LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS 2º TRIMESTRE DE 2016

 

Embed or link this publication

Description

LIÇÕES BÍBLICAS JOVENS 2º TRIMESTRE DE 2016

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

A p e sa r de su a a b ra n g ê n cia h istó rica , a B íb lia não está org anizad a cro n o lo g ica­ m ente, nem seus escritores trab alh aram com esse rigor. Em termos históricos, vários de seus livros estão inseridos em outros. D a í a im p ortância de estudar a Bíblia sob o aspecto cronológico. Vantagens: • A ju d a o e stu d a n te a e n te n d e r o a r­ ra n jo de cada liv ro in tern am e n te, ao estabelecer a ordem histórica dos fatos narrad os; •A u x ilia na com preensão das relações que se fo rm am entre liv ro s com d ife ­ rentes gêneros de m a te ria is. Ou seja, a relação entre h istó ria , le i, profecia, poesia, carta etc.; • Fornece um a visão abrangente da h is ­ tória b íb lica e, m a is ain d a, da h istó ria m u n d ial, por causa da sim ultaneidade entre os fatos b íb lic o s e outros fatos h isto ric a m e n te re le vantes ocorridos no m undo; • Esclarece d ificu ld ad e s b íb lic a s g e ra l­ m en te su rg id a s do choque de dados conflitantes colhidos de diferentes par­ tes da Bíblia, os q uais podem se referir a pessoas, povos, n ú m e ro s, lu g are s, c u ltu ra s etc.; • D estaca as d iferentes p ersp ectivas e ênfases dos autores da B íblia ao escre­ verem sobre um mesmo acontecimento (exem plo: os Evangelhos Sinópticos). CWD

[close]

p. 3

EU E MINHA CASA Orientações da Palavra de Deus para a FamíLia do Século XXI C o m e n t a r is t a : R e y n a ld o Odilo Lição i A Instituição da família Lição 2 0 primeiro problema enfrentado em família Lição 3 As diferentes mudanças sociais da família Lição u Preparando-se para construir uma família Lição 5 Deixando pai e mãe Lição 6 0 papel do marido na família Lição 7 0 papel da esposa na família Lição 8 A comunicação na família Lição 9 Conflitos familiares Lição 10 Quando a divisão se instala na família Lição l i A família segundo o coração de Deus Lição 12 A família de Jesus Lição 13 A Família no Século XXI 2 o t r im e s t r e 2 0 1 6 3 10 18 25 32 AO kl Sk 62 69 76 83 90

[close]

p. 4

DA REDAÇAO CPAD CASA PUBLICADORA DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS Presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil José Wellington Bezerra da Costa Presidente do Conselho Administrativo José Wellington Costa Júnior Diretor Executivo Ronaldo Rodrigues de Souza Gerente de Publicações Alexandre Claudino Coelho Consultoria Doutrinária e Teológica Antonio Gilberto e Claudionor de Andrade Gerente Financeiro Josafá Franklin Santos Bomfim Gerente de Produção Jarbas Ramires Silva Gerente Comercial Cicero da Silva Gerente da Rede de Lojas João Batista Guilherme da Silva Chefe de Arte < fe Design Wagner de Almeida Chefe do Setor de Educação Cristã César Moisés Carvalho Comentarista Reynaldo Odilo Editora Telma Bueno Designer. Diagramação e Capa Suzane Barboza Fotos Shutterstock EU E MINHA CASA Orientações da Palavra de Deus para a Família do Século XXI Neste trimestre estudaremos a res­ peito do prim eiro e m ais im portante grupo so cial a q ue pertencem os — a familia. Ela é chamada de célula mater da sociedade. Primeiro Deus fez e preparou o mundo para receber essa instituição tão especial. Depois. Ele criou o homem e a mulher. Deus viu que o homem, coroa da criação, não poderia viver sozinho! A família surgiu da necessidade d e nos relacionarmos, pois o homem é um ser gregário. Deus criou a fam ília perfeita. Seus objetivos eram os m elhores possíveis. Mas. com a Queda a familia foi afetada e passou a sofrer sérias consequências. Atualmente temos visto que alguns querem até mudar o próprio conceito de familia. Muitas são as crises que afetam a familia moderna. Entretanto, isso não muda em nada o propósito divino para cada familia. Deus nos ama e deseja que tenhamos um relacionam ento fam iliar saudável. Q u e p o s sa m o s c re s c e r em fam ília , manifestando a graça de Deus a todas as famílias da terra. Que Deus o abençoe! Até o próximo trimestre. RIO DE JANEIRO CPAD Matriz Av. Brasil. 34.401- Bangu - CEP21852-002 Rio de Janeiro - RJ TeL (21) 2406-7373 - Fax (21) 2406-7326 E-mail: comercial@cpad com br T elemarketing 0800-021-7373 Ligação gratuita Segunda a sexta: 8h às i 8h Livraria V irtual httpJ/www.cpad.com.br Co m un iq ue-se com a editora da revista de Jovens Por carta: Av. Brasil. 3A A01 - Bangu CEP: 21852-002 - Rio de Janeiro/RJ Por e -m a il telma.bueno@cpad.com.br

