Projecto CT

 

Embed or link this publication

Description

Projecto dos Comboios Transmontanos S.A.

Popular Pages


p. 1



[close]

p. 2

1 introdução como flaviense e transmontano tive a alegria e o prazer de poder viajar nas linhas do corgo e do tua antes destas belas linhas ferroviárias de via estreita transmontanas terem sido encerradas dói-me a alma sempre que me desloco a chaves e percorro o trajecto da antiga linha do corgo à procura dos vestígios que ainda restam desse passado glorioso sempre que vou a abreiro e a mirandela não consigo deixar de visitar as suas estações de comboios e recordar como no passado estes comboios circulavam cheios de passageiros guardo na minha memória a imagem de sair na estação de peso da régua do comboio procedente do porto e apanhar o comboio para chaves esta mudança de comboio tinha de ser rápida para conseguir um lugar à janela uma vez que eram muitas as pessoas que seguiam no comboio para chaves o comboio andava sempre cheio até vila pouca de aguiar após esta estação era possível arranjar algum espaço livre outra memória que guardo é da estação de vidago que estava sempre cheia de gente o que mais me revolta é a passividade dos autarcas transmontanos sobre o encerramento das linhas transmontanas todos falam na regionalização mas não seriam as linhas transmontanas a bandeira mais emblemática de afirmação dessa regionalização qualquer região europeia com autonomia regional tem como principal premissa e preocupação o estabelecer de vias de comunicação entre os municípios da sua região o comboio é hoje a melhor aposta que tem vindo a ser seguida na europa vejam os vários exemplos da nossa vizinha espanha que está a modernizar todas as suas vias estreitas não só para turismo mas também para o transporte diário de passageiros a exploração turística que faz dessas vias-férreas é uma das formas de financiamento encontradas para manter abertas essas linhas ao transporte de passageiros mas o que realmente faz dessa exploração um sucesso é oferta de um serviço de qualidade com uma boa oferta de horários e com comboios modernos que para além do conforto que oferecem conseguem uma maior rapidez nas viagens entre as localidades quando no ano passado iniciámos o projecto ct ­ comboios transmontanos s.a confinamo-lo às linhas transmontanas ao longo dos últimos meses fomos aprofundando a nossa análise sobre o projecto da feve fonte de inspiração para o projecto ct e juntamente com os contributos que fomos recebendo de portugal e de espanha alargamos o campo de exploração do projecto ct a todas as linhas de via estreita em portugal passiveis de exploração assim defendemos que a ct comboios transmontanos s.a fique responsável pela gestão das linhas do tâmega corgo tua sabor lamego e vouga para que este projecto seja financeiramente viável é preciso fazer uma gestão integrada de todas as linhas para isso torna-se necessário a construção de novos troços que permitam a ligação entre · · · a linha do tâmega com a linha do corgo a linha do corgo com a linha de lamego a linha do corgo com a linha do tua · · a linha do tua com a linha do sabor a linha de lamego com a linha do vouga a construção destes novos troços permite que um passageiro de bragança possa viajar até aveiro sem mudar de comboio podendo nessa estação apanhar o comboio alfa e/ou intercidades com destino a lisboa além disso vai conseguir ir e voltar no mesmo dia este projecto é pragmático sobre a questão da barragem da edp e a consequente submersão de parte da linha do tua por isso defendemos a utilização da linha do tua apenas entre abreiro e bragança ficando assegurada a ligação à linha do douro através da linha do corgo e da linha do sabor com a construção dos novos troços contudo estamos disponíveis para prolongar a linha do tua para além de abreiro até ao local onde vai ser construído o ancoradouro dos barcos do projecto da edp para além do transporte de passageiros este projecto está preparado para gerir o transporte de mercadorias grande parte das estações foi redimensionada para receber comboios de mercadorias estando previsto a construção de terminais de mercadorias a ligação até aveiro é muito importante para a exploração do transporte de mercadorias possibilitando o transporte de mercadorias entre o porto de aveiro e espanha bastando para o efeito prolongar a linha do vouga por pouco mais de 10 km até ao porto de aveiro esta construção seria feita introduzindo a via estreita no meio da via larga já construída pelo menos até ao terminal de mercadorias construído entre as estações de aveiro e de cacia da linha do norte assim propomos a construção de 250 km de via-férrea e a reposição/modernização de 620 km no total estamos a falar de 870 km de via-férrea È o maior projecto ferroviário de via estreita alguma vez apresentado em portugal desde o início da construção das primeiras linhas de caminhos-de-ferro em portugal está na altura de portugal deixar de construir mais auto-estradas e apostar finalmente naquilo que já deveria ter feito nos anos 80 modernizar e construir novas linhas de caminhos-de-ferro para transporte de passageiros e mercadorias se essa aposta tivesse sido feita no passado com toda a certeza a conjuntura económica portuguesa poderia ser outra estamos a pagar hoje pelos erros acumulados nos últimos 30 anos não percamos mais tempo o projecto ct tem inúmeras vantagens para as populações servidas tornando ainda mais apetecível o transporte ferroviário na actual conjuntura de crise económica -2-

