Revista-Construir-Mais-n-11-Junho-de-2011

 

Embed or link this publication

Popular Pages


p. 1

cub abril 0,665 revista mensal do sindicato da indústria da construção no estado de goiás sinduscon-go ano 1 nº 11 junho/2011 importação coopercon-go auxilia empresas na compra conjunta de insumos e equipamentos pág 18 entrevista com o presidente da comissão de obras públicas da câmara brasileira da indústria da construção arlindo virgÍlio machado moura pág 6

[close]

p. 2



[close]

p. 3

e ditorial compra conjunta alternativa prática que gera bons resultados que a união em prol da compra conjunta de materiais e equipamentos para a indústria da construção visando à redução de custos é vantajosa todo mundo sabe para aumentar esta prática e obter melhores resultados o empresariado goiano precisa estar mais unido em prol da obtenção de resultados econômicos não só para a sua empresa mas para todo o setor nesta edição da construir mais a matéria principal aborda algumas experiências exitosas da compra conjunta de alguns insumos e equipamentos no mercado externo via coopercongo a vega construtora que adquiriu grua a sarkis engenharia com a compra de aço e a mares construtora que comprou elevadores da edificação física ao acabamento da obra é possível que todos os componentes necessários para construir encontrem similar internacional para os produtos nacionais são centenas de insumos empregados na indústria da construção civil sendo os de maior destaque por sua representatividade o aço cimento esquadrias revestimentos e elevadores aço e cimento importados por exemplo podem ter percentual de redução de preços entre 20 e 30 sobre o similar nacional enquanto que o porcelanato tem diferença ainda maior o sistema de compra conjunta de materiais e equipamentos para a construção civil está disponível às empresas do setor por meio da coopercon-go que funciona no sinduscon-go e está estruturada para oferecer facilidade e vantagens nas aquisições em grupos na matéria o leitor obterá mais informações sobre esse importante serviço da entidade prestado às empresas nas duas páginas da seção entrevista a construir mais ouviu o presidente da comissão de obras públicas cop da câmara brasileira da indústria da construção cbic arlindo virgílio machado moura que aborda importantes assuntos entre eles como a cbic tem se posicionado sobre a atualização e o aprimoramento do sinapi o que a entidade tem feito para acompanhar a execução das obras nos estados que sediarão a copa de 2014 e da edificação fÍsica ao acabamento da obra é possÍvel que todos os componentes necessários para construir encontrem similar internacional para os produtos nacionais as olimpíadas de 2016 sua avaliação sobre as linhas de financiamento para a construção concedidas pelo bndes cef e banco do brasil e a visão da cop/cbic sobre as parcerias público-privadas a entrevista está imperdível entre os artigos o diretor geral do departamento nacional de infraestrutura de transportes dnit luiz antonio pagot enfoca os investimentos que o órgão pretende fazer em goiás como o leitor pode perceber a 11ª edição da revista mensal do sinduscon-go está repleta de bons assuntos e sua leitura contribuirá para mantê-lo bem informado sobre as últimas ações da entidade voltadas ao aprimoramento da gestão das empresas boa leitura justo oliveira d abreu cordeiro presidente do sinduscon-go diretoria executiva do sinduscon-go 2010/2013 presidente justo oliveira d abreu cordeiro 1º vice-presidente carlos alberto de paula moura júnior 2º vice-presidente eduardo bilemjian filho diretor administrativo manoel garcia filho diretor adjunto administrativo daniel jean laperche diretor financeiro e patrimonial josé rodrigues peixoto neto diretor adjunto financeiro e patrimonial rodrigo campos ferreira diretor da comissão de economia e estatística ibsen rosa diretor adjunto da comissão de economia e estatística dinésio pereira rocha diretor da comissão da indústria imobiliária roberto elias de lima fernandes diretor adjunto da comissão da indústria imobiliária mário andrade valois diretora da subcomissão de habitação maria amélia alves e silva diretor da subcomissão de legislação municipal ilézio inácio ferreira diretor de materiais e tecnologia sarkis nabi curi diretor adjunto de materiais e tecnologia renato de sousa correia diretor da comissão de concessão privatização e obras públicas valdivino dias de oliveira diretor adjunto da comissão de concessão privatização e obras públicas josé carlos gilberti diretor de qualidade e produtividade humberto vasconcellos frança diretor adjunto de qualidade e produtividade marcelo alves ferreira diretor de construção pesada carmerindo rodrigues rabelo diretor adjunto de construção pesada jadir matsui diretor da construção metálica cezar valmor mortari diretor adjunto da construção metálica joaquim amazay gomes júnior diretor de assuntos jurídicos ricardo josé roriz pontes diretora adjunta de assuntos jurídicos patrícia garrote carvalho diretor da subcomissão de política e relações trabalhistas e sindicais jorge tadeu abrão diretor de saúde e meio ambiente moacyr soares moreira diretor adjunto de saúde e meio ambiente josé augusto florenzano diretor de setor elétrico e telefonia carlos vicente mendez rodriguez diretor adjunto de setor elétrico e telefonia osney valadão marques júnior diretor social e de comunicação darci moreira de lima diretora adjunta social e de comunicação eliane carvalho lima conselho consultivo josé alves fernandes filho paulo afonso ferreira mário andrade valois joviano teixeira jardim sarkis nabi curi josé rodrigues peixoto neto roberto elias de lima fernandes alan alvarenga menezes marcos alberto luiz de campos e Álvaro castro morais suplentes Élbio braz moreira marco antônio de castro miranda e joão arthur rassi conselho fiscal amós vieira wilson luiz da costa e andré luiz baptista lins rocha suplentes doriel natalício da fonseca célio eustáquio de moura e naldo alves mundim representantes junto À fieg roberto elias de lima fernandes e justo oliveira d abreu cordeiro suplentes marcos alberto luiz de campos e guilherme pinheiro de lima representante junto À cbic justo oliveira d abreu cordeiro suplentes carlos alberto de paula moura júnior e mário andrade valois junho 2011 construir mais sinduscon-go l l 3