[close]

p. 5

A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA TEXTO DO DIA “Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos um a carne". (Gn 2.24) AGENDA DE LEITURA SE G U N D A -G n 2.18 Fam ília é ideia de Deus T E R Ç A -G n z 8 Fam ília é lugar de proteção Q UARTA-Gn 6.18.21 Fam ília é lugar de salvação QUINTA-Gn2A.38 Fam ília é lugar de bênção SÍNTESE A instituição da fam ília foi 0 prim eiro projeto plural de Deus para a humanidade; com ela, 0 Senhor estabeleceu as bases da vida em sociedade. SEXTA - 2 Tm 1 -5 ; 315 Fam ília é lugar de aprendizado SÁBADO - Lc 1.80 Fam ília é lugar de crescimento JOVENS 3

[close]

p. 6

O BJETIVO S •M O S T R A R que o propósito de Deus é que o hom em v iva em fam ília, não sozinho; • E X P L IC A R em que co nsiste a fam ília; •V A L O R IZ A R os ensinam entos recebidos no am biente fam iliar. INTERAÇÃO Caro professor, neste trimestre estudaremos acerca da fa­ mília. um dos pilares da sociedade, cujos valores têm sido relativizados. Você terá a oportunidade de discutir com os jovens assuntos como o surgimento da família, suas mudanças históricas, como se preparar para construir um novo lar. os papéis do marido e mulher, a importância da comunicação entre seus membros e os diversos conflitos nesse contexto, bem como a família de Jesus e a família no século XXI. O co­ mentarista. Reynaldo Odilo Martins Soares, é evangelista, juiz de direito (atua em Vara de Família), graduado em Direito pela UFRN. pós-graduado em Direito Processual pela UnP. mestre e doutorando pela Universidade do País Basco - Espanha. ORIENTAÇÃO PEDAGÓ GICA Professor, para a aula de hoje. sugerimos que você inicie falando a respeito de sua vida familiar (informações que seus alunos não saibam), depois solicite aos alunos que façam o mesmo (indague-os sobre o que você desconhece), dessa forma o tema do trimestre será contextualizado e vocês se conhecerão um pouco mais. Tenha cuidado com o tempo e. caso haja muitos alunos, limite o número de participantes. No tópico III. outros alunos poderão participar relatando a l­ gum aprendizado relevante que obtiveram no seio da família. 4 JOVENS

