Edição 71

 

Embed or link this publication

Description

Jornal O Samburá

Popular Pages


p. 1

O Samburá BARRA DE CARAVELAS, BAHIA - ANO VI - EDIÇÃO NÚMERO 71Tiragem 2.000 Exemplares jornalosambura@gmail.com MENSAL - Período de Fevereiro 2016 O vilão dos Brasileiros tem Asas “Mosquito Aedes aegypti” Página 05 Cadeia Produtiva do Caranguejo-Ucá é tema de reunião em Brasília Página 02 Informes do Programa De Educação Ambiental E Comunicação Do Empreendimento: Dragagem – Acesso Ao Canal do Tomba. Página Caravelas realizou o melhor Carnaval do Extremo Sul da Bahia. Página 06 e 07 04 Secretaria de Educação do Estado da Bahia cria Complexos Integrados de Educação no Sul e Extremo Sul da Bahia. Página 03 Assembleia Geral Ordinária Edital de Convocação da Coompescar. Página 08 Página 03 Itamar dos anjos/Foto: Jaco Galdino

[close]

p. 2

O Samburá Cadeia Produtiva do Caranguejo-Ucá é tema de reunião em Brasília dade ambiental e inclusão social. “A lei atual não dialoga com a prática. Hoje já existem técnicas novas e até mais sustentáveis de captura, mas que ainda são consideradas ilegais”, argumenta. De acordo com Renato Sales, diretor de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial em Unidades de Conservação (UCs) do ICMBio, a ideia é levantar informações para subsidiar uma atualização da legislação, visando à conservação dos manguezais e à melhoria do manejo sustentável do caranguejouçá nas UCs. “Após a consolidação da proposta, o próximo passo será a articulação política com os ministérios, a fim de aprovar as mudanças no marco regulatório da espécie”, esclarece o diretor. “O trabalho que começa a ser desenvolvido agora tem grande importância para as comunidades que vivem do caranguejo. Nós queremos atuar dentro da legalidade”, ressalta Sandra Gonçalves, representante da Comissão Nacional de Fortalecimento das Reservas Extrativistas Costeiras e Marinhas (Confrem). Também estiveram presentes nesta primeira reunião representantes do Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais do Brasil (MPP) e da academia, além de entidades governamentais – Ibama e Ministérios do Meio Ambiente (MMA) e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) – e da ONG Conservação Internacional (CI), parceira do ICMBio neste trabalho de revisão do marco regulatório do caranguejo-uçá. FONTE: Comunicação ICMBio O ICMBio através do Projeto Manguezais do Brasil, reuniu lideranças sociais e representantes institucionais para debater os temas relacionados à cadeia produtiva do caranguejo-uçá. O evento, realizado no dia 16/02, em Brasília, foi o primeiro de uma série de encontros que devem acontecer ao longo dos próximos quatro meses com o objetivo de subsidiar uma proposta de atualização do marco regulatório da espécie. Presente do Amapá ao litoral catarinense, o caranguejo-uçá garante o sustento de muitas famílias residentes nas zonas costeiras do Brasil. As normas que hoje orientam essa cadeia produtiva, entretanto, precisam ser revisadas e atualizadas. “O marco regulatório está defasado e não atende às especificidades O regionais. As épocas de defeso, por exemplo, devem coincidir com os períodos reprodutivos do caranguejo, o que nem sempre ocorre. Essas datas precisam ser rediscutidas para que se adequem à realidade de cada local”, explica Adriana Leão, coordenadora do Projeto Manguezais. Além dos períodos de defeso, outros temas também serão abordados nos próximos encontros, a exemplo da segurança no trabalho, petrechos utilizados para captura, armazenamento e transporte do caranguejo, direito à educação e o papel da mulher na cadeia produtiva. Para o chefe da Reserva Extrativista de São João da Ponta (PA), Waldemar Vergara, é preciso aliar sabedoria popular e conhecimento científico para propor normas que contemplem sustentabili- AMIGOS DO SAMBURÁ* Amarina Antunes Célia Siquara Cida Macário Corina Melgaço Ceça de Yayá Dadá Souza Emerson Barbosa Fábio Pinheiro Jose Esperidião Jorge Magalhães Jorge Oliveira Mª de Lourdes P. Inácio Marinalva Tavares Vanessa Santana *É Amigo do Samburá quem acredita na força da comunicação de base comunitária. Obrigado a todos por nos ajudar a produzir e divulgar esse importante veículo de comunicação da Comunidade de Barra de Caravelas. Jornal Comunitário O Samburá surgiu entre um grupo de jovens da pequena comunidade de pescadores e pescadoras artesanais de Barra de Caravelas em 2009 e hoje tem distribuição gratuita mensal de 2.000 exemplares em toda região de Caravelas. ♦ Para saber mais visite o BLOG: http://jornalcomunitarioosambura.blogspot.com/ ou entre em contato: jornalosambura@gmail.com ♦ DIAGRAMAÇÃO: Robson Falcão ♦ REPORTAGEM: Adriene Coelho Edvaldo Souza e Robson Falcão ♦ IMAGENS: Robson Falcão, Girlândia Rodrigues, Resex♦ SUPERVISÃO: Antônio Emídio. ♦ Colaboradores nesta Edição: IBJ, Resex do Cassurubá, ICMBio, Jaco Galdino, Teixeira News, Lilian Alcantara. Página 2 O Samburá