[close]

p. 3

o projecto ct foi melhorando em relação ao projecto inicial apresentado no ano passado com os contributos que fomos recebendo introduzimos algumas ideias novas com o objectivo de tornar o projecto ct um projecto financeiramente rentável para que possa ser um produto apetecível aos investidores privados deixámos de acreditar no estado português governo e autarquias como os principais accionista deste projecto além disso queremos também demonstrar a exequibilidade de um grande projecto no sector ferroviário através da iniciativa privada É bom para a economia portuguesa que mais projectos privados apareçam neste sector não podemos estar sempre à espera da moleta ou dos subsídios estatais a conjuntura da economia portuguesa poderia ser outra se a nossa economia não fosse demasiada dependente do estado e se este não estivesse demasiado presente quanto maior for o comboio do estado na economia mais impostos somos obrigados a pagar e menos financiamento fica disponível para os verdadeiros investidores criadores de riqueza daí que esperamos que o nosso trabalho esteja bem elaborado para que os eventuais investidores apareçam para financiar este projecto tendo como garantia o retorno do seu investimento 2 o projecto 2.1 modernização das linhas este projecto defende a reactivação completa das linhas do corgo tâmega tua sabor e vouga não só para o turismo fonte muito importante de financiamento para rentabilizar e financiar a exploração das linhas mas também para o transporte diário das populações servidas pelas linhas para que o transporte seja apetecível às populações não basta ter um bom preço é preciso que seja rápido e tenha uma boa oferta de horários torna-se por isso necessário melhorar a velocidade de circulação na via daí que defendemos que todo o traçado das linhas deve ser corrigido para permitir que as composições possam circular no mínimo a 90 km/h e sempre que possível a 100 km/h como estes traçados foram idealizados no século passado algumas das estações e/ou apeadeiros devem ser deslocados da sua localização actual para que estejam mais próximos das populações não excluímos a construção de novas paragens sempre que se mostre necessário pelo que também não excluímos a eliminação de alguma parte do traçado sempre que este se mostre inútil por exemplo na linha do corgo defendemos a eliminação do troço entre sabroso e loivos construindo em sua substituição um troço mais rápido e directo entre sabroso e oura além disso propomos a criação de um apeadeiro junto ao centro comercial de vila real e outro junto ao hospital de chaves na linha do sabor propomos a construção de uma estação mais perto do centro de miranda do douro prolongando a linha do sabor para além das duas igrejas na linha do tua devem ser construídos apeadeiros junto de zonas com grande potencial para o turismo fluvial daí que estamos a abertos a prolongar a linha do tua para além de abreiro até ao local onde venha a ser construído o porto fluvial do rio tua do projecto da edp É importante para este projecto o prolongamento das linhas do corgo e do tua até espanha no primeiro caso a linha deve chegar a ourense e no segundo caso a puebla de sanabria estes prolongamentos das linhas do corgo e tua permitem a ligação ao comboio de alta velocidade que circula entre madrid e a corunha além disso permite abrir boas perspectivas para a exploração do transporte de mercadorias entre portugal e espanha prevemos modernizar cerca de 620 km de via-férrea 2.2 novos troços para além da modernização dos traçados das linhas do corgo tâmega tua sabor e vouga este projecto contempla a construções de novos troços para possibilitar a junção de todas as linhas de via estreita não só para aumentar as populações servidas mas também para maximizar os recursos disponíveis por isso defendemos a construção da linha de lamego e os seguintes troços · · entre a linha do tâmega e a linha do corgo entre a linha do corgo e a linha do tua · · entre linha do tua e a linha do sabor entre linha de lamego e a linha do vouga a ligação entre a linha do tâmega e a linha do corgo seria feita entre arco de baúlhe e vila pouca de aguiar passando por ribeira de pena a construção da linha de lamego seria realizada construindo o projecto inicial da linha de lamego entre peso da régua e lamego contudo defendemos um traçado mais directo sem tantas curvas e contra curvas para diminuir o tempo de viajem e possibilitar a circulação das composições a uma velocidade aceitável a ligação entre a linha do corgo e a linha do tua seria feita entre chaves e mirandela passando por valpaços a ligação entre a linha do tua e a linha do sabor seria feita entre sendas e miranda do douro passando por vimioso neste caso alterámos o projecto inicial que previa a construção de um ramal por mogadouro com esta nova opção conseguimos servir a população de vimioso -3-

[close]