[close]

p. 7

T E X TO BÍBLICO Gênesis 2.18-25 18 E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele. Havendo, pois. o Senhor Deus formado da terra todo animal do campo e toda ave dos céus. os trouxe a Adão. para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome. E Adão pôs os nomes a todo o gado. e às aves dos céus. e a todo animal do campo: mas para o homem não se achava adjutora que estivesse como diante dele. 21 Então, o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão. e este adorme­ ceu; e tomou uma das suas costelas e cerrou a carne em seu lugar. E da costela que o Senhor Deus tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão. E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada varoa. porquanto do varão foi tomada. Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á ã sua mulher, e serão ambos uma carne. E ambos estavam nus. o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam. 22 19 23 20 24 25 COM ENTÁRIO r INTRODUÇÃO Em toda narrativa bíblica, quando o Todo-Poderoso decidiu fazer algo signifi­ cativo. Ele formou um a equipe. 0 próprio Jesus, sendo Deus. poderia realizar qualquer coisa sem a cooperação de outros, entretanto preferiu convocar doze indivíduos para. juntos, anunciarem as Boas-Novas de salvação. Aliás, o próprio Deus é Triúno (Pai. Filho e Espírito Santo). Assim , quando 0 Eterno pensou na vida na Terra, resolveu estabelecer um projeto plural para o homem. 0 qual não deveria estar só. Por isso. criou Eva, não objetivando que ela fosse igual a Adão. um a concorrente, mas que o auxiliasse e o complementasse. Com 0 homem e a m ulher Deus instituiu a fam ília - 0 centro de todo 0 desenvolvimento dos seres humanos (Gn 1.28). 0 objetivo de Deus era que a sua presença, por interm édio da prim eira família, se expandisse, pois nesse ambiente de preparação para a vida em sociedade, eles conheceriam o Senhor e aprenderiam os fundamentos espirituais, m orais e sociais para a plena realização humana. I - UM PROJETO CHAMADO FAMÍLIA isolamento antes da chegada de Eva. Deus 1. O problema de estar só. Há m o­ certamente queria que ele aprendesse mentos em que o homem necessita ficar só. Isso. porém, não significa passar toda a sua vida isolado das outras pessoas. Adão. por exemplo, viveu sua fase de algum as coisas. Aliás, em Lamentações 3.27.28 está escrito que 'bom é para o homem suportar o jugo de sua mocidade; assentar-se solitário e ficar em silêncio; JOVENS 5

[close]