[close]

p. 3

O Samburá História sobre a Batalha Naval ocorrida em Abrolhos no ano de 1631 No site História Militar, o historiador, professor e pesquisador especialista em História Militar, Carlos Daróz, destaca do seu livro "A guerra do açúcar: as invasões holandesas no Brasil" um trecho importante da história sobre uma Batalha Naval ocorrida em Abrolhos no ano de 1631. Depois de atingido, galeão espanhol afunda, enquanto a tripulação luta pela sobrevivência. darozhistoriamilitar.blogspot.com.br Secretaria de Educação do Estado da Bahia cria Complexos Integrados de Educação no Sul e Extremo Sul da Bahia O Governo da Bahia, por meio da Secretaria da Educação do Estado, implantará três Complexos Integrados de Educação nas cidades de Itabuna, Porto Seguro e Itamaraju, ainda para o ano letivo 2016. A ação será desenvolvida com a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) e é resultado do programa Educar para Transformar – um Pacto pela Educação, que visa à formação de uma rede de parceria pela melhoria da educação pública na Bahia. O assunto foi tema de encontro do dia 18/02 entre o secretário da Educação do Estado da Bahia, Osvaldo Barreto, e o reitor da UFSB, Naomar Almeida Filho, na sede da Secretaria, em Salvador. Aeroporto de Caravelas pode ser licenciado ainda este ano Como o Governo Federal não avançou nas obras para desenvolver os aeroportos regionais, a saída encontrada foi acelerar as concessões dessas unidades ao setor privado. Onze aeroportos já foram autorizados e a previsão é que ainda neste ano de 2016 mais seis aeroportos em cidades do interior da Bahia, de Minas Gerais e de Goiás recebam permissão para que as prefeituras e os Estados possam concedê-los para a operação privada, conforme revelou o ministro interino da Aviação Civil, Guilherme Ramalho, para a reportagem da Folha de São Paulo publicada hoje (16/02). Esses 17 aeroportos fazem parte das 270 unidades do pacote anunciado em 2012. Com orçamento de mais de 7 bilhões, o Programa de Aviação Regional não decolou e gastou até agora apenas 5% (cerca de R$ 400 milhões) do previsto, realizando obras de pequeno porte e aquisição de equipamentos. Guilherme Ramalho afirmou que um desafio é a falta de dinheiro e para 2016 o Ministério ainda espera os cortes orçamentários para saber quantos aeroportos poderão ter a licitação iniciada. FONTE: Folha de São Paulo, Caderno Mercado. Samarco e Inema dizem que lama não chegou a Abrolhos, mas análise do ICMBio ainda não foi divulgado Samarco e o Inema (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia) divulgaram que a lama de rejeitos proveniente da foz do Rio Doce não atingiu as águas do Arquipélago de Abrolhos, no sul da Bahia. O resultado da análise feita pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pelas Unidades de Conservação na região de Abrolhos realizado em fevereiro, ainda não foram divulgadas, pois vai ser mais detalhada e complexa, porque analisam também a presença de metais pesados que possam ter sido encontrados no local. FONTE: G1 Bahia O Samburá Página 3

