Jornal Eco da Tradição de Fevereiro 2016

 

Embed or link this publication

Description

Jornal Eco da Tradição Fevereiro n:174 ano 14

Popular Pages


p. 1

ECO DA TRADIÇÃO - ANO XIV - Nº 174 - FEVEREIRO DE 2016 50 anos 1966 - 2016 Nairioli Callegaro assume a presidência do Movimento Tradicionalista Gaúcho Foto: Rogério Bastos EDITORIAL Nairo fala de Referências Página 02 CGF/FSH Vem ai Curso de Folclore Gaúcho Página 07 ENTREVISTA Rinaldo Souto e o Livro das danças tradicionais Página 12 Página 16 CENTENÁRIO DA MORTE DE SIMÕES LOPES NETO Em 2016 encerra o biênio Simoniano no Rio Grande do Sul SAÚDE EM FOCO Cuidado com enchentes Página 13 CONGRESSO TRADICIONALISTA Foto: Marco Turky NOTICIAS Reunião com os finalistas do ENART Página 14 LISTA DESTAQUES Sentinela da Querência 9 vezes Página 15 PERSONAGEM Homenagem à Tônia Frizzo Página 17 No ano do cinquentenário do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Bento Gonçalves sediou o 64º Congresso, que elegeu Nairioli Antunes Callegaro para a Presidência em 2016. Os vice-presidentes da gestão anterior foram mantidos, somente com a substituição na Administração e Finanças, cargo que Nairo ocupava. O conselheiro Nilton Otton, da 1ª Região Tradicionalista, assumiu a função. Oriundo do CTG Chimangos, Nairo é missioneiro e foi um dos mais jovens patrões do estado. Foi secretário Geral do MTG, com o Presidente Domingos Albea, e coordenou a 1ª Região Tradicionalista 2011/2012. Página 03 LAGOA VERMELHA SEDIARÁ SEMINÁRIO Aline Almeida, 2ª Prenda do RS, será a anfitriã do evento

[close]

p. 2

2 Ano XIV - Edição 174 EDITORIAL Nairioli Callegaro - Presidente Fevereiro de 2016 OPINIÃO Por: Sandra Veronezze Jornalista e Assessora de Imprensa do MTG As Referências Rua Guilherme Schell, 60 Porto Alegre / RS CEP: 90640-040 Email para sugestão de pautas: bastosproducoes1@gmail.com www.mtg.org.br mtg-rs.blogspot.com Contato: 51. 3223-5194 A nossa sociedade é construída e alicerçada em cima de referencias, sejam elas pessoais, na maioria das vezes, ou de instituições e empresas. Estas referências podem ser positivas as quais podemos nos espelhar e buscar o aprimoramento de nosso convívio pessoal para estabelecer um crescimento sustentável e harmonioso. Por outro lado existem exemplos que não podemos seguir, negativos, que desconstrói um modelo social adequado de boa e respeitosa convivência. Um exemplo pessoal de contribuição para a sociedade, que busco na memória, é o General Flores da Cunha, governou o estado durante sete anos, sem aumentar ou criar novos impostos, abriu o estado ao desenvolvimento, implantou as Secretarias de Educação, da Saúde e da Agricultura, o instituto de Previdência do estado, a Universidade do Rio Grande do Sul e a Frota Rio-grandense, com navios frigoríficos para exportar a carne gaúcha, aumentou das linhas ferroviárias, asfaltou estradas, e a construiu de escolas. Este é, e sempre será uma referência pessoal de nossa sociedade, como pessoa, como cidadão. Em nossa sociedade encontraremos varias empresas e instituições que são referências e marcaram tempo e importância em nossa história. Mas chamo aqui a atenção uma instituição que tem muito haver com nossas vidas, chamada de MTG – Movimento Tradicionalista Gaúcho, este chega ao ano do seu cinquentenário como uma referencia social por toda sua trajetória, sua responsabilidade de preservação e transmissão de valores culturais e de nossa identidade como gaúchos. O MTG representa para as instituições governamentais, a sociedade civil e tradicionalista a preservação e manutenção de valores sociais, éticos e morais. Construiu uma identidade própria e sólida capaz de atravessar este meio século, alicerçada em objetivos claros, documentos, como nossa carta de princípios, e outros. Vejam a grandiosidade do MTG, não estamos falando de normas, regulamentos, formas de funcionamento, estamos falando em fundamentos filosóficos, estudos, pesquisas, valores maiores que constituem esta entidade, documentos a serem estudados em todos os momentos e que achamos as respostas a nossas perguntas. Regulamentos, normas, mudamos a qualquer momento, agora objetivos e aspectos fundamentais, estes são raras as instituições que tem a capacidade de construção e sustentação perante a sociedade. Esta capacidade de enfrentamento social é reservada a poucos, aqueles que têm plena consciência de suas atitudes, de suas origens, que escolhem com clareza e lucidez um modelo social de vida, que acreditam num bem estar coletivo, que afastam interesses pessoais do âmbito promocional e financeiro. Longe desses interesses o MTG nasceu e estruturou-se, acredito nesta instituição, acredito em seus valores, em sua pessoas, tenho certeza da grandiosidade e importância social de nossa instituição. Assim como nossa referência pessoal citada acima, quero estabelecer uma relação de trabalho e dedicação por esta causa, sem vantagens, sem promoções e sim o bem estar coletivo e a prosperidade de todos numa convivência de muita harmonia. Chamo a todos para estudar e debater profundamente nossos objetivos e aspectos fundamentais neste ano do cinquentenário de nossa instituição referência o MTG – desta forma sairemos mais fortalecidos e unidos. O vanguardista tradicionalismo gaúcho Era final de tarde na capital Porto Alegre. O sol primaveril caía solene por trás das construções. Nos fundos de casa, bem protegida por muros, ela lia um livro ufanista sobre o atavismo helênico. Entre uma cuia e outra de chimarrão, observava os gatos na volta, brincando e correndo entre os pés de manjericão, alecrim, hortelã e uma oliveira. As plantas emprestavam variados tons de verde (e um pouco de poesia) àquele ambiente todo concretado. Por um instante pensou e riu sozinha: ‘estivesse no interior a vista seria aberta, o horizonte amplo e, além de ler, talvez eu pudesse também estar pescando ou observando o gado no pasto’. A personagem acima existe. Tem nome, sobrenome, endereço e CPF. Mas suas conclusões, ou inquietações, não são exclusividade dela. Quantas pessoas completamente urbanas ou com alguma referência rural (netos de fazendeiros e ou filhos de colonos que ficaram sem terra e que buscaram melhores e diferentes condições de vida na cidade) sonham com um pedaço de chão onde possam ter alguns bichinhos, colocar o pé na grama, andar de a cavalo e tantas outras doces rotinas da vida no campo? Se a vida é urbana, o coração é campeiro e, quem diria, o tradicionalismo gaúcho assume ares de um absolutamente vanguardista estilo de vida. Vejamos alguns movimentos contemporâneos mais ou menos organizados que antecipam tendências e que até parecem ter saído de um livro de história lá das épocas da Revolução Farroupilha e da Guerra do Paraguai ou o que ambientariam perfeitamente em nossos dias O Tempo e o Vento: - Busca pelos alimentos orgânicos, sem agrotóxicos. As feirinhas de bairro e as hortas domésticas são sucesso em todas as grandes capitais. Lembra a casa da nona, onde se comia a fruta diretamente do pé. Só que (que pena) sem a nona, sem a planta e sem as unhas cheias de terra. - Cresce o número de adeptos do Nadismo (capacidade de não fazer nada) e do Deboísmo (capacidade de ficar ‘de boas’). Oras, alguém conhece um gaúcho, mas bem gaúcho, estressado? Parece vir com os gens a sabedoria de que tudo tem seu tempo, sua hora, e que o melhor é viver um dia de cada vez. - Slow Food. É o nome chique para ‘coma devagar, apreciando o sabor de cada alimento e as companhias’. Tem alguma correspondência, em seu conceito, com o costelão 12 horas, a carne assada na brasa e a cozinha cheia, com todos ao redor da mesa, nos encontros familiares. - Ser local e agir globalmente. Algumas canções nos dão os exemplos: Sou do sul; O Brasil de bombachas / O Rio Grande me criou... E alguns versos famosos: tôôô voltando pra ficar, é aqui a minha terra, é aqui a minha vida, é aqui o meeeeu lugar / nosso ideal, meu rincããão... E até nosso hino: ‘sirvaaaam nossas façanhas de modelo a toda teeeeeerra, de modelo’! - Parcerias duradouras. Vivemos um tempo de tanta malandragem que nem mesmo os contratos assinados e carimbados garantem total segurança. Nesse contexto, quem é capaz de inspirar confiança no nível do ‘fio do bigode’ está melhor. Exatamente como no tempo dos antigos. - Ideal de dama e cavalheiro e o sagrado masculino/ feminino: ensina a gentileza, o respeito e o cuidado consigo e entre gêneros, nas suas particularidades. O homem honrando o que tem de melhor e a mulher da mesma forma. Inspira o respeito aos ciclos, aos ritos de passagem... Não é linda toda cortesia envolvida no jeito como peões e prendas se tratam, inclusive entre gerações? Por essas e por outras que, quando alguém comenta para a nossa personagem leitora dos gregos lá do início do texto que o tradicionalismo e sua filosofia, valores e costumes é coisa de quem parou no tempo, ela ri internamente e fica se perguntando quem é mesmo o atrasado nessa história toda. EXPEDIENTE: SUPERVISÃO E DIREÇÃO: Nairioli Callegaro DIREÇÃO DE REDAÇÃO: Rogério Bastos DIAGRAMAÇÃO E DESIGN: Liliane Pappen Nairioli Callegaro, Odila Paese Savaris e Gustavo Bierhaus JORNALISTAS RESPONSÁVEIS: Rogério Bastos (16.834) Liliane Pappen (16.835) Fúlvio Lopes (16.200) COLABORAÇÃO: Manoela Carvalho IMPRESSÃO: Zero Hora TIRAGEM: 3 mil exemplares CONSELHO EDITORIAL: Atendimento 09 às 12 horas e das 13 às 18 horas De segunda a sexta-feira Valores da Anuidade R$ 1.021,65 Plena R$ 876,95 Parcial R$ 540,56 Especial Estudantis R$ 156,11 40% do valor retorna às RTs. Janeiro Valor MTG: PRESIDENTE: Nairioli Antunes Callegaro VICE PRESIDENTE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS: Nilton Otton VICE PRESIDENTE DE CULTURA: Elenir Winck VICE PRESIDENTE ARTÍSTICO: José Roberto Fischborn VICE PRESIDENTE CAMPEIRO: José A. Araújo VICE PRESIDENTE ESPORTES: Martim Guterres Damasco Não nos responsabilizamos pelas opiniões publicadas no jornal