p. 8

porquanto Deus o pôs sobre ele". Assim, ficar sozinho durante alguns instantes para refletir sobre a vida. para orar. não significa viver em isolam ento indefinidamente. Afinal, como dizia o poeta e pastor inglês John Donne. "nenhum hom em é uma ilha". Aliás, quando Deus viu o homem vivendo algum tempo sem companhia, afirmou que isso não era bom (Gn 2.18). 2. A solução para quem está só. Adão tinha grandes responsabilidades no Éden (Gn 1.15). vivia confortavelmente, desfrutava de plena saúde, m as pre­ cisava de um a adjutora que lhe fosse idónea. E ninguém faz nada significativo estando só. Para resolver esse drama, o Senhor — enquanto Adão dormia — criou Eva e. após. trouxe-a para ele (Pv 18.22; 19.14). Isso nos revela um a verdade; é Deus q uem dá o cônjuge. E sse foi o prim eiro casam ento. O Senhor sabia da necessid ad e de com plem entação e co m panheirism o q ue A dão tinha e criou uma estratégia perfeita, da própria substância de Adão. não do pó da terra, extraiu um novo ser. Havia, portanto, identidade entre eles. E. com o se sabe. é preciso existir identidade (não igual­ dade) para haver complementariedade. Diz um sábio ditado africano: ‘Se quiser ir rápido, vá sozinho; se quiser ir longe, vá com alguém." Isso serve perfeitamente para a vida em família. Para se ir longe, precisa-se seguir com alguém. E a família é a melhor companhia. A força da união familiar traz vida longa (Sl 128.3.6) e faz dos filhos flechas nas mãos do valente (Sl 127-4 )- A lém de livrar o hom em da solidão, a família pode levar o homem a conquistas impressionantes (Dt 32.30). Glória a Deus pelo seu plano maravilhoso. 3. A vida a dois. A pós um período solitário de espera, Adão foi presenteado 6 JOVENS com uma linda esposa. Eva complemen­ tava Adão fisica. emocional, intelectual e espiritualmente. No texto de Gênesis 2.23.24. pod e-se perceber a alegria de Adão ao recebê-la. Ele agradeceu a Deus em forma de poesia, ao m esm o tempo em que fez um a d eclaração de am or eterno a Eva! A dão esperou em Deus (“ dormia") e isso valeu muito a pena. Você está disposto a esperar em Deus? & Pense! Como resolver o problema huma­ no da necessidade de companhia? Vale à pena esperar pelo tempo de D eu s? O Ponto Importante Há momentos em que é preciso estar sozinho, mas Deus nunca pro­ jetou uma vida inteiramente sem companhia para ninguém. Afinal, não é bom que o homem esteja só. II - EM QUE CO N SISTE A FAMÍLIA 1. A família é o ponto de conver­ gência entre Deus e os homens. Paulo compara o casam ento entre homem e mulher à união entre Cristo e a Igreja (Ef 5.23-32) e isso ele faz porque a familia é o ponto de convergência entre céu e terra. A constituição da familia. no Éden. realizou um novo m ilagre na criação humana. Deus. de um (Adão), fez dois (Adão e Eva) e. com o casam ento, de d ois o Senho r tornou a fazer um (Gn 2.24 - o casal). Assim , uma vez unidos matrimonialmente, eles voltaram a ser vistos pelo Senhor como ‘uma só carne". Deus estava firmando uma aliança com eles e Ele mesmo faria parte daquilo (1 Co 739). Sua glória estaria presente. A partir da familia. Deus trataria com os homens. Afinal, todos os projetos significativos de

[close]

p. 9

Deus são plurais. Envolvem a formação de uma equipe. É. pois, através da família que o Senhor ordena a bênção ao mundo. 2. A familia é o campo de treinamento d e Deus. O b se rv a-se claram ente nas Escrituras que a familia é o cam po de treinamento usado por Deus para preparar o ser humano para as experiências da vida. A familia é o microcosmo da vida social (Êx 2 7 -9 .11.12 ; Jz ii. i- 3 . il) . Analisando cuidadosamente, v ê -se que as experi­ ências vivenciadas no seio familiar são preparações para o viver em sociedade. Os conflitos familiares de José. por exemplo, foram indispensáveis para fazer dele um ‘sucesso" na casa de Potifar, na prisão e. por fim. no governo egipcio. A m esm a coisa pode ser dita em relação a Isaque. Jacó. Davi. Paulo, eu e você. Que tal agradecer a Deus pela magnifica experiência d e viver em familia, mais especificamente, de viver na sua família? 3. A família é a única possibilidade de realização total do homem. O rapaz e a moça jam ais serão totalmente felizes se não estiverem em familia. Deus mandou Jacó voltar para sua terra para poder repa­ rar os erros do seu passado (Gn 31.3); 0 filho pródigo, também teve que retornar, a fim de curar as feridas familiares (Lc 1 5 17- 19)De outra forma eles nunca seriam felizes, pois não existe felicidade solitária. Como o homem é um ser imperfeito, carente de complemento, ninguém conseguirá ser feliz fechando-se numa redoma de emoções egoístas. Como se sabe. não há peixes no mar morto porque ele apenas recebe água, mas nunca partilha o que tem. Em outras palavras, é preciso morrer para si mesmo, renunciar às paixões da alma, a fim de viver em prol de um projeto plural de Deus chamado família, para que o homem não fique só. parafraseando a ideia de Jesus em relação à semente (Jo 12.24). Da mesma forma que o crente não pode viver fora do corpo de Cristo, não existe realização pessoal total fora da família. Seja na casa dos pais. enquanto solteiro, ou no momento de criar um novo núcleo familiar, quando deverá ter o seu próprio espaço geográfico (casa), o jovem somente alcançará o centro da vontade de Deus se estiver vivendo em família, dentro dos princípios traçados pelo Senhor. O Pense! O que fazer quando não estamos gostando da vida em fam ília? Ir embora ou permanecer sendo moldado por D eu s? O Ponto Importante A família é o campo de treina­ mento que Deus usa para nos preparar para a vida. É o m icro­ cosmo da vida social. III - ENSINAM ENTOS RECEBIDOS NA FAMÍLIA 1. É na familia que se cresce enquanto ser humano. N esse grande laboratório divino, o homem conhece a si mesmo. É ali que as aptidões são desenvolvidas. Jesus, certamente, tornou-se carpinteiro por causa da profissão de seu pai José. A m esm a coisa deve ter acontecido com os filhos de Zebedeu. Tiago e João, que eram pescadores. Com o crescim ento pessoal, ap re n d e -se a ser forte, bem com o a superar os obstáculos da vida. Esse processo aconteceu com João Ba­ tista (Lc 1.80). com Jesus (Lc 2.39.40.52) e tam bém acontece com cada pessoa. Esse é o projeto de Deus. Para existir crescim ento, porém, é necessário adm itir as tensões. Se nos JOVENS 7

