Lição Biblica 2º Trimestre 2016

 

Embed or link this publication

Description

Lição Biblica 2º Trimestre 2016

Popular Pages


p. 1

Professor cpad.com.br

[close]

p. 2

Lições .Bíblica s Lição 1 A Epístola aos Romanos Lição 2 A Necessidade Universal da Salvação em Cristo Lição 3 Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo Lição 4 Os Benefícios da Justificação Lição 5 A Maravilhosa Graça Lição 6 A Lei, a Carne e o Espírito Lição 7 A Vida Segundo o Espírito Lição 8 Israel no Plano da Redenção Lição 9 A Nova Vida em Cristo Lição 10 Deveres Civis, Morais e Espirituais Lição 11 A Tolerância Cristã Lição 12 Cosmovisão Missionária Lição 13 0 cultivo das relações interpessoais 2016 - Abril/Maio/Junho Lições do 2° trimestre de 2016 - Comentarista: José Gonçalves S u m á r i o Maravilhosa Graça O Evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos 3 11 18 26 33 41 48 55 62 69 76 83 90 Lições Bíblicas /Professor 1

[close]

p. 3

PROFESSOR Prezado professor. Com a graça do Senhor, estamos dando início a uma nova revista. Depois de um trimestre abençoado a respeito das últimas coisas, estudaremos uma das epístolas mais importantes do Novo Testamento escrita pelo apóstolo Paulo — a Epístola aos Romanos. Paulo, de forma brilhante, ensina aos crentes como Deus nos livrou do poder do pecado e do jugo da lei. Encontramos na Epístola aos Ro­ manos importantes temas teológicos e doutrinários, como por exemplo, as doutrinas da eleição, justificação, propiciação, redenção e santificação. Embora tenha sido escrita em um contexto e em uma época diferente da nossa, esta carta tem importantes doutrinas para a Igreja atual. Lendo a Epístola aos Rom anos podemos ter a certeza de que a nossa salvação não é resultado da observân­ cia da lei, do esforço humano, mas é fruto da graça de Deus. Recebemos a salvação por meio da fé. Ela é resultado da bondade e da misericórdia do Pai. Somente pela graça e pela fé temos os nossos pecados perdoados e podemos nos tornar justos diante de Deus. Você já parou para pensar onde estaríamos se Deus, pela sua infinita misericórdia, não tivesse nos resgata­ do do poder do pecado e da morte? Graças a Deus pelo seu dom inefável (2 Co 9.15) que alcançou judeus e gentios. Não foi a humanidade decaída que escolheu conhecer a Deus, foi Ele que por graça, amor e misericórdia decidiu se revelar ao homem. Que possamos como Paulo, pregar um evangelho da salvação e da graça a todos, pois sabemos que o fim em breve virá. Publicação Trim estral da Casa Publicadora das A sse m bleias de Deus Presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil José Wellington Bezerra da Costa Presidente do Conselho Administrativo José Wellington Costa Júnior Diretor Executivo Ronaldo Rodrigues de Souza Gerente de Publicações Alexandre Claudino Coelho Consultoria Doutrinária e Teológica Antonio Gilberto e Claudionor de Andrade Gerente Financeiro Josafá Franklin Santos Bomfim Gerente de Produção Jarbas Ramires Silva Gerente Comercial Cícero da Silva Gerente da Rede de Lojas João Batista Guilherme da Silva Gerente de TI Rodrigo Sobral Fernandes Chefe de Arte & Design Wagner de Almeida Chefe do Setor de Educação Cristã César Moisés Carvalho Editora Telma Bueno Projeto gráfico e capa Flamir Ambrósio Diagramação Alexandre Soares Av. Brasil, 34.401 - Bangu Rio de Janeiro - RJ - Cep 21852-002 Tel.: (21) 2406-7373 Fax: (21) 2406-7326 www.cpad.com.br José Wellington Costa Júnior Presidente d o C on selho A dm in istra tivo Ronaldo Rodrigues de Souza D ire to r Executivo Abril/Maio/Junho - 2016 CBO 2 Lições Bíblicas /Professor

