Jornal do Sintáxi

 
no ad

Embed or link this publication

Description

Edição 177 - Novembro de 2015

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

JS - Novembro de 2015 - Página 2 Saiu a primeira concorrência pública para o ingresso de permissões no sistema de táxi de Porto Alegre, mas, por incrível que pareça, a EPTC vai promover um leilão vendendo as outorgas. Vender as 89 permissões é um grande negócio que a EPTC está promovendo ganhando dinheiro em cima dos trabalhadores, que precisam investir mais de R$ 150 mil para poder dispor de uma outorga e trabalhar diariamente cumprindo uma carga horária prevista em lei. E se o possível candidato (a) não dispor desta verba, deverá financiar a aquisição da permissão e do veículo, bem como sua adaptação. Nós não concordamos com esta política adotada pela EPTC de cobrar pelas permissões de táxi. Isto não é certo. Táxi é uma atividade comercial bancada exclusivamente pelo permissionário que é um trabalhador. Para ser permissionário é necessário bancar as taxas e tarifas cobradas pelo poder público municipal e manter o veículo em plenas condições para circular pelas ruas da cidade. Só que taxista não é empresário e não dispõe de uma infraestrutura que lhe permita manter o sistema funcionando perfeitamente e, poder viver, de forma digna com o fruto de seu trabalho. Não vamos entrar na discussão política, mas fica a dúvida se o Partido Democrático Trabalhista (PDT), que governa Porto Alegre, realmente defende a classe trabalhadora, como manda seu estatuto? Sim, pois diante das inúmeras decisões tomadas pelo poder público municipal ao longo dos últimos anos, a impressão que fica é de que somente empresários recebem os benefícios e os trabalhadores... Nós não temos ligação política com nenhum partido. Estamos de portas abertas para receber a todos. Já afirmamos inúmeras vezes que somos parceiros do prefeito, do governador e da presidenta da República, para trabalhar e construir o melhor para a cidade, o Estado e o país. Mas não podemos nos calar diante da realidade visível a “olho nu”. Assim não é possível. Realmente o prefeito José Fortunati precisa rever seus conceitos, separar as coisas e impedir que os trabalhadores carreguem este fardo que é bem pesado. Quem sabe os vereadores das bancadas que apoiam o governo municipal possam ajudar. Controle de qualidade Ao contrário do que se pensa o aplicativo desenvolvido pela empresa norte-americana Uber não resolverá o problema do transporte público de passageiros. O que precisa ser feito é qualificar, cada vez mais, o serviço prestado e incentivar o usuário a exercer o controle de qualidade. Desmontar o sistema vigente ou desregulamentar o que já foi feito desde 1973, quando surgiu a primeira legislação específica sobre o modal táxi, criará inúmeras dificuldades para a população e o poder público municipal. Da mesma forma, disseminar fatos, muitos inverídicos, para macular o trabalho dos taxistas, a fim de justificar o ingresso de um sistema novo, não é a solução. Talvez seja necessário mudar os mecanismos de comunicação entre taxistas e passageiros, bem como criar um canal direto com o poder público municipal onde os usuários possam notificar os problemas ocorridos durante a prestação do serviço. Tudo deve ser on-line e com feedback garantido. Uma forma moderna, correta e eficiente para buscar a qualidade do sistema de táxi. Ou será que é necessário que uma empresa multinacional tenha que dizer como os porto-alegrenses devem gerir o sistema de transporte público? Será que o povo perdeu a capacidade de buscar soluções adequadas para resolver seus problemas? Está na hora de a população assumir seu papel e usar o controle de qualidade como forma de melhorar as coisas e corrigir o que está errado.

[close]

p. 3

JS - Novembro de 2015 - Página 3 D EPTC vai vender as novas permissões do sistema de táxi para quem pagar mais recolhimento da rampa, fechamento do veículo e partida. Após será necessário fazer o desembarque do cadeirante, observando os mesmos detalhes. Tudo isto em até 15 minutos cronometrados pelos avaliadores. A quantidade de permissões será de 89, equivalente ao número de prefixos desativados ao longo do tempo, de modo a recolocar em operação a frota original de veículos existente à época da publicação da primeira lei em 1973. Os demais ficarão num cadastro reserva com validade de dois anos e poderão ser chamados futuramente, se houver necessidade, respeitando a ordem de classificação. Os novos permissionários serão lotados em pontos fixos, deverão estar vinculados, de forma obrigatória, em alguma radiotáxi em operação na capital e cumprirão todas as determinações impostas na Nova Lei do Táxi, como o cumprimento de jornada diária e semanal (art. 6º da Lei nº 11.582). O presidente do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), Luiz Nozari, disse que está desapontado com a decisão da EPTC de cobrar pela outorga da permissão, que, segundo ele, afastará da concorrência a maioria dos atuais condutores auxiliares que desejavam se tornar permissionários. É muito difiícil que um condutor auxiliar tenha cerca de R$ 150 mil à vista para ingressar na concorrência e acabará se tornando um “escravo” do poder público municipal e dos bancos, pois terá que buscar financiamento para adquirir o veículo e adaptá-lo ao transporte de cadeirantes e assumir um compromisso de 20 anos com a prefeitura de Porto Alegre pagando a mensalidade equivalente à outorga. “O taxista vai trabalhar todos os dias, cumprindo uma carga horária determinada pela lei, terá alguns sócios ocultos, no caso a prefeitura de Porto Alegre, via EPTC e o banco que financiará o veículo e os equipamentos para adaptação. Outro detalhe é que ele não será dono da permissão, pois as novas regras são bem claras e depois de 35 anos perderá o direito de explorar o serviço”, relata Nozari. O dirigente sindical recomenda uma leitura detalhada da Nova Lei do Táxi (Lei Municipal nº 11.582, de 21 de fevereiro de 2014 - a íntegra do texto se encontra no site www.sintaxi.com.br, clicando no link Legislação), pois as regras para os novos permissionários são diferentes. Quem participar da concorrência e obter a outorga da permissão, pagando o valor em 240 meses, financiando o veículo e os equipamentos obrigatórios para adaptá-lo ao transporte de cadeirantes, terá que arcar com um valor mensal, incluindo outras despesas como renovação da Identidade de Condutor de Transporte Público - Táxi (ICTP) , o popular “carteirão”, taxas de vistorias e cadastro, cobradas pela EPTC, verificação anual do taxímetro e do sistema de gás natural veicular (GNV), serviços realizados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), mensalidade da radiotáxi, condomínio do ponto fixo, abastecimento do veículo e manutenção do mesmo (mecânica, pneus e acessórios). epois de 42 anos, quando surgiu uma legislação específica para regulamentar o sistema de táxi em Porto Alegre - Lei nº 3790, de 5 de setembro de 1973 -, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), prepara a primeira licitação do modal, que se tem notícia, visando o retorno de 89 prefixos na frota. Só que, para surpresa de todos, o poder público municipal vai cobrar pela outorga. Quem quiser participar da Concorrência nº 3/2015, terá que desembolsar no mínimo R$ 63.882,00, além de adquirir o veículo e adaptá-lo ao transporte de cadeirantes. O novo permissionário poderá gastar algo em torno de R$ 150 mil. A licitação está prevista na Lei nº 11.591, de 14 de março de 2014. Os interessados em participar da licitação na modalidade de concorrência deverão apresentar uma proposta preenchida contendo os dados de identificação (nome completo, CIC, endereço, telefone e e-mail) e o valor sugerido, bem como a forma de pagamento, à vista ou parcelado em 240 meses corrigido pela variação da Unidade Financeira Municipal (UFM), hoje em R$ 3,3039. A proposta deverá ser colocada num envelope lacrado e entregue até às 17 horas do dia 18 do próximo mês, no Setor de Atendimento ao Cidadão da EPTC, na Av. Erico Verissimo, 100, prédio H. No dia 21, às 9h30min, os envelopes serão abertos na presença dos interessados, no Auditório Araújo Vianna, na Av. Osvaldo Aranha, 685, junto ao Parque Farroupilha. Neste dia serão escolhidos os 150 maiores lances a partir de R$ 63.882,00, que passarão para a etapa seguinte da concorrência: a prova técnica, de caráter eliminatório, onde cada candidato deverá embarcar e desembarcar um cadeirante, observando todas as etapas do processo, desde o estacionamento do táxi, abertura da porta, colocação da rampa de acesso da cadeira de rodas, embarque do cadeirante,