[close]

p. 4

O Samburá Informes do Programa De Educação Ambiental E Comunicação Do Empreendimento: Dragagem – Acesso Ao Canal do Tomba REMAR: entendendo as andadas dos caranguejos e guaiamuns a lua cheia, ela soltará suas larvas na lua cheia do mês seguinte e se uma fêmea é fecundada numa andada após a lua nova, ela soltará suas larvas na lua nova do mês seguinte. Mas afinal, para que isso?? Os cientistas comprovaram que as larvas do caranguejo-uçá e do guaiamum sobrevivem mais Foto: Wikimedia Commons na zona costeira, onde a As andadas, tanto do caranguejo-uçá como temperatura e salinidade da água são mais do guaiamum, são eventos que dificilmente adequadas e variam menos do que nos rios, passam despercebidos pelos caravelenses. canais e manguezais. Além disso nas águas O que algumas pessoas não sabem é que costeiras existem menos predadores das as andadas são essenciais para manter as pequenas larvas. Deste modo, as fêmeas populações destes crustáceos, por isso a que soltam suas larvas nas fortes marés proibição por lei da captura e comercializa- vazantes de lua cheia ou lua nova, garantem ção nestes períodos. Como os caranguejos- que elas serão transportadas para águas uçá e os guaiamuns vivem em tocas, eles costeiras onde são maiores as chances de precisam sair e “andar” para encontrar par- sobrevivência. No entanto, ainda restava ceiros para acasalar e também para soltar uma dúvida: tanto os pescadores e marisna água seus “filhotes”, que são as peque- queiros, quanto os cientistas, ainda não sabinas larvas microscópicas que saem da mas- am por que exatamente existem meses em sa de ovos da fêmea, popularmente chama- que as andadas ocorrem somente após a lua da de “pupê”. Desde muito tempo os pesca- cheia, meses em que as ocorrem apenas dores e marisqueiros, sabem que as anda- após a lua nova e meses em que as andadas ocorrem durante, ou até 6 dias após, a das ocorrem após a cheia e nova. Esta falta lua nova e cheia. Por sua vez, os cientistas de informação vem causando problemas: descobriram que após a fecundação em uma quando a fiscalização ocorre após uma fase andada de acasalamento, a fêmea carrega da lua em que não ocorre andada, pode haseus ovos durante pouco menos de 1 mês, ver repressão aos catadores e apreensão de para então liberar suas larvas. Assim, se caranguejos sem necessidade e também uma fêmea é fecundada numa andada após desperdício de recursos públicos com operações de fiscalização. Para matar esta charada (e estes problemas) os pesquisadores Anders Schmidt, da Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB, e Karen Diele, da Edinburgh Napier University (Escócia) criaram e coordenam a chamada “Rede de Monitoramento de Andadas Reprodutivas de Caranguejos – REMAR”, uma rede de pesquisadores de vários locais do Brasil que utilizam um método de amostragem padronizado desenvolvido aqui em Caravelas com o apoio da Base Avançada em Caravelas do CEPENE / ICMBio. O objetivo da REMAR é investigar a sincronia das andadas com ciclos da lua em diferentes condições de clima e maré, para evitar a criação de defesos em períodos inadequados. Para quem quiser mais detalhes sobre esta pesquisa fica o convite para participar do 1º Seminário da REMAR que ocorrerá no Centro de Vivência do CEPENE/ICMBio no dia 16 de abril, das 9:00 as 12:00. O Seminário, que conta com apoio logístico do próprio CEPENE e da Conservação Internacional, receberá pesquisadores parceiros da Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Federal do Paraná, Universidade Federal do Espírito Santo, Universidade Federal de Sergipe, Universidade Estadual da Paraíba, Universidade Federal do Pará e da Reserva Extrativista de Soure. Espera-se sair deste seminário com a REMAR fortalecida e também com alinhamentos para realização de um projetopiloto em conjunto com a Reserva Extrativista do Cassurubá, para aplicação do conhecimento gerado sobre as andadas na gestão do caranguejo-uçá. REUNIÃO DO COMITÊ DE GESTÃO COM A FIBRIA no Cepene, localizado em Ponta de Areia. O objetivo foi acompanhar o andamento do recurso destinado à compra das redes e dar uma atenção maior ao valor destinado aos kits de mariscagem. Nesta reunião, ficou definiA reunião foi realizada no do que o ICMBio fará junto dia 17 de Fevereiro de 2016, com a Fibria em todas as Associações o acompanhamento do cadastro das redes previstas no inicio do projeto. Foram agendadas datas e horários para as visitas nas Associações. O ICMBio ficou como responsável por receber as redes de 30 mm e fazer a substituição pela nova. No final da reunião, o colegiado de lideranças foi renovado e agora conta com 2 representantes das seguintes entidades: Colônia Z24 (Alcobaça), Colônia Z25 (Caravelas), Colônia Z29 (Nova Viçosa), AMTM, Assoc. Barra Caravelas, ASMAP, APESCA, AMPAC, Coompescar e Assoc. Barra Velha. Página 4 O Samburá