[close]

p. 3

Ano XIV - Edição 174 EVENTOS Fevereiro de 2016 3 29º Seminário Estadual de Prendas do RS Tema: “MTG - 50 ANOS DE PRESERVAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA CULTURA GAÚCHA” Data: 05 de Março de 2016 Local: CTG Alexandre Pato - Lagoa Vermelha - 8ª RT Endereço: BR 285 - Km 74 PROGRAMAÇÃO 8hs – Recepção e confirmação de inscrições 9hs – Abertura Oficial 9h30min – Palestra – “O SENTIDO E O VALOR DO TRADICIONALISMO” Palestrante: Jarbas Lima 10h15min – Mesa redonda com Jarbas Lima, Hélio Ferreira, Toni Sidi Pereira e prendas e peões. 12hs – Intervalo para o almoço 14hs – Atividades Culturais 16h30min – Encerramento do evento Obs.: Inscrições pela internet junto ao site do MTG - www.mtg.org.br - até 25 de fevereiro, impreterivelmente. - Os certificados de prendas e peões serão entregues posteriormente. - Não haverá inscrições no local. Mais informações: - Iara Vanice Rott - 55 9654 0422 E-mail: iararott@hotmail.com - Aline Almeida de Souza - 54 3358-2168 E-mail: alineasouza2@hotmail.com 17º Seminário de Cultura Campeira, em Santiago Tema: “ESPORTES CAMPEIROS” Data: 19 de Março de 2016 Local: Sede Campeira do CTG Coxilha de Ronda - Santiago/RS - durante a FECARS PROGRAMAÇÃO 8h - Recepção e confirmação inscrições 8h30min - Abertura oficial 9h - Palestra – “A IMPORTÂNCIA DOS ESPORTES CAMPEIROS” - Palestrante: Martim Guterres Damasco (Vice-presidente de Esportes do MTG) e Sr. José Ezir. 10h - Oficinas de Tava, Truco, Tetarfe, Bocha 48 e Bocha Campeira - Oficineiros: Martim Guterres Damasco e José Ezir 12h30min - Encerramento Obs: Inscrições via internet junto ao site do MTG - www.mtg.org.br - até 10 de março, impreterivelmente. - O certificado de prendas e peões será entregue aos diretores culturais ou coordenadores, após o evento. - Não haverá inscrições no local. Mais informações: - Iara Vanice Rott - 55 9654 0422 E-mail: iararott@hotmail.com - Lourenço Nunes - 51 9834 3993 E-mail: nunes.o.lourenco@hotmail.com 29º Seminário Estadual do Rio Grande do Sul de Prendas Tema: “MTG - 50 anos de preservação e valorização da cultura gaúcha” 05 de Março de 2016 CTG Alexandre Pato - BR 285 km 74 Lagoa Vermelha/RS Diretoria do MTG prestigia as posses das coordenadorias Regiões Tradicionalistas: Presidente do MTG e seus vices acompanham as posses das coordenadorias regionais pelo Rio Grande do Sul Fotos:Divulgação A maratona de posses, das coordenadorias regionais, começa logo após os coordenadores serem empossados no Congresso Tradicionalista. O Presidente do MTG e seus vices se “quarteiam” para poder visitar e prestigiar as diretorias que assumem seus cargos nos encontros regionais de patrões. 12ª 23ª 26ª 7ª 27ª 15ª 6ª 25ª 19ª 13ª 21ª 29ª 2ª 11/01 12/01 13/01 14/01 14/01 15/01 16/01 18/01 21/01 23/01 23/01 25/01 26/01 Independência Gaúcha - Esteio Assos. Func. Mun, Osório Carreteiros do Sul - IFSUL - Pelotas Pq da Roselândia - Passo Fundo Rodeio Crioulo Tainhas - São Chico Pq Centenário - Montenegro CCN Sentinela do Rio Grande/Rio Grande Casa do Gaúcho - Caxias do Sul CTG Galpão Campeiro - Erechim CPF Piá do Sul - Santa Maria CTG Joaquim Paulo de Freitas - Canguçu CTG Piquete da Querência - São J. Ouro CTG Quero Quero - São Jeronimo 17ª 10ª 9ª 16ª 20ª 18ª 3ª 22ª 30ª 1ª 14ª 5ª 8ª 24ª 27/01 27/01 27/01 28/01 28/01 31/01 31/01 03/02 03/02 04/02 06/02 12/02 15/02 16/02 35 CTG - Palmeira das Missões CTG Coxilha de Ronda - Santiago CTG Rodeio da Saudade - Cruz Alta Camaquã - local a definir Epopeia Farrapa - Humaitá CTG Herança Paternal - Dom Pedrito PTJ João Manoel - S. Borja O Fogão Gaúcho - Taquara Portal da Serra - Dois Irmãos Sede da 1ªRT - Porto Alegre CTG Estrela do Pago - Estrela Velha Rincão da Alegria - Sta Cruz do Sul Ibiraiaras - Clube União Tropilha Farrapa - Lajeado Posse da Coordenadoria da 15ªRT, em Montenegro 11ª 4ª 28ª 16/02 vai confirmar 27/02 CFT Farroupilha - Alegrete 27/02 CTG Gaudérios do Rodeio - R. Bonito Foto:Divulgação Posse da Coordenadoria da 26ªRT, em Pelotas Foto:Liliane Pappen Posse da Coordenadoria da 23ªRT, em Osório Posse do Departamento Jovem do MTG no Congresso Posse da Coordenadoria da 3ªRT

[close]

p. 4

4 PROSEANDO COM TENÊNCIA Ano XIV - Edição 174 Fevereiro de 2016 MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO Casos & Acasos Por Rogério Bastos Um dia, todas essas coisas serão história Quando promovemos alguma ação que se torne de repercussão e que fique registrada na escrita, ou em vídeo, ou até mesmo em áudio, podemos ter a certeza que um dia estará na história. As representações literárias variam sempre, engrandecendo ou diminuindo episódios, buscando a fidelidade realista de quem as vê. Por isso nunca acreditei na isenção do historiador e do jornalista. Na universidade os professores te dizem: “Tu tens que ser isento!” - Loucura. Aquilo que entra, de alguma maneira para a historia, será contada no cancioneiro popular, depois poetas, ficcionistas que contarão a sua versão, muitas vezes adaptando ao pensamento social daquele determinado momento. Basta analisar a descrição que os naturalistas, viajantes franceses, deram para nossa história, visto que passaram aqui não para torcer pela república ou pelo império, mas para prestar um serviço para a ciência francesa. Mas, mesmo eles, tinham uma criação, um sistema politico vigente, uma cultura erudita estabelecida na França no século XIX. Mesmo Auguste de Saint Hilare, Arsene Isabelle ou Nicolau Dreyes, não eram 100% isentos, livres de suas visões de mundo. Mas foram os que nos deram um panorama mais próximo do que poderíamos chamar de verdade. Escrever a história do tradicionalismo gaúcho organizado, nestes 50 anos do MTG (68 anos do primeiro CTG, ou 69 anos da 1ª Ronda) é dar, para futuras gerações um pouco dos fatos que fizeram as tradições gaúchas chegarem ao século XXI sem sofrer grandes danos. O que apresentaremos será em cima de dados e fatos contados por aqueles que vivenciaram esses quase 70 anos de tradicionalismo. Segundo Barbosa Lessa, já passamos por um “ismo” e estamos em pleno andamento de outro, este, com nossos “nativos digitais”, que um dia darão sua versão e irão nomenclaturar este momento. Calendário do MTG - 2016 DATA 20 EVENTO FEVEREIRO DE 2016 2ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CAMPEIROS, CULTURAIS, ESPORTIVOS E ARTÍSTICOS MARÇO DE 2016 SEMINÁRIO ESTADUAL DE PRENDAS 2ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR PRAZO FINAL INSCRIÇÕES FECARS CURSO AVALIADORES CIRANDA E ENTREVERO - FASE ESTADUAL CURSO AVALIADORES CIRANDA E ENTREVERO - FASE REGIONAL PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 28º ENTREVERO CULT. DE PEÕES - FASE ESTADUAL 28ª FESTA CAMPEIRA DO RIO GRANDE DO SUL SEMINÁRIO DA CULTURA CAMPEIRA ABRIL DE 2016 28º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES - FASE ESTADUAL PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 46ª CIRANDA CULT. DE PRENDAS - FASE ESTADUAL MAIO DE 2016 3ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CULTURAIS 3ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR 46ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS - FASE ESTADUAL PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 47ª CIRANDA CULT. DE PRENDAS - FASE REGIONAL PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES 29º ENTREVERO CULT. DE PEÕES - FASE REGIONAL JUNHO DE 2016 4ª REUNIÃO ORDINÁRIA CONSELHO DIRETOR (Provas Ciranda e Entrevero Regional) 47ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS - FASE REGIONAL 29º ENTREVERO CULTURAL DE PEÕES - FASE REGIONAL JULHO DE 2016 4ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS E DIRETORES CULTURAIS PRAZO FINAL - INSCRIÇÕES ENART 2016 82ª CONVENÇÃO TRADICIONALISTA AGOSTO DE 2016 SORTEIO ORDEM DE APRESENTAÇÃO DAS INTER-REGIONAIS ENART 2016 ACENDIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DA CHAMA CRIOULA TCHENCONTRO 1ª INTER-REGIONAL DO ENART SETEMBRO DE 2016 5ª REUNIÃO CONSELHO DIRETOR SEMANA FARROUPILHA 2ª INTER-REGIONAL DO ENART OUTUBRO DE 2016 5ª REUNIÃO DE COORDENADORES REGIONAIS, DIRETORES CULTURAIS 3ª INTER-REGIONAL ENART 3º FEGADAN SORTEIO DA ORDEM DE APRESENTAÇÃO DA FINAL DO ENART 2016 50º ANIVERSÁRIO DO MTG ACAMPAMENTO DA JUVENTUDE GAÚCHA NOVEMBRO DE 2016 ABERTO DE ESPORTES - 1º ENECAMP 6ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR FINAL ENART 2016 - ENCONTRO DE ARTE E TRADIÇÃO GAÚCHA 17ª MOSTRA DE ARTE E TRADIÇÃO GAÚCHA DEZEMBRO DE 2016 PRAZO FINAL - ELEIÇÕES COORDENADORIAS REGIONAIS REUNIÃO DE ENCERRAMENTO - CONFRATERNIZAÇÃO NATALINA PRAZO FINAL - APRESENTAÇÃO PROPOSIÇÕES P/ 65º CONGRESSO TRAD. GAÚCHO CIDADE PORTO ALEGRE LAGOA VERMELHA LAGOA VERMELHA PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE 5 5 7 12 12 14 17 a 20 19 14 a 16 19 7 14 19 a 21 25 25 18 25 25 2 25 30 2 12 e 13 13 27 e 28 4 14 a 20 24 e 25 1 8e9 15 e 16 18 28 e 29 28 e 29 05 e 06 12 18 a 20 19 9 10 13 PORTÃO PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PASSO FUNDO PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE SEDE MTG - POA RTs RTs PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE CRUZ ALTA PORTO ALEGRE TRIUNFO TRIUNFO Encontro Regional de Patrões O Encontro Regional serve para que as lideranças dos CTGs debatam, de forma ordenada, as dificuldades e os sucessos alcançados. Não é o lugar de convidar pro “grandioso baile”. Patrões levem suas prendas e peões, diretores culturais, campeiros e artísticos para trocarem ideias e informações importantes. Coloquem diretores (posteiros) de comunicação, gente ligada na área digital, para divulgarem os eventos de forma mais profissional. Pense nisso. RS CAXIAS DO SUL PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE Tema anual e dos festejos farroupilha No Congresso Tradicionalista, que aconteceu em Bento Gonçalves ficou decidido dois temas fundamentais que nos dão amparo para os rumos de 2016: O tema anual do MTG e o tema dos Festejos Farroupilhas. Tema Anual: “MTG 50 anos de preservação e valorização da cultura gaúcha” Tema dos festejos Farroupilhas: “República das carretas” (ver página 20) STA CRUZ DO SUL STA CRUZ DO SUL RTs RTs OBS: Calendário sujeito a alterações de acordo com a necessidade Inscrições Abertas para o CFOR Básico - Curso de Formação Tradicionalista. Mais informações em www.mtg.org.br ou pelo fone 51 3223 5194. CALENDÁRIO DE CURSOS (Sujeito à alterações - O CFOR Patronagem, será realizado através de solicitação dos coordenadores) 27/02/2016 21/04/2016 29/04/2016 07/05/2016 09/07/2016 23 e 24/07/2016 06/08/2016 10 e 11/09/2016 22 e 23/10/2016 CFOR BÁSICO CURSO JUÍZES DE PROVAS CAMPEIRAS PAINEL INDUMENTARIA - GERAL E FEGADAN CFOR BÁSICO CURSO PARA INSTRUTORES INICIANTES DE DANÇAS TRADICIONAIS CURSO: INSTRUTORES INICIANTES DE DANÇAS DE SALÃO CFOR BÁSICO CFOR AVANÇADO - MODULO I CFOR AVANÇADO - MODULO II PORTO ALEGRE A DEFINIR A DEFINIR PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE A DEFINIR PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE Por ir Elom a l Ma t “Você precisa conquistar aquilo que o dinheiro não compra. Caso contrário, será um miserável, ainda que seja um milionário.” ( Augusto Cury) REFLEXÃO REFLEXÃO