p. 4

a ligação entre a linha de lamego e a linha do vouga seria feita entre lamego e vouzela passando por castro daire ao contrário do projecto inicial do linha do vouga defendemos que a mesma funcione entre aveiro e vouzela com o prolongamento até lamego ficando a ligação a viseu assegurada através de um ramal entre vouzela e viseu desta forma conseguimos que a viajem entre lamego e aveiro seja muito mais rápida mantendo ao mesmo tempo a cidade de viseu ligada ao mapa ferroviário português além disso defendemos que a linha do vouga entre sernada do vouga e espinho acabe em silvalde junto à linha do norte transformando este apeadeiro numa estação possibilitando assim a ligação à linha do norte com destino ao porto esta ligação perdeu-se com a construção da estação desnivelada de espinho a construção dos novos troços permite a um passageiro de bragança viajar até aveiro sem mudar de comboio podendo apanhar em aveiro o comboio alfa com destino a lisboa além disso vai conseguir ir e voltar no mesmo dia todos estes novos troços tornam possível a mobilidade transmontana de pessoas e bens além disso torna possível a ligação a espanha e ao comboio de alta velocidade que circula entre a corunha e madrid a ligação por via ferroviária entre o litoral e trás-os-montes permite a um passageiro de aveiro ir de comboio até à galiza tendo apenas a necessidade de fazer um transbordo em chaves prevemos construir cerca de 250 km de via-férrea 2.3 expansão a novas linhas este projecto não é um projecto fechado novos troços podem vir a ser construídos no futuro como acreditamos na viabilidade económica da ct logo surgirão ideias e novos projectos para investir os dividendos obtidos pela ct a ct não põe de parte a exploração da linha do douro entre a régua e barca de d alva ou entre o pocinho e barca de d alva desde que possa circular até à régua a estimativa do custo para a reposição da via entre o pocinho e barca d alva é de 4,3 milhões de euros este montante inclui as obras necessárias nos apeadeiros e na estação de barca de d alva 2.4 ligações a espanha este projecto prevê o prolongamento da linha do tua até puebla de sanabria e a ligação da linha do corgo até ourense tornando possível a ligação aos comboios de alta velocidade que circulam entre corunha e madrid todas as ligações a espanha dão uma mais-valia ao projecto já que mobilizam mais interesses e possíveis investidores assim como facilitam a obtenção de fundos europeus a união europeia é muito sensível a este tipo de projectos transfronteiriços para além disso é uma boa fonte de receita e abre muitas expectativas para a exploração do transporte de mercadorias entre portugal porto de aveiro e espanha galiza e outras regiões dos 250 km que prevemos construir 165 km são em espanha o que representa 66 do total das novas vias-férreas a construir 2.5 horários os horários dos comboios que elaborámos tiveram como premissa o máximo aproveitamento do material circulante disponível e a satisfação das necessidades das populações oferecendo o maior número de comboios possíveis tendo sempre a preocupação de construir o máximo de ligações possíveis entre todas as linhas possibilitando a mobilidade entre as populações servidas para melhorar essa mobilidade evitando ao mesmo tempo demasiados transbordos foram criados comboios que atravessam as várias linhas por exemplo · entre bragança e chaves · entre chaves e miranda do douro/mogadouro · entre bragança e peso da régua · entre chaves e abreiro · entre bragança e pocinho · entre vila real e amarante · entre chaves e amarante · entre mirandela e chaves · lamego e chaves · entre vila pouca de aguiar e viseu além disso os horários foram elaborados tendo em atenção a rotatividade do material circulante permitindo a sua manutenção periódica nas estações com oficinas como é um estudo podem sempre ser melhorados para melhor servir as necessidades das populações tentámos sempre que possível construir horários compatíveis com os horários da cp da linha do douro e da linha do norte uma das grandes apostas deste projecto é conseguir fazer ligações ferroviárias diárias entre trás-os-montes e lisboa através da estação de aveiro É um serviço assegurado por duas automotoras que só param nas principais localidades com grande potencial para utilização deste tipo de serviço sem nunca prejudicar a duração da viagem estes comboios terão uma denominação especial comboio aquae flaviae e o comboio brigantino o nome está associado à partida e destino do comboio o aquae flaviae terá duas viagens diárias de ida e volta e o brigantino terá uma viagem de ida e volta diariamente todos estes comboios têm ligação a lisboa na estação de aveiro os horários destes comboios foram elaborados para permitir que um passageiro possa viajar para lisboa e regressar no mesmo dia para além destes comboios especiais todas as linhas têm comboios de serviço regional e suburbano as linhas do corgo e tua têm também comboios internacionais com ligação a espanha -4-

[close]

p. 5

2.6 material circulante algum do material circulante actualmente ao serviço da cp linha do corgo tâmega e vouga seria incorporado neste projecto para a utilização diária na linha do vouga contudo o interior dessas automotoras seria modernizado para melhor servir os passageiros evitando assim nesta primeira fase a compra de novas automotoras para circular na linha do vouga incorporaríamos também 3 automotoras que prestaram serviço na linha do tâmega e do corgo para suprimir quaisquer avarias que possam surgir assim como para serem utilizadas para actividades específicas que iremos explicar mais à frente neste projecto 2.6.1.série 2700 as automotoras que serão utilizadas nos comboios aquae flaviae e brigantino são as feve 2700 vista lateral esta automotora tem 90 lugares sentados e pode atingir os 100 km/h serão adquiridas 5 composições da série 2700 · · · · · comboio aquae flaviae chaves ­ aveiro comboio brigantino bragança ­ aveiro comboio internacional entre chaves e ourense comboio regional da linha do corgo comboio regional entre a linha do corgo e a linha do tua interior 2.6.2.série 2900 a automotora da série 2900 será utilizada em todo o serviço regional e suburbano de todas as linhas com a excepção da linha do vouga entre espinho e vouga onde continuarão a circular as actuais automotoras esta automotora tem uma capacidade de 33 lugares sentados e 16 de pé e pode atingir os 100 km/h prevemos adquirir 13 unidades · · · · · · · · linha do corgo linha do tua linha do tâmega linha do sabor linha de lamego e linha do vouga ramal de valpaços ramal de viseu bragança ­ puebla de sanabria 2 unidades 2 unidades 2 unidades 2 unidades 2 unidades 1 unidade 1 unidade 1 unidade -5-

[close]

p. 6

2.6.3.transmontano express outra grande aposta deste projecto é aquisição de carruagens especiais para o serviço turístico do transmontano express fins de semanas feriados e férias onde os passageiros têm vários programas de visitas em coordenação com outras entidades podendo pernoitar no comboio este comboio circularia em todas as linhas da ct inclusive para espanha o trajecto seria aveiro ­ régua ­ vila pouca de aguiar ­ amarante ­ vila pouca de aguiar ­ chaves ­ valpaços ­ sendas ­ pocinho ­ sendas ­ bragança ­ puebla de sanabria ­ chaves ­ ourense máquina adquirir para puxar um comboio constituído por 9 carruagens carruagem restaurante 2.6.4.comboio histórico quarto o comboio histórico de via estreita estacionado na estação do peso da régua seria também incorporado na ct para viagens turísticas sendo a opção da máquina a diesel a mais interessante uma vez que permitira que a viagem fosse mais longa que poderia ter o seguinte trajecto peso da régua ­ chaves mirandela abreiro ­ mirandela ­ bragança -6-