[close]

p. 4

s umário 5 artigo o diretor geral do departamento nacional de infraestrutura de transportes dnit luiz antonio pagot aborda os investimentos que o órgão fará em goiás 6/7 entrevista o presidente da comissão de obras públicas cop da câmara brasileira da indústria da construção cbic arlindo virgílio machado moura fala sobre a participação da entidade em projetos estruturantes no caso de obra de construção civil mediante empreitada total pode a empresa compensar saldo de retenção previdenciária em guias de arrecadação de outras obras vinculadas à mesma empresa confira a orientação da assessoria jurídica 18 matéria de capa coopercon-go auxilia empresas da indústria da construção a comprar equipamentos e insumos no mercado externo acompanhe os principais acontecimentos do sinduscon-go ocorridos em maio tétano quando foi a última vez que você tomou a vacina verifique as recomendações do seconci-go 12 espaço jurídico 24 registro de eventos 30 viva com saúde 32 eu recomendo 16 passado presente 23 inovar é preciso determinação de fazer mais e ser referência norteia o trabalho da eplan engenharia mudanças de cultura e valores para implementação da inovação em obras públicas é o tema da matéria desta edição dinésio pereira rocha diretor-presidente da bloco engenharia e construção ltda recomenda a festa junina da paróquia nossa senhora da rosa mística confira o valor do custo unitário básico cub referente ao mês de abril 34 indicadores econômicos revista construir mais revista mensal do sindicato da indústria da construção no estado de goiás sinduscon-go sinduscon-go filiado à cbic e fieg rua joão de abreu n° 427 setor oeste goiânia-goiás cep 74120-110 telefone 62 30955155 fax 62 3095-5177 portal www.sinduscongoias.com.br presidente justo oliveira d abreu cordeiro diretor social e de comunicação darci moreira de lima gerente executiva sebastiana santos edição joelma pinheiro reportagem aymés beatriz b gonçalves beatriz@sinduscongoias.com.br joelma pinheiro joelma@sinduscongoias.com.br e valdevane rosa valdevane@sinduscongoias.com.br fotografia assessoria de comunicação social do sinduscon-go e sílvio simões projeto gráfico© e diagramação robson duarte e edson de melo publicidade edson vicente eduardo filho edson@sinduscongoias.com.br telefones 62 3095-5168 62 9113-0062 9687-6938 impressão gráfica art3 tiragem 6.000 exemplares publicação dirigida e distribuição gratuita as opiniões contidas em artigos assinados são de responsabilidade de seus autores consciente das questões ambientais e sociais o sinduscon-go trabalha em parceria com a gráfica art3 que utiliza papéis com certificação fsc forest stewardship council na impressão dos seus materiais informe-se 62 3095-5168

[close]

p. 5

a rt i g o investimentos em goiás luiz antonio pagot em sintonia com as necessidades de infraestrutura de um dos estados brasileiros que mais se desenvolve o dnit vem ampliando progressivamente nos últimos anos os investimentos em goiás de r 52,4 milhões em 2003 saltou para r 177,3 milhões em 2005 para r 610,6 milhões em 2009 e para 2011 a previsão é de r 887,5 milhões esses investimentos têm reflexo na logística de transportes contribuindo para o desempenho de uma economia que apresenta o setor industrial em franca expansão e o setor agropecuário entre os maiores do país após longo período de recursos escassos iniciado com a constituição de 1988 no qual ficaram comprometidos até mesmo os serviços de manutenção da malha rodoviária existente o setor de transportes voltou a respirar a partir de 2004 o ex-presidente luiz inácio lula da silva começou a resolver o problema com a regulamentação da cide que destinava um percentual da arrecadação para a infraestrutura em seguida 2005 o governo lançou o projeto piloto de investimentos ­ ppi com mais um percentual para a infraestrutura completando as fontes de recursos foi lançado o programa de aceleração do crescimento ­ pac em 2007 estabelecendo prioridades para investimentos a fim de assegurar a logística necessária à expansão da economia brasileira o resultado destas decisões pode ser comprovado na melhoria da condição da malha rodoviária federal verificada em pesquisas isentas além de investir na ampliação e adequação da malha rodoviária o dnit desenvolve o programa de manutenção rodoviária crema que aumenta a vida útil do pavimento e oferece mais conforto ao usuário o crema 1ª etapa é um programa de dois anos com utilização de 250 mil reais por quilômetro em que no primeiro ano se faz a recuperação da rodovia e no segundo a conservação os serviços compreendem intervenções no pavimento da pista e dos acostamentos recomposição da sinalização e conservação da faixa de domínio neste momento cerca de 1.170 quilômetros de rodovias de goiás passam por obras de recuperação por meio do crema 1ª etapa são importantes corredores de transporte como as brs 060 153 364 e 158 além disso o dnit executa obras de pavimentação e duplicação nas brs 070 414 e 080 totalizando 220 quilômetros de rodovias realizando duplicação e adequação de capacidade na br-060 e br-153 em mais de 320 quilômetros de rodovia isto representa um aumento da capacidade de tráfego nas rodovias que cortam o estado e transportam soja milho arroz sorgo algodão e cana-de-açúcar entre outros além da produção pecuária e mineral paralelamente o dnit investe em outro aspecto da segurança rodoviária sinalização controle de peso e velocidade dnit amplia este momento cerca de 1.170 quilômetros de rodovias de goiás passam por obras de recuperação por meio do crema 1ª etapa são importantes corredores de transporte como as brs 060 153 364 e 158 em maio será lançada a licitação da segunda etapa do prosinal que prevê a sinalização de 55 mil quilômetros de rodovia foi iniciada a instalação de equipamentos de controle de velocidade para goiás estão previstos 60 equipamentos o dnit também vai aumentar o número de balanças em funcionamento no país são 77 em funcionamento e estão previstas mais 144 o pavimento em melhores condições e uma boa sinalização somados ao controle de peso e velocidade aumentam a segurança dos usuários das rodovias federais luiz antonio pagot é diretor geral do dnit departamento nacional de infraestrutura de transportes junho 2011 construir mais sinduscon-go l l 5

