Boletim Municipal n.º235

 

Embed or link this publication

Description

Atividade do Município de Aljustrel / Câmara Municipal de Aljustrel

Popular Pages


p. 1

ALJUSTREL BOLETIM MUNICIPAL ABRIL 2016 235 Município 03 Empreendedorismo 04 Obras 09 Social 19 Desporto 27 Entrevista ao Vereador Carlos Teles No final de 2009, a dívida era de 10 milhões e 800 mil euros. Em 2015, devíamos 8 milhões e 303 mil euros. É uma diminuição de 2 milhões e 497 mil euros da dívida. Novo contrato para prospeção mineira Prevê-se a procura de jazigos de cobre, zinco ou chumbo e outros minerais associados, num investimento de 7,6 milhões de euros da empresa ESAN. Município inaugura o Parque da Vila As obras, no valor de 1 milhão e 53 mil euros, incidiram no Jardim Público 25 de Abril, no Parque Desportivo e Courts de Ténis e na Casa do Jardim. Projeto É Agora! 3G já arrancou Volta ao Alentejo partiu de Aljustrel no Dia do Pai O Jardim Público e o Parque Desportivo serviram de palco para a realização de diferentes atividades desportivas dirigidas ao público de todas as idades. Esta iniciativa surge no âmbito do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social e tem a finalidade de combater a pobreza e a exclusão social.

[close]

p. 2

2 Aljustrel | Boletim Municipal | abril 2016 Não ficamos de braços cruzados Talvez mais do que qualquer outra realização municipal, a concretização do Parque da Vila incorpora e manifesta a nossa atitude perante a missão autárquica que abraçámos. Não ficamos de braços cruzados. Trabalhamos para melhorar a nossa terra, de forma a honrar as mulheres e homens que, após o 25 de Abril, construíram com as próprias mãos um jardim público e o dedicaram “Aos filhos dos homens que nunca foram meninos”. Nelson Brito Editorial Presidente da Câmara O s tempos que vivemos são complexos e difíceis. Mesmo sabendo que muitas das forças negativas que regem a sociedade moderna têm um poder imenso (o poder do dinheiro), devemos saber utilizar as “armas” que estão ao nosso alcance – a nossa resiliência e a capacidade de nos unirmos. Este não é, pois, o tempo de ficarmos de braços cruzados. Face às problemáticas e desafios que nos são colocados atualmente, não nos podemos deixar vergar pelas adversidades ou perder nos lamentos. É assim que em Aljustrel encaramos o futuro. Com coragem e com um otimismo responsável. Não ficamos de braços cruzados quando interferem na autonomia do Poder Local e nos dizem como devemos “governar a nossa casa”, impedindo-nos, por exemplo, de contratar pessoas de acordo com as necessidades da autarquia ou de gerir os dinheiros municipais como achamos mais conveniente. Não ficamos de braços cruzados quando encerram juntas de freguesia contra a vontade das populações, escolas, serviços de saúde e outros. Não ficamos de braços cruzados quando destroem as nossas estradas e prejudicam a mobilidade das nossas populações, ou quando nos dizem que temos de tratar dos nossos assuntos no Tribunal de Ourique, quando entendemos que o de Beja é o mais indicado. Não ficamos de braços cruzados e nunca ficaremos, independentemente de quem esteja no Governo, porque o nosso principal compromisso é para com as pessoas da nossa terra. E por isso trabalhamos. Trabalhamos muito, todos os dias, na procura de equilíbrios económicos, sociais e territoriais que melhorem a qualidade de vida das nossas populações, procurando, ao mesmo tempo, cativar novos habitantes que venham preencher o imenso vazio demográfico deixado pelos milhares de conterrâneos que, nas últimas décadas, foram obrigados a abandonar o nosso concelho em busca de trabalho e de uma vida digna. Trabalhamos no equilíbrio financeiro da autarquia, para que a mesma possa continuar a ser uma força viva e dinâmica. Em 6 anos reduzimos o nosso endividamento em cerca de 25%, ao mesmo tempo que investimos mais de 10 milhões de euros em verbas provenientes do anterior Quadro Comunitário de Apoio. Trabalhamos na busca de investimento e em novos projetos. No atual Quadro Comunitário de Apoio, o Portugal 2020, já negociámos diretamente financiamentos no valor de 7,5 milhões de euros, que começaremos a executar muito em breve ao nível de novas infraestruturas, projetos turísticos, culturais, comunitários, sociais e outros. Trabalhamos na captação de investimento público que promova o desenvolvimento, como é o caso da Rede Secundária de Alqueva, que se encontra em fase de conclusão com a instalação do Bloco de Rega de Rio de Moinhos, criando-se condições para o pleno desenvolvimento de uma agricultura moderna e de futuro, em mais de 20 mil hectares de áreas irrigáveis. Outro exemplo é construção do futuro Centro de Estudos Geológicos e Mineiros do Alentejo (CEGMA), que será inaugurado nas próximas semanas, num investimento promovido pelo Laboratório Nacional de Engenharia e Geologia (LNEG), que vem constituir uma oportunidade e uma marca neste território à volta daquilo que é mais marcante na nossa comunidade, que é precisamente a componente de inovação e de tecnologia ligada à geologia e minas. Também o investimento privado é acarinhado por nós. Trabalhamos ativamente em articulação com vários projetos empresariais em desenvolvimento no nosso concelho. Exemplos desta realidade dinâmica é a instalação na Zona da Mancoca, em Rio de Moinhos, de uma fábrica de transformação de borracha, a Pronal, que emprega já cerca 30 pessoas, ou o recente anúncio da assinatura de um contrato para prospeção e pesquisa de minérios, firmado entre o Estado e a empresa ESAN, que conduzirá à realização de trabalhos que poderão contribuir sobremaneira para o futuro da atividade mineira. Trabalhamos na ação social e na educação, áreas que desde a primeira hora considerámos como prioritárias, porque é na educação das nossas crianças e jovens que reside o nosso futuro e é também a eles que devemos dar um exemplo de humanidade na forma como tratamos os nossos que vivem situações de desfavorecimento. A título exemplificativo deste compromisso, destaco as atividades desenvolvidas ao longo deste mês de abril - Mês da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância e Juventude, com vista a chamar à atenção da comunidade local para as consequências do flagelo dos maus-tratos e para a importância do fortalecimento das relações familiares, programa organizado pela Comissão de Proteção e Crianças e Jovens de Aljustrel, com o apoio do Agrupamento de Escolas e da Câmara Municipal de Aljustrel. E porque não ficamos de braços cruzados, trabalhamos também na promoção da Cultura. Hoje temos atividade cultural mais disseminada nas freguesias, como demonstra o programa das comemorações do 25 de Abril. Temos a “casa-mãe” da Cultura, o Cine Oriental, completamente requalificado e com atividade regular. Temos um programa de salvaguarda do cante alentejano, o Emcante, candidatado para promover o nosso património imaterial. Temos, também, uma obra que me orgulha particularmente, pela sua relevância social, histórica e cultural, mas principalmente pela sua importância sentimental – o Parque da Vila, projeto que integra o Jardim 25 de Abril, o Parque Desportivo e o novíssimo Centro d´ Artes. Talvez mais do que qualquer outra realização municipal, a concretização do Parque da Vila incorpora e manifesta a nossa atitude perante a missão autárquica que abraçámos. Não ficamos de braços cruzados. Trabalhamos para melhorar a nossa terra, de forma a honrar as mulheres e homens que, após o 25 de Abril, construíram com as próprias mãos um jardim público e o dedicaram “Aos filhos dos homens que nunca foram meninos”. Eu, em nome de todos os filhos desses homens, vos agradeço do fundo do coração, com o compromisso que este município tudo fará para que nunca mais existam mulheres e homens privados da magia de uma infância feliz. Viva o 25 de Abril. Viva a Liberdade. Viva Aljustrel. Viva Portugal. Nelson Brito FICHA TÉCNICA: Propriedade Câmara Municipal e Aljustrel Sede Avenida 1.º de Maio 7600-010 Aljustrel Telefone 284 600 070 Fax 284 602 055 e-mail geral@mun-aljustrel.pt Site www.mun-aljustrel.pt Diretor Nelson Brito (Presidente da Câmara) Coordenação Marcos Aguiar Redação Mercedes Guerreiro e Artur Martins Fotografia José Tomé Máximo e Mercedes Guerreiro, Projeto Gráfico e Paginação Adriana Vieira da Silva Impressão Gráfica Funchalense Periodicidade Trimestral Tiragem 5000 exemplares ISSN 0874-0275 Depósito Legal 120655

