Jornal Abril 2016

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Abril 2016

Popular Pages


p. 1

Informativo Oficial do Sindicato dos Policiais Civis - Ano XXII - Abril de 2.016 - nº 231 POLÍCIA CIVIL: NÃO HÁ O QUE COMEMORAR Em seus 110 anos de existência, no Dia do Patrono da Instituição, Tiradentes, a ocasião não é para comemoração, mas sim para lamentação. Há dois anos sem receberem nenhum centavo de reajuste, os policiais civis veem seus salários engolidos pela crescente inflação. Além disso, a proporção entre policial civil por número de habitante chegou ao seu mais distante índice na história. A falta de efetivo é algo altamente preocupante e já compromete o trabalho de Polícia Judiciária. Veja na página 02. SECCIONAL DE BEBEDOURO PROSSEGUE OPERAÇÃO O delegado Seccional de Bebedouro, dr. José Eduardo Vasconcelos, iniciou a segunda fase da Operação Alba Branca, que investiga fraudes em licitações e tomadas de preço para a compra de merenda escolar, com pagamento de propina. Na ação, sete pessoas foram presas. Saiba mais na página 08. E MAIS: 4 Jurídico do Sinpol consegue vitórias importantes; 4 Confira em Radar e Parabólica as notícias geradas pelos policiais civis da região; 4 3º DP de Franca prende envolvidos com tráfico; 4 1º DP de São Carlos esclarece tentativa de homicídio; 4 Em Bebedouro, DISE apreende metralhadora e prende três; 4 DIG Ribeirão realiza Operação Mercúrio; 4 Sinpol denuncia falta de policiais civis em Barretos; 4 Filha de carcereira, Alana Araji lança romance policial; 4 Vem aí o Torneio União Sinpol de Futebol Society; 4 DISE Ribeirão apreende 60 kg de maconha. SINPOL VAI ENDURECER NEGOCIAÇÕES Impresso Especial 9912250402 - DR/SPI Sinpol CORREIOS SINPOL - Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto Foto: Sinpol Rua Goiás, 1.697 - Campos Elíseos - Ribeirão Preto - SP CEP: 14085-460 - Fone: (16) 3612-9008 Fone Jornal: (16) 3610-2886 - jornaldosinpol@uol.com.br Em reunião organizada pela Feipol/Sudeste, o Sinpol e outros sindicatos se preparam para tomar medidas mais drásticas contra a falta de diálogo do governo Alckmin em relação à pauta de reivindicações entregue no início de 2015 e que até agora não evoluiu. Manifestação na Capital e Operação Padrão serão executadas. Confira na página 09. Abril/2016

[close]

p. 2

ESPECIAL POLÍCIA CIVIL FEZ 110 ANOS E, NO DIA DE TIRADENTES, TEM POUCO A COMEMORAR recursos humanos muito grande. Fica até difícil estimar. Mas só para se ter uma ideia, seriam necessários somente na cidade de Ribeirão Preto, 400 investigadores, 500 escrivães e pelo menos 100 delegados, isso em números redondos. E não estamos falando do Deinter-3 [Departamento de Polícia Judiciária do Interior, que comanda a Polícia Civil em 93 cidades da região], nem da Seccional de Ribeirão Preto. Estamos falando única e exclusivamente da necessidade da cidade de Ribeirão Preto. E o governo, quando contrata, se muito chama 400 policiais civis para todo o Estado. Não dá um por cidade, já que temos mais de 500 municípios”, lamenta Eumauri. Aposentados do Sinpol Na última edição, a reportagem do Jornal do Sinpol fez um levantamento no número de associados que se aposentam, publicado a cada edição na página 04. Entre janeiro de 2015 e janeiro de 2016, aposentaram-se 64 policiais civis nas 93 cidades da região do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto. Este número corresponde somente a policiais civis sindicalizados (veja gráfico nesta matéria). De acordo com Eumauri, neste mesmo período, a região não chegou a receber sequer 10 policiais civis. “Pelo que tomamos conhecimento, destes policiais civis que para nossa região vieram no último ano, apenas dois continuam trabalhando. E saíram 64, de diversas carreiras”, contabiliza Eumauri. De acordo com o presidente do Sinpol, em se considerando somente o número de filiados aposentados no período de um ano, apenas 3,2% das lacunas foram preenchidas. Nesse caso, excluindo-se aí os que se aposentaram, mas não são sindicalizados, além daqueles que faleceram ou que se desligaram por qualquer outro motivo da Instituição. Diferença O vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, em entrevista ao Jornal do Sinpol em 2015, falou sobre essa questão, numa época em que não havia a tecnologia dos dias atuais, mas havia gente em número suficiente para que o trabalho de Polícia Judiciária fosse feito a contento, traduzindo-se em credibilidade e respeito para os policiais civis de Ribeirão Preto e região, considerados entre os melhores no Estado. “Trabalhei no 2º DP [Distrito Policial] na década de 1980. Éramos 12 investigadores e cinco A Instituição tem uma história com muitas glórias, mas o presente é de incertezas: com o quadro de funcionários no nível mais baixo em proporção à população O dia 21 de abril, data em que é comemorado o Dia de Tiradentes, patrono da Polícia Civil do Estado de São Paulo, chega em 2016 com muito pouco ou quase nada para se festejar. A Instituição foi oficialmente criada através da Lei 979, de 23 de dezembro de 1905, pelo presidente do Estado, dr. Jorge Tibiriçá Piratininga. Estava oficialmente criada a Polícia Civil de Carreira do Estado de São Paulo, cabendo ao secretário da Justiça da época, dr. Washington Luís Pereira de Souza - que posteriormente tornou-se presidente da República -, as primeiras providências para organizá-la. Hoje, aos 110 anos, há muito pouco ou quase nada para se comemorar nesta data antes festiva para a Instituição. O quadro de servidores atingiu seu nível mais baixo em sua história, proporcionalmente à população. Há vários anos, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) não divulga os números oficiais, mesmo sendo constantemente inquirida a prestar informações. A secretaria, que comanda a Polícia Civil e a Polícia Militar, alega que não divulga o número de servidores por questões de segurança e estratégia. Todavia, segundo o presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, o motivo é outro. “Nunca vimos um número tão baixo de policiais civis. A Polícia Civil tem uma defasagem de 02 Abril/2016

[close]

p. 3

meação e a posse para começarem a cursar a Academia de Polícia Civil. Mas o governador não convoca. Quando o faz, é a conta gotas. E acaba não dando conta da enorme demanda de recursos humanos que a Polícia Civil necessita”, lamenta Eumauri. Foi o que ocorreu, por exemplo, no dia 08 de março de 2016. Alckmin publicou no “Tem muita gente aprovada de concurso de 2012, 2013 que não DOESP (Diário Oficial do foi chamada”, garante Eumauri Estado de São Paulo) a escrivães. Não tinha nada de informática. Mas nomeação de 1.078 profissionais para a Polícia nessa época, 95% de todos os crimes aconteci- Civil e para a Polícia Técnico-Científica. De acordos na área do Distrito eram esclarecidos. Para do com a publicação, foram nomeados 50 delesaber da ficha do suspeito, você puxava pelo gados, 346 investigadores e 394 escrivães para CEPOL [Centro de Comunicações e Operações a Polícia Civil. Já para a Polícia Técnico-Científida Polícia Civil]. Tinha rádio nas viaturas, não ca, foram chamados 112 peritos, 73 auxiliares de existia celular. Você solicitava e ficava sabendo necropsia, 30 fotógrafos, 15 desenhistas, 23 da vida do cara sem problemas. Saí do 2º DP e fui atendentes de necrotério e 35 médicos legistas. para a DIG [Delegacia de Investigações Gerais]. Depois de nomeados, eles aguardaram alNós éramos 39 investigadores. O 2º DP atual- guns dias até a posse, que ocorreu no dia 22 de mente tem dois investigadores [em 2015]. Na- março, no Palácio das Convenções do Anhembi. quela época tinha 12. É uma diferença muito gran- Os 790 aprovados para as três carreiras da Políde. A cidade cresceu, a criminalidade aumentou cia Civil e os 288 aprovados para as seis carreie até tem equipamentos. Mas o governo não ras da Polícia Técnico-Científico ainda deverão abre concurso, não tem gente para trabalhar. Hoje passar pela Academia de Polícia Civil, com curprecisamos de mais de cem por cento de investi- sos em torno de três meses de duração. Depois gadores, escrivães, delegados, enfim, de todas ainda serão submetidos ao estágio probatório. as carreiras para fazer o serviço de acordo com o “O processo para contratação dos policiais que a população deseja”, lamenta Célio. civis é extremamente demorado. E fica ainda pior Concursos quando o governo tem milhares de aprovados Segundo o presidente do Sinpol, Eumauri e, por alegar não ter dinheiro, não chama os noLúcio da Mata, há centenas, talvez milhares de vos policiais civis para preencher os enormes policiais civis aprovados em concursos que vazios nos recursos humanos dentro da Polícia aguardam nomeação. “Tem gente de concurso Civil”, reclama Eumauri. de 2012, 2013 que ainda não foi chamado. Já pasPara piorar, esta quantidade de policiais cisou por todas as fases, restando somente a no- vis deverá ser fragmentada, isto é, distribuída em várias cidades do Estado, todas muito caren- ados e ouvir seus anseios. A grande reclamação tes de recursos humanos. “Os 790 nomeados do policial civil sempre foi em relação aos salárimal resolveriam o problema da cidade de Ribei- os. Sempre me pediam para continuar lutando rão Preto, quanto mais se forem mandados para pelo reajuste salarial, como fizemos incessanteas mais de 500 cidades de São Paulo. É uma ver- mente. Mas, de uns anos para cá, essa situação gonha. Eles estão aguardando desde 2013 e ele mudou. Não que o policial civil esteja ganhando não nomeou nem a metade dos investigadores”, bem. Muito pelo contrário. Aliás, faz dois anos disse Eumauri. De acordo com a última pesquisa que esse governo insensível não nos dá um cenrealizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geo- tavo sequer de reposição salarial, num período grafia e Estatística), em 2015, o Estado de São onde a inflação passou de um dígito e está miPaulo tem 645 cidades. De acordo com o presi- nando o poder aquisitivo da categoria. Mas dente do Sinpol, apesar das demais carreiras te- mesmo diante dessa situação, o maior pedido é rem grandes necessidades de suprir os recursos para que lutemos incansavelmente pelo aumenhumanos, a carreira de escrivão é a que mais to no número de recursos humanos. É o que padece, diante do enorme volume de trabalho, temos feito, mas o governador parece não estar que segundo o sindicato, chega a ser desuma- muito preocupado conosco. Nem tão pouco com no. a população. Nosso patrão de fato e de direito é “Se o governo destinar um escrivão para a população. Mas por conta de um governo que cada cidade, ainda assim, não irá atender todos se nega a conversar e a praticar uma política os municípios. Cerca de 50% deles não vão re- justa para a Segurança Pública, acaba padecenceber um único escrivão. O mesmo acontece com do juntamente com os policiais civis. Se o goinvestigador. Delegado, então, não dá nem para vernador não mudar imediatamente de postura, considerar. São 50 delegados para 645 cidades. estamos vivendo os últimos suspiros de nossa Sem contar que a maioria deles acaba mesmo Polícia Civil. São 110 anos, mas chegando ao ficando na Capital e Grande São Paulo”, lamenta final de sua história de glórias”, concluiu Eumauri. Eumauri. Em nota, a Assessoria de Imprensa da SSP informou que foram contratados 2.960 policiais civis desde 2011. A questão, segundo Eumauri, é com relação à distribuição destes policiais civis. “Ainda que este número seja verdadeiro, pouquíssimos policiais civis vieram para a nossa região, do Deinter-3. Antes nós percorríamos as delegacias em toda a nossa região, para levar Falta de policiais civis, sobrecarga e longas esperas para informações aos associque a população possa registrar uma ocorrência Abril/2016 03