[close]

p. 4

Tento Áureo "Porque não me envergonho do evan­ gelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego." Verdade Prática A Epístola aos Romanos mostra que sem a graça divina todos os nossos esforços são inúteis para a nossa salvação e comunhão com Deus. (Rm 1.16) LEITURA DIÁRIA S e g u n d a - Rm 1.1 Paulo, chamado e separado pelo Senhor para ser apóstolo j Q u in ta - R m 1.11 Paulo desejava comunicar algum dom espiritual aos irmãos em Roma j Sexta - Rm 1.14 Paulo dedicou toda a sua vida a divulgar as Boas Novas Terça - Rm 1.13 Paulo já havia tentado ir até Roma, porém, foi impedido Ouarta - Rm 1.10 Paulo rogava a D eus para estar com os irm ãos em Roma 2016 - Abril/Maio/junho j S á b a d o -R m 1.17 Paulo pregou que o justo deve viver pela fé Lições Bíblicas /Professor 3

[close]

p. 5

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Romanos 1.1-17 - Paulo, servo de Jesus Cristo, cha­ mado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus, - o qual antes havia prometido pelos seus profetas nas Santas Escrituras, - acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de Davi segundo a carne, - declarado Filho de Deus em poder, segu n d o o Espírito de santificação, pela ressurreição dos mortos, — Jesus Cristo, nosso Senhor, - pelo qual recebemos a graça e o apostolado, para a obediência da fé entre todas as gentes pelo seu nome, - entre as quais so is também vós chamados para serdes de Jesus Cristo. - A todos os que estais em Roma, am ados de Deus, ch am ados santos: Graça e p az de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. - Prim eiram ente, dou g ra ç a s ao meu Deus por Jesus Cristo, acerca de vós todos, porque em todo o m undo é anunciada a vossa fé. - Porque Deus, a quem sirvo em meu espírito, no evangelho de seu Filho, me é testemunha de como incessantemente faço menção de vós, 10 - pedindo sempre em m inhas ora­ ções que, nalgum tempo, pela vontade de Deus, se me ofereça boa ocasião de ir ter convosco. - Porque desejo ver-vos, para vos comunicar algum dom espiritual, afim de que sejais confortados, 12 - isto é, para que juntamente con­ vosco eu seja consolado pela fé mútua, tanto vossa com o minha. - Não quero, porém, irmãos, que igno­ reis que muitas vezes propus ir ter convosco (mas até agora tenho sido impedido) para também ter entre vós algum fruto, como também entre os demais gentios. - Eu sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes. - E assim, quanto está em mim, estou pronto para também vos anunciar o evangelho, a vós que estais em Roma. - Porque não me envergonho do evan­ gelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. - Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: M as o justo viverá da fé. HINOS SUGERIDOS: 75, 4 3 2 ,4 4 0 da Harpa Cristã OBJETIVO GERAL Apresentar uma visão panorâmica da carta de Paulo aos Romanos, ressaltando a terrível situação espiritual na qual se encontra a humanidade depois da Oueda. OBJETIVOS ESPECÍFICOS______________ Ao lado, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos. Conhecer o autor, o local, data e des­ tinatários da Epístola aos Romanos; Mostrar a forma literária, conteúdo e propósito da Epístola aos Romanos; Explicar o valor espiritual da Epístola aos Romanos. Abril/Maio/Junho - 20] 6 4 Lições Bíblicas /Professor

[close]