[close]

p. 7

3 a empresa ct ­ comboios transmontanos s.a 3.1 constituição para a concretização do projecto é determinante a criação de uma empresa com capitais essencialmente privados denominada de ct ­ comboios transmontanos s.a por isso procuramos interessados em investir neste projecto contudo não excluímos o capital proveniente do estado no entanto não queremos que este projecto dependa do estado ou tenha uma gestão de domínio público a feve poderia ser uma mais-valia para a concretização deste projecto dada a sua experiência na gestão de redes ferroviárias de via métrica a feve poderia ceder algum do seu material circulante por contra partida no capital social da empresa tornando este projecto transfronteiriço de capitais luso-espanhóis a ligação à feve seria importante para a concretização das ligações a espanha além disso poderia ser um dos principais investidores deste projecto os municípios espanhóis servidos pelas ligações a espanha serão como é óbvio potenciais interessados em participar no capital social da ct participando com o capital necessário à construção das linhas internacionais de bragança a puebla de sanabria e de chaves a ourense a cp também participaria no capital da empresa através da cedência das automotoras que circulam actualmente na linha do vouga entre aveiro e espinho e de 3 automotoras que prestavam serviço nas linhas do corgo e do tâmega a sede da empresa seria em chaves e centro de formação da empresa seria em mirandela 3.2 infra-estruturas a ct celebraria com o estado um contrato de concessão da exploração das linhas do tâmega tua corgo sabor lamego e vouga por um prazo mínimo de 50 anos renovável por iguais períodos de tempo passando todas as actuais infra-estruturas da refer para a ct pelo custo de 1 euro por contrapartida do serviço público que seria prestado pela ct caso o contrato não seja renovado no futuro o estado teria de pagar aos accionistas da ct o seu capital assim como todas as mais-valias realizadas nas linhas além disso o estado concederia a dup declaração de utilidade pública permitindo à ct fazer as expropriações dos terrenos necessários à construção e/ou correcção dos traçados das linhas férreas as oficinas de manutenção situadas em sernada do vouga e no corgo passariam também para a ct no entanto prevemos também a necessidade da existência de outras oficinas de manutenção em chaves e/ou em mirandela para evitar o aumento dos custos com pessoal relacionados com as equipas de manutenção do material circulante optámos pela circulação das equipas de manutenção pelas várias oficinas nomeadamente as situadas em trás-os-montes para efectuarem as manutenções programadas de todas as composições da ct muitas das estações e apeadeiros irão precisar de obras dai que foram orçamentadas verbas para este efeito uma vez que muitas destas infra-estruturas irão ser utilizadas para o turismo de habitação ferroviário e colónia de férias torna-se necessária uma intervenção mais onerosa relativamente às passagens de níveis defendemos que grande parte delas devem ser automáticas evitando assim a contratação de pessoal para esta função relativamente a sinalização e respectivo controlo de tráfico ferroviário deve também ser modernizado através de sinalização electrónica cujos controladores seriam sediados em chaves e/ou mirandela e aveiro 3.3 conselho de administração da mesma forma que acontecerá com os funcionários da empresa os honorários do conselho de administração terá uma parte fixa e outra por objectivos 3.4 funcionários os funcionários do metro de mirandela e da linha do vouga seriam incorporados na ct as necessidades da empresa numa 1ª fase irão ser maquinistas revisores pessoal de manutenção e de controlo de tráfego ferroviário e pessoal administrativo as vendas de bilhetes devem ser feitas dentro dos comboios evitando a contratação de funcionários para todas estações as estações que numa primeira fase teriam um horário normal de atendimento ao público seriam vila real vila pouca de aguiar chaves mirandela macedo de cavaleiros bragança sendas miranda do douro peso da régua lamego amarante vouzela e aveiro contudo as parcerias e alugueres de instalações podem vir a permitir que outras estações venham a ter atendimento ao público as estações que actualmente têm serviço de atendimento na linha do vouga entre aveiro ­ silvalde continuaram a ter esse serviço os serviços de limpeza das infra-estruturas dos comboios normais e turísticos devem ser assegurados por empresas externas e devem ser contratados conforme as necessidades sazonais -7-

[close]