[close]

p. 6

e ntrevis ta arlindo moura fundos de investimentos em infraestrutura opção para que o setor não fique limitado à política de créditos do governo nascido em 1946 na cidade de colatina espírito santo arlindo virgílio machado moura é engenheiro mecânico formado pela escola de engenharia mauá do instituto mauá de tecnologia É diretor da empresa planova planejamento e construções s/a que atua nas áreas de edificações saneamento pavimentação energia e de concessões rodoviárias presidiu a associação paulista de empresários de obras públicas apeop durante o período de 2001 a 2009 quando assumiu a presidência do conselho deliberativo da entidade foi conselheiro da associação brasileira de engenharia industrial abemi 1981/1985 acaba de ser eleito vice-presidente do instituto de engenharia de são paulo 2011/2013 atuando na presidência da comissão de obras públicas cop da câmara brasileira da indústria da construção cbic desde 2003 confira a entrevista que ele concedeu a construir mais arlindo virgílio machado moura presidente da comissão de obras públicas cop da câmara brasileira da indústria da construção cbic a participação ativa no congresso para a discussão da revisão da lei de licitações 8.666/93 a concepção do programa minha casa minha vida e agora mais recentemente nossa sugestão para um programa eficaz de saneamento o sanear é viver qual a sua avaliação quanto ao em linhas gerais quais são as adiamento anunciado pelo governo principais metas de trabalho da cop/cbic federal na execução das obras do pac as macro-metas de trabalho da cop poembora o governo não tenha assumido deriam ser definidas como ampliar as qualquer adiamento nas obras do pac embora o governo oportunidades de mercado para o consabemos que na prática haverá ou já esnão tenha assumido junto das empresas construtoras e gatá ocorrendo uma desaceleração no ritqualquer adiamento rantir condições de trabalho com justa mo de execução e de novas contrataremuneração segurança jurídica e incenções não se pode nem deve analisar tal nas obras do pac tivo ao desenvolvimento tecnológico esfato de maneira isolada em 2010 todos sabemos que na sas metas envolvem um conjunto de sabemos que por ter sido um ano eleitoprática haverá uma ações interligadas desde o planejamento ral de fortes pressões o governo gastou dos programas de governo a elaboração além do que poderia e mais compromedesaceleração no de projetos adequados a aplicação corritmo de execução e de teu recursos futuros com despesas assureta dos sistemas de preços o complexo midas estava claro que alguém iria ter novas contratações processo de fiscalização e auditoria dos que pagar essa conta ­ e logo no início órgãos de controle as licenças ambiende seu mandato a presidente dilma tais a legislação que regula as licitações e evidentemente a garantia anunciou pesado corte orçamentário o que devemos cobrar é que de recursos para investimentos esse ajuste ­ necessário para evitarmos maiores pressões inflacionárias ­ não se dê exclusivamente a partir da redução dos investimentos na sua gestão à frente da cop/cbic e sim envolva rigorosa contenção das despesas de custeio quanto às cite algumas conquistas alcançadas obras do pac defendemos o fiel cumprimento de contratos e a gaas duas principais conquistas que destaco pela ação da cbic são prirantia de continuidade das obras em andamento meiro o reconhecimento pelos governos da importância de investimento na infraestrutura nacional tema que felizmente passou a intecomo a cbic tem se posicionado sobre grar a agenda de prioridades políticas do país esperamos que de fora atualização e o aprimoramento do sinapi ma permanente e segundo o grau de interlocução com o executivo o sistema sinapi foi criado para referenciar a evolução dos custos das com o legislativo e até com o judiciário fato que tem nos colocado construções habitacionais em um dado momento sua função foi excomo verdadeiros parceiros da administração na busca de soluções e pandida para outras áreas como saneamento canalização de córrena superação de gargalos para o desenvolvimento exemplos disso gos e obras de infraestrutura urbana É como se aplicássemos um resão a contribuição determinante que fizemos na formulação do pac médio para dor de cabeça exigindo seu efeito sobre uma dezena de 6 sinduscon-go construir mais junho 2011 l l

[close]

