Revista O Biólogo nº 34 - Dengue: como combater a epidemia

 

Embed or link this publication

Description

Revista O Biólogo nº 34 - Dengue: como combater a epidemia

Popular Pages


p. 1

Ano IX - no 34 - Abr/Mai/Jun 2015 o Biólogo Revista do Conselho Regional de Biologia - 1a Região (SP, MT, MS) ISSN 1982-5897 Dengue Espécies invasoras A ameaça ao meio ambiente representada pela transposição de espécies de animais e plantas Como combater a epidemia Agrotóxicos Os impactos do uso de defensivos agrícolas ainda é tema de muita polêmica entre especialistas Avaliação de profissionais Proposta de avaliar estudantes de Biologia que vão trabalhar na área de saúde divide Biólogos

[close]

p. 2

Tome Nota O Biólogo ÍNDICE Revista do Conselho Regional de Biologia 1a Região (SP, MT, MS) Ano IX – No 34 – Abr/Mai/Jun 2015 ISSN: 1982-5897 Conselho Regional de Biologia - 1a Região (São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul) Rua Manoel da Nóbrega, 595 – Conjunto 111 CEP: 04001-083 – São Paulo – SP Tel.: (11) 3884-1489 – Fax: (11) 3887-0163 crbio01@crbio01.gov.br / www.crbio01.gov.br Delegacia Regional de Mato Grosso do Sul CRBio-01 Rua 15 de novembro, 310 – 7o Andar – sala 703 CEP: 79002-140 – Campo Grande – MS Tel.: (67) 3044-6661 – delegaciams@crbio01.gov.br Delegacia Regional de Mato Grosso - CRBio-01 Em breve novo endereço Diretoria: Luiz Eloy Pereira Presidente Eliézer José Marques Vice-Presidente Celso Luis Marino Secretário Edison Kubo Tesoureiro 03 Editorial 04 Nova Diretoria 07 Ecos da Plenária 08 Publicações Mandato 2011-2015 Conselheiros Efetivos: Marta Condé Lamparelli; Edison Kubo; Eliézer José Marques; Luiz Eloy Pereira; Giuseppe Puorto; Maria Saleti Ferraz Dias Ferreira; Rosana Filomena Vazoller; Celso Luis Marino; Iracema Helena Schoenlein-Crusius e André Camilli Dias. Conselheiros Suplentes: Maria Teresa de Paiva Azevedo; José Carlos Chaves dos Santos; Horácio Manuel Santana Teles; Fabio Moreira da Costa; Márcia Aparecida Rodrigues Nassarden; Edison de Souza; Regina Célia Mingroni Neto; João Alberto Paschoa dos Santos e Ana Paula de Arruda Geraldes Kataoka. Grupo de Trabalho na Área de Comunicação do CRBio-01: Giuseppe Puorto, João Alberto Paschoa dos Santos, Iracema Helena Schoenlein-Crusius e Maria Eugenia Ferro Rivera Jornalista Responsável: Jayme Brener (MTb 19.289) Editor: Cláudio Camargo Textos: Zulmira Felicio, Marco Chiaretti e Pedro Brener Diagramação: Regina Beer Capa: CRBio-01 Periodicidade: trimestral Tiragem: 18.000 exemplares Os artigos assinados são de exclusiva responsabilidade de seus autores e podem não refletir a opinião desta entidade. O CRBio-01 não responde pela qualidade dos cursos divulgados. A publicação destes visa apenas dar conhecimento aos profissionais das opções disponíveis no mercado. 09 Agenda 10 Acontece E a dengue voltou 15 Arquivo do Biólogo 16 Destaque Espécies invasoras ameaçam a biodiversidade 19 CFBio Notícias 20 Em Foco Agrotóxicos, uma eterna polêmica 23 Ponto de Vista Avaliação de profissionais em debate 2 O BIOLOGO Jan/Fev/Mar 2015