[close]

p. 10

lares houvesse apenas "paz e amor", as pessoas entrariam em choque com a realidade da vida "exterior". Por tal razão, nas famílias sempre existem conflitos in­ terpessoais. Alguns crônicos, outros não. pois é na ambiência da tempestade que as árvores fincam mais fortemente suas raízes no solo. 2. É na família que aprendemos a depender dos semelhantes. É interes­ sante com o o bebé humano som ente sobrevive se houver intervenção dos pais. Ele precisa aprender com outra pessoa a fazer quase tudo. diferentemente do que acontece com os animais irracionais, os quais, em regra, sobrevivem pratica­ mente sozinhos, pois foram dotados de estrutura genética e psicológica distinta. Na família aprend e-se o mandamento de que precisam os do outro para viver (Ec 4.9.10). Impressionante com o Caim se esqueceu disso, pois em Génesis 4 9 Deus perguntou a ele sobre Abel. ao que respondeu: U"não sei; sou eu guardador do meu irm ão?' Ele era exatamente o guardador de Abel, m as a rivalidade o cegara. Todos nós som os guardadores uns dos outros. Para isso Deus nos co ­ locou em família. das famílias atuais levam as crianças a um total desconhecim ento do Criador, ensinando mentiras, levando-as ao he­ donismo e ao materialismo, porém cabe ao cristão fazer a vontade de Deus — ser um diferencial nesta geração. Talvez não se consiga, com isso, mudar a cosm ovisão relativista da sociedade, nem suas práticas pecaminosas, mas certamente os fiéis serão um luzeiro na escuridão (Fl 2.15) . E isso faz toda a diferença. O Pense! Até que ponto minha família tem cumprido o propósito de D eu s? O Ponto Importante Por intermédio de uma vida fami­ liar equilibrada, o homem cresce saudável em todos os sentidos. SUBSÍDIO “V á ria s p a la v ra s e x p re ssa n d o a ideia d e fam ilia ap arecem na Bíblia. No Antigo Testamento, o heb. bayith (lit., 'casa') p o d e significar a fam ília que vive na m esm a casa (por exem ­ plo. 1 C r 13.14) e é frequentem ente trad uzid o por 'casa' (por exem plo. Gênesis 18.19: Êxodo 1.1: Js 718). Mais frequentemente encontrado, é o ter­ mo heb. m ishpaha com o significado d e p a re n te sco ' (por e x e m p lo . Gn 24 38-41). 'familia' ou 'clã', usualmente com um a conotação m ais am pla do que a do termo ‘fam ilia’ q ue usam os (por exem plo. Gn 10.31.32). O Novo T estam en to u sa o gr. oih ia ('casa', 'lar', 'os da casa', por exemplo. Lucas 19.9; Atos 10 .2:16 .3 1:18 .8 ; 1 Coríntios 1.16) e oihiahos ('membros do grupo familiar de alguém', Mateus 10.25.36)* Dicionário Bíblico W ycliffe Rio de Janeiro: CPAD. 2012, p. 772). 3. É na família que conhecemos a Deus. Deus estabeleceu a família como o primeiro lugar de adoração. Um lugar em que se conhece o Senhor (Dt 11.18.19: 2 Tm 1.5: 3.15). O ponto de partida de Deus para a realização do seu projeto, que começou no Éden. é a familia. Deus tratou tam bém com a fam ilia d e Noé. por exemplo, e salvou a raça humana da extinção. Com a linhagem (família) de Abraão e de Davi. Deus se fez conhecer e dela nasceu o Messias (Mt 1.1,2). É óbvio que hoje o homem moderno deturpou esse sentido original (2 Tm 3.1-4). Muitas 8 JOVENS