[close]

p. 4

JS - Novembro de 2015 - Página 4 este ano a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) lançou o edital de concessão dos ônibus de Porto Alegre sem exigir nenhum pagamento das empresas vencedoras do pleito. Já para o sistema de táxi, o gestor público vai vender 89 outorgas pela maior oferta, a partir de R$ 63.882,00. Quem quiser participar da Concorrência nº 3/2015 precisa ter uma reserva financeira à disposição, caso contrário terá que parcelar o pagamento em 240 meses (20 anos), além de arcar com outras despesas desde a compra do veículo, adaptação para o transporte de cadeirantes, cursos de formação para taxistas, documentos, vistorias, mensalidades de radiotáxi e condomínio do ponto fixo, entre outros. São gastos mensais e alguns anuais. A reportagem do JORNAL DO SINTÁXI entrou em contato com a Comissão Especial de Licitação para confirmar as exigências contidas no edital de Concorrência nº 3/2015, especialmente o que diz respeito ao veículo. Atualmente só existem dois tipos no mercado automobilístico que preenchem os requisitos determinados: Chrevrolet Spin e Fiat Doblò. Conforme a diretora da Cia. do Táxi, Angélica Celina Schlottfeldt, o custo do veículo Chevrolet Spin LT 1.8, parte de R$ 50 mil. Já a Fiat oferece dois modelos do Doblò, o Attractive 1.4 flex, a partir de R$ 56 mil e o Adventure 1.8 flex, com N Um investimento caro para explorar durante 35 anos preço de partida de R$ 65 mil. É possível adquirir os veículos com financiamentos em até 48 prestações (quatro anos). Como os novos permissionários não cumprem a exigência do tempo de atividade não terão direito às isenções do Imposto sobre Propriedade Industrial (IPI) e Imposto Sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), ainda que o carro seja emplacado na categoria “aluguel”. Outro custo que os novos permissionários terão de arcar é a rampa para embarque e desembarque do cadeirante, bem como o novo assoalho do veículo, pois a cadeira de rodas precisa ficar presa durante a viagem. O custo da adaptação pode chegar a R$ 30 mil. Os vencedores da concorrência poderão escolher um ponto fixo para estacionar. A EPTC destinou 89 vagas em diversos locais da cidade. Para que os passageiros possam localizar mais rapidamente o veículo adaptado, todos deverão se vincular a uma das sete radiotáxis que operam na capital gaúcha. As mensalidades variam entre R$ 250,00 e R$ 420,00, sendo que tem uma radiotáxi que, por enquanto, não está cobrando mensalidade. Já os valores dos condomínios dos pontos fixos variam, sendo os mais elevados da Rodoviária de Porto Alegre e do Aeroporto Internacional Salgado Filho, administrado por uma cooperativa. O presidente do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), Luiz Nozari, entende que o investimento que os novos permissionários terão que fazer é muito elevado, por causa do valor mínimo necessário para arrematar a permissão. Na opinião do dirigente sindical a EPTC não deveria vender as outorgas, mas realizar a licitação e cumprir com a promessa feita de que os condutores auxiliares teriam uma pontuação diferenciada dos demais concorrentes. “Com todos estes custos, qual é a pontuação diferenciada que o condutor auxiliar terá nesta concorrência, onde quem tiver mais dinheiro leva?” Questiona Nozari. Outra questão importante que os novos permissionários precisam observar é que o tratamento a ser dado para eles é totalmente diferente dos atuais, conforme expressa a a Lei Municipal nº 11.582, de 21 de fevereiro de 2014 (A Nova Lei do Táxi). Os novos permissionários poderão explorar o serviço por 35 anos, sem direito a vender, trocar, arrendar ou transferir a permissão para seus herdeiros, ou qualquer outra pessoa. Além disso, haverá cumprimento de jornada de trabalho e o veículo, obrigatoriamente, deverá estar à disposição da população diariamente num tempo mínimo definido pela legislação em vigor. Chevrolet Spin Fotos Divulgação Fiat Doblò Adventure

[close]