p. 7

a maioria dos municípios brasileiros não tem rede de Água e esgoto tratados diante de dois grandes acontecimentos ­ qual tem sido a atuação da cbic junto ao copa 2014 e olimpíadas 2016 ­ o que a cbic tem governo federal na Área de saneamento feito para acompanhar a execução das obras o setor de saneamento realmente é um caso complexo suas diretrizes nos estados que sediarão os eventos esportivos gerais são fixadas pela união mas sua operação está a cargo de estao chamado pac da copa de fato acabou não acontecendo o condos e municípios das 27 companhias estatais de saneamento que junto de obras necessárias à melhoria da situação do país em função respondem por mais de 70 do atendimento desses serviços apenas do acréscimo de demandas oriundas da copa 2014 está contido na 4 ou 5 têm condições de tomar financiamento a maioria é deficitária essência dentro do pac-2 ­ e como tal vem sendo tratado pelo goverÉ preciso romper certas barreiras corporativas ousar na implementano federal e seus conveniados estados e municípios À exemplo do ção de uma política racional que produza resultados efetivos e com a que fizemos na primeira fase do pac pac-1 temos monitorado esse clareza de que serão necessários recursos a fundo perdido para financonjunto de obras levando agora ao ministério do planejamento todo ciar inúmeros municípios com menores condições de arrecadação pae qualquer problema que as entidades filiadas à cbic nos encamira tanto a cop estruturou uma proposta nham projetos burocracia atraso de pade programa federal o sanear é viver nos gamentos etc e buscando sua soluestamos ainda muito moldes do minha casa minha vida e esção para a copa 2014 mesmo o goveraquém do necessário tá articulando sua apresentação e discusno destacou a execução das arenas e o em relação às linhas são junto ao governo federal deslanche das obras de melhorias e expansão do sistema aeroportuário temos de financiamento para e na Área de energia elÉtrica participado da discussão da questão o setor da construção em goiÁs as indústrias querem aeroportuária quer na formulação de reo órgão mais atuante expandir mas sofrem com a gras especiais de contratação em discusfalta da ampliação da rede de são no congresso quer na definição da é o bndes que energia que pleitos a cbic modelagem de concessão ao setor privaconcentra sua ação tem defendido visando à do vale ressaltar que o país está muito em grandes projetos ampliação energÉtica atrasado em seu cronograma nessa área temos procurado influir na aceleração dos ­ e isso é preocupante já em relação às programas de geração e distribuição de energia elétrica não apenas olimpíadas 2016 com programa de obras mais circunscrito ao estado envolvendo os mega-projetos de hidrelétricas mas também a impledo rio de janeiro estamos aguardando as primeiras definições da rementação das pchs pequenas centrais hidrelétricas essa aceleração cém-criada apo ­ autoridade pública olímpica passa também pela racionalização das licenças ambientais qual o seu ponto de vista sobre as atuais linhas de o senhor acredita que as ppps sejam a financiamento para a construção concedidas pelo saída mais viÁvel para governos e empresas bndes cef e banco do brasil elas atendem as impulsionarem as obras de infraestrutura necessidades do setor partimos de uma constatação não há recursos públicos suficientes estamos ainda muito aquém do necessário em relação às linhas de fipara atender nossa demanda em infraestrutura diante disso o gonanciamento para o setor da construção o órgão mais atuante é o verno federal e os estaduais devem criar as condições mais atrativas bndes que concentra sua ação em grandes projetos a cef atua e seguras para poder contar com a parceria do capital privado os pribem na área habitacional mas poderia avançar bastante no saneameiros sinais do governo da presidente dilma rousseff foram positimento e o banco do brasil é iniciante nessa área acho que o país devos nessa questão dando clara mostra de superação de uma barreira veria estimular a formação de fundos de investimentos em infraestruideológica de restrição às ppps e não se trata aqui apenas da ampliatura para que o setor não fique limitado à política de créditos dos órção do potencial de recursos para investimentos as concessões e as gãos oficiais de governo temos demanda suficiente para ampliar ppps agregam o dinamismo do empreendedor privado acelerando nossa oferta de crédito significativamente os prazos de execução das obras e serviços envolvidos tal aceleração é de extrema importância pois a burocracia estaindústria da construção x licenciamentos tal vem impedindo que o governo consiga gastar os seus já limitados ambientais essa relação tem sido justa/pacífica recursos orçamentários nem justa e nem pacífica mas com uma vantagem o debate público outros sintomas isso tem gerado sérias distorções no enquadramento dos serviços contratados e no seu valor de remuneração há dois anos a cop demonstrou essa preocupação à casa civil da presidência da república e de lá para cá atuando junto à caixa econômica federal ­ que gerencia o sinapi ­ temos contribuído significativamente para o processo de revisão e de atualização desse sistema de preços a cef está contratando uma instituição via licitação pública para revisar todo o sinapi procedimento que estamos acompanhando de perto processo semelhante está ocorrendo em relação ao sicro ­ sistema de preços para obras de transportes também com efetiva participação da cop/cbic dessa relação está acontecendo envolvendo a maioria dos agentes públicos e privados estamos saindo daquela camisa-de-força caracterizada pela máxima desenvolvimento prejudica o meio ambiente a sociedade se deu conta de que em nome da radical preservação ambiental está ficando sem energia sem transportes e até sem saneamento está claro que todos devemos buscar um meio-termo um ponto de equilíbrio nessa relação e isso envolve os órgãos ambientais de fiscalização e controle o executivo o legislativo e o judiciário o país não pode mais contar com hidrelétricas pontes túneis estradas e ferrovias paradas à espera de soluções ambientais junho 2011 construir mais sinduscon-go l l 7

[close]