p. 6

• INTERAGINDO COM O PROFESSOR Prezado professor, neste trimestre teremos a oportunidade ímpar de estudar­ mos a respeito da Epístola aos Romanos. Nesta carta o apóstolo Paulo expõe, de maneira profunda, a doutrina da justificação pela fé, mediante a graça divina. Paulo mostra que a graça de Deus e a salvação são para todos, judeus e gentios. 0 comentarista do trimestre é o pastor José Gonçalves — escritor, conferen­ cista, bacharel em Teologia, graduado em Filosofia; membro da Diretoria da Convenção Estadual da Assembleia de Deus do Piauí (CEADEP) e do Conselho de Apologética da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB). Que o Deus de am or e de graça o abençoe e que você e seus alunos possam crescer na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. COMENTÁRIO 1.1). O argu m en to que nega a Neste trimestre teremos originalidade desse registro PONTO o p r iv ilé g io de e s tu d a r a CENTRAL não tem credibilidade entre A Epístola a o s Epístola de Paulo aos Roma­ os estudiosos do Novo Testa­ R o m a n o s é um nos. Podem os afirmar que mento. Paulo escreveu essa c h a m a d o à liber jamais serem os os m esm os carta com o auxílio de Tércio, d a d e cristã. depois de uma leitura cuida­ o seu amanuense, escrevente, dosa e um estudo sistem ático (Rm 16.22). O costume da época dessa Epístola. Rom anos m ostra que permitia que o amanuense tivesse certa o Evangelho é o poder de D eus para a liberdade na redação do docum ento, salvação d os judeus e gentios. Revela a g in d o com o uma e spé cie de ta q u í­ tam bém que o hom em , p e rd id o nas grafo. Com b ase n e sse fato, a lg u n s trevas do pecado, é reconciliado com críticos têm argu m en tad o a respeito Deus mediante a sua graça. Essa graça da autenticidade de certas passagens é o que nos justifica e nos qualifica a da Carta aos Rom anos, atrib u in d o-os ter com unhão com Ele. a uma autoria não paulina. Todavia o Na Epístola aos Rom anos a p re n ­ teor de R om a no s não deixa d ú vid a s d e m o s que a natureza adâmica, que de que todo o seu conteúdo reflete o dom ina o velho homem, é destronada estilo de Paulo escrever. pela fé em Cristo, e que é p o ssíve l v i­ 2. Local e data. Paulo escreveu aos verm os em n ovidade de vida através romanos provalvelmente entre os anos do poder do Espírito Santo que opera 56 e 57 d.C, quando se encontrava na em nós. V erem os que esta Carta é um próspera cidade de Corinto, capital da cham ado à liberdade cristã. província romana de Acaia, no território INTRODUÇÃO I-A U TO R , LOCAL, DATA E DESTINATÁRIOS 1.0 autor. Há um consenso entre teólogos e biblistas de que a Epístola aos Romanos é de autoria de Paulo (Rm 2016 - Abril/Maio/Junho da Grécia. Paulo permaneceu pelo m e­ nos três meses na Grécia por ocasião da sua última visita a Jerusalém (At 20.3). 0 livro de Atos nos mostra que foi em Corinto, cidade grega, que Paulo montou seu centro de atividades missionárias. Lições Bíblicas /Professor 5

[close]

p. 7

Em Corinto, Paulo ficou hospedado na casa do seu fiel am igo Gaio. 3. Destinatários. Alguns intérpretes ao escreverem a respeito da Epístola aos Romanos a classificam como sendo de natureza atemporal. Eles não estão errados, visto que ela foi inspirada pelo Espírito Santo e como tal transcende as barreiras do tempo. Rom anos 1.7 nos mostra, de m odo bem claro, o destina­ tário da epístola: "A todos os que estais em Roma, am ados de Deus, cham ados santos: Graça e paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo". Quem seria, pois, esses “todos que estais em Rom a?" Há uma disputa sobre os reais destinatários desta carta. A lg u n s argum entam que Paulo escreveu para os judeus radicados em Roma, enquanto outros defendem os cristãos gentílicos como sendo esses destinatários. Porém, Paulo escreveu à igreja de Roma. Uma igreja formada tanto por judeus com o por gentios. SUBSÍDIO DIDÁTICO P rofe sso r, e x p liq u e a o s a lu n o s que "q u a n d o Paulo e screveu a carta à Igreja de Cristo em Roma, ainda não havia estado nesta cidade, mas já havia anunciado o evangelho 'desde Jerusalém e arredores até ao llírico’ (Rm 15.19). O a p ó sto lo planejou visita r e pregar em Roma; esperava continuar a levar o e van gelh o ao ocidente, à Esp an h a" (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, Rio de Janeiro: CPAD, p. 1550). Para que o aluno tenha uma com ­ preensão m elhor da localização de tais cidades e acontecim entos onde Paulo esteve, reproduza o mapa abaixo, distri­ bua para os alunos e o utilize antes da explicação do primeiro tópico. SÍNTESE DO TÓPICO I Paulo é o autor da Epístola aos Romanos. Ele escreveu esta carta entre os anos de 5 6 e 5 7 d.C., tendo como destinatário a igreja em Roma. CONHEÇA MAIS -Data e autoria da Carta aos Romanos “ A igreja primitiva e até m esm o os críticos da atualidade concordam com os versículos de abertura da carta. Esta é a carta do apóstolo Paulo aos romanos. Muitos comentaristas creem que Paulo a escreveu em 56 e 57 d.C., enquanto estava em Corinto. Febe, das cercanias de Cencreia, levou a carta (Rm 16.1,2); e C aio (16.23), foi o mais proeminente convertido de Paulo em Corinto (1 Co 1.14). Assim , a carta de Paulo che­ gou a Rom a vários anos antes de sua vinda à cidade, com o prisioneiro, para ser julgado pelo tribunal de César (At 28)’ ’. Para conhecer mais leia Cuia do Leitor da Bíblia, CPAD, p. 735. 6 Lições Bíblicas /Professor Abril/Maio/Junho - 2016