[close]

p. 3

abril 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 3 natureza imaterial, no apoio aos mais desfavorecidos, na educação, na saúde, na cultura e outras. A gestão dos recursos humanos é dos pelouros mais importantes e complexos de uma autarquia Como caracteriza o Município de Aljustrel nesta área? É uma área complexa, particularmente num período de crise, como o que temos vivido, em que as pessoas acorrem muitas vezes à Câmara Municipal como o último recurso em situação de desemprego. Infelizmente, nos últimos anos, as autarquias têm sido limitadas pelo Estado Central na sua capacidade de gerir os próprios recursos humanos, Entrevista Vereador Carlos Teles Como caracteriza a atual situação financeira do Município de Aljustrel? A situação financeira do município é difícil, mas está estável. Em finais de 2009 recebemos uma autarquia limitada pelo endividamento, situação que se agravou com a chegada da crise, que limitou muitíssimo o nosso trabalho. Ainda assim, foi possível fazer um bom trabalho ao nível da sustentabilidade financeira. Para se ter ideia do que falo, o nosso primeiro orçamento, em 2010, foi de 17 milhões e 177 mil de euros. Em 2016, estamos a trabalhar com um orçamento que 11 milhões e 747 mil euros. E em relação ao endividamento, qual é a situação corrente da autarquia? Temos vindo a diminuir o endividamento de forma sólida e sustentada. No final de 2009, a milhão e 497 mil euros da dívida. Se a este valor de redução, já de si muito relevante, subtrairmos os 397 mil euros correspondentes ao FAM – Fundo de Apoio Municipal, dívida que o Estado nos obrigou a contrair no âmbito de um programa de resgate a outros municípios em má situação financeira, deveríamos 7 milhões e 906 mil euros. Penso que, considerando o contexto muito desfavorável em que trabalhámos nos últimos anos, este desempenho ao nível da redução da dívida é muito bom. E em relação aos pagamentos em atraso ou dívidas a curto prazo? Também neste aspeto melhorámos muito o nosso desempenho. A 31 de março de 2012 tínhamos 2 milhões 485 mil euros de dívidas vencidas há mais de 90 dias. A 31 de dezembro de 2015, tínhamos apenas 165 mil euros de pagamentos em atraso desta natureza. Estamos muito satisfeitos com este resultado, porque ele espelha no dia-a-dia a sustentabilidade que estamos a alcançar, que se reflete na capacidade de pagar as nossas dívidas em tempo útil, o que é benéfico para a autarquia e para todas as pessoas e entidades que com ela se relacionam. Como se tem processado o recebimento e a execução de verbas dos fundos comunitários? Em relação à execução das verbas do Quadro de Referência Estratégico Nacional, estamos satisfeitos, visto que executámos mais de 10 milhões de euros em projetos referentes a este quadro, que encerrou em 2013. Já em relação ao atual quadro comunitário, o Portugal 2020, que começou formalmente em janeiro de 2013, ou seja, há mais de dois anos, não estamos nada satisfeitos. A triste realidade é que, até ao início de 2016, o Município de Aljustrel, à semelhança da maioria das autarquias, não recebeu um único euro referente a estes fundos comunitários. Esta situação tem sido incompreensível porque os Governos, particularmente o anterior, sabem que o municípios estão dependentes destas verbas para desenvolver as suas intervenções, sejam elas materiais, na forma de arruamentos, estradas e outras infraestruturas; sejam iniciativas de de acordo a autonomia do Poder Local consagra na lei. Apesar de sermos uma das câmaras municipais do Baixo Alentejo mais resumida em termos da sua estrutura de recursos humanos e de muitas vezes termos vontade de apoiar quem nos procura em situação de desemprego, por ação de outros, estamos muito limitados na capacidade de dar respostas. Enquanto vereador com o pelouro da cultura, como avalia o compromisso assumido para o atual mandato de reforçar a aposta na cultura. A seu ver, este desígnio tem vindo a ser alcançado? Temos vindo claramente a melhorar a nossa ação cultural. Por exemplo, ao nível das infraestruturas culturais esta melhoria é hoje evidente, com a requalificação do mítico Cine Oriental, que funciona agora com uma programação cultural diversificada e de qualidade; com a inauguração do Centro d´ Artes, situado no Parque da Vila; com a melhoria do nosso relacionamento com os agentes culturais, com a candidatura do projeto EmCante, ou com o esforço de descentralizar a atividade cultural nas freguesias. Aljustrel é reconhecidamente um município muito forte ao nível do associativismo. Como tem sido a relação da autarquia com estas entidades? na melhoria do nosso bem-estar comum. Apostamos fortemente no associativismo, prova disso é a manutenção dos apoios financeiros globais atribuídos ao movimento associativo, ainda que o contexto dos últimos anos convidasse a cortes, como muitos outros municípios fizeram. Tem alguma mensagem final para os nossos munícipes? A mensagem final é de reconhecimento a todas as mulheres e homens do nosso concelho e de votos de um futuro melhor, com esperança e realismo. A autarquia de Aljustrel continua muito empenhada em melhorar as condições de vida das populações e sabe reconhecer o esforço de cada um de nós para construir uma comunidade melhor. Cada vez mais acreditamos que vale a pena trabalhar para a nossa terra. BI Nome: C  arlos Miguel Castanho Espada Teles Idade: 44 anos Função: V  ice-Presidente e Vereador da Câmara Municipal de Aljustrel Pelouros:  Administração Financeira, Recursos Humanos, Cultura e Turismo dívida orçamentada era de 10 milhões e 800 mil euros. No final de 2015, devíamos 8 milhões e 303 mil euros. Trata-se de uma diminuição de 2 Água em Aljustrel é a mais barata entre 20 municípios Aumento da água D ecorrente da lei que dá origem à criação da ERSAR - Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos, a Câmara de Aljustrel, à semelhança de todos os municípios integrantes da AMGAP - Associação de Municípios para a Gestão da Água Pública no Alentejo, viu-se obrigada a aumentar o preço da água. O aumento decorre da obrigatoriedade da introdução de tarifas fixas na faturação das águas. Apesar de todas as implicações que acarretam a não aplicação integral dos regulamentos, o município irá retardar os aumentos até onde lhe for possível, na esperança de que o atual Governo efetue alterações legislativas nesta matéria. Apesar deste aumento, a água no Município de Aljustrel continua a ser a mais barata de todos os 20 municípios integrantes da AMGAP, com um valor médio por fatura a rondar os 10,94 euros por um consumo de 10 m3. Fonte: AMGAP Municípios Alcácer do Sal Aljustrel Almodôvar Alvito Arraiolos Barrancos Beja Castro Verde Cuba Grândola Mértola Montemor-o-Novo Moura Odemira Ourique Santiago do Cacém Serpa Vendas Novas Viana do Alentejo Vidigueira Fatura Média Mensal 2016 (Euros) 10m3 12,36 10,94 13,20 14,22 13,18 13,91 27,57 13,65 14,22 15,52 14,52 18,71 13,77 22,18 16,60 13,62 13,99 15,90 14,42 20,15 Município Associativo é uma das grandes marcas da vitalidade do nosso concelho, em que centenas de mulheres e homens se empenha m, de forma desinteressada, C onsidero que o relacionamento tem sido excelente. O Movimento

