Edição 94 - Março/2016

 

Embed or link this publication

Description

Caçador 82 Anos

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2



[close]

p. 3

Editorial MARÇO 2016 Capa Março 2016 Sumário 04 - Caçador em cena - Caçador 82 anos 06 - Especial - Avenida Senador Salgado Filho 10 - Artes - Arte Cinética 12 - Ambiental - Fontes de energia 17- Aconteceu 18 -Stylo by Tati 22 - Gastronomia - Risotto Mare & Mont 24 - Variedades - Edumar Jr. 26 - Nivaldo - Olhar Social 30 - Turismo - Concórdia Caros Leitores: ‘É Caçador capital da indústria, das parreiras e dos pinheirais...’ Assim está escrito em nosso hino, idealizado numa época em que esses três setores eram os mais desenvolvidos. Mas não mudou muito, as parreiras ainda sobrevivem, com poucos vinicultores artesanais e com a produção de suco de uva. A indústria tem altos e baixos, pois uma grande maioria é exportadora, o que faz com que no momento estejam em alta. Porém as indústrias que importam matéria prima e vendem internamente estão em baixa, mas estão fazendo de tudo para sobreviver a crise que se instaurou no país inteiro. Os pinheirais deram espaço aos reflorestamentos de pinus, que são usados para a fabricação de papel, compensados e móveis. ‘A juventude que na escola, no esporte e outras mil ...’ e como diz no hino a juventude também é destaque, muitos jovens atletas, médicos, cientistas, engenheiros e tantas outras profissões, deixaram o país para mostrar aquilo que apreenderam aqui ‘dessa terra tão querida, que é o recanto dos amigos do Brasil.’ Por isso “Aqui eu vivo, aqui eu trabalho e me orgulho até demais”... e que todos se orgulhem de viver nessa terra que acolheu e acolhe a todos que estão dispostos a progredir junto com o município. Parabéns Caçador por seus 82 anos de emancipação! a Direção EXPEDIENTE Diretor Executivo: Alcir Bazzanella (jornalista -SC 1668 JP) Comercial: Edumar Jr. Diagramação: Giovana Castanheira Bazeggio Administrativo: Thiago Bazzanella Assessoria Jurídica: Gilson Kolross Revista Feeling AB Publicidades - Rua Irmão Guido Gabriel, 119 Fone: (49) 3567-1584 E-mail: redacao@abonline.com.br Caçador - SC - 89.500-000 Este órgão de comunicação não se responsabiliza por matérias ou artigos assinados, bem como por fotos cedidas por terceiros. MARÇO 2016 - Feeling 03

[close]

p. 4

Caçador em cena uem conhece Caçador hoje, certamente tem dificuldades em acreditar que esta terra tenha um passado de muitas lutas e que tenha sido uma comunidade tão diferente do potencial econômico em que hoje se apresenta. Às margens do Rio do Peixe, viviam grupos primitivos, Kaigangs e Xok-lengs, que foram substituídos pelos desbravadores que começavam a chegar a partir de 1881. Com a construção da estrada de ferro São Paulo-rio Grande do Sul, a colonização se tornou mais intensa e o povoado passou a chamar-se “Rio Caçador”, em nome devido à abundância de caça nas margens do rio. Após o episódio do Contestado (grande conflito de terras entre Santa Catarina e Paraná que tomou proporções de Q extrema violência na região), outros grupos começaram a chegar. Caçador então pode contar com o dinamismo, a força e a coragem dos imigrantes poloneses, árabes, italianos, alemães e outros. Em 25 de março de 1934, Caçador tornou-se um município independente, emancipando-se politica e administrativamente. A principal atividade econômica era a extração de madeira, hoje reposta com extensas áreas de reflorestamento, que enriqueceu a terra e serviu de estopim para o aparecimento de outros ramos industriais, tal como o agronegócio que somado a um comércio extremamente competitivo formam os principais fatores econômicos do município. 04 Feeling - MARÇO 2016

