Revista Pepper - Fevereiro 2016

 

Embed or link this publication

Description

Edição Online da Revista Pepper - Fevereiro 2016

Popular Pages


p. 1

Ano 03 Fevereiro/2016 nº 40 www.revistapepper.com.br TATUAGENS ÍNTIMAS A nova tendência que envolve arte e sensualidade +LIMPA BRASIL O lixo e os problemas que ele trás... Sai Zika! COLUNAS Pepperina contando os bafões da Sapucaí. Ecologia, empresários no Brasil e muito mais!

[close]

p. 2

#SUMÁRIO 03. LIMPA BRASIL! #MEIOAMBIENTE 04 – Achamos a solução para acabar com o Aedes aegypti! #COLUNA 06. – Armando Barros #RECEITADOMÊS PEPPERINA – A colunista mais louca resolveu dar as caras por aqui para contar as fofocas da Sapucaí. comandando as panelas mais uma vez! Chicken wings picante. Como não dar água na boca? 09 07. – Brasília está na rota do #DIVERSÃO&ARTE #COMPORTAMENTO #COLUNA Ed Force One, avião do Iron Maiden. A banda britânica de heavy metal pousará na cidade em março! As tatuagens íntimas estão virando tendência nos quatro cantos do globo, seja para aumentar a autoestima ou para apimentar a relação a dois... 08. DIEGO LARA – A proibição da utilização dos sacos plásticos, a “Lei do Saco Furado”... 10. – Libertadores #ESPORTE da América: 2016 pode ser um ano complicado para os clubes brasileiros na competição. 11. FERNANDO CABRAL #COLUNA – Empreendendo no Brasil e a intolerância ao barulho das áreas comerciais de Brasília. #EXPEDIENTE Publisher Sérgio Donato Contaldo Editora Natália Moraes jornalismo@revistapepper.com.br Revisão Conttexto.com helenacontaldo@conttexto.com Correspondente Pepper Nordeste Jude Alves Site Natália Moraes e equipe Diagramação Gustavo Facundo gustavofacundo@gmail.com Estagiárias Fernanda Cabral Colaboradores Sérgio Assunção J. Carlos Jr Ramalho Romolo Lazzaretti Fernando Cabral Carlos Henrique A. Santos Lisiane Cardoso Armando Barros Diego Lara jornalismo@revistapepper.com.br Diretor Administrativo e Financeiro Antônio Augusto Cortez Redação Abner Martins Natália Moraes jornalismo@revistapepper.com.br Gráfica Gráfica e Editora Rossetto rossetto@brturbo.com.br Publicidade Contatos (61) 3257.8434 faleconosco@revistapepper.com.br comercial@revistapepper.com.br

[close]

p. 3

03 #MEIOAMBIENTE Por Natália Moraes Fotos: Reprodução/ Divulgação AEDES AEGYPTI? ACHAMOS A SOLUÇÃO! Limpa Brasil é um movimento de QUER ACABAR COM O Só precisamos que o Governo aprenda a lidar com o lixo... E é isso que o movimento Limpa Brasil propõe: ajudar na conscientização em relação ao descaso com o lixo. O Atualmente o Limpa Brasil está fazendo uma pesquisa e levantando questões como “qual é a percepção da sociedade sobre a ligação entre o lixo e as doenças” e “qual é a quantidade de pessoas que moram perto de lixões e que estão contaminados”. Aqui nós estamos falando do mosquito, mas o lixo é responsável por mais de 13 doenças. “Temos que educar a cidade e dar ferramentas para que elas possam descartar o lixo corretamente”, afirma Marta. O movimento Limpa Brasil está em contato com conscientização em relação ao descarte errado do lixo do mundo. Aqui no Brasil muita gente ignora a coleta seletiva ou não se preocupa com a reciclagem. Marta Rocha, coordenadora geral do movimento, fala que quando o projeto chegou por aqui, ela percebeu que somos atrasados neste assunto. “Ainda estamos tentando convencer a sociedade a não jogar lixo na rua, enquanto lá fora a educação vem de berço” disse. Por causa desse atraso, foi sancionada a Lei dos Resíduos Sólidos, que impõe a logística reversa. Ela obriga todas as empresas a tirar do meio ambiente aquilo que elas mesmas produzem. Porém essa lei ainda não entrou em vigor. E esse lixo acumulado? O temido Aedes aegypti vem de lá, e Marta Rocha afirma que “não existem aterros sanitários no Brasil”. Segundo ela, o Brasil não tem coleta de lixo nas periferias. Isso significa que o que é consumido lá, por lá fica. “Toda periferia tem seu lixo clandestino e a população fica ali acumulando. Não adianta, se o lixo for recolhido um dia, no outro já começa tudo de novo”, completou. o GDF para propor a continuidade do projeto e oferecer um passo a passo para estruturar a coleta de lixo nas periferias. O movimento ainda não obteve resposta. Campanha Zika Zero Marta Rocha afirma que as campanhas não estão agindo de forma correta. “Os panfletos dizem para o pessoal pegar as garrafas, pratos e copos e virar no quintal... Mas na favela é diferente! Não existe quintal, plantas... Não existe nada”, disse. Nós temos problemas com o lixo, mas ninguém afirma com veemência que os nossos maiores vilões vêm de lá.