[close]

p. 4

4 Aljustrel | Boletim Municipal | abril 2016 Investimento de 7,6 milhões de euros Novo contrato para prospeção e pesquisa de minérios em Aljustrel A prospeção prende-se com a procura de jazigos de cobre, zinco ou chumbo e outros minerais associados e vai passar por diversas fases técnicas, como o levantamento da geologia de pormenor, a realização de trabalhos de geofísica e a “realização de sondagens na tentativa de identificar eventuais jazigos minerais. O Empreendedorismo Presidente da Câmara Municipal de Aljustrel esteve presente na assinatura de um contrato para prospeção e pesquisa de minérios na Faixa Piritosa Ibérica, no Alentejo, um investimento de 7,6 milhões de euros entre a Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM) e a ESAN, empresa turca de exploração mineira, que irá desenvolver estes trabalhos, no caso concreto de Aljustrel, na concessão do Monte das Mesas. A Eczacibasi ESAN, segundo a sua página oficial na Internet, é uma empresa turca com presença em 40 países, que hoje detém mais de 20 minas, produzindo e exportando vários minerais, como o quartzo e a argila, e metais, como o zinco e o chumbo, entre outros. Segundo Carlos Caxaria, Presidente da EDM, “a prospeção prende-se com a procura de jazigos de cobre, zinco ou chumbo e outros minerais associados e vai passar por diversas fases técnicas, como o levantamento da geologia de pormenor, a realização de trabalhos de geofísica e a realização de sondagens na tentativa de identificar eventuais jazigos minerais”. A assinatura do contrato contou com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e do secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches. A empresa Eczacibasi ESAN foi fundada por Nejat F. Eczacibasi, em 1942. O grupo está presente em setores essenciais como a exploração mineira, a produção de produtos de consumo e farmacêuticos. O Grupo está igualmente ativo nas áreas das finanças, tecnologias da informação e comunicação e soldagens. A ESAN está entre os principais grupos empresariais da Turquia, com as suas 41 empresas e cerca de 12 mil trabalhadores. Explosivos Civis 150 locais e pontos de interesse identificados Orica vai ampliar fábrica em Aljustrel além de alguns países no centro da Europa. Os dois novos paióis terão capacidade para armazenar 40 toneladas de explosivos cada, sendo que os edifícios ficarão instalados na zona da Herdade do Mau Ladrão e representam um investimento de cerca de 300 mil euros. A fábrica da Orica em Aljustrel produz 12 mil toneladas de explosivos civis por ano. A unidade emprega 35 pessoas (são 54 no país, incluindo os escritórios em Lisboa e o polo logístico na zona de Castro Daire), mas quando o plano de ampliação estiver concluído poderão ser criados novos postos de trabalho. Novo site do Roteiro de Minas O F oi publicado em Diário da República o despacho que aprova o projeto de expansão da fábrica da Orica, empresa de explosivos civis instalada na vila de Aljustrel. O projeto visa aumentar o nível de exportações desta unidade de produção, que já trabalha com os mercados de Espanha e África, Roteiro das Minas e Pontos de Interesse Mineiro e Geológico, entidade que o Município de Aljustrel integra, apresentou durante a Bolsa de Turismo de Lisboa - BTL 2016 a plataforma digital da Rota atualizada. Para além das Rotas Temáticas com georreferenciação, o novo site já disponibiliza um separador com a possibilidade do utilizador criar o seu próprio itinerário. Em www.roteirodeminas.pt estão presentes cerca de 150 locais e pontos de interesse identificados pelo Continente e Região Autónoma dos Açores, e divididos por minas, museus, interesse geológico, exposições temporárias, entre outros.

[close]

p. 5

O abril 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 5 Cultura e património em análise Diretora Regional de Cultura visitou o Concelho de Aljustrel O encerramento dos trabalhos fez-se em Messejana, a convite da Presidente da Junta de Freguesia, Ercília Diogo, que acompanhou a comitiva em visita à Igreja de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Matriz e Castelo de Messejana. Concelho de Aljustrel recebeu no dia 23 de março, a visita da Diretora Regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira. Durante a manhã, o Presidente da Câmara, Nelson Brito, e o representante da EDM - Empresa de Desenvolvimento Mineiro, Ricardo Pinto, conduziram uma visita ao património mineiro de Aljustrel que integrará o futuro Parque Mineiro, nomeadamente às intervenções concluídas recentemente na Zona de Algares, incluindo uma visita à Galeria Mineira do Piso 30. De tarde, os trabalhos continuaram com uma visita ao futuro Centro de Artes de Aljustrel, em fase de conclusão no edifício do Jardim 25 de Abril, seguindo-se uma visita ao património religioso, nomeadamente à Igreja Matriz, a cargo de representante da paróquia. O encerramento dos trabalhos fez-se em Messejana, a convite da Presidente da Junta de Freguesia, Ercília Diogo, que acompanhou a comitiva em visita à Igreja de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Matriz e Castelo de Messejana, discutindo-se o enquadramento e perspetivas de reabilitação deste património de valor incalculável. Durante o dia foi analisado o grande potencial do património imaterial, bem como o conjunto dos projetos de âmbito cultural e patrimonial em desenvolvimento no Concelho de Aljustrel, particularmente aqueles que serão passiveis de cofinanciamento do Quadro Comunitário, tendo a Diretora Regional manifestado disponibilidade para acompanhar tecnicamente os vários projetos e intervenções programados ou em desenvolvimento. Aprovada candidatura Apresentação Pública Elaboração de cadastro das redes de água e saneamento Projeto PRODER - Redes de Divulgação de Informação O Município de Aljustrel viu aprovada a candidatura designada “Elaboração de cadastro das infraestruturas existentes de abastecimento de água e saneamento de águas residuais em baixa no Município de Aljustrel”, ao Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos.  Neste projeto, a autarquia definiu que seria necessário o cumprimento de quatro pressupostos para a realização da operação, a saber: realização de atividades de recolha e tratamento de informação; inserção da informação recolhida em ambiente SIG; aquisição de software para gestão da informação recolhida e assistência técnica.  Na prática, o município propõe-se realizar o levantamento, validação e homogeneização de informação cadastral das redes de águas e saneamento em baixa no município, segundo um modelo de dados comum, com vista à sua integração num sistema de informação geográfica, recorrendo a informação recolhida em software específico para o efeito, com vista a facilitar a gestão destas redes em tempo real.  Da operação resultará no futuro um maior conhecimento das infraestruturas e capacidade para identificar rapidamente quais as reais necessidades de expansão, reabilitação e reparação das mesmas, facilitando, igualmente, a gestão das infraestruturas e os processos de tomada de decisão, contribuindo para o aumento da eficiência dos sistemas e a melhoria da qualidade dos serviços prestados. qualidade da água, e comunidade em geral. A criação de uma plataforma on-line além de permitir aos empresários agrícolas aceder a informação relevante mais rapidamente; terem acesso a informações sobre a qualidade da água de rega, dos solos das explorações e aos dados técnicos da infraestrutura de rega, irá igualmente facultar a utilização de ferramentas de gestão atuais e inovadoras nas atividades das explorações agrícolas, facilitar o acesso a dados via Internet sem condicionalismos de horários, bem como disponibilizar serviços mais sofisticados e modernos. Após a sessão técnica, foi assinado um protocolo de colaboração com a empresa RRPlaning, com vista à elaboração do Plano de pormenor da antiga fábrica do Roxo. N o dia 30 de março, teve lugar na Biblioteca Municipal de Aljustrel, a apresentação pública do Projeto PRODER 4.2.2 Redes de Divulgação de Informação. Realizada pela Associação de Beneficiários do Roxo (A.B.R.), em conjunto com a Universidade de Évora e o Instituto Politécnico de Beja/ Escola Superior Agrária, e com o apoio da Câmara Municipal, esta apresentação enquadrou-se no âmbito do projeto PRODER-Medida 4.2.2—Qualidade da Água do Roxo na Dinâmica dos Solos e Culturas Agrícolas que teve por objetivo a criação de uma Plataforma on-line a fim de proporcionar a concentração da informação integrada dos parâmetros de avaliação de qualidade da água da Albufeira do Roxo e seu perímetro de rega e os diferentes tipos de solos, bem como estabelecer relações entre a informação coligida e as culturas mais adequadas para identificação dos riscos e minimização dos mesmos no perímetro de rega do Roxo. A iniciativa destinou-se aos empresários agrícolas, dirigentes autárquicos, técnicos de instituições públicas, privadas e associativas com intervenção na gestão e Município