[close]

p. 3

Editorial Caros Biólogos, O Conselho Regional de Biologia – 1ª Região (CRBio-01) elegeu em abril sua nova diretoria, para o período 20152019. A chapa Participação, a única concorrente, recebeu cerca de sete mil votos dos Biólogos credenciados a votar. O fato de não ter havido disputa e de os membros da nova diretoria serem praticamente os mesmos da atual indica que o caminho por nós seguido até aqui encontrou amplo respaldo na categoria dos Biólogos. Temos consciência da nossa responsabilidade de continuar lutando pela valorização profissional do Biólogo numa sociedade em constante mudança. Vamos em frente! Nesta edição apresentamos reportagens de assuntos de grande atualidade. A primeira delas trata da epidemia da dengue que se abateu sobre o país, particularmente sobre o Estado de São Paulo, com 402 mil casos, mais da metade dos 750 mil infectados. A matéria também discute uma das armas que está sendo adotada para combater a epidemia, o uso de mosquitos geneticamente modificados. Outro tema desta edição é a ameaça ao equilíbrio do ecossistema representada pela invasão de espécies invasoras em determinados ambientes, como o caramujo gigante trazido da África ao Brasil; a cobra píton importada da Ásia para os EUA; o peixe-leão, também vindo da Ásia para a América; ou as pererecas-assobiadoras, entre muitas outras. Abordamos também a polêmica em torno do uso dos agrotóxicos – ou defensivos agrícolas –, já que o Brasil está entre os países campeões do mundo no uso desses produtos; e trazemos o debate em torno da necessidade – ou não – da avalição para estudantes de Biologia que pretendem trabalhar na área de saúde. Esperamos vocês Biólogos e estudantes no 22º Congresso de Biólogos do CRBio-01, em Cuiabá (MT), entre 28 de junho a 1º de julho. Além do intercâmbio científico, a expectativa é que o 22º ConBio seja gerador de conhecimento e inspiração para novos projetos. Até lá! Luiz Eloy Pereira Presidente do CRBio-01 Antes de Emitir a ART Consulte a Resolução CFBio n.º 11/03 e o Manual da ART. CFBio Digital O espaço do Biólogo na Internet Mudou de Endereço? Informe o CRBio-01 quando mudar de endereço, ou quando houver alteração de telefone, CEP ou e-mail. Mantenha o seu endereço atualizado. O CRBio-01 estabeleceu parceria com a empresa Enozes Publicações para implantação do CRBioDigital, espaço exclusivo na Internet para Biólogos registrados divulgarem seus currículos, artigos, notícias, prestação de serviços, além de disponibilizar um Site a cada profissional. O conteúdo é totalmente gerenciado pelo próprio profissional. O CRBioDigital além de ser guia e catálogo eletrônico de profissionais, promove também a interação entre os Biólogos registrados, formando uma comunidade profissional digital.  Para acessar entre no portal do CRBio-01: www.crbio01.gov.br Abr/Mai/Jun 2015 O Biólogo 3

[close]

p. 4

Tome Nota Fotos: Marco Paulo Berringer A nova diretoria do CRBio em cerimônia de posse na sede do Conselho, em São Paulo; no destaque, à direita, o novo presidente, Eliézer José Marques Nova Diretoria A chapa única Participação teve sete mil votos dos Biólogos aptos a votar; empossada, diretoria reafirma o compromisso com o fortalecimento da profissão de Biólogo do CRBio-01 toma posse N o último dia 7 de maio tomou posse a nova diretoria do Conselho Regional de Biologia de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, eleita em abril para o período 20152019. A chapa Participação – única concorrente – recebeu cerca de sete mil votos dos Biólogos aptos a votar. A nova diretoria do CRBio-01 é composta por Eliézer José Marques (presidente); Luiz Eloy Pereira (Vice-presidente); Celso Luiz Marino (Secretário) e Edson Kubo (Tesoureiro). Também integram a nova diretoria, como conselheiros efetivos, os Biólogos Giuseppe Puorto; Iracema Helena Schoenlein-Crusius; João Alberto Paschoa dos Santos; João Sthengel Morgante; Maria Saleti Ferraz Dias Ferreira; Wagner Cotroni Valenti. Como conselheiros suplentes foram eleitos Regina Célia Mingroni Neto; Maria Teresa de Paiva Azevedo; José Carlos Chaves dos Santos; Marta Condé Lamparelli; Sarah Arana; André Camili Dias; Edison de Souza; Horácio Manuel Santana Teles; Normandes Matos da Silva e Ana Paula de Arruda Geraldes Kataoka. 4 O Biólogo Abr/Mai/Jun 2015