[close]

p. 8

I I -F O R M A LITERÁRIA, CONTEÚDO E PROPÓSITO 1. Forma literária. A Epístola de Paulo aos Romanos segue o m odelo de outros docum entos do primeiro século da era cristã. O esboço obedece à ordem desse tipo de documento, tendo sem ­ pre uma saudação e uma oração (Rm 1.1,7,8,16). Uma forma literária bastante comum nos dias de Paulo era a escrita em forma de diálogo. Platão, filósofo grego, por exemplo, escreveu dezenas deles. Todavia, com o bem ob servou o e sp e ­ cialista em Novo Testamento, Brodus D. Hale, essa forma literária dificilmente se ajusta ao modelo paulino. 0 que podemos observar na leitura de Romanos é o uso de diatribes por parte do apóstolo. Nesse m odelo literário, que era um recurso muito usado pelos filósofos estoicos e cínicos, o autor valia-se de uma exposição crítica a respeito de alguma obra. 2. Conteúdo. O conteúdo de Ro­ m anos trata de algu n s temas bem e s­ pecíficos, com o por exemplo, a pecam inosidade do homem, a salvação de Deus, a justificação pela fé e a graça divina. Logo d e p o is das p alavras de saudação observam os a seção que trata sobre a manifestação da justiça de Deus m ediante a fé (Rm 1.18-4.25). Paulo mostra a necessidade espiritual que os gentios, judeus e toda a hum anidade têm da salvação de Deus. Paulo também mostra nos capítulos 5 a 8 (5.1— 8.39), a ação santificadora do Espirito Santo no processo da salvação. É destacado aqui o resultado prático do Evangelho na salvação do crente. Através do Espírito Santo o crente experimenta a paz com Deus. Nos capítulos 9 a 11 encontramos a teologia paulina a respeito do tratamento de Deus para com Israel, o seu povo. São revelados três aspectos do tratamento de Deus para com Israel-passado, presente e futuro. Na última seção Paulo mostra o 2016 - Abril/Maio/junho U m a leitura c u id a d o s a de R o m a n o s n o s m ostra que e ssa carta não possui apenas um único propósito, m a s vários. lado prático do Evangelho na transfor­ mação de vidas (12 a 15.13). A conclusão da carta, tratando do empreendimento missionário do apóstolo e algumas reco­ mendações finais, estende-se do capítulo 15.14 ao 16.27. 3. Propósito. Uma leitura cuidadosa de Romanos nos mostra que essa carta não possui apenas um único propósito, mas vários. O principal, segundo a Bíblia de Estudo de Aplicação Pessoal é “apre­ sentar Paulo aos rom anos e sintetizar a m ensagem do apóstolo, antes de sua chegada a Rom a". Todavia, p od em o s também destacar os seguintes p ropó­ sitos: o apóstolo deseja fazer da igreja romana uma base missionária a fim de que ele pudesse chegar até a Espanha (Rm 15.24,28); fica evidente também que o apóstolo está im buído da defesa do Evangelho que ele pregava. Assim, as acusações de que Paulo promovia um anti-judaísmo não procedem, pois a carta também tem um propósito apologético e pastoral, como podem os verificar nos capítulos 14 e 15. SÍNTESE DO TÓPICO II A Epístola aos Rom anos foi escrita em forma de diálogo. Ela trata de temas bem específicos e não possui apenas um único propósito, m as vários. SUBSÍDIO DIDÁTICO R e p ro d u z a o q u a d ro ab aixo, e u tiliz e -o para a p re se n ta r de form a Lições Bíblicas /Professor 7