[close]

p. 5

O Samburá O vilão dos Brasileiros tem Asas “Mosquito Aedes aegypti” Nos últimos anos ele tem causado uma grande preocupação a todos os Brasileiros, em especial aos governantes, que não tem medido esforços para encontrar uma solução, que venha acabar de vez com o avanço do mosquito e sua mutação. Este Vilão de asas tem um nome difícil de pronunciar, “Aedes aegypti”, porém foi apelidada de mosquito da Dengue. O que é a Dengue? A dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. No Brasil, foi identificada pela primeira vez em 1986. Estima-se que 50 milhões de infecções por dengue ocorram anualmente no mundo. A principal forma de transmissão é pela picada dos mosquitos “Aedes aegypti”. Há também registros de transmissão vertical (gestante - bebê) e por transfusão de sangue. Existem quatro tipos diferentes de vírus da dengue: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. É preciso que ter muito cuidado, para evitar a contaminação; A Infecção por dengue pode ser assintomática, leve ou causar doença grave, levando à morte. Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta (39° a 40°C), de início abrupto, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele. Perda de peso, náuseas e vômitos são comuns. Na fase febril inicial da doença pode ser difícil diferenciá-la. A forma grave da doença inclui dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, sangramento de mucosas, entre outros sintomas. Também é importante lembrar que não existe tratamento específico para dengue. O tratamento é feito para aliviar os sintomas, por tanto, sempre que sentir qualquer coisa parecida, a pessoal deve procurar um serviço de saúde mais próximo, fazer repouso e ingerir bastante líquido. Importante não tomar medicamentos por conta própria. Hoje com o avanço da doença em varias partes do país, esse mesmo mosquito tem trazido a todos os brasileiros, uma preocupação ainda maior por conta de doenças, que segundo o Ministério da Saúde, é causada pela picada desse mesmo inseto, provocando assim novas doenças que tem feito o país inteiro se mobilizar no combate ao Aedes aegypti, para combater doenças como : A Febre Chikungunya: que é uma doença transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. No Brasil, a circulação do vírus foi identificada pela primeira vez em 2014. Chikungunya significa "aqueles que se dobram" em swahili, um dos idiomas da Tanzânia. Refere-se à aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada, na Tanzânia, localizada no leste da África, entre 1952 e 1953. Têm com principais sintomas febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Pode ocorrer ainda dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Existem especialistas que afirmam que: “não é possível ter chikungunya mais de uma vez. Depois de infectada, a pessoa fica imune pelo resto da vida”. Porém essa não é uma informação que é compartilhada por todos os infectologistas. Cerca de 30% dos casos não apresentam sintomas. Outro vírus que atormenta a sociedade é o Zika Vírus, (ZIKAV) é um RNA vírus, do gênero Flavivírus, família Flaviviridae. Até o momento, são conhecidas e descritas duas linhagens do vírus: uma africana e outra asiática. É uma doença viral aguda, transmitida principalmente por mosquitos, tais como Aedes aegypti, caracterizada por exantema maculopapular pruriginoso, febre intermitente, hiperemia conjuntival não purulenta e sem prurido, artralgia, mialgia e dor de cabeça. Apresenta evolução benigna e os sintomas geralmente de- saparecem espontaneamente após 3-7 dias. Recentemente, foi observada uma possível correlação entre a infecção ZIKAV e a ocorrência de síndrome de Guillain-Barré (SGB) em locais com circulação simultânea do vírus da dengue, porém não confirmada à correlação. Até fechamento desta matéria não possível comprovar que a Barra de Caravelas, tenha casos comprovados de Dengue e nenhuma das doenças acima mencionada. As ações de controle da dengue ocorrem, principalmente, na esfera municipal. Quando o foco do mosquito é detectado, e não pode ser eliminado pelos moradores de um determinado local, a Secretaria Municipal de Saúde deve ser acionada. É ai que entra a figura do agente de endemia, profissional responsável pela o combate direto ao mosquito Aedes aegypti. Porém, nós devemos e podemos fazer a nossa parte. Cuide bem do lugar onde você vive. O titulo desta matéria é o Vilão dos Brasileiros tem Asas, devemos realmente nos juntar para derrota-lo, observando e cuidando de nossas casas, plantas, mantendo limpos os quintais e outros. Previna-se. Página 5 O Samburá