p. 8

os ordenados de todos os funcionários da mesma forma que a administração da empresa deve ter uma parte fixa e outra variável em função de objectivos a formação de novos funcionários deve numa fase inicial ser assegurada através de uma parceria com a cp no futuro toda a formação deve ser assegurada pela empresa e deve ser sediada na estação de mirandela a empresa deve apostar em pessoas amantes dos comboios e que se revêem neste projecto para vestirem a camisola com convicção paixão e com espírito de missão 3.5 contributo à economia regional a ct além de uma bandeira da afirmação regional de trás-os-montes seria uma empresa que traria investimento à região e com isso mais postos de trabalho seria um bom motor de desenvolvimento da economia transmontana e da região entre vouga e o douro 4 financiamento 4.1 actividade da empresa a actividade da ct seria o transporte de passageiros e a exploração turística das linhas uma boa página da empresa na internet é essencial para apresentar todos os serviços oferecidos nomeadamente os serviços relacionados com as ofertas turísticas além disso é importante para publicitar as entidades que patrocinam este projecto 4.1.1 transporte de passageiros esta é a actividade principal da ct o transporte diário de passageiros 4.1.2 transporte de mercadorias como um bom projecto deve ser sempre ambicioso seria importante não esquecer o potencial de receita que pode advir do transporte de mercadorias a remodelação de todas as estações prevê a criação de um terminal de mercadorias 4.1.3 transporte de correio a ct irá disponibilizar nas estações com atendimento ao público o serviço de transporte de correio limitado a 5 kg com entregas no mesmo dia utilizando as várias composições para esse efeito não está excluída a possibilidade de criar um comboio-correio que funcionaria como um comboio apartado onde as pessoas recolhiam a sua correspondência à sua passagem este comboio pararia em todos os apeadeiros 4.1.4 turismo ferroviário este é com toda a certeza uma das principais formas de financiamento do projecto · comboio histórico as viagens do comboio histórico com actividades turísticas associadas é uma boa fonte de receita como se pode provar pelo comboio histórico da linha do douro o comboio histórico deve ser utilizado em todas as linhas ou num percurso que possa abranger grande parte das linhas ao mesmo tempo esta programação do comboio histórico é muito importante pelo que deve ser feita em parceria com empresas ligadas ao turismo a oferta turística do comboio histórico pode perfeitamente estar ligada à oferta do turismo de habitação ferroviário se a opção for por uma máquina a diesel torna possível uma viagem mais longa podendo efectuar o seguinte trajecto peso da régua ­ chaves mirandela abreiro ­ mirandela ­ bragança · transmontano express um comboio especial com carruagens camas e restaurante onde os turistas têm vários programas culturais nas localidades por onde passa o comboio pernoitando no mesmo ao final do dia este comboio circularia entre todas as linhas o trajecto seria aveiro ­ régua ­ vila pouca de aguiar ­ amarante ­ vila pouca de aguiar ­ chaves ­ valpaços ­ sendas ­ pocinho ­ sendas ­ bragança ­ puebla de sanabria ­ chaves ­ ourense a viagem de volta poderia ser igual ou passar por locais diferentes são viagens de vários dias tal como a comboio histórico a programação deste comboio deve ser feita em parceria com empresas ligadas ao sector do turismo -8-

[close]

p. 9

· comboios temáticos a região transmontana é rica em festas e eventos ao longo do ano com mais incidência no verão a criação de pacotes de viagens para esses eventos pode ser uma fonte de receita aliciante podendo em alguns casos fazerem-se parcerias com outras entidades nomeadamente as empresas que exploram o transporte fluvial no rio douro permitindo por exemplo a viagem de barco do porto até ao peso da régua prosseguindo a viagem de comboio até bragança mirando do douro espanha etc · turismo de habitação ferroviário o turismo habitação ferroviário consiste na reabilitação das casas que fazem parte das estações e de alguns apeadeiros para alojamento turístico a localização de muitas das estações e apeadeiros das linhas é uma maisvalia para este tipo de turismo mesmo que muitas dessas localizações não tenham acessos rodoviários satisfatórios o transporte dos turistas seria assegurado por comboio o que tornaria este pacote de oferta de alojamento turístico mais original e atractivo as viaturas dos turistas ficariam estacionadas em estações predefinidas para o efeito os turistas teriam sempre um pacote de viagens gratuitas nas linhas da ct uma das estações interessantes para este efeito é a estação de abreiro · colónia de férias uma das estações seria transformada numa colónia de férias para jovens onde o tema seria tudo o que envolve os comboios onde os jovens poderiam aprender todas as tarefas relacionados com os caminhos-de-ferro a colónia de férias funcionaria nas férias escolares nomeadamente entre junho e setembro e as férias da páscoa · aluguer de comboios a ct alugaria comboios para eventos de empresas ou particulares como por exemplo apresentação de produtos no caso de empresas e de casamentos ou festas de anos no caso dos particulares 4.2 padrinhos É outra forma de rentabilizar as linhas obtendo receitas para a sustentabilidade da ct os padrinhos seriam empresas que gostariam de apadrinhar o projecto as formas de o fazer poderiam ser o comboio seria decorado com as cores dessa empresa e teria o seu nome por exemplo comboio vodafone a estação e/ou apeadeiro para além do nome da localidade teria o nome da empresa ­ mirandela/tmn ou chaves/optimus 4.3 aluguer de infra-estruturas outra forma de financiamento do projecto seria cativar empresas para se instalarem nas infra-estruturas que não fossem utilizadas para o turismo ferroviário essas empresas para além de pagarem um aluguer das instalações ficariam com a responsabilidade de fazer a manutenção das infra-estruturas e poderiam também assegurar o serviço de informações da ct tendo em contrapartida descontos no transporte de mercadorias através da ct por exemplo podiam ser criadas lojas para vender produtos regionais além disso defendemos a instalação de fibra óptica ao longo de todas as linhas para alugar a terceiros 4.4 financiamento comunitário este projecto pode candidatar-se aos fundos comunitários do qren 4.5 outras formas de financiamento · dar cursos de verão sobre como conduzir uma composição da ct estes cursos podem ser incluídos ou não nos pacotes de turismo e de colónia de férias · merchandising a criação de uma boa imagem de marca é importante para a venda de merchandising a exploração do factor nostálgico ligado à marca ct seria importante para este efeito uma boa exploração do merchandising associado ao turismo de habitação ferroviário pode ser uma boa fonte de receita -9-