[close]

p. 5

Ano XIV - Edição 174 DEPARTAMENTO JOVEM Fevereiro de 2016 5 Luan Andrey Vieira – Diretor do Dpto Jovem do MTG 50 anos de Movimento com a participação da juventude Eleição: Nova equipe que coordenará o Departamento Jovem foi eleita durante o Congresso Tradicionalista, em Bento Gonçalves, e já planeja as ações para em comemoração ao cinquentenário do Movimento Tradicionalista Gaúcho no decorrer de 2016 Saudações, Juventude Tradicionalista, meu nome é Luan Andrey Vieira e, junto com o Vice-Diretor, Roger Bacher Nunes, e os Diretores Inter-regionais, assumi o Departamento Jovem Central do MTG no 64° Congresso Tradicionalista, em Bento Gonçalves. Em 2016, estaremos comemorando os 50 anos de fundação do Movimento Tradicionalista Gaúcho, que é fruto do trabalho iniciado em 1947, em Porto Alegre, por 8 jovens com uma proposta de esperança de liberdade e amor à terra. O Departamento Jovem como o conhecemos, surgiu no Congresso Tradicionalista de 2010, ao passar de um cargo nomeado pelo Conselho Diretor para um cargo eleito em Assembleia Jovem Eletiva, seguindo desde então as normas do nosso Regimento Interno. Desde então, passaram vários diretores pelo cargo e quis o destino que eu estivesse aqui no cinquentenário do MTG. Hoje, nosso Departamento é participativo em todas as atividades do MTG, ajudando e apoiando quando necessário e ativo nos assuntos pertinentes à juventude gaúcha. Os eventos e atividades de responsabilidade do Departamento nesse ano, serão o Tchêncontro, o Acampamento e o Dia do Jovem, e estes temos a certeza que serão inesquecíveis e marcarão o Cinquentenário do Movimento, pois a equipe de Jovens que foi eleita para liderar nossas atividades estará fazendo o possível e o impossível para que nossos objetivos sejam alcançados. Tudo o que foi conquistado até aqui não foi fácil, a escalada até o Departamento Jovem Central é árdua, passando por Departamentos Internos, Regionais e Inter-regionais e todos os diretores que por aqui passaram fizeram por merecer, todos percorreram a mesma jornada, sem pegar atalhos, sem pular obstáculos. Todas as dificuldades foram enfrentadas e vencidas para que hoje, nós jovens, tivéssemos nossa voz sendo ouvida por todo o Rio Grande. Nós somos o presente e o futuro do Tradicionalismo, somos a base do Movimento e devemos fazer jus ao nosso dever. Aos jovens fica o meu agradecimento pela confiança depositada e a promessa de que 2016 será o Ano dos Jovens no Tradicionalismo! Foto:Liliane Pappen Jovens lideranças do Movimento Tradicionalista Gaúcho Tratado de Ponche Verde: Jovens comemoram a Paz Realizar uma confraternização entre os tradicionalistas e a sociedade em geral durante o dia da paz, divulgando através da rede social Facebook o trabalho dos jovens. - Cada entidade tradicionalista participante fará uma atividade alusiva ao Dia da Paz, onde se comemora Objetivo: Funcionamento: os 171 anos do Tratado de Ponche Verde, que pôs fim à Guerra dos Farrapos. - Esta atividade será registrada e postada na página ou perfil que represente a entidade tradicionalista, com descrição e foto, marcando a página do Departamento Jovem do MTG e com a hashtag #DiaDaPaz. - Será elaborada uma cartilha sobre o Dia da Paz, contendo as duas atividades mais criativas e a mais popular (com maior número de curtidas). - Esta cartilha será distribuída em algum evento à nível Estadual de escolha do Departamento Jovem e Departamento Cultural. • Divulgar através da internet a história da Revolução Farroupilha e Guerra dos Sugestões de atividades à desenvolver: Farrapos, especialmente do dia 28 de Fevereiro de 1845, em que foi assinado o tratado de paz de Ponche Verde; • Promover seminários, palestras, oficinas ou gincanas, sobre a temática; • Levar as escolas e instituições de ensino, em especial aos jovens estudantes que não tem conhecimento sobre o tema, material sobre a Revolução e o Tratado, promovendo a divulgação da história da República Rio-grandense. • Levar ao conhecimento dos poderes públicos (executivo e legislativo) a atuação do jovem tradicionalista na sociedade durante este dia. Elenir de Fátima Dill Winck Vice-Presidente de Cultura do MTG Diretor do Dpto. Jovem MTG Luan Andrey Vieira Aline Jasper, uma paranaense de coração gaúcho Aline Jasper, 24 anos, paranaense de Ponta Grossa. Graduada em jornalismo e prestes a defender o Mestrado em Jornalismo, iniciou suas atividades tradicionalistas no CTG Porteira dos Municípios, de 2003 a 2005; passou pelo CTG Pioneiros dos Campos Gerais de 2006 a 2008 e, de 2009 a 2015, defendeu o CTG Rancho Alegrete. Eco – De onde vem esse amor pela tradição gaúcha? Minha família é gaúcha: desde criança, tive contato com a cultura e os costumes gaúchos. A música nativista, os bailes de CTG e, principalmente, o chimarrão foram parte bastante importante da minha infância e trouxeram algumas das mais queridas memórias que guardo. Em 2003, minha irmã, Mônica, ingressou na invernada artística de um CTG, nos abrindo novamente as porteiras para esse mundo tradicionalista e despertando em mim uma paixão que tomou conta da minha vida desde então. Eco – Quais os títulos que já alcançastes como prenda por esse Brasil? Embora sempre tivesse o sonho de ser “prenda de faixa”, só em 2012 que tive a oportunidade de participar de um Concurso de Prendas, no qual fui agraciada com o título de 1ª Prenda Adulta do CTG Rancho Alegrete. Em seguida, fui 1ª Prenda da 2ª Região Tradicionalista e, na gestão 20142016, sou 1ª Prenda do MTG Paraná. Orgulhosamente, conquistei também o título de 2ª Prenda da CBTG na gestão 2015-2017. Eco – Qual teu grande sonho? Eu sonho com, e batalho para que se torne realidade, um mundo em que a globalização sirva para engrandecer, e não diminuir as culturas regionais. Um mundo em que preconceitos não sejam argumentos para proibir manifestações culturais, e a difusão de conhecimento andem, lado a lado, com a cultura popular. Eco – O que a Aline gosta de comer? De Ler? E qual teu passatempo? Tanto de comer quanto de ler, gosto de tudo! Mas prefiro as comidas doces e os livros, amargos. Os livros são a base para tudo que faço, moldaram em grande parte meu caráter e minha personalidade, sendo, portanto, meu passatempo preferido! Se posso sugerir, dentre os livros que fundaram nossa tradição gaúcha, um dos meus preferidos, vale a leitura do clássico “El Gaucho Martín Fierro”, do argentino José Hernandez. “Não terá cova nem ninho, há de andar sempre fugido, sempre pobre e perseguido, como se fosse maldito; pois ser gaúcho... Caramba!... ser gaúcho é até um delito!”

[close]

p. 6

6 ECO ENTREVISTA Ano XIV - Edição 174 ESPAÇO DA CBTG Fevereiro de 2016 Maria Fernanda, orgulho do CTG Tiarayú, no “The Voice Kids” Maria Fernanda Costa, natural de Porto Alegre, 9 anos, estudante indo para o 4º ano do ensino fundamental, representa CTG Tiarayú. Sempre apresentou tendências musicais, desde que começou a falar. Começou a cantar com 4 anos e, aos 7, iniciou aulas de música com professor William Varela, na escola Estúdio Musique. Eco - Quais os rodeios e festivais que marcaram pra ti? Meu primeiro festival foi a Coxilha Piá, de Cruz Alta, no ano de 2014, onde fiquei em terceiro lugar. Em 2015 conquistei primeiro lugar na Guyanuba, de Sapucaia do Sul, e primeiro lugar no Canto dos Ervais, de Palmeira das Missões. Gostaria muito de ter participado da Tertulinha, em Santa Maria, mas não fui classificada, nem em 2014 e nem em 2015. Quem sabe este ano né? Os rodeios que mais marcaram foram o de Osório e o do Mercosul por serem um dos maiores. Eco - Estar em um CTG fez alguma diferença em tua vida para chegar aonde esta? Sim, com certeza. No CTG tive o primeiro contato com a música tradicionalista. Foi este ambiente que me proporcionou subir aos palcos e adquirir experiência e segurança para chegar ao palco do The Voice e poder cantar sem medo e sem nervosismo. Aqui no RS diferente dos outros estados temos a oportunidade de participar de rodeios e festivais o que é ótimo. Eco - Como foi a experiência no The Voice Kids? Experiência incrível estar naquele palco enorme sendo avaliada por grandes artistas brasileiros. O clima é de muitas brincadeiras e o mais legal é poder conhecer crianças de todo Brasil. Esta troca de experiências vou levar pra toda minha vida. Eco - De onde veio tanta espontaneidade para responder, com perfeição, para o Carlinhos Brown, quando te perguntou o que via nele, o nariz ou o turbante? Ele perguntou o que eu via e eu respondi a verdade! 14ª Convenção Brasileira da Tradição Gaúcha Rumos da Tradição: Evento reunirá o Brasil tradicionalista em Diadema/SP para traçar os rumos do Movimento no país. A CBTG convida a todos tradicionalistas, maiores de 16 anos, a participar da 14ª Convenção Brasileira da Tradição Gaúcha, no dia 27 de fevereiro de 2016, nas dependências do CTG Meu Pago, em Diadema-SP. São convocados para a reunião, conforme edital, membros do Conselho de Vaqueanos, Conselho Diretor, Diretoria Executiva, Conselho de Ética, Junta Fiscal, Prendas com Faixas, Peões com Crachás, maiores de 16 anos, todos da CBTG e Delegados dos MTG`s. Conforme o Art. 21 do Estatuto da CBTG, a Convenção Brasileira acontece bienalmente, nos anos pares, intercaladamente ao Congresso Ordinário e é integrada pelos membros da Diretoria Eleita, membros titulares do Conselho Diretor, membros da Junta Fiscal, membros do Conselho de Ética, até o limite estabelecido a seguir: I - MTG-RS: 10 Delegados (correspondendo a 34% do total); II - MTG-SC: 6 Delegados (correspondendo a 15% do total); III - MTG-PR: 5 Delegados (correspondendo a 11% do total); IV - MTG-SP: 4 Delegados (correspondendo a 8% do total); V - MTG-MT: 4 Delegados (correspondendo a 8% do total); VI - MTG-MS: 4 Delegados (correspondendo a 8% do total); VII - MTG-AO: 4 Delegados (correspondendo a 8% do total); VIII - MTG-PC: 4 Delegados (correspondendo a 8% do total). Caso o número de representantes de cada MTG não atinja o limite definido acima, os Presidentes de cada federação indicarão representantes para completar o número. As propostas de alteração de regulamentos deverão ser enviadas à CBTG com um mínimo de 20 dias de antecedência à data da Convenção. As propostas devem ser encaminhadas ao Relator Geral da Convenção, Francisco Fighera (ffighera@ uol.com.br) com cópia para o Diretor Geral da CBTG, Wilson Porto (porto. wilson@gmail.com) e o Secretário Geral da CBTG, Dalton Camargo (dalton_de_camargo@hotmail.com). A Convenção Brasileira será organizada em parceria com o Presidente do MTG-SP, Jorge Francklin, e o 1º Vice-Presidente da CBTG, Eduardo Larsen. O CTG Meu Pago está localizado na Estrada Maria Cristina, nº 874 - Eldorado - Diadema-SP. PROGRAMAÇÃO 27 de fevereiro de 2016 (sábado) 08h: Credenciamento dos Convencionais 09h: Sessão Preparatória da Convenção 09h30min: Sessão Solene de Abertura da 14ª Convenção Brasileira 10h: 1ª Sessão Plenária Ordinária da Convenção - Reuniões Temáticas 13h: Almoço 14h30min: 2ª Sessão Plenária Ordinária da Convenção - Apresentação e Votação das Proposições 17h: Intervalo 17h30min: Roda de Chimarrão e Charla da Diretoria da CBTG com os Presidentes dos MTG’s 19h: Sessão Solene de Encerramento da Convenção Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha - CBTG www.cbtg.com.br “Povo sem tradição morre a cada geração” EDITAL DE CONVOCAÇÃO O Senhor João Ermelino de Mello, Presidente da Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha (CBTG), no uso de suas atribuições e de acordo com o Artigo 22 - Parágrafo Único, do Estatuto Social, convoca os senhores membros do Conselho de Vaqueanos, Conselho Diretor, Diretoria Executiva, Conselho de Ética, Junta Fiscal, Prendas com Faixas, Peões com Crachás, maiores de 16 anos, todos da CBTG e Delegados dos MTG’s para a 14a Convenção Brasileira da Tradição Gaúcha, a realizar-se no dia 27 de fevereiro de 2016, nas dependências do CTG Meu Pago, em Diadema-SP, para deliberarem sobre assuntos em conformidade com o Art. 23 De acordo com o Art. 96, Inciso 111, combinado com o Art. 107 do Regulamento Geral, nomeio Sr. Francisco Fighera , para exercer a função de Relator Geral da 14a Convenção Brasileira da Tradição Gaúcha. Campo Grande, MS, 15 de janeiro de 2016. João Ermelino Mello Presidente da CBTG Aqui, o Rio Grande inteiro te lê! Informações: 51 3344 1169 ou 9765 8633 com Rogério Bastos E-mail: bastosproducoes1@gmail.com