[close]

p. 6

6 Aljustrel | Boletim Municipal | abril 2016 NÚMERO Projeto EmCante Investimento total – 250 mil euros Apoio FEDER (85%) – 212 mil euros Contrapartida Nacional – 38 mil euros Salvaguarda e divulgação do Cante Alentejano Câmara lança projeto EmCante O EmCante visa a promoção, exaltação e estudo do cante alentejano, enquanto Património Imaterial da Humanidade classificado pela UNESCO, tendo como missão proceder tanto à salvaguarda do Cante como à sua divulgação O Município Município de Aljustrel submeteu uma candidatura designada de EmCante ao Programa Alentejo 2020, Regulamento específico “Domínio da Sustentabilidade e Eficiência no uso dos recursos”, prioridade de investimento 6.3. Património Natural e Cultural. O EmCante visa a promoção, exaltação e estudo do cante alentejano, enquanto Património Imaterial da Humanidade classificado pela UNESCO, tendo como missão proceder tanto à salvaguarda do Cante como à sua divulgação, elencando para isso um conjunto de atividades que respondam a três objetivos: Estudo e Investigação; Divulgação, Valorização e Sensibilização e Educação e Transmissão do Cante Alentejano. No que diz respeito ao Estu- do e Investigação, pretende-se produzir um cancioneiro através de uma recolha, o mais exaustiva possível, de todas as modas cantadas por grupos corais do concelho ou por particulares e que funcionará como memória futura. Na componente da Divulgação, Valorização e Sensibilização são várias as ações previstas, nomeadamente a realização das iniciativas: “Cante à mesa”, o Festival do Cante (FestiCante), apoio no fardamento dos grupos corais, a produção de uma escultura de homenagem ao cante e a promoção do cante a nível internacional. Em termos de Educação e transmissão o objetivo é a criação de um clube do cante e a casa do cante. A sobrevivência do “cante” alentejano obriga a que seja prestada uma atenção permanente a novas formas de sensibilização dos “jovens”, através de grupos corais juvenis, da divulgação e da “aprendizagem” nas escolas bem como objeto de estudo nos conservatórios. Pretende-se com a Casa do Cante salvaguardar o Cante Alentejano, contribuir para a criação de projetos que autossustentem e valorizem os elementos de uma identidade em constante dinâmica. Rota atravessa 36 municípios, de Chaves a Faro Aljustrel integra a Rota da Estrada Nacional 2 O Município de Aljustrel aderiu à iniciativa Rota da Estrada Nacional 2. Esta rota, inédita, pioneira e transregional, atravessa 36 municípios, passa pelo interior das povoações e liga paisagens tão diferentes como as vinhas durienses, as planícies alentejanas ou as praias algarvias, estendendo-se de Chaves a Faro, ao longo de 738,5 quilómetros. O Município de Aljustrel con- sidera que esta pode vir a ser uma iniciativa aglutinadora, que poderá trazer novas oportunidades de desenvolvimento a um conjunto de municípios, de norte a sul de Portugal, que são atravessados por esta importante via. A par de outras iniciativas em desenvolvimento, esta Rota poderá “alimentar” a estratégia de atração de visitantes e turistas do Município de Aljustrel, que pode beneficiar da sua localização estratégica, a 5 km de uma saída da A2, numa posição central entre Lisboa e Algarve, a 45 minutos da costa alentejana e a 30 minutos do aeroporto de Beja. Aljustrel assume de forma inequívoca o património mineiro como principal recurso turístico, gerador de diferenciação e em torno do qual se desenha a sua estratégia de desenvolvimento. Apesar do património mineiro ser uma realidade que congrega toda a faixa piritosa ibérica, unindo o território do sul de Portugal, entre Mértola e Grândola e estendendo-se até Espanha, o potencial da mina de Aljustrel decorre da sua particularidade: ser uma mina viva – o património com 5 mil anos convive lado a lado com uma mina em plena atividade de laboração, que gera perto de 800 postos de trabalho diretos, exporta e gera riqueza. Esta matriz diferenciadora distingue e posiciona Aljustrel num patamar de elevado potencial, no contexto nacional, ibérico e europeu, que muito pode beneficiar da Rota da Estrada Nacional 2. Património Museu Regional de Beja vai ser requalificado A CIMBAL, a Direção Regional de Cultura do Alentejo e as universidades de Coimbra e de Évora assinaram, no início deste ano, o Protocolo de Colaboração Técnica e Científica para a Valorização do Museu Regional de Beja. Na ocasião foi igualmente celebrado entre a CIMBAL e a Fundação Millennium BCP, o Acordo de Colaboração Mecenática para a valorização deste espaço. O do- nativo no valor de 27 mil euros irá permitir requalificar o edifício, assim como conservar e valorizar o seu acervo. Este acordo tem a duração inicial de dois anos, extinguindo-se na conclusão física e financeira prevista. Ecce Homo, uma das mais simbólicas obras do Museu Regional de Beja, do século XV, tábua gótica atribuída ao Mestre Gil, é uma das peças que vai ser restaurada.

[close]

p. 7

abril 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 7 2015/2016 Observa-se que os munícipes identificam como prioritárias três áreas de atuação – Desenvolvimento Económico (41,24%), Educação (40,21%) e Rede Viária e Sinalização de Trânsito (38,3%). O processo de consulta pública integrado na iniciativa Orçamento Participativo do concelho de Aljustrel 2015/2016 decorreu no mês de outubro de 2015, através da disponibilização de um questionário aos munícipes que permitiu identificar áreas prioritárias em termos de intervenção e propostas concretas de investimento, bem como avaliar o grau de satisfação com a gestão autárquica do concelho. Este processo de auscultação decorreu através da distribuição de questionários em papel e por via de um questionário online, acessível no site do Município. Paralelamente foram promovidas sessões públicas em todas as freguesias, no sentido de serem identificadas propostas por parte dos/as cidadãos/ ãs. No total foram recolhidas 161 respostas aos questionários. Observa-se que os munícipes identificam como prioritárias três áreas de atuação – Desenvolvimento Económico (41,24%), Educação (40,21%) e Rede Viária e Sinalização de Trânsito (28,3%). Quando é colocado o desafio para concretizar, verifica-se, a partir da leitura dos dados recolhidos, uma maior facilidade para apontar de forma explicita necessidades de investimento no domínio das infraestruturas/materiais, com clara incidência nas propostas de recuperação, conservação e construção de rodovias e arruamentos. Ao nível do Desenvolvimento Económico são várias as menções à criação de zonas de localização empresarial (as mais concretas) e a medidas de apoio à criação de emprego e à criação de empresas. A questão número 4 procurou avaliar o nível de satisfação dos/ as inquiridos/as com o desempenho camarário. A prevalência das respostas “Satisfeito” (60,82%) ressalta da observação dos dados, sendo que 11,34% afirmam estarem “Muito satisfeitos”. A avaliação negativa recolhe um total de 12,37% de respostas “Pouco Satisfeito”. Não existem respostas de cidadãos/ãs que se afirmem “Nada Satisfeitos”. A comunicação com os munícipes parece cumprir o essencial dos seus objetivos tendo em conta que a grande maioria da população inquirida se sente “Suficientemente informada” (58,7%). Apenas 3% afirmam estarem “Nada informados”. O Orçamento Municipal em vigor reflete os resultados da iniciativa Orçamento Participativo 2015/2016, com um valor cabimentado de investimento a concretizar nas áreas e projetos priorizados. Recorde-se que da edição anterior do Orçamento Participativo, 2014/2015, resultou a execução de vários projetos priorizados pela população, nomeadamente: a execução da vedação da Escola do 1º Ciclo de Montes Velhos e a concretização de arruamentos em Ervidel, Rio de Moinhos e Bairro de S. João do Deserto. Património Câmara adquiriu sede do Mineiro Aljustrelense e dois moinhos de vento A Câmara Municipal de Aljustrel adquiriu, em escritura pública, no dia 19 de fevereiro de 2016, à EDMI - Empresa de Projetos Imobiliários, S.A., o edifício correspondente à atual sede do Sport Clube Mineiro Aljustrelense, situado na Rua Vasco da Gama, em Aljustrel, bem como dois outros prédios, situados também em Aljustrel, constituídos por dois moinhos de vento e respetivos recintos para desafogo. O Município adquiriu os três imóveis pelo seu valor patrimonial, num total global de 88 mil e 200 euros. Alteração de data Mercado mensal de Aljustrel às terça-feiras O Município de Aljustrel decidiu alterar a data de realização do mercado mensal, passando este a realizar-se na primeira terça-feira de cada mês. Recorde-se que realização do mercado mensal no quarto domingo de cada mês foi uma decisão, tomada em 2015, que procurou ir ao encontro da disponibilidade da população, verificando-se, no entanto, que esta opção não favoreceu a presença dos vendedores, que progressivamente deixaram de estar presentes no mercado mensal de Aljustrel, perdendo este qualidade e relevância. Deste modo, considerando esta avaliação, o Município optou por regressar à primeira forma e realizar os mercados mensais à primeira terça-feira de cada mês, exceto nos meses de junho, em que se realiza a Feira do Campo Alentejano, e outubro, em que acontece a Feira Nova. Assim, desde o passado dia 5 de abril, o mercado mensal voltou a realizar-se à terça-feira, nos horários habituais. Município Resultados do Orçamento Participativo