[close]

p. 10

5 parcerias · seria interessante para toda a região transmontana que as empresas de transporte rodoviário não vissem este projecto como uma concorrência mas como um complemento à sua actividade não vai ser possível ter uma linha de comboio a passar em todas as localidades transmontanas pelo que seria essencial uma coordenação de horários entre a ct e as empresas de transporte rodoviário para que a oferta de transporte na região fosse ainda melhor e mais completa com vantagens para ambas as partes · a ct está disponível para celebrar parcerias com municípios e/ou o estado para que o comboio possa ser utilizado como um meio de transporte escolar podendo disponibilizar uma automotora para esse efeito antiga automotora das linhas do corgo e tâmega poderia ser utilizada como transporte escolar e para viagens de estudo · a ct também está disponível para realizar viagens de estudo com a realização de actividades específicas organizadas em parceria com as escolas de todo o país 6 responsabilidade social 6.1 centro de saúde móvel a ct disponibiliza caso o ministério da saúde e/ou as autarquias estejam interessadas uma automotora para ser transformada em centro de saúde móvel o seu interior seria equipado com o material de um pequeno centro de saúde possibilitando desta forma que algumas localidades no interior do país tivessem acesso aos cuidados mínimos de saúde o estado só tinha de ceder um enfermeiro um médico e eventualmente um administrativo a automotora circulava nos dias programados para as consultas parando em todos os apeadeiros mobilizando-se numa estação mais próxima a automotora circularia por todas as linhas esta automotora série 9300 da cp estacionada em sernada do vouga poderia ser transformada para este efeito 6.2 bem-estar dos funcionários uma da premissas da ct é criar todas as condições para que todos os funcionários da empresa se sintam bem e assim vistam a camisola desta missão e desta família denominada ct uma ou mais estações e/ou apeadeiros seria transformados numa academia para cuidar de todos os filhos dos funcionários através de um infantário para os mais pequenos com salas de estudo acompanhado para os mais velhos e de actividades para ocupação de tempos livres além disso os filhos dos funcionários vão poder participar na colónia de férias a preços reduzidos queremos incutir o espírito de equipa e de família ct logo de pequenino pois vão ser eles a nossa esperança para defender o projecto ct no futuro todas as deslocações dos filhos dos funcionários para estas estações seriam gratuitas defendemos também a realização de eventos desportivos entre os funcionários da empresa como forma de manter vivo o espírito de equipa e de família queremos renascer uma das tradições mais antigas nos caminhos-de-ferro a competição de jardins entre as estações os funcionários cônjuges e filhos vão ter direito a um número de viagens gratuitas por mês 10 -

[close]

p. 11

7 custos e proveitos este é o ponto mais importante de todo o projecto uma vez que explica qual é o valor do investimento necessário para que as linhas fiquem operacionais para a sua exploração isto é os custo a suportar anualmente pela ct e quais as receitas que podem ser obtidas com a exploração das linhas do tâmega corgo tua lamego sabor e vouga 7.1 investimento inicial estimamos que sejam necessários 255,1 milhões de euros para que o projecto ct seja concretizado na sua totalidade · · · · · · · · · · linha internacional de chaves ­ ourense linha do vouga e linha de lamego linha do corgo linha do tua ramal de valpaços linha do sabor linha internacional de bragança puebla de sanabria linha do tâmega ramal de viseu linha do vouga entre aveiro e silvalde 54,2 milhões de euros 30,8 milhões de euros 27,3 milhões de euros 27,2 milhões de euros 24,9 milhões de euros 22,0 milhões de euros 21,4 milhões de euros 20,1 milhões de euros 15,4 milhões de euros 11.8 milhões de euros estes valores incluem os custos de aquisição das novas composições reposição e/ou construção da via-férrea e obras em estações e apeadeiros o custo do investimento com os troços de ligação a espanha representa 29,6 do total do investimento o que representa 75,6 milhões de euros apesar destas linhas internacionais serem onerosas são uma mais-valia ao projecto ct dando-lhe uma dimensão transfronteiriça tivemos o cuidado de apresentar os custos do investimento inicial por linha para o caso de não ser possível realizar o projecto ct na sua totalidade contudo defendemos que o projecto faz todo o sentido em ser realizado integralmente 7.1.1 custos com a operacionalidade das linhas e com a modernização do traçado o custo médio utilizado com reposição do traçado foi de 3,15 milhões de euros por cada 25 km para a construção de novos traçados utilizámos uma média de 10,2 milhões de euros por cada 25 km o custo total com a reposição e construção de novos troços está estimado em 180,1 milhões de euros o que representa 70,61 do investimento inicial necessário ao projecto ct 7.1.2 aquisição de composições prevemos que o custo de aquisição das novas automotoras seja de 47,8 milhões de euros o que representa 18,72 do investimento inicial necessário ao projecto ct o custo de aquisição do comboio transmontano express é de 4,1 milhões de euros o que representa 1,59 do custo de investimento inicial o custo unitário utilizado para a aquisição das novas composições da ct foi · · · · automotora série 2900 automotora série 2700 máquina série 1900 para o transmontano express 9 carruagens transmontano express 2,42 milhões de euros 3,26 milhões de euros 1,75 milhões de euros 2,30 milhões de euros acreditamos que os custos com as automotoras possa vir a ser reduzido através de um desconto de quantidade a negociar uma vez que vamos adquirir 18 automotoras para todas as linhas este custo ainda pode ser mais reduzido caso a feve venha aceitar participar activamente neste projecto podendo ceder algumas das suas automotoras por contra partida de entrada no capital social da empresa optámos por adquirir novas automotoras para todas as linhas com a excepção da linha do vouga entre aveiro e silvalde que continua a utilizar as actuais automotoras contudo está previsto a sua remodelação ao nível do seu interior esse custo de remodelação será suportado pelos descontos obtidos na aquisição das novas automotoras não foram estimados os custos com a aquisição de composições de mercadorias uma vez que só devemos adquirir este tipo de material circulante depois de assegurados contratos duradouros com empresas interessadas os custos com a aquisição de material circulante podem ser diluídos ao longo de vários anos se a opção for através de leasing contudo esta opção irá aumentar significativamente os custos anuais de exploração o leasing será uma opção mais onerosa do que a opção de compra 11 -