[close]

p. 7

Ano XIV - Edição 174 ESPAÇO DO IGTF Por: Vinicius Brum - Presidente da FIGTF Fevereiro de 2016 ESPAÇO CGF/FSH 7 Por: Paula Simon Ribeiro “Bombachudos” Não raro, e sempre algo decepcionado, deparo-me com considerações, ainda que subliminares, que tentam atingir pejorativamente o fazer artístico centrado na cultura regional e na figura do gaúcho. Expressões como “gauchinhos”, “bombachudos”, entre tantas, sempre proferidas com ironia, norteiam tais comentários. Cito dois consagrados no universo musical brasileiro: Yamandu Costa e Renato Borghetti. A escolha (deixando de lado a evidente excelência artística de ambos) deve-se ao fato singular de que os dois se apresentam pelos palcos do mundo trajando suas bombachas (como já o fizera o Conjunto Farroupilha nos anos 50 e 60) com a mesma naturalidade com que se caminha no Brique da Redenção. Não me consta que em algum lugar tenham sido tachados de “bombachudos”, e muito menos que o uso da pilcha tenha interferido de maneira decisiva em sua música. Já se disse que a exacerbação da autoestima pode conduzir à soberba, ao enganoso entendimento de que se é melhor do que o outro, seja esse quem for. Na outra ponta dessa linha, também já foi dito, a ausência de um determinado orgulho há de nos remeter ao centro daquele rodrigueano “complexo de vira-lata”. Os artistas identificados com o regionalismo rio-grandense entusiasmam plateias imensas cá nos pagos sulinos e afirmam carreiras nacionais e internacionais trajando ou não peças de indumentária que remetam a singularidade da cultura local - que não custa lembrar, é de uma diversidade magnífica. Do rock ao samba, do regional ao pop. Tempos atrás, em Viena, participava juntamente com o Yamandu e o Borghetti, mais Luiz Carlos Borges e Daniel Torres do “Gaucho Festival” evento organizado pelo passo-fundense Alegre Correa. Fazia parte do grupo o saudoso declamador José Henrique Azambuja que em sua apresentação, rigorosamente pilchado, extasiou uma plateia de mil e tantos austríacos. Declamando em português, clássicos da poesia gauchesca. Foi ovacionado! Por certo os artistas regionais não são os maiorais ou qualquer outro ufanismo reducionista que se possa interpor. São, como tantos, indivíduos que elaboram sua inserção no mundo a partir de um local que os identifica. Mais, de um local com o qual se identificam, e partir do qual constroem sua autoestima, sua referência, sua condição. “Bombachudos”, talvez! “Vira-latas”, jamais!!! LENDAS E MITOS - II parte Imaginário: O assunto em pauta é muito rico e extenso, impossível explicar ou resumir em apenas um texto. Para Rossini Tavares de Lima o sentido restrito da palavra ‘Lenda’ indica a historia da vida dos santos e de homens e mulheres consagrados, que eram lidos nos conventos na antiguidade e “tem características de diversas religiões, revela seu traço religioso e supostamente histórico”. Para Floridor Perez, autor chileno, no pequeno e muito interessante volume Mitos y Leyendas de Chile , “a lenda é uma crônica imaginativa do passado de uma comunidade. É uma ficção mas se embasa em feitos possíveis ocorridos em lugares geográficos conhecidos e com participação de personagens reais.” Para Moacyr Flores em Colonialismo e Missões Jesuíticas “a lenda é a narração de fatos enriquecidos com mitos, transformando a historia em acontecimentos maravilhosos e os homens em santos. A lenda se diferencia do mito por sua precisão geográfica e temporal, apresentando heróis que realmente existiram mas que a imaginação popular recriou de geração em geração em resposta a seus anseios”. Para Mircea Eliade em Mito e Realidade “o mito conta uma historia sagrada, ele relata um acontecimento ocorrido no tempo primordial, o tempo do principio”. Os personagens dos mitos são sempre entes sobrenaturais que surgem na maioria das ocasiões para explicar o inexplicável. O homem primitivo sempre buscou na imaginação explicações para os fatos que não sabia explicar. O ranger de uma porta, um clarão no campo, um objeto que se move e outros acontecimentos explicados pela física e pela tecnologia eram atribuídos a seres sobrenaturais. O mito sempre tem uma ação. No caso do Negrinho do Pastoreio temos um caso de lenda e mito com o mesmo personagem. Surgiu de um fato ocorrido no campo, um negrinho escravo açoitado e castigado até a morte. O fato despertou comoção, foi contado e recontado e aos poucos transformou-se em causo campeiro. Simões Lopes ao recolher o causo, muito religioso, acrescentou uma intervenção divina. Nossa Senhora, “madrinha dos que não a tem” acolheu o menino escravo, que subiu ao céu em seus braços de onde atende pedidos e suplicas de pessoas sofredoras como ele. Recebe ofertas de velas no campo e nacos de fumo. A oferenda deve ser feita no momento do pedido. Existem mitos presentes em todas as culturas primitivas como o diluvio, a bruxa, o fogo fátuo e outros que oportunamente veremos nesta pagina. Na nossa cultura não encontramos gnomos nem fadas, mas bruxas, temos muitas... Pioneiro inova e investe para crescer Planejamento: O 35 CTG, que está de patronagem renovada, começou o ano investindo nas invernadas, inovando em seus processos administrativos e mudando as domingueiras “Neste ano de 2016 resolvemos investir firme e forte na capatazia artística, fortalecendo as invernadas de dança, principalmente, a adulta. Contamos para trabalhar a frente a este grupo, Ronaldo Estevo, atual vice-campeão do estado, pelo CTG Tiarayu. Eles iniciarão os trabalhos dia 19/02/16 com uma reunião para apresentação do projeto, instrutor e coordenadores” – conta Henrique Arruda, capataz artístico. Já na invernada juvenil, o instrutor escolhido foi o Luís Afonso Ovalhe, do CTG Aldeia dos Anjos, e tem o início das atividades programadas para o dia 17/02. Na invernada mirim permanece Luís Paulo Amaral (3º Peão do RS 2003/2004) e Caroline de Castilhos. O início está marcado para o dia 26/02. “Estamos com vários projetos e coisas novas para o 35 e os sócios. Um costelão está sendo programado e o lançamento do novo site do 35 CTG para março. Abril estamos com o mês cheio de atividades dos festejos de aniversário da entidade e das etnias, com o baile de abertura no dia 09/04 com o grupo Minuano. Vamos fazer nosso rodeio, 1º festival pioneiro da tradição 35 CTG. Nos dias 11/12 de junho” – conta Arruda. A invernada campeira do pioneiro participou ativamente da Cavalgada do Mar. No departamento cultural, como é tradicional, investiram forte nas prendas e no guri que irão para a ciranda e o entrevero estadual e, também, nas prendas e peões da casa, que estarão na ciranda e entrevero regional, em junho. E as costumeiras domingueiras continuam no 35, mas agora com valores diferenciados para atrair novamente os associados e visitantes que gostam de uma boa música gaúcha. Pesquisa: CGF e FSH buscam preparar futuros assistentes de pesquisa LOCAL: MEMORIAL DO RIO GRANDE DO SUL DATAS: 1º de abril abertura do curso - Secretario de Cultura Victor Hugo Aula Magna com professor especialmente convidado Dias 2, 3, 9 e 10 de abril de 2016 (turnos manhã e tarde) DURAÇÃO DO CURSO: 40 horas VALOR DA INSCRIÇÃO: R$ 200,00 PÚBLICO-ALVO: Comunidade cultural ligada ao Folclore e Culturas Populares, professores, tradicionalistas e publico em geral. PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO: CGF e FSH APOIO: Secretaria de Estado da Cultura, Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore e Memorial do RS. Período de inscrição: de 14 a 25 de março de 2016 pelo e-mail: comissaogauchadefolclore@gmail.com Informações pelo fone: 51 99990854 NUMERO DE VAGAS: 80 (Limitadas) Curso de Folclore Gaúcho OBJETIVOS: - Introdução ao Folclore e Antropologia - Ampliar seus conhecimentos a respeito da cultura regional e embasa melhor seus elementos de identidade; - Abrir uma nova área de atuação para seu futuro como professor, pesquisador ou animador cultural, visando a formação de auxiliares de pesquisa. - Conhecer o folclore gaúcho, suas características e seu campo de ação; - Incentivar o conhecimento sobre a pesquisa o registro e a social do folclore; - Identificar a posição do folclore entre as demais ciências; - Identificar as principais etnias formadoras do gaúcho e suas contribuições culturais na nossa formação; - Transmitir aos professores, orientações sobre a aplicação do folclore no processo de ensino.