[close]

p. 11

ESTA N TE DO PR O FESSO R LIMA. Elinaldo Renovato de. A Fam ília Cristã e os Ataques do Inimigo. í.ed. Rio de Janeiro: CPAD. 2012. COLSON. Charles; PEARCEY. Nancy. E Agora, com o Viverem os? 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD. 2000. CONCLUSÃO Viver em família é a mais emocionante aventura da vida. Conviver com pessoas diferentes e suportá-las em amor é. sem dúvida, um exercício extraordinário de fé e obediência. HORA DA REVISÃO 1. Em qual versículo biblico Deus diz que não é algo bom para o ser humano estar sò? Génesis 2.18. 2. Com o Deus resolveu o drama de Adão? Criou Eva. 3. Segundo a lição, qual patriarca retornou à sua terra para resolver erros do passado? Jacó. 4. Segundo a lição, qual o cam po de treinamento de Deus? A família. 5. Segundo a lição, qual ditado africano apresenta aspectos importantes sobre a vida em família? "Se quiser ir rápido, vá sozinho; Se quiser ir longe, vá com alguém." Anotações

[close]

p. 12

LIÇAO 2 10/04/2016 O PRIMEIRO PROBLEMA ENFRENTADO EM FAMÍLIA TEXTO DO DIA “Porque, onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa.” (Tg3.l6) AGENDA DE LEITURA SEGUNDA - Gn 4.6 Deus questiona a ira entre irmãos SÍNTESE A inveja transtorna qualquer ambiente, mas Deus, pela sua Palavra e pelo seu Espírito, transforma maldição em bênção. T E R Ç A -G n 38.8-10 Deus não aprova a falta de soli­ dariedade entre irmãos QUARTA -G n 3728; At 7.9 Deus abençoa 0 injustiçado entre os irmãos QUINTA -1 Sm 16.11,13 Deus exalta aquele que serve aos irmãos SEXTA- Mc 13.12 Jesus adverte sobre 0 aumento da hostilidade entre a família SÁBADO -Jo 7.8-10 Jesus evitou conflito com seus irmãos 10 JOVENS

[close]