[close]

p. 5

“Agradeço a confiança e espero atender à expectativa de vocês. Acredito na coletividade para fazer o melhor pela categoria, pela nossa profissão”, disse o novo presidente do CRBio-01, Eliézer José Marques, que ocupava o cargo de vice-presidente da diretoria cujo mandato se encerrou. Licenciado em 1971 em História Natural pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São José do Rio Preto, Marques (CRBio 04239/01-D) tem Mestrado (1975) e Doutorado (1979) em Ciências (Biologia Genética) pela Universidade de São Paulo. É professor aposentado do Departamento de Biologia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande. O novo vice-presidente, Luiz Eloy Pereira, foi o diretor-presidente do CRBio-01 na gestão anterior. Bacharel e Licenciado em 1979 em Ciências Biológicas pela Universidade de Santo Amaro, Pereira (CRBio 01788/01-D) é Doutor em Pesquisas Laboratoriais em Saúde Pública, na Coordenadoria de Controle de Doenças da Secretaria da Saúde de São Paulo (2006). Pesquisador do Instituto Adolfo Lutz desde 1969, ele atua na área de Virologia, com ênfase em diagnóstico, e Ecoepideomologia de Arbovírus, Arenavírus e Hantavírus; Ornitologia e Ecologia de Alves Silvestres; Mamologia e Ecologia de Roedores Silvestres e Normas de Biossegurança. Reconduzido ao cargo de Secretário da Diretoria, Celso Luis Marino (CRBio 10611/01-D) é professor-adjunto III do Departamento de Genética – IB, da Unesp de Botucatu. Graduado em Ciências Biológicas pela mesma Unesp de Botucatu, Marino tem Doutorado na área de Genética Molecular de Plantas. Desenvolve pesquisa na área de Biologia Molecular de Espécies Florestais e é membro da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. Edson Kubo, reconduzido ao cargo de Tesoureiro da Diretoria, formou-se em 1980 pelo Instituto de Biociências da USP. Em 1986 Kubo (CRBio 00595/01-D) foi admitido como Pesquisador Científico pelo Instituto de Pesca da SAA, para desenvolver projetos na área de qualidade da água, relacionadas a ativi- dade de pesca e aquicultura. Com Mestrado (1998) pelo Departamento de Ecologia Geral do IB-USP no Instituto de Biociências da USP, ele ocupa o cargo de Diretor Geral do Instituto de Pesca da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios da SSA. A nova diretoria do CRBio-01 reafirma seu compromisso com o fortalecimento da profissão de Biólogo, cuja contribuição é essencial para que possamos construir uma sociedade sustentável e inclusiva. ¤ Abr/Mai/Jun 2015 O Biólogo 5

[close]

p. 6

Tome Nota 6 O Biólogo Abr/Mai/Jun 2015

[close]