[close]

p. 4

EDITORIAL CARNE DE PESCOÇO “carne de pescoço”. Vamos mostrar que ele não é dono do poder, não é nosso patrão. Ele nos deve, no mínimo, respeito. E respostas ao que reivindicamos. Deve contratar urgentemente. Deve reajustar os salários. Deve dar condições dignas de trabalho servidor público não é escravo. Ou o governador já se esqueceu de que sobre ele também pairam dúvidas tenebrosas? Sim, há denúncias de desvios no Metrô, na questão das merendas, todas envolvendo membros do seu partido. São denúncias, é verdade. Assim como muito do que se imputa ao governo Federal. Portanto, telhado de vidro ele também tem. Resta saber se vai se arriscar a quebrá-lo ou fazer o que tem que ser feito. Contamos com a união de todos. Só assim conseguiremos a vitória. CÉLIO ANTONIO SANTIAGO Presidente em exercício do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto) EXPEDIENTE O Jornal do Sinpol é uma publicação oficial, de circulação mensal, do Sindicato dos Policiais Civis da Região de Ribeirão Preto. Rua Goiás, 1697 - Campos Elíseos CEP: 14085-460 - Ribeirão Preto - SP e-mail: sinpolrp@sinpolrp.com.br Diretoria: Presidente: Eumauri Lúcio da Mata Vice-Presidência: Célio Antonio Santiago, Darci Gonzales, João Gonçalo Palaretti, Dorlei Morales, Luís Henrique Maringolli de Lima e José Gonçalves Neto; Suplentes: Adilson Massei, Sérgio Ribeiro dos Santos, Luiz Henrique Batista, Carlos Henrique Carneiro Scarparo, Targino Donizete Osório, Adhemar Pereira da Costa e Cláudio Expedito Martins; Secretários: Fátima Aparecida Silva e Doracy Alves da Silva; Suplentes: José Álvaro Ament Júnior e Luís Henrique Zanoello. Diretores Financeiros: Júlio Cesar Machado e Carlos Henrique Pischiotini; Suplentes: José Angelo Marques e Josiane Kátia P. do Nascimento. Patrimônio: Arnaldo Vaz Ferreira; Suplente: Olavo Elias dos Santos. Conselho Fiscal: Prisclia Yoshi S. Hashimoto, Clévis Samuel Lors de Faria e Diva Rodrigues dos Santos; Suplentes: Robert Schmengler Guilhaume, Marisa Lelis Takata e Jefferson Pessoti; Delegados Sindicais: Antonio Carlos Schivo e Josiane K. P. de Souza; Suplentes: Décio Kury Marques e Hélio Augusto da Silva. O JORNAL DO SINPOL É UMA PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DO LABORATÓRIO DE NOTÍCIAS R. Paschoal Bardaro, 633-A - Jd. Irajá Ribeirão Preto - SP Fone/fax: (16) 3610-2886 DIRETOR DE JORNALISMO: Adalberto Luque - MTb 19.218 EDITOR CHEFE: Júlio Castro O Jornal do Sinpol não se responsabiliza por especificações ou informações que não estejam previstas no contrato de publicidade AS COBRANÇAS SERÃO FEITAS EXCLUSIVAMENTE POR: Martha J. Araújo Luque (Ribeirão Preto); na região por boleto bancário emitido pelo Laboratório de Notícias DEPARTAMENTO COMERCIAL: CONTATOS EXCLUSIVOS DEVIDAMENTE AUTORIZADOS: Fernando Mendonça Antonio Pereira Alvin Vanderlei Costa Aparecido Donizete Tremura Marcos Antonio Fernandes EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Laboratório de Notícias Fone: (16) 3610-2886 e-mail: jornaldosinpol@uol.com.br Os artigos assinados não refletem, necessariamente, o conceito do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. O governador Geraldo Alckmin tem mostrado duas faces ao mesmo tempo. Para a população, ele tenta demonstrar sua indignação contra a crise política e econômica que se instalou no Brasil por conta de muitos desacertos cometidos no governo federal, com denúncias gravíssimas de corrupção, muitas das quais já comprovadas. Quer aparecer como uma segunda via, uma opção contra tudo o que se institucionalizou de negativo no Brasil. Já para o servidor público, incluindo nós, policiais civis, Alckmin mostra a sua verdadeira face: a de um administrador que está no poder, mas não o detém. Aquele que é outorgado pelo povo através do voto - e nunca é demais lembrar que o servidor público também é povo, também vota. Mas ele se reveste do poder para ignorar e pisar nos servidores públicos, sabedor que é da força que obteve nas urnas nas últimas eleições, vencendo o pleito sem a necessida- de de um segundo turno. Isso não quer dizer, senhor Alckmin, que o senhor tem salvo conduto para fazer o que bem entende. Suas ações estão sucateando a Polícia Civil a cada dia. O quadro de funcionários é altamente deficitário. Seria necessário contratar dezenas de milhares de policiais civis para recompor o quadro da Instituição. Para piorar, Alckmin age como carrasco e se dá ao direito de não reajustar nossos salários, independente se vivemos ou não em tempos de alta inflação, como o atual. Há dois anos não temos um centavo sequer de reajuste. Mas a história está mudando. Agora é hora do basta. Nós, policiais civis, não vamos mais aguentar esse desmando. E aproveito para convocar todos os companheiros a nos unir em torno da luta que já foi deflagrada. Nenhuma de nossas reivindicações foi respeitosamente tratada por Alckmin e sua equipe. Agora é hora de arregaçar as mangas e mãos a obra. Chega desse governo Novos Associados Associaram-se ao Sinpol em março os seguintes policiais civis: - Marcelo Henrique Pereira Rego, escrivão; - Tiago Henrique Piza, agente; - Claudinei Nunes dos Santos, agente. A diretoria do Sinpol dá boas vindas aos novos associados e está à disposição de todos os policiais civis que quiserem integrar o quadro associativo do sindicato. Do Leitor Parabéns pela matéria deste mês acerca das nomeações. Excelente. Obrigada. Amanda Pinheiro Machado (por e-mail) Falecimentos A diretoria do Sinpol comunica, com pesar, os seguintes falecimentos: + Agostinho Falconi, avô do investigador Júlio César Falconi Ferreira, ocorrido em 08/03; + Antonia Moreno Mansano, mãe do agente policial aposentado José Carlos Mansano, ocorrido em 25/03; + Olímpia da Silva Santiago, mãe do investigador e vice-presidente do Sinpol, Célio Antonio Santiago, ocorrido em 27/03. O Sinpol manifesta seus sentimentos aos familiares. Aposentados Associado do Sinpol que ingressou no quadro de aposentados em março: - Júlio César Cazu, escrivão de Classe Especial. A diretoria do Sinpol felicita o policial civil por sua brilhante carreira, desejando-lhe poder usufruir seu merecido descanso com muita saúde e alegria. Plano de Saúde 1 Atenção associados. Verifiquem a data de validade no cartão magnético do convênio São Francisco, especialmente dos dependentes que cursam faculdade. Para que não ocorra carência, a declaração escolar deverá ser enviada, impreterivelmente, 20 dias antes da data limite de validade. Na dúvida, confira o verso da carteira do plano de saúde, onde consta a data do término da validade. Não deixe para a última hora. Maiores informações na Central de Atendimento Sinpol, telefones (16) 3625-3890 / 3612-9008 / 3979-2627. Cantina para o Associado A Cantina da Chácara do Sinpol, sob o comando de Paulo e Cristina, tem agradado bastante aos associados. Além de porções, aos sábados e domingos estão sendo servidos pratos feitos. A cerveja, o suco e o refrigerante estão sempre na temperatura ideal e constantemente há muitas novidades para os associados. Maiores informações e reservas nos telefones (16) 99398-6912, com Paulo ou (016) 99398-8820 com Cristina. Atualização de dados Sinpol Para atualização de dados e de situação profissional, principalmente dos recém-aposentados, o Sinpol está promovendo um recadastramento de todos os associados. Participe da atualização e garanta o recebimento de toda correspondência que enviamos, procurando a Secretaria do Sinpol, ou enviando e-mail para secretaria@sinpolrp.com.br. Plano de Saúde 2 Devido a reclamações recebidas junto à Secretaria do Sinpol, a diretoria do Sindicato pede aos associados usuários do Plano de Saúde que confiram suas cobranças de coparticipação em consultas e exames relativos ao uso do convênio médico. Qualquer dúvida, entrar em contato com a Central de Atendimento do Sinpol, pelos telefones (16) 3612-9008 / 3625-3890. IAMSPE O Sinpol informa que o advogado Antonio Roberto Sandoval Filho, de São Paulo, não está mais ingressando com a ação do IAMSPE (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual). Atenção policiais civis O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, comunica aos associados que, caso necessitem de amparo na área jurídica relacionado à aposentadoria, assim como para acompanhar o andamento de ação já ajuizada, primeiramente entrem em contado com os diretores do Sindicato, através de nossa Central de Atendimento Sinpol, fones (16) 3612-9008 / 3625-3890 / 3977-3850 para oportuno agendamento com o dr. Ricardo Ibelli. Dia das Mães A diretoria do Sinpol tem a honra de convidar todos os policiais civis sindicalizados e seus familiares para mais um grandioso evento, no dia 15 de maio de 2016, na Chácara do Sinpol, em comemoração ao Dia das Mães. A festa será abrilhantada por Dico Santiago e Banda e, para a alegria dos associados, a Cantina vai preparar a tradicional feijoada. Haverá muitas brincadeiras para as crianças, com palhaço, pintura facial, aula de auto maquiagem especial para todas as mamães que estiverem presentes e a entrega de muitos brindes. A unidade do Doutor Móvel também estará presente para auferir pressão arterial, fazer testes de glicemia e dar orientação aos presentes, sobretudo voltado para a saúde da mulher. A feijoada será servida em prato pronto por apenas R$ 16,00 o prato. As reservas podem ser feitas na sede do Sinpol, pelo telefone (16) 3612-9008 ou com Paulo e Cristina da cantina, pelo celular (16) 99398-6912. Notas 04 Abril/2016