p. 13

O BJETIVO S A P R E N D E R a respeito da responsabilidade de cu id a r de nossos irm ãos, tanto na fa m ília com o na igreja; CO N TR IB U IR para que os inevitáveis conflitos fam ilia­ res não transform em a fam ília, campo de treinam ento de Deus. em cam po de batalha da carne; M O S T R A R que a in v e ja é pecado e o an tíd o to para co m b atê-la é o ensino das Escritu ra s. INTERAÇÃO Professor, sabemos, não são raras, as classes de Escola Do­ m inical funcionarem em quartinhos apertados, cozinhas de igreja, gabinetes de pastores, e outros lugares inusitados. Mais comum ainda são várias classes funcionando, ao mes­ mo tempo, em um mesmo ambiente (dentro dos templos), o que gera ruídos, interferências, dispersão, etc. Contudo, querido docente, é possível fazer um excelente trabalho na Escola Dominical, mesmo que nem todas as condições sejam favoráveis. Não é demais lembrar que a primeira reunião da Escola Dominical no Brasil aconteceu na cozinha do casal Kalley. Portanto, esteja certo de que Deus o ajudará a vencer quaisquer dificuldades. ORIENTAÇÃO PEDAGÓ GICA Estimado professor, é de extrema importância o interesse do aluno pelo assunto a ser estudado, por isso. desperte a atenção dele já no início da aula. Sendo assim, na classe de jovens as discussões devem ser uma constante, não sendo aconselhável apenas o professor falar e expor suas ideias. Hoje. trataremos de um assunto muito conhecido de todos: a inveja, o único pecado envergonhado, como dizia o médico espanhol Ramón Cajal. ganhador do Prêmio Nobel de medicina em 1906: “ A inveja é tão vergonhosa que ninguém se atreve a confessá-la”. Indague seus alunos sobre o tema. se conhecem alguém invejoso, se já tiveram tal sentimento em relação ao próximo, quais são as suas consequências, etc. Não se esqueça de ressaltar que essa obra da carne é um grave pecado. 0 qual deve ser combatido fortemente.

[close]

p. 14

T E X T O B ÍB L IC O Génesis 4.1-10 1 E conheceu Adão a Eva. sua mulher, e ela concebeu, e teve a Caim. e disse: Alcancei do Senhor um varão. E teve mais a seu irmão Abel: e Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra. E aconteceu, ao cabo de dias. que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor. E Abel também trouxe dos primogêni­ tos das suas ovelhas e da sua gordura: e atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta. Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o seu semblante. 8 6 E o Senhor disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu sem­ blante? Se bem fizeres, não haverá aceitação para ti? E. se não fizeres bem. o pecado jaz à porta, e para ti será o seu desejo, e sobre ele dominarás. E falou Caim com o seu irmão Abel: e sucedeu que. estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel e o matou. E disse o Senhor a Caim: Onde está Abel. teu irmão? E ele disse: Não sei: sou eu guardador do meu irmão? E disse Deus: Oue fizeste? A voz do sangue do teu irmão clam a a mim desde a terra. 7 2 3 4 9 5 10 C O M E N T Á R IO INTRODUÇÃO D e se ja r os bens alh e io s é cobiça, m as fica r e n fu re cid o pelo su cesso do pró xim o é inveja, u m ato claram ente indigno, desprezível, que traz p e r­ turbação (Tg 3.16). A lguém pode m e n tir por um a causa nobre (como salvar u m a v ítim a de sequestro), ou o rg u lh a r-s e alegando a m o r p ró p rio , m as isso n u n ca acontece em relação a essa obra da carne, porquanto a in veja sem pre traz consigo desonra, como d izia o m édico espanhol Ram ón Cajal, ganhador do P rêm io Nobel de m e d ic in a em 1906: “ A in v e ja é tão verg o ­ nhosa que n in g u ém se atreve a confessá-la". E um a queda, um a fraqueza, u m desvario, presente apenas na espécie hum ana. A conteceu com Caim , representação do velho hom em , da n a tu re za hum an a decaída que pode co m p ro m eter severam ente um a fam ília . E preciso, pois. m o rtific a r este sen tim ento abom inável, com o objetivo de m a n ter a h arm o n ia nos lares! I - CAIM E A B E L 1 . 0 começo de tudo. Conflito entre irmãos é uma constante na Bíblia. C o ­ meçou com Caim e Abel. Vamos ao caso d eles. N aq u ela so c ie d a d e prim itiva, 12 JOVENS Adão e Eva tiveram dois filhos. Cada um deles buscou o sucesso do seu próprio modo. Caim seguiu a profissão do pai (Gn 2.15). Era lavrador (Gn 4.2). S ab e -se que trabalhar na agricultura exige muito