[close]

p. 4

04 #COLUNA OS BAFÕES DA Por Pepperina jornalismo@revistapepper.com.br Fotos: Brazil News/Novel / Divulgação SAPUCAÍ 2016 (EU TAVA LA!) A Revista Pepper está ficando cada dia mais chique e importante. Mal tinha acabado as minhas férias, e já me fizeram um convite para eu ir pro carnaval do Rio de Janeiro. Até me deu preguiça (ATÉ PARECE)... Dessa vez, me convidaram pra assistir o supra-sumo do carnaval carioca na Marquês de Sapucaí. De camarote... Coisa básica! Fui no Camarote Folia Tropical, no coração do sambódromo. Foi tudo lindo, maravilhoso, e meio turvo porque era open bar, né? O camarote tinha espaço para customização do abadá, espaço zen com direito a massagens nos pezinhos cansados, área de beleza para as meninas ficarem lindas a noite toda, e uma parte com show exclusivo do Arlindo Cruz. Fui no primeiro dia de desfile, aquele que teve Estácio de Sá, União da Ilha, Beija-Flor, Grande Rio, Mocidade Independente de Padre Miguel e Unidos da Tijuca. A recepção foi ótima, tinha gente bonita em tudo quanto é lugar! Além de comida boa e bebida pra dar com o pau! Como sou Grande Rio desde pequenininha (não conta pra ninguém), eu fiz questão de assistir o samba enredo que falava das maravilhas de Santos. A AVENIDA FICOU COM CHEIRO DE CAFÉ, GENTE. Mas só pra quem tava ali pertinho, como eu (ui!). Foi grandioso, e confesso que as músicas estão grudadas na minha cabeça até hoje.

[close]

p. 5

#COLUNA Mas como falar de um camarote top sem os famosos tops? Fiz questão de tropeçar em todos os gatos globais e internacionais que andavam por ali. Até o Sir Ian McKellen (o Magneto do X-Men) estava por lá. Mas esse aí já era internacional demais e eu só vi de longe. O tempo inteiro com um binóclinhos na mão. Gracinha, vô! Enfim, vamos falar do que importa... A decoração... Para ornar com o clima tropical, lá estava Jesus Luz, Rodrigo Simas, Bruno Ginssoni, Klebber Toledo, André Marques (sim), Miguel Romulo dentre outros. Eu não queria falar das meninas, mas como é necessário... Também estavam Vanessa da Mata, Renata Ceribelli, Mônica Iozzi, Glenda Glenda Klolosvekalisxjxz. Giovana Lancellotti, Cláudia Raia e Galvão Bueno (ué?). Falando nisso, será que o começo do affair carnavalesco de Klebber Toledo e Monica Iozzi começou por lá? Será que presenciei um momento histórico em que todas nós perdemos essa beldade para a Iozzi? Veremos... Obrigada, carnaval! Alô alô, graças a Deus, amém. Ah, obrigada também ao casal maravilhoso que estava do meu lado, bêbados, cantando todas as músicas e derrubando vodca em mim. Vocês fizeram minha noite quando derramaram bebida numa global importantíssima (que eu não vou falar o nome) que estava desfilando. Sim. Ela desfilando, os dois a chamaram com uma voz de gralha, ela veio toda fofa, eles pularam e derramaram um copo de cerveja no cabelo e na maquiagem. Resultado? A bichinha saiu puta, tadinha... Vem carnaval de 2017. E vem com ousadia e alegria. Até! Beijas no coração, Pepperina. 05 REVISTAPEPPER.COM.BR