p. 5

JS - Novembro de 2015 - Página 5 A Já estão definidos os prefixos dos 89 táxis e os pontos fixos onde ficarão lotados permercados (20), shoppings centers (7) e hospitais (21), além da Estação Rodoviária e Aeroporto Internacional Salgado Filho. Aliás os pontos situados nos terminais rodoviário e aeroportuário da capital gaúcha receberão o maior número de táxis. No Aeroporto serão 10 e na Rodoviária 16 carros. Cada novo permissionário, observando a ordem de posição do 1º ao 89º colo\cados, poderá escolher o ponto em que ficará lotado, conforme a disponibilidade. Para escolher o melhor ponto fixo de estacionamento, o interessado em participar da concorrência terá que oferecer uma proposta elevada, a fim de GRUPO 4 - AEROPORTO (10) Aeroporto Salgado Filho - Av. Severo Dullius, 9010 Total - 10 táxis GRUPO 5 - POLO COMERCIAL (1) Praça Princesa Isabel - Praça Princesa Isabel, s/nº (1) Praça Daltro Filho - Praça Daltro Filho, s/nº (1) Estação Farrapos Trensurb - Rua Lauro Müller, 510 (1) Igreja São José - Av. Assis Brasil, 6464 (1) Parada 16 - Rua Tanauí da Silva Boeira, 10 (1) Rótula do Papa - Rua Eurico Lara, 51 (1) Praça Guia Lopes - Praça Guia Lopes, 72 (1) Restinga - Rua Eugênio Rodrigues, 1558 Total - 8 táxis GRUPO 6 - SHOPPINGS (1) Shopping Total - Av. Cristóvão Colombo, 545 (1) Shopping Moinhos - Rua Félix da Cunha, 1099 (1) Shopping Praia de Belas - Av. Borges de Medeiros, 2700 (1) Shopping Iguatemi I (Nacional) - Av. João Wallig, 1800 (1) Shopping Iguatemi II - Av. João Wallig, 1800 (2) Barra Shopping Sul - Av. Diário de Notícias, s/nº Total - 7 táxis GRUPO 7 - SERVIÇO PÚBLICO (1) Tribunal Federal-Av. Otávio Francisco Caruso da Rocha, 600 (1) Foro Central - Rua Márcio Luís Veras Vidor, 10 (1) Ministério da Fazenda - Rua Ibanor Tartaroti, s/nº Total - 3 táxis GRUPO 8 - HOTÉIS (1) Alfred Hotel - Av. Alberto Bins, 308 (1) Hotel Lancaster - Rua General Andrade Neves, 159 Total - 2 táxis GRUPO 9 - POLO RESIDENCIAL (1) Condomínio Jardim América Av. Moysés Antunes da Cunha, 55 Total - 1 táxi GRUPO 10 - UNIVERSIDADE (1) PUC-RS - Av. Ipiranga, 6681 Total - 1 táxi o longo dos últimos 42 anos muitos prefixos foram cassados ou cancelados pelo poder público municipal. Com a Concorrência nº 3/2015 estes numerais retornarão e serão utilizados pelos 89 novos permissionários vencedores do pleito. A ordem de numeração crescente obedece a posição do 1º ao 89º colocados (leia o quadro abaixo). Da mesma forma a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) determinou 89 espaços de estacionamentos nos pontos fixos localizados em diversas regiões da cidade, especialmente hotéis (2), su- obter uma boa posição na classificação. É importante lembrar que a EPTC vai escolher 150 propostas, pois formará um cadastro reserva com validade de dois anos. Este cadastro será utilizado se for necessário incluir mais permissões no sistema de táxi da capital gaúcha. Os 150 escolhidos passarão pela prova prática, de caráter eliminatório, por isso, existe a possibilidade de muitos serem chamados ainda durante o processo de concorrencia. A expectativa de todos é saber quantas propostas serão apresentadas até o dia 18 de dezembro. GRUPO 1 - SUPERMERCADOS (1) Zaffari Bordini - Rua Coronel Bordini, 509 (1) Zaffari Cidade Baixa - Rua Luiz Afonso, 143 (1) Bourbon Ipiranga - Rua 18 de Setembro, 199 (1) Zaffari Silva Jardim - Rua Silva Jardim, 581 (1) Carrefour Partenon - Rua Albion, 111 (1) Zaffari Protásio Alves - Av. Protásio Alves, 2657 (1) Nacional Lajeado - Av. Lajeado, 507 (1) Zaffari Ipiranga - Rua Santa Cecília, 1143 (1) Zaffari Higienópolis - Av. Plínio Brasil Milano, 1080 (1) Carrefour Passo D’Areia - Av. Plínio Brasil Milano, 2343 (1) Bourbon Country - Av. Túlio de Rose, 80 (1) Nacional Leopoldina - Rua Doutor Romaguera da Cunha Corrêa, 10 (1) Bourbon Assis Brasil - Av. Assis Brasil, 200 (1) Big Sertório - Av. Sertório, 6600 (1) Nacional Triângulo - Rua Gomes de Freitas, 72 (1) Nacional Teresópolis - Av. Teresópolis, 2888 (1) Big Zona Sul - Av. Eduardo Prado, 330 (1) Nacional Tristeza - Rua Doutor Armando Barbedo, 400 (1) Zaffari Tristeza - Praça Souza Gomes, 10 (1) Zaffari Juca Batista - Av. Coronel Pedro Augusto Bittencourt, 10 Total - 20 táxis GRUPO 2 - HOSPITAIS (3) Santa Casa - Av. Independência (estacionamento interno) (2) Hospital da PUC - Av. Ipiranga, 6690 (4) Hospital de Clínicas - Rua Ramiro Barcelos, 2350 (1) Hospital Ernesto Dornelles - Av. Ipiranga, 1801 (1) Hospital Porto Alegre - Rua Doutor Sebastião Leão, 64 (1) Hospital Moinhos de Vento - Rua Ramiro Barcelos, 910 (1) Hospital Fêmina - Rua Mostardeiro, 19 (1) Hospital Mãe de Deus - Av. José de Alencar, 286 (1) Instituto de Cardiologia - Av. Princesa Isabel, 395 (2) Hospital Pronto Socorro - Rua Augusto Pestana, 10 (1) Hospital Cristo Redentor - Rua Domingos Rubbo, 51 (1) Hospital Nossa Senhora da Conceição - Av. Francisco Trein, 591 (1) Hospital Banco de Olhos - Rua Engenheiro Walter Boehl, 285 (1) Hospital Vila Nova - Av. Eduardo Prado, 330 Total - 21 táxis GRUPO 3 - RODOVIÁRIA (16) Estação Rodoviária - Largo Vespasiano Júlio Veppo, 42 Total - 16 táxis O número do prefixo está definido pela ordem de colocação na concorrência Editoria de Arte/SP Comunicação