[close]

p. 5

JURÍDICO SEIS VITÓRIAS, UMA INÉDITA QUE ABRE PRECEDENTE vitórias para associados. E em outras áreas as conquistas também passam a ocorrer. Uma vitória importante foi obtida pelo Sinpol em favor do perito criminal de Bebedouro, José Roberto Pereira. “A matéria e nova e, através desta liminar, foi concedido o afastamento por saúde do policial sem os descontos em seus salários. Ainda não saiu a sentença de primeira instância e cabe recurso da parte contrária, mas a decisão abre precedente para todos os policiais civis que pedirem licença saúde”, explicaram os advogados Ricardo Ibelli e Viviane C. Pinheiro Ibelli. A liminar, obtida na 2ª Vara Cível de Bebedouro, também foi comemorada pela diretoria do Sinpol. “Nosso departamento jurídico conseguiu liminarmente que o Estado não possa descontar dos vencimentos do José Roberto Pereira os dias em que estiver em licença saúde caso não seja dado o deferimento final, com seus permitidos recursos e a consequente publicação no Diário Oficial. Essa medida visa garantir o direito de cuidar de sua saúde sem que o Estado possa reter seus vencimentos. É uma violência do Estado que pode prejudicar muitos funcionários. A decisão é liminar, portanto pode ser caçada, mas acreditamos no bom senso da Justiça. Além disso, já entramos com mandado de segurança coletivo visando impedir que a Fazenda Pública deixe de fazer o pagamento do servidor em gozo de licença de saúde. Esse mandado de segurança ainda está tramitando”, informou o presidente em exercício do Sinpol, Célio Antonio Santiago. A seguir, trechos do despacho que garantiram a liminar. “A análise ... traz à evidência não só a possibilidade de conceder a liminar requerida, mas também a viabilidade e a necessidade dessa medida acautelatória do direito do impetrante. Com efeito, para o deferimento da liminar em mandado de segurança é necessária, de acordo com a lição sempre presente de Hely Lopes Meirelles (Mandado de Segurança, ..., a concorrência de dois requisitos legais, ou seja, a relevância dos motivos em que se assenta o pedido na inicial e a possibilidade da ocorrência de lesão irreparável ao direito do impetrante se vier a ser reconhecido na decisão de mérito ... A medida liminar não é concedida como antecipação dos efeitos da sentença final, é procedimento acautelador do possível direito do impetrante, justificado pela iminência de dano irreversível de ordem patrimonial, funcional ou moral se mantido o ato coator até a apreciação definitiva da causa. No caso destes autos, esses requisitos resultam, como já adiantado, evidenciados, o que permite a conclusão imediata da plausibilidade do direito invocado. Com efeito, pelo que se percebe da motivação do pedido formulado e da documentação anexada a inicial, a providência que se almeja está ligada ao direito de afastamento para tratamento de saúde sem descontos nos vencimentos, ameaçado pela decisão proferida pela autoridade apontada coatora. Essa situação deixa clara a plausibilidade do direito invocado ... e, também, dada a característica da atividade profissional do impetrante e as consequências que o ato impugnado lhe acarretariam, o necessário fumus boni juris. Isso posto, defiro a liminar requerida, fazendo-o para determinar à autoridade impetrada que suspenda os efeitos da decisão atacada, imediatamente, até o julgamento definitivo deste mandamus.” Os advogados do Sinpol mantiveram a produtividade em alta e garantiram novas vitórias, uma delas liminar que impede o Estado de descontar dos vencimentos dias de licença saúde O departamento jurídico do Sinpol conquistou novas e importantes vitórias para os policiais civis. Foram cinco envolvendo questões de aposentadoria e uma inédita, que abre precedentes para outros policiais civis que vierem a pedir afastamento médico, impedindo que a Fazenda Pública desconte os dias de licença de saúde. Nas questões de aposentadoria, cinco policiais civis foram favorecidos. O primeiro foi o escrivão em Barrinha, Antonio Carlos Schivo, em processo de aposentadoria especial. Ele perdeu em primeira instância, o jurídico do Sinpol recorreu para o Tribunal e a sentença foi favorável. Ainda cabe recurso. O auxiliar de papiloscopista Renato dos Santos, de Viradouro, ganhou em primeira e segunda instâncias a ação ordinária para reversão da aposentadoria, da LCE (Lei Complementar Estadual) 1062/2008 para a LCF (Lei Complementar Federal) 51/1985. Ainda cabe recurso. O investigador de São Simão, Walter Aparecido Lessem teve deferido parcialmente a liminar favorável à aposentadoria com paridade e integralidade, porém ainda falta a sentença e cabe recurso. O carcereiro de Orlândia, Carlos Henrique Ferreira da Silva, obteve em primeira instância mandado de segurança garantindo aposentadoria especial pela Lei 51/85. Ainda cabe recurso de apelação. O investigador aposentado de Jardinópolis, José Mário dos Santos, obteve sentença favorável à reversão de aposentadoria, garantindo paridade e integralidade, porém ainda cabe recurso do SPPREV e Fazenda Pública. Vitória importante Nas questões de aposentadoria, o jurídico do Sinpol tem colecionado centenas de Dra. Viviane e dr. Ricardo conseguiram liminar em favor de perito sindicalizado ao Sinpol garantindo que o Estado não lhe desconte dias de licença saúde Abril/2016 05