p. 8

n ot í ciasdos pa rcei ro s iel e sebrae organizam rodada de negócios o evento previsto para o mês de junho na capital será entre as empresa âncoras e fornecedores participantes do programa de qualificação de fornecedores pqf em goiânia e região metropolitana rio verde e catalão a rodada evento de curta duração visa fomentar negócios entre as empresas que demandam e ofertam produtos e serviços e incentivar a criação de grandes parcerias comerciais o pqf coordenado pelo iel goiás desde o ano de 1999 auxilia as micro e pequenas empresas fornecedores de produtos e/ou serviços ao setor produtivo a amadurecer negócios e na capacidade produtiva por meio de um processo de qualificação amparado em requisitos da qualidade e pré-estabelecidos e implementado por seminários consultorias e auditorias nesta linha o programa já qualificou 460 empresas fornecedoras e envolveu 88 âncoras grandes indústrias nos municípios de itumbiara minaçu rio verde catalão goiânia anápolis goiatuba aparecida de goiânia e niquelândia a parceria iel e sebrae para o pqf se converge na soma de esforços para melhor atender qualificar e promover negócios para o segmento das micro e pequenas empresas que representam 98 das empresas goianas e respondem por 58 da geração de empregos conforme dados estatísticos do sebrae borges landeiro aposta em ações de relacionamento para fidelizar seus clientes a construtora borges landeiro após realizar pesquisas de mercado vem adotando criativas formas para atrair seus clientes no último mês de abril para apresentar a 3ª etapa de um de seus projetos de maior sucesso o borges landeiro tropicale ofereceu a 200 convidados uma tarde de pizzada segundo a gerente de marketing klaudia sabino no encontro estavam presentes clientes potenciais que confraternizaram e conheceram o empreendimento de uma forma descontraída além de buscar um conceito diferente de outros eventos já promovidos a temática foi escolhida pensando em proporcionar algo que o brasileiro adora pizza e ambiente agradável explica a gerente ao conhecerem o empreendimento que oferece localização estratégica na região norte de goiânia infraestrutura de moradia e lazer valorização em curto prazo e previsão de condomínio com baixo valor os convidados sentiram parte do universo borges landeiro uma empresa sinônimo de credibilidade com produtos e serviços de qualidade os convidados gostaram tanto do evento e do empreendimento que somente na tarde da pizzada foram comercializados 21 imóveis este tipo de iniciativa facilita a proximidade com o público que acaba conhecendo melhor a marca os eventos da construtora e o empreendimento estimula-se o relacionamento e o resultado é visto em vendas seja a curto médio ou longo prazo conclui cmo comemora 25 anos pautados pelo respeito ao ser humano e à natureza a construtora moreira ortence cmo completa em 2011 25 anos de atuação baseada desde seu princípio no investimentos em medidas mitigadoras do impacto da construção civil no meio ambiente além da implantação de diferentes tecnologias sustentáveis em seus empreendimentos dentro das atividades comemorativas a empresa desenvolveu a cartilha cmo ­ programa de olho no verde que contém orientações sobre os itens de sustentabilidade e práticas sustentáveis para uso e ocupação o conteúdo da publicação é útil tanto para os futuros moradores de empreendimentos da construtora quanto aos parceiros e comunidade em geral o material será distribuído gratuitamente para a população goianiense 8 sinduscon-go construir mais junho 2011 l l

[close]

p. 9

conhecimento ganha espaço na construção civil uma parceria entre a toctao engenharia e o serviço social da indústria sesi de goiás está mudando a cara de alguns canteiros de obras da cidade além dos tradicionais e indispensáveis tijolos brita e cimento a obra passará a comportar também livros literários e computadores voltados para aulas de informática no dia 18 de maio foi realizado o lançamento dos projetos biblioteca itinerante e inclusão digital em uma obra instalada no celina park a biblioteca itinerante do sesi será instalada nos canteiros de obras do recanto praças residenciais e do ambient park residencial e deixará disponível para os trabalhadores dos dois canteiros de obra da toctao engenharia a locação gratuita de livros e dvds de acordo com a coordenadora pedagógica do sesi vila canaã lúcia helena ribas foram selecionadas oito empresas para o empréstimo dos containers com a coleção de livros e filmes e a toctao engenharia foi escolhida devido aos resultados do projeto escola nas obras também em parceria com a entidade temos alunos indo muito bem e este é um material importante para eles que foram iniciados no mundo da leitura e vão poder crescer ainda mais explica ela os empréstimos não serão restritos aos estudantes e a expectativa é estimular a leitura a ampliação de vocabulário e a compreensão de mundo para as aulas de informática a empresa já recebeu do sesi oito computadores e já montou a sala de informática no canteiro de obras do ambient onde o projeto começará com cursos de iniciação à informática serão ministrados cursos básicos com duração total de 30 horas inicialmente serão abertas duas turmas com aulas duas vezes por semana às segundas e quartas ou às terças e quintas das 17h30 às 19 horas no total são 32 vagas comitiva do sicoob engecred visita instituto cooperforte com o intuito de conhecer o funcionamento e a história do instituto cooperforte uma organização da sociedade civil de interesse público oscip comitiva do sicoob engecred esteve presente em brasília no dia 06 de maio o grupo foi recebido pelo presidente da instituição josé rogaciário dos santos pelo diretor paulo odair pointevin e pelos analistas plenos marlon da silva barbosa e pedro inácio cardins bisneto no local puderam conhecer um pouco do processo de implantação do instituto e parte de seu funcionamento aprovação e seleção de projetos foco de trabalho e programas nosso objetivo não é só capacitar É capacitar e incluir disse o presidente josé rogaciário justificando o alto índice de empregabilidade gerado pelos programas da instituição o sicoob engecred estuda a possibilidade de implantar uma entidade similar no estado de goiás ação esta que está prevista em seu planejamento oferecer soluções financeiras e serviços diferenciados e promover o desenvolvimento humano econômico e social discutimos bastante esta última parte que cala fundo em nosso grupo pois é justamente no intuito de implantar efetivamente esse objetivo que pensamos nesta ação comentou wolney unes do conselho administrativo do sicoob engecred atualmente a cooperativa analisa qual o melhor meio de estruturação associação ou instituto e o foco que devem ser trabalhados para se fazer um trabalho consistente e ideal para a realidade goiana por meio do terceiro setor aberta temporada de qualificação de olho nas grandes demandas de mão de obra do mercado as unidades de educação profissional do senai em goiás estão com inscrições abertas a diversos cursos nas modalidades de aprendizagem industrial habilitação técnica e graduação tecnológica uma novidade este ano é o curso técnico em manutenção de máquinas pesadas destinado à formação específica de profissionais para o segmento aprovada pelo conselho estadual de educação cee a nova habilitação será ministrada pela escola senai vila canaã em goiânia em parceria com a sotreq ­ empresa especializada na comercialização e no fornecimento de suporte técnico para equipamentos de diversas marcas as inscrições para o processo seletivo estão abertas até o dia 3 de junho para os cursos de aprendizagem e habilitação técnica e até o dia 10 de junho para o vestibular das graduações tecnológicas mais informações pelos telefones 40026213 em goiânia 0800 642-1313 para demais localidades ou pelo site www.senaigo.com.br junho 2011 construir mais sinduscon-go l l 9