[close]

p. 9

EPÍSTOLA AOS ROMANOS PROPÓSITO Apresentar Paulo aos rom anos e sintetizar a m ensagem do apóstolo, antes de sua chegada a Roma. Paulo. O s cristãos em Roma e em todo o mundo. Provavelmente foi escrita em 57d.C, em Corinto quando Paulo preparava sua visita a Jerusalém. "Sendo, pois, justificados, pela fé, tem os paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo" (5.1). Paulo e Febe. Roma AUTOR DESTINATÁRIOS DATA VERSÍCULO-CHAVE PESSO AS-CHAVE LUGAR-CHAVE Extraído da Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, CPAD. p. 1548. 2. Renovação espiritual. Não há dúvida de que a igreja de Roma, a quem a Epístola aos Romanos foi endereçada, experim entou uma tremenda renova­ III- V A L O R ESPIRITU AL ção espiritual m ediante a sua leitura. 1. Fundamentação doutrinária. A Todavia, o renovo espiritual a d vin d o Epístola aos Rom anos é considerada a da leitura desta carta pode ser visto na vid a de m u itos cre n te s ao lo n g o mais teológica dentre todas as outras da história da Igreja. T om em os com o escritas por Paulo. 0 forte conteúdo exem plo A gostinho, bispo de Hipona, doutrinário desta carta é sem dúvida qu e te ve sua v id a m u d ad a q u a n d o o mais com pleto do Novo Testamento. leu R o m a n o s 13.13. Por ou tro lado, R om a no s trata de a lg u n s d os tem as M atinho Lutero, o grande reform ador m ais p ro fu n d o s do C ristia n ism o — alemão, foi desafiado a rom per com a as d ou trin as da cham ada eleição, da tradição católica quando tam bém leu p re d e stin a ç ã o , da ju stific a ç ã o , da a C arta ao s R o m a n o s. Joh n W e sle y glorificação e da herança eterna. tam bém te ste m u n h ou forte re n o va ­ Paulo mostra à igreja que o pecador ção em sua vida através da leitura do pode encontrar a redenção na poderosa com entário d essa Carta, escrita pelo mensagem do Evangelho que é o poder Reformador. de Deus para salvação de todo aquele que crê. A Carta aos Rom anos revela que é por intermédio da graça de Deus, SÍNTESE DO TÓPICO III manifestada na pessoa bendita de Jesus O valor espiritual da Epístola aos Cristo, que o homem pode ver corrigido Romanos é imenso. Ela é considerada a o seu relacionamento com o Criador. A mais teológica dentre todas as outras velha natureza é subjugada na cruz e escritas por Paulo. o Espirito Santo faz com que o poder da cruz agora emane na vida do crente. sucinta algum as inform ações que são e s s e n c ia is para a c o m p re e n sã o da Epístola aos Romanos. 8 Lições Bíblicas /Professor Abril/Maio/Junho - 2016

[close]