[close]

p. 8

8 Aljustrel | Boletim Municipal | abril 2016 Administração direta A Obras Uma Câmara com rostos s intervenções da Câmara Municipal no modelo de administração direta são da responsabilidade da divisão técnica do município. As obras são realizadas aplicando meios próprios, ou adquiridos para o efeito, e que se destinam ao seu imobilizado. São exemplos destes trabalhos as pequenas intervenções urbanísticas, os ramais de águas e esgotos, trabalhos de jardinagem, construção civil, eletricidade, serralharia e carpintaria, entre outros, bem como algumas intervenções de maiores dimensões. Melhorias na Av. de Algares Execução de Ramal de Água em Messejana Reforço da guarda metálica do Estádio Municipal Melhorias na Av. de Algares Montagem de sinalização horizontal em Aljustrel Plantação de oliveiras junto Bairro Azul Execução de Ramal de Esgoto na Rua 28 de Setembro Reparação Rotura na Rua 5 Outubro Pintura exterior da Escola da Avenida Plantação de Relva em S. João de Negrilhos Reabilitação de muros no Jardim 25 de Abril Regeneração da Avenida de Algares Reabilitação do logradouro da Escola dos Eucaliptos Corte e desbaste de ervas no Campo Futebol Rio Moinhos Recuperação do Parque Infantil da Escola dos Eucaliptos Reparação da EM527-2 Limpeza de Ruas Corte e desbaste de ervas na Escola Secund ria Trabalhos de jardinagem no Parque da Vila Demolição moradia na Rua 1 Maio Rio de Moinhos Pintura exterior do Parque de Estacionamento Rep. de pavimentos no Parque dos Bombeiros de Aljustrel Pintura de estacionamento do Parque da Vila Reabilitação da Avenida de Algares Corte e desbaste de ervas na EN2-8 Limpeza de Parque de Merendas na EN2 Pintura de Rails Rotunda na Malha Ferro Levantamento e Reposição calçada na Rua de Beja Limpeza exterior das Piscinas Cobertas Pintura exterior da Casa das Artes Reconstrução de logradouro em Algares Reabilitação de bancos na Avenida 1 Maio Reposição de calçada na Rua da Quadra Apoio na Montagem Feira de Abril 2016 Corte de  rvores no Jardim 25 de Abril Montagem de Vedação na Escola dos eucaliptos

[close]

p. 9

abril 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 9 NÚMERO Investimento no Parque da Vila: 1 milhão e 53 mil euros - Valor total do projeto 728 mil 643 euros - Comparticipação do FEDER Comemorações do 25 de Abril Município inaugura o Parque da Vila As obras incidiram fundamentalmente no Jardim Público 25 de Abril, no Parque Desportivo e Campos de Ténis e na Casa do Jardim (antigo Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia de Aljustrel). O Município de Aljustrel inaugura, no próximo dia 25 de abril, o Parque da Vila. Esta importante intervenção teve com principal objetivo harmonizar os equipamentos já existentes e a sua envolvente, numa perspetiva de função pública (lazer e deporto) e de melhoria do ambiente urbano. As obras incidiram fundamentalmente no Jardim Público 25 de Abril, no Parque Desportivo e Campos de Ténis e na Casa do Jardim (antigo Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia de Aljustrel), que foi completamente requalificada e dá agora lugar ao Centro d´ Artes. Jardim Público 25 de Abril Foram renovadas todas as infraestruturas deste jardim, desde a rede de iluminação (que incorpora tecnologia led), às redes de drenagem e de rega, bem como a reconfiguração dos percursos existentes, parques infantis e zonas de estada. O projeto contemplou ainda a substituição dos pavimentos, a reformulação das zonas verdes, a remodelação das instalações sanitárias, a criação de zona de mini-golfe, jogos de água e de desportos radicais. Também foi completamente reabilitado o edifício que hoje acolhe o bar do jardim. O Jardim 25 de Abril foi criado após a Revolução dos Cravos. Na altura, a população via realizado o desejo antigo de atribuir “aos filhos dos homens que nunca foram meninos” (frase de Soeiro Pereira Gomes inscrita neste jardim), um espaço de lazer onde as crianças pudessem finalmente brincar. Parque Desportivo O novo Parque Desportivo foi alvo de uma profunda requalificação. Foi substituído o pavimento do campo, recuperadas as bancadas e colocadas novas redes de proteção e de separação/delimitação. O edifício dos balneários foi, também ele, reabilitado e introduzida uma nova cobertura e elementos unificadores nos vãos. Foi também instalado um sistema de cobertura sobre o campo de jogos, que facilita a utilização deste equipamento desportivo em todas as alturas do ano. Os campos de ténis foram também objeto de completa reabilitação. Foi substituído o pavimento dos campos, recuperadas as bancadas na envolvente e colocadas novas redes de proteção e de separação/ delimitação. Centro d`Artes O Centro d´ Artes resulta da reabilitação do edifício onde, entre 1977 e 2014, funcionou o Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia de Aljustrel. A infraestrutura desenvolve-se numa lógica de três pisos (0, 1 e -1), cada qual com as suas valências específicas. O piso 0, que acolhe a sede do NAVA – Núcleo de Artes Visuais de Aljustrel, dispõe de um espaço para exposições temporária, que consiste em três zonas contíguas, e zona de ateliês, com três divisões para desenvolvimento de atividades relacionadas com as artes plásticas. No pátio traseiro, num anexo, existe um espaço para ateliês de escultura. É também no piso 0 que está localizada a zona de bar. O piso 1 consiste na denominada Residência de Artistas, onde pessoas de várias origens podem pernoitar enquanto desenvolvem os seus projetos artísticos nos ate- liês, convivendo e enriquecendo-se mutuamente pelo intercâmbio das experiências vividas e das respetivas culturas. Para este efeito existirão neste piso nove quartos, com capacidade para alojar 32 pessoas. Existirá também uma sala de convívio e uma divisão com uma kitchenette para apoio. O piso -1, em projeto a desenvolver futuramente, dará lugar a uma sala de ensaios destinada a artes performativas e três gabinetes destinados a acolher associações juvenis e outras funcionalidades. Obras