[close]

p. 6

06 #RECEITA DO MÊS BUFFALO-STYLE WINGS, WILD WINGS, CHICKEN WINGS, FRANGO FRITO Por Armando Barros barros.armando@hotmail.com Modo de preparo CROCANTE… Dê o nome que você quiser, mas uma coisa você deve saber: este FRANGO é delicioso! 1 – Marine por, no mínimo 2 horas, os meios da asa com alecrim, tomilho, dentes de alho amassado com casca, pimenta do reino em grãos, vinagre e azeite; 2 – Cozinhe 15 minutos em panela de pressão. Desligue o fogo e deixe a pressão sair naturalmente; 3 – leve as asinhas em uma forma grande, para esfriar na geladeira por 2 horas; 4 – retire as cartilagens de cada lado, torça o ossinho menor e puxe-o para fora, tomando o devido cuidado para não desmontar a carne; 5 – tempere com sal; passe no amido de milho retirando o excesso; 6 – Frite aos poucos a 200ºC por 2 minutos; 7 – Em uma tigela coloque o molho barbecue e misture com o molho de pimenta de sua preferência. Vá adicionando a pimenta aos poucos e testando para ver se está picante conforme o desejado; 8 – Aqueça o molho e misture as asinhas. Sirva com Dip de Gorgonzola. E u vivo procurando na Web novas receitas, novas formas de fazer algo que já fiz, novas técnicas, novos equipamentos... Bem, como já disse em algum lugar, sou viciado em tudo que diz respeito a comida. As pessoas costumam me perguntar se eu prefiro fazer peixes, carnes, saladas ou massas, e de bate-pronto respondo: “Qualquer coisa, desde que seja deliciosa!”. E foi numa dessas viagens pelo mundo virtual que achei uma receita muito interessante de franguinho crocante e picante. Testei e adorei. Com isso decidi compartilhar aqui nesta coluna com vocês. Diferentemente de outras receitas, hoje não darei as medidas de cada ingrediente. Hoje será muito da necessidade e gosto de cada. Ingredientes - Meio da Asinha de frango (Você encontra nos mercados em embalagens de 1 kg. Se for fazer para até 3 pessoas, compre 1kg) • 1 maço de alecrim; • 1 maço de tomilho; • Alguns dentes de alho amassados e com a casca; • Sal e pimenta do reino moída na hora (a gosto); • Alguns grãos de pimenta do reino; • Vinagre de maçã; • Azeite extra virgem; • Amido de milho (o suficiente para cobrir as asinhas); • Molho barbecue de sua preferência e em temperatura ambiente; • Molho de pimenta de sua preferência para dar o tom picante no molho barbecue; • 1 a 2 litros de óleo. DIP DE GORGONZOLA Ingredientes • 75 gramas(1/4 xícara de chá) creme de leite fresco; • 65 gramas(1/4 xícara de chá) maionese; • 80 gramas queijo gorgonzola ralado; • 1 colher de sopa de suco de limão siciliano; • 1 dente de alho amassado. Modo de preparo Misture bem tudo em uma vasilha e conserve na geladeira até a hora de servir. O MINISTÉRIO DA BOA MESA ADVERTE: É IMPOSSÍVEL DE COMER POUCO!