[close]

p. 10

construção sustentável os passos para a seleção de fornecedores sustentáveis o comitê temático de materiais do conselho brasileiro de construção sustentável cbcs desenvolveu uma ferramenta virtual disponível através do site www.cbcs.org.br para auxiliar os projetistas empreendedores e usuários na seleção dos fornecedores e dos materiais que serão utilizados nas obras a ferramenta chamada 6 passos para seleção de insumos e fornecedores com critérios de sustentabilidade apresenta orientações sobre as formas de fazer esta seleção sugerindo o que se deve verificar e como analisar questões inerentes à sustentabilidade em seu conceito macro e ainda indica caminhos para este trabalho com a visão de que não existe sustentabilidade sem formalidade legalidade e qualidade sendo que a informalidade tem muitas facetas como sonegação de impostos desrespeito a legislação ambiental e desrespeito a legislação trabalhista esse sistema aborda verificação da formalidade da empresa fabricante e fornecedora verificação da licença ambiental verificação das questões sociais qualidade e normas técnicas do produto consulta ao perfil de responsabilidade socioambiental da empresa e identificação da existência de propaganda enganosa a ferramenta não se propõe a esgotar o assunto mas é uma estratégia viável para abordar práticas acessíveis a todos os compradores e especificadores de materiais e fornecedores de acordo com a conselheira do cbcs vera fernandes hachich a expectativa a partir da utilização da ferramenta dos 6 passos é que o setor dê um salto de qualidade de maneira que a vida útil dos edifícios brasileiros aumentem e que diminua a necessidade de reposição e manutenção frequentes para evitar o uso de recurvera fernandes sos naturais minimizanhachich do os impactos ambienconselheira do cbcs tais inerentes a própria atividade de construção segundo a conselheira do cbcs é preciso avaliar o impacto dos produtos no meio ambiente em todo o seu ciclo de vida desde a extração dos recursos naturais na produção utilização e até a disposição final do produto novamente no meio ambiente a abordagem do ciclo de vida é de extrema importância uma vez que produtos podem ser ambientalmente corretos com relação aos processos de produção mas podem não apresentar bom desempenho ambiental durante a sua vida útil ou no descarte após o uso a sustentabilidade não está só na empresa ou na sociedade com os patrões ou com empregados com as pessoas ou com o meio ambiente mas nas relações que se estabelecem em todos os níveis e em toda cadeia do negócio por exemplo a existência de um fornecedor na lista de empresas que utilizaram mão de obra infantil ou escrava o desqualifica como fornecedor sustentável pela ilegalidade de seus atos para a conselheira a melhor forma de avaliar a responsabilidade social empresarial de fornecedores é através do relacionamento e das formas de realizar o negócio é assumir uma co-responsabilidade dos insumos e serviços adquiridos assim como tornar sua própria prática transparente para a sociedade lembre que pequenos avanços produzidos em grande escala geram mais benefícios que grandes avanços aplicados a uma pequena parcela da produção procure julgar a eco-eficiência global da empresa e não apenas do produto de interesse sugere 10 sinduscon-go construir mais junho 2011 l l

[close]

p. 11

comunidade da construção ações perante o novo cenário da construção a comunidade da construção é um movimento de integração da cadeia produtiva para o aumento da competitividade dos sistemas à base de cimento a comunidade iniciou suas atividades há 9 anos e ao longo desse período capacitou mais de 30 mil profissionais envolvendo 350 construtoras 20 entidades e sinduscon s em 17 cidades hoje a comunidade da construção se depara com um novo cenário em que as demandas por produtividade e qualidade são um dos pilares para as empresas atingirem sua competitividade no mercado de acordo com os dados da empresa de pesquisa criactive/2010 em 2006 a cultura da empresa a cultura do projetista e o custo representavam 73 dos fatores de tomada de decisão para a escolha do tipo de estrutura já em 2010 fatores como produtividade qualidade e escassez de mão de obra representam 48 como mostra a figura o crédito imobiliário e o programa minha casa minha mcmv foram os principais fatores para o crescimento do setor da construção civil em 2010 segundo dados caixa econômica federal em 2010 foram entregues mais de 230 mil unidades habitacionais pelo mcmv e há previsão de construir mais 429 mil até o final do ano já a contração do crédito imobiliário cresceu 61,4 em 2010 em relação ao ano de 2009 totalizando mais de r 75 bilhões com o crescimento dos últimos anos algumas empresas duplicaram seu quadro de engenheiros a ampliação dos canteiros e produtividade qualidade e escassez de mão de obra produtividade redução de perda escassez de equipamento disponibilidade de materiais tipo de arquitetura escassez de mão de obra qualidade custo inovação definição do cliente projetista arquiteto cultura empresa decisão pessoal 0 5 2009 10 15 20 25 30 35 2006 fonte abcp/criative-2010 novo momento rapidez sistema escolhido deve atender o negócio custo meio ambiente qualidade cadeia fornecedora materiais e serviços processos de capacitação ferramentas técnicas normalização fonte abcp a atuação em várias regiões do país também aumentaram a complexidade do gerenciamento segundo a engenheira glécia vieira coordenadora nacional da comunidade da construção e o engenheiro valter frigieri gerente nacional de planejamento e mercado da abcp neste novo momento há um novo jeito de gerenciar o negócio em que a escolha do sistema construtivo considera a cadeia fornecedora os processos de capacitação as ferramentas técnicas e a normalização hoje as construtoras passam pelo desafio de capacitação de seus profissionais tanto de engenheiros como da mão de obra direta sob esta ótica a comunidade da construção está ampliando sua atuação para ajudar tanto as construtoras que já utilizam sistemas à base de cimento quanto as de menor porte que estão iniciando processos de racionalização o site www.comunidadedaconstrucao.com.br está sendo reformulado com o objetivo de divulgar as boas práticas construtivas em alvenaria estrutural parede de concreto estruturas de concreto alvenaria de vedação e revestimento de argamassa além de fornecer ferramentas que facilitem a implantação desses sistemas o relançamento está previsto para agosto outra ferramenta on line é a criação do ead curso a distância em alvenaria estrutural com o objetivo de capacitar engenheiros o curso é dividido em seis módulos sistema construtivo materiais interpretação de projetos organização do trabalho montagem da alvenaria e recomendações além da atuação nos 11 pólos atuais fortaleza recife salvador brasília vitória rio de janeiro belo horizonte goiânia porto alegre são paulo e campinas a comunidade expande suas ações para outras regiões com a implantação do programa desenvolvimento de construtoras ele tem o objetivo de aumentar a competitividade e melhorar o desempenho das construtoras por meio da difusão das melhores práticas de projeto planejamento e execução do sistema construtivo alvenaria estrutural o programa terá 56 horas de capacitação intercaladas com reuniões técnicas 11 junho 2011 construir mais sinduscon-go l l