[close]

p. 5



[close]

p. 6

Especial Avenida Senador Salgado Filho evamos a nossos leitores um pequeno histórico desta importantíssima via que é de suma importância para o desenvolvimento econômico do município. Tudo começou quando era denominada Rua dos Tocos, famosa por seus atributos. Na década de 50 passou a ser d e n o m i n a d a A v. S e n a d o r Salgado Filho, em homenagem ao político Joaquim Pedro Salgado Filho este formado em direito, tendo também atuado como delegado e chefe da polícia do antigo Distrito Federal, ministro do trabalho e aviação, sendo também deputado Federal e senador da República, foi Avenida nos anos 60 organizador da Força Aérea Brasileira e faleceu em um acidente aéreo em 1950. Hoje esta avenida abriga um atuante comércio que promove vendas no atacado e varejo dos mais variados gêneros destacando-se: Caixa Econômica Federal, Supermercados Cereal, Dellius Moda Íntima e Líder Informática. L Sen. Salgado Filho 06 Feeling - MARÇO 2016

[close]

p. 7



[close]

p. 8



[close]

p. 9



[close]

p. 10

Artes Arte Cinética São obras marcadas pela fusão entre o movimento, o tempo e a luz. Giovana Castanheira Bazeggio o unir estética à tecnologia, o artista Palatnik utilizou movimento, luz e tempo como instrumentos para a criação de obras com grande potencial visual e poético, lançando os fundamentos de uma corrente artística que ficou conhecida como arte cinética, na qual as fronteiras entre pintura e escultura se confundem e se ampliam. Aos 86 anos, o artista residente no Rio de Janeiro é um dos pioneiros e a maior referência em arte cinética no Brasil, corrente que explora efeitos visuais por meio de movimentos físicos e ilusão de ótica, utilizando pesquisa visual e rigor matemático em obras com instalações elétricas que criam movimentos e jogo de luzes. Nascido em Natal (RN), filho de russos, Abraham Palatnik passou a infância em Tel-Aviv (então Palestina), onde fez curso de especialização em motores de explosão. Aos 20 anos, voltou permanentemente para o Brasil. O jovem artista mudou a forma de ver, fazer e entender arte quando conheceu o Hospital Psiquiátrico Dom Pedro II, coordenado pela Dra. Nise da Silveira, levado por Almir Mavignier, orientador do ateliê de pintura da instituição. Ao ver obras de pacientes esquizofrênicos, que apresentavam uma produção excepcional, A mesmo sem estudos sobre arte, Palatnik percebeu que realizava algo inócuo frente àquela produção rica de artistas que na grande maioria desconhecia o significado da expressão “arte”. Assim, abandonou os pincéis e passou a ter uma relação mais livre entre forma e cor. Aprofundando os estudos sobre psicologia da forma e usando os dotes como engenheiro, ele começou os experimentos com luz e movimento que deram origem aos Aparelhos Cinecromáticos – caixas com lâmpadas e telas coloridas que se movimentam acionadas por motores, um mecanismo que gera uma série de imagens de luzes e cores em movimento, que unem lirismo e jogo de percepção, e aos Objetos Cinéticos – aparelhos constituídos por hastes ou fios metálicos que possuem nas extremidades discos de madeira pintados de várias cores, além de placas que se movimentam lentamente, acionado por motores ou eletroímãs, dando à mecânica uma dimensão estética que provoca encantamento com os movimentos rotativos. Aparelho Cinecromático

[close]

p. 11



[close]