[close]

p. 6

O Samburá Caravelas realizou o melhor carnaval do extremo sul da Bahia Em Caravelas, cidade com pouco mais de 22 mil habitantes, não é só o Axé que impera. O ritmo vem acompanhado de vários outros como o reggae e a swingueira, por exemplo. Além disso, existe um apelo cultural muito grande, que força os organizadores a manterem a tradição do carnaval dos blocos culturais, das marchinhas e das escolas de samba. Como ocorre em todos os anos, as ruas Barão do Rio Branco, Sete de Setembro, além das Praças 15 de Novembro, Santo Antônio e Teófilo Otoni, foram ornamentadas para servir de passagem para blocos, escolas de samba e trios elétricos. A ornamentação, com o tema “Do Frevo ao Axé” pode ser considerada sem nenhum exagero, uma das mais belas ornamentações da região. O projeto desenvolvido pelo Grupo Cultural Arte Manha, possui postes de madeira com luminárias em postes com painéis com ilusPágina 6 trações na parte frontal com figuras marcantes do carnaval (Pessoas que colaboraram e tem colaborado atualmente para o brilho da festa). Atrações como Som do Povo, Kit Ilusão, Gian e Cristiano, Xelão Comando X, Jarley e Banda Swingue Porradão, passaram pelo circuito da festa. A Escola de Samba Irmãos Portela desfilou no domingo dia 7 e na segunda-feira dia 8 foi a vez da Escola de Samba Coroa Imperial. Além disso, destacaram-se as Bandas de Caravelas, Santo de Casa, Caio Magno o Rei da Folia, Daniel Show Lú Reis e Banda, Banda Pontal, Banda Ciclone, Los Barrut´s, Maimbanda, Denison Borges e Banda Tributo Reggae, as marchinhas Recordar, Flisa, Siripoia e Marcha Frevo. Ponto que merece destaque foi a segurança, atribuição dos policiais militares, com o apoio da Cipe -Mata Atlântica, Corpo de Bombeiros e da Policia Civil. E pelo O Samburá terceiro ano, Caravelas também adotou o sistema de monitoramento de câmeras em todo circuito da festa. O Carnaval de Caravelas seguiu até esta quartafeira de cinzas, quando aconteceu o banho de cheiro com o encontro de trios às 6h, ocasião em que um carro pipa, com água misturada a uma essência aromática, proporcionou aos foliões um verdadeiro banho perfumado, que segundo alguns, garante o retorno dos foliões no ano que vem. É preciso destacar o trabalho da Secretaria de Obras e Serviços Urbanos, que colocou o bloco da limpeza nas ruas todos dias do carnaval mantendo a cidade sempre limpa recolhendo toneladas de lixo, a Secretaria de Meio Ambiente distribuiu coletoras de lixo em todo circuito do carnaval, além folhetos informativos de como preservar o meio ambiente. Fonte: Teixeira News