[close]

p. 8

8 NOTÍCIAS PELO RIO GRANDE Ano XIV - Edição 174 Fevereiro de 2016 Coordenadoria da 6ª RT, gestão 2016, é empossada Na manhã do sábado dia 16 de janeiro, reuniram-se na sede do Centro Cultural Nativista Sentinela do Rio Grande, os Patrões, Diretores Artísticos, Culturais e Campeiro de mais de 10 CTGs da 6° Região Tradicionalista (Rio Grande, ST. Vitória Palmar, Chuí e São José do Norte) junto a Vice Presidente de Cultura do MTG, Elenir Winck, que empossou o novo Coordenador da 6° Região Tradicionalista, Roberto dos Santos Ferreira. Também foi realizado a 2° ação do projeto CTG NÚCLEO DE FORTALECIMENTO DA CULTURA GAÚCHA, pelas prendas regionais. Após a cerimônia o coordenador Roberto apresentou sua diretoria e a reunião prosseguiu com os diversos assunto de interesse regional. Estiveram presentes à reunião os Conselheiros do MTG, Ciro Winck e José da Mota Fucolo, a 1ª Prenda juvenil do Rio Grande do Sul, Tassya Marasciulo e o Vice-diretor Jovem do MTG, Roger Nunes. Foto:Divulgação Mês de janeiro é marcado por atividades culturais na 7ª RT Durante a FECARS Regional 2016, realizada no Parque de Rodeios de Passo Fundo, o Departamento Cultural da 7ª RT realizou quatro grandes eventos contemplando o conhecimento e aprimoramento da juventude tradicionalista. A 4ª Charla de Galpão: “Conhecendo as lides de galpão e sua essência cultural”, onde foram ministradas palestras e oficinas com Airto Timm, Presidente da ORCAV/RS, Tiaraju de Lima Lopes e o 2º Guri Farroupilha/RS Guilherme Henrique Belegante Nervo. Depois realizaram outras atividades como: Oficina de Laço em Vaca Parada, o 22º Tchêncontro Regional de Prendas e Peões “Garimpando talentos municipais onde estão nossos valores artísticos - culturais?”. Este evento trouxe ao Palco Maurício Sirostki Sobrinho, valores artísticos dos municípios abrangidos pela 7ª RT, que inseridos ou não nas Entidades Tradicionalistas. Entre as várias apresentações destacamos a arte do bandoneon com Tio Menna Barreto que, nos seus 91 anos brindou a todos com a execução de várias músicas, encantando pela sua simpatia e capacidade de partilhar seu conhecimento, na mais perfeita harmonia entre jovens e adultos. Aconteceu também o 13º Concurso Regional de Brinquedos e Brincadeiras Folclóricas e 13º Concurso Regional de Bonecas Folclóricas. Há exatamente 20 anos, no dia 02 de março de 1996 e, no dia 27 de outubro de 1996 foram realizados respectivamente o 1º Concurso Regional de Bonecas de Pano e, o 1º Concurso Regional de Brinquedos Folclóricos. Foto:Divulgação Elenir Winck, vice-presidente de cultura do MTG, prestigiou a posse Maneco Pereira e o Dia do Campeiro Marco histórico: 11 de fevereiro. Data que marca a morte de Maneco Pereira é conhecida como o dia do campeiro. Uma homenagem ao homem que laçava com o pé. Manoel Bento Pereira, ou Maneco Pereira, foi o maior laçador que o Rio Grande do Sul conheceu em todos os tempos. Ele nasceu no dia 18 de junho de 1848, no município de Rio Pardo. Ainda criança, foi com a família para a “Estância do Curral de Pedras”, no município de Rosário do Sul, onde seu pai trabalhou de capataz. O rebanho da fazenda alcançava mais de 42 mil cabeças. Aos 15 anos, “Maneco Pereira” já era o sota-capataz da estância, cargo que antigamente era dado ao peão que mais se destacasse nas lides de campo. Com a morte do pai assumiu a função de capataz. É quase incrível o que contam das suas façanhas praticadas em tempos de sua juventude. Tão espetaculares foram esses feitos realizados numa época em que o laço e as boleadeiras faziam exímios manejadores. “Maneco Pereira” foi um laçador que tanto pealava e laçava com as mãos como com os pés, e não fazia isso por acaso, bastava advir ocasião. Com o laço nas mãos só não fazia chover. Era como um artista fazendo demonstrações da sua arte, num palco de diversões. No dia 11 de fevereiro de 1926 morria “Maneco Pereira”, tendo sido sepultado no dia seguinte no Cemitério do Joanico, situado no Batovi. A data ficou marcada e é comemorada, na atualidade, como o Dia do Campeiro, em homenagem à ele. Airto Timm, Presidente da OrCav, palestra na Charla de Galpão 18ªRT promove seminários campeiro e cultural em março Cultura em dose dupla: Os seminários ocorrerão nos dias 12 e 13 de março de 2016, e são uma nova proposta de evento cultural que os organizadores desejam implementar na região. Com o objetivo de integrar os tradicionalistas e visitantes, trazendo ainda mais conhecimento e cumplicidade junto às prendas e peões, os organizadores do evento, Roberta Jacinto – 1ª Prenda da 18ªRT e Eduardo Gusmão - 1° Peão da 18ªRT, juntamente com a equipe de apoio, planejaram para o sábado (12) oficinas campeiras (onde as prendas também participarão ativamente) sob a coordenação dos peões do RS, Lourenço Nunes e Março Saldanha. O jornalista Rogério Bastos encerrará as atividades do dia com uma palestra sobre a tese de Barbosa Lessa: “O sentido e o valor do tradicionalismo”. No domingo(13), já no turno da manhã, acontecerá o Seminário Cultural, que será concretizado a partir de dinâmicas e palestras realizadas pelas atuais prendas do RS, Diana e Aline Almeida, e pela tradicionalista Janine Papel. Além disso, acontecerá uma homenagem ao Cinquentenário do Movimento Tradicionalista Gaúcho, com uma palestra sobre o tema que norteará as atividades tradicionalistas em 2016, “MTG 50 anos de Preservação e Valorização da Cultura Gaúcha”. Por fim, tendo em vista que o evento será realizado em dois dias, está sendo organizado um alojamento para acomodar os visitantes na noite de sábado para domingo. Inscrições e informações: seminario18rt@hotmail.com TEMA SEMANA FARROUPILHA 2016: REPÚBLICA DAS CARRETAS - 180 ANOS DA REPÚBLICA RIO-GRANDENSE

[close]

p. 9

Ano XIV - Edição 174 NOTÍCIAS Fevereiro de 2016 NOTÍCIAS 9 Texto: Rodrigo Gonçalves (Diretor de Comunicação da 13ª RT) DTG Noel Guarany leva gauchismo pelo Brasil O Departamento de Tradições Gaúchas Noel Guarany da Universidade Federal de Santa Maria, 13ª Região Tradicionalista, esteve no período de 18 à 26 dezembro na estrada, em uma viagem que levou um pouco da cultura gaúcha para alguns recantos do Brasil. A comitiva partiu para Canarana, no estado do Mato Grosso, onde foi recebido no CTG Pioneiros do Centro Oeste para um grande churrasco de integração. À noite, foram realizadas apresentações das entidades em um jantar-fandango. Na manhã seguinte, o DTG Noel Guarany seguiu para Primavera do Leste, no Mato Grosso, onde realizou nova apresentação no CTG Querência Distante. Ao longo da noite, além do jantar, houve apresentações de músicas gaúchas dos artistas da entidade e um grande intercâmbio cultural. O DTG Noel Guarany rumou, então, para a capital nacional, Brasília, com uma nova recepção muito afetuosa do CTG Estância Gaúcha do Planalto. O tour pela cidade foi feito com grande parte da comitiva pilchada, realizando atividades que buscavam demonstrar a cultura gaúcha, interagindo com os moradores do local e com turistas de diversos lugares do mundo. O último ponto da viagem foi em Foz do Iguaçu, Paraná, onde além de novas trocas culturais, o grupo pode conhecer a Usina de Itaipu e as Cataratas do Iguaçu, fechando com chave de ouro os momentos inesquecíveis vividos e retornando então para Santa Maria, concluindo 7.870 km rodados. A invernada artística do DTG Noel Guarany apresentou coreografias com a temática da UFSM, dos estudantes e dos anos da entidade comemorados no último novembro (temática do grupo em 2015), além de danças tradicionais, danças birivas, danças de salão e coreografia para a música “7 Vezes”, apresentando a narrativa histórica de parte do período missioneiro do Rio Grande do Sul, tema este sempre trabalhado pela entidade que tem forte identificação com a região das Missões através de seu Patrono. Toda a apresentação fora acompanhada de explicações, justificativas e contexto, de maneira que as referências culturais fossem tão marcantes na apresentação quanto os elementos artísticos. “O DTG Noel Guarany sente-se honrado em ter desfrutado desta oportunidade de levar o seu trabalho e a cultura do RS para alguns lugares do Brasil. Registra o agradecimento pelo apoio incondicional da Universidade Federal de Santa Maria, ao Patrão da entidade Luciano Pes, que não mediu esforços para que tudo ocorresse da melhor forma possível, tal como foi; ao amigo Sandro Nicoloso, que através de sua ampla rede de amigos espalhados pelo Brasil viabilizou esta turnê; aos motoristas que nos guiaram com muita segurança, carinho e parceria, Anselmo (“Toco”) e Sérgio (“Lebrão), exemplares servidores da UFSM; aos dançarinos que foram responsáveis pelo ambiente de alegria e de amizade em todos os dias da viagem; e à todas as famílias e entidades que nos receberam com tanto carinho pelo Brasil afora” – conta Tainá Valenzuela! Coordenadoria da 13ª RT é empossada em Santa Maria A sede do Centro de Pesquisas Folclóricas (CPF) Piá do Sul, em Santa Maria, ficou lotada para a Posse da nova coordenadoria da 13ª Região Tradicionalista (RT), na manhã de sábado, dia 23. Para iniciar as atividades, o secretário leu a ata do último “Encontro de Patrões” realizado no dia 05 de dezembro, onde ocorreram as eleições para escolha do novo Coordenador. Logo após, foi apresentada a prestação de contas do ano de 2015. Ambas foram aprovadas pelos patrões. As entidades tradicionalistas que tiveram uma boa pontuação na Lista de Destaque 2015 receberam uma homenagem especial. Foram entregues troféus para as Entidades Padrão “A” e certificados e medalhas para as Entidades Padrão “B” e “C” da 13ª RT. Também foram homenageadas as instituições e/ ou seus integrantes, que prestaram relevantes serviços ao Movimento Tradicionalista Gaúcho, no âmbito regional. Receberam a comenda “Cezimbra Jacques” a vereadora Marta Zanella, da Câmara de Vereadores de Santa Maria, o radialista Cláudio Zappe, da Rádio Nativa FM, e o padre Ruben Dotto, da Arquidiocese de Santa Maria. Para a cerimônia de posse da nova Coordenadoria Regional, estiveram presentes Elenir de Fátima Dill Winck, Vice-Presidente de Cultura do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG); os Conselheiros do MTG, João Carlos Cardoso de Lima e Isolde Theisen Fischer; o Conselheiro Benemérito do MTG, Benjamin Feltrim Netto e o Conselheiro Vaqueano do MTG, Erival Bertonili. Foto: Edilaine Avila Fotografia Airto Timm, Presidente da OrCav, palestra naCharla de Galpão CTG Chaleira Preta, de Gravataí, tem sua primeira Patroa Mais um CTG quebra o paradigma e elege uma mulher para sua administração. O CTG Chaleira Preta, da cidade de Gravataí, elegeu Lilian Dias Ourique, Porto-alegrense, que iniciou suas atividades tradicionalistas no CTG Tiarayú, da Zona Norte de Porto Alegre. Lilian dedicou seus 48 anos de experiência e idade para realizar um sonho da família Dias, Professora do ensino médio, prenda regional mirim, dançarina e professora de danças tradicionais, participa de CTG desde seu nascimento, acompanhando seu pai, René Dias, que foi um dos fundadores do CTG Tiarayú, em 1962. Sabedora da responsabilidade de dar continuidade a gestão do ex-patrão Maciel Arce, Lilian é a primeira mulher a assumir como patroa do CTG Chaleira Preta, ao longo dos 32 anos de história da entidade. “Montei um grande grupo de trabalho, com Foto:Divulgação pessoas dedicadas em manter viva a chama da tradição e essência tradicionalista desta entidade, agradeço a todos que estão me apoiando: sócios, amigos, familiares, e a atual diretoria e, ao dedicado vice-patrão, Edison Dias e sua esposa Estela” – Conta Lilian. Foto: Rogério Bastos DTG Noel Guarany, em Brasília, representando o Rio Grande Lilian Ourique e o vice Patrão, Edison Dias