[close]

p. 7

#DIVERSÃO&AR TE Por Redação Fotos: Reprodução/ Divulgação ED FORCE ONE … N ão tem mais volta, Brasília entrou de vez no cenário dos grandes shows, nacionais e internacionais. A bola da vez agora é o Iron Maiden, que no dia 22 de março se apresentará no Ginásio Nilson Nelson, próximo ao estádio Mané Garrincha. Como nas últimas turnês, a banda possui um avião próprio, totalmente decorado com os temas da banda e o clássico Eddie. O Boeing 747 é pilotado pelo próprio vocalista do Iron Maiden, o lendário Bruce Dickson, e foi batizado em homenagem ao mascote da banda, Ed Force One. A nova turnê da banda inglesa de heavy metal, The Book of Souls World Tour passará por 35 países, nos 5 continentes. O nome faz referência ao aclamado novo álbum, The Book of Souls, considerado o melhor álbum desde o retorno de Dickson aos vocais. Espera-se que os clássicos de sempre como The Number of the Beast e Fear of the Dark sejam tocados, mas o foco será no novo álbum. BRASÍLIA NA ROTA DO IRON MAIDEN POUSARÁ NA CIDADE EM MARÇO. Assim como nas outras passagens da banda pelo Brasil, os fãs podem esperar um show completo e muito bem produzido. Toda a estrutura de palco acompanha a banda no próprio avião, incluindo os equipamentos de luz, cenário e os efeitos de palco. Os shows do Iron Maiden costumam durar mais de 2 horas. Para quem é fã de heavy metal, ainda há outra boa notícia. A banda Megadeth, gigante do thrash metal, se apresenta na cidade no dia 12 de agosto. A novidade fica por conta da presença do brasileiro Kiko Loureiro, que assumiu as guitarras ao lado do líder Dave Mustaine. 07 REVISTAPEPPER.COM.BR

[close]

p. 8

08 #COLUNA Por Diego Lara diego.contaldo@gmail.com SACO FURADO A LEI DO E u falo dos Belos Horizontes! Uma terra de relevos ondulados, de onde as primeiras lágrimas escorrem de nossos rios tão devastados. Vão chorando, chorando, até tornarem-se grandes chorões, levando toda a cagatina e desordem humana em seu leito. Um leito de morte, mesmo. Eis que suje a resposta humana para tais lamentos dos rios! Um desses senhores que usam a gravata para acentuar suas bravatas, fazendo do parlamento um ato de vômito, traz sua solução para cuidar do “meio ambiente”! Criar uma lei que proíbe a utilização de sacos plásticos! Nossa! Só podemos ficar estupefatos com tanta sagacidade! E a cidade, ganhou título de exemplo! A primeira cidade a dar um salto no pensamento ambiental! Sim, saltou tudo, inclusive, saltou a inteligência! O caso é que o plástico vem do petróleo! O milho e a soja vem, claro, do milho e da soja! Que necessitam inúmeros de milhares de hectares para serem cultivados. E pasmem: também precisam de água! Não, verdade?! Então parabéns aos senhores das Leis, tão sabedores! Deem uma caminhada após esses anos que se passaram da criação dessa lei tão revolucionária, pelos super, hiper e mega mercados e verão seu milho e soja circulando pelas mãos de cada um dos milhões de belo horizontinos! A gente sabe, né, todo mundo tem um saquinho. A sacola feita do milho e soja transgênicos é semelhante a uma sacola de plástico, ela tem o mesmo tamanho, o mesmo formato, arriscaria até o mesmo cheiro, mas, não se enganem! Não é plástico, é milho! Ou soja! Vai saber... Mas escutem só, que defendem: “são pequenas ações, mas tem de ser feitas! Alguém tem que começar a fazer algo para ajudar ao meio ambiente!” Só posso concordar. Porém, fazer mais cagadas é foda! Gastou-se tantos recursos e energia com a propaganda da lei da sacola, com as mentes humanas que deram tanta atenção a tal fato, que esqueceu-se de pensar! Pensar: a pequena, real e mais fácil ação humana de cada ser humano para “contribuir ao meio ambiente”. Ou talvez, pensou-se demais. Inverteu-se a fonte. Saia grana de uma mão, vai para outra. Do petróleo vierdes, ao milho retornarás! Ou soja! Enfim, a lei é furada, mas a sacola não furou. Esvaziou, mas está aí, a carregar tão questionadas necessidades humanas. Vazia, mas vai. Vai sendo jogada por aí e ela vai, pra onde o vento levar. Sempre aos rios.