[close]

p. 6

BARRETOS Declaração do Seccional de Barretos à imprensa incomodou policiais civis que recorreram ao Sinpol para expor o problema O Jornal de Barretos publicou, na edição de 19 de fevereiro de 2016, uma reportagem com a participação do delegado Seccional da cidade, dr. Edson João Guilhem, onde ele tentou minimizar, de acordo com o texto publicado no jornal, a falta de policiais civis naquela Seccional. Na reportagem, o Jornal de Barretos revela o problema da falta de delegados, conforme texto publicado na íntegra a seguir: “Juntas, Colômbia, Jaborandi, Severínia, Cajobi, Embaúba e Altair, somam 46.781 habitantes. Em comum, vivem o mesmo problema relacionado à segurança pública: a falta de delegado titular. Para se ter uma noção do problema, a população destas seis cidades sem um representante da Polícia Civil equivale a mais de uma Guaíra, que tem 39.813 moradores. O número de cidades da região que convivem sem um delegado de polícia titular representa mais da metade dos 11municipios abrangidos pela delegacia seccional de Polícia Civil, órgão vinculado à secretaria estadual de Segurança Pública (SSP/SP). O delegado seccional, Edson João Guilhem, disse que por determinação da SSP não pode comentar sobre a falta de delegado em mais da metade das cidades sob sua jurisdição e que o assunto só pode ser tratado pela secretaria. Ele tenta amenizar o problema, explicando que estas cidades não estão inteiramente descobertas, pois recebe visitas temporárias de delegados de outros municípios para despachar as ocorrências registradas. Explicou que na área da seccional não há falta de investigadores nem de escrivães.” O presidente do Sinpol, Eumauri Lúcio da Mata, discorda das informações prestadas pelo delegado Seccional de Barretos. “Embora não seja área de atuação do Sinpol, temos recebido constantes reclamações dos policiais civis sobre o que acontece em Barretos. Esse delegado Seccional, com todo o respeito, está, no mínimo, equivocado. Temos relatos de policiais civis sindicalizados ao Sinpol, naquela Seccional, que nos garantiram que não é isso que está ocorrendo no dia a dia daquela região. Sabemos que há delegacias que trabalham com apenas um escrivão. Porém, quando este escrivão está de férias ou de plantão, a delegacia fica sem escrivão e é necessário remanejar escrivão de outra unidade para cobrir sua falta. Um policial civil de lá nos procurou indignado dizendo que vários colegas já se aposentaram e não foram substituídos. Sinceramente, não entendemos a declaração do Seccional de que não falta funcionário. Será que Barretos é a única Seccional do interior do Estado que não tem falta de policiais civis?”, indaga Eumauri. Em sua estrutura, Barretos conta com 20 delegacias na área da Seccional, incluindo as especializadas DIG (Delegacia de Investigações Gerais), DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) e duas cadeias - uma em Severínia e outra em Colina. O efetivo conta com 18 delegados, de acordo com o jornal. Reengenharia De acordo com Eumauri, outra questão preocupante foi o anúncio feito pelo Seccional de Barretos sobre o projeto de implantar a Central de Polícia no prédio da antiga Cadeia de Barretos. A informação circulou na imprensa local no dia 15 de janeiro. O delegado Seccional explicou aos jornalistas que somente a DDM não funcionaria no mesmo local que as demais especializadas. “Para resguardar a mulher, teríamos que fazer entrada independente, o que não seria viável”, acrescentou o delegado. Além de receber todos os distritos policiais de Barretos, o prédio irá receber também o Plantão Policial, a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) e a DISE (Delegacia de Investigação Sobre Entorpecentes). “Seria uma unidade aberta à população e bem localizada”, afirmou aos jornalistas. Segundo Eumauri, a história que têm se Eumauri contesta declarações de Seccional de Barretos publicadas na imprensa regional informando que não há falta de efetivos: “falta muita gente não apenas em Barretos, mas em toda a área do Deinter-3 e, para piorar, aquela Seccional continua promovendo a famigerada ‘reengenharia’, que junta nada com coisa nenhuma” SINPOL DENUNCIA FALTA DE FUNCIONÁRIOS visto nas cidades que já adotaram a Reengenharia não funciona desta forma. “O governo vai acabar reduzindo os índices de criminalidade, principalmente nas ocorrências de pequena monta. Uma pessoa vai acabar desistindo de prestar queixa quando se der conta de que a delegacia, que ficava perto de sua casa, mudou para a região central. Pela dificuldade de locomoção, só vai prestar queixa se realmente for essencial”, destacou o presidente do Sinpol. Apesar de aglutinar quase todos os setores da Polícia Civil em Barretos, a Seccional deverá permanecer em sua atual sede, na Rua 12. O projeto, todavia, não teve prazo divulgado para seu início ou conclusão do prédio na Rua 30, onde antes era a cadeia. Para o presidente do Sinpol, a Reengenharia é um processo que, além de não atender a necessidade de aumentar os recursos humanos, ainda dificulta à população o acesso à Polícia Civil, pois concentra vários órgãos num único lugar. “Costumo dizer que a reengenharia é juntar o nada com a coisa nenhuma, para dar a impressão de que não falta gente na Polícia Civil”, finaliza Eumauri. 06 Abril/2016

[close]

p. 7

DIG A ÇÃO REALIZA OPERAÇÃO MERCÚRIO num dos locais onde foram cumpridos os mandados de prisão temporária. A equipe chefiada pelo dr. Daur Filho localizou também a caminhonete Hillux, produto de leasing da Polícia Rodoviária. Os policiais civis encontraram ainda duas armas, uma delas réplica e outra uma espingarda. Durante as buscas, os policiais civis encontraram ainda aparelhos utilizados para adulterar os veículos. Os presos durante a operação foram encaminhados à sede da DIG. O veículo com indícios de adulteração que foi recuperado durante a ação foi apreendido e também levado para o prédio da DIG. Dos 12 mandados de prisão, 11 pessoas acabaram capturadas. Os policiais civis indiciaram, no total, 13 pessoas pela prática criminosa de furto, roubo, receptação e adulteração de veículos. Toda a ação concentrou-se no período da manhã de 08 de março. As investigações prosseguem para descobrir se há mais envolvidos. F.B.F., de 21 anos, preso em São Sebastião do Paraíso, trabalhava numa empresa que faz emplacamentos de veículos naquela cidade. “Eles eram muito profissionais. As investigações duraram cerca de um ano e agora será possível esclarecer muitos crimes praticados neste período”, concluiu o dr. Daur Filho. Ação ocorreu em várias cidades da região de Ribeirão Preto e até na cidade de São Sebastião do Paraíso, sul de Minas Gerais A DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Ribeirão Preto deflagrou, no dia 08 de março, a Operação Mercúrio, resultado do trabalho de um ano de investigações e de diversas prisões e apreensões realizadas no período, que acabaram motivando o planejamento da ação. Os policiais civis saíram a campo para dar o cumprimento de doze mandados de prisão temporária contra integrantes de uma quadrilha especializada no furto e roubo de veículos, adulteração e remarcação de chassi que ocorria em toda a região. O responsável pela ação, dr. Alexandre Jorge Daur Filho, informou que o grupo era muito bem estruturado, possuindo equipamentos que ajudavam na adulteração de sinal do identificador do veículo. Também possuíam diversos equipamentos para remarcação de chassis e vidros, realizando um trabalho muito bem organizado, beirando à perfeição. Participaram da ação os policiais civis da DIG de Ribeirão Preto, que contou com o apoio da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) também da cidade, além de policiais civis das Delegacias Seccionais de Bebedouro, Franca e Sertãozinho. Foram 35 policiais civis que utilizaram 17 viaturas para dar cumprimento aos mandados de prisão. “Podemos considerar em nossa avaliação que a Operação foi 100% positiva. Foram cumpridos os 12 mandados de prisão. Conseguimos capturar 11 procurados e indiciamos 13 pessoas no total. Foi uma ação bastante eficiente”, avaliou o dr. Daur Filho. Os suspeitos funcionavam como uma verdadeira indústria do crime. Cada um tinha sua função bem definida dentro da organização, voltada para a receptação, falsificação de documentos e adulteração de carros roubados ou furtados. Os mandados foram cumpridos em Serrana, Cravinhos e São Sebastião do Paraíso. Em Ribeirão Preto, os policiais civis cumpriram mandados nos bairros Jardim das Palmeiras, Cândido Portinari, Antonio Palocci, Jardim Irajá, Vila Mariana, Jardim Independência, Ipiranga e Jardim José Sampaio. “Todos têm relação entre si. Uns eram responsáveis por subtrair os veículos, outros faziam os documentos, outros arrumavam as placas, clonavam plaquetas de motor, faziam a remarcação do vidro”, explicou o dr. Daur Filho aos jornalistas. Polícia Rodoviária A ousadia chegou ao ponto dos policiais civis suspeitarem que a quadrilha tenha clonado até mesmo uma viatura da Polícia Rodoviária. De acordo com o dr. Daur Filho, eles roubavam ou compravam veículos batidos e faziam sua adulteração ou clonagem. “Acreditamos que muitos dos veículos eram encomendados. Um dos participantes da quadrilha adquiria veículos batidos, inclusive veículos que eram produtos de leasing destinados à Polícia Rodoviária”, explicou o delegado aos jornalistas. Logo no início da Operação Mercúrio, os policiais civis encontraram um veículo com suspeita de adulteração A partir da esq., Amaral, dr. Daur e Israel, que participaram da Operação Mercúrio Abril/2016 07