[close]

p. 10

10 Aljustrel | Boletim Municipal | abril 2016 Município Reabilitação Obras da ponte da Ribeira do Roxo em curso Esta é uma intervenção que há muitos anos vem a ser revindicada pelo Município de Aljustrel e pelas populações, visto que a ponte se situa numa das principais vias do concelho, a EN2. A empreitada de reabilitação e reforço da ponte da Ribeira do Roxo, situada na Estrada Nacional n.º 2 (EN2), Km 611, entre Aljustrel e Ervidel foi iniciada no mês de março. O prazo de execução da obra, da responsabilidade da empresa Estradas de Portugal, é estimado em 150 dias, com um valor de cerca de 241 mil e quinhentos euros. Esta é uma intervenção que há muitos anos vem a ser revindicada pelo Município de Aljustrel e pelas populações, visto que a ponte se situa numa das principais vias do concelho, a EN2, estabelecendo a ligação de Aljustrel, a Ervidel, Beja, Ferreira do Alentejo, entre outras. Visto que a obra irá condicionar o trânsito, logo que se torne necessário, a Câmara Municipal de Aljustrel irá informar, atempadamente, os munícipes das alternativas de circulação. Pesca desportiva Aljuspescamar está de volta O Comissão Municipal de Proteção Civil Proteção Civil preocupada com estado das estradas Sport Clube Mineiro Aljustrelense, em colaboração com um grupo de associados, vai levar a efeito, à semelhança de anos anteriores, mais uma edição do Convívio de Pesca denominado por “Aljuspescamar”, que terá lugar no sábado, dia 30 de Abril de 2016. Esta será já a sua 19ª edição, sendo que o referido convívio terá lugar na Praia da Ribeira da Azenha (Milfontes), com início às 8,00 h. e término às 13,00 h., seguido de um jantar de confraternização e entrega de prémios no refeitório da Escola E.B. 2,3 de Aljustrel. A Comissão Municipal de Proteção Civil reuniu, no mês de fevereiro, a fim de discutir e definir o Plano de Trabalho para 2016. Este plano incide na realização, ao longo do ano, de exercícios e de simulacros a efetuar nas escolas, Instituições de Solidariedade Social, edifícios públicos, nas indústrias, mina e zonas empresariais do concelho. Será dada igualmente particular atenção à falha sísmica situada na zona de Aljustrel. Aproveitando a presença do representante da empresa pública Infraestruturas de Portugal foi também denunciado o mau estado em que se encontram as estradas nacionais do concelho, deterioradas pela intensa circulação de veículos pesados da EDIA, aproveitando-se a ocasião para realizar uma visita técnica a estes locais que permitiu demonstrar no terreno as várias anomalias expostas, nomeadamente, na Ponte do Roxo e outras obras de arte; Estrada Nacional 2; Estrada Nacional 383 (entre Aljustrel/ Montes Velhos); entre outras. Foi igualmente discutida a possibilidade de construção da variante à vila de Aljustrel. A reunião foi presidida pelo presidente da Câmara Municipal e contou com a participação de representantes dos Bombeiros de Aljustrel, da GNR de Aljustrel, das juntas de freguesias do concelho, do Agrupamento de Escolas do Concelho de Aljustrel, da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, do Centro Distrital de Segurança Social de Beja, das empresas Orica e Almina, da Santa Casa da Misericórdia de Aljustrel e de um técnico municipal de proteção civil. Informação Destruição e vandalização de património municipal O Município de Aljustrel condena veementemente as várias ocorrências de destruição e vandalização de património municipal ocorridas nas últimas semanas, e solicita à população que informe as autoridades caso tenha conhecimento de quem praticou estes atos, que põem em causa propriedade que deveria ser usado como se fosse de cada um, mas respeitada como sendo de todos. Na sequência destes atos, o município entregou às autoridades uma queixa-crime contra desconhecidos, a qual se espera que produza efeitos muito em breve.

[close]

p. 11

abril 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 11 10, 11 e 12 de junho Feira do Campo Alentejano de novo em Aljustrel Desde já, se pode anunciar a atuação dos grupos Djodje e Los Romeros na noite de sexta-feira, 10 de junho, e de The Gift, Ruben Baião e Six Irish Man para a noite de sábado, dia 11. A XVI edição da Feira do Campo Alentejano já tem data marcada. Será no segundo fim de semana do mês de junho, como sempre no Parque de Exposições e Feiras. A programação deste certame agroindustrial, realizado pela Câmara Municipal de Aljustrel, está a ser ultimada mas, desde já, se pode anunciar a atuação dos grupos Djodje e Los Romeros na noite de sexta-feira, 10 de junho, e de The Gift, Ruben Baião e Six Irish Man para a noite de sábado, dia 11. A Feira do Campo Alentejano tem como finalidade a divulgação e a promoção das atividades económicas do concelho, e pretende ainda ser um espaço para a promoção e divulgação das potencialidades turísticas, para a valorização de atividades tradicionais, como o artesanato e a gastronomia. Neste espaço de exposição do mundo rural, é ainda objetivo dar a conhecer aos investidores as mais-valias do concelho e mostrar a dinâmica empresarial e as condições excecionais que Aljustrel tem para oferecer às novas empresas que aqui queiram instalar-se. Por isso, além da forte ligação de Aljustrel à atividade mineira, também será dado grande ênfase à atividade agrícola em franca expansão devido à ampliação da rede secundária de Alqueva, que veio alargar o perímetro de regadio permitindo o aparecimento de novas alternativas para o agronegócio no concelho de Aljustrel. Como nos anos anteriores, a feira será composta por vários stands, pavilhões e espaços lúdicos. Haverá como habitualmente o pavilhão de exposições, o pavilhão agroindustrial, o pavilhão do gado, com o picadeiro exterior e a quinta pedagógica, uma exposição de automóveis, o espaço dos produtos da terra, o espaço criança e desporto, o espaço Jovem e o espaço da saúde. Além disso, espetáculos do mundo taurino e equestre, provas de queijo, vinho, mel e outros produtos regionais, tasquinhas com petiscos, workshops de cozinha à base de pão e colóquio sobre novas oportunidades de negócio no mundo agrícola também estão previstos. A Feira do Campo é também sinónimo de lazer e divertimento. De 10 a 12 de junho, os dias serão preenchidos por um vasto programa musical e cultural a decorrer nos diversos palcos, e que contará com as atuações de grupos corais e musicais do concelho, bem como de nomes sonantes da música nacional e diversos Djs. Prevê-se, que à semelhança das edições anteriores, todas estas atividades venham a atrair milhares de visitantes a esta grande feira do Baixo Alentejo. Encontro com a escrita Stand promocional Império de Sol – A Questão da Agricultura Aljustrel promove-se na Ovibeja N o âmbito dos “Encontro com a Escrita”, foi apresentada ao público, no dia 2 de abril, no auditório da Biblioteca Municipal de Aljustrel, a obra IMPÉRIO DE SOL – A Questão da Agricultura (ed. Colibri) da autoria de Joaquina Rebelo. IMPÉRIO DE SOL – A Questão da Agricultura é uma visão de dentro sobre as problemáticas que não têm sido compreendidas pelos governos e pela sociedade nas últimas décadas. Neste trabalho, a assistente so- cial, Joaquina Rebelo quer apelar à reflexão, empenho e responsabilidade social por parte de todas as pessoas, grupos e comunidades na construção de um futuro melhor, tendo em conta o desenvolvimento económico-social dos territórios, assente na importância da revalorização da agricultura paralelamente a outros setores. A autora, norteada por motivos sociais, tenta compreender as razões do enfraquecimento da agricultura e identificar o que pode ser feito para reabilitar a imagem da agricultura e das pessoas que se dedicam a esta atividade, pois têm sido bastante desvalorizadas nas últimas décadas. Importa salientar que este trabalho refere as dificuldades e problemas das pessoas que trabalham a terra, interpretadas pela visão leiga da autora na matéria. IMPÉRIO DE SOL reflete a voz dos agricultores de Aljustrel. Na apresentação deste livro o cante alentejano esteve, também, presente com a atuação do grupo coral As Amigas de Panóias. A ljustrel volta a apostar na promoção do seu município no decurso da Ovibeja, aproveitando a oportunidade para mostrar aos visitantes deste importante certame os produtos gastronómicos do concelho, como os enchidos, os doces, bem como os seus vinhos e artesanato. A Ovibeja servirá igualmente para promover a Feira do Campo Alentejano, que este ano se realiza de 10 a 12 de junho, sob o lema “Aljustrel, Terra Viva”. Sociedade