[close]

p. 6

JS - Novembro de 2015 - Página 6 Taxista é morto com sete tiros Polícia apreende 12 táxis que pertenciam ao traficante Xandi Ele morreu em janeiro deste ano, mas parece que continua vivo, pois a polícia segue investigando a sua vida. O traficante, Alexandre Goulart Madeira, vulgo Xandi, deixou uma herança financeira e no dia 7 do mês passado agentes do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) e do Gabinete de Inteligência da Polícia Civil realizaram uma ação no Condomínio Princesa Isabel, cumprindo ordem judicial e sequestraram diversos bens do criminoso, inclusive 12 táxis - a polícia ainda busca outro. Estima-se que o patrimônio sequestrado chegue a R$ 5,5 milhões, incluindo imóveis e veículos de luxo. A viúva de Xandi, Suselaine Cabral Madeira, foi presa em Canoas. Ela estava de posse de uma caminhonete Tribeca blindada, avaliada em R$ 200 mil, que foi apreendida, juntamente com R$ 19 mil em dinheiro, encontrados no interior da residência. Segundo a Polícia Civil, os táxis estavam em nome de permissionários “laranjas” e a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) já abriu processo administrativo para cassar as permissões. O Maurício Berzagui Gandon Arquivo Pessoal/Facebook ano está terminando e todos esperavam que não haveria nenhum registro de morte de taxista em 2015. Infelizmente o profissional do volante, Maurício Berzagui Gandon, 28 anos, tombou durante o exercício da atividade. Na noite do dia 28 do mês passado ele apanhou um passageiro no ponto fixo do Hotel Blue Tree Caesar Towers, na Rua Coronel Lucas de Oliveira, Bela Vista, em Porto Alegre e pouco tempo depois a corrida e sua vida terminaram no Beco dos Soares, bairro Vila Augusta, em Viamão. O corpo de Maurício foi encontrado com sete disparos de arma de fogo, do lado de fora do táxi Fiat Siena, placas IVU 5841, prefixo 3114. A polícia trabalha com a hipótese de homicídio, já que os pertences do taxista não foram levados. A probabilidade é de que ele conhecia o passageiro e tenha sido atraído para uma emboscada. Antes de iniciar a corrida Maurício fez contato com a Tele Táxi, a radiotáxi em que o prefixo é vinculado, para obter informações sobre o valor de uma corrida até Viamão. O rastreador do táxi de Maurício ficou travado marcando o ponto onde ele estava no início da corrida, porém os técnicos da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) conseguiram recuperar os dados e o trajeto percorrido pelo veículo. As informações já foram repassadas à Polícia Civil, bem como imagens das câmeras de monitoramento da Rua Coronel Lucas de Oliveira, a fim de que as circunstâncias da morte do taxista sejam esclarecidas. Maurício era casado e tinha um filho. Seu corpo foi velado e sepultado no Cemitério João XXIII, em Porto Alegre. Colegas realizaram carreatas pelas ruas da capital gaúcha protestando contra a morte de Maurício. Sintáxi solicita reajuste da tarifa do táxi A diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) encaminhou ofício à Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), no dia 12 deste mês, solicitando o reajuste da tarifa do táxi por conta do aumento do preço dos combustíveis (gasolina, etanol e gás natural veicular GNV). A lei permite que o sindicato faça o pedido sempre que o reajuste dos combustíveis ultrapassar o patamar mínimo de 8%. O último aumento da tarifa do táxi ocorreu no dia 30 de abril deste ano, conforme a variação do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), medido pela Fundação Getúlio Vargas.

[close]

p. 7

JS - Novembro de 2015 - Página 7 A EPTC atende pedido do Sintáxi e apreende veículos que faziam transporte irregular de passageiros na Restinga zação da EPTC. Segundo o diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Luís Cappellari, a equipe do COT estava monitorando o transporte irregular de passageiros naquela região comprovando a denúncia do Sintáxi. Com o apoio da Polícia Civil, os agentes de fiscalização realizaram a abordagem apreendendo os veículos que foram recolhidos para o pátio do órgão municipal. O veículo Chevrolet Classic, placas ISE 4219, conduzido por Almedorino Pinheiro dos Santos está sendo procurado pelos agentes de fiscalização da EPTC. Conforme informações repassadas ao Sintáxi, os veículos que realizam o transporte individual de passageiros na Restinga alimentam o tráfico de drogas, já que os motoristas pagariam uma taxa aos traficantes e, desta forma, poderiam atuar livremente no bairro. Desta forma, os traficantes impedem o acesso de taxistas regulares licenciados pelo poder público municipal. “Agradecemos o trabalho realizado pela EPTC, que retirou das ruas os veículos que atuavam de forma irregular, alimentando o tráfico e prestando um deserviço à população. Porto Alegre tem uma legislação ampla e específica que disciplina o transporte público de passageiros e deve ser cumprida por todos”, comenta Nozari. ção realizada no dia 5 do mês passado pela Coordenação de Operações de Transporte (COT) da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), juntamente com a Polícia Civil, resultou na apreensão de 15 veículos um está em processo de busca -, que realizavam serviço irregular de transporte individual de passageiros no bairro Restinga, zona Sul de Porto Alegre (leia o quadro ao lado). A denúncia havia sido feita pelo Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi). Um grupo de pessoas criou um ponto fixo no Acesso “P”, em frente a um supermercado. Os veículos permaneciam estacionados no local e os motoristas faziam corridas sem autori-

[close]

p. 8

JS - Novembro de 2015 - Página 8 A Uber inicia as operações em Porto Alegre no próximo mês dio Janta que busca defender a categoria. Conforme o presidente do Sintáxi, Luiz Nozari, a proposta de Janta é semelhante a ideia apresentada pela entidade, durante encontro com o presidente da Federação dos Taxistas e Transportadores Autônomos de Passageiros do Rio Grande do Sul (Fecavergs), Moacir da Silva, em setembro passado. Na oportunidade os sindicalistas sugeriram a elaboração de um projeto de lei que impeça o funcionamento de qualquer tipo de aplicativo que possa ser utilizado na contratação de transporte de passageiros com veículos particulares em todo o território nacional. O dirigente da Fecavergs apresentou a proposta na reunião da Confederação Nacional do Transporte (CNT), realizada no dia 30 de setembro, em Brasília. Segundo Moacir da Silva, a ideia do Sintáxi foi bem aceita entre os participantes da reunião e as assessorias jurídica e parlamentar da CNT iniciaram os trabalhos de criação de um anteprojeto de lei que será encaminhado ao Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado Federal). “Somos totalmente contrários a operação do Uber em Porto Alegre, pois é concorrência desleal com um sistema regulamentado por lei e acreditamos que é necessário uma legislação específica para tratar deste caso antes que surjam os mesmos problemas ocorridos com a empresa norte-americana em outros países. Os governos municipais, estaduais e federal precisam se posicionar a respeito disto”, relata Nozari. Problemas Um motorista da filial indiana da Uber foi condenado à prisão perpétua por estupro de uma passageira em Nova Délhi. Conforme a agência de notícias Reuters, a justiça considerou culpado o motorista Shiv Kumar Yadav pelo estupro, em dezembro de 2014, de uma mulher de 25 anos que havia contratado o serviço pelo aplicativo. Depois do estupro o governo proibiu a Uber de operar durante várias semanas e a empresa foi acusada de não ter verificado os antecedentes do motorista. Para conseguir o trabalho Shiv Kumar Yadav utilizou referências falsas que escondiam seu histórico criminal - todas as pessoas que se candidatam para ser motoristas têm seus registros criminais analisados e passam por um processo de seleção. Devido ao ocorrido, os serviços da Uber haviam sido proibidos na capital e o direito de voltar a operar na cidade foi concedido apenas após intensa verificação dos motoristas e novas medidas de segurança implementadas pela empresa. A vítima trabalhava para uma firma de consultoria internacional e dormiu durante a corrida a caminho de sua casa. O motorista, então, dirigiu para um lugar afastado e a estuprou. Essa não é a primeira vez que a Uber se vê nessa situação. No mês passado, a empresa havia contratado cerca de 25 motoristas em Los Angeles e São Francisco, nos Estados Unidos, que tinham registros criminais por roubo, abuso sexual e até assassinato. norte-americana Uber deverá iniciar suas atividades em Porto Alegre no próximo mês conforme informação do jornalista Tulio Milmann, publicada no jornal Zero Hora, edição do dia 8 deste mês. A empresa já está presente em quatro capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília, provocando muita discussão e debate, já que concorre com os sistemas de táxis estabelecidos nestas cidades. Enquanto isso, o Projeto de Lei nº 145/15, de autoria do vereador Clàudio Janta (SD), que proíbe o transporte remunerado de passageiros em veículos particulares cadastrados por aplicativos ou plataformas semelhantes, deverá ser votado ainda neste mês. A assessoria do vereador esclarece que o projeto já percorreu todos os trâmites regimentais daquela casa legislativa e a votação depende de acordo das lideranças de todas as bancadas para que entre na pauta. A diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) apoia a iniciativa do vereador Clàu- Projeto do vereador Clàudio Janta proíbe o serviço de transporte de passageiros executado por motoristas contratados por aplicativos Divulgação