[close]

p. 8

SECCIONAL DE BEBEDOURO DEFLAGRA 2ª FASE DA ALBA BRANCA ções prosseguem, inclusive com o objetivo de comprovar se há ou não participação dos políticos apontados como envolvidos no esquema de propina. Com informações da Assessoria de Comunicação Social da Seccional de Bebedouro A Polícia Civil e o Ministério Público Estadual deflagraram a segunda fase da Operação, que resultou em sete novas prisões Policiais civis de Bebedouro, comandados pelo delegado Seccional da cidade, dr. José Eduardo Vasconcelos, ao lado dos integrantes do Ministério Público Estadual, iniciaram no dia 29 de março a segunda fase da Operação Alba Branca, com o objetivo de desarticular, identificar e, sobretudo, responsabilizar criminalmente integrantes de um grupo que vinha fraudando licitações e chamadas públicas para a compra de merenda escolar. Equipes da Polícia Civil saíram logo às 6h00 do dia 29 para cumprir mandados nas cidades de Bebedouro, Barretos, Severínia, Campinas e São Paulo, dos quais 10 eram mandados de busca e apreensão e outros sete de prisão temporária. Um dos presos nesta nova etapa da operação foi o ex-presidente da ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) na década de 1970, Leonel Júlio. Em nota, a assessoria de comunicação social da Seccional de Bebedouro informou o objetivo da ação. “O ponto central desse trabalho de investigação vem sendo focado nos integrantes e também em colaboradores da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), que, conforme as investigações já evidenciaram, vinham fraudando tais procedimentos que visavam à venda e compra de itens que integram a merenda escolar das escolas da rede pública municipal e estadual, causando ainda prejuízos para pequenos agricultores associados”. Todo o esquema de fraude envolve, segundo a Polícia Civil, a Coaf, uma cooperativa criada com o objetivo de comercializar os produtos de seus cooperados, geralmente agricultores que exercem a atividade em família, em pequenas propriedades. Segundo o dr. Vasconcelos informou, ainda na primeira fase da Alba Branca, a Coaf comprava de grandes mercados e repassava os produtos aos municípios e funcionava como uma mediadora de distribuição de propina para envolvidos no esquema fraudulento. Na primeira fase da Alba Branca, deflagrada em 19 de janeiro, nomes de alguns políticos, inclusive da região de Ribeirão Preto, foram associados às fraudes cometidas pelo grupo, que vinham ocorrendo há dois anos em 22 cidades paulistas. As investiga- O delegado Seccional de Bebedouro, dr. José Eduardo Vasconcelos, participou, ao lado do Ministério Público, de segunda fase da Operação Alba Branca que apura fraudes e propinas em licitações para compra de merenda escolar Foto: Seccional de Bebedouro DISE RIBEIRÃO APREENDE À frente do Centro de Inteligência Policial e da DISE, dr. Gustavo coordenou ação de policiais civis da especializada que resultou na apreensão de 60 quilos de maconha em Ribeirão Preto Policiais civis da DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) de Ribeirão Preto localizaram e apreenderam 45 tijolos de maconha, que totalizaram 60 quilos da droga. O material estava escondido em uma residência em construção, localizada na Vila Carvalho, zona norte da cidade. Segundo o delegado titular da DISE, dr. Gustavo André Alves, que também coordena o CIP (Centro de Inteligência Policial), a ação ocorreu no dia 23 de março. Os policiais civis haviam identificado o suposto dono da droga no final de semana anterior ao da apreensão. Segundo o delegado, o dono da droga foi identificado como A.A.C.D., também conhecido pelo apelido de “Guerreiro”. Ele já possuía antecedentes criminais. “Nós ingressamos nessa construção semiacabada e, nos fundos dela, encontramos ocultados os sacos contendo todos esses tijolos 60 KG DE MACONHA de maconha”, explicou o dr. Gustavo. O homem, que já tem passagens por porte ilegal de armas e por tráfico de drogas, não estava no local e o delegado pediu sua prisão temporária, já decretada. Dias depois, os policiais civis da especializada prenderam R.A.S., acusado de movimentar um laboratório de refino de drogas. Segundo o dr. Gustavo, o homem já tinha antecedentes criminais por tráfico de drogas no estado de Minas Gerais. Nas investigações, os policiais civis encontraram, além do laboratório que funcionava na sua residência, um revólver calibre 38, 1,5 quilo de cocaína, 150 gramas de crack, 10 munições, éter, cafeína e material para preparar e embalar a droga. “A DISE vai continuar combatendo fortemente o tráfico e levando os envolvidos para a prisão”, garantiu dr. Gustavo. 08 Abril/2016

[close]

p. 9

SEM PROPOSTA, NEGOCIAÇÕES ENDURECEM 26 de abril haverá uma grande manifestação. Faremos uma passeata, com destino à Rua Líbero Badaró, 39, no centro, onde fica a sede da Secretaria da Segurança Pública. Queremos pressionar o governo quanto às nossas reivindicações e tornar público à população a real situação pela qual atravessa a Polícia Civil”, adiantou Célio. A Feipol vai oficiar a DGP (Delegacia Geral de Polícia), a SSP e o Palácio do Governo quanto à manifestação. Após o ato, o Sinpol pretende convocar umaAGE (Assembleia Geral Extraordinária) para definir sobre o início da Operação Padrão, que ficou acordado em assembleia realizada na sede do sindicato em Ribeirão Preto, no dia 23 de fevereiro de 2016. “Tentamos de todas as formas, sempre mostrando disposição para negociar. O governo não está nem um pingo preocupado com a saúde da Instituição. Não negocia e quer iludir a população como se tudo estivesse em ordem. Não está e agora o caminho não será tão simples como pensa GeraldoAlckmin”, adverte Célio. Manobra Dois dias antes da reunião e, São Paulo, o Sinpol e a Feipol/Se receberam um comunicado do deputado federal Major Olímpio (Solidariedade/SP) alertando para uma manobra dos governos estaduais com o objetivo de não conceder reajustes salariais através de Lei Federal. Trata-se do PLC (Projeto de Lei Complementar) 257/2016 que, segundo o Major Olímpio, sob a justificativa de melhores condições de negociação das dívidas dos estados com a União, impõe diversas condições para estados e distrito federal, entre elas: - não conceder vantagem, aumento, reajustes ou adequação de remunerações a qualquer título; - suspender admissão ou contratação de pessoal, a qualquer título; - elevação das alíquotas de contribuição previdenciária dos servidores e patronal ao regime próprio de previdência social para 14% (quatorze por cento) e 28% (vinte e oito por cento) respectivamente; - reforma do regime jurídico dos servidores ativos e inativos, civis e militares, para limitar os benefícios, as progressões e as vantagens ao que é estabelecido para os servidores da União. O parlamentar pede que policiais civis, militares e familiares pressionem outros parlamentares para que essa lei considerada totalmente danosa para o funcionalismo seja rejeitada. Foto: Sinpol Sinpol e demais sindicatos que participam da campanha salarial farão manifestação em abril e iniciarão Operação Padrão O Sinpol participou de uma reunião organizada pela Feipol/Se (Federação Interestadual dos Trabalhadores Policiais Civis da Região Sudeste), que ocorreu na sede da Nova Central dos Trabalhadores, em São Paulo. O presidente em exercício do Sinpol, Célio Antonio Santiago e a diretora-secretária Fátima Aparecida da Silva representaram o sindicato no encontro, que ocorreu em 24 de março de 2016 e foi solicitado pelo presidente da Feipol/Se, Aparecido Lima de Carvalho, o Kiko. Segundo Célio, o objetivo do encontro foi fazer uma avaliação da situação em que se encontra a negociação que as entidades representativas vêm travando com o governo desde 2015. “Tratamos, prioritariamente, das manifestações que serão tomadas diante da inércia do governador, quanto prioritariamente à reposição salarial e à falta de funcionários, pontos estes cruciais na Instituição. O governo nomeou apenas 20% dos aprovados do concurso de 2013 e a Instituição está totalmente desestruturada”, avaliou Célio. De acordo com o presidente em exercício do Sinpol, tanto o sindicato, quando a Feipol e outras entidades enviaram diversos ofícios e solicitações de agendamento de reuniões para tratar da situação caótica e deplorável da Instuição mas, como de costume, o governo não se mostrou sensível aos problemas dos policiais civis e da própria Instituição. “Por conta disso tudo, ficou definido que no dia Lideranças sindicais dos policiais civis começam a articular manifestações contra o governo Alckmin, cobrando imediato aumento de efetivo e reposição salarial A diretoria do Sinpol está planejando a realização de um torneio de futebol society, que será realizado nas dependências da Chácara do Sinpol. A data ainda não foi definida, mas de acordo com os diretores, ocorrerá entre no final de maio ou início de junho. O torneio é organizado pelo departamento de esporte do Sinpol, através do diretor de esportes Décio Cury Marques, com a colaboração de Roberto Mário dos Santos, o Foca, e Rinaldo André da Silva. SINPOL PROMOVE TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY O campeonato levará o nome de Torneio União e tem por objetivo promover a amizade entre os policiais civis que atuam na área do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e que engloba oito Delegacias Seccionais de Polícia, respondendo por 93 cidades da região. Segundo Foca, todas as oito Delegacias Seccionais serão convidados a participar do torneio. “Cada Seccional participante deverá organizar um único time, com até 15 atletas, exclusivamente policiais civis, que integrem sua área de atuação. O departamento de esportes do Sinpol entrará em contato com os participantes antes das datas do torneio, orientando sobre os requisitos para a participação do Torneio União”, adiantou Foca. A diretoria do Sinpol solicita aos policiais civis das oito Seccionais (Araraquara, Barretos, Bebedouro, Franca, Ribeirão Preto, São Carlos, São Joaquim da Barra e Sertãozinho) a definir um ou dois represen- tantes para tratar da organização do torneio, além das datas da partida, forma de disputa e outros de talhes. Haverá distribuição de troféus e medalhas aos melhores times do Torneio União Sinpol de Futebol Society. Ao final do torneio, o Sinpol vai promover um churrasco de confraternização para atletas e familiares. Maiores informações serão divulgadas em nossa próxima edição do Jornal do Sinpol ou através do site www.sinpolrp.com.br. Abril/2016 09