p. 7

ECOS DA PLENÁRIA A 167ª Sessão Plenária do CRBio-01 foi realizada no dia 13 de fevereiro de 2015, em sua sede, na cidade de São Paulo. Na Ordem do Dia: foram homologadas 157 inscrições de pessoa física, sendo 31 na modalidade de registro provisório e 126 na modalidade de registro definitivo. Foram reativados 25 registros e cancelados a pedido 102, e por falecimento 04. Expedientes da Secretaria: 08 Biólogos solicitaram transferência de registro para outra Regional, 04 solicitaram transferên- cia para o CRBio-01 e 19 solicitaram registro secundário. Foram deferidas 04 licenças e 03 prorrogações. Foram homologadas 12 inscrições de registro de pessoa jurídica, assim como seus respectivos Termos de Responsabilidade Técnica (TRTs). Concedidos 03 TRTs e cancelados 06. Deliberado o cancelamento de 13 registros de pessoas jurídicas, assim como de seus respectivos TRTs. Cancelados registros de 03 empresas (TRT baixado). Anulada 01 inscrição de pessoa jurídica. Foram concedidos 04 Títulos de Especialista. ¤ MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA (ART) NO PORTAL DO CRBio-01 O CRBio-01 preparou Manual voltado para o preenchimento da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). Nele, o Biólogo encontra o passo a passo para obter a 1ª ART Eletrônica, Declaração de Ciência , quais são os documentos necessários, como preencher a ART Eletrônica, como criar senha de acesso à área privativa, como consultar as ARTs registradas, como requerer baixa de ART, como emitir certidão de acervo técnico, enfi m, todas as suas dúvidas são esclarecidas de forma detalhada e clara. O link do Manual está na página principal do portal do CRBio-01: www.crbio01.gov.br. Visite e curta a fan page do CRBio-01: www.facebook.com/CRBio01 Abr/Mai/Jun 2015 O Biólogo 7

[close]

p. 8

PUBLICAÇÕES EPIGENÉTICA: BASES MOLECULARES, EFEITOS NA FISIOLOGIA E NA PATOLOGIA E IMPLICAÇÕES NA PRODUÇÃO ANIMAL E VEGETAL Editoras técnicas: Simone Niciura e Naiara Saraiva EMBRAPA – 286 p. A obra tem edição técnica das pesquisadoras Simone Niciura, da Embrapa Pecuária Sudeste, e Naiara Saraiva, da Embrapa Amazônia Oriental. De acordo com Simone, o objetivo da publicação é dar uma visão geral sobre o tema epigenética e mostrar como as modificações afetam a saúde e o desenvolvimento de homens, animais e plantas. Além disso, o livro destaca quais são os tipos de modificações epigenéticas conhecidas, como podem ser e como influenciam o desenvolvimento, o aparecimento de doenças (câncer), o fenótipo e as características de produção animal e vegetal. Participaram também jovens cientistas das Universidades de São Paulo (USP), Estadual de São Paulo (Unesp) e Federal de São Carlos (UFScar), além de instituições de pesquisa. O livro está à venda na Livraria Embrapa por R$19,60. Mais informações: bit.ly/livroepigenetica ANUNCIE NA REVISTA O Biólogo ATENÇÃO BIÓLOGOS! PAGAMENTOS AO CRBio-01 Todos os pagamentos a serem efetuados ao CRBio-01 (anuidades, recolhimentos, taxas de eventos e outros) devem ser pagos EXCLUSIVAMENTE por meio de BOLETO BANCÁRIO, e não de depósito em conta, pois não é possível a identificação do mesmo, ficando, assim, o débito a descoberto. Consulte tabela de preços no Portal do CRBio-01: www.crbio01.gov.br 8 O Biólogo Abr/Mai/Jun 2015

[close]