[close]

p. 15

esforço. É necessário preparar a terra, sua confirm ação co m o o herdeiro da lançar a sem ente, regar, proteger das prom essa de G ênesis 3.15. Entretanto, p rag as, m anter lim p o o terreno em para su rp re sa g e ra l. D eu s so m e nte redor da plantinha. saber o momento aceitou o sa crifício de seu irmão. As p a lav ra s b íb lic a s são co n tu n d e n tes da colheita e fazê-lo tempestivamente, sobre a sua reação; “Mas para Caim e armazenando a colheita em local a d e ­ para a sua oferta não atentou. E irou-se quado. Era. portanto, muito trabalhador. A bel. porém , d e se n v o lv e u -se com o Caim fortemente, e d e scaiu -lh e o seu pastor de ovelhas (Gn 4.2). O esforço sem blante" (Gn 4.5)- Isso dem o nstra d e le consistia basicam ente em levar que o primogênito, antes da resposta os b ic h o s para p a sta r e m a n tê -lo s do Altíssimo, estava bem. com feições protegidos. Assim, am bos trabalhavam simpáticas, quem sabe até alegre; afinal, muito, porém não é p o ssív e l a v a lia r o resultado de muito tempo de trabalho q u al d os d ois tinha m ais su c e sso na árduo era oferecido gratuitamente ao vida. Afinal, não se podem com parar Senhor. 0 que a oferta do caçula (que se resultados de trabalhos com objetivos esforçara, em tese. menos que ele) tinha distintos; os dois desenvolveram bem de m elhor? Foi uma grande decepção. su a s atribuições. A B íb lia não relata A ira contra o Criador transform ou-se nenhum conflito nessa época. Pode-se rapidam ente em inveja contra seu ir­ mão. Agora. A b el era um competidor, arriscar até dizer que eles eram unidos. um concorrente. Um obstáculo ao seu Ao que tudo indica, o sucesso de um sucesso. Sem demora, aquele que se não incom od ava o outro. Não havia, sentia injustiçado armou um plano para em tese. com petição entre eles. Nem destruir o oponente. inveja, que só ocorre entre iguais. Esse é o retrato de muitas famílias. Enquanto 3. A cham a da misericórdia divina. não há concorrência, não há conflito. No momento em que a ira (hb. hõrãd) A vida d esenvo lvia-se aparentem ente de Caim se acendeu (o termo hebraico de m odo norm al quando, d e repente, usado denota estar irado com muito tudo mudou. Em um momento. Abel foi ardor). D e u s a p ie d o u -s e d e le . Está honrado por Deus e Caim não. Um se escrito: "E o S E N H O R d isse a Caim : destacou em relação ao outro. Eis aí o Por q ue te iraste? E por q ue d escaiu ponto importante da presente história. o teu sem blante? S e bem fizeres, não 2. Irmãos em conflito. Um dia. a haverá a c e ita ç ã o para ti? E. se não fizeres bem . o p e ca d o ja z à porta, e primeira criança nascida e amada neste para ti será o seu d esejo, e sobre ele mundo, sobre a qual os pais certamente depositavam grande expectativa (talvez d o m in arás" (Gn 4-6.7). D e u s e sta v a dizendo que a porta da reconciliação acreditando ser ele aq uele que feriria estava aberta. O Senhor não o estava a c a b e ç a da serpente - Gn 3.15; 4.1). tratand o co m a rig id e z d e um ju iz . trouxe, do fruto do seu suor. uma oferta m as com o carinho de um Pai. — Não para Deus. É possível que. em seu c o ­ erre. Pare. Volte para mim. O m esm o ração m aligno (1 Jo 3.12). Caim tivesse conselho do Espírito Santo foi repeti­ arrazoado que aquele seria o momento do no Novo Testam ento. Está escrito: de sua coroação, d e sua exaltação, de JOVENS 13

[close]

Comments

no comments yet