[close]

p. 10

10 Ano XIV - Edição 174 Fevereiro de 2016 Congresso deflagrou o inicio das atividades c Iraci Dalla Valle entra para seleto grupo d Fotos da página: Rogério Bastos Um congresso tranquilo, que elegeu Nairioli Callegaro para a Presidência do MTG, temas da semana farroupilha e anual do MTG, O evento que traça os rumos do tradicionalismo organizado aconteceu de 08 a 10 de janeiro, em Bento Gonçalves. Promovido pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho – MTG - o 64º Congresso Tradicionalista Gaúcho reuniu nas dependências do CTG Laço Velho 11ª RT, representantes das mais de 1600 entidades filiadas no estado para votar as proposições apresentadas e determinar os temas deste ano Na sessão preparatória e de instalação do Congresso foi eleita a presidente Iraci Dalla Valle para o cargo, e seus vices: Carlos Eduardo Silva (Coordenador da 9ªRT) como 1º vice, e o segundo vice, foi indicado pela comissão executiva, Moacir Mario Nardes (ex-coordenador regional e ex-conselheiro do MTG). Na Relatoria Geral, Nilton Otton e na Secretaria Geral, Iara Vanice Rott. Ainda antes da Abertura Oficial, foram escolhidos os Patronos Espirituais do evento. Grandes personalidades do tradicionalismo que partiram para o plano superior em 2015 ficando definidos como patronos do Congresso Antônio Augusto Fagundes, Manoel Pedro da Silva Mello, Vivaldino Duarte, Armando Peres e Marcus Vinicius Falcão Ferreira Entre as proposições foram votadas o tema dos festejos farroupilhas de 2016, referendado pelo Congresso e apresentado pelo Presidente do IGTF e dos Festejos do RS, Vinicius Brum, que será “A República das Carretas”, em homenagem aos 180 anos da proclamação da República Rio-grandense. Sessão solene de Abertura do 64º Congresso Aldo Assis (E) e José Aldomar (D) Abertura do Congresso Iraci Dalla Valle e Luis Carlos Rigon No início da noite do dia 8, o auditório da Casa das Artes de Bento Gonçalves recebeu tradicionalistas e convidados para a solenidade de abertura do 64º Congresso Tradicionalista Gaúcho. Na ocasião, além das lideranças tradicionalistas, autoridades políticas representaram o município e o estado. O governador José Ivo Sartori e o secretário de Cultura do RS, Victor Hugo, foram representados pelo Presidente da Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore – FIGTF, Vinicius Brum. Em uma abertura, tomada pela emoção, o Deputado Federal Pompeu de Mattos declamou versos para as mulheres, homenageando a liderança delas frente ao Movimento Tradicionalista Gaúcho. Esteve presente, também, o deputado estadual Gilmar Sossela. Iraci Dalla Valle, presidente do conclave, entra para o seleto grupo de mulheres que presidiram Congressos. Em Bagé, 2004, Maria Izabel Trindade de Moura foi a primeira. Depois em Gravataí, 2007, foi a vez de Dinara Xavier da Paixão. Em Lagoa Vermelha, 2010, Marília Dornelles, hoje patroa do CTG Alexandre Pato, e em 2013, Ilva Maria Borba Goulart, presidiu o Congresso de Santa Maria. Equipe de credenciamento e re Erva Mate Barão foi a grande parceira do MTG no Congresso Jeferson Quadros, Rodrigo Maciel, Vinicius Brum(E), Manoelito Savaris e Pompeu de Mattos Espetáculo da etnia Italiana abrilhantou o evento Entidades fizeram-se presentes par Iara Vanice Rott, Elenir Winck e Ciro Winck Emili e Gustavo Bierhals - Fundação Cultural Gaúcha presente nos eventos oficiais do MTG A presença das prendas no conc

[close]

p. 11

Ano XIV - Edição 174 Fevereiro de 2016 11 comemorativas aos 50 anos do Movimento. das presidentes dos Congressos do MTG Fotos da página: Rogério Bastos , mostrou experiencias de vida, de superação, formou a 11ª turma do CFor Avançado e teve a 5ª mulher a presidir este conclave Plenárias A terceira sessão planária do Congresso foi dedicada a apresentação de “Experiências de vida”. Foram quatro inscritos: O primeiro foi apresentado por Eduardo Brum, de Vila Nova do Sul, falando do acidente campeiro que ocorreu com seu avô, fundador do CTG Sincero Lemes. O segundo foi apresentado por Marcelino Olisan de Oliveria, da 3ªRT, que foi a história do menino Uriel Colombo Pereira. A terceira experiência foi apresentada por Victoria Ribeiro do GF Chaleira Preta de Ijuí. A última apresentação foi de William Comunello, da 11ªRT (materia do Eco da Tradição de Dezembro) que teve seu pé amputado e depois de uma prótese deu a volta por cima e dançou o ENART. Adileny Meneghetti, 1ª Prenda, da 1ªRT, falou em nome de prendas e peões regionais sobre o trabalho que estão realizando por todo estado, a campanha “A amizade faz parte da Tradição”. A campanha surgiu para fortalecer os laços de amizade entre prendas e peões e que é através da tecnologia que chegaram a este estágio. ). A experiencia dos Beneméritos Departamento Jovem entregando relatório ao Presidente 50 Anos do MTG ecepção trabalharam bastante Manoelito Savaris apresentou a programação dos festejos dos 50 anos, a logotipia oficial, o troféu, que será entregue aniversário, com a frase de Glaucus Saraiva “Tradição é o futuro como uma árvore frondosa que seguirá dando sombra e frutos como uma árvore amiga”. A festa do cinquentenário será em Porto Alegre, e a comissão será formada por Manoelito Carlos Savaris e sua esposa, Odila Paese Savaris. Oscar e Marcia Gress e Ciro e Elenir Winck. Formatura do CFor Avançado - “Semeadores da Tradição” Comemorações pelos 50 anos do MTG terá Cavalgada Uma grande mobilização de campeiros deverá acontecer em outubro de 2016, quando o Movimento Tradicionalista Gaúcho completa 50 anos, com a realização da Cavalgada do Cinquentenário. A proposta foi apresentada pela Comissão Organizadora dos Festejos do Cinquentenário, com relatoria de Airto Timm, no 64º Congresso Tradicionalista Gaúcho, realizado entre os dias 8 e 10 de janeiro em Bento Gonçalves. A proposta, aprovada no Congresso, é que cada uma das 30 regiões tradicionalistas realize uma ou mais marchas de a cavalo, partindo de um ponto da RT em direção à capital Porto Alegre, com chegada até as 17 horas do dia 28, quando iniciam as comemorações do cinquentenário no Parque Farroupilha. Cada região deve portar sua bandeira e outras que desejarem, de entidades filiadas, podendo no trajeto transportar os cavalos. No Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, nesse período, acontecerá o Acampamento do Cinquentenário do MTG. No Parque, onde ocorrem anualmente os Festejos Farroupilhas, haverá local de acampamento para as 30 RTs, com estrutura de água, luz, banheiros químicos e chuveiros para o banho. O acampamento será realizado de 28 a 30 de outubro. No mesmo local será também realizado o acampamento da juventude tradicionalista, bem como uma intensa programação artística, cultural e comemorativa, inclusive com a montagem de um grande palco ao ar livre. e João Paulo, com Nairo Callegaro Nairo (C) com seus Vice-Presidentes eleitos ra votar nas propostas e na eleição Marina Giolo e Lourenço Nunes - a força da juventude clave. Lideranças se formando. As mulheres que presidiram Congresso Nairo com sua família no Congresso CTG Gaudério Serrano recepcionou o Presidente eleito

[close]