p. 9

¤ 22º Congresso de Biólogos do CRBio-01 28 de junho a 01 de julho de 2015 Realização: Conselho Regional de Biologia - 1ª Região (SP, MT, MS) Local: Hotel Fazenda Mato Grosso, Cuiabá (MT) Informações: www.crbio01. gov.br ¤ 67ª Reunião Anual da SBPC 12 a 18 de julho de 2015 Realização: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) Local: Universidade Federal de São Carlos, em São Carlos (SP) Informações: www.sbpcnet. org.br/saocarlos/home/ ¤ V Simpósio Brasileiro de Acarologia 21 a 24 de julho de 2015 Realização: UNESP Local: São José do Rio Preto (SP) Informações: www.sibac.net.br/ ¤ Congresso Brasileiro de Educação 27 a 30 de julho de 2015 Realização: Departamento de Educação, Faculdade de Ciências, UNESP Local: UNESP, campus de Bauru (SP) Informações: www.fc.unesp. br/#!/departamentos/ educacao/cbe-congressobrasileiro-de-educacao/ comissao-organizadora/ ¤ VIII Simpósio Internacional sobre Cogumelos no Brasil VII Simpósio Nacional sobre Cogumelos Comestíveis 18 a 22 de agosto de 2015. Realização: Universidade de Sorocaba e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) Local: Sorocaba (SP) Informações: www.uniso. br/hs/sicog ¤ 20º Congresso Brasileiro de Floricultura e Plantas Ornamentais 7º Congresso Brasileiro de Cultura de Tecidos de Plantas 07 a 11 de setembro de 2015 Realização: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ) Local: ESALQ, Piracicaba (SP) Informações: www.cbfpo. net.br/ ¤ IV Congresso Internacional de Meio Ambiente Subterrâneo 05 e 06 de outubro de 2015 Realização: Associação Brasileira de Águas Subterrâneas (ABAS) Local: São Paulo (SP) Informações: www.abas. org/cimas/pt/ ¤ VI Simpósio de Restauração Ecológica 09 a 13 de novembro de 2015 Realização: Instituto de Botânica Local: São Paulo (SP) Informações: www.ibot. sp.gov.br ¤ 10º Simpósio de Recursos Genéticos para a América Latina e o Caribe 26 a 29 de outubro de 2015 Realização: Sociedade Brasileira de Recursos Genéticos e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Local: Bento Gonçalves (RS) Informações: www.10sirgealc.com.br AGENDA ¤ Cursos do Instituto Butantan - 2º Semestre 2015 Cursos Divulgação Científica • Reconhecimento de animais peçonhentos – 04/08 – 14/10 – 12/11 • Animais peçonhentos 05/08 – 16/10 – 04/11 • Atualização Médica – acidentes por animais peçonhentos - 28/11 • Noções básicas em soros e vacinas - 27/10 • Insetos venenosos 06/08 – 29/10 • Vamos falar de Evolução: de Darwin aos dias atuais - 30/10 • Introdução à Microscopia nas Ciências Biológicas 03/11 • Biologia de anfíbios 05/11 Cursos de Extensão Universitária • Museus de Ciências: espaços de educação não formal - 13 a 17 de julho • Informações Básicas em Animais Peçonhentos 20 a 24 de julho • Práticas educativas em museus: as especificidades da formação de educadores e a construção do caráter educativo dos museus 04 a 07 de agosto • Soros e Vacinas - 17 a 21 de agosto • Quelônios: da pesquisa ao campo. Conhecendo tartarugas, cágados e jabutis - 24 a 28 de agosto • Ciência,Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento - O papel das instituições de pesquisa e o Sistema Único de Saúde Brasileiro - 31 de agosto a 04 de setembro • Introdução à educação em museus: teorias e práticas - 08 a 10 de setembro • História Natural de Serpentes - 14 a 18 de setembro • Aracnídeos - 21 a 25 de setembro • Biologia reprodutiva de Squamata (serpentes, lagartos e anfisbenas) - 05 a 09 de outubro • Animais de Laboratório: uma especialidade (Biotério Central) - 19 a 23 de outubro • Diversidade e Evolução do comportamento dos aracnídeos - 20 a 22 de outubro • Coleta, montagem e identificação de insetos - 04 a 06 de novembro • Anfíbios: Biologia, Venenos e Folclore - 09 e 10 de novembro • Tópicos em Herpetologia: venenos ofídicos, processamento e pesquisa - 23 a 27 de novembro Informações Centro de Desenvolvimento Cultural Tel.: (11) 2627-9537 cursos@butantan.gov.br www.butantan.gov.br O Biólogo Abr/Mai/Jun 2015 9

[close]

p. 10

acontece E a dengue Crise da água, falta de planejamento e pouca conscientização da população explicam a explosão do número de casos este ano voltou Por George Alonso Shutterstock C 10 O Biólogo Abr/Mai/Jun 2015 om quase 750 mil casos no Brasil, a epidemia de dengue está de volta. Desta vez com maior força em São Paulo, onde a doença já atingiu 402 mil pessoas -- mais de 50% das notificações feitas em todo o país. Acre, Goiás, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte e Paraná são os outros Estados onde também houve o registro de mais de 300 casos por 100 mil habitantes, padrão internacional que define epidemia. Até abril, aconteceram ainda 229 mortes, segundo o Ministério da Saúde. A pergunta que