[close]

p. 9

JS - Novembro de 2015 - Página 9 Projeto cria cota para o sistema de táxi da capital A bancada do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) na Câmara Municipal de Porto Alegre, através dos vereadores Fernanda Melchionna e Professor Alex Fraga, apresentaram um polêmico projeto de lei determinando que 20% da frota de táxis da capital (cerca de 780 carros, sem computar os 89 prefixos que serão licitados) sejam dirigidos por mulheres. A diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) é totalmente contrária ao projeto que tenta criar uma espécie de cota no sistema de táxi. O diretor-administrativo do Sintáxi, Adão Ferreira de Campos, explica que atualmente as mulheres podem ocupar 100% da frota de táxis da capital. “Se isto não acontece é porque não há mulheres interessadas em trabalhar como taxistas, pois vagas existem”, explica Adão Campos. A criação de cotas no sistema de táxi não vai gerar empregos, muito menos trazer mulheres para frente do volante. “E se não for possível preencher a cota estabelecida no projeto de lei, como o poder público municipal vai solucionar o problema? Vai retirar os táxis em circulação, dirigidos por homens, para que fique na proporção determinada?” Questiona o diretor-administrativo do Sintáxi. D Mobilidade urbana em discussão na capital gaúcha mil profissionais do volante licenciados para o exercício da atividade na capital e membro do Conselho Municipal de Transportes Urbanos (Comtu), Luiz Nozari, 60, está preparado para debater e apresentar ideias que podem melhorar a mobilidade da cidade. “Esperamos poder contribuir com este evento, discutindo e apresentando propostas reais e acessíveis para resolver o problema de mobilidade urbana e transporte de passageiros em Porto Alegre. Certamente que temos muitas ideias e amplo conhecimento do sistema e nossa expectativa é que as propostas apresentadas sejam observadas pelo poder público para o bem de toda a população”, comenta Nozari. Representantes da Associação dos Transportadores de Passageiros por Lotação de Porto Alegre (ATL), Associação das Empresas de Transporte de Passageiros de Porto Alegre (ATP) e Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), entre outras entidades deverão participar do evento que é aberto ao público e será mediado pelo diretor da WRI Brasil e engenheiro de transporte, Luís Antônio Lindau. ebater ideias para melhorar a vida das pessoas e a mobilidade nos grandes centros urbanos. Esta é a proposta da WRI Brasil, filial do Instituto de Recursos Mundial (WRI - World Resources Institute), com seu ciclo de palestras que chega à capital gaúcha neste mês. O Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) participará do evento “Players” - expressão oriunda da área econômica que se refere aos competidores ou investidores que atuam em um mercado comum -, no dia 27, às 14h, no Espaço Nós Coworking, localizado no Shopping Total, Av. Cristóvão Colombo, 545, Alameda dos Escritores, prédio 2, 5º andar. Os organizadores do ciclo de palestras convidaram o representante brasileiro da empresa norte-americana Uber, para apresentar a proposta do uso do aplicativo que concorre com o sistema de táxi em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e que chegará a Porto Alegre no próximo mês. Taxista há mais de 35 anos, presidente do sindicato que representa os mais de 10,5

[close]

