MANUAL DE TECNOLOGIA

 
no ad

Embed or link this publication

Description

MANUAL DE TECNOLOGIA

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

CREDITOS Acreditaram na proposta e apoiaram a ideia: Silmara Sapiense Vespasiano Ricardo Tavares Tomou a iniciativa e orientou as equipes envolvidas: Lauri Cericato Redigiram o texto: Denise Góes Ivonete Lucírio Realizaram a edição de texto e arte: Flávia Renata P. de Almeida Fugita Débora de Almeida Francisco Nichel Otavio Venturoli Gisele Adriana Domingues da Cruz Flávia Campanholli de Oliveira Juliana Tiemi Sano Sugawara Realizaram a preparação e revisão: Lilian Semenichin Nogueira Sandra Lia Farah Marta Lucia Tasso E equipe Ilustrou o material: Weberson Santiago Todos os direitos reservados à EDITORA FTD S.A. Matriz: Rua Rui Barbosa, 156 – Bela Vista – São Paulo – SP CEP 01326-010 Tel. (0-XX-11) 3598-6000 Caixa Postal 65149 – CEP da Caixa Postal 01390-970 Internet: www.ftd.com.br | E-mail: ensino.medio@ftd.com.br

[close]

p. 3

ABRAM ALAS PARA A TECNOLOGIA Talvez você já tenha ouvido essa anedota: um ser humano foi congelado há 100 anos e descongelado no ano de 2014. Fica atarantado ao andar pelas ruas e cruzar com tantos carros, ônibus, buzinas. O bom e velho banco, com um caixa simpático, hoje está repleto de máquinas estranhas que cospem dinheiro como mágica. Nosso pobre recém-desperto só encontra alento quando entra em uma escola e reconhece tudo: a lousa, o professor, alunos em carteiras. Isso tem muito de verdade! Se a estrutura da escola mudou pouco, a cabeça do aluno tem passado por transformações que, muitas vezes, são difíceis de acompanhar e os recursos tecnológicos estão relacionados a essas mudanças. O ensino precisa estar afinado com essa realidade. A tecnologia jamais vai substituir o professor, mas cada vez mais ela será usada como ferramenta de ensino em sala de aula. O uso dos recursos tecnológicos pode aproximar alunos e professores na exploração de novos conteúdos a serem trabalhados. O desafio é como fazer a tecnologia passar pelos muros da escola com sabedoria e você, professor, é o abre-alas desse processo. Com sua mediação, os alunos vão, por exemplo, poder tirar o melhor proveito dos dispositivos móveis, aprender a separar o joio do trigo nos sites de busca, usar redes sociais como ferramenta de compartilhamento de informação ou para aprimorar sua competência leitora, tirar a melhor vantagem da sinergia proporcionada pela interação entre o impresso e o digital. Neste material, serão abordados diversos temas sobre recursos digitais e tecnologia, e esperamos que isso possa ajudá-lo a entender melhor esses conceitos, para que, além da informação, eles possam ser aplicados em suas aulas. Equipe editorial

[close]

p. 4

SU UMÁRIO 04 | 08 | 12 | 16 | 20 | 24 | 28 | 32 | 36 | 40 | 44 | 48 | 52 | Navegadores Sistemas operacionais Sites de pesquisa Blog Comunicadores Dispositivos mOveis Imagem VIdeos ConteUdo multimIdia Mapas Redes sociais Som Textos e planilhas

[close]

p. 5



[close]

p. 6

Html É a linguagem usada para produzir as páginas na web. A sigla significa HyperText Markup Language, ou linguagem de marcação de hipertexto. Cookie Trata-se de um conjunto de informações trocadas entre o navegador e o servidor para que possa ocorrer a comunicação. Essas informações, geralmente, ficam armazenadas dentro de uma pasta no computador pessoal. Guardam dados como a versão do browser que está sendo utilizada. De tempos em tempos, convém fazer uma limpeza e eliminar os cookies armazenados na máquina, porque eles ocupam memória e podem torná-la mais lenta. Servidor É um computador bem mais potente que os que ficam em casa ou no trabalho, e transmite informações às máquinas conectadas a ele. Os servidores foram desenvolvidos para lidar com cargas de trabalho mais pesadas e gerenciam o funcionamento da rede por meio de um equipamento chamado roteador. 4