[close]

p. 11

não quer calar: por quê? A resposta mistura a crise da água na capital paulista, o surgimento de casos em cidades onde nunca houve dengue no país, a imprudência aliada à falta de conscientização da população e a ação tímida ou ineficiente dos municípios, especialmente em São Paulo após a descentralização do controle da dengue. “Muita gente armazenou água para enfrentar o desabastecimento em São Paulo, talvez de modo inadequado. Com a chegada do verão houve uma infestação maior do mosquito transmissor do vírus. Houve menos controle das pessoas em relação aos focos do Aedes aegypti”, suspeita a Bióloga Tamara de Lima Câmara (CRBio 91.231/02-D), pesquisadora do departamento de epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP. Além disso, a rigor – desde 1985, quando a dengue ressurgiu no Rio de Janeiro de forma endêmica – São Paulo enfrenta a sua primeira grande epidemia, do sorotipo 1, e a população tem baixa imunidade [existem quatro tipos de dengue: quem adoece fica imunizado para sempre em relação àquele sorotipo]. Outro fator para a “explosão paulista” de casos é o aumento expressivo da presença do mosquito ter coincidido com a descentralização do combate à dengue. “Teve prefeitura que conseguiu se organizar, outras não. Se a cidade vizinha tem problemas, se depende muito de outras esferas de governo, isso afeta a todos, porque o mosquito não respeita limi- tes geográficos”, analisa Gisela Monteiro Marques (CRBio 002702/01-D), Bióloga pesquisadora da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias) de São Paulo. “Ainda temos deficiências de saneamento e na coleta de lixo”, aponta ela. Por isso, são necessárias campanhas de prevenção vigorosas. Sabe-se que 80% dos casos ocorrem dentro das casas por falta de combate aos criadouros do inseto – que gosta de água limpa e parada para se reproduzir, voa baixo e geralmente pica pés, tornozelos e pernas, de manhã e no fim da tarde. Cidade mais populosa do Império, o Rio de Janeiro foi palco da primeira epidemia de dengue no país, em 1846. O Aedes aegypti havia “desembarcado” em território brasi- leiro de forma acidental, trazido por navios negreiros oriundos da África. O mosquito – que gostou do clima nativo, do calor e das chuvas típicas das regiões tropicais e subtropicais – foi responsável então por surtos da febre amarela urbana. Trata-se de uma doença que foi considerada extinta nos anos 1940, após intensa campanha de combate ao mosquito, que incluiu até o Exército, na famosa Revolta da Vacina de 1904. Quatro décadas depois, a partir de 1985, a capital fluminense passou por seguidos surtos dos vários tipos de dengue e, por isso, desta vez tem baixa notificação. Por ameaçar 2,5 bilhões de pessoas em mais de 100 países, a dengue também gera preocupação interShutterstock Abr/Mai/Jun 2015 O Biólogo 11

[close]