p. 10

JS - Novembro de 2015 - Página 10 A sociedade pode e deve fiscalizar a aplicação dos recursos públicos Com o objetivo de estabelecer um diálogo direto com os integrantes de organizações da sociedade civil e entidades de classe, o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS) está realizando um ciclo de palestras para demonstrar a relevância do trabalho realizado pela instituição e que beneficia o povo gaúcho. No dia 19 do mês passado um grupo de taxistas foi recebido na sede do TCE-RS. O diretor-administrativo do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), Adão Ferreira de Campos, esteve presente no encontro. De acordo com o presidente do TCE-RS, Cezar Miola, a intenção é tornar cada vez mais efetiva a relação com a sociedade. “Os taxistas dialogam com diferentes públicos e são canais para o fomento de ideias e debates, podendo trazer importantes contribuições para a melhoria da gestão pública”, disse o presidente. Somente em Porto Alegre, são transportados em táxi, em média, 200 mil pessoas por dia. Durante a reunião, o diretor-geral da instituição, Valtuir Pereira Nunes, explicou os detalhes da atuação fiscalizatória do órgão de controle, comparando a administração das cidades, do Estado e do país com um condomínio, levando os presentes a refletir sobre o papel de cada um diante desse cenário. “O serviço público é uma devolução por aquilo que as pessoas já pagaram em forma de impostos. Se você paga os seus impostos em dia, seu direito é receber serviços de qualidade”, destacou. O diretor demonstrou também as ferramentas de controle social existentes no portal do TCE-RS e em outros bancos de dados da internet, além de explicar de forma didática conceitos ligados às áreas da receita e da despesa pública. A ideia é que os taxistas auxiliem na fiscalização do uso do dinheiro público e quando observarem alguma irregularidade em obras como aberturas e conservação de vias, edificações de viadutos, passarelas, praças, passeios públicos, prédios ou desperdícios, denuncie ao TCE-RS. “Antes de tudo os taxistas são cidadãos, pagam impostos e colaboram para que os governos façam as obras necessárias visando o bem-estar de todos, por isso, podem e devem fiscalizar a aplicação dos recursos públicos do município, Estado e União. Eles circulam diariamente pelas cidades e podem se deparar com obras inacabadas e desperdício de dinheiro e, por uma questão de cidadania devem denunciar ao TCE-RS”, comenta Adão Campos. Guaíba castiga Porto Alegre O muro da Av. Mauá impediu o avanço das águas pelas ruas do Centro Histórico de Porto Alegre Paulo Pires/Grupo Editorial Sinos O mês de outubro deste ano ficará guardado na memória dos portoalegrenses e na história da cidade a exemplo de abril e maio de 1941. O Guaíba avançou sobre a cidade causando pânico, medo, além de desabrigar as famílias moradoras das ilhas e outros bairros localizados nas zonas Norte e Sul. No dia 12 o nível do estuário atingiu a marca histórica de 2m89cm, o ponto mais alto em 74 anos, segundo o Centro Integrado de Comando (Ceic). Em 1941 o nível chegou a 4m67cm e todo o centro da cidade ficou submerso. Foi a primeira vez que as 14 comportas do Muro da Mauá, concluídas em 1970 para impedir o avanço das águas cidade adentro, foram fechadas. O Guaíba tomou o Cais do Porto e só não invadiu as ruas do Centro Histórico, como aconteceu em 1941, por causa do Muro da Av. Mauá. Cerca de 200 pessoas, moradoras das ilhas e que não tinham onde ficar, tiveram que ser alojadas no Ginásio Tesourinha. A população se mobilizou com inúmeras doações tentando amenizar o desespero de quem perdeu tudo: casa, móveis, eletrodomésticos e roupas. Maio de 1941 e outubro de 2015: dois momentos marcados para sempre. O velho, belo e querido Guaíba se revoltou e tentou engolir a cidade que o ama. As maiores cheias do Guaíba * 1926 - 2m38cm * 1936 - 2m87cm * 1941 - 4m76cm * 1967 - 2m83cm * 2015 - 2m89cm Mercado Público em maio de 1941 Arquivo Rua dos Andradas em abril de 1941 Acervo João Alberto/Uniritter

[close]

p. 11

JS - Novembro de 2015 - Página11 C Taxistas de Canoas testam carro elétrico produzido pela BYD o profissional gasta mensalmente com o carro convencional. “É um carro que economiza entre 85 e 90% do consumo energético. Um veículo tradicional gasta R$ 0,20 por quilômetro, com o elétrico, o custo cai para R$ 0,04 centavos. Se um taxista gasta R$ 3 mil por mês de gasolina, com a energia elétrica vai gastar em torno de R$ 300,00. Essa economia é suficiente para pagar o financiamento”, afirma Adalberto Maluf. Os taxistas de Canoas participaram do ato e depois se reuniram com representantes da prefeitura e da BYD. A primeira impressão foi bastante positiva: “Pode representar uma economia fundamental para a nossa sobrevivência. Hoje, com o preço alto da gasolina, está muito difícil de trabalhar. O custo benefício parece valer a pena. Vamos conhecer melhor o carro agora com ele na rua, mas o que vimos hoje já nos surpreendeu”, mencionou Sérgio Antônio de Oliveira, presidente do Sindicato dos Taxistas de Canoas (Sinditáxi). A diretoria do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) está em contato com a BYD do Brasil para trazer o e6, a fim de que os profissionais do volante da capital gaúcha possam conhecer o veículo e testá-lo. O veículo ficará em exposição na sede do sindicato, na Av. Bento Gonçalves, 1949, bairro Partenon. arro elétrico, a natureza agradece. A BYD do Brasil, localizada em Campinas (SP), está produzindo os veículos elétricos e, desde o dia 7 do mês passado, realiza testes pelas ruas de Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre. Os taxistas daquela cidade estão dirigindo o modelo e6, uma mistura de sedã com SUV. Totalmente elétrico conta com bateria de longa autonomia, capaz de rodar mais de 300 km com apenas uma recarga. O preço do modelo é R$ 250 mil. O tempo médio de recarga em uma residência com rede elétrica de 220 volts fica entre quatro e cinco horas. No entanto, a velocidade de reabastecimento completo da bateria pode ser acelerada para duas horas com o uso de um equipamento especial de alta potência, vendido separadamente pela BYD. O diretor de Marketing e Assuntos Governamentais da fábrica chinesa BYD, Adalberto Felício Maluf Filho, relata que o mesmo modelo testado em Canoas, já integra as frotas de táxis de outras cidades como: Campinas (SP); Shenzhen, na China (100% da frota); Montevidéu, no Uruguai; Bogotá, na Colômbia; Londres, na Inglaterra; Bruxelas, na Bélgica; e São Diego, Nova Iorque, São Francisco e Chicago, nos Estados Unidos. Com velocidade máxima de 140 km/h, o Modelo elétrico e6 está sendo testado pelos taxistas Tony Capellão/Divulgação/Prefeitura Municipal de Canoas veículo pode ser usado tanto no trânsito cotidiano das grandes cidades quando em vias de alta velocidade, como as estradas. O carro conta ainda com um torque de 450 Nm, podendo atingir 60 km/h em 7,69 segundos. “Outra vantagem do automóvel é que, quando completamente recarregado, ele pode servir por mais de cinco dias como uma fonte reserva de energia para uma residência que consuma 12 kWh por dia”, comenta Adalberto. O e6 ficará em teste por 60 dias em Canoas e os taxistas poderão adquirir o modelo a partir de um leasing operacional que dura entre cinco e seis anos. As parcelas do financiamento correspondem aos custos de combustível e manutenção que

[close]