[close]

p. 12

12 Aljustrel | Boletim Municipal | abril 2016 São João de Negrilhos Feira de Abril revitalizada voltou a ser um sucesso Promovido pela Junta de Freguesia em colaboração com o movimento associativo da freguesia e a Câmara de Aljustrel, o certame ganhou nova vida nos últimos anos e voltou a oferecer dois dias de muita animação. C omo é tradição, a freguesia de São João de Negrilhos recebeu nos dias 9 e 10 de Abril, mais uma edição da Feira de Abril. E nem o tempo Freguesias “tremido” afastou as muitas centenas de visitantes que se quiseram associar ao certame. Promovido pela Junta de Freguesia, em colaboração com o movimento associativo da freguesia e a Câmara de Aljustrel, o certame ganhou nova vida nos últimos anos e voltou a oferecer dois dias de muita animação. Espetáculos musicais, petiscos à base de borrego alentejano, mostra de empresas e serviços locais, exposição de animais, animação infantil, foram alguns dos destaques do programa, que incluiu ainda mais uma edição do mercado dos produtos agrícolas. União das Freguesias e Aljustrel e Rio de Moinhos Novo balcão de atendimento de Rio de Moinhos T eve lugar do dia 19 de fevereiro a cerimónia que ditou a abertura ao público do novo Balcão de atendimento de Rio de Moinhos. Até aqui os serviços prestados pela Junta de Freguesia eram efetuados no 1º andar do edifício, sendo que o acesso era feito unicamente pelas escadas, de dimensões reduzidas e muito inclinadas, dificultando a acessibilidade da população mais envelhecida e com menos mobilidade. A solução encontrada, assentou na ocupação de uma das salas da Extensão do Centro de Saúde, no piso inferior. A manutenção destes serviços ganhou particular relevância com a extinção em 2013 da Junta de Freguesia de Rio de Moinhos, permitindo aos cidadãos desta localidade continuarem a usufruir destes serviços em proximidade e, agora, também com muito maior comodidade. Ervidel Dia do Trabalhador comemora-se na Barragem do Roxo A tradição mantém-se e, mais uma vez, celebra-se no próximo dia 1 de Maio, na Barragem do Roxo, o Dia do Trabalhador. A iniciativa, organizada pela CGTP-IN, conta com o apoio da Junta de Freguesia de Ervidel e Município de Aljustrel. No próximo dia 1 de maio, assinala-se o 130º aniversário dos acontecimentos de Chicago, que estiveram na origem do 1º de Maio, Dia Internacional do trabalhador, quando 500 mil trabalhadores saíram às ruas desta cidade norte-americana em ma- nifestação pacífica, exigindo a redução da jornada para oito horas de trabalho. A polícia reprimiu a manifestação, dispersando a concentração, depois de ferir e matar dezenas de operários. Messejana Sob o Céu de Messejana A Junta e Freguesia de Messejana, em parceria Município de Aljustrel, vai promover, nos dias 2 e 3 de julho de 2016, o evento “Sob o Céu de Messejana”. A iniciativa procura promover a fotografia e o património ambiental e arquitetónico impar de Messejana, vila histórica situada no concelho de Aljustrel. Do programa constam um exposição de fotografia do aljustrelense Rui Correia, um colóquio, workshops de fotografia noturna e observação de astro e muito mais.

[close]

p. 13

abril 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 13 Educação No próximo Ano Letivo estarão matriculados em Rio de Moinhos 29 alunos. rão matriculados em Rio de Moinhos 16 alunos no 1º ciclo (mais 3 alunos do que no Ano Letivo transato), acrescidos de mais 13 inscrições no pré-escolar, o que garante 29 alunos com intenção de frequentar esta escola. O Município confirma que não tem condições para garantir os transportes dos alunos desta localidade para o Centro Escolar na sede do Concelho, no Ano Letivo 2016/2017; A Escola de Rio de Moinhos reúne condições para o desenvolvimento da atividade letiva; A transferência de uma nova turma para o Centro Escolar de Aljustrel, por ausência de salas disponíveis, obrigaria à criação de mais uma turma de 1º ciclo, que teria que funcionar fora do Centro Escolar, mais concretamente na E. B. 2, 3 de Aljustrel. Caso esta solicitação volte a ser bem acolhida pelo Ministério N o dia 12 de abril de 2016, o Município de Aljustrel solicitou por escrito ao Ministério da Educação que volte a considerar a excecionalidade da abertura da escola de 1º Ciclo de Rio de Moinhos como polo do Centro Escolar de Aljustrel, no Ano Letivo 2016/2017. Os argumentos que fundamentam este pedido dirigido à Secretária de Estado Adjunta e da Educação são os seguintes: No próximo Ano Letivo esta- da Educação, à semelhança do que aconteceu nos dois últimos anos letivos, evita-se o deslocamento de crianças de tenra idade e o encerramento de mais uma instituição numa localidade que, nos últimos anos, tem sofrido com a falta de atenção do Estado Central, que tem vindo a privá-la de vários serviços públicos de proximidades, incluindo a sua Junta de Freguesia, extinta em 2013. Plano Escolar de Educação Ambiental/Proteção Civil Dar continuidade à vida e mostrar o caminho aos mais novos A s principais temáticas a serem desenvolvidas pelas técnicas dos serviços de Ambiente e de Proteção Civil da autarquia, ao longo destes meses, são: “Energia e alterações climáticas” para dar a conhecer as diferentes fontes de energias renováveis; “Menos Resíduos”, com vista a mostrar o circuito dos resíduos sensibilizando para a importância dos 5R: Repensar, Recusar, Reduzir, Reutilizar e Reciclar; “Poupar para o Plane- ta salvar”, com apresentação de um filme sobre o ciclo urbano da água e sensibilizar para o seu uso eficiente, “Eco-Floresta” para alertar alunos sobre as espécies em vias de extinção e importância dos ecossistemas mediterrâneos e, ainda, “Conhecer os Riscos”, com exercícios de evacuação e simulacro. Neste plano de educação, delineado tendo em conta os dias comemorativos da Proteção Civil, da Floresta, da Água, da Energia e do Ambiente, serão igualmente realizadas visitas de estudos, um concurso de conto ilustrado e também ações de sensibilização de cariz mais social, entre outras iniciativas. Estas atividades contam com o apoio de diversas entidades, nomeadamente Agrupamento de Escolas de Aljustrel, Águas Públicas do Alentejo, Ambilital e Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas. “O Caminho dos Resíduos” foi a primeira das ações a serem realizadas com os alunos do Centro Escolar Vipasca, num conjunto de 17 sessões que decorreram ao longo do mês de fevereiro. Técnicos da AGDA - Águas Públicas do Alentejo dinamizaram, no dia 16 de março, junto dos alunos dos 3ºs e 4ºs anos, a ação “ Ser amigo da Água”. Esta atividade, que pretendeu assinalar o Dia Mundial da Água, consistiu na passagem de um filme explicativo sobre o ciclo urbano da água, de jogos sobre a temática e entrega de brindes aos alunos. No dia 18 de março, em parceria com a GNR (Escola Segura e SEPNA), foi realizada a ação dedicada ao Dia Mundial da Floresta e da Árvore. Nesse dia, foram plantadas, simbolicamente, duas árvores (disponibilizadas pela GNR) e promovidas atividades no recinto escolar. Foi realizado um painel alusivo ao tema com recurso a pintura, colagens, recortes, foram construídas árvores através de reutilização de resíduos, jogos e exibido um filme pela GNR- SEPNA sobre os incêndios florestais. Em abril, iniciou-se um novo ciclo, mais direcionado aos alunos do 3º e 4º ano do Centro Escolar Vipasca sobre “Energia e Alterações Climáticas”. No dia 15 de abril, foi promovida a ação “O que são as Alterações Climáticas”. Para a sessão foi convidado o ativista ambiental, professor, formador e consultor de empresas de energias renováveis, na área da responsabilidade social, e autor de várias obras escritas, António Eloy, que apresentou aos alunos uma aplicação (app) por si desenvolvida. Esta aplicação interativa explora as consequências que a continuação do uso e abuso de combustíveis fósseis e a artificialização da natureza pode provocar na circulação das águas dos oceanos, os seus impactos no degelo e nos extremos meteorológicos, articulado com a descrição da influência do clima na evolução da vida na Terra. No dia 29 de maio (Dia Mundial da Energia), os alunos que participaram no projeto das energias e alterações climáticas irão realizar a construção de um forno solar, sensibilizando-os assim para a utilização das energias renováveis. Este projeto, que terminará a 5 de junho (Dia Mundial do Ambiente), pretende dinamizar atividades, ligadas ao ambiente e à proteção civil, de forma a consciencializar e a sensibilizar a comunidade escolar do pré-escolar ao 1.º ciclo sobre a importância destas temáticas. Projeto Educativo do Museu Crianças aprendem a conhecer plantas e história de Aljustrel N o âmbito do projeto educativo, o Museu Municipal de Aljustrel promoveu durante o mês de março, diversas atividades destinadas aos alunos do pré-escolar e 1.º ciclo do Ensino Básico. Nos dias 1 e 10 de março, foi realizada a atividade “Vamos criar um jardim de plantas aromáticas e medicinais!”, no Centro de interpretação de produtos hortícolas e ervas aromáticas, situado no lugar do Carregueiro. Esta atividade visou proporcionar às crianças e jovens um melhor conhecimento e compreensão sobre a origem das plantas aromáticas, através da criação de um jardim e de um herbário. Também, nos dias 7 e 9, a atividade “Baú da História – Conhecer o Foral de Aljustrel” destinou-se à aprendizagem dos mais novos sobre o que é uma Carta de Foral e compreender a sua importância tendo como base a Carta de Foral de Aljustrel. Educação Município de Aljustrel solicitou manutenção da escola de Rio de Moinhos no Ano Letivo 2016/2017