p. 12

acontece Shutterstock nacional. Para parte da comunidade científica, com o surgimento na Ásia e na América Latina de enormes conglomerados urbanos caóticos, o mundo terá que conviver com epidemias até a “solução final”, a descoberta de uma vacina capaz de proteger contra os quatro tipos da dengue. “É impossível erradicar o mosquito da dengue nos grandes centros urbanos, populosos e desorganizados”, diz Tamara Câmara, referindo-se à importância de uma vacina. O Brasil é um dos países que tenta fabricá-la, num trabalho conjunto do Instituto Adolfo Lutz e do Instituto Butantan. Neste cenário, sem vacina, o alvo principal do combate à dengue continua a ser o mosquito Aedes aegypti, ora tentando enfraquecê-lo ora tentando reduzir sua população. Em parceria internacional, a Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz) testa desde setembro passado um modo de anular o transmissor da dengue por meio de uma técnica desenvolvida na Austrália. Trata-se da soltura de milhares de mosquitos Aedes aegypti que receberam em laboratório uma cepa da bactéria Wolbachia, originária da mosca-das-frutas, que bloqueia o vírus e impede a transmissão da dengue. Presente em 60% dos insetos, como mariposas, borboletas e besouros, a bactéria não oferece risco à saúde humana ou ao ambiente, segundo os pesquisadores, e se espalha na medida em que os mosquitos se O ciclo da dengue Como se dá a transmissão • O Aedes Aegypti fêmea pica uma pessoa já infectada pela dengue • O mosquito contaminado pica uma pessoa sadia, que apresenta sintomas da dengue sete dias depois • O mosquito continuará transmitindo a doença durante toda a sua vida, de cerca de 30 dias Fonte: Jornal O Estado de São Paulo Ovos As fêmeas põem os ovos nas paredes internas de recipientes que servirão como criadouros, próximos da superfície da água Adulto Larva Durante cinco dias, a larva se alimenta de substâncias orgânicas da água e do interior do recipiente Pupa Esta fase dura entre dois a três dias, durante os quais a pupa se transforma no mosquito Depois de uma semana, o Aedes Aegypti se torna adulto, pronto para picar e se reproduzir, mas só as fêmeas picam e transmitem a dengue 12 O Biólogo Abr/Mai/Jun 2015

[close]

p. 13

reproduzem. Detalhe: por ser uma bactéria intracelular, a Wolbachia só pode ser transmitida de “mãe para filho” na reprodução dos mosquitos, e não pela picada do Aedes no ser humano. Os testes de campo da Fiocruz estão sendo feitos no bairro de Tubiacanga, na Ilha do Governador, no Rio. Embora ainda sem resultados definitivos, os cientistas da Fiocruz enfatizam que esse método – testado em outros países pelo programa “Eliminar a dengue: nosso desafio”, com recursos da Fundação Bill & Melinda Gates – utiliza uma estratégia natural, de longo prazo, sem riscos e auto-sustentável. O esforço mundial antidengue já emprega uma arma tanto inovadora quanto polêmica: o mosquito Aedes aegypti transgênico. Criado em laboratório, trata-se do Aedes macho geneticamente modificado (“gm”), que não pica. Ele tem um gene defeituoso, estéril. Soltos aos milhares em determinada área, os “gm” conseguem monopolizar o período fértil das fêmeas na competição com o Aedes aegypti silvestre. O resultado da infestação pelo mosquito “gm” é Essa estratégia já foi testada no Panamá, Ilhas Cayman e Malásia. No Brasil, com autorização da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança, houve testes em bairros de Juazeiro e Jacobina, no sertão baiano, em 2014, com redução de até 90% da presença do mosquito transmissor. Mas pesquisadores vêem riscos: há receio de que a alteração do DNA do inseto dê origem a uma superbactéria, ou que uma mutação do vírus cause uma doença mais potente que a dengue. Sem falar de eventuais danos ambientais e agrícolas imprevisíveis. A empresa britânica Oxitec, fabricante do mosquito transgênico e responsável pelos experimentos na Bahia, diz que o método é seguro. Abriu sede em Campinas Alerta para chikungunya O surgimento de casos da febre chikungunya põe em alerta as autoridades sanitárias do país. Transmitida também pelo mosquito Aedes aegypti, a doença tem sintomas semelhantes aos da dengue, só que mais agudos. Além da febre alta, provoca náusea, dor de cabeça, fadiga, ânsia de vômito e fortes dores nas juntas, que podem durar por vários meses. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o número de casos nas Américas subiu de 111 em janeiro de 2014 para 1,16 milhão em janeiro último, com 172 mortes. Não há vacina e o tratamento é parecido com o da dengue: paracetamol e hidratação do paciente. Os países da América Central foram os mais atingidos pela chikungunya. No topo da lista está a República Dominicana: 539 mil casos. O Brasil registrou 2.900 casos no período. A doença provavelmente chegou com militares que voltavam do Haiti, onde houve 64 mil casos. O primeiro registro da chikungunya ocorreu em 1952 na Tanzânia. Em dialeto tanzaniano, chikungunya significa “andar curvado”, referência às fortes dores na coluna e nas articulações que a doença causa. Abr/Mai/Jun 2015 O Biólogo O esforço mundial contra a dengue já emprega uma nova arma, tanto inovadora quanto polêmica: o mosquito Aedes aegypti transgênico notável: as fêmeas geram uma prole menos saudável, que morre antes da fase adulta. Assim a população do mosquito original da dengue cai de forma drástica e o risco de epidemia fica bem reduzido. 13