p. 12

JS Novembro de 2015 - Página 12 O A importância do taxista para a cidade e na prevenção do suicídio sucedida. Por vezes o trânsito, muito trancado pelo horário, por algum acidente, alagamentos, chuva forte, queda de árvores, obra ou por alguma manifestação é um desafio que deve ser vencido. Cada passageiro e condutor pode encarar de modo pessoal a situação naquele momento. Normalmente não é necessário explicar nada caso o passageiro não pergunte. Se perguntar, responder da maneira mais simples, evitando emitir opiniões sobre a “sua” solução para o problema. Acalmá-lo por sua tranquilidade. Dirigir sem cometer infrações de trânsito. O fato de a corrida ficar mais cara devido ao para e anda do trânsito não é de responsabilidade do taxista. De modo geral não emitir opiniões sobre fatos da vida íntima da pessoa. Escutar com atenção é muito importante. Mas se o taxista sentir que aquela pessoa está com algum problema grave pode requerer uma atitude mais ativa. Pessoa que fala coisas como: “eu estou cansado de viver”, “não sei o que estou fazendo neste mundo”, “penso em desistir de tudo” e outras, pode significar um desesperado pedido de socorro em um momento difícil numa cidade estranha. E o profissional do volante é a pessoa a quem este desconhecido está apelando. O que é possível fazer? Em primeiro lugar o taxista não deve terminar o trajeto sem pensar nada. Pode ser o último destino da pessoa em sua vida. Se for possível é melhor parar o veículo, olhar para este passageiro e perguntar se deseja algum tipo de ajuda. Se apenas disser “me leve ao meu destino”, faça isto e, antes de ele descer, ofereça-se para acompanhá-lo, até que ele faça contato com alguma pessoa, seja no hotel, ou em outro local. Se possível, o taxista pode falar discretamente com o passageiro e fazer um resumo de sua impressão, deixando o mesmo inteirado de que observou a conduta dele. Se tiver à mão o número do Centro de Valorização da Vida (CVV), 188 - ligação gratuita mesmo de celular -, ofereça-o como uma das opções para que a pessoa possa livremente e de forma sigilosa, desabafar o que a está angustiando. O principal serviço do CVV é o atendimento telefônico nas 24 horas do dia, onde é prestado o apoio emocional. O trabalho é realizado em caráter voluntário e as pessoas são capacitadas para prestar o atendimento com atenção, aceitação, respeito, confiança, sem discriminação e anonimato garantido. Não são dados “conselhos”. Taxistas que queiram relatar situações que vivenciaram em serviço podem enviar para o e-mail: setembro.amarelo.rs@gmail.com. taxista, no exercício de sua atividade profissional, é muito importante na vida das pessoas e pode contribuir para a primeira ou última impressão de um visitante sobre a cidade. Por vezes o passageiro pode fazer comentários com os quais o taxista não concorde. São opiniões políticas, de paixão clubística e muitas outras, que, por vezes, deixam o profissional do volante em dúvida se contesta ou não. Outras vezes o cliente insiste em um trajeto até o destino que não é o habitual. Poderá contar uma história de sua intimidade ou de sofrimento pessoal muito intensa e pedir a opinião. Como o taxista poderia proceder nestes casos? Claro que cada situação requer uma conduta para aquele momento. Mas o modo pelo qual nos relacionamos é mais importante do que dizemos. A cordialidade, um sorriso de acolhimento, deixar o passageiro à vontade é o princípio de uma corrida bem- Vitor Alfredo Stumpf Voluntário do CVV

[close]

p. 13

JS - Novembro de 2015 - Página 13

[close]

p. 14

JS - Novembro de 2015 - Página 14 PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS Remar contra a (?): lutar em vão A primeira Sinal que só pode ser recebido pelas apresentação de vogais, em Português um filme Parte externa da boca www.coquetel.com.br A igreja co- Dois insmo a Batis- trumentos ta ou Pres- musicais biteriana de cordas © Revistas COQUETEL Cozinhar no forno Deixar o local O que faz versos Condolências Sentido do toque Corrida de carro (gír.) Consoantes de "bote" (?) de onça: mau hálito (bras. gír.) Usuário do hotel Sentença; período Jogada realizada no tiro de meta (fut.) Ou, em inglês (?)-retratos, enfeite de cômodas Prata (símbolo) Aquela que venceu o jogo (?) de Arte Moderna: o MAM (RJ) Sílaba de "cidra" Não é? (pop.) (?) queen: transformista Hiato de "piedade" O carvão na churrasqueira Encolher Número de meses do semestre Interjeição de espanto ou desagrado O de esmalte é a acetona Fragmento comum no piso da serraria Tipo de blusa unissex Substância azul corante 1, em algarismos romanos Memória de computadores Opõe-se a "passivo" Beco; viela Pertencente ao campo (?)-juan: homem conquistador O gaúcho muito bagual foi ao médico da capital para fazer um checkup legal. - Seu Bagualino, o senhor está em muito boa forma para 40 anos. - E eu disse ter 40 anos, tchê? - Quantos anos o senhor tem? - Fiz 57 em maio que passou. - Puxa! E quantos anos tinha seu pai quando morreu? - E eu disse que meu pai morreu, tchê? - Oh, desculpe! Quantos anos tem seu pai? - O velho tem 81. - Que bom! E quantos anos tinha seu avô quando morreu? - E eu disse que ele morreu? - Sinto muito. E quantos anos ele tem? - Está com 103 e anda de bicicleta até hoje. - Fico feliz em saber. E seu bisavô? Morreu de quê? - E eu disse que ele tinha morrido? Ele está com 124 e vai casar na semana que vem. - Agora já é demais! - Diz o médico revoltado. - Por que um homem de 124 anos iria querer casar? - E eu disse que ele queria se casar? Queria nada, foi obrigado porque engravidou a chinoca! Para ver a reação do marido a mulher escreve um bilhete com a mensagem: “Fui embora. Não volto mais!” Escondida debaixo da cama ela espera o marido chegar. Ele entra no quarto, vê o papel, escreve alguma coisa, começa a cantar, todo feliz e telefona para alguém: - Amor, estou indo agora! A louca foi embora! Ele pegou o carro e saiu. Enfurecida, a mulher sai debaixo da cama e lê o que ele escreveu: “Consigo ver os teus pés. Fui buscar pão. Prepara o café!” ☺ ☺ ☺ ☺ ☺ O assaltante aborda Joaquim no meio da rua. - Pare!! - grita o ladrão. - Ímpare! - responde o português estendendo três dedos. - Ô, portuga, eu estou roubando você! - fala o ladrão. - Estás a me roubar, então não brinco mais contigo. Adeusinho! ☺ ☺ ☺ ☺ ☺ Um professor pergunta ao aluno: - Arroz é com “s” ou com “z”? O aluno responde: - Aqui na escola eu não sei, mas lá em casa é com feijão! E V I P O L B A E G M U I T BR A R R L A M A A N G E L R PE S A T B E TA T U R I F O E O R C I A N H A D S E U D E T A R E T R S A I U E M O V E I P O L S C A A A I C A M E S N S S T A O R P G O R A R A G T F A I R C U D O R O A N I L 2/or. 3/don. 4/drag. 5/lasca. 7/pêsames — turista. 10/evangélica. BANCO 10 Solução