[close]

p. 7

O Samburá Tupinambá uma marca do carnaval cultural de Caravelas, acredita-se que esse bloco exista a mais de cem anos. A muitos anos está sobre comando do mestre Piaba o Pajé da cultura popular caravelense. Foto: Jaco Galdino Trio Elétrico KITONGO 2016, Uma réplica do Kitongo 2001 que animou o carnaval de Caravelas nos anos 70 e 80. fotos: Jaco Galdino Bloco da BURINHA de Ponta de Areia com a coordenação de Vivica a muitos anos. Fotos: Jaco Galdino O grupo “Nagô” surgiu na cidade de Caravelas-BA; há mais de um século, trazida de Salvador por uma Mãe de Santo. Hoje ainda, mantém essa tradição. Desfila em forma de bloco carnavalesco, trazendo cantos, danças e representação teatral. No comando do mestre Piaba. Foto: Jaco Galdino O grupo de dança Umbandaum nasceu em 1988, faz parte do Núcleo de Dança do Movimento Cultural Arte Manha. Este ano veio para o carnaval com o tema ORIGEM um dos primeiro espetáculo de dança montado pelo Grupo Umbandaum. Foto: Jaco Galdino Escola de Samba Irmãos Portela. Foto: Anerivan Reinalda Escola de samba Coroa Imperial. Foto: Robson Falcão O Samburá Página 7

[close]

p. 8

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EDITAL DE CONVOCAÇÃO O Presidente COOPERATIVA DAS MARISQUEIRAS E PESCADORES DE CARAVELAS – COOMPESCAR com sede na Rua da Companhia, s/nº, Bairro de Ponta de Areia, Município de Caravelas, Estado da Bahia, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo estatuto social, convoca os cooperados para comparecerem à Assembleia Geral Ordinária, a realizar -se no dia 30 de março de 2016, a realizar-se na sede social da Coompescar, sito à Rua da Companhia, s/nº, Bairro de Ponta de Areia, Município de Caravelas/BA, às 9h30 (nove horas e trinta minutos) em primeira convocação com presença mínima de 2/3 dos cooperados, às 10h30 (dez horas e trinta minutos) no mesmo dia e local, com a presença de metade mais um do número total de cooperados, e persistindo a falta de quórum legal, em terceira e última convocação, às 11h30 (onze horas e trinta minutos), com a presença mínima de 10 (dez) cooperados, a fim de deliberarem sobre a seguinte: ORDEM DO DIA: I. Prestação de contas do exercício 2015 compreendendo; a) Relatório de Gestão; b) Balanço Patrimonial; c) Demonstração de sobras e demais demonstrativos contábeis; d) Parecer do Conselho Fiscal; II. Destinação das sobras apuradas; III. Eleição dos componentes do Conselho Fiscal; IV. Plano de Trabalho para o ano de 2016. Observações: Para efeito de verificação de quórum, fica estabelecido que a cooperativa tem 21 cooperados em seu quadro social, todos com direito a voz e voto. Caravelas/BA, 10 de março de 2016. Hélio Borges de Souza - Presidente

[close]

Comments

no comments yet