p. 10

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO "P a u lo destaca a lg u n s a sp e ctos p rin c ip a is na carta a o s R om a no s. A dou trin a da salvação é ap re sen tad a dentro de alguns itens especiais: o te­ ológico (1.18— 5.11); o antropológico (5.12— 8.39); o histórico (9.1— 11.36) e o é tico (12.1— 15-33). E sse p la n o alcança toda a obra e contém verdades incontestáveis e irremovíveis. Na esfera teológica. Paulo ap re­ senta a condição perdida dos homens, sem a mínima possibilidade de salvação p or m é rito s p ró p rio s. L o g o d ep ois, Cristo é a solução, visto que, por meio de sua morte, todos podem ser ju sti­ ficados da condenação. 0 pecad or é justificado mediante a obra expiatória de Jesus Cristo. Na esfera antropológica. A ilu s­ tração do prim eiro e se g u n d o Adão, coloca o crente de frente a uma nova realidade espiritual. 0 primeiro Adão foi vencido pelo pecado, mas o segundo o venceu por todos os homens. Em Cristo, o hom em assum e um novo regime de vida sob a orientação do Espírito Santo" (CABRAL, Elienai. Romanos: 0 Evangelho da Justiça de Deus. 8.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p. 17). CO N CLU SÃ O Uma v isã o panorâm ica da carta de Paulo aos R o m a n o s p e rm ite -n o s vislu m brar a terrível situação e sp iri­ tual na qual se encontra a humanidade depois da Queda. É algo desesperador. Todavia, a Carta mostra, de forma cla­ ra, que D e u s por in te rm é d io do seu am or gracioso, que ultrapassa todo o entendim ento, veio ao encontro dos pecadores para oferecer-lhes perdão e restauração através de Jesus Cristo, seu bendito Filho. É Ele que, através de seu sacrifício vicário, tirou a raça humana das trevas do pecado e deu a oportunidade ao pecador de viver uma nova vida no poder do Espírito Santo. 2016 - Abril/Maio/Junho Lições Bíblicas /Professor 9

[close]

p. 11

PARA REFLETIR A respeito da Carta aos Romanos, responda: • Quem é o autor da Epístola aos Rom anos? 0 apóstolo Paulo. • Quem auxiliou Paulo a escrever a Carta aos Rom anos? Tércio. • Em que ano Paulo escreveu a epístola aos Rom anos e em que cidade ele se encontrava? Paulo escreveu aos rom anos provalvelm ente entre os anos 5 6 e 57 d.C, quando se encontrava na próspera cidade de Corinto, capital da província romana de Acaia, no território da Grécia. • De acordo com a lição, quais os principais temas da Epístola aos Romanos? Romanos trata de alguns temas bem específicos, como por exemplo, a pecaminosidade do homem, a salvação de Deus, a justificação pela fé e a graça divina. • Qual o propósito principal da Carta aos Rom anos? Uma leitura cuidadosa de Rom anos nos mostra que essa carta não possui apenas um único propósito, mas vários. O principal, se gu n d o a Bíblia de Estudo de Aplicação Pessoal é "apresentar Paulo aos rom anos e sintetizar a m ensagem do apóstolo, antes de sua chegada a Roma". CONSULTE Revista Ensinador Cristão - CPAD, n° 66, p. 36. Você encontrará mais subsídios para enriquecer a lição. São artigos que buscam expandir certos assuntos. SUGESTÃO DE LEITURA Romanos: O evangelho da justiça de Deus Comentário Bíblico de Matthew Henry Os mais profundos temas do Cristianismo são encontrados na Epístola aos Romanos. Nesta obra, o autor demonstra a importância e a atualidade da teologia paulina para a Igreja atual. Um dos mais conceituados com entários biblicos dos EUA, um clássico. Um Com entário de profundidade teológica, com posto de 5 volum es sobre o Novo Testamento, comentado por 4 0 especialistas em Bíblia. Esta obra não só discorre sobre as interpretações históricas dos textos, mas também sobre a discussão contemporânea das passagens da Bíblia. ■ Teologia do Novo Testamento 10 Lições Bíblicas/Professor Abril/Maio/Junho - 2016

[close]

p. 12

Lição 2 10 de Abril de 2016 A Necessidade Universal da Salvação em Cristo Tento Áureo "Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer." (Rm 3.10) Verdade Prática 0 pecado manchou toda a raça humana e somente o sangue de Cristo é suficiente para purificá-la. LEITURA DIÁRIA S e g u n d a - R m 3.9 Todos os homens, depois da Queda, estão debaixo do pecado T e r ç a - R m 3 .1 0 Não há um nenhum justo sob a face da Terra, judeu ou gentio O u a r t a - Rm 3 .23 Todos pecaram e foram afastados da presença de Deus 2016 - Abril/Maio/Junho O u in t a - R m 3 .2 0 Nenhum homem pode ser justificado diante de Deus pelas obras da lei S e x t a - R m 6.23 0 castigo ou o salário para o pecado é a morte S á b a d o - R m 3 .2 4 Som os justificados somente pela graça e redenção de Jesus Cristo Lições Bíblicas /Professor 11