[close]

p. 14

acontece Laboratório de mosquitos transgênicos em Campinas (SP) e negocia com prefeituras. Após acordo com o Ministério Público, Piracicaba iniciou em 30 de abril a soltura de dois milhões de mosquitos geneticamente modificados no bairro Cecap. Foi o primeiro município paulista a adotar o “Aedes do bem” contra o Aedes aegypti. A promotoria exigiu garantias e impôs regras. “O mosquito transgênico é interessante. O problema é que é preciso soltar periodicamente milhões de mosquitos transgênicos, porque o Aedes silvestre nunca é eliminado por completo, e volta a se reproduzir”, afirma Gisela Marques. Nos EUA, porém, uma petição assinada por 130 mil moradores das Ilhas Keys, na Flórida, impediu em janeiro a liberação de três milhões de mosquitos transgênicos no combate à dengue. Lá a questão depende de uma decisão da Food and Drug Administration (FDA). A cada dia, uma nova pesquisa aponta um modo diferente de abater o mosquito. Em Manaus, pesquisadores do Instituto Leônidas e Maria Deane, ligado à Fiocruz, e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia anunciaram em abril a descoberta de outro jeito de reduzir a população do Aedes aegypti. As fêmeas do inseto são atraídas até baldes, chamados de “estações de disseminação”, tratados com inseticida. Ali entram em contato com o pó do inseticida, que gruda em seu corpo e é levado até os criadouros mais inacessíveis aos agentes de saúde, matando as larvas antes de seu estágio adulto. Por sua vez, cientistas da UFSCar descobriram que a curcumina, molécula presente no tempero de açafrão, prejudica o crescimento das larvas do Aedes aegypti, impedindo também que cheguem à fase adulta. Há quem diga que está próximo o dia em que será anunciada a vacina contra a dengue. Mas até o momento, o campo da maior batalha contra epidemias não está nos laboratórios. Fica dentro de casa: é qualquer local, objeto ou planta que armazene água limpa e parada. ¤ Fotos: Fotos Públicas Siga o crbio-01 no twitter: @crbio01 14 O Biólogo Abr/Mai/Jun 2015

[close]

p. 15

aRQUIVO DO BIÓLOGO A fotografia faz parte da rotina de muitos Biólogos. Esta seção da Revista publica fotos curiosas, interessantes, significativas e inusitadas da fauna, da flora e de paisagens, captadas por Biólogos. Indivíduo de maria-da-restinga (Phylloscartes kronei) fotografado na Reserva Bicudinho-do-brejo, Guaratuba/PR Foto de Carlos Otávio Gussoni (CRBio 74061/01-D), Dr. em Zoologia (Universidade Estadual Paulista, UNESP, campus de Rio Claro). Orquídea do gênero Phalaenopsis registrada no município de Iacanga/SP Foto de Michelle de Campos Soriani Azevedo – Bióloga (CRBio 089868/01-D). Mestranda em Doenças Tropicais – Faculdade de Medicina, FMB/UNESP Ácaros foréticos em um coleóptero, em Americana/SP Foto de Luiz Fernando Leal Padulla (CRBio 39841/01-D), Biólogo, Doutor em Etologia,Mestre em Ciências, Especialista em Bioecologia e Conservação, docente na Anhanguera Educacional - unidade Santa Bárbara D’Oeste/SP e Colégio Salesiano Dom Bosco de Americana. Abr/Mai/Jun 2015 O Biólogo 15

[close]

Comments

no comments yet