p. 12

12 ECO ENTREVISTA Ano XIV - Edição 174 Fevereiro de 2016 “Se não entender o princípio, dificilmente entenderá o meio e o fim.” Obra atualizada: O bageense Rinaldo Souto, membro da equipe que organiza a 4ª edição do livro das danças tradicionais, que deve sair ainda no primeiro semestre de 2016, conversou com o Eco da Tradição sobre tradicionalismo, dança e respeito à história. Desde 2008 é responsável pela digitação da obra. Rinaldo Souto Olivera nasceu em Bagé, onde, aos dezesseis anos, ingressou no grupo de danças do Centro de Tradições Gaúchas Prenda Minha, com o qual participou do primeiro Festival Gaúcho de Arte e Tradição (FEGART), em 1986 na cidade de Farroupilha. Com o grupo de outro CTG de Bagé, o Sentinela da Fronteira, retornou ao festival nos dois anos seguintes, representando, também a 18° RT, na modalidade de Chula. Em 1990, com a indicação do Sr. Jorge Luiz Braga Abott, iniciou suas atividades na condição de instrutor de danças tradicionais gaúchas, coreógrafo e vocalista no Grupo Querência, do CTG Minuano, da cidade de Herval do Sul. No mesmo ano, participou de uma oficina de danças latino americanas na cidade de Mello no Uruguai. Em 1992, foi vocalista da União Gaúcha J. Simões Lopes Neto. Em 1993, foi convidado a instruir o grupo de danças do CTG Cel. Thomaz Luiz Osório, da cidade de Pelotas, onde permaneceu até o ano de 1999, conquistando vários títulos, dentre eles o vice-campeonato do 11° FEGART, em 1996. A partir de 1994, participou de vários cursos de revisão musi-coreográfico, ministrados pelos técnicos do Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore, Sr. Terson da Costa Praxedes e pelo Sr. Jorge Preiss. Em 1995 passou a fazer parte das equipes de avaliação de rodeios e festivais no RS, e, outros Estados, com a valorosa orientação do Dr. Paulo Roberto Espíndola Meirelles. Com o CTG Madrugada Campeira, da Ilha da Pintada chegou a vice-campeão do ENART em 2001, empatando com CTG Aldeia dos Anjos, mas perdendo no critério de desempate. Ainda foi terceiro colocado com o Potreiro Grande, de Tramandaí, no ENART 2008. É Diretor e roteirista de espetáculos teatrais. Rinaldo fez parte da equipe, em 2002, que conseguiu aliar a experiência adquirida ao longo de anos de labuta como dançarinos, posteiros, instrutores e pesquisadores para a formatação da obra que uniu o Manual de Danças de Paixão Cortes e Barbosa Lessa, o “Achegas”, de Paixão Cortes e o caderno nº9 do IGTF, em um livro capaz de facilitar a execução das danças tradicionais nas apresentações, concursos e rodeios, inclusive o ENART. O grande problema enfrentado ao longo dos anos na questão das danças tradicionais foram os diversos momentos vividos pelo tradicionalismo. Ainda dentro do FEGART, para fazer entradas e retiradas, foram estilizadas danças tradicionais. Muitos “instrutores” na época, ao verem isso no festival, levavam para suas entidades. Por muito tempo a dança se identificava pelo seu professor, por um estilo, por este criado. Em outros lugares os espetáculos estilizados enchiam os olhos do público. Na década de 90 deixou-se de lado o “estilizado” e houve uma “reciclagem geral” para melhorar, principalmente, a forma de avaliação. Parecia que não se achava o caminho. Mas continuava a experimentação, teste, acerto e erro. Quando Manoelito Carlos Savaris assumiu o MTG, em 2001, prometeu uma trilogia que poderia ajudar a acabar com as diferentes “escolas” das danças tradicionais: O CD das musicas tradicionais e suas partituras (2001), o livro de danças(2003) e o livro de indumentária gaúcha(2003). Mas a criatividade gaúcha é grande. Instrutores conseguiam achar espaços para implantar, aquilo que chamavam de interpretação. O livro diz que no Anú, na 4ª e 5ª figura (olha o fogo/bamo voltá), por exemplo, os peões infletem meia volta pela a esquerda avançando em frente executando um sapateio continuado. Ao desenvolver essa figura, a “fila” virava duas colunas, ou mais (tal situação de virar mais filas também aconteceu com a chimarrita). Rinaldo acha que o grande problema está no ensaiador, ou no professor, querer interpretar o que está escrito: “O que está escrito não é para interpretar é para seguir” – afirma. “Nosso trabalho, em cima desta nova edição, que já vai para um ano, é debater profundamente, como estamos fazendo, para reparar as possíveis formas de interpretar o que está escrito” – concluiu Souto. Eco – Danças Tradicionais é a modalidade mais concorrida, por envolver maior numero de participantes. Também, ela, é a que possui maiores problemas. Como tu vês isso? Rinaldo – O problema está em quererem interpretar o que está escrito. Não é para interpretar. É para ler e seguir. A mania da informática de suprimir as palavras leva alguns a suprimir elementos fundamentais como: Harmonia (DE CONJUNTO), Interpretação (ARTÍSTICA – facial, corporal, regionalidade) e Correção (COREOGRÁFICA) – Suprimem demais e perde o verdadeiro sentido. Eco – Se é só seguir o “manual” por que alguns inventam coisas mirabolantes? Rinaldo – Quando compramos um televisor, ou um equipamento eletrônico, o que fazemos? Para fazer funcionar usamos o manual. Mas sempre tem aquele que acha que sabe tudo e liga os fios de qualquer jeito. O equipamento não liga. Por que? O que ele tem que fazer? Ele vai ligar e vai descobrir que dizia que tinha três fios e o primeiro tinha de ser o amarelo. Não era para ligar o vermelho primeiro. Na dança da mesma forma. Não tem que inventar. É o tradicional. O que está escrito. O grande problema hoje está no perder o fundamento. A relação básica de respeito e cumplicidade entre peão e prenda. Se não entendem o principio básico, como querem entender o meio e o fim? Eco – Como será o painel artístico de 2016? Rinaldo – Conversando com o vice-presidente artístico do MTG, José Roberto Fischborn, ele sugeriu fazer um curso com os autores do livro para dizer exatamente o que está escrito. Para esclarecer dúvidas, pois eles transcreveram, da maneira mais clara possível, aquilo que Paixão Cortes e Barbosa Lessa escreveram. Os Autores - Alexandre Ourique - Beloni Bastos da Silva - Francisco Jacques Mattos (O Chico - in memorian) - Jefferson Camillo - Helio dos Santos Ferreira - Marco Aurélio Ávila - Moacir Gomes dos Santos - Rinaldo Souto Olivera - Toni Sidi Pereira TEMA SEMANA FARROUPILHA 2016: REPÚBLICA DAS CARRETAS - 180 ANOS DA REPÚBLICA RIO-GRANDENSE

[close]

p. 13

Ano XIV - Edição 174 ECO ENTREVISTA Fevereiro de 2016 SAÚDE EM FOCO 13 Por: Mauro Gimenez Médico Uma vida dedicada à tradição Valdemar Vicentini, 73 anos, natural Gravataí, Trabalhou 35 anos na Duratex e agora esta aposentado, atua no CTG Aldeia dos Anjos onde foi patrão, instrutor, subcoordenador do vale do Gravataí, da 1ªRT. Em 1979 narrou, pela primeira vez, por uma necessidade, o campeonato de laço de Gravataí. Depois disso foram 30 anos narrando rodeios, inclusive, todos do Mercosul. Eco – Quem é o Valdemar longe dos microfones dos rodeios? Hoje Valdemar Vicentini é um aposentado, conselheiro do CTG Aldeia dos Anjos e um homem preocupado em estar sempre auxiliando a juventude. Eco – Nessa vida de rodeios, uma passagem que muito te emocionou Foi ser homenageado quando completei 25 anos de rodeios. A Prefeitura de Gravataí me entregou uma placa em 2009. Confesso que foi um momento único. Eco – Fale sobre a importância da modalidade Vaca Parada nos rodeios Narrei muito. É um jeito da piazada pegar gosto pela lida. O urbano não tem contato com o campo então é lá que tudo começa. Acho que é fundamental. Eco – Comida: Carreteiro. Eco – Livro: As obras do mestre Paixão Cortes Eco – Um ídolo gaúcho: Jayme Caetano Braun Doenças relacionadas às enchentes Prevenção: Nos períodos de chuva intensa são comuns os casos de enchente, especialmente em locais banhados por rios e arroios. E diversas doenças acompanham essa situação. Por isso, é preciso tomar medidas preventivas. Se já não bastassem todos os transtornos que uma enchente traz, há ainda, após o recuo das águas, o alto risco de contaminação, que expõe a população a inúmeras doenças e ao aumento na incidência de acidentes como afogamentos, lesões corporais e choques elétricos, há também um aumento na proliferação dos vetores de doenças, como ratos e mosquitos, e de picadas de animais peçonhentos, como aranhas, escorpiões e cobras. A maioria das doenças ocorre devido à ingestão de água contaminada ou pelo simples contato com essa água. Entre as principais doenças, temos: LEPTOSPIROSE Causador: bactéria Leptospira interrogans. Transmissão: é uma zoonose transmitida principalmente pela urina de ratos. Sintomas: febre, náuseas, diarréia, dores musculares e de cabeça (muito parecidos com os da dengue). A infecção se torna grave quando atinge os rins, o fígado e o baço, podendo ser fatal em alguns casos. Prevenção: evitar ter contato com água e lama contaminadas e nunca consumir água ou alimentos que tiveram contato com a enchente. Medidas de combate aos ratos e prevenção contra as inundações também são eficazes. HEPATITES A e E Causador: infecção hepática causada pelo vírus da hepatite A e E. Transmissão: água e alimentos contaminados ou de uma pessoa para outra. Sintomas: febre, pele e olhos amarelados, náusea e vômitos, mal-estar, dores abdominais, falta de apetite, urina escura e fezes esbranquiçadas. Prevenção: saneamento básico adequado, tratamento da água para consumo humano e ingestão somente de alimentos bem lavados ou cozidos. FEBRE TIFÓIDE Causador: bactéria Salmonella typhi. Transmissão: por meio de água e alimentos contaminados ou contato com pessoas doentes. Doença exclusiva dos seres humanos, cuja única porta de entrada é o sistema digestivo. Sintomas: febre, dor de cabeça, cansaço, sono agitado, náusea, vômito, sangramentos nasais, diarréia. Se não tratada, pode levar à morte por hemorragia intestinal. Prevenção: saneamento básico adequado, tratamento da água para consumo, não acumular lixo e manter as pessoas doentes em isolamento. CÓLERA Causador: bactéria Vibrio cholerae. Transmissão: água e alimentos contaminados. Sintomas: a bactéria libera uma toxina que causa intensa diarreia. Prevenção: saneamento básico com tratamento adequado da água e do esgoto. DENGUE Causador: vírus da dengue dos tipos 1, 2, 3 e 4. Transmissão: por meio da picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti. Sintomas: febre alta, fortes dores musculares, nas articulações e de cabeça. Manchas vermelhas no corpo, inchaço, podendo haver sangramentos. A forma hemorrágica é a mais grave e pode ser fatal. Prevenção: combate ao mosquito transmissor interrompendo seu ciclo de vida. Evitar manter locais com água parada, que é onde a fêmea coloca seus ovos. 4ª RT promove 20º Seminário de Prendas O CTG Oswaldo Aranha, no 3º subdistrito de Alegrete, Durasnal, será palco do 20º Seminário de Prendas da 4ª Região Tradicionalista. A organização do evento, que acontece dia 06 de fevereiro, é de responsabilidade das prendas adultas regionais: Liandra da Mota, 1ª prenda, Liandra da Mota, 2ª prenda, e Franciéli Corrêa, 3ª prenda. A Coordenadora da 4ª Região Tradicionalista, Ilva Maria Borba Goulart, acompanha de perto o evento de preparação para o Seminário Estadual, que acontece no mês de março, em Lagoa Vermelha. 9h - “MTG: 50 anos de preservação e valorização da cultura gaúcha” - Palestrante: Milena Antunes. 10h - Painel com os ex-patrões: “A contribuição do CTG Oswaldo Aranha nos 50 anos do MTG”. Mediadora: Liandra da Mota – 2ª Prenda 4ªRT. 11 h - “As contribuições do CTG Tríplice Aliança e do Grupo Nativista Ibirapuitã nos 50 anos do MTG”. Explanação Micaela Almeida- 1ª Prenda da 4ª RT Franciéli Corrêa – 3ª Prenda 4ªRT. Foto: Divulgação Liandra da Mota, 2ªPrenda da 4ªRT TEMA ANUAL: “MTG 50 ANOS DE PRESERVAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA CULTURA GAÚCHA”

[close]