[close]

p. 13

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Romanos 1.18-20,25-27; 2.1,17-21 - Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda im piedade e injustiça dos hom ens que detêm a verdade em injustiça; - porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. - Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder com o a su a divindade, se entendem e claram ente se veem pelas coisa s que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis; - pois mudaram a verdade de Deus em mentira e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém! - Pelo que Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as su a s mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. - E, sem elhantem ente, tam bém os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflam aram em su a se n ­ su a lid a d e u ns p ara com os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. R m 2. ! - Portanto, és inescusável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro; pois tu, que julgas, fazes o mesmo. - Eis que tu, que tens por sobrenomeju­ deu, e repousas na lei, e teglorias em Deus; - e sabes a sua vontade, e aprovas as coisas excelentes, sendo instruído por lei; - e confias que és guia dos cegos, luz dos que estão em trevas, - instruidor dos néscios, mestre de crianças, que tens a form a da ciência e da verdade na lei; - tu, pois, que ensinas a outro, não te ensinas a ti m esm o? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? HINOS SUGERIDOS: 2 3 5 ,2 9 1 ,2 9 4 da Harpa Cristã OBJETIVO GERAL Mostrar que o pecado manchou toda a raça humana, por isso, todos necessitam de salvação. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Ao lado, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos. 12 Liçõe s B íb lic a s / P r o f e s s o r |fj Apontar a necessidade de salvação dos gentios; O U Mostrar a necessidade de salvação dos judeus; Explicar a necessidade de salvação da humanidade. Abril/Maio/Junho - 2016

[close]

p. 14

• INTERAGINDO COM O PROFESSOR Adão e Eva pecaram ao desobedecer a Deus. 0 pecado deles afetou toda a humanidade, por isso, as Escrituras afirmam que "todos pecaram e destituídos estão da glória de D e u s" (Rm 3.23). 0 castigo para o pecado é a morte, porém Deus por sua infinita graça, am or e misericórdia, enviou seu filhos Jesus Cristo ao mundo para morrer por nossos pecados. 0 Filho de Deus morreu pelos judeus e gentios, pois am bos necessitam de salvação. Somente Jesus Cristo pode sal­ var o homem libertando-o do pecado. A salvação não pode ser alcançada pelo cumprimento da Lei ou por qualquer tipo de esforço ou sacrifícios humanos. Som os libertos do poder do pecado unicamente pela graça de Jesus Cristo. COMENTÁRIO realidade das coisas espirituais foi proporcionado pela ig n o ­ PONTO Na lição de hoje teremos CENTRAL rância na qual eles viviam . a oportunidade de com pre­ O pecado afetou 0 pecado os havia lançado ender que o pecado, em sua toda a raça h u m a ­ para longe de Deus. Quanto na, p o r isso, todos universalidade, atin giu os m ais d ista n te d o Criador, precisam de gentios, os judeus e toda a salvação. mais o pecado m anifesta os raça humana. Todos ficaram seus tentáculos e ganha força. debaixo do im p ied oso ju go do Essa atitude de rebelião contra Deus pecado. A n e ce ssid a d e de uma sa l­ culm ina na idolatria, ou seja, coloca a vação universal, na p essoa de n o sso criatura em lugar do Criador. 0 homem, Senhor Jesus Cristo é um tema bastante com suas paixões e concupiscências, claro na a rg u m e n ta çã o do a p ó sto lo e não Deus, se torna o centro da e xis­ Paulo em Rom anos 1.18 a 3.20. P au lo n o s m ostra em R o m a n o s tência: "E m udaram a glória do D eus que tanto os pagãos, que estavam nas incorruptível em sem elhança da im a­ trevas do pecado, quanto os judeus, gem de hom em corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de ré p te is" (Rm que se o rg u lh a v a m de p o ssu ir a Lei divina entregue a M o isé s no Sinai, e s­ 1.23). A ignorância espiritual conduz tão sob o dom ínio do pecado. Veremos à idolatria religiosa. 2. A revelação. Se o mundo está em nesta lição que som e n te a revelação trevas, Deus não pode ser responsabi­ da justiça de D e u s em C risto Jesus é suficiente para salvar tanto os judeus lizado por isso. Esta é a argum entação de Paulo aos romanos. Deus sempre se quanto os gentios. revelou aos hom ens ao longo da histó­ I - A N E C E S S ID A D E D A S A L V A Ç Ã O ria. Aqui fica evidente que o Senhor se D O S G E N T IO S (R m 1 .1 8 -3 2 ) deu a conhecer através das coisas cria­ 1. A rejeição. Ao dar início a sua das (Rm 1.20). Essa revelação natural, argumentação em Rom anos 1.18-32, o também denominada na teologia bíblica apóstolo tem em mente a triste situação de "revelação geral", é uma testem u­ na qual se encontra o mundo gentílico. nha contra a falta de sensibilidade da Esse estado de insensibilidade frente à criatura diante do seu Criador. Embora INTRODUÇÃO 2016 - Abril/Maio/Junho Lições Bíblicas /Professor 1 3