[close]

p. 12

e s pa ç ojur í dico josé arnaldo do vale a assessoria jurÍdica do sinduscon-go responde no caso de obra de construção civil mediante empreitada total pode a empresa compensar saldo de retenção previdenciária em guias de arrecadação gps de outras obras vinculadas à mesma empresa e se a opção for a restituição ao invés da compensação qual documento deverá ser apresentado josÉ arnaldo do vale sócio proprietÁrio da iam engenharia ltda de restituição poderá ser apresentado pela empresa contratade acordo com a instrução normativa rfb nº 900/2008 da ou pela empresa contratante art 48 § 4º se após a compensação efetuada pelo estabeleciquando se tratar de pedido feito pela empresa contratanmento que sofreu a retenção restar saldo este valor poderá ser te esta deverá apresentar compensado por qualquer outro estabelecimento da empresa a autorização expressa de responsável legal pela empresa cedente da mão de obra inclusive nos casos de obra de conscontratada com poderes específitrução civil mediante empreitada tocos para requerer e receber a restital na mesma competência ou em na falta de destaque do tuição em que conste a competêncompetências subsequentes valor da retenção na cia em que houve recolhimento em contudo poderá requerer a duplicidade ou de valor a maior restituição do valor não compennota fiscal fatura ou b declaração firmada pelo sado desde que a retenção esteja recibo de prestação de outorgante sob as penas da lei destacada na nota fiscal na fatura serviços a empresa de que não compensou e nem foi ou no recibo de prestação de sercontratada somente restituído dos valores requeridos viços e declarada em guia de repela outorgada colhimento do fundo de garantia poderá receber a a restituição será requerida pelo do tempo de serviço e informarestituição pleiteada se sujeito passivo por meio do prograções à previdência social gfip comprovar o ma pedido de restituição ressarciesse procedimento é regulamenrecolhimento do valor mento ou reembolso e declaração tado pela instrução normativa rfb de compensação per/dcomp ou nº 900/2008 arts 17 a 19 retido pela empresa na impossibilidade de sua utilizana falta de destaque do valor contratante ção mediante a apresentação do da retenção na nota fiscal fatura formulário pedido de restituição de ou recibo de prestação de serviretenção relativa a contribuição previdenciária constante do ços a empresa contratada somente poderá receber a restituianexo iv da instrução normativa rfb nº 900/2008 ao qual deção pleiteada se comprovar o recolhimento do valor retido verão ser anexados documentos comprobatórios do direito credipela empresa contratante tório fonte boletim iob manual de procedimentos legislação trabana hipótese de a empresa contratante efetuar recolhilhista e previdenciária fascículo nº 26/2010 mento de valor retido em duplicidade ou a maior o pedido 12 sinduscon-go construir mais junho 2011 l l

[close]

p. 13

justiça do trabalho édison vaccari há uma justificativa para que o empregador figure como réu na justiça do trabalho na maioria dos processos sim há É que a atitude do empregado em relação ao cumprimento do contrato de trabalho é diferente da do empregador uma vez que o empregado entenda que não houve o cumprimento do contrato a alternativa que resta é o ajuizamento da ação contra o empregador a situação inversa não ocorre necessariamente pois não tem o empregador que ajuizar ação em todas as situações em que verifica o não cumprimento do contrato pelo empregado por exemplo o empregador pode dispensar o empregado por justa causa ou descontar de seu salário um dano provocado porém agindo assim o empregador dará motivo para a ação do empregado que poderá discutir em juízo a modalidade da dispensa ou o desconto eis a razão pela qual o empregador figura como réu na maioria das ações trabalhistas também pode ser que algum empregado que recebeu seus direitos entre com ação para tentar algo mais contando com a desorganização e despreparo do empregador quem paga mal paga duas vezes por isso caberá ao empregador se preparar para uma ação trabalhista e como se prepara deve se precaver desde antes do contrato de trabalho exigindo todos os documentos do empregado se para os documentos exige-se uma impecável organização em juízo o empregador deve ter mais profissionalismo ainda a primeira situação é a de contratar um advogado especializado em causas trabalhistas já a segunda é a de indicar um preposto que tenha amplo conhecimento dos fatos tratados na ação o advogado é o responsável pela defesa mas a atuação do preposto é essencial cabe lembrar que preposto não é testemunha portanto não exige a lei que seja contemporâneo do autor da ação o preposto deve estar muito bem capacitado para o seu mister pois poderá comprometer totalmente a ação em prejuízo do empregador as duas principais atividades do preposto são a de comparecer em audiência no horário designado sem atraso e a de prestar depoimento pessoal consistente respondendo a todas as perguntas do juiz É muito comum encontrarmos um preposto sem capacitação despreparado e uma vez que o preposto não responda às perguntas ainda que tenha testemunhas aptas a comprovarem o alegado na defesa a audiência não se prosseguirá com o depoimento destas ante o que se chama de confissão ficta efeito em que se presumem verdadeiros os fatos alegados pela outra parte por isso tanto o empregador quanto seus prepostos de o empregador e o processo na cabe lembrar que preposto não é testemunha portanto não exige a lei que seja contemporâneo do autor da ação o preposto deve estar muito bem capacitado para o seu mister pois poderá comprometer totalmente a ação em prejuÍzo do empregador vem ser capacitados para o desempenho em juízo capacitação que se dá por meio de cursos e palestras de forma a saberem sobre o contrato de trabalho documentos fases processuais audiências recursos etc resta claro que os empregadores que não pagam corretamente que são desorganizados ou que não têm capacitação e preparo para atuarem em juízo sofrerão uma condenação édison vaccari é palestrante com foco em direito processual do trabalho professor e coordenador dos cursos a distância ciberjus e juiz do trabalho desde 1998 junho 2011 construir mais sinduscon-go l l 13