[close]

p. 14

14 Aljustrel | Boletim Municipal | abril 2016 História Passado, presente e futuro Jardim Público 25 de Abril O Jardim 25 de Abril foi criado após a Revolução dos Cravos. Na altura, em Aljustrel, numa terra árida, assente num maciço rochoso, poucos eram os espaços verdes, existindo somente dois grandes jardins, onde estavam as mansões senhoriais, residências dos administradores da mina, uma das quais desabitada. E foi nesta última, que uma comissão em representação da população negociou com a administração da empresa mineira, o que viria a ser o Jardim 25 de Abril. Mas a história deste Jardim não começa nem acaba aqui... Pré-25 de Abril Em 1950 o Diretor Técnico da Mina vivia num velho edifício em mau estado situado próximo da mina de S. João. Com a chegada nessa altura de um novo Diretor (Engº Van Vliet) a empresa mineira adquiriu à Câmara os terrenos onde hoje se situam o Infantário da Misericórdia, o Parque Desportivo e o Jardim Público, para aí construir a nova residência para o Diretor Técnico, que foi concluída em 1952. tembro de 1974 foi entregue pelo MDP/CDE uma petição, com 1871 assinaturas de cidadãos do concelho, solicitando ao Executivo camarário, que solicitasse à Administração da mina a cedência dos terrenos conhecidos como Horta da Mina para jardim público. Feito o pedido, a Administração da mina respondeu em 2 de outubro, afirmando que só o conjunto do Conselho de Administração podia decidir sobre o assunto, tendo ficado o Engº Limpo de Faria (Administrador por parte do Estado) de estabelecer contactos entre a Administração belga e o Estado português sobre o assunto e informar a Câmara Municipal do resultado desses contactos. Em 20 de Dezembro de 1974 este assunto não tinha sofrido desenvolvimentos pelo que a Câmara solicita à Pirites Alentejanas uma explicação para o facto. Entretanto, no dia 13 de março de 1975, um grupo de jovens, em nome da “Comissão Filhos do Povo”, apela à ocupação desse espaço, o que veio a verificar-se ainda nesse dia. Essa ocupação originou uma reunião no Governo Civil de Beja, que contou com a presença do Governador Civil, um representante das Forças Armadas, o Engº Jacques Louis em representação da Pirites Alentejanas e o Professor Luís Bartolomeu em representação do Município de Aljustrel. Em 1959 morre o Engº Van Vliet e a casa ficou praticamente desabitada, apenas utilizada esporadicamente. Esse espaço verde desaproveitado fez sonhar muitos dos que por ali passeavam, sobretudo nos meses de verão, em que a escassez de sombras mais se fazia sentir. Pós-25 de Abril Com o 25 de Abril, os sonhos ganharam alento e em 11 de se- 2016

[close]

p. 15

abril 2016 | Boletim Municipal | Aljustrel 15 Jardim 1977 do Lar da 3ª Idade, integrado na Santa Casa da Misericórdia de Aljustrel e que funcionava noutras instalações. Entretanto, o Município construiu o Parque Desportivo, constituído por um polidesportivo com as dimensões máximas e balneários, de acordo com um projecto oferecido pelo Arqº Henrique Albino. A sua construção teve também uma considerável comparticipação da população, tanto em mão-de-obra, como em materiais, tendo sido inaugurado em 1980 nas comemorações do 25 de Abril. Mais tarde já em 1992, o Parque Desportivo é ampliado com dois courts de ténis. Nos anos 80 a empresa Pirites Alentejanas S.A. cedeu à Santa Casa da Misericórdia de Aljustrel o direito de superfície de uma parcela de terreno anexa ao jardim, destinado à construção do Infantário “A Borboleta”, que veio a ser concluído em 1987. Relativamente ao remanescente do jardim, foi convicção generalizada da população que este imóvel se teria manido na posse da Câmara Municipal, ou seja, na posse do povo de Aljustrel - o que não se veio a verificar. Atualidade Em 2013, a Câmara adquiriu à Santa Casa da Misericórdia de Aljustrel o Jardim 25 de Abril e o Lar da 3ª idade. Os imóveis, com uma área total de 9 mil m2, foram adquiridos por cerca de 420 mil euros. Esta aquisição possibilitou a concretização da candidatura da empreitada do “Parque da Vila de Aljustrel” ao Programa Operacional Regional do Alentejo 2007/2013 – InAlentejo, que permitiu requalificar e apetrechar esta zona nobre da vila com um conjunto de infraestruturas públicas de lazer propícias à prática do desporto e fruição cultural, colocando-as ao serviço da população de Aljustrel e inauguradas no dia 25 de abril de 2016, projeto que significou um investimento de 1 milhão e 53 mil euros. 1977 Concerto Banda 1977 2013 Vista para o edifício 2013 1978 Jardim Público 1978 Nessa reunião o Engº Jacques Louis concordou na cedência do espaço pedido para Jardim Público, que não incluía a residência nem o terreno hoje ocupado pelo Infantário, exigindo apenas que fosse construído um muro a separar a propriedade agora cedida da casa oficial da Administração da empresa, a fim de preservar a sua privacidade. O espaço cedido ficou à responsabilidade da edilidade, que em estreita colaboração com uma “Comissão do Jardim”, entretanto criada, foi efectuando alguns melhoramentos, tais como um bar com esplanada, dois parques infantis, um palco em madeira e um lago. Estes melhoramentos contaram com uma significativa comparticipação de mão-de-obra voluntária da população e o espaço foi progressivamente ganhando feições de jardim público, passando a ser muito frequentado pela população. Em 1977 a Administração da empresa Pirites Alentejanas cedeu a antiga residência do Director Técnico para a instalação Entrada do Jardim 2013 História

[close]

Comments

no comments yet