[close]

p. 15

o hom em não possa conhecer a D eus p erfe itam e n te através da revelação natural ou geral, conhecim ento que só se torna p ossíve l através da revelação especial de Deus, Jesus Cristo, todavia ele deveria se sentir despertado para a realidade espiritual através das coisas criadas (Rm 1.21). 3. A punição. Os versículos 22 até o 32 do capítulo primeiro de Rom anos revelam as consequências do pecado na vid a d o s h om e n s. E le s tive ram a oportunidade de glorificar a Deus, mas não o fizeram (Rm 1.21), e agora colhem os maus frutos dessa obstinação. A ex­ pressão "D e u s os entregou" não tem o sentido de causalidade, o que demonstra que Deus não é o responsável por essa obstinação humana. Ele apenas permitiu que os homens, como consequência de suas próprias ações e escolhas, andem nos seus p róprios cam inhos. Todavia, precisam saber que serão responsabili­ zados por isso. E de fato o foram. Paulo destaca que essa atitude reprovada cegou os homens, lançando-os na insensatez da idolatria, pois trocaram o Criador pela criatura (Rm 1.23). Depois os levou ao desvio da sexualidade (Rm 1.26,27) e, por último, fez com que eles adotassem uma diversidade de vícios morais e sociais (Rm 1.28-32). SÍNTESE DO TÓPICO I O s gentios necessitam de s a lva ­ ção, p o is tam bém fo ra m afetados pela Queda. SUBSÍDIO BIBUOLÓGICO " P a u lo re tra to u c la ra m e n te a inevitável decadência em direção ao pecado. Primeiro, as p e sso a s rejeita­ ram a Deus; em seguida, elaboraram seu conceito de com o Ele deveria ser; depois cedem a toda espécie de iniqui­ dades: ganância, ódio, inveja, crimes, lutas, e n ga n o , m alícia; fin a lm e n te , chegam a odiar a D e u s e a encorajar os outros a fazerem o mesmo. M as Ele não é o agente d essa p ro gre ssão em direção ao mal. Q u an d o as p e sso a s o rejeitam. Deus permite que elas vivam com o desejam . Perm ite que e x p e ri­ m entem as c o n se q u ê n c ia s n a tu rais d o s p e cad os que praticam . Um a vez preso ne sse m ovim ento descendente rum o ao pecado, nin gué m poderá li­ bertar-se por suas próprias forças. O s pecadores devem confiar som ente em Cristo para libertá-los da d estru ição" (Bíblia de Estu d o A p licaçã o P e ssoal, Rio de Janeiro: CPAD, p. 1553). CONHEÇA MAIS * A comunidade da aliança do Antigo Testamento "Todo m enino judeu era circuncidado ao 8 o dia de nas­ cimento. Assim, estava unido à com unidade da aliança do Antigo Testamento, a quem Deus concedera a sua Lei. Possuir a Lei, entretanto, era inexpressivo, salvo se a pes­ soa a guardasse. Em breve Paulo irá dem onstrar que não há quem possa cu m prirás exigências de sua própria consciên­ cia, quanto mais as mais elevadas obrigações determinadas pela Lei de Deus". Para conhecer mais leia Cuia do Leitor da Bíblia, CPAD, p. 738. 14 Lições Bíblicas /Professor Abril/Maio/Junho - 2016

[close]

Comments

no comments yet