[close]

p. 14

agenda de eventos evento junho data 07/06 horário 14h30 local senai vila canaã informações objetivo estudar e propor medidas para o controle e a melhoria das condições e dos ambientes de trabalho na indústria da construção mais informações 62 3095-5180 reunião ordinária do comitê permanente regional sobre condições e meio ambiente do trabalho na indústria da construção cpr-go palestra direito dos empregadores na justiça do trabalho 09/06 19h sinduscon-go palestrantes dr Édison vaccari e dr rafael lara martins valor das inscrições r 30,00 ­ empresas associadas ao sinduscon-go r 50,00 ­ empresas filiadas ao sinduscon-go e outros públicos mais informações 62 3095-5155/3095-5158 tema gestão de segurança em ti conforme iso 27.001 mais informações 62 3251-2990/9324-3332 iv seminário em tecnologia da informação realização terravista consultoria curso nr 12 segurança no trabalho em máquinas e equipamentos julho 16/06 8h às 18h sinduscon-go 30/06 8h30 às 18h sinduscon-go objetivo o curso visa capacitar a indústria da construção de goiás para o atendimento dos novos requisitos inscrições e informações 62 3941-4414 contatogyn@qualisegma.com.br carga horária total 40h inscrições 62 3941-4414 www.qualisegma.com.br carga horária 16h pré-requisito certificado de conclusão do curso básico de 40h inscrições 62 3941-4414 www.qualisegma.com.br curso nr 10 básico 04 a 15/07 18h30 às 22h30 sinduscon-go curso nr 10 reciclagem 04 a 07/07 18h30 às 22h30 sinduscon-go endereÇos sinduscon-go rua joão de abreu nº 427 setor oeste goiânia-go senai vila canaã rua prof lázaro costa nº 348 vila canaã goiânia-go 14 sinduscon-go construir mais junho 2011 l l

[close]

p. 15

a rt i g o aspectos polêmicos do uso de carlos eduardo m rios programas de computador usados para dar lances automáticos em pregões públicos eletrônicos realizados na internet estão causando problemas para empresários em compras governamentais enquanto uma pessoa demora no mínimo seis segundos para dar um lance os robôs dão lances mais baixos em menos de um segundo folha de são paulo 20/03/2011 página f1 os robôs estão causando um grande impacto no mercado pois estão desclassificando muitas empresas que mesmo tendo preços competitivos nunca conseguem vencer o pregão ou quando vencem são obrigadas a reduzir a margem de lucro a patamares arriscados o governo diz estar trabalhando constantemente no sentido de impedir a utilização dos robôs entretanto considera legal o uso apesar de reconhecer que os programas diminuem a isonomia entre participantes isto porque o tcu tribunal de contas da união decidiu que a regra do comprasnet site de pregões do governo federal não é suficiente para impedir a vantagem competitiva por meio do uso dos robôs alguns especialistas entendem que a prática não vai contra a legislação isto porque a legislação não prevê a proibição dos robôs tal entendimento se escora no princípio da legalidade consubstanciado no art 5º ii da constituição federal cf que reza que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei daí que outros especialistas entenderem que a proibição do uso dos robôs deveria estar prevista nos editais e que isso bastaria para resolver o problema por outro lado se é inquestionável que a prática vai contra o princípio da isonomia esta deve ser considerada ilegal muito embora inexista lei específica para tanto o nosso ordenamento jurídico é composto de princípios constitucionais que possuem eficácia imediata e portanto tem força normativa mormente quando interpretado em conjunto com outros princípios o art 170 iv da cf elege como um dos princípios gerais da ordem econômica a livre concorrência por sua vez o art 173 § 4º diz que a lei deverá reprimir a eliminação da concorrência interpretando os dois artigos entende-se que embora a concorrência seja livre esta tem limite e este limite se dá obviamente quando a própria é eliminada ademais a lei geral de licitações 8.666/93 em seu art 3º diz que a licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia assim fica claro que o uso dos robôs é ilegal uma vez que fere o caráter competitivo do certame com o surgimento de novas tecnologias o direito sempre será testado e evidentemente nunca teremos leis para coibir as ilegalidades que surgirem uma vez que a velocidade da tecnologia é mais rápida do que a do direito mas as coisas são de se espantar veja que aceitar o uso dos robôs passivamente é o mesmo que aceitar o doping ou pior aceitar que candidatos possam fa robôs em licitações os robôs estão causando um grande impacto no mercado pois estão desclassificando muitas empresas que mesmo tendo preços competitivos nunca conseguem vencer o pregão ou quando vencem são obrigadas a reduzir a margem de lucro a patamares arriscados zer prova de concurso com chip neural implantado no cérebro o princípio é o mesmo a competição tem que ser preservada assim nesses casos sempre o estado deve intervir pois o seu papel fundamental é preservar a ética na competição carlos eduardo m rios é advogado especialista em direito pela ufg e administração pela faap assessor jurídico da aciag e sócio da eduardo rios advogados eduardorios.adv@hotmail.com www.eduardorios.com.br junho 2011 construir mais sinduscon-go l l 15

[close]

Comments

no comments yet