[close]

p. 9

#COMPORTAMENTO Por Natália Moraes Fotos: Divulgação TATUAGENS ÍNTIMAS ARTE, SENSUALIDADE E OUSADIA As tatuagens que estão fazendo a cabeça de muita gente por aí. Vai dizer que isso não mexe com o imaginário de qualquer um? T mais são do que a busca por um fetiche. Acaba atuagens estão na moda há anos... Mas sendo uma coisa muito particular, ou uma busca para apimentar a relação”, disse. Marcelo também comentou que as tatuagens íntimas de casal estão crescendo cada vez mais! Fadas, flores, tribais e outros desenhos estão sendo reservados para aumentar o prazer ao serem visualizados. E o tatuador, que é sempre um bom psicólogo, escuta as mais loucas histórias dos motivos das tatuagens. “Depois de algumas horas de sessão, as pessoas acabam se abrindo e nos contam os problemas do relacionamento. Temos malícia no assunto, e percebemos a falha no sentimento. De certa forma ajudamos a pessoa passar por aquilo... Com uma arte definitiva”, conta Marcelo. É ou não é o máximo? E você? Está a fim de fazer uma tatuagem, mas não quer deixá-la à mostra para todos verem? Vai entrar nessa moda? dessa vez não viemos aqui falar da fadinha que você tem nas costas. O assunto de hoje são as tatuagens íntimas. Muita gente concorda que homens e mulheres com uma tatuagem descolada já mexe com o imaginário de muita gente, certo? E dizem por aí que pessoas com tatuagens íntimas são capazes de fazer loucuras nas cabecinhas daqueles que veem ou imaginam. As tatuagens íntimas não são necessariamente nos “países baixos”. Elas podem ser nos seios, coxas, virilha, umbigo, ou em qualquer lugar nos arredores da região íntima. Sabe aquela tramp stamp que você tem no cóccix? Pode ser considerada uma legítima tatuagem íntima. Essa tendência está sendo observada nos quatro cantos do mundo! Para o tatuador Marcelo Oliveira, 40, da Arcanjo Tatto, as tatuagens íntimas “nada 09 REVISTAPEPPER.COM.BR

[close]

p. 10

LIBERTADORES DA AMÉRICA E 2016 PODE SER UM ANO COMPLICADO PARA OS CLUBES BRASILEIROS NA COMPETIÇÃO xiste hoje no futebol brasileiro um grande monstro chamado China. O excelente time do Corinthians, campeão brasileiro de 2015 foi completamente desmanchado. Os chineses vieram e compraram tudo, numa versão asiática de Júlio César “Vi, Vim, Comprei”. Restaram os medíocres. O técnico Tite terá que fazer milagre se quiser levar a taça da Libertadores para Itaquera. Outro representante de São Paulo, o próprio São Paulo, vive uma crise interna, com atraso de salários e racha de elenco. O clube perdeu na estreia, em casa, para o fraco The Strongest da Bolívia. O capitão Michel Bastos encabeçou ao final da partida uma greve de silêncio, nenhuma palavra foi dita para a imprensa, o problema é que Lugano, ídolo tricolor que retornou ao clube não concordou com a atitude e rachou o elenco, liderando um grupo contrário ao protesto. O Palmeiras possui um elenco muito instável, sem nenhuma grande estrela e tem no técnico o grande problema. Marcelo Oliveira, apesar de ter sido bicampeão brasileiro com o Cruzeiro, nunca foi campeão de nenhum torneio no esquema “mata-mata”. Seus times são organizados para serem regulares, o que atrapalha muitas vezes em competições de tiro curto, onde em um jogo pode ser necessário mais ousadia para garantir a classificação. O Grêmio possui apenas um elenco recheado de jogadores medíocres. Perdeu para a LDU do Equador na estreia em um jogo de doer os olhos de quem assiste, dificilmente conseguirá se classificar para a segunda fase do torneio. Quem está menos mal é o Atlético Mineiro, o time perdeu o craque da temporada de 2015, Geovanni Augusto, mas conseguiu manter as outras peças e fez uma aposta alta em Robinho, que estava encostado na China. A esperança é que ele consiga fazer o mesmo que Ronaldinho na campanha vitoriosa de 2013. 10 #COLUNA