[close]

p. 15

JS - Novembro de 2015 - Página 15 IGP-M dispara O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), atingiu 1,89% no mês passado acumulando 8,35% em 2015 e 10,09% em 12 meses. Conforme o economista da FGV, André Braz, o aumento do IGP-M ocorreu devido a desvalorização do dólar, frente ao real, elevando os preços dos produtos exportados e importados. “A desvalorização cambial encareceu muitos produtos”, explica Braz. O IGP-M é utilizado para balizar os reajustes de contratos de aluguéis e aumento de energia elétrica. A tarifa de táxi de Porto Alegre também é reajustada pela variação deste índice. Desde 2009 os índices de correção da tarifa do táxi, conforme a variação do IGP-M foram: 8,39% (2009); 4,77% (2010); 7,39% (2011); 3,18% (2012); 8,21% (2013); 7,11% (2014); e 3,16% (2015). O próximo reajuste da tarifa do táxi de Porto Alegre está previsto para 30 de abril de 2016, a menos que ocorra um aumento no preços dos combustíveis superior a 8% (média da gasolina, etanol e gás natural veicular - GNV). Seis décadas de Feira do Livro na Praça da Alfândega A té o dia 15 deste mês acontece a 61ª edição da Feira do Livro de Porto Alegre, na Praça da Alfândega, no Centro Histórico. O maior evento literário a céu aberto da América Latina completa 60 anos de existência - a primeira feira aconteceu em 1955 -, e, apesar da crise financeira, que reduziu o número de patrocinadores e expositores, os dirigentes da Câmara Rio-grandense do Livro (CRL), acreditam no sucesso do evento. Neste ano o patrono da feira é o escritor, poeta e compositor, Dilan Camargo, 66 anos, nascido em Itaqui. Ele estreou na literatura com a coletânea poética “Em Mãos”, em 1976 e já publicou outros livros de poemas e infantis, como “Diário sem data de uma Gata” e o “Embrulho do Getúlio”. Dilan disse que vai seguir o conselho do patrono da Feira do Livro do ano passado, Airton Ortiz, de percorrer todas as bancas, para conversar e estimular os livreiros a continuarem investindo no evento. Entre as novidades da Feira do Livro deste ano, está a inauguração do Teatro Carlos Urbim, na Av. Sepúlveda - em homenagem ao escritor gaúcho falecido em fevereiro deste ano -, e a vinda da jornalista francesa, Annik Cojean, que lançou um livro, em 2012, revelando detalhes da personalidade do líder líbio Muammar Gaddafi e a prática do estupro como arma de guerra. Balcão de NEGÓCIOS Venda veículos e aluguel de placas (somente contratos homologados pela EPTC) * Quer arrendar sua permissão? Tenho interesse, com ou sem carro. Rafael: 8405.7415 - 8269.4857. * Quer arrendar sua permissão? Tenho interesse, com ou sem carro. Luiz Otávio: 9271.8457. Procura-se táxi para trabalhar * Luís - Qualquer turno, ou sozinho, moro no Jardim Aparecida, Alvorada. Fones: 9358.9465 - 8658.8618. * Franklin - Qualquer turno, moro no Santa Cecília, Viamão. Fones: 9267.5489 - 9393.6380. * Rudiero - Turno noite, moro no bairro Aparecida, Viamão. Fones: 8491.6504 - 9125.2459. * Alex Antônio - Qualquer turno, moro em Viamão, não tenho experiência. Fones: 3434.2578 - 8407.5488. * Vitor - Turno dia, moro no bairro Agronomia. Fones: 8047.1529 - 8441.0282. * Luiz Otávio - Turno dia, 65 anos de idade e oito de experiência, moro na Lomba do Pinheiro. Fone: 9271.8457. * Thiago - Qualquer turno, moro na Lomba do Pinheiro. Fones: 9575.9239 - 8148.3906. * Gelson - Qualquer turno, folguista, moro na Lomba do Pinheiro. Fones: 9614.5219 - 9104.2319. * Felipe - Qualquer turno, moro na Lomba do Pinheiro. Fones: 9517.5083 - 3319.3390. * Shaiane - Turno dia, 1º carteirão, moro na Lomba do Pinheiro. Fones: 9631.2450. * Paulo Renato - Qualquer turno, moro na Lomba do Pinheiro. Fones: 8321.0306 - 9922.7752. * Evandro - Qualquer turno, moro no Partenon. Fones: 8149.4917 - 9293.3407. * Alexandre - Qualquer turno, 1º carteirão, moro no Partenon. Fones: 9212.1691 - 3354.5056. * Bernardo - Qualquer turno, 1º carteirão, moro no bairro Coronel Aparício Borges. Fone: 8650.3891. * Cássio - Turno dia, moro no Belém Velho. Fones: 8614.1897 - 8533.3947. * Paulo - Qualquer turno, 1º carteirão, moro no bairro Lageado. Fone: 8033.6215. * Cláudio - Turno dia, moro na Vila Nova. Não fumante. Fones: 9623.0323 - 9205.1001. * Christopher - Qualquer turno, não fumante, tenho experiência, moro na Cavalhada. Fone: 9350.1300. * Daniel - Turno dia, 1º carteirão, moro no bairro Glória. Fones: 8431.9059 - 9717.5845. * Vinícius - Turno dia, 1º carteirão, moro no bairro Glória. Fones: 8407.4626 - 9407.4645. * Jonathan - Qualquer turno, 1º carteirão, moro na Tristeza. Fone: 8433.1159. * Jaisson - Qualquer turno, 1º carteirão, moro no Santa Teresa. Fones: 3366.2375 - 9273.2659. * Sérgio - Turno dia, moro no Santa Teresa. Fone: 8952.6269. * Errion - Turno dia, 1º carteirão, moro no Cristal. Fones: 9119.8681 - 9582.1054 - 8414.8478. * Sérgio - Qualquer turno, moro na zona Norte. Fones: 8644.6477 - 8466.3894. * Rogério - Qualquer turno, moro no Cristo Redentor. Fone: 8159.6389. * Gabriel - Qualquer turno, 1º carteirão, moro no Sarandi. Fones: 8194.1911 - 9895.5469. * Rafael - Qualquer turno, moro no Rubem Berta. Fones: 8513.0313 - 9419.7292. * Vagner - Turno dia ou folguista, 1º carteirão, moro no bairro Santana. Fones: 9623.0842 - 8478.7421. * Hélio - Preferência p/trabalhar sozinho, moro no Centro e tenho onde guardar o veículo. Fones: 9219.1638 - 3024.6808. Permissionário procura motorista para trabalhar * Umberto - Turno da noite, preferência que more na zona Sul, com experiência. Fone: 3241.1058 após 19h. * Carlos - Turno da noite, não fumante. Falar com Cristiano. Fone: 8546.0290. Outros * Vendo Fiat Siena, 13/13, 145 mil km, capa nos bancos e forração no carpete. R$ 26.500,00. Carlos: 8240.7890 - 8240.4301. As informações contidas neste espaço são de inteira responsabilidade dos anunciantes. Este espaço é cedido, gratuitamente, para os taxistas associados ao Sintáxi, em dia com suas mensalidades. Para anunciar é necessário se dirigir à secretaria do Sintáxi e preencher o formulário específico.

[close]

Comments

no comments yet