[close]

p. 10

R ADAR Matão Um homem acusado de tráfico de drogas foi preso pela equipe do 1º DP (Distrito Policial) de Matão, que integra a Seccional de Araraquara, por sua vez, pertencente ao Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), com sede em Ribeirão Preto e que atende 93 cidades da região. O homem, de 18 anos, foi surpreendido no cruzamento da Rua José Simão Kfouri com a Avenida XV de Novembro, próximo à região central da cidade. Ao perceber a aproximação dos policiais civis, o homem tentou fugir, mas foi alcançado e detido já no interior de sua residência. No local, os policiais civis encontraram uma bolsa contendo a droga, já devidamente embalada para a venda ao usuário, em pequenas porções. Além disso, a equipe do 1º DP de Matão apreendeu também uma balança digital, aparelhos celulares e dinheiro, supostamente arrecadado com o tráfico de drogas. O homem foi conduzido ao 1º DP, onde foi autuado em flagrante e encaminhado a uma unidade prisional, onde ficará à disposição da Justiça para responder pelo crime de tráfico de drogas. Américo Brasiliense Policiais civis de Américo Brasiliense prendem homem por tráfico de drogas. A prisão ocorreu no dia 04 de março, quando policiais civis da Delegacia de Américo Brasiliense (Deinter - 3) prenderam na rua Afonso Nigro, Jardim São José, na cidade de Américo Brasiliense, um homem, de 23 anos. Os policiais civis cumpriam mandado de busca domiciliar emitido após investigações levantarem a possibilidade do morador de uma residência estar traficando drogas. Durante a ação, os policiais civis localizaram no cesto de lixo do banheiro da residência porções de cocaína e crack, além de dinheiro proveniente do comércio de drogas. O suspeito já vinha sendo monitorado há dias. As investigações apontaram que ele era o responsável pelo tráfico naquela região. O homem foi conduzido até o DP (Distrito Policial) de Américo Brasiliense e autuado em flagrante por tráfico de drogas. Em seguida, foi encaminhado a uma unidade prisional, onde permanecerá à disposição da Justiça. DIG São Carlos Policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de São Carlos, que integra o Deinter-3, esclareceram no dia 09 de março a morte do pedreiro Juarez de Souza, de 58 anos, ocorrida no dia 20 de fevereiro, no Parque Industrial, naquela cidade. Segundo o delegado Gilberto de Aquino, M.H.D.J., de 26 anos, confessou ser o autor dos disparos que atingiram a vítima. Ele estaria pilotando uma motocicleta quando, no dia do crime, encontrou o pedreiro, seu desafeto, e disparou dois tiros, matando Juarez instantaneamente. De acordo com o delegado, as investigações foram iniciadas logo após a notificação da morte e havia a suspeita de que duas pessoas estariam envolvidas na ação, um mandante e o executor. Após identificar os suspeitos, os policiais civis conseguiram mandado de busca e apreensão e foram até a residência dos investigados. Na primeira residência, os policiais civis não encontraram M.H.D.J., de 26 anos. Seguiram então para a casa do outro suspeito, que foi levado e interrogado. Segundo a equipe da especializada, todavia, as testemunhas não o reconheceram como possível envolvido. Neste intervalo de tempo, o titular da DIG São Carlos foi procurado pelo advogado de M., que intermediou para que seu cliente se apresentasse para esclarecer o caso. Ao dr. Aquino, M. teria dito que matou Juarez por estar sendo ameaçado de morte por conta de uma disputa de um ponto de venda de drogas. Os dois, segundo o suspeito, estariam disputando o mesmo ponto. Além disso, ele afirmou que o filho da vítima também o estaria ameaçando, razão pela qual ele sumiu de sua residência por alguns dias. Ele entregou a arma utilizada no crime, um revólver calibre 38, ao delegado. Monte Alto Policiais civis da DP (Delegacia de Polícia) de Monte Alto, pertencente ao Deinter-3, com sede em Ribeirão Preto, prenderam na Rua Marcelino Rossigali, no Jardim Bom Retiro, naquela cidade, um auxiliar de serviços de 42 anos, acusado de tráfico de droga. Os policiais civis de Monte Alto chegaram até a residência do suspeito para cumprir um mandado de busca e apreensão. O mandado foi solicitado após, durante investigações, os policiais civis conseguirem obter indícios de que o homem estaria envolvido com o tráfico de drogas. Durante o cumprimento do mandado, os policiais encontraram diversas porções de crack, cocaína e maconha, acondicionadas em pequenas quantidades, já prontas para a venda ao usuário. A droga estava escondida em uma sacola, junto com o dinheiro proveniente da venda de drogas. O homem foi conduzido até a Delegacia de Polícia de Monte Alto, onde foi autuado em flagrante por tráfico de drogas. Em seguida, foi encaminhado a uma unidade prisional, onde permanecerá à disposição da Justiça. Policiais civis de Monte Alto prenderam envolvido com tráfico de entorpecentes na cidade 10 Abril/2016

[close]

p. 11

BEBEDOURO DISE APREENDE METRALHADORA E PRENDE TRÊS Policiais civis da especializada investigavam ação de traficantes e acabaram localizando arma de alto calibre, além de drogas e dinheiro A DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), da cidade de Bebedouro, continua intensa luta no combate ao tráfico de drogas na cidade e na região da Delegacia Seccional, que é dirigida pelo dr. José Eduardo Vasconcelos. Visando coibir o tráfico de drogas naquela região, a especializada realizou diversas investigações com o objetivo de identificar e prender criminosos envolvidos com esta prática. Uma das investigações recaiu sobre um indivíduo já conhecido nos meios policiais, apelidado por “Buiú”. Ele é apontado como o líder de uma quadrilha de traficantes que abastece a região de Bebedouro com drogas. Durante as investigações, os policiais civis identificaram outros membros da quadrilha. No dia 16 de março, a equipe da especializada, que tem em sua titularidade o dr. Maurício Vieira da Silva, realizava investigações de campo na área de Polícia Judiciária na periferia de Bebedouro. Os policiais civis tinham informações de um local onde poderia ocorrer tráfico de drogas e foram até o Residencial Pedro Paschoal investigar. Lá chegando, os policiais civis conseguiram localizar e apreender uma arma de fogo, estilo submetralhadora, da marca Beretta, calibre ponto 40, regularmente municiada. A equipe também apreendeu seis cápsulas de cocaína e outras 190 cápsulas vazias, que seriam utilizadas para acondicionar pequenas porções de droga em invólucro que é comercializado diretamente com o usuário de entorpecentes. Eles encontraram e apreenderam também diversos telefones celulares e R$ 800 em dinheiro, possivelmente oriundo do tráfico de drogas naquele local e imediações. Durante a ação, os policiais civis surpreenderam o desempregado B.L.O., de 19 anos; o pintor M.L.A., de 22 anos e o também desempregado W.L.A., de 26 anos. Todos foram surpreendidos e acusados pelo tráfico de drogas, associação para o tráfico e posse ilegal de arma de fogo de uso restrito. Um dos suspeitos, W.L.A., o Buiú, já era procurado pela Polícia Civil por ser suspeito de ter participado de um assalto a residência praticado há poucos dias na cidade de Pirangi, próxima a Bebedouro. Todos os homens surpreendidos no local onde a submetralhadora foi encontrada foram conduzidos até a sede da DISE. Lá, foi flagrado o flagrante e o dr. Maurício interrogou o trio. Segundo a Assessoria de Comunicação Social da Delegacia Seccional de Bebedouro, o dr. Maurício disse não descartar a possibilidade de que os detidos também possam ter praticado outros crimes em Bebedouro e na região, diante do armamento localizado e apreendido. As investigações prosseguem, com o objetivo de localizar outros integrantes da quadrilha presa durante a eficiente ação deflagrada pela DISE de Bebedouro.. Após terem sido autuados em flagrante, os três foram encaminhados à Cadeia Pública de Bebedouro para, posteriormente, serem encaminhados ao CDP (Centro de Detenção Provisória) da cidade de Pontal. Com informações da Assessoria de Comunicação Social da Delegacia Seccional de Bebedouro O titular da DISE de Bebedouro, dr. Maurício Vieira da Silva... ...coordenou equipe da especializada que efetuou a prisão de três envolvidos com tráfico de drogas e apreendeu uma submetralhadora ponto 40 Fotos: Assessoria de Comunicação Social da Seccional de Bebedouro Abril/2016 11