[close]

p. 7

NAVEGADORES Browser é o mesmo que navegador. São aplicativos que permitem navegar pela internet, ou seja, interagir com as páginas html que estão em um servidor. Apesar de a função de todos os browsers ser a mesma, há algumas diferenças entre eles. Uns são mais rápidos e ágeis – o que no jargão da internet significa dizer que são mais “leves” –, outros são mais modernos, e outros ainda considerados mais seguros, por exemplo, para realizar procedimentos bancários. Também varia a quantidade de cookie que cada browser instala no computador durante a navegação. De tempos em tempos, os browsers são atualizados por seus criadores e lançam-se novas versões. Convém baixar a última versão, pois ela traz recursos mais avançados. Os browsers podem ser baixados gratuitamente da internet e é possível ter mais de um instalado na máquina. É preciso lembrar somente que eles ocupam a memória do computador, podendo torná-lo mais lento. 5

[close]

p. 8

GOOGLE CHROME www.google.com.br/chrome O Google Chrome é um navegador considerado “leve”, as páginas carregam com maior rapidez e a instalação também é simples. É possível abrir vários sites em abas e, se algum deles deixar de funcionar, os demais continuam operando. Foi desenvolvido pelo próprio Google. MOZILLA-FIREFOX http://br.mozdev.org/ O Firefox conta com vários plugin – complementos que permitem ao programa realizar algumas funções – para facilitar a navegação e a usabilidade. Por outro lado, consome bastante memória do computador, o que pode tornar a navegação um tanto lenta. Foi desenvolvido pela Fundação Mozilla. INTERNET EXPLORER http://www.microsoft.com/brasil/ windows/Internet-explorer/ O Internet Explorer oferece recursos de segurança, pois conta com mais opções para bloquear pop-ups, aquelas janelinhas que abrem com o site, geralmente com propagandas ou conteúdos complementares. É possível, por exemplo, criar uma lista dos sites que podem ou não apresentar os pop-ups. Desenvolvido pela Microsoft. 6

[close]

p. 9

Para saber mais Os navegadores mais usados Os navegadores mais usados em todo o mundo, entre 2011 e 2013, foram: SAFARI http://www.apple.com/safari O navegador foi desenvolvido inicialmente para rodar em máquinas Macintosh, e já vem instalado nelas. Portanto, seu desempenho não é tão bom em máquinas que usam o sistema operacional Windows. A navegação por meio dele é bem simples e intuitiva. Foi desenvolvido pela Apple. OPERA http://www.opera.com É mais utilizado como navegador em dispositivos móveis, como celulares e smartphones. Oferece recursos para pessoas com visão e com mobilidade reduzidas e conta com várias ferramentas de personalização. Foi desenvolvido pela Opera Software. 37% 30% 21% 9% 1% Fonte dos dados: StatCounter, Fevereiro/2011 a Fevereiro/2013. In: Browser wars revisited. Disponível em: http:// royal.pingdom.com/2013/03/21/browserwars-2013/. Acesso em: 19 fev. 2014. 7

[close]

p. 10

Hardware De maneira bem simplificada, o hardware é a parte física e palpável na informática. Ou seja, a máquina, as placas, os chips. SISTEMAS Um sistema operacional (também conhecido pela sigla SO) é uma coleção de programas que servem, principalmente, para fazer com que o hardware e o software do computador funcionem. É o sistema operacional que realiza o gerenciamento do desktop ou do laptop, como a interação entre as várias tarefas. Por exemplo, cuida para que cada aplicativo que esteja rodando no computador receba os recursos e ocupe a memória necessária para funcionar adequadamente. Existem sistemas operacionais muito mais complexos, como os usados em redes para gerenciar vários 8

[close]

p. 11

Software O software é o conjunto de instruções e dados que são processados pelos circuitos eletrônicos. É o que faz com que o hardware, ou seja, a máquina, seja capaz de executar suas funções. OPERACIONAIS usuários ao mesmo tempo, ou até controlar o funcionamento de bombas de petróleo. E também existem os sistemas operacionais mais compactos, mas não necessariamente menos potentes, como aqueles que rodam dentro do celular. É possível configurar o sistema operacional da máquina de diferentes formas para mudar o comportamento da máquina. Há quatro sistemas operacionais mais conhecidos: o Windows, o OS X, o Linux e a família Unix. Existem outros, mas com aplicações mais específicas como robótica ou para controlar máquinas. 9

[close]

p. 12

WINDOWS Um dos mais populares sistemas operacionais, o Windows, da Microsoft, já vem instalado na maioria dos computadores de mesa e laptops. Mas as licenças para o uso expiram de tempos em tempos e é preciso comprar – atualmente, essa compra é feita on-line – a nova versão que traz evoluções no seu uso. O Windows 8.1, lançado em 2013, permite, por exemplo, salvar os arquivos na nuvem, ou seja, em um ambiente virtual fora do computador. O nome Windows significa “janelas” em inglês, e é dessa maneira que o sistema operacional organiza as informações: são criadas janelas para exibi-las. MAC OS X O sistema operacional OS X, da Apple, é o que faz rodar os computadores Macintosh. Um dos diferenciais é a valorização da interface gráfica, que aparece com cantos arredondados e mais cores. A dupla Macintosh + OS X é mais utilizada por quem trabalha com programas gráficos, de imagem ou vídeo. 10