[close]

p. 12

7.1.3 obras em estações e apeadeiros nesta rubrica orçamentámos os custos com as obras necessárias nas principais estações e apeadeiros assim como na criação de novos apeadeiros como por exemplo na linha do corgo em vila real junto ao centro comercial e em chaves junto ao hospital orçamentámos também as verbas necessárias à mudança de alguns apeadeiros e eventualmente alguma estação para que possam estar mais perto dos centros das localidades ou mesmo a criação de uma nova como é o caso de miranda do douro as obras que prevemos fazer nas estações e apeadeiros rondam os 23,2 milhões de euros o que representa 9,08 do investimento inicial necessário ao projecto ct as estações que devem ser intervencionadas e o número de linhas que devem ter são 7 linhas chaves sernada do vouga 6 linhas vila real peso da régua mirandela bragança 5 linhas vila pouca de aguiar macedo de cavaleiros 4 linhas vouzela vidago 3 linhas pedras salgadas valpaços sendas lamego castro daire Águeda viseu xinzo de limia ourense 2 linhas vilela do tâmega samardã abambres alvações rio torto carvalhais sortes abreiro cachão azibo livração amarante celorico de bastos arco de baúlhe pocinho moncorvo mogadouro miranda do douro vimioso tarouca oliveira de frades paradela/sever do vouga silvalde eirol eixo albergaria-avelha puebla de sanabria todas as estações com mais de 2 linhas terão uma linha adstrita ao terminal de mercadorias nas estações com 2 linhas terão uma plataforma que terá um uso repartido entre o terminal de mercadorias e gare de passageiros sendo que grande parte delas o uso será quase exclusivamente para o terminal de mercadorias uma vez que não são estações onde se verificam cruzamento de comboios todas as estações e apeadeiros terão um espaço exterior para estacionamento de viaturas para incentivar as populações a viajar de comboio todos esses espaços são monitorizados através de câmaras de vigilância nas estações que não tenham atendimento ao público o valor orçamentado para este item prevê para além das estações a intervenção em 133 apeadeiros · · · · · · 7.2 financiamento comunitário qren e capital social o projecto ct pode candidatar-se ao qren e obter uma compartição na ordem dos 60 os restantes 40 terão de ser obtidos através do capital social da empresa · · · investimento inicial comparticipação comunitária 60 capital social 255,1 milhões de euros 153,1 milhões de euros 102,0 milhões de euros o capital social da empresa vai ser constituído por dinheiro e por bens que irão fazer parte do imobilizado da empresa relativamente ao imobilizado estamos a falar dos bens que vamos incorporar oriundos da cp automotoras relativamente ao dinheiro este terá origem em investidores privados e ou públicos sendo que não desejamos que a maioria do capital seja público porque defendemos uma gestão privada da ct sem os vícios que estão inerentes à gestão publica que no sector ferroviário tem sido uma desgraça tirando raras excepções o capital necessário estimando que 60 do investimento inicial é financiado pelo qren é de 102 milhões de euros · · troços nacionais troços internacionais de ligação a espanha 71,7 milhões de euros 30,3 milhões de euros as entidades espanholas e/ou investidores espanhóis devem participar no capital da empresa no mínimo pelo montante do custo do investimento necessário para o prolongamento da linha do corgo e da linha do tua até espanha estamos a falar de cerca de 30,3 milhões de euros já deduzido do montante a ser participado pelo qren assim ficam a restar 71,7 milhões de euros para o investimento inicial nas linhas nacionais para aliciar os investidores privados a participar neste projecto estimamos que haja distribuição de dividendos todos os anos além disso é um investimento seguro uma vez que o seu capital será restituído juntamente com as mais-valias quando finalizar o contrato de concessão com estado as estimativas que fizemos para os lucros da empresa foram para os primeiros 3 a 5 anos pois acreditamos que após esse período de adaptação os lucros da empresa possam no mínimo duplicar pelo que aqueles accionistas que quiserem ter um proveito a curto prazo poderão ao fim de 7 a 10 anos vender a sua participação com uma grande rentabilidade estimamos para os primeiros 3 a 5 anos um lucro anual a rondar os 2,6 milhões de euros 12 -

[close]