p. 12

Ambiental Fontes de Energia rojeto PAES desta edição tem o objetivo de informar sobre as fontes de energias disponíveis. Quando se fala em energia, a primeira coisa que nos vem à mente é sua importância para a manutenção de nosso estilo de vida. Hoje, dificilmente conhecemos alguém que não utilize um smartphone, notebook, tablete ou até mesmo um chuveiro com água quente. Essas pequenas “mordomias” que a energia nos proporciona, trazem consigo impactos ambientais atrelados, advindos da falta de consciência ambiental e de maus hábitos adquiridos ao longo das décadas. P As fontes de energia são divididas em primárias (renováveis e não renováveis) e secundárias: Fontes Primárias: são aquelas que estão disponíveis na natureza, como o sol, a água (dos rios e dos mares), os ventos, a madeira, o gás natural, o carvão mineral e o petróleo. Renováveis: são aquelas que se renovam. Significa que elas não acabam, porque estarão sempre ali (de forma cíclica). Exemplos: o sol, os ventos, o calor do centro da terra, a matéria orgânica, os rios, os mares e oceanos. - Sol: pode ser aproveitado como fonte de calor e de luz. A energia solar é abundante, permanente e renovável. Não polui e nem prejudica o ecossistema, e pode ser transformada em energia elétrica ou mecânica. - Ventos: é capaz de gerar o tipo de energia que chamamos de eólica, onde pás de grandes “cataventos” acionam um gerador, produzindo corrente elétrica. É uma fonte de energia que pode abastecer lugares onde a rede elétrica comum não chega. - Geotérmica: é a forma de energia que capta o calor do centro da terra, e o converte em energia elétrica. No centro da Terra, existe muito calor com temperaturas elevadas, sendo que em algumas das camadas mais profundas da crosta terrestre, essa temperatura pode atingir 5.000°C. Apesar de suas vantagens, a energia geotérmica ainda é pouco explorada. - Mares e oceanos: Movimentam turbinas que acionam geradores de eletricidade, num processo parecido com o da energia eólica, porém faz uso do movimento das marés para sua geração. - Rios: através do represamento de rios, é possível instalar uma Usina Hidrelétrica, a qual funciona através da força da água represada, ativando turbinas que transformam a energia mecânica em correntes elétricas. Este tipo de geração de energia, apesar de renovável é de grande impacto ambiental, 12 Feeling - MARÇO 2016

[close]

p. 13

pois para a construção de uma usina, uma grande extensão de terra deve ser alagada, sendo o leito do rio alterado, causando problemas a fauna e flora da região. - Matéria orgânica: forma o biogás, que é resultado da transformação de excrementos de animais e lixo orgânico, como restos de alimentos, em uma mistura gasosa, que substitui o gás de cozinha e derivados de petróleo. Não renováveis: são aquelas que com o uso ao longo do tempo se esgotam, pois demoram muitos anos para se formar. Como nos últimos anos nós (humanidade) temos consumido a energia dessas fontes de forma desenfreada e elevada, a natureza não tem tempo suficiente para repor o que foi subtraído. Exemplos: petróleo, carvão mineral, gás natural. - Petróleo: junção de hidrocarbonetos provenientes da decomposição de vegetação e de animais marinhos/terrestres durante séculos. É amplamente utilizado em indústrias de diversos setores, podendo ser aplicado desde a fabricação de plástico até a formação de combustíveis utilizados para a mobilidade urbana (gasolina, diesel). em jazidas de grande profundidade. Provém da decomposição de vegetação e de animais marinhos/terrestres durante séculos. - Núclear: é uma fonte de energia que a partir da fissão de uma partícula de urânio, obtém-se de grande quantidade de energia num espaço muito pequeno. Esse tipo de produção de energia trás consigo diversos problemas ambientais, pois gera resíduos perigosos e extremamente difíceis de serem descartados. Carvão Mineral: é um combustível fóssil de origem natural extraído do subsolo. É proveniente de depósitos uma vegetação pré-histórica (restos de plantas e árvores) acumulada em áreas de grande umidade durante séculos. - Gás natural: é extraído de forma semelhante ao petróleo, Fontes Secundárias: surgem da transformação das fontes primárias (renováveis e não renováveis), como a gasolina, o diesel e a energia elétrica. O uso da energia trás progresso a humanidade, garantindo o crescimento socioeconômico de diversos setores da indústria e aprimoramento médico e tecnológico, trazendo mais qualidade de vida. Para que esse progresso continue ocorrendo, é de fundamental importância que as fontes de energia renováveis passem a substituir as fósseis, pois estas como o próprio nome diz, se renovam, possibilitando a manutenção do sistema. A insistência na utilização de materiais que não trazem benefício ecológico pode trazer problemas ambientais muito mais sérios do que os já vistos até hoje. MARÇO 2016 - Feeling 13

[close]

p. 14



[close]

p. 15



[close]

Comments

no comments yet