[close]

p. 13

LINUX O sistema Linux foi escrito originalmente pelo programador finlandês Linus Torvalds. Trata-se de um sistema operacional aberto, que pode ser baixado em qualquer máquina sem custo e também permite customizações, ou seja, personalização. Qualquer programador, desde que tenha um conhecimento avançado de linguagem de programação, pode alterar sua funcionalidade e criar uma versão adequada às suas necessidades, disponibilizando ou não essa versão para outros usuários. O Ubuntu, bastante popularizada, é uma dessas customizações. UNIX A família Unix foi criada pelo programador Kenneth Thompson, com a ajuda de Denis Ritchie, ambos ex-funcionários da AT & T. O Unix deu origem a uma série de sistemas operacionais menores, e é a base para a maior parte dos sistemas operacionais que veio depois dele, como o Windows e o Linux. Quando foi lançado, na década de 1970, funcionou sob licença livre e era distribuído gratuitamente a universidades e órgãos governamentais dos Estados Unidos. Depois, a licença tornou-se particular. Boa parte dos sistemas operacionais criados com base no Unix funciona com o código parcialmente aberto, que pode ser adaptado. ANDROID E IOS Alguns sistemas operacionais foram desenvolvidos especialmente para funcionar em dispositivos móveis, como tablet e celular. Dois deles são mais conhecidos: o Android, da Google, e o iOS, da Apple. O primeiro tem como base o Linux e parte dele é de código aberto. O iOS foi desenvolvido para os aparelhos móveis da Apple. Embora existam os que defendem o uso de um ou de outro por causa de algumas especificidades, são muito parecidos de modo geral, e permitem gerenciar as funções do aparelho, baixar e fazer uso dos aplicativos que, na maioria das vezes, estão disponíveis para os dois sistemas. 11

[close]

p. 14

SITES DE PESQUISA A internet oferece um mundo de informações, e a quantidade não para de crescer. Segundo uma pesquisa realizada em 2012 pela Domo – empresa de inteligência de negócios nos Estados Unidos –, a cada minuto são postadas 48 horas de novos vídeos no Youtube, feitas 2 milhões de pesquisa no Google, criados 571 websites, publicados 347 novos blogs. É muito fácil ficar perdido no meio de tudo isso. Para facilitar o trabalho, existem as ferramentas de busca. Além disso, há os sites de pesquisa propriamente ditos, como as enciclopédias wikis. Mas é preciso bom senso para separar o joio do trigo e verificar se a informação encontrada é realmente confiável. 12

[close]

p. 15

Ferramentas de busca Também conhecidos como motores de busca, são programas desenhados para encontrar informações na internet por meio de palavras-chave que são digitadas pelo usuário. Há vários sites de busca equipados com esse tipo de programa. Wiki A palavra, que em havaiano significa “rápido”, serve para designar softwares colaborativos que permitem fazer publicações em que cada um colabora com as informações que quiser acrescentar, sem que o conteúdo tenha de ser revisto antes da publicação. Desconfie fie Não confie em tudo o que encontrar Há muita informação importante na rede, mas também muita bobagem. Por isso, melhor partir do princípio de que nem tudo o que está na rede é confiável. Conheça algumas categorias de sites confiáveis: • Universidades conceituadas, que têm a terminação .edu ou simplesmente a do país de origem, como: USP – Universidade de São Paulo - www.usp.br UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo www.unifesp.br UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro - www.ufrj.br MIT - Massachusetts Institute of Technology - www.mit.edu • Instituições não governamentais, como: Greenpeace - http://www.greenpeace.org/brasil/pt/ Organização Mundial da Saúde – OMS - www.who.org Organização das Nações Unidas – ONU - http://www.onu.org.br • Jornais e revistas, como: Folha de S.Paulo - http://www.folha.uol.com.br/ O Globo - http://oglobo.globo.com/ Revista Veja – http://veja.abril.com.br Revista Scientific American Brasil - http://www2.uol.com. br/sciam • Sites do governo, como: Ministério do Meio Ambiente - http://www.mma.gov.br Ministério da Saúde – Portal da Saúde - http://www. saude.gov.br/ Ministério da Educação - http://www.mec.gov.br • Especialistas reconhecidos, como: Site do dr. Drauzio Varella - http://www.drauziovarella.com.br Coluna do jornalista especializado em economia, Celso Ming - http://blogs.estadao.com.br/celso-ming/ 13

[close]

Comments

no comments yet