p. 14

14 TROPEANDO VERSOS Ano XIV - Edição 174 NOTÍCIAS Fevereiro de 2016 Por: Carlinhos Lima Diretor Departamento de Manifestações Poéticas O Regulamento Buenas amigos do verso gaúcho! Iniciamos um novo ano e com ele muitas expectativas de como serão os eventos artísticos, os rodeios e, principalmente, as atividades relacionadas à arte declamatória. Buscando manter todos informados transcrevermos abaixo as alterações no regulamento, referentes à declamação, ocorridas na última Convenção realizada em Porto Alegre em julho de 2015 e que muitos ainda não tomaram conhecimento. Seção I Das Disposições Gerais Art. 19 - A Comissão Avaliadora atribuirá nota aos participantes, empregando os critérios estabelecidos para cada concurso. § 2º - Em caso de empate em qualquer uma das modalidades, são critérios de desempate os seguintes: c) Declamação: 1º) interpretação da mensagem; 2º) fundamentos da voz; 3º) expressão; 4º) fidelidade ao texto. Seção XI Do Concurso de Declamação Art. 45 - No concurso de declamação, cada participante apresentará um entre 3 (três) poemas de sua escolha, constantes de listagem apresentada à Comissão Avaliadora e escolhida mediante sorteio, no mínimo 10 (dez) minutos antes da apresentação. § 2º - O tema deverá ser de inspiração gauchesca, tendo como base a língua portuguesa, podendo conter termos ou pequenos trechos em espanhol ou outros idiomas de povos formadores da cultura gaúcha. Art. 46 - A Comissão Avaliadora embasará seus critérios nos seguintes quesitos: I - Fundamentos da Voz - 3 pontos a. Impostação (1) b. Dicção (1) c. Inflexão (1) II - Expressão Corporal - 2 pontos a. Facial e Gestual (1) b. Postura cênica (1) III – Interpretação da Mensagem - 4 pontos IV - Fidelidade ao Texto - 1 ponto § 3º - Na fase final, haverá uma eliminatória, classificando os 12 (doze) primeiros colocados em cada categoria, para uma finalíssima. § 4º - Na fase final das inter-regionais, quando houver, e na finalíssima, o poema será de livre escolha do(a) declamador(a), não podendo repetir o da eliminatória. O jovem centauro dos pampas Multicampeão: Paulo Félix Júnior soma quase 30 grandes títulos dos maiores rodeios na modalidade de prova de rédeas pelo Brasil Era o ano de 1991, quando o pequeno Paulo Félix Júnior, o Juninho, começava a dar suas primeiras voltas à cavalo. Ninguém imaginaria que ali iria surgir uma ligação tão forte entre um homem e um animal. Representando o Piquete Descanso do Pingo, perto dos seus 9 anos de idade, começou a competir chegando a primeira colocação de uma prova, concorrendo entre os adultos. Com dicas de seu pai, Paulo Felix, homem muito campeiro e de seu amigo, Alcides Gomes (freio de ouro), que domou e deu dicas de treinamento, que ele executou em seu cavalo. “Treinei cavalos por alguns anos,depois fui pro meio automotivo onde trabalhei em uma autorizada na parte da mecânica por quase 3 anos, mas nunca deixando os cavalos de lado, hoje estou lidando com mais tempo neles novamente”. Juninho acumulou prêmios ao longo dos seus 28 anos de vida: Dez vezes campeão do Rodeio de Porto Alegre 2004, 05, 06, 07, 09, 10, 11, 12 ,14,15- Rodeio Internacional de Osório, Rodeio Nacional de Santo Antonio da Patrulha, Rodeio Nacional de Campo Bom, Bicampeão Brasileiro 2007, 2011, Bicampeão Estadual - FECARS 2010 e 2012, pentacampeão do Rodeio Internacional da Vacaria 2006, 2010,12,14,16 e Tetracampeão do Rodeio da Semana Farroupilha de Porto Alegre em 2006, 2007, 2011 e 2012. Campeão do rodeio internacional do Mercosul em Gravataí Paulo Júnior treina o cavalo, em mês de prova, 5 dias por semana, e quando se aproxima a competição diminui os treinos pra 3: “Acredito que o grande segredo não é apenas o treino mas um entendimento e respeito dos limites, tanto que em todos esses anos nunca tive que para-lo por manqueiras ou dores, que na minha opinião é o que mais conta numa base boa de treinos” – confidencia o campeão. Foto: Divulgação Saiu cronograma do JuvEnart Em recente reunião a comissão organizadora do JuvEnart definiu pontos importantes para o evento deste ano. O cronograma de 2016 não poderá ser alterado. Após avaliar todas as possibilidades a comissão decidiu pelo seguinte cronograma:  Pré-inscrições - Fase 1 29 de fevereiro até 05 de março/2016  Desistências - Fase 1 Até 05 de março de 2016  Lançamento da Campanha 2016 e Sorteio - Fase 1 06 de março de 2016  Envio do Formulário Danças, músicos e dançarinos - Fase 1 07 a 11 de março de 2016  Ajustes Inscrições - Fase 1 27 de junho a 1º de julho de 2016  JuvEnart - Fases 1 e 2 (Classificatória) 15, 16 e 17 de julho de 2016  Envio do Formulário Danças, músicas e dançarinos - Fase 3 18 a 22 de julho de 2016  Desistências Fase 3 Até 22 de julho de 2016  Sorteio Fase 3 23 de julho de 2016  JuvEnart - Fases 3 e 4 (Final) 05, 06 e 07 de agosto de 2016. IMPORTANTE: A partir de 2016 o JuvEnart será temático, ou seja, irá propor reflexões e produções sobre assuntos de relevância social, cultural, político, etc. O lançamento da Campanha 2016 com a apresentação do tema e do novo troféu rotativo acontecerá dia 06 de março, em evento no CTG Sentinela da Querência, em Santa Maria. O tema para 2016, cujo slogan será divulgado no evento, abordará a violência. O JuvEnart 2016 dirá NÃO PARA A VIOLÊNCIA, e proibirá a incitação à ela. “O Regulamento 2016 estará disponível no mês de fevereiro onde será incluso um texto explicativo sobre este assunto, sua aplicação e consequências” – disse Arion Pilla. Juninho, ao lado do pai, Paulo Felix, é um multicampeão da modalidade prova de rédeas Atenção finalistas do ENART TEMA SEMANA FARROUPILHA 2016: REPÚBLICA DAS CARRETAS - 180 ANOS DA REPÚBLICA RIO-GRANDENSE

[close]

p. 15

Ano XIV - Edição 174 NOTÍCIAS Fevereiro de 2016 AMPLIANDO HORIZONTES 15 Por: Manoelito Carlos Savaris Conselheiro Vaqueano do MTG e da CBTG Erechim tem CTG eneacampeão Lista Destaque: Sentinela da Querência é imbatível – 9 Vezes. Mais uma vez o CTG Sentinela da Querência, da cidade de Erechim, 19ª RT, conseguiu completar os 200 pontos da Lista Destaques Tradicionalistas em 2015. Por seis anos consecutivos, de 2002 à 2007, foi o CTG com maior participação, desde a criação da lista em 2002, ficando à frente até mesmo do CTG Laço Velho, de Bento Gonçalves, 11ª RT (7 vezes) e do CPF Piá do Sul, de Santa Maria, 13ª RT, pois fechou mais três pontuações máximas (200 pontos) em 2013, 2014 e 2015. Em 2015 chegaram aos 200 pontos, como as mais participativas: • GN Ibirapuitã 4ªRT • CTG Sinuelo do Pago 4ªRT • CTG Tríplice Aliança 4ªRT • CCN Sentinelas do Rio Grande 6ªRT • CTG Farroupilhas 6ªRT • CTG Felipe Portinho 7ªRT • CTG Moacir Motta Fortes 7ªRT • CTG Osório Porto 7ªRT • CTG Sentinela do Pago 7ªRT • CPF Piá do Sul 13ªRT • CTG Sentinela da Querência 13ªRT • PL Timbaúva 15ªRT • CTG Sentinela da Querência 19ªRT • CTG Tropilha Farrapa 24ªRT Foto: Divulgação Resgatando a história No ano de 2011, quando dirigia o Departamento de Pesquisa e Difusão Cultural, vinculado à vice-presidência de cultura, criei esta coluna com o objetivo de oferecer oportunidade de melhorar o conhecimento sobre história, tradição, folclore, tradicionalismo, ou outro tema de interesse do MTG. Naquela primeira oportunidade publiquei 14 textos, sendo o último em abril de 2012. A coluna, desde maio de 2012 ficou a cargo do titular do Departamento de Pesquisas ou de algum integrante da área que trabalha a indumentária gaúcha. Todos os artigos foram ótimos. Agora, por solicitação da Diretora do Departamento, Odila Savaris, que tem o encargo de produzir o encarte do Piá 21, retorno com a responsabilidade de manter esta coluna no ano de 2016. Nosso foco, neste ano será a história do tradicionalismo gaúcho como uma forma de colaborar nas comemorações do cinquentenário do MTG. Grande do Sul”, publicado em 1912) Mas para o tradicionalismo gaúcho, a marca maior foi a criação do Grêmio Gaúcho, em Porto Alegre, no dia 22 de maio de 1898. Parece-me importante relembrar, para ampliar nossos horizontes, quando e como foi definido Cezimbra Jacques como “Patrono oficial do movimento tradicionalista do Rio Grande do Sul”. A iniciativa para tal reconhecimento foi de Carlos Galvão Krebs que elaborou a proposição levada ao 6º Congresso Tradicionalista, realizado em Cachoeira do Sul, em dezembro de 1959. A proposição, no entanto foi assinada por dois delegados do “BOITATÁ – Centro de Estudos de Folclore e Tradicionalismo” entidade não oficial, vinculada ao Instituto de Tradições e Folclore da Secretaria de Educação (atualmente é a Fundação IGTF da Secretaria da cultura), do qual Krebs era o Diretor. Assinaram a proposição: Noé Sandino Vieira e Antônio Augusto Fagundes, delegados credenciados no Congresso, como representantes do ‘BOITATÁ”. A proposição foi aprovada naquele Congresso, realizado nas dependências do CTG Tropeiros da Lealdade e presidido por Moacyr Cunha Roesing. Para leitura: 1. Cezimbra Jacques – O Precursor, de Getulio Schilling, publicado pelo IGTF, em 1986. 2. Assuntos do Rio Grande do Sul, de João Cezimbra Jacques, publicado pela Escola de Engenheiros, em 1912 e republicado pela editora ERUS, em 1979. CEZIMBRA JACQUES O PRECURSOR Sentinela da Querência é um CTG muito atuante. Prova disso é a Lista Destaques Bala perdida tira a vida de peão do Coxilha Aberta Luto: A violência nas grandes metrópoles ceifou a vida do pequeno Lucas, integrante da invernada mirim do CTG Coxilha Aberta, da Capital Lucas Longo, de 12 anos, morreu depois de ser atingido por disparos de arma de fogo na sexta-feira dia 22, no bairro Rubem Berta, na Zona Norte de Porto Alegre. Segundo a Brigada Militar, um Gol branco passou atirando na Rua Madre Paulina, onde crianças brincavam. A avó do menino, havia ido à feira e ele preferiu ficar brincando, mas pediu para ela lhe trazer um pastel. O pequeno Lucas dançava na invernada mirim do CTG Coxilha Aberta, 1ªRT. Começou a frequentar o CTG desde seus 5 anos, acompanhado da avó, com quem morava desse um ano e quatro meses. Menino acanhado, quase nunca escrevia no seu facebook, mas sonhava em ser patrão do Coxilha Aberta. Era um apaixonado por rodeios e poder estar dançando na invernada. “Eu acho que a sociedade toda tem que se mobilizar. Porque cada dia que passa se perde mais e mais crianças nesta guerra de tráfico em nossa cidade. Eu digo, hoje foi o Lucas, amanhã ou depois pode ser uma outra criança...Onde chegaremos com toda está crueldade?” – Disse Neuza Silva, transtornada com o ocorrido. Lucas Longo tinha apenas 12 anos A maioria dos tradicionalistas sabe que o Patrono do movimento tradicionalista do Rio Grande do Sul é o Major João Cezimbra Jacques, filho de Inácio de Souza Jacques e Rita Cândida Cezimbra, nascido no município de Santa Maria da Boca do Monte no dia 13 de novembro de 1849. O Patrono sentou praça como Voluntário da Pátria quando completou 18 anos, 13 de novembro de 1867, para combater na Guerra do Paraguai onde seu pai havia perdido a vida em combate na província de Corrientes, na Argentina. Fez carreira militar, servindo em várias unidades do Exercito Nacional, combateu os revolucionários liderados por Gumercindo Saraiva na Revolução Federalista, mas foi como professor militar que mais se realizou. Casou, tardiamente para a época, com 42 anos, com D. Julia Cidade Jacques, que tinha à época 21 anos. Teve três filhos ( Alberto, Bolívar e Albertina). Foi um homem marcado pela tragédia familiar: perdeu a esposa com 27 anos, a filha com dez anos e os dói filhos antes de atingirem a idade adulta. Faleceu em 1922, na cidade do Rio de Janeiro, sendo seus restos mortais esquecidos em local incerto e não sabido. De Cezimbra Jacques temos as suas obras e os seus estudos (dentre os quais destaco o “Assumptos do Rio

[close]

Comments

no comments yet