[close]

p. 12

SOCIAL A vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar. Feliz Aniversário aos nascidos em maio! 1 Odair Fernandes Machado Ildon Pimenta de Pádua José Vitor Perissini Aloísio Mori de Carvalho Roseneide Bargas Ribeiro Júlio Cezar Pastori Sueli Regina Emiliano Wellington Francisco Caliman 3 Laércio Sostena Claudinei Iossi Marcelo Rodrigues da Silva Fernando Tadeu Viana 4 Eurico Ferreira de Souza Carlos Henrique Pischiotini Márcio Alves 5 Edilson Piovani Roberto Mário dos Santos Benivaldo Bastos de Santana Edgard Jorge Lauand Júnior 6 Roberto Carlos de Santi Antonio Hernandes Lopes Guilherme Valerini Damasio de Andrade Antonio Marcos Falvo 7 Antonio José Serrate de Campos Erick Walter Mouro Borba 8 Marco Antonio Sales Marcos Reginaldo de Souza Silva 9 José Carlos Florio Idalina Alves Ferreira Juliano Ferreira da Silva Conceição Aparecida Sales Girotto Leandro César Ferreira Silva Hélio Foz Ribaldo Nilton Antonio Gomes 10 Antonio Carlos Kociani 11 Arnaldo Vaz Ferreira Fábio José Branquinho Pereira 12 Sami Haddad Maria de Lourdes Chiaretti Valtecílio Lino Nascimento Maria José Balbino Geraldo Cascaldi Júnior Daniel Alfredo dos Santos Marcelo G. Lopes da Cunha 13 Edson Luiz Franco Cláudio Vargas Paulo Henrique Vianna Carlos Alberto Cordeiro André Luís da Silva 14 Luiz Silva Wilson Paulo de Oliveira 15 Roberto Bettini Paulo Roberto Barbosa Aparecido Aricrênio Ramos da Conceição José Antonio Passeto Queila Sara Pereira Martins 16 Antonio Paulo Bacan Júnior Ana Aparecida de Oliveira Ananias Ivone Pereira Crispin 17 Ricardo Marcelo de Paula Ferreira Mateus Azevedo Maria Inez da Silva Gerson Guido Mattioli José Jucélio Rodrigues Débora Aparecida Ciongolo Trentin Menuzzi Martins Filho Fernando Aparecido de Moraes 18 Roberto Fernandes Olésio Guimarães Marcelo Ferreira Francisco Dinessa Maira Alvares 19 Bernardo Silva Matheus Alexandre Saltarelli Carlos Alberto Bertini 20 Mônica de Oliveira Carneiro Scarparo Maurício José Troiani Roberto Nascimento 21 Diva Rodrigues dos Santos Paulo Sérgio Fernandes da Costa Benedito Ferrante José Augusto Rodrigues Filho 22 Sebastião Otávio Ramos Antonio Sérgio Garcia Carlos Silva Vital 23 Nelson Orlando Érica Arrisse Esteves Dias Maria Alice Lopes da Cunha 24 Antonio Orival Salgado Antonio Cabral 25 José Gonçalves Neto Waldir Aparecido Ambrósio Angelo Jovenir Ulian Roberto Custódio Ribeiro 26 Antonio Carlos Schivo Antonio Aparecido Soares de Souza Renato Theodoro Walter Aparecido Lessem Wanir José da Silveira Júnior Marcelo Cesarino Chahud Sabsud 27 Vanderlei Viola Elias Ferreira de Souza Jurema Francisco de Andrade Edmundo Ferreira Gomes 28 Rafael Camolesi Lílian Medeiros Luís Carlos Valentim 29 Mônica Cristina Marsico Lombardi Reginaldo Lonardi Elisabeth Aparecida Sutti Márcio Roberto Takatsui 30 Renato Tomasella Monteiro José Roberto Amâncio Reginaldo Boscolo Marcelo César Corcovia Aparecido Ailton Giansante 31 Cássio Roberto Marilhano Fabri Francisco Paulo Oliveira Lima Leandro Cesar Giora Elza Maria Gregorato MEMÓRIA “GENTE DE QUALIDADE” Em nossa última edição, a foto acima teve algumas identificações incorretas, razão pela qual republicamos, graças à colaboração do policial civil José Carlos Moreno Mansano. Na ocasião, o fotógrafo técnico pericial Roberto Bettini voltava de uma saída a trabalho e encontrou o grupo reunido no pátio da então Delegacia Regional. “Não hesitei em fazer a foto deste punhado de gente de qualidade”, lembrou Bettini. Na foto, a partir da direita: José Carlos Moreno Mansano (agente Deinter); João Batista (oficial administrativo, depois escrivão); Manuel Medeiros (carcereiro já falecido); Milton Carvalho de Souza (agente policial, transferido para São José dos Campos); Carlos Profetti (escriturário já falecido); Luiz Antonio Reyde (desenhista técnico, Bebedouro); José Gonçalves dos Santos, o Zé Marajó (agente); Pedro Levorato O Sinpol lembra aos aniversariantes que é preciso fazer o recadastramento anual junto ao Banco do Brasil, em qualquer agência ou naquela onde receber seus vencimentos ou, em caso de portabilidade, no banco em que o beneficiário optou. Quem não se recadastrar corre o risco de ter os vencimentos suspensos. 12 Abril/2016

[close]

p. 13

SÃO CARLOS Adolescente de 17 anos teria atirado contra desafeta de sua namorada no dia 01 de março, próximo ao centro da cidade Policiais civis do 1º DP (Distrito Policial de São Carlos) conseguiram esclarecer uma tentativa de homicídio contra uma mulher, de 27 anos, que trabalha como vendedora. Ela foi baleada no dia 01 de março na Rua Genimiano Costa, próximo à região central de São Carlos. De acordo com os policiais civis. A.S.T. foi vítima de disparos de arma de fogo. Ela estava com um cunhado, aguardando um ônibus nas imediações da Rua Major Manoel Antonio de Matos, quando um rapaz aproximou-se dos dois e fez ameaça a ambos. A mulher e o cunhado decidiram, então, mudar de local e seguiram pela Rua Geminiano Costa com a Rua Marcolino Lopes Barreto, onde encontraram-se novamente com o rapaz, Após breve discussão, ele teria sacado o revólver e disparado cinco vezes contra a dupla. Apenas uma das balas atingiu a mulher nas costas, mas sem maior gravidade. Depois de atirar, o rapaz fugiu do local. Ela foi socorrida à Santa Casa de São Carlos, onde foi medicada e liberada sem maiores consequências. Pouco depois da tentativa de homicídio, policiais militares localizaram a arma, um revólver calibre 38, abandonada na Rua 13 de Maio. O caso foi encaminhado ao 1º DP, que imediatamente iniciou as investigações. Segundo o dr. Maurício Antonio Dotta e Silva, o autor já havia sido identificado e, no dia 07 de março, ele compareceu até a delegacia, acompanhado de seu pai e da namorada, para contar sua versão dos fatos. O jovem, de 17 anos, disse ao delegado que “comprou” a briga da namorada e da mãe da namorada, por conta de desentendimentos que ocorreram dias antes da tentativa de homicídio. Em depoimento, o jovem contou que, no dia 29 de fevereiro, a vendedora teria feito ameaças à mãe da namorada. Sua namorada, segundo o adolescente, teria entrado no meio da briga e a vendedora teria atingido sua mão com um golpe de faca. As três mulheres acabaram sendo levadas para a DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) de São Carlos, onde um TC (Termo Circunstanciado) foi lavrado. No dia 01 de fevereiro, a garota e seu namorado, de 17 anos, foram até um supermercado localizado na Rua Major Manoel Antonio de Matos, quando acabaram encontrando casualmente a vendedora. Segundo o rapaz, a mulher teria ofendido verbalmente sua namorada. Ele intercedeu e também teria sido ofendido, de acordo com seu depoimento. Segundo o dr. Dotta, o adolescente contou que teria resolvido dar um “susto” na desafeta de sua namorada. Deixou a namorada na casa dela, foi até sua casa e apanhou um revólver Taurus calibre 38, que, de acordo com o depoimento, teria sido comprado junto a um viciado em drogas alguns dias antes. Ele teria encontrado a vendedora e seu cunhado no cruzamento das Ruas Geminiano Costa e Marcolino Barreto, quando resolveu ameaçá-los. Durante a discussão, o adolescente disse ao delegado que não tinha intenção de matar ninguém, apenas dar susto, Mesmo assim atirou cinco vezes, uma das quais, atingiu as costas da vendedora. Assustado com os tiros, o menor contou que fugiu do local e dispensou o revólver num terreno baldio na Rua 13 de maio. Depois voltou para sua casa. A namorada, de 19 anos, foi liberada. O dr. Dotta informou à imprensa que representou pela custódia do menor junto à Vara da Infância e Juventude de São Carlos. Ele acrescentou aos jornalistas que o jovem já esteve recolhido por cinco meses em uma unidade infracional da Fundação Casa de São Carlos, por prática de roubo. O revólver, que o adolescente garante ter pago R$ 600, foi encaminhado ao IC (Instituto de Criminalística) para exame de balística. Na análise, foi descoberto que a arma foi furtada na própria cidade. 1º DP ESCLARECE TENTATIVA DE HOMICÍDIO Foto: www.jornalpp.com.br Dr. Dotta coordenou os trabalhos de policiais civis do 1º DP de São Carlos que esclareceram tentativa de homicídio Abril/2016 13