[close]

p. 11

#COLUNA O ESTADO EFICIENTE. S ão muitas as dificuldades do empresário no Brasil. São muitos os obstáculos que se apresentam no caminho dos empreendedores. O excesso deleis, o escandaloso intervencionismo do Estado, o desnecessário e pernicioso paternalismo das leis trabalhistas e a falta de estabilidade econômica são aspectos que influenciam fortemente nesse ambiente – por vezes cruel – em que muitos empresários são obrigados a orbitar. Além do complicado ambiente, ainda se sofre de sérios preconceitos, especialmente em relação ao lucro, muitas vezes confundido com vantagem indevida. Que na verdade é a vantagem objetivada. E tem que vir de forma natural e planejada, sendo abusivo se buscado a qualquer custo ou quando alguém perde para que outro alcance. Mesmo com toda a carga tributária, o lucro não pode vir da sonegação. Mesmo com a inutilidade de muitas leis, elas estão aí para serem cumpridas, lamentavelmente. Mesmo considerando as nefastas regras das leis trabalhistas para o próprio mercado de trabalho, elas também estão aí para serem cumpridas. Pior é quando tudo ainda pode piorar. Como uma gota excessiva de pimenta, acrescente-se aí a intolerância de algumas comunidades e a austeridade exagerada (travestida de legalismo) de certas autoridades. Brasília está vivenciando essa intolerância em relação a bares e restaurantes. Autoridades constituídas têm protagonizado ações de combate a abusos (e existem muitos a serem combatidos) que partem do pressuposto de que todos estão errados e que a lei, por mais inócua e desnecessária, precisa ser cumprida a qualquer custo por alguns. Apenas alguns. Uma mureta, um toldo ou um simples ombrelone têm se transformado em vilões. São perseguidos pelos legalistas como se fossem gigantescos aedes aegypti prontos para contaminar a vizinhança. Precisam ser exterminados. No entanto, simplórios carrinhos de ambulantes, pequenas churrasqueiras CONTRA A INTOLERÂNCIA, Por Fernando Cabral fcabralbr@gmail.com ou os modernos e vistosos food trucks podem parar em qualquer lugar e vender seus produtos. Geralmente sem registrar funcionários, sem treinamento adequado de boas práticas de manipulação dos alimentos, sem condições básicas de higiene (onde estão os banheiros desse povo?) sem pagar impostos e sem gerar riqueza para o Estado. Mas, como os food trucks estão na moda, são os queridinhos do momento, vão ficando por aí. Quase sempre praticando desleal concorrência com o empresário estabelecido. A questão da música e do barulho provocado pelo burburinho dos bares foi escolhida como a grande arma do Estado. Até parece que é para tentar liquidar com essa atividade comercial tão relevante para a sociedade. Como se a setorização da cidade imaginada por Lúcio Costa em meados do século passado fosse indiscutível, inapelável, proibida de evoluir. Como se fosse possível que áreas residenciais sejam exclusivamente residenciais. Como se fosse simples tirar bares e restaurantes de onde estão e transferi-los para uma redoma à prova de ruídos e longe dos espaços bucólicos do projeto inicial do Plano Piloto. A resistência das vizinhanças tem fundamento. Há abusos de algumas partes. Já a intolerância não pode ser tamanha. Viver no meio urbano, ter como vizinho um bar ou morar perto do comércio tem suas vantagens e desvantagens. Para os intolerantes, resta tentar a vida no campo, que pode ser bem silenciosa. Sem graça, sem pimenta... Ao Estado cabe viabilizar a cidade. Fiscalizar o trânsito e arranjar estacionamentos. Oferecer transporte público adequado - inclusive à noite. Iluminação pública, calçadas e segurança pública de qualidade para que as pessoas possam se deslocar a pé. Infraestrutura é obrigação do Estado. Se o Estado for eficiente será mais fácil empreender, muito mais fácil viver nesta cidade incrível e, por consequência, haverá menos intolerância 011 REVISTAPEPPER.COM.BR

[close]

p. 12



[close]

Comments

no comments yet