolvida em parceria com a Unidade de Desenvolvimento da Dataprev no Ceará, que já vem tra- ao longo desse tempo foi sua credibilidade. Somos uma balhando nisso desde 2013. Não é apenas migrar a folha, empresa que efetivamente entrega o resultado com o qual se compromete.” mas agregar valor.” 12 Revista Dataprev Resultados Ano 7 • Nº 12

[close]

p. 13

Desativação do mainframe CV3 em números 79 6.483 2.683.994 29.263 10.000.000.000 16 sistemas ou módulos programas linhas de código pontos de função de registros bancos de dados Ano 7 • Nº 12 Revista Dataprev Resultados 13

[close]

p. 14

capa Evolução de conformidade 95,5 95,5 95,5 Índice de conformidade da nova folha de pagamento de benefícios, rodando em plataforma baixa, em relação aos resultados obtidos na folha atual, em mainframe. (%) 98,62 98,62 99,38 76 As Unidades de Desenvolvimento de Software (UDs), criadas a partir de 2006, tiveram papel fundamental ao longo dos anos para um aumento da capacidade produtiva da empresa. Hoje estão localizadas em Natal (RN), no Rio de Janeiro (RJ), em Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), e Florianópolis (SC). Reúnem 606 empregados nesses cinco estados, número 187,2% maior do que a equipe inicial de 211 analistas. “A criação das UDs foi uma medida inicial para encaminhar o processo de modernização da empresa e dos sistemas”, afirma o diretor Rogério Mascarenhas. Diferentes estados são responsáveis pelos principais projetos em andamento na Dataprev. Enquanto o Portal Mais Emprego foi desenvolvido na Paraíba, por exemplo, o novo Sistema de Gestão de Pessoas do Governo Federal (Sigepe), em que a Dataprev atua em parceria com o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), tem frentes de produção em Natal. O desenvolvimento da folha de pagamento do INSS em plataforma baixa — que compõe o programa de desativação do mainframe CV3 — coube à Unidade de Desenvolvimento da empresa em Fortaleza, no Ceará. Iniciada em 2013, a construção da nova folha foi precedida da preparação do ambiente de infraestrutura para o desenvolvimento e homologação. A fase de consolidação de todas as rubricas e de execução comparada com a folha atual começou em abril de 2015. E homologações incrementais foram estrategicamente planejadas para viabilizar a aprovação de um produto tão complexo. “Para aferir a compatibilidade entre a folha atual — no mainframe — e a folha da plataforma baixa, não economizamos esforços, utilizamos os dados de produção (descaracterizados por questões de segurança) e comparamos todos os créditos gerados”, explicou Márcia Bezerra, gerente de conta da Dataprev, responsável pelo atendimento ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Estratégia de desenvolvimento mar 2015 set out nov dez jan 2016 fev 14 Revista Dataprev Resultados Ano 7 • Nº 12

[close]

p. 15

As melhorias da nova folha Mais do que ter seu processamento migrado da plataforma alta para baixa, a nova folha de pagamentos dos segurados da Previdência Social conta com características que trarão ganhos não só para o INSS, como também para a Dataprev. Os seus atributos incluem, por exemplo, maior flexibilidade, com a possibilidade de alteração da estratégia de geração de créditos conforme o mês processado. “Por meio de uma aplicação, é possível configurar e parametrizar a execução da folha para determinado mês, de forma mais ágil, sem que o sistema tenha que ser alterado para isso. Isso ocorre, por exemplo, nos meses em que há pagamento de décimo-terceiro”, explica o analista de TI da Dataprev Marcio Mendes, um dos 30 que compõem a equipe responsável pelo desenvolvimento da nova folha no Ceará. Outra vantagem é o aprimoramento do processo de validação dos dados, antes que sejam encaminhados aos bancos para o pagamento dos segurados. Após o processamento da folha, uma nova ferramenta, redesenhada de acordo com as necessidades do INSS, permite que seja colhida uma amostra dos créditos gerados em determinado mês, de acordo com parâmetros definidos pelo cliente.  Entre as vantagens para a Dataprev, Mendes cita o aprimoramento da documentação com as regras de negócio que envolvem o processamento do pagamento aos segurados e os ganhos para a manutenção da nova folha em plataforma baixa. “O processamento é distribuído de forma mais fácil do que na plataforma alta. A empresa pode alocar mais máquinas para aprimorar sua execução”, explica. “A manutenção por parte da Dataprev também é facilitada por conta do conhecimento de Java pelas equipes, uma tecnologia mais difundida atualmente”, completa o analista. Ano 7 • Nº 12 Revista Dataprev Resultados 15

[close]

Comments

no comments yet