[close]

p. 14

FRANCA 3º DP TRAVA GUERRA CONTRA O TRÁFICO Leopoldo Gomes Novais, iniciaram monitoramento na localidade indicada pelo denunciante e constataram que havia movimentação suspeita no local, caracterizando o tráfico de entorpecentes. Imediatamente o dr. Leopoldo solicitou mandado de busca e apreensão e foi atendido pelo Poder Judiciário. No dia 04 de março, os policiais civis saíram a campo para cumprir o mandado de busca e flagraram o suspeito com cinco porções de maconha. Havia um tilojo maior embrulhado por um pedaço de plástico filme. Outras três porções estavam embaladas em pequenas frações para a venda ao usuário. Os policiais civis também encontraram um pé de maconha plantado em vaso, além de várias sementes da droga. Dando sequência às buscas, os policiais civis localizaram uma balança de precisão, dois rolos de plástico filme para embalar a droga fracionada, uma faca que era utilizada para picotar as drogas. Com o homem, os policiais civis encontraram também R$ 450 em células de diversos valores. O homem recebeu voz de prisão e foi levado ao prédio do 3º DP, onde o flagrante foi lavrado. O homem também portava um rádio transmissor HT sintonizado na frequência da Polícia Militar. Segundo o dr. Leopoldo, o crime é agravado a partir do momento em que o tráfico é praticado próximo a uma escola e um clube. “Considerando que o crime se consumou nas proximidades da Escola Pública Barão de Franca, bem como do Clube Internacional, ou seja, nas imediações da entidade estudantil, recreativa e esportiva, sua conduta foi tipificada como a descrita em Lei, devido tratar-se de delito inafiançável, motivando seu recambiamento a estabelecimento estatal prisional, onde aguardará provimento jurisdicional”, citou o dr. Leopoldo no inquérito. Na internet Em outro caso, ocorrido dias depois, a equipe do 3º DP de Franca, segundo o dr. Leopoldo, teria recebido informações bastante consistentes do investigador plantonista Nelson Moraes, informando que um homem de 27 anos, residente no Jardim Paulistano, estaria tentando vender uma máquina de alisar cimento, popularmente conhecida por “Bambolê”, furtada na cidade de Ribeirão Corrente e avaliada em R$ 7 mil. A pedido do delegado, o investigador Kauzio passou a buscar informações a respeito da máquina furtada e, no site de relacionamentos Facebook, encontrou um anúncio oferecendo máquina com as mesmas características por R$ 4,5 mil, quase a metade de seu valor real. Os policiais civis foram então até o local e encontraram a máquina da marca Rosmatec, própria para nivelar cimento em pisos planos. O homem que tentava vendê-la alegou que havia trocado dois veículos para restauração pelo “Bambolê” no perfil “Feira do Rolo”, no Facebook. Ele não se preocupou em saber a procedência do produto, que era, na verdade, proveniente de furto em Ribeirão Corrente. Pouco tempo depois da troca, o homem decidiu colocá-la novamente à venda, postando inclusive foto do produto e acabou sendo surpreendido pelos policiais civis. A máquina foi apreendida e levada até o 3º DP de Franca, onde seu verdadeiro dono, de Ribeirão Corrente, reconheceu o objeto e recebeu-o de volta. “O investigado responderá a inquérito policial pela infração penal de receptação dolosa por ocultar, em proveito próprio, coisa que sabe ser produto de crime, cuja pena prevista firma-se de um a quatro anos de reclusão e multa. A Polícia Civil alerta aos usuários das redes sociais a manterem cautelas extremadas nos atos de aquisição de produtos oferecidos nos endereços eletrônicos de vendas de produtos usados, em especial as “feiras do rolo”, pois em caso de aquisição de objetos de crimes, no mínimo, responderão pelo crime de receptação na modalidade culposa”, concluiu o dr. Leopoldo. Policiais civis intensificam investigações e combate à venda de drogas; equipe também recuperou máquina de alisar cimento que havia sido furtada Os policiais civis do 3º DP (Distrito Policial) de Franca têm intensificado as ações de combate ao tráfico de entorpecentes na sua região de atuação. No início do mês de março, os policiais civis receberam uma denúncia anônima indicando que um homem estaria praticando o tráfico de drogas próximo à escola Barão de Franca e também do Clube Internacional, na zona oeste da cidade. Diante das informações, os investigadores, a pedido do titular do 3º DP de Franca, dr. Foto: Divulgação Dr. Leopoldo (ao centro, de paletó) e policiais civis que integram 3º DP de Franca 14 Abril/2016

[close]

p. 15

CULTURA “Além das Evidências”, da Novo Século Editora é um romance policial ambientado em Los Angeles, lançado no dia 08 de abril Alana Araji é filha de uma carcereira da Polícia Civil, Silvana Araújo da Fonseca. Cresceu ouvindo as histórias que a mãe enfrentava no dia a dia de sua carreira e sempre se interessou por literatura. Alana adora ler, sobretudo livros. Seu escritor preferido é Nicholas Sparks. O norte americano que já publicou 20 livros, 11 dos quais adaptados para o cinema. Alana é caixa de uma casa lotérica no centro de Ribeirão Preto e sua paixão pela leitura despertou nela a vontade de escrever e publicar um livro. Certo dia, a jovem escritora sonhou com a história e começou aos poucos a escrever. Com influência dos relatos ouvidos da mãe carcereira, durante nove meses lapidou sua obra. Depois de concluído, utilizou a ferramenta de buscas da internet e descobriu como fazer para tentar publicar. Mandou os originais para diversas editoras e o texto foi bem aceito por várias. Alana escolheu a Novo Século Editora, que ofereceu uma boa proposta. Contrato fechado, o livro passou a ser impresso e, no dia 08 de abril, teve seu lançamento oficial na Livraria Saraiva do Novo Shopping, em Ribeirão Preto. Alana recebeu amigos, convidados e leitores em geral para uma noite de autógrafos. “Espero que todos gostem. Já vendi vários em sites e tenho recebido bons comentários. É um romance policial que trata de um assassinato. Escrevi o livro ambientado em Los Angeles, porque no Brasil não há pena de morte. Nunca havia escrito nada antes e fiquei muito feliz com o resultado”, avalia a escritora. O livro tem 136 páginas e está à venda nos melhores sites de venda de livros da internet. Também pode ser encontrado nas lojas da Livraria Saraiva em Ribeirão Preto e no site da Saraiva. Inspiração Logo nas primeiras páginas, a dedicatória explica quem motivou Alana em suas histórias. “Dedico [este livro] a uma das pessoas que mais amo nessa vida; além de ser uma guerreira, sempre será minha heroína: minha mãe Silvana”. Carcereira há 20 anos, Silvana começou na Polícia Civil atuando em um barril de pólvoras: a Cadeia Pública de Vila Branca, então sob responsabilidade da Instituição e dirigida pelo dr. Luiz Geraldo Dias e dr. Ariovaldo Torrieri Júnior. Passou por diversas etapas na Polícia Civil e atuou no 1º DP - foi carcereira de Pablo Russel Rocha, acusado de arrastar presa ao carro uma garota de programa que acabou morrendo. Também passou por DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), 3º DP e diversas outras unidades. Até mesmo no recém-inaugurado CDP (Centro de Detenção Provisória), quando era responsabilidade da Polícia Civil. Silvana sempre foi determinada. “Trato os presos com respeito, mas sempre me impondo, para que seja respeitada também”, lembra. Isso rendeu-lhe o apelido de Kate Mahoney, uma policial linha dura de Chicago retratada numa série televisiva. Feliz com a carreira que escolheu - Silvana tem duas faculdades e poderia ter prestado concurso para outra carreira - admite que ser carcereira tem uma peculiaridade que lhe incentiva. “Sempre gostei de dominar a situação. Tornar-me carcereira foi um desafio. Nunca tive problemas com ninguém”, comemora. Atualmente no 2º DP de Ribeirão Preto, também acumula passagens por cidades como Cajuru, Santa Rosa de Viterbo e Igarapava. Sempre solícita, é querida pelos colegas de trabalho. Em casa, a cumplicidade com a filha serviu de inspiração para o livro recém-lançado. “Torço muito pelo sucesso de meus filhos”, conclui. Sinpose O livro retrata uma paixão avassaladora e um crime que poderá mudar tudo. Uma história intrigante sobre a busca pelo verdadeiro amor. No site Amazon, um pouco da trama para despertar a curiosidade dos leitores: “A advogada Beatrice Scott se apaixona perdidamente por Ryan Collyns, conceituado cirurgião plástico. Sua vida agora, comparada com o frustrante relacionamento anterior, nunca esteve tão bem. Porém, em um piscar de olhos, tudo parece desabar. Seu grande amor está sendo preso sob a acusação de estupro e homicídio qualificado. Beatrice faz de tudo para provar a inocência de Ryan, no entanto, suas expectativas diminuem quando as provas apontam para ele como autor do crime. Se ele for realmente culpado, como ela poderá lidar com os sentimentos? Uma história intrigante sobre a busca pelo verdadeiro amor, mesmo em momentos tão conturbados”. FILHA DE CARCEREIRA LANÇA LIVRO A escritora Alana exibe orgulhosa seu primeiro livro, ao lado da mãe, a carcereira Silvana, que inspirou a trama com suas histórias e incentivou a filha Abril/2016 15

[close]

Comments

no comments yet