p. 13

outra forma de financiamento do projecto para além da participação directa no capital seria a emissão de obrigações a 10 anos com uma taxa assegurada de 3 contudo esta taxa seria actualizada para cima sempre que rentabilidade da empresa no ano anterior fosse superior a essa taxa prevemos que a taxa de 3 de rentabilidade possa ser atingida e mesmo ultrapassada depois dos primeiros 3 a 5 anos de exploração a feve seria um investidor estratégico para este projecto dada a sua experiência de sucesso na gestão de um programa idêntico em espanha além disso também poderia ser importante para a concretização das ligações a espanha podendo em alguns casos quem sabe prolongar as suas linhas até aos pontos de passagem das ligações da ct a espanha aumentando assim o potencial do negócio de exploração do transporte de passageiros e de mercadorias as empresas de turismo que operam na região do douro poderiam ser potenciais interessados a participar no capital da ct o projecto ct apresenta nos custos de investimento inicial todos custos necessários para as linhas do tâmega corgo tua lamego sabor e vouga mas caso não se obtenha de imediato as verbas necessárias para concretizar o projecto na sua totalidade este pode ser realizado por fases em função das verbas obtidas seria de todo interessante e uma maisvalia para o próprio projecto ct que fosse concretizado na sua totalidade 7.3 custos com a exploração das linhas o custo anual com a exploração das linhas é de 35,6 milhões de euros · linha do vouga e linha de lamego 7,4 milhões de euros · linha do corgo 6,9 milhões de euros · linha do tua 6,4 milhões de euros · linha internacional de chaves ourense 3,7 milhões de euros · linha do vouga entre aveiro e silvalde 2,8 milhões de euros · linha do tâmega 1,8 milhões de euros · linha do sabor 3,8 milhões de euros · ramal de viseu 1,1 milhões de euros · ramal de valpaços 1,2 milhões de euros · linha internacional de bragança a puebla de sanabria 0,5 milhões de euros esta estimativa inclui todos os custos operacionais relacionados com a exploração de cada linha com sua manutenção com os custos de pessoal e combustível a média utilizada para o custo por km diário por comboio foi de 4,925 a ct deve celebrar um contrato idêntico à cp para usufruir de um preço especial para o gasóleo os custos com a exploração poderiam ser inferiores se fossem electrificadas as principais linhas deste projecto contudo essa opção iria onerar substancialmente o investimento inicial no entanto esta opção não é para ser descartada podendo ser uma opção para o futuro da ct 7.4 receitas e despesas com o funcionamento das linhas o projecto ct tem como objectivo transportar mais de 10 da população abrangida pelas linhas de comboio que pretende explorar contudo tivemos como base para a obtenção das receitas o transporte de 2 da população abrangida para os primeiros anos prevemos para os primeiros 3 a 5 anos período de adaptação da empresa às necessidades das populações e das populações à existência da empresa lucros a rondar os 2,6 milhões de euros · · custos anuais de exploração receitas anuais de exploração 35,6 milhões de euros 38,2 milhões de euros contudo estimamos que esse valor possa duplicar nos anos seguintes com uma maior ocupação dos comboios nomeadamente uma maior ocupação das ofertas turísticas que a ct tem para oferecer as receitas anuais de 38,2 milhões de euros resultam de · venda de bilhetes 35,4 milhões de euros · saldo do turismo de habitação ferroviário e merchandising 1,0 milhões de euros · saldo dos padrinhos e alugueres de instalações 0,9 milhões de euros · saldo dos comboios histórico temáticos e o transmontano express 0,8 milhões de euros · saldo do serviço da colónias de férias outros 0,1 milhões de euros como podem constatar as receitas obtidas através da venda de bilhetes 35,4 milhões de euros não cobre os custos anuais de exploração de 35,6 milhões de euros 13 -

[close]

p. 14

as receitas resultantes de vendas de bilhetes foram estimadas com base numa receita média por passageiro por km de 0,077 /dia assim as receitas da venda de bilhetes são as seguintes · · · · · · · · · · linha do vouga e linha de lamego linha do corgo linha do tua linha internacional de chaves ourense linha do sabor linha do vouga entre aveiro e silvalde linha do tâmega ramal de valpaços ramal de viseu linha internacional de bragança puebla de sanabria 7,4 milhões de euros 6,9 milhões de euros 6,4 milhões de euros 3,9 milhões de euros 3,6 milhões de euros 2,8 milhões de euros 1,7 milhões de euros 1,2 milhões de euros 1,0 milhões de euros 0,5 milhões de euros tendo em conta resultados entre custos de exploração e receitas de exploração dos comboios diários sem o turismo e outras receitas que não a venda de bilhetes grande parte das linhas têm um saldo zero ou seja são auto-suficientes contudo as linhas do sabor tâmega e ramal de viseu têm um saldo negativo para os primeiros anos de exploração · ramal de viseu · linha do tâmega · linha do sabor a única linha que nos primeiros anos de exploração tem um saldo positivo é · linha internacional de chaves ourense -0,1 milhões de euros -0,1 milhões de euros -0,2 milhões de euros 0,2 milhões de euros estes resultados são uma estimativa para os primeiros 3 a 5 anos analisados de uma forma isolada com as receitas dos comboios transversais às várias linhas a serem registadas de uma forma sectorial por linha mas no seu conjunto e tendo em atenção o seu aproveitamento turístico dão lucro à empresa daí a importância de uma gestão integrada para maximizar todas as potencialidades da exploração de todas as linhas no entanto passado período inicial de adaptação acreditamos que grande parte das linhas terá um saldo positivo de exploração directa a ct disponibilizará vários produtos de bilhetes como por exemplo os passes pacotes de 15 viagens pelo preço de 12 bilhetes família com desconto pai mãe e pelo menos um filho bilhete reformado etc a ct só terá 2 tarifários para os comboios diários um para os comboios especiais comboio aquae flaviae e comboio brigantino e outro para os restantes comboios internacionais regionais e suburbanos outra aposta da ct para obtenção de receitas deve ser o merchandising aproveitando a nostalgia que estas linhas provocam nas pessoas 14 -

[close]

p. 15

8 notas finais chamamos atenção que todos os cálculos apresentados neste projecto foram arredondados aos milhões tendo apenas uma casa decimal e foram tidos em conta as amortizações contabilísticas queremos agradecer a todos que contribuíram com as suas ideias para melhorar este projecto mas temos que agradecer a uma pessoa em especial paco boluda autor de todo o design da ct ficamos a aguardar por comentários e contributos a este projecto mas o mais importante é que os investidores apareçam para realizar este grande projecto ferroviário que iria revolucionar o sector ferroviário nacional estou disposto a abraçar este projecto a 100 estou certo que mais estão dispostos a fazê-lo porque acreditam no projecto ct só precisamos que alguém acredite como nós e esteja disposto a investir estamos disponíveis para prestar todos os esclarecimentos necessários paulo santos 15 -

[